UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOLOGIA DO TRÂNSITO THAÍS REÁTEGUI GÓES COMPORTAMENTO DE RISCO DOS MOTORISTAS NO TRÂNSITO DE MACAPÁ - AP MACEIÓ - AL 2013

2 2 THAÍS REÁTEGUI GÓES COMPORTAMENTO DE RISCO DOS MOTORISTAS NO TRÂNSITO DE MACAPÁ - AP Monografia apresentada à Universidade Paulista/UNIP, como parte dos requisitos necessários para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Psicologia do Trânsito. Orientador: Prof Ms. Alessio Sandro de Oliveira Silva MACEIÓ - AL 2013

3 3 THAÍS REÁTEGUI GÓES COMPORTAMENTO DE RISCO DOS MOTORISTAS NO TRÂNSITO DE MACAPÁ AP APROVADO EM / / Monografia apresentada à Universidade Paulista/UNIP, como parte dos requisitos necessários para a conclusão do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Psicologia do Trânsito. PROF MS. ALESSIO SANDRO DE OLIVEIRA SILVA ORIENTADOR: PROF. DR. LIÉRCIO PINHEIRO DE ARAÚJO BANCA EXAMINADORA PROF. ESP. FRANKLIN BARBOSA BEZERRA BANCA EXAMINADORA

4 4 O trânsito desenrola-se no ambiente de veiculo e da via, sendo que ambos influenciam e determinam o comportamento do condutor, dado que qualquer mudança na via provoca alterações no seu comportamento (...). Reinier J. A. Rozestraten

5 5 RESUMO O presente estudo teve como objetivo analisar os principais comportamentos de risco dos motoristas no trânsito da cidade de Macapá-AP, e sua relação com os acidentes de trânsito, no intuito de verificar maneiras de proporcionar um trânsito mais seguro e consciente a população. A amostra foi constituída por 20 pessoas, motoristas de veículos automotores (carros, motos, ônibus, etc.), moradores da cidade de Macapá-AP, que possuíam Carteira de Habilitação Nacional (CNH), portanto, maiores de 18 anos, entre os quais, 10 eram homens, e 10 eram mulheres com idades entre 18 a 40 anos. Foi aplicado um questionário composto por 14 perguntas objetivas. A análise dos dados foi realizada por meio da construção de uma relação com o levantamento bibliográfico e estão apresentados em forma de texto, tabelas e gráficos em valores expressos em porcentagem com relação ao número de entrevistados. Constatou-se que a maior parte do grupo é composta de jovens que já possuem experiência no trânsito, e já se envolveram em acidentes de trânsito como ativos, acarretando danos materiais e ferimentos leves, mas que ainda assim acabaram cometendo novas infrações. Estas infrações são consideradas comportamentos de risco, visto que expõe ao motorista e aos demais usuários da via ao risco. Observou-se que a falta de fiscalização adequada potencializa este grupo a agir de modo arriscado, e que há a necessidade de mais intervenções com relação a esta questão. Um dos principais meios para intervir nesta questão é a partir da educação para o trânsito desde a infância, assim como um aprimoramento das vias, fiscalização e principalmente um trabalho em conjunto com a população como meio de intervir para a melhora do trânsito. Palavras Chave: Comportamento de Risco, Trânsito, Acidente de Trânsito e Psicologia do Trânsito.

6 6 ABSTRACT The present study aimed to analyze the main risk behaviors of drivers in city traffic Macapa-AP, and their relation to traffic accidents, in order to examine ways to provide a safer traffic and conscious population. The sample consisted of 20 persons, drivers of vehicles (cars, motorcycles, buses, etc.), residents of the city of Macapa-AP, which had National Driver's License, so 18 years, between which 10 were men and 10 were women aged years. A questionnaire was composed of 14 objective questions. Data analysis was performed by means of building a relationship with the literature and are presented in text, tables and graphs on values expressed in percentage with respect to the number of respondents. It was found that most of the group are young people who have some experience of CNH, and have been involved in traffic accidents as assets, causing property damage and minor injuries, but still ended up committing new offenses. These offenses are considered risk behaviors seen that exposes the driver and other road users at risk. It was observed that the lack of adequate oversight leverages this group to act risky, and that there is a need for more assistance with this issue. One of the main ways to intervene in this matter is from the traffic education since childhood, as well as improvement of roads, supervision and mainly work in conjunction with the population as a means of intervening to improve traffic. Keywords: Risk Behavior, Traffic, Traffic Accidents and Traffic Psychology.

7 7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA 1 Percentagem de infrações, cometidos e multados, causadas pelos entrevistados...41

8 8 LISTA DE TABELAS TABELA 1 - Caracterização da Amostra...37 TABELA 2 - Informações relativas a itens de habilitação e condução de veículos...38 TABELA 3 - Frequência e condições em que os participantes dirigem...39 TABELA 4 Envolvimento em acidentes e consequências...40

9 9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Aspectos Históricos da Psicologia do Trânsito no Brasil Definição da Palavra Trânsito O Trânsito O Ser Humano e o Ambiente O Ambiente do Trânsito e o Comportamento Humano O Veículo A via O Comportamento do Participante dotrânsito Comportamento de Risco no Trânsito MATERIAIS E MÉTODOS Ética Tipo de Pesquisa Universo Sujeitos da Amostra Instrumento de Coleta de Dados Planejamento para Coleta de Dados Planejamento para Análise de Dados RESULTADOS E DISCUSSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS APÊNDICE ANEXO... 50

10 10 1. INTRODUÇÃO O trânsito, atualmente, constitui um problema de saúde pública no mundo inteiro. Na cidade de Macapá, capital do Amapá a situação não é diferente e o trânsito vem se tornando cada vez mais violento. Dados do departamento de transito do Amapá (DETRAN-AP, 2012) demonstram que apenas no período de janeiro a julho de 2012 foram contabilizados acidentes de trânsito em Macapá, sendo que 20 foram os acidentes com vítimas fatais. Conforme o Dicionário Online de português: O termo trânsito tem origem no latim (transitu) e significa de passagem ou em movimento". Assim, ainda que em nossa língua o trânsito enfatize a dificuldade de locomover-se, também faz sentido, haja vista que, o significado original da palavra trânsito é também: movimento de transeuntes ou veículos numa via de comunicação; afluência de pessoas ou veículos; ato ou efeito de transitar; passagem; trajeto e circulação. A partir da observação destes dados, verifica-se a urgência desta situação que se apresenta mundialmente. Conforme os resultados apresentados por diversos estudos pode-se verificar que o trânsito e o comportamento humano estão intimamente ligados em uma relação recíproca. A importância desta relação permitiu que surgissem cada vez mais estudos acerca deste tema a fim de auxiliar e buscar proporcionar um trânsito mais seguro e consciente a sociedade. O comportamento de risco está incluído no comportamento humano, e é um dos principais causadores dos acidentes de trânsito. Destarte, verificou-se importante o estudo acerca deste tema, pois permite discutir e analisar os principais comportamentos de risco identificados nos motoristas de trânsito em Macapá-AP, e buscar formas de proporcionar a melhora destes comportamentos a fim de assegurar um trânsito mais seguro e consciente para a população. No trânsito existem alguns elementos fundamentais, como por exemplo, O pedestre, o qual circula a pé; todas as pessoas são pedestres no trânsito. O ciclista utiliza a bicicleta para se locomover, e esse deve respeitar a sinalização e as leis também. Constituem outro elemento, os motoristas, os quais dirigem os veículos, que pode ser um carro, um ônibus, um caminhão, etc. Para obter a licença para dirigir, as pessoas têm que ter a idade mínima de 18 anos e precisam da Carteira Nacional de Habilitação - CNH. Dessa forma, os condutores de motocicleta necessitam da CNH própria para moto, assim como, o motorista de veículo de

11 11 passeio precisa da CNH apropriada, o mesmo para motoristas de veículo de carga, de passageiro, etc. O estudo do comportamento humano no trânsito no Brasil ainda vem demonstrando um tímido crescimento em relação ao cenário dos países desenvolvidos. Assim, faz-se pertinente os estudos com relação a este tema em nosso país, nas mais diversas regiões, para que, a partir destes, possam ser planejadas novas políticas e ações para auxiliar na melhora do trânsito e estimular os estudos científicos acerca do tema. Este estudo teve como objetivo analisar os principais comportamentos de risco dos motoristas no trânsito da cidade de Macapá-AP, e sua relação com os acidentes de trânsito, no intuito de verificar maneiras de proporcionar um trânsito mais seguro e consciente a população.

12 12 2. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Breve Histórico da Psicologia do Trânsito A Psicologia é aplicada ao estudo dos transportes terrestres no Brasil desde o século XX, inicialmente ao transporte ferroviário e, posteriormente, á circulação sobre rodas (HOFFMAM, 1995). Assim, os fatos mais importantes dessa história da Psicologia do Trânsito no Brasil podem ser apresentados em quatro etapas, vejamos: A primeira corresponde ao período das primeiras aplicações de técnicas de exame psicológico até a regulamentação da Psicologia como profissão; a segunda corresponde a consolidação da Psicologia do trânsito como disciplina cientifica; a terceira pode ser caracterizada como aquela em que foi verificado um notável desenvolvimento da Psicologia do Trânsito em vários âmbitos e sua presença marcante no meio interdisciplinar e a quarta etapa é marcada pela aprovação do Código de Trânsito Brasileiro (Lei 9.503, de 23 de setembro de 1997) (...) (HOFFMAM e CRUZ, 2011, p. 17) A primeira etapa ocorreu entre os anos de 1924 a 1962 e foram marcadas por três vertentes distintas, a saber: a inclusão de instrumento de conhecimento psicológico no campo pedagógico, utilizando de conceitos e exames para averiguar uma aprendizagem e posteriormente uma avaliação do desempenho da lingüística; a produção cientifica no campo acadêmico das instituições públicas e privadas e por fim, inseriu-se no mundo social do trabalho, através da inserção o conhecimento da psicologia industrial e do trabalho. De acordo com Hoffman e Cruz (2011, p. 18): essas vertentes traduzem, efetivamente, os grandes conjuntos de demandas sociais (educação, saúde mental, trabalho) decisivos à construção da Psicologia na vida brasileira (...). Com certeza, o aspecto psicológico é fundamental para o comportamento da pessoa no trânsito, pois ajuda a controlar-se nos impulsos e desejos, isto é, nem tudo que queremos fazer pode ser um caminho seguro, principalmente no que se refere a condução de automóvel. Várias instituições de seleção e treinamento industrial e de trânsito, como por exemplo, o Instituto de Organização Racional do Trabalho (IDORT), o Centro Ferroviário de Ensino e Seleção Profissional (CFESP) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI). Assim, todos eles sob a responsabilidade de Roberto Mangue, considerado o primeiro expoente da Psicologia de Trânsito no

13 13 Brasil e assim tantas outras instituições foram criadas para apoiar este processo de aprendizagem, como: a Fundação Getúlio Vargas, Instituto de Seleção e Orientação Profissional (ISOP) e outras. A segunda etapa deu-se de 1963 a 1985, foi marcada pelos aspectos políticos e sociais, neste período ocorreu o Golpe Militar de 1964 e o inicio de ditadura militar no Brasil. Com isso, observa-se que o conceito de psicologia aplicada perdeu seu sentido tradicional, aqui surgiram os problemas psicológicos, pois diante deste fracasso, percebeu-se a importância do exame psicotécnico como forma de avaliação a personalidade. Segundo Santos (1980, p. 20): a excessiva preocupação com traços, aptidões, habilidades especificas é substituída aos poucos por uma ênfase nos múltiplos fatores que concorrem na avaliação da personalidade. Já na terceira etapa ocorreu um dado importante que foi o aumento na sensibilidade da sociedade brasileira e da administração pública para avaliar o aspecto humano nos acidentes e, uma grande campanha da categoria dos profissionais do trânsito, principalmente os vinculados aos Detrans, pois estes são os responsáveis por pensar na segurança das vias brasileira de forma a propiciar aos nossos condutores de veículos uma maior segurança. Entretanto, entre vários aspectos desta etapa, destacamos: A realização do III Congresso Brasileiro de Psicologia do Trânsito em São Paulo, no ano de 1985, que contou com o Dr. Reinier Rozestraten como seu diretor cientifico. Ele provocou um reavivamento das discussões entre psicólogos do trânsito sobre as condições técnicas e politicas e a necessidade urgente de reformular a Resolução 584/81 de 16/09/1981. Em 1986 foi dado um importante passo pelo Governo do Estado de Santa Catarina (...), ao introduzir concurso público para psicólogos atuarem no DETRAN (...). (...) e por último, cabe ressaltar três fatos relevantes para a Psicologia do Trânsito: a criação da Associação Nacional da Psicologia do Trânsito; a criação do primeiro Curso Interdisciplinar de trânsito na Universidade Católica Dom Bosco, em Campo Grande-MS e, a anteprojeto de lei propondo novo Código de Trânsito Brasileiro, enviado em 1993 ao Congresso Nacional. (HOFFMAM e CRUZ. 2011, p ) Sendo assim, foram observados grandes avanços da Psicologia do Trânsito Brasileiro, entre elas, o anteprojeto para reformular o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), evidentemente que precisamos de uma atenção mais

14 14 adequada para o comportamento humano no meio social. Ora, precisa-se de mais campanhas tantas de prevenção quanto de punição. Assim, esta quarta etapa iniciou-se com a aprovação do Código de Trânsito Brasileiro em setembro de 1997, entrando em vigor em janeiro de Podemos mencionar que o CTB trouxe vários debates sobre as questões ligadas à circulação humana e se constituiu um fato importante para os psicólogos repensarem seu papel frente às decorrências sociais e técnicas. Este repensar significou intensificar os estudos e análises da circulação humana não mais a partir do automóvel, do metrô, do avião, mas a partir dos seres humanos. Ou seja, esta etapa vem sendo marcada pela produção de uma visão mais humanizada da circulação. (HOFFMAM, 2000, p ) Neste sentido, a circulação humana começa a ser fortemente debatidos nas universidades, em particular no Curso de Psicologia, assim começam a perceber que é uma questão de politicas da saúde e de educação e não somente de segurança pública. Segundo Hoffmam (2000), precisamos humanizar a circulação das pessoas no trânsito, sem dúvida, humanizando nossos comportamentos teremos um trânsito mais seguro e tranquilo diante de sua trafegabilidade. Pois, precisam-se realizar grandes ações e intervenções, estas devem estar pautadas em princípios estruturados em conceitos claros e estratégicos, isto servirá como suporte à prática do profissional, para proporcionar e colaborar pela promoção do comportamento humano no trânsito. Enfim, os condutores de veículos, precisam ter consciência de respeitar o outro, seja ele pedestre ou não. Portanto, buscamos uma tranquilidade ao transitar pelas vias de nossa cidade. 2.2 Definição da Palavra Trânsito Segundo Ferreira (1988, p. 645 apud JUNCAL, 2009, p. 09), o termo trânsito tem origem no latim transitu: ato ou efeito de caminhar, marchar, movimento, circulação de pessoas ou de veículo, tráfego. Assim, ainda que em nossa língua o trânsito enfatize a dificuldade de locomover-se, também faz sentido, haja vista, que o significado original da palavra trânsito é também:

15 15 movimento de transeuntes ou veículos numa via de comunicação; afluência de pessoas ou veículos; ato ou efeito de transitar; passagem; trajeto e circulação. Em casa, na família todos têm regras para cumprir, como por exemplo, o horário das refeições, o horário para dormir e assim por diante. Cada pessoa tem sua função. Os pais geralmente trabalham fora, os irmãos mais velhos cuidam dos mais novos e estudam, enfim, cada um tem seu papel. Essas regras são seguidas e respeitadas para que haja uma convivência tranquila. Até mesmo na sala de aula, existem regras. Por exemplo: nenhum aluno para se locomover pulando em cima das cadeiras. Ou seja, para ir de um lugar ao outro, os alunos não podem subir nas cadeiras, nem pular em cima das mesas. No trânsito, também existem regras e leis, que devem ser cumpridas, para que haja organização e para que tudo funcione direitinho. Quando as pessoas esquecem isso, ou seja, desrespeitam essas regras e leis, é que acontecem os acidentes. É muito importante que todos conheçam quais são as formas corretas de se comportar no trânsito, respeitando as outras pessoas que também convivem no mesmo espaço. Assim, fica fácil evitar os acidentes, preservar nossa vida e a vida das outras pessoas. 2.3 O Trânsito O trânsito está presente na vida do ser humano desde os primórdios. A necessidade do ser humano em se deslocar por áreas extensas, e de transportar outros bens existe há séculos e faz com que o homem venha aprimorando cada vez mais esta organização. Segundo Auer et al (2009, p. 77): A mobilidade humana existe desde as origens, na pré-história, quando os indivíduos deslocavam de um território a outro para suprir suas necessidades básicas; é uma questão tão antiga quanto à existência humana. O trânsito é composto por homens. Assim, não podemos deixar de lembrar que no meio do trânsito existem seres humanos e com isso, às vezes fazem parte do cotidiano de uma cidade que se movimenta dia e noite, ou seja, homens e mulheres que buscam no meio

16 16 de transporte uma fonte de renda para se manter e sustentar suas necessidades humanas. Porém, precisamos de uma preparação de qualidade na aquisição do documento permitindo a conduzir um veiculo. Entretanto, no trânsito existem vários elementos que fazem parte no dia a dia, ora, conforme dispõe o artigo 1º do CTB, é considerado como: (...) a utilização das vias por pessoas, veículos, animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não para fins de circulação, parada, estacionamento e operação de carga ou descarga. (CTB, 1988) Por meio dos anos, o trânsito acabou se transformando em um elemento necessário para o cotidiano das pessoas, e o transporte de pessoas e bens é atualmente considerado fundamental no cotidiano das pessoas. Com isso, qualquer meio de locomoção é importante para os indivíduos, sem eles, elas não conseguem se locomover de um lugar ao outro, por outro lado, observa-se que as pessoas usam o veiculo mais como uma arma, do que um meio de transportar-se. Ora, é preciso ter bom senso no seu uso cotidiano. Segundo a Rede Interagencial de Informações para a Saúde, este diz: Consiste em uma das mais vitais e elementares atividades humanas, fundamental a ações como o trabalho, estudo, comércio, lazer, entre outros. Condiciona, portanto, a própria sobrevivência e progresso de uma sociedade. (RIPSA, 2009, p. 01) Clark define o trânsito como: Uma situação onde participam e convivem motoristas, ocupantes de veículos e pedestres. Nas vias públicas todos têm o direito de ocupar o seu espaço para que possam se movimentar de um lugar para outro. (CLARK, 1995, p.41) Porém, esta representação não condiz com a situação do trânsito atual, onde há uma disputa constante pelo espaço e consequentes acidentes. Precisase de uma conscientização, através de campanhas educativas para termos um trânsito mais seguro e tranquilo, somente assim, teremos motoristas de qualidade e tranquilidade na trafegabilidade nas nossas cidades. Para Machado (2003), citando os ensinamentos de Vasconcellos, a visão conceitual de trânsito reside em:

17 17 (...) uma disputa pelo espaço físico, que reflete uma disputa pelo tempo e pelo acesso aos equipamentos urbanos é uma negociação permanente do espaço, coletiva e conflituosa. E essa negociação, dadas às características de nossa sociedade, não se dá entre pessoas iguais: a disputa pelo espaço tem uma base ideológica e política; depende de como as pessoas se veem na sociedade e de seu acesso real ao poder. (MACHADO, 2003, p. 124) Neste sentido, a partir deste conflito do convívio humano entre interesses públicos e privados, surge a necessidade de criação das leis e regras que organizam o trânsito, as quais compõem o Código de Trânsito Brasileiro (CTB, 1988). Rozestraten concebe o trânsito como o deslocamento pelas vias de veículos e pedestres que seguem a normas e procedimentos a fim de manter a integridade dos mesmos. (ROZESTRATEN, 1988, p.27) Com isso, as definições apresentadas demonstram que o trânsito pode ser compreendido de forma diferente a partir do momento em que a cultura, a política e as regras sociais se distinguem. Vejamos o que o Ministério das Cidades nos diz a respeito da mobilidade no trânsito entre as pessoas e o espaço em que vivem: (...) É necessário considerar tanto a mobilidade quanto o trânsito em si como processos históricos que participam das características culturais de uma sociedade e que traduzem relações dos indivíduos com o espaço, seu local de vida, dos indivíduos com os objetos e meios empregados para que o deslocamento aconteça e dos indivíduos entre si. (MINISTÉRIO DAS CIDADES, 2006, p. 3) No Brasil encontramos um mercado capitalista, tudo gira em torno do lucro e comisso, observa-se uma desigualdade social no meio urbano, levando com que aconteçam vários conflitos. Santos e Silveira (2005), afirmam que: O Brasil possui características marcadamente capitalistas e representa isto por meio de suas prioridades no trânsito, aumentando e facilitando a circulação dos homens e seus produtos, o que acaba por gerar um trânsito seletivo e desigual. Isto contribui para as complicações no trânsito urbano como os congestionamentos, os conflitos entre seus usuários, etc. (SANTOS e SILVEIRA, 2000, p. 261) Entretanto, vem crescendo o número de automóveis e motocicletas nas grandes cidades, pois segundo Vasconcelos (2005, p. 11),

18 18 O aumento nos meios motorizados, principalmente automóveis e motocicletas, têm sido promovido intensamente pela maioria dos países em desenvolvimento, de forma irresponsável e socialmente inaceitável. Assim, esta situação corrobora para o quadro atual do trânsito brasileiro. Pois as cidades crescem e se desenvolvem, por outro lado, elas não se preocupam em organizar o trânsito de suas cidades, porém, precisamos de politicas públicas tanto preventivas quanto punitivas, somente assim, teremos mais responsabilidades e respeitos dos condutores de veículos pela vida dos cidadãos. As pesquisas demonstram que o trânsito vem se tornando cada vez mais violento e causa de muitas mortes no mundo inteiro. Estes chegam a classificar os acidentes de trânsito hoje como uma das maiores causas de mortes violentas no mundo. Atualmente, o trânsito pode ser considerado um problema de saúde pública. Instituições como, o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), o Ministério da Saúde e a Organização Mundial da Saúde (OMS), afirmam que: O trânsito é considerado atualmente uma problemática das mais importantes do século XXI em função dos altos custos sociais e econômicos que geram, além dos sofrimentos incontáveis para vítimas e familiares decorrentes, principalmente, dos acidentes. (Silva e Alchieri, 2010, p. 695). Conforme Rocha (2011): A análise de dados estatísticos apenas afirma o cenário constatado cotidianamente: o espaço urbano, mais especificamente o trânsito, encontra-se em condições preocupantes no Brasil e em todo o mundo. Esta situação exige medidas urgentes, tanto que a Organização das Nações Unidas (ONU) lançou a campanha Década de Ação pelo Trânsito Seguro Em Macapá, observamos que esta situação não é diferente, e o trânsito se torna cada vez mais violento. Os dados do DETRAN-AP demonstram que apenas no período de janeiro a julho de 2012 foram contabilizados acidentes de trânsito, sendo que 20 foram os acidentes com vítimas fatais. Por meio destes dados verifica-se o alto número de acidentes para uma cidade

19 19 relativamente pequena, com uma população de apenas habitantes (IBGE, 2010). Neste sentido, uma das causas deste panorama no trânsito nos dias de hoje é a estruturação que este foi tomando de forma rápida. Os meios automobilísticos foram ganhando espaço cada vez mais na década de 40, e como forma de controlar este crescimento, as autoridades brasileiras começaram a buscar soluções nas mais diversas ciências, como a psicologia, por meio da avaliação psicológica como forma de restringir este acesso. Por outro lado, o processo de avaliação psicológica, assim vem constituir uma etapa preliminar, obrigatória, eliminatória e complementar desde a década de 40 para todos os candidatos à obtenção da habilitação, assim como na renovação desse documento no caso dos motoristas que trabalham exercendo atividade remunerada conduzindo veículos, conforme regulação do CTB. Pois esta avaliação é de suma importância para termos um trânsito mais seguro e tranquilo. Entretanto, a avaliação psicológica tem como objetivo: Verificar as condições psicológicas mínimas dos indivíduos para dirigir (p.ex., atenção, inteligência, personalidade) a fim de identificar se eles são capazes ou não de dirigir sem perigo para a própria segurança e de terceiros (CÔRTES, 1952, p. 45; LAMOUNIER e RUEDA, 2005, p. 25). Mesmo a psicologia sendo considerada como uma ciência que poderia auxiliar neste quesito do trânsito, hoje em dia esta é ainda desacreditada devido à falta de mais estudos acerca do tema, ficando apenas em uma avaliação psicológica rotineira. Segundo Silva e Alchieri (2007, p. 189): há muito se discute sobre a efetiva colaboração da avaliação psicológica de condutores na promoção da segurança, (...). Deste modo, para tal finalidade, é fundamental que haja estudos constantes na área da psicologia sobre esta dinâmica do trânsito e buscar formas de aprimorá-lo de modo a contribuir para um trânsito mais seguro à sociedade. De acordo com Silva e Alchieri (2008, p. 57): (...) são escassos os estudos empíricos que buscaram evidências sobre a contribuição efetiva da psicologia na segurança por meio da avaliação psicológica.

20 20 Apesar deste fato, um componente sempre presente nas pesquisas tanto na psicologia como em outras ciências é o fator humano, o comportamento humano em si influenciando o trânsito, a fim de auxiliar na promoção de um trânsito melhor a sociedade. A partir deste aspecto, a proposta deste trabalho visa analisar e discutir os principais comportamentos de risco identificados entre os motoristas de trânsito em Macapá, e verificar sua relação com os acidentes de transito a fim de buscar formas de proporcionar um trânsito mais seguro para população. 2.4 O Ser Humano e o Ambiente O ser humano é um ser social e ambiental, e possui uma relação dinâmica com o ambiente ao seu redor. A psicologia, enquanto ciência estuda o ser humano como objeto central, mas sempre considerando a inter-relação com o ambiente ao seu redor. Segundo Bock (2002, p. 87): O homem constitui-se e se transforma ao atuar sobre a natureza com sua atividade e seus instrumentos. Neste sentido, podemos citar a psicologia Sócio-histórica de Vigotskique, que sintetiza o homem enquanto um ser ativo, social e histórico. Assim, Bock (2002, p. 89), afirma que: Para entender o homem em sua totalidade é necessário estudar sua relação com os seus mais variados ambientes. Todavia, o ser humano também é um ser que pensa e se relaciona com todas as cosias. Mais do que um ser social o ser humano é um ser ambiental (...). O ambiente é tudo para nós. Funcionamos em um ambiente onde recebemos os estímulos para nossos órgãos de sentidos, as imagens visuais, sonoras e táteis. O ambiente se reflete nos pensamentos e são expressos por meio do comportamento (LÉVY-LEBOYER 1980, p. 18). Assim, todo ambiente requer regras e normas para o respeito e convivência entre os indivíduos. Segundo Thielen et al., (2008, p. 131): A legislação é um produto social que pretende regular não só condutas individuais como também relações sociais.. Com isso, primordialmente, o homem nasce com anseios naturais, instintos, que vão de encontro com o que a sociedade

21 21 requer, porém, ao longo de seu desenvolvimento, este vai aderindo ao mundo social. Pois no contexto social, segundo Thiellen (2008): (...) a lei está situada no nível social. No nível individual, os comportamentos das pessoas se manifestam de forma a aproximar ou se afastar das normas sociais (...) (p. 132). Entretanto, por mais que sejam impostam regras e normas ao individuo para sua convivência em sociedade, o mesmo vai incorporá-las de sua própria maneira, criando sua própria percepção acerca destas. A teoria da conformidade social, o grupo exerce efeitos sociais profundos aos seus membros. (COLLIN, 2012, p.225), Ou seja, o grupo influencia o ser humano em suas atitudes e comportamentos, e acaba por seguir as normas sociais. Não há sociedade humana que não possua formas de controle para o comportamento social, da mesma forma que é possível afirmar que não há nenhuma atividade humana, com algum grau de importância, que não tenha regras para executá-la. (ROZESTRATEN, 2011, p.30) Com isso, nos mais variados ambientes são encontradas normas e regras a serem seguidas desde o ambiente de casa até o ambiente de trânsito, fazendo com que o ser humano tenha de se adaptar constantemente a estes diferentes ambientes. Conforme, Rozestraten (2011): denomina estas regras e normas que rodeiam o ser humano como seu ambiente normativo. (p.32). Assim, desde criança o ser humano é educado a agir conforme seu meio, e estas regras e normas trazem segurança e bem estar à sociedade. Por tal motivo, a sociedade se choca quando estas leis são violadas. No que diz respeito ao trânsito e suas leis, Risser (2003), propõe que: se a legislação aumenta o desejo de ser seguro, ela reduzirá a taxa de acidentes. Se a legislação não consegue produzir um aumento no desejo das pessoas de estarem seguras, mas apenas proíbe uma maneira de se comportar de maneira insegura, às pessoas podem obedecer a essa legislação, mas provavelmente se comportarão de maneira mais insegura de outros modos, e a taxa de acidentes não descerá (RISSER, 2003, p. 21).

Í N D I C E PRÓLOGO 5

Í N D I C E PRÓLOGO 5 Í N D I C E PRÓLOGO 5 CAPÍTULO I - EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Trânsito e transporte II) EDUCAÇÃO E SEGURANÇA NO TRÂNSITO Objetivos da educação e segurança para o trânsito A educação para o trânsito

Leia mais

SP 08/95 NT 191/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Psicº Mauro Yoshio Ito Psicª Ilana Berezovsky Psicª Susana Nunes Penna

SP 08/95 NT 191/95. Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal. Psicº Mauro Yoshio Ito Psicª Ilana Berezovsky Psicª Susana Nunes Penna SP 08/95 NT 191/95 Execução e Fiscalização da Sinalização Horizontal Psicº Mauro Yoshio Ito Psicª Ilana Berezovsky Psicª Susana Nunes Penna 1. Introdução A realidade do trânsito da cidade de SP, 6 mortes

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL

UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL ISSN 2177-9139 UMA COMPARAÇÃO ESTATÍSTICA SOBRE O TRÂNSITO: ANTES E DEPOIS DA IMPLANTAÇÃO DAOPERAÇÃO BALADA SEGURA NO RIO GRANDE DO SUL Daniellen Thaianne de Oliveira Severo - daniii_severo@hotmail.com

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Metodologia. MARGEM DE ERRO O intervalo de confiança estimado é de 95% e a margem de erro máxima é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. Metodologia COLETA Entrevistas domiciliares com questionário estruturado. LOCAL DA PESQUISA Município de São Paulo. UNIVERSO moradores de 16 anos ou mais. PERÍODO DE CAMPO de 26 de setembro a 1º de outubro

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre

Sumário. I. Apresentação do Manual. II. A Prevenção de Acidentes com Crianças. III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre Sumário I. Apresentação do Manual II. A Prevenção de Acidentes com Crianças III. Programa CRIANÇA SEGURA Pedestre IV. Como a Educação pode contribuir para a Prevenção de Acidentes no Trânsito V. Dados

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

Cartilha É COM VOCÊ. Comportamento no Trânsito. Urbanidade / Série: Trânsito Nº 3

Cartilha É COM VOCÊ. Comportamento no Trânsito. Urbanidade / Série: Trânsito Nº 3 Cartilha É COM VOCÊ Comportamento no Trânsito Urbanidade / Série: Trânsito Nº 3 É notório que o comportamento do motorista no trânsito é fator decisivo à segurança dos próprios, bem como das demais pessoas

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental

Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental Divulgação da importância do transporte para o ensino fundamental Daniel Rech (DEPROT/UFRGS) João Fortini Albano (DEPROT/UFRGS) Resumo O presente artigo deriva de um projeto direcionado a alunos do ensino

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos

SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO. Uma responsabilidade de todos SEGURANÇA VIÁRIA NO TRABALHO Uma responsabilidade de todos QUEM SOMOS A FUNDACIÓN MAPFRE, instituição criada em 1975 pela MAPFRE, desenvolve atividades de interesse geral na Espanha e em outros países

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS.

GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS. GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA: UNIDAS PELO TRÂNSITO DE JATAÍ NO INTUITO DE CONTRIBUIR COM O ENSINO NAS ESCOLAS. FREITAS, Vanessa G 1 ; ROCHA, Paulo R 1 ;JESUS, Uerlei 1 ; SILVA, Gecirlei F. 2 PALAVRAS CHAVES:

Leia mais

Direção Defensiva 1. Plano de Aula Teórica do Curso de Formação de Condutores

Direção Defensiva 1. Plano de Aula Teórica do Curso de Formação de Condutores Direção Defensiva 1 Compreender as principais causas de acidentes de trânsito. Identificar os principais envolvidos em acidentes de trânsito. Introdução Introdução. Estatísticas. Responsabilidade. sobre

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola

EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola EDUCAÇÃO FÍSICA PARA PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS (PNEE): construindo a autonomia na escola Autora: CAMILA SOUZA VIEIRA Introdução A presente pesquisa tem como temática Educação física para Portadores

Leia mais

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1

ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 ATUAÇÃO DO TRADUTOR E INTÉRPRETE DE LÍNGUA DE SINAIS/ LÍNGUA PORTUGUESA NO IES 1 FILIETAZ, Marta R. Proença, martafilietaz@hotmail.com Face à emergência da obrigatoriedade legal da presença do intérprete

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos.

determinam o comportamento e as consequências do comportamento no contexto de interação, ou seja, na relação funcional dos comportamentos. Psicoterapia comportamental infantil Eliane Belloni 1 A psicoterapia comportamental infantil é uma modalidade de atendimento clínico que visa propiciar mudanças no comportamento da criança a partir de

Leia mais

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de

um preço mais elevado, sinalizando qualidade. Se o produto não for bom, essa mesma empresa terá prejuízo em longo prazo, pois os contratos de 1 Introdução Os economistas norte-americanos Joseph Stiglitz, George Akerlof e Michael Spence foram agraciados, em 2001, com o Prêmio Nobel de Economia, devido à contribuição dada por seus trabalhos, no

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS.

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. N 430 - OLIVEIRA Eloiza da Silva Gomes de, ENCARNAÇÃO Aline Pereira da, SANTOS Lázaro ACESSO AO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: DIFICULDADES, ANSEIOS E SUGESTÕES DOS ALUNOS. O Vestibular se reveste de grande

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO

POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO POLÍTICA NACIONAL DE TRÂNSITO INTRODUÇÃO A Associação Brasileira de Pedestres ABRASPE apresenta aqui sua sugestão para revisão do texto original de Política Nacional de Trânsito apresentado pelo Departamento

Leia mais

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO

EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO SECRETARIA MUNICIPAL DA DEFESA SOCIAL E DA CIDADANIA EDUCAÇÃO PARA O TRÂNSITO EducAção Cidadania em Ação RESUMO DIA ANTERIOR 1 Função do Agente de Trânsito Orientar e prestar informações a qualquer cidadão

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova:

PROJETO DE LEI Nº 70/2011. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: PROJETO DE LEI Nº 70/2011. Institui a Política Municipal de Mobilidade Urbana. A CÂMARA MUNICIPAL DE IPATINGA aprova: Mobilidade Urbana. Art. 1º Fica instituída, no Município de Ipatinga, a Política Municipal

Leia mais

5 km/h a mais, uma vida a menos

5 km/h a mais, uma vida a menos 5 a mais, uma vida a menos Respeite os limites de velocidade www.fundacionmapfre.com.br O excesso de velocidade não acontece por acidente, é uma escolha. Na correria do dia-a-dia, vivemos apressados e,

Leia mais

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA

Prof. Gustavo Nascimento. Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA Prof. Gustavo Nascimento Unidade I MODELOS DE LIDERANÇA A liderança e seus conceitos Liderança é a capacidade de influenciar um grupo para que as metas sejam alcançadas Stephen Robbins A definição de liderança

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil

O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Andressa Ranzani Nora Mello Keila Maria Ramazotti O Desenvolvimento Moral na Educação Infantil Primeira Edição São Paulo 2013 Agradecimentos A todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 Ementa: Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO

CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO A ENGENHARIA DE TRÁFEGO No Brasil a Engenharia de Tráfego evoluiu como um ramo da Engenharia a partir do final da década de 50, face ao aumento do processo de urbanização causado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 514, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a Política Nacional de Trânsito, seus fins e aplicação, e dá outras providências. O CONSELHO NACIONAL DE TRÂNSITO CONTRAN, usando da competência

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos:

Segundo seu Regulamento, aprovado em 17/08/83, a Clínica Psicológica do Departamento da UFPE tem como objetivos: Clínica Psicológica da UFPE Plano Institucional de Estágio Supervisionado Apresentação A Clínica Psicológica é uma entidade pública, ligada ao Departamento de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco,

Leia mais

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04

SUMÁRIO. Localidades da pesquisa, amostra e entrevistas realizadas por Área de Planejamento AP s 2. Caracterização do entrevistado sem carteira 04 Pesquisa de Opinião Pública sobre as Campanhas Educativas para o Trânsito & da I m a g e m I n s t i t u c i o n a l da CET- RIO Relatório de Pesquisa 2008 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 03 PRINCIPAIS RESULTADOS

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

Epidemia de acidentes envolvendo motociclistas no Brasil

Epidemia de acidentes envolvendo motociclistas no Brasil Epidemia de acidentes envolvendo motociclistas no Brasil Oradora: Gisele Flores Vice Presidente do ISM Instituto SobreMotos Especialista em Gestão Pública Formada como Diretora Geral de CFCs (Centros de

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município.

O PREFEITO MUNICIPAL DE PARELHAS, ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, usando das atribuições que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município. DECRETO Nº 011/2014, DE 09 DE ABRIL DE 2014. Altera o Anexo I do Decreto n 007/2014, que dispõe sobre as atribuições, escolaridade e salários dos cargos destinados ao Concurso Público do Município de Parelhas/RN.

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

CLIENTE A Autoescola Paula está localizada na Avenida Paraná, nº 1641, no bairro Bacacheri, que compõe a região do Boa Vista. É um CFC de pequeno porte, que conta com 15 funcionários e 10 veículos. Oferecem

Leia mais

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014

Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 Texto para Coluna do NRE-POLI na Revista Construção e Mercado Pini Novembro 2014 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM EMPRESAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DE MÉDIO PORTE NO BRASIL. Elisabete Maria de Freitas Arquiteta

Leia mais

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia

Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia Currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia 1. Componentes curriculares O currículo do Curso de Licenciatura em Filosofia engloba as seguintes dimensões. 1.1. Conteúdos de natureza teórica Estes conteúdos

Leia mais

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul.

Pesquisa. Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e. A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Pesquisa A mulher no setor privado de ensino em Caxias do Sul. Introdução Há 40 anos atrás nos encontrávamos discutindo mecanismos e políticas capazes de ampliar a inserção da mulher no mercado de trabalho.

Leia mais

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA

DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO RIO GRANDE DO SUL DIRETORIA TÉCNICA DIVISÃO DE HABILITAÇÃO RACHA Uma atitude que pode custar vidas Racha, também chamado popularmente de pega, é uma forma de corrida

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES

A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES A IMPORTÂNCIA DA HISTÓRIA ECOLÓGICA PARA A EDUCAÇÃO DOS CIDADÃOS E CIDADÃS E FUTUROS TRABALHADORES Bruna Maria Jacques Freire de Albuquerque, Universidade Católica de Pernambuco, exbolsista de Iniciação

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com.

Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca. Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com. Número 1 Violência no trânsito: o goianiense e a Lei Seca Rua 1.145, 56 Setor Marista Goiânia GO Fone: 62 3541.6556 www.institutoverus.com.br 0 Estudos de Opinião Número 1 Violência no trânsito: o goianiense

Leia mais

SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO

SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO SEMINÁRIO POLITICAS PARA O TRÂNSITO SEGURO Felipe Espíndola Carmona Brasília 13 de setembro de 2012. RS-2012 Ditado Africanos diz: O homem branco tem relógio mas não tem tempo! Vivemos em um período em

Leia mais

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES

ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES ÍNDICE DE ACIDENTES NO PERÍMETRO URBANO DE CÁCERES Rodrigo Barretto Vila 1 RESUMO Glaidson de Souza Pezavento Tatiani Nascimento Santos Miriam Nascimento Santos Ashley da Silva Costa 2 Com a finalidade

Leia mais

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário

Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE. O Grupo Social. Inicialmente faz-se necessário Aula 12 A IMPORTANCIA DOS GRUPOS SOCIAS E DA FAMILIA PARA O PACIENTE Inicialmente faz-se necessário entender o que é grupo social, a sua importância e contribuição na vida de uma pessoa, para posteriormente

Leia mais

Prefeitura Municipal de Bom Jardim da Serra/SC Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Operador de Máquinas III CONHECIMENTOS GERAIS 5 QUESTÕES

Prefeitura Municipal de Bom Jardim da Serra/SC Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Operador de Máquinas III CONHECIMENTOS GERAIS 5 QUESTÕES CONHECIMENTOS GERAIS 5 QUESTÕES 1. Segundo o Estatuto do Servidor Público Municipal de Bom Jardim da Serra, servidor público é a pessoa que: a. Presta serviço remunerado ao município, seja do Poder Executivo,

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES

O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES O PAPEL DO PSICÓLOGO NA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS DAS ORGANIZAÇÕES CHAVES, Natália Azenha Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: natalya_azenha@hotmail.com

Leia mais

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES

RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES RODA DE CONVERSA SOBRE PROFISSÕES Kátia Hatsue Endo Unesp hatsueendo@yahoo.com.br Daniela Bittencourt Blum - UNIP danibittenc@bol.com.br Catarina Maria de Souza Thimóteo CEETEPS - catarinamst@netonne.com.br

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa

1 INTRODUÇÃO. 1.1 Motivação e Justificativa 1 INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e Justificativa A locomoção é um dos direitos básicos do cidadão. Cabe, portanto, ao poder público normalmente uma prefeitura e/ou um estado prover transporte de qualidade para

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Viajeo Plus City Showcase in Latin America Plano de Mobilidade Urbana Sustentável Nívea Oppermann Peixoto, Ms Diretora de Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil EMBARQ Brasil auxilia governos e empresas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo)

PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.993, DE 2013 (Do Sr. Ademir Camilo) Altera a Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para dispor sobre Treinamento

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio

Dicas para segurança. no trânsito. realização. apoio Dicas para segurança no trânsito realização apoio 1 Dicas de viagem segura. Viajar sozinho ou com toda a família requer certas responsabilidades. Aqui você encontrará várias recomendações para uma viagem

Leia mais

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB

DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB DIREITOS HUMANOS, FEMINISMO E POLÍTICAS PÚBLICAS DE GÊNERO: APLICABILIDADE DA LEI Nº 11.340/06 EM CAMPINA GRANDE/PB (ASFORA, R. V. S.) - Raphaella Viana Silva Asfora/Autora ¹ Escola Superior da Magistratura

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO

MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO MOBILIDADE POR BICICLETA NO CAMPUS DARCY RIBEIRO Aline Amaral Silva; Amanda Barbosa Borges; Amir mahdi Araghi; Gabriel Carvalho; Surik Neytohn Duque Nicols Prof. Pastor W. G. Taco O estudo contemplou o

Leia mais

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo

Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Nota Técnica 232 2014 Evolução do número de mortes no trânsito em São Paulo Max Ernani Borges De Paula Banco de dados de vítimas dos acidentes de trânsito fatais A Companhia de Engenharia de Tráfego realiza

Leia mais

TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO: DISCUTINDO ACESSIBILIDADE, MOBILIDADE E QUALIDADE DE VIDA

TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO: DISCUTINDO ACESSIBILIDADE, MOBILIDADE E QUALIDADE DE VIDA TRANSPORTE PÚBLICO COLETIVO: DISCUTINDO ACESSIBILIDADE, MOBILIDADE E QUALIDADE DE VIDA Marley Melo de Araújo (Universidade Federal de Sergipe); Fanny Silveira e Silva (Universidade Federal de Sergipe);

Leia mais

Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa?

Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa? Como está a cultura de segurança no trânsito na sua empresa? J. Pedro Corrêa Especialista em Programas de Trânsito São Paulo, 23 Setembro 2013 Você considera seguro o comportamento dos motoristas que usam

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades

Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades 1 Em defesa de uma Secretaria Nacional de Igualdade de Oportunidades A Comissão Nacional da Questão da Mulher Trabalhadora da CUT existe desde 1986. Neste período houve muitos avanços na organização das

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012

MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 MAPEAMENTO E ORGANIZAÇÃO DOS PROGRAMAS E PROJETOS DE EXTENSÃO PARA A CONSTRUÇÃO DO CATÁLOGO DE EXTENSÃO DA FURG 2009-2012 Simone Machado Firme FURG 1 Karine Vargas Oliveira FURG 2 Michele Fernanda Silveira

Leia mais

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano

Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano 17 Projeto de Qualidade de Vida para Motoristas de Ônibus Urbano Lilian de Fatima Zanoni Terapeuta Ocupacional pela Universidade de Sorocaba Especialista em Gestão de Qualidade de Vida na Empresa pela

Leia mais

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO N 396 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 Dispõe sobre requisitos técnicos mínimos para a fiscalização da velocidade de veículos automotores, reboques e semirreboques, conforme o Código de Trânsito Brasileiro.

Leia mais

Projeto Acelerando o Saber

Projeto Acelerando o Saber Projeto Acelerando o Saber Tema: Valorizando o Ser e o Aprender Lema: Ensinar pra Valer Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino contemplando o 3º ano a 7ª série. Coordenadoras:

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE.

RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. ANA LÚCIA ARAÚJO DE SOUZA RELAÇÃO DO PARLAMENTO BRASILEIRO COM AS POLÍTICAS SOCIAIS PARA A TERCEIRA IDADE. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais