Regimento Interno. Associação Ecovila Tibá de São Carlos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regimento Interno. Associação Ecovila Tibá de São Carlos"

Transcrição

1 1 Regimento Interno Associação Ecovila Tibá de São Carlos PREÂMBULO O Regimento Interno da Associação Ecovila Tibá de São Carlos, doravante denominada apenas Ecovila, foi criado com o objetivo de ordenar harmoniosamente as instâncias e as relações entre os/as associados/as e destes com a própria Ecovila. Este Regimento não deve dificultar estas relações e para tanto deve ser revisto e melhorado/aperfeiçoado sempre que necessário. Cada item do Regimento Interno é apresentado em três tópicos. Primeiro é apresentado seu Objetivo, onde se busca registrar a motivação da criação do tópico, para que sua ideia original não seja deturpada e oriente revisões futuras. Em segundo lugar é apresentada a referência que liga o item ao Estatuto, quando existente. Em terceiro lugar é apresentado o texto decidido entre os Associados, contendo a diretriz orientadora que deverá ser observada por todos. 1. DOS MEMBROS 1.1 Objetivo Apresentar as categorias de membros atuantes na Ecovila, associados ou não, e suas diferentes possibilidades de atuação. 1.2 Referência ao Estatuto Artigos 3º, 4º e 5º. 1.3 Decidem os Membros Associados Membros Associados O quadro de Associados da Ecovila é constituído por: a) Associado Fundador aquele presente ou representado na Assembleia Geral de Fundação, Eleição e Posse da Associação Ecovila de São Carlos. b) Associado Titular detentor de um Título Patrimonial de Infraestrutura Coletiva (T- INFRA) da Associação Ecovila Tibá de São Carlos. c) Associado Morador aquele que usufrui das instalações da Ecovila, por extensão de direito de um Associado Titular. Cada Título Patrimonial está associado a um grupo familiar constituído Membros Não Associados

2 a) Observador/observado - são considerados Membros Observadores/Observados aqueles que estiverem no 2 Momento do Processo de Inserção e Integração, descrito no item 2 deste Regimento Interno (RI). b) Temporário - são considerados Membros Temporários aqueles que estiverem no 3 Momento do Processo de Inserção e Integração, descrito no item 2 deste Regimento Interno (RI). 2 Outras relações contratuais, tais como aluguel, hospedagem, arrendamento, comodato, entre outras, terão suas condições estipuladas em acordo específico entre a Ecovila e o interessado, seguidas as legislações vigentes. 2. DO PROCESSO DE INSERÇÃO E INTEGRAÇÃO 2.1. Objetivo Cuidar para que o ingresso de novos membros na Ecovila se dê de forma progressiva e de forma que o ingressante e o grupo de Associados possam perceber se haverá harmonia entre si Referência no Estatuto Artigos 3º e 4º Decidem os Associados Em linhas gerais o processo acontecerá em três Etapas, e começará com a manifestação do(s) interessado(s). Um Grupo de Acolhimento (GA) terá um papel muito importante, mediando o Processo. Em qualquer das etapas haverá momento em que poderá haver veto à entrada do interessado por parte dos Associados. O tempo do processo poderá variar conforme a afinidade prévia do ingressante com o grupo ou o tempo de convívio que poderá ser dedicado. A expectativa é que a definição do processo ocorra num prazo de 12 a 18 meses. Em qualquer fase do processo de inserção e integração, o interessado poderá se hospedar na Ecovila, desde que haja condições de acomodação e sejam seguidos os critérios de hospedagem do item 6.1 deste RI. 1ª Etapa Manifestação de interesse ( paquera ) O começo do Processo se dá pelo interesse do potencial ingressante, que busca conhecer a Ecovila. O Associado que recebeu o contato solicitará ao interessado que faça um breve relato, com base nas seguintes questões: - Breve histórico da vida pessoal (familiar, estudantil e profissional). - De onde você é, o que faz, o que gostaria de fazer? - O que é uma Ecovila para você? - Como a Ecovila pode ser boa para você? - Como você pode ajudar a Ecovila? - De que maneira tomou conhecimento da Ecovila Tibá? - Qual sua motivação em pertencer a Ecovila Tibá?

3 - Já teve alguma experiência comunitária / associativa? - O que poderia impedir a sua permanência na Ecovila? - Preferências de moradia: local, tamanho da casa, modo construtivo. - Você tem expectativa de desenvolver alguma atividade econômica na ecovila? Como atividade principal ou como atividade complementar? Especifique. Ainda, o Associado que recebeu o contato fornecerá ao interessado textos e informações sobre a Ecovila, tais como: - Estatuto; - Regimento Interno; - Informações complementares, onde estarão contidas a estrutura de funcionamento, a divisão do trabalho e os aspectos financeiros (fundo coletivo, valor do T-INFRA, compromissos financeiros, gastos gerais). Condições para prosseguimento do processo. Uma vez expresso o desejo do interessado de continuar com o processo, serão tomadas/estabelecidas algumas providências/condições: - Dois ou mais sócios encaminharão uma carta de apresentação do candidato a sócio à Diretoria; - Ausência de veto por parte dos Associados, consultados pela Diretoria. - A Diretória constituirá um Grupo de Acolhimento (GA), composto por três pessoas, onde uma delas poderá ser um dos signatários da carta de apresentação; - Todas as despesas (deslocamento, refeições, etc) necessárias à visitação, estadia, correrão por conta do interessado; - O interessado fornecerá 2 ou mais referências, cabendo ao GA determinar a quantidade necessária caso a caso. - O interessado se comprometerá, em caso de desistência em qualquer fase do processo de admissão, a fornecer por escrito a causa. 3 2ª Etapa Membro Observador/Observado ( namoro ) Esse é um período de avaliação mútua que poderá durar de um a doze meses. A partir desse momento, o interessado é considerado Membro Observador/Observado. Como todos desejam aumentar os contatos: - O interessado participará, como observador, de reuniões, de eventos e de trabalhos; - Os demais membros da comunidade se empenharão em aprimorar o relacionamento e identificar amigos/conhecidos em comum com o interessado; - Todos buscarão identificar problemas e melhorar o processo de inserção e integração. Após esse tempo, o GA se reunirá com o interessado para avaliar: - Referências pessoais, fornecidas pelo interessado; - As mútuas impressões preliminares; - As informações passadas sobre a Ecovila e eventuais dúvidas; - A expectativa em relação à Ecovila; - Como contribuir com as habilidades que possui; - A maneira de compatibilizar os compromissos pessoais e os da Ecovila; - A solução para as questões financeiras, entre elas a proposta de integralização do T-Infra do(s) interessado(s).

4 4 Condições para prosseguimento do processo. Uma vez expresso o desejo do interessado de continuar com o processo, e sanados os itens acima, serão tomadas/estabelecidas algumas providências/condições: - Encaminhamento do pedido para se tornar Membro Temporário, por parte do interessado; - Assinatura do termo de compromisso sobre os direitos e deveres mútuos; - O GA fará uma consulta aos membros da comunidade. Tal consulta pode levar a três situações: aceitação como Membro Temporário; continuação como Membro Observador/Observado; veto ao ingresso. - Em caso de veto, a Ecovila enviará por escrito os motivos que levaram a esta decisão. 3ª Etapa Membro Temporário ( noivado ) Dado o maior envolvimento do interessado com a comunidade, as chances de maior conhecimento mútuo serão maiores, assim como a realimentação do processo de inserção e integração. São compromissos e direitos de um Membro Temporário (além dos já exercidos nas etapas anteriores): - Visitar livremente a Ecovila (caso não esteja hospedado); - Aceitar formalmente os princípios e documentos que regem a Ecovila; - Pagar uma Taxa de Membro Temporário, de valor igual à Taxa de Manutenção; - Pagar as contribuições mensais que lhe couberem; - Dedicar horas de trabalho aos assuntos da Ecovila. Condições para prosseguimento do processo ( casamento ). Uma vez expresso o desejo do interessado de continuar com o processo, serão tomadas/estabelecidas algumas providências/condições: - Se, a critério do GA, as condições forem satisfatórias para as duas partes (comunidade e interessado) e o interessado deseje continuar o processo, deverá encaminhar à Diretoria, por meio do GA, uma solicitação, por escrito, para se tornar um Associado, assim como um plano de pagamento do T-INFRA. Ao mesmo tempo, o GA exporá à Diretoria os métodos e os resultados obtidos, sem emitir juízo de valor. - Caberá à Diretoria fazer uma análise do processo e, quando for o caso, requisitar que se complementem as informações que julgar necessárias. Quando a Diretoria considerar o processo satisfatório, convocará uma Assembleia para julgar a aceitação do interessado como Associado. - O ingresso do interessado deverá ser aprovado por unanimidade na Assembleia convocada para este fim. - Caso não ocorra o ingresso do interessado por algum motivo, o interessado será ressarcido em 1/3 (um terço) da Taxa de Membro Temporário. Satisfeitos os itens acima, o interessado estará aprovado no Processo de Inserção e Integração. Conforme o Artigo 3º do Estatuto, caso deseje ser um Associado Titular, deverá proceder à aquisição de um Título Patrimonial de Infraestrutura Coletiva (T-INFRA), conforme disposto neste Regimento Interno. Caso deseje ser um Associado Morador, deverá ser vinculado a um Associado Titular. 3. DO PROCESSO DE RECONCILIAÇÃO OU EXCLUSÃO

5 3.1 Objetivo Conforme o seu Estatuto (Artigo 2º item d ), a Ecovila tem entre seus objetivos d) Fazer da vida em grupo um instrumento de crescimento pessoal, promovendo o convívio construtivo, as habilidades de diálogo e a resolução pacífica de conflitos, consolidando a diversidade com uma rede de confiança e solidariedade (...). Todavia, em casos extremos, pode ser necessário que um Associado seja excluído por causa de suas faltas recorrentes e ausência de diálogo Referência no Estatuto Artigo 5º Decidem os Associados Qualquer que tenha sido a causa de um conflito, para o crescimento da comunidade, vale a pena aproveitá-lo para despertar mudanças que venham beneficiar a todos. Daí ser necessário que haja um Processo de Reconciliação. Inicialmente, a Diretoria facilitará e documentará o esforço de diálogo direto para a solução do conflito, buscando a participação de todas as partes envolvidas. Caso não haja reconciliação, a Diretoria facilitará e documentará o esforço de diálogo envolvendo um mediador escolhido de comum acordo entre as partes. A Diretoria também documentará o cumprimento de eventuais acordos de reconciliação. A exclusão de algum Associado da Ecovila é um recurso extremo. Caso seja inevitável, quando esgotadas as possibilidades de reconciliação os motivos se mantenham, a Diretoria enviará uma correspondência formal ao membro tido em falta comunicando a indicação de sua exclusão, ao mesmo tempo em que convocará uma Assembleia especificamente para deliberar sobre o assunto, cabendo ao interessado apresentar recurso nesta Assembleia. A documentação do Processo de Reconciliação será divulgada aos participantes da Assembleia, para embasar suas decisões. O Membro Associado excluído poderá ser ressarcido em até 10% do valor dos Títulos Patrimoniais, a combinar. 4. DO PATRIMÔNIO Título Patrimonial Objetivo Receber dos Associados os recursos necessários ao estabelecimento da Ecovila. Permitir que, ao deixar a Ecovila, um Associado possa reaver o dinheiro empenhado na Ecovila, porém sem colocar em risco a viabilidade econômica da própria. A forma deve ser tal que evite a especulação sobre o valor imobiliário da Ecovila Referência no Estatuto Item c) do Artigo 9º Decidem os Associados Existirão dois tipos de títulos patrimoniais: de Infraestrutura Coletiva e de Benfeitorias. O

6 Título Patrimonial de Infraestrutura Coletiva (T-INFRA) corresponde ao investimento necessário para as estruturas básicas e de usufruto de todos os Associados, como por exemplo, os acessos, fornecimento de eletricidade ou equipamentos coletivos. É a propriedade de um T-INFRA que caracteriza o associado como Associado Titular. O Título Patrimonial de Benfeitoria (T-BEN) corresponde ao investimento de usufruto particular do Associado ou de um grupo de Associados, como por exemplo, as casas de moradia individual ou um espaço produtivo individual. Todos os Títulos Patrimoniais da Ecovila somente poderão ser vendidos pela Associação ou por seu intermédio para pessoas aprovadas no Processo de Inserção e Integração ou para seus Associados. - o Título Patrimonial de Infraestrutura Coletiva (T-INFRA) da Ecovila Tibá somente poderá ser vendido aos seus Associados, que somente poderão vendê-lo à própria Ecovila ou por seu intermédio. A Assembleia decidirá sua forma de correção, considerando o valor dainfraestrutura básica da Ecovila, incluindo equipamentos comunitários. - A quantidade máxima de T-INFRA emitidos dependerá das condições de infraestrutura e acomodação da Ecovila ao longo de sua implantação. É desejável que se preservem os espaços individuais e coletivos a fim de garantir a plena realização de suas atividades e projetos. - O Título Patrimonial de Benfeitoria (T-BEN) somente poderá ser vendido aos Associados Titulares. O objetivo do T-BEN é captar recursos para construção de benfeitorias de usufruto individual por um Associado específico. O Associado interessado proporá em Assembleia o valor do T-BEN a ser emitido, a benfeitoria correspondente, além da forma de correção e integralização do seu valor e do seu prazo de execução. Uma vez aprovado pela Assembleia, o interessado e um ou mais Associados escolhidos pela diretoria acompanharão o andamento da obra, atentando para os prazos estipulados no projeto. - Os T-BENs estão necessariamente vinculados aos Títulos Patrimoniais de Infraestrutura Coletiva da Ecovila Tibá (T-INFRA), de forma que os T-BENs somente podem ser negociados entre Associados, isto é, entre detentores de T- INFRA. - O Associado poderá fazer parcerias com não Associados em empreendimentos, desde que haja um contrato aconselhado juridicamente por especialista, onde, explicitamente, a Associação não seja afetada de maneira negativa no seu patrimônio. O contrato deverá ser aprovado em Assembleia. - Caso o Associado queira se desfazer dos seus Títulos, deverá comunicar ao Presidente da Associação por escrito. A Associação tem preferência de compra. A responsabilidade pela venda do título é compartilhada entre a Ecovila e o sócio egresso. Qualquer venda ou compra de Títulos deve ser intermediada pela Ecovila. Cabe à Assembleia, convocada para tal fim, pactuar os acordos financeiros. - No caso de um Associado Titular vender todos os seus Títulos Patrimoniais, este deixará de ser Associado, bem como seus Associados Moradores dependentes, a menos que passem a ser dependentes de outro Associado Titular. - No ato da compra ou transferência de Títulos Patrimoniais, o adquirente pagará os custos dos trâmites burocráticos necessários Taxa de manutenção Objetivo Esclarecer os mecanismos para estipular as taxas de manutenção. Estipular contribuições que cubram o que efetivamente foi usado pela Associação. Estimular a busca por crédito

7 7 interno, no caso de dificuldades de pagamento de um associado Referência no Estatuto Artigos 9º, 10º e 11º Decidem os Associados - A taxa de manutenção será cobrada mensalmente e seu valor deverá ser calculado para que cubra os custos necessários para a manutenção em bom estado da infraestrutura da Ecovila. Cada Associado Titular será responsável pelo seu pagamento. - - Sempre que for cabível, haverá uma contribuição de uso específico para cada equipamento comunitário, que cobrirá os custos de quem efetivamente os use. Por exemplo: todos Associados Titulares pagarão a Taxa de Manutenção, que cuidará do bom estado do restaurante comunitário, entre outras coisas. Além desta, cada associado pagará uma contribuição por refeição efetivamente tomada. - Em caso de comprovada dificuldade de pagamento, a Diretoria tem autonomia para negociar uma nova condição de pagamento, ad referendum da Assembleia. - O valor das taxas serão reajustados pela Diretoria, e poderão ser revistas pela Assembleia ou referendo. - O não pagamento das obrigações implicará em multa de 3% e juros de mora de 2% a.m Alterações no patrimônio Objetivo Salvaguardar o patrimônio da Ecovila, deixando todavia uma autonomia para a Diretoria tomar as decisões necessárias. Quando se fala de patrimônio, aqui se entende o patrimônio constituído (mobiliário, imobiliário e numerário), excluindo o caixa de custeio mensal, proveniente das taxas de manutenção Referência no Estatuto Parágrafo Segundo do Artigo 11º Decidem os Associados Em um mesmo mês a Diretoria terá autonomia para alterar o patrimônio dentro dos seguintes limites: - Alterações de até 3% do Título Patrimonial de Infraestrutura Coletiva (T-INFRA) podem ser tomadas pela própria Diretoria. - Alterações de até 10% do T-INFRA poderão ser tomadas pela própria Diretoria, desde que com a anuência do Conselho Fiscal. - Alterações superiores a 10% deverão ser realizadas somente depois de ouvida a Assembleia ou Referendo. 5. DOS PROCESSOS DE DECISÃO 5.1. Referendos

8 Objetivo Ter um instrumento flexível, e ferramentas de comunicação acessíveis, que permitam que decisões importantes sejam tomadas de forma participativa, sem necessitar convocar uma Assembleia Referência no Estatuto Item h) do Artigo Decidem os Associados Para assuntos em que a Diretoria considere de fácil resolução, esta poderá convocar um Referendo, que terá o valor de decisão em Assembleia. Para um Referendo ser válido será necessário que: - o material de esclarecimento a questão a ser decidida seja colocado à disposição na internet e na sede da Associação (impresso) ; - a Diretoria marque e facilite uma reunião para debater o tema com os que desejarem, precedida de explicação sobre a questão; - haja, entre as respostas do referendo, as opções Eu li o material de esclarecimento disponível e prefiro que a questão seja decidida em Assembleia e Eu aceitarei proativamente a decisão da maioria. - ninguém opte por tomar a decisão em Assembleia; - tenha a participação de mais de 90% dos votantes; - haja uma opção com a preferência de mais de 75% dos que votaram, excluídos os que optaram por aceitar a decisão da maioria DOS USOS E OCUPAÇÃO 6.1. Moradia e Hospedagem Objetivos Estabelecer critérios para ocupação dos espaços existentes ou que venham a ser construídos e as formas de ressarcimento pelo uso e ocupação Referência no Estatuto Decidem os Associados O termo Moradia/Residência será aplicado apenas aos Associados com casa própria ou adquirida a partir da compra de um Título Patrimonial de Benfeitoria (T-BEN) equivalente, e será denominado Associado Residente. Todos os demais casos serão considerados Hospedagem. A Gerência de Hospedagem é o grupo responsável por organizar a recepção de hóspedes na Ecovila, respeitadas as condições de acomodação de hóspedes e Associados. Desta forma, quatro situações são possíveis em relação à ocupação da Ecovila: a) Associado Residente detentor de T-INFRA e do T-BEN, residindo em casa própria. b) Associado Hóspede - detentor de T-INFRA, residindo em edificações coletivas da Ecovila.

9 c) Não Associado Hóspede pessoa em Processo de Inserção e Integração residindo em edificações da Ecovila. d) Hóspede visitante Pessoas que desejem ser hóspede visitante na Ecovila pagarão os seguintes percentuais da Taxa de Manutenção (TM), que funcionarão como o indexador dos valores de hospedagem: a) Diária (períodos curtos, de até 30 dias): 10% da TM ao dia. b) Mensal (períodos longos, mais de 30 dias): 1,5 TM ao mês. c) Nas duas situações acima, os valores se referem aos custos de consumo de água, eletricidade e uso das edificações. Os custos adicionais de alimentação, faxina, roupa de cama, mesa e banho serão acordados com a Gerência de Hospedagem. Com relação à condição de Hospedagem, têm-se as seguintes situações: i) Hospedagem de curta duração para amigos/família dos sócios e Não Associados Hóspedes: sem custos de hospedagem, desde que comunicada à Associação ou a Gerência de Hospedagem com a devida antecedência. ii) Hospedagem para visitantes: valor indexado pela Taxa de Manutenção, dependendo da duração da hospedagem, mais os custos adicionais.. iii) Hospedagem por trocas solidárias: sem custos de hospedagem, desde que exista um Plano de Trabalho acordado com a Associação ou com um empreendimento específico da Ecovila, explicitando o planejamento das atividades a serem realizadas. Sobre as hospedagens, há ainda a observar: Toda hospedagem deve ter aprovação de todos os Associados; na impossibilidade, a Gerência de Hospedagem poderá decidir. A Assembleia poderá vir a estabelecer outra instância para a aprovação e gerenciamento das hospedagens. Deve haver sempre o cuidado de preservar acomodação para os demais Associados não moradores. Deve ter sempre atrelado, a qualquer categoria de hospedagem, um contrato com prazos e valores/trocas. Toda hospedagem deve estar sempre referenciada a um Associado Titular Edificações e infraestrutura Objetivos Estabelecer os locais e técnicas para edificação e infraestrutura, buscando o menor impacto ambiental possível com melhor conforto Referência no Estatuto Decidem os associados Será orientado pelo Regimento Interno, em texto elaborado oportunamente, na ausência do qual as decisões serão tomadas em Assembleia.

10 Empreendimentos Solidários Objetivo Definir diretrizes orientadoras para a construção de empreendimentos particulares de um Associado Titular ou de um grupo Referência no Estatuto Decidem os associados: Será orientado pelo Regimento Interno, em texto elaborado oportunamente, na ausência do qual as decisões serão tomadas em Assembleia Animais de estimação, fauna e flora Objetivo: Propiciar um convívio harmônico entre Associados, animais de estimação, fauna e flora Referência no Estatuto: Decidem os associados: Será orientado pelo Regimento Interno, em texto elaborado oportunamente, na ausência do qual as decisões serão tomadas em Assembleia Usos da terra Objetivo: Planejar o uso agrícola da terra e criar mecanismos para eventuais usos de área por interesse particular de um ou mais Associados Referência no Estatuto: Decidem os associados: Será orientado pelo Regimento Interno, em texto elaborado oportunamente, na ausência do qual as decisões serão tomadas em Assembleia Consumo Objetivo: Facilitar relação de compras coletivas, transporte coletivo, avaliação de hábitos de consumo e impacto ecológico Referência no Estatuto: Decidem os associados:

11 Será orientado pelo Regimento Interno, em texto elaborado oportunamente, na ausência do qual as decisões serão tomadas em Assembleia DA CONDUTA 7.1. Objetivo Vivermos o maior tempo possível dentro de um clima de harmonia ao praticarmos algumas condutas de boa aceitação Referência ao Estatuto 7.3. Decidem os Membros Associados Certas atitudes e comportamentos são encorajados pelos Associados: - seguir as Leis Estatuárias e do Regimento Interno da Associação. - cumprir seus compromissos com a comunidade (Art e Parágrafo Único do Código Civil em vigor Lei 10406/02 de 10 de janeiro de 2002). - fazer bom uso dos fundos financeiros da Ecovila. - zelar pelo patrimônio da Ecovila assim como sua imagem, sobretudo os equipamentos coletivos. - evitar atividades perniciosas e condenáveis. - respeitar a legislação vigente na sociedade em que estamos inseridos. - evitar ser causa direta ou indireta (dependentes e/ou animais de estimação) de distúrbios ou conflitos na comunidade. 8. DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS Eventuais dúvidas e omissões deste Regimento Interno serão esclarecidas por Assembleia ou Referendo. Regimento aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada em 13 de maio de 2013.

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DE MÚTUO AUXÍLIO AMA CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Art. 1 - A Associação de Mútuo Auxílio, também designada pela sigla AMA, é uma associação civil sem

Leia mais

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI

ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI Reconhecida pela SEC/SC - Portarias 0390/86 e 0424/92 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE PAIS E PROFESSORES DA ESCOLA TÉCNICA DO VALE DO ITAJAI-ETEVI-FURB-BLUMENAU-SC CAPÍTULO I

Leia mais

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS

REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS REGIMENTO DO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS TÍTULO I DO CENTRO E SEUS FINS Artigo 1 O Centro de Gestão e Tratamento de Resíduos Químicos é um órgão auxiliar, de natureza técnica e científica,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES E ADQUIRENTES DO CONDOMÍNIO ALTO DA BOA VISTA CAPÍTULO I - FINALIDADES Art. 1º A Associação dos Moradores e Adquirentes do Condomínio Alto da Boa Vista é uma sociedade

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ

ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ ESTATUTO SOCIAL DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO ESTADO DO PARANÁ CAPÍTULO I DA SOCIEDADE, DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, PRAZO E FINALIDADES Artigo 1 - A Comissão Estadual de Residência Médica

Leia mais

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET

REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET REGULAMENTO DO COLEGIADO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET BARBACENA 2010 CAPÍTULO I DAS CONSIDERAÇÕES PRELIMINARES O presente regulamento disciplina as atribuições e o funcionamento

Leia mais

Art. 4º. 1º. 2º. 3º. 4º. 5º. 6º. Art. 5º. Art. 6º. Da coordenação: Art. 7º. Art. 8º.

Art. 4º. 1º. 2º. 3º. 4º. 5º. 6º. Art. 5º. Art. 6º. Da coordenação: Art. 7º. Art. 8º. Regimento Interno do Comitê de Ética em Pesquisa da Faculdade de Ciências Sociais de Florianópolis (FCSF), mantida pelo Complexo de Ensino Superior de Santa Catarina. Das Finalidades: Art. 1º. O Comitê

Leia mais

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL

TEORIA GERAL DO DIREITO EMPRESARIAL Direito Societário É subárea do direito empresarial que disciplina a forma de exercício coletivo de atividade econômica empresária; Importante observação sobre as questões da primeira fase da OAB: 25%

Leia mais

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA

ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA ABF ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE FRANCHISING REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA CAPÍTULO I DA COMISSÃO DE ÉTICA Art. 1º. A Comissão de Ética, órgão nomeado pelo Conselho Diretor da ABF, é responsável pela

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ GABINETE DA PREFEITA LEI Nº 2.255/2007 Dá nova redação a Lei nº 1.453/200 que cria o Conselho de Alimentação Escolar e dá outras providências. A PREFEITA MUNICIPAL DE MOSSORÓ,

Leia mais

Estatuto da Associação de Pais e Professores do

Estatuto da Associação de Pais e Professores do CNPJ: 82.898.404/0001-09 Estatuto da Associação de Pais e Professores do CENTRO EDUCACIONAL MENINO JESUS Fundada em 1973, Florianópolis/SC C A P Í T U L O I Da Associação e seus fins Art. 1º. - A Associação

Leia mais

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso:

DO CONSELHO MUNICIPAL DE DIREITOS DO IDOSO. Art. 2º. Compete ao Conselho Municipal de Direitos do Idoso: PROJETO DE LEI Nº 2.093/09, de 30 de junho de 2.009 Dispõe sobre criação do Conselho Municipal de Direitos do Idoso e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GOIATUBA, Estado de Goiás, faz saber

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA.

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO DEX CAPITAL GESTÃO DE RECURSOS LTDA. 1 Definição e Finalidade O objetivo desta Política de Exercício de Direito de Voto ( Política de Voto ) é estabelecer os princípios

Leia mais

Sítio de Sons Associação Cultural

Sítio de Sons Associação Cultural Sítio de Sons Associação Cultural Estatutos * CAPÍTULO PRIMEIRO (Da denominação, sede, objecto e afins) Artigo primeiro (Da denominação, natureza jurídica, lei aplicável e duração) UM A Associação adopta

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE MAIO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE MAIO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 03, DE 10 DE MAIO DE 2011 Disciplina os procedimentos a serem adotados relativos à comercialização e utilização do Alojamento da ENAP. O PRESIDENTE DO CONSELHO DIRETOR DA FUNDAÇÃO NACIONAL

Leia mais

Estatuto Social do Independente Moto Clube

Estatuto Social do Independente Moto Clube Estatuto Social do Independente Moto Clube Devidamente aprovado através da Ata de Reunião para Constituição do Estatuto Social de 10 de setembro de 1996, do qual faz parte integrante: I- Da Denominação,

Leia mais

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE

ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DE PERNAMBUCO DISCIPLINA DE CIRURGIA PEDIÁTRICA DA UFPE Capítulo I - Da liga e seus fins Art. 1 - A Liga de Cirurgia Pediátrica, a seguir designada LACIPE,

Leia mais

Convocatória para programa de residências 2015 DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS

Convocatória para programa de residências 2015 DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS DISPOSITIVO MÓVEL PARA AÇÕES COMPARTILHADAS Convocatória para programa de residências 2015 Inscrições online em www.jaca.center até às 23:00* do dia 30 de janeiro de 2015 *Horário de Brasília (-2 GMT devido

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO

CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO CÁRITAS ARQUIDIOCESANA DE BRASÍLIA REGIMENTO DO FUNDO ROTATIVO SOLIDÁRIO DA REDE DE EMPREENDIMENTOS SOLIDÁRIOS DO DISTRITO FEDERAL E ENTORNO REGIMENTO INTERNO Brasília, 4 de junho de 2011 REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Estatuto Social do Centro Acadêmico do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Juiz de Fora

Estatuto Social do Centro Acadêmico do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Juiz de Fora Estatuto Social do da Universidade Federal de Juiz de Fora CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FORO E FINALIDADE Art. 1º O da Universidade Federal de Juiz de Fora, doravante denominado, é uma associação,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO E TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1 o. O Núcleo de Inovação e Transferência de Tecnologia - NITTEC é um Órgão Executivo

Leia mais

Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri. Estatuto

Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri. Estatuto Fundação Casa Grande Memorial do Homem Kariri CAPÍTULO I NATUREZA E FINALIDADE Estatuto Art. 1º A FUNDAÇÃO CASA GRANDE MEMORIAL DO HOMEM KARIRI, com sede na Casa Grande da Rua Jeremias Pereira, N. 444,

Leia mais

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto

REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS. Art. 41, 42 e 43 do Estatuto REGIMENTO DAS SEÇÕES REGIONAIS Art. 41, 42 e 43 do Estatuto 1. OBJETIVOS São objetivos das Seções Regionais: 1.1 Propiciar aos associados estabelecidos no Estado de São Paulo e fora da sua capital, uma

Leia mais

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ)

ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) ESTATUTO ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO (ANPARQ) CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, REGIME JURÍDICO, DURAÇÃO, SEDE E FORO Art. 1 - A Associação Nacional de Pesquisa

Leia mais

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE

ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE ESTATUTO DA EMPRESA JÚNIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE PRAIA GRANDE FATEC JÚNIOR PRAIA GRANDE CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO. Artigo 1º - A Empresa Júnior dos alunos da Faculdade

Leia mais

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO MODELO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PÚBLICO - OSCI P Legenda: Texto em negrito: cláusulas que devem necessariamente constar do estatuto, por força da Lei nº 9.790/99 Texto em

Leia mais

ESTATUTO DA ANPTECRE

ESTATUTO DA ANPTECRE ESTATUTO DA ANPTECRE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM TEOLOGIA E CIÊNCIAS DA RELIGIÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA, SEDE, DURAÇÃO Art. 1º A ANPTECRE Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE VOTO

POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE VOTO 1/8 CONTROLE DE APROVAÇÃO ELABORADOR REVISOR APROVADOR Ana Bezerra Diretora Corporativa Carolina Vilela Analista de Controles Internos e Compliance Luiz Eduardo Franco de Abreu Diretor-Presidente Antonio

Leia mais

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso Fonte: Ministério Público do Rio Grande do Norte Responsável: Dra. Janaína Gomes Claudino Criação do Conselho Municipal do Idoso Modelo - Projeto de Lei Municipal de criação do Conselho Municipal do Idoso

Leia mais

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias)

CAPÍTULO VII (Disposições Finais e Transitórias) Artigo 18º (Comissão Eleitoral) 1. O procedimento eleitoral será conduzido por uma comissão eleitoral constituída por dois vogais, designados pelo Conselho Científico de entre os seus membros, e presidida

Leia mais

Capítulo 1 - O Diretório Acadêmico

Capítulo 1 - O Diretório Acadêmico DIRETÓRIO ACADÊMICO DA ENGENHARIA DO CEFET/RJ ATA DE ALTERAÇÃO DO ESTATUTO Aos vinte e cinco dias do mês de junho de dois mil e oito, na sede do Diretório Acadêmico da Engenharia do CEFET/RJ, sito a Avenida

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

ESTATUTO Comissão de Formatura Formandos em Engenharia Ambiental 2013/2 FAESA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE VITÓRIA. Capítulo I Da Denominação e da Sede

ESTATUTO Comissão de Formatura Formandos em Engenharia Ambiental 2013/2 FAESA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE VITÓRIA. Capítulo I Da Denominação e da Sede ESTATUTO Comissão de Formatura Formandos em Engenharia Ambiental 2013/2 FAESA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DE VITÓRIA Capítulo I Da Denominação e da Sede Art. 1º - Sob a denominação Formandos em Engenharia Ambiental

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 11.646, DE 10 DE JULHO DE 2001. Autoriza o Poder Executivo a criar a Universidade Estadual do Rio Grande do Sul - UERGS e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Faço

Leia mais

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA

ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA ESTATUTOS DA ASSOCIAÇÃO RUAS RECRIAR UNIVERSIDADE ALTA E SOFIA CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1. Denominação e natureza A RUAS Recriar Universidade Alta e Sofia, adiante designada abreviadamente

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS. Capítulo I Da denominação e sede REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DO HOSPITAL MATERNO INFANTIL PRESIDENTE VARGAS Capítulo I Da denominação e sede Art. 1º A Associação dos Amigos do Hospital Materno-Infantil Presidente Vargas,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I. DOS OBJETIVOS Artigo 1º O Centro de Referência em Informação Ambiental com sede e foro na cidade de Campinas na Avenida Romeu Tortima 388, Cidade Universitária, é uma sociedade

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS. Regimento Interno da ANPAP ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS Regimento Interno da ANPAP Aprovado na Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 19 de outubro de 2013, durante o XXII Encontro Nacional

Leia mais

Estatuto. Sociedade Baden Sul do Brasil. Cláusula 1ª Da denominação, da sede e do exercício

Estatuto. Sociedade Baden Sul do Brasil. Cláusula 1ª Da denominação, da sede e do exercício Estatuto Sociedade Baden Sul do Brasil Cláusula 1ª Da denominação, da sede e do exercício A Associação é constituída sob a denominação Sociedade Baden Sul do Brasil. A Associação será registrada no Registro

Leia mais

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO

ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ. Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO ESTATUTO da ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA de PATCHWORK e QUILT ABPQ Capítulo I. DENOMINAÇÃO, OBJETIVOS, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º A Associação Brasileira de Patchwork e Quilt, doravante designada ABPQ, é uma sociedade

Leia mais

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO

COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO COMPARTILHAMENTO ENTRE BIBLIOTECAS DE INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO CAPÍTULO I Da denominação, localização e finalidades Art. 1º O Compartilhamento entre Bibliotecas

Leia mais

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede.

ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. ESTATUTO DO DIRETÓRIO CENTRAL DOS ESTUDANTES DAS FACULDADES DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO. Capítulo I Da denominação, fundação e sede. Artigo 1º O Diretório Central dos Estudantes das Faculdades de Tecnologia

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO

REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO REGIMENTO INTERNO DO CORPO CLÍNICO APRESENTAÇÃO A Casa de Saúde São José foi fundada em 1923 e tem como missão Servir à Vida, promovendo Saúde. É uma instituição filantrópica, sem fins lucrativos, católica,

Leia mais

Regulamento Geral Interno Associação dos Amigos do Armazém das Artes RI AAAA

Regulamento Geral Interno Associação dos Amigos do Armazém das Artes RI AAAA RegulamentoGeralInterno AssociaçãodosAmigosdoArmazémdasArtes RI AAAA CAPÍTULOPRIMEIRO DisposiçõesGerais Artigo1.º Sede 1. Opresenteregulamentogeralinterno,aprovadoemAssembleia Geral,regula ofuncionamentodaassociação,comsedenaruaeng.duartepacheco,nº38,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO Art. 1º - O presente Regimento tem por finalidade estabelecer normas para o funcionamento do Conselho Deliberativo da Associação Atlética Banco do Brasil São

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 57, DE 23 DE MAIO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 41ª Reunião Ordinária, realizada no dia 23 de maio de 2013, no uso das atribuições que lhe são conferidas

Leia mais

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência

As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência As mudanças mais importantes no Bradesco Previdência No dia 21 de julho, o RH do Banco Bradesco e diretores do Bradesco Previdência expuseram, a cerca de 50 dirigentes sindicais, as mudanças no plano de

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Junho, 2006 Anglo American Brasil MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS Junho, 2006 Anglo American Brasil 1. Responsabilidade Social na Anglo American Brasil e objetivos deste Manual Já em 1917, o Sr. Ernest Oppenheimer, fundador

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO I V S E M I N Á R I O D E E X E C U Ç Ã O F I N A N C E I R A D E P R O J E T O S F I N A N C I A D O S C O M R E C U R S O S E X T E R N O S MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/DIRAD/N 04, DE 7 DE AGOSTO DE 2014 Define os procedimentos relativos à concessão de auxílio-moradia

Leia mais

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00

ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. CNPJ. 61.849.352/0001-00 ESTATUTO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE BIOLOGIA CELULAR - S.B.B.C. DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CNPJ. 61.849.352/0001-00 Artigo 1º - A Sociedade Brasileira de Biologia celular (S.B.B.C.) é uma Sociedade Juridica

Leia mais

Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil

Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil Regulamento interno da Caminhar com rumo - Associação Juvenil Capítulo I PRINCÍPIOS GERAIS Artigo 1º Denominação e sede social 1. A Associação tem a denominação Caminhar com rumo - Associação Juvenil,

Leia mais

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO

MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO MUTUALIDADE DE CRÉDITO DE QUELELE REGULAMENTO INTERNO CAPITULO I DOS MEMBROS, DIREITOS E DEVERES ARTIGO 1 Dos Membros 1- Podem ser membros da MUTUALIDADE

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014

EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 EDITAL DE SELEÇÃO DE PESSOAL Nº 254/2014 O Presidente do Instituto Pauline Reichstul-IPR, torna público que receberá inscrições para o processo seletivo de pessoal para atuação no projeto Ações Integradas

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO

MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO MODELO DE ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art.1 o - A (o) também designada (o) pela sigla, (se usar sigla), fundada (o) em de de é uma associação, sem

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO II

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - AMMAR CAPÍTULO II ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES DA MARINA PORTO BÚZIOS - "AMMAR" CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃQ, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO Art.1 - Sob a denominação de AMMAR - Associação dos Moradores da Marina Porto

Leia mais

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001

RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 RESOLUÇÃO CNRM/004/2001 A PRESIDENTE DA COMISSÃO NACIONAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA (CNRM), no uso de sua atribuições previstas no art. 5.º do Decreto n.º 80.281, de 05 de setembro de 1977, e considerando o

Leia mais

ESCLARECIMENTO: O modelo de CARTA a seguir é uma SUGESTÃO, cuja aplicabilidade deverá ser avaliada pelo Internauta.

ESCLARECIMENTO: O modelo de CARTA a seguir é uma SUGESTÃO, cuja aplicabilidade deverá ser avaliada pelo Internauta. ESCLARECIMENTO: O modelo de CARTA a seguir é uma SUGESTÃO, cuja aplicabilidade deverá ser avaliada pelo Internauta. CARTA PROTOCOLADA - NOTIFICAÇÃO DE CONDÔMINOS REPRESENTADOS CT. Nº. 000/20XX Cidade,

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA GERIATRIA E GERONTOLOGIA - LIG Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE GERIATRIA E GERONTOLOGIA é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO

ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO ESTATUTO SOCIAL ABEL - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS EMPRESAS DE LEASING CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, PRAZO DE DURAÇÃO, OBJETIVO SOCIAL E FORO Artigo 1º - Sob a denominação de "ABEL - Associação Brasileira

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres

ESTATUTO. CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02. CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres ESTATUTO CAPÍTULO I Da Associação,sede, foro e suas finalidades pág. 02 CAPÍTULO II Dos Sócios,suas categorias, direitos e deveres pág.03 CAPÍTULO III Dos órgãos da Associação e sua administração pág.06

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE ESPORTES E SAÚDE - LIES Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A Liga Acadêmica de Esportes e Saúde é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob

Leia mais

Regulamento - Perfil de Investimentos

Regulamento - Perfil de Investimentos Regulamento - Perfil de Investimentos 1. Do Objeto Este documento estabelece as normas gerais aplicáveis ao Programa de Perfil de Investimentos (Multiportfólio) da CargillPrev. O programa constitui-se

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I. Competências MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA COMISSÃO DE ÉTICA DO CEFET/RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I Competências Art. 1º - Compete à Comissão de Ética, no âmbito

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

Mandato Autárquico 2013-2017

Mandato Autárquico 2013-2017 CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE PENICHE (Regimento) Mandato Autárquico 2013-2017 PREÂMBULO A democraticidade de um sistema ou de um modelo organizacional traduz-se pelo nível/grau de participação que

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I. Da Associação e seus fins ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ARTE FOTOGRÁFICA CAPÍTULO I Da Associação e seus fins Art. 1º - A Associação Brasileira de Arte Fotográfica, ABAF, fundada em 9 de fevereiro de 1951, no Rio de Janeiro

Leia mais

CARGOS E FUNÇÕES APEAM

CARGOS E FUNÇÕES APEAM CARGOS E FUNÇÕES APEAM 1. PRESIDÊNCIA A Presidência possui por finalidades a representação oficial e legal da associação, coordenação e integração da Diretoria Executiva, e o acompanhamento, avaliação,

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014

NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 NOTA TÉCNICA Nº 09/2014 Brasília, 4 de abril de 2014. ÁREA: Contabilidade Municipal TÍTULO: Tratamento Contábil das Despesas do Programa Mais Médicos REFERÊNCIA(S): Portaria SGTES nº 30, de 12/02/2014

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES FACULDADE DE MATEMÁTICA REGIMENTO INTERNO DA FACULDADE DE MATEMÁTICA, CAMPUS UNIVERSITÁRIO DO MARAJÓ BREVES, UFPA.

Leia mais

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br

Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno. apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br Associação dos Participantes da CBS Nossa união é nossa força. Regimento Interno apcbs@oi.com.br www.apcbs.com.br ÍNDICE SEÇÃO I - DOS SÓCIOS 1 SEÇÃO II - DA ASSEMBLÉIA GERAL 1 SEÇÃO III - DO CONSELHO

Leia mais

Regimento Interno Akarui

Regimento Interno Akarui Regimento Interno Akarui Capítulo I - Da Instituição Artigo 1º - O presente Regimento Interno regula as atribuições e atividades da Organização da Sociedade civil de Interesse Público OSCIP AKARUI. Capítulo

Leia mais

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO

U N I R P A R A F O R T A L E C E R REGIMENTO INTERNO Artigo 1 - A Associação de Reflorestadores do Estado de Mato Grosso AREFLORESTA-MT, reger-se-á pelo seu ESTATUTO e por este REGIMENTO INTERNO. Finalidade Artigo 2 - O presente Regimento Interno tem por

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Versão 1 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO E OBJETIVO...3 2. EXCLUSÕES... 3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. POTENCIAIS SITUAÇÕES DE CONFLITO DE INTERESSE...3 5. DA POLÍTICA DE

Leia mais

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos,

DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, DO ORGANOGRAMA DAS DIRETORIAS DA ABA DA SUBSEÇÃO NACIONAL As diretorias Executivas da ABA, Nacional, Estadual e Regional, dividem-se em dois grupos, sendo um grupo de Diretores Administrativos e um grupo

Leia mais

Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão

Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão página 1-4 Regimento Interno da Associação Ambientalista Pimentão CAPÍTULO I Da Regulamentação do Regimento Interno Art. 1º - O presente Regimento

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMÃO POLITICA NACIONAL DE HUMANIZAÇÃO PNH GRUPO DE TRABALHO DE HUMANIZAÇÃO DO HOSPITAL INFANTIL JOANA DE

Leia mais

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA

WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA WWOOF - ASSOCIAÇÃO PARA A PROMOÇÃO DE OPORTUNIDADES MUNDIAIS EM AGRICULTURA BIOLÓGICA O presente Regulamento Interno destina-se a explicitar os princípios de funcionamento da Associação WWOOF. CAPITULO

Leia mais

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José

Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Estatuto da Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Campus São José Capítulo 1. Denominação, Sede, Finalidade e Duração Artigo 1º A Empresa Júnior do Centro Universitário Salesiano

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben)

REGIMENTO INTERNO. - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) REGIMENTO INTERNO - Associação Brasileira de Energia Nuclear - (Aben) Este Regimento Interno, aprovado na Assembléia Geral Ordinária da Associação Brasileira de Energia Nuclear (ABEN), realizada em 29

Leia mais

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016

Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016 Edital para seleção de orientadores e bolsistas de iniciação tecnológica e inovação para o período de 2015-2016 O Comitê Institucional dos Programas de Iniciação Científica (CIPIC) da Universidade Federal

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 1.099, DE 1º DE DEZEMBRO DE 1993 "Dispõe sobre a constituição do Conselho Estadual do Bem-Estar Social e a criação do Fundo Estadual a ele vinculado e dá outras providências." O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA

REGIMENTO INTERNO DA FEPISA REGIMENTO INTERNO DA FEPISA Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DE ILHA SOLTEIRA - FEPISA, além das disposições constantes de seu Estatuto, fica sujeita às determinações deste Regimento

Leia mais

Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo

Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo Regulamento do Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento - Golden Profit - Conservador Capítulo I - Do Fundo Artigo 1º) O Bradesco - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 008/2012 13/05/2012

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 008/2012 13/05/2012 COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO SENAI DR/ES N 008/2012 13/05/2012 O SENAI Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial torna pública a realização de processo seletivo para provimento de vagas observados

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ

ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ ASSOCIAÇÃO DOS DIÁCONOS BATISTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA ADIBERJ Capítulo I Nome, Constituição e Objetivo Art. 1º - A ADIBERJ é uma sociedade civil de natureza religiosa constituída

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM ARTES CÊNICAS (ABRACE) CAPÍTULO I Da Natureza, Sede e Duração Art. 1º - A Associação Brasileira de Pesquisa e Pós-Graduação em Artes Cênicas,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto;

Aos Fundos exclusivos ou restritos, que prevejam em seu regulamento cláusula que não obriga a adoção, pela TRIAR, de Política de Voto; Política de Exercício de Direito de Voto em assembleias gerais de fundos de investimento e companhias emissoras de valores mobiliários que integrem as carteiras dos fundos de investimento geridos pela

Leia mais

PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015

PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015 PORTARIA Nº 281, DE 16 DE JUNHO DE 2015 Aprova o anexo Regimento Interno do Fórum Permanente para o Transporte Rodoviário de Cargas. O SECRETÁRIO-EXECUTIVO, SUBSTITUTO, DO MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES, no

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO

RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 01/2015 DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO DE APOIO UNIVERSITÁRIO Define diretrizes e procedimentos relativos a gestão de recursos financeiros captados ou administrados pela Fundação de Apoio

Leia mais