SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza"

Transcrição

1 SOBRE A APARENTE SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS Sandra Pavone de Souza A interdisciplina tem se feito presente, aproximando as clínicas fonoaudiológica e psicanalítica com base em interrogações como as que aparecem quando a tarefa é diagnosticar se uma criança é surda ou não. Crianças que parecem não responder ao som, ou mesmo, que não falem quando evolutivamente isso já seria de se esperar, fazem pensar que algo da ordem de uma surdez sensorial esteja presente. Interrogar-se sobre a surdez do filho é muitas vezes o caminho para que os pais procurem uma ajuda no momento em que podem se dar conta de que algo não vai bem com a criança. Em geral, quando a criança não fala e aparentemente não ouve, fica difícil para os pais, ou mesmo para um examinador mais inexperiente, aceitar a idéia de que a audição da criança pode estar normal e seu atraso no desenvolvimento da fala ser decorrente de outros problemas. São inúmeros os exemplos clínicos de crianças autistas que são diagnosticadas como surdas e, mesmo quando a queixa dos pais é a ausência de fala, estes recebem por parte dos profissionais a proposta de investigação auditiva por suspeita de surdez. Há, por outro lado, aqueles profissionais que são sensíveis às contribuições de outras disciplinas e que, ante dados ora contraditórios ora inconclusivos obtidos em diferentes exames (clínicos e objetivos), são lançados no campo das interrogações. 27

2 DISTÚRBIOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO Foi a partir de duas solicitações feitas ao Setor de Psicologia pelo Setor de Audiologia Clínica da DERDIC, que esses casos começaram a me interpelar, abrindo uma discussão que visava um melhor entendimento desses dados. O fato de crianças diagnosticadas como surdas terem melhorado suas respostas auditivas, ou parecerem passar a ouvir após um tempo de tratamento com um analista, é um fenômeno que parece já constatado por outros experientes colegas que trabalham com autistas. Entretanto, o que tornava esses casos mais intrigantes era o fato de os exames realizados serem provas objetivas que não dependiam da resposta da criança, realizados com aplicação de anestesia geral: BERA (audiometria de respostas elétricas do tronco cerebral). No primeiro deles, quando a criança tinha apenas 18 meses, a fonoaudióloga que realizara a audiometria tinha encontrado apenas uma incompatibilidade com exames objetivos realizados quando o menino era ainda bebê, por suspeitarem que o fato de B. ter nascido prematuro e ter tomado por um tempo antibióticos pudesse interferir na audição. No exame realizado na maternidade o resultado indicou uma perda auditiva profunda, o que intrigava os pais e a própria fonoaudióloga, que acabaram por me encaminhar o caso, pois supunham que esse resultado não condizia com outras respostas da criança. Nesse primeiro tempo do contato deles com esta profissional, a mesma relata ter sentido um certo estranhamento na posição da mãe frente ao bebê e que, a princípio, pensou tratarse de alguém muito tímida e que tinha um tom de voz bem baixo. Quando procuraram a DERDIC estavam em busca de uma conclusão diagnóstica e possível tratamento com a criança, que já realizava bem tarefas como andar, correr e comer sozinho, mas que ainda não falava. Após 2 anos os pais novamente procuraram a instituição, pois o aparelhamento e terapêuticas propostos na cidade onde moraram não haviam produzido resultado. Nesse retorno a fonoaudióloga surpreendeu-se com a desorganização do olhar da criança, que 28

3 SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS não havia aparecido na primeira vez que a encontrara. Ela decidiu aguardar um pouco para concluir o diagnóstico, supondo haver aí algo além da possível perda sensorial. Após 6 meses de trabalho comigo, os pais, que haviam se implicado de maneira surpreendente no trabalho, decidiram retomar um projeto muito antigo que tinham, o de voltar a sua cidade de origem, onde se propunham a continuar os tratamentos iniciados. Isso assumido, prosseguiu-se com algumas provas visando conclusão diagnóstica, que indicaram um déficit auditivo bem menor do que aquele indicado no primeiro exame realizado, o qual possivelmente produziu nos pais significações paralisantes que se somaram àquelas produzidas pela prematuridade. Aos pais de um outro garotinho o médico havia dito que o exame de audição indicava que a ausência de fala na criança, a questão que fundamentalmente os incomodava, era graças à sua surdez, e que bastava colocarem um aparelho. Na empresa que vende os aparelhos eles foram informados da necessidade da avaliação por um profissional de fonoaudiologia, que diagnosticaria e indicaria o aparelho mais adequado. Foi somente por isso que eles procuraram a DERDIC. Conhecemos bem que um dos sintomas do autismo é fazer com que um objeto percebido pare de sê-lo, de existir; é fazer com que um enunciado não exista pelo fato de haver um desinvestimento absoluto do pólo perceptivo. Nos casos presentes os sintomas mais marcantes eram o desinvestimento do olhar e do pólo auditivo. Uma contribuição da psicanálise é alertar para uma cautela diagnóstica, já que a ausência de resposta ao som (em particular, à voz humana) pode ser um sinal que, somado a outros, por exemplo, a ausência de fala ou de olhar entre a mãe e a criança, aponte para a não instauração das estruturas psíquicas, o que nos coloca diante de um caso de autismo. O diagnóstico auditivo em questão Um dos objetivos do texto é alertar o clínico em geral sobre alguns importantes aspectos envolvidos no diagnóstico de surdez em 29

4 DISTÚRBIOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO crianças, valendo-se de um referencial interdisciplinar fonoaudiologiapsicanálise. A avaliação diagnóstica, sua comunicação aos pais e as possíveis indicações terapêuticas devem ser bastante cautelosas, pois há casos em que mesmo os exames mais objetivos, entre outros, sugerem ao menos cuidados até uma melhor compreensão do caso ser possível. O profissional audiologista tem a sua disposição variadas provas para avaliar os níveis mínimos de resposta auditiva, assim como o tipo de perda e a localização topográfica da lesão. Uma das maneiras possíveis de se apresentar as provas auditivas para a realização do diagnóstico seriam os critérios de subjetividade e objetividade implicados na resposta da criança, assim como na avaliação do profissional. As primeiras seriam as avaliações auditivas convencionais e/ou comportamentais, nas quais a subjetividade da criança avaliada está em jogo na avaliação. As provas objetivas, por outro lado, podem avaliar por meio de eletrodos a atividade eletrobiológica ao longo do sistema auditivo, do ouvido interno ao córtex cerebral (BERA) ou somente o ouvido interno (Emissões Otoacústicas). Paéz & Baralo (1997) questionam se esta divisão seria tão clara como aparece num primeiro momento. Mesmo nos casos em que as provas realizadas consideram os dados do modo mais objetivo possível está sempre em jogo, no mínimo, uma interpretação desses dados, o que abre espaço para a subjetividade do examinador. O profissional audiologista deve, portanto, avaliar um conjunto de respostas, pois uma avaliação isolada pode incorrer em erros, sobretudo quando se trata de crianças. Parece-nos importante um diagnóstico não se reduzir aos dados numéricos oferecidos pelas provas, a fim de não se desconsiderar outros importantes aspectos que possam entrar em jogo nesse momento. Os dados das provas auditivas, especialmente quando expressam quantidades (decibéis, freqüência, tempos de condução etc.), apontam para uma perda de audição, uma perda no real do corpo. Entretanto, trata-se de um corpo falado, e ainda que se tente isolar a questão diagnóstica em termos numéricos, 30

5 SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS indicações de aparelho e terapêuticas adequadas não se pode esquecer que será inevitável a cada sujeito, e aqui também é o caso dos pais, produzirem deslizamentos e novas significações para o referido diagnóstico. Há os que supõem que levar em conta o máximo de critérios objetivos impede a entrada em cena de inúmeras conotações e novas significações que excederiam os próprios dados. Os números, o diagnóstico e a maneira técnica de nomeá-los não podem fazer obstáculos a aqueles desdobramentos. A questão não é avaliar a utilidade ou não dos dados numéricos. Sem dúvida estes são necessários e imprescindíveis. Entretanto, não considerar que um número, sua comunicação, seu conhecimento têm conseqüências, é desconsiderar que o revelado por ele é enlaçado numa rede de significantes pelos sujeitos em questão. Por que problematizar? Porque é necessário não desconsiderar esses efeitos subjetivos que as palavras proferidas no diagnóstico podem portar. Entendemos que se requer um cuidado muito maior do que se tem dado em certos casos, ao modo singular com que os pais podem tomar e serem tomados pelo diagnóstico seu conhecimento não garante de modo algum o destino de sua circulação. (Paés & Baralo, 1997). A ferida narcísica que se abre no diagnóstico de qualquer deficiência pode ter destinos que variam desde quebras reparáveis a uma ferida de difícil cicatrização. Um diagnóstico pode tanto mobilizar quanto cristalizar, ou até mesmo paralisar. A suspeita de surdez assentada na ausência de resposta ao som ou sobre a ausência de fala requer, assim, uma cautela diagnóstica e de indicação do uso de aparelhos. Em alguns casos, o diagnóstico de surdez tem para os pais o efeito de cristalizar a criança neste lugar de surda, quando na verdade não o é, fechando a possibilidade de que eles possam vir a se perguntar a que se deve o que está acontecendo com a criança. E se estivermos diante de um caso de autismo e não de surdez? 31

6 DISTÚRBIOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO Por isso entendemos que conhecer bem as provas, sejam elas as mais sofisticadas possíveis, e sua adequada execução, possa ser condição necessária mas não suficiente para o profissional que atua nessa área. Tanto no caso de uma surdez sensorial como no caso de autismo, o diagnóstico e a intervenção devem ser cuidadosos e realizados o mais precocemente possível. Em ambos lutamos contra o relógio. Esperar para intervir pode eqüivaler a não assistir. Essa espera pode por vezes ser resultado da posição do profissional, seja ele de qualquer área, já que muitas vezes o trabalho não começa com o audiologista e sim com o médico ou o professor da criança. É aí que entendemos que o cuidado do clínico audiologista deve ser intensificado. Quando este se deixa surpreender e não toma a clínica como um campo no qual o saber anteriormente adquirido deveria dar conta das diversas manifestações clínicas, o diagnóstico de surdez pode ficar em suspenso. É o que permite ao próprio profissional produzir ou deslizar para novas interrogações, permitindo-se com isso que, em certos pontos, a clínica possa modificar-se no próprio ato clínico. Que se reconheça a impossibilidade de uma única especialidade dar conta do conhecimento hoje em dia posto à disposição para diagnóstico e tratamento das crianças parece-nos um ponto crucial, no qual a ética nos convoca à interdisciplinaridade. Isto é interdisciplina: a colocação em questão dos diferentes corpos teóricos que guiam nossa conduta terapêutica, em cada um dos terrenos onde elas se acham perturbadas (Alfredo Jerusalinsky, 1990). Se o profissional se deixa tomar pelas contradições que as provas lhe apresentam e, conseqüentemente, não tenta colocar aquilo que encontra dentro de um padrão anteriormente conhecido, ele mesmo viabiliza, com seus encaminhamentos, que uma intervenção precoce se faça na prevenção de doenças tais como o autismo. Contribuições da psicanálise sobre a aparente surdez em crianças autistas Freud apresenta na Carta 52 a Fliess um esquema que nos permite distinguir diversos tempos lógicos da constituição 32

7 SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS do aparelho psíquico com seus múltiplos registros de inscrição e tradução dos traços mnésicos 1. Mesmo quando ainda não é possível haver um aparelho psíquico funcionando segundo as leis próprias ao inconsciente, pode existir um primeiro registro de traços mnésicos constituído pelos sinais perceptivos. É somente quando os traços desse primeiro registro de inscrições forem reinscritos no registro inconsciente que se pode ter acesso a eles. Se o aparelho psíquico da criança funcionar apenas nesse primeiro registro de traços mnésicos, estes permanecerão inacessíveis à consciência. No autismo é como se algo impedisse que esses traços fossem representados em imagens ou palavras, bloqueando a função de representação, ou seja, a própria percepção. Quando falamos de autismo estamos nos referindo aqueles nos quais as estruturas psíquicas que suportam o funcionamento dos processos de pensamento inconscientes não se instalaram. Essas instaurações quando ausentes podem ter como conseqüência, e não ao contrário, défi cit de tipo cognitivo assim como lesar rapidamente o órgão que as suporta (Laznik-Penot, 1997). Então a que poderíamos atribuir essa aparente surdez sensorial comumente encontrada no autismo? Laznik-Penot fala-nos do mecanismo de defesa próprio a esse registro dos sinais perceptivos. Esta forma de defesa, denominada elisão por Lacan, supõe uma falha da segunda inscrição no inconsciente, mas também uma retirada do investimento do sistema perceptivo. A criança parece ser surda, não responde a nada e também não emite nenhum chamado. O fechamento autístico pode ser entendido como uma ilustração clínica desse mecanismo. Ainda segundo a autora, o que faz fracassar a constituição do inconsciente no caso do autismo seria esse evitamento defensivo contra a lembrança de traços mnésicos ou percepções dolorosas provenientes do mundo exterior. Mas a que se refere quando diz que a criança busca resguardarse de lembranças dolorosas? No autismo essas manobras estariam a 1 Freud, S.- Publicações pré-psicanalíticas e esboços inéditos, vol I, Rio de Janeiro Imago, 1977, p

8 34 DISTÚRBIOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO serviço de um evitar a ausência do olhar do Outro, ou seja, da ausência do investimento libidinal da mãe, da inexistência do reconhecimento do qual este olhar materno é suporte. Quando se fala do olhar não estamos nos referindo apenas ao olho suporte da visão. Referimo-nos ao investimento libidinal materno, que pode também estar marcado em sua voz, no seu toque ou num ruído. Essa presença libidinal marcada pela função materna faz somar-se ao real do corpo da criança uma imagem estruturante. Estamos falando aqui do estágio do espelho, tempo constitutivo do narcisismo da criança. Esse olhar que lhe vem do Outro primordial refere-se, do lado da mãe, a uma ilusão antecipadora que permite a ela escutar e olhar algo além da realidade daquilo que ali está, o que terá efeitos a posteriori sobre a própria escuta e olhar da criança. Por isso é que não vacilam e embora saibam que seu bebê é incapaz de compreendê-lo tudo o supõe falante... colocar o seu fi lho na posição de escuta, quando na verdade ele não sabe escutar mas apenas ouvir, e escutar seu fi lho quando na verdade ele não produz nada que possa ser escutado, apenas ouvido. Essa sutil mas decisiva diferença de função entre perceber a voz (ouvir) e diferenciar uma palavra (escutar) (Jerusalinsky, 1997). É certo que há o aspecto de atribuição nessas funções de escutar algo na produção de seu bebê e falar a ele de modo que chame sua atenção. Quando uma mãe fala, ela imprime um certo número de modificações à cadeia sonora de seu enunciado. Essas alterações são indispensáveis para que o sensório do bebê possa receber os sons que lhe são dirigidos. Pesquisas em audiologia clínica apontam que os níveis de respostas auditivas de crianças normais de zero a seis meses estão entre 60 e 80 dbs. De seis meses a um ano esse nível é mais baixo, ficando entre dbs, o que significa dizer que no início da vida a intensidade do estímulo deve ser maior para que o bebê responda ao estímulo sonoro. Ao mesmo tempo, graças a uma latência maior na resposta, esse som deve ser apresentado por um tempo mais longo. Isso se deve à prematuridade do aparato neurológico, que apresenta uma maturação crescente posterior ao

9 SURDEZ EM CRIANÇAS AUTISTAS nascimento 2. Estudos sobre esse estilo manhês que os adultos utilizam quando se dirigem às crianças bem pequenas, mostram que uma de suas características principais seria o alongamento do tempo das cesuras entre as palavras. Ao mesmo tempo, ouve seu bebê supondo ali um sujeito, ou pelo menos um sujeito a advir....a alienação na melopéia materna e a operação de corte que produz signifi cação são dois registros necessários para que uma escuta se torne possível (Laznik-Penot,1997). Quando algo em relação à constituição de um lugar desejo para esta criança falha, a criança dá à mãe a impressão de ser real demais, ou seja, as mães ficam incapazes de qualquer realização imaginária para além do real do corpo da criança é a própria constituição da criança que fica comprometida. Esse investimento da criança é possível, conforme o filho possa lhe aparecer como um substituto simbólico do objeto perdido pela operação de castração. No lugar de ideal, no olhar de amor da mãe, a criança já se situa como objeto perdido para ela, podendo advir daí um sujeito, seja ele na sua função de fala ou de escuta. BIBLIOGRAFIA AZEVEDO, M.F. de. Avaliação audiológica no primeiro ano de vida. In LOPES FILHO, O. de C. Tratado de Fonoaudiologia. São Paulo, Roca, JERUSALINSKY, A.N. Multidisciplina, interdisciplina e transdisciplina no trabalho clínico com crianças. Escritos da Criança, 3, p.39-44, A escolarização de crianças psicóticas. Estilos da Clínica, 2, p.72-95, LAZNIK-PENOT, M. C. Do fracasso da instauração da imagem do corpo ao fracasso da instauração do circuito pulsional: quando 2 Ver Azevedo,M.F. de- Avaliação audiológica no primeiro ano de vida in Lopes Filho, O. de C.- Tratado de Fonoaudiologia, São Paulo, Roca,

10 DISTÚRBIOS GLOBAIS DE DESENVOLVIMENTO a alienação faz falta. In:. O que a clínica do autismo pode ensinar aos psicanalistas. Salvador, Ágalma, Poderíamos pensar numa prevenção da síndrome autística? In:. Palavras em torno do berço. Salvador, Ágalma, Defesas autísticas e o fracasso da instalação da função de representação (Pré-texto). Trad. Lia Ribeiro Fernandes.. Rumo à palavra: três crianças autistas em psicanálise. São Paulo, Escuta, PAÉZ, S.M.C. de & BARALO, F.R. Los niños sordos. Escritos de la Infancia. Buenos Aires, 8, p , Sobre a Autora Psicanalista, DERDIC-PUC, São Paulo. 36

Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires

Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires Título: Uma mãe adolescente e seu bebê no abrigo: quando o laço está ameaçado 1 Autora: Maria Lacombe Pires No cotidiano dos abrigos são muitos aqueles que circulam na instituição: bebês, crianças, adolescentes,

Leia mais

Clínica psicanalítica com crianças

Clínica psicanalítica com crianças Clínica psicanalítica com crianças Ana Marta Meira* A reflexão sobre a clínica psicanalítica com crianças aponta para múltiplos eixos que se encontram em jogo no tratamento, entre estes, questões referentes

Leia mais

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS

Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Abertura do I Colóquio sobre Psicanálise e Educação Clínica d ISS Samyra Assad Abrir o Iº Colóquio sobre Psicanálise e Educação é, dar início não somente aos trabalhos que a partir de agora se seguirão,

Leia mais

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da

Introdução. instituição. 1 Dados publicados no livro Lugar de Palavra (2003) e registro posterior no banco de dados da Introdução O interesse em abordar a complexidade da questão do pai para o sujeito surgiu em minha experiência no Núcleo de Atenção à Violência (NAV), instituição que oferece atendimento psicanalítico a

Leia mais

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1

Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Megalomania: amor a si mesmo Raquel Coelho Briggs de Albuquerque 1 Alfredo estava na casa dos 30 anos. Trabalhava com gesso. Era usuário de drogas: maconha e cocaína. Psicótico, contava casos persecutórios,

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

DEFICIÊNCIA AUDITIVA: ÊNFASE NA REABILITAÇÃO PRECOCE

DEFICIÊNCIA AUDITIVA: ÊNFASE NA REABILITAÇÃO PRECOCE Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde rof. Dr. Luzimar Teixeira DEFICIÊNCIA AUDITIVA: ÊNFASE NA REABILITAÇÃO RECOCE Clay Rienzo Balieiro Altair C. upo Luisa B. Ficker

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

ANATOMIA E APTIDÕES MUSICAIS

ANATOMIA E APTIDÕES MUSICAIS OUVIDO AFINADO TESTES REVELAM QUE AS PESSOAS SEM FORMAÇÃO MUSICAL RECONHECEM UM ACORDE, UMA MELODIA INACABADA OU VARIAÇÕES SOBRE UM TEMA TÃO BEM QUANTO UM MÚSICO PROFISSIONAL. A MÚSICA SE INSTALARIA NO

Leia mais

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na

Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na 48 1.5. Aberastury: o nascimento de um neo-kleinianismo Reconhecida como uma das maiores autoridades no campo da análise infantil na Argentina, Arminda Aberastury fazia parte do grupo de Angel Garma, que

Leia mais

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2

A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1. Selma Correia da Silva 2 A clínica da anorexia no hospital, um caso. Aline Martins 1 Selma Correia da Silva 2 Neste trabalho pretendemos discutir a articulação do discurso da Psicanálise com o discurso da Medicina, destacando

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Leia o texto a seguir e responda à questão 13. Apontar não é falta de educação A apontação na língua de sinais brasileira faz parte da língua. Ela serve para diferentes

Leia mais

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta *

A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * ARTIGOS A atuação do Residente de Psicologia nos Grupos de Pré-consulta * Raquel Moreira Pádova ** Introdução A questão que analiso neste trabalho, se refere à atuação do psicólogo nos grupos de pré-consulta

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior

O exterior da inclusão e a inclusão do exterior O exterior da inclusão e a inclusão do exterior www.voxinstituto.com.br O tema do V Simpósio Derdic- "Mecanismos de exclusão, estratégias de inclusão" permitiu que a problemática da inclusão social do

Leia mais

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise

Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Considerações sobre a elaboração de projeto de pesquisa em psicanálise Manoel Tosta Berlinck Um projeto de pesquisa é um objeto escrito que resulta de um processo de elaboração, esclarecimento e precisão.

Leia mais

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1

O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 O AUTISMO NA PSICANÁLISE E A QUESTÃO DA ESTRUTURA Germano Quintanilha Costa 1 I Introdução O objetivo deste trabalho é pensar a questão do autismo pelo viés da noção de estrutura, tal como compreendida

Leia mais

Unidade 4 Deficiências Auditivas

Unidade 4 Deficiências Auditivas Unidade 4 Deficiências Auditivas Deficiências Auditivas - "Márcio! Márcio!"... O garoto, quando estava jogando futebol, não me respondia e eu ficava muito brava. A professora me chamou na escola para dizer

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta)

Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Mentiras, roubos e pichações (Transtorno de conduta) Leila Maria Amaral Ribeiro 1, Marina Janzen Kassab 2, Samantha Lemos Ferreira da Silva 2 Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria.

Leia mais

Aprendizagem na Educação Musical

Aprendizagem na Educação Musical Aprendizagem na Educação Musical Flávia Rizzon Universidade Federal do Rio Grande do Sul Resumo: O presente texto refere-se à importância de reavaliar a didática na área da Educação Musical, relacionando-a

Leia mais

Considerações acerca da transferência em Lacan

Considerações acerca da transferência em Lacan Considerações acerca da transferência em Lacan Introdução Este trabalho é o resultado um projeto de iniciação científica iniciado em agosto de 2013, no Serviço de Psicologia Aplicada do Instituto de Psicologia

Leia mais

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1

UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 UMA TOPOLOGIA POSSÍVEL DA ENTRADA EM ANÁLISE 1 Celso Rennó Lima A topologia..., nenhum outro estofo a lhe dar que essa linguagem de puro matema, eu entendo por aí isso que é único a poder se ensinar: isso

Leia mais

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE?

DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? DISLEXIA: QUE BICHO É ESSE? Lívia Ferreira da Silveira 1 Tatiana Azevedo de Souza da Cunha Lima 2 Resumo: O presente trabalho apresenta algumas reflexões acerca da historicidade e do conceito de dislexia

Leia mais

A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE

A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE A DISPERSÃO DOS SURDOS NO LITORAL NORTE Denise Nunes de Campos Bühler Dr. Ricardo Vianna Martins Neste artigo trazemos dados preliminares de uma pesquisa 1, em execução no Litoral Norte/RS, que visa mapear

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Resumo

CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM. Resumo DOI: http://dx.doi.org/10.14295/idonline.v6i18.206 66 Interface Educação CONTRIBUIÇÕES DO PSICÓLOGO ESCOLAR E DO PSICOPEDAGOGO NO DIAGNÓSTICO DAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM Edilândia Carvalho de Sousa

Leia mais

Eixo Temático: Educação

Eixo Temático: Educação Título: ESTAGIÁRIO NA ESCOLA: TECENDO LAÇOS E CONSTRUINDO SAÚDE Nome do Autor: Maria Isabel Ramos da Silva. Instituição: ONG Tempo de Crescer TCER E-mail: isabelrs76@gmail.com Resumo A Tempo de Crescer

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

O lugar da depressividade no tratamento da drogadicção

O lugar da depressividade no tratamento da drogadicção O lugar da depressividade no tratamento da drogadicção Amanda Teixeira Rizzo Quem já se aproximou da clínica das drogadicções e escolheu ficar próximo para compreender esse fenômeno clínico, provavelmente,

Leia mais

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005

Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Latusa digital ano 2 Nº 16 julho de 2005 Uma intervenção Carlos Augusto Nicéas * Escolhi trazer para a nossa Conversação 1, alguns fragmentos do tratamento de um jovem de dezenove anos atualmente, dependente

Leia mais

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010

VI Seminário de Pós-Graduação em Filosofia da UFSCar 20 a 24 de setembro de 2010 Fundamentos metodológicos da teoria piagetiana: uma psicologia em função de uma epistemologia Rafael dos Reis Ferreira Universidade Estadual Paulista (UNESP)/Programa de Pós-Graduação em Filosofia FAPESP

Leia mais

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas

Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas Título: Adolescência, violência e responsabilidade Atualmente a responsabilidade na adolescência tem sido alvo de amplas discussões nos meios de comunicação. O estudo teórico deste tema vem sendo recebido

Leia mais

Mentira - o avesso da Verdade?

Mentira - o avesso da Verdade? Mentira - o avesso da Verdade? Christian Ingo Lenz Dunker A educação formal e informal nos ensina que não devemos mentir. A mentira deve ser evitada e a sinceridade prezada acima de tudo. Se exigirmos

Leia mais

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês

O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês O paradoxo da creche: lugar de acolhimento, lugar de separação A influência das práticas institucionais na creche sobre a saúde mental dos bebês Regina Orth de Aragão Sumário Breve histórico. O acolhimento

Leia mais

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania?

2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? 2- Ruptura com o Gozo Fálico: como Pensar a Neurose e a Psicose em Relação à Toxicomania? Giselle Fleury(IP/UERJ), Heloisa Caldas(IP/UERJ) Para pensar, neste trabalho, a neurose e a psicose em relação

Leia mais

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com

Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Autismo: um olhar pedagógico Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com Algumas reflexões iniciais: Primeiramente, é importante dizer que não há respostas prontas para todas as questões

Leia mais

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas

Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Do Sofrimento ao Sintoma nas Doenças Crônicas Selma Correia da Silva Damiana Avila Carvalho Moema dos Santos Duberley Introdução O presente trabalho tem como ponto de partida a nossa experiência clínica

Leia mais

A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ

A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ A CANÇÃO DE NINAR EM MUSICOTERAPIA COMO FACILITADORA DA CONSTRUÇÃO E FORTALECIMENTO DO VÍNCULO MÃE-BEBÊ Gláucia Tomaz Marques Pereira 1 Resumo: O presente trabalho é desenvolvido no CRASA/APAE, Anápolis-GO,

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

Página 1 de 6 ISTOÉ - Independente Imprimir A Semana > Entrevista N Edição: 2257 15.Fev.13-21:00 Atualizado em 10.Abr.13-14:19 Miguel Nicolelis "Estamos a caminho de curar a cegueira" Neurocientista brasileiro

Leia mais

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE

ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE ESPELHO, ESPELHO MEU: HÁ ALGUÉM MAIS IMPORTANTE DO QUE EU? - UM ESTUDO SOBRE O DIÁLOGO NA RELAÇÃO ENTRE PROFESSORA E MÃE EM CRECHE Márcia Gagliardi Núcleo de Estudos e Pesquisas: Formação de Professores

Leia mais

De onde vem a resistencia? 1

De onde vem a resistencia? 1 De onde vem a resistencia? 1 Maria Lia Avelar da Fonte 2 1 Trabalho apresentado na Jornada Freud-lacaniana. 2 M dica, psicanalista membro de Intersecção Psicanalítica do Brasil. De onde vem a resistência?

Leia mais

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS

O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS O BRINCAR COMO MEDIADOR DE INTERAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE LINGUAGEM EM CRIANÇAS AUTISTAS BEZERRA 1, Aíla Murielle Medeiros CORDEIRO 1, Ingrydh KOCH 1, Bernard; LIMA 1, Tácia Adriana Florentino de NUNES

Leia mais

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares DOENÇAS DO OUVIDO E DA APÓFISE MASTÓIDE (H60 H95) Guias SP/SADT Protocolo Conduta Indicação Clinica Perda Auditiva Justificativa Tipos N máximo de sessões Pedido médico + Laudo médico + Exames complementares

Leia mais

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta

4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta Mesa: 4.59.1. Tema: Sinais de risco nas clínicas mãe-bebê 4.59.2. Coordenadora: Sonia Pereira Pinto da Motta OS RISCOS NA CONSTITUIÇÃO PSÍQUICA Autora: CRISTINA HOYER Breve Nota Curricular da Autora -

Leia mais

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE

PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE PASSADO, PRESENTE E FUTURO DAS DIVISÕES DE BASE NO FUTEBOL DO BRASIL JANEIRO DE 2013 Temos lido e ouvido muitos comentários nos últimos dias sobre o processo de formação de Atletas no Brasil, emitidas

Leia mais

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico

A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico 1 A ética na pesquisa com seres humanos sob um ponto de vista psicanalítico Samyra Assad Foi a oportunidade de falar sobre o tema da ética na pesquisa em seres humanos, que me fez extrair algumas reflexões

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE

A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE A RESPONSABILIDADE DO SUJEITO, A RESPONSABILIDADE DO ANALISTA E A ÉTICA DA PSICANÁLISE Maria Fernanda Guita Murad Pensando a responsabilidade do analista em psicanálise, pretendemos, neste trabalho, analisar

Leia mais

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO?

PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? PSICOPEDAGOGO: QUAL É A SUA FUNÇÃO? Élida Mara de Jesus Dias (PUC-SP) Resumo Este artigo tem como objetivo analisar a atuação do psicopedagogo frente às dificuldades no processo ensino-aprendizagem na

Leia mais

Inclui bibliografia. ISBN 978-85-85458-36-2

Inclui bibliografia. ISBN 978-85-85458-36-2 Daniele de Brito Wanderley, 2013 Ágalma para esta edição, 2013 1 a edição: setembro, 2013 Editor Marcus do Rio Teixeira Diretora da Coleção De Calças Curtas Daniele de Brito Wanderley Projeto gráfico da

Leia mais

APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR

APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR APRENDENDO A INCLUIR NO COTIDIANO ESCOLAR ANGELA MARIA PARREIRAS RAMOS angelaramos7@gmail.com RESUMO O trabalho aqui apresentado é um relato de experiência do trabalho de um ano letivo com dois alunos

Leia mais

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa

O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa O TEMPO DA HISTERIA: CONSIDERAÇÕES SOBRE O COLETIVO E O SUJEITO DO INCONSCIENTE Ana Costa No decorrer dos séculos, a histeria sempre foi associada a uma certa imagem de ridículo que por vezes suas personagens

Leia mais

Aula 1: Demonstrações e atividades experimentais tradicionais e inovadoras

Aula 1: Demonstrações e atividades experimentais tradicionais e inovadoras Aula 1: Demonstrações e atividades experimentais tradicionais e inovadoras Nesta aula trataremos de demonstrações e atividades experimentais tradicionais e inovadoras. Vamos começar a aula retomando questões

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

13. Desatenção e cansaço

13. Desatenção e cansaço 13. Desatenção e cansaço Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do manual de Direção Defensiva do DENATRAN O ato de dirigir um veículo requer atenção permanente.

Leia mais

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY.

O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. O PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LINGUA ESCRITA: FUNDAMENTADO EM EMILIA FERREIRO E ANA TEBEROSKY. Silvana da Silva Nogueira (FECLESC/UECE) Priscila Cavalcante Silva (FECLESC/UECE) Resumo O processo de aquisição

Leia mais

1. Resolver um problema

1. Resolver um problema 1. Resolver um problema resolução de problemas no futebol inclui o conjunto de etapas essenciais à realização de uma A ação. Resolver um determinado problema é ter a capacidade de: Identificar o problema:

Leia mais

4th Latin American Pediatric Conference São Paulo

4th Latin American Pediatric Conference São Paulo 4th Latin American Pediatric Conference São Paulo 20 a 22 Agosto - 2015 Grupos de pais para adesão ao processo terapêutico e uso consistente dos AASI Hear the World Project Bebê com DA a intervenção inicial

Leia mais

ROSSI, Tereza Ribeiro de Freitas. Brincar: uma opção para a interação entre mãe ouvinte/filho surdo. Campinas: Unicamp, 2000. 169p.

ROSSI, Tereza Ribeiro de Freitas. Brincar: uma opção para a interação entre mãe ouvinte/filho surdo. Campinas: Unicamp, 2000. 169p. CADER, Fatima Ali Abdalah Abdel,; FÁVERO, Maria Helena (orientadora) - Leitura e escrita na sala de aula: uma pesquisa de intervenção com crianças surdas. UNB. Resumo Este trabalho descreve e analisa etapas

Leia mais

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se

O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE. Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se 1 O SER WINNICOTTIANO E A CLÍNICA DA PÓS-MODERNIDADE Nahman Armony Winnicott viveu em uma época em que a concepção de pós-modernidade estava se formando, e, sabedor ou não disto, contribuiu com conceitos

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA

ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA ADOLESCÊNCIA: PSICOPATOLOGIAS E CLÍNICA PSICANALÍTICA MARIA DA GLORIA SCHWAB SADALA 1. BREVE CURRICULO PSICÓLOGA E PSICANALISTA DOUTORA, MESTRE E ESPECIALISTA PELA UFRJ COORDENADORA DO MESTRADO EM PSICANÁLISE

Leia mais

TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO

TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO RESUMO TRANSCRIÇÃO DE LIBRAS NA PERSPECTIVA DA LINGUÍSTICA DA ENUNCIAÇÃO Laura Amaral Kümmel Frydrych (UFRGS) Luiza Milano Surreaux (UFRGS) O presente trabalho propõe apresentar uma abordagem teórico-metodológica

Leia mais

O COMPLEXO DA MÃE MORTA: SOBRE OS TRANSTORNOS DO AMOR NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ

O COMPLEXO DA MÃE MORTA: SOBRE OS TRANSTORNOS DO AMOR NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ 1 O COMPLEXO DA MÃE MORTA: SOBRE OS TRANSTORNOS DO AMOR NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ Autora Issa Damous Mesa Redonda Do amor conjugal ao amor parental: reflexões sobre o sofrimento psíquico No senso comum, espera-se

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCHLADLEMPLIC04 OBSERVAÇÃO EM SALA DE AULA E/LE Bruna Mikaele Siquiera (1) María del Pilar Roca (3) Centro de Ciências Humanas, Artes e Letras/ Departamento de Letras Estrangeiras Modernas RESUMO Esse

Leia mais

Depressão não é sintoma, mas inibição

Depressão não é sintoma, mas inibição 4 (29/4/2015) Tristeza Atualmente denominada de depressão, por lhe dar por suporte o humor, a tristeza é uma covardia de dizer algo do real. Seu avesso, no sentido moebiano, a alegria, pode ir até a elacão.

Leia mais

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento

Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas. 14.1. Treinamento é investimento Módulo 14 Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas 14.1. Treinamento é investimento O subsistema de desenvolver pessoas é uma das áreas estratégicas do Gerenciamento de Pessoas, entretanto em algumas organizações

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

Avaliação psicológica: escutar, integrar, registrar.

Avaliação psicológica: escutar, integrar, registrar. Avaliação psicológica: escutar, integrar, registrar. Iris Fátima Alves Campos 1 Quero agradecer pela oportunidade de estar aqui, especialmente a meus pares, colegas desse percurso de construir algo sobre

Leia mais

PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)...

PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)... PROJETO 3 (EDUCAÇÃO/PSICANÁLISE- MESTRADO)... I. TÍTULO DO PROJETO: A transferência no dispositivo educativo com crianças psicóticas e autistas II. INTRODUÇÃO Atualmente, no campo da psicose e autismo

Leia mais

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey)

Tabela 1. Fatores de Risco para Perda Neurossensorial (Bailey) Triagem Auditiva A deficiência auditiva permanente, de acordo com o Consenso Europeu em Triagem Auditiva Neonatal (DAP), é definida quando a média dos limiares auditivos obtidos nas freqüências 500, 1000

Leia mais

SIM, É PRECISO FALAR SOBRE KEVIN: diálogo entre Psicanálise e cinema.

SIM, É PRECISO FALAR SOBRE KEVIN: diálogo entre Psicanálise e cinema. SIM, É PRECISO FALAR SOBRE KEVIN: diálogo entre Psicanálise e cinema. Aline Seidl (Acadêmica de Psicologia, UNICENTRO) Gislaine de Fátima de Oliveira (Acadêmica de Psicologia, UNICENTRO) Thais Bronislawski

Leia mais

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO

A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO A DOENÇA O REAL PARA O SUJEITO 2014 Olga Cristina de Oliveira Vieira Graduada em Psicologia pela Universidade Presidente Antônio Carlos. Docente no Centro Técnico de Ensino Profissional (CENTEP). Especialização

Leia mais

Donald Davidson e a objetividade dos valores

Donald Davidson e a objetividade dos valores Donald Davidson e a objetividade dos valores Paulo Ghiraldelli Jr. 1 Os positivistas erigiram sobre a distinção entre fato e valor o seu castelo. Os pragmatistas atacaram esse castelo advogando uma fronteira

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física

A mobilização de conhecimentos matemáticos no ensino de Física Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Brasil cintiabento@ig.com.br Edda Curi Universidade Cruzeiro do Sul Brasil edda.curi@cruzeirodosul.edu.br Resumo Este artigo apresenta um recorte

Leia mais

A importância da família no processo de educar

A importância da família no processo de educar A importância da família no processo de educar A mim me dá pena e preocupação quando convivo com famílias que experimentam a tirania da liberdade em que as crianças podem tudo: gritam, riscam as paredes,

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1

APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 APO TAME TOS SOBRE A A GÚSTIA EM LACA 1 Elza Macedo Instituto da Psicanálise Lacaniana IPLA São Paulo, 2008 A angústia é um afeto Lacan (2005) dedica o Seminário de 1962-1963 à angústia. Toma a experiência

Leia mais

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial

O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial O que diferencia uma abordagem fenomenológicoexistencial das demais? Ari Rehfeld Publicado no livro Gestalt-terapia : e apresentado no Congresso Latino de Gestalt Maceió, 20 a 24 out 2004 Abertura Começo

Leia mais

PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO E DA APRENDIZAGEM NA ADOLESCÊNCIA AULA 03: ABORDAGEM DA PSICOLOGIA DO DESENVOLVIMENTO TÓPICO 01: AS FASES DO DESENVOLVIMENTO HUMANO Para compreendermos a natureza do comportamento

Leia mais

Concurso Público Psicologia Clínica Caderno de Questões Prova Discursiva 2015

Concurso Público Psicologia Clínica Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Homem de 38 anos de idade chegou ao atendimento por pressão de amigos, pois está convencido de que em seu caso não se trata de doença. Lúcido, fala espontaneamente

Leia mais

A percepção da produção vocal pelo regente coral

A percepção da produção vocal pelo regente coral A percepção da produção vocal pelo regente coral Snizhana Drahan snid@terra.com.br Resumo: O presente trabalho considera o conceito percepção vocal, incluindo suas funções e recursos, como a capacidade

Leia mais

artigos . Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG

artigos . Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG artigos PAULO FOGAÇA nas Artes Plásticas em Goiás: Indícios de Contextualização. Luís Edegar de Oliveira Costa Professor da Faculdade de Artes Visuais da UFG A aparição da arte moderna em Goiás, sua formulação

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL ALGUMAS CONSIDERAÇÕES ACERCA DO DISCURSO SIMBOLISTA NO BRASIL Élcio Aloisio Fragoso 1 INTRODUÇÃO Neste texto, faremos algumas considerações acerca do discurso simbolista no Brasil, relativamente à história

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO DEFICIENTE AUDITIVO Daisy Mara Moreira de Oliveira (UFS) dayseoliveira01@hotmail.com Derli

Leia mais

INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA. Prof. Carlos Marques

INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA. Prof. Carlos Marques INTERFACE USUÁRIO MÁQUINA Prof. Carlos Marques Dicionário Michaelis Interface Superfície, plana ou não, que forma um limite comum de dois corpos ou espaços. Ponto no qual um sistema de computação termina

Leia mais

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA

ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA ESCUTANDO DISCURSIVAMENTE A ESCRITA DE SUJEITOS ADOLESCENTES SOBRE QUESTÕES DE CORPO: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA Rubens Prawucki (Centro Universitário - Católica de SC) 1- Iniciando as reflexões: O objetivo

Leia mais

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE Cuidando de quem cuida Instituto de Capacitação e Intervenção Psicossocial pelos Direitos da Criança e Adolescente em Situação de Risco O TEMPO NO ABRIGO: PRESERVAÇÃO DA HISTÓRIA, GARANTIA DE SINGULARIDADE

Leia mais

O apetite necessário à constituição do sujeito Gabriela de Araujo 1 Rogério Lerner 2

O apetite necessário à constituição do sujeito Gabriela de Araujo 1 Rogério Lerner 2 O apetite necessário à constituição do sujeito Gabriela de Araujo 1 Rogério Lerner 2 O presente trabalho apresenta alguns resultados iniciais de um estudo sobre o desenvolvimento de irmãos de crianças

Leia mais

A fala freada Bernard Seynhaeve

A fala freada Bernard Seynhaeve Opção Lacaniana online nova série Ano 1 Número 2 Julho 2010 ISSN 2177-2673 Bernard Seynhaeve Uma análise é uma experiência de solidão subjetiva. Ela pode ser levada suficientemente longe para que o analisante

Leia mais