EMBRIAGUEZ DE MOTORISTA E CLÁUSULAS RESTRITIVAS NOS CONTRATOS DE SEGURO DE AUTOMÓVEL.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMBRIAGUEZ DE MOTORISTA E CLÁUSULAS RESTRITIVAS NOS CONTRATOS DE SEGURO DE AUTOMÓVEL."

Transcrição

1 EMBRIAGUEZ DE MOTORISTA E CLÁUSULAS RESTRITIVAS NOS CONTRATOS DE SEGURO DE AUTOMÓVEL. ANGÉLICA L. CARLINI é advogada especialista em seguros, docente do ensino superior na PUC de Campinas, doutoranda em educação, acadêmica e catedrática da ANSP Academia Nacional de Seguros e Previdência, da AIDA Associação Internacional de Direito do Seguro e do IBDS Instituto Brasileiro de Direito do Seguro. 1.Introdução. 2. Contratos de Seguro conceito e principais dispositivos legais que os regulam. 3. Hermenêutica a ser aplicada à legislação que incide sobre os contratos de seguro. 4. Função social do contrato de seguro. 5. Conclusão. 1. Introdução. Recente decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ), amplamente divulgada na imprensa, entendeu que a ingestão de álcool por parte do motorista do veículo segurado não desobriga a seguradora de indenizalo, porque a cobertura securitária tem por objetivo cobrir os danos decorrentes do acidente. A questão foi definida no julgamento de recurso especial apresentado por uma segurada contra decisão do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, que havia dado ganho de causa à seguradora entendendo que tendo constado no boletim de ocorrência que a segurada havia se negado a fazer o teste do bafômetro e, além disso, apresentava

2 sintomas de embriaguez ou de ingestão de substancias tóxicas, e não havendo qualquer prova em contrário, deve ser julgado improcedente o pedido de condenação da seguradora ao pagamento de indenização. O recurso apresentado pela segurada continha alegação de que ela não tinha tido a intenção de causar o acidente, embora tenha colidido com quatro veículos estacionados na via pública, conforme informa a Revista Consultor Jurídico de 20 de dezembro de A decisão do STJ foi proferida pela 4ª Turma, e teve como relator o Ministro Aldir Passarinho. A notícia divulgada no final do ano de é impactante para o mercado de seguro brasileiro, que tem na comercialização de seguros de automóvel um de seus mais expressivos segmentos de mercado, inclusive para captação de novos negócios, como seguros residenciais, de vida, entre outros. De outro lado, em 18 de janeiro de 2.006, a imprensa divulgou notícia de que a Câmara dos Deputados aprovou projeto de lei do deputado Beto Albuquerque, do PSB do Rio Grande do sul, que aumenta a punição para motoristas que cometerem crime culposo no trânsito e estiverem sob efeito de álcool, substâncias tóxicas ou entorpecentes no momento em que praticarem o crime. Na proposta de lei, o condutor de veículo automotor que se recusar a realizar exame de comprovação de embriaguez, será considerado como embriagado se houver um testemunho do policial que atender a ocorrência. O texto do projeto afirma que a embriaguez será

3 comprovada por "notórios sinais de embriaguez, excitação ou torpor, resultantes do consumo de álcool ou entorpecentes". O novo texto de lei tem por objetivo diminuir a impunidade no trânsito no Brasil, cujos acidentes matam mais de vinte mil pessoas por ano, embora os dados não sejam confiáveis em vista das poucas pesquisas sobre o assunto e em razão da escassez de dados, vez que são considerados mortos no trânsito apenas aqueles que morrem no local do acidente. Os que falecem no hospital, momentos ou dias após o acidente, ainda que de causas que tenham relação com o traumatismo, não são considerados mortos de trânsito e por essa razão, não são computados como números estatísticos de trânsito. Em alguns países europeus o tempo para cálculo da morte como decorrente de acidente de trânsito é de até trinta dias, o que torna as estatísticas muito mais seguras. A busca de soluções para formar melhor o motorista brasileiro e, conseqüentemente, coibir as condutas abusivas é procurada sistematicamente pela sociedade brasileira nos últimos anos e, embora não se possa negar que o Código de Trânsito Brasileiro tenha contribuído muito para a disseminação de uma nova cultura entre os motoristas, é inegável que a ausência de maior fiscalização e de punições mais rigorosas amenizou o impacto inicial trazido pelo CTB. Os altos índices de acidentes de trânsito com suas conseqüências materiais e imateriais sempre tão graves, influem diretamente na precificação dos contratos de seguro, tornando-os não raro inacessíveis para uma expressiva parcela da população brasileira.

4 Por outro lado, a falta de uma cultura de contratação de seguros no Brasil expõe todos os cidadãos, que ficam arriscados a sofrer danos materiais e imateriais causados por motorista que não tenha condições financeiras de assumir os prejuízos e que não tenha se acautelado com a contratação de um seguro. Nesses casos, a sentença judicial transitada em julgado se transforma em um quadro para ornamentar a parede, porque nenhuma valia terá para recuperar ou minimizar os prejuízos causados. Pensar na implantação de uma verdadeira cultura de seguro de massa, tanto no ramo de automóvel como de responsabilidade civil facultativa, normalmente transacionado junto com o seguro de automóvel, passa pela necessidade de fortalecer esse instituto jurídico. E só se poderá fortalecer o contrato de seguro se ele se tornar mais conhecido em seus aspectos jurídicos, técnicos e econômicos. Discutir a recente decisão do STJ à luz da realidade nacional dos acidentes de trânsito, tendo como pano de fundo a necessidade de fortalecimento das atividades de seguro no Brasil, é uma questão de grande relevância social. 2. CONTRATOS DE SEGURO CONCEITO E PRINCIPAIS DISPOSITIVOS LEGAIS QUE OS REGULAM. O Código Civil brasileiro definiu contratos de seguro no artigo 757, que determina: Pelo contrato de seguro, o segurador se obriga, mediante o pagamento do prêmio, a garantir interesse legítimo do segurado, relativo a pessoa ou coisa, contra riscos predeterminados.

5 Dois aspectos são fundamentais na análise: o interesse legítimo; e, os riscos predeterminados. A expressão interesse legítimo não era adotada pelo Código Civil de 1.916, que tratava o contrato de seguro no viés indenizatório, impróprio contudo para os contratos de seguro de pessoas em que a inviabilidade de indenização é por demais evidente. O que se indeniza no seguro de vida não é o valor da vida perdida, sabida a impassibilidade de encontrar valor pecuniário para esse bem. A expressão interesse legítimo tem sido saudada pelos estudiosos do assunto como mais adequada do ponto de vista técnico securitário. Em que pese a carência de mais robusta discussão científica sobre a extensão da expressão interesse legítimo, é razoável afirmar que se deve entender por interesse legítimo aquele interesse legalmente defensável, que é legítimo exatamente por estar rigorosamente de acordo com a legislação em vigor. Sobre o assunto Tzirulnik, Cavalcanti e Pimentel (2.003, 32), afirmam: Ao dizer que a garantia se reporta ao interesse, a norma legal se refere a uma relação jurídica relevante, isto é, o interesse há de ser protegido pela ordem jurídica. E são ainda mais preciso os autores quando afirmam (2.003, 32): Se o interesse consiste na posição juridicamente relevante de um sujeito de direito para com um bem da vida, a idéia de legitimidade é acostada para relevar a importância de que a pertinência entre o sujeito e o bem da vida seja de ordem a fazer com que aquele queira sua preservação, não desdenhe o status quo e não queira, e nem lhe seja vantajosa, a realização do risco garantido.

6 Só é legítimo o interesse que não afrontar a legislação em vigor e, quando a preservação do bem da vida for o verdadeiro ideal do sujeito contratante do seguro. Isso implica para o segurado cuidar desse bem da vida com o mesmo desvelo que teria se ele não estivesse amparado pela cobertura de um contrato de seguro. O Código Civil contempla, ainda, previsão para riscos assumidos pelo segurador conforme artigo 760. Esse artigo determina a existência de cláusulas de riscos cobertos e conseqüentemente, embora não expressamente mencionado, cláusula de riscos não-cobertos nos contratos de seguro. Por fim, no artigo 768 o Código Civil de repete em parte o que dispunha o artigo do Código Civil de 1.916, quando determina que: O segurado perderá o direito à garantia se agravar intencionalmente o risco objeto do contrato. Nenhuma outra previsão poderia se esperar! Se a garantia contratual está vinculada a interesse legítimo do segurado sobre pessoa ou coisa, nada mais correto e coerente esperar que o segurado não agrave intencionalmente o risco objeto do contrato, porque ele segurado tem interesse legítimo, ou seja, a preservação da coisa ou da pessoa é de seu interesse, lhe traz vantagens pecuniárias ou afetivas. Nesse sentido a lição dos autores Tzirulnik, Cavalcanti e Pimentel, quando afirmam (2.003, 81): Há retidão conceitual na norma. Quando durante a execução do contrato celebrado o segurado agrava intencionalmente o risco, o comportamento revela o perecimento do interesse legítimo, objeto do contrato.afinal, para que seja legítimo o

7 interesse garantido é imprescindível que o segurado deseje preservar o status quo e não queira, nem lhe seja vantajosa, a realização do risco. A realização do risco deverá ser, portanto, como regra, fruto de conduta culposa do segurado, ilícita porque fruto de ato eivado de imperícia, imprudência ou negligência intencionais, porém com o resultado final não desejado. A realização do risco é que não pode ser intencional, embora o ato praticado estivesse eivado de intencionalidade desde o momento de sua consecução podendo resultar ou não desse ato a materialização do risco. Esse elemento é de fundamental importância na compreensão do artigo 768 da legislação civil. A expressão agravar intencionalmente, contida no artigo, interpretada exclusivamente de forma gramatical, poderá levar à compreensão de que todo e qualquer ato praticado pelo segurado e do qual decorra dano à coisa segurada, ficará isento de indenização por parte da seguradora por ser furto de ação intencional. Assim fosse estaria descaracterizada a função do contrato de seguro de bens, que somente mereceria indenização quando os fatos causadores de danos fossem oriundos de caso fortuito ou de força maior, ou seja, de atos que dispensassem por completo a intencionalidade da parte. O ato ilícito culposo é fruto de uma conduta intencional. Não há intencionalidade do resultado, mas há intencionalidade na prática de ato culposo, comissivo ou omissivo. Nesse sentido, enfatiza Cavalieri Filho (2.000,35) A vontade, como elemento subjetivo da conduta, é a carga de energia psíquica que impele o agente; é o impulso causal do comportamento humano. Não se

8 confunda, entretanto, vontade com intenção.... Haverá vontade desde que os atos exteriores, positivos ou negativos, sejam oriundos de um querer íntimo livre. Já, a intenção é a vontade dirigida a um fim determinado. É a bússola da vontade, seu elemento finalístico, que a norteia para o objetivo eleito. Vontade tem, portanto, dois elementos fundamentais para serem levados em conta: a vontade de praticar uma determinada conduta e, a vontade de obter um determinado resultado. Nisso consiste, em linhas gerais, a diferença entre culpa e dolo. Ambas, é certo, vão gerar o dever de indenizar caso haja prejuízo a outrem, mas nem por isso a diferença deve entre elas deve ser minimizada. A vontade de praticar uma conduta capaz de causar um dano, a si próprio ou a outrem, não é amparada pelos contratos de seguro, enquanto que a vontade de praticar um ato eivado de imprudência, imperícia ou negligência, porém sem almejar nenhum resultado danoso, é exatamente aquela protegida pelos contratos de seguro. Decorre dessa conclusão a constatação de que o indivíduo praticante de um ato deve estar, em princípio, de posse plena de seu domínio mental para poder quantificar em que medida está praticando um ato com intencionalidade de resultado ou, um ato cujo resultado não pode ser previsto. Em outras palavras, aquele que se sujeita de forma voluntária à perda ou redução de sua capacidade de discernimento, já sinalizou a intencionalidade de correr todos os riscos, exatamente porque se encontra em uma situação em que não é mais possível administra-los. 3. METODOS DE INTERPRETAÇÃO A SEREM APLICADOS À LEGISLAÇÃO QUE INCIDE SOBRE OS CONTRATOS DE SEGURO.

9 A interpretação do direito é assunto que adquire cada vez maior relevância na atualidade. A renovação de Códigos, como ocorreu com o Código Civil, o surgimento de novas leis especiais e, a complexidade da vida social exigem um estudo mais aprofundado e constante da interpretação e aplicação do direito, de modo a permitir que o texto de lei seja permanentemente útil para a organização da vida social e para a efetivação da justiça. Para Venosa (2.004, 175) Interpretar o direito não significa simplesmente tornar clara ou compreensível a norma, mas principalmente revelar seu sentido apropriado para a vida real. interpretar é, de fato, a ponte que liga o abstrato ao mundo real. Completa o pensamento de Venosa a afirmação de que o intérprete é um renovador, porque atualiza a extensão e a compreensão da norma. Nesse aspecto, provavelmente, resida a maior importância do trabalho do intérprete no mundo contemporâneo, porque a sociedade muda com grande velocidade, propõe questões de ordem social cada vez mais complexas e, com isso, exige que o aplicador da norma realize um esforço contínuo de compreensão dos múltiplos significados da mesma, para poder solucionar os problemas concretos que se apresentam. Interpretar, para uma expressiva parcela dos estudiosos do tema (Maximiliano, Grau, Bastos, Reale, entre outros), significa extrair o verdadeiro significado da norma e de posse desse conhecimento, aplicálo ao caso concreto que pede solução mais adequada e, destaque-se, mais adequada deve sempre ser sinônimo de mais justa.

10 Vários são os métodos de interpretação que podem ser utilizados, segundo os estudiosos do tema. Os mais tradicionalmente citados são: A) GRAMATICAL OU LITERAL - é o ponto de partida da interpretação. Através dele se busca alcançar o sentido real, o significado de cada vocábulo utilizado pela norma. O intérprete, para utilizar este método, deve ter um perfeito conhecimento gramatical. Durante algum tempo essa era a única interpretação permitida. B) INTERPRETAÇÃO LÓGICA OU TELEOLÓGICA tem em vista a conclusão que faz sentido daquela que não faz. O que se procura é desvendar o sentido e o alcance da norma, compatibilizando-a com o ordenamento. A lei deve ser analisada segundo sua finalidade e a conclusão do intérprete não pode ser contrária ao sentido da lei. C) HISTÓRICO é utilizado para se examinar o momento, a época em que a lei foi editada, bem como as condições políticas e sociais que fizeram a lei surgir. D) SISTEMÁTICO leva em conta que o ordenamento jurídico possui unidade e coerência e que a norma não pode ser vista de forma isolada. As normas se relacionam por conexão, subordinação e analogia. Todas as normas devem estar subordinadas aos princípios gerais que orientam o ordenamento e o sistema. A interpretação sistemática parte do pressuposto de que o sistema jurídico é concebido para ser um todo harmônico. Dentre os muitos sentidos que um artigo de lei pode possuir, o mais correto deve ser o que preserva a harmonia do conjunto, do ordenamento enquanto sistema.

11 Os estudos de hermenêutica apontam que nenhum dos métodos deve ser utilizado isoladamente. Um método deve ser utilizado sempre em conjunto com os demais, porque não se pode afirmar, em princípio, que qualquer um deles seja mais relevante que o outro. Nesta reflexão sobre contratos de seguro e embriaguez de motorista de veículo segurado, nossa atenção se volta para os métodos de interpretação lógico e sistemático. O primeiro, lógico ou teleológico, nos informa que interpretar é procurar o sentido ou a finalidade da norma. Em outras palavras, é procurar o valor a ser protegido, aquele bem público importante para a sociedade e que por isso, deve ser amparado pela norma para desse modo proteger todos os cidadãos. No método sistemático, por sua vez, a idéia principal é que o sistema jurídico deve constituir um todo harmônico e para isso, todas as normas de um sistema jurídico devem estar subordinadas a princípios gerais de direito. Para Celso Antonio Bandeira de Mello (2.000, 73) Princípio é o mandamento nuclear de um sistema, verdadeiro alicerce, disposição fundamental que se irradia sobre diferentes normas, compondo-lhes o espírito e servindo de critério para sua exata compreensão e inteligência, exatamente por definir a lógica e a racionalização do sistema normativo, no que lhe confere a tônica e lhe dá sentido harmônico. Na atualidade, os princípios têm merecido cada vez mais destaque nos estudos jurídicos porque eles são a forma de permitir à lei que dê conta

12 das múltiplas e diversas mudanças que têm ocorrido na sociedade contemporânea. Com a utilização de princípios a lei se torna mais apta a acolher as novas demandas sociais, sugerindo uma flexibilidade que está longe de causar insegurança jurídica e, muito próxima de integrar o ordenamento evitando lacunas indesejáveis. Exemplo dessa afirmação acontece com o Código de Defesa do Consumidor, uma legislação com clara inspiração principiológica, extremamente moderna, que tem dado conta das inúmeras inovações ocorridas no plano das relações de consumo exatamente por conta de seus princípios, que permitem uma interpretação capaz de construir maior flexibilidade e atualização da legislação. Possível concluir, portanto, que os métodos de interpretação lógica e sistemática se completam, um a buscar o sentido da norma e outro a verificar, principalmente, se esse sentido está em consonância com os princípios gerais do direito e com as demais normas do ordenamento jurídico. No caso analisado por este artigo, o STJ entendeu que não deve ser aplicada a perda do direito à indenização derivada do contrato de seguro ao segurado que se recusa a realizar exame de dosagem alcoólica após a ocorrência do acidente, ainda que existam elementos de prova testemunhal da aparência de embriaguez. A alegação do STJ é de que o segurado não pretendeu o resultado danoso, embora estivesse supostamente embriagado. O artigo 165 do Código de Trânsito Brasileiro determina que é infração gravíssima dirigir sob a influência de álcool em nível superior a seis

13 decigramas por litro de sangue, ou de qualquer substância entorpecente ou que determine dependência física ou química. O artigo 276 do mesmo Código de Trânsito, determina que a concentração de seis decigramas de álcool por litro de sangue comprova que o condutor se acha impedido de dirigir veículo automotor. Some-se a esses o parágrafo quarto do artigo 54 do Código de Defesa do Consumidor, Lei 8.078/90, que determina que: As cláusulas que implicarem em limitação de direito do consumidor deverão ser redigidas com destaque, permitindo sua imediata e fácil compreensão. Considerados os artigos do Código de Trânsito Brasileiro, do Código Civil e do Código de Defesa do Consumidor, como decidir o caso concreto que ora se analisa, em que uma pessoa guiando um veículo amparado por um contrato de seguro colidiu com quatro veículos que se encontravam estacionados na via pública, se recusando a realizar exame de dosagem alcoólica após o acidente, em que pese aparentar estado de embriaguez? A interpretação lógica ou teleológica nos impele a procurar o bem jurídico protegido pela lei. Qual é o bem jurídico que se pretende proteger no Código de Trânsito? A vida, tanto do condutor do veículo como daqueles que vão conviver com ele na via pública. E o bem jurídico protegido pela legislação civil ao tratar do contrato de seguro, exigindo que o segurado não agrave intencionalmente o risco? A vida, novamente é a resposta! A vida daqueles que vão conviver com o segurado. É por isso que seguro, em especial na modalidade automóvel, não pode se constituir em um alvará para que o segurado saia pelas

14 ruas de forma alucinada causando os danos que bem entender, simplesmente pelo fato de que possui um contrato de seguro que cuidará de indenizar os resultados desses danos. E qual o bem jurídico que pode estar protegido por cláusulas restritivas de direito, permitidas pelo Código de Defesa do Consumidor? Também se pode responder que a vida, o maior bem público a ser defendido em uma coletividade pode ser protegido através de cláusulas que limitem direitos, de tal sorte a lembrar permanentemente ao cidadão que seus direitos não são absolutos e sim relativizados em uma sociedade que tem na garantia do bem comum sua principal função. E se utilizarmos a interpretação sistemática, que resultado obteremos? A análise de artigos de codificações diversas, Código Civil vedando a agravação intencional de risco, o Código de Trânsito vedando a direção de automotor por motorista embriagado, e Código de Defesa do Consumidor permitindo cláusulas restritivas de direito, conduz a um mesmo resultado: o sistema da legislação brasileira tem como princípio fundamental a proteção da pessoa humana, de sua dignidade em todos os aspectos, dos mais elementares aos mais sofisticados. Para confirmar essa interpretação lógica e sistemática, basta analisar o disposto na Constituição Federal brasileira, em seu artigo 1º. Um dos fundamentos da República Federativa do Brasil é a dignidade da pessoa humana, ou seja, o respeito mais amplo possível a todos os seres humanos que habitem no país. A esse respeito, escreve Nelson Rosenvald (2.005, 8): Percebemos que o significado de dignidade se relaciona ao respeito inerente a todo ser

15 humano por parte do Estado e das demais pessoas independentemente de qualquer noção de patrimonialidade. É simultaneamente valor e princípio, pois constitui elemento decisivo para a atuação de intérpretes e aplicadores da Constituição no Estado Democrático de Direito. O homem se encontra no vértice do ordenamento jurídico, pois o direito só se justifica em função do ser humano. Se o direito só se justifica em função do ser humano e, se o respeito devido ao ser humano por parte do Estado e de toda a sociedade transcende a noção de patrimonialidade, não existem elementos jurídicos para admitir que um condutor de veículo automotor, guiando embriagado e em flagrante contraposição ao disposto na legislação de trânsito, receba cobertura de um contrato de seguro, fundado este na vedação de agravar intencionalmente o risco, conforme determinação legal e cláusula restritiva expressa. O argumento que sustenta a decisão do STJ é que o segurado, ainda que guiando embriagado, não pretendia causar nenhum dano a outrem, ou pelo menos, que não há prova dessa intencionalidade. Nessa interpretação, guiar embriagado seria o mesmo que guiar em velocidade acima da permitida pela legislação, uma prática culposa mas não dolosa porque não se pretende necessariamente um resultado danoso. Mas essa análise tecnicamente correta e defensável, coloca de lado a interpretação lógica e sistemática da norma. Interpretado o Código Civil em seu artigo 768 isoladamente, a decisão do STJ é aceitável. Interpretado o artigo 768 à luz da Constituição Federal e do Código de Trânsito, evidentemente a decisão deixa de proteger a dignidade da pessoa humana, deixa de respeitar esse fundamento constitucional e

16 esse princípio que perpassa todo o ordenamento jurídico nacional, qual seja, a proteção do valor supremo da vida humana. Se considerada a proteção que o ordenamento jurídico nacional destina à pessoa humana em sua integralidade física e moral, não se pode aceitar que alguém decida guiar um veículo em estado de embriaguez, arriscando sua própria vida e a de outras pessoas com esse gesto, simplesmente amparada pelo fato de que possui um contrato de seguro de automóvel, seguro esse decorrentes de seu ato voluntário. que responderá pelos resultados Ingerir bebida alcoólica para além dos índices permitidos na legislação de trânsito é prática que se assemelha ao dolo, porque há intenção de violar o dispositivo de lei, ainda que não haja intenção de causar danos a outrem. Por demais sabidos e conhecidos os efeitos que as substâncias alcoólicas causam ao sistema nervoso central, podendo levar as pessoas a agirem de forma totalmente descontrolada, perigosa para si própria e para os outros. Quem ingere álcool para além do permitido por lei para guiar sabe, ou devia saber que o resultado final pode fugir ao seu controle físico e mental. Por fim, e ainda amparada pela interpretação sistemática, não coibir a embriaguez de motoristas de veículos automotores de forma severa é caminhar na contramão do atual momento histórico, negando um dos objetivos constitucionais mais celebrados pela sociedade brasileira, que é o da construção de uma sociedade mais livre, justa e solidária. De fato, como construir justiça e solidariedade se os tribunais brasileiros minimizam a atitude de guiar embriagado, ignorando todos os extensos malefícios sociais que esse ato pode causar?

17 4. FUNÇÃO SOCIAL E BOA-FÉ OBJETIVA APLICADAS AOS CONTRATOS DE SEGURO. Criticado por muitos juristas quando de sua promulgação, o Código Civil não conseguiu ser unanimidade em quase nenhum de seus múltiplos aspectos. Acusado de não trazer as inovações necessárias para a solução dos conflitos privados na sociedade contemporânea, o Código Civil mereceu em um primeiro momento de sua entrada em vigor mais críticas do que elogios. Alguns aspectos, no entanto, foram aplaudidos por muitos. Um desses foi a nova ordem contratual que o Código Civil introduziu nas relações privadas, com vertentes que em alguns casos já eram de muito reconhecidas pelos tribunais brasileiros em sua produção jurisprudencial. O Título V, dos CONTRATOS EM GERAL, contém um primeiro capítulo que trata das disposições gerais e que em preliminares, contém três artigos bastante inovadores e, por essa razão, que têm sido objeto de rigoroso estudo científico da parte dos civilistas brasileiros. No artigo 421 o princípio da função social dos contratos, no artigo 422 a boa-fé objetiva e, no artigo 423 o princípio da interpretação mais favorável ao aderente, nos contratos em que existirem cláusulas ambíguas ou contraditórias. Dos princípios supra referidos, o da boa-fé objetiva e o da interpretação mais favorável ao aderente já eram amplamente aplicados aos contratos de seguro por força da construção do pensamento jurisprudencial

18 brasileiro dos últimos anos. Já o princípio da função social do contrato merece um pouco mais de reflexão. Humberto Theodoro Júnior (2.004,31) afirma que: A função social do contrato consiste em abordar a liberdade contratual em seus reflexos sobre a sociedade (terceiros) e não apenas no campo das relações entre as partes que o estipulam (contratantes). E continua (2.004,33): Reconhece-se, de longa data, e não apenas nos tempos atuais, que os contratantes, embora livres para ajustar os termos da convenção, deverão agir sempre dentro dos limites necessários para evitar que sua atuação negocial se torne fonte de prejuízos injustos e indesejáveis para terceiros. Na pesquisa de Cláudio Luiz Bueno de Godoy (2.004,132), encontramos: Giovanni Ettore Nanni, forte na lição de Renan Lotufo, bem acentua que os contratos atualmente cada vez mais interferem em terceiros, espraiando seus efeitos à comunidade, em que devem ser protegidas também as partes não contratantes, admitindo-se também a intervenção nos negócios quando o contrato não estipular uma função social, uma vez que o contrato não é mais limitado às partes, transcendendo e outorgando uma função social frente a toda a sociedade. Assim, considerada a definição de função social do contrato, é fácil compreender a importância da aplicação desse princípio aos contratos de seguro em qualquer de suas modalidades. Talvez não seja exagero afirmar que no contrato de seguro, mais do que em muitos outros, a função social desponta com rara clareza e com contornos tão nítidos.

19 Basta que se pense em um único exemplo: a fábrica destruída pelo incêndio pode significar desemprego e falência. Coberta por um seguro de incêndio significa a continuidade da produção econômica, positiva para os empresários, para os empregados e para o Estado arrecadador de tributos. Lucra toda a sociedade! E a função social do contrato de seguro de automóvel, também é clara? Segue os mesmos contornos propostos para o exemplo do seguro de incêndio, em especial na atualidade, em que o veículo é utilizado como fonte facilitadora da obtenção de trabalho e renda, quando não é ele próprio, o veículo, a fonte de trabalho e renda de muitas pessoas. Mas essa fonte de trabalho e de renda para muitos não pode se constituir em fonte de geração de prejuízos para outros, decorrente do uso indevido, inadequado, ou imprudente. O ideal de convívio social é que o veículo seja utilizado de forma correta, em estrito cumprimento à legislação de trânsito em vigor. A legislação garante que o causador do dano, patrimonial ou extrapatrimonial, deve indenizar. Mas o ideal da sociedade é que o dano não ocorra até porque muitas vezes, o resultado do ato praticado é verdadeiramente irreparável. A indenização pela perda da visão não restitui esse sentido fundamental; a indenização pela perda das pernas não faz o indivíduo indenizado voltar a caminhar e, a indenização pela morte não ressuscita a pessoa falecida. Portanto, em que pese ser clara e expressa a lei quanto ao dever de indenizar, reclama a ordem social que se coíbam as possibilidades de ocorrência do dano sabido que muitos deles serão indenizáveis, mas não representarão jamais a volta ao status quo ante.

20 É também nesse viés que a função social dos contratos de seguro deve ser analisada. Os contratos de seguro se justificam pela preocupação do sujeito com seu patrimônio e com o patrimônio dos outros, quando se trata do seguro de responsabilidade civil em suas múltiplas modalidades. A propósito, o seguro de responsabilidade civil representa um avanço na organização social de uma nação, porque significa que os indivíduos estão transferindo a preocupação que têm consigo próprios para os outros membros da sociedade, superando o caráter individualista, o que é sempre um aspecto positivo. Mas, ainda mais importante que difundir uma cultura de contratação de seguro de responsabilidade civil para prevenir danos indesejáveis causados a terceiros, é preciso difundir uma cultura de não causar danos que possam ser evitados pelo simples cumprimento da legislação em vigor. É o que ocorre com a direção de veículo automotor por pessoa embriagada, ou o que ocorre com a direção de veículo automotor em velocidade excessiva, para além dos limites previstos para o local. A indenização não cumpre a função de devolver o pai ao filho, a esposa ao marido, o filho à mãe, ou ainda, não cumpre a função de repor membros arrancados, danificados irremediavelmente, ou que tenham perdido por completo sua atividade motora. A indenização não recupera a visão, o olfato, a audição. Compensa pela perda, torna menos dolorosa a ausência, mas não traz de volta o que irremediavelmente se perdeu. Evitar o dano é o grande objetivo a ser alcançado pela sociedade para obtenção da paz e da justiça, e para alcançar esse objetivo é necessária a conjugação de esforços de todos os segmentos sociais, inclusive do

SEGURO DE VIDA X EMBRIAGUEZ DO MOTORISTA - O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ E O EQUILÍBRIO CONTRATUAL DIANTE DO AGRAVAMENTO DO RISCO

SEGURO DE VIDA X EMBRIAGUEZ DO MOTORISTA - O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ E O EQUILÍBRIO CONTRATUAL DIANTE DO AGRAVAMENTO DO RISCO SEGURO DE VIDA X EMBRIAGUEZ DO MOTORISTA - O PRINCÍPIO DA BOA-FÉ E O EQUILÍBRIO CONTRATUAL DIANTE DO AGRAVAMENTO DO RISCO Janaína Rosa Guimarães Em decisão publicada no DJe de 15 de setembro de 2008, o

Leia mais

MINHOTO ADVOGADOS ASSOCIADOS Rua Joaquim Távora, 832 Vila Mariana São Paulo Pabx (11) 5549.5333. www.minhoto.com.br

MINHOTO ADVOGADOS ASSOCIADOS Rua Joaquim Távora, 832 Vila Mariana São Paulo Pabx (11) 5549.5333. www.minhoto.com.br MINHOTO ADVOGADOS ASSOCIADOS Rua Joaquim Távora, 832 Vila Mariana São Paulo Pabx (11) 5549.5333 www.minhoto.com.br EMBRIAGUEZ AO VOLANTE CRIME, AGRAVAMENTO DO RISCO e FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO COLOCAR

Leia mais

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC?

NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? NORMAS LEGAIS DO CONTRATO DE SEGURO: CC OU CDC? Alessandra Fernandes Hendler 1 1 INTRODUÇÃO Com o desenvolvimento da economia e o aumento das relações negociais, os contratos securitários tomaram grande

Leia mais

LEI SECA. Por Sérgio Sodré 1. 1 Advogado há 17 anos; especializado em Direito do Seguro e pós-graduado em Gestão de Seguros.

LEI SECA. Por Sérgio Sodré 1. 1 Advogado há 17 anos; especializado em Direito do Seguro e pós-graduado em Gestão de Seguros. 1 LEI SECA Por Sérgio Sodré 1 O Código de Trânsito Brasileiro (Lei nº 9.503, de 23.09.1997) teve como fundamento principal a direção defensiva e, para tanto, não deixou de abordar a questão da condução

Leia mais

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil nas Atividades Empresariais Para Reflexão Ao indivíduo é dado agir, em sentido amplo, da forma como melhor lhe indicar o próprio discernimento, em juízo de vontade que extrapola

Leia mais

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA

EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA EMBRIAGUEZ EXCLUSÃO DE COBERTURA Seminário Direitos & Deveres do Consumidor de Seguros Desembargador NEY WIEDEMANN NETO, da 6ª. Câmara Cível do TJRS Introdução O contrato de seguro, regulado pelos artigos

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A compra de bebidas alcoólicas para a administração pública viola o princípio da moralidade? Bruno Soares de Souza* O Princípio da Moralidade, de acordo com a Filosofia Moral de

Leia mais

MULTA MULTA VALOR EM R$

MULTA MULTA VALOR EM R$ - Aplicadas pela autoridade de trânsito (posteriormente): I - advertência por escrito; II - multa; III - suspensão do direito de dirigir; IV - apreensão do veículo; V - cassação da Carteira Nacional de

Leia mais

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência

A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil nos 10 Anos do Código Civil na Construção da Doutrina e Jurisprudência 222 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 A Visão do Desembargador Sergio Cavalieri Filho Sobre a Responsabilidade Civil

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO

DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO DÚVIDAS FREQUENTES SEGURO AUTOMOTIVO 1. DEVO FAZER O BOLETIM DE ACIDENTES DE TRÂNSITO (BAT)? Sim, principalmente se houver terceiros envolvidos e se você for o culpado pelo acidente. 2. QUER DIZER QUE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5512, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº 5512, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº 5512, DE 2013 (Da Deputada Gorete Pereira) Altera dispositivo da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para dispor sobre o índice tolerável

Leia mais

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N

A R E R S E PONS N A S B A ILID I A D D A E D E C I C VIL N O N A RESPONSABILIDADE CIVIL NO DIREITO DE FAMÍLIA 06.09.2014 Dimas Messias de Carvalho Mestre em Direito Constitucional Promotor de Justiça aposentado/mg Professor na UNIFENAS e UNILAVRAS Advogado Membro

Leia mais

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE

PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1. Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO DIREITO CONTRATUAL 1 Angélica Santana NPI FAC SÃO ROQUE INTRODUÇÃO Para o Direito existem alguns princípios pelo qual, podemos destacar como base fundamental para estabelecer

Leia mais

www.baviniferreira.com.br

www.baviniferreira.com.br www.baviniferreira.com.br 1. Aspecto Legal e a Responsabilidade Civil O que é a Responsabilidade Civil? A responsabilidade civil nada mais é senão o dever de reparar o dano. Em princípio, surge a responsabilidade

Leia mais

MULTA VALOR EM UFIR MULTA

MULTA VALOR EM UFIR MULTA MULTA -Imposta e arrecadada pelo órgão com circunscrição sobre a via onde haja ocorrido a infração. -O valor decorre da natureza da infração, assim como a respectiva pontuação. NATUREZA DA INFRAÇÃO MULTA

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS

RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS RESPONSABILIDADE CIVIL DOS OPERADORES DE NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS Atividade de intermediação de negócios imobiliários relativos à compra e venda e locação Moira de Toledo Alkessuani Mercado Imobiliário Importância

Leia mais

A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE CIVIL: O QUE É PRECISO COMPREENDER E ENSINAR PARA O EMPRESÁRIO

A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE CIVIL: O QUE É PRECISO COMPREENDER E ENSINAR PARA O EMPRESÁRIO A CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE CIVIL: O QUE É PRECISO COMPREENDER E ENSINAR PARA O EMPRESÁRIO 1 P R O F. ª D R A. A N G É L I C A C A R L I N I C A R L I N I S O C I E D A D E D E A D V O

Leia mais

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O

Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O Responsabilidade Civil Engenheiros e Arquitetos E&O e D&O AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Encontro Regional AsBEA 2010 Nada a perder, algo a ganhar... Algo a ganhar, pouco a

Leia mais

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI

COMENTÁRIOS AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI AOS ARTIGOS 782 A 786 DO CÓDIGO CIVIL DO SEGURO DE DANO MAIARA BONETTI FENILI Advogada. Pós-graduanda em Direito e Processo do Trabalho/CESUSC. Membro da Comissão de Direito Securitário da OAB/SC. Art.

Leia mais

APELANTE: ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A APELADO: MARIA SHIRLEA PACÍFICO ROSA RELATORA: DES. INÊS DA TRINDADE CHAVES DE MELO

APELANTE: ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A APELADO: MARIA SHIRLEA PACÍFICO ROSA RELATORA: DES. INÊS DA TRINDADE CHAVES DE MELO APELANTE: ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A APELADO: MARIA SHIRLEA PACÍFICO ROSA RELATORA: DES. INÊS DA TRINDADE CHAVES DE MELO APELAÇÃO CIVEL. INDENIZATÓRIA. CONTRATO DE SEGURO DE VIDA. RECUSA DA SEGURADORA

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil

7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil. Tópicos Especiais em Direito Civil 7. Tópicos Especiais em Responsabilidade Civil Tópicos Especiais em Direito Civil Introdução A Responsabilidade Civil surge em face de um descumprimento obrigacional pela desobediência de uma regra estabelecida

Leia mais

A INTERMEDIAÇÃO NO CONTRATO DE SEGURO ASPECTOS RELEVANTES NO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO.

A INTERMEDIAÇÃO NO CONTRATO DE SEGURO ASPECTOS RELEVANTES NO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO. 1 A INTERMEDIAÇÃO NO CONTRATO DE SEGURO ASPECTOS RELEVANTES NO SISTEMA LEGAL BRASILEIRO. ANGÉLICA L. CARLINI é advogada e docente universitária na PUC-CAMPINAS, UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP e FACULDADE CAMPINAS

Leia mais

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes

Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes Tropa de Elite Polícia Civil Legislação Penal Especial CBT - Parte Especial Liana Ximenes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. CTB- Parte Especial Art. 302. Praticar

Leia mais

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO

ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO ACORDO COLETIVO DE TRABALHO COM PROPÓSITO ESPECÍFICO Art. 1º Esta Lei dispõe sobre a negociação coletiva e o Acordo Coletivo de Trabalho com Propósito Específico. Art. 2º Para os fins desta Lei considera-se:

Leia mais

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL

A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL A RESPONSABILIDADE OBJETIVA NO NOVO CÓDIGO CIVIL SÍLVIO DE SALVO VENOSA 1 Para a caracterização do dever de indenizar devem estar presentes os requisitos clássicos: ação ou omissão voluntária, relação

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014)

NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) NOTA TÉCNICA SEJUR nº 078/2014 (Aprovada em Reunião de Diretoria em 04/11/2014) Referência: Expediente n.º 3896/2014 Origem: Câmaras Técnicas EMENTA: RESOLUÇÃO CONTRAN Nº 460/13. EXAME TOXICOLÓGICO DE

Leia mais

Atualizações Trabalhistas

Atualizações Trabalhistas Atualizações Trabalhistas Aviso-prévio não pode ser suprimido por norma coletiva, suplente de Conselho Fiscal tem estabilidade sindical e empregado pago para não trabalhar deve ser indenizado por assédio

Leia mais

COLOCAR O TREM NOS TRILHOS

COLOCAR O TREM NOS TRILHOS EMBRIAGUEZ AO VOLANTE, CRIME, AGRAVAMENTO DO RISCO, FUNÇÃO SOCIAL DO CONTRATO COLOCAR O TREM NOS TRILHOS Por Homero Stabeline Minhoto(*) Para iniciar nosso debate, quero registrar que a lei 11.705, chamada

Leia mais

A recusa ao bafômetro e a Portaria 217 do DENATRAN. O fim do problema?

A recusa ao bafômetro e a Portaria 217 do DENATRAN. O fim do problema? A recusa ao bafômetro e a Portaria 217 do DENATRAN. O fim do problema? Por muito tempo se tem discutido acerca da legalidade de se aplicar as medidas administrativas e as penalidades previstas no art.

Leia mais

Da Responsabilidade Civil Objetiva. É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco.

Da Responsabilidade Civil Objetiva. É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco. Da Responsabilidade Civil Objetiva É a mesma coisa que responsabilidade civil sem culpa. Ela tem como fundamento legal a teoria do risco. Na doutrina brasileira a matéria vem muito bem elaborada por Caio

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

O Dano Moral no Direito do Trabalho

O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 O Dano Moral no Direito do Trabalho 1 - O Dano moral no Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 Objetivo 1.3 - O Dano moral nas relações de trabalho 1.4 - A competência para julgamento 1.5 - Fundamentação

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) PROJETO DE LEI N.º, DE 2010. (Do Sr. Vanderlei Macris) Acrescenta parágrafo único ao Art. 932, da Lei 10.406, de 10 de janeiro de 2002 Código Civil, dispondo sobre a responsabilidade dos locatários de

Leia mais

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02 60 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 13 10 Anos do Código Civil - Aplicação, Acertos, Desacertos e Novos Rumos Volume 2 Aspectos da Responsabilidade Civil Extracontratual Objetiva no Código Civil/02

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015)

PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) PROJETO DE LEI Nº 5.237, DE 2013 (Apenso: Projeto de Lei nº 385, de 2015) Acrescenta inciso V ao art. 3º da Lei 9.474, de 22 de agosto de 1997, e inciso VI e parágrafo único ao art. 7º da Lei nº 6.815,

Leia mais

BREVES COMENTÁRIOS À NOVA LEI SECA BRASILEIRA Genival Veloso de França (*)

BREVES COMENTÁRIOS À NOVA LEI SECA BRASILEIRA Genival Veloso de França (*) Derecho y Cambio Social BREVES COMENTÁRIOS À NOVA LEI SECA BRASILEIRA Genival Veloso de França (*) Fecha de publicación: 01/01/2013 Ninguém pode ir de encontro a qualquer medida que venha coibir ou punir

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

LEI SECA de trânsito

LEI SECA de trânsito LEI SECA de trânsito Tire algumas dúvidas sobre a nova Lei Seca no trânsito O jornal Zero Hora, de Porto Alegre, está apresentando em sua edição desta segunda-feira (23) um interessante serviço público.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.407 - SP (2012/0041104-0) RELATÓRIO O EXMO. SR. MINISTRO RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA (Relator): Trata-se de recurso especial interposto por PAULO DONIZETI DA SILVA e sua esposa

Leia mais

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO

RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO RESPONSABILIDADE MÉDICA EMPRESARIAL E DA EQUIPE CIRÚRGICA POR ERRO ANESTÉSICO TOMÁS LIMA DE CARVALHO Em julgamento proferido no dia 22 de setembro de 2009, a Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça

Leia mais

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva.

AULA 01. Direito Civil, vol.4, Silvio Rodrigues, editora Saraiva. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Responsabilidade Civil / Aula 01 Professora: Andréa Amim Monitora: Mariana Simas de Oliveira AULA 01 CONTEÚDO DA AULA: Bibliografia. Estrutura da Responsabilidade

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. PROJETO DE LEI N o 4.607, DE 2009 I - RELATÓRIO

COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES. PROJETO DE LEI N o 4.607, DE 2009 I - RELATÓRIO COMISSÃO DE VIAÇÃO E TRANSPORTES PROJETO DE LEI N o 4.607, DE 2009 Altera dispositivos do Código de Trânsito Brasileiro (CTB), aumentando a progressividade das penalidades nos casos em que o condutor de

Leia mais

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito.

DOS FATOS JURÍDICOS. FATO JURÍDICO = é todo acontecimento da vida relevante para o direito, mesmo que seja fato ilícito. DOS FATOS JURÍDICOS CICLO VITAL: O direito nasce, desenvolve-se e extingue-se. Essas fases ou os chamados momentos decorrem de fatos, denominados de fatos jurídicos, exatamente por produzirem efeitos jurídicos.

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE- FANESE MATHEUS BRITO MEIRA GUIA DE ESTUDOS Aracaju 2013 BREVES CONSIDERAÇÕES SOBRE O DIREITO TRIBUTÁRIO. INTRODUÇÃO À DISCIPLINA 1 Matheus Brito Meira

Leia mais

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.

Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13. Encontro Temático do NEATS PUC/SP sobre a Nova Lei Geral das Parcerias da Administração com as Organizações da Sociedade Civil Lei nº 13.019/2014 Sanções administrativas LUIS EDUARDO PATRONE REGULES Advogado.

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E PENAL NA ÁREA DA SEGURANÇA DO TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DECORRENTE DE ACIDENTES DE TRABALHO Constituição Federal/88 Art.1º,III A dignidade da pessoa humana. art.5º,ii

Leia mais

Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade

Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade Da Responsabilidade Civil do Profissional da Contabilidade Prof. Roberta Schneider Westphal Prof. Odair Barros www.rsw.adv.br A responsabilização profissional surge juntamente com qualquer manifestação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 2 ACÓRDÃO Registro: 2015.0000373304 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0008132-86.2013.8.26.0003, da Comarca de São Paulo, em que é apelante/apelado ANDRE PASQUALINI, é apelado/apelante

Leia mais

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS)

DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) DA RESPOSABILIDADE CIVIL DO ESTADO (PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS) Toda lesão de direito deve ser reparada. A lesão pode decorrer de ato ou omissão de uma pessoa física ou jurídica. Quando o autor da lesão

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA QUESTIONAMENTO: Solicito pesquisa acerca do enquadramento típico de indivíduo que fora abordado pela Brigada Militar, conduzindo veículo embriagado (306 dp CTB) e com a CNH vencida, sendo que foi reprovado

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO.

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. CURSO INTENSIVO I DE TRABALHO Disciplina: Direito do Trabalho Prof. Otavio Calvet Data: 01.04.10 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Tema INTERPRETAÇÃO, INTEGRAÇÃO E APLICAÇÃO DO DIREITO DO TRABALHO. Atualizado

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA SEGUNDA CÂMARA CÍVEL Agravo Inominado na Apelação Cível nº. 0335220-03.2008.8.19.0001 Agravante: GOLDEN CROSS ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL DE SAÚDE LTDA Agravado: JORGE MEDEIROS FREITAS

Leia mais

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO

RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO RESPONSABILIDADE CIVIL DO EMPREGADOR EM ACIDENTE DE TRABALHO Rafael Bratfich GOULART 1 Cleber Affonso ANGELUCI 2 RESUMO: O presente trabalho pretende buscar a melhor teoria de responsabilidade civil a

Leia mais

O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL

O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL O SUICÍDIO SOB O PRISMA DO CONTRATO DE SEGURO E DA DISSONÂNCIA DOS TRIBUNAIS COM O CÓDIGO CIVIL Voltaire Marensi e César Peixoto Embora muito antigo, o tema suicídio ressurgiu com força total e mostra

Leia mais

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES

DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES DECISÃO DO STJ NO RECURSO ESPECIAL Nº 1196671 Relatora Ministra ASSUSETE MAGALHÃES Trata-se de Recurso Especial interposto por MARIA ALICE MARQUES RIPOLL DE MACEDO e OUTROS, com fundamento no art. 105,

Leia mais

14 DE JUNHO DE 2009 DIRIGIR NÃO É UM DIREITO MAS APENAS UMA PERMISSÃO

14 DE JUNHO DE 2009 DIRIGIR NÃO É UM DIREITO MAS APENAS UMA PERMISSÃO 14 DE JUNHO DE 2009 DIRIGIR NÃO É UM DIREITO MAS APENAS UMA PERMISSÃO O problema é trágico quando se trata de acidentes de trânsito, no Brasil, causados por quem dirige alcoolizado. Por isso, foi promulgada

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA

Nº 70034654392 COMARCA DE NOVO HAMBURGO BRUNA MACHADO DE OLIVEIRA AGRAVO DE INSTRUMENTO. DECISÃO MONOCRÁTICA. AÇÃO DE COBRANÇA DE SEGURO OBRIGATÓRIO. DPVAT. LEGITIMIDADE PASSIVA. RESPONSABILIDADE DE QUALQUER SEGURADORA INTEGRANTE DO CONSÓRCIO. INCLUSÃO DA SEGURADORA

Leia mais

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003) Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I 393 Plano de Saúde - O Envelhecimento e o Reajuste por Faixa Etária Impacto da Lei 9.656 e o Estatuto do Idoso (Lei nº 10.741/2003)

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br O Princípio da Legalidade na Administração Pública Heletícia Oliveira* 1. INTRODUÇÃO O presente artigo tem como objeto elucidar, resumidamente, a relação do Princípio da Legalidade

Leia mais

. Departamento de Comunicações e Documentação DIVISÃO DE DIVULGAÇÃO DOCUMENTAL 1977

. Departamento de Comunicações e Documentação DIVISÃO DE DIVULGAÇÃO DOCUMENTAL 1977 - '~~~ MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES DEP ART AMENTO CONSULAR E JURíDICO DIVISAo DE ATOS INTERNACIONAIS COLEÇÃO DE ATOS INTERNACIONAIS NO 517 BRASIL - REPÜBLICA FEDERAL DA ALEMANHA ACORDO BÁSICO DE

Leia mais

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA

DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA DA RESPONSABILIDADE CIVIL DO MÉDICO por Jackson Domenico e Ana Ribeiro - RESPONSABILIDADE CIVIL OBJETIVA E SUBJETIVA A responsabilidade civil tem como objetivo a reparação do dano causado ao paciente que

Leia mais

Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br

Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br O suicídio é coberto ou não pelo seguro de vida dentro do período de carência? Felipe Galesco São Paulo: 2012 www.galesco.com.br Para responder esta pergunta, vamos entender qual a sistemática do Código

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o, DE 2012 (Do Sr. Romero Rodrigues) Permite ao terceiro prejudicado intentar ação diretamente contra o segurador. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Esta Lei faculta ao terceiro prejudicado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

Beber ou Dirigir. Faça a escolha certa

Beber ou Dirigir. Faça a escolha certa Beber ou Dirigir Faça a escolha certa O consumo responsável de bebidas alcoólicas, feito por indivíduos saudáveis com mais de 18 anos, é parte da vida em sociedade. Desde os tempos antigos é utilizado

Leia mais

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum

Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Hierarquia Constitucional dos Tratados Internacionais de Direitos Humanos e EC 45 - tese em favor da incidência do tempus regit actum Paulo Ricardo Schier As teorias do direito internacional e constitucional,

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES

02/10/2014 PLENÁRIO : MIN. GILMAR MENDES Decisão sobre Repercussão Geral Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 02/10/2014 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 704.520 SÃO PAULO RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN.

Leia mais

Aplicação de dolo eventual nos crimes de homicídio no trânsito

Aplicação de dolo eventual nos crimes de homicídio no trânsito Aplicação de dolo eventual nos crimes de homicídio no trânsito sociedade brasileira. O tema brevemente comentado é gerador de polêmica e celeuma na Os crimes de trânsito têm tratamento legal previsto pelo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.092.127 - SP (2008/0220476-5) RECORRENTE RECORRIDO REPR. POR : AMIL ASSISTÊNCIA MÉDICA INTERNACIONAL LTDA : MARIA CAROLINA SULETRONI E OUTRO(S) : SÉRGIO MELONE OLGAS - ESPÓLIO : NIVEA

Leia mais

Da Possibilidade de Reajuste de Contrato de Plano de Saúde Anterior à Vigência do Estatuto do Idoso

Da Possibilidade de Reajuste de Contrato de Plano de Saúde Anterior à Vigência do Estatuto do Idoso 420 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 6 Judicialização da Saúde - Parte I Da Possibilidade de Reajuste de Contrato de Plano de Saúde Anterior à Vigência do Estatuto do Idoso Rafael Estrela Nobrega 1

Leia mais

012 - A indenização substitutiva da garantia de emprego da gestante detém clara natureza indenizatória, porquanto não visa a remunerar o dispêndio da

012 - A indenização substitutiva da garantia de emprego da gestante detém clara natureza indenizatória, porquanto não visa a remunerar o dispêndio da EMPREGADA GESTANTE Trabalho elaborado por IVALDO KUCZKOWSKI, advogado especialista em Direito Administrativo e Consultor de Tributos da Empresa AUDICONT Multisoluções. 001 A garantia de emprego à gestante

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho

Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho Poder Judiciário Tribunal de Justiça da Paraíba Gabinete Des. Carlos Martins Beltrão Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL No. 200.2008.032784-0/001 ia Vara Criminal da Comarca da Capital RELATOR: Marcos William

Leia mais

Seguro de Responsabilidade Civil Profissional SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS

Seguro de Responsabilidade Civil Profissional SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS Responsabilidades Legais Estatuto da OAB. Art.17 Além da sociedade, o sócio responde subsidiária e ilimitadamente pelos danos causados

Leia mais

Projetos de Novo Código Comercial

Projetos de Novo Código Comercial Projetos de Novo Código Comercial O que está em discussão? Câmara dos Deputados - Projeto de Lei nº 1.572/2011 (670 artigos) Autor: Dep. Vicente Cândido Relator: Dep. Paes Landim Idealizador: Fábio Ulhoa

Leia mais

Gestão de Riscos. Glossário de seguros

Gestão de Riscos. Glossário de seguros Gestão de Riscos Glossário de seguros A ADESÃO - Termo utilizado para definir características do contrato de seguro; contrato de adesão; ato ou efeito de aderir. ADITIVO - Termo utilizado para definir

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE. Princípios da Administração Pública PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO E CONTROLE Princípios da Administração Pública PRINCÍPIOS A palavra princípio significa início, começo, origem das coisas, verdades primeiras,

Leia mais

Circunscrição : 1 - BRASILIA Processo : 2011.01.1.153078-6 Vara : 218 - DÉCIMA OITAVA VARA CÍVEL DE BRASÍLIA

Circunscrição : 1 - BRASILIA Processo : 2011.01.1.153078-6 Vara : 218 - DÉCIMA OITAVA VARA CÍVEL DE BRASÍLIA Circunscrição : 1 - BRASILIA Processo : 2011.01.1.153078-6 Vara : 218 - DÉCIMA OITAVA VARA CÍVEL DE BRASÍLIA Processo : 2011.01.1.153078-6 Classe : Procedimento Ordinário Assunto : Responsabilidade Civil

Leia mais

SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR SÚMULAS E JURISPRUDÊNCIA COMENTADAS Disciplina: Direito do Consumidor Prof. Fabrício Bolzan Data: 18.11.2010 Aula nº 02 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Resp 866359 Resp 1029454 Resp 1029454 Resp 770053 Resp

Leia mais

+ -47 41.1 ' r, ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. JORGE RIBEIRO NÓBREGA

+ -47 41.1 ' r, ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. JORGE RIBEIRO NÓBREGA t. + -47 41.1 ' r ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. JORGE RIBEIRO NÓBREGA ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 001.2004.024269-3/001 Oriundo da 7a Vara Cível da Comarca de Campina Grande-PB

Leia mais

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório.

Em face do acórdão (fls. 1685/1710), a CNTU opõe embargos de declaração (fls. 1719/1746). Vistos, em mesa. É o relatório. A C Ó R D Ã O 7ª Turma CMB/fsp EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM RECURSO DE REVISTA. Embargos acolhidos apenas para prestar esclarecimentos, sem efeito modificativo. Vistos, relatados e discutidos estes autos

Leia mais

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional.

O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. 1 O Dano Moral por Uso Indevido da Imagem do Empregado. O direito à imagem é um dos direitos de personalidade alçados a nível constitucional. Art. 5. Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer

Leia mais

Seguro de Responsabilidade Civil Profissional SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS

Seguro de Responsabilidade Civil Profissional SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS SEGURO DE RESPONSABILIDADE CIVIL PROFISSIONAL SOCIEDADE DE ADVOGADOS O Seguro RC Advogados na Europa, USA e Brasil Europa - Obrigatório Cada País tem suas regras e limites de garantias Profissionais devem

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2015.0000329XX ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº XXXXXX-42.2014.8.26.0565, da Comarca de São Caetano do Sul, em que é apelante LIBERTY INCORPORADORA LTDA, são

Leia mais

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Responsabilidade Civil dos Administradores das Sociedades Administrador Administrador é a pessoa a quem se comete a direção ou gerência de qualquer negócio ou serviço, seja de caráter público ou privado,

Leia mais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais

Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Painel 13 Marcas de Alto Renome: Novas Regras nos Tribunais Márcia Maria Nunes de Barros Juíza Federal Notoriedade Código de Propriedade Industrial de 1971 (art.67): marca notória, com registro próprio,

Leia mais

TRÂNSITO E BEBIDAS ALCÓOLICAS: COMO A LESGISLAÇÃO INTERVÉM, E A ACEITAÇÃO SOCIAL SOBRE ESSA INTERVENÇÃO.

TRÂNSITO E BEBIDAS ALCÓOLICAS: COMO A LESGISLAÇÃO INTERVÉM, E A ACEITAÇÃO SOCIAL SOBRE ESSA INTERVENÇÃO. 1 TRÂNSITO E BEBIDAS ALCÓOLICAS: COMO A LESGISLAÇÃO INTERVÉM, E A ACEITAÇÃO SOCIAL SOBRE ESSA INTERVENÇÃO. José Vitor Moysés Mestriner 1 Jozimar Matheus Bernardes da Costa 2 RESUMO O conteúdo desse trabalho

Leia mais

A (in) dispensabilidade da presença do advogado no processo admnistrativo disciplinar

A (in) dispensabilidade da presença do advogado no processo admnistrativo disciplinar A (in) dispensabilidade da presença do advogado no processo admnistrativo disciplinar Igor de Carvalho Leal Campagnolli Advogado, Graduado em Direito pelo Centro Universitário de Educação Superior do Amazonas

Leia mais

Dirigir embriagado: uma conduta, várias consequências.

Dirigir embriagado: uma conduta, várias consequências. Dirigir embriagado: uma conduta, várias consequências. Breve saga histórica Valdenir João Gulli Advogado com vasta experiência em Direito de Trânsito. Coordenador da equipe jurídica e administrador do

Leia mais

Recurso Ordinário: 0100700-57-2005.5.01.0421

Recurso Ordinário: 0100700-57-2005.5.01.0421 Recurso Ordinário: 0100700-57-2005.5.01.0421 Titulação: Direito Processual Civil e do Trabalho. Atos Processuais. Nulidade. Palavras-chave: nulidade processual, prestação jurisdicional, indenização, dano

Leia mais

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL

O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL O TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO E O JULGAMENTO POR E-MAIL Ana Victoria de Paula Souza Souza, Ana Victoria de Paula. O tribunal de justiça do Estado de São Paulo e o julgamento por e-mail.

Leia mais

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão

ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO. Liberdade de profissão ESCOLA DE FORMAÇÃO 2007 ESTUDO DIRIGIDO Liberdade de profissão Preparado por Carolina Cutrupi Ferreira (Escola de Formação, 2007) MATERIAL DE LEITURA PRÉVIA: 1) Opinião Consultiva n. 5/85 da Corte Interamericana

Leia mais

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy

Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho. M. J. Sealy Responsabilidade Civil e Criminal em Acidentes de Trabalho O Conceito de Acidente de Trabalho (de acordo com a Lei 8.213/91 Art. 19) Acidente do trabalho é o que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR LUIZ SILVIO RAMALHO JÚNIOR ACÓRDÃO APELAÇÃO CRIMINAL (Processo n 001.2008.024234-8/001) RELATOR: Desembargador Luiz Silvio

Leia mais

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES

DIREITO TRABALHO. Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES DIREITO TRABALHO Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) PROFESSORA EVELIN POYARES Análise da Súmula 331 do TST (texto atualizado cf. Res. 174/2011 TST) O artigo de hoje é

Leia mais