Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Agência Nacional de Vigilância Sanitária"

Transcrição

1 Agência Nacional de Vigilância Sanitária Consulta Pública nº 67, de 27 de outubro de D.O.U de 28/10/2004 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso das atribuições que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA aprovado pelo Decreto nº 3.029, de 16 de abril de 1999, c/c o art. 111, inciso I, alínea e do Regimento Interno aprovado pela Portaria nº 593, de 25 de agosto de 2000, publicada no DOU de 22 de dezembro de 2000, em reunião realizada em 25 de outubro de 2004, adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Art. 1º Fica aberto, a contar da data de publicação desta Consulta Pública, o prazo de 90 (noventa dias) dias para que sejam apresentadas críticas e sugestões relativas à proposta de Resolução, que dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Industrializadores de Água Mineral e Água Natural, em anexo. Art. 2º Informar que a proposta de Resolução estará disponível, na íntegra, durante o período de consulta no endereço eletrônico e que as sugestões deverão ser encaminhadas por escrito para o seguinte endereço: Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Gerência de Inspeção e Controle de Riscos de Alimentos, SEPN 515, Bloco "B", Ed. Ômega, Asa Norte, Brasília-DF, CEP ou Fax: (61) ou Art. 3º Findo o prazo estipulado no Art. 1º a Agência Nacional de Vigilância Sanitária articular-se-á com os órgãos e entidades envolvidos e aqueles que tenham manifestado interesse na matéria, para que indiquem representantes nas discussões posteriores, visando a consolidação do texto final. ANEXO CLÁUDIO MAIEROVITCH PESSANHA HENRIQUES Resolução de Diretoria Colegiada- RDC nº de de de 2004 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Água Mineral Natural e Água Natural e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Água Mineral Natural e Água Natural. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária no uso de sua atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV, do Regulamento da ANVISA aprovado pelo Decreto 3.029, de 16 de abril de 1999, c/c o 1º do art. 111 do Regimento Interno aprovado pela Portaria nº 593, de 25 de agosto de 2000, republicada no DOU de 22 de dezembro de 2000, em reunião realizada em de de 2004, considerando a necessidade de constante aperfeiçoamento das ações de controle sanitário na área de alimentos visando a proteção à saúde da população; considerando que a água mineral natural e a água natural podem veicular doenças de origem hídrica; considerando a necessidade de complementar o Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos, bem como o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos;

2 considerando a necessidade de desenvolvimento de instrumento específico de verificação das Boas Práticas de Fabricação aplicável aos estabelecimentos industrializadores de água mineral natural e de água natural, adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Água Mineral Natural e de Água Natural. Art. 2º As empresas têm o prazo de 180 (cento e oitenta) dias, a contar da data da publicação desta Resolução para cumprirem as disposições constantes dos Anexos I e II. Art. 3º A avaliação do cumprimento do Regulamento Técnico constante do Anexo I, dar-se-á por intermédio da Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Água Mineral Natural e de Água Natural, constante do Anexo II. Parágrafo único. A Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Água Mineral Natural e de Água Natural, incorpora os itens da Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos, aprovada em regulamento técnico específico. Art. 4º A inobservância ou desobediência ao disposto na presente Resolução configura infração de natureza sanitária, na forma da Lei n 6437, de 20 de agosto de 1977, sujeitando o infrator às penalidades previstas nesse diploma legal. Art. 5º Esta Resolução de Diretoria Colegiada entrará em vigor na data de sua publicação. Art. 6º Fica revogada a Resolução CNNPA nº 26/76 que dispõe sobre as normas de higiene para estabelecimentos que exploram água mineral. CLÁUDIO MAIEROVITCH PESSANHA HENRIQUES ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS INDUSTRIALIZADORES DE ÁGUA MINERAL NATURAL E DE ÁGUA NATURAL 1 ALCANCE 1.1 Objetivo Definir procedimentos de Boas Práticas de Fabricação para estabelecimentos industrializadores de água mineral natural e de água natural a fim de garantir as condições higiênico-sanitárias do produto final. 1.2 Âmbito de Aplicação Aplica-se aos estabelecimentos que realizam as atividades de captação, condução, envase, armazenamento, transporte, distribuição e ou exposição à venda de água mineral natural e de água natural. 2 DEFINIÇÕES Para efeito desta Resolução, considera-se, 2.1 Água mineral natural: água obtida diretamente de fontes naturais ou artificialmente captadas, de origem subterrânea, caracterizada pelo conteúdo definido e constante de sais minerais (composição iônica) e pela presença de oligoelementos e outros constituintes. 2.2 Água natural: água obtida diretamente de fontes naturais ou artificialmente captadas, de origem subterrânea, caracterizada pelo conteúdo definido e constante de sais minerais (composição iônica), e pela presença de oligoelementos e outros constituintes, mas em níveis inferiores aos mínimos estabelecidos para a água mineral natural.

3 2.3 Boas Práticas de Fabricação: são práticas de fabricação que devem ser adotadas pelas indústrias de alimentos a fim de garantir a qualidade sanitária e a conformidade dos produtos alimentícios com os regulamentos técnicos. 2.4 Canalização: conjunto de dutos, tubulações, conexões, calhas, juntas, peças e registros utilizados na condução da água da captação para as instalações industriais. 2.5 Captação: conjunto de operações necessárias à obtenção da água mineral natural e da água natural, sem alteração da sua qualidade higiênico-sanitária e das suas características naturais e de pureza. 2.6 Concessão de lavra ou manifesto de mina: ato administrativo que autoriza a empresa a explorar água mineral natural e ou água natural, expedido pelo Ministério de Minas e Energia e publicado no Diário Oficial da União. 2.7 Contaminantes: substâncias ou agentes de origem biológica, química ou física, estranhos ao alimento, que sejam considerados nocivos à saúde humana. 2.8 Envase: operação que compreende o enchimento da embalagem com água mineral natural ou água natural proveniente da captação e ou do reservatório e a sua vedação com tampa. 2.9 Filtração: operação de retenção de partículas sólidas por meio de material filtrante que não altere as características químicas e físico-químicas da água mineral natural e da água natural Gaseificação: adição artificial de dióxido de carbono durante o processo de envase da água mineral natural e da água natural Higienização: operação que compreende duas etapas, a limpeza e a desinfecção Manual de Boas Práticas de Fabricação: documento que descreve as operações realizadas pelo estabelecimento, incluindo, no mínimo, os requisitos sanitários dos edifícios, a manutenção e higienização das instalações, dos equipamentos e dos utensílios, o controle da água de abastecimento, o controle integrado de vetores e pragas urbanas, controle da higiene e saúde dos manipuladores e o controle e garantia de qualidade do produto final Medida de Controle: procedimento adotado com o objetivo de prevenir, reduzir a um nível aceitável ou eliminar um agente físico, químico e ou biológico que comprometam as condições higiênico-sanitárias da água mineral natural e da água natural Procedimentos Operacionais Padronizados - POP: procedimentos escritos de forma objetiva que estabelecem instruções seqüenciais para a realização de operações rotineiras e específicas na industrialização, armazenamento e transporte de alimentos. Estes procedimentos podem apresentar outras nomenclaturas desde que obedeçam aos conteúdos estabelecidos nos regulamentos técnicos específicos Registro: anotação em planilha e ou documento, devendo ser datado e assinado pelo funcionário responsável pelo seu preenchimento Reservatório: tanque de armazenamento para acúmulo e ou regulação de fluxo da água mineral natural e da água natural proveniente exclusivamente da captação. 3 REFERÊNCIAS 3.1 BRASIL. Decreto-Lei nº de 8 de agosto de Código de Águas Minerais. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, RJ, 20 ago BRASIL. Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de Institui Normas Básicas sobre Alimentos. Diário Oficial. Brasília, DF, 21 out BRASIL. Lei n 6437, de 20 de agosto de Configura infrações a legislação sanitária federal, estabelece as sanções respectivas e dá outras providências. Diário Oficial. Brasília, DF, 24 ago BRASIL. Ministério da Saúde e Ministério das Minas e Energia. Portaria nº 805 de junho de Aprova rotinas operacionais pertinentes ao controle e fiscalização sanitária das águas minerais. Diário Oficial da União. Brasília, 12 jun

4 3.5 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 1428, de 26 de novemnro de Aprova o Regulamento Técnico para Inspeção Sanitária de Alimentos, Diretrizes para o Estabelecimento de Boas Práticas de Produção e de Prestação de Serviços na Área de Alimentos e Regulamento Técnico para o Estabelecimento de Padrão de Identidade e Qualidade para Serviços e Produtos na Área de Alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 02 dez BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Portaria nº 159, de 1º de abril de Estabelece a documentação necessária para importação e comercialização da água mineral de procedência estrangeira. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 10 abr BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria n o 326, de 30 de julho de Regulamento Técnico sobre as Condições Higiênico-Sanitárias e de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 01º ago BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Portaria nº 222, de 28 de julho de Estabelece especificações técnicas para o aproveitamento das águas minerais e potáveis de mesa. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 8 ago BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional de Produção Mineral. Portaria nº 231, de 31 de julho de Estabelece metodologia de estudos necessários à definição de áreas de proteção de fontes, balneários e estâncias de águas minerais e potáveis de mesa. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 7 ago BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Portaria nº 470, de 24 de novembro de Institui as características básicas dos rótulos das embalagens de águas minerais e potáveis de mesa. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 25 nov BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 22, de 15 de março de Dispõe sobre os Procedimentos Básicos de Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos Importados Pertinentes à Área de Alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 16 mar BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução n.º 23, de 15 de março de Dispõe sobre o Manual de Procedimentos Básicos para Registro e Dispensa da Obrigatoriedade de Registro de Produtos Pertinentes à Área de Alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 16 mar BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 54, de 15 de junho de Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Água Mineral Natural e Água Natural. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 19 jun BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 259, de 20 de setembro de Regulamento Técnico para Rotulagem de Alimentos Embalados. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 set BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução-RDC nº 275, de 21 de outubro de Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos e a Lista de Verificação das Boas Práticas de Fabricação em Estabelecimentos Produtores/ Industrializadores de Alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, republicada em 06 nov CODEX ALIMENTARIUS. CAC/RCP , Rev. 3 (1997). Recommended Internacional Code of Practice General Principles of Food Hygiene CODEX ALIMENTARIUS. CAC/RCP Codigo Internacional Recomendado de Practicas de Higiene para la Captacion, Elaboracion y Comercializacion de las Aguas Minerales Naturales. 4 CAPTAÇÃO E PROCESSAMENTO DE ÁGUA MINERAL NATURAL E DE ÁGUA NATURAL 4.1 Captação

5 4.1.1 A área circundante à casa de proteção da captação deve ser pavimentada e mantida limpa. Deve dispor de um sistema de drenagem de águas pluviais de modo a impedir a infiltração de contaminantes na água do lençol, não comprometendo a qualidade sanitária da água mineral natural e da água natural Os equipamentos e a canalização utilizados na captação da água devem ser de aço inoxidável polido e conservados de maneira a impedir a contaminação da água mineral natural e da água natural Durante o funcionamento ou a manutenção das bombas sanitárias utilizadas no sistema de captação, não deve ocorrer a contaminação da água mineral natural e da água natural por óleos e outras impurezas A casa de proteção da captação deve ser construída em alvenaria, com teto em laje de concreto, com abertura suficiente para facilitar a manutenção da bomba e da canalização, e com piso dotado de inclinação suficiente para escoamento das águas. As aberturas devem ser ajustadas aos batentes e protegidas com telas milimétricas ou outra barreira para impedir a entrada de animais. Paredes internas, pisos, janelas e portas devem ser revestidos de materiais impermeáveis, não porosos, laváveis e de cor clara A casa de proteção da captação deve ser mantida livre de mofos, infiltrações, rachaduras e outras alterações. No início da canalização de distribuição da água deve ser instalada torneira para viabilizar a coleta de amostras As edificações, as instalações, a canalização e os equipamentos da captação devem ser submetidos periodicamente à limpeza e, se for o caso, à desinfecção, de forma a reduzir os riscos de contaminação da água mineral natural e da água natural. Devem ser realizadas inspeções diárias e mantidos registros A água mineral natural e a água natural apenas podem ser filtradas imediatamente após a captação, devendo os elementos filtrantes ser trocados periodicamente e constituídos de material que não altere as características originais e a qualidade higiênico-sanitária das águas. O estabelecimento deve apresentar à autoridade sanitária, quando solicitado, os controles dessa operação. 4.2 Captação por poço As conexões, as tubulações, as bombas de recalque e outros dispositivos que entrem em contato com a água mineral natural e com a água natural devem ser de aço inoxidável polido O tubo edutor, que conduz a água captada à superfície, deve ser de aço inoxidável polido. Os dutos de conexão do poço e as instalações de distribuição devem estar situados em nível superior ao do solo A higienização do poço deve ser realizada por funcionários comprovadamente capacitados e com freqüência que garanta a manutenção das condições higiênico-sanitárias satisfatórias e minimize o risco de contaminação da água mineral natural e da água natural. 4.3 Captação por caixa A água da surgência deve ser protegida contra os agentes contaminantes por meio da caixa de captação. A caixa deve ser estanque e de aço inoxidável polido, a fim de evitar a contaminação da água por matérias estranhas A caixa de captação deve possuir tampa de vidro que permita visualizar suas condições internas, com inclinação suficiente para escoamento das gotículas de água. Essa tampa deve possuir esquadrias de aço inoxidável polido e caixilhos revestidos com borracha atóxica ou elastômeros adequados para completa vedação sob pressão A caixa de captação deve ser dotada de dispositivo para esvaziamento em nível inferior para fins de limpeza e outro dispositivo extravasor com válvula de retenção, possuindo tela milimétrica e filtro de ar microbiológico, para impedir que o nível de água atinja a parte superior e não permitir o contra fluxo da água A higienização da caixa de captação deve ser realizada por funcionários comprovadamente capacitados e com freqüência que garanta a manutenção das condições higiênico-sanitárias satisfatórias e minimize o risco de contaminação da água mineral natural e da água natural. 4.4 Condução e distribuição

6 4.4.1 A canalização deve estar situada em nível superior de, no mínimo, 30 (trinta) centímetros do solo. Deve ser mantida em perfeito estado de conservação e não apresentar vazamentos Os dutos, conexões, registros e outros dispositivos que compõem a canalização da água mineral natural e da água natural devem ser de aço inoxidável polido Cada fonte deve ter canalização específica, identificada com setas indicadoras da direção de circulação do líquido, não podendo haver mistura entre água oriunda de fontes distintas A canalização da água mineral natural e da água natural deve ser diferenciada dos demais dutos de água, não possuindo interconexão entre os mesmos A higienização da canalização deve ser realizada por funcionários comprovadamente capacitados e com freqüência que garanta a manutenção das condições higiênico-sanitárias satisfatórias e minimize o risco de contaminação da água mineral natural e da água natural O processo de higienização deve contemplar periodicamente o desmonte da canalização. Caso seja constatada a presença de incrustações e de outras alterações que comprometam a qualidade higiênicosanitária da água mineral natural e da água natural, deve ser revisto o processo de higienização e adotadas as medidas corretivas necessárias. 4.5 Armazenamento da água da captação O armazenamento da água da captação deve ser realizado em reservatório situado em nível superior ao solo e estanques a fim de evitar a contaminação da água mineral natural ou da água natural O reservatório deve ser dotado de visor que permita a inspeção interna. O visor deve ser protegido por sobretampa para evitar a entrada de luz e a formação de algas O reservatório e suas sobretampas devem ser de aço inoxidável polido e estar em condição de uso satisfatória e livres de vazamentos O reservatório deve possuir extravasor, protegido por tela milimétrica, dotado de válvula de retenção, de filtro de ar microbiológico e de fecho hídrico em forma de sifão para impedir que o nível de água atinja a parte superior. Deve possuir um dispositivo para esvaziamento em nível inferior, para fins de higienização, e uma torneira instalada no início da tubulação de distribuição da água para as instalações de envase de modo a viabilizar coleta de amostra. Os elementos filtrantes devem ser periodicamente trocados, sendo mantidos os registros A inspeção visual do reservatório deve ser efetuada periodicamente para verificar a eficácia do processo de higienização. Caso seja constatada a presença de incrustações e de outras alterações que comprometam a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural deve ser revisto o processo de higienização e adotadas as medidas corretivas necessárias A água mineral natural ou a água natural contida no reservatório deve permanecer armazenada por, no máximo, 3 (três) dias A higienização do reservatório deve ser realizada por funcionários comprovadamente capacitados e com freqüência que garanta a manutenção das condições higiênico-sanitárias satisfatórias e minimize o risco de contaminação da água mineral natural e da água natural. A higienização do reservatório deve ser registrada Devem ser implementados Procedimentos Operacionais Padronizados-POP referentes às operações de higienização do reservatório. Os POP devem conter informações sobre: natureza da superfície a ser higienizada, métodos de higienização, princípios ativos utilizados e sua concentração, tempo de contato dos agentes químicos e ou físicos utilizados na operação de higienização, temperatura e outras informações que se fizerem necessárias. 4.6 Seleção dos insumos e dos seus fornecedores O estabelecimento deve especificar os critérios de avaliação e seleção dos fornecedores de insumos. Esses critérios devem estar documentados. O estabelecimento deve dispor de cadastro atualizado dos fornecedores selecionados.

7 4.6.2 O estabelecimento deve definir as especificações dos insumos, de forma a atender as exigências previstas em regulamentos técnicos específicos e assegurar a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural Quando realizada a adição de dióxido de carbono na água mineral natural e na água natural, o gás adquirido deve ser de grau alimentício. 4.7 Recepção e armazenamento dos insumos A recepção dos insumos deve ser realizada em local protegido, livre de objetos em desuso e estranhos ao ambiente, limpo e isolado da sala de envase A recepção das embalagens de primeiro uso deve ser efetuada em área distinta da recepção das embalagens retornáveis para evitar contaminação cruzada Os insumos devem ser submetidos à inspeção para serem aprovados. Os produtos saneantes devem estar regularizados no órgão competente. Quando as especificações previamente determinadas não forem atendidas, os produtos devem ser reprovados As embalagens retornáveis para um novo ciclo de uso devem ser avaliadas individualmente quanto à aparência interna e externa, ao prazo de validade, à presença de resíduos e ao odor. As embalagens com amassamentos, rachaduras, ranhuras, remendos, deformações internas e externas do gargalo, com alterações de odor e cor, prazo de validade vencido, dentre outras alterações que possam comprometer a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural ou da água natural devem ser reprovadas Os insumos reprovados na recepção devem ser imediatamente devolvidos ao fornecedor e, em caso contrário, devem ser devidamente identificados e armazenados separadamente até o seu destino final, sendo esse destino registrado em documento datado e assinado pelo funcionário responsável O armazenamento dos insumos deve ser feito em local limpo e organizado de forma a garantir a proteção contra contaminantes. Os insumos devem ser armazenados sobre paletes, estrados e ou prateleiras, respeitando o espaçamento mínimo necessário para garantir adequada ventilação, limpeza e, quando for o caso, desinfecção do local. Os paletes, estrados ou prateleiras devem ser de material liso, resistente, impermeável e lavável Devem ser implementados Procedimentos Operacionais Padronizados-POP referentes à operação de recepção de embalagens. Os POP devem conter informações sobre critérios para: inspeção individual, aceitação e reprovação da embalagens, destino final da embalagem retornável reprovada e outras informações que se fizerem necessárias. 4.8 Fabricação e higienização das embalagens A fabricação das embalagens, no estabelecimento, deve ser realizada em local próprio para não comprometer a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural As embalagens fabricadas no estabelecimento e enviadas imediatamente para a sala de envase devem ser protegidas com cobertura durante o transporte. A comunicação entre essas dependências deve ser feita por meio de aberturas especialmente construídas nas paredes divisórias, não sendo permitido o transporte manual. Essas aberturas devem ser mínimas para a passagem das embalagens e permanecer fechadas durante a paralisação do processamento As embalagens fabricadas e armazenadas no estabelecimento devem ser protegidas, até o momento da sua utilização, contra contaminantes. Antes do envase, essas embalagens devem ser submetidas à desinfecção A higienização das embalagens e de suas tampas deve ser efetuada em condições que garantam a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural. Deve ser realizada por funcionários comprovadamente capacitados e com freqüência que garanta a manutenção das condições higiênicosanitárias satisfatórias. As embalagens retornáveis devem ser submetidas à limpeza, à desinfecção e ao enxágüe final.

8 4.8.5 Os equipamentos de higienização devem ser de aço inoxidável e fixados de maneira a evitar vibrações e trepidações As embalagens retornáveis, antes da etapa da higienização automática, devem ser submetidas à prélavagem para a remoção das sujidades das superfícies interna e externa, do rótulo e dos resíduos da substância adesiva A higienização das embalagens retornáveis e de primeiro uso deve ser efetuada por maquinário automático. As tampas das embalagens devem ser previamente desinfetadas O enxágüe das embalagens e dos equipamentos deve garantir a eliminação dos resíduos das soluções empregadas. A ausência de resíduos das soluções empregadas deve ser comprovada por meio de indicadores O enxágüe final das embalagens previamente higienizadas e de primeiro uso deve ser feito com água mineral natural ou com água natural a ser envasada As embalagens higienizadas devem ser transportadas imediatamente da área de higienização para a sala de envase. As saídas das máquinas de higienização das embalagens devem estar posicionadas próximas à sala de envase, para evitar que embalagens higienizadas circulem em ambiente aberto. Quando não for possível, as esteiras devem estar protegidas por cobertura A comunicação entre a área de higienização e a sala de envase deve ser feita por meio de aberturas especialmente construídas nas paredes divisórias, não sendo permitido o transporte manual das embalagens. Essas aberturas devem ser mínimas para a passagem das embalagens e permanecer fechadas durante a paralisação do processamento Devem ser implementados Procedimentos Operacionais Padronizados-POP referentes às operações de higienização das embalagens. Os POP devem conter informações sobre: natureza da superfície a ser higienizada, métodos de higienização, princípios ativos utilizados e sua concentração, tempo de contato dos agentes químicos e ou físicos utilizados na operação de higienização, temperatura e outras informações que se fizerem necessárias. 4.9 Envase e fechamento O envase deve ser realizado por máquinas automáticas, em sala totalmente separada das demais áreas. A sala de envase deve ser mantida em adequado estado de higiene e conservação. O piso, a parede e o teto devem possuir revestimento liso, de cor clara, impermeável e lavável. As portas devem ser equipadas com dispositivos de fechamento automático, ajustadas aos batentes e em adequado estado de conservação A sala de envase deve possuir piso com inclinação suficiente para facilitar o escoamento das águas, ralo sifonado com tampa escamoteável, luminárias protegidas contra quebras e ventilação capaz de manter o ambiente livre de condensação O acesso à sala de envase deve ser restrito e feito exclusivamente por uma ante-sala. A ante-sala deve dispor de tapete anti-séptico, suporte para guarda de uniformes e lavatório com água corrente, exclusivo para higiene das mãos, dotado de sabonete líquido inodoro, produto anti-séptico e sistema de secagem automático das mãos A sala de envase deve ser utilizada exclusivamente para as operações de envase e fechamento das embalagens, dispondo apenas dos equipamentos e materiais necessários às operações. O local deve ser mantido em condições higiênico-sanitárias satisfatórias, de forma a evitar contaminação da água mineral natural e da água natural O sistema de fechamento deve ser efetuado por máquinas automáticas e garantir a vedação das embalagens com água mineral natural e água natural para evitar vazamentos e contaminação da água As embalagens com água mineral natural e água natural devem ser transportadas imediatamente da sala de envase para a área de rotulagem por esteiras. A comunicação entre essas dependências deve ser feita por meio de aberturas especialmente construídas nas paredes divisórias, não sendo permitido o transporte manual. Essas aberturas devem ser mínimas para a passagem das embalagens e permanecer fechadas durante a paralisação do processamento.

9 4.9.7 A sala de envase e os equipamentos devem ser higienizados quantas vezes forem necessárias e imediatamente após o término do trabalho. A higienização deve contemplar periodicamente o desmonte dos equipamentos A carbonatação da água mineral natural e da água natural, quando houver, deve estar integrada à linha de envase Quando a água ozonizada for utilizada para desinfecção de equipamentos de envase e fechamento das embalagens, canalização e utensílios que entram em contato com a água mineral natural e água natural, a tubulação da água ozonizada deve ser identificada e diferenciada das demais canalizações Rotulagem e armazenamento A inspeção visual ou eletrônica da água mineral natural e da água natural embaladas deve preceder à operação de rotulagem para avaliação da conformidade do produto e retirada das unidades que apresentam alteração que possa comprometer as características originais e a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural A operação de rotulagem das embalagens deve ser efetuada fora da área de envase. Os rótulos das embalagens da água mineral natural e da água natural devem obedecer aos regulamentos técnicos de rotulagem geral e específicos Os locais para armazenamento da água mineral natural e da água natural embaladas e das embalagens vazias, devem ser limpos, secos, ventilados, com temperatura adequada para evitar a alteração da água mineral natural e da água natural As embalagens vazias, a água mineral natural e a água natural embaladas devem ser armazenadas sobre paletes, estrados e ou prateleiras, respeitando o espaçamento mínimo necessário para garantir adequada ventilação, limpeza e, quando for o caso, desinfecção do local. Os paletes, estrados ou prateleiras devem ser de material liso, resistente, impermeável e lavável A água mineral natural e a água natural embaladas não devem ser armazenadas expostas à luz solar direta A água mineral natural e a água natural embaladas e as embalagens vazias não devem ser armazenadas próximas aos produtos saneantes, defensivos agrícolas e outros produtos potencialmente tóxicos, para evitar a contaminação ou impregnação de odores estranhos As embalagens reprovadas na inspeção devem ser armazenadas em local isolado, protegido e identificado, até o destino final, sendo esse destino registrado em documento datado e assinado pelo funcionário responsável A água mineral natural e a água natural embaladas com prazo de validade vencido, avariadas, devolvidas ou recolhidas do comércio devem ser identificadas e armazenadas, em local separado, protegido e sinalizado Transporte e exposição à venda A carga e a descarga das embalagens vazias, da água mineral natural ou da água natural embaladas devem ser realizadas em plataforma externa à área de processamento e os motores dos veículos devem permanecer desligados durante a operação, a fim de evitar a contaminação das embalagens e do ambiente por gases de combustão O veículo de transporte das embalagens com água mineral natural ou com água natural não deve comprometer as características naturais e as condições higiênico-sanitárias do produto final O veículo de transporte deve estar limpo, sendo adotadas medidas para garantir a ausência de vetores e pragas urbanas. Deve ser dotado de cobertura limpa, impermeável e íntegra para proteção da carga, não devendo transportar outras cargas que comprometam a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural.

10 O empilhamento das embalagens com água mineral natural ou com água natural, durante o transporte, deve ser realizado de forma a evitar danos às embalagens, a fim de não comprometer a qualidade higiênico-sanitária do produto final A responsabilidade pela qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural durante o transporte é do industrializador, mesmo quando o serviço for realizado por terceiros A água mineral natural e a água natural embaladas devem ser expostas à venda somente em estabelecimentos comerciais de alimentos. Devem ser protegidas da incidência direta da luz solar e mantidas sobre paletes ou prateleiras, em local limpo, seco, arejado e reservado para esse fim As embalagens vazias e embalagens com água mineral natural ou com água natural não devem ser transportadas e estocadas próximas aos produtos saneantes, gás liquefeito de petróleo e outros produtos potencialmente tóxicos, para evitar a contaminação ou impregnação de odores estranhos Controle de qualidade O estabelecimento deve implementar e documentar o controle de qualidade da água mineral natural, da água natural, das embalagens, e quando utilizado, do dióxido de carbono As análises laboratoriais para o controle e o monitoramento da qualidade da água mineral natural e da água natural devem ser realizados em laboratório próprio ou terceirizado As análises sensoriais, físicas, químicas, físico-químicas, microbiológicas e de contaminantes da água mineral natural e da água natural devem atender ao disposto em legislação especifica O estabelecimento deve dispor de plano de amostragem para análise laboratorial da água mineral natural e da água natural de acordo com o disposto em legislação específica ou aplicar outro plano de amostragem com segurança igual ou superior Responsável pelo processamento A responsabilidade pelo processamento deve ser exercida pelo responsável técnico, responsável legal ou proprietário do estabelecimento industrializador de água mineral natural e de água natural, devidamente capacitado A responsabilidade deve ser exercida por funcionário que tenha realizado curso de capacitação, com carga horária mínima de 40 (quarenta) horas, abordando os seguintes temas: a) Microbiologia de Alimentos; b) Processamento da água mineral natural e da água natural; c) Boas Práticas de Fabricação; d) Sistema de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle- APPCC Os estabelecimentos devem dispor do certificado de capacitação do responsável pelo processamento, devidamente datado, contendo a carga horária e conteúdo programático do curso Documentação e registro Os estabelecimentos industrializadores de água mineral natural e de água natural devem dispor de Manual de Boas Práticas de Fabricação e de Procedimentos Operacionais Padronizados. Esses documentos devem estar acessíveis aos funcionários envolvidos e disponíveis à autoridade sanitária, quando requeridos Os POP devem conter as instruções seqüenciais das operações e a freqüência de execução, especificando o nome, o cargo e ou a função dos responsáveis pelas atividades. Devem ser aprovados, datados e assinados pelo responsável pelo estabelecimento Os registros devem ser mantidos por no mínimo 1 (um) ano, a partir da data do envase da água mineral natural e da água natural A empresa deve apresentar à autoridade sanitária, quando solicitado, a concessão de lavra ou manifesto de mina e outros documentos comprobatórios da regularidade do estabelecimento, da água mineral natural e da água natural junto ao Ministério da Saúde e ao Ministério de Minas e Energia.

11 LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS INDUSTRIALIZADORES DE ÁGUA MINERAL NATURAL E ÁGUA NATURAL NÚMERO: /ANO A IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA: 1-RAZÃO SOCIAL: 2-NOME DE FANTASIA: 3-ALVARÁ/LICENÇA SANITÁRIA: 4-INSCRIÇÃO ESTADUAL/MUNICIPAL: 5-Nº DO REGISTRO DO MINISTÉRIO DA SAÚDE: 6-AUTORIZAÇÃO DA LAVRA NO DNPM: 7-PORTARIA Nº: 8-CNPJ/CPF: 9-FONE: 10-FAX: ENDEREÇO: 13-Nº 14-COMPL.: 15-BAIRRO: 16-MUNICÍPIO: 17-UF: 18-CEP: 19-RAMO DE ATIVIDADE: 21-NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS: 23-CATEGORIA DE PRODUTOS: Descrição da Categoria: Descrição da Categoria: Descrição da Categoria: Descrição da Categoria: 24-RESPONSÁVEL TÉCNICO: 20-PRODUÇÃO MENSAL: 22-NÚMERO DE TURNOS: 25-FORMAÇÃO ACADÊMICA: 26-RESPONSÁVEL LEGAL/PROPRIETÁRIO DO ESTABELECIMENTO: 27-MOTIVO DA INSPEÇÃO: ( ) SOLICITAÇÃO DE LICENÇA SANITÁRIA ( )COMUNICAÇÃO DO INÍCIO DE FABRICAÇÃO DE PRODUTO DISPENSADO DA OBRIGATORIEDADE DE REGISTRO/ REGISTRO DE PRODUTO ( ) PROGRAMAS ESPECÍFICOS DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ( ) VERIFICAÇÃO OU APURAÇÃO DE DENÚNCIA ( ) INSPEÇÃO PROGRAMADA ( ) REINSPEÇÃO ( ) RENOVAÇÃO DE LICENÇA SANITÁRIA ( ) OUTROS 28-MARCAS PRODUZIDAS: 29-CARACTERÍSTICAS DA LOCALIZAÇÃO: ( ) URBANA ( ) RURAL 30-SISTEMA DE CAPTAÇÃO: POR CAIXA: ( ) Nº DE CAIXAS: POR POÇO: ( ) Nº DE POÇOS: 31-VAZÃO DA FONTE / POÇO: B AVALIAÇÃO SIM NÃO NA( *) 1. CAPTAÇÃO 1.1 Área circundante à casa de proteção da captação devidamente pavimentada e limpa. 1.2 Área circundante dotada de sistema de drenagem de águas pluviais. 1.3 Equipamentos e canalização de aço inoxidável polido. A operação de funcionamento ou manutenção das bombas 1.4 sanitárias não contamina a água mineral natural e água natural por óleos e impurezas. 1.5 Casa de proteção da captação construída em alvenaria, com

12 teto em laje de concreto e aberturas adequadas, piso com inclinação suficiente para escoamento das águas. 1.6 Aberturas da casa de proteção da captação ajustadas aos batentes, protegidas por telas milimétricas ou outra barreira. Paredes internas, pisos, janelas e portas da casa de proteção 1.7 da captação revestidos de materiais impermeáveis, porosos, laváveis e de cor clara. 1.8 Casa de proteção da captação livre de mofos, infiltrações, rachaduras e outras alterações. 1.9 Presença de torneira para coleta de amostras no início da canalização de distribuição. Edificações, instalações, canalização, equipamentos da 1.10 captação submetidos periodicamente à limpeza e, se for o caso, à desinfecção Edificações, instalações, canalização e equipamentos inspecionados diariamente e mantidos os registros. Água mineral natural e água natural filtradas imediatamente 1.12 após a captação, com elementos filtrantes de material apropriado trocados periodicamente Controles da troca dos filtros disponíveis à autoridade sanitária, quando solicitado. 2. CAPTAÇÃO POR POÇO 2.1 Conexões, tubulações, bombas de recalque e outros dispositivos de aço inoxidável polido. 2.2 Tubo edutor de aço inoxidável polido. 2.3 Os dutos de conexão do poço situados em nível superior ao solo. 2.4 Higienização realizada por funcionários comprovadamente capacitados e com freqüência adequada. 3. CAPTAÇÃO POR CAIXA Água da surgência protegida contra os agentes contaminantes 3.1 por meio da caixa de captação. 3.2 Caixa de captação estanque e de aço inoxidável polido. Caixa de captação dotada de tampa de vidro com inclinação 3.3 suficiente para escoamento das gotículas de água. Tampa da caixa de captação em esquadrias de aço inoxidável 3.4 polido e caixilhos revestidos com borracha atóxica ou elastômeros adequados. 3.5 Caixa de captação completamente vedada. Caixa de captação dotada de dispositivo para esvaziamento 3.6 em nível inferior e outro dispositivo extravasor com válvula de retenção, tela milimétrica e filtro de ar microbiológico. Higienização da caixa de captação realizada por funcionários 3.7 comprovadamente capacitados e com freqüência adequada. 4. CONDUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO Canalização situada em nível superior de, no mínimo centímetros do solo, em perfeito estado de conservação e sem vazamentos.

13 4.2 Dutos, conexões, registros e outros dispositivos da canalização de aço inoxidável polido. 4.3 Fonte com canalização específica identificada com setas, sem mistura entre água oriunda de fontes distintas. 4.4 Canalização diferenciada dos demais dutos de água e sem interconexão. 4.5 Higienização da canalização realizada por funcionários comprovadamente capacitados e com freqüência adequada. 4.6 Canalização em condições higiênico-sanitárias satisfatórias. 4.7 Processo de higienização contempla o desmonte periódico da canalização. 4.8 Adoção de medidas corretivas caso seja constatada a presença de incrustações e de outras alterações. 5. ARMAZENAMENTO DA ÁGUA DA CAPTAÇÂO 5.1 Armazenamento da água realizado em reservatório em nível superior ao solo e estanque. 5.2 Reservatório dotado de visor protegido por sobretampa. 5.3 Reservatório e sua sobretampa de aço inoxidável polido, em satisfatória condição de uso, livres de vazamentos. Reservatório dotado de extravasor, protegido por tela 5.4 milimétrica, com válvula de retenção, filtro microbiológico e fecho hídrico em forma de sifão. Elementos filtrantes trocados periodicamente. Dispositivo para esvaziamento em nível inferior, com torneira 5.5 instalada no início da tubulação de distribuição da água para coleta de amostra. 5.6 Reservatório submetido periodicamente à inspeção visual. 5.7 Adoção de medidas corretivas caso seja constatada a presença de incrustações e de outras alterações. 5.8 Tempo de permanência da água no reservatório por no máximo 3 dias. 5.9 Higienização do reservatório realizada por funcionários comprovadamente capacitados com freqüência adequada Higienização registrada. 6 EDIFICAÇÃO E INSTALAÇÕES 6.1 ÁREA EXTERNA: Área externa livre de focos de insalubridade, de objetos em desuso ou estranhos ao ambiente, de animais domésticos no pátio e vizinhança; de focos de poeira; de acúmulo de lixo nas imediações, de água estagnada, dentre outros. Vias de acesso interno com superfície dura ou pavimentada, adequada ao trânsito sobre rodas, escoamento adequado e limpas. 6.2 ACESSO: Direto, não comum a outros usos (habitação). 6.3 ÁREA INTERNA: PISO: Área interna livre de objetos em desuso ou estranhos ao ambiente. Material que permite fácil e apropriada higienização (liso, resistente, drenados com declive, impermeável e outros). Em adequado estado de conservação (livre de defeitos, rachaduras, trincas, buracos e outros).

14 TETOS: Sistema de drenagem dimensionado adequadamente, sem acúmulo de resíduos. Drenos, ralos sifonados e grelhas dispostas em locais adequados para facilitar o escoamento e proteger contra a entrada de baratas, roedores etc Em adequado estado de conservação (livre de trincas, rachaduras, umidade, bolor, descascamentos e outros). 6.6 PAREDES E DIVISÓRIAS: Acabamento liso, impermeável e de fácil limpeza até uma altura adequada para todas as operações. De cor clara Em adequado estado de conservação (livres de falhas, rachaduras, umidade, descascamento e outros). 6.7 PORTAS, JANELAS E OUTRAS ABERTURAS: Com superfície lisa, de fácil limpeza, ajustadas aos batentes, sem falhas de revestimento Proteção contra insetos e roedores (telas milimétricas ou outro sistema) Em adequado estado de conservação (livres de falhas, rachaduras, umidade, descascamento e outros). 6.8 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS E VESTIÁRIOS PARA OS MANIPULADORES: Quando localizados isolados da área de produção, acesso realizado por passagens cobertas e calçadas. Independentes para cada sexo (conforme legislação específica), identificados e de uso exclusivo para manipuladores de alimentos. Instalações sanitárias com vasos sanitários; mictórios e lavatórios íntegros e em proporção adequada ao número de empregados (conforme legislação específica). Instalações sanitárias servidas de água corrente, dotadas preferencialmente de torneira com acionamento automático e conectadas à rede de esgoto ou fossa séptica Ausência de comunicação direta (incluindo sistema de exaustão) com a área de trabalho e de refeições Portas com fechamento automático (mola, sistema eletrônico ou outro) Pisos e paredes adequadas e apresentando satisfatório estado de conservação Iluminação e ventilação adequadas. Instalações sanitárias dotadas de produtos destinados à higiene pessoal: papel higiênico, sabonete líquido inodoro e anti-séptico, toalhas de papel não reciclado para as mãos ou outro sistema higiênico e seguro para secagem Presença de lixeiras com tampas e com acionamento não manual Coleta freqüente do lixo Presença de avisos com os procedimentos para lavagem das mãos Vestiários com área compatível e armários individuais para todos os manipuladores. Duchas ou chuveiros em número suficiente (conforme legislação específica), com água fria ou com água quente e fria Apresentam-se organizados e em adequado estado de conservação. 6.9 INSTALAÇÕES SANITÁRIAS PARA VISITANTES E OUTROS: Instaladas totalmente independentes da área de produção e higienizados LAVATÓRIOS NA ÁREA DE PRODUÇÃO: Existência de lavatórios na área de processamento em posições adequadas em relação ao fluxo de produção.

15 Dotados de sabonete líquido inodoro e anti-séptico, toalhas de papel não reciclado para as mãos ou outro sistema higiênico e seguro para secagem ILUMINAÇÃO E INSTALAÇÃO ELÉTRICA: VENTILAÇÃO: Natural ou artificial adequada à atividade desenvolvida, sem ofuscamento, reflexos fortes, sombras e contrastes excessivos. Luminárias com proteção adequada contra quebras e em adequado estado de conservação. Instalações elétricas embutidas ou quando exteriores revestidas por tubulações isolantes e presas a paredes e tetos. Ventilação e circulação de ar capazes de garantir o conforto térmico e o ambiente livre de fungos, gases, fumaça, pós, partículas em suspensão e condensação de vapores sem causar danos à produção. Captação e direção da corrente de ar não seguem a direção da área contaminada para área limpa HIGIENIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES: Responsável pela operação de higienização comprovadamente capacitado Freqüência de higienização das instalações adequada Existência de registro da higienização Produtos de higienização regularizados pelo Ministério da Saúde Disponibilidade dos produtos de higienização necessários à realização da operação. A diluição dos produtos de higienização, tempo de contato e modo de uso/aplicação obedecem às instruções recomendadas pelo fabricante Produtos de higienização identificados e guardados em local adequado. Disponibilidade e adequação dos utensílios (escovas, esponjas etc.) necessários à realização da operação. Em bom estado de conservação, armazenados em local protegido Higienização adequada CONTROLE INTEGRADO DE VETORES E PRAGAS URBANAS: Ausência de vetores e pragas urbanas ou qualquer evidência de sua presença como fezes, ninhos e outros. Adoção de medidas preventivas e corretivas adotadas com o objetivo de impedir a atração, o abrigo, o acesso e ou proliferação de vetores e pragas urbanas. Em caso de adoção de controle químico, existência de comprovante de execução do serviço expedido por empresa especializada ABASTECIMENTO DE ÁGUA: Sistema de abastecimento ligado à rede pública Sistema de captação própria, protegido, revestido e distante de fonte de contaminação. Reservatório da água de abastecimento acessível com instalação hidráulica com volume, pressão e temperatura adequados, dotado de tampas, em satisfatória condição de uso, livre de vazamentos, infiltrações e descascamentos Existência de responsável comprovadamente capacitado para a higienização do reservatório da água de abastecimento Apropriada freqüência de higienização do reservatório da água de abastecimento. Existência de registro da higienização do reservatório da água de abastecimento ou comprovante de execução de serviço em caso de terceirização.

16 Encanamento em estado satisfatório e ausência de infiltrações e interconexões, evitando conexão cruzada entre água potável e não potável. Existência de planilha de registro da troca periódica do elemento filtrante. Potabilidade da água de abastecimento atestada por meio de laudos laboratoriais, com adequada periodicidade, assinados por técnico responsável pela análise ou expedidos por empresa terceirizada. Disponibilidade de reagentes e equipamentos necessários à análise da potabilidade da água de abastecimento realizadas no estabelecimento. Controle de potabilidade realizado por técnico comprovadamente capacitado MANEJO DOS RESÍDUOS: Recipientes para coleta de resíduos no interior do estabelecimento de fácil higienização e transporte, devidamente identificados e higienizados constantemente; uso de sacos de lixo apropriados. Quando necessário, recipientes tampados com acionamento não manual. Retirada freqüente dos resíduos da área de processamento, evitando focos de contaminação Existência de área adequada para estocagem dos resíduos ESGOTAMENTO SANITÁRIO: Fossas, esgoto conectado à rede pública, caixas de gordura em adequado estado de conservação e funcionamento LEIAUTE: Leiaute adequado ao processamento: número, capacidade e distribuição das dependências de acordo com o ramo de atividade, volume de produção e expedição. Áreas para recepção e depósito de matéria-prima, ingredientes e embalagens distintas das áreas de produção, armazenamento e expedição de produto final. 7. EQUIPAMENTOS, MÓVEIS E UTENSÍLIOS 7.1 EQUIPAMENTOS: Equipamentos da linha de produção com desenho e número adequado ao ramo Dispostos de forma a permitir fácil acesso e higienização adequada Em adequado estado de conservação e funcionamento Existência de registros que comprovem que os equipamentos e maquinários passam por manutenção preventiva. Existência de registros que comprovem a calibração dos instrumentos e equipamentos de medição ou comprovante da execução do serviço quando a calibração for realizada por empresas terceirizadas. 7.2 HIGIENIZAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS, MAQUINÁRIOS E MÓVEIS: Responsável pela operação de higienização comprovadamente capacitado Freqüência de higienização adequada Existência de registro da higienização Produtos de higienização regularizados pelo Ministério da Saúde Disponibilidade dos produtos de higienização necessários à realização da operação.

17 Diluição dos produtos de higienização, tempo de contato e modo de uso/aplicação obedece às instruções recomendadas pelo fabricante. Produtos de higienização identificados e guardados em local adequado. Disponibilidade e adequação dos utensílios necessários à realização da operação. Em bom estado de conservação Adequada higienização. 8. MANIPULADORES 8.1 VESTUÁRIO: Utilização de uniforme de trabalho adequado à atividade e exclusivo para área de processamento Limpos e em adequado estado de conservação. Asseio pessoal: boa apresentação, asseio corporal, mãos limpas, unhas curtas, sem esmalte, sem adornos (anéis, pulseiras, brincos, etc.); manipuladores barbeados, com os cabelos protegidos. 8.2 HÁBITOS HIGIÊNICOS: Lavagem cuidadosa das mãos ao início do trabalho, após qualquer interrupção e depois do uso de sanitários. Manipuladores não espirram sobre os alimentos, não cospem, não tossem, não fumam, não manipulam dinheiro ou não praticam outros atos que possam contaminar o alimento. Cartazes de orientação aos manipuladores sobre a correta lavagem das mãos e demais hábitos de higiene, afixados em locais apropriados. 8.3 ESTADO DE SAÚDE: Ausência de afecções cutâneas, feridas e supurações; ausência de sintomas e infecções respiratórias, gastrointestinais e oculares. 8.4 PROGRAMA DE CONTROLE DE SAÚDE: Supervisão periódica do estado de saúde dos manipuladores Existência de registro dos exames realizados. 8.5 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL: Utilização de Equipamento de Proteção Individual. 8.6 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS MANIPULADORES E SUPERVISÃO: Programa de capacitação adequado e contínuo relacionado à higiene pessoal e à manipulação dos alimentos Existência de registros dessas capacitações Existência de supervisão da higiene pessoal e manipulação dos alimentos Supervisor comprovadamente capacitado. 9. SELEÇÃO DOS INSUMOS E DOS SEUS FORNECEDORES 9.1 Critérios para avaliação e seleção de fornecedores de insumos documentados. 9.2 Existência de cadastro atualizado de fornecedores. 9.3 Especificações dos insumos definidas pelo estabelecimento, baseados nos regulamentos técnicos específicos. 9.4 Dióxido de carbono de grau alimentício para adição na água mineral natural e na água natural.

18 10. RECEPÇÃO E ARMAZENAMENTO DOS INSUMOS Recepção dos insumos realizada em local protegido, livre de 10.1 objetos em desuso e estranhos ao ambiente, limpo e isolado da sala de envase. Recepção das embalagens de primeiro uso efetuada em área 10.2 distinta da recepção das embalagens retornáveis Insumos inspecionados na recepção Produtos saneantes regularizados no órgão competente. Especificações, previamente definidas, utilizadas na recepção 10.5 como critério para aprovação dos insumos. Embalagens retornáveis, para um novo ciclo de uso, avaliadas 10.6 individualmente quanto à aparência interna e externa, ao prazo de validade, à presença de resíduos e ao odor. Embalagens com amassamentos, rachaduras, ranhuras, remendos, deformações internas e externas do gargalo, com 10.7 alterações de odor e cor, prazo de validade vencido e outras alterações são reprovadas. Insumos reprovados na recepção devolvidos imediatamente 10.8 ou identificados e armazenados em local separado. Existência de registro do destino final dos insumos reprovados, 10.9 datado e assinado pelo funcionário responsável. Armazenamento dos insumos em local limpo e organizado, sobre paletes, estrados e ou prateleiras, respeitando o espaçamento mínimo necessário para limpeza e, quando for o caso, desinfecção do local. Paletes, estrados ou prateleiras de material liso, resistente, impermeável e lavável. 11. FABRICAÇÃO E HIGIENIZAÇÃO DAS EMBALAGENS 11.1 Fabricação das embalagens realizada em local próprio. Embalagens fabricadas no estabelecimento e enviadas 11.2 imediatamente para a sala de envase, protegidas com cobertura durante o transporte. Comunicação com a sala de envase feita por meio de 11.3 aberturas mínimas para a passagem das embalagens. Aberturas mantidas fechadas durante a paralisação do processamento. Embalagens fabricadas e armazenadas no estabelecimento 11.4 protegidas, até o momento da sua utilização, contra contaminantes. Embalagens desinfetadas antes do envase. Higienização das embalagens e de suas tampas efetuada em 11.5 condições que garantam a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural Higienização realizada por funcionários comprovadamente capacitados e com freqüência adequada Embalagens retornáveis submetidas à limpeza, a desinfecção e ao enxágüe final Equipamentos de higienização de aço inoxidável, fixados de maneira a evitar vibrações e trepidações Embalagens retornáveis submetidas à pré-lavagem antes da higienização automática Embalagens retornáveis e de primeiro uso higienizadas por maquinário automático Tampas das embalagens previamente desinfetadas.

19 11.12 Enxágüe garante eliminação dos resíduos das soluções empregadas Ausência de resíduos das soluções empregadas comprovada por indicadores. Enxágüe final das embalagens previamente higienizadas e de primeiro uso feito com água mineral natural ou água natural a ser envasada Embalagens higienizadas transportadas imediatamente para a sala de envase. Saídas das máquinas de higienização de embalagens, posicionadas próximas à sala de envase. Quando não for possível, esteiras protegidas por cobertura. Comunicação entre a área de higienização das embalagens e a sala de envase feita por aberturas especialmente construídas nas paredes divisórias. Aberturas mínimas para a passagem das embalagens, permanecendo fechadas durante a paralisação do processamento. 12. ENVASE E FECHAMENTO 12.1 Envase realizado por máquinas automáticas Sala de envase totalmente separada das demais áreas e em adequado estado de higiene e conservação Piso, parede e teto da sala de envase de revestimento liso, de cor clara, impermeável e lavável Portas equipadas com dispositivos de fechamento automático, ajustadas aos batentes, em adequado estado de conservação Sala de envase com piso inclinado, ralo sifonado com tampa escamoteável, luminárias protegidas e ventilação adequada Acesso à sala de envase restrito e realizado exclusivamente por uma ante-sala. Ante-sala com tapete anti-séptico, suporte para guarda de 12.7 uniformes e lavatório com água corrente dotado de sabonete líquido inodoro, produto anti-séptico e sistema de secagem automático das mãos Sala de envase utilizada exclusivamente para operações de envase e fechamento Sala de envase dispõe apenas de equipamentos e materiais necessários às operações de envase e fechamento Sistema de fechamento efetuado por máquinas automáticas Embalagens com água mineral natural e água natural devidamente vedadas pelas tampas. Embalagens com água mineral natural e água natural transportadas imediatamente para a área de rotulagem por esteiras. Comunicação entre área de higienização das embalagens e a sala de envase feita por aberturas especialmente construídas nas paredes divisórias. Transporte automático. Aberturas mínimas para a passagem das embalagens, permanecendo fechadas durante a paralisação do processamento Sala de envase devidamente higienizada Higienização contempla periodicamente o desmonte dos equipamentos Carbonatação da água mineral natural e água natural integrada à linha de envase Água ozonizada utilizada para desinfecção conduzida por tubulação identificada e diferenciada das demais canalizações.

20 Ventilação artificial por meio de equipamento(s) higienizado(s) e com manutenção adequada ao tipo de equipamento. Existência de registro periódico dos procedimentos de limpeza e manutenção dos componentes do sistema de climatização (conforme legislação específica) afixado em local visível. Sistema de exaustão e ou insuflamento com troca de ar capaz de prevenir contaminações. Sistema de exaustão e ou insuflamento dotados de filtros adequados. 13. ROTULAGEM E ARMAZENAMENTO 13.1 Água mineral natural e água natural embaladas submetidas à inspeção visual ou eletrônica, antes da rotulagem Rotulagem das embalagens realizada fora da área de envase Água mineral natural e água natural regularizadas e com dizeres de rotulagem de acordo com a legislação específica. Armazenamento das embalagens vazias, da água mineral 13.4 natural e da água natural embaladas em local limpo, seco, ventilado, com temperatura adequada. Água mineral natural e água natural embaladas e embalagens vazias armazenadas sobre paletes, estrados e ou prateleiras 13.5 respeitando o espaçamento mínimo necessário para garantir adequada ventilação, limpeza e quando for o caso desinfecção Paletes, estrados ou prateleiras de material liso, resistente, impermeável e lavável Água mineral natural e água natural embaladas protegidas da luz solar direta. Água mineral natural e água natural embaladas e embalagens 13.8 vazias armazenadas em área separada, isolada dos produtos saneantes, defensivos agrícolas e outros produtos potencialmente tóxicos. Embalagens reprovadas na inspeção identificadas e 13.9 armazenadas em local isolado e protegido até o seu destino final Registro do destino final das embalagens reprovadas, datado e assinado pelo funcionário responsável. Água mineral natural e água natural embaladas com prazo de validade vencido, avariadas, devolvidas ou recolhidas do comércio devidamente identificadas e armazenadas em local separado, protegido e sinalizado. 14. TRANSPORTE E EXPOSIÇÃO À VENDA Carga e descarga das embalagens vazias, da água mineral 14.1 natural e da água natural embaladas realizadas em plataforma externa à área de processamento Motores dos veículos desligados durante a operação. Veículo de transporte da água mineral natural e da água 14.3 natural embaladas não compromete as características naturais e as condições higiênico-sanitárias do produto final. Veículo de transporte limpo, com ausência vetores e pragas 14.4 urbanas ou qualquer evidência de sua presença como fezes, ninhos e outros Veículo de transporte dotado de cobertura limpa, impermeável e íntegra para proteção da carga Ausência de outras cargas que comprometam a qualidade higiênico-sanitária da água mineral natural e da água natural Empilhamento das embalagens com água mineral natural ou água natural realizado de forma a evitar danos.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 173, DE 13 DE SETEMBRO DE

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 173, DE 13 DE SETEMBRO DE título: Resolução RDC nº 173, de 13 de setembro de 2006 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água Natural e a

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM COZINHAS MILITARES E SERVIÇO DE APROVISIONAMENTO A - IDENTIFICAÇÃO DA OM 1-NOME 2- TELEFONE: 3- ENDEREÇO : 4- E- MAIL: 5- BAIRRO : 6- CIDADE

Leia mais

CELSO ISAO KUBATAMAIA CLÁUDIA CATHERINE MAFRA BEZERRA INÊ NASCIMENTO TAVEIRA JORGE LUIZ MAIA CARNEIRO LENITA BARBOSA DE MORAES

CELSO ISAO KUBATAMAIA CLÁUDIA CATHERINE MAFRA BEZERRA INÊ NASCIMENTO TAVEIRA JORGE LUIZ MAIA CARNEIRO LENITA BARBOSA DE MORAES CELSO ISAO KUBATAMAIA CLÁUDIA CATHERINE MAFRA BEZERRA INÊ NASCIMENTO TAVEIRA JORGE LUIZ MAIA CARNEIRO LENITA BARBOSA DE MORAES MANUEL JOSÉ PEREIRA SOUZA NÁDIA MARIA SOARES BEZERRA REGINA CÉLIA SILVA LEMOS

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES ROTERO Fabricação de Águas Envasadas 1. DETFCAÇÃO FORMAÇÃO DE DETFCAÇÃO Demanda/Processo: Razão Social: ome Fantasia: nscrição Estadual/Municipal: Atividade (CAE): ( ) 1121-6/00-00 - Fabricação de águas

Leia mais

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002

ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 http://wwwanvisagovbr/legis/resol/2002/275_02rdchtm ANVISA Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002 DOU de 23/10/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados

Leia mais

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos;

considerando que a Lista de Verificação restringe-se especificamente às Boas Práticas de Fabricação de Alimentos; RESOLUÇÃO - RDC Nº 275, DE 21 DE OUTUBRO DE 2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores de Alimentos

Leia mais

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999

atos relacionados: Lei nº 6437, de 20 de agosto de 1977 revoga: item 7.1 da Portaria nº 379, de 26 de abril de 1999 título: Resolução RDC nº 267, de 25 de setembro de 2003 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Industrializadores de Gelados Comestíveis e a Lista

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 REGULAMENTO TÉCNICO DE BOAS PRÁTICAS PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO RESOLUÇÃO - RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 352, de 23 de dezembro de 2002. Publicada no D.O.U de 08/01/2003

Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 352, de 23 de dezembro de 2002. Publicada no D.O.U de 08/01/2003 Resolução da Diretoria Colegiada RDC nº 352, de 23 de dezembro de 2002. Publicada no D.O.U de 08/01/2003 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas de Fabricação para Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010

PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 PORTARIA CVS Nº 02, de 11/01/2010 Dispõe sobre Regulamento Técnico que estabelece requisitos sanitários para estabelecimentos destinados a eventos esportivos. A Diretora Técnica do Centro de Vigilância

Leia mais

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC

Enquadramento legal Item 4.5.1 da RDC ANVISA Nº 216/04. N Recipientes para coleta de resíduos Item 4.5.2 da RDC AEXO ROTERO PARA FSCALZAÇÃO/SPEÇÃO SATÁRA, E AUTOSPEÇÃO EM MMERCADOS, MERCADOS, SUPERMERCADOS, HPERMERCADOS E AFS. 1. DADOS DO ESTABELECMETO. RAZÃO SOCAL: OME FATASA: CPJ: EDEREÇO: TELEFOE: REPRESETATE

Leia mais

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Resolução - RDC nº 275, de 21 de outubro de 2002(*) Republicada no D.O.U de 06/11/2002 Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Procedimentos Operacionais Padronizados aplicados aos Estabelecimentos Produtores/Industrializadores

Leia mais

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação.

RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. RESOLUÇÃO-RDC N 216, DE 15 DE SETEMBRO DE 2004 Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA FÁBRICAS DE CONSERVAS DE OVOS SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES.

ROTEIRO PARA SALÕES DE BELEZAS, INSTITUTO DE BELEZA, ESTETICA, BARBEARIAS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE MEDICAMENTOS -

ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE MEDICAMENTOS - SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE - RS NVES/DVS/CEVS ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS - INDÚSTRIAS DE MEDICAMENTOS - 1. LEGISLAÇÃO SANITÁRIA ESPECÍFICA Lei Federal nº 6.360/76; Reg. Sanitário

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE

ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE ANEXO IV LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 119 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE HIGIENE 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES.

ROTEIRO DE INSPEÇÃO CRECHES, BERÇÁRIOS E SIMILARES. SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente;

Considerando que o trânsito de alimentos em condições seguras pressupõe a preservação da saúde e do meio ambiente; Pag. 1 de 9 Portaria 069-R, de 26/09/2007. Dispõe sobre a documentação e requisitos básicos necessários para concessão de Licença Sanitária para Veículos Automotivos utilizados para o Transporte de Alimentos

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM CLUBES E PISCINAS SUPERINTEDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE GERENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE AMBIENTAL E SAÚDE DO TRABALHADOR COORDERNAÇÃO DE FISCALIZAÇÃO DE AMBIENTES E SAÚDE DO TRABALHADOR Av. Anhanguera, nº 5.195 Setor Coimbra

Leia mais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais

PAC 01. Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 1 de 8 PAC 01 Manutenção das Instalações e Equipamentos Industriais PAC 01 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015

AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 24, DE 8 DE JUNHO DE 2015 Dispõe sobre o recolhimento de alimentos e sua comunicação à Anvisa e aos consumidores. A Diretoria Colegiada

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente Substituto, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 41, de 26 de julho de 2006. D.O.U de 28/07/2006 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

NORMA MUNICIPAL Nº. 054

NORMA MUNICIPAL Nº. 054 NORMA MUNICIPAL Nº. 054 Portaria Nº.054. de 05 de julho de 2001 Norma de Armazenamento Externo de Contêineres de Resíduos Sólidos ORIGEM: Gestão Diferenciada de Resíduos Sólidos PALAVRA CHAVE: Resíduos

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES TE Conservação e Limpeza. 1. DETFCÇ FÇ DE DETFCÇ Demanda/Processo: azão Social: ome Fantasia: nscrição Estadual/unicipal: tividade (CE): ( ) 8121-4/00-0 - Limpeza de prédios e em domicílio CPJ/CPF: Endereço:

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 173, DE 13 DE SETEMBRO DE 2006.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 173, DE 13 DE SETEMBRO DE 2006. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 173, DE 13 DE SETEMBRO DE 2006. Dispõe sobre o Regulamento Técnico de Boas Práticas para Industrialização e Comercialização de Água Mineral Natural e de Água

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 161, DE 23 DE JUNHO DE 2004

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 161, DE 23 DE JUNHO DE 2004 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 161, DE 23 DE JUNHO DE 2004 DOU de 24/06/2004 (nº 120, Seção 1, pág. 83) Proíbe a instalação de novas máquinas

Leia mais

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP

PAC 07. Controle Integrado de Pragas CIP Página 1 de 10 Controle Integrado de Pragas CIP Página 2 de 10 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS

PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS PROCEDIMENTOS E CRITÉRIOS TÉCNICOS PARA O LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE DEPÓSITOS DE EMBALAGENS VAZIAS DE AGROTÓXICOS Serviço Agro-Silvo-Pastoril SEASP/DECONT OUTUBRO/2003 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 1.1 Objetivo

Leia mais

REQUISITOS BÁSICOS OBSERVADOS EM PROJETOS DE CONSTRUÇÃO, REFORMA E AMPLIAÇÃO DE INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS, PRODUTOS DE HIGIENE E PRODUTOS PARA A SAÚDE

REQUISITOS BÁSICOS OBSERVADOS EM PROJETOS DE CONSTRUÇÃO, REFORMA E AMPLIAÇÃO DE INDÚSTRIA DE COSMÉTICOS, PRODUTOS DE HIGIENE E PRODUTOS PARA A SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE Gerência de Vigilância Sanitária de Produtos Coordenação de Fiscalização de Cosméticos, Saneantes e Correlatos Av. Anhanguera, Nº 5195, St. Coimbra Goiânia GO, CEP

Leia mais

Consulta Pública nº 02, de 24 de janeiro de 2012

Consulta Pública nº 02, de 24 de janeiro de 2012 Consulta Pública nº 02, de 24 de janeiro de 2012 O Secretário Municipal de Saúde, no uso das atribuições adota a seguinte Consulta Pública e determina a sua publicação: Art. 1º Fica aberto, a contar da

Leia mais

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015

NOTA TÉCNICA SPEIS/VISA nº 02/2015 Prefeitura Municipal de Salvador- PMS Secretaria Municipal de Saúde- SMS Diretoria de Vigilância á Saúde- DVIS Subcoordenação de Vigilância Sanitária- VISA Setor de Produtos e Serviços de Interesse á Saúde-

Leia mais

PORTARIA Nº 199/2012*

PORTARIA Nº 199/2012* PORTARIA Nº 199/2012* Dispõe sobre a documentação necessária para abertura de processos administrativos da área de vigilância sanitária de alimentos O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições

Leia mais

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

revoga: Resolução nº 14 de junho de 1978 Resolução nº 15 de abril de 1978 RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 268, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 268, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA PRODUTOS PROTÉICOS DE ORIGEM VEGETAL". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder

Leia mais

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE

PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE PORTARIA SVS/MS Nº 326, DE 30 DE JULHO DE 1997 A Secretaria de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições legais e considerando: a necessidade do constante aperfeiçoamento

Leia mais

PORTARIA Nº 500 DE 2010

PORTARIA Nº 500 DE 2010 PORTARIA Nº 500 DE 2010 Regulamento técnico para Processamento de artigos por método físico em estabelecimentos sujeitos à Vigilância Sanitária no RS A SECRETÁRIA DA SAÚDE DO RIO GRANDE DO SUL, no uso

Leia mais

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições:

Art. 3º Para efeito deste Regulamento são adotadas as seguintes definições: Portaria SES-RS nº 767 DE 13/08/2015 Norma Estadual - Rio Grande do Sul Publicado no DOE em 26 ago 2015 Aprova os critérios e procedimentos para o recolhimento de alimentos, inclusive in natura, bebidas

Leia mais

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários.

Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Em Distribuidora de Medicamentos, Correlatos, Cosméticos e Saneantes Domissanitários. Nº PROCESSO REQUERIMENTO RAZÃO SOCIAL IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO NOME DE FANTASIA NÚMERO DO CNPJ NÚMERO ÚLTIMO

Leia mais

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA)

(HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) ANEXO I Solicitação de Autorização de Funcionamento de Empresas Distribuidoras de Produtos Farmacêuticos (HOJE É FEITO POR PETICIONAMENTO ELETRÔNICO NO SITE DA ANVISA) A empresa interessada em desenvolver

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 345, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre produtos que contenham substâncias inalantes.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 345, DE 15 DE DEZEMBRO DE 2005 Dispõe sobre produtos que contenham substâncias inalantes. título: Resolução RDC nº 345, de 15 de dezembro de 2005 ementa: Dispõe sobre produtos que contenham substâncias inalantes. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo, de 19 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre os procedimentos administrativos para concessão da Certificação de

Leia mais

Ficha Técnica de Fiscalização

Ficha Técnica de Fiscalização FTF: 64//07 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Nome/Designação Social: Morada: IDENTIFICAÇÃO DA BRIGADA Brigada: Direcção Regional: Data de Controlo: / / Hora: h m LEGISLAÇÃO APLICÁVEL: Licenciamento: o

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA

MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC Nº 39, DE 14 DE AGOSTO DE 2013 DOU de 15/08/2013 [Página 50] Dispõe sobre os procedimentos administrativos

Leia mais

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DE DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 264, DE 22 DE SETEMBRO DE 2005. título: Resolução RDC nº 264, de 22 de setembro de 2005 ementa não oficial: Aprova o "REGULAMENTO TÉCNICO PARA CHOCOLATE E PRODUTOS DE CACAU". publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União; Poder Executivo,

Leia mais

ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições legais e,

ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições legais e, ATOS DO SECRETÁRIO RESOLUÇÃO SMG N Nº 669 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2003 ESTABELECE O NOVO REGULAMENTO DE PISCINAS DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO O SECRETÁRIO MUNICIPAL DE GOVERNO, no uso de suas atribuições

Leia mais

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

ROTEIRO PARA CLASSIFICAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ROTERO PARA CLASSFCAÇÃO DE AÇOUGUES 2015 DETFCAÇÃO DO ESTABELECMETO Razão Social: ome Fantasia: Endereço Completo (Rua, º, Bairro): CPJ: Licença de Localização: nscrição Municipal: Alvará Sanitário: Proprietário(s)

Leia mais

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO

FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO FORMULÁRIO DE AUTO-INSPEÇÃO PARA SERVIÇOS DE ALIMENTAÇÃO Neste formulário estão as exigências mínimas para a instalação e funcionamento de uma Cozinha Industrial. Devem ser observados demais critérios

Leia mais

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 2.647, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 2.647, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014 PORTARIA INTERMINISTERIAL Nº 2.647, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2014 Regulamenta as condições de isolamento, ventilação e exaustão do ar e medidas de proteção ao trabalhador, em relação à exposição ao fumo nos

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005.

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº. 249, DE 13 DE SETEMBRO DE 2005. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o art. 11, inciso IV,

Leia mais

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO NR-24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) DADOS DA INSPEÇÃO Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências

Leia mais

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE

ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE 1 ESTRUTURA FÍSICA DA ÁREA DE PRODUÇÃO DE UMA UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO (UAN) LOCALIZADA EM FORTALEZA-CE RESUMO Karla Braga Lobo Liberato 1 Maria Consuelo Landim 2 Eveline de Alencar Costa 3 A

Leia mais

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos

Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Boas Práticas para Estocagem de Medicamentos Manual Elaborado por PEDRO PAULO TRIGO VALERY Considerações Gerais Estocar e administrar um almoxarifado de medicamentos não é como estocar alimentos apesar

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE FONOAUDIOLOGIA

ROTEIRO DE INSPEÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE FONOAUDIOLOGIA ROTEIRO DE INSPEÇÃO DOS ESTABELECIMENTOS DE FONOAUDIOLOGIA 1 CONDIÇÕES DE ESTRUTURA FÍSICA R 1.1 Sala de recepção/espera (área aprox. 1.20m² por pessoa) em condições para que os pacientes aguardem sentados

Leia mais

Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014.

Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014. Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

Art. 2 o É proibido residir na área delimitada industrial do estabelecimento.

Art. 2 o É proibido residir na área delimitada industrial do estabelecimento. NORMA TÉCNICA PARA A CONSTRUÇÃO DE ESTABELECIMENTOS PARA LEITE E DERIVADOS Art. 1 o Os estabelecimentos de leite e derivados devem estar instalados: I distantes pelo menos 500 (quinhentos) metros de estábulos,

Leia mais

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000

DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 DECRETO Nº 18.480 DE 21 DE FEVEREIRO DE 2000 Regulamenta a Lei nº 16.478/99, publicada no Diário Oficial da Cidade do Recife em 23.02.99 CAPÍTULO I OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Art. 1º Estas normas têm

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA ESTABELECIMENTOS DE OVOS E DERIVADOS

NORMA TÉCNICA PARA ESTABELECIMENTOS DE OVOS E DERIVADOS NORMA TÉCNICA PARA ESTABELECIMENTOS DE OVOS E DERIVADOS. GRANJA AVÍCOLA. INDÚSTRIA. ENTREPOSTO I - Os estabelecimentos de ovos e derivados devem estar instalados: 1- distantes de criações (estábulos, pocilgas,

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor-Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 71, de 4 de novembro de 2009. D.O.U de 10/11/2009 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANO

DIRCEU BRÁS APARECIDO BARBANO Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública n 06, de 27 de fevereiro de 2014 D.O.U DE 28/02/2014 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Consulta Pública nº 21/2013. Recolhimento de. Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos. Brasília, 3 de abril de 2014.

Consulta Pública nº 21/2013. Recolhimento de. Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos. Brasília, 3 de abril de 2014. Consulta Pública nº 21/2013 Recolhimento de Suzany Portal S. Moraes Gerência Geral de Alimentos Brasília, 3 de abril de 2014. Consulta Pública nº. 21/2013 Prazo para envio das contribuições: encerrado

Leia mais

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA:

FISPQ (FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS.) DETERGENTE EUCALIPTO GEL 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: 1.1 Nome Comercial: Detergente Eucalipto Gel Maranso 1.2 Código de Venda:004 1.3 Nome do Fabricante: QOB MATERIAIS DOMISSANEANTES LTDA EPP Rua Ministro Joaquim

Leia mais

DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO

DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO DOCUMENTOS NECESSARIOS PARA REQUERER ALVARÁ SANITÁRIO PESSOA JURIDICA. Cópia CNPJ; Nº Inscrição estadual; Nº telefone; Comprovante de endereço; Cópia RG e CPF resp. Legal; Cópia RG e CPF resp. Técnico;

Leia mais

Simpósio: Conjugando saberes e competências do Nutricionista 24 e 25/11/09 Centro Universitário São Camilo

Simpósio: Conjugando saberes e competências do Nutricionista 24 e 25/11/09 Centro Universitário São Camilo Simpósio: Conjugando saberes e competências do Nutricionista 24 e 25/11/09 Centro Universitário São Camilo Mesa Redonda: Interface entre os Sistemas de Gestão da Qualidade e a Segurança dos Alimentos Palestra:

Leia mais

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625

Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 Instrução Técnica nº 25/2011 - Segurança contra incêndio para líquidos combustíveis e inflamáveis - Parte 3 Armazenamento... 625 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO

Leia mais

http://doweb.rio.rj.gov.br/imprimir.htm?id=305287&edi_id=2960 1/5

http://doweb.rio.rj.gov.br/imprimir.htm?id=305287&edi_id=2960 1/5 Data de publicação: 14/12/2015 Matéria nº : 305287 Diário Oficial nº : 184 RESOLUÇÃO SMAC Nº 606 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2015 Estabelece parâmetros ambientais para a implantação e o funcionamento de Subestações

Leia mais

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais;

Considerando que o descarte de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo para o solo ou cursos de água gera graves danos ambientais; RESOLUÇÃO N 037/2009 - SEMA Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O Secretário de Estado do Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010.

DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. DECRETO Nº. 9.229 DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Aprova Norma Técnica Especial que regulamenta o funcionamento dos serviços de estética e embelezamento sem responsabilidade médica no Município do Natal. A PREFEITA

Leia mais

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde

Aspectos de Arquitetura em Projetos de Estabelecimentos Assistenciais de Saúde NR 15 NR 24 NR 26 NR 07 PCMSO CENEN PPR NR 09 PPRA ANVISA SERVIÇOS DE SAÚDE NR 32 2 Local de Trabalho para aplicação da NR 32: SERVIÇOS DE SAÚDE Definição: Qualquer edificação destinada à prestação de

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA INDAIATUBA/SP GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS (MBP) E PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PADRONIZADOS (POPs) PARA

Leia mais

Art. 2º As empresas têm o prazo de 180(cento e oitenta) dias, a contar da data da publicação desta Resolução, para se adequarem ao mesmo.

Art. 2º As empresas têm o prazo de 180(cento e oitenta) dias, a contar da data da publicação desta Resolução, para se adequarem ao mesmo. Resolução - RDC nº 54, de 15 de junho de 2000 (Revogada pela Resolução RDC nº 274, de 22 de setembro de 2005) Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Água Mineral Natural

Leia mais

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA- RDC Nº 43, de 01, de setembro de 2015 DOU 168, de 02 de setembro de 2015

RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA- RDC Nº 43, de 01, de setembro de 2015 DOU 168, de 02 de setembro de 2015 RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA- RDC Nº 43, de 01, de setembro de 2015 DOU 168, de 02 de setembro de 2015 Dispõe sobre a prestação de serviços de alimentação em eventos de massa. A Diretoria Colegiada

Leia mais

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997

LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 LEI Nº 11.427 DE 17 DE JANEIRO DE 1997 Dispõe sobre a conservação e a proteção das águas subterrâneas no Estado de Pernambuco e dá outras providências Capítulo I - Da conservação e proteção das águas subterrâneas

Leia mais

I - alimento embalado: é todo alimento contido em uma embalagem pronta para ser oferecida ao consumidor;

I - alimento embalado: é todo alimento contido em uma embalagem pronta para ser oferecida ao consumidor; MINISTÉRIO DA SAÚDE AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA DIRETORIA COLEGIADA RESOLUÇÃO - RDC N 14, DE 28 DE MARÇO DE 2014 Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos

Leia mais

RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009

RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009 RESOLUÇÃO SESA nº 204/2009 Dispõe sobre as condições para instalação e funcionamento dos Estabelecimentos de Podologia. O SECRETÁRIO DE ESTADO DA SAÚDE DO PARANÁ, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO

NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO NORMA TÉCNICA PARA FUNCIONAMENTO DE EMPRESAS DE DESINSETIZAÇÃO E DESRATIZAÇÃO Portaria nº 0021/SES 04/01/1996 Dispõe sobre normas e técnicas para funcionamento de empresas de Desinsetização e Desratização.

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 26 de julho de 1999 Resolução Nº 329, de 22 de julho de 1999 Institui o Roteiro de Inspeção para transportadoras

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2005.

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2005. ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 343, DE 13 DE DEZEMBRO

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS

LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS ANEXO II LISTA DE VERIFICAÇÃO DAS BOAS PRATICAS DE FABRICAÇÃO PARA ESTABELECIMENTOS PRODUTOS/INDUSTRIALIZADORES DE FRUTAS E OU HORTALIÇAS EM CONSERVAS NUMERO: /ANO A- IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 1- RAZÃO

Leia mais

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov.

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA 08 de abril de 05 Orientações à população para uso da Água Diante da atual situação de desabastecimento

Leia mais

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores

PAC 09. Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 1 de 11 Higiene, Hábitos higiênicos e Saúde dos Colaboradores Página 2 de 11 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Regional do Norte ou Queijo Tropical de Uso Industrial, conforme anexo.

Art. 1º Aprovar o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Queijo Regional do Norte ou Queijo Tropical de Uso Industrial, conforme anexo. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 24, DE 4 DE ABRIL DE 2002 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação:

adota a seguinte Consulta Pública e eu, Diretor Presidente, determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 75, de 23 de dezembro de 2008. D.O.U de 24 /12/08 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, no uso

Leia mais

Organização e Controle ABIC. Operação. Programa da Qualidade do Café ABIC Passo a Passo PARTES ENVOLVIDAS

Organização e Controle ABIC. Operação. Programa da Qualidade do Café ABIC Passo a Passo PARTES ENVOLVIDAS 1. O que é? O Selo da Qualidade ABIC é uma evolução em relação ao Selo de Pureza, lançado há mais de 15 anos e está inserido dentro das diretrizes da ABIC de aumento do consumo interno de café no Brasil.

Leia mais

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar

Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção. Lavador de Ar Manual Técnico de Instalação, Operação e Manutenção ISO 9001:2008 VENTEC AMBIENTAL EQUIPAMENTOS E INSTALAÇÕES LTDA Rua André Adolfo Ferrari, nº 550 - Distrito Industrial Nova Era - Indaiatuba - São Paulo

Leia mais

WebSite da Vigilância Sanitária

WebSite da Vigilância Sanitária Página 1 de 5 SERVIÇOS MAIS ACESSADOS: Selecione um Serviço Página Principal Quem somos Regularize sua Empresa Roteiros Denúncias e Reclamações Vigilância e Fiscalização Sanitária em Indústrias de Alimentos

Leia mais

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS IT - 32 SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo - Figuras, separações e afastamentos entre equipamentos e edificações. 2 Aplicação 3 Referências normativas e bibliográficas 4 Definições 5 Procedimentos

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS

DISTRIBUIDORA DE COSMÉTICOS 1. Identificação do Estabelecimento Razão Social: Nome Fantasia: CNPJ: Endereço: Bairro: Município: CEP: Fone: Fax: E-mail: Responsável Legal: CPF: Responsável Técnico: CPF: CR : 2. Inspeção Data: Objetivo:

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS

PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES INICIAIS PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 001/2010 Estabelece normas e procedimentos para aquisição de serviços e recebimento, controle, guarda e distribuição de materiais permanentes e de consumo no âmbito do Poder Legislativo

Leia mais

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006

PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 PORTARIA ESTADUAL SES/RS Nº 542/06 D.O.E. 19 de outubro de 2006 Aprova a Lista de Verificação em Boas Práticas para Serviços de Alimentação, aprova Normas para Cursos de Capacitação em Boas Práticas para

Leia mais

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná

Apresentaçã. ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012. Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril de 2013 Curitiba - Paraná Ministério da Saúde/ Diretoria de Coordenação e Articulação do Sistema Nacional - DSNVS Apresentaçã ção o da RDC nº n 11 de 16 de fevereiro de 2012 Gerência Geral de Laboratórios de Saúde Pública abril

Leia mais

Resolução RDC nº 91, de 11 de maio de 2001(*)

Resolução RDC nº 91, de 11 de maio de 2001(*) SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE EM ALIMENTOS E BEBIDAS Resolução RDC nº 91, de 11 de maio de 2001(*) Republicada no D.O.U. de 13/6/2001 A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Leia mais

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre

Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Manual de Orientação e Organização sobre a Educação Infantil em Porto Alegre Secretaria Municipal de Educação Prefeitura de Porto Alegre Novembro de 2003 Recomendável para pais, diretores de escolas/instituições

Leia mais

RESOLUÇÃO - RDC Nº 55, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009

RESOLUÇÃO - RDC Nº 55, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 DOU Nº 217, de 13/11/2009 Seção 1 RESOLUÇÃO - RDC Nº 55, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre Regulamento Técnico para Produtos Saneantes Categorizados como Água Sanitária e Alvejantes à Base de Hipoclorito

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM SECRETARIA MUNICIPAL DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS ANEXO 09 DIRETRIZES AMBIENTAIS MÍNIMAS 1 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. Adequação às Normas e Legislações Vigentes... 3 3. Definições de Obrigações e Responsabilidades... 3 4. Diretrizes Mínimas Exigidas...

Leia mais

CHECK LIST ABMAPRO - Não Alimentar Descrição

CHECK LIST ABMAPRO - Não Alimentar Descrição 1. SISTEMA DA QUALIDADE 1.1.1 Existe uma declaração da Política da Qualidade claramente definida, documentada e aprovada? 1.1 Política da qualidade 1 1 X X Verificar a existência de Política Documentada

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE 1. DO RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS 1.1 Cada escola é responsável pela guarda, controle,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 4, DE 30 DE JANEIRO DE 2014 Dispõe sobre os requisitos técnicos para a regularização de produtos de higiene pessoal, cosméticos

Leia mais

Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011

Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011 Resolução DC/ANVISA nº 45, de 19.09.2011 - DOU de 21.09.2011 Dispõe sobre o regulamento técnico para fórmulas infantis para lactentes destinadas a necessidades dietoterápicas específicas e fórmulas infantis

Leia mais