Programa 5S como base para implementação do sistema de gestão da qualidade em uma unidade industrial.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa 5S como base para implementação do sistema de gestão da qualidade em uma unidade industrial."

Transcrição

1 Resumo Programa 5S como base para implementação do sistema de gestão da qualidade em uma unidade industrial. Penha Maria Freire Leão Rocha Gestão da Qualidade e Engenharia da Produção Instituto de Pós-Graduação e Graduação IPOG Fortaleza-Ceará /Julho/2013 Os desafios impostos pela globalização requer das empresas mudanças de paradigmas na gestão empresarial e a busca incessante de modernização para ganho de produtividade e competitividade é uma realidade. O programa 5S foi utilizado como base para implementação do sistema de gestão da qualidade devido sua fácil aplicabilidade e assimilação. A distância dos grandes centros, dificuldade de pessoal técnico qualificado, baixo nível de escolaridade da população e inexistência de outras unidades fabris na região, resultou em dificuldade para empresa em desenvolver o negócio e garantir a qualidade do produto. Este artigo tem como objetivo demonstrar estudo de caso de integração das ferramentas de TQM (Total Quality Management), destacando a contribuição do Programa 5S. A ideia que a importância dada às pequenas atitudes do dia à dia do trabalho de forma persistente e consciente atinge resultados extraordinários foi aplicada como ferramenta de reeducação e desenvolvimento profissional integrada com os sistemas das Boas Práticas Agrícolas e de Fabricação (BPA e BPF) e Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC HACCP). Os resultados com a implementação do programa para empresa foram conscientização, desenvolvimento profissional, responsabilidade, produtividade e qualidade do produto assegurada através das certificações de produto orgânico e segurança alimentar Palavras-chave: Gestão da qualidade. Programa 5S. Implementação em unidade industrial 1.Introdução Partindo do pressuposto que a qualidade não é mais diferencial competitivo, mas sim uma condição para as empresas se manterem no mercado, assim conclui Bertolino (2010), que a qualidade deixa de ser responsabilidade de um departamento de controle de qualidade, ou mesmo de um departamento de garantia da qualidade, para ser uma obrigação de todos, do presidente da organização ao funcionário do mais baixo nível hierárquico. Mediante esse cenário, a gestão da qualidade necessita de um sistema robusto que crie condições favoráveis ao seu aperfeiçoamento constante, embasados segundo o modelo Japonês de TQM (Total Quality Management), que considera o envolvimento de todas as pessoas em todos os setores da organização e visa satisfazer suas necessidades, por meio da prática da garantia da qualidade. Assim são definidos os objetivos do modelo Japonês de TQM. Segundo Bertolino (2010) os objetivos da utilização são: Garantir uma maior satisfação do cliente, fornecendo produtos que correspondam às suas expectativas, monitorando suas constantes mudanças

2 (customer in). Melhorar a qualidade do atendimento. Aumentar a eficiência e a produtividade, mantendo cada etapa do processo produtivo sob controle, detectando possíveis falhas e rastreando suas causas. Garantir maior integração do pessoal, promovendo a comunicação entre os vários setores e os diferentes níveis hierárquicos (comunicação vertical e horizontal). Reduzir custos minimizando o retrabalho. Promover maior lucratividade e crescimento. (BERTOLINO, 2010:15). Neste contexto diversas abordagens, ferramentas e programas têm sido propostos, desenvolvidos e aplicados à gestão da qualidade, de forma a dar suporte às atividades de gerenciamento de recursos destinados à produção e disponibilização de bens e serviços. Teoricamente, a administração da produção é a mesma para qualquer tamanho de organização, entretanto, pequenas operações rotineiras podem ter também vantagens significativas se aplicadas de forma estruturada e disciplinadas no dia a dia do trabalho, portanto dentro de cada operação, os mecanismos são chamados processos. Segundo Sleck et al. (2009), cada processo é, ao mesmo tempo, um fornecedor interno e um consumidor interno de outros processos. Seguindo esse raciocínio as interações dos processos e o nível de organização das atividades irá impactar diretamente na qualidade e resultados. Dentre os programas de melhoria da qualidade mais conhecidos e simples na sua aplicabilidade e assimilação, pode-se mencionar o Programa 5S, que embasados em 5 sensos da filosofia japonesa de qualidade aplicada no ambiente de trabalho tem proporcionado às empresas grande avanço em eliminação de desperdícios, organização, limpeza, melhoria nas relações interpessoais, segurança no trabalho e manutenção geral. Galsworth (1997), descreve que o sistema 5S foi projetado para criar um local de trabalho visual, ou seja, um local de trabalho que seja autoexplicativo e auto melhorável e Pascal, Dennis (2008), conclui que em um ambiente visual, a situação que está fora do padrão imediatamente fica evidenciada e os funcionários podem corrigir tal situação imediatamente. Denton (1990), enfatiza que os padrões fornecem uma clara definição e expectativa para os gerentes, empregados e clientes. O processo real de desenvolvimento e definição de padrões tem que está muito clara a sua finalidade, porque os mesmos precisam ser estabelecidos, também devem descrever o que se espera e como serão medidos. Larkin (1987), cita que a American Express observou que medir os serviços teve efeitos profundos na forma de como fazer os negócios. Dessa forma os clientes sabem o que esperar e geralmente o conseguem, os empregados sabem como serão julgados e os gerentes e supervisores são menos arbitrários e subjetivos. O gerenciamento visual, baseado em exceções torna a excelência possível. O objetivo do trabalho é mostrar a metodologia utilizada pela empresa para atingir os objetivos, desde o comprometimento da alta administração, treinamento e conscientização dos funcionários, como a aplicação na prática, visando à integração com outros procedimentos regulamentares aplicados na indústria alimentícia, com base nas Boas Práticas Agrícolas e de Fabricação, para a obtenção da certificação de segurança alimentar, de acordo com os critérios do Codex Alimentarius e American Institute of Baking, padrão de qualidade para produção orgânica-

3 biodinâmica, de acordo com os critérios do Instituto Biodinâmico IBD, produtos alimentícios para comunidade Judaíca, de acordo com os critérios Kosher - Star K. 2. Abordagem Sobre Sistema de Gestão da Qualidade A definição de sistema de gestão da qualidade emana da construção do conceito de visão sistêmica, isto é, o todo, onde as partes estão dinamicamente interrelacionadas e interagem entre si para o alcance de uma meta ou objetivo comum claramente definido e onde o desempenho de cada elemento pode afetar o desempenho geral. Para que a organização possa apresentar alto desempenho é necessário uma visão de aprendizagem focada na melhoria contínua das suas capacidades por meio da aprendizagem de sistemas e suas inter-relações, do desenvolvimento do capital intelectual e da disseminação de aprendizagem por toda organização. Segundo Ken Blenchard (2011), em organizações de alto desempenho, as informações necessárias para tomar decisões bem fundamentadas estão disponíveis às pessoas e são comunicadas abertamente. Os princípios do sistema de gestão da qualidade enfatizam que liderar e administrar uma organização com sucesso requer que ela seja gerida de maneira sistemática e visível e provê essa disciplina e visibilidade, e deve dar também aos clientes de forma consistente o que eles precisam e esperam: Foco no cliente: as organizações dependem de seus clientes e, portanto, devem: entender as necessidades atuais e futuras; satisfazer os requisitos e se esforçar para exceder as expectativas do cliente. Liderança: os líderes estabelecem a uniformidade do objetivo e a direção da organização. Eles devem criar e manter o ambiente interno em que as pessoas possam se tornar completamente envolvidas em atingir os objetivos da organização. Envolvimento do pessoal: as pessoas em todos os níveis representam a essência de uma organização e seu envolvimento completo possibilita o uso de suas habilidades para benefício da organização. Abordagem por Processo: um resultado desejado é obtido de forma mais eficiente quando as atividades e os recursos relacionados são gerenciados como um processo. Abordagem de Sistemas para Gestão: identificar, entender e gerenciar processos interligados da forma como um sistema contribui para a eficácia e eficiência no atingimento de seus objetivos. Melhoria contínua: deve ser um objetivo permanente da organização. Abordagem efetiva à tomada de decisões: as decisões são baseadas na análise de dados e informações. Relações com fornecedores mutuamente benéficas: uma organização e seus fornecedores são interdependentes e uma relação mutuamente benéfica otimiza a capacidade para criar valor. 3. Histórico do Programa do Programa 5S Origem Em meados de 1950 quando o Japão tentava se reerguer da derrota sofrida na segunda grande guerra mundial e as indústrias japonesas necessitavam colocar no mercado produtos com preço e qualidade capazes de competir na Europa e nos Estados Unidos, foi que surgiu o 5S, como referência a qualidade no ambiente de trabalho. A literatura cita que o Dr. Kaoru Ishikawa, engenheiro químico e principal pregador dos conceitos de qualidade total no Japão foi o seu criador, cujo objetivo era criar um ambiente de trabalho adequado para uma

4 maior produtividade com base nos princípios da estatística aplicada à qualidade e através da criação do Círculo de Controle de Qualidade CCQ. Foi difundido essa metodologia de trabalho, na qual os grupos de trabalho eram formados por funcionários de níveis operacionais. O termo do 5S surgiu com base em cinco práticas de manutenção da casa que fazem parte da rotina doméstica japonesa. Japão passou a ser foco de pesquisas por outras organizações de vários países, embasados nos resultados e na transformação em uma grande potência econômica, com a finalidade de conhecer as ferramentas gerencias para justificar os seus grandes ganhos de produtividade, tais como, Qualidade Total, Sistema de Produção Justin-Time ou Lean Manufacturing, Manutenção Produtiva Total TPM, Círculos de Controle de Qualidade CQC, o princípio de melhoria contínua Kaizen, porém segundo Ribeiro (2006), todas as organizações japonesas são unânimes em afirmar que o 5 S é a base física e comportamental para o sucesso dessas ferramentas gerenciais, portanto ainda hoje é adotado por várias organizações do mundo, como pré-requisito dos seus modelos de gestão. A tabela abaixo resume a inter-relação com outras ferramentas gerenciais:

5

6 4. Conceitos - 5S FONTE - Ribeiro, Haroldo (2006) TABELA 1 - Inter-relações de ferramentas gerenciais A metodologia 5S tem o objetivo de melhorar a produtividade e o desempenho e possibilita desenvolver um planejamento sistemático do trabalho, permitindo de imediato maior produtividade, segurança, clima organizacional e motivação dos funcionários, com consequente melhoria da competitividade e foi adotada por várias organizações, desde pequenas empresa até as grandes corporações, conforme citado por Peterson, Jim & Smith, Roland (1998), que dão exemplos de usos dos 5S e seus benefícios nos contextos dos negócios da Hewlett-Packard e Boeing. O histórico da introdução desses conceitos 5S s formalmente no Brasil é que foram através da Fundação de Pesquisa Christiano Ottoni em 1991 e desde então, sua importância fundamental na criação do ambiente da qualidade tem sido reconhecida amplamente.. Esta prática tem produzido mudanças visíveis nas organizações com relação à redução de custos, respeito ao meio ambiente, maior aproximação entre as pessoas, esforço coletivo em prol de objetivos comuns. Alguns S foram traduzidos usando palavras variadas. Com isso, o 5S gerou resultados diferentes de um local para outro. O trabalho de tradução feito pela Fundação Christiano Ottoni (FCO), em Minas Gerais, em empresas e escolas, a partir da década de 90, é considerada adequada a qualquer lugar onde se vive, por não usar expressões exclusivas do meio empresarial. O contínuo desenvolvimento da autodisciplina promove o crescimento do ser humano em iniciativa, criatividade e respeito. Com o desenvolvimento do senso de utilização, decreta-se guerra ao desperdício de inteligência, tempo e matéria-prima. O combate ao stress é auxiliado pelos sensos de ordenação, limpeza e saúde. Para facilitar o entendimento dos conceitos o Sebrae adaptou o sistema 5S ao Brasil e criou o programa D-Olho na Qualidade, que alterou os nomes referentes a cada S para Descarte, Organização, Limpeza, Higiene e Ordem Mantida. 4.1 Seiri - Senso de Utilização e Descarte: Usar sem desperdiçar refere-se à prática de verificar todas as ferramentas, materiais, etc. na área de trabalho e manter somente os itens essenciais para o trabalho que está sendo realizado. Tudo o mais é guardado ou descartado. A classificação dos recursos existentes no ambiente, separando o que fica e o que sai, desperta as pessoas para uma análise crítica do seu ambiente e para o rompimento de paradigmas sobre posse de objetos obsoletos. A cultura de que um dia eu vou precisar forma na pessoa uma postura conservadora, de individualismo, de acomodação e não estimula a capacidade de planejamento. Este processo conduz a uma diminuição dos obstáculos à produtividade do trabalho.vantagens: Conseguir liberação de espaço para os mais variados objetivos; Eliminar o excesso de ferramentas, armários, prateleiras e materiais; Eliminar dados de controle ultrapassados; Eliminar itens fora de uso e sucata; Diminuir risco de acidentes.

7 4.2 Seiton Senso de Organização: Para facilitar o acesso e a reposição Enfoca a necessidade de um espaço organizado. A disposição e guarda de ferramentas, equipamentos ou objetos nos lugares onde serão posteriormente usados e que permita o fluxo do trabalho.o processo deve ser feito de forma a eliminar os movimentos desnecessários. A definição de locais de guarda, a busca de identificações e sinalizações que facilitem o acesso e a reposição e a revisão do layout despertam as pessoas para um melhor planejamento de tempo e de esforço físico, não só delas próprias como dos outros. As pessoas passam a observar que o acesso aos recursos e às instalações não pode depender de sua memória, mas de uma sistematização para a sua função e para as atividades dos outros.vantagens: Rapidez e facilidade para encontrar documentos, materiais, ferramentas e outros objetos; Economia de tempo; Diminuição de acidentes em função de tudo estarem mais organizado;facilidade na comunicação entre todos. 4.3 Seiso Senso de Limpeza: Zelar pelos recursos. É manter o mais limpo possível o espaço de trabalho e investigar as rotinas que geram sujeira. Identificar os agentes que agridem o meio-ambiente (iluminação deficiente, mal cheiro, ruídos, pouca ventilação, poeira etc.). Lembrar que a limpeza deve ser parte do trabalho diário, e não uma mera atividade ocasional. O zelo pelos recursos e pelas instalações é conseguido mediante atividades de limpeza, pois é a partir delas que as pessoas passam a ter um reconhecimento de seu ambiente. A manutenção da limpeza feita pelos próprios usuários rompe o paradigma de que a limpeza é uma atividade puramente mecânica, a ser desenvolvida por pessoas de menor valor. Em cada ambiente de trabalho, o usuário de máquinas, equipamentos e ferramentas é responsável por suas limpezas e manutenções. A limpeza é uma atividade diária. Ao fim de cada dia de trabalho, o ambiente deverá ser limpo e tudo recolocado em seus lugares, tornando fácil saber onde está aquilo que é essencial. Vantagens: Melhoria do local de trabalho; Satisfação dos colaboradores por trabalharem em ambiente limpo; Maior segurança e controle sobre equipamentos, máquinas e ferramentas; Eliminação de desperdício. 4.4 Seiketsu Senso de Padronização: Higiene no local de trabalho e estabelecer regras de convivência e de manutenção dos três primeiros S s. Após o cumprimento das três primeiras etapas, devemos partir para a padronização e melhoria contínua das atividades, onde tudo deve ser documentado. Criar normas e sistemáticas em que todos devam cumprir. A gestão visual é fundamental para fácil entendimento de cada norma. Essa etapa exige perseverança para haver mudanças no comportamento das pessoas e nas rotinas que geram sujeira ou logo voltaremos a mesma situação anterior à implantação do 5S. A preocupação pela saúde visa aumentar a auto-estima, para que as pessoas tenham maior amor próprio. O estabelecimento de padrões e de regras de cumprimento rompe o paradigma de que a convivência pacífica não ocorre sem tirar a individualidade das pessoas. Para se exigir respeito ao coletivo, as pessoas devem demonstrar respeito por si próprio, cuidando de sua saúde, conhecendo e cumprindo normas e procedimentos e participando do estabelecimento de regras de convivência.

8 Vantagens: Equilíbrio físico e mental; Melhoria do ambiente de trabalho; Melhoria de áreas comuns (banheiros, refeitórios etc.);melhoria nas condições de segurança. 4.5 Shitsuke: Senso de Autodisciplina: Cumprir rigorosamente as normas, regras e procedimentos. Refere-se ao compromisso pessoal com o cumprimento, manutenção e revisão dos padrões éticos, morais e técnicos, definidos pelo programa 5S. Se as pessoas passam a fazer o que e como deve ser feito, mesmo que ninguém veja, significa que todas as etapas do 5S estão se consolidando, está havendo disciplina e o Shitsuke está sendo executado. A autodisciplina é o estágio mais elevado da educação do ser humano. É inteligente a sua colocação como o último dos S, pois não seria coerente cobrar o respeito ao próximo e às normas, se as pessoas convivem em um ambiente de desperdício, desorganização, sujeira, falta de higiene e de padrões ou regras. Vantagens:Trabalho diário agradável; Melhoria nas relações humanas; Valorização do ser humano; Cumprimento dos procedimentos operacionais e administrativos; Melhor qualidade, produtividade e segurança no trabalho. Denominação Conceito Objetivo Particular Utilização Seiri Separar o necessário do desnecessário Eliminar do espaço de trabalho o que seja inútil Ordenação Seiton Colocar cada coisa em seu devido lugar Limpeza Seisõ Limpar e cuidar do ambiente de trabalho Saúde Seiketsu Tornar saudável o ambiente de trabalho Autodisciplina Shitsuke Rotinizar e padronizar a aplicação dos S anteriores Tabela 2 Conceitos 5 S Fonte: Wikipédia A enciclopédia livre 5. Concepção da Estrutura de Implementação do Programa Organizar o espa,co de trabalho de forma eficaz Melhorar o nível de limpeza Prevenir o aparecimento de supérfluos e a desordem Incentivar esforços de aprimoramento A iniciativa de implementação do programa surgiu da necessidade de melhores resultados de produtividade e de melhor organização do ambiente de trabalho em todos os setores da empresa na fazenda e na fábrica. A falta de padronização dos processos, desperdícios e retrabalhos geravam custos, menor competividade e risco para a sobrevivência do negócio. A competitividade e a exigência do mercado de produtos com garantia da qualidade foi passo fundamental para a tomada de decisão. O setor de controle de qualidade com base nos conhecimentos de gestão da qualidade desenvolveu o planejamento com as

9 etapas de acordo com a metodolgia internacionais. aplicada em diversas organizaçãoes nacionais e Objetivos do Programa Melhoria do ambiente de trabalho; Prevenção de acidentes; Incentivo à criatividade; Redução de custos; Eliminação de desperdícios; Desenvolvimento do trabalho em equipe; Melhoria das relações humanas Melhoria da qualidade de serviços e produtos. Estrutura do Programa Lançamento; Comitê de gestão; Treinamentos de conscientização; Projeto Dono de Área ; Auditoria diária; Projeto Dia D ; Equipe de auditores internos; Auditoria interna; Indicadores de performance (resultados). 5.1 Sensibilização da Alta Direção Nas Organizações, já é comum a introdução de programas estratégicos visando melhorar o desempenho. Cabe às pessoas com poder de decisão reconhecer os problemas potenciais do ambiente de trabalho, tais como, aspectos estruturais, físicos, comportamentais e analisar a viabilidade orçamentária. Para despertar o interesse das pessoas pelas mudanças, há que lhes mostrar os benefícios que terão. A metodologia e resultados do programa foram apresentados à gerência geral da empresa e na sequência às lideranças de todas as áreas. Um aspecto muito importante referenciado, é o fato de que os conceitos do programa 5S deveriam estar presentes na vida cotidiana das pessoas. Sendo aplicado não só no ambiente de trabalho, mas também em diversos lugares e situações, tais como, empresas, domicílios, escolas, etc. Os benefícios para a organização (acionistas / alta cúpula) é maior produtividade e os fatores correlacionados com a redução de custos, maior competitividade e sobrevivência do negócio. Para a média gerência (líderes), maior eficiência dos processos, provocada pela melhor educação das pessoas. Para os colaboradores, crescimento pessoal e profissional, mediante um ambiente de trabalho mais digno e agradável e todos os benefícios decorrentes da educação, inclusive a possibilidade de levar o aprendizado para casa, auxiliando no orçamento doméstico, no asseio, na saúde e na educação da família. O reconhecimento da necessidade do programa foi aceita e todos os recursos disponíveis. O próprio gerente geral ficou responsável por fazer o comitê de desenvolvimento com a participação dos coordenadores e

10 supervisores. A postura de aceitação da alta direção disseminou pela empresa motivação na equipe, que não mediu esforços para que as etapas fossem cumpridas de acordo com o cronograma proposto. 5.2 Sensibilização dos Colaboradores A proposta de implantação do programa foi apresentado a todos os colaboradores na oportunidade de reunião geral da empresa, enfatizando o contexto do programa na gestão da qualidade, vantagens competitivas, benefícios e resultados para o negócio. Na ocasião foi apresentado também o comitê de gestão e cronograma de treinamentos de conscientização. 5.3 Comitè de Gestão Esta comissão é formada pela gerëncia de garantia da qualidade, equipe de auditores internos e de colaboradores líderes dos setores denominados Donos de Área e responsável pelo planejamento das atividades do programa, tais como: Elaboração de cronogramas de reuniões com colaboradores donos de área, líderes e auditores internos, treinamentos de integração, programa de auditorias internas, cômputo de auditorias internas, monitoramentos de indicadores de performance, atividades de motivação para a manutenção do programa Dia D e eventos na semana da qualidade. 5.4 Programa de Treinamentos e Conscientização O programa de treinamento e conscientização dos colaboradores é de responsabilidade do setor de recursos humanos, o qual é chamado de programa de integração, que com o suporte dos departamentos são ministrados os treinamentos específicos de cada área, tais como, qualidade, segurança e meio ambiente. No que se refere ao programa 5S são realizados demonstração de todos os passos do programa desde sua origem, vantagens da implementação, benefícios para a empresa e pessoais, como também filmes direcionados e visitas aos locais da empresa na fazenda e fábrica, para visualização in loco da aplicação dos conceitos na prática para fixar a assimilação dos conhecimentos. A aplicação do conhecimento dos conceitos do programa nas áreas é monitorado pela supervisão direta, como também pelo líder da área (Dono de área), assim as não conformidades do dia á dia de trabalho são identificadas, colocadas em plano de ação relatório de oportnidade de melhoria e corrigidas de forma imediata, minimizando possíveis falhas, desperdícios e retrabalhos. 5.5 Implementação nos Setores e Metodologia de Manutenção A partir do mapeamento da área da fazenda e fábrica e divisão em setores foi aplicado o padrão dos conceitos do programa 5S em todas as áreas da empresa e instituído o monitoramento da prática diária de manutenção através da conscientização dos colaboradores, nomeação de colaborador líder do programa ( Dono de área Anexo I) e procedimentos como a auditoria diária (Anexo II), para identificação de não conformidades,

11 plano de ação relatório de oportunidade de melhoria (Anexo III), para implementação de ações corretivas e comprometimento das lideranças e colaboradores com o padrão de quaalidade do ambiente nas áreas de trabalho. 5.6 Sistema de Avaliação da Eficiência O programa de auditoria interna foi desenvolvido com o objetivo de medir o padrão na empresa e avaliar sua evolução, servir como feedback para avaliação dos planos de ações, comparar o padrão atual com as metas estabelecidas, servir como ferramenta de melhoria contínua e verificar a evolução do programa na organização. A formação da equipe de auditores internos estruturada com representação das áreas da fazenda e fábrica com capacitação e perfil de acordo com os requisitos para o processo de auditoria e contínua reciclágem para garantir a confiabilidade do processo e resultados. A frequência de auditoria inicialmente mensal e a partir da maturidade do programa bimestral e posteriormente retornou para mensal, porém por amostragens e com rodadas semestrais gerais em todos os setores. A lista de verificação de auditoria (check list Anexo IV) elaborada específica para cada setor e as perguntas referentes aos requisitos de descarte, organização, limpeza, higiene e ordem mantida em número de cinco e adapados à realidade de cada área e elaboradas com a participação da liderança para dessa forma representar a dinâmica de trabalho do setor. O sistema de pontuação instituído o valor de quatro pontos para cada pergunta com total 20 pontos para cada senso, totalizando 100 pontos. A classificação geral numérica e de convenção de cores: 25 a 49% - RUIM, 50 a 74% - AMARELO, 75 a 94% - VERDE e 95 a 100% - AZUL. O gráfico de resultado adaptado ao sistema de modelo radar, conforme modelo da matriz USA. As não conformidades evidenciadas no processo formal de auditoria do programa, são necessariamente formalizadas em plano de ação para implementação de ações corretivas, caso não estejam conformes no tempo pré-determinado são novamente pontuadas com decréscimo.

12 FONTE Programa 5S Fazenda Amway Nutrilite do Brasil (2012) GRÁFICO 1 Resultados de auditorias internas- setor industrial

13 FONTE Programa 5S Fazenda Amway Nutrilite do Brasil (2012) GRÁFICO 2 Resultados de auditorias internas setor agrícola 7. Selos de Certificação FONTE Programa 5S Fazenda Amway Nutrilite do Brasil (2012) TABELA 3 Demonstrativo de classifificação geral Orgânico Biodinâmico Orgânico USA Orgânico Japão Orgânico Europa Orgânico Brasil Segurança Alimentar Segurança Alimentar Kosher -Star K

14 8. Conclusão Com a implantação do programa 5S foi possível alcançar os objetivos propostos pela organização, pois possibilitou a padronização dos serviços e processos, que passaram a ter uma dinâmica cotidiana com menos intervenção das lideranças e principalmente do controle de qualidade. O princípio do empoderamento das equipes com a manutenção da qualidade do ambiente de trabalho gerou responsabilidade e motivação. A integração dos requisitos do programa com os referentes às Boas Práticas Agrícolas (BPA), Boas Práticas de Fabricação (BPF) e Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controles (APPCC), que garantem a qualidade do produto final passaram a ter uma importância fundamental para toda a empresa, dessa forma o entendimento da visão sistêmica dos processos mais claros para toda organização. O monitoramento constante, isto é, diário da qualidade ambiente em todos os setores fez com que a percepção dos desvios e implementações de ações corretivas mais eficientes. É importante também salientar que houve ganhos incalculáveis no que refere a conscientização dos colaboradores, pois a internalização dos conceitos foram aplicados até no cotidiano da vida doméstica e repercutindo no comportamento geral, pois o princípio do programa está embasado na mudança de comportamentos. Referências Bibliográficas 1. BERTOLINO, Marco Túlio.Gerenciamento da qualidade na indústria alimentícia: ênfase na segurança dos alimentos, Porto Alegre: Artmed, 2010, 320 p.; 23 cm. 2.SLECK, Nigel. Administração da produção/nigel Sleck, Stuart Chambers, Robert Johnston: tradução Henrique Luiz Corrêa. 3. Ed.- São Paulo: Atlas, GALSWORTH, Gwendolyn. D. Visual Systems: Harnessing the power of the visual workplace. Amacom, New York,1997 4, PASCOAL, Dennis. Produção Lean Simplificada: tradução Rosalia Angelita Neumann Garcia. 2. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2008, 190 p.:il.; 25 cm. 6. BLANCHARD, Ken. Liderança de alto nível: como criar e liderar organizações de alto desempenho; tradução: Raul Rubenich. Ed. rev. e ampl. Porto Alegre: Bookman, 2011, xx, 331p.; 23 c 7. DENTON, D. Keith. Qualidade em serviços: O atendimento ao cliente como fator de vantagem competitiva; tradução Flávio Deny Steffen; revisão técnica José Carlos de Castro Waeny. São Paulo: Makron: McGraw-Hill, 1990.

15 8.LARKIN, Raymond J., The History of Quality Assurance at American Express, American Productivity Center Quality forum, 14 de Jul. 1987, p RIBEIRO, Haroldo. A Biblia do 5S, da implantação ä excelência. Salvador: Casa da Qualidade, PETERSON, JIM &SMITH, ROLAND (1998).O Guia de Bolso do 5S, Productivity Press, ISBN Acesso em

16 ANEXO I Termo de Nomeação de Dono de Área

17 ANEXO II Auditoria Diária do Programa 5S

18 ANEXO III Plano de ação Monitoramento de Oportunidade de Melhoria ANEXO IV Lista de Verificação do Programa 5S (Check list)

19

20 ANEXO V Gráfico de Resultado

21 ANEXO VI Modelo de Gestão Integrada do Programa 5S

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DA QUALIDADE Atualizado em 03/12/2015 GESTÃO DA QUALIDADE As ideias principais que baseiam o significado atual da qualidade são, basicamente, as seguintes: Atender às expectativas,

Leia mais

Gerenciamento da Qualidade

Gerenciamento da Qualidade Gerenciamento da Qualidade Processos da Qualidade (JURAN) Planejamento Execução Monitoramento e Controle Planejar a qualidade Realizar a garantia da qualidade Realizar o controle da qualidade Inclui os

Leia mais

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S

Gestão da Qualidade 10/04/2011. Os 5 S. Histórico dos 5S. Histórico dos 5S Gestão da Qualidade Os 5 S Histórico dos 5S A gestão da Qualidade é primordial para o estabelecimento e sobrevivência de uma instituição e para viabilizar o controle de atividades,informações e documentos.

Leia mais

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico

Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Análise da Utilização de Conceitos de Produção Enxuta em uma Pequena Empresa do Setor Metal Mecânico Matheus Castro de Carvalho (matheus_c_carvalho@hotmail.com / CESUPA) Resumo: A aplicação dos conceitos

Leia mais

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS

CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 1 CURSO ONLINE OS 8S s ADMINISTRATIVOS 2 ESSE CURSO FOI CRIADO E É PROMOVIDO PELA INSTITUIÇÃO Todos os Direitos Reservados 3 Bem Vindo ao Curso! _Seiri _Seiton _Seiso _Seiketsu _Shitsuke _Shido _Sitsuyaki

Leia mais

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL

CENTREIND CENTRO DE TREINAMENTO INDUSTRIAL Programa 5S Base da implantação da qualidade total nas organizações. Introdução: É possível eliminar o desperdício (tudo que gera custo extra), em cinco fases, com base no programa 5S, surgido no Japão

Leia mais

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade

MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade MÓDULO 16 Programa 5S da Qualidade Desenvolvido no Japão, pós Segunda Guerra Mundial, o Programa 5S (conhecido também como Housekeeping) era um método utilizado pelos pais para ensinar a seus filhos os

Leia mais

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação

Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação Benefícios! Quais são? Eliminação de desperdícios Otimização do espaço Facilidade no acesso a materiais de trabalho Prevenção de quebras e acidentes Redução ou eliminação de condições e atos inseguros

Leia mais

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60

O Programa 5S ORIGEM. Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país. Surgiu no Japão no fim dos anos 60 O Programa 5S ESCOLA POLITÉCNICA André Gilmar Hélio Surgiu no Japão no fim dos anos 60 Serviu de base para a implantação dos programas de qualidade total naquele país ORIGEM 5S para lembrar as 5 palavras

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN

APRESENTAÇÃO. Equipe UNAFIN APRESENTAÇÃO O Programa 8 S, Mudança e Qualidade de Vida, está sendo implantado na Secretaria da Fazenda do Estado do Piauí, pela UNAFIN (Unidade Administrativa Financeira) para aumentar a qualidade e

Leia mais

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa

DIA DA BERMUDA - 2011. Arrumando a nossa casa DIA DA BERMUDA - 2011 Arrumando a nossa casa 2 Entenda o que são os 5S Para praticar o Dia da Bermuda, primeiro você precisa entender o que são os 5S... Princípios dos 5S 3 O conceito de 5S tem como base

Leia mais

Qualidade em Indústria de Biotecnologia

Qualidade em Indústria de Biotecnologia Qualidade em Indústria de Biotecnologia Aula 1 Prof a. Dr a Ilana L. B. C. Camargo Curso: Ciências Físicas e Biomoleculares Disciplina: Microbiologia e Biotecnologia Industrial IFSC - USP Automação no

Leia mais

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory trial version www.pdffactory.com Programa 8S Promovendo a Qualidade de Vida O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S melhorar a qualidade de vida dos funcionários, transformando o ambiente da empresa,

Leia mais

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação

5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação 5Ss: Aplicação em Bibliotecas e Centros de Informação Introdução Década de 50 Japão tenta se reerguer da derrota sofrida na Segunda Grande. Profissionais dos Estados Unidos vão ao Japão a ensinar como

Leia mais

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos.

Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. O QUE É O 5S? Prática desenvolvida no Japão com o objetivo de desenvolver padrões de limpeza e organização, para proporcionar bem estar a todos. TAMBÉM É CONHECIDO COMO HOUSE KEEPING 2 QUAIS SÃO OS SIGNIFICADOS

Leia mais

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA

FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA FACULDADE PEDRO II INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO LOGÍSTICA 5S ADRIANA VIEIRA ARCANJO ANDRADE GIOVANE DA SILVA GUILHERME CHAVES KENYA OLIVEIRA WEVERTON DE OLIVEIRA Professor: Elielson

Leia mais

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve?

HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S. Introdução. Para que serve? HOUSEKEEPING A PARTIR DO 5S Introdução Basicamente consiste na determinação de organizar o local de trabalho, mantêlo arrumado e em ordem, limpo, mantendo as condições padronizadas e a disciplina necessárias

Leia mais

5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt

5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt 5S s Introdução a Engenharia de Produção Prof. Evandro Bittencourt Usado para solucionar os problemas comportamentais nas empresas, principalmente para formar uma cultura de combate ao desperdício, à desordem,

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE

PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE PROGRAMA NO AMBIENTE DA QUALIDADE QUALIDADE COMEÇA COM 5S 5S = Filosofia de mudança comportamental baseada em cinco princípios básicos, cujas palavras sinônimas (em Japonês) se pronunciam com o som de

Leia mais

Sensibilizando para Organização e Limpeza

Sensibilizando para Organização e Limpeza Sensibilizando para Organização e Limpeza Engº JULIO TADEU ALENCAR e-mail: jtalencar@sebraesp.com. @sebraesp.com.br Ver-03/04 Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de São Paulo O QUE PODEMOS FAZER

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO SGI SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO Qual o significado de ISO? ISO International Organization for Standardization, é uma organização não governamental com sede em Genebra, na Suíça, que foi criada em 1946

Leia mais

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE)

MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) MANUTENÇÃO PRODUTIVA TOTAL (TPM) COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DA EFICIÊNCIA GLOBAL DE EQUIPAMENTO (OEE) Layla Duana dos Santos Silva (UFG ) layladuana@hotmail.com Andre Alves de Resende (UFG ) aaresende@gmail.com

Leia mais

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008

SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 SERÁ ENCAMINHADO AO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO O NOVO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS, COM INÍCIO PREVISTO PARA 2008 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MATERIAIS PROJETO PEDAGÓGICO I OBJETIVOS

Leia mais

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA

MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA MÉTODO 5S: UMA ABORDAGEM INTRODUTÓRIA ARENA, Karina de Oliveira 1 ; BUGLIA, Patrícia Rodrigues 1 ; PEREIRA, Mariane Francine Pereira 1 ; TAMAE, Rodrigo Yoshio 2 1-Acadêmicos do curso de Administração de

Leia mais

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS

APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS APLICAÇÃO DOS 5 S EM OPERADORES LOGÍSTICOS RESUMO Williana de Souza Costa 1 Bruno de Araújo Santos 2 Carlos Alberto dos Santos Júnior 3 Jean Karlos Gouveia Januário 4 Natália dos Santos Pessoa 5 Osmar

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Objetivos desta unidade: Ao final desta

Leia mais

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação

Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação Capítulo 2 Objetivos e benefícios de um Sistema de Informação 2.1 OBJETIVO, FOCO E CARACTERÍSTICAS DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Os Sistemas de Informação, independentemente de seu nível ou classificação,

Leia mais

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão;

1.Maior produtividade pela redução da perda de tempo procurando por objetos. - Só ficam no ambiente os objetos necessários e ao alcance da mão; Sistema 5 S's Conceito: O Método "5S" foi a base da implantação do Sistema de Qualidade Total nas empresas. Surgiu no Japão, nas décadas de 50 e 60, após a Segunda Guerra Mundial, quando o país vivia a

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com

Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Prof. Sérgio Roberto Sigrist srsigris@hotmail.com Palavras-chave Melhores práticas, inovação, geração de valor, qualidade, serviços, gestão de serviços, suporte em TI, melhoria contínua, orientação a processos,

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

3 Gerenciamento de Projetos

3 Gerenciamento de Projetos 34 3 Gerenciamento de Projetos Neste capítulo, será abordado o tema de gerenciamento de projetos, iniciando na seção 3.1 um estudo de bibliografia sobre a definição do tema e a origem deste estudo. Na

Leia mais

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade

Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Título: Programa 5S s em uma Empresa Júnior: da melhoria do ambiente físico ao cuidado com as pessoas Categoria: Projeto Interno Temática: Qualidade Resumo Manter um ambiente de trabalho adequado à realização

Leia mais

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios

O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean. I. Círculo de Kaizen: objetivos, estrutura, vínculos com os negócios e benefícios O Círculo de Kaizen para a sustentação do Lean Marino Kishida* As empresas que iniciaram a jornada lean frequentemente empolgam-se com os ganhos iniciais de produtividade, produção, qualidade, redução

Leia mais

Indicadores de Desempenho Conteúdo

Indicadores de Desempenho Conteúdo Indicadores de Desempenho Conteúdo Importância da avaliação para a sobrevivência e sustentabilidade da organização O uso de indicadores como ferramentas básicas para a gestão da organização Indicadores

Leia mais

Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos

Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos Gestão da qualidade na Biblioteca Monteiro Lobato de Guarulhos O Sistema Municipal de Bibliotecas de Guarulhos possui 11 bibliotecas, sendo 11 da Secretaria de Cultura e 1 espaço troca livros. Atendemos

Leia mais

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo

Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria - São Paulo Apostila elaborada por: Teorema Consultoria e Assessoria São Paulo Assunto Assunto Página Página Introdução Introdução...... 01 01 Os Os Cinco Cinco s s...... 02 02 Seiri Seiri Utilização Utilização......

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE

GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE GESTÃO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÕES FUNDAMENTOS DA QUALIDADE Roteiro Visão sobre Qualidade Cinco abordagens da Qualidade Expectativa e percepção Possíveis lacunas (GAPs) O que dizem os gurus da Qualidade

Leia mais

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados

Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Proposta de avaliação de desempenho através dos custos da qualidade em sistemas de gestão da qualidade certificados Ana Carolina Oliveira Santos Carlos Eduardo Sanches Da Silva Resumo: O sistema de custos

Leia mais

Produção Enxuta. Lean Manufacturing

Produção Enxuta. Lean Manufacturing Produção Enxuta Lean Manufacturing Produção Enxuta Principais ferramentas Ferramentas do STP 5S; SMED ; Gestão Visual; Poka-Yoke; TPM Kanban; Kaizen; VSM Casa do STP 5 Sensos Filosofia cujo objetivo é

Leia mais

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo

PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo PROGRAMA 5S: Parceiro na administração do tempo Aliny MALAGUTI¹ - RGM 070591 Carolina Stoze NARDY¹ - RGM 070498 Lidiane Aparecida Dias COSTA¹ - RGM 067031 Renato Francisco Saldanha SILVA² Elcio Aloísio

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade.

GESTÃO DA QUALIDADE. Palavras-chave: Qualidade. Gestão da Qualidade. Definições da Qualidade. GESTÃO DA QUALIDADE Luiz Antonio Bertoli de Oliveira Prof. Pablo Rodrigo Bes Oliveira Centro Universitário Leonardo Da Vinci UNIASSELVI Bacharelado em Administração (ADG 0257)- Módulo I 08/11/2012 RESUMO

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Origem do nome do programa 5S

Origem do nome do programa 5S Os Cinco Sensos PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Origem do nome do programa 5S 5S s vem de cinco palavras japonesas que começam por S : SEIRI senso de utilização, seleção, descarte. SEITON senso de

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica

Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Premissas para implantação do Gerenciamento pelas Diretrizes GPD - em uma instituição de ensino superior: uma análise bibliográfica Marcos Tadeu Moraes de Castro Mestre em Administração de Produção administração@asmec.br

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013

José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira. São Luis 2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAS - CCSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO José Adalto Pires de Oliveira Junior Orientadora: profª. Mariana Bandeira São Luis 2013 GESTÃO DA QUALIDADE: Plano

Leia mais

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO

OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO OS NOVOS PARADIGMAS DA FORMAÇÃO CONTINUADA: DA EDUCAÇÃO BÁSICA À PÓSGRADUAÇÃO Profa. Drª. Ana Maria Maranhão 1 Resumo: A tecnologia da Informação e de modo específico o computador, oferece as diferentes

Leia mais

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração

Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Diagnóstico de melhorias baseado na metodologia 5S: estudo de caso realizado em uma fábrica de ração Suelem Correia Garcia 1, Lohanne Oliveira Rodrigues 1, Rutiele Tamara Januário Rodrigues 1, Camilla

Leia mais

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação

Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Empresas de instalação de gás natural nos ambientes construídos: uma análise baseada no custo de transação Luís Henrique Piovezan (SENAI-SP, Uniban e Escola Politécnica da USP) lhpiovezan@aol.com Adalberto

Leia mais

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING)

GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO DO SETOR DE RELACIONAMENTO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) GUIA DE AVALIAÇÃO DA NORMA DE AUTO-REGULAMENTAÇÃO (CALL CENTER / CONTACT CENTER / HELP DESK / SAC / TELEMARKETING) Coordenação Gerenciadora ABEMD Associação Brasileira de Marketing Direto Presidente: Efraim

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL 5 SENSOS MANUAL 5 SENSOS Ref.: MSGQ-001/09-0 Revisão: 00 Emissão: Setembro Qtde. Pág.: 09 1. INTRODUÇÃO O programa 5S tem como principais objetivos mudar comportamentos,

Leia mais

Apresentação do programa 5S

Apresentação do programa 5S Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência PIBID 2011 Ciências da Natureza Apresentação do programa 5S Dia 04 de janeiro de 2012 Local: Escola Elisa Ferrari Valls Horário: 09h O "Programa

Leia mais

GUIA PRÁTICO DO PROGRAMA 5S

GUIA PRÁTICO DO PROGRAMA 5S Avalie o Nível da Gestão 5S em sua Área de Trabalho Itens Avaliados 01. Existem objetos e recursos sem serventia na sua área de trabalho? 02. Existe desperdício observável, de qualquer espécie, em sua

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS

UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS UNIVERSIDADE PAULISTA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS Prof. Cassimiro Nogueira Junior PESSOAS CAPITAL HUMANO CAPITAL INTELECTUAL GRAU DE CONHECIMENTO: PRODUTIVOS E RECONHECIDOS

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS ADMINISTRAÇÃO GERAL GESTÃO DE PROCESSOS Atualizado em 21/12/2015 GESTÃO DE PROCESSOS Um processo é um conjunto ou sequência de atividades interligadas, com começo, meio e fim. Por meio de processos, a

Leia mais

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla "gestão enxuta", muitas organizações abraçam

processos de qualidade como um todo. Este conceito, muitas vezes como parte de uma iniciativa mais ampla gestão enxuta, muitas organizações abraçam 2 1 FILOSOFIA KAIZEN Segundo IMAI, MASAAKI (1996) KAIZEN é uma palavra japonesa que traduzida significa melhoria continua, que colabora em melhorias sequenciais na empresa como um todo, envolvendo todos

Leia mais

A Base para a Qualidade Total

A Base para a Qualidade Total A Base para a Qualidade Total 1 HISTÓRIA Foi concebido por Kaoru Ishikawa em 1950, no Japão pós-guerra; Surgiu com a necessidade de por ordem na grande confusão a que ficou reduzido o país após a derrota

Leia mais

Política de Responsabilidade Corporativa

Política de Responsabilidade Corporativa Política de Responsabilidade Corporativa Índice 1. Introdução...04 2. Área de aplicação...04 3. Compromissos e princípios de atuação...04 3.1. Excelência no serviço...05 3.2. Compromisso com os resultados...05

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

5S - 5 sensos da qualidade

5S - 5 sensos da qualidade 5S - 5 sensos da qualidade É um processo com cinco grandes passos que ajudam a organizar melhor trabalho. É um programa que busca tornar o dia a dia na empresa mais tranqüilo, através de : cuidados com

Leia mais

FACULDADE DE JAGUARIÚNA

FACULDADE DE JAGUARIÚNA FACULDADE DE JAGUARIÚNA Campus I: (19) 3837-8800 Rua Amazonas, 504 Jardim Dom Bosco Campus II: (19) 3837-8500 Rod. Adhemar de Barros Km 127 Pista Sul Jaguariúna SP 13.820-000 http://www.faj.br e-mail:

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROGRAMA UNESP ILHA SOLTEIRA. Frederico Salmi Metta Gestão de Negócios. Local Orientador Período 14.09.12

PROGRAMA UNESP ILHA SOLTEIRA. Frederico Salmi Metta Gestão de Negócios. Local Orientador Período 14.09.12 PROGRAMA UNESP ILHA SOLTEIRA Local Orientador Período Frederico Salmi Metta Gestão de Negócios 14.09.12 orientador FredericoSalmi Engenheiro industrial químico EEL/USP Especialização em gestão industrial

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie

ADMINISTRAÇÃO I. Família Pai, mãe, filhos. Criar condições para a perpetuação da espécie 1 INTRODUÇÃO 1.1 ORGANIZAÇÃO E PROCESSOS A administração está diretamente ligada às organizações e aos processos existentes nas mesmas. Portanto, para a melhor compreensão da Administração e sua importância

Leia mais

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes

Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes Nosso negócio é a melhoria da Capacidade Competitiva de nossos Clientes 1 SÉRIE PRODUTIVIDADE MELHORIA CONTÍNUA / KAIZEN CONCEITOS FUNDAMENTAIS Conceituar Melhoria Contínua e sua importância no contexto

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço

Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Implantação do sistema de gestão da qualidade ISO 9001:2000 em uma empresa prestadora de serviço Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Adriano Soares Correia (Uniminas) adriano@ep.uniminas.br

Leia mais

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro

GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro GERENCIAMENTO DE ESCOPO EM PROJETOS LOGÍSTICOS: Um Estudo de Caso em um Operador Logístico Brasileiro Matheus de Aguiar Sillos matheus.sillos@pmlog.com.br AGV Logística Rua Edgar Marchiori, 255, Distrito

Leia mais

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1

ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 ONDE OS PROJETOS FALHAM? Manuel da Rocha Fiúza BRANCO, Jr 1 RESUMO Diversos profissionais relatam dificuldades em coordenar adequadamente projetos sob sua responsabilidade. Muitos fatores que influenciam

Leia mais

Não empregamos nenhuma pessoa com idade menor que a permitida por lei.

Não empregamos nenhuma pessoa com idade menor que a permitida por lei. Código de Conduta SOSINIL Princípios Gerais A SOSINIL publica seu Codigo de Conduta e Ética que servirá de referencial para uma conduta adequada, coerente e uniforme a ser adotada com os envolvidos em

Leia mais

Tenha um plano de cargos e salários consistente

Tenha um plano de cargos e salários consistente ESTRUTURAÇÃO DE CARGOS E SALÁRIOS Tenha um plano de cargos e salários consistente Cícero C Nunes c²n c2n@posicional.com Consultoria Técnica em Remuneração POSICIONAL.COM Consultoria Empresarial Ltda. Araraquara/SP

Leia mais

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR

GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR GESTÃO DE QUALIDADE EM SERVIÇOS NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS DO RAMO DE SOFTWARE: GARANTIA DE QUALIDADE MPS.BR Andressa Silva Silvino 1 Jadson do Prado Rafalski 2 RESUMO O objetivo deste artigo é analisar

Leia mais

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001

O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 O valor da informação e da comunicação em sistemas de gestão da qualidade ISO 9001 Alexandre Nixon Soratto, Msc. (INMETRO) ansoratto@inmetro-sc.gov.br Gregório Varvakis, PhD. (UFSC) grego@egc.ufsc.br Resumo

Leia mais

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento

O R I G E N S JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA. Treinamento O R I G E N S 1 9 5 0 JAPÃO DO PÓS-GUERRA KAORU ISHIKAWA O B J E T I V O S Preparar uma empresa, ou qualquer espaço físico para uma intervenção de melhoria no ambiente. OBJETIVOS ESPECÍFICOS ü Melhorar

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA NORMA ABNT NBR ISO 10014:2008

A IMPORTÂNCIA DA NORMA ABNT NBR ISO 10014:2008 XXX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Maturidade e desafios da Engenharia de Produção: competitividade das empresas, condições de trabalho, meio ambiente. São Carlos, SP, Brasil, 12 a15 de outubro

Leia mais

Remuneração e Avaliação de Desempenho

Remuneração e Avaliação de Desempenho Remuneração e Avaliação de Desempenho Objetivo Apresentar estratégias e etapas para implantação de um Modelo de Avaliação de Desempenho e sua correlação com os programas de remuneração fixa. Programação

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES

IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO EM BOAS PRÁTICAS DE MANIPULAÇÃO PARA RESTAURANTES ELISÂNGELA PEREIRA DOS SANTOS, LARISSA RODRIGUES RIBEIRO PEREIRA, TAINARA LOPES DE OLIVEIRA Resumo: O objetivo deste

Leia mais

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com CAPABILITY MATURITY MODEL FOR SOFTWARE Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução Após décadas de incontáveis promessas sobre como aumentar à produtividade e qualidade de software,

Leia mais

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO

DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO DESEMPENHO 1 INTRODUÇÃO Esta pesquisa tem como objetivo abordar o tema voltado para a avaliação do desempenho humano com os seguintes modelos: escalas gráficas, escolha forçada, pesquisa de campo, métodos

Leia mais

5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate

5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate 5Ss: Uma Proposição de Implantação para uma Indústria de Erva-Mate Raquel Sassaro Veiga (FAHOR) rv000312@fahor.com.br Edio Polacinski (FAHOR) polacinskiedio@fahor.com.br Vilmar Bueno da Silva (FAHOR) silvavilmarb@fahor.com.br

Leia mais

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS

METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS METODOLOGIA DE PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE PELO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Débora Noronha¹; Jasmin Lemke¹; Carolina Vergnano¹ ¹Concremat Engenharia e Tecnologia S/A, Diretoria Técnica de Estudos, Projetos

Leia mais

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Francislaine Pereira de Souza, Unisalesiano de Lins, e-mail: francislaine_ps@hotmail.com Janaina Fanali Daniel, Unisalesiano de Lins,

Leia mais

5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) RESUMO

5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) RESUMO 5S s NO CANTEIRO DE OBRA DE UM CONJUNTO HABITACIONAL Edinaldo Favareto Gonzalez (1); Antônio Edésio Jungles (2) (1) Universidade Federal de Santa Catarina - Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil

Leia mais

Gestão de Projetos com o uso do dotproject

Gestão de Projetos com o uso do dotproject Gestão de Projetos com o uso do dotproject Eloi Cabral Vieira, Francisco Assis do Nascimento FACCAT Faculdades de Taquara Avenida Oscar Martins Rangel, 4500 RS 115 Taquara RS Brazil eloicabral,assis@nidus.org.br

Leia mais

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009

Analista de Sistemas S. J. Rio Preto SP 2009 O que é o Programa 5Ss? O Programa 5Ss é uma filosofia de trabalho que busca promover a disciplina na empresa através de consciência e responsabilidade de todos, de forma a tornar o ambiente de trabalho

Leia mais

Referenciais da Qualidade

Referenciais da Qualidade 2008 Universidade da Madeira Grupo de Trabalho nº 4 Controlo da Qualidade Referenciais da Qualidade Raquel Sousa Vânia Joaquim Daniel Teixeira António Pedro Nunes 1 Índice 2 Introdução... 3 3 Referenciais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA

A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA A IMPORTÂNCIA DA FERRAMENTA 5S NA GESTÃO DE MATERIAIS DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DE PINTURA COM TERRA Adriana de Fatima Meira Vital (UFCG) vital.adriana@hotmail.com Gislaine Handrinelly de Azevedo (UFCG)

Leia mais

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO

ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO 1 ANÁLISE DAS FERRAMENTAS E DO CONTROLE DA QUALIDADE E PROCESSO Solange de Fátima Machado 1 Renato Francisco Saldanha Silva 2 Valdecil de Souza 3 Resumo No presente estudo foi abordada a análise das ferramentas

Leia mais

Trabalho aplicado ao 5S

Trabalho aplicado ao 5S Trabalho aplicado ao S Equipe: Cristiano Fábio Paulino Se você continuar a fazer sempre o que fez, continuará obtendo sempre o que obteve. Para conseguir um resultado diferente você terá de fazer algo

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design.

...estas abordagens contribuem para uma ação do nível operacional do design. Projetar, foi a tradução mais usada no Brasil para design, quando este se refere ao processo de design. Maldonado definiu que design é uma atividade de projeto que consiste em determinar as propriedades

Leia mais

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO

TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE DOS NOVOS CONTEXTOS DE GERENCIAMENTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CAPITAL INTELECTUAL E GESTÃO DO CONHECIMENTO: OS DESAFIOS DOS GESTORES DE RECURSOS HUMANOS DIANTE

Leia mais