REGULAMENTO TARIFÁRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGULAMENTO TARIFÁRIO"

Transcrição

1 REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Julho 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

2 Rua Dom Crisóvão da Gama n.º 1-3.º Lisboa Tel: Fax:

3 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural ÍNDICE Capíulo I Disposições e princípios gerais... 1 Arigo 1.º Objeco... 1 Arigo 2.º Âmbio... 1 Arigo 3.º Siglas e definições... 2 Arigo 4.º Prazos... 7 Arigo 5.º Princípios gerais... 7 Capíulo II Acividades e conas das empresas reguladas... 9 Arigo 6.º Acividade reguladas... 9 Arigo 7.º Conas reguladas Capíulo III Tarifas reguladas Secção I Disposições gerais Arigo 8.º Definição das Tarifas Arigo 9.º Fixação das arifas Secção II Esruura do arifário Arigo 10.º Tarifas e proveios Arigo 11.º Tarifas a aplicar aos clienes dos comercializadores de úlimo recurso Arigo 12.º Tarifas a aplicar às enregas do operador da rede de ranspore e dos operadores das redes de disribuição Arigo 13.º Tarifas a aplicar às enregas do operador da rede de ranspore aos operadores das redes de disribuição Arigo 14.º Esruura geral das arifas Arigo 15.º Esruura geral das arifas reguladas por acividade Arigo 16.º Esruura geral das arifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso Arigo 17.º Esruura geral das opções ransiórias das arifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso Arigo 18.º Esruura geral das arifas de Acesso às Redes Arigo 19.º Períodos de pona Secção III Tarifas de Acesso às Redes Arigo 20.º Objeco i

4 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Arigo 21.º Esruura geral das arifas de Acesso às Redes aplicáveis às enregas em AP, MP e BP> com medição de regiso diário ou mensal Arigo 22.º Esruura geral das arifas de Acesso às Redes aplicáveis às enregas em BP< com periodicidade de leiura superior a um mês Arigo 23.º Capacidade uilizada e energia a facurar Secção IV Tarifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso Arigo 24.º Objeco Arigo 25.º Opções arifárias Arigo 26.º Opções arifárias ransiórias Arigo 27.º Esruura geral das arifas de Venda a Clienes Finais Arigo 28.º Capacidade uilizada e energia a facurar Secção V Tarifas de Energia Arigo 29.º Objeco Arigo 30.º Esruura geral Arigo 31.º Conversão da arifa de Energia para os vários níveis de pressão Arigo 32.º Energia a facurar Secção VI Tarifa de Uso do Terminal de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de Gás Naural Liquefeio Arigo 33.º Objeco Arigo 34.º Esruura geral Arigo 35.º Conversão da arifa de Uso do Terminal de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de GNL para os vários ponos de enrega da infra-esruura Arigo 36.º Capacidade uilizada, energia armazenada e energia a facurar Secção VII Tarifas de Uso do Armazenameno Suberrâneo Arigo 37.º Objeco Arigo 38.º Esruura geral Arigo 39.º Períodos arifários Arigo 40.º Energia armazenada, energia injecada e energia exraída a facurar Secção VIII Tarifa de Uso Global do Sisema Arigo 41.º Objeco Arigo 42.º Esruura geral ii

5 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Arigo 43.º Conversão da arifa de Uso Global do Sisema a aplicar pelos operadores de redes para os vários níveis de pressão Arigo 44.º Energia a facurar Secção IX Tarifas de Uso da Rede de Transpore Arigo 45.º Objeco Arigo 46.º Esruura geral Arigo 47.º Conversão das arifas de Uso da Rede de Transpore para os vários níveis de pressão Arigo 48.º Capacidade uilizada e energia a facurar Secção X Tarifas de Uso da Rede de Disribuição Arigo 49.º Objeco Arigo 50.º Esruura geral Arigo 51.º Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em MP Arigo 52.º Conversão das arifas de Uso da Rede de Disribuição em MP Arigo 53.º Tarifas de Uso da Rede de Disribuição em BP Arigo 54.º Capacidade uilizada, energia e ermo fixo a facurar Secção XI Tarifas de Comercialização Arigo 55.º Objeco Arigo 56.º Esruura geral Capíulo IV Proveios das acividades reguladas Secção I Proveios dos operadores de erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de GNL Arigo 57.º Proveios da acividade de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de GNL Arigo 58.º Proveios da função de Recepção de GNL Arigo 59.º Proveios da função de Armazenameno de GNL Arigo 60.º Proveios da função de Regaseificação de GNL Secção II Proveios dos operadores de armazenameno suberrâneo de gás naural Arigo 61.º Proveios da acividade de Armazenameno Suberrâneo de gás naural Secção III Proveios do operador logísico de mudança de comercializador Arigo 62.º Proveios da acividade de Operação Logísica de Mudança de Comercializador iii

6 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Secção IV Proveios do operador da rede de ranspore de gás naural Arigo 63.º Proveios da acividade de Acesso à RNTGN Arigo 64.º Proveios da acividade de Gesão Técnica Global do Sisema Arigo 65.º Proveios da acividade de Transpore de gás naural Secção V Proveios dos operadores das redes de disribuição de gás naural Arigo 66.º Proveios da acividade de Acesso à RNTGN e à RNDGN Arigo 67.º Proveios a recuperar pelos operadores da rede de disribuição por aplicação da arifa de Uso Global do Sisema Arigo 68.º Proveios a recuperar pelos operadores da rede de disribuição por aplicação da arifa de Uso da Rede de Transpore Arigo 69.º Proveios da acividade de Disribuição de gás naural Secção VI Proveios do comercializador do SNGN Arigo 70.º Proveios da acividade de Compra e Venda de gás naural no âmbio da gesão dos conraos de aprovisionameno de longo prazo em regime de ae or pay celebrados em daa anerior à publicação da Direciva 2003/55/CE, de 26 de Junho Secção VII Proveios do comercializador de úlimo recurso grossisa Arigo 71.º Proveios da acividade de Compra e Venda de gás naural para fornecimeno aos comercializadores de úlimo recurso Arigo 72.º Proveios da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes Arigo 73.º Proveios da função de Compra e Venda de gás naural a grandes clienes Arigo 74.º Proveios da função de Compra e Venda do Acesso à RNTGN e à RNDGN a grandes clienes Arigo 75.º Proveios da função de Comercialização de gás naural a grandes clieneserro! Marcador não def Secção VIII Proveios dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Arigo 76.º Proveios da acividade de Comercialização de gás naural Arigo 77.º Proveios da função de Compra e Venda de gás naural Arigo 78.º Proveios da função de Compra e Venda do Acesso à RNTGN e à RNDGN Arigo 79.º Proveios da função de Comercialização de gás nauralerro! Marcador não definido. Secção IX Compensação pela aplicação da uniformidade arifária Arigo 80.º Compensação pela aplicação da arifa de Energia Arigo 81.º Compensação pela aplicação da arifa de Uso Global do Sisema Arigo 82.º Compensação pela aplicação da arifa de Uso da Rede de Transpore iv

7 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Arigo 83.º Compensação pela aplicação das arifas de Uso da Rede de Disribuição Arigo 84.º Compensação pela aplicação das arifas de Comercialização Arigo 85.º Compensação arifária dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Arigo 86.º Compensação arifária dos operadores da rede de disribuição Secção X Incenivo à promoção do desempenho ambienal Arigo 87.º Planos de Promoção do Desempenho Ambienal Arigo 88.º Coneúdo dos Planos de Promoção do Desempenho Ambienal Arigo 89.º Cusos máximos dos Planos de Promoção do Desempenho Ambienal Arigo 90.º Aprovação dos Planos de Promoção do Desempenho Ambienal Arigo 91.º Apresenação dos relaórios de execução dos Planos de Promoção de Desempenho Ambienal Arigo 92.º Coneúdo dos Relaórios de Execução dos Planos de Promoção de Desempenho Ambienal Arigo 93.º Aprovação dos Relaórios de Execução do Plano de Promoção do Desempenho Ambienal Arigo 94.º Regiso conabilísico Arigo 95.º Reafecação de cusos Arigo 96.º Divulgação e fiscalização Secção XI Incenivo à Promoção da Eficiência no Consumo Arigo 97.º Plano de Promoção da Eficiência no Consumo Arigo 98.º Cusos com o Plano de Promoção da Eficiência no Consumo Arigo 99.º Divulgação Capíulo V Processo de cálculo das arifas reguladas Secção I Meodologia de cálculo das arifas de Energia Arigo 100.º Meodologia de cálculo da arifa de Energia da acividade de Compra e Venda de gás naural para fornecimeno aos comercializadores de úlimo recurso Arigo 101.º Meodologia de cálculo da revisão rimesral das arifas de Energia da acividade de Compra e Venda de gás naural para fornecimeno aos comercializadores de úlimo recurso Arigo 102.º Meodologia de cálculo da arifa de Energia da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes Arigo 103.º Meodologia de cálculo da revisão rimesral das arifas de Energia da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes v

8 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Arigo 104.º Meodologia de cálculo da arifa de Energia dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Arigo 105.º Meodologia de cálculo da revisão rimesral da arifa de Energia dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Arigo 106.º Meodologia de cálculo do ajuse anual da arifa de Energia dos comercializadores de úlimo recurso realhisas a aplicar aos fornecimenos em BP com consumo anual inferior ou igual a m 3 (n) Secção II Meodologia de cálculo da arifa de Uso do Terminal de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de GNL Arigo 107.º Meodologia de cálculo da arifa de Uso do Terminal de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de GNL Secção III Meodologia de cálculo das arifas de Uso do Armazenameno Suberrâneo Arigo 108.º Meodologia de cálculo das arifas de Uso do Armazenameno Suberrâneo116 Secção IV Meodologia de cálculo das arifas de Uso da Rede de Transpore Arigo 109.º Meodologia de cálculo das arifas de Uso da Rede de Transpore a aplicar pelo operador da rede de ranspore Arigo 110.º Meodologia de cálculo das arifas de Uso da Rede de Transpore a aplicar pelos operadores das redes de disribuição Secção V Meodologia de cálculo da arifa de Uso Global do Sisema Arigo 111.º Meodologia de cálculo da arifa de Uso Global do Sisema a aplicar pelo operador da rede de ranspore Arigo 112.º Meodologia de cálculo da arifa de Uso Global do Sisema a aplicar pelos operadores das redes de disribuição Secção VI Meodologia de cálculo das arifas de Uso da Rede de Disribuição Arigo 113.º Meodologia de cálculo das arifas de Uso da Rede de Disribuição a aplicar pelos operadores das redes de disribuição Secção VII Meodologia de cálculo das arifas de Comercialização Arigo 114.º Meodologia de cálculo da arifa de Comercialização da acividade de comercialização de úlimo recurso a grandes clienes Arigo 115.º Meodologia de cálculo da arifa de Comercialização dos comercializadores de úlimo recurso realhisas vi

9 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Secção VIII Meodologia de cálculo das arifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso Subsecção I Meodologia de cálculo das arifas de Venda a Clienes Finais da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes Arigo 116.º Meodologia de cálculo das arifas de Venda a Clienes Finais da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes Arigo 117.º Mecanismo de limiação de acréscimos resulanes da convergência das arifas de Venda a Clienes Finais da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes para arifas adiivas Arigo 118.º Ajusamenos resulanes da convergência para um sisema arifário adiivo nas arifas de Venda a Clienes Finais da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes Subsecção II Meodologia de cálculo das arifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Arigo 119.º Meodologia de cálculo das arifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Arigo 120.º Mecanismo de limiação de acréscimos resulanes da convergência das arifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso realhisas para arifas adiivas Arigo 121.º Ajusamenos resulanes da convergência para um sisema arifário adiivo nas arifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Capíulo VI Procedimenos Secção I Disposições Gerais Arigo 122.º Frequência de fixação das arifas Arigo 123.º Período de regulação Secção II Informação periódica a fornecer à ERSE pelos operadores de erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de GNL Arigo 124.º Informação a fornecer à ERSE pelos operadores de erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de GNL Arigo 125.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de GNL vii

10 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Secção III Informação periódica a fornecer à ERSE pelos operadores de armazenameno suberrâneo de gás naural Arigo 126.º Informação a fornecer à ERSE pelos operadores de armazenameno suberrâneo de gás naural Arigo 127.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Armazenameno Suberrâneo de Gás Naural Secção IV Informação periódica a fornecer à ERSE pelo operador logísico de mudança de comercializador Arigo 128.º Informação a fornecer à ERSE pelo operador logísico de mudança de comercializador Arigo 129.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Operação Logísica de Mudança de Comercializador Secção V Informação periódica a fornecer à ERSE pelo operador da rede de ranspore de gás naural Arigo 130.º Informação a fornecer à ERSE pelo operador da rede de ranspore de gás naural Arigo 131.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Transpore de gás naural Arigo 132.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Gesão Técnica Global do Sisema Secção VI Informação periódica a fornecer à ERSE pelos operadores da rede de disribuição de gás naural Arigo 133.º Informação a fornecer à ERSE pelos operadores da rede de disribuição de gás naural Arigo 134.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Disribuição de gás naural Arigo 135.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Acesso à RNTGN Secção VII Informação periódica a fornecer à ERSE pelo comercializador do SNGN Arigo 136.º Informação a fornecer à ERSE pelo comercializador do SNGN Arigo 137.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Compra e Venda de gás naural, no âmbio da gesão dos conraos de aprovisionameno de longo prazo em regime de ae or pay celebrados em daa anerior à publicação da Direciva 2003/55/CE, de 26 de Junho viii

11 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Secção VIII Informação periódica a fornecer à ERSE pelo comercializador de úlimo recurso grossisa Arigo 138.º Informação a fornecer à ERSE pelo comercializador de úlimo recurso grossisa Arigo 139.º Desagregação da informação conabilísica da acividade de Compra e venda de gás naural para fornecimeno aos comercializadores de úlimo recurso Arigo 140.º Desagregação da informação conabilísica na função de Compra e Venda de gás naural a grandes clienes Arigo 141.º Desagregação da informação conabilísica da função de Compra e Venda do Acesso à RNTGN e à RNDGN Arigo 142.º Desagregação da informação conabilísica da função de Comercialização de gás naural a grandes clienes... Erro! Marcador não definido. Arigo 143.º Informação rimesral a fornecer à ERSE pelo comercializador de úlimo recurso grossisa no âmbio da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes Secção IX Informação periódica a fornecer à ERSE pelos comercializadores de úlimo recurso realhisas de gás naural Arigo 144.º Informação a fornecer à ERSE pelo comercializador de úlimo recurso realhisa de gás naural Arigo 145.º Desagregação da informação conabilísica da função de Compra e Venda de gás naural dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Arigo 146.º Desagregação da informação conabilísica da função de Compra e Venda do Acesso à RNTGN e à RNDGN dos comercializadores de úlimo recurso realhisas Arigo 147.º Desagregação da informação conabilísica da função de Comercialização de gás naural dos comercializadores de úlimo recurso realhisaserro! Marcador não definido. Arigo 148.º Informação rimesral a fornecer à ERSE pelo comercializador de úlimo recurso realhisa de gás naural Secção X Fixação das Tarifas Arigo 149.º Fixação das arifas Arigo 150.º Tarifas para o primeiro ano gás do novo período de regulação Secção XI Fixação excepcional das arifas Arigo 151.º Início do processo Arigo 152.º Fixação excepcional das arifas ix

12 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Secção XII Fixação dos parâmeros para novo período de regulação Arigo 153.º Balanços de gás naural Arigo 154.º Informação económico-financeira Arigo 155.º Fixação dos valores dos parâmeros Secção XIII Revisão excepcional dos parâmeros de um período de regulação Arigo 156.º Início do processo Arigo 157.º Fixação dos novos valores dos parâmeros Secção XIV Documenos complemenares ao Regulameno Tarifário Arigo 158.º Documenos Arigo 159.º Elaboração e divulgação Capíulo VII Garanias adminisraivas e reclamações Secção I Garanias adminisraivas Arigo 160.º Admissibilidade de peições, queixas e denúncias Arigo 161.º Forma e formalidades Arigo 162.º Insrução e decisão Capíulo VIII Disposições finais e ransiórias Secção I Disposições ransiórias Arigo 163.º Informação a enviar nos primeiros anos de aplicação do Regulameno Tarifário Arigo 164.º Manuenção do equilíbrio económico e financeiro dos operadores das infraesruuras Secção II Disposições finais Arigo 165.º Pareceres inerpreaivos da ERSE Arigo 166.º Norma remissiva Arigo 167.º Fiscalização e aplicação do Regulameno Arigo 168.º Enrada em vigor x

13 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Capíulo I Disposições e princípios gerais Arigo 1.º Objeco O presene regulameno, ediado ao abrigo do n.º 1 do Arigo 63.º do Decreo-Lei n.º 140/2006, de 26 de Julho, e do n.º 2 do arigo 15.º dos Esauos da ERSE, anexos ao Decreo-Lei n.º 97/2002, de 12 de Abril, esabelece as disposições aplicáveis aos criérios e méodos para a formulação de arifas e preços de gás naural a aplicar pelas enidades por ele abrangidas, à definição das arifas reguladas e respeciva esruura, ao processo de cálculo e deerminação das arifas, à deerminação dos proveios permiidos, aos procedimenos a adopar para a fixação das arifas, sua aleração e publiciação, bem como às obrigações das enidades do Sisema Nacional de Gás Naural, nomeadamene, em maéria de presação de informação. Arigo 2.º Âmbio 1 - O presene regulameno em por âmbio as arifas a aplicar nas seguines relações comerciais: a) Uilização do erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de gás naural liquefeio. b) Uilização do armazenameno suberrâneo de gás naural. c) Uilização da rede de ranspore. d) Uilização da rede de disribuição. e) Enregas do operador da rede de ranspore aos operadores das redes de disribuição. f) Fornecimenos do comercializador de úlimo recurso grossisa aos comercializadores de úlimo recurso realhisas. g) Fornecimenos do comercializador de úlimo recurso grossisa no âmbio da acividade de Comercialização a grandes clienes. h) Fornecimenos dos comercializadores de úlimo recurso realhisas a clienes finais. 2 - Esão abrangidos pelo âmbio de aplicação do presene regulameno: a) Os consumidores ou clienes. b) Os comercializadores de úlimo recurso realhisas. 1

14 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural c) O comercializador de úlimo recurso grossisa. d) O comercializador do SNGN. e) O operador logísico de mudança de comercializador. f) Os operadores das redes de disribuição. g) O operador da rede de ranspore. h) Os operadores de armazenameno suberrâneo. i) Os operadores de erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de GNL. Arigo 3.º Siglas e definições 1 - No presene regulameno são uilizadas as seguines siglas: a) AP Ala pressão. b) ASG Armazenameno suberrâneo de gás naural. c) BP Baixa pressão. d) BP> Baixa pressão para fornecimenos anuais superiores a m 3 (n) por ano. e) BP< Baixa pressão para fornecimenos anuais inferiores ou iguais a m 3 (n) por ano. f) CIF Cuso, seguro e free. g) ERSE Enidade Reguladora dos Serviços Energéicos. h) GNL Gás naural liquefeio. i) INE Insiuo Nacional de Esaísica. j) MP Média pressão. ) POC Plano oficial de conabilidade. l) RPGN Rede Pública de Gás Naural. m) RNDGN Rede Nacional de Disribuição de Gás Naural. n) RNTGN Rede Nacional de Transpore de Gás Naural. o) RNTIAT Rede Nacional de Transpore, Infra-esruuras de Armazenameno e Terminais de GNL. p) RT Regulameno Tarifário. q) SNGN Sisema Nacional de Gás Naural. 2

15 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural 2 - Para efeios do presene regulameno, enende-se por: a) Acivo fixo imobilizados corpóreo e incorpóreo, conforme definidos no âmbio do Plano Oficial de Conabilidade. Os acivos corpóreos e incorpóreos a considerar para efeios de regulação são os que resularem do processo de reavaliação ao abrigo do Decreo -Lei n.º 140/2006, de 26 de Julho, à daa do início da nova concessão e ao cuso de aquisição ou consrução para os bens adquiridos poseriormene. b) Agene de mercado enidade que ransacciona gás naural nos mercados organizados ou por conraação bilaeral, correspondendo às seguines enidades: comercializadores, comercializador do SNGN, comercializadores de úlimo recurso realhisas, comercializador de úlimo recurso grossisa e clienes elegíveis que adquirem gás naural nos mercados organizados ou por conraação bilaeral. c) Ala pressão pressão cujo valor, relaivamene à pressão amosférica, é superior a 20 bar. d) Ano gás período compreendido enre as 00:00h de 1 de Julho e as 24:00h de 30 de Junho do ano seguine. e) Armazenameno suberrâneo de gás naural conjuno de cavidades, equipamenos e redes que, após recepção do gás na inerface com a RNTGN, permie armazenar o gás naural na forma gasosa em cavidades suberrâneas, ou reservaórios especialmene consruídos para o efeio e, poseriormene, volar a injecá-lo na RNTGN aravés da mesma inerface de ransferência de cusódia. f) Capacidade uilizada é a quanidade máxima diária de gás naural que os operadores de redes colocam à disposição no pono de enrega, regisada num período de 12 meses, em Wh/dia. g) Capacidade de regaseificação uilizada no erminal de GNL - valor máximo do consumo medido no pono de enrega do erminal de GNL, na rede de ranspore, regisado no período de um dia, durane o inervalo de 12 meses, incluindo o mês a que a facura respeia, em Wh/dia. h) Cliene pessoa singular ou coleciva que compra gás naural para consumo próprio. i) Comercializador enidade iular de licença de comercialização de gás naural que exerce a acividade de Comercialização livremene. j) Comercializador do SNGN enidade iular dos conraos de longo prazo e em regime de ae or pay celebrados anes da enrada em vigor da Direciva n.º 2003/55/CE, do Parlameno e do Conselho, de 26 de Junho, nos ermos definidos no Decreo- Lei n.º 140/2006, de 26 de Julho. ) Comercializador de úlimo recurso grossisa enidade iular de licença de comercialização de úlimo recurso que esá obrigada a assegurar o fornecimeno de gás 3

16 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural naural aos comercializadores de úlimo recurso realhisas, bem como aos grandes clienes que, por opção ou por não reunirem as condições, não exerçam o seu direio de elegibilidade. l) Comercializador de úlimo recurso realhisa enidade iular de licença de comercialização de úlimo recurso que esá obrigada a assegurar o fornecimeno de gás naural a odos os consumidores com consumo anual inferior a 2 milhões de m 3 (n) ligados à rede que, por opção ou por não reunirem as condições de elegibilidade para maner uma relação conraual com ouro comercializador, ficam sujeios ao regime de arifas e preços regulados. m) Comparicipações subsídios a fundo perdido e comparicipações de clienes aos invesimenos. n) Disribuição veiculação de gás naural aravés de redes de disribuição de média ou baixa pressão, para enrega às insalações fisicamene ligadas à rede de disribuição, excluindo a comercialização. o) Energia armazenada na infra-esruura de armazenameno suberrâneo valor diário das exisências de energia numa deerminada infra-esruura de armazenameno suberrâneo, aribuíveis a cada uilizador, deerminadas às 24 horas de cada dia, em Wh. p) Energia armazenada no erminal de GNL valor diário das exisências de energia no erminal de GNL, aribuíveis a cada uilizador, deerminadas às 24 horas de cada dia, em Wh. q) Energia em períodos de pona energia do gás naural enregue no período definido como pona, medido ou deerminado a parir de grandezas medidas (volume, emperaura e pressão), em Wh. r) Energia enregue energia do gás naural enregue, medido ou deerminado a parir de grandezas medidas (volume, emperaura e pressão), em Wh. s) Energia enregue pelo erminal de GNL energia associada ao volume de gás naural enregue pelo erminal de GNL, em Wh. ) Energia exraída na infra-esruura de armazenameno energia associada ao volume de gás naural enregue, por uma infra-esruura de armazenameno, na rede de ranspore de gás naural, em Wh. u) Energia injecada na infra-esruura de armazenameno energia associada ao volume de gás naural enregue, a uma infra-esruura de armazenameno, a parir da rede de ranspore de gás naural, em Wh. v) Fornecimenos a clienes quanidades envolvidas na facuração das arifas de venda a clienes finais. 4

17 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural w) Gesão Técnica Global do Sisema conjuno de acividades e responsabilidades de coordenação do SNGN, de forma a assegurar a segurança e coninuidade do abasecimeno de gás naural. x) Grandes clienes clienes com consumo anual igual ou superior a 2 milhões de m 3 (n). y) Índice de Preços Implícios no Consumo Privado variação dos preços no Consumo Final das Famílias, divulgada pelo INE, nas conas nacionais rimesrais. z) Média pressão pressão cujo valor, relaivamene à pressão amosférica, é igual ou superior a 4 bar e igual ou inferior a 20 bar. aa) Mercados organizados os sisemas com diferenes modalidades de conraação que possibiliam o enconro enre a ofera e a procura de gás naural e de insrumenos cujo acivo subjacene seja gás naural ou acivo equivalene. bb) Operador de erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de GNL enidade concessionária do respecivo erminal, sendo responsável por assegurar a sua exploração e manuenção, bem como a sua capacidade de armazenameno e regaseificação em condições de segurança, fiabilidade e qualidade de serviço. cc) Operador de armazenameno suberrâneo de gás naural enidade concessionária do respecivo armazenameno suberrâneo, responsável pela exploração e manuenção das capacidades de armazenameno e das infra-esruuras de superfície, em condições de segurança, fiabilidade e qualidade de serviço. dd) Operador da rede de disribuição enidade concessionária da Rede Nacional de Transpore de Gás naural, responsável pela exploração, manuenção e desenvolvimeno da rede de ranspore em condições de segurança, fiabilidade e qualidade de serviço, bem como das suas inerligações com ouras redes, quando aplicável, devendo assegurar a capacidade da rede a longo prazo para aender pedidos razoáveis de ranspore de gás naural. ee) Operador da rede de ranspore enidade concessionária da Rede Nacional de Transpore de gás naural, responsável pela exploração, manuenção e desenvolvimeno da rede de ranspore em condições de segurança, fiabilidade e qualidade de serviço, bem como das suas inerligações com ouras redes, quando aplicável, devendo assegurar a capacidade da rede a longo prazo para aender pedidos razoáveis de ranspore de gás naural. ff) Período arifário inervalo de empo durane o qual vigora um preço de um ermo arifário. gg) Quanidades excedenárias de gás naural diferença enre as quanidades de gás naural adquiridas no âmbio dos conraos de aprovisionameno de longo prazo em regime de ae or pay celebrados anes da enrada em vigor da Direciva n.º 2003/55/CE, do Parlameno e do Conselho, de 26 de Junho e as quanidades necessárias a assegurar a 5

18 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural obrigação de fornecimeno de gás naural à acividade de Compra e Venda de Gás Naural para Fornecimeno aos Comercializadores de Úlimo Recurso do comercializador de úlimo recurso grossisa e aos cenros elecroproduores com conrao de fornecimeno ouorgado em daa anerior à publicação do Decreo-Lei n.º 140/2006, de 26 de Julho. hh) Rede Nacional de Disribuição de Gás Naural o conjuno das infra-esruuras de serviço público desinadas à disribuição de gás naural. ii) jj) Rede Nacional de Transpore de Gás Naural o conjuno das infra-esruuras de serviço público desinadas ao ranspore de gás naural. Rede Nacional de Transpore, Infra-esruuras de Armazenameno e Terminais de GNL o conjuno das infra-esruuras de serviço público desinadas à recepção e ao ranspore em gasoduo, ao armazenameno suberrâneo e à recepção, ao armazenameno e à regaseificação de GNL. ) Rede Pública de Gás Naural o conjuno das infra-esruuras de serviço público desinadas à recepção, ao ranspore e à disribuição em gasoduo,.ao armazenameno suberrâneo e à recepção, armazenameno e regaseificação de GNL. ll) Sisema Público de Gás Naural Subsisema do SNGN que compreende os comercializadores de úlimo recurso realhisas, o comercializador de úlimo recurso grossisa, os consumidores não elegíveis, bem como os consumidores elegíveis que não exerçam esse direio. mm) Terminal de GNL o conjuno de infra-esruuras ligadas direcamene à rede de ranspore desinadas à recepção e expedição de navios meaneiros, armazenameno, raameno e regaseificação de GNL e à sua poserior emissão para a rede de ranspore, bem como o carregameno de GNL em camiões ciserna e navios meaneiros. nn) Transpore veiculação de gás naural numa rede inerligada de ala pressão, para efeios de recepção e enrega a disribuidores e a insalações fisicamene ligadas à rede de ranspore, excluindo a comercialização. oo) Uilizador pessoa singular ou coleciva que enrega gás naural na rede ou que é abasecida aravés dela, incluindo os clienes agenes de mercado, os comercializadores, o comercializador de úlimo recurso grossisa e os comercializadores de úlimo recurso realhisas. 6

19 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Arigo 4.º Prazos 1 - Sem prejuízo de oura indicação específica, os prazos esabelecidos no presene regulameno que não enham naureza adminisraiva são prazos conínuos. 2 - Os prazos previsos no número anerior conam-se nos ermos do Código Civil. 3 - Os prazos de naureza adminisraiva fixados no presene regulameno que envolvam enidades públicas conam-se nos ermos do Código do Procedimeno Adminisraivo. Arigo 5.º Princípios gerais O presene regulameno fundamena-se no respeio pelos seguines princípios: a) Igualdade de raameno e de oporunidades. b) Harmonização dos princípios arifários, de modo que o mesmo sisema arifário se aplique igualmene a odos os clienes. c) Transparência e simplicidade na formulação e fixação das arifas. d) Inexisência de subsidiações cruzadas enre acividades e enre clienes, aravés da adequação das arifas aos cusos e da adopção do princípio da adiividade arifária. e) Transmissão dos sinais económicos adequados a uma uilização eficiene das redes e demais infra-esruuras do SNGN. f) Proecção dos clienes face à evolução das arifas, assegurando simulaneamene o equilíbrio económico e financeiro às acividades reguladas em condições de gesão eficiene. g) Criação de incenivos ao desempenho eficiene das acividades reguladas das empresas. h) Conribuição para a promoção da eficiência energéica e da qualidade ambienal. 7

20

21 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Capíulo II Acividades e conas das empresas reguladas Arigo 6.º Acividade reguladas 1 - O presene regulameno abrange as seguines acividades reguladas, definidas nos ermos do Regulameno das Relações Comerciais: a) Acividade de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de GNL, exercida pelos operadores de erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de GNL, inclui as seguines funções: i) Recepção de GNL. ii) iii) Armazenameno de GNL. Regaseificação de GNL. b) Acividade de Armazenameno Suberrâneo de gás naural exercida pelos operadores de armazenameno suberrâneo de gás naural. c) Acividade de Operação Logísica de Mudança de Comercializador exercida pelo operador logísico de mudança de comercializador. d) Acividade de Gesão Técnica Global do Sisema exercida pelo operador da rede de ranspore. e) Acividade de Transpore de gás naural exercida pelo operador da rede de ranspore. f) Acividade de Acesso à RNTGN exercida pelo operador da rede de ranspore. g) Acividade de Disribuição de gás naural exercida pelos operadores das redes de disribuição. h) Acividade de Acesso à RNTGN e à RNDGN exercida pelos operadores das redes de disribuição. i) Acividade de Compra e Venda de gás naural no âmbio da gesão dos conraos de aprovisionameno de longo prazo em regime de ae or pay celebrados em daa anerior à publicação da Direciva 2003/55/CE, de 26 de Junho exercida pelo comercializador do SNGN. j) Acividade de Compra e Venda de gás naural para fornecimeno aos comercializadores de úlimo recurso, exercida pelo comercializador de úlimo recurso grossisa. ) Acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes, exercida pelo comercializador de úlimo recurso grossisa, inclui as seguines funções: 9

22 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural i) Compra e Venda de gás naural a grandes clienes. ii) iii) Compra e Venda do Acesso à RNTGN e à RNDGN a grandes clienes. Comercialização de gás naural a grandes clienes. l) Acividade de Comercialização de gás naural, exercida pelos comercializadores de úlimo recurso realhisas, inclui as seguines funções: i) Compra e Venda de gás naural. ii) iii) Compra e Venda do Acesso à RNTGN e à RNDGN. Comercialização de gás naural. Arigo 7.º Conas reguladas 1 - Os operadores de erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de GNL, os operadores de armazenameno suberrâneo de gás naural, o operador da rede de ranspore de gás naural, o operador logísico de mudança de comercializador de gás naural, os operadores das redes de disribuição de gás naural, o comercializador do SNGN, o comercializador de úlimo recurso grossisa e os comercializadores de úlimo recurso realhisas de gás naural devem maner acualizada a conabilidade para efeios de regulação, adiane denominada de conas reguladas, nos ermos esabelecidos no presene regulameno. 2 - As conas reguladas devem obedecer às regras esabelecidas no presene regulameno e nas normas e meodologias complemenares emiidas pela ERSE. 3 - A ERSE, sempre que para efeios da adequada aplicação do presene regulameno julgar conveniene, pode emiir normas e meodologias complemenares que permiam especificar, dealhar ou clarificar a informação disponibilizada nas conas reguladas. 4 - As normas e meodologias complemenares emiidas pela ERSE aplicam-se às conas do ano gás em que são publicadas e às dos anos gás seguines. 5 - As conas reguladas enviadas anualmene à ERSE, de acordo com o esabelecido no Capíulo VI do presene regulameno, são aprovadas pela ERSE consiuindo as conas reguladas aprovadas. 6 - As conas reguladas, enviadas à ERSE para aprovação, devem ser preparadas omando sempre como base as conas reguladas aprovadas, do ano gás anerior. 10

23 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Capíulo III Tarifas reguladas Secção I Disposições gerais Arigo 8.º Definição das Tarifas O presene regulameno define as seguines arifas: a) arifa de Acesso às Redes. b) arifa de Venda a Clienes Finais a aplicar por cada comercializador de úlimo recurso realhisa. c) arifa de Venda a Clienes Finais a aplicar no âmbio da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes. d) arifa de Energia da acividade de Compra e Venda de gás naural para fornecimeno aos comercializadores de úlimo recurso. e) arifa de Energia a aplicar por cada comercializador de úlimo recurso. f) arifa de Uso do Terminal de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de GNL. g) arifa de Uso do Armazenameno Suberrâneo. h) arifa de Uso Global do Sisema. i) arifa de Uso da Rede de Transpore. j) arifa de Uso da Rede de Disribuição de cada operador de rede de disribuição: i) arifa de Uso da Rede de Disribuição em MP. ii) arifa de Uso da Rede de Disribuição em BP. ) arifa de Comercialização a aplicar por cada comercializador de úlimo recurso. Arigo 9.º Fixação das arifas 1 - As arifas referidas no arigo anerior são esabelecidas de acordo com as meodologias definidas no Capíulo IV e no Capíulo V e com os procedimenos definidos no Capíulo VI. 11

24 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural 2 - O operador do erminal de recepção, armazenameno e regaseificação de GNL, o operador do armazenameno suberrâneo, o operador da rede de ranspore, os operadores das redes de disribuição e os comercializadores de úlimo recurso podem propor à ERSE arifas que proporcionem níveis de proveios inferiores aos esabelecidos pela ERSE. 3 - As arifas referidas no número anerior devem ser oferecidas de forma não discriminaória. 4 - No caso das arifas esabelecidas ao abrigo do n.º 2 -, a correspondene redução nos proveios não é considerada para efeios de deerminação dos ajusamenos anuais previsos no Capíulo IV. Secção II Esruura do arifário Arigo 10.º Tarifas e proveios 1 - As arifas previsas no presene Capíulo nos ermos do Quadro 1 e do Quadro 2 são esabelecidas por forma a proporcionarem os proveios definidos no Capíulo IV. 2 - A arifa de Uso do Terminal de Recepção, Armazenameno e Regaseificação de GNL a aplicar pelo operador de erminal de GNL às suas enregas e quanidades armazenadas deve proporcionar os proveios permiidos da acividade de Recepção, armazenameno e regaseificação de GNL. 3 - A arifa de Uso do Armazenameno Suberrâneo a aplicar pelos operadores de armazenameno suberrâneo às suas recepções, enregas e quanidades armazenadas deve proporcionar os proveios permiidos da acividade de Armazenameno suberrâneo de gás naural. 4 - A arifa de Uso Global do Sisema a aplicar pelo operador da rede de ranspore às suas enregas em AP e à energia enrada nas redes de disribuição abasecidas a parir de GNL deve proporcionar os proveios permiidos da acividade de Gesão écnica global do sisema do operador da rede de ranspore. 5 - A arifa de Uso da Rede de Transpore a aplicar pelo operador da rede de ranspore às enregas em AP e à energia enrada nas redes de disribuição abasecidas a parir de GNL deve proporcionar os proveios permiidos da acividade de Transpore de gás naural. 12

25 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural 6 - As arifas de Uso da Rede de Disribuição em MP e de Uso da Rede de Disribuição em BP devem proporcionar os proveios permiidos das acividades de Disribuição de gás naural de cada operador de rede. 7 - As arifas de Uso da Rede de Disribuição são aplicadas às enregas do nível de pressão em que é efecuada a enrega e dos níveis de pressão inferiores. 8 - As arifas de Comercialização a aplicar pelos comercializadores de úlimo recurso aos fornecimenos aos seus clienes devem proporcionar os proveios permiidos das funções de Comercialização de gás naural de cada comercializador de úlimo recurso. 9 - A arifa de Uso Global do Sisema a aplicar às enregas dos operadores de redes de disribuição deve proporcionar os proveios a recuperar por cada operador de redes de disribuição relaivos à Gesão écnica global do sisema A arifa de Uso da Rede de Transpore a aplicar às enregas dos operadores das redes de disribuição devem proporcionar os proveios a recuperar por cada operador de redes de disribuição relaivos ao ranspore de gás naural Os proveios a recuperar pelos operadores das redes de disribuição definidos nos n. os 6 -, 9 - e 10 - coincidem com os proveios permiidos da acividade de Acesso à RNTGN e à RNDGN Os proveios a recuperar pelo operador da rede de ranspore definidos nos n. os 4 - e 5 - coincidem com os proveios permiidos da acividade de Acesso à RNTGN A arifa de Energia a aplicar aos fornecimenos a comercializadores de úlimo recurso realhisas e aos fornecimenos à acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes, deve proporcionar os proveios permiidos na acividade de Compra e Venda de gás naural para fornecimeno aos comercializadores de úlimo recurso, do comercializador de úlimo recurso grossisa A arifa de Energia a aplicar pelos comercializadores de úlimo recurso aos fornecimenos a clienes finais, deve proporcionar os proveios permiidos das funções de Compra e Venda de gás naural de cada comercializador de úlimo recurso Os comercializadores de úlimo recurso realhisas e o comercializador de úlimo recurso grossisa, ese úlimo no âmbio da comercialização de úlimo recurso a grandes clienes, aplicam aos fornecimenos a clienes finais em MP e BP as arifas referidas nos n. os 6 -, 9 - e 10 - e aos fornecimenos a clienes finais em AP as arifas referidas nos n. os 4 - e 5 -, que lhes permiem recuperar os proveios permiidos da função de Compra e Venda do Acesso à RNTGN e à RNDGN. 13

26 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural 16 - As arifas de Venda a Clienes Finais dos comercializadores de úlimo recurso resulam da adição das arifas referidas nos n. os 6 -, 8 -, 9 -, 10 - e 14 - para os fornecimenos em MP e BP e nos n. os 4 -, 5 -, 8 - e 14 - para os fornecimenos em AP, nos ermos do Arigo 11.º As arifas de Acesso às Redes em AP aplicam-se às enregas do operador da rede de ranspore e resulam da adição das arifas referidas nos n. os 4 - e 5 - do presene arigo, nos ermos do Arigo 12.º As arifas de Acesso às Redes em MP e BP aplicam-se às enregas dos operadores das redes de disribuição e resulam da adição das arifas referidas nos n. os 6 -, 9 - e 10 - do presene arigo, nos ermos do Arigo 12.º Os preços das arifas esabelecidas no presene regulameno são definidos anualmene com excepção das arifas de Energia e das arifas de Venda a Clienes Finais para fornecimenos em AP, MP e BP> Os preços da arifa de Energia referida no n.º 13 - são definidos rimesralmene Os preços da arifa de Energia referida no n.º 14 - e das arifas de Venda a Clienes Finais referidas no n.º 16 -, são definidos rimesralmene para os fornecimenos em AP, MP e BP> A equivalência enre arifas e proveios, referidos nos números aneriores, aplica-se sem prejuízo do disposo na Secção IX do Capíulo IV. 14

27 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural QUADRO 1 TARIFAS E PROVEITOS DO OPERADOR DA REDE DE TRANSPORTE E DOS OPERADORES DAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO operador da rede de ranspore operadores das redes de disribuição clienes Proveios Tarifas Proveios Tarifas Níveis de pressão Acividade de Gesão écnica global do sisema UGS ORT AP Proveios a recuperar pelas arifas de UGS UGS ORD MP BP Acividade de Transpore de gás naural URT ORT AP Proveios a recuperar pelas arifas de URT URT ORD MP BP Acividade de Disribuição de gás naural URD MP URD BP MP BP BP Legenda: UGS ORT UGS ORD URT ORT URT ORD URD MP URD BP Tarifa de Uso Global do Sisema do operador da rede de ranspore Tarifa de Uso Global do Sisema dos operadores das redes de disribuição Tarifa de Uso da Rede de Transpore do operador da rede de ranspore Tarifa de Uso da Rede de Transpore dos operadores das redes de disribuição Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em MP Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em BP 15

28 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural QUADRO 2 TARIFAS E PROVEITOS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ÚLTIMO RECURSO RETALHISTA E A GRANDES CLIENTES Comercialização de úlimo recurso realhisa e a grandes clienes Clienes Proveios Tarifas Nível de pressão / escalão de consumo UGS ORT + URT ORT AP UGS ORD + URT ORD + URD MP,D MP D Função de Compra e Venda do Acesso à RNTGN e à RNDGN UGS ORD + URT ORD + URD MP,M UGS ORD + URT ORD + URD MP + URD BP>,D MP M BP> D UGS ORD + URT ORD + URD MP + URD BP>,M BP> M UGS ORD + URT ORD + URD MP + URD BP<,O BP< Função de Compra e Venda de gás naural E AP MP BP C GC > 2x10 6 m 3 (n) Função de Comercialização de gás naural C MC > m 3 (n) e < 2x10 6 m 3 (n) C BP< BP< Legenda: E UGS ORT UGS ORD URT ORT URT ORD URD MP,D URD MP,M URD MP URD BP>,D URD BP>,M URD BP<,O C GC C MC Tarifa de Energia Tarifa de Uso Global do Sisema do operador da rede de ranspore Tarifa de Uso Global do Sisema dos operadores das redes de disribuição Tarifa de Uso da Rede de Transpore do operador da rede de ranspore Tarifa de Uso da Rede de Transpore dos operadores das redes de disribuição Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em MP, para clienes com leiura diária Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em MP, para clienes com leiura mensal Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em MP, aplicável às enregas a clienes em BP Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em BP>, para clienes com leiura diária Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em BP>, para clienes com leiura mensal Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em BP<, para clienes com periodicidade de leiura superior a 1 mês Tarifa de Comercialização para clienes com consumo anual superior ou igual a 2 milhões de m 3 (n) Tarifa de Comercialização para clienes com consumo anual superior a m 3 (n) e inferior a 2 milhões de m 3 (n) C BP< Tarifa de Comercialização para clienes em BP< (consumo anual inferior ou igual a m 3 (n)) 16

29 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Arigo 11.º Tarifas a aplicar aos clienes dos comercializadores de úlimo recurso 1 - As arifas de Venda a Clienes Finais aplicam-se aos fornecimenos de cada comercializador de úlimo recurso realhisa e aos fornecimenos do comercializador de úlimo recurso grossisa, no âmbio da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes. 2 - As arifas de Venda a Clienes Finais resulam da adição das arifas de Energia, de Uso Global do Sisema, de Uso da Rede de Transpore, de Uso da Rede de Disribuição e de Comercialização, aplicáveis por cada comercializador de úlimo recurso realhisa e pelo comercializador de úlimo recurso grossisa, no âmbio da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes, conforme esabelecido no Quadro 3, sem prejuízo do número seguine. 3 - O conjuno de proveios a proporcionar pelas arifas de Venda a Clienes Finais de cada comercializador de úlimo recurso realhisa coincide com o conjuno de proveios resulane da aplicação das arifas referidas nos números aneriores aos fornecimenos aos seus clienes. 4 - O conjuno de proveios a proporcionar pelas arifas de Venda a Clienes Finais do comercializador de úlimo recurso grossisa, no âmbio da acividade de Comercialização de úlimo recurso a grandes clienes, coincide com o conjuno de proveios resulane da aplicação das arifas referidas no número 1 - e no número 2 -. QUADRO 3 TARIFAS INCLUÍDAS NAS TARIFAS DE VENDA A CLIENTES FINAIS DA COMERCIALIZAÇÃO DE ÚLTIMO RECURSO RETALHISTA E A GRANDES CLIENTES Tarifas por acividade Tarifas de Venda a Clienes Finais AP MP BP E X X X UGS ORT X - - UGS ORD - X X URT ORT X - - URT ORD - X X URD MP - X X URD BP - - X C X X X 17

30 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural Legenda: E UGS ORT UGS ORD URT ORT URT ORD URD MP URD BP C Tarifa de Energia Tarifa de Uso Global do Sisema do operador da rede de ranspore Tarifa de Uso Global do Sisema dos operadores das redes de disribuição Tarifa de Uso da Rede de Transpore do operador da rede de ranspore Tarifa de Uso da Rede de Transpore dos operadores das redes de disribuição Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em MP Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em BP Tarifa de Comercialização Arigo 12.º Tarifas a aplicar às enregas do operador da rede de ranspore e dos operadores das redes de disribuição 1 - As arifas de Acesso às Redes aplicam-se às enregas do operador da rede de ranspore e dos operadores das redes de disribuição. 2 - As arifas de Acesso às Redes resulam da adição das arifas de Uso global do sisema, de Uso da rede de ranspore e de Uso da rede de disribuição, aplicáveis pelo operador da rede de ranspore e pelos operadores das redes de disribuição, conforme esabelecido no Quadro 4. QUADRO 4 TARIFAS INCLUÍDAS NAS TARIFAS DE ACESSO ÀS REDES DO OPERADOR DA REDE DE TRANSPORTE E DOS OPERADORES DAS REDES DE DISTRIBUIÇÃO Tarifas por acividade Tarifas aplicáveis às enregas do operador da rede de ranspore e dos operadores das redes de disribuição AP MP BP UGS ORT X - - UGS ORD - X X URT ORT X - - URT ORD - X X URD MP - X X URD BP - - X Legenda: UGS ORT UGS ORD Tarifa de Uso Global do Sisema do operador da rede de ranspore Tarifa de Uso Global do Sisema dos operadores das redes de disribuição 18

31 Regulameno Tarifário do Secor do Gás Naural URT ORT URT ORD URD MP URD BP Tarifa de Uso da Rede de Transpore do operador da rede de ranspore Tarifa de Uso da Rede de Transpore dos operadores das redes de disribuição Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em MP Tarifa de Uso da Rede de Disribuição em BP Arigo 13.º Tarifas a aplicar às enregas do operador da rede de ranspore aos operadores das redes de disribuição 1 - As arifas a aplicar pelo operador da rede de ranspore às enregas aos operadores das redes de disribuição coincidem com as arifas a aplicar a clienes em AP, como definidas no Arigo 12.º. 2 - No caso das redes de disribuição abasecidas a parir de GNL, as arifas referidas no número anerior aplicam-se às enradas de gás naural nas redes de disribuição, medidas na infra-esruura de regaseificação de GNL. Arigo 14.º Esruura geral das arifas 1 - Sem prejuízo do esabelecido nas Secções seguines, as arifas definidas na presene Secção são composas pelos seguines preços: a) Preços do ermo arifário fixo, definidos em euros por mês. b) Preços de capacidade uilizada, definidos em euros por Wh/dia, por mês. c) Preços de energia com diferenciação enre períodos de pona e fora de pona, definidos em euros por Wh. 2 - Os preços definidos no número anerior podem ser diferenciados segundo os seguines criérios: a) Nível de pressão. b) Período arifário. c) Escalão de consumo anual. 19

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL Abril 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO Agoso de 2005 ENTIAE REGULAORA OS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua om Crisóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.p www.erse.p Regulameno

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO

REGULAMENTO TARIFÁRIO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR ELÉCTRICO Julho 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 10/2013 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2013-2014 e Parâmetros para o Período de Regulação 2013-2016 O Regulamento Tarifário do

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 08/2011 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural estabelece que os métodos e os parâmetros para o cálculo das tarifas sejam desenvolvidos

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 213 033 200 Fax:

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 8687/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 8687/2011 27106 Diário da República, 2.ª série N.º 122 28 de Junho de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 8687/2011 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural estabelece

Leia mais

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010

Dados do Plano. Resultado da Avaliação Atuarial. Data da Avaliação: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL Daa da Avaliação: 3/2/200 Dados do Plano Nome do Plano: CEEEPREV CNPB: 20.020.04-56 Parocinadoras: Companhia Esadual de Geração e Transmissão de Energia Elérica CEEE-GT Companhia Esadual

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DIRETIVA N.º 6/2014 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2014-2015 Nos termos dos seus Estatutos aprovados pelo Decreto-Lei n.º 97/2002, de 12 de

Leia mais

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney).

exercício e o preço do ativo são iguais, é dito que a opção está no dinheiro (at-themoney). 4. Mercado de Opções O mercado de opções é um mercado no qual o iular (comprador) de uma opção em o direio de exercer a mesma, mas não a obrigação, mediane o pagameno de um prêmio ao lançador da opção

Leia mais

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR DO GÁS NATURAL Abril 2013 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32

Leia mais

PROVEITOS PERMITIDOS DO ANO GÁS 2010-2011 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL

PROVEITOS PERMITIDOS DO ANO GÁS 2010-2011 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL PROVEITOS PERMITIDOS DO ANO GÁS 2010-2011 DAS EMPRESAS REGULADAS DO SECTOR DO GÁS NATURAL Junho 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA

ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA ENGENHARIA ECONÔMICA AVANÇADA TÓPICOS AVANÇADOS MATERIAL DE APOIO ÁLVARO GEHLEN DE LEÃO gehleao@pucrs.br 55 5 Avaliação Econômica de Projeos de Invesimeno Nas próximas seções serão apresenados os principais

Leia mais

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16

Equações Simultâneas. Aula 16. Gujarati, 2011 Capítulos 18 a 20 Wooldridge, 2011 Capítulo 16 Equações Simulâneas Aula 16 Gujarai, 011 Capíulos 18 a 0 Wooldridge, 011 Capíulo 16 Inrodução Durane boa pare do desenvolvimeno dos coneúdos desa disciplina, nós nos preocupamos apenas com modelos de regressão

Leia mais

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE GÁS NATURAL FEVEREIRO 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

CONTRATO N.º 026/2.015

CONTRATO N.º 026/2.015 CLÁUSULA PRIMEIRA - DAS PARTES CONTRATO N.º 026/2.015 Insrumeno paricular de conrao que enre si fazem: de um lado, como conraane, a PREFEITURA MUNICIPAL DE RIO QUENTE, e de ouro, como conraado, e a empresa

Leia mais

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico

CAPÍTULO 9. y(t). y Medidor. Figura 9.1: Controlador Analógico 146 CAPÍULO 9 Inrodução ao Conrole Discreo 9.1 Inrodução Os sisemas de conrole esudados aé ese pono envolvem conroladores analógicos, que produzem sinais de conrole conínuos no empo a parir de sinais da

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 7 094/2011 Através do despacho n.º 9 178/2008, de 28 de Março, foram aprovadas pela ERSE as condições gerais que integram o contrato de fornecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES,

REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES, REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES, ÀS INFRA-ESTRUTURAS E ÀS INTERLIGAÇÕES DO SECTOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 18/2008 A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) através do seu Despacho n.º 13/2008, de 12 de Junho, procedeu à publicação anual

Leia mais

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO

MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO MECANISMO DE ATRIBUIÇÃO DA CAPACIDADE NO ARMAZENAMENTO SUBTERRÂNEO DE GÁS NATURAL FEVEREIRO 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Despacho n.º 3677/2011 9626 Diário da República, 2.ª série N.º 39 24 de Fevereiro de 2011 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Despacho n.º 3677/2011 O artigo 72.º do Regulamento de Relações Comerciais do Gás

Leia mais

E os consumidores economicamente vulneráveis? O que lhes acontece?

E os consumidores economicamente vulneráveis? O que lhes acontece? " opte pela melhor proposta não esquecendo de analisar, também, as condições contratuais apresentadas; " celebre o contrato com o novo comercializador que deverá tratar de todas as formalidades relativas

Leia mais

Valor do Trabalho Realizado 16.

Valor do Trabalho Realizado 16. Anonio Vicorino Avila Anonio Edésio Jungles Planejameno e Conrole de Obras 16.2 Definições. 16.1 Objeivo. Valor do Trabalho Realizado 16. Parindo do conceio de Curva S, foi desenvolvida pelo Deparameno

Leia mais

REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES, ÀS INFRA-ESTRUTURAS E ÀS INTERLIGAÇÕES DO SECTOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES, ÀS INFRA-ESTRUTURAS E ÀS INTERLIGAÇÕES DO SECTOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO DO ACESSO ÀS REDES, ÀS INFRA-ESTRUTURAS E ÀS INTERLIGAÇÕES DO SECTOR DO GÁS NATURAL Setembro 2006 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS

OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE GANHOS STC/ 08 17 à 22 de ouubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil SESSÃO TÉCNICA ESPECIAL CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA (STC) OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA NA CETREL: DIAGNÓSTICO, IMPLEMENTAÇÃO E AVALIAÇÃO DE

Leia mais

Regras de Cálculo dos Índices PSI

Regras de Cálculo dos Índices PSI Regras de Cálculo dos Índices PSI Seembro 2003 Versão 3.0 EURONEXT Sede : Praça Duque de Saldanha, nº 1 5º A - 1050-094 Lisboa Tel: 21 790 00 00 Fax: 21 795 20 19 Inerne: www.euronex.com REGRAS DE CÁLCULO

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13

CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD. Nota Técnica Atuarial 024/13 CENTRUS PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA - PCD Noa Técnica Auarial 024/13 Julho/2013 0 ÍNDICE 1 OBJETIVO... 2 2 MODALIDADE DOS BENEFÍCIOS... 3 2.1 BENEFÍCIOS PREVISTOS PELO PLANO... 3 2.2 INSTITUTOS... 3

Leia mais

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 9 PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 9 ASSUNTOS: Análise de Invesimenos Valor Acual Líquido (VAL) Taxa Inerna de Renabilidade (TIR) Rácio Benefício - Cuso (RBC) Tempo de Recuperação (TR) PROBLEMAS: PROBLEMA 1 Perane a previsão de prejuízos

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada.

CIRCULAR Nº 3.383. I - Abordagem do Indicador Básico; II - Abordagem Padronizada Alternativa; III - Abordagem Padronizada Alternativa Simplificada. TÍTULO : DISPOSIÇÕES TRANSITÓRIAS 29 Página 1 de 7 CIRCULAR Nº.8 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela do Parimônio de Referência Exigido (PRE) referene ao risco operacional (P OPR ), de

Leia mais

Escola Secundária Dom Manuel Martins

Escola Secundária Dom Manuel Martins Escola Secundária Dom Manuel Marins Seúbal Prof. Carlos Cunha 1ª Ficha de Avaliação FÍSICO QUÍMICA A ANO LECTIVO 2006 / 2007 ANO II N. º NOME: TURMA: C CLASSIFICAÇÃO Grisson e a sua equipa são chamados

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA OPERAÇÃO DO SISTEMA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA OPERAÇÃO DO SISTEMA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA OPERAÇÃO DO SISTEMA Junho 2009 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Campo magnético variável

Campo magnético variável Campo magnéico variável Já vimos que a passagem de uma correne elécrica cria um campo magnéico em orno de um conduor aravés do qual a correne flui. Esa descobera de Orsed levou os cienisas a desejaram

Leia mais

3352 Diário da República, 1.ª série N.º 117 20 de Junho de 2011

3352 Diário da República, 1.ª série N.º 117 20 de Junho de 2011 3352 Diário da República, 1.ª série N.º 117 20 de Junho de 2011 Artigo 72.º Operação logística de mudança de comercializador de gás natural O regime de exercício da actividade de operação logística de

Leia mais

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro

Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Escola E.B. 2,3 / S do Pinheiro Ciências Físico Químicas 9º ano Movimenos e Forças 1.º Período 1.º Unidade 2010 / 2011 Massa, Força Gravíica e Força de Ario 1 - A bordo de um vaivém espacial, segue um

Leia mais

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013

CIRCULAR Nº 3.640, DE 4 DE MARÇO DE 2013 CIRCULAR Nº.640, DE 4 DE MARÇO DE 20 Esabelece os procedimenos para o cálculo da parcela dos aivos ponderados pelo risco (RWA), relaiva ao cálculo do capial requerido para o risco operacional mediane abordagem

Leia mais

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR DO GÁS NATURAL. Abril 2013

REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR DO GÁS NATURAL. Abril 2013 REGULAMENTO DE RELAÇÕES COMERCIAIS DO SETOR DO GÁS NATURAL Abril 2013 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt Índice Capítulo

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 194 10 de Outubro de 2011 40063

Diário da República, 2.ª série N.º 194 10 de Outubro de 2011 40063 Diário da República, 2.ª série N.º 194 10 de Outubro de 2011 40063 Regulamento n.º 541/2011 Alteração do Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural A publicação do Decreto-Lei nº 101/2011, de 30 de

Leia mais

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014

Comunicado. Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Comunicado Tarifas de gás natural de julho de 2013 a junho de 2014 Para efeitos da determinação das tarifas e preços de gás natural a vigorarem entre julho de 2013 e junho de 2014, o Conselho de Administração

Leia mais

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1

O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 O EFEITO DIA DO VENCIMENTO DE OPÇÕES NA BOVESPA 1 Paulo J. Körbes 2 Marcelo Marins Paganoi 3 RESUMO O objeivo dese esudo foi verificar se exise influência de evenos de vencimeno de conraos de opções sobre

Leia mais

2 Conceitos de transmissão de dados

2 Conceitos de transmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 2 Conceios de ransmissão de dados 1/23 2.2.1 Fones de aenuação e disorção de sinal 2.2.1 Fones de aenuação e disorção do sinal (coninuação) 2/23 Imperfeições do canal

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 10/2015. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. Diretiva n.º 10/2015. Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016 16618 Diário da República, 2.ª série N.º 119 22 de junho de 2015 PARTE E ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Diretiva n.º 10/2015 Tarifas e Preços de Gás Natural para o ano gás 2015-2016 Nos termos

Leia mais

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO

MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO 5588-(2) Diário da República, 1.ª série N.º 194 8 de outubro de 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Decreto-Lei n.º 215-A/2012 de 8 de outubro O Decreto -Lei n.º 78/2011, de 20 de junho, que veio

Leia mais

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens

Estudo comparativo de processo produtivo com esteira alimentadora em uma indústria de embalagens Esudo comparaivo de processo produivo com eseira alimenadora em uma indúsria de embalagens Ana Paula Aparecida Barboza (IMIH) anapbarboza@yahoo.com.br Leicia Neves de Almeida Gomes (IMIH) leyneves@homail.com

Leia mais

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components

67.301/1. RLP 10 & 20: Controlador pneumático de volume-caudal. Sauter Components 7./ RL & : Conrolador pneumáico de volume-caudal Usado em conjuno com um prao orifício ou com um sensor de pressão dinâmica e um acuador pneumáico de regiso para conrolo do volume de ar em sisemas de ar

Leia mais

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE NO TERMINAL DE GNL

METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE NO TERMINAL DE GNL METODOLOGIA DOS ESTUDOS PARA A DETERMINAÇÃO DA CAPACIDADE NO TERMINAL DE GNL Fevereiro 2008 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303

Leia mais

O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO*

O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO* Arigos Inverno 2006 O CÁLCULO DOS SALDOS AJUSTADOS DO CICLO NO BANCO DE PORTUGAL: UMA ACTUALIZAÇÃO* Cláudia Rodrigues Braz** 1. INTRODUÇÃO 1 Nos úlimos anos, o saldo orçamenal ajusado do ciclo em ganho

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010

INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 INFORMAÇÃO SOBRE FACTURAÇÃO DE ENERGIA REACTIVA PRINCÍPIOS E BOAS PRÁTICAS RECOMENDAÇÃO N.º 1/2010 Julho 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa

Leia mais

SUMÁRIO. Ministérios das Finanças e dos Transportes. Decreto executivo conjunto n.º 17/02:

SUMÁRIO. Ministérios das Finanças e dos Transportes. Decreto executivo conjunto n.º 17/02: SUMÁRIO Minisérios das Finanças e dos Transpores Decreo execuivo conjuno n.º 17/02: Aprova o Regulameno de Tarifas Poruárias de Angola. Revoga o Decreo execuivo n.º 1 A/92, de 3 de Janeiro, os Decreos

Leia mais

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016

TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 TARIFAS E PREÇOS PARA A ENERGIA ELÉTRICA E OUTROS SERVIÇOS EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão

Leia mais

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SETOR DO GÁS NATURAL Fevereiro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTIOS Rua Dom ristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt

Leia mais

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08

Metodologia de Cálculo dos Valores Nominais Atualizados. Maio/08 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 eodologia de Cálculo dos Valores Nominais Aualizados aio/8 A produção e difusão de informações esaísicas é uma imporane aividade desenvolvida

Leia mais

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES

REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS REDES DO SETOR ELÉTRICO Dezembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes

ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS. Livia Galdino Mendes ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA TERMELÉTRICA USANDO MODELAGEM ESTOCÁSTICA E TEORIA DE OPÇÕES REAIS Livia Galdino Mendes PROJETO SUBMETIDO AO CORPO DOCENTE DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

Leia mais

Data da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Data-Base: 31/12/2010

Data da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Data-Base: 31/12/2010 AVALIAÇÃO ATUARIAL 2010 Insiuo de Previdência e Assisência do Município do Rio de Janeiro (PREVI-RIO) Daa da Avaliação: 28/02/2011 (versão 31/08/2011) Daa-Base: 31/12/2010 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 01 2.

Leia mais

4 Cenários de estresse

4 Cenários de estresse 4 Cenários de esresse Os cenários de esresse são simulações para avaliar a adequação de capial ao limie de Basiléia numa deerminada daa. Sua finalidade é medir a capacidade de o PR das insiuições bancárias

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DA TAGUSGÁS - EMPRESA DE GÁS DO VALE DO TEJO, S.A. Considerando:

CÓDIGO DE CONDUTA DA TAGUSGÁS - EMPRESA DE GÁS DO VALE DO TEJO, S.A. Considerando: CÓDIGO DE CONDUTA DA TAGUSGÁS - EMPRESA DE GÁS DO VALE DO TEJO, S.A. Considerando: 1 O estatuto da Tagusgás - Empresa de Gás do Vale do Tejo, S.A. de Operador da Rede de Distribuição e de Comercializador

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE UAG

MANUAL DE GESTÃO LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE UAG MANUAL DE GESTÃO LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE UAG Junho de 2012 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

A taxa de juro overnight e a sua volatilidade

A taxa de juro overnight e a sua volatilidade Universidade de Coimbra Faculdade de Economia A axa de juro overnigh e a sua volailidade O caso do Mercado Moneário Inerbancário Poruguês, anes e após a implemenação da Moeda Única Fáima Teresa Caselo

Leia mais

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL

METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL METODOLOGIA PROJEÇÃO DE DEMANDA POR TRANSPORTE AÉREO NO BRASIL 1. Inrodução O presene documeno visa apresenar dealhes da meodologia uilizada nos desenvolvimenos de previsão de demanda aeroporuária no Brasil

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016

CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 CARACTERIZAÇÃO DA PROCURA DE ENERGIA ELÉTRICA EM 2016 Dezembro 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso Rua Dom Cristóvão da Gama

Leia mais

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012

A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade. 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 26 de Outubro de 2012 A ERSE e a liberalização do mercado de eletricidade 1. A ERSE na proteção dos consumidores e na promoção da concorrência Missão

Leia mais

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES

3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES 3 PROGRAMAÇÃO DOS MICROCONTROLADORES Os microconroladores selecionados para o presene rabalho foram os PICs 16F628-A da Microchip. Eses microconroladores êm as vanagens de serem facilmene enconrados no

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL

RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL RECOMENDAÇÃO N.º 1/2015 APLICAÇÃO DA TARIFA SOCIAL NA ELETRICIDADE E NO GÁS NATURAL Julho de 2015 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão em frente e verso

Leia mais

FINANCIAMENTO POR CAPITAIS ALHEIOS

FINANCIAMENTO POR CAPITAIS ALHEIOS 1 FINANCIAMENTO POR CAPITAIS ALHEIOS 2 Inrodução Risco de incumprimeno/raings Avaliação de obrigações Leasing 1 3 Condições para emissão de emprésimos obrigacionisas: Dimensão mínima elevada Necessidade

Leia mais

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE

Empresa Geral do Fomento e Dourogás, ACE Empresa Geral do Fomento e COMENTÁRIOS DA EMPRESA GERAL DO FOMENTO E DOUROGÁS, ACE À PROPOSTA DE REVISÃO DA REGULAMENTAÇÃO APRESENTADA PELA ERSE EM NOVEMBRO DE 2009 Novembro 2009 No seguimento da proposta

Leia mais

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA

Capítulo 5: Introdução às Séries Temporais e aos Modelos ARIMA 0 Capíulo 5: Inrodução às Séries emporais e aos odelos ARIA Nese capíulo faremos uma inrodução às séries emporais. O nosso objeivo aqui é puramene operacional e esaremos mais preocupados com as definições

Leia mais

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores,

CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12. Assunto: Protocolo ERSE CCP. Exmos. Senhores, CIRCULAR N/ REFª: 43/2012 DATA: 31/05/12 Assunto: Protocolo ERSE CCP Exmos. Senhores, Através da circular 40/2012, a CCP deu conhecimento do protocolo celebrado com a ERSE e que teve por objectivo reforçar

Leia mais

Discreta - modelos e técnicas

Discreta - modelos e técnicas Localização Discrea - modelos e écnicas Maria Eugénia Capivo Universidade de Lisboa - Faculdade de Ciências Cenro de Invesigação Operacional Deparameno de Esaísica e Invesigação Operacional Porugal E-Mail:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL-ESPANHA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL-ESPANHA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO Junho de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00

Leia mais

ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos

ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos Edifício Taurus Campo Pequeno, 48 4º Dto 1000-081 Lisboa, Portugal T: +351 210 988 710 F :+351 210 988 719 www.bakertilly.pt ERSE Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos Relatório de auditoria nos

Leia mais

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016

Comunicado. Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Comunicado Proposta de Tarifas e Preços para a Energia Elétrica em 2016 Nos termos regulamentarmente previstos, designadamente no artigo 185.º do Regulamento Tarifário, o Conselho de Administração da ERSE

Leia mais

DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ACESSO ÀS INFRAESTRUTURAS

DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ACESSO ÀS INFRAESTRUTURAS DISCUSSÃO DOS COMENTÁRIOS À PROPOSTA DE REVISÃO DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO ACESSO ÀS INFRAESTRUTURAS Julho 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão

Leia mais

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez

Universidade Federal de Pelotas UFPEL Departamento de Economia - DECON. Economia Ecológica. Professor Rodrigo Nobre Fernandez Universidade Federal de Peloas UFPEL Deparameno de Economia - DECON Economia Ecológica Professor Rodrigo Nobre Fernandez Capíulo 6 Conabilidade Ambienal Nacional Peloas, 2010 6.1 Inrodução O lado moneário

Leia mais

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk

Módulo 07 Capítulo 06 - Viscosímetro de Cannon-Fensk Módulo 07 Capíulo 06 - Viscosímero de Cannon-Fensk Inrodução: o mundo cienífico, medições são necessárias, o que sempre é difícil, impreciso, principalmene quando esa é muio grande ou muio pequena. Exemplos;

Leia mais

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo

Composição Ótima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Composição Óima da Dívida Pública Federal: Definição de uma Referência de Longo Prazo Brasília 2011 MINISTRO DA FAZENDA Guido Manega SECRETÁRIO-EXECUTIVO Nelson Henrique Barbosa Filho SECRETÁRIO DO TESOURO

Leia mais

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS

ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS DESPACHO N.º 5/2010 O Regulamento Tarifário do Sector do Gás Natural (RT), com a última redacção que lhe foi dada pelo Despacho n.º 4 878/2010, publicado no

Leia mais

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS

RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS RISCO DE PERDA ADICIONAL, TEORIA DOS VALORES EXTREMOS E GESTÃO DO RISCO: APLICAÇÃO AO MERCADO FINANCEIRO PORTUGUÊS João Dionísio Moneiro * ; Pedro Marques Silva ** Deparameno de Gesão e Economia, Universidade

Leia mais

Estruturação de um Sistema de Gestão de Pavimentos para uma Rede Rodoviária de Carácter Nacional. Luís Picado-Santos 1, Adelino Ferreira 2

Estruturação de um Sistema de Gestão de Pavimentos para uma Rede Rodoviária de Carácter Nacional. Luís Picado-Santos 1, Adelino Ferreira 2 Esruuração de um Sisema de Gesão de Pavimenos para uma Rede Rodoviária de Carácer Nacional Luís Picado-Sanos 1, Adelino Ferreira 2 Universidade de Coimbra, Deparameno de Engenharia Civil Pólo 2, 3030-788

Leia mais

Guia de Recursos e Atividades

Guia de Recursos e Atividades Guia de Recursos e Aividades girls worldwide say World Associaion of Girl Guides and Girl Scous Associaion mondiale des Guides e des Eclaireuses Asociación Mundial de las Guías Scous Unir as Forças conra

Leia mais

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI

Análise da proposta de. condições gerais do. Contrato de Uso das Redes - RARI Análise da proposta de condições gerais do Contrato de Uso das Redes - RARI Junho de 2006 Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail: erse@erse.pt www.erse.pt

Leia mais

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia

REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO. Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 1 REDE ENERGIA MANUAL DO PARCEIRO edp comercial abril 2013 Mercado Regulado e Mercado Liberalizado de energia 2 No mercado regulado o preço da eletricidade e do gás natural é definido pelo governo, através

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE UAG

MANUAL DE GESTÃO LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE UAG MANUAL DE GESTÃO LOGÍSTICA DO ABASTECIMENTO DE UAG Abril de 2011 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.: 21 303 32 00 Fax: 21 303 32 01 e-mail:

Leia mais

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009

Física e Química A. Teste Intermédio de Física e Química A. Teste Intermédio. Versão 1. Duração do Teste: 90 minutos 26.05.2009 Tese Inermédio de Física e Química A Tese Inermédio Física e Química A Versão Duração do Tese: 90 minuos 26.05.2009.º ou 2.º Anos de Escolaridade Decreo-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Na folha de resposas,

Leia mais

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA

N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CONSELHO DIRECTIVO N ORMA DE P ROCEDIMENTOS E XTERNA CLASSIFICAÇÃO-N.º/VERSÃO:PGR-27/01 ENTRADA EM VIGOR: 17-10-2008 DATA DE APROVAÇÃO: 23-10-2008 Âmbito: PRODER E PRORURAL 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 2 1.1

Leia mais

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI

Espaço SENAI. Missão do Sistema SENAI Sumário Inrodução 5 Gerador de funções 6 Caracerísicas de geradores de funções 6 Tipos de sinal fornecidos 6 Faixa de freqüência 7 Tensão máxima de pico a pico na saída 7 Impedância de saída 7 Disposiivos

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS

REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA ENERGIA E ÁGUAS REGULAMENTO DA QUALIDADE DO SERVIÇO Regulamento da Qualidade de Serviço Índice Capítulo I Disposições Gerais... 1 Artigo 1.º Objecto... 1 Artigo 2.º Âmbito...

Leia mais

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA

PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA PRECIFICAÇÃO DE CONTRATO DE ENERGIA ELÉTRICA MODELO DE PROGRAMAÇÃO DINÂMICA ESTOCÁSTICA Leicia Takahashi DE/ FEM/ UNICAMP Caia Posal: 6122 CEP: 13.083-970 Campinas - SP leicia@fem.unicamp.br Paulo B. Correia

Leia mais

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8

4. A procura do setor privado. 4. A procura do setor privado 4.1. Consumo 4.2. Investimento. Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capítulo 8 4. A procura do seor privado 4. A procura do seor privado 4.. Consumo 4.2. Invesimeno Burda & Wyplosz, 5ª Edição, Capíulo 8 4.2. Invesimeno - sock de capial óimo Conceios Inroduórios Capial - Bens de produção

Leia mais

ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS NO MERCADO BRASILEIRO

ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS: EVIDÊNCIAS EMPÍRICAS NO MERCADO BRASILEIRO 0 UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS E ECONÔMICAS PROGRAMA DE MESTRADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS FELIPE MAIA LYRIO ACORDO DE ACIONISTAS E QUALIDADE DAS INFORMAÇÕES CONTÁBEIS:

Leia mais

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME)

Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) COMISSÃO EUROPEIA Bruselas, 16.11.2011 C(2011)8317 final Assunto: Auxílio estatal n SA.32012 (2010/N) Portugal Alteração do regime de auxílios para a modernização empresarial (SIRME) Excelência, Procedimento

Leia mais

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA)

GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS. Instruções para a Alta Direção e o Responsável Ambiental (RA) GUIA DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA DISTRIBUIDORES DE VEÍCULOS Insruções para a Ala Direção e o Responsável Ambienal (RA) DIS TR IBU IDO R Adapado de: MANUAL DE ADEQUAÇÃO AMBIENTAL PARA CONCESSIONÁRIAS DE

Leia mais

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS

SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS SISTEMA ENERGÉTICO PORTUGUÊS (ELETRICIDADE E GÁS NATURAL) Contexto Regulamentar O enquadramento legal decorre da implementação do designado "Terceiro Pacote Energético", da União Europeia, do qual fazem

Leia mais

ALTERAÇÃO AO PROCEDIMENTO N.º 6 DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO

ALTERAÇÃO AO PROCEDIMENTO N.º 6 DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO ALTERAÇÃO AO PROCEDIMENTO N.º 6 DO MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA QUALIDADE DE SERVIÇO DO SETOR ELÉTRICO Setembro 2014 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Este documento está preparado para impressão

Leia mais

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov

Instituto de Tecnologia de Massachusetts Departamento de Engenharia Elétrica e Ciência da Computação. Tarefa 5 Introdução aos Modelos Ocultos Markov Insiuo de Tecnologia de Massachuses Deparameno de Engenharia Elérica e Ciência da Compuação 6.345 Reconhecimeno Auomáico da Voz Primavera, 23 Publicado: 7/3/3 Devolução: 9/3/3 Tarefa 5 Inrodução aos Modelos

Leia mais

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações:

Aula 1. Atividades. Para as questões dessa aula, podem ser úteis as seguintes relações: Aula 1 Para as quesões dessa aula, podem ser úeis as seguines relações: 1. E c = P = d = m. v E m V E P = m. g. h cos = sen = g = Aividades Z = V caeo adjacene hipoenusa caeo oposo hipoenusa caeo oposo

Leia mais