PERGUNTAS FREQUENTES

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERGUNTAS FREQUENTES"

Transcrição

1 PERGUNTAS FREQUENTES 1. ONDE DEVO ENCAMINHAR SUGESTÕES/RECLAMAÇÕES SOBRE QUESTÕES ATINENTES AO CONVÊNIO DEFENSORIA OAB? R: As questões referentes ao convênio devem ser enviadas ao utilizando o institucional da OAB, cujo domínio informando no campo Assunto o objeto da dúvida. 2. PODE O ADVOGADO OUTORGAR PROCURAÇÃO PARA OUTRO ADVOGADO, A FIM DE RETIRAR A CERTIDAO DE HONORÁRIOS? R: O advogado poderá outorgar procuração especifica para cada processo, uma vez que o documento ficará retido nos autos. 3. A DEFENSORIA PÚBLICA REALIZA O PAGAMENTO DE CERTIDÃO DIGITAL? R: A certidão digital não está prevista no convenio vigente, por isso o sistema de pagamento desenvolvido pela Prodesp não reconhece a assinatura digital. Tais certidões estão sendo pagas pela Defensoria Pública mediante autorização da Assessoria de Convênios. 4. A CERTIDÃO DIGITAL DEVE SER ENVIADA DIRETAMENTE À DEFENSORIA PÚBLICA? R: A certidão digital deve obedecer ao mesmo procedimento das demais certidões. Ficando a CAJ encarregada de encaminhá-las em malote separado a Assessoria de Convênios. 5. O CONVÊNIO PAGA HONORARIOS POR ATUAÇÃO EM DEMANDAS CONTRA O INSS? R: O convenio mantido com a Defensoria Pública tem abrangência estadual, para atuação exclusiva nas ações de competência da justiça Estadual. Por isso, as atuações em demandas previdenciárias contra o INSS não são passiveis de expedição de certidão nem pagamento de honorários, ainda que a tramitação da demanda ocorra em vara da justiça estadual que cumule atuação da justiça federal. 6. É POSSIVEL INDICAÇÃO PARA ATUAÇÃO EM DEMANDA CONTRA O INSS? R: Não. Todas as indicações para propositura ou defesa em ações contra o INSS é irregular, haja vista a competência da Justiça Federal. O (a) advogado (a) eventualmente indicado (a) deve solicitar o cancelamento da nomeação. 7. QUEM PAGA OS HONORÁRIOS DO ADVOGADO QUE ATUA EM DEMANDA CONTRA O INSS? R: O pagamento é realizado pela própria Justiça Federal, nos termos da Resolução CJF , mediante petição dirigida ao juiz citando tal resolução. 8. HÁ INDICAÇÃO PARA PROPOSITURA DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS? R: Para a propositura de execução de alimentos pelo rito do art. 733 do CPC é necessária nova indicação de advogado. Já no caso de execução pelo rito do art. 732, do mesmo diploma legal, não cabe indicação, devendo o mesmo advogado atuante na ação de alimentos realizar a execução dos alimentos, fase do processo de conhecimento, se houver bens passíveis de penhora.

2 9. É POSSIVEL INDICAÇÃO DE ADVOGADO PARA COMPARECER EM AUDIENCIA DE TENTATIVA DE CONCILIAÇÃO DE DIVORCIO JUDICIAL? R: Não há previsão no convenio para indicação nestes casos. O usuário deverá ser orientado a comparecer em audiência de conciliação para tentativa de composição amigável, vale dizer, conversão em divorcio consensual. Sendo infrutífera a conciliação, ele deverá retornar e receber a indicação de um advogado para contestar a demanda. 10. O ADVOGADO INDICADO QUE INGRESSAR COM AÇÃO CAUTELAR TAMBÉM DEVERÁ PROPOR A AÇÃO PRINCIPAL? R: Sim. A indicação para a propositura de ação cautelar deverá ser utilizada para propor a ação principal, haja vista que a medida cautelar poderia ter sido deduzida no bojo da ação principal. Excluem-se dessa regra as medidas cautelares satisfativas, casos em que não haverá propositura da ação principal. 11. O ADVOGADO INDICADO PARA O USUÁRIO PORTADOR DE MANDADO DE CITAÇÃO EM DIVORCIO JUDICIAL FARÁ JUS AO RECEBIMENTO DE HONORÁRIOS? R: Depende. Somente será objeto de expedição e pagamento de certidão se o mandado de citação mencionar que o prazo para contestar começa a fluir do ato de citação ou da juntada deste aos autos. Caso o mandado de citação noticie que a intimação refere-se ao comparecimento em audiência de conciliação e que o prazo para contestar iniciará da audiência, a indicação é irregular, não fazendo jus ao recebimento dos honorários. 12. A INDICAÇÃO RECEBIDA PELO ADVOGADO GARANTE O PAGAMENTO DOS HONORARIOS? R: Não. A indicação do advogado é mera expectativa de direito que se concretizará com a efetiva atuação do advogado no processo judicial. 13. QUEM É RESPONSAVEL PELA INDICAÇÃO IRREGULAR DO ADVOGADO CONVENIADO? R: O responsável é o advogado plantonista para a triagem. Cabe ao advogado verificar com cuidado os casos de indicação de advogado, observando obrigatoriamente os termos do convênio. 14. PODE O ADVOGADO PLANTONISTA DA TRIAGEM RESPONDER PROCEDIMENTO COMISTA PELA MÁ ATUAÇÃO DURANTE O PLANTÃO? R: Sim. Qualquer advogado que se sentir prejudicado, bem como os usuários poderão noticiar o fato, vale dizer, a indicação errônea, à Assessoria de Convênios ou a Ouvidoria Geral, para instauração de Processo COMISTA. Vale informar, ainda, que a informação judicial de atuação irregular de advogado do convênio em causas que, por exemplo, prescindam da atuação de advogado, também servirá como peça inaugural de Procedimento Administrativo Fiscalizatório. 15. TODOS OS CASOS DE EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO NÃO SERÃO REMUNERADOS PELA DEFENSORIA? R: Não. Os casos de extinção do feito sem resolução do mérito, somente não são passíveis de expedição de certidão e posterior pagamento, caso o advogado concorra para o evento, listado no art.267, do CPC. 16. PODE O ADVOGADO REALIZAR O ATENDIMENTO AOS USUÁRIOS AOS SÁBADOS E DOMINGOS? R: Nos termos do convênio, o advogado não poderá realizar o atendimento fora do horário comercial e dias de semana útil.

3 17. O ADVOGADO PODERÁ SOLICITAR SUSPENSAO DO CONVENIO POR MOTIVOS PESSOAIS? R: A suspensão somente será possível pelo prazo de 30 dias e equivale ao período de férias. Durante esse período o (a) advogado (a) pertencente ao convênio apenas deixará de receber novas indicações, ficando, entretanto, adstrito a dar continuidade na atuação dos processos a que foi anteriormente nomeado. 18. O ADVOGADO PODERÁ RECEBER HONORARIOS ADVOCATICIOS POR QUALQUER CONTA BANCÁRIA E BANCO? R: Não. A Defensoria Pública somente realiza pagamento de honorários via conta bancária do Banco do Brasil, conforme redação expressa do Termo de Convênio. 19. É POSSÍVEL IMPLANTAR DESCONTO DE PENSÃO ALIMENTÍCIA OU OUTRO DESCONTO NO PAGAMENTO DAS CERTIDÕES? R: Somente por solicitação judicial. 20. O CONVENIO POSSIBILITA A INDICAÇÃO DE ADVOGADOS PARA ATUAR EM SUSCITAÇÃO DE DUVIDAS PERANTE O JUIZO DOS REGISTROS PÚBLICOS? R: A suscitação de dúvida é um procedimento de natureza administrativa, ou seja, sem lide, razão pela qual não comporta assistência ou intervenção de terceiros, conforme o artigo 204 da Lei dos Registros Públicos, cuja finalidade é permitir a manifestação do Juiz de Direito competente a respeito da divergência de entendimentos entre o registrador e o apresentante. A impugnação deverá ser ofertada pelo apresentante. Caso ele não o faça, o Ministério Público, fiscal da Lei, apresentará manifestação e o juiz, independente da impugnação, será proferida decisão no caso. Reitero que o termo do convenio não prevê o pagamento para atuação em procedimento administrativo. 21. O ADVOGADO QUE RECEBER CERTIDÃO DE HONORARIOS COM VALOR DE 60% QUANDO FAZ JUS AO PAGAMENTO DE 100% DEVERÁ SOLICITAR AO JUIZ A RETIFICAÇÃO? R: O sistema de pagamento faz a leitura dos códigos e informações contidas nas certidões, independente do valor arbitrado pelo juiz, nos termos da Cláusula Quinta, Parágrafo Terceiro: Não serão pagos honorários advocatícios em desacordo com o disposto neste Convênio e na tabela de honorários, ainda que arbitrado valor distinto pelo Juízo ou autoridade. O valor pago tomará sempre por base o previsto na tabela vigente na última data processual constante na certidão, sendo irrelevante, neste caso, a data de sua expedição. 22. A INDICAÇÃO PARA ATUAÇÃO CRIMINAL, NA DEFESA DE RÉU PRESO OU SOLTO, DEVE PRESCINDIR DE AVALIAÇÃO FINANCEIRA? R: Segundo a Deliberação nº 89, do CSDP, na esfera criminal não há análise financeira, devendo, ao final, o advogado pleitear arbitramento de honorários em prol da Escola da Defensoria Pública do Estado, nos termos do art.4º, da citada deliberação. 23. É POSSIVEL A INDICAÇÃO DE ADVOGADO PARA A DEFESA EM AÇÕES NO JEC? R: Não cabe indicação de advogado para propor ou contestar medida cujo valor seja menor que 20 salários mínimos no JEC, conforme o termo do convenio. Contudo, não há impedimento para a indicação de advogado para interpor recurso ou respondê-lo, desde que a parte tenha a avaliação financeira deferida, vale dizer, com observância das regras estabelecidas na Deliberação 89, do CSDP.

4 24. CABE RENUNCIA DA INDICAÇÃO NOS CASOS EM QUE O USUÁRIO NÃO COMPARECE PARA NO ESCRITÓRIO DO ADVOGADO PARA ENTREGAR OS DOCUMENTOS SOLICITADOS? R: Sim, desde que o advogado possa comprovar que notificou o usuário para comparecimento no escritório para o atendimento ou entrega de documentos necessários a propositura da demanda. Nestes casos, o advogado deverá enviar ao usuário carta registrada ou telegrama. Caso o processo esteja em andamento, deverá o advogado peticionar solicitando a intimação pessoal, nos termos do artigo 267, I, CPC 25. CASO O ADVOGADO INDICADO QUE ATUOU NO PROCESSO DE ALIMENTOS TENHA SE DESLIGADO DO CONVENIO, PODERÁ HAVER NOVA INDICAÇÃO PARA A PROPOSITURA DE EXECUÇÃO DE ALIMENTOS PELO RITO DO ART. 732, DO CPC? R: Sim. A indicação deverá recair sobre outro advogado, mediante autorização da Defensoria Pública, após consulta no sistema, para verificar o descredenciamento do advogado. 26. COMO A SECRETÁRIA RESPONSÁVEL PELAS NOMEAÇÕES PODERÁ CONTROLAR SE FORAM PEDIDOS TODOS OS PROVIMENTOS POSSÍVEIS EM UMA ÚNICA AÇÃO? CASO NÃO FOI POSSÍVEL REALIZAR O PEDIDO DE TODOS OS PROVIMENTOS EM UMA ÚNICA AÇÃO, O ADVOGADO INDICADO ANTERIORMENTE É OBRIGADO A PEDIR NOVA INDICAÇÃO PARA ELE MESMO OU PODERÁ SER INDICADO NOVO ADVOGADO? R: Cabe ao advogado plantonista da triagem questionar ao usuário que compareceu na triagem se ele possui outros advogados atuando no seu interesse e qual a ação proposta ou a ser proposta, em uma abordagem preliminar, para evitar a recusa posterior do pagamento da sua certidão, sem prejuízo do advogado indicado se certificar a existência de outras ações propostas. 27. CASO NÃO SEJA POSSIVEL A CONCENTRAÇÃO DE PEDIDOS, PODERÁ SER INDICADO O MESMO ADVOGADO PARA TODAS AS DEMANDAS? R: Caso não seja possível a concentração de pedidos, a subseção deverá observar rigorosamente o rodízio indicando outro advogado para a propositura da demanda, salvo no caso de violência doméstica, que deverá ser indicado o mesmo advogado, para todas as demandas que do caso resultar, evitando-se exposição da vitima. 28. NOS CASOS DE ACORDO, A CERTIDÃO DE HONORARIOS SERÁ PAGA PELA DEFENSORIA PÚBLICA? R: O advogado receberá normalmente o valor. Contudo, caso não haja o adimplemento, o mesmo advogado deverá ingressar com as medidas necessárias visando à execução do acordo até final cumprimento, vale dizer, o advogado fica vinculado ao processo até seu final cumprimento. 29. CASO O ADVOGADO CONVENIADO PEÇA CANCELAMENTO DE SUA INSCRIÇÃO, PODERÁ RENUNCIAR AOS PROCESSOS EM ANDAMENTO? R: Nos termos do convenio, o pedido de cancelamento de atuação na área ou descredenciamento no convênio não importa em renuncia aos processos em andamento, devendo o profissional permanecer na condução do feito até o trânsito em julgado.

5 30. NOS CASOS DE CARTAS PRECATORIAS CÍVEIS E CRIMINAIS, HAVENDO MAIS DE RÉU E INTERESSES CONFLITANTES PODERÃO SER INDICADOS ADVOGADOS PARA ATUAÇÃO INDIVIDUALIZADA? R: Havendo mais de um réu no processo em que seus interesses forem conflitantes, poderão ser realizadas indicações para advogados diferentes, ou seja, um advogado para cada réu desde que seja solicitada pelo juiz, por oficio dirigido a Assessoria de convênios. Nestes casos, o advogado indicado receberá pelo Cod. 601, devendo encaminhar a certidão com a autorização diretamente a Defensoria Pública. 31. CASO O ADVOGADO INDICADO SEJA RESPONSAVEL POR OUTRAS DEMANDAS EM ANDAMENTO NA MESMA VARA, PODERÁ REALIZAR O PLANTÃO INCLUSIVE SE HOUVER AUDIENCIA MARCADA PARA SEUS CASOS PARTICULARES? R: O advogado durante o plantão não poderá realizar audiências de processos particulares, devendo, se o caso, substabelecer nos seus processos particulares, pois durante a permanência a disposição do juízo ele atua em nome da Defensoria Pública. Poderá, ainda, solicitar o cancelamento da indicação para o plantão daquele dia, retornando ao rodízio normalmente. 32. NO CASO DE QUEBRA DE CONFIANÇA, O ADVOGADO PODERÁ PEDIR RENUNCIA? R: Verificando o advogado haver quebra de confiança, este deverá fundamentar e sempre que possível documentar o ocorrido, colhendo assinatura do usuário, a fim de instruir procedimento de renuncia que deverá observar rigorosamente os termos do convênio. 33. A DEFENSORIA PÚBLICA NÃO PAGARÁ AS CERTIDÕES EXPEDIDAS PELO CODIGO 202 PARA RÉU? R: A Defensoria Pública pagará todas as certidões pelo código 202, quando a atuação se dá em benefício do réu, após a apresentação pelo advogado de copias das peças processuais juntadas aos autos, vale dizer, a efetiva atuação. 34. COMO DEVERÁ PROCEDER AO ADVOGADO NO CASO DE RENÚNCIA? R: Antes de pedir a renúncia nos autos, é obrigatório que o advogado o faça administrativamente, protocolizando seu pedido na Subsecção da OAB correspondente que, por sua vez, encaminhará à CAJ que decidirá e enviará para esta Defensoria visando à ratificação. Somente após a reratificação da Defensoria, o (a) advogado (a) poderá solicitar a renúncia nos autos. 35. QUANDO O PROCESSO É SUSPENSO PODERÁ O ADVOGADO RECEBER A CERTIDÃO E O PAGAMENTO? R: A expedição da certidão e pagamento está condicionada à entrega da prestação jurisdicional, se houve suspensão do feito não há falar em honorários advocatícios. 36. O ATENDIMENTO DOS USUÁRIOS NO PERÍODO DE FÉRIAS FORENSE SERÁ SUSPENSO? R: Não haverá interrupção no atendimento durante o recesso forense, haja vista que a conveniada deverá seguir o calendário da Defensoria Pública. Além disso, o trabalho dos fóruns continua normalmente, ficando, apenas, suspensos os prazos processuais, havendo normal distribuição de demandas urgentes e as previstas no CPC. 37. PODERÁ SER INDICADO ADVOGADO PARA ATUAR EM EXECUÇÕES FISCAIS? R: O convenio prevê a indicação e pagamento de advogados inscritos para atuarem em execuções fiscais, desde que o tributo discutido seja de competência municipal ou estadual.

6 A Defensoria Pública do Estado, por sua Assessoria de Convênios, vem, pelo presente, esclarecer as dúvidas mais freqüentes dos advogados em relação ao convênio, encaminhadas por 1) INFORMES DE RENDIMENTOS: A Defensoria Pública informa que a Prodesp encaminhou os informes de rendimentos para os advogados no endereço constante no banco de dados do SPA (Sistema de Pagamento de Advogados) informado pelo(a) nobre advogado(a). Os pedidos de 2ª via deverão ser feitos, por , inserindo no campo assunto tratar-se de Solicitação de Informe de Rendimentos. 2) PAGAMENTOS REALIZADOS INDEPENDENTE DO ARBITRAMENTO DO JUIZ: Nos termos da cláusula 5ª, parágrafo terceiro: Não serão pagos honorários advocatícios em desacordo com o disposto neste Convênio e na tabela de honorários, ainda que arbitrado valor distinto pelo Juízo ou autoridade. 3) REGRAS DE PREENCHIMENTO DAS CERTIDÕES: Esclarecemos que as regras de preenchimento das certidões podem ser acessadas no site da Defensoria Pública no link Convênio OAB, Anexo VI e VII do termo do convênio vigente. Os magistrados poderão solicitar os modelos preenchidos diretamente à Defensoria Pública. 4) CERTIDÕES RECUSADAS: Informamos que as certidões preenchidas incorretamente e/ou fora do padrão do Anexo VI ou VII do Termo de Convênio são automaticamente recusadas pelo Sistema de Pagamento da Defensoria Pública, suspendendo-se o pagamento até regularização. Cumpre informar que as certidões recusadas em razão de falta de previsão no convênio ou em desacordo com os enunciados e edital vigentes não serão pagas, por falta de amparo legal para o pagamento com dinheiro público. 5) AFASTAMENTO DO CONVÊNIO: O termo de convênio vigente prevê o afastamento do advogado durante 30 dias no ano, devendo ser solicitado diretamente no portal de cadastro do advogado. Afastamentos em razão de doenças, por mais de 30 dias, deverão ser formalizados em petição acompanhada de relatório médico, devendo ser protocolizada na CAJ-OAB. Em qualquer caso o advogado permanece responsável pelo andamento dos processos já existentes, ou seja, a suspensão atinge tão somente novas indicações que seriam realizadas em seu nome; 6) SOLICITAÇÃO DE CANCELAMENTO: A solicitação de cancelamento deverá ser realizada diretamente no portal de cadastro do advogado. Salientamos que lançado o pedido de cancelamento o advogado somente poderá retornar ao convenio no próximo ano, após nova inscrição. 7) ATUAÇÃO PARCIAL-PAGAMENTO DE 30% DA TABELA: Esclarecemos que a atuação parcial do advogado no processo importa no pagamento de 30% do valor da tabela (exemplos: renúncia, destituição, ingresso no feito após a contestação e saída antes da sentença). Tal valor pago pela Defensoria Pública independe do valor arbitrado pelo juiz, podendo o advogado que atuou em mais de 30% do feito solicitar o pagamento complementar, diretamente a Defensoria Pública, por petição acompanhada dos documentos que comprovem tal atuação (cópia das peças processuais). 8) CONTA COM STATUS: As contas que apresentam status no Sistema Informatizado da Secretaria da Fazenda do Estado (SIAFEM) referem-se às contas correntes cujos números estão informados erroneamente, contas canceladas, contas com mais de um titular, etc. Nesse caso, solicitamos que o advogado verifique no cadastro se a conta informada está correta e, ainda, junto ao Banco do Brasil se a conta corrente está ativa.

7 9) LISTA DE INSCRITOS PARA ATUAÇÃO EM 2011/2012: Esclarecemos que somente os advogados que fizeram suas inscrições novas e revalidação da inscrição velha estão inscritos no convênio para atuação em 2011/2012. Os advogados antigos que não fizeram a revalidação (manifestação de vontade de permanecer atuando no convênio, aceitando as regras do edital, os termos do convênio e os enunciados) não estão na lista de inscritos homologada em 23/01/2012, portanto, não fazem mais parte do convênio. Caso sua dúvida não tenha sido sanada com as informações acima, solicitamos ao Nobre Advogado que encaminhe a Defensoria Pública, por , solicitação de esclarecimento informado no campo assunto o objeto da dúvida, haja vista o arquivamento do anteriormente encaminhado. Lembramos que o sistema OTRS somente recebe dos advogados que utilizarem seu institucional, vale dizer, com a Atenciosamente, Assessoria de Convênios

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ADVOGADOS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA SUPLEMENTAR CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA/OAB-SP

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ADVOGADOS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA SUPLEMENTAR CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA/OAB-SP EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ADVOGADOS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA SUPLEMENTAR CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA/OAB-SP A Defensoria Pública do Estado de São Paulo e a Ordem dos Advogados do Brasil

Leia mais

ENTENDENDO O CONVÊNIO DEFENSORIA SP / OAB

ENTENDENDO O CONVÊNIO DEFENSORIA SP / OAB Defensoria Pública do Estado de São Paulo Assessoria de Convênios ENTENDENDO O CONVÊNIO DEFENSORIA SP / OAB Texto: Assessoria de Convênios Produção, revisão e impressão: Coordenadoria de Comunicação Social

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA CAU/SP Nº 003/2015 INSCRIÇÃO E REVALIDAÇÃO DE INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO CAU/SP

Leia mais

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. RESOLUÇÃO/PRESI 600-26 DE 07 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre o acesso às peças digitais da consulta processual e o recebimento de Petição, por meio eletrônico, no âmbito da Primeira Região. O PRESIDENTE

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO Termo de Convênio que entre si celebram a DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO e a ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DE SÃO PAULO, para a prestação de assistência judiciária gratuita suplementar,

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 26/2014/CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 26/2014/CM PROVIMENTO N. 26/2014/CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda

Leia mais

Assistência Judiciária

Assistência Judiciária Assistência Judiciária Comissão Estadual Triênio 2013/2015 A Subseção deverá conhecer e divulgar amplamente o Convênio A Subseção deverá zelar pela autuação profissional do advogado conveniado, informando

Leia mais

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente

ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Exceção - Ato urgente ACESSO AO SISTEMA Por certificado digital Art. 5º Para acesso ao PJe-JT é obrigatória a utilização de assinatura digital a que se refere o inciso II, alínea a, do artigo 3º desta resolução, nas seguintes

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

Sistemas Corporativos da USP (Web)

Sistemas Corporativos da USP (Web) Sistemas Corporativos da USP (Web) O sistema de estágios remunerados da USP é fruto da colaboração das seguintes áreas da Reitoria da Universidade de São Paulo: Departamento de Recursos Humanos, Departamento

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM

ESTADO DE MATO GROSSO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO N. 23/2015-CM PROVIMENTO N. 23/2015-CM Dispõe sobre o envio, por meio digital, pelo Portal Eletrônico do Advogado PEA, das petições iniciais e intermediárias de processos físicos que tramitam na Primeira e Segunda Instância

Leia mais

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL RELATÓRIO DA CORREIÇÃO EXTRORDINÁRIA PARCIAL REALIZADA NA SEGUNDA AUDITORIA DA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Período da realização da correição: de 23 de maio a 13 de junho de 2014. Juiz de Direito Titular:

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA

MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA MANUAL DE ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICA O Curso de Graduação em Direito da Faculdade do Sudeste Goiano (FASUG) é oferecido em conformidade com as Diretrizes do Ministério da Educação (MEC), com observância

Leia mais

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I

NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I NORMAS GERAIS DO ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA 2015/I O objetivo primordial do Escritório Modelo de Advocacia é o pedagógico, sendo um laboratório prático no qual os alunos deverão desenvolver o conteúdo

Leia mais

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PROVIMENTO Nº 38/2012. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PROVIMENTO Nº 38/2012 Dispõe sobre o envio, por meio eletrônico, através do Portal Eletrônico do Advogado - PEA, das petições iniciais e em andamento de processos físicos que tramitam na primeira instância

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AO ADVOGADO DO CONVÊNIO OAB/DEFENSORIA PÚBLICA. COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AO ADVOGADO DO CONVÊNIO OAB/DEFENSORIA PÚBLICA. COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA CARTILHA DE ORIENTAÇÃO AO ADVOGADO DO CONVÊNIO OAB/DEFENSORIA PÚBLICA. COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA COMISSÃO DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA UNIDOS POR UM SÓ OBJETIVO ASSISTÊNCIA

Leia mais

9º EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA VOLUNTÁRIOS DA UNICAP Período 2016/2017

9º EDITAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA VOLUNTÁRIOS DA UNICAP Período 2016/2017 O Programa de Iniciação Científica para Voluntários da UNICAP tem como objetivo estimular estudantes de graduação que queiram desenvolver atividade de pesquisa, através de um Plano de Trabalho vinculado

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL A sociedade empresária XYZ Ltda., citada em execução fiscal promovida pelo município para a cobrança de crédito tributário de ISSQN, realizou depósito integral e

Leia mais

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007

RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 RESOLUÇÃO N 344, DE 25 DE MAIO DE 2007 Regulamenta o meio eletrônico de tramitação de processos judiciais, comunicação de atos e transmissão de peças processuais no Supremo Tribunal Federal (e-stf) e dá

Leia mais

PARTE 1. Resolução 551/2011

PARTE 1. Resolução 551/2011 PARTE 1 Resolução 551/2011 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO RESOLUÇÃO Nº 551/2011 Regulamenta o processo eletrônico no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo e dá outras providências.

Leia mais

INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações

INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações ICMS - PARANÁ INSCRIÇÃO ESTADUAL 2ª ETAPA Últimas Alterações CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. DILIGENCIA FISCAL 3. CONCESSÃO DE APENAS UMA INSCRIÇÃO 4. COMPETÊNCIA DECISÓRIA 5. RESPONSABILIDADE DA AGENCIA DE

Leia mais

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h

01. APRESENTAÇÃO 02. FUNCIONAMENTO. MANHÃ de 9 às 12h. NOITE de 18 às 20h NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Manual do Estagiário ESCRITÓRIO MODELO DE ADVOCACIA GRATUITA 01. APRESENTAÇÃO O Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) é constituído pelo Escritório Modelo de Advocacia Gratuita EMAG

Leia mais

Nota Fiscal Paulista. Manual do Sistema de Reclamações Decreto 53.085/08 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA

Nota Fiscal Paulista. Manual do Sistema de Reclamações Decreto 53.085/08 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA 11112020 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA FAZENDA Nota Fiscal Paulista Manual do Sistema de Reclamações Decreto 53.085/08 Versão 1.1 de 16/10/2008 Índice Analítico 1.

Leia mais

O Processo Trabalhista

O Processo Trabalhista Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos Profa. Barbara Mourão O Processo Trabalhista Princípios gerais do processo Constituição Federal de 1988; Código de Processo Civil (CPC). Princípios

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO A OLIVEIRA FRANCO SOCIEDADE CORRETORA DE VALORES E CÂMBIO LTDA, em atenção ao quanto disposto na Instrução CVM n. 505, de 27/09/2011, define por este documento, suas regras e parâmetros relativos ao recebimento,

Leia mais

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP

EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP EDITAL PARA INSCRIÇÃO DE ARQUITETOS E URBANISTAS PARA PRESTAÇÃO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA -CONVÊNIO DEFENSORIA PÚBLICA - CAU/SP O Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo CAU/SP, nos termos do Convênio

Leia mais

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS

PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS PARCELAMENTO ORDINÁRIO DE TRIBUTOS FEDERAIS 1 Os débitos de qualquer natureza para com a Fazenda Nacional podem ser parcelados em até 60 (sessenta) prestações

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado

Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado Regulamento do Estágio Curricular Supervisionado INTRODUÇÃO O Manual de Estágio Supervisionado tem como objetivo orientar o aluno do Curso de Direito da Universidade de Santo Amaro sobre a Prática do Estágio

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A.

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO DA J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. A J.P. MORGAN CORRETORA DE CÂMBIO E VALORES MOBILIÁRIOS S.A. (a Corretora ), em atenção ao disposto no art.

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes versão 01/02/2014

FAQ Perguntas Frequentes versão 01/02/2014 - Jucergs DÚVIDAS ADICIONAIS SOBRE DBE/CNPJ, PREVISTAS NESTE INFORMATIVO, DEVERÃO SER DIRIGIDAS À RECEITA FEDERAL, ATRAVÉS DE AGENDAMENTO DE HORÁRIO PELA INTERNET, PARA O SERVIÇO ORIENTAÇÕES CNPJ OU CONSULTADO

Leia mais

Prof. Anderson Nogueira Oliveira Roteiro de Aula Redação Jurídica Aplicada

Prof. Anderson Nogueira Oliveira Roteiro de Aula Redação Jurídica Aplicada 1 PROCURAÇÃO 1. Conceito: A procuração é um instrumento de mandato. De seu conceito entende-se que alguém (mandante, outorgante ou constituinte) outorga poderes a outrem (mandatário, outorgado ou procurador)

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012.

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 1750 DO DIA 06/08/2012. DECRETO N 1427/2012 Regulamenta a Lei municipal nº 8748/2010, que institui a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) e dá outras providências.

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 16/2015. 2.1. A atividade de monitoria acadêmica na graduação em 2015 será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 4996.7983 gabinete.prograd@ufabc.edu.br

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO 00.000.00

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO 00.000.00 00.000.00 PORTARIA COGER N.o 24, DE 06 DE AGOSTO DE 2008(*) Consolida procedimento para digitalização dos processos em tramitação nas Varas de Execuções instituído pela PORTARIA/COGER N. 05, de 24 de janeiro

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE DE CASTANHAL TÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS Art. 1º. Este Regulamento dispõe sobre o Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014)

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 07 DE 30/05/2014 (DJE 04/06/2014) EMENTA: Implanta o Sistema Processo Judicial Eletrônico-PJe nas Varas Cíveis da Capital e dá outras providências. O Presidente do Tribunal de Justiça

Leia mais

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO

MANUAL DO ESTAGIÁRIO CURSO DE DIREITO, BACHARELADO 1 MANUAL DO ESTAGIÁRIO, BACHARELADO 2 APRESENTAÇÃO O aprendizado do Direito não se restringe à compreensão dos textos legais e doutrinários: a prática efetiva da advocacia é uma dimensão fundamental do

Leia mais

Edital 01/2012 1.1 2.1 a.1) a.2) a.3) a.4) a.5) a.6) a.7) 2.2 3.1 3.2

Edital 01/2012 1.1 2.1 a.1) a.2) a.3) a.4) a.5) a.6) a.7) 2.2 3.1 3.2 Edital 01/2012 O DR. FERNANDO BUENO DA GRAÇA, JUIZ DE DIREITO SUPERVISOR DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE LOANDA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto na Resolução nº 03/2010

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E INOVAÇÃO PIC/PIBITI/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias,

Leia mais

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2

LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO. Aula 2 LEGALE RESPONDE DIREITO DO TRABALHO Aula 2 Mais que um curso prático, uma nova ferramenta que surge para auxiliar o operador do Direito! É o LEGALE mais uma vez preocupado com seu SUCESSO PROFISSIONAL!!

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002 PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002 EDITAL DE CADASTRAMENTO DE ADVOGADOS VOLUNTÁRIOS, ADVOGADOS DATIVOS, TRADUTORES, PERITOS, INTÉRPRETES E CURADORES (PRAZO DE : a partir da data da publicação

Leia mais

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO

REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO REGRAS E PARÂMETROS DE ATUAÇÃO Esta Sociedade Corretora, em atenção ao disposto no art. 6º da Instrução nº 387/03 da CVM e demais normas expedidas pela BM&F BOVESPA, define através deste documento, suas

Leia mais

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros

Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros Seção 2 A Escrituração e Utilização dos Livros 2.2.1 - Quando da lavratura dos atos das serventias, serão utilizados papéis com fundo inteiramente branco, salvo disposição expressa em contrário. A escrituração

Leia mais

FACULDADE SÃO SALVADOR - FSS SEEB - Sociedade de Estudos Empresariais Avançados da Bahia Ltda CNPJ: 03.871.465/0001-06

FACULDADE SÃO SALVADOR - FSS SEEB - Sociedade de Estudos Empresariais Avançados da Bahia Ltda CNPJ: 03.871.465/0001-06 EDITAL COMPLETO PROCESSO SELETIVO PARA TRANSFERÊNCIA EXTERNA E PORTADORES DE DIPLOMA 2014.2 Nº 05/2014 O Diretor Geral da Faculdade São Salvador, no uso de suas atribuições legais, na conformidade do que

Leia mais

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003. MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, DECRETO Nº 42.992, DE 20 DE MARÇO DE 2003 Regulamenta disposições da Lei n 13.478, de 30 de dezembro de 2002, alterada pela Lei nº 13.522, de 19 de fevereiro de 2003, que instituiu a Taxa de Resíduos Sólidos

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TÉCNICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 3 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 5 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 6 CONCLUSÃO DE CURSO 6 RELATÓRIO TÉCNICO 7 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

4.1 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CÍVEL 4.2 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CRIMINAL

4.1 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CÍVEL 4.2 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CRIMINAL 1 SUMÁRIO: 1. APRESENTAÇÃO 2. TABELAS PROCESSUAIS UNIFICADAS DO PODER JUDICIÁRIO 3. TABELA DE CLASSES PROCESSUAIS 4. TABELA DE ASSUNTOS PROCESSUAIS 4.1 CADASTRAMENTO DE ASSUNTOS PROCESSUAIS NA ÁREA CÍVEL

Leia mais

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS

GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS GUIA DE ESTÁGIO CURSOS TECNOLÓGICOS 1 SUMÁRIO 3 INTRODUÇÃO 4 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO 6 RESCISÃO DO CONTRATO DE ESTÁGIO 7 CONCLUSÃO DE CURSO 7 RELATÓRIO TÉCNICO 8 AVALIAÇÃO DE

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS CENTRO UNIVERSITÁRIO PADRE ANCHIETA Jundiaí/SP REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA E DOS ESTÁGIOS SUPERVISIONADOS CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES INICIAIS Art. 1º. O estágio de prática jurídica supervisionado

Leia mais

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009

Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Decreto Nº 13.840 de 21/09/2009 Dispõe sobre estágios no âmbito da Administração Pública Direta e Indireta do Estado do Piauí para estudantes regularmente matriculados e com frequência efetiva, vinculados

Leia mais

Considerando a necessidade de uniformização de procedimentos na formalização e instrução de processos de fiscalização no Crea-ES.

Considerando a necessidade de uniformização de procedimentos na formalização e instrução de processos de fiscalização no Crea-ES. Ato 015/2004 Dispõe sobre a formalização, trâmite, procedimentos, infringências e valores de multas das Notificações e Autos de Infração NAIs e da outras providências. O Presidente do Conselho Regional

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO Nº 0589-2012-01 ASSISTENTE DE SERVIÇOS JURÍDICOS DIRETORIA JURÍDICA R$ 3.380,66 40 HORAS SEMANAIS

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO Nº 0589-2012-01 ASSISTENTE DE SERVIÇOS JURÍDICOS DIRETORIA JURÍDICA R$ 3.380,66 40 HORAS SEMANAIS COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO Nº 0589-2012-01 ASSISTENTE DE SERVIÇOS JURÍDICOS DIRETORIA JURÍDICA R$ 3.380,66 40 HORAS SEMANAIS DRH-SS-SE 0589-2012-01 A Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP abre

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - ABANDONO DE EMPREGO

- GUIA DO EMPRESÁRIO - ABANDONO DE EMPREGO - GUIA DO EMPRESÁRIO - ABANDONO DE EMPREGO Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/8 NOTA: Para todos os efeitos os textos deste artigo são fundamentos na legislação

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ MANUAL DE PROCEDIMENTOS DA ENTRÂNCIA ESPECIAL DA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DO PARÁ SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO, 3 2 FUNCIONALIDADE ADMINISTRATIVA, 3 2 S ORGANIZACIONAIS DO CENTRO DE ESTUDOS, 3 3 PROCEDIMENTO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU: ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO DE CURRÍCULO NA FORMAÇÃO DOCENTE CAPÍTULO 1 DA ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 - O curso de Pós-Graduação Lato Sensu Especialização

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. clicar no botão Pesquisar, preencher o campo Processo Juntado e, após, cli-

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. clicar no botão Pesquisar, preencher o campo Processo Juntado e, após, cli- clicar no botão Pesquisar, preencher o campo Processo Juntado e, após, cli- Para desapensar algum processo anteriormente apensado, basta acessar no Menu do SPROC > Atuação de Processos > Juntar Autos.

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS CURSOS E PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO

RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO RESOLUÇÃO N. 114/2013/TCE-RO Dá nova redação ao artigo 86 e revoga o 1º do artigo 247 e o inciso XII do artigo 187, todos do Regimento Interno do TCE/RO, relativos à vista, carga e devolução de processos

Leia mais

TRT Comentário da Prova de Analista

TRT Comentário da Prova de Analista TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 9a REGIÃO Direito Processual Civil Glauka Archangelo Pessoal. A prova de processo civil, não trouxe nenhuma surpresa, o edital foi respeitado e não há nenhuma questão passível

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL. Falência e Recuperação de Empresas

DIREITO EMPRESARIAL. Falência e Recuperação de Empresas Falência e Recuperação de Empresas 1. Considere as afirmativas a respeito das manifestações processuais nos processos de falência e de recuperação judicial de empresas, nos termos da Lei 11.101/05: I.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA PRESIDÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Uniformiza procedimentos de atendimento às partes e advogados no âmbito das secretarias judiciárias do TRF4. O PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

EDITAL Nº 002/2015. 1.1. A atividade de monitoria semipresencial será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação.

EDITAL Nº 002/2015. 1.1. A atividade de monitoria semipresencial será exercida pelos alunos regulares dos cursos de graduação. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Graduação Av. dos Estados, 5001 Bairro Bangu Santo André - SP CEP 09210-580 Fone: (11) 3356.7020 dpag.prograd@ufabc.edu.br EDITAL

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

EDITAL Nº 02/2015 Processo Seletivo 2º Semestre de 2015 Transferência Externa e Obtenção de Novo Título

EDITAL Nº 02/2015 Processo Seletivo 2º Semestre de 2015 Transferência Externa e Obtenção de Novo Título EDITAL Nº 02/2015 Processo Seletivo 2º Semestre de 2015 Transferência Externa e Obtenção de Novo Título As Faculdades Santo Agostinho, por meio de seu Núcleo de Relacionamento Acadêmico e em conformidade

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) GUIA SISTEC

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA. Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) GUIA SISTEC MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Sistema Nacional de Informações da Educação Profissional e Tecnológica (SISTEC) GUIA SISTEC FEVEREIRO / 2010 GUIA SISTEC INTRODUÇÃO...03 PRÉ-CADASTRO

Leia mais

MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS PODER EXECUTIVO

MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS PODER EXECUTIVO EDITAL Nº 012/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIOS NO MUNICÍPIO DE TRÊS PASSOS O Município de Três Passos/RS, torna público a abertura de inscrições para Processo Seletivo

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO CONJUNTA Nº 9-CEPE-CAD/UNICENTRO, DE 21 DE MAIO DE 2009. Aprova o Regulamento do Protocolo Geral da UNICENTRO. O REITOR DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO: Faço saber que o Conselho

Leia mais

PETICIONAMENTO ELETRÔNICO TJ/RJ RESPONSABILIDADE USUÁRIO. Confeccionar arquivos conforme requisitos. Acompanhar divulgação indisponibilidade

PETICIONAMENTO ELETRÔNICO TJ/RJ RESPONSABILIDADE USUÁRIO. Confeccionar arquivos conforme requisitos. Acompanhar divulgação indisponibilidade PETICIONAMENTO ELETRÔNICO TJ/RJ RESPONSABILIDADE USUÁRIO Confeccionar arquivos conforme requisitos Formato + Tamanho Acompanhar divulgação indisponibilidade Manutenção do sistema Acompanhamento regular

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB XIII EXAME DE ORDEM C006 DIREITO TRIBUTÁRIO C006 DIREITO TRIBUTÁRIO PEÇA PRÁTICO-PROFISSIONAL C006042 Responsabilidade Tributária. Exceção de pré-executividade. Determinada pessoa jurídica declarou, em formulário próprio estadual, débito de ICMS.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 197/2008

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 197/2008 PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 197/2008 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP A Fundação de Desenvolvimento da Unicamp - FUNCAMP

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE GRADUADOS PELO UniCEUB NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 13º EDITAL 1º/2015

PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE GRADUADOS PELO UniCEUB NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 13º EDITAL 1º/2015 PROCESSO SELETIVO PARA ADMISSÃO DE GRADUADOS PELO UniCEUB NO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA 13º EDITAL 1º/2015 A pró-reitora do UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11

ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 MANUAL DE USO DO SISTEMA GOVERNO DIGITAL ÍNDICE ANALÍTICO: 1.0. CADASTRO DE CONTABILISTAS... 4 1.1. Primeiro Acesso... 4 1.2. Visão Geral... 11 2.0. SOLICITAÇÕES DE AIDF E AUTORIZAÇÃO DE EMISSÃO DE NOTA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

http://www.profmarcelomoura.blogspot.com EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2

http://www.profmarcelomoura.blogspot.com EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2 EXAME DE ORDEM ( CESPE/UnB ) 2009.2 OBSERVAÇÃO O gabarito pretende abranger diversos aspectos do tema abordado. Assim, o fato do candidato não ter abordado todos os temas referidos neste comentário não

Leia mais

GUIA DE APLICAÇÃO EBT

GUIA DE APLICAÇÃO EBT GUIA APLICAÇÃO EBT CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO COORNAÇÃO-GERAL COOPERAÇÃO FERATIVA E CONTROLE SOCIAL SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 PREPARAÇÃO... 4 REGULAMENTAÇÃO... 6 PASSIVA... 7 FIM DA AVALIAÇÃO... 10 REVISÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Institui o Regulamento dos cursos de Pós-graduação lato sensu em da Escola de Direito de Brasília EDB, mantida pelo Instituto Brasiliense de Direito

Leia mais

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento

CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES. DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento CERTIFICAÇÃO PROFISSIONAL POR EXPERIÊNCIA DE ADMINISTRADORES DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES Fluxo e Detalhamento ICSS 2013 1 2 Índice 1 FLUXO DO PROCESO DE CERTIFICAÇÃO POR EXPERIÊNCIA... 4 2 DETALHAMENTO DO

Leia mais

EDITAL Nº 06, DE 21 DE AGOSTO DE 2015 SELEÇÃO PARA A PARTICIPAÇÃO DE DOCENTES EM EVENTOS E CURSOS DE QUALIFICAÇÃO

EDITAL Nº 06, DE 21 DE AGOSTO DE 2015 SELEÇÃO PARA A PARTICIPAÇÃO DE DOCENTES EM EVENTOS E CURSOS DE QUALIFICAÇÃO EDITAL Nº 06, DE 21 DE AGOSTO DE 2015 SELEÇÃO PARA A PARTICIPAÇÃO DE DOCENTES EM EVENTOS E CURSOS DE QUALIFICAÇÃO O DIRETOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS, nomeado pela

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA - PARCELADO -

INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA - PARCELADO - INSTRUMENTO PARTICULAR DE PROMESSA DE VENDA E COMPRA - PARCELADO - 1 LOTE Nº: I PROMITENTE VENDEDOR II PROMITENTE COMPRADOR III IMÓVEL A SITUAÇÃO DO IMÓVEL ( ) OCUPADO ( ) DESOCUPADO ( ) FRAÇÃO IDEAL IV

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS ESTUDOS DA CAPES MESTRADO e DOUTORADO EDITAL 1º/2013

PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS ESTUDOS DA CAPES MESTRADO e DOUTORADO EDITAL 1º/2013 UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO REGIONAL PROCESSO SELETIVO PARA CONCESSÃO DE BOLSAS ESTUDOS

Leia mais

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo

Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e. Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como emissor de NF-e Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo Versão 1.0 23/07/2009 Passos e Orientações para solicitação de credenciamento como

Leia mais

Considerando o constante no Processo nº 80001.002866/2003-35;

Considerando o constante no Processo nº 80001.002866/2003-35; RESOLUÇÃO 363 DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre padronização dos procedimentos administrativos na lavratura de auto de infração, na expedição de notificação de autuação e de notificação de penalidade

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015.

NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015. NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE CATHEDRAL ESTÁGIO DE PRÁTICA JURÍDICO FORENSE SUPERVISIONADO I E II EDITAL N 2015.1 NPJ, 30 DE JANEIRO DE 2015. A Coordenação do Curso de Direito e a Coordenação do

Leia mais

Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano

Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano Confira a íntegra da nova Lei do Inquilinato Mensagem de veto Altera a Lei no 8.245, de 18 de outubro de 1991, para aperfeiçoar as regras e procedimentos sobre locação de imóvel urbano LEI Nº 12.112 DE

Leia mais

PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO

PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO PROCESSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO CARTILHA DO ADVOGADO ELABORAÇÃO: COMISSÃO DO CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO TRIBUTÁRIO Presidente Antonio Augusto Silva Pereira de Carvalho Coordenador

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 005/2015 A Prefeitura Municipal de Campestre da Serra RS, através da Sra. Prefeita Municipal e da Comissão de Processo Seletivo, nomeada pela Portaria nº 2552/2015,

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) Agosto/2011 CAPÍTULO I SEÇÃO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da União das Instituições de Serviço, Ensino

Leia mais

PROGRAMA SERPRO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EIXO QUALIDADE DE VIDA AÇÕES DE PREPARAÇÃO PARA APOSENTADORIA APA MÓDULO INCENTIVO EDITAL 2016

PROGRAMA SERPRO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EIXO QUALIDADE DE VIDA AÇÕES DE PREPARAÇÃO PARA APOSENTADORIA APA MÓDULO INCENTIVO EDITAL 2016 PROGRAMA SERPRO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL E CIDADANIA EIXO QUALIDADE DE VIDA AÇÕES DE PREPARAÇÃO PARA APOSENTADORIA APA MÓDULO INCENTIVO EDITAL 2016 A Superintendência de Pessoas SUPGP, no uso das atribuições

Leia mais

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES

MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES 1. OBJETIVO MANUAL DE NEGOCIAÇÃO E INTERMEDIAÇÃO DE OPERAÇÕES O objetivo deste manual é servir de referência para demonstrar o funcionamento operacional dos serviços da Orla DTVM, relativo à sua mesa de

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º. O Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito da Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre, tem por finalidade promover e coordenar

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016

CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016 CONSELHO REGIONAL DE SERVIÇO SOCIAL - 18ª REGIÃO - SERGIPE EDITAL Nº 01/2016/CRESS-SE, DE 09 DE MARÇO DE 2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA CARGO TEMPORÁRIO DE ASSISTENTE ADMINISTRATIVO PARA ATUAR

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

EDITAL Nº 48/2015 CONVOCAÇÃO PARA O 3º CURSO DE FORMAÇÃO

EDITAL Nº 48/2015 CONVOCAÇÃO PARA O 3º CURSO DE FORMAÇÃO EDITAL Nº 48/2015 CONVOCAÇÃO PARA O 3º CURSO DE FORMAÇÃO O Diretor-Presidente da, no uso de suas atribuições, torna pública a CONVOCAÇÃO para o 3º Curso de Formação referente ao concurso público para provimento

Leia mais

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM

Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM Manual de Instruções do Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade das Américas NPJ/FAM 1. O Estágio Profissional O Estágio Profissional de Advocacia é semelhante ao estágio em um escritório de Advocacia

Leia mais

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC)

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) 2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) Cabe de acórdão não unânime por 2x1 3 modalidades: a) Julgamento da apelação b) Julgamento

Leia mais

RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº 1 DPDF/2013 DEFERIDAS

RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº 1 DPDF/2013 DEFERIDAS DEFENSORIA PÚBLICA DO DISTRITO FEDERAL CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS E FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA NO CARGO DE DEFENSOR PÚBLICO DE SEGUNDA CATEGORIA RELAÇÃO DAS IMPUGNAÇÕES DO EDITAL Nº

Leia mais