FÓRUM GLOBAL DE DIREITO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO GERANDO SOLUÇÕES INOVADORAS NA ESFERA LEGAL PARA DESAFIOS DE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FÓRUM GLOBAL DE DIREITO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO GERANDO SOLUÇÕES INOVADORAS NA ESFERA LEGAL PARA DESAFIOS DE"

Transcrição

1 FÓRUM GLOBAL DE DIREITO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO GERANDO SOLUÇÕES INOVADORAS NA ESFERA LEGAL PARA DESAFIOS DE DESENVOLVIMENTO August

2 Índice Fundamentação Objetivos Estrutura Fórum Permanente Direcionado para Resultados o Abordagem o Processo o Produção de Conhecimento o Disseminação do Conhecimento o Resultados Esperados o Organização o Instrumentos o Lista Indicativa de Tópicos o Sustentabilidade a Longo Prazo e Contribuições dos Parceiros Plataforma de Conhecimento TIC o Repositório o Opiniões de Usuários e Classificação de Provas e de Conhecimento o Comunidades de Prática o Oportunidades de Educação e Formação o Colaboração Continuada e Interação entre os Membros Benefícios aos Parceiros Governança Interina Prazo Estimado e Próximos Passos Fale Conosco Quadro de Plataforma TIC 2

3 Fundamentação Instituições legais e judiciais eficazes são um pilar importante no fomento do desenvolvimento económico e social. 1 No nosso mundo cada vez mais interligado existe, entretanto, uma necessidade de um fórum permanente de intercâmbio de conhecimento dentro da comunidade internacional. Na medida em que os avanços tecnológicos atuais estão proporcionando novas oportunidades para conectar especialistas e outros atores ao redor do mundo, facilitando a identificação, a cogeração, o compartilhamento e disseminação de conhecimento e de um estado de direito eficaz que respeita os direitos de propriedade e o acesso a justiça são fundamentais para o desenvolvimento sustentável. Robert B. Zoellick, 3 de Novembro 2010 soluções relevantes e disponibilizando estes como bens públicos complementares aos recursos financeiros para o desenvolvimento, a Vice Presidência do Banco Mundial (LEGVP) acredita que a lacuna na comunidade internacional por um fórum legal permanente pode ser preenchida através do aproveitamento destas novas tecnologias. A construção de uma plataforma tecnológica virtual TIC permitirá que o Fórum Global de Direito, da Justiça e Desenvolvimento (o Fórum) aproveite do vasto do repositório de conhecimento em Direito, justiça e desenvolvimento do Banco Mundial e alavanque seu poder de convocação para atrair contribuições de líderes em desenvolvimento e de acadêmicos. Objetivos O Fórum ajudará na identificação, discussão e produção de soluções legais inovadoras e customizadas aos desafios do desenvolvimento em nível global, regional ou nacional. O Fórum destina se a: (1) promover uma melhor compreensão do papel do Direito e da justiça no processo de desenvolvimento, através de diálogos estruturados dos atores relevantes Sul Sul e Norte Sul 2 e uma agenda de pesquisa para fomentar a co geração de conhecimento, incluindo acadêmicos e grupos de reflexão (think tanks), e (2) fortalecer e melhor integrar as instituições legais e judiciais no processo de desenvolvimento, através de iniciativas seleccionadas de capacitação e de um repositório aberto de conhecimento. Estrutura O Fórum se baseia em dois pilares que se reforçam mutuamente: (1) um fórum permanente; e (2) uma plataforma virtual TIC, desenhada e administrada pelo Instituto Burton Blatt (BBI) da Universidade de Syracuse (SU). O Fórum se baseia em redes informais existentes e parcerias em áreas temáticas específicas, fortalecidas e formalizadas através de Memorandos de Entendimento, que apoiarão financeiramente os grupos temáticos, a fim de implementar seus planos de trabalho. 1 O sucesso da modernização industrial numa economia também requer novos tipos de infraestruturas financeira, legal e outras infraestruturas soft (ou intangíveis) e hard (ou tangíveis) para facilitar a produção e as transacções do Mercado, as quais permitam a economia a alcançar seu limites de produção. The Growth Report and New Structural Economics, por Justice Yifu Lin and Célestin Monga, Banco Mundial, Junho Isto inclui os parceiros de desenvolvimento internacionais, nacionais e locais, a academia e a sociedade civil. 3

4 O Fórum inclui três amplos grupos que são parte da dimensão legal do desenvolvimento internacional: (1) um núcleo, composto por participantes do Grupo Banco Mundial (Regiões do Banco Mundial, Redes Profissionais; a Corporação Financeira Internacional (ou IFC, sigla em inglês), a Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (ou MIGA, sigla em inglês) e o Centro Internacional de Solução de Controvérsias sobre Investimentos (ou ICSID, sigla em inglês), (2) um grupo de organizações internacionais e regionais, tais como as IFIs, organizações universais e regionais, e (3) um grupo de atores nacionais, tais como autoridades governamentais, universidades, grupos de reflexão e membros da sociedade civil, entre outros. Fórum Permanente Direcionado para Resultados Com base no sucesso do Fórum de Direito, Justiça e Desenvolvimento do Banco Mundial em 2010, e levando em conta o retorno recebido de e as discussões com parceiros internos e externos, a LEGVP propõe o estabelecimento de um fórum permanente para a criação, co geração, o intercâmbio de experiências e disseminação de soluções jurídicas inovadoras para o desenvolvimento. Este Fórum pretende ser um mecanismo de colaboração tanto Sul Sul, bem como Norte Sul, o qual apoiará a agenda global do conhecimento para o desenvolvimento. O Fórum estará em consonância com uma abordagem "Open Data, Open Knowledge, Open Solutions (Dados Abertos, Conhecimento Aberto, Soluções Abertas), a qual alavancará o trabalho do Grupo Banco Mundial como um todo (Regiões do Banco Mundial e Redes Profissionais, IFC, MIGA, ICSID), considerando as dimensões legais dos desafios ao desenvolvimento. ABORDAGEM: O Fórum irá adotar uma abordagem multidisciplinar, combinando aspectos económicos, jurídicos e técnicos dos temas identificados. A agenda irá abordar questões internacionais, regionais e específicas do país, bem como questões institucionais. PROCESSO: A identificação e priorização das questões será realizada através de um processo participativo baseado em ampla consulta com parceiros e os países cliente. A co geração de conhecimento e de soluções legais resultarão de um processo colaborativo entre os parceiros, utilizando uma análise metodológica rigorosa e sujeita à uma avaliação de impacto. Indonésia Campanha de conscientização legal para mulheres PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO: O Fórum vai incentivar a co geração de soluções legais inovadoras para questões de desenvolvimento através de estudos e pesquisas, pesquisa ação 3, diretrizes, modelos ou padrões e capacitação. DISSEMINAÇÃO DO CONHECIMENTO: Acesso Livre à Publicação é uma das características desta iniciativa. A autoria intelectual original será atribuída ao autor, enquanto os conhecimentos serão livremente acessíveis através do modelo de Acesso Livre à Publicação. Mais especificamente, as informações serão compartilhadas online de forma imediata, de livre acesso (gratuito) e de uso livre (sem restrições de reuso, salvo à atribuição da autoria) e serão disponibilizadas em formatos alternativos, para locais que têm baixa conectividade ou não tem acesso ao internet. 3 Pesquisa-acção é uma metodologia que e coletiva, colaborativa, auto-reflexiva, e crítica. A pesquisa-acção é feito pelos participantes do estudo. McCutcheon, G. & Jung, B. (1990). 4

5 RESULTADOS ESPERADOS: Contribuir para a ampliação de soluções bem sucedidas relacionadas ao Direito e justiça para o desenvolvimento, através da geração de soluções inovadores e customizadas; melhor integração de considerações sobre Direito e justiça no processo de desenvolvimento para aumentar sua eficácia; melhor compartilhamento de soluções legais para os desafios do desenvolvimento entre profissionais de desenvolvimento ao redor do mundo; e melhor utilização das instituições académicas e de pesquisa na procura de soluções para desafios de desenvolvimento. ORGANIZAÇÃO: O Fórum é organizado por áreas temáticas, onde os parceiros estão agrupados com base nas suas respectivas áreas de excelência. Os parceiros serão encorajados a assumir papéis de liderança, dependendo da área de excelência da sua organização. Cada grupo temático irá estabelecer sua própria agenda e composição do grupo. INSTRUMENTOS: A expectativa é de que cada grupo de parceiros colabore Quênia: Entrevista com uma comunidade sobre direitos alfandegários através de Comunidades de Prática (CdP), usando blogs, fóruns de discussão, multimídias para resolução colaborativa de problemas e networking profissional. Uma sub com ferramentas inteligentes habilidades na rede para a criação e troca de conhecimento será plataforma utilizada. LISTA INDICATIVA DE TÓPICOS: A identificação e priorização dos tópicos será determinada através de consultas com parceiros e países clientes (demand driven). Os tópicos e atividades serão estruturados num plano anual de trabalho a ser acordado pelos parceiros. Segue abaixo exemplos de tópicos possíveis, baseados em consultas preliminares: Questões globais emergentes/novas: Mudanças climáticas, agenda para o desenvolvimento edireito Internacional Sistema jurídico internacional: reconstruindo a arquitetura internacional legal diálogo com o Conselho Davos da Agenda Global sobre o Sistema Jurídico Internacional Regulação do setor financeiro em Países de Renda Média, após a crise Medindo o Estado de Direito: como desenvolver indicadores úteis e imparciais de justiça, o Estado de Direito e governança para o desenvolvimento Regimes regulatórios para o pagamento de serviços ambientais Como lidar com a fraude e corrupção em projetos internacionais de desenvolvimento Resposta à crise financeira mundial através de reformas legais e regulatórias em níveis nacional e internacional Propriedade intelectual e desenvolvimento Timor-Leste: Arrozal em disputa Direito Fundiário e reassentamento involuntário Direito Marítimo: a protecção e utilização sustentável dos oceanos Justiça penal e desenvolvimento Gênero e desenvolvimento Parceria Público Privada: contratos, leis e regulamentos Questões regionais/nacionais Ásia: (por exemplo, desenvolvimento, o Estado de Direito na Ásia: estudo de caso sobre a China) 5

6 África: questões legais de desenvolvimento de fronteiras em países de renda média e de baixa rend a, bem como em Estados frágeis Europa: Desafios do Direito e de desenvolvimento em economias em transição (por exemplo, o ambiente empresarial e a reforma da justiça penal em alguns países do Leste da Ásia e da Ásia Central) América Latina e Caribe: (por exemplo, Crime, violência e desenvolvimento na região, estudos de caso do México/Colômbia) Lidando com o surgimento de um novo Estado (por exemplo, Sudão do Sul) e o Estado falido (por exemplo, Somália) Insolvência e regimes creditórios e de débitos Governança e Anti Corrupção (GAC) Questões Internacionais Responsabilidade e legitimidade na governança e nas operações de IFIs Respostas internacionais a emergências e crises: instrumentos jurídicos e de política das IFI (lições do Haiti, Afeganistão, Iraque) Reconstruindo instituições legais e judiciais em estados afetados por conflito e estados frágeis: metodologias e melhores práticas Acesso à informação: abertura e responsabilidade O desempenho da justice penal Métodos e ferramentas para avaliação do impacto de qualidade no setor judiciário Quênia: Conselhos legais pro-bono Gestão dos recursos naturais e a resolução de conflitos Salvaguardas sociais e ambientais nas IFI e na lei nacional O Estado de Direito, ética e governança corporativa nas finanças internacionais: a modernizando a governança das IFIs SUSTENTABILIDADE A LONGO PRAZO E CONTRIBUIÇÕES DOS PARCEIROS: A sustentabilidade da iniciativa é baseada em um menu de opções que inclui: (1) contribuições em espécie" (in kind) de parceiros intelectuais; (2) contribuições financeiras de parceiros financeiros, patrocinadores e apoiadores, e (3) combinações de apoio em espécie e financeiro. Esperamos que essa iniciativa alavanque cerca de US$50 milhões dentro de um período de dez anos (incluindo US$20 milhões para projectos piloto em países em desenvolvimento). A fim de incentivar parcerias financeiras do Sul, estabelecemos US$ dólares como valor limite mínimo para a contribuição financeira para os países em desenvolvimento. O compromisso de contribuições em espécie por parte dos parceiros intelectuais vai ajudar no planejamento da agenda (temas identificados através de um amplo processo de consulta entre os parceiros e os países beneficiários). Essas contribuições podem resultar em: O compartilhamento de conhecimentos, contribuindo para a plataforma de tecnologia de informação e comunicação com produtos de conhecimento atuais (por exemplo, estudos, bases de dados, material de formação, etc.) Mobilização do próprio pessoal para a prossecução dos objectivos da parceria, e pagamento de despesas pequenas (out of pocket) Promoção de reuniões de peritos, workshops, e / ou cursos de formação abertos para em conjunto construir capacidade técnica e reforçar a compreensão global, regional e nacional de questões legais Cedência de instalações para reuniões, workshops, conferencias e cursos de formação. Fornecimento de traduções de documentos relevantes na língua nativa para uma divulgação mais ampla nos respectivos países 6

7 Proporcionamento de atualizações em áreas específicas da legislação nacional Participação e financiamento de estudos, pesquisas e publicações Aumento da sua cooperação em questões globais, regionais e nacionais, em conjunto com outras partes interessadas, através do desenvolvimento de uma compreensão compartilhada dos principais desafios ao desenvolvimento e promoção de complementaridades e produtos de conhecimento Apoio às partes interessadas e outros meios que as partes podem vir a acordar Os recursos fornecidos por parceiros financeiros, patrocinadores e apoiadores, visam à sustentabilidade do Fórum a longo prazo, e serão canalizados através de uma doação dedicada a tal fim (Multi Donor Trust Fund MDTF). 4 Plataforma de Conhecimento TIC O Fórum terá como apoio uma Tecnologia da Informação e de Conhecimento virtual (Information and Communication Technology ICT), a qual facilitará as comunicações interna e externa, hospedará o conhecimento relevante (base de dados, pesquisa, documentos, etc.) e proverá acesso fácil e gratuito ao conhecimento relevante para legisladores, parceiros no desenvolvimento e ao público em geral. Perfazem a espinha dorsal do Fórum uma TIC robusta, dinâmica e interativa e uma plataforma de computação em nuvem (cloud computing), para apoiar as interações sincronizadas e dessincronizadas, mecanismos de compartilhamento e distribuição de Indonésia Reunião de comunidade conhecimento ascendentes e descendentes e flexibilidade e acessibilidade integradas para serem adaptadas a múltiplos agentes usuários. Com a utilização de programas de computador e equipamentos de ponta, a Plataforma Aberta para Intercâmbio de Conhecimento terá as seguintes funções: REPOSITÓRIO: A plataforma hospedará um repositório e uma base de dados completa e pesquisável, capaz de arquivar formatos multimídia. O arquivo combinará desde abordagens de conhecimento ascendentes (knowledge pull) 5 e descendentes (knowledge push) 6 a compartilhamento de conhecimento na prática. A abordagem Knowledge push incluirá o compartilhamento de produtos de conhecimento da LEGVP já existentes, bem como a disseminação contínua de publicações seleccionadas e recursos de fontes relevantes de Direito Internacional, políticas e práticas internacionais. A abordagem Knowledge pull incluirá usuários compartilhando suas fontes de informação, experiências e referências para impactar e informar outros criadores de conhecimento. AVALIAÇÃO DOS USUÁRIOS E CLASSIFICAÇÃO DE PROVAS DE CONHECIMENTO: A plataforma irá incorporar 4 Detalhes sobre o MDTF serão fornecidos mediante solicitação prévia. 5 Knowledge Pull é o conhecimento que flui do ato de seleção de atividade para outras atividades de manipulação de conhecimento e é fundamentalmente desencadeada pela solicitação de busca de conhecimento feita por uma pessoa. 6 Knowledge Push é o conhecimento que flui e é desencadeado automaticamente, sem solicitação explícita de qualquer buscador de conhecimento. 7

8 avaliações sobre os produtos de conhecimento, permitindo que os usuários avaliem cada produto de conhecimento em múltiplas escalas, utilizando assim as avaliações dos usuários (crowd sourcing) para fornecer informações sobre a usabilidade, a eficácia, o impacto e efetividade dos produtos de conhecimento compartilhado. Os usuários também podem visualizar essas opiniões do público usuário através da filtragem com base na categoria do usuário (por exemplo, funcionários do Banco Mundial, funcionário do governo, juristas, outros profissionais de desenvolvimento, ONGs). Isso irá promover uma implementação do Fórum ascendente e focada no usuário e de profissionais, legisladores e outras novas intervenções, estratégias e práticas a partir da melhor informação disponível. A plataforma Fórum também será projetada para s usuário), conduzidos por avaliadores externos. Indonésia Conscientização sobre os direitos da mulher e certidões de casamento uportar o monitoramento e a avaliação contínuos e rigorosos (através de especialista em avaliação de COMUNIDADES DE PRÁTICA (CDP): A plataforma proporcionará ferramentas inteligentes de computação em nuvem via web para suportar a criação de conhecimento colaborativo e de documentos, o gerenciamento e o compartilhamento de esforços dentro de várias comunidades de prática formuladas pelo gerenciamento do Fórum. Os espaços CdP dentro da plataforma irão operar como sub plataformas de funcionamento pleno, com características para ligação com outras CdP e promover a polinização cruzada entre as comunidades. OPORTUNIDADES DE FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO: Com webinar integrado, vídeoconferência e outros recursos de tecnologia educacional em tempo real e desincronizadas, a plataforma irá expandir o alcance da Universidade LJD a alunos e profissionais de Direito no mundo todo. A Universidade LJD vai oferecer vários níveis de cursos de educação continuada, treinamentos e seminários em tempo real e através de matérias arquivados para pessoas ao redor do mundo, com diversos recursos de infra estrutura de TIC. A Universidade LJD também apoiará a tutória de alunos e profissionais de Direito em início da carreira jurídica por meio de estratégias testadas, como o uso de vídeos para compartilhar histórias de sucesso e desafios, suporte de vídeo ao vivo para os pares de mentor aprendiz e outros formatos para interação. COLABORAÇÃO CONTINUADA E INTERAÇÃO ENTRE OS MEMBROS: Além dos CdPs, a plataforma proporcionará várias ferramentas para usuários e membros para se comunicar e deliberar sobre assuntos, o qual inclui blogs, fóruns de discussão, ferramentas de networking profissional, compartilhamento de vídeo e acesso a sites de mídias sociais internos e externos. Em colaboração com a LEGVP, a Universidade de Syracuse (SU) irá liderar uma equipe interdisciplinar e interdepartamental de especialistas para fazer avançar a conceituação, o projeto de infra estrutura, a execução e o apoio continuo à plataforma de Intercâmbio Aberto de Conhecimento. Especialistas nas áreas de ciência da computação, tecnologia da informação, direito e política, capacidade jurídica, projeto universal, colaborações virtuais e cyber infraestrutura irão trabalhar em conjunto na criação e manutenção da plataforma. A infra estrutura do sistema será reforçada por um desenho intuitivo e por uma acessibilidade universal, independentemente da tecnologia do usuário (móvel ou PC), das entradas de mídia, do programa de computador ou da tecnologia de apoio. De acordo com os princípios de acessibilidade estabelecidos na Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (CRPD), a plataforma será acessível a pessoas com 8

9 deficiência e grupos vulneráveis. 7 Enquanto a arquitetura e os recursos da plataforma serão principalmente baseados na internet e em nuvem, os usuários sem acesso à internet terão opções para suporte offline. Na qualidade de sócia fundadora do Fórum, a SU irá fornecer programas de assistentes e estágios a alunos regulares de graduação e de pós graduação para manter o banco de dados do Fórum, bem como para trabalhar em tarefas e atividades para outros parceiros do Fórum. Benef ícios aos Parceiros Africa Accesso à terra Em todo o mundo, há esferas isoladas de excelência legal que estão avançando os resultados do desenvolvimento social, cívico e econômico, mas seus avanços não são suficientemente traduzidos ou amplamente disponíveis para replicação. Em particular, especialistas em desenvolvimento legal e pesquisadores não estão atualmente em condições de acessar diretamente e de facilmente avaliar pesquisa, políticas e práticas internacionais. O Fórum visa proporcionar uma solução para este problema. A LEGVP possui uma vasta riqueza de conhecimento sobre questões jurídicas relacionadas ao desenvolvimento. Ela consiste em conhecimentos arquivados desde a criação do Banco Mundial, combinados com o seu curso de atividades legais e uma agenda ambiciosa de conhecimento. Este conhecimento está destinado a ser complementado pela capacidade geradora e compartilhadora de conhecimento externo do Fórum Global Legal. Além disso, espera se que o Fórum forneça um retorno em investimentos enorme e sem precedente, através do fomento da melhoria da capacidade humana pel o compartilhamento de conhecimento, bem como pela participação em grandes redes sociais. Todos os parceiros da Fórum se beneficiarão disso. Como o Fórum conecta bolsões de conhecimento, que se tornam mais facilmente compartilhados, parceiros que participam do compartilhamento de conhecimento, pesquisa ou difusão de componentes do Fórum se beneficiarão da Tradução de Conhecimento Interglobal (Cross Global Knowledge Translation). Isto significa que os usuários terão uma oportunidade sem precedentes de contribuir para e se tornar parceiros de sustentabilidade central e líderes no compartilhamento de conhecimento e na avaliação dos resultados do programa compartilhado. O Fórum beneficia pesquisadores e profissionais internacionais, proporcionando acesso ao sistema e, não menos importante, pelo convite à participar, em toda a sua extensão, da oportunidade de aprendizado e intercâmbio oferecida através do Fórum. Os benefícios da plataforma do Fórum e Intercâmbio de Conhecimento incluem os seguintes: Acesso a uma ampla rede de parcerias formais e informais a LEGVP desenvolveu essas parcerias com outras entidades (IFC, MIGA e ICSID), Redes Profissionais e Regiões dentro do Grupo Banco Mundial, 7 Materiais serão fornecidos em vários formatos alternativos para garantir a acessibilidade para pessoas com deficiência e às populações menos favorecidas, com acesso limitado a recursos; isso implica que todo o conteúdo da plataforma será projetado para ser compatível com hardware e programas de computador diferentes, diversidade de locais, de educação e níveis de alfabetização, bem como de habilidades físicas (visão, audição, destreza, etc) e cognitivas. O conteúdo hopsedado pelo FORÚM será fornecido em formatos altenativos (texto, audio, vídeo) e disponibilizados em várias mídias, includindo impressão, impressão de grandes dimensões e CDs/DVDs para as pessoas sem acesso regular à internet. Postagens de sites na web irão atender aos padrões de acessibilidade da Seção 508 para pessoas com deficiência e seguirão as diretrizes de acessibilidade do W3C web. Todos os conteúdos de áudio e vídeo serão devidamente legendados. Web casts contarão com legendagem em tempo real. 9

10 com outras IFIs e organizações internacion ais em nível global e regional, e com acadêmicos, grupos de reflexão (think tanks), e com ONGs Uma riqueza do conhecimento contida no banco de dados dinâmico e no colaboratório (collaboratory) este é compilado usando estratégias de conhecimento knowledge push, a qual envolve a disseminação de produtos de conhecimento desenvolvidos e identificados pela plataforma dos sócios fundadores, bem como abordagens ascendentes e de knowledge pull, para encorajar a ativa participação dos usuários de conhecimento no compartilhamento de seu conhecimento e experiências e a identificação dos principais materiais pertinentes ao campo Camboja Conselho Arbitral Melhoria da habilidade de se comunicar os usuários são capazes de acessar, realizar, aprender e compartilhar dentro de arcabouços culturalmente e linguisticamente diferentes Um sistema aberto de atividades internacionais para permitir a tradução do conhecimento Um sistema aberto para facilitar análises e classificação dos produtos de conhecimento os próprios usuários irão obter classificações agregadas de usabilidade, eficácia, impacto e efetividade dos produtos de conhecimento compartilhados Cursos contínuos para profissionais e estudantes baseados em conhecimento atual e de ponta Ferramentas de busca para base de dados, fornecendo aos usuários informações relevantes e metodologicamente rigorosas isso resulta em benefícios vantajosos aos usuários nas áreas de pesquisa, políticas e práticas Colaboração e intercâmbios internacionais perspicazes, através das ferramentas sociais e dos programas da plataforma maior sensibilização intercultural e transnacional, be m como maior competência cultural e linguística dos usuários; Pesquisadores e profissionais de todas as regiões do mundo usarão os colaboratórios 8 para aprender com a experiência e a pesquisa de colegas internacionais O produto final será um menu de soluções alternativas que fornecerá ao usuário uma ferramenta para a tomada de decisões informadas Governança Interina Durante o primeiro ano, a governança será realizada por um simples Comitê Diretivo, composto pela LEGVP e por representantes dos parceiros intelectuais e financeiro s com contribuição acima ou igual ao valorlimite ($250,000). O Comitê Diretivo (CD) terá como apoio um pequeno Secretariado, fornecido pela LEGVP e se beneficiará de insumos de um Comitê de Coordenação do Banco Mundial (veja abaixo). O Comitê Diretivo será substituído por um Comitê Executivo, quando este último for estabelecido. 8 Collaboratórios, como definido por William Wulf em 1989, são um centro sem paredes, no qua los pesquisadores de uma nação podem realizar sua pesquisa sem considerar a localização física, interagindo com colegas, acessando intrumentação, compartilhando dados e recursos computacionais e acessando informação em bibliotecas digitais ( center without walls, in which the nation s researchers can perform their research without regard to physical location, interacting with colleagues, accessing instrumentation, sharing data and computational resources, and accessing information in digital libraries (Wulf, 1989). 10

11 Durante o primeiro ano, o Secretariado irá auxiliar o CD a finalizar e a submeter ao potenciais novos parceiros o conceito e a estrutura de governança da Fórum, a recolher manifestações de interesse, a preparar um Documento Constitutivo e a finalizar acordos de parceria. Propost a de Estrutu ra de Governança em Parceria (para discussão): Comitê Executivo (CE): CE é o órgão tomador de decisão. Presidido pela LEGVP, o CE é composto por representantes de parceiros financeiros e intelectuais, com base nos seguintes critérios: um representante de cada um dos parceiros financeiros que tenha contribuído mais de $250,000 e um representante para cada grupo de trabalho temático. O CE se reunirá uma vez por ano. Tarefas: o CE toma as decisões em tópicos/atividades a serem incluídas no plano de trabalho, faz a supervisão de execução e estabelece as diretrizes para o ciclo de programação e de métodos de elaboração de relatórios. Comitê Consultivo WBG (CCWBG): O CCWBG é um órgão consultivo do Grupo Banco Mundial. Tarefas: prestar aconselhamento ao Comitê Executivo em questões globais, regionais ou nacionais novas/emergentes, coordenar e apropriar dentro do Grupo Banco Mundial. Espera se que os membros do CCWBG incluam, além da LEGVP, representantes das Redes Profissionais, Regiões, bem como do IFC e MIGA. Alguns parceiros intelectuais e financeiros podem também ser convidados a participar, a fim de aumentar a apropriação e a diversidade geográfica. Secretariado: As atividades financiadas através do MDTF terão o Secretariado hospedado na LEGVP. O Secretariado irá realizar esta função sob a supervisão do CE e será, dentre outras, responsável pelas subdoações, conduzindo todas as aquisições e contratações exigidas para a implementação do Fórum. O Secretariado também será responsável pela atividade de monitoramento e avaliação, pela qual o Secretariado deverá reportar ao CE. Agente Fiduciário: Como agente fiduciário do MDTF proposto, o Banco terá a importante responsabilidade de aprovar os programas de trabalho e de supervisão técnica e presidirá o CE. Ele também irá colaborar com parceiros para estabelecer critérios para os produtos de conhecimento elegíveis. Parcerias Temáticas (PTs): Para cada tópico/atividade, será identificado pelo CE um grupo de parceiros de trabalho específico, com base nas respectivas especializações e áreas geográficas de atuação,. Tarefas: cada parceria temática projetará e implementará as atividades com o apoio logístico/administrativo do Secretariado e com dotação orçamentário das sub doações do MDTF. Assembléia Geral de Parceiros (AGP): Nós também previmos uma AGP a qual pretende ser uma reunião anual dos representantes de todos os parceiros para discutir assuntos da parceria. Prazo Estimado e Próximos Passos Restante de 2011: Ao longo do verão, vamos continuar as consultas com potenciais parceiros para: (1) identificar novos parceiros; (2) refinar o conceito e obter compromissos não vinculantes (em espécie e financeiros); (3) finalizar o formulário padrão de adesão legal; (4) preparar um desenho da estrutura de governança da parceria; (5) iniciar a construção da plataforma TIC com pilares básicos; (6) prosseguir com consultas online sobre os documentos básicos e alterar os documentos em conformidade; (7) circular versões revisadas dos principais documentos e convocar uma primeira reunião durante a Semana de Direito, Justiça e Desenvolvimento 2011, planejada para ser realizada em Washington D.C de Novembro de

12 Próximo Passo: Potencias parceiros intelectuais são incentivados a expressar sua intenção em aderir ao Fórum, a identificar suas áreas de temáticas de interesse e a fornecer comentários durante as consultas online. Potenciais parceiros financeiros são também encorajados a fornecer insumos, bem como a indicar seu nível provável de contribuição. Fale Conosco Para P erguntas e Informações Adicionais, por favor contacte: Hassane Cisse, Conselheiro Geral Adjunto, Conhecimento e Pesquisa Vice Presidência Legal Banco Mundial 1818 H Street NW Washington D.C Tel Fax Marco Nicoli, Diretor Senior de Gerência do Conhecimento Vice Presidência Legal Banco Mundial 1818 H Street, NW Washington D.C Tel Fax

13 Interface do Usuário e Arquitetura da Plataforma TIC Ambiente do Usuário (baseado em nuvem) Janela Principal do WebSite Opiniões de Usuários, Recomendações * Revisões agregadas dos usuários sobre a qualidade, usabilidade, eficácia, impacto e efetividade *Recomendações dos Usuários para produtos de conhecimento Adição de Material knowledge pull Repositório Busca, Navegação, exibição de resultados, anexação de resultados, fontes contribuintes Registro e Gerência do Usuário Adição de Material knowledge push Membro: networking Blogs, wikis, fóruns de discussão, multimídia habilitada, solução colaborativa de problemas, espaço para networking profissional, links para mídia social externa Registro, perfil Informacão de ajuda, tutoriais Comunidades de Prática Sub plataformas com ferramentas inteligentes habilitadas via web para a criação e o intercâmbio de conhecimento Educação/ Formação Programas de educação continuada em tempo real e desincronizados, formações, tutoriais e seminários habilitados via TIC e vídeo para profissionais e estudantes SISTEMA Programas de Aplicação, middleware, servidores AMBIENTE Banco de dados fonte (texto complete e multimedia de fontes publicadas ou de websites confiáveis selecionados pela equipe ou contribuídos pelos usuários) Metadata (colhida, importada, convertida, transformada) Sub portais com recursos completos para Comunidades de Prática Ferraments Integradas para apoio multimídia, comunicação em tempo real, ligações entre as diferentes seções da plataforma Dados do usuário 13

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação

Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Política da IFC sobre Divulgação de Informações Análise e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto de 2009 SUMÁRIO PÁGINA Resumo executivo...

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil

America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil America Acessivel: Informação e Comunicação para TODOS 12 14 de novembro de 2014 São Paulo, Brasil Pautas para a promoção da acessibilidade das TIC para pessoas com Deficiência na região das Americas Preâmbulo

Leia mais

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde

Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Biblioteca Virtual em Saúde (BVS): Instrumento para a gestão da informação em Saúde Objetivo: Apresentar o Modelo da BVS: conceitos, evolução, governabilidade, estágios e indicadores. Conteúdo desta aula

Leia mais

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL

CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL CONNECT AMERICAS: REDE SOCIAL EMPRESARIAL DAS AMÉRICAS Washington D. C - março 2014 NOME CLASSIFICAÇÃO CATEGORIA TEMA PALAVRAS-CHAVE REDE SOCIAL EMPRESARIAL : CONNECT AMERICAS PRÁTICA INTERNACIONALIZAÇÃO

Leia mais

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II

Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II Número 7/junho 2013 O PROGRAMA URBACT II PARTILHA DE EXPERIÊNCIAS E APRENDIZAGEM SOBRE O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL O URBACT permite que as cidades europeias trabalhem em conjunto e desenvolvam

Leia mais

PROJETO de Documento síntese

PROJETO de Documento síntese O Provedor de Justiça INSERIR LOGOS DE OUTRAS ORGANIZAÇÔES Alto Comissariado Direitos Humanos das Nações Unidas (ACNUDH) Provedor de Justiça de Portugal Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal

Leia mais

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização

Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Políticas e Padrões de Desempenho da IFC sobre Sustentabilidade Socioambiental Revisão e Atualização Visão Geral do Processo de Consulta e Participação Corporação Financeira Internacional 26 de agosto

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade

O caminho para o sucesso. Promovendo o desenvolvimento para além da universidade O caminho para o sucesso Promovendo o desenvolvimento para além da universidade Visão geral Há mais de 40 anos, a Unigranrio investe em ensino diferenciado no Brasil para cumprir com seu principal objetivo

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA

REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA REFERENCIAIS DE IMPLANTAÇÃO DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: MODELO IPEA VALIDAÇÃO DO MODELO CONCEITUAL DE GC DOS CORREIOS POR MEIO DO PROCESSO PILOTO CEP Alceu Roque Rech CORREIOS 17.06.13

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL

SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL FICHA DE APRESENTAÇÃO SISTEMA INTERATIVO DE MONITORAÇÃO E PARTICIPAÇÃO PARA O APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DA PLATAFORMA DE C O O P E R A Ç Ã O A M B I

Leia mais

Escola de Políticas Públicas

Escola de Políticas Públicas Escola de Políticas Públicas Política pública na prática A construção de políticas públicas tem desafios em todas as suas etapas. Para resolver essas situações do dia a dia, é necessário ter conhecimentos

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS

AGENDA DE CURSOS E EVENTOS AGENDA DE S E EVENTOS 2015 AGENDA DE S E EVENTOS 2015 CATEGORIAS DE S Introdução à Governança Primeiro passo dentro da Governança Corporativa, os cursos de Introdução à Governança fornecem uma visão de

Leia mais

Versão preliminar Revisão da implementação do programa

Versão preliminar Revisão da implementação do programa Versão preliminar Revisão da implementação do programa 16 de setembro de 2015 Este relatório, apresentado na forma preliminar para comentário público, tem como objetivo fornecer uma visão geral de alto

Leia mais

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas

4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Módulo 4: Melhores práticas e lições aprendidas 4. Registro e compartilhamento de melhores práticas e lições aprendidas Oficinas de capacitação do LEG para 2012-2013 - Oficina dos PMDs de língua portuguesa

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes

RECONHECENDO a geometria variável dos sistemas de pesquisa e desenvolvimento dos países membros do BRICS; ARTIGO 1: Autoridades Competentes MEMORANDO DE ENTENDIMENTO SOBRE A COOPERAÇÃO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO ENTRE OS GOVERNOS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, FEDERAÇÃO DA RÚSSIA, REPÚBLICA DA ÍNDIA, REPÚBLICA POPULAR DA CHINA E

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio

Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Empresas Familiares aprimoramento da governança corporativa para o sucesso do negócio Nome Desarrollo de Sistemas de Gobierno y Gestión en Empresas de Propiedad Familiar en el Perú Objetivo Contribuir

Leia mais

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL

ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL ESTATUTO DAS COMUNIDADES DE PRÁTICA - COPs NO PODER EXECUTIVO ESTADUAL RESOLUÇÃO SEPLAG no. xx/xxxx Disciplina o funcionamento das Comunidades de Prática CoPs no âmbito do Poder Executivo Estadual, vinculadas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt

O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt EPALE ELECTRONIC PLATFORM FOR ADULT LEARNING IN EUROPE fevereiro e março de 2015 O que é a EPALE? É uma plataforma informática financiada pelacomissãoeuropeia; Disponívelem ec.europa.eu/epale/pt Qual a

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13

Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018. L RECyT, 8.11.13 Proposta de Programa- Quadro de Ciência, Tecnologia e Inovação 2014-2018 L RECyT, 8.11.13 Delineamento do Programa - Quadro Fundamentação Geral Programa público, plurianual, voltado para o fortalecimento

Leia mais

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes

Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Symantec University para Parceiros Perguntas freqüentes Sumário INFORMAÇÕES GERAIS... 1 SYMANTEC UNIVERSITY PARA PARCEIROS... 1 TREINAMENTO... 2 SERVIÇO DE INFORMAÇÕES... 4 COLABORAÇÃO... 5 Informações

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet

Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Agência digital especializada na consultoria, design e desenvolvimento de projetos de internet Oferecemos ao mercado nossa experiência e metodologia amplamente desenvolvidas ao longo de 15 anos de experiência

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE ASSUNTOS ESTRATÉGICOS PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO EDITAL 006/2011 - PROJETO BRA/06/032 CÓDIGO: WEB O Projeto BRA/06/032 comunica que estará

Leia mais

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Gestão de Departamentos Jurídicos Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID

PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO ATRAVÉS DO SETOR PRIVADO O GRUPO BID SOBRE O BID CONTATE-NOS Vice-Presidência para o Setor Privado e Operações sem Garantia Soberana Banco Interamericano de Desenvolvimento

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Desafio 100 Cidades Resilientes

Desafio 100 Cidades Resilientes Desafio 100 Cidades Resilientes Inscreva-se até 24 de novembro de 2015 www.100resilientcities.org/challenge O Desafio 100 Cidades Resilientes quer identificar 100 cidades que estejam preparadas para construir

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Porque Educação Executiva Insper

Porque Educação Executiva Insper 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

Benchmark Internacional Usabilidade Prefeituras e Boas Práticas de Planejamento e Gestão. Marcelo Barbosa, M.Sc. José Cláudio C.

Benchmark Internacional Usabilidade Prefeituras e Boas Práticas de Planejamento e Gestão. Marcelo Barbosa, M.Sc. José Cláudio C. Benchmark Internacional Usabilidade Prefeituras e Boas Práticas de Planejamento e Gestão Marcelo Barbosa, M.Sc. José Cláudio C. Terra, PhD Brasília, 13 de setembro de 2005 Portais trazem inúmeros benefícios

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Grupos tematicos on line

Grupos tematicos on line Grupos tematicos on line Compartilhando um mesmo setor, compartilhando compromissos Trabalhando juntos para o desenvolvimento do turismo sustentável GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA USUÁRIOS ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Roberto A. Paranhos do Rio Branco Vice-Presidente do CONIC-FIESP São Paulo, 29 de Abril de 2014 CONIC Conselho Superior de Inovação e Competitividade

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

WP Council 242/13 Add. 1

WP Council 242/13 Add. 1 WP Council 242/13 Add. 1 1 julho 2014 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 113. a sessão 22 26 setembro 2014 Londres, Reino Unido Atividades de rotina Programa de Atividades da Organização

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

EDITAL CHAMADA DE CASOS

EDITAL CHAMADA DE CASOS EDITAL CHAMADA DE CASOS INICIATIVAS INOVADORAS EM MONITORAMENTO DO DESENVOLVIMENTO LOCAL E AVALIAÇÃO DE IMPACTO O Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e as empresas

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032

UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 UNICEF BRASIL Edital de Licitação RH/2012/032 O UNICEF, Fundo das Nações Unidas para a Infância, a Organização mundial pioneira na defesa dos direitos das crianças e adolescentes, convida empresas e consultores

Leia mais

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações

Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações Documento de Referência do Projeto de Cidades Digitais Secretaria de Inclusão Digital Ministério das Comunicações CIDADES DIGITAIS CONSTRUINDO UM ECOSSISTEMA DE COOPERAÇÃO E INOVAÇÃO Cidades Digitais Princípios

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

CFO Program Para uma carreira em constante transformação

CFO Program Para uma carreira em constante transformação CFO Program Para uma carreira em constante transformação A Deloitte refere-se a uma ou mais entidades da Deloitte Touche Tohmatsu Limited, uma sociedade privada, de responsabilidade limitada, estabelecida

Leia mais

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre

Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre Planejamento Estratégico 2011 para implementação de Software Livre FÓRUM DE SOFTWARE LIVRE - 2010 Valdir Barbosa Agenda Plano estratégico 2011 para uso de Software Livre Diretrizes Objetivos e indicadores

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO CONSULTOR NACIONAL OPAS/OMS 1. Objetivo geral: Apoiar tecnicamente a gestão e a implementação das atividades do TC 50 - Qualidade do Sistema Único de Saúde - QUALISUS,

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010

Nações Unidas A/RES/64/236. 31 de março de 2010 Nações Unidas A/RES/64/236 Assembleia Geral Sexagésima quarta sessão Agenda item 53 (a) Resolução adotada pela Assembleia Geral [sobre o relatório do Segundo Comitê (A/64/420/Add.1)] Distr.: Geral 31 de

Leia mais

Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA

Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA PNUD Angola PEA - Programa Empresarial Angolano Marco Lógico do Programa - 2011 Resultado Geral Revisto e aprovado por Kâmia Preparado por Glayson Ferrari - Coordenador Executivo do PEA Carvalho - Coordenadora

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS

Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT. Fátima Ticianel CDG-SUS/UFMT/ISC-NDS Trabalho em Equipe e Educação Permanente para o SUS: A Experiência do CDG-SUS-MT Proposta do CDG-SUS Desenvolver pessoas e suas práticas de gestão e do cuidado em saúde. Perspectiva da ética e da integralidade

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Regulamento da Rede de Mentores

Regulamento da Rede de Mentores Regulamento da Rede de Mentores 1. Enquadramento A Rede de Mentores é uma iniciativa do Conselho Empresarial do Centro (CEC) e da Associação Industrial do Minho (AIMinho) e está integrada no Projeto Mentor

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Projeto Escola com Celular

Projeto Escola com Celular Projeto Escola com Celular Rede Social de Sustentabilidade Autores: Beatriz Scavazza, Fernando Silva, Ghisleine Trigo, Luis Marcio Barbosa e Renata Simões 1 Resumo: O projeto ESCOLA COM CELULAR propõe

Leia mais

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações

1. Introdução. 2. Conceitos. 3. Metodologia. 4. Resultados. 5. Considerações Comunidades de Prática Experiências e Contribuições da Tecnologia para a Educação Profissional Lane Primo Senac Ceará 2012 Sumário 1. Introdução 2. Conceitos 3. Metodologia 4. Resultados 5. Considerações

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Turnaround de Empresas da reestruturação à recuperação judicial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Turnaround de Empresas da reestruturação à recuperação judicial Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica

Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Acesso aberto e repositórios institucionais: repensando a comunicação e a gestão da informação científica Fernando César Lima Leite fernandodfc@gmail.com 1. A comunicação científica e sua importância Qualquer

Leia mais

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas

Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Minuta do Capítulo 10 do PDI: Relações Externas Elaborada pela Diretoria de Extensão e pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação 1 1 Esta minuta será apreciada pelo Colegiado de Ensino, Pesquisa

Leia mais

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional

Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONSULTORIA COORDENADOR/A DE CAPACITAÇÃO 1. Antecedentes Projeto IPPDH Cooperação Humanitária Internacional O Projeto Cooperação Humanitária Internacional tem por objetivo o desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

Mapeando uma Estratégia de Advocacia

Mapeando uma Estratégia de Advocacia Mapeando uma Estratégia de Advocacia Tomando em consideração os limites de tempo e recursos dos implementadores, as ferramentas da série Straight to the Point (Directo ao Ponto), da Pathfinder International,

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013

PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 PLANO OPERACIONAL ANUAL E ORÇAMENTO DETALHADO 2013 1 Composição Orçamentária ISAGS - 2013 (*) Natureza Valor anual (US$) Percentual Projetos 42,6% 1.001.200,00 Pessoal 37,9% 892.958,00 Gastos Operacionais

Leia mais

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino

O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino O que sua escola precisa, agora bem aqui na sua mão! Responsabilidade em gestão de instituições de ensino Escolher o Sponte Educacional é escolher inteligente Sistema web para gerenciamento de instituições

Leia mais