Projecto Educativo. Onde nos leva uma Obra de Arte. Sala 2-3 Anos. Ano letivo Educadora: Teresa Barata

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Educativo. Onde nos leva uma Obra de Arte. Sala 2-3 Anos. Ano letivo 2015-2016. Educadora: Teresa Barata"

Transcrição

1 Projecto Educativo Onde nos leva uma Obra de Arte Ano letivo Educadora: Teresa Barata

2 Educação em Creche Introdução A Educação em Creche tem como finalidade principal satisfazer as necessidades físicas, afectivas, intelectuais e sociais da criança, mediante uma pedagogia adequada. Esta é uma etapa que contribui e favorece a evolução integral da criança, da qual se podem destacar o desenvolvimento de algumas capacidades, tais como: o conhecimento do próprio corpo, as suas possibilidades e limitações e aquisição de uma progressiva autonomia nos seus hábitos; relacionamento com os outros através de diversas formas de expressão e comunicação; observação e exploração do ambiente natural e social. A relação e colaboração escola-família são fundamentais e tem especial importância nesta fase. A família e a escola devem actuar em sintonia para satisfazer as necessidades da criança e, para ir introduzindo e potenciando progressivamente o desenvolvimento da aquisição e hábitos até à sua autonomia pessoal. Objectivos Gerais - Respeitar a rotina diária torna-se extremamente importante em creche, serve de apoio na orientação das experiências educacionais. Esta deve ser estável, para que a criança saiba tudo o que vai acontecer ao longo do dia, pois, a previsibilidade da sequência dos tempos da rotina contribui para a segurança, auto-estima e independência da criança. - Descobrir, conhecer e controlar progressivamente o próprio corpo, formando uma imagem positiva de si mesmo, valorizando, a sua identidade, as suas capacidades e limitações de ação e expressão, adquirindo hábitos básicos de saúde e bem estar. - Actuar de forma cada vez mais autónoma nas actividades habituais, adquirindo progressivamente segurança afectiva e emocional e desenvolvendo as suas capacidades de iniciativa e confiança em si mesmo. - Estabelecer relações sociais num âmbito cada vez mais alargado, aprendendo a articular progressivamente os próprios interesses, pontos de vista e contribuições com os outros. - Estabelecer vínculos de relação com os adultos e com as outras crianças, respondendo aos sentimentos de afecto, respeitando a diversidade e desenvolvendo atitudes de ajuda e colaboração. - Observar e explorar o ambiente imediato com uma atitude de curiosidade e cuidado, identificando as características e propriedades mais significativas dos elementos que o compõem e algumas manifestações culturais do seu ambiente, mostrando atitudes de respeito, interesse e participação entre elas.

3 - Utilizar a linguagem oral de forma ajustada às diferentes situações de comunicação habituais para compreender e ser compreendido pelos outros, expressar as suas ideias, sentimentos, experiencias, e desejos, avançar na construção de significados. - Enriquecer e diversificar as suas possibilidades expressivas mediante a utilização de recursos e meios ao seu alcance, assim como apreciar manifestações artísticas próprias da sua idade. 1 Organização da Rotina Diária * 07h30m -09h00m Recepção das crianças * 09h00m Entrada na sala, brincadeira livre em áreas restritas. * 09h45m Acolhimento, hora por excelência de reunião do grupo; bom dia, conversa-se, contam-se histórias e canções, fala-se das regras, dá-se novidades, fala-se da vida em geral, os dias da semana, as estações, etc. * 10h15m Trabalho nas áreas todas; jogos de chão, jogos de mesa, modelagem, jogo simbólico, pintura, recorte e colagem À 6ª feira ginásio: trabalhar o movimento, faz de conta, utilizar o corpo como único objecto de trabalho * 11h15m Higiene * 11h30m Almoço * 12h15m Recreio * 12h45m Higiene * 13h00m - 15h00m Repouso * 15h00m -15h30m Higiene * 15h45m Boa tarde; cumprimentamo-nos, conversamos sobre o repouso, cantamos, eventualmente contam uma história * 16h00m Lanche * 17h00m +- Recreio, ginásio com piscina de bolas, trabalho livre na sala, acaba-se trabalho mais dirigidos com a educadora

4 As crianças começam a sair * 19h30m Encerramento da Instituição 2 Projeto Educativo Onde nos leva uma Obra de Arte Toda criança é artista. O problema é como permanecer artista depois de crescer. Picasso. "Para as crianças não existe separação entre os diferentes campos da arte, como música ou pintura. Elas percebem o mundo com todos os seus sentidos". Por essa razão este ano letivo propomo-nos orientar a criança no conhecimento de si mesmo e do mundo que a rodeia utilizando como suporte de exploração e experiência a obra de arte, seja ela pintura, escultura, fotografia ou outra. Trabalhar os diferentes conceitos e áreas de desenvolvimento da criança através da observação de diversas obras. A arte tem sido apontada como um dos importantes elementos para o desenvolvimento infantil. Entre os benefícios assinalados estão o desenvolvimento do sentido crítico e estético, da criatividade, da curiosidade e da autoestima. A arte na primeira infância por ser um processo inato na sua vida, por a levar a vivenciar o mundo que a rodeia de uma forma tão natural que para ela tudo pode ser arte. É fácil proporcionar momentos criativos às crianças, basta dar-lhes as ferramentas apropriadas que o resto é imaginação. Podemos também ter algum tipo de intencionalidade e aí explorar técnicas e materiais adequados ao nosso objetivo. Breve Fundamentação teórica

5 A importância da arte no desenvolvimento do EU A arte deve ser usada como o início da escolarização da criança de maneira lúdica, criativa e envolvente, mas, sobretudo, intencional. Quando trabalhada e estimulada desde a mais tenra idade, as crianças são capazes de na vida adulta tornar-se portadoras dos verdadeiros valores essenciais à vida. Assim, a arte tem a graça de possibilitar o desenvolvimento de atitudes como o senso crítico, a sensibilidade e a criatividade; além, de proporcionar à criança uma leitura do mundo e de si própria. 3 A arte e seus elementos estão presentes no dia-a-dia como, por exemplo, nas cores e figuras de uma parede, num quadro, nas ruas, em casa, nos brinquedos, etc. As artes têm o poder de conduzir essas crianças a conhecerem as suas limitações, dificuldades e possibilidades de desenvolver, explorar e conhecer as suas reais potencialidades. O desenvolvimento artístico de uma criança jamais pode ser comparado com o de outra; cada uma tem seu tempo, e não cabe a nós, professores, interferir nessa particular evolução. Em função da criança ser constantemente movida por meio de estímulos, devemos oferecer-lhe ferramentas encorajadoras desse processo, mas sem interferência na sua expressão artística. Temos na nossa mente que a ausência de uma educação com horizontes artísticos deixa de lado o que proporciona prazer e alegria às crianças; todas as artes ajudam a construir o conhecimento e o saber deste indivíduo em permanente crescimento. Dessa forma, se envolvermos a criança num contexto social e conseguirmos organizar as ideias para que esta invente, crie e construa, acreditamos que a linguagem da arte se fará presente na Educação Infantil, ajudando a criança a fazer por si só as várias leituras do mundo. Salientamos que o objetivo da arte na Educação Infantil não é, de modo algum, a formação de futuros artistas; mas, sim, o enriquecimento da criança e seu nível cultural, que a levará a um desenvolvimento no seu todo humano. Toda criança gosta de desenhar, rabiscar, misturar tintas e fazer bonecos de argila e plasticina. Na chamada primeira infância, até ali pelos sete anos, somos todos meio artistas, executamos a criatividade com mais liberdade e naturalidade. Mas isso tem ficado pra trás cada vez mais cedo. Paramos na casinha com a árvore e viramos analfabetos nas habilidades artísticas. Um dos grandes processos inibidores do desenho é a alfabetização precoce. Ela corta a liberdade de expressão da criança, emoldura o nosso delinear, engessa mesmo as nossas mãos.

6 Enquanto não conquistamos as letras, as atividades do colégio priorizam a educação artística, as atividades manuais e lúdicas. Quando dominamos o mundo das letras, as mãos param de desenhar para escrever e a escola dá prioridade ao conhecimento cognitivo. O rompimento com o desenho também é parte do processo natural de desenvolvimento da criança. Ela fica mais exigente com a própria produção. Sabe se o desenho parece um carrinho ou não. Nasce a autocrítica e morre o artista. Quando chega essa fase, é importante que os pais continuem incentivando o filho a brincar com linguagens das artes plásticas. 4 O Porquê da expressão artística A criança mobiliza todo o seu ser quando se entrega espontaneamente a uma atividade criadora. É um verdadeiro meio de disciplina interior que envolve processos de formas superiores de vida mental e que traz à criança, no sentido geral, equilíbrio e harmonia, preparando-a ainda para a aprendizagem formal da escola. O professor deve estar preparado para estimular, promover e aceitar a linguagem gráfica da criança como fator importante do seu desenvolvimento. Nem sempre as palavras exprimem, em toda a sua plenitude, a intensidade de uma vivência. Por vezes são necessários meios diferentes de expressão, como os jogos, as atividades artísticas, que permitem a realização dos desejos, a satisfação de necessidades pessoais e a afirmação do Eu. Sendo através da expressão livre que a criança realiza a síntese entre a expressão do Eu e a submissão ao real. É nele que se desenvolvem a perceção, a imaginação, a observação, o raciocínio, o controle gestual, capacidades psíquicas que influenciam a aprendizagem. Não é necessário dar-lhes a conhecer o valor artístico dos próprios trabalhos. Podemos, no entanto, explorar os êxitos para ajudá-las a prosseguir com confiança no trabalho. Para algumas crianças o elogio pode ter um efeito muito compensador. Não podemos esquecer, no entanto, que a criança tem uma forma própria de pensamento e sensibilidade. Logo, não devemos julgar os seus trabalhos como se fossem obras imperfeitas de adultos.

7 A cada estágio de desenvolvimento, o trabalho da criança é uma obra completa, exprimindo uma visão autêntica do mundo infantil, segundo a sua maturidade percetiva e intelectual. A criação artística favorece o desenvolvimento total da personalidade, liberta tensões e energias, instaura uma disciplina formativa interna de pensamento e ação e favorece a manutenção do equilíbrio necessário para que a aprendizagem se processe sem barreiras e a integração social sem dificuldades. 5 A influência da arte nas diferentes áreas de desenvolvimento Fazer arte e divertir-se com ela são aspetos importantes no desenvolvimento infantil, que possibilitam avanços nas capacidades cognitivas e sociais, bem como na coordenação motora. Além disso, experiências como exposições de arte na sala de aula e visitas a museus aliadas ao envolvimento familiar contribuem para o desenvolvimento da criança. Desenvolvimento cognitivo Deixar que a criança faça atividades artísticas estimula o pensamento independente e a autoavaliação. Há medida que se vai desenvolvendo pode usar a arte como forma de expressar sentimentos. Desenvolvimento social As crianças sentem satisfação pessoal e confiança quando controlam o que irão usar para criar um projeto de artes. A arte também ensina capacidades sociais, como substituir, dividir e negociar materiais. Desenvolvimento da coordenação motora Movimentos grandes como as pinceladas ajudam a melhorar a coordenação e o controle motor, motricidade grossa. Atividades mais detalhadas como cortar papel ou desenhar influenciam a agilidade e o controle motor, na motricidade fina. Experiências positivas com arte Visitas guiadas a museus de arte estimulam as crianças a pensarem e discutirem sobre obras de arte. Exibir as obras criadas pelos alunos na sala de aula valoriza o seu talento e aumenta a autoestima.

8 Envolvimento familiar O apoio e a participação da família incentiva à aprendizagem e promove o desenvolvimento da segurança e autoestima na criança, 6 As Sensações Quando se fala em explorar arte, nesta faixa etária está-se a falar diretamente no reconhecimento dos sentidos, na forma como a criança perceciona o mundo que a rodeia. Tudo é sentido, cheirado e saboreado, é desta forma que ela interage e absorve os novos conceitos das coisas. Logo os cinco sentidos estão obrigatoriamente em todo e qualquer projeto para estas idades, é através deles que ela vai tirar os ensinamentos para a construção do saber. As cinco maneiras de conhecer o mundo Com os cinco sentidos é possível interagir com o mundo que nos rodeia, ouvir um amigo, o barulho da chuva, saborear os alimentos, cheirar uma flor, ver as cores das obras de arte sentir o vento ou a mão de um amigo a fazer festas, através deles é possível explorar e interagir com o mundo à nossa volta. Proporcionar o conhecimento e desenvolvimento dessas competências é importante não só no âmbito intelectual e cognitivo mas também no social e psicológico. As crianças exploram o mundo através dos cinco sentidos, tato, audição, paladar, cheiro, visão, e nesse processo descobrem novos interesses, significados, conceitos e realidades, aliando o facto de serem um elemento ativo neste processo e aprenderem através do jogo e da experiência. O meio em que vivemos não é apenas para ser visto, mas para ser tocado, cheirado, ouvido e saboreado, explorar o mundo através do corpo e dos cinco sentidos, entender o que os diversos objetos que fazem parte desse mundo têm de diferente ou comum.

9 7 O movimento é parte integrante da vida humana. Para terminar há que salientar a importância do movimento na forma como se trabalham todos estes conceitos. Não podemos descorar a importância do movimento na nossa existência e na aprendizagem pela experiencia num grupo de crianças com 2 anos. A criança desde o nascimento usa a sua linguagem corporal para se conhecer a si mesma e relacionar-se com seus pais, movimentar-se e descobrir o mundo. O corpo e o gesto são fundamentais para a formação geral do ser humano. É através dos inúmeros movimentos realizados pelo bebé que ele vai aumentando o campo das conquistas até chegar propriamente à locomoção independente. Podemos afirmar que a criança adquire quase todos os conhecimentos através do movimento, movimento também no sentido da experimentação, quando a criança escolhe, explora, manipula os objectos transformando e fazendo experiências, é desta forma que ela adquire o conhecimento do mundo que a rodeia, é no dia-a-dia que ela apreende coisas novas, que se envolve e começa a agir com intencionalidade.

10 8 Conteúdos A criança desde o seu nascimento observa a reação das pessoas que estão envolvidas no seu quotidiano, a compreensão que temos do mundo é sempre mediada pelo cérebro. Mas olhos, boca, ouvidos, nariz e pele são ferramentas na construção do que entendemos por realidade e, quanto mais ela participa nas experiências afectivas, físicas, perceptivas e sociais maior será o enriquecimento e também o desenvolvimento da sua inteligência. É através dos cuidados básicos que a criança percebe o seu próprio corpo separado do outro, organiza as suas emoções e amplia os seus conhecimentos sobre o mundo. Para desenvolver uma noção de Arte e Criar a sua própria arte, nada melhor do que o convívio direto e regular com a todos os materiais utilizados para sensibilizar as crianças a saber utilizá-lo, a exercitar pondo em prática a imaginação e criatividade. É através da experiencia, do contacto directo com o exterior que o corpo vai desempenhar esse papel tão importante de mediador das experiencias: - O corpo oferece elementos para a construção do indivíduo enquanto ser pensante, afetivo e social capaz de reconhecer-se na comunidade. - Reforçar a consciência do corpo por meio da exploração do mundo, através de estímulo das percepções do olfato, visão, tato, paladar e audição. - Além de apurar os sentidos às crianças atribui significado às sensações, sentimentos e imaginação; sendo trabalhadas de forma integrada, a percepção, a intuição e a cognição, proporcionando o desenvolvimento contínuo da capacidade criativa.

11 Corpo humano (movimento) Cinco sentidos (movimento) Higiene pessoal (identidade e autonomia) Alimentação (identidade e autonomia) Cores primárias e secundárias (artes visuais) Diferentes Imagens (artes visuais) Linguagem oral (linguagem) Histórias (linguagem) Canções (música) Comparação (matemática) Coordenação motora grossa e fina (movimento) Iniciativa para fazer escolhas (identidade e autonomia) Pintura e modelagem (artes visuais) Sensações (movimento, conhecimento do próprio corpo) 9 Objetivos Gerais Aprender a criar de forma natural e autónoma, saber utilizar os materiais de maneiras diferentes, subverter as funções dos mesmos criando arte e reutilizando, desenvolver a criatividade, imaginação, desenvolver a capacidade de observação e critica, Reconhecer o próprio corpo e as suas várias partes, assim como reconhecer e explorar os órgãos dos sentidos, Tem-se como objetivo evidenciar a importância da utilização do tato, da visão, da audição, do paladar e do olfato no envolvimento com o mundo, na descoberta do individuo como ser único e subjetivo, na construção de experiências através da percepção com os sentidos. Na construção cognitiva da consciência de coletivo e individual através dos sentidos. - Observação de obras de arte de diferentes artistas - Reutilização - Trabalhos de arte, utilizando o conceito coletivo - Exploração de diferentes materiais -Interdependência entre desenvolvimento motor, afectivo, intelectual -A criança conhecer-se a si mesma -Identificar as diferentes partes do corpo -Conhecer os outros -Desenvolver noções bem estruturadas do esquema corporal -Ampliação das possibilidades de expressão do próprio movimento para a utilização em diferentes situações -Construir uma boa auto estima -Ser segura de si e das suas escolhas

12 -Classificar emoções e sentimentos - Identificar os cinco sentidos 10 Objetivos Específicos - Interagir com diferentes obras de arte, técnicas e materiais - Utilizar elementos para serem explorados através dos sentidos e, do próprio corpo. - Estimular a exploração do meio à sua volta analisando todos os aspectos positivos e negativos através dos sentidos. - Estimular e desenvolver o autoconhecimento - Estimular sensações - Identificar as diferentes partes do corpo - Identificar e diferenciar as partes do próprio corpo, com as partes do corpo do amigo - Desenvolver a autonomia - Movimentar-se e explorar o corpo e os movimentos - Expressar sensações, através de gestos, posturas e linguagem oral, aumentar as suas formas de expressão

13 - Observar imagens diversas, a fim de identificá-las e explorá-las Os cinco sentidos: - Identificar os órgãos dos sentidos e suas funções - Incentivá-los a perceber a funcionalidade de cada órgão dos sentidos - Reconhecer e identificar os diferentes sons, cheiros, sabores, texturas e imagens - Compreender as sensações que nos são despertadas - Reconhecer os diferentes sentimentos que podemos ter - Apurar sentimentos e expressões 11 Estratégias - Vamos utilizar muita tinta - Vamos ter diferentes obras de arte expostas na sala - Reutilizar no sentido de reciclar, transformar, dar outro uso ou dimensão a materiais já obsoletos ou sem qualquer utilização. - Conversas várias sobre os temas pretendidos - Canções, movimento. - Construção da figura humana - Trabalhar as cores (visão) - Com o tato, paladar e olfato explorar diferentes sensações: salgado, azedo, gelado, doce - Explorar diferentes materiais, lixa, algodão, quente, gelado (tato) - Fazer uma lupa com cores diferentes, ver o meio de forma colorida - Desenvolver atividades no ginásio que comportem os objetivos pretendidos: movimento, dança, expressão corporal, expressão dramática, jogo simbólico, conversas, jogos, histórias.

14 Meios - Espaço físico da instituição - O exterior - Ginásio - Musica - Livros - Imagens - Participação dos pais - As obras de arte selecionadas 12 Conclusão Em termos de conclusão parece-me que estamos perante um projeto muito estimulante, onde o desenvolvimento da criança e a sua faixa etária estão respeitados. Absorver, construir e aumentar conhecimento é o que eles fazem diariamente, conhecerem-se a si próprios como seres independentes, conhecerem o mundo que as rodeia interagindo com ele de forma saudável e consciente, construir uma boa auto imagem e consequentemente uma boa auto estima é muito importante para que tenhamos crianças mais seguras e confiantes Criar é por si só um benefício de aprendizagem muito lato e interessante, o que seria de nós sem uma boa dose de criatividade e imaginação? Como colocaríamos todas as nossas dúvidas se não nos estimulassem para isso. Mexer, criar, sentir e poder fazer é tudo o que precisam as nossas crianças para crescerem de forma inteligente e feliz. A vertente sensações, como é óbvio tem tudo a ver com esta faixa etária, ainda muito oral, muito táctil no conhecimento e apreensão do mundo que os rodeia. Não podemos esquecer de ter em conta o grupo em questão e a forma como vai receber e explorar toda esta informação, temos que ser sensíveis à sua

15 recetividade. Respeitar o desenvolvimento de cada um e as suas diferenças na vontade de concretizar. 13

16

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANUAL EDUCAÇÃO INFANTIL INFANTIL III - 2012 OBJETIVOS - CRIANÇAS DE TRÊS ANOS De acordo com o PCN e o Referencial Curricular da Educação Infantil, a instituição deve criar um ambiente

Leia mais

Planificação Anual. Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação. Registo e produções - Confiança

Planificação Anual. Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação. Registo e produções - Confiança Planificação Anual Professor: Gabriela Maria R. D. T. L. C. Silva Disciplina: Ano: préescolar Turma: I Ano letivo: 2014-2015 Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação Facilitar a adaptação

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos

PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos PROJECTO PEDAGÓGICO Sala 1-2 anos Ano letivo 2015/2016 «Onde nos leva uma obra de arte» Fundamentação teórica (justificação do projeto): As crianças nesta faixa etária (1-2 anos) aprendem com todo o seu

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3

INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 INFORMATIVO 2015 GRUPO 3 3 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011

EDUCAÇÃO INFANTIL. PRÉ I Professoras Caroline e Ana Lucia Habilidades vivenciadas no 2º bimestre 2011 EDUCAÇÃO INFANTIL Prezados Pais e/ou Responsáveis, Estamos vivenciando o segundo bimestre letivo e o processo de aprendizagem representa pra nós, motivo de alegria e conquistas diárias. Confiram as habilidades

Leia mais

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1

Casa do Povo de Óbidos - Creche e Jardim de Infância Ano lectivo de 2011/2012 1 PROJECTO DE VALÊNCIA DE CRECHE Ano lectivo de 2011/2012 1 Índice 1-INTRODUÇÃO... 1 2-PRINCÍPIOS GERAIS E OBJECTIVOS PEDAGÓGICOS DA CRECHE... 2 3-ÁREAS DE CONTEÚDO... 4 3.1 - ÁREA DE FORMAÇÃO PESSOAL E

Leia mais

CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013. Telef: 238490000 Fax: 238490003 Av. Cidade da Covilhã Apto. 52 6290-322 Gouveia - www.abpg.

CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013. Telef: 238490000 Fax: 238490003 Av. Cidade da Covilhã Apto. 52 6290-322 Gouveia - www.abpg. CRECHE PLANO ANUAL DE ATIVIDADES ANO LETIVO 2012/2013 Unidade 1 Vamos à escola PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2012/2013 Unidade 2 Uma árvore de Natal muito familiar Mês: Outubro/Novembro/Dezembro Objetivos

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social.

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social. EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual e

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

Associação Pomba Da Paz IPSS Espaço Comunitário. Projecto Educativo

Associação Pomba Da Paz IPSS Espaço Comunitário. Projecto Educativo Associação Pomba Da Paz IPSS Espaço Comunitário Projecto Educativo Educadora: Susana Gonçalves Sala Branca Auxiliar: Paula Balanga Ano lectivo: 2006/07 Educadora Susana Gonçalves 1 Na vida, o importante

Leia mais

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação.

20 Anos de Tradição Carinho, Amor e Educação. Colégio Tutto Amore Colégio Sapience Carinho, Amor e Educação. Trabalhamos com meio-período e integral em todos os níveis de ensino. www.tuttoamore.com.br Nossa História No ano de 1993 deu-se o ponto de

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares OFERTA COMPLEMENTAR 1º e 2º anos de escolaridade Ano letivo 2015/2016 l -Introdução No presente ano letivo a Oferta Complementar

Leia mais

Despertar os sentidos!

Despertar os sentidos! Despertar os sentidos! Tudo o que conhecemos chega-nos, de uma forma ou de outra, através de sensações sobre as realidades que nos rodeiam. Esta consciência sensorial pode e deve ser estimulada! Quanto

Leia mais

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes

Presença das artes visuais na educação infantil: idéias e práticas correntes Capítulo 15 - Artes Visuais Introdução As Artes Visuais expressam, comunicam e atribuem sentido a sensações, sentimentos, pensamentos e realidade por meio da organização de linhas, formas, pontos, tanto

Leia mais

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL

PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL PROJETO ALIMENTAÇÃO SAUDÁVEL 1. Tema: Boa alimentação Área de abrangência: (x) Movimento (x) Musicalização (x) Artes Visuais (x) Linguagem Oral e Escrita (x) Natureza e Sociedade (x) Matemática 2. Duração:

Leia mais

Creche Municipal Pequeno Príncipe

Creche Municipal Pequeno Príncipe DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Centro Oeste Município: Porto dos Gaúchos MT Título da experiência: Construindo sua identidade no universo da brincadeira Autoras: Claudiane Eidt

Leia mais

Associação da Penha de França. Sala Verde

Associação da Penha de França. Sala Verde Associação da Penha de França Sala Verde Ano letivo 2013-2014 A Educadora Maria do Rosário Auxiliar de Educação Paula Marques INTRODUÇÃO O tema escolhido para o presente ano letivo 2013/2014 A descoberta

Leia mais

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas

Agrupamento de Escolas António Rodrigues Sampaio Planificação Anual das Atividades Letivas Departamento Curricular/Ciclo: 1º Ciclo Disciplina: Expressões Artísticas e Físico-Motora Ano de escolaridade: 4º ano Ano letivo: 2015/2016 Perfil do aluno à saída do 1º ciclo: Participar na vida sala

Leia mais

Ateliers de Verão Câmara Municipal do Barreiro

Ateliers de Verão Câmara Municipal do Barreiro Programação de Actividades Julho 02 (4ª) 15h00 Edifício Américo Marinho Hum! Hum! Hum! Que delícia!, sessão I 04 (6ª) 15h00 Auditório Municipal Augusto Cabrita Atelier de Movimento, sessão I 07 (2ª) 15h00

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas... 7 5. Propostas

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Infantil II Segmento I PLANO DE CURSO 2009 INFANTIL II Disciplina: ARTES Série: INFANTIL II Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS -

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO

Exposição e relato de experiências de Objetos Educacionais Construção de Instrumentos Musicais Artesanais. Rio Verde GO EMEFTI PROFESSOR WALDYR EMRICH PORTILHO GESTORA: GERLIANESANTANA GOUVEIA CABRAL COORD. ÁREA: ARISTÓTELES MESQUITA DE LIMA NETTO PROFESSORA SUPERVISORA: ELIZANGELA F. RODRIGUES Exposição e relato de experiências

Leia mais

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE

CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL. DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN EDUCAÇÃO INFANTIL 2013 DIRETRIZES CURRICULARES INFANTIL III e IV ARTE OBJETIVOS GERAIS Desenvolver o pensamento artístico, estético e crítico; Estimular a percepção visual

Leia mais

Projeto Pedagógico. Sala Curiosos

Projeto Pedagógico. Sala Curiosos Projeto Pedagógico Sala Curiosos Ano Letivo 2013-2014 2 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS 2013/ 2014 Índice 1- Introdução 2- Caracterização do Grupo 3.- Caracterização da Faixa Etária 4- Fundamentação

Leia mais

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo.

Plano Anual. Interação e socialização da criança no meio social familiar e escolar. Ampliação progressiva do conhecimento do mundo. Centro Educacional Mundo do Saber Maternal II Ano Letivo: 2013 Tema: A fazenda do tio Chico Professora: Heloiza Regina Gervin Plano Anual Eu sou tio Chico, um menino muito esperto e que adora brincar e

Leia mais

Pré-Escola 4 e 5 anos

Pré-Escola 4 e 5 anos PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC DIÁRIO DE CLASSE Educação Infantil Pré-Escola 4 e 5 anos DIÁRIO DE CLASSE ESCOLA: CRE: ATO DE CRIAÇÃO DIÁRIO OFICIAL / /

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Projeto de intervenção

Projeto de intervenção Projeto de intervenção Tema: trabalhando com artes na educação infantil. Por: Cristiane Salvador Batista¹ Vivalda de Jesus Souza² INTRODUÇÃO Pretende-se por meio deste projeto Trabalhando Com Artes Na

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina

Universidade Estadual de Londrina Universidade Estadual de Londrina Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Londrina 2010 1 Josiane de Freitas Santos Relatório de Estágio em Educação Infantil Relatório final

Leia mais

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio:

Projeto Educativo. Creche Humanus C.A.M. Resposta Social Creche D O C. 0 0 3. 0 2. C R E. Página 1 de 11. Funcionamento com apoio: Projeto Educativo Creche Humanus C.A.M. 1 de 11 Índice Introdução... 3 Quem somos?...3 As Dimensões do Projeto Educativo Dimensão Global da Criança.. 5 Dimensão Individual.... 6 Dimensão das Aquisições..

Leia mais

Planificação Anual da Sala dos 5anos

Planificação Anual da Sala dos 5anos Nome do Aluno: Janine Colaço Reis Planificação Anual da Sala dos 5anos Calendarizaçã o (mês) Áreas de conteúdo/ Conteúdos Curriculares Competências Situações de aprendizagem/ Estratégias Recursos Humanos/

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

[ CRECHE CONNOSCO ] CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA. [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] MISERICÓRDIA DE MELGAÇO

[ CRECHE CONNOSCO ] CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA. [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] MISERICÓRDIA DE MELGAÇO CATL, CRECHE E JARDIM-DE-INFÂNCIA DA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE MELGAÇO [ CRECHE CONNOSCO ] [Projeto pedagógico da Creche [2014/2015] [LA R G O D A L O J A N O V A, 4 9 6 0-5 5 8 M E L G A Ç O ; 2 5

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br

A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA. Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br A EVOLUÇÃO DO DESENHO DA CRIANÇA Marília Santarosa Feltrin 1 - ma_feltrin@yahoo.com.br Resumo: o presente trabalho cujo tema é a Evolução do desenho da criança teve por objetivo identificar o processo

Leia mais

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução

Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões. Introdução Metas de Aprendizagem Pré-escolar Expressões Introdução A apresentação das metas para as Expressões baseia-se nas Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar integrando, as Expressões Motora.

Leia mais

O TRABALHO COM BEBÊS

O TRABALHO COM BEBÊS O TRABALHO COM BEBÊS FREITAS, Clariane do Nascimento de UFSM, Projeto Uma interlocução entre pesquisadores, acadêmicos e o processo educacional vivido no Núcleo de Educação Infantil Ipê Amarelo clarianefreitas@bol.com.br

Leia mais

COLÉGIO MAGNUM BURITIS

COLÉGIO MAGNUM BURITIS COLÉGIO MAGNUM BURITIS ENSINO FUNDAMENTAL PROGRAMAÇÃO 1ª ETAPA / 2013 MATERNAL III PROGRAMAÇÃO DA 1ª ETAPA 2013 MATERNAL 3 ANOS Organize suas atividades de forma ordenada, dando a cada uma o seu tempo

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO EANES LOBATO Critérios de Avaliação Educação Pré Escolar Departamento Educação Pré Escolar Ano letivo 2013/2014 A avaliação do processo permite reconhecer a pertinência e sentido

Leia mais

DE PAIS 1º SEMESTRE DE

DE PAIS 1º SEMESTRE DE NOSSA FAMÍLIA Escola de Educação Infantil Ltda. REUNIÃO DE PAIS 1º SEMESTRE DE 2015 Mirian Claro de Oliveira Especialista em Neuroaprendizagem, Psicomotricidade, Psicopedagogia, Pedagogia A Importância

Leia mais

PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE

PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE PLANEJAMENTO 1º BIMESTRE Disciplina Eixos temáticos (conteúdos) Habilidades prioritárias a serem desenvolvidas pelo educando. Matemática Natureza e Arte Ampliação do vocabulário; Coordenação motora; Linguagem

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS

PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS PROJETO PEDAGÓGICO SALA CURIOSOS Ano letivo 2012/2013 PROJETO PEDAGÓGICO SALA DOS CURIOSOS INDICE 1- Caracterização do grupo 2- Tema do projeto pedagógico da sala dos Curiosos: A Brincar vamos descobrir

Leia mais

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões

A História do. Luca Rischbieter. Discussão 4. No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino. Ideias e Sugestões Desenhar, modelar, pintar: brincadeiras especiais No Capítulo 4 da História do Pequeno Reino Aparecem no castelo materiais para desenhar, pintar e modelar que, juntamente com os brinquedos, passam a fazer

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém Plano Anual de Atividades de Animação 2015/2016

Agrupamento de Escolas de Santiago do Cacém Plano Anual de Atividades de Animação 2015/2016 Calendarização / Mês Tema Objetivos Responsáveis pela Atividade Outubro Outono - Desenvolver o gosto pelo saber; Halloween - Valorizar diferentes formas de conhecimento, Dia Mundial da Alimentação comunicação

Leia mais

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 975 O PROCESSO DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM ATRAVÉS DOS JOGOS EDUCATIVOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Drielly Adrean Batista

Leia mais

Atividades Pedagógicas. Abril2014

Atividades Pedagógicas. Abril2014 Atividades Pedagógicas Abril2014 I A ADAPTAÇÃO Estamos chegando ao final do período de adaptação do grupo IA e a cada dia conhecemos mais sobre cada bebê. Começamos a perceber o temperamento, as particularidades

Leia mais

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR

A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo A LUDICIDADE NO CONTEXTO ESCOLAR Ana Regina Donato de Moraes 1 Lourdes Keila Casado Pulucena 2 Lucieni Vaz dos Santos 3 Aprender brincando não é apenas um passatempo, quando se trata de ensinar.

Leia mais

A ARTE DO BRINCAR. Metodologias para a arte educação. Rogério Barata Melo¹ Regia Lúcia Teixeira² RESUMO

A ARTE DO BRINCAR. Metodologias para a arte educação. Rogério Barata Melo¹ Regia Lúcia Teixeira² RESUMO A ARTE DO BRINCAR Metodologias para a arte educação Rogério Barata Melo¹ Regia Lúcia Teixeira² RESUMO O presente trabalho tem por objetivo mostrar as etapas da arte educação e suas especificidades. Uma

Leia mais

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa

A Prática Pedagógica no Berçário. Maria Carmen Silveira Barbosa A Prática Pedagógica no Berçário "As pequenas atividades quotidianas tornam-se hábitos sobre os quais a criança fundamenta a sua autonomia" Tonucci Maria Carmen Silveira Barbosa As creches durante muitos

Leia mais

Jardim de Infância Professor António José Ganhão

Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância Professor António José Ganhão Jardim de Infância nº2 ( Brejo ) Jardim de Infância do Centro Escolar de Samora Correia Agrupamento de Escolas de Samora Correia Direcção Executiva Conselho

Leia mais

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante

Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante Anexo F Grelha de Categorização da Entrevista à Educadora Cooperante CATEGORIAS SUBCATEGORIAS INDICADORES 1.1. Tempo de serviço docente ( ) 29 anos (1) 1.2. Motivações pela vertente artística ( ) porque

Leia mais

Planejamento Anual 2015. Educação Infantil Maternal II

Planejamento Anual 2015. Educação Infantil Maternal II Planejamento Anual 2015 Educação Infantil Maternal II Em nossa ação educativa, pretendemos colaborar para todos trabalharem pela harmonia nas relações entre os homens e os povos, fundada no amor ao outro,

Leia mais

Animação Sénior. Animação

Animação Sénior. Animação Animação Animar-se ou distrair-se é uma necessidade essencial de todos nós, e aquele que se diverte com uma ocupação agradável com o fim de se descontrair física e psicologicamente consegue satisfazer

Leia mais

GUIA PARA OS PAIS. Ensino fundamental 1º ANO

GUIA PARA OS PAIS. Ensino fundamental 1º ANO GUIA PARA OS PAIS Ensino fundamental 2015 Apresentação O Colégio Itamarati foi fundado em 1988 e desenvolve um trabalho centrado na capacidade de aprendizagem do aluno, em sintonia com as formulações mais

Leia mais

Projeto Pedagógico Creche Familiar

Projeto Pedagógico Creche Familiar Creche Familiar Este Projeto pedagógico tem como finalidade, dar a conhecer o trabalho que vai ser realizado e desenvolvido ao longo ano letivo 2015-2016 com o grupo de crianças: No primeiro septénio (zero

Leia mais

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina.

É possível conjugar uma sessão de cinema com uma oficina. 7 12 Anos ESTAS IMAGENS SÃO UM RODOPIO!///////////////////// 3 CINEMA EM CASA!//////////////////////////////////////////////////// 4 QUE FEITIÇO É ESTE?/////////////////////////////////////////////////

Leia mais

Todas as atividades que seu(sua) filho(a) realiza na escola, em todas as áreas de conhecimento, estão relacionadas aos objetivos de aprendizagem.

Todas as atividades que seu(sua) filho(a) realiza na escola, em todas as áreas de conhecimento, estão relacionadas aos objetivos de aprendizagem. Brasília, 24 de fevereiro de 2014. Senhores Pais e/ou Responsáveis, Neste documento, listamos os conteúdos e objetivos referentes às aprendizagens pretendidas para os alunos do Maternal II, durante o 1º

Leia mais

EMEB. "ADELINA PEREIRA VENTURA" PROJETO: DIVERSIDADE CULTURAL

EMEB. ADELINA PEREIRA VENTURA PROJETO: DIVERSIDADE CULTURAL EMEB. "ADELINA PEREIRA VENTURA" PROJETO: DIVERSIDADE CULTURAL Cuiabá/2015 Escola: Adelina Pereira Ventura. Cuiabá, 15 de Setembro de 2015. Professora: Suzana Garcia de Arruda Coordenadora: Regina Pereira

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais.

Palavras-chave: Lúdico. Aprendizagem. Desenvolvimento. Necessidades Especiais. Nesse artigo realizamos uma discussão sobre a importância de atividades lúdicas na educação de crianças com necessidades especiais. Propomos explicitar a possibilidade de levar para o ambiente escolar

Leia mais

A Arte e as Crianças

A Arte e as Crianças A Arte e as Crianças A criança pequena consegue exteriorizar espontaneamente a sua personalidade e as suas experiências inter-individuais, graças aos diversos meios de expressão que estão à sua disposição.

Leia mais

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA

ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA ESCOLA ESPECIAL RENASCER- APAE PROFESSORA: JULIANA ULIANA DA SILVA PROJETO: ARTES NA EDUCAÇÃO ESPECIAL O CORPO E A MENTE EM AÇÃO LUCAS DO RIO VERDE 2009 APRESENTAÇÃO Em primeiro lugar é preciso compreender

Leia mais

Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal

Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal Fundamentação teórica para a presença do Xadrez nas actividades curriculares e extracurriculares no Real Colégio de Portugal O Lúdico na Sala de Aula O lúdico tem vindo a desempenhar um importante papel

Leia mais

Avaliação-Pibid-Metas

Avaliação-Pibid-Metas Bolsista ID: Claines kremer Avaliação-Pibid-Metas A Inserção Este ano o reingresso na escola foi diferente, pois já estávamos inseridas na mesma há praticamente um ano. Fomos bem recepcionadas por toda

Leia mais

Condutas psicomotoras: brinquedos tradicionais e diversões de antigamente ainda encantam?

Condutas psicomotoras: brinquedos tradicionais e diversões de antigamente ainda encantam? Condutas psicomotoras: brinquedos tradicionais e diversões de antigamente ainda encantam? Profª. Ms. Cláudia Yazlle Profª. Ms. Gabriela Maffei 5 e 6 de junho Objetivos da aula de hoje As crianças de 4

Leia mais

Planejamento Anual 2016. Maternal I

Planejamento Anual 2016. Maternal I Planejamento Anual 2016 Maternal I Em nossa ação educativa, pretendemos colaborar para todos trabalharem pela harmonia nas relações entre os homens e os povos, fundada no amor ao outro, seja quem for,

Leia mais

Departamento das Educação Pré-escolar

Departamento das Educação Pré-escolar Departamento das Educação Pré-escolar A melhoria da qualidade das aprendizagens, a avaliação implica, no quadro da relação entre o jardim-de-infância, a família e a escola, uma construção partilhada que

Leia mais

PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA

PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA ANO LETIVO 2015/ 2016 1 Índice Introdução... 3 Definindo Projeto Curricular de Jardim de Infância... 4 Projeto Curricular de Jardim de Infância MENINO DO MUNDO Intencionalidades...

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 3.º e 4.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura. Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura

Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura. Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura Projeto Pedagógico e de Animação 5 dias 5 passos na Cultura 1 Índice 1. Objetivos gerais:... 4 2. Objetivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 6 4. Atividades Sócio-Educativas...

Leia mais

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3.

A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3. Resumo A RELAÇÃO DO CUIDAR-EDUCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Ariana Passamani Telles 1 Franciele Clair Moreira Leal 2 Zelma Santos Borges 3 O trabalho apresentado é um relato de experiência que foi desenvolvida

Leia mais

BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES

BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES 1.º PERÍODO PLANIFICAÇÃO DA ATIVIDADE DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR BLOCOS CONTEÚDOS OBJETIVOS ATIVIDADES. Reconhecimento da importância das artes plásticas;. Desenvolvimento progressivo das possibilidades

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

Anexos I. Objetivos para a Educação Pré-Escolar

Anexos I. Objetivos para a Educação Pré-Escolar Anexos I Objetivos para a Educação Pré-Escolar Domínio da Matemática CONHECI MENTO DO MUNDO FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL 3 ANOS 1.º PERÍODO Independência/Autonomia Saber o seu nome Conhecer e utilizar o seu

Leia mais

Relatório da Formação Complementar Turma do Jardim -

Relatório da Formação Complementar Turma do Jardim - Relatório da Formação Complementar Turma do Jardim - Professora Carla Pitarello da Silva Auxiliar Rita de Cassia Terrazan Coordenação Ludmila Santos Um dos objetivos da Formação Complementar da Escola

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014/2015

Plano Anual de Atividades 2014/2015 Mãos na Massa Plano Anual de Atividades 2014/2015 Equipa pedagógica do Centro de Educação de Infância Casa da Cruz Introdução O Plano Anual de Atividades é um documento orientador de uma dinâmica comum

Leia mais

ENSINO ESPECIAL PLANO PEDAGÓGICO

ENSINO ESPECIAL PLANO PEDAGÓGICO INTRODUÇÃO O nosso Projeto de classes de Ensino Especial com Educadoras, Professores e Técnicos especializados para crianças com NEES, é um projecto de integração dessas crianças no dia-a-dia da comunidade

Leia mais

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL

REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL INSTITUIÇÃO SINODAL DE ASSINTÊNCIA, EDUCAÇÃO E CULTURA - ISAEC ESCOLA DE ENSINO FUNDAMENTAL SINODAL SETE DE SETEMBRO NÃO-ME-TOQUE /RS REGIMENTO ESCOLAR EDUCAÇÃO INFANTIL 1 SUMÁRIO 1- CARACTERIZAÇÃO DA

Leia mais

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias

Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Projeto Pedagógico e de Animação Do Estremoz Férias Índice 1. Objectivos gerais:... 4 2. Objectivos específicos:... 5 3. Estratégias Educativas e Pedagógicas... 5 4. Actividades Sócio-Educativas... 6 5.

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL GRUPO IV (4 ANOS) Desenvolvimento físico-motor: Pula em um pé só sem perder o equilíbrio. Consegue recortar com facilidade uma

PLANEJAMENTO ANUAL GRUPO IV (4 ANOS) Desenvolvimento físico-motor: Pula em um pé só sem perder o equilíbrio. Consegue recortar com facilidade uma PLANEJAMENTO ANUAL GRUPO IV (4 ANOS) Desenvolvimento físico-motor: Pula em um pé só sem perder o equilíbrio. Consegue recortar com facilidade uma figura utilizando tesoura. É possível que ainda não seja

Leia mais

PIBID/FSDB. Autoras: Bolsistas ID da Educação Infantil

PIBID/FSDB. Autoras: Bolsistas ID da Educação Infantil PIBID/FSDB Autoras: Bolsistas ID da Educação Infantil PROJETO DIDÁTICO: BRINCANDO COM FORMAS E CORES Turma: Berçário II, Maternal I e II, Jardim I e II Duração: 2 meses. Objetivo Compartilhado: Aprofundar

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE

PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE PROJECTO PEDAGÓGICO SABICHÕES - 2011/2012 INDICE 1. Caracterização do grupo 2. Organização do Espaço e do Tempo 3. Tema e fundamentação teórica do projecto o Mundo dos animais em vias de extinção da sala

Leia mais

Salas: 12 aos 24 Meses - Sala de 1 ano (1) Educador: Gilberto Carmo

Salas: 12 aos 24 Meses - Sala de 1 ano (1) Educador: Gilberto Carmo Salas: 12 aos 24 Meses - Sala de 1 ano (1) Educador: Gilberto Carmo SETEMBRO Adaptação A escola e o grupo Outono Observar o meio Explorar o meio envolvente Adaptar-se ao espaço e ao grupo Deslocar-se autonomamente

Leia mais

ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO. Destinatários

ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO. Destinatários ANEXO I (DO REGULAMENTO INTERNO DO COLÉGIO BOM JESUS) CRECHE ARTIGO PRIMEIRO Destinatários A idade mínima para a frequência da Creche é de 3 meses de idade. ARTIGO QUARTO Áreas da Creche 1. A valência

Leia mais

MESTRADO DE QUALIFICAÇÃO PARA A DOCÊNCIA EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

MESTRADO DE QUALIFICAÇÃO PARA A DOCÊNCIA EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Instituto Superior de Educação e Ciências/Universitas Prática de Ensino Supervisionada I (Educação Pré-Escolar) MESTRADO DE QUALIFICAÇÃO PARA A DOCÊNCIA EM EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Identificação da Instituição:

Leia mais

Planejamento. Anual 2016 Educação Infantil. Maternal III

Planejamento. Anual 2016 Educação Infantil. Maternal III Planejamento Anual 2016 Educação Infantil Maternal III Em nossa ação educativa, pretendemos colaborar para todos trabalharem pela harmonia nas relações entre os homens e os povos, fundada no amor ao outro,

Leia mais

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL?

ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? 1 de 7 ENSINAR MATEMÁTICA UTILIZANDO MATERIAIS LÚDICOS. É POSSÍVEL? Jéssica Alves de Oliveira Maria José dos Santos Chagas Tatiane de Fátima Silva Seixas RESUMO: De uma maneira geral, existe, por parte

Leia mais

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA METODOLOGIA DA EDUCAÇÃO MORAL E RELIGIOSA CATÓLICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA Só é educativa a relação que faz crescera educando para uma maior autonomia (Aires Gameiro) Porque não lançar-se à tarefa de ajudar

Leia mais

AVALIAÇÃO SEMESTRAL DO ALUNO Maternal I

AVALIAÇÃO SEMESTRAL DO ALUNO Maternal I Departamento Pedagógico Seção de Educação Infantil AVALIAÇÃO SEMESTRAL DO ALUNO Maternal I...a mudança da avaliação é fundamental para que deixe de atrapalhar a prática pedagógica e ajude a qualificá-la.

Leia mais