MANUAL AOS MUNICÍPIOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL AOS MUNICÍPIOS SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS"

Transcrição

1 1 SIM SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS MANUAL AOS MUNICÍPIOS 2006

2 2 TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ PLENO Conselheiro Luiz Sérgio Gadelha Vieira P RESIDENTE Conselheiro Manoel Beserra Veras VICE P RESIDENTE Conselheiro J osé Marcelo Feitosa CORREGEDOR Conselheiro Artur Silva Filho Conselheiro Pedro Ângelo Sales Figueiredo Conselheiro Ernesto Sabóia de Figueiredo J únior Dr. J úlio César Rola Saraiva P ROCURADOR GERAL EQUIPE RESPONSÁVEL PELO PROJETO SIM Afranio Martins Soares COORDENADOR DE INFORMÁTICA Coordenador do Projeto Ana Beatriz Maia Analista de Sistemas Francisco Benedito Dourado Vasconcelos DIRETOR DA DIVISÃO DE PROGRAMAÇÃO Chefe da Equipe de Pr ogramação

3 3 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...pág ALTERAÇÕES DA VERSÃO 2005 PARA A VERSÃO 2006 E PERGUNTAS FREQUENTES RECOMENDAÇÕES CONTÁBEIS Obser vações Gerais Obser vações sobre Anulações de Receitas Obser vações sobre Anulações de Despesas e Restos a Pagar Esclarecimentos sobre Conceitos Utilizados no SIM RECOMENDAÇÕES GERAIS E ORIENTAÇÕES TÉCNICAS Meio de Transporte dos Disquetes Documentação de Registro Definição da Mídia de Envio da Documentação O Programa Gerador de Informações PGI Geração, Envio e Recepção dos Disquetes no TCM Definição dos Arquivos Considerações Gerais sobre os Arquivos a serem Enviados A Internet e o SIM LAYOUTS DOS ARQUIVOS DE DOCUMENTAÇÃO Tabela de Nome do Grupo de Documentos Tabela de Especificação dos Arquivos de Documentação Tabelas de Layouts dos Arquivos Gestores Gestores Substitutos Órgãos Unidades Orçamentárias Vereadores (excluída) Orçamento de Receitas por Categoria Econômica Orçamento de Despesas por Categoria Econômica Orçamento de Despesas por Projetos e Atividades Elementos de Despesas por Projetos e Atividades Programas de Governo Unidades Gestoras Balancetes de Receitas Orçamentárias Balancetes de Despesas Orçamentárias Balancetes de Receitas Extra Orçamentárias Balancetes de Despesas Extra Orçamentárias Talões de Receitas Orçamentárias Anulações de Talões de Receitas Orçamentárias Licitações Publicações de Editais de Licitação Comissões de Licitação Membros das Comissões de Licitação Licitantes Itens das Licitações Dotações Utilizadas em Licitações Contratos Contratados...109

4 Notas de Empenhos Notas Fiscais Itens das Notas Fiscais Notas de Pagamentos Cheques das Notas de Pagamentos Notas de Anulações de Empenhos Estornos e Transferências Financeiras Origens de Recursos para Empenhos Abertura de Créditos Adicionais Fontes para Abertura de Crédito por Anulação de Dotação Subsídios de Vereadores (excluída) Convênios Firmados Servidores Municipais (excluída) Obras Municipais ou Serviços de Engenharia Deduções de Notas de Pagamentos Subsídios de Autoridades do Executivo (excluída) Estornos de Liquidação Estornos de Pagamentos Contas Bancárias do Município Liquidações Diárias Agentes Públicos Municipais Desligamento de Agentes Públicos Reingressos de Agentes Públicos Itens Remuneratórios Extinção de Itens Remuneratórios Concessão de Itens Remuneratórios a Agentes Públicos Suspensão de Itens Remuneratórios de Agentes Públicos Folhas de Pagamento Agentes Públicos da Folha Notas de Pagamentos das Folhas Exemplo de Identificação de Unidades Gestoras APÊNDICE A Resolução 12/ Emenda Constitucional 47/ Normatização sobre a Obrigatoriedade e Locais para Expedição de CPF Etiquetas dos Disquetes que Conterão a Documentação Tabelas de Dados Adicionais Tabela de Municípios Tabela de Tipos de Cargos ou Funções Tabela de Tipos de Unidades Administrativas Tabela de Siglas de Endereços TELEFONES E E MAILS PARA CONTATO...233

5 5 1. APRESENTAÇÃO O Projeto SIM Sistema de Informações Municipais objetiva a modernização das atividades do Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Ceará TCM CE, com foco na implementação de metodologias modernas de controle externo, o que, conseqüentemente, trará maior efetividade, eficácia e eficiência nos trabalhos de Auditoria e Orientação aos municípios. O SIM consiste, essencialmente, na definição de um padrão, para que os lançamentos contábeis e outras informações inerentes ao controle externo possam ser registrados em meio informatizado, e enviados ao TCM pelas administrações municipais. No TCM as referidas informações são armazenadas em bancos de dados estruturados, que servirão de base para análises durante a implementação de auditorias e trabalhos de orientação aos municípios. Este Manual aos Municípios 2006 SIM é a sétima versão lançada desde a implementação do projeto, e, igualmente as outras versões, vem trazendo algumas alterações em relação ao exercício anterior. As alterações objetivam sempre aprimorar o sistema, acrescentando algumas informações e trazendo maior integridade e confiabilidade na base de dados. Para o exercício de 2006 as principais alterações foram as Inclusões das Tabelas referentes a Contas Bancárias, Folhas de Pagamento e Liquidações de Diárias. Considerando que a referida inclusão de tabelas pode causar algum tipo de dificuldade ao leitor, sugerimos que a seqüência na leitura das tabelas constantes deste Manual seja feita, inicialmente, com base no quadro de Especificação dos Arquivos de Documentação da página 37, e, posteriormente, localizando o conteúdo através do índice. A laboração do SIM foi o resultado de um grande empenho da equipe de informática do TCM, bem como da participação de técnicos ligados às atividades de fiscalização e orientação desta Corte de Contas. Não podemos deixar de registrar, também, a valiosa colaboração de algumas assessorias municipais, que nos disponibilizaram suas experiências atuando nas áreas de contabilidade e informática junto aos municípios. O SIM está em pleno acordo com a missão do TCM: Contribuir para a excelência da gestão pública, por meio de orientação e auditoria, visando ao desenvolvimento dos Municípios do Estado do Ceará, posicionando se de forma destacável como meio de promoção da transparência nas contas públicas dos municípios cearenses. DEPIN CINFO TCM

6 6 2. ALTERAÇÕES DA VERSÃO 2005 PARA A VERSÃO 2006 * Seguem as alterações para esta nova versão do Manual. Após as alterações, há uma lista de questões que esclarecem algumas dificuldades práticas que as assessorias municipais encontraram ao preencher as informações do SIM. 3. Recomendações Contábeis: Sobre o histórico dos empenhos de Despesas com Exercícios Anteriores Alterado o procedimento a ser adotado no caso de empenhos com Informações digitadas incorretamente Alterações nos procedimentos de envio de arquivos básicos e de orçamento para Recomendações Gerais e Orientações Técnicas: Inclusão da Tabela Contas Bancárias do Município nos arquivos básicos; Inclusão da Tabela Contas Bancárias do Município ; Inclusão da Tabela Contas Bancárias do Município ; Orientação sobre arquivos a serem enviados em um mês que não ocorreu lançamentos contábeis; Disciplinando o padrão a ser utilizado no envio em atraso de dados do SIM; 5. Layouts dos Arquivos de Documentação: O quadro Nome do Grupo de Documentos foi acrescentada em mais um tipo: CPF Cadastro de Pessoal e Folha O quadro Especificação dos Arquivos de Documentação foi alterada, no seguinte: a) Inclusão das Tabelas: 106 CONTAS BANCÁRIAS DO MUNICÍPIO, 612 LIQUIDAÇÕES, 602 NOTAS FISCAIS(substituindo a tabela Notas Fiscais ou de Liquidação), 603 ITENS DAS NOTAS FISCAIS (alterando a tabela Itens das Notas Fiscais ou de Liquidação), 613 NOTAS DE PAGAMENTOS DAS FOLHAS, 805 DIÁRIAS, 951 AGENTES PÚBLICOS, 952 DESLIGAMENTOS DE AGENTES PÚBLICOS, 953 REINGRESSOS DE AGENTES PÚBLICOS, 954 ITENS REMUNERATÓRIOS, 955 EXTINÇÃO DE ITENS REMUNERATÓRIOS, 956 CONCESSÃO DE ITENS REMUNERATÓRIOS A AGENTES PÚBLICOS, 957 SUSPENSÃO DE ITENS REMUNERATÓRIOS A AGENTES PÚBLICOS, 958 FOLHAS DE PAGAMENTOS e 959 AGENTES PÚBLICOS DA FOLHA. b) Exclusão das Tabelas: 105 VEREADORES, 801 SUBSÍDIOS DE VEREADORES, 803 SUBSÍDIOS DE AUTORIDADES DO EXECUTIVO. O conteúdo dessas tabelas passará para o grupo de tabelas com extensão.cpf Cadastro de Pessoal e Folha GESTORES: e.6) Foi acrescentada para disciplinar o cadastro de Vice prefeitos VEREADORES: Esta Tabela foi excluída, porém, os dados nela registrados anteriormente passarão a ser registrados na Tabela AGENTES PÚBLICOS TALÕES DE RECEITA:

7 7 O campo 16 ( Número da Agência Bancária ) alterado o número de caracteres obrigatórios; e.6) Foi acrescentada ; NOTAS FISCAIS, Tabela 602: Os dados desta tabela foram realocados em duas outras tabelas com funções especializadas: Tabela 612 LIQUIDAÇÕES e Tabela 602 NOTAS FISCAIS ITENS DAS NOTAS FISCAIS, Tabela 602: Esta tabela foi originada da tabela Itens das Notas Fiscais e de Liquidação, foi renomeada e a partir do exercício de 2006 tem a finalidade de conter apenas itens de notas fiscais. O campo 10 ( Número da Nota Fiscal ) aumentou de 8 para até 15 dígitos e.9) Orientando sobre o preenchimento do campo 21( Valor da Nota Fiscal ); e.10) Orientando sobre o preenchimento do campo 22 ( Valor Total do Desconto Aplicado ); e.11) Orientando sobre preenchimento do campo 23( Valor Bruto da Nota Fiscal ); ITENS DAS NOTAS FISCAIS OU DE LICITAÇÃO: e.3) Alterado o conteúdo desta observação, dando novo procedimento sobre o registro de Descontos e Valor do Total Geral da Nota ; O campo 10 ( Número da Nota Fiscal ) aumentou de 8 para até 15 dígitos; CHEQUES DAS NOTAS DE PAGAMENTO: Campo 11( Número da Agência Bancária ) alterado o número de caracteres obrigatórios; e.3) Foi acrescentada; ESTORNOS E TRANSFERÊNCIAS FINANCEIRAS: Campo 7 ( Número da Agência Bancária Original ou Caixa ), Campo 11 ( Número da Agência Bancária de Destino ou Caixa ) em ambos os campos, foi alterado o número de caracteres obrigatórios; e.3) Esta observação foi acrescentada em seu conteúdo; ORIGENS DE RECURSOS PARA EMPENHO: Campo 13 ( Especificação da Outra Origem de Recurso ) foi acrescentado para especificações de Origens de Recursos. e.5) Foi criada para orientar o preenchimento do campo CONVÊNIOS FIRMADOS: Campo 13 ( Número da Agência Bancária que receberá a verba do Convênio ) alterado o número de caracteres obrigatórios; e.6) Foi acrescentada em seu conteúdo SERVIDORES MUNICIPAIS: Esta Tabela foi excluída, porém, os dados nela registrados anteriormente passarão a ser registrados na Tabela AGENTES PÚBLICOS ESTORNO DE LIQUIDAÇÃO: Foi alterada a identificação do registro; ESTORNO DE NOTA DE PAGAMENTO: Foi alterada a identificação do registro; CONTAS BANCÁRIAS DO MUNICÍPIO:

8 8 Tabela incluída a partir do exercício de 2006, no objetivo de se registrar as Contas Bancárias do município e seus Saldos Iniciais LIQUIDAÇÕES: O SIM tratava as liquidações de despesas com uma única tabela chamada de Notas Fiscais ou de Liquidação. Porém, a partir de 2006, toda despesa liquidada deverá ter um registro na tabela Liquidações, e toda despesa municipal que prescinda de uma Nota Fiscal deverá ter um registro na tabela Nota Fiscal DIÁRIA: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de AGENTES PÚBLICOS: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de DESLIGAMENTO DE AGENTES PÚBLICOS: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de REINGRESSOS DE AGENTES PÚBLICOS: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de ITENS REMUNERATÓRIOS: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de ENTINÇÃO DE ITENS REMUNERATÓRIOS: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de CONCESSÃO DE ITENS REMUNERATÓRIOS A AGENTES PÚBLICOS: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de SUSPENSÃO DE ITENS REMUNERATÓRIOS DE AGENTES PÚBLICOS: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de FOLHAS DE PAGAMENTO: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de AGENTES PÚBLICOS DA FOLHA: Esta Tabela foi criada a partir do exercício de Quadro de TIPOS DE CARGOS OU FUNÇÕES: Alterada. RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES ( COM ATUALIZAÇÕES PARA 2006 ): a) Como obter a Versão do Orçamento atualmente usada pela Prefeitura? Verifique a página na Internet do TCM (http://www.tcm.ce.gov.br), na parte relativa à Pesquisas, Dados do SIM, Entrega da Documentação. A consulta Ocorrências de Entrega da Documentação (...) contém a Versão do Orçamento informada pela Prefeitura para cada mês.

9 9 b) De quem são o NOME e a ASSINATURA DO RESPONSÁVEL contidos no Ofício de Entrega da Documentação do SIM gerado pelo PGI? O NOME e a ASSINATURA DO RESPONSÁVEL devem REALMENTE ser preenchidos pelo nome do responsável pela(s) Unidade(s) Gestora(s) a que se refere a documentação. O Ofício de Entrega da Documentação NÃO deverá ser assinado por entregadores, assessores, funcionários de empresas terceirizadas e outros, somente o próprio ordenador das despesas ou um possível representante LEGAL em suas responsabilidades (casos de licenças, por exemplo). c) Como devo informar o número de CPFs, CNPJs ou CGFs? Devo informar como nos exemplos, somente os números, ou devo informar acrescentando., ou /? Os números de CPFs, CNPJs ou CGFs devem ser informados SOMENTE COM SEUS RESPECTIVOS NÚMEROS, ou seja, SEM UTILIZAR QUALQUER OUTRO CARACTERE QUE NÃO OS NÚMEROS DE 0 A 9. A partir de 2004, o PGI proibirá a geração de arquivos com os CPFs, CNPJs e CGFs contendo outros caracteres que não simplesmente os números. d) Na tabela de Órgãos, como devo preencher o campo 5 ( Tipo da Unidade Administrativa )? Este campo deve ser preenchido conforme o código fornecido na Tabela de Tipos de Unidades Administrativas, item O correto preenchimento deste campo é fundamental para a importação dos dados das contas municipais. e) Como devo informar o número de Bancos, Agências, Contas Bancárias e Cheques/Doc.Bancários? Devo informar como nos exemplos, somente os números, ou devo informar acrescentando., ou /? Os números de Bancos, Agências, Contas Bancárias e Cheques/Doc.Bancários devem ser informados SOMENTE COM SEUS RESPECTIVOS NÚMEROS, ou seja, SEM UTILIZAR QUALQUER OUTRO CARACTERE QUE NÃO OS NÚMEROS DE 0 a 9 E, A LETRA X, caso ocorra. No caso de cheques somente serão aceitos números. A partir de 2004, o PGI impedirá a geração de arquivos com estes campos contendo outros caracteres que não os números e a letra X. f) Na tabela de Licitações, a que Data e a que Hora se referem os campos 3 e 5 em relação à realização da Licitação? Estes campos referem se à data e hora da ABERTURA DAS PROPOSTAS. Observe que os dados da Licitação devem ser enviados ao TCM no mês em que ela foi HOMOLOGADA. g) Ainda na tabela de Licitações, como faço para preencher o campo 9 ( Descrição do Objeto da Licitação ) no caso em que o texto seja maior do que o espaço disponível (512 caracteres)? Se, por exemplo, o objeto compreender uma lista de 1000 itens de remédios distintos, como faço? Este campo deverá conter uma DESCRIÇÃO SUCINTA do objeto licitado. A completa relação de itens da Licitação será representada na tabela de Itens das Licitações. No exemplo citado na pergunta, o objeto seria, sucintamente, algo como Compra de remédios para abastecer os postos de saúde da região norte do município.

10 10 h) Como faço para representar os Descontos e os Totais em Notas Fiscais? A tabela Notas Fiscais (Tabela 602), a partir de 2006, apresenta três campos específicos para as seguintes finalidades: O campo 21( Valor da Nota Fiscal ) registra o valor líquido da Nota, isto é, COM os descontos concedidos pelo fornecedor; O campo 22 ( Valor Total do Desconto Aplicado ) registra apenas o desconto total concedido pelo fornecedor; O campo 23 ( Valor Bruto da Nota Fiscal ) registra o valor da Nota SEM os descontos concedidos pelo fornecedor. Observese que a tabela Itens de Notas Fiscais ( Tabela 603 ) não deve mais apresentar Descontos concedidos nem o Total Geral da Nota, devendo conter apenas os valores de cada item SEM qualquer desconto. i) Como devo enviar os itens de Orçamentos de Obras ou Serviços de Engenharia através do SIM? A tabela de Itens de Notas Fiscais ou de Liquidação (Tabela 603) deverá ser utilizada para registrar a liquidação dos itens das Obras e Serviços de Engenharia contabilizados pelo município, na forma do orçamento executado. j) Na ocasião de uma mudança de gestão do Executivo municipal, o Prefeito anterior não enviou a documentação de despesas que gerou Restos a Pagar para o primeiro exercício do mandato do novo Prefeito. Neste caso, como proceder para efetuar o pagamento do Restos a Pagar? Deverão ser enviados pelo novo Prefeito os registros das tabelas Notas de Empenho, Notas Fiscais ou de Liquidação e Notas de Pagamento, relacionados com Restos a Pagar, contendo os dados originais, no formato definido por este manual, com a ressalva de preencher o campo Data da Versão do Orçamento com o conteúdo 200X99, onde 200X é o exercício original do empenho e 99 é o código que identifica o registro com Restos a Pagar para Novo Mandato de Executivo. Este procedimento identifica que as Notas de Empenho, as Notas Fiscais ou de Liquidação e as Notas de Pagamento são de responsabilidade do Prefeito anterior, tendo o novo Prefeito responsabilidade apenas sobre o pagamento dos RESTOS A PAGAR oriundos destas despesas. (ver item 3.3.4) deste Manual para mais detalhes. k) Qual o procedimento a ser utilizado quando se percebe que algum dado é enviado ao TCM de forma incorreta? Deve se utilizar os arquivos de Estornos ou Anulação para corrigir a incorreção. Lembramos que no TCM não se substitui dados do SIM, até porque as informações nele contidas devem corresponder aos lançamentos contábeis ocorridos no exercício. Permite se, porém, acrescentar informações ou consertar dados através das tabelas de estornos disponíveis, mediante requerimento. l) O que se deve enviar ao TCM quando não houver movimentação contábil em um Órgão ou Unidade Orçamentária? Enviar apenas os Arquivos 301 Balancete de Receita Orçamentária, 302 Balancete de Despesa Orçamentária, 303 Balancete de Receita Extra orçamentária; 304 Balancete de Despesa Extra orçamentária, demonstrando que não houve qualquer lançamento contábil naquele mês. Em outras palavras, deve se preencher com zero os campos que registram lançamentos No Mês. m) Qual o momento em que se deve enviar os arquivos de Licitações e Contr atos ao TCM?

11 11 O Arquivos de Licitação devem ser enviados ao TCM no mês em que a licitação foi homologada. Já os arquivos de Contrato devem ser enviados no mês em que o Contrato foi assinado ou firmado. n) O que acontece com os dados de um mês previamente importados, quando se solicita acréscimos aos mesmos, e, ao se tentar realizar o acréscimo, os novos dados estão incompatíveis ocorrendo um erro na importação? Os dados previamente importados ficam considerados incompletos e indisponíveis para a análise. Neste caso, o referido mês somente será considerado recebido, após a importação dos dados a serem acrescentados, ficando o Gestor exposto às penalidades previstas para atrasos até que a situação se regularize. o) Todo mês deve se mandar uma Nova Versão de Orçamento? Não, obviamente que não, exceto se em todos os meses acontecerem as situações descritas nos itens e deste Manual, o que demonstraria uma ausência total de planejamento no município. p) Quais os arquivo básicos e de orçamento que devem ser entregues até 30 de dezembro? Gestores; Órgãos; Unidades Orçamentárias; Orçamento de Receitas por Categoria Econômica; Orçamento de Despesas por Categoria Econômica; Orçamento de Despesas por Projetos e Atividades; Elementos de Despesas por Projetos e Atividades; Programas de Governo e Unidades Gestoras. q) Caso a Versão Inicial do Orçamento (Versão 00 ) não tenha sido entregue no prazo, e em janeiro surgir uma nova Versão (Versão 01 ), o TCM aceita apenas a Versão 01, juntamente com a documentação de janeiro? Não, neste caso, a administração deverá encaminhar a Versão 00 separadamente e a Versão 01 do Orçamento juntamente com a documentação de janeiro, para fins de importação. O não envio ou envio em atraso da Versão 00 implica em penalidades previstas contra o administrador municipal.

12 12 3. RECOMENDAÇÕES CONTÁBEIS Este item visa orientar as Administrações Municipais quanto aos procedimentos contábeis e conceitos utilizados no SIM Observações Ger ais Deverão ser informados, obrigatoriamente, nas Tabelas de Órgãos e Unidades Orçamentárias os códigos relativos ao órgão especial Prefeitura, para fins de referência em outras Tabelas (notadamente os relativos às receitas orçamentárias). Os valores para Prefeitura a serem informados são AA para Código do Órgão (campo n o. 4) e AA para Código da Unidade Orçamentária (campo n o. 5) Toda receita deverá ser vinculada ao órgão especial Prefeitura, ou a um Fundo Especial, caso exista amparo legal para este fim Toda Receita Orçamentária gera 1 (um) registro na Tabela Talões de Receitas Orçamentárias Toda Despesa Orçamentária gera 1 (um) registro nas Tabelas de Notas de Empenhos, Notas Fiscais ou de Liquidação, Itens de Notas Fiscais ou de Liquidação, Notas de Pagamentos, Cheques das Notas de Pagamentos As Receitas e Despesas Extra Orçamentárias, com exceção dos Restos a Pagar, deverão ser demonstradas somente através de seus respectivos Balancetes (Tabelas: Balancetes de Receitas Extra Orçamentárias; e Balancetes de Despesas Extra Orçamentárias Toda Classificação de Receita Orçamentária (Rubrica) deverá ser contemplada na Tabela de Orçamento de Receitas por Categoria Econômica, de forma que a inclusão de uma nova Rubrica implicará na elaboração de uma Nova Versão do Orçamento (ver item ) Toda Classificação de Despesa Orçamentária (Elementos de Despesa) deverá ser contemplada na Tabela de Orçamento de Despesas por Categoria Econômica, de forma que a inclusão de uma nova classificação de Despesa implicará na elaboração de uma Nova Versão do Orçamento (ver item ) Todo gasto classificado como Despesas de Exercícios Anteriores o histórico deverá, obrigatoriamente, indicar o mês e o exercício de referência em que ocorreu a despesa Observações sobre Anulações de Receitas Anulações de Receitas Orçamentárias: Isto é possível nas seguintes situações:

13 O contribuinte reclamou que o valor arrecadado foi maior do que o devido, e a Prefeitura reconheceu a dívida: Se o problema foi constatado no MESMO EXERCÍCIO: Solução: Anula total ou parcialmente o Talão, justificando a anulação (Arquivo: Anulações de Talões de Receitas Orçamentárias). A saída da diferença a maior deverá ser controlada através de procedimentos de controle internos. Além dessas medidas, o Balancete de Receita Orçamentária do mês da anulação deverá registrar o lançamento (Arquivo: Balancetes de Receitas Orçamentárias) Se o problema foi constatado no EXERCÍCIO SUBSEQUENTE: Solução: Emitir um empenho, com elemento de despesa , restituindo o valor arrecadado a maior (Arquivos: Notas de Empenhos; Notas Fiscais ou de Liquidação; e Notas de Pagamentos) Talão de Receita com Valor, ou Classificação, ou Histórico, ou Data digitados incorretamente: Quando o problema for constatado no MESMO EXERCÍCIO: Solução: Anula totalmente o Talão, justificando a anulação (Arquivo: Anulações de Talões de Receitas Orçamentárias) e emite um novo, com data do mês da anulação, com classificação e valor corretos (Arquivo: Talões de Receitas Orçamentárias). Além desta medida, o Balancete de Receitas Orçamentárias do mês da anulação deverá registrar os lançamentos (Arquivo: Balancetes de Receitas Orçamentárias) Anulação de Receitas Extra Orçamentárias: Isto é possível na seguinte situação: Receita Extra Orçamentária lançada incorretamente: Quando o problema for constatado no MESMO EXERCÍCIO: Solução: Ajusta os valores através de procedimentos de controle interno e registra os lançamentos no Balancete de Receitas Extra Orçamentárias. (Arquivo: Balancetes de Receitas Extra Orçamentárias) Observações sobre Anulações de Despesas e Restos a Pagar Anulações de Despesas Orçamentárias: Isto é possível nas seguintes situações:

14 Valor Empenhado maior que o valor Pago: Quando o problema for constatado no MESMO EXERCÍCIO: Solução: Anula total ou parcialmente o Empenho no valor da diferença, justifica a anulação, (Arquivo: Notas de Anulações de Empenhos). Além dessas medidas, o Balancete de Despesas Orçamentárias do mês da anulação deverá registrar os lançamentos (Arquivo: Balancetes de Despesas Orçamentárias) Valor Empenhado e Pago maior do que o devido pela Unidade Gestora, e retorno da diferença: Solução: O retorno de um valor Empenhado e Pago a maior (processado) deverá ser registrado através da abertura de um Talão de Receita, classificado como OUTRAS RECEITAS CORRENTES IDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES Restituições, (Arquivos: Talões de Receitas Orçamentárias; e Balancetes de Receitas Orçamentárias) Empenho com Informações digitadas incorretamente: Quando o problema for constatado no MESMO EXERCÍCIO: Solução: Anula totalmente o Empenho com suas respectivas liquidações e pagamentos, justificando a anulação. Emite se uma outra nota de empenho com suas respectivas liquidações, pagamentos, devidamente corrigidos, e tabelas correlatas, e solicita o acréscimo dos mesmos no mês de ocorrência da despesa. Lembramos que os motivos da anulação deverão ser declarados, imprescindivelmente, na nota de anulação Anulação de Despesas Extra Orçamentárias: Despesa Extra Orçamentária lançada incorretamente: Quando o problema for constatado no MESMO EXERCÍCIO: Solução: Ajusta os valores através de procedimentos de controle interno e registra os lançamentos no Balancete de Despesas Extra Orçamentárias. (Arquivo: Balancetes de Despesas Extra Orçamentárias) Estornos Financeiros: Esta figura corretiva está devidamente representada através da tabela de Estornos Financeiros. Serve para registrar as transferências de conta para conta de recursos em casos onde se constataram erros em pagamentos, especificamente na emissão de cheques. Maiores detalhes e exemplos podem ser verificados nas Características da tabela em questão. Vale salientar que as transferências de conta para conta, quer sejam motivadas por estornos financeiros ou não, deverão ser registradas na Tabela de Transferências Financeiras.

15 Restos a Pagar: As quitações dos Restos a Pagar Processados deverão ser registradas através do envio de registros nos arquivos de Notas de Empenhos, Notas Fiscais ou de Liquidação e Notas de Pagamentos e Balancetes de Despesas Extra Orçamentárias. No arquivo Balancetes de Despesas Extra Orçamentárias, o valor dos pagamentos dos Restos a Pagar deverão ser apresentados pelos totais do mês. Observe se que os registros das tabelas Notas de Empenho, Notas Fiscais ou de Liquidação e Notas de Pagamento, relacionados com Restos a Pagar, deverão conter os dados originais, no formato definido por este manual. Salientamos, porém, sobre o conteúdo dos campos especificados abaixo: a) Para anos anteriores a 2002, o campo Data da Versão do Orçamento deverá ser preenchido com o conteúdo 200X99, onde 200X é o exercício original do empenho e 99 é o código que identifica o registro com Restos a Pagar. b) Para restos a pagar referentes a despesas empenhadas a partir do exercício de 2002, a documentação relativa ao desdobramento desta despesa (notas fiscais, notas de pagamentos e cheques) deverá se referenciar aos seus respectivos empenhos originais, diferentemente do exposto no item (a). c) O campo Data de Referência da Documentação deverá identificar o ano e mês em que os registros de quitação dos Restos a Pagar foram enviados ao TCM. d) Para o caso especial de Mudança de Mandato no Executivo, quando a gestão anterior não apresentou suas contas através do SIM, deve se proceder de forma semelhante ao item a) acima, de forma que o campo Data da Versão do Orçamento deverá ser preenchido com o conteúdo 200X99, onde 200X é o exercício original do empenho e 99 é o código que identifica o registro com Restos a Pagar para Novo Mandato do Executivo. Este procedimento identifica que as Notas de Empenho, as Notas Fiscais ou de Liquidação e as Notas de Pagamento são de responsabilidade do Prefeito anterior, tendo o novo Prefeito responsabilidade apenas sobre o pagamento dos RESTOS A PAGAR oriundos destas despesas Esclar ecimentos sobre conceitos utilizados no SIM Versões de um Orçamento: O conceito de Versões de um Orçamento foi desenvolvido a partir da necessidade de se manter os registros de execução orçamentária vinculados aos valores previstos e fixados, no momento de suas ocorrências, bem como, contemplar as relações de responsabilidades administrativas de cada gestor com sua respectiva unidade ( Prestação de Contas de Gestão ). Isto significa dizer que toda a documentação de receitas e despesas, gerada sob uma Versão do Orçamento, deverá ter o seu processamento sob a mesma Versão (especialmente no que diz respeito às despesas contabilizadas). * Obs.: É de FUNDAMENTAL IMPORTÂNCIA que, ao ocorrerem novas versões do Orçamento, as unidades administrativas da Prefeitura sejam informadas, de maneira que possam enviar

16 16 sua documentação na versão correta. A Câmara Municipal também deverá tomar conhecimento da nova versão, em tempo hábil, para enviar corretamente sua documentação (note se que as situações em que ocorrem novas versões do orçamento são necessariamente de conhecimento do Legislativo Municipal, por dependerem de prévias autorizações daquele Poder). Novas versões do orçamento são criadas quando ocorrem alterações na estrutura administrativa ou no orçamento em vigor, mediante a abertura de créditos especiais ou extraordinários (EXCLUI SE DESTA REGRA OS CRÉDITOS SUPLEMENTARES). As alterações orçamentárias ocorrem em duas situações específicas: a) Quando se inclui uma categoria econômica de receita (rubrica) do orçamento. b) Quando se registra a inclusão de uma classificação de despesa no orçamento. Como exemplo deste caso podemos citar: a criação de um novo órgão ou uma unidade orçamentária; a criação de um projeto; a inclusão de um novo elemento de despesa em um projeto. Lembramos que nas administrações descentralizadas, um novo Órgão estará vinculado a um Gestor, e esta informação se obtém através do arquivo Unidades Gestoras. A primeira versão do orçamento será o próprio orçamento inicial para o exercício. Ela será representada no campo de Data da Versão do Orçamento (campo n o. 3) dos arquivos envolvidos, sendo sua primeira menção feita no arquivo de Órgãos, e estendida a todas as demais tabelas vinculadas a Órgãos. O campo de versão do orçamento deverá ser preenchido com 200X00 para a versão inicial, onde 200X é o exercício em questão e 00 simboliza que é a versão inicial do orçamento para o exercício. A Versão Inicial deverá ser enviada ao TCM até 30 de Dezembro do exercício anterior. Caso sejam abertos créditos especiais ou extraordinários, implicando no surgimento de uma nova versão do orçamento, no decorrer do exercício, o número da nova versão do orçamento será 200XMM, onde 200X é o exercício corrente e MM representa o mês em que a nova versão foi criada (ou mês de referência da documentação). Por exemplo: representa que em julho de 2006 foi gerada uma nova versão do orçamento, e toda a documentação gerada após este fato deverá ser identificada com este valor no campo n o. 3, Data da Versão do Orçamento, com exceção dos documentos derivados de versões anteriores. As Versões do Orçamento são consideradas distintas, mesmo que as diferenças entre uma versão e outra sejam mínimas. Isto se explica pela necessidade de se associar a documentação expedida sob uma única situação orçamentária, evitando possíveis descontroles de dotações. Para exemplificar a questão da unicidade de um orçamento, observe a seguinte situação (os dados estão baseados na estrutura orçamentária disposta no item 5.4 Exemplo de Unidades Gestoras, do Manual aos Municípios): a) No orçamento inicial de 2006 (200600), na parte de despesas por projetos e atividades, para a unidade orçamentária Secretaria de Planejamento (0501), foi incluída a seguinte classificação: Sub função Controle Externo. Para esta classificação, a despesa no elemento foi fixada em R$ 1.500,00. b) Em 20 de março de 2006, foi empenhada, na dotação especificada no item (a), a compra de determinado material no valor de R$ 1.500,00, da empresa Credor LTDA, com liquidação imediata e a pagar em 60 dias (20 de maio de 2006). c) No mês de abril, foi aberto um crédito especial como consequência da criação da Secretaria de Recursos Hídricos e extinção da Secretaria de Planejamento. Por causa da abertura do crédito especial, foi criada uma nova versão do orçamento (por ter sido em abril), e toda a documentação subsequente deverá se referenciar a esta nova versão. Acontece que a extinção da referida secretaria não tira da Prefeitura a obrigação de pagamento de R$

17 ,00 a empresa Credor LTDA. Em termos de documentação, ainda faltavam ser geradas uma Nota de Pagamento e um Cheque da Nota de Pagamento correspondentes à quitação do débito relacionado à empresa que vendeu o material. d) Em 20 de maio de 2006, foram expedidos a nota de pagamento (recibo) e o cheque relativos ao pagamento devido à empresa Credor LTDA., conforme contrato. Nos arquivos de documentação, nas tabelas de Notas de Pagamentos e Cheques das Notas de Pagamentos, os registros devem ter o campo n o. 3 ( Data da Versão do Orçamento ) preenchidos com o valor , pois a despesa foi originada (empenhada) naquela versão anterior do orçamento, devendo continuar existindo dotação financeira para a secretaria extinta, até que se cumpra todos os compromissos previamente estabelecidos por aquela unidade. A partir dos SIM 2006, o envio ao TCM dos arquivos básicos(.bas) e de orçamento(.orc) segue os Critérios abaixo: Primeira Versão do Orçamento (Versão 00 ): Deve ser remetida ao TCM separadamente, seguindo o mesmo critério dos orçamentos tradicionais(orçamentos em papel), cujo prazo máximo de entrega no TCM é 30 de dezembro do exercício anterior, conforme artigo 42, parágrafo 5.º da Constituição Estadual. Observe se que o envio da Versão 00 do Orçamento ao TCM é obrigatório e deve anteceder a entrega de qualquer outra Versão. Os arquivos a serem enviados até 30 de dezembro são: a. Gestores; b. Órgãos ; c. Unidades Orçamentárias; d. Orçamento de Receitas por Categoria Econômica; e. Orçamento de Despesas por Categoria Econômica; f. Orçamento de Despesas por Projetos e Atividades; g. Elementos de Despesas por Projetos e Atividades; h. Programas de Governo; i. Unidades Gestoras. A Cada nova Versão do Orçamento (Versões de Orçamento 01 a 12): segue o critério da documentação mensal. Isto é, o envio dos arquivos.bas e.orc deve ser realizado juntamente com a Documentação do Mês de Referência. Neste caso os arquivos a serem enviados, obrigatoriamente, são: a. Gestores; b. Órgãos; c. Unidades Orçamentárias; d. Contas Bancárias do Município( este arquivo é classificado como Básico, e deve ser entregue no TCM, obrigatoriamente, junto com a documentação de janeiro, e nos casos descritos na Tabela 106 Item ); e. Orçamento de Receitas por Categoria Econômica; f. Orçamento de Despesas por Categoria Econômica; g. Orçamento de Despesas por Projetos e Atividades; h. Elementos de Despesas por Projetos e Atividades; i. Programas de Governo; j. Unidades Gestoras.

18 18 k. Agentes Públicos Municipais l. Concessões dos Itens Remuneratórios Observe que os arquivos constantes na Versão Inicial do Orçamento( 00 ) definem a Estrutura Administrativa e o Orçamento do Município e que, a partir do SIM 2006, devem ser enviados ao TCM até 30 de Dezembro do Exercício anterior, conforme artigo 42, parágrafo 5.º da Constituição Estadual. Por exemplo: O prazo para a entrega dos Arquivos Básicos e de Orçamento, da Versão 00 do Orçamento de 2006 devem ser entregues no TCM até 30 de Dezembro de No envio inicial, o campo de Data da Versão do Orçamento deverá estar preenchido com 200X00, como já discutimos anteriormente. Como cada versão do orçamento é única, mesmo com mínimas diferenças entre uma versão e outra, todos estes arquivos devem ser reenviados, obrigatoriamente, para que se contemple a nova realidade orçamentária do município. Nas Versões de Orçamentos que alterem Previsões de Receitas e principalmente Fixações de Dotações, as novas situações devem simplesmente alterar os valores previstos e fixados, para que os valores iniciais se adeqüem aos saldos necessários àquela data. Tomando por base o exemplo descrito anteriormente, na Versão Inicial do Orçamento, todos os arquivos citados deverão conter o campo n o. 3 ( Data da Versão do Orçamento ) preenchidos com Como foi criada uma nova versão do orçamento em abril, os arquivos citados juntamente com o arquivo Contas Bancárias do Município deverão ser reenviados junto com a documentação de abril, tendo o campo n o. 3 preenchido com Somente desta forma o SIM reconhecerá a nova situação orçamentária e, consequentemente, a documentação gerada sob a Nova Versão do Orçamento. IMPORTANTE: as novas Versões de Orçamento somente poderão acrescentar códigos relacionados a receitas ou despesas e NUNCA ELIMINAR OS CÓDIGOS EXISTENTES (os códigos em vez de extintos, deverão ter seus valores previstos e fixados transferidos ou zerados). Portanto, apenas os valores monetários previstos e fixados poderão variar para mais ou para menos Orçamentos de Receitas: Prefeitura e Fundos Especiais: Com relação ao registro diferenciado no Orçamento de Receitas para a Prefeitura e Fundos Especiais, é necessário informar as receitas de cada um utilizando o código de Órgão e Unidade Orçamentária correspondentes. Quando existirem Fundos Especiais extraindo talões, as receitas previstas no orçamento para os mesmos terão registros diferenciados das receitas da Prefeitura. Assim, para se obter o total da receita prevista, é necessário somar se todas as previsões registradas no Orçamento para a Prefeitura e para os Fundos. Semelhantemente, o total da receita arrecadada é o resultado do somatório de todos os talões registrados pela Prefeitura e por cada Fundo Especial. Verifique isto nos exemplos a seguir: A tabela representa o arquivo de Orçamento de Receitas por Categoria Econômica, contendo os totais de cada rubrica para o município abaixo de cada coluna, para ilustrar. Cada linha da tabela representa um registro distinto no arquivo. A, B, C e D são categorias econômicas de receitas (rubricas) distintas. O códigos de órgão e unidade orçamentária para a Prefeitura são: AA e AA (padrão). O códigos de órgão e unidade orçamentária para o Fundo Especial 1 são: 01 e 01. O códigos de órgão e unidade orçamentária para o Fundo Especial 2 são: 02 e 02. a) Situação 1 O município não tem nenhum Fundo Especial:

19 19 ORÇAMENTO VERSÃO ÓRGÃO ORÇAMENTO DE RECEITAS POR CATEGORIA ECONÔMICA UNIDADE ORÇAMENTÁ RIA RUBRICA A RUBRICA B RUBRICA C RUBRICA D PREFEITURA AA AA 1.000, , ,00 FUNDO ESPECIAL TOTAIS PREVISTOS POR RUBRICAS PARA O MUNICÍPIO 1.000, , ,00 b) Situação 2 O município tem um Fundo Especial, de código 0101, que capta recursos diretamente através das rubricas A e B: ORÇAMENTO VERSÃO ÓRGÃO ORÇAMENTO DE RECEITAS POR CATEGORIA ECONÔMICA UNIDADE ORÇAMENT ÁRIA RUBRICA A RUBRICA B RUBRICA C PREFEITURA AA AA 1.000, , ,00 FUNDO ESPECIAL ,00 800,00 RUBRI CA D TOTAIS PREVISTOS POR RUBRICAS PARA O MUNICÍPIO 1.200, , ,00 c) Situação 3 O município tem dois Fundos Especiais, de códigos 0101 e 0202, que captam recursos diretamente da seguinte forma: o Fundo Especial 1, através das rubricas A e B; o Fundo Especial 2, através das rubricas B e D: ORÇAMENTO VERSÃO ÓRGÃO ORÇAMENTO DE RECEITAS POR CATEGORIA ECONÔMICA UNIDADE ORÇAMENTÁRI A RUBRICA A RUBRICA B RUBRICA C RUBRICA D PREFEITURA AA AA 1.000, , ,00 FUNDO ESPECIAL ,00 800,00 FUNDO ESPECIAL , ,00 TOTAIS PREVISTOS POR RUBRICAS PARA O MUNICÍPIO 1.200, , , , Conceito de Consolidado para Orçamentos e Balancetes: Por uma questão conceitual, os orçamentos são consolidados, pois contém as informações inerentes a todas as unidades administrativas do município. Os demonstrativos mensais de receitas e

20 20 despesas, na forma de balancetes, também são em geral consolidados, pois agrupam as informações relativas a todas as unidades administrativas, com exceção dos balancetes de Fundos e Câmaras Municipais com duodécimo, que elaboram seus próprios balancetes. Apesar de não ser comum, alguns escritórios de contabilidade e/ou Administrações Municipais tratam os balancetes de forma diferenciada, elaborando balancetes mensais para Unidades Gestoras específicas e um balancete mensal consolidando (somando) as classificações de mesma codificação do orçamento municipal (principalmente receitas). Ocorre que esta interpretação do termo consolidado como um somatório de códigos provoca dificuldades no controle orçamentário (para as mesmas classificações), e não é compatível com o SIM. O conceito de Consolidado, para o SIM, determina que orçamentos e demonstrativos mensais agrupem discriminadamente registros contábeis de todas as unidades gestoras da Prefeitura. Este conceito também facilita o tratamento dos dados de Câmaras Municipais, que transferem o duodécimo, e de determinadas unidades gestoras cujo gestor é o responsável direto pelo envio das informações ao TCM, como é o caso dos Fundos Especiais. Portanto, os registros de movimentação orçamentária de uma Unidade Orçamentária, da mesma Versão de Orçamento, deverão ser enviada ao TCM somente uma única vez. O Balancete Consolidado é o mesmo que um agrupamento dos registros, sem dar margem à interpretação de somatório. Este tipo de balancete é representado no SIM informando a letra C nos campos de Tipo do Balancete das tabelas de balancetes (campo n o. 7 para os de receitas, e n o. 13, para os de despesas). A lista de valores possíveis com os quais se pode preencher o campo de Tipo do Balancete é a seguinte: C, para balancetes consolidados; P, para balancetes de unidades gestoras geridas pelo Prefeito Municipal; e G, para balancetes de outras unidades gestoras (Fundos Especiais). Observe que as referidas classificações ( C, P, G ) não dizem respeito à responsabilidades sobre ordenamentos de despesas, e sim sobre a forma de envio dos balancetes ao TCM adotada pela administração municipal. Os exemplos a seguir ilustram como proceder para enviar os dados dos balancetes de receitas e despesas por meio do SIM, utilizando os possíveis tipos de balancetes C, P e G. A primeira série de exemplos trata dos balancetes de receitas orçamentárias, e a segunda dos de despesas orçamentárias. BALANCETES DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS: Observe nos exemplos abaixo como proceder para enviar os dados dos balancetes de receitas utilizando os tipos de balancetes C, P e G : CODIFICAÇÃO PARA O EXEMPLO DE BALANCETES DE RECEITAS Nome Órgão Unidade Orçamentária Prefeitura AA AA Prefeito Fundo Especial Gestor Fundo Especial Prefeito Responsável Obs: Cada tabela do exemplo representa tipos possíveis de arquivos de balancetes de receitas distintos (a representação é apenas para referência, já que os campos dispostos não correspondem aos campos reais da tabela). A, B, C e D são rubricas distintas.

21 21 a) Situação 1 O Prefeito envia os balancetes de receitas da Prefeitura e dos Fundos Especiais em um único arquivo. 1 BALANCETE DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIA S TIPO DO BALANCE TE ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁ RIA PREFEITURA AA AA FUNDO ESPECIAL FUNDO ESPECIAL 2 C RUBRI CA A R$100,0 0 R$ 10, RUBRI CA B R$ 120,00 R$ 12,00 R$ 20,00 RUBRI CA C R$ 80,00 RUBRI CA D R$ 90,00 b) Situação 2 O Prefeito envia os balancetes de receitas da Prefeitura e do Fundo Especial 2. O gestor do Fundo Especial 1 envia seu próprio balancete de receitas. 1 BALANCETE DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIA S TIPO DO BALANCE TE ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁ RIA PREFEITURA AA AA RUBRI CA A R$100,0 0 FUNDO ESPECIAL 2 C RUBRI CA B R$ 120,00 R$ 20,00 RUBRI CA C R$ 80,00 RUBRI CA D R$ 90,00 2 BALANCETE DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIA S TIPO DO BALANCET E ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁ RIA FUNDO ESPECIAL 1 G RUBRI CA A R$ 10,00 RUBRI CA B R$ 12,00 RUBRI CA C RUBRI CA D c) Situação 3 O Prefeito envia os balancetes de receitas da Prefeitura, mas envia o do Fundo Especial 2, do qual é gestor, em separado. O gestor do Fundo Especial 1 envia seu próprio balancete de receitas. 1 BALANCETE DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIA S TIPO DO BALANCE TE ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁ RIA PREFEITURA C AA AA RUBRI CA A R$100,0 0 RUBRI CA B R$ 120,00 RUBRI CA C R$ 80,00 RUBRI CA D

22 22 2 BALANCETE DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIA S TIPO DO BALANCE TE ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁ RIA FUNDO ESPECIAL 1 G RUBRI CA A R$ 10,00 RUBRI CA B R$ 12,00 RUBRI CA C RUBRI CA D 3 BALANCETE DE RECEITAS ORÇAMENTÁRIA S TIPO DO BALANCE TE ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁ RIA RUBRI FUNDO ESPECIAL 2 P CA A RUBRI CA B R$ 20,00 RUBRI CA C RUBRI CA D R$ 90,00 BALANCETES DE DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS: Observe nos exemplos abaixo como proceder para enviar os dados dos balancetes de despesas utilizando os tipos de balancetes C, P e G : A estrutura administrativa do município é constituída das seis unidades gestoras descritas a seguir: CODIFICAÇÃO PARA O EXEMPLO DE BALANCETES DE DESPESAS Nome Órgão Unidade Orçamentária Responsável Gabinete do Prefeito Prefeito Municipal Câmara Municipal Presidente da Câmara Secretaria de Administração Gestor da Secretaria Secretaria de Obras Gestor da Secretaria Secretaria de Planejamento Prefeito Municipal Fundo de Educação Gestor do Fundo Obs: Cada tabela do exemplo representa um arquivo de balancetes de despesas distinto (a representação é apenas para referência, já que os campos dispostos não correspondem aos campos reais da tabela). A, B e C são classificações de despesas distintas. a) Situação 1 A Prefeitura não transfere o duodécimo para a Câmara e o gestor do Fundo de Educação envia seus balancetes juntos com os da Prefeitura: 1 BALANCETE DE DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS TIPO DO BALANCE TE RESPONSÁ VEL PELO ENVIO ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA Gabinete do Prefeito Prefeito Câmara Municipal Prefeito Sec. Administração de C Prefeito DESPE SA A R$ 10,00 R$ 20,00 R$ 30,00 DESPE SA B R$ 20,00 R$ 10,00 R$ 20,00 DESPE AS C R$ 20,00 R$ 20,00

23 23 Secretaria de Obras Prefeito Sec. de Planejamento Prefeito Fundo de Educação Gestor do Fundo R$ 40,00 R$ 50, R$ 40,00 R$ 20,00 R$ 20,00 R$ 20,00 b) Situação 2 A Prefeitura transfere o duodécimo para a Câmara e o gestor do Fundo de Educação envia seus balancetes junto com os da Prefeitura: 1 BALANCETE DE DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS TIPO DO BALANCE TE RESPONSÁ VEL PELO ENVIO ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA Gabinete do Prefeito Prefeito Sec. Administração de Prefeito Secretaria de Obras Prefeito Sec. de Planejamento Prefeito Fundo de Educação C Gestor do Fundo DESPE SA A R$ 10,00 R$ 30,00 R$ 40,00 R$ 50, DESPE SA B R$ 20,00 R$ 20,00 R$ 40,00 R$ 20,00 R$ 20,00 DESPE SA C R$ 20,00 R$ 20,00 R$ 20,00 2 BALANCETE DE DESPESAS ORÇAMENTÁRI AS Câmara Municipal TIPO DO BALANCE TE G RESPONSÁ VEL PELO ENVIO Presidente da Câmara ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA DESPE SA A R$ 20,00 DESPE SA B R$ 10,00 DESPE AS C c) Situação 3 A Prefeitura transfere o duodécimo para a Câmara e o gestor do Fundo de Educação envia seus balancetes separadamente: 1 BALANCETE DE DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS TIPO DO BALANCE TE RESPONSÁ VEL PELO ENVIO ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA Gabinete do Prefeito Prefeito Sec. Administração De Prefeito Secretaria de Obras Prefeito Sec. De Planejamento C Prefeito DESPE SA A R$ 10,00 R$ 30,00 R$ 40,00 R$ 50,00 DESPE SA B R$ 20,00 R$ 20,00 R$ 40,00 R$ 20,00 DESPE SA C R$ 20,00 R$ 20,00 R$ 20,00

24 24 2 BALANCETE DE DESPESAS ORÇAMENTÁRI AS Câmara Municipal TIPO DO BALANCE TE G RESPONSÁ VEL PELO ENVIO Presidente da Câmara ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA DESPE SA A R$ 20,00 DESPE SA B R$ 10,00 DESPE SA C 3 BALANCETE DE DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS Fundo de Educação TIPO DO BALANCE TE G RESPONSÁ VEL PELO ENVIO Gestor do Fundo ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA DESPE SA A DESPE AS B R$ 20,00 DESPE AS C d) Situação 4 A Prefeitura transfere o duodécimo para a Câmara e o gestor do Fundo de Educação envia seus balancetes separadamente. O Prefeito prefere diferenciar os balancetes das unidades gestoras geridas diretamente por ele, no mesmo arquivo que contém as demais unidades gestoras: 1 BALANCETE DE DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS TIPO DO BALANCE TE RESPONSÁ VEL PELO ENVIO ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA Gabinete do Prefeito P Prefeito Sec. De Administração C Prefeito Secretaria de Obras C Prefeito Sec. De Planejamento P Prefeito DESPE SA A R$ 10,00 R$ 30,00 R$ 40,00 R$ 50,00 DESPE SAS B R$ 20,00 R$ 20,00 R$ 40,00 R$ 20,00 DESPE SAS C R$ 20,00 R$ 20,00 R$ 20,00 2 BALANCETE DE DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS Câmara Municipal TIPO DO BALANCE TE G RESPONSÁ VEL PELO ENVIO Presidente da Câmara ÓR GÃO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA DES PESA A R$ 20,00 DESPE SAS B R$ 10,00 DESPE SAS C

SIM MANUAL DO SIM SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS

SIM MANUAL DO SIM SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS 1 SIM SISTEMA DE INFORMAÇÕES MUNICIPAIS MANUAL DO SIM 2011 2 TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO CEARÁ PLENO Conselheiro Ernesto Sabóia de Figueiredo Júnior PRESIDENTE Conselheiro Manoel Beserra

Leia mais

03/06/2013. Tendo em vista a necessidade de diminuir o custo do controle e evitar a duplicidade de remessa de dados, o SICOM substituirá outros

03/06/2013. Tendo em vista a necessidade de diminuir o custo do controle e evitar a duplicidade de remessa de dados, o SICOM substituirá outros O SICOM é um instrumento de suporte ao controle concomitante e de obtenção de dados sobre os jurisdicionados que permite conhecer as especificidades e a realidade dos órgãos e entidades, além de subsidiar

Leia mais

ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0

ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0 TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA GERAL DE INFORMÁTICA ESTRUTURA DE LAYOUT DOS ARQUIVOS VERSÃO 3.0 Atualizado em 28/01/2011 Colaboração Secretaria Geral de Controle Externo Secretaria

Leia mais

e-sfinge Sistema de Fiscalização Integrada de Gestão Módulo: Captura - Desktop

e-sfinge Sistema de Fiscalização Integrada de Gestão Módulo: Captura - Desktop e-sfinge Sistema de Fiscalização Integrada de Gestão Módulo: Captura - Desktop Arquivos Intermediários e Tabelas Básicas - Esfera Municipal e Consórcios Estrutura (layout) dos arquivos que o Sistema e-sfinge

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05

R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05 TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA R E S O L U Ç Ã O nº 1060/05 Estabelece normas para a apresentação da documentação mensal da receita e despesa e da prestação de contas anual de Prefeituras

Leia mais

Declaração Eletrônica de Serviços de Instituições Financeiras DES-IF

Declaração Eletrônica de Serviços de Instituições Financeiras DES-IF Declaração Eletrônica de Serviços de Instituições Financeiras DES-IF TERMO DE REFERÊNCIA PREFEITURA DE BELO HORIZONTE Novembro/2008 Versão 1.0.1 1 Sumário 1 Sumário...2 2 Apresentação...5 3 Conceito...6

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES

OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES OBRIGATORIEDADE DA EXIGÊNCIA DA CERTIDÃO NEGATIVA DE DÉBITOS TRABALHISTAS NAS LICITAÇÕES A Lei 8.666/93 foi alterada em 11 de julho de 2011 (artigos 27 e 29), pela Lei 12.440, sendo implementada a exigência

Leia mais

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO.

TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO. TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO FISCAL MÓDULO TÉRMINO DE MANDATO MANUAL DE UTILIZAÇÃO Versão 2008 Janeiro/2009 SIGFIS-Sistema Integrado de Gestão Fiscal : Manual

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e

DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, e DELIBERAÇÃO Nº 198 23 de janeiro de 1996 Dispõe sobre a instauração e organização de processos de prestação de contas, tomada de contas e tomada de contas especial, no âmbito da Administração Estadual,

Leia mais

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado

Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de Contas. Recurso Vinculado Sistema de Informações para Auditoria e Prestação de s Recurso Vinculado Aplicável aos Órgãos, Entidades e Consórcios Públicos Municipais regidos pela Lei Federal nº 4.320/64 e Empresas Estatais Dependentes

Leia mais

AS MUDANÇAS NA LC 101/2000

AS MUDANÇAS NA LC 101/2000 IBAM INSTITUTO BRASILEIRO DE ADMINISTRAÇÃO MUNICIPAL ESCOLA NACIONAL DE SERVIÇOS URBANOS ENSUR AS MUDANÇAS NA LC 101/2000 Heraldo da Costa Reis Prof. ENSUR/IBAM FACC/UFRJ heraldo@ibam.org.br - hcreis@terra.com.br

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA

INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 CAPÍTULO I DA FINALIDADE CAPÍTULO II DA ABRANGÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCO SISTEMA CONTÁBIL Nº 004/2014, DE 2 DE MAIO DE 2014 VERSÃO 02 Versão: 02 Aprovação em: 20 de maio de 2014 Ato de aprovação: Resolução nº 104/2014 Unidade Responsável: Secretaria

Leia mais

Estado de Sergipe TRIBUNAL DE CONTAS. LAYOUT DE ARQUIVOS TXT PARA IMPORTAÇÃO (Para a versão do SISAP Versão 610)

Estado de Sergipe TRIBUNAL DE CONTAS. LAYOUT DE ARQUIVOS TXT PARA IMPORTAÇÃO (Para a versão do SISAP Versão 610) LAYOUT DE ARQUIVOS TXT PARA IMPORTAÇÃO (Para a versão do SISAP Versão 610) 01 de agosto de 2012 SUMÁRIO 1 ESTRUTURA DOS ARQUIVOS... 5 1.1 ESTRUTURA... 5 1.2 CONVENÇÃO... 6 2 ARQUIVOS TXT POSSÍVEIS DE SEREM

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito da evolução da administração e do processo administrativo, julgue os itens que se seguem. 51 A organização que adotar em seu planejamento a metodologia do balanced

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 024, DE 8 DE MAIO DE 2012 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010

Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Ano 2010, Número 043 Brasília, quinta-feira, 4 de março de 2010 Página 66 AYRES BRITTO, PRESIDENTE- ARNALDO VERSIANI, RELATOR RICARDO LEWANDOWSKI CÁRMEN LÚCIA- FELIX FISCHER- MARCELO RIBEIRO. PUBLICAÇÃO

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro

Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro RELAÇÃO DE DOCUMENTOS INTEGRANTES DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA (CONTAS DE GOVERNO) EXERCÍCIO DE 2013 CONFORME OFÍCIO-CIRCULAR Nº 14/2014 PRS/GAP RESPONSABILIZAÇÃO CADASTROS do Prefeito

Leia mais

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração.

Contabilidade Básica. Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br. Escrituração. Conceito. Capítulo 5 Escrituração. Contabilidade Básica Prof. Jackson Luis Oshiro joshiro@ibest.com.br Conceito É uma técnica contábil que consiste em registrar nos livros próprios todos os acontecimentos que ocorrem na empresa e que modifiquem

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI Nº 2.117, DE 29 DE SETEMBRO DE 2015. Dispõe sobre as Diretrizes para a elaboração e execução da lei orçamentária de 2016. O Prefeito Municipal no uso de suas atribuições legais de acordo com o Art.

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS

ESTADO DE RONDÔNIA TRIBUNAL DE CONTAS 1 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº13./TCER-2004 Dispõe sobre as informações e documentos a serem encaminhados pelos gestores e demais responsáveis pela Administração Direta e Indireta do Estado e dos Municípios;

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física

NOTA FISCAL DE SERVIÇO ELETRÔNICA (NFS-e) Acesso ao Sistema - Pessoa Física Acesso ao Sistema - Pessoa Física Página 2 de 37 Índice ÍNDICE... 2 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 4 1.1. DEFINIÇÃO... 4 1.2. OBRIGATORIEDADE DE EMISSÃO DA NFS-E... 4 1.3. CONTRIBUINTES IMPEDIDOS DA EMISSÃO

Leia mais

Manual de Orientações do Subsistema de Supervisão de Resultados - SUP

Manual de Orientações do Subsistema de Supervisão de Resultados - SUP Manual de Orientações do Subsistema de Supervisão de Resultados - SUP Sistema de Monitoramento de Convênios de Assistência Social - SIMCOAS Subsistema de Supervisão de Resultados - SUP apresentação Este

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA

ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEGISLAÇÃO CORRELATA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE JUSTIÇA SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD E LEGISLAÇÃO CORRELATA Florianópolis, março de 2011. 2 SUMÁRIO SISTEMA DE DEPÓSITOS JUDICIAIS SIDEJUD LEI N. 15.327,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO RIO GRANDE DO NORTE ATO NORMATIVO Nº 01, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Normativo de Pessoal EMPREGO DE LIVRE PROVIMENTO E DEMISSÃO DE NÍVEL SUPERIOR, EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL SUPERIOR E EMPREGOS TEMPORÁRIOS DE NÍVEL

Leia mais

Resolução nº 102, de 15 de dezembro de 2009

Resolução nº 102, de 15 de dezembro de 2009 English Sobre o CNJ Presidência Corregedoria Atos Administrativos Ouvidoria Sistemas Programas de A a Z Mapa do Site Página Inicial Atos Administrativos Atos da Presidência Resoluções Resolução nº 102,

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA

TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO E AUDITORIA ORIENTAÇÕES TÉCNICAS PARA A ELABORAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS DOS DIRETÓRIOS PARTIDÁRIOS Tendo em vista a obrigação das agremiações partidárias de prestar contas até 30 de abril de 2014, referente ao exercício

Leia mais

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO, no uso de suas atribuições legais, DECRETO Nº 5627, de 10 de janeiro de 2013. Introduz as alterações que menciona no Decreto Municipal nº 1751/2004, de 29 de junho de 2004 e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE NOVO HAMBURGO,

Leia mais

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto.

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto. DECRETO N.º 961/08 De 01 de julho de 2008. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA CENTRAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE VALE DO SOL, no uso de suas atribuições

Leia mais

NOR - PRO - 105 PAGAMENTO DA DESPESA

NOR - PRO - 105 PAGAMENTO DA DESPESA 1. OBJETIVO 1.1. Estabelecer normas e procedimentos para o pagamento de despesas referentes às contratações de prestação de serviços, ao fornecimento de bens permanentes e de consumo e às obras e serviços

Leia mais

Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015. Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto

Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015. Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto Tribunal de Contas SAGRES CAPTURA 2015 Ed Wilson Fernandes de Santana Marcos Uchôa de Medeiros Severino Claudino Neto Sumário Sagres Captura para 2015 Informações de Obras Arquivo PDF da Lei de criação

Leia mais

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP)

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Conceitos gerais de gestão pública: princípios e regras da administração pública, processos de licitação, contratos

Leia mais

DECRETO Nº 212/2016 DE 18 DE JANEIRO DE 2016.

DECRETO Nº 212/2016 DE 18 DE JANEIRO DE 2016. DECRETO Nº 212/2016 DE 18 DE JANEIRO DE 2016. APROVA O PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI 2016, PREVISTO NA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI N 02/2008, DE RESPONSABILIDADE DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO, E DÁ

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

PRESTAÇÃO ANUAL DE CONTAS

PRESTAÇÃO ANUAL DE CONTAS PUBLICADO EM RESUMO NO DOE DE / / PRESTAÇÃO ANUAL DE CONTAS Processo TCM nº 04394-12 Exercício Financeiro de 2011 INSTITUTO DE PREVIDENCIA-IMUPRE Município de CORRENTINA Gestor: Regina de Castro Neves

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber que a Câmara de Vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar.

O PREFEITO MUNICIPAL Faz saber que a Câmara de Vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei Complementar. Prefeitura Municipal de Novo Horizonte do Sul Estado de Mato Grosso do sul Poder Executivo Gabinete do Prefeito LEI COMPLEMENTAR Nº 033/2008 de 30 de Dezembro de 2008. DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANO-

Leia mais

Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014.

Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014. Lei 1308/ 2014 De 19 de agosto 2014. Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2015 e da outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL Faço saber que a Câmara Municipal decreta e

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD

RESOLUÇÃO Nº 02/2015 - CD Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado da Educação e da Cultura - SEEC FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE FUERN Conselho Diretor - CD Rua Almino Afonso, 478 -

Leia mais

MANUAL DA GESTÃO FINANCEIRA Informações básicas

MANUAL DA GESTÃO FINANCEIRA Informações básicas MANUAL DA GESTÃO FINANCEIRA Informações básicas Este roteiro oferece um breve resumo de como funciona a administração financeira e de materiais de uma Unidade da USP, com ênfase no ponto de vista de sua

Leia mais

Tribunal de Contas do Estado

Tribunal de Contas do Estado Tribunal de Contas do Estado Tutorial sobre as alterações realizadas no sistema Sagres Captura para o envio da PCA 2013 Versão deste tutorial: 1.7 1. Habilitar o envio da PCA Para Habilitar o Sagres Captura

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ

TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ TRIBUNAL DE CONTAS DO PARANÁ DIRETORIA DE CONTAS MUNICIPAIS Prestação de Contas de Empresas Públicas e Sociedades de Economia Mista Municipais Prestação de Contas Anual Instrução Normativa n 22/2008 INSTRUÇÃO

Leia mais

SIAI. SISTEMA INTEGRADO DE AUDITORIA INFORMATIZADA Versão 2011 MANUAL DE PREENCHIMENTO DOS MODELOS. Maio 2011

SIAI. SISTEMA INTEGRADO DE AUDITORIA INFORMATIZADA Versão 2011 MANUAL DE PREENCHIMENTO DOS MODELOS. Maio 2011 SIAI SISTEMA INTEGRADO DE AUDITORIA INFORMATIZADA Versão 2011 MANUAL DE PREENCHIMENTO DOS MODELOS Maio 2011 Sistema Integrado de Auditoria Informatizada 1 SUMÁRIO Assunto Página Modelo I 3 Modelo II 5

Leia mais

2.- LOCAL E DATA: Assinado nesta cidade de Araçariguama, no Gabinete do Prefeito Municipal, aos 04 dias do mês de julho de 2013.

2.- LOCAL E DATA: Assinado nesta cidade de Araçariguama, no Gabinete do Prefeito Municipal, aos 04 dias do mês de julho de 2013. CONTRATO Nº. 09/2013 CONVITE N. 11/2013 PROCESSO N.º 31/2013 CONTRATO QUE ENTRE SI FAZEM O MUNICÍPIO DE ARAÇARIGUAMA E M. DE FREITAS ROCHA ME., para a contratação de empresa especializada na prestação

Leia mais

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS

E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS E FINANCEIRA: NOVA OBRIGAÇÃO ACESSÓRIA PARA CONTROLE DAS OPERAÇÕES FINANCEIRAS No último dia 3, a Receita Federal do Brasil ("RFB") expediu a Instrução Normativa ("IN/RFB") nº 1.571/2015, instituindo a

Leia mais

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011.

LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. LEI Nº 15.853 DE 11 DE OUTUBRO DE 2011. 1 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Economia Solidária e o Fundo Municipal de Fomento à Economia Solidária e dá outras providências. O Prefeito Municipal

Leia mais

PLANO ANUAL DE TRABALHO

PLANO ANUAL DE TRABALHO PLANO ANUAL DE TRABALHO EXERCÍCIO DE 2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE PONTA GROSSA Av. Visconde de Taunay, 950 - Tel: (42)3220-1340 - Ponta Grossa - Paraná Apresentação A A instituição Com a edição da Lei

Leia mais

Altera e consolida o Plano de Cargos e Salários da Câmara Municipal de Córrego do Ouro, e dá outras providências.

Altera e consolida o Plano de Cargos e Salários da Câmara Municipal de Córrego do Ouro, e dá outras providências. LEI N o 0692/2012 Córrego do Ouro/GO.,06 de Dezembro de 2012. Altera e consolida o Plano de Cargos e Salários da Câmara Municipal de Córrego do Ouro, e dá outras providências. O Prefeito Municipal. Faço

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº

PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº PORTARIA TRT 18ª GP/DG/SOF Nº 06, de 17.2.09 O DESEMBARGADOR-PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 18ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o disposto nos arts.

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS n 037. Processo n 35 /2016 Pregão 13/2016

ATA DE REGISTRO DE PREÇOS n 037. Processo n 35 /2016 Pregão 13/2016 ATA DE REGISTRO DE PREÇOS n 037 Processo n 35 /2016 Pregão 13/2016 Aos dezessete dias do mês de março do ano de 2.016, o MUNICÍPIO DE RIO NEGRO-PR, neste ato representado pelo seu PREFEITO MUNICIPAL, MILTON

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA PROCESSO N.º : 7.091-2/2010 PRINCIPAL : Câmara Municipal de Porto Esperidião CNPJ : 01.327.964/0001-01 ASSUNTO : Contas Anuais de Gestão/2009 VEREADOR PRESIDENTE : Sandro Ronaldo

Leia mais

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu

Prefeitura do Município de Foz do Iguaçu INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 02/2014 - FOZPREV DATA: 5 de junho de 2014 SÚMULA: Regulamenta critérios de participação em eventos externos e procedimentos para a utilização de diárias de viagem e passagens custeadas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CARTILHA DE PROCEDIMENTOS PARA ENCAMINHAMENTO DE PROJETOS À LEI DE INCENTIVO À CULTURA Nº 12464/95

CONSIDERAÇÕES SOBRE A CARTILHA DE PROCEDIMENTOS PARA ENCAMINHAMENTO DE PROJETOS À LEI DE INCENTIVO À CULTURA Nº 12464/95 CONSIDERAÇÕES SOBRE A CARTILHA DE PROCEDIMENTOS PARA ENCAMINHAMENTO DE PROJETOS À LEI DE INCENTIVO À CULTURA Nº 12464/95 ESCLARECIMENTOS INICIAIS A Lei de Incentivo à Cultura nº 12464/95 está voltada principalmente

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR Nº.132, DE 02 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos em comissão de livre provimento e exoneração sem aumento da despesa e dá outras providências. O povo do Município

Leia mais

Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário

Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário Módulo de Contratos Manual: Orientações ao usuário SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 2 2. O QUE É? 2 3. FINALIDADES DO MÓDULO DE CONTRATOS 2 4. INTEGRAÇÕES 3 5. ATORES 3 6. DEFINIÇÕES 3 7. FUNCIONALIDADES 5 8. MANTER

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências.

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002/2014 DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE SUBVENÇÃO SOCIAL, AUXÍLIO FINANCEIRO, CONTRIBUIÇÃO E OUTRAS FONTES DE RECURSO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO. A Controladoria Geral do Município

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

Roteiro elaborado com o objetivo de auxiliar os convenentes no registro das prestações de contas no SIGPC Contas Online.

Roteiro elaborado com o objetivo de auxiliar os convenentes no registro das prestações de contas no SIGPC Contas Online. FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE Roteiro de orientações ao convenente para prestação de contas do Programa Caminho da Escola no SiGPC Contas Online Roteiro elaborado com o objetivo de

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS PROCEDIMENTO PADRÃO Nº. 001/2006. Teresina, Março 2008 ATUALIZADO EM MARÇO DE 2008 NORMAS GERAIS PARA RECEBIMENTO E CONFERÊNCIA DE DOCUMENTOS

Leia mais

Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/2011

Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/2011 Orientações para Pagamento de Diárias e Prestação de Contas Versão nº 05, 06/04/20 Sumário I - REQUISIÇÃO DE DIÁRIA / PAGAMENTO DE DIÁRIA... Solicitante (Servidor que irá realizar a viagem)... Aprovador

Leia mais

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS

Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Manual de Operacionalização do Módulo de Prestação de Contas PCS Versão Fevereiro/2013 Índice PCS - Módulo de Prestação de Contas...3 Acesso ao Módulo PCS...3 1. Contas financeiras...5 1.1. Cadastro de

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41

PREFEITURA MUNICIPAL DE SERROLÂNDIA BAHIA CNPJ 14.196.703/0001-41 DECRETO Nº. 075, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos para o encerramento do exercício financeiro de 2015 no âmbito da Administração Pública Municipal e dá outras providências. O PREFEITO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA NO ENSINO MÉDIO (PIBIC-EM/CNPq) EDITAL Nº 005/2015 PROPPG, de 17 de março de 2015 A Reitoria do, por meio da (PROPPG/IFG), torna público o processo

Leia mais

ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST

ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST ENCERRAMENTO DE EXERCÍCIO CHECKLIST Para auxiliar nas providências que devem ser tomadas para o encerramento de exercício, foi elaborada uma série de verificações, em formato de checklist, que devem ser

Leia mais

Elaboração: Nilson José da Silva. Auditor do Estado. Cristina Santos Vilella. Auditora do Estado

Elaboração: Nilson José da Silva. Auditor do Estado. Cristina Santos Vilella. Auditora do Estado Versão 1 - Cuiabá Novembro de 2005 1 Elaboração: Nilson José da Silva Auditor do Estado Cristina Santos Vilella Auditora do Estado 2 APRESENTAÇÃO A Auditoria-Geral do Estado de Mato Grosso AGE-MT após

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA COORDENAÇÃO DA RECEITA DO ESTADO COORDENAÇÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS NORMA DE PROCEDIMENTO FISCAL CONJUNTA CRE/ CAEC n. º 01/ 2007 O DIRETOR DA e o CHEFE DA, no uso das atribuições que lhes confere o inciso X, do artigo 9º do Regimento da CRE aprovado pela Resolução SEFA

Leia mais

expert PDF Trial Escrituração Contábil Digital Elaborado por: José Sérgio Fernandes de Mattos

expert PDF Trial Escrituração Contábil Digital Elaborado por: José Sérgio Fernandes de Mattos Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01

HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 HISTÓRICO DAS REVISÕES N.ºREVISÃO DATA IDENTIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 00 01 01/06/2006 Emissão inicial 05/06/2007 Primeira Revisão Elaborado: 05/06/2007 Superintendente e ou Gerente da unidade Revisado: 05/06/2007

Leia mais

Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016

Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016 Desafios dos Novos Gestores Eleitos 2013/2016 Orçamento e Lei de Responsabilidade Fiscal Patrícia Sibely D Avelar Secretária Municipal de Fazenda de Lagoa Santa FORMAÇÃO Graduada em Ciência Contábeis.

Leia mais

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor.

Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. Apresentar recibo original emitido pela organização do evento, constando inclusive à assinatura do recebedor. acompanhado dos cartões de embarque originais utilizados; f) A FAPERJ não aceitará o pagamento

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 20/2015, DE 20 DE ABRIL DE 2015.

PROJETO DE LEI Nº 20/2015, DE 20 DE ABRIL DE 2015. PROJETO DE LEI Nº 20/2015, DE 20 DE ABRIL DE 2015. AUTORIZA O MUNICÍPIO CONCEDER CONTRIBUIÇÃO AO GRUPO DA MELHOR IDADE PAZ E AMOR, FIRMAR CONVÊNIO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPORÉ-RS

Leia mais

SISTEMA FINCON RELATÓRIOS DOCUMENTAÇÃO BÁSICA

SISTEMA FINCON RELATÓRIOS DOCUMENTAÇÃO BÁSICA Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município do Rio de Janeiro Empresa Municipal de Informática SISTEMA FICO RELATÓRIOS DOCUMETAÇÃO BÁSICA Elaborado pela Equipe de Desenvolvimento

Leia mais

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628

Quarta-feira, 14 de Maio de 2014 N 628 LEI N 812 de 12 de maio de 2014. Institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e, a Ferramenta de Declaração Eletrônica de Serviços - DES, e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE GUAPIMIRIM,,

Leia mais

LEI Nº 1.510-01/2013

LEI Nº 1.510-01/2013 LEI Nº 1.510-01/2013 EXTINGUE E CRIA CARGOS NO QUADRO DE CARGOS E FUNÇÕES PÚBLICAS DO MUNICÍPIO, FIXANDO PADRÃO SALARIAL, e dá outras providências. MARLI HASENKAMP STIEGEMEIR, Prefeita Municipal em exercício

Leia mais

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital

SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital SPED - Sistema Público de Escrituração Digital? 2 SPED - Sistema Público de Escrituração Digital Projeto do PAC 2007-2010 Instituído pelo Convênio ICMS 143/06.

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Auditor No que diz respeito às Demonstrações Contábeis Aplicadas ao Setor Público, a Demonstração Contábil cuja apresentação é obrigatória apenas pelas empresas estatais

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO GOTARDO CNPJ: 18.602.037/0001-55 Insc. Est. Isento São Gotardo Minas Gerais LEI COMPLEMENTAR 140, DE 14 DE SETEMBRO DE 2015 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E EXTINÇÃO DE CARGOS EM COMISSÃO DE LIVRE PROVIMENTO E EXONERAÇÃO, AFETOS ÀS FUNÇÕES DA LEI COMPLEMENTAR MUNICIPAL Nº 67/2008, SEM

Leia mais

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009

Ref.: NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2009 Universidade Federal de Minas Gerais Pro - Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Departamento de Contabilidade e Finanças e-mail: dcf@dcf.ufmg.br Tel. (031) 3409-4102 1 OFÍCIO CIRCULAR DCF 028/2009

Leia mais

ANEXO I INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DA RECEITA E DA DESPESA E DE PAGAMENTOS EFETUADOS

ANEXO I INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DA RECEITA E DA DESPESA E DE PAGAMENTOS EFETUADOS ANEXO I INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DA RECEITA E DA DESPESA E DE PAGAMENTOS EFETUADOS BLOCO 1 IDENTIFICAÇÃO CAMPO 01 Informar nome da Prefeitura Municipal (rua,

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 4: Programação Orçamentária e Financeira) Professor: Bruno César

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA

MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA MANUAL DE ORIENTAÇÃO SISTEMA CCA Versão.0 Sistema de Controle de Concessão de Adiantamentos Sumário O Sistema CCA ----------------------------------------------------- 3 Iniciando a operacionalização do

Leia mais

Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO.

Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO. Anexo I.a Instrução Normativa nº 19/2008 NOME DA ENTIDADE: CÂMARA MUNICIPAL DE SERTANEJA RELATÓRIO DO CONTROLE INTERNO Exercício de 2007 1. Implantação do Sistema e Histórico Legal Na qualidade de responsáveis

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2012 VALE TRANSPORTE

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2012 VALE TRANSPORTE INSTRUÇÃO DE SERVIÇO Nº 06/2012 VALE TRANSPORTE A GERENTE GERAL DE DESENVOLVIMENTO DE PESSOAS, no uso de suas atribuições deliberadas pela Portaria SE Nº 1495, de 01/03/2011, resolve tornar pública esta

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições

Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições Escrituração Fiscal Digital da Contribuição para o PIS/Pasep, da Cofins e da Contribuição Previdenciária sobre a Receita - EFD Contribuições Roteiro de Escrituração das Contribuições Sociais (Pessoa Jurídica

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

PROJETO LEI N 75/2015

PROJETO LEI N 75/2015 PROJETO LEI N 75/2015 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o Exercício Financeiro de 2015 e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Ficam estabelecidas as metas,

Leia mais

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO:

NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: NESSE MANUAL VÃO SER SOLUCIONADAS AS SEGUINTES DÚVIDAS DE USO: PG DESPESAS COMO CADASTRAR UMA DESPESA 3 COMO PAGO UMA DESPESA 4 COMO ALTERAR OS DADOS DE UMA DESPESA 6 COMO EXLUIR UMA DESPESA 7 COMO FAÇO

Leia mais

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências.

Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. 1 RESOLUÇÃO Nº 08/03, DE 01 DE SETEMBRO DE 2003. Dispõe sobre a organização dos Serviços Administrativos da Câmara Municipal de Porangatu e dá outras providências. A MESA DIRETORA DA, no uso de suas atribuições

Leia mais

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO

POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO POLÍTICA DE DIVULGAÇÃO E USO DE INFORMAÇÕES RELEVANTES E PRESERVAÇÃO DE SIGILO DA COMPANHIA BRASILEIRA DE DISTRIBUIÇÃO Aprovada em Reunião do Conselho de Administração da Companhia realizada em 29 de agosto

Leia mais

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA

PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA 1/14 PARECER DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA A Unidade de da FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS, em função do disposto no Parágrafo 6º do Artigo 15 do Decreto nº. 3.591, de 06/09/2000 redação que

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011 Publicada no Boletim de Serviço nº 3, de 9 mar. 2011, p. 7-10 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 119, DE 1º DE MARÇO DE 2011 Dispõe sobre o fornecimento e a autenticação de cópias e impressões e dá outras providências.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010.

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO N 137, DE 21 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre os parâmetros para a criação e o funcionamento dos Fundos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

MUNICÍPIO DE NOVA LARANJEIRAS ESTADO DO PARANÁ

MUNICÍPIO DE NOVA LARANJEIRAS ESTADO DO PARANÁ LEI Nº 1077/2015 DATA: 07/12/2015 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE NOVA LARANJEIRAS PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2016 A CÂMARA MUNICIPAL DE NOVA LARANJEIRAS, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU

Leia mais