O caso contra OOXML na ISO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O caso contra OOXML na ISO"

Transcrição

1 O caso contra OOXML na ISO Neste informe se discute porque o formato ISO DIS 29500, Office Open XML (OOXML), não cumpre com os critérios definidos pela ISO para poder converter-se em uma norma internacional. Este informe analisa uma reduzida seleção das centenas de impedimentos sérios e concretos que durante nossos estudos temos encontrado e documentado nas mais de 6000 páginas de especificação do OOXML. Por favor, solicitenos a lista completa se for de seu interesse. 1. Critérios para a avaliação de padrões O que é um padrão? Existem várias definições relevantes. Esta é a oficial da ISO: [Um] documento, estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que estabeleça, para efeitos de um uso comum e repetitivo, normas, diretrizes ou pautas destinadas a atividades ou seus resultados, cujo objetivo seja lograr um nível ótimo de ordenamento em um contexto determinado. NOTA. As normas devem basear-se em resultados consolidados da ciência, da tecnologia e da experiência, e seu objetivo é a promoção do benefício ótimo para a comunidade. 1 Segundo o Instituto Britânico de Padrões (BSI):... uma norma é uma forma acordada e reprodutível de realizar algo. É um documento publicado que contém as especificações técnicas e outros critérios precisos desenhados para utilizar-se de maneira consistente como regra, pauta ou definição. As normas ajudam a simplificar a vida e aumentar a confiabilidade e eficácia de numerosos bens e serviços que utilizamos comumente. Pretendem ser parâmetros de excelência, ou seja, um compendio de boas e melhores práticas, e não de práticas gerais. As normas surgem a partir da união da experiência e da idoneidade de todas as partes interessadas, tais como os produtores, vendedores, compradores, usuários e reguladores de um material, produto, processo ou serviço particular. 2 Segundo as diretivas do Comitê Técnico Conjunto N.º 1 (JTC1) de ISO/IEC: Um dos propósitos da normalização da tecnologia da informação é assegurar que os produtos disponíveis no mercado possuam características de interoperabilidade, capacidade de transferência e de adaptação cultural e lingüística. Por tanto, as 1 Guía ISO/IEC 2:2004, definición 3.2. Varios organismos nacionales de normalización han adoptado esta definición de ISO, por ejemplo, el Instituto Alemán de Normalización (DIN). 2

2 normas desenvolvidas deverão refletir os requisitos com as seguintes características estratégicas comuns: interoperabilidade, capacidade de transferência, capacidade de adaptação cultural e lingüística. 3 Destas e outras definições nacionais surgem temas comuns acerca do que as normas deveriam obter: 1. Definem um critério comum e preciso para realizar algo de maneira reprodutível. 2. Proporcionam um nível ótimo de ordem em um contexto dado, pretendem ser parâmetros de la excelência ao brindar os resultados consolidados da ciência, la tecnologia e da experiência, em outras palavras, é um compendio de boas e melhores práticas, e não de práticas gerais. 3. Fomentam a interoperabilidade e a capacidade de transferência. 4. Se adaptam as diferentes culturas e idiomas. Este informe avalia o formato DIS Office Open XML (OOXML) mediante o contraste com cada uno destes critérios. Se expõem alguns exemplos específicos dos problemas da especificação OOXML, mas leva em conta que eles representam somente uma pequena proporção de uma grande lista de centenas de exemplos. A quantidade total de problemas sérios que tem o OOXML demonstar sua imaturidade como especificação e falta de aptidão para ser aprovado pelo modo rápido (fast-track) como uma norma ISO. 2. Preciso, reprodutível, geral Estos criterios hablan de la necesidad de que la norma proporcione una descripción detallada y por escrito que permita la práctica generalizada de la tecnología en cuestión. Em primeiro lugar, a parte de WordProcessingML de OOXML enumera uma grande quantidade de Configurações de compatibilidade 4 que proporcionam a Microsoft a capacidad de armazenar informação relacionada com determinados funcionamentos a partir de aplicações existentes. Estas configurações têm nomes como: footnotelayoutlikeww8, autospacelikeword95 e useword97linebreakrules. 5 Entretanto, a especificação OOXML somente enumera estas configurações. Não proporciona uma definição delas. Somente a Microsoft conhece o significado destas configurações, já que não esclarece a definição precisa das mesmas. Em troca, OOXML remete ao leitor para as aplicações de softwares existentes: 3 Directivas del Comité Técnico Conjunto N.º 1, 5. ta edición, versión 3.0, sección Parte 4, sección Otros ejemplos incluyen: linewraplikeword6, mwsmallcaps, shapelayoutlikeww8, supresstopspacingwp, truncatefontheightslikewp6, useword2002tablestylerules, wpjustification y wpspacewidth.

3 Para reproduzir fielmente este comportamento, as aplicações devem imitar o comportamento da dita aplicação, que incluí muitos funcionamentos possíveis e não podem ser descritos fielmente na seção desta norma Office Open XML. Se é desejado compatibilizar as aplicações com este comportamento, deve-se utilizar e duplicar o resultado das ditas aplicações. Esta passagem reflete claramente a falta de precisão e certamente não facilita a prática repetível ou generalizada destas funções. Uma aplicação que queira implementar OOXML, ao ler aquele trecho do presente documento que utilize estes atributos, não será capaz de interpreta-los corretamente nem de representar a página de maneira fiel e precisa. Além disso, devido ao fato destes atributos aparecerem como uma mera enumeração sem definição, a possibilidade de por em prática o benefício de ser completamente compatível com os grandes investimentos existentes nos documentos de Microsoft Office 6 (o objetivo do OOXML segundo seus criadores) fica, consequentemente, reservado somente para a Microsoft. O padrão OOXML não facilita a prática repetível ou generalizada do benefício. Em segundo lugar, a parte de WordProcessingML de OOXML enumera uma grande quantidade de estilos de listas que representam diversos sistemas de escrita, idioma e convenções comerciais. 7 Estes denominam-se com nomes como chicago, ideographdigital, ideographlegaltraditional, koreandigital2 e koreanlegal. Estes são meras etiquetas e, novamente, não são definidos de maneira precisa. Se é claro para os futuros implementadores da especificação OOXML que existe algo denominado Korean Legal Numbering, não é claro o seu significado, assim não será possível coloca-lo em uma aplicação. Por exemplo, um futuro implementador de OOXML na Coréia ficaria perplexo diante de um estilo de numeração que somente afirma:...a sequência deverá consistir em caracteres definidos segundo o Manual de estilo de Chicago ssem especificar a edição do manual (existem 15 edições do Manual de estilo de Chicago) ou uma página de referência. A especificação OOXML não proporciona de nenhuma maneira o uso repetível e generalizado destas funções. Terceiro, a parte de The SpreadsheetML de OOXML descreve um atributo de securitydescriptor que, de acordo com a especificação: 8 define a quantidade de usuários que podem editar este campo sem ter que inserir uma senha para acessar o campo. Ao suprimir este atributo, se suprimirão todas as permissões outorgadas ou negadas aos usuários deste campo. Esta é uma característica importante relacionada com a segurança que diz que o usuário poderá editar um campo em uma planilha de cálculo sem necessidade de uma senha. Um futuro programador que implementar esta característica necessitaria saber como se representam estas contas de usuário no documento. Estão delimitadas por vírgulas? Estão delimitadas por ponto e vírgula? Estão delimitadas por espaços? OOXML não proporciona 6 Parte 1, Introducción 7 Parte 4, sección Parte 4, sección

4 estes detalhes (ainda que dê a entender que permite mais de um nome). Ademais, não existe um conceito universal de identidade digital. Todos contamos com múltiplas contas de usuário para o correio eletrônico, para bases de dados, para o acesso ao computador, para registros de domínio, para protocolos de acesso a diretórios (LDAP), etc. A qual senha o protocolo se refere neste caso? Esta função precisa de uma definição apropriada que permita a interoperabilidade, que, por fim, é o que gerará o uso reprodutível e generalizado. Em resumo, muitas áreas do OOXML não estão definidas ou estão parcialmente definidas. Apesar da especificação proporcionar um marco excelente para que Microsoft represente ali seus próprios documentos, esta capacidade não se traduz na possibilidade de acesso eqüitativo para que outros obtenham estes mesmos benefícios. A pergunta que se deve formular é: OOXML define o formato de um documento de maneira suficientemente precisa para permitir a prática repetível e generalizada dos benefícios pretendidos? Os três exemplos anteriores, junto com muitos outros, demonstram que OOXML não satisfaz o critério exposto. Sua falta de maturidade como norma se reflete também na falta de aplicações que implementem toda sua funcionalidade em uma breve revisão técnica prévia. Estes fatores o tornam inapropriado para que se possa analisado pela via rápida (fast-track), suas gritantes deficiências não permitem que seja certificado como uma norma internacional. 3. Parâmetro de excelência, melhores práticas consolidadas Uma norma ISO não devería ser somente o registro minucioso e detalhado das características operativas de um produto particular de uma empresa, sem se importar com quanto tão dominante seja a empresa em um campo determinado. Das definições citadas anteriormente, proporcionadas pela ISO e outros, uma norma internacional deveria representar os resultados consolidados da ciência, tecnologia e da indústria. Uma norma deveria representar os parâmetros de la excelência. Em outras palavras, deveria fazer mais do que somente mostrar a forma que um único provedor realiza uma determinada tarefa. Deveria tentar proporcionar um compendio de boas e melhores práticas sobre a base de consenso e da opinião de especialistas. Deveria proporcionar conhecimentos sobre as melhores práticas para possibilitar a prática reprodutível e generalizada de uma tecnologia determinada. A indústria registra suas melhores práticas através da normalização. O corpo existente de padrões de documentos e marcações representam um compendio das melhores práticas que se tenham revisado, aprovado e implementado. O trabalho do Consórcio Word Wide Web (W3C) 9 adquiriu especial relevância para os documentos de formato XML, já que mantém o padrão básico XML e também outros padrões relacionados como XHTML, CSS2, XSL, XPath, XForms, SVG, MathML y SOAP, os padrões que representam a estrutura principal de XML e tecnologias afins. Todavia, OOXML incorpora pouco das melhores práticas consolidadas da indústria. E ainda pior, pedem que os potenciais implementadores de OOXML utilizem formatos 9

5 obsoletos que são propriedade exclusiva da Microsoft, inclusive quando existem normas muito melhores e mais relevantes disponíveis no Consórcio W3C. Por exemplo, a Microsoft desenvolveu a linguagem de marcação de vetores (VML) e a propôs ao Consórcio W3C. Um comitê técnico a avaliou e a reprovou em Em seu lugar, a indústria optou por apoiar a linguagem para gráficos vetoriais escaláveis (SVG) que posteriormente o Consórcio W3C aprovou como norma e a adotou amplamente. SVG tem sido o padrão para os gráficos vetoriais XML durante quase uma década. Mas OOXML utiliza VML sob direitos de propriedade, porque Microsoft integrou seu VML com direitos de propriedade exclusivos em sua aplicação Internet Explorer e Office 2000, ao invés de adotar a norma SVG. Além disso, a própria Microsoft reconheceu que VML não é a norma adequada para representar gráficos vetoriais: O formato VML é um formato obsoleto introduzido originalmente com Office Foi incluído e definido exclusivamente por razão de compatibilidade com produtos anteriores. O formato DrawingML é um formato mais recente e completo, criado com o objetivo de substituir progressivamente todos os usos de VML em formatos Office Open XML. VML deve ser considerado como um formato não aprovado que foi incluído no Office Open XML exclusivamente pela razão de compatibilidade com formatos obsoletos e se recomenda que as aplicaciones novas que precisem um formato de arquivo para gráficos utilizem preferencialmente DrawingML. 10 Em lugar de utilizar o padrão vigente SVG, Microsoft OOXML incluiu dois tipos de linguagens de marcação diferentes para gráficos vetoriais, uma que o Consórcio W3C rejeitou, em 1998, e outro que Microsoft desenvolveu em solitário por sua conta e risco. A quantidade de esforço extra que isto origina para todos aqueles que desejem implementar OOXML é imensa. Os implementadores deberão compatibilizar dois tipos diferentes de marcações para a mesma função (sem que nenhuma delas seja o padrão) e ainda que isto não assegure nenhum benefício adicional aos usuários. Somente a Microsoft será beneficiada, já que essa empresa conta desde muito tempo com o suporte para VML no Office. Ademais, ao contrário do que no caso dos textos, é pouco provável que os conversores de formato de documentos possam trabalhar perfeitamente os gráficos vetoriais. Por tanto, a proliferação de normas redundantes para gráficos vetoriais, dois dos quais estão inclusos no OOXML, ocasionarão importantes problemas de fidelidade na hora da conversão entre formatos. Isto é verdadeiramente um parâmetro de excelência? Certamente equivalerá ao fomento das melhores práticas? Muito ao contrário: foram adicionadas 600 páginas de requisitos para VML na especificação do OOXML que não acrescentam nenhum valor a ninguém, exceto à Microsoft, que de fato resultará em mais trabalho e complicações para aqueles que querem implementar o OOXML. 10 Parte 4, sección 6.1

6 Como segundo exemplo, temos o modo como se definem as datas nas folhas de cálculo, onde se estabelece os seguintes requisitos: Por razão de compatibilidade com formatos antigos, uma aplicação que utilize o sistema de base de dados com data de 1900 deverá considerar o 1900 como ano bisexto Como consequência disto, para as datas entre 1 de janeiro e 28 de fevereiro, o DIA DE SEMANA mostrará um número imediatamente anterior ao dia correto, então, a data (inexistente) de 29 de fevereiro pertence ao dia da semana que segue imediatamente ao da data de 28 de fevereiro e que precede imediatamente ao dia 1 de março. 11 Em outras palavras, o calendário gregoriano, esse calendário em que se baseia todo o comércio, a ciência e os governos de todo o mundo, é deixado de lado devido as razões de compatibilidade. O resultado é que todo futuro implementador de OOXML ficará obrigado a fazer com que sua aplicação proporcione aos usuários respostas errôneas a simples perguntas como em que dia da semana caiu o 1 de fevereiro de 1900?. Isso é necessário no chamado padrão OOXML, exatamente para interpretar corretamente os documentos que foram criados com ferramentas da Microsoft. Isto irá ocasionar um grande problema na hora de executar algo tão habitual como inter-cambiar dados entre folhas de cálculo e bases de dados relacionais através do padrão SQL. Um padrão deve no mínimo exigir que seja utilizado o calendário gregoriano. 12 Como terceiro exemplo, note que o OOXML define um novo tipo de cadeia de caracteres denominado Basic String como uma variante do tipo de cadeia de caracteres binária básica. 13 Uma das propriedades desta nova cadeia de caracteres é a que permite a codificação especial de caracteres que não sejam XML (caracteres de controle). Todavia, a presença de caracteres que não sejam XML em um documento XML impedem a interoperabilidade entre ferramentas XML e ferramentas baseadas neste formato. A Atividade de internacionalização do Consórcio W3C confirma esta interpretação afirmando que: Os códigos de controle devem ser substituídos pela marcação apropriada. Dado que XML proporciona um modo padronizado de codificar dados estruturados, ao representar códigos de controle que não se ajustem as marcações teríamos anuladas as vantagens reais da utilização de XML. Nunca se recomenda a utilização de códigos de controle em HTML e XHTML, já que estas linguagens de marcação servem para representar textos e não dados. 14 Quarto, em diferentes pontos 15 OOXML utiliza máscaras de bits para codificar valores booleanos (que representam a lógica binária de verdadeiro/falso) em um único tipo de dado inteiro. Apesar disto ter sido muito comum há 20 anos quando se programava em C em condições de memória restrita, se considera um estilo muito deficiente para o ambiente XML. Dificulta o processamento mediante ferramentas padrão XML como XSLT, já que 11 Parte 4, sección Lenguaje de bases de datos SQL, parte 2: Fundamentación (ISO/IEC :1999), sección Parte 4, sección Por ejemplo, parte 4, sección ; parte 4, sección ; parte 4, sección ; parte 4, sección 2.4.7, etc.

7 estas ferramentas carecem de operações em nível de bits que sejam necessárias para processar de maneira eficiente esses dados em nível de bits. Quinto, OOXML não somente deixa de proporcionar a consolidação das melhores práticas da ciência, da indústria e do cotidiano, bem como tão pouco proporciona a consolidação das melhores práticas da própria Microsoft. O OOXML recomenda que os ajustes de impressão (quantidade de páginas para imprimir, quais páginas serão impressas, orientações sobre as mesmas, qualidade de impressão, etc.) se armazenem com um formato binário específico da sua plataforma. Por exemplo, para Windows, a orientação é armazenar no que se denomina estrutura DEVMODE 16 Ao fazê-lo dessa maneira, os ajustes de impressão se tornariam dependentes de cada plataforma, o que impede a interoperabilidade. O que mais chama a atenção na nova especificação é que a chamada XML Paper Specification (XPS) da Microsoft oferece um elemento PrintTicket sobre o qual a Microsoft afirma: A tecnologia PrintTicket é a sucessora da atual estrutura DEVMODE. Se trata de um documento sobre a base de uma linguagem de marcação extensível (XML) que especifica e mantém a informação do formato de trabalho e da configuração de trabalho de impressão En relação ao atual subsistema de impressão, a tecnologia PrintTicket oferece a todos os componentes e clientes do subsistema de impressão o acesso transparente a informação armazenada atualmente nas partes públicas e privadas da estrutura DEVMODE, mediante a utilização de um formato XML bem definido. 17 Por que o OOXML adota ajustes de impressão de menor qualidade, binários, difíceis de transportar e dependentes de una plataforma e aplicação concretas, indo contra a prática recomendada pela própria Microsoft que é mudar para um formato XML bem definido? Como sexto exemplo, note que o OOXML define vários algoritmos criptográficos 18 que não são padronizados. Em lugar de utilizar um algoritmo ISO/IEC :2004, ou um que esteja aprovado pelo Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST) dos EUA, ou esteja em uma lista de algoritmos aprovados segundo FIPS-180 (Padrões Federais de Processamento da Informação, dos EUA) 19, (existem vários que estão em ambas listas, como SHA-256), o OOXML especifica um algoritmo hash obsoleto. Supomos que seja utilizado em versões anteriores do Microsoft Office. Isto equivale a oferecer o conhecimento consolidado sobre as melhores práticas da ciência, da industria e do cotidiano? Pelo contrário, a Microsoft nem sequer recomenda a utilização destes algoritmos. Em troca, proporciona sistemas de proteção do tipo DRM (gestão de direitos digitais) no Office 2007 como extensões não documentadas do OOXML. Como este DRM não está documentado, nenhum outro provedor poderá utilizar essas funções livremente. Os documentos codificados no Office 2007 não podem ser lidos em nenhuma outra aplicação. Pelo contrário, os futuros implementadores do OOXML somente contam com uma compatibilidade de segurança obsoleta, que nem sequer cumpre com o padrão estabelecido no FIPS-180. Novamente, a Microsoft reserva as melhores práticas para si e impede a especificação do OOXML conte com uma segurança mais sólida. 16 Parte 1, sección Por ejemplo, en la parte 4, sección

8 Em resumo, o OOXML é simplesmente uma porta aberta que nos conduz a formatos binários de documentos exclusivos de um único fornecedor. O fato de evitar utilizar as normas internacionais vigentes relevantes para o caso, assim como o uso inconsistente das tecnologias de propriedade exclusiva da Microsoft, põe em evidência que OOXML não representa os resultados consolidados da ciência, da indústria, nem da experiência. Não reflete um parâmetro de excelência. Apesar de que pode prover-nos com uma técnica para ler dados codificados em um formato de um único fornecedor determinado, isso o posiciona, no melhor dos casos, somente como uma especificação técnica. Uma vez que não representa as melhores práticas consolidadas na indústria, característica essencial de uma norma ISO, a especificação OOXML não deve ser aprovada como norma internacional. 4. Interoperabilidad y capacidad de transferencia La capacidad de transferencia e interoperabilidad son dos de las Características estratégicas comunes 20 del Comité Técnico Conjunto N.º 1 y son requisitos de todas las normas aprobadas por el Comité Técnico Conjunto N.º 1. En el campo de los estándares para el formato de documentos, la pregunta que hay que formularse es si la especificación OOXML propuesta puede ser implementada completamente por parte de múltiples aplicaciones distintas en diversos sistemas operativos. O bien, por contra, si se ha escrito de manera que sólo sirva para el beneficio exclusivo de la aplicación de un solo proveedor. Primeramente, un área importante de interoperabilidad es el intercambio de datos entre hojas de cálculo y bases de datos relacionales. Muchos procesos comerciales se definen sobre la base de esta capacidad, que la mayoría de los proveedores de hojas de cálculo han apoyado durante más de una década. Sin embargo, OOXML no cuenta con la capacidad de representar fechas previas al año 1900, mientras que las bases de datos modernas pueden representar fechas de años anteriores. La base de datos DB2 de IBM, por ejemplo, puede representar fechas del año 1. Oracle admite fechas del año 4712 a. C. La especificación OOXML no debería evitar que los futuros implementadores utilicen fechas tan antiguas como lo deseen. Un proveedor de aplicaciones deseará naturalmente equiparar su compatibilidad de fechas para hojas de cálculo con las capacidades equivalentes de sus bases de datos. Por qué se restringe OOXML a las serias limitaciones de Microsoft Excel? Esto daña seriamente la interoperabilidad entre las hojas de cálculo y las bases de datos. Segundo, OOXML define un tipo ST_CF 21, que registra los formatos del portapapeles permitidos que pueden utilizarse con un objeto gráfico. Los valores permitidos de este tipo, EMF, WMF, etc., pertenecen a los formatos de Windows. No se han hecho concesiones para el uso en otros sistemas operativos. Por ejemplo, en Linux las imágenes generalmente se copian en el portapapeles en un formato estándar abierto como PNG. Sin embargo, si un proveedor codifica PNG en un registro de un documento de este tipo, el documento se invalidará y ni el documento ni la aplicación cumplirán con la especificación OOXML. 20 Directivas del Comité Técnico Conjunto N.º 1, 5. ta edición, versión 3.0, sección Parte 4, sección

9 Tercero, en SpreadsheetML, para definir las contraseñas con algoritmo hash en la especificación de OOXML se aportan 5 páginas de código fuente en lenguaje C 22, código extraído probablemente de Excel. Sin embargo, las manipulaciones de bits de este código son esencialmente dependientes de una determinada arquitectura de computadora y van a proporcionar diferentes resultados dependiendo de cada arquitectura de procesador. Así, un documento creado en una computadora tal vez no pueda leerse en otra distinta. OOXML no ha proporcionado ninguna definición de alto nivel e independiente de plataforma para esta función. Cuarto, el elemento optimizeforbrowser de WordProcessingML 23 se ha definido de tal forma que ignora la existencia de otros navegadores presentes y futuros distintos a Microsoft Internet Explorer. Qué sucede con Firefox? Qué sucede con Safari? Qué hacemos con Opera? Ninguno de éstos se puede establecer como navegador para el que se optimiza el código del documento. Esta sección en OOXML define además que todas las configuraciones que no sean compatibles con el navegador web objetivo se inhabiliten. Pero, qué sucede si deseo que mi aplicación genere resultados compatibles con los estándares vigentes? En otras palabras, la combinación: sí a PNG, no a VML, sí a MathML y SVG. Un implementador potencial no puede especificar esta combinación estándar debido a la manera en la que OOXML fue diseñado: sólo para Microsoft Internet Explorer. Sexto, la función Propiedades de sincronización de diapositivas de DrawingML 24 ofrece la posibilidad de que en una presentación se sincronice el contenido de una diapositiva con diapositivas almacenadas centralmente en un servidor. Ésta es una funcionalidad de Microsoft PowerPoint y Microsoft SharePoint. Sin embargo, la descripción de esta función en OOXML carece de suficientes detalles. Qué es el protocolo de comunicación? Cuál es el modelo de datos? Si bien existen normas para describir un protocolo cliente-servidor de este tipo, es decir, las diversas normas de servicios web, OOXML no proporciona información al respecto. Se impiden las implementaciones interoperables independientes de esta función y la única implementación que existe se relacionará con Microsoft SharePoint en exclusiva. En resumen, allá donde OOXML hace referencia a otras tecnologías, por lo general, lo hace de manera que ata exclusivamente a tecnologías que ya son compatibles con Microsoft Office. En algunos casos, se realizan esfuerzos ímprobos para incorporar en OOXML otras especificaciones, tal como VML. OOXML no sólo ignora las tecnologías alternativas, estándares y abiertas, sino que además evita que otros proveedores incorporen compatibilidad interoperable para otras tecnologías. Si bien cualquier proveedor tiene derecho a tomar sus propias decisiones con respecto a los diseños y sus prioridades, una norma ISO debe poseer las características de transportabilidad e interoperabilidad para que todos los proveedores puedan tener el mismo derecho a tomar sus propias decisiones sobre los diseños y sus prioridades. Las restricciones arbitrarias de OOXML, que funcionan extremadamente bien con las soluciones y plataformas de Microsoft, pero a la vez excluyen a las todas las otras, hacen que esta propuesta de especificación no sea apta para ser aprobada como una norma internacional. 22 Parte 4, sección , pág Parte 4, sección Parte 4, sección 4.7.1

10 5. Adaptación cultural y lingüística Dado que las funciones de OOXML provienen de las funciones de Microsoft Office, no ha de extrañar que estas funciones reflejen mejor las necesidades de los países y comunidades desarrolladas donde el negocio de Microsoft ha experimentado el mayor éxito, olvidando a las otras. Sin embargo, una norma internacional debe adoptar una perspectiva mundial y proporcionar una amplia interoperabilidad cultural y lingüística. Un ejemplo de esta carencia es la función de la hoja de cálculo NETWORKDAYS() 25. OOXML define esta función para devolver la cantidad de días hábiles entre dos fechas, excluyendo cualquier fin de semana de ese intervalo. En algunas culturas, la semana comprende el sábado y el domingo. En otras, los días de descanso son jueves y viernes o viernes y sábado. OOXML no define semana ni proporciona una forma para que el usuario defina este término. Tal como se implementa en Excel, la función supone que el fin de semana siempre comprende el sábado y el domingo. Esta función de la hoja de cálculo se define de manera que proporciona una respuesta incorrecta a miles de millones de personas en todo el mundo. OOXML carece de adaptación cultural. Compare esto con la misma función en el formato OpenDocument, en el que el usuario puede especificar un parámetro adicional para anular la definición predeterminada de fin de semana. Un segundo ejemplo, WordProcessingML posee una función denominada Border Styles 26 que enumera una gran cantidad de gráficos prefijados que pueden utilizarse como bordes de páginas. Éstos representan una lista cerrada de estilos de bordes prefijados y específicos con unas imágenes que ya vienen prefijadas. La Ilustración 1 muestra un ejemplo de dos de estos gráficos: Ilustración 1: extracto de la especificación OOXML: bordes de página Traducción: 25 Parte 4, sección Parte 4, sección

11 earth1 (Borde decorativo de la Tierra) earth2 (Borde decorativo de la Tierra) Especifica un borde decorativo que consiste en una imagen repetida de la Tierra, tal como se indica a continuación (se muestran dos repeticiones): Especifica un borde decorativo que consiste en una imagen repetida de la Tierra, tal como se indica a continuación (se muestran dos repeticiones): Así, estas son las dos únicas posibilidades de mostrar la Tierra en un marco de página; sin embargo, ninguna de ellas muestra Asia, el mayor continente de planeta. De igual forma, existen gráficos para tartas de cumpleaños, cupidos del día de San Valentín, huevos de Pascua pintados, galletas de jengibre de Navidad, calabazas iluminadas de Halloween y otras imágenes que son adecuadas para el entorno cultural occidental cristiano, o incluso más concretamente sólo para el mundo anglosajón, y que por tanto tienen una aplicación más que reducida en cualquier otro lugar del mundo. El problema aquí es que esta lista de estilos de bordes de página es una lista cerrada y coincide exactamente con lo que proporciona Microsoft Word. Cualquier potencial implementador de OOXML no podrá ampliar esa lista aportando sus tipos de imágenes adicionales con el propósito adaptarse mejor al entorno cultural de sus clientes. Si así lo hiciera, sus documentos no serían válidados por OOXML. De ahí que toda aplicación que pueda utilizar imágenes adicionales no permitidas como bordes de páginas no cumplirá con la especificación OOXML. Es esta la forma en que OOXML se adapta a otras culturas? En el caso de los bordes de páginas no ofrece adaptación que valga: todos hemos de ser anglosajones. Tercer ejemplo: tal y como se mencionó anteriormente, WordProcessingML define una relación determinada de estilos de numeración para las listas numeradas. 27 Para empezar, estos estilos de numeración sólo han sido mencionados, pero no definidos. Pero además se incluyen como una lista cerrada y, de nuevo, coinciden justo con lo que admite Microsoft Word, no pudiendo, obviamente, ampliarse a lo que admitan otros proveedores. Pero lo peor es que la lista de estilos que se proporciona es incompleta, ya que no admite, por ejemplo, el alfabeto armenio, el tamil, ni el griego, ni tampoco las numeraciones etiópicas y jemer; tampoco admite la mayoría de los sistemas históricos que utilizan los estudiosos e historiadores. La mejor solución hubiera sido utilizar un enfoque declarativo o generativo, como el que usan los formatos XSL:FO de W3C y OpenDocument. Esto hubiera permitido utilizar una lista abierta, dinámica y ampliable de estilos de numeración, cada uno además autodefinido. Por todo esto, la adaptación cultural y lingüística es un aspecto frustrada en OOXML debido al uso generalizado de listados cerrados que, si bien coinciden perfectamente con lo que Microsoft Office ofrece actualmente, no es ampliable a otros proveedores ni culturas de manera interoperable. 27 Parte 4, sección

12 6. Resumen Los estándares también se rigen por normas estándares. Sobre la base de la evaluación de la especificación OOXML propuesta según los criterios que ISO proporcionó sobre cómo debe ser una norma, este informe ha detallado algunos puntos en los que OOXML no cumple con las diversas características que son de exigir para cualquier normas ISO: precisión, criterios comunes, nivel óptimo de orden, excelencia, consolidación de las mejores prácticas de la ciencia, tecnología y experiencia, interoperabilidad, capacidad de transferencia, y adaptación cultural y lingüística. Mediante diversos ejemplos hemos demostrado que la norma OOXML propuesta queda lejos de superar ese listón (de hecho, estamos en disposición de entregarle cientos de ejemplos adicionales que ya hemos estudiado y tenemos disponibles). Al no poder cumplir con estos criterios, OOXML es imposible que provea el mejor beneficio a la comunidad como dicta ISO. De hecho, todo apunta a que esta propuesta de estándar se dirige a beneficiar sólo y exclusivamente a una empresa concreta. Las exigencias que se deben adoptar para un formato que va a representar y almacenar todos nuestros documentos son altas. Como deben serlo. Es imprescindible contar con un formato de documento estándar que cumpla con los criterios mencionados anteriormente para conservar a largo plazo nuestra herencia digital, de forma que toda la ciudadanía tenga un acceso equitativo a los documentos y registros gubernamentales, y se consiga que integre los procesos comerciales y flujos de trabajo a través de sistemas heterogéneos que se basen en documentos eficaces y rentables. OOXML, el formato de fichero de Microsoft Office, no proporciona ninguno de estos beneficios ni es, por tanto, adecuado para una norma ISO. Por todo ello instamos a votar en contra de esta propuesta de estándar en la votación DIS del Comité Técnico Conjunto N.º 1 de ISO/IEC. Para mais informação e contatos: [ES, PT] [EN] Iste documento está endossado pelas entidades cujos logotipos mostran-se em Entre outras: FFII, Projeto Software Livre Brasil, FUNDECYT, Hispalinux, ATI, Red Internacional de Administraciones Públicas para el Software Libre, Iniciativa Focus, Asociación Linux Español, Fundación Ciencias de la Documentación.

Planejamento estratégico

Planejamento estratégico espaço ibero-americano espacio iberoamericano Planejamento estratégico Quem somos, onde queremos ir e como chegaremos lá são indagações necessárias em todas as escolas Como qualquer empresa, instituições

Leia mais

La República Argentina y la República Federativa del Brasil, en adelante, las Partes;

La República Argentina y la República Federativa del Brasil, en adelante, las Partes; Protocolo Adicional al Acuerdo de Cooperación para el Desarrollo y la Aplicación de los Usos Pacíficos de la Energía Nuclear en Materia de Reactores, Combustibles Nucleares, Suministro de Radioisótopos

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL

FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UN SELLO DE CALIDAD EN LAS RELACIONES BILATERALES FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL UM SELO DE QUALIDADE NAS RELAÇÕES BILATERAIS FUNDAÇÃO CONSELHO ESPANHA BRASIL diseño

Leia mais

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão

ISO 9001:2008. Alterações e Adições da nova versão ISO 9001:2008 Alterações e Adições da nova versão Notas sobe esta apresentação Esta apresentação contém as principais alterações e adições promovidas pela edição 2008 da norma de sistema de gestão mais

Leia mais

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro

Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Boas Práticas de Desenvolvimento Seguro Julho / 2.012 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/07/2012 1.0 Versão inicial Ricardo Kiyoshi Página 2 de 11 Conteúdo 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Aplicação Prática de Lua para Web

Aplicação Prática de Lua para Web Aplicação Prática de Lua para Web Aluno: Diego Malone Orientador: Sérgio Lifschitz Introdução A linguagem Lua vem sendo desenvolvida desde 1993 por pesquisadores do Departamento de Informática da PUC-Rio

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

Projetos compartilhados

Projetos compartilhados espaço ibero-americano espacio iberoamericano Projetos compartilhados OEI inicia o Programa Arte-educação, Cultura e Cidadania e o Projeto Ibero-americano de Teatro Infantojuvenil A aprendizagem da arte

Leia mais

Considerações de legibilidade de código de barras e OCR

Considerações de legibilidade de código de barras e OCR OCR e fontes de código de 3 de 9 1 Considerações de legibilidade de código de e OCR de tela Existem diversos fatores que podem afetar a legibilidade de caracteres OCR e de código de e de OCR, incluindo

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1

QUALIDADE DE SOFTWARE. Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 QUALIDADE DE SOFTWARE Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 27 Slide 1 Objetivos Apresentar o processo de gerenciamento de qualidade e as atividades centrais da garantia de

Leia mais

CA Business Service Insight

CA Business Service Insight CA Business Service Insight Guia de Conteúdo Predefinido da ISO 20000 8.2 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante denominada

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB

PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB PADRÕES PARA O DESENVOLVIMENTO NA WEB Ederson dos Santos Cordeiro de Oliveira 1,Tiago Bonetti Piperno 1, Ricardo Germano 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR- Brasil edersonlikers@gmail.com,

Leia mais

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado

Web Services. Autor: Rômulo Rosa Furtado Web Services Autor: Rômulo Rosa Furtado Sumário O que é um Web Service. Qual a finalidade de um Web Service. Como funciona o serviço. Motivação para o uso. Como construir um. Referências. Seção: O que

Leia mais

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Aranda SQL COMPARE. [Manual de Uso] Todos os direitos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] [1] Aranda SQL COMPARE Versão 1.0 Aranda Software Corporation 2002-2007. Todos os direitos reservados. Qualquer documentação técnica fornecida pela Aranda software Corporation é um produto registrado da

Leia mais

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000

ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário. As Normas da família ISO 9000. As Normas da família ISO 9000 ISO 9000:2000 Sistemas de Gestão da Qualidade Fundamentos e Vocabulário Gestão da Qualidade 2005 1 As Normas da família ISO 9000 ISO 9000 descreve os fundamentos de sistemas de gestão da qualidade e especifica

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications

Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications Avaliação Independente da Ferramenta Avaliador de Economia com Colaboração por Áudio e na Web da Siemens Enterprise Communications 09 de março de 2011 Mainstay Partners LLC 901 Mariners Island Blvd Suite

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional

Visão geral do Microsoft Office Word 2007. Crie conteúdo com aparência profissional Visão geral do Microsoft Office Word 2007 Bem vindo ao Microsoft Office Word 2007, incluído na versão 2007 do Microsoft Office system. O Office Word 2007 é um poderoso programa de criação de documentos

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

FOUR Soluções. Projeto Integrador Documento Visão. Versão <1.0>

FOUR Soluções. Projeto Integrador Documento Visão. Versão <1.0> FOUR Soluções Projeto Integrador Documento Visão Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 24/11/2014 001 Reunião para discussão e divisão do trabalho Eudes Pina 24/11/2014 002 Apresentação

Leia mais

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público

A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público A Defesa dos Direitos das Pessoas com Transtorno Mental e o Ministério Público Bruno Alexander Vieira Soares Promotor de Justiça de Defesa da Saúde/BH Coordenador da Coordenadoria de Defesa das Pessoas

Leia mais

Thiago Botelho Azeredo. 28 de Outubro de 2010

Thiago Botelho Azeredo. 28 de Outubro de 2010 Thiago Botelho Azeredo 28 de Outubro de 2010 Introdução O Programa de Líderes em Saúde Intercacional (PLSI) Estratégia de formação de recursos humanos na região das Américas Objetivos contribuir apara

Leia mais

PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA

PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA 18 PROVA DE NOÇÕES DE MICROINFORMÁTICA AS QUESTÕES DE 41 A 60 CONSIDERAM O ESQUEMA PADRÃO DE CONFIGURAÇÃO DO SISTEMA OPERACIONAL MICROSOFT WINDOWS ME E DAS FERRAMENTAS MICROSOFT WINDOWS EXPLORER, MICRO-

Leia mais

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos,

O Acordo de Madrid relativo ao Registro. Internacional de Marcas e o Protocolo. referente a este Acordo: Objetivos, O Acordo de Madrid relativo ao Registro Internacional de Marcas e o Protocolo referente a este Acordo: Objetivos, Principais Características, Vantagens Publicação OMPI N 418 (P) ISBN 92-805-1313-7 2 Índice

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013

Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 Convocatoria: envío de trabajos al próximo número de la Revista Académica PROCOAS AUGM Año 2013 ISSN 1852 8538 El Comité de Procesos Cooperativos y Asociativos - PROCOAS -, de la Asociación de Universidades

Leia mais

EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN. TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br

EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN. TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br EXPLORANDO TÉCNICAS E RECURSOS DO GERENCIADOR DE DADOS ABERTOS CKAN Prof. Dr. José Eduardo Santarem Segundo USP santarem@usp.br TuaneFaria USP tuanefaria@yahoo.com.br Introdução Disponibilizar Dados Disponibilizar

Leia mais

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML

EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Tecnologia da Administração O que veremos? EDI Definição, funcionamento Benefícios Categorias de EDI Pontos chaves (EDI/ XML) XML (Extensible Markup Language) HTML e XML Sintaxe Edifact (ONU) EDI For Administration

Leia mais

Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público?

Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público? Em quanto tempo o investimento em geoprocessamento retorna para uma empresa ou órgão público? Cual es período de retorno de una inversión en geoprocesamento por parte de una administración pública? Xavier

Leia mais

Especificação Suplementar

Especificação Suplementar Especificação Suplementar Versão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/10/2014 2.0 2.1 funcionalidade e segurança de M. Vinícius acesso 30/10/2014

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES CERTIFICAÇÃO NBR ISO/IEC 27001 Através da vasta experiência, adquirida ao longo dos últimos anos, atuando em Certificações de Sistemas de Gestão, a Fundação Vanzolini vem catalogando

Leia mais

FLEXPAG - Política de Privacidade

FLEXPAG - Política de Privacidade FLEXPAG - Política de Privacidade A infocusweb/flexpag tem um compromisso com o respeito à sua privacidade. Política de Privacidade Nós reconhecemos que ao optar por nos informar alguns de seus dados pessoais,

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo

ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo ServidorEscola Plataforma Web de apoio Administrativo Introdução Co-habitamos uma sociedade de informação universal, aliados ao paradigma da evolução tecnológica que se verifica e se revela como um meio

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema

Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Projuris Enterprise Visão Geral da Arquitetura do Sistema Março/2015 Página 1 de 17 Projuris Enterprise Projuris Enterprise é um sistema 100% Web, com foco na gestão de contencioso por empresas ou firmas

Leia mais

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES

POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS DA AMAZÔNIA PROGRAMA DE COLEÇÕES E ACERVOS CIENTÍFICOS POLÍTICA DE ACESSO A DADOS E INFORMAÇÕES Esta política trata do acesso aos dados, metadados e informações das coleções

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador

Microsoft Internet Explorer. Browser/navegador/paginador Microsoft Internet Explorer Browser/navegador/paginador Browser (Navegador) É um programa que habilita seus usuários a interagir com documentos HTML hospedados em um servidor web. São programas para navegar.

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Gateway de email emailgtw série 2.7 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia O material contido neste documento é fornecido

Leia mais

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

ATA - Exercícios Informática Carlos Viana. 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA - Exercícios Informática Carlos Viana 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. ATA EXERCÍCIOS CARLOS VIANA 22 - ( ESAF - 2004 - MPU - Técnico Administrativo ) O

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Sistemas de Qualidade Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT 1 Conteúdo Programático Introdução aos sistemas de garantia da qualidade. Normas de qualidade e certificação. Sistemas ISO 9000, ISO 14000, QS

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa Introdução Visão geral das técnicas de segurança Algoritmos de criptografia Assinaturas digitais Criptografia na prática Introdução A necessidade de proteger a integridade e

Leia mais

Política de Privacidade

Política de Privacidade Política de Privacidade Sua Privacidade Bem-vindo ao site eureca.me. Este site é de propriedade da empresa Eureca Atitude Empreendedora LTDA-ME. Esta Política de Privacidade destina-se a informá-lo sobre

Leia mais

Dispensadores seguros e modulares para uma etiquetagem conveniente e eficaz dos fármacos.

Dispensadores seguros e modulares para uma etiquetagem conveniente e eficaz dos fármacos. sociedades científicas de anestesia. Adoptado e Recomendado pelas mais importantes Sociedades de Anestesiologia. European Patent N. EP2256045 Cartucho Dispensador Modular Seguro para un conveniente y efectivo

Leia mais

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação

CobiT 5. Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? Conhecimento em Tecnologia da Informação Conhecimento em Tecnologia da Informação CobiT 5 Como avaliar a maturidade dos processos de acordo com o novo modelo? 2013 Bridge Consulting All rights reserved Apresentação Sabemos que a Tecnologia da

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 3. 5 Responsabilidades: 3. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.010 Denominação: Controle de Documentos do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento define a sistemática e os critérios para a elaboração, revisão, aprovação

Leia mais

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo)

Resolução da Questão 1 (Texto Definitivo) Questão Muito do pioneirismo das ideias de Saussure advém do fato de o autor ter sido o primeiro a mencionar a natureza social da língua, como se pode observar no seguinte excerto do Curso de Linguística

Leia mais

PLANO BÁSICO AMBIENTAL

PLANO BÁSICO AMBIENTAL ESTALEIRO ENSEADA 1/9 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. Objetivo Este procedimento define o processo de elaboração, revisão, aprovação, divulgação e controle de documentos do Estaleiro Enseada

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Fórum Social Mundial 2006: Desafios e possibilidades de um fórum mundial policêntrico I. Justificativa

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

CA Desktop Migration Manager

CA Desktop Migration Manager CA Desktop Migration Manager Notas da versão do CA DMM 12.9 A presente documentação, que inclui os sistemas de ajuda incorporados e os materiais distribuídos eletronicamente (doravante denominada Documentação),

Leia mais

Manual do Utilitário de Diagnóstico LB-1000 Código: 501012580 - Revisão 1.0 Agosto de 2012. Copyright Bematech S. A. Todos os direitos reservados.

Manual do Utilitário de Diagnóstico LB-1000 Código: 501012580 - Revisão 1.0 Agosto de 2012. Copyright Bematech S. A. Todos os direitos reservados. Manual do Utilitário de Diagnóstico LB-1000 Código: 501012580 - Revisão 1.0 Agosto de 2012 Copyright Bematech S. A. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte deste documento pode ser copiada, reproduzida,

Leia mais

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash

Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Capítulo 2 Introdução à ferramenta Flash Índice 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED.... 1 2. História do Flash... 4 1. O uso da ferramenta Flash no projeto RIVED. É importante, antes de iniciarmos

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos

Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor. Folha de Factos Office 2010 e SharePoint 2010: Produtividade Empresarial no Seu Melhor Folha de Factos A informação contida neste documento representa a visão actual da Microsoft Corporation sobre os assuntos discutidos,

Leia mais

PowerVIEW Software para Gerenciamento de Energia e Utilidades

PowerVIEW Software para Gerenciamento de Energia e Utilidades Imagem Ilustrativa Catálogo técnico PowerVIEW Revisão: 1.0 Jan. 2013 PowerVIEW Software para Gerenciamento de Energia e Utilidades Introdução Software para gerenciamento, controle e análise de consumo

Leia mais

Cuales datos abrir? Bernadette Farias Lóscio" bfl@cin.ufpe.br" Motivação " Visão geral do processo de abertura de dados"

Cuales datos abrir? Bernadette Farias Lóscio bfl@cin.ufpe.br Motivação  Visão geral do processo de abertura de dados 24/06/13 Cuales datos abrir? Bernadette Farias Lóscio bfl@cin.ufpe.br 24/06/13 1 Agenda Motivação Visão geral do processo de abertura de dados Principais desafios do processo de abertura Por onde começar?

Leia mais

SÍMBOLOS DO MERCOSUL

SÍMBOLOS DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC Nº 17/02 SÍMBOLOS DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão Nº 01/98 do Conselho do Mercado Comum e a Resolução Nº 25/97 do Grupo Mercado

Leia mais

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS?

PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? PÚBLICA, PRIVADA OU HÍBRIDA: QUAL É A MELHOR NUVEM PARA SEUS APLICATIVOS? As ofertas de nuvem pública proliferaram, e a nuvem privada se popularizou. Agora, é uma questão de como aproveitar o potencial

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta de JDBC. jdbc_response série 1.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta de JDBC. jdbc_response série 1.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta de JDBC jdbc_response série 1.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins

Leia mais

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS

DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Planificação Anual da Disciplina de TIC Módulos 1,2,3-10.ºD CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE APOIO À GESTÃO DESPORTIVA Ano Letivo 2015-2016 Manual adotado:

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS

APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS APOSTILA BÁSICA INFORMÁTICA: 1. PROCESSADOR DE TEXTOS 1.1 Conhecendo o aplicativo Word 2007 2.EDITOR DE PLANILHAS 3.INTERNET 3.1. Internet: recursos e pesquisas 3.2. Conhecendo a Web 3.3. O que é um navegador?

Leia mais

Apresento a resolução da prova para Agente da Polícia Federal. Observe as possibilidades de recurso que anotei nas questões.

Apresento a resolução da prova para Agente da Polícia Federal. Observe as possibilidades de recurso que anotei nas questões. Olá, pessoal, Apresento a resolução da prova para Agente da Polícia Federal. Observe as possibilidades de recurso que anotei nas questões. Para proferir uma palestra acerca de crime organizado, um agente

Leia mais

MODELO DE CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO COMERCIAL INTERNACIONAL

MODELO DE CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO COMERCIAL INTERNACIONAL MODELO DE CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO COMERCIAL INTERNACIONAL Descarregue exemplo de CONTRATO DE INTERMEDIAÇÃO COMERCIAL INTERNACIONAL em formato Word. Preencha os espaços em branco e escolha as cláusulas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

PCTV Analog Stick (170e)

PCTV Analog Stick (170e) PCTV Analog Stick (170e) Guía Início Rápido 2008-2009 PCTV Systems S.à r.l. 8420-20022-01 R2 Contenido del Paquete 1 2 3 4 5 6 7 I. Instalación II. III. IV. Contenido del Paquete* Imagenes ilustrativas

Leia mais

Administração pela Web Para MDaemon 6.0

Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Administração pela Web Para MDaemon 6.0 Alt-N Technologies, Ltd 1179 Corporate Drive West, #103 Arlington, TX 76006 Tel: (817) 652-0204 2002 Alt-N Technologies. Todos os Direitos Reservados. Os nomes de

Leia mais

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes

02 - Usando o SiteMaster - Informações importantes 01 - Apresentação do SiteMaster - News Edition O SiteMaster foi desenvolvido para ser um sistema simples de gerenciamento de notícias, instalado em seu próprio computador e com configuração simplificada,

Leia mais

Guião E. 1.º MOMENTO Intervenientes e tempos

Guião E. 1.º MOMENTO Intervenientes e tempos Proposta de Guião para uma Prova Disciplina: Espanhol, Nível de Iniciação, 11.º ano (A2) Domínio de Referência: Viajes y Transportes Duração da prova: 15 a 20 minutos Guião E 1.º MOMENTO Intervenientes

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Curso de Licenciatura em Informática

Curso de Licenciatura em Informática Curso de Licenciatura em Informática Disciplina: Análise e Projeto de Sistemas Professor: Rafael Vargas Mesquita EXERCÍCIOS SOBRE MODELAGEM DE CASOS DE USO Exercício 1: construa um Diagrama de Casos de

Leia mais

Resultados do Censo do Setor de TI 2013. 11 de junho de 2014 Vitória (ES)

Resultados do Censo do Setor de TI 2013. 11 de junho de 2014 Vitória (ES) Resultados do Censo do Setor de TI 2013 11 de junho de 2014 Vitória (ES) Agenda Pra quê esse Censo? Participação 2013 Resultados sobre Principais Temas Conclusões Para quê esse Censo? Histórico do Censo

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material

5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material 61 5 Estudo de caso: utilizando o sistema para requisição de material A fim de avaliar as características da arquitetura proposta e a corretude da implementação, realizamos experiências com cenários de

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha

Introdução à Qualidade de Software. Profº Aldo Rocha Introdução à Qualidade de Software Profº Aldo Rocha Agenda O que é Qualidade? O que é Qualidade de Software? Qualidade do Produto e do Processo Normas e Organismos Normativos Qualidade de Software e Processos

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software

CCE 876 - Engenharia de Software. Introdução à Engenharia de Software CCE 876 - Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Objetivos Introduzir a Engenharia de Software e explicar sua importância. Introduzir os conceitos principais relacionados à Engenharia

Leia mais

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL Portal do Servidor Publico Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL 1 Indice Apresentação do Portal... 03 Acesso ao Portal do Servidor Publico... 04 Solicitar Senha... 04 Disponibilidade do Portal... 06

Leia mais

Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia

Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia Monitoreo Continuo Auditoria Contínua y a Distancia Luis Pires Gerente de Auditoria e Compliance Camargo Correa Luis Pires Minibiografía Con más de 25 años de experiencia en Auditoria Interna y Externa,

Leia mais

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características

Normalizar é Preciso. Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Normas Técnicas Normalizar é Preciso Norma documento que fornece regras, diretrizes e/ou características Norma Técnica Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel *

Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * Unidade 1: O Painel de Controle do Excel * material do 2010* 1.0 Introdução O Excel nos ajuda a compreender melhor os dados graças à sua organização em células (organizadas em linhas e colunas) e ao uso

Leia mais