PERGUNTAS FREQUENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERGUNTAS FREQUENTES"

Transcrição

1 PERGUNTAS FREQUENTES 1. ONDE DEVO ENCAMINHAR SUGESTÕES/RECLAMAÇÕES SOBRE QUESTÕES ATINENTES AO CONVÊNIO DEFENSORIA OAB? R: As questões referentes ao convênio devem ser enviadas ao utilizando o institucional da OAB, cujo domínio informando no campo Assunto o objeto da dúvida. 2. PODE O ADVOGADO OUTORGAR PROCURAÇÃO PARA OUTRO ADVOGADO, A FIM DE RETIRAR A CERTIDAO DE HONORÁRIOS? R: O advogado poderá outorgar procuração especifica para cada processo, uma vez que o documento ficará retido nos autos. 3. A DEFENSORIA PÚBLICA REALIZA O PAGAMENTO DE CERTIDÃO DIGITAL? R: A certidão digital não está prevista no convenio vigente, por isso o sistema de pagamento desenvolvido pela Prodesp não reconhece a assinatura digital. Tais certidões estão sendo pagas pela Defensoria Pública mediante autorização da Assessoria de Convênios. 4. A CERTIDÃO DIGITAL DEVE SER ENVIADA DIRETAMENTE À DEFENSORIA PÚBLICA? R: A certidão digital deve obedecer ao mesmo procedimento das demais certidões. Ficando a CAJ encarregada de encaminhá-las em malote separado a Assessoria de Convênios. 5. O CONVÊNIO PAGA HONORARIOS POR ATUAÇÃO EM DEMANDAS CONTRA O INSS? R: O convenio mantido com a Defensoria Pública tem abrangência estadual, para atuação exclusiva nas ações de competência da justiça Estadual. Por isso, as atuações em demandas previdenciárias contra o INSS não são passiveis de expedição de certidão nem pagamento de honorários, ainda que a tramitação da demanda ocorra em vara da justiça estadual que cumule atuação da justiça federal. 6. É POSSIVEL INDICAÇÃO PARA ATUAÇÃO EM DEMANDA CONTRA O INSS? R: Não. Todas as indicações para propositura ou defesa em ações contra o INSS é irregular, haja vista a competência da Justiça Federal. O (a) advogado (a) eventualmente indicado (a) deve solicitar o cancelamento da nomeação. 7. QUEM PAGA OS HONORÁRIOS DO ADVOGADO QUE ATUA EM DEMANDA CONTRA O INSS? R: O pagamento é realizado pela própria Justiça Federal, nos termos da Resolução CJF , mediante petição dirigida ao juiz citando tal resolução. 8. HÁ INDICAÇÃO PARA PROPOSITURA DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS? R: Para a propositura de execução de alimentos pelo rito do art. 733 do CPC é necessária nova indicação de advogado. Já no caso de execução pelo rito do art. 732, do mesmo diploma legal, não cabe indicação, devendo o mesmo advogado atuante na ação de alimentos realizar a execução dos alimentos, fase do processo de conhecimento, se houver bens passíveis de penhora.

2 9. É POSSIVEL INDICAÇÃO DE ADVOGADO PARA COMPARECER EM AUDIENCIA DE TENTATIVA DE CONCILIAÇÃO DE DIVORCIO JUDICIAL? R: Não há previsão no convenio para indicação nestes casos. O usuário deverá ser orientado a comparecer em audiência de conciliação para tentativa de composição amigável, vale dizer, conversão em divorcio consensual. Sendo infrutífera a conciliação, ele deverá retornar e receber a indicação de um advogado para contestar a demanda. 10. O ADVOGADO INDICADO QUE INGRESSAR COM AÇÃO CAUTELAR TAMBÉM DEVERÁ PROPOR A AÇÃO PRINCIPAL? R: Sim. A indicação para a propositura de ação cautelar deverá ser utilizada para propor a ação principal, haja vista que a medida cautelar poderia ter sido deduzida no bojo da ação principal. Excluem-se dessa regra as medidas cautelares satisfativas, casos em que não haverá propositura da ação principal. 11. O ADVOGADO INDICADO PARA O USUÁRIO PORTADOR DE MANDADO DE CITAÇÃO EM DIVORCIO JUDICIAL FARÁ JUS AO RECEBIMENTO DE HONORÁRIOS? R: Depende. Somente será objeto de expedição e pagamento de certidão se o mandado de citação mencionar que o prazo para contestar começa a fluir do ato de citação ou da juntada deste aos autos. Caso o mandado de citação noticie que a intimação refere-se ao comparecimento em audiência de conciliação e que o prazo para contestar iniciará da audiência, a indicação é irregular, não fazendo jus ao recebimento dos honorários. 12. A INDICAÇÃO RECEBIDA PELO ADVOGADO GARANTE O PAGAMENTO DOS HONORARIOS? R: Não. A indicação do advogado é mera expectativa de direito que se concretizará com a efetiva atuação do advogado no processo judicial. 13. QUEM É RESPONSAVEL PELA INDICAÇÃO IRREGULAR DO ADVOGADO CONVENIADO? R: O responsável é o advogado plantonista para a triagem. Cabe ao advogado verificar com cuidado os casos de indicação de advogado, observando obrigatoriamente os termos do convênio. 14. PODE O ADVOGADO PLANTONISTA DA TRIAGEM RESPONDER PROCEDIMENTO COMISTA PELA MÁ ATUAÇÃO DURANTE O PLANTÃO? R: Sim. Qualquer advogado que se sentir prejudicado, bem como os usuários poderão noticiar o fato, vale dizer, a indicação errônea, à Assessoria de Convênios ou a Ouvidoria Geral, para instauração de Processo COMISTA. Vale informar, ainda, que a informação judicial de atuação irregular de advogado do convênio em causas que, por exemplo, prescindam da atuação de advogado, também servirá como peça inaugural de Procedimento Administrativo Fiscalizatório. 15. TODOS OS CASOS DE EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO NÃO SERÃO REMUNERADOS PELA DEFENSORIA? R: Não. Os casos de extinção do feito sem resolução do mérito, somente não são passíveis de expedição de certidão e posterior pagamento, caso o advogado concorra para o evento, listado no art.267, do CPC. 16. PODE O ADVOGADO REALIZAR O ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS AOS SÁBADOS E DOMINGOS? R: Nos termos do convênio, o advogado não poderá realizar o atendimento fora do horário comercial e dias de semana útil.

3 17. O ADVOGADO PODERÁ SOLICITAR SUSPENSAO DO CONVENIO POR MOTIVOS PESSOAIS? R: A suspensão somente será possível pelo prazo de 30 dias e equivale ao período de férias. Durante esse período o (a) advogado (a) pertencente ao convênio apenas deixará de receber novas indicações, ficando, entretanto, adstrito a dar continuidade na atuação dos processos a que foi anteriormente nomeado. 18. O ADVOGADO PODERÁ RECEBER HONORARIOS ADVOCATICIOS POR QUALQUER CONTA BANCÁRIA E BANCO? R: Não. A Defensoria Pública somente realiza pagamento de honorários via conta bancária do Banco do Brasil, conforme redação expressa do Termo de Convênio. 19. É POSSÍVEL IMPLANTAR DESCONTO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA OU OUTRO DESCONTO NO PAGAMENTO DAS CERTIDÕES? R: Somente por solicitação judicial. 20. O CONVENIO POSSIBILITA A INDICAÇÃO DE ADVOGADOS PARA ATUAR EM SUSCITAÇÃO DE DUVIDAS PERANTE O JUIZO DOS REGISTROS PÚBLICOS? R: A suscitação de dúvida é um procedimento de natureza administrativa, ou seja, sem lide, razão pela qual não comporta assistência ou intervenção de terceiros, conforme o artigo 204 da Lei dos Registros Públicos, cuja finalidade é permitir a manifestação do Juiz de Direito competente a respeito da divergência de entendimentos entre o registrador e o apresentante. A impugnação deverá ser ofertada pelo apresentante. Caso ele não o faça, o Ministério Público, fiscal da Lei, apresentará manifestação e o juiz, independente da impugnação, será proferida decisão no caso. Reitero que o termo do convenio não prevê o pagamento para atuação em procedimento administrativo. 21. O ADVOGADO QUE RECEBER CERTIDÃO DE HONORARIOS COM VALOR DE 60% QUANDO FAZ JUS AO PAGAMENTO DE 100% DEVERÁ SOLICITAR AO JUIZ A RETIFICAÇÃO? R: O sistema de pagamento faz a leitura dos códigos e informações contidas nas certidões, independente do valor arbitrado pelo juiz, nos termos da Cláusula Quinta, Parágrafo Terceiro: Não serão pagos honorários advocatícios em desacordo com o disposto neste Convênio e na tabela de honorários, ainda que arbitrado valor distinto pelo Juízo ou autoridade. O valor pago tomará sempre por base o previsto na tabela vigente na última data processual constante na certidão, sendo irrelevante, neste caso, a data de sua expedição. 22. A INDICAÇÃO PARA ATUAÇÃO CRIMINAL, NA DEFESA DE RÉU PRESO OU SOLTO, DEVE PRESCINDIR DE AVALIAÇÃO FINANCEIRA? R: Segundo a Deliberação nº 89, do CSDP, na esfera criminal não há análise financeira, devendo, ao final, o advogado pleitear arbitramento de honorários em prol da Escola da Defensoria Pública do Estado, nos termos do art.4º, da citada deliberação. 23. É POSSIVEL A INDICAÇÃO DE ADVOGADO PARA A DEFESA EM AÇÕES NO JEC? R: Não cabe indicação de advogado para propor ou contestar medida cujo valor seja menor que 20 salários mínimos no JEC, conforme o termo do convenio. Contudo, não há impedimento para a indicação de advogado para interpor recurso ou respondê-lo, desde que a parte tenha a avaliação financeira deferida, vale dizer, com observância das regras estabelecidas na Deliberação 89, do CSDP.

4 24. CABE RENUNCIA DA INDICAÇÃO NOS CASOS EM QUE O USUÁRIO NÃO COMPARECE PARA NO ESCRITÓRIO DO ADVOGADO PARA ENTREGAR OS DOCUMENTOS SOLICITADOS? R: Sim, desde que o advogado possa comprovar que notificou o usuário para comparecimento no escritório para o atendimento ou entrega de documentos necessários a propositura da demanda. Nestes casos, o advogado deverá enviar ao usuário carta registrada ou telegrama. Caso o processo esteja em andamento, deverá o advogado peticionar solicitando a intimação pessoal, nos termos do artigo 267, I, CPC 25. CASO O ADVOGADO INDICADO QUE ATUOU NO PROCESSO DE ALIMENTOS TENHA SE DESLIGADO DO CONVENIO, PODERÁ HAVER NOVA INDICAÇÃO PARA A PROPOSITURA DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS PELO RITO DO ART. 732, DO CPC? R: Sim. A indicação deverá recair sobre outro advogado, mediante autorização da Defensoria Pública, após consulta no sistema, para verificar o descredenciamento do advogado. 26. COMO A SECRETÁRIA RESPONSÁVEL PELAS NOMEAÇÕES PODERÁ CONTROLAR SE FORAM PEDIDOS TODOS OS PROVIMENTOS POSSÍVEIS EM UMA ÚNICA AÇÃO? CASO NÃO FOI POSSÍVEL REALIZAR O PEDIDO DE TODOS OS PROVIMENTOS EM UMA ÚNICA AÇÃO, O ADVOGADO INDICADO ANTERIORMENTE É OBRIGADO A PEDIR NOVA INDICAÇÃO PARA ELE MESMO OU PODERÁ SER INDICADO NOVO ADVOGADO? R: Cabe ao advogado plantonista da triagem questionar ao usuário que compareceu na triagem se ele possui outros advogados atuando no seu interesse e qual a ação proposta ou a ser proposta, em uma abordagem preliminar, para evitar a recusa posterior do pagamento da sua certidão, sem prejuízo do advogado indicado se certificar a existência de outras ações propostas. 27. CASO NÃO SEJA POSSIVEL A CONCENTRAÇÃO DE PEDIDOS, PODERÁ SER INDICADO O MESMO ADVOGADO PARA TODAS AS DEMANDAS? R: Caso não seja possível a concentração de pedidos, a subseção deverá observar rigorosamente o rodízio indicando outro advogado para a propositura da demanda, salvo no caso de violência doméstica, que deverá ser indicado o mesmo advogado, para todas as demandas que do caso resultar, evitando-se exposição da vitima. 28. NOS CASOS DE ACORDO, A CERTIDÃO DE HONORARIOS SERÁ PAGA PELA DEFENSORIA PÚBLICA? R: O advogado receberá normalmente o valor. Contudo, caso não haja o adimplemento, o mesmo advogado deverá ingressar com as medidas necessárias visando à execução do acordo até final cumprimento, vale dizer, o advogado fica vinculado ao processo até seu final cumprimento. 29. CASO O ADVOGADO CONVENIADO PEÇA CANCELAMENTO DE SUA INSCRIÇÃO, PODERÁ RENUNCIAR AOS PROCESSOS EM ANDAMENTO? R: Nos termos do convenio, o pedido de cancelamento de atuação na área ou descredenciamento no convênio não importa em renuncia aos processos em andamento, devendo o profissional permanecer na condução do feito até o trânsito em julgado.

5 30. NOS CASOS DE CARTAS PRECATORIAS CÍVEIS E CRIMINAIS, HAVENDO MAIS DE RÉU E INTERESSES CONFLITANTES PODERÃO SER INDICADOS ADVOGADOS PARA ATUAÇÃO INDIVIDUALIZADA? R: Havendo mais de um réu no processo em que seus interesses forem conflitantes, poderão ser realizadas indicações para advogados diferentes, ou seja, um advogado para cada réu desde que seja solicitada pelo juiz, por oficio dirigido a Assessoria de convênios. Nestes casos, o advogado indicado receberá pelo Cod. 601, devendo encaminhar a certidão com a autorização diretamente a Defensoria Pública. 31. CASO O ADVOGADO INDICADO SEJA RESPONSAVEL POR OUTRAS DEMANDAS EM ANDAMENTO NA MESMA VARA, PODERÁ REALIZAR O PLANTÃO INCLUSIVE SE HOUVER AUDIENCIA MARCADA PARA SEUS CASOS PARTICULARES? R: O advogado durante o plantão não poderá realizar audiências de processos particulares, devendo, se o caso, substabelecer nos seus processos particulares, pois durante a permanência a disposição do juízo ele atua em nome da Defensoria Pública. Poderá, ainda, solicitar o cancelamento da indicação para o plantão daquele dia, retornando ao rodízio normalmente. 32. NO CASO DE QUEBRA DE CONFIANÇA, O ADVOGADO PODERÁ PEDIR RENUNCIA? R: Verificando o advogado haver quebra de confiança, este deverá fundamentar e sempre que possível documentar o ocorrido, colhendo assinatura do usuário, a fim de instruir procedimento de renuncia que deverá observar rigorosamente os termos do convênio. 33. A DEFENSORIA PÚBLICA NÃO PAGARÁ AS CERTIDÕES EXPEDIDAS PELO CODIGO 202 PARA RÉU? R: A Defensoria Pública pagará todas as certidões pelo código 202, quando a atuação se dá em benefício do réu, após a apresentação pelo advogado de copias das peças processuais juntadas aos autos, vale dizer, a efetiva atuação. 34. COMO DEVERÁ PROCEDER AO ADVOGADO NO CASO DE RENÚNCIA? R: Antes de pedir a renúncia nos autos, é obrigatório que o advogado o faça administrativamente, protocolizando seu pedido na Subsecção da OAB correspondente que, por sua vez, encaminhará à CAJ que decidirá e enviará para esta Defensoria visando à ratificação. Somente após a reratificação da Defensoria, o (a) advogado (a) poderá solicitar a renúncia nos autos. 35. QUANDO O PROCESSO É SUSPENSO PODERÁ O ADVOGADO RECEBER A CERTIDÃO E O PAGAMENTO? R: A expedição da certidão e pagamento está condicionada à entrega da prestação jurisdicional, se houve suspensão do feito não há falar em honorários advocatícios. 36. O ATENDIMENTO DOS USUÁRIOS NO PERÍODO DE FÉRIAS FORENSE SERÁ SUSPENSO? R: Não haverá interrupção no atendimento durante o recesso forense, haja vista que a conveniada deverá seguir o calendário da Defensoria Pública. Além disso, o trabalho dos fóruns continua normalmente, ficando, apenas, suspensos os prazos processuais, havendo normal distribuição de demandas urgentes e as previstas no CPC. 37. PODERÁ SER INDICADO ADVOGADO PARA ATUAR EM EXECUÇÕES FISCAIS? R: O convenio prevê a indicação e pagamento de advogados inscritos para atuarem em execuções fiscais, desde que o tributo discutido seja de competência municipal ou estadual.

6 A Defensoria Pública do Estado, por sua Assessoria de Convênios, vem, pelo presente, esclarecer as dúvidas mais freqüentes dos advogados em relação ao convênio, encaminhadas por 1) INFORMES DE RENDIMENTOS: A Defensoria Pública informa que a Prodesp encaminhou os informes de rendimentos para os advogados no endereço constante no banco de dados do SPA (Sistema de Pagamento de Advogados) informado pelo(a) nobre advogado(a). Os pedidos de 2ª via deverão ser feitos, por , inserindo no campo assunto tratar-se de Solicitação de Informe de Rendimentos. 2) PAGAMENTOS REALIZADOS INDEPENDENTE DO ARBITRAMENTO DO JUIZ: Nos termos da cláusula 5ª, parágrafo terceiro: Não serão pagos honorários advocatícios em desacordo com o disposto neste Convênio e na tabela de honorários, ainda que arbitrado valor distinto pelo Juízo ou autoridade. 3) REGRAS DE PREENCHIMENTO DAS CERTIDÕES: Esclarecemos que as regras de preenchimento das certidões podem ser acessadas no site da Defensoria Pública no link Convênio OAB, Anexo VI e VII do termo do convênio vigente. Os magistrados poderão solicitar os modelos preenchidos diretamente à Defensoria Pública. 4) CERTIDÕES RECUSADAS: Informamos que as certidões preenchidas incorretamente e/ou fora do padrão do Anexo VI ou VII do Termo de Convênio são automaticamente recusadas pelo Sistema de Pagamento da Defensoria Pública, suspendendo-se o pagamento até regularização. Cumpre informar que as certidões recusadas em razão de falta de previsão no convênio ou em desacordo com os enunciados e edital vigentes não serão pagas, por falta de amparo legal para o pagamento com dinheiro público. 5) AFASTAMENTO DO CONVÊNIO: O termo de convênio vigente prevê o afastamento do advogado durante 30 dias no ano, devendo ser solicitado diretamente no portal de cadastro do advogado. Afastamentos em razão de doenças, por mais de 30 dias, deverão ser formalizados em petição acompanhada de relatório médico, devendo ser protocolizada na CAJ-OAB. Em qualquer caso o advogado permanece responsável pelo andamento dos processos já existentes, ou seja, a suspensão atinge tão somente novas indicações que seriam realizadas em seu nome; 6) SOLICITAÇÃO DE CANCELAMENTO: A solicitação de cancelamento deverá ser realizada diretamente no portal de cadastro do advogado. Salientamos que lançado o pedido de cancelamento o advogado somente poderá retornar ao convenio no próximo ano, após nova inscrição. 7) ATUAÇÃO PARCIAL-PAGAMENTO DE 30% DA TABELA: Esclarecemos que a atuação parcial do advogado no processo importa no pagamento de 30% do valor da tabela (exemplos: renúncia, destituição, ingresso no feito após a contestação e saída antes da sentença). Tal valor pago pela Defensoria Pública independe do valor arbitrado pelo juiz, podendo o advogado que atuou em mais de 30% do feito solicitar o pagamento complementar, diretamente a Defensoria Pública, por petição acompanhada dos documentos que comprovem tal atuação (cópia das peças processuais). 8) CONTA COM STATUS: As contas que apresentam status no Sistema Informatizado da Secretaria da Fazenda do Estado (SIAFEM) referem-se às contas correntes cujos números estão informados erroneamente, contas canceladas, contas com mais de um titular, etc. Nesse caso, solicitamos que o advogado verifique no cadastro se a conta informada está correta e, ainda, junto ao Banco do Brasil se a conta corrente está ativa.

7 9) LISTA DE INSCRITOS PARA ATUAÇÃO EM 2011/2012: Esclarecemos que somente os advogados que fizeram suas inscrições novas e revalidação da inscrição velha estão inscritos no convênio para atuação em 2011/2012. Os advogados antigos que não fizeram a revalidação (manifestação de vontade de permanecer atuando no convênio, aceitando as regras do edital, os termos do convênio e os enunciados) não estão na lista de inscritos homologada em 23/01/2012, portanto, não fazem mais parte do convênio. Caso sua dúvida não tenha sido sanada com as informações acima, solicitamos ao Nobre Advogado que encaminhe a Defensoria Pública, por , solicitação de esclarecimento informado no campo assunto o objeto da dúvida, haja vista o arquivamento do anteriormente encaminhado. Lembramos que o sistema OTRS somente recebe dos advogados que utilizarem seu institucional, vale dizer, com a Atenciosamente, Assessoria de Convênios

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ADVOGADOS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA SUPLEMENTAR CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA/OAB-SP

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ADVOGADOS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA SUPLEMENTAR CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA/OAB-SP EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ADVOGADOS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA SUPLEMENTAR CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA/OAB-SP A Defensoria Pública do Estado de São Paulo e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Termo de Convênio que entre si celebram a DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO e a ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO, para a prestação de assistência judiciária gratuita suplementar,

Leia mais

ENTENDENDO O CONVÊNIO DEFENSORIA SP / OAB

ENTENDENDO O CONVÊNIO DEFENSORIA SP / OAB Defensoria Pública do Estado de São Paulo Assessoria de Convênios ENTENDENDO O CONVÊNIO DEFENSORIA SP / OAB Texto: Assessoria de Convênios Produção, revisão e impressão: Coordenadoria de Comunicação Social

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AO ADVOGADO DO CONVÊNIO OAB/DEFENSORIA PÚBLICA. COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AO ADVOGADO DO CONVÊNIO OAB/DEFENSORIA PÚBLICA. COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AO ADVOGADO DO CONVÊNIO OAB/DEFENSORIA PÚBLICA. COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA UNIDOS POR UM SÓ OBJETIVO ASSISTÊNCIA

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Período da realização da correição: de 23 de maio a 13 de junho de 2014. Juiz de Direito Titular:

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) EMENTA: Implanta o Sistema Processo Judicial Eletrônico-PJe nas Varas Cíveis da Capital e dá outras providências. O Presidente do Tribunal de Justiça

Leia mais

Assistência Judiciária

Assistência Judiciária Assistência Judiciária Comissão Estadual Triênio 2013/2015 A Subseção deverá conhecer e divulgar amplamente o Convênio A Subseção deverá zelar pela autuação profissional do advogado conveniado, informando

Leia mais

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Art. 5º Para acesso ao PJe-JT é obrigatória a utilização de assinatura digital a que se refere o inciso II, alínea a, do artigo 3º desta resolução, nas seguintes

Leia mais

sábado, 29 de novembro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (226) 155

sábado, 29 de novembro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (226) 155 sábado, 29 de novembro de 2014 Diário Oficial Poder Executivo - Seção I São Paulo, 124 (226) 155 Edital para Inscrição de Advogados para Prestação de Assistência Judiciária Suplementar Convênio Defensoria

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 26/2014/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 26/2014/CM PROVIMENTO N. 26/2014/CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda

Leia mais

PROVIMENTO Nº 04/2008

PROVIMENTO Nº 04/2008 PROVIMENTO Nº 04/2008 Disciplina os procedimentos relativos aos débitos das Fazendas Públicas Federal, Estadual e Municipal, em virtude de sentença judicial transitada em julgado, sujeitos ao regime de

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAU/SP

Leia mais

Entendendo o Convênio

Entendendo o Convênio Entendendo o Convênio Defensoria SP / OAB Maio / 2012 Apresentação A presente apostila é fruto de minucioso trabalho desenvolvido pela Assessoria de Convênios da Defensoria Pública do Estado de São Paulo,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM PROVIMENTO N. 23/2015-CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda Instância

Leia mais

74 São Paulo, 125 (191) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 14 de outubro de 2015

74 São Paulo, 125 (191) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 14 de outubro de 2015 74 São Paulo, 125 (191) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quarta-feira, 14 de outubro de 2015 ASSESSORIA DE CONVÊNIOS Comunicado Edital para Inscrição de Advogados para Prestação de Assistência

Leia mais

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.)

PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) PROVIMENTO Nº 148, DE 16 DE ABRIL DE 2008. (Ver Provimento n. 70, de 9.1.2012 DJMS, de 17.1.2012.) Institui, no âmbito da Justiça de Primeiro Grau do Estado de Mato Grosso do Sul, o sistema eletrônico

Leia mais

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 Regulamenta o meio eletrônico de tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais no Supremo Tribunal Federal (e-stf) e dá

Leia mais

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre o acesso às peças digitais da consulta processual e o recebimento de Petição, por meio eletrônico, no âmbito da Primeira Região. O PRESIDENTE

Leia mais

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 38/2012 Dispõe sobre o envio, por meio eletrônico, através do Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e em andamento de processos físicos que tramitam na primeira instância

Leia mais

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN

e 63 do ProvimentoGeral Consolidadoda JustiçaFederalN 48 Vara Federal - 198 Subseção Judiciária - Guarulhos/SP PORTARIA n 004/2006 o Dr. ALESSANDRO DIAFERIA, MM. Juiz Federal da 48 Vara de Guarulhos - 198 Subseção Judiciária do Estado de São Paulo, no uso

Leia mais

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I O objetivo primordial do Escritório Modelo de Advocacia é o pedagógico, sendo um laboratório prático no qual os alunos deverão desenvolver o conteúdo

Leia mais

Provimento GP/VPJ/CR N. 05/2012

Provimento GP/VPJ/CR N. 05/2012 Provimento GP/VPJ/CR N. 05/2012 (Divulgado no DEJT de 29/10/2012 segunda-feira, às páginas 02/04) Regulamenta o Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT), módulo de 1º grau, no âmbito

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002 PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002 EDITAL DE CADASTRAMENTO DE ADVOGADOS VOLUNTÁRIOS, ADVOGADOS DATIVOS, TRADUTORES, PERITOS, INTÉRPRETES E CURADORES (PRAZO DE : a partir da data da publicação

Leia mais

Edital 01/2012 1.1 2.1 a.1) a.2) a.3) a.4) a.5) a.6) a.7) 2.2 3.1 3.2

Edital 01/2012 1.1 2.1 a.1) a.2) a.3) a.4) a.5) a.6) a.7) 2.2 3.1 3.2 Edital 01/2012 O DR. FERNANDO BUENO DA GRAÇA, JUIZ DE DIREITO SUPERVISOR DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE LOANDA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto na Resolução nº 03/2010

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DA 2ª REGIÃO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL DA 2ª REGIÃO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO CONSOLIDAÇÃO DE NORMAS DA CORREGEDORIA-REGIONAL DA (PROVIMENTO 011, de 04 de abril de 2011) Atualizada até o Provimento 00010/2015 Sumário TÍTULO I... 9 DA ORGANIZAÇÃO DA CORREGEDORIA-REGIONAL... 9 CAPÍTULO

Leia mais

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP, nos termos do Convênio

Leia mais

9º EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA VOLUNTÁRIOS DA UNICAP Período 2016/2017

9º EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA VOLUNTÁRIOS DA UNICAP Período 2016/2017 O Programa de Iniciação Científica para Voluntários da UNICAP tem como objetivo estimular estudantes de graduação que queiram desenvolver atividade de pesquisa, através de um Plano de Trabalho vinculado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO. Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo ACÓRDÃO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000251389 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0128060-36.2010.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AGÊNCIA ESTADO LTDA, é apelado IGB ELETRÔNICA

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I REGIMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CIÊNCIAS JURÍDICAS PROFESSOR ALBERTO DEODATO TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS 1 Os débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional podem ser parcelados em até 60 (sessenta) prestações

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Institui o Regulamento dos cursos de Pós-graduação lato sensu em da Escola de Direito de Brasília EDB, mantida pelo Instituto Brasiliense de Direito

Leia mais

http://www.profmarcelomoura.blogspot.com EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2

http://www.profmarcelomoura.blogspot.com EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2 EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2 OBSERVAÇÃO O gabarito pretende abranger diversos aspectos do tema abordado. Assim, o fato do candidato não ter abordado todos os temas referidos neste comentário não

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Manual do Estagiário ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA GRATUITA 01. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é constituído pelo Escritório Modelo de Advocacia Gratuita EMAG

Leia mais

Deontologia Jurídica. Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1

Deontologia Jurídica. Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1 Deontologia Jurídica Professor Roberto Morgado rnmorgado@hotmail.com www.morgadodeontologia.blogspot.com Aula 1 ATIVIDADE PRIVATIVA QUESTÃO Nº01 A empresa Consumidor Ltda., composta por contadores, despachantes,

Leia mais

Prof. Anderson Nogueira Oliveira Roteiro de Aula Redação Jurídica Aplicada

Prof. Anderson Nogueira Oliveira Roteiro de Aula Redação Jurídica Aplicada 1 PROCURAÇÃO 1. Conceito: A procuração é um instrumento de mandato. De seu conceito entende-se que alguém (mandante, outorgante ou constituinte) outorga poderes a outrem (mandatário, outorgado ou procurador)

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

ABC DA PORTARIA CAT 153/2011

ABC DA PORTARIA CAT 153/2011 ABC DA PORTARIA CAT 153/2011 1. O que é o Sistema e-credrural? - É um sistema informatizado instituído por meio da Portaria CAT 153/2011, disponibilizado no endereço eletrônico www.fazenda.sp.gov.br, para

Leia mais

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias

PENHORA ON LINE. Noções Introdutórias PENHORA ON LINE Noções Introdutórias Caracterizada como ato específico da ação de execução por quantia certa contra devedor solvente, a penhora nada mais é do que um ato executório, uma vez que produz

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011.

AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011. AGÊNCIA REGULADORA DE ÁGUAS ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº. 07, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2011. Aprova o Regulamento do Estágio de Estudantes junto à Agência Reguladora de Águas,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ)

REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) REGULAMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA (NPJ) PORTO VELHO (RO) 2012 Página 1 de 18 TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO 1 DA NORMATIZAÇÃO Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é o órgão

Leia mais

Considerando o disposto na Lei N º 11.419, de 19.12.2006, que versa sobre a informatização do processo judicial, em especial em seu artigo 11;

Considerando o disposto na Lei N º 11.419, de 19.12.2006, que versa sobre a informatização do processo judicial, em especial em seu artigo 11; PORTARIA N º JFES-POR-2013/00067, de 02 de setembro de 2013. Dispõe sobre o Regulamento para a Tramitação dos Autos Eletrônicos no âmbito da Seção Judiciária do Espírito Santo. O J U I Z F E D E R A L

Leia mais

13.A- ADVOGADOS CONTRATADOS PELO INSS:

13.A- ADVOGADOS CONTRATADOS PELO INSS: 13.A- ADVOGADOS CONTRATADOS PELO INSS: ORDEM DE SERVIÇO INSS/PG Nº 14, DE 3 DE NOVEMBRO DE 1993 DOU DE 05/11/93 Dispõe sobre a implantação do Cadastro de Advogados Autônomos CAA, estabelece normas para

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR N 30, de 26.07.2002 (D.O 02.08.02)

LEI COMPLEMENTAR N 30, de 26.07.2002 (D.O 02.08.02) LEI COMPLEMENTAR N 30, de 26.07.2002 (D.O 02.08.02) Cria o Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor - DECON, nos termos previstos na Constituição do Estado do Ceará, e estabelece as normas

Leia mais

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2 LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO Aula 2 Mais que um curso prático, uma nova ferramenta que surge para auxiliar o operador do Direito! É o LEGALE mais uma vez preocupado com seu SUCESSO PROFISSIONAL!!

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE GRADUADOS PELO UniCEUB NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 13º EDITAL 1º/2015

PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE GRADUADOS PELO UniCEUB NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 13º EDITAL 1º/2015 PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE GRADUADOS PELO UniCEUB NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 13º EDITAL 1º/2015 A pró-reitora do UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

Estado da Paraíba. Prefeitura Municipal de João Pessoa. Secretaria de Desenvolvimento Social EDITAL DE SELEÇÃO N.º 001/2016

Estado da Paraíba. Prefeitura Municipal de João Pessoa. Secretaria de Desenvolvimento Social EDITAL DE SELEÇÃO N.º 001/2016 Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de João Pessoa Secretaria de Desenvolvimento Social EDITAL DE SELEÇÃO N.º 001/2016 Cumprindo o que determina a Lei Municipal 11.608/2008 que instituiu o Programa

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE BACHARELADO EM DIREITO DA FACULDADE DO GUARUJÁ I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art.1º. O presente Regulamento rege as Atividades de Estágio Supervisionado,

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009

ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009 ORDEM DE SERVIÇO N.º 01/2009-CEUNI, de 01 de abril de 2009 (Disponibilizada no Diário Eletrônico da Justiça Federal da 3ª Região em 03/04/2009) Texto atualizado com as Ordens de Serviço nºs 02 e 03 até

Leia mais

PROCESSO SELETIVO DE INSCRIÇÃO PARA O PROGRAMA SOCIAL BOLSA UNIVERSITÁRIA EDITAL Nº 003/2015

PROCESSO SELETIVO DE INSCRIÇÃO PARA O PROGRAMA SOCIAL BOLSA UNIVERSITÁRIA EDITAL Nº 003/2015 O Município de Itapemirim, Estado do Espírito Santo, por intermédio da Comissão Executiva instituída pela Portaria nº 008, de 27 de janeiro de 2015. TORNA PÚBLICO que realizará Processo Seletivo de Inscrição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 002 ANTAQ, DE 14 DE OUTUBRO DE 2008. Fixa os critérios e procedimentos para a realização de concursos públicos de provas e títulos, destinados ao provimento dos cargos efetivos do

Leia mais

Rua 87, nº 581, Setor Sul, Goiânia Goiás, CEP: 74.093-300

Rua 87, nº 581, Setor Sul, Goiânia Goiás, CEP: 74.093-300 REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO JURÍDICO DA ASSOCIAÇÃO DOS SUBTENENTES E SARGENTOS PM/BM DO ESTADO DE GOIÁS ASSEGO REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO JURÍDICO - RIDjur CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º

Leia mais

D E C I S Ã O (proferida em regime de plantão judiciário) I RELATÓRIO

D E C I S Ã O (proferida em regime de plantão judiciário) I RELATÓRIO 18 Ação Cautelar Inominada Requerente: GUSTAVO BASSINI SCHWARTZ Requerida: ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SECCIONAL ESPÍRITO SANTO (OAB/ES) D E C I S Ã O (proferida em regime de plantão judiciário) I RELATÓRIO

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO Dá nova redação ao artigo 86 e revoga o 1º do artigo 247 e o inciso XII do artigo 187, todos do Regimento Interno do TCE/RO, relativos à vista, carga e devolução de processos

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA RIO DE JANEIRO 2012 I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º - Este Regulamento rege as atividades de Estágio Supervisionado do Curso de Graduação em Direito. Art. 2º -

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado INTRODUÇÃO O Manual de Estágio Supervisionado tem como objetivo orientar o aluno do Curso de Direito da Universidade de Santo Amaro sobre a Prática do Estágio

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA PRESIDÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Uniformiza procedimentos de atendimento às partes e advogados no âmbito das secretarias judiciárias do TRF4. O PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL O OFICIAL DE JUSTIÇA E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL O novo Código de Processo Civil revela-se positivo para atuação dos Oficiais de Justiça, pelo menos essa foi a perspectiva desde a criação do projeto.

Leia mais

DA INEXIGIBILIDADE DE CERTIDÕES NEGATIVAS DE DÉBITOS TRIBUTÁRIOS EM PLEITO DE ALVARÁ JUDICIAL COM FUNDAMENTO NA LEI Nº 6.858, NO DECRETO Nº 85

DA INEXIGIBILIDADE DE CERTIDÕES NEGATIVAS DE DÉBITOS TRIBUTÁRIOS EM PLEITO DE ALVARÁ JUDICIAL COM FUNDAMENTO NA LEI Nº 6.858, NO DECRETO Nº 85 DA INEXIGIBILIDADE DE CERTIDÕES NEGATIVAS DE DÉBITOS TRIBUTÁRIOS EM PLEITO DE ALVARÁ JUDICIAL COM FUNDAMENTO NA LEI Nº 6.858, NO DECRETO Nº 85.845, NA LEI Nº 8.036 E NO DECRETO Nº 99.684 RÔMULO SANTA ROSA

Leia mais

O Processo Trabalhista

O Processo Trabalhista Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão O Processo Trabalhista Princípios gerais do processo Constituição Federal de 1988; Código de Processo Civil (CPC). Princípios

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS /IBMEC REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA EVANDRO LINS E SILVA TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Artigo

Leia mais

- Setores da Corregedoria -

- Setores da Corregedoria - - Setores da Corregedoria - Calendário Logísitica Correições Assessoria Processo Administrativo Apoio Interno Núcleo de Apoio Corregedor Cadastro de Documentos Ouvidoria Promoções Controle do Trâmite Processual

Leia mais

CONHECENDO O DEPARTAMENTO JUDICIAL DO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA

CONHECENDO O DEPARTAMENTO JUDICIAL DO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA Estado do Ceará Poder Judiciário Fórum Clóvis Beviláqua CARTILHA CONHECENDO O DEPARTAMENTO JUDICIAL DO FÓRUM CLÓVIS BEVILÁQUA Ficha Técnica Luciana Teixeira de Souza Juíza Coordenadora Maria Cristina Menezes

Leia mais

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC)

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) 2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) Cabe de acórdão não unânime por 2x1 3 modalidades: a) Julgamento da apelação b) Julgamento

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais,

RESOLUÇÃO Nº 149/2010. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições legais, RESOLUÇÃO Nº 149/2010 Autoriza a implantação do Processo Eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Acre e dá outras providências. O Tribunal de Justiça do Estado do Acre, no uso das atribuições

Leia mais

RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº 1 DPDF/2013 DEFERIDAS

RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº 1 DPDF/2013 DEFERIDAS DEFENSORIA PÚBLICA DO DISTRITO FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NO CARGO DE DEFENSOR PÚBLICO DE SEGUNDA CATEGORIA RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - 8ª REGIÃO - SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA - 8ª REGIÃO - SÃO PAULO COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÃO DO CRB/8 - SP TOMADA DE PREÇO nº 01/2015 O CONSELHO REGIONAL DE BIBLIOTECONOMIA 8ª REGIÃO, entidade autárquica federal de fiscalização da profissão de Bibliotecário, instituído

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR Aprovado pela Resolução Consuni nº 28/06 de 12/07/06. Art. 1º O presente regulamento disciplina as atividades do Núcleo de Prática

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Na Conformidade da Resolução n.º 150/2010 - CEP/UFF REGULAMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO

Leia mais

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de João Pessoa Secretaria de Desenvolvimento Social EDITAL DE SELEÇÃO N.º 001/2014

Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de João Pessoa Secretaria de Desenvolvimento Social EDITAL DE SELEÇÃO N.º 001/2014 Estado da Paraíba Prefeitura Municipal de João Pessoa Secretaria de Desenvolvimento Social EDITAL DE SELEÇÃO N.º 001/2014 Cumprindo o que determina a Lei Municipal 11.608/2008 que instituiu o Programa

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014.

ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. ATO NORMATIVO Nº 159, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A UNIFORMIZAÇÃO DAS - NORMAS QUE DISCIPLINAM O INGRESSO E TRAMITAÇÃO DOS PROCESSOS DIGITAIS NO ÂMBITO DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL Boa Vista, 14 de abril de 2015 Diário da Justiça Eletrônico ANO XVIII - EDIÇÃO 5487 242/249 Expediente de 13/04/2015 ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL RESOLUÇÃO Nº 001/2015 Dispõe sobre a aprovação do Regimento

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

IV SELEÇÃO GERAL PARA ESTÁGIO NA ÁREA JURÍDICA EDITAL Nº 001/2009

IV SELEÇÃO GERAL PARA ESTÁGIO NA ÁREA JURÍDICA EDITAL Nº 001/2009 IV SELEÇÃO GERAL PARA ESTÁGIO NA ÁREA JURÍDICA EDITAL Nº 001/2009 O Procurador-Seccional da Fazenda Nacional em Campinas e o Coordenador de Estágio da unidade, no uso de suas atribuições, com fundamento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE PERNAMBUCO Conselho da Magistratura PROVIMENTO N 01/2007 (DOE 18/05/07) EMENTA: Orienta os juízes sobre a competência do Juizado de Violência Doméstica

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3 3 PROCEDIMENTO

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. clicar no botão Pesquisar, preencher o campo Processo Juntado e, após, cli-

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. clicar no botão Pesquisar, preencher o campo Processo Juntado e, após, cli- clicar no botão Pesquisar, preencher o campo Processo Juntado e, após, cli- Para desapensar algum processo anteriormente apensado, basta acessar no Menu do SPROC > Atuação de Processos > Juntar Autos.

Leia mais

NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO NORMAS REGULAMENTARES DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA O Conselho Diretor da Faculdade de Direito (UFG), no uso de suas atribuições

Leia mais

REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD

REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD REGULARIDADE DE RECOLHIMENTO DE CONTRIBUIÇÕES PREVIDENCIÁRIAS - Obtenção de CND, CPD-EN e CPD Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04/04/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Prova de Inexistência

Leia mais

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros 2.2.1 - Quando da lavratura dos atos das serventias, serão utilizados papéis com fundo inteiramente branco, salvo disposição expressa em contrário. A escrituração

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015 A Prefeitura Municipal de Campestre da Serra RS, através da Sra. Prefeita Municipal e da Comissão de Processo Seletivo, nomeada pela Portaria nº 2552/2015,

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 9-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 21 DE MAIO DE 2009. Aprova o Regulamento do Protocolo Geral da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho

Leia mais

CLÁUSULA SEGUNDA. PRAZO DE VIGÊNCIA O presente Contrato terá prazo de vigência de 01 (um) ano e entrará em vigor a partir da data de sua assinatura.

CLÁUSULA SEGUNDA. PRAZO DE VIGÊNCIA O presente Contrato terá prazo de vigência de 01 (um) ano e entrará em vigor a partir da data de sua assinatura. CONTRATO Nº 21 CONTRATO DE FORNECIMENTO DE RECARGAS DE CARTUCHOS E TONER QUE FAZEM ENTRE SI FUNDAÇÃO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE RORAIMA E A EMPRESA M. L. P. COSTA. A FUNDAÇÃO

Leia mais

INFORMATIVO: AÇÃO DE COBRANÇA DE EXPURGOS INFLACIONÁRIOS EM CADERNETAS DE POUPANÇAS DURANTE OS PLANOS ECONÔMICOS (COLLOR I E II)

INFORMATIVO: AÇÃO DE COBRANÇA DE EXPURGOS INFLACIONÁRIOS EM CADERNETAS DE POUPANÇAS DURANTE OS PLANOS ECONÔMICOS (COLLOR I E II) 1 INFORMATIVO: AÇÃO DE COBRANÇA DE EXPURGOS INFLACIONÁRIOS EM CADERNETAS DE POUPANÇAS DURANTE OS PLANOS ECONÔMICOS (COLLOR I E II) 1 - OBJETO: O pedido contido na ação visa cobrar das Instituições Bancárias

Leia mais

EDITAL Nº 02/2015 Processo Seletivo 2º Semestre de 2015 Transferência Externa e Obtenção de Novo Título

EDITAL Nº 02/2015 Processo Seletivo 2º Semestre de 2015 Transferência Externa e Obtenção de Novo Título EDITAL Nº 02/2015 Processo Seletivo 2º Semestre de 2015 Transferência Externa e Obtenção de Novo Título As Faculdades Santo Agostinho, por meio de seu Núcleo de Relacionamento Acadêmico e em conformidade

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo 29 Protocolo 2. DISTRIBUIÇÃO A previsão legal dos atos de distribuição e registro está no Código de Processo Civil, nos artigos 251 a 257. A distribuição tem a função de dividir os processos entre juízos

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 058, DE 25 DE MAIO DE 2009 Estabelece diretrizes para membros do Poder Judiciário e integrantes da Polícia Federal no que concerne ao tratamento de processos e procedimentos de investigação

Leia mais

PROVIMENTO CORREGEDORIA GERAL DA PGM 001/2010. Objeto: PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL

PROVIMENTO CORREGEDORIA GERAL DA PGM 001/2010. Objeto: PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL PROVIMENTO DA PGM 001/2010 Objeto: PROCESSO JUDICIAL ELETRÔNICO DA JUSTIÇA FEDERAL Considerando a necessidade de orientação normativa e de adequação de procedimentos internos para integração da Procuradoria

Leia mais

TRT Comentário da Prova de Analista

TRT Comentário da Prova de Analista TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9a REGIÃO Direito Processual Civil Glauka Archangelo Pessoal. A prova de processo civil, não trouxe nenhuma surpresa, o edital foi respeitado e não há nenhuma questão passível

Leia mais

Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT)

Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) Processo Judicial Eletrônico da Justiça do Trabalho (PJe-JT) 1) ATOS NORMATIVOS: 1º e 2º do art. 154 do CPC (com a redação que lhe deu a Lei n. 11.280, de 16 de fevereiro de 2006) Lei n. 11.419, de 19

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETO Nº 1950-R de 24 DE OUTUBRO de 2007. Regulamenta a Lei Nº 8263, de 25/01/2006 publicada no Diário Oficial do Estado em 26/01/06, alterada pela Lei n o 8642, publicada no Diário Oficial do Estado

Leia mais

POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO

POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO POUPANÇA EXPURGOS INFLACIONÁRIOS PLANO VERÃO O Plano Econômico Verão, editado pelo Governo em Janeiro/1989, expurgou índices que deveriam ter sido utilizados na correção dos saldos das contas de poupança,

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS

REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS REGIMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRÁTICAS EM DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PPGPDS DOS OBJETIVOS Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Práticas em Desenvolvimento Sustentável (PPGPDS) destina-se

Leia mais