CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRATOS DERIVATIVOS. Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)"

Transcrição

1 CONTRATOS DERIVATIVOS Opções sobre Futuro BVMF de Standard & Poor s (S&P 500)

2 Opções sobre Futuro de S&P 500 Diversifique o seu portfólio com derivativos que possuem exposição no mercado financeiro internacional O produto O Contrato de Opções sobre Futuro de S&P 500 é um produto da parceria entre BM&FBOVESPA e CME Group e assemelha-se ao E-mini Options on S&P 500 Future negociado no CME Group tendo, dentre outras semelhanças, o mesmo tamanho e meses de vencimento. O contrato complementou o portfólio de derivativos de índices da BM&FBOVESPA com mais um ativo subjacente referenciado em ações de um mercado estrangeiro. A BM&FBOVESPA é contraparte central das operações nesse contrato, o que mitiga o risco de crédito do investidor por meio do mecanismo de exigência de margem de garantia de todos os investidores com posição em aberto. Este derivativo permite que um investidor negocie hoje a expectativa de preço futuro para o portfólio de ações representado pelo Índice S&P 500 um dos índices de maior representatividade no mercado financeiro mundial. Calculado e divulgado pela Standard & Poor s, o Índice S&P 500 busca refletir um portfólio diversificado de ações blue chips de 500 companhias norte-americanas líderes nos principais setores econômicos (tecnologia, financeiro, saúde, consumo, indústria, materiais e serviços públicos). Consequentemente, o índice acaba por ser também um indicador geral do mercado de ações norte-americano, dado que o valor de mercado das ações cobertas pelo índice equivale a aproximadamente 80% da capitalização de mercado das companhias negociadas na bolsa de ações de Nova Iorque (NYSE). A participação das companhias no Índice S&P 500 é dada com base na ponderação das respectivas capitalizações de mercado das ações em circulação. O índice é calculado com base na divisão da capitalização de mercado das ações em circulação das companhias por um divisor, o qual sofre ajustes quando há ocorrência de determinados eventos corporativos das ações. Os valores dos preços de ajustes são apurados segundo a metodologia estabelecida pela BM&FBOVESPA, enquanto o valor para liquidação no vencimento é referenciado na Cotação Especial de Abertura, ou SOQ (Special Opening Quotation), que se refere à metodologia de apuração de preço do CME Group Standard & Poor s, capturando o valor de abertura das ações que compõem a carteira do Índice S&P 500 no dia do vencimento do contrato. Esse conjunto de características faz da opção sobre futuro de S&P 500 uma excelente ferramenta de ad-

3 ministração de riscos, além da atratividade para investidores que queiram ficar expostos ao mercado acionário norte- -americano, em especial aos investidores nacionais que não têm acesso a este mercado. Por fim, a correlação do índice com outros ativos, como ações de pequena e média capitalização, fundos de índices de ações, outros índices de ações, além das próprias ações que o compõe, também o torna atrativo aos participantes desses mercados. Vantagens do produto Instrumento de hedge para um portfólio de ações estrangeiras negociado no mercado local. Instrumento de diversificação de portfólio e alavancagem com exposição a ativos estrangeiros sem os custos e a necessidade de posicionamento em diversos ativos no Exterior. Oportunidades de arbitragem com derivativos baseados no Índice S&P 500, ou com os ativos integrantes do índice, negociados no Brasil ou em outros mercados. Utilização da infraestrutura de negociação e da Câmara da BM&FBOVESPA, com negociação do contrato no Brasil e liquidação financeira em reais. Fique atento! Ao firmar um Contrato de Opções sobre Futuro de S&P 500, o investidor deve considerar: existência do risco de spread entre os valores dos ajustes diários na BM&FBOVESPA e da CME Group para os respectivos contratos futuros sobre o Índice S&P 500, ativo subjacente da opção; diferença na grade de horários existentes entre o horário de exercício das opções seriais e das opções trimestrais; e será exigida margem de garantia das posições lançadoras de opções. Como funcionam as opções sobre futuro de S&P 500? As opções sobre futuro de S&P 500 negociadas na BM&FBOVESPA são semelhantes às opções denominadas E-mini Options on S&P 500 Future, negociadas no CME Group, cujo ativo-objeto é um Contrato Futuro de S&P 500. Ambas são cotadas em pontos de índice, sendo cada ponto equivalente a US$50,00 com a variação mínima de 0,25 ponto do índice ou US$12,50. As opções são do estilo americano, ou seja, o titular poderá exercer os seus direitos a qualquer momento a partir do dia útil seguinte à negociação da opção até a data de vencimento do contrato, de maneira manual. No vencimento, as opções terão o seu exercício automático, sempre que o preço de liquidação for superior ao preço de exercício, no caso das opções de compra (call), e inferior, no caso das opções de venda (put). As opções denominadas trimestrais, assim como o contrato futuro, respeitam a abertura de vencimento em um ciclo trimestral (março, junho, setembro e dezembro) no horizonte de um ano. No vencimento, as opções são liquidadas financeiramente, com base no preço de liquidação do contrato futuro, ou seja, o Índice S&P 500 de liquidação, conforme calculado e divulgado pela Standard & Poor s. O valor a ser liquidado financeiramente é apurado pela diferença entre o preço de liquidação e o preço de exercício da opção. Caso o resultado seja positivo, o diferencial será creditado ao comprador, no caso de uma call ou, a diferença entre o preço de exercício e o preço de liquidação, no caso de uma put.

4 As opções denominadas seriais complementam o conjunto de vencimentos disponíveis, em que apresentam vencimentos intermediários aos vencimentos trimestrais, ou seja, os meses de janeiro, fevereiro, abril, maio, julho, agosto, outubro e novembro, referenciados respectivamente aos vencimentos trimestrais imediatamente posteriores a eles. Por exemplo, nas opções sobre futuro de S&P 500 com vencimento em janeiro, ao ocorrer o exercício, é entregue ao titular uma posição no contrato futuro com vencimento em março. Ao realizar o exercício, o seu titular receberá uma posição no Contrato Futuro de S&P 500, passando a incorrer com todas as obrigações e direitos existentes para um contrato futuro. De maneira semelhante, o vendedor da opção assumirá uma posição contrária ao contrato futuro, também incorrendo nas mesmas obrigações deste derivativo. Características técnicas Objeto de Negociação Código de Negociação Estilo da Opção Contrato Futuro de S&P 500 negociado na BM&FBOVESPA. ISP Americano. Cotação Prêmio da opção, expresso em pontos do Índice S&P 500. Variação Mínima (tick size) Último Dia de Negociação Data do Vencimento 0,25 ponto de índice equivalente a US$12,50. Dia útil anterior ao vencimento. Terceira sexta-feira do mês de vencimento da opção. Opções trimestrais: vencimento em março, junho, setembro e dezembro, tendo como ativo-objeto os vencimentos março, junho, setembro e dezembro, respectivamente, do Contrato Futuro de S&P 500. Meses de Vencimento Exercício Automático Opções seriais: vencimento em janeiro e fevereiro, tendo como ativo-objeto o vencimento março do Contrato Futuro de S&P 500; vencimento em abril e maio, tendo como ativo-objeto o vencimento junho do Contrato Futuro de S&P 500; vencimento em julho e agosto, tendo como ativo-objeto o vencimento setembro do Contrato Futuro de S&P 500; e vencimento em outubro e novembro, tendo como ativo-objeto o vencimento dezembro do Contrato Futuro de S&P 500. Na data de vencimento, o exercício da opção é realizado automaticamente pela BM&FBOVESPA, observadas as condições a seguir. Opções trimestrais: preço base será o valor para liquidação do futuro de S&P 500 da BM&FBOVESPA. Vale ressaltar que o preço de liquidação no vencimento do Contrato Futuro de S&P 500 é dado pela Cotação Especial de Abertura ou SOQ (Special Opening Quotation), para o Índice S&P 500, apurada pelo CME Group. No dia do vencimento, o Contrato Futuro de S&P 500 expira a partir do início da negociação no mercado regular no CME Group, que ocorre às 8h30 (horário de Chicago). Opções seriais: preço base será o preço de ajuste do ativo-objeto da opção no dia de vencimento, ou seja, o preço de ajuste do Contrato Futuro de S&P 500. VL = P x M x TxC x Q Liquidação Financeira do Prêmio onde: VL P M TxC Q = valor de liquidação do prêmio; = prêmio da opção, expresso em pontos de índice; = US$50,00; = taxa de câmbio de referência calculado pela BM&FBOVESPA; = quantidade de contratos de opção.

5 Formação do código de negociação Os códigos de negociação das opções seguem a estrutura de 13 caracteres alfanuméricos com o seguinte padrão: AAA+B+CC+D+EEEEEE onde: AAA = três dígitos do ativo; B = mês de vencimento, conforme padrão internacional; CC = ano de vencimento; D = tipo da opção, sendo C para call e P para put; EEEEEE = preço de exercício da opção. Aplicabilidade Apostando na expectativa de alta com opções Diante da expectativa de alta dos preços praticados no mercado acionário norte-americano, um investidor decide realizar a compra de uma opção referenciada ao Contrato Futuro de S&P 500 com vencimento em abril, ao preço de exercício de pontos, pois acredita que irá capturar melhor a movimentação do mercado utilizando esse produto. As opções sobre futuro de S&P 500 com vencimento em abril são as denominadas seriais, pois, no exercício, será gerada uma posição no Contrato Futuro de S&P 500, objeto da opção que, neste exemplo, terá o seu vencimento em junho. As opções com preço de exercício de pontos estavam sendo negociadas ao valor do prêmio de 15 pontos. Isto significa que o valor financeiro do prêmio era de US$750,00 (15 pontos x US$50,00) por opção. Assim, o investidor realiza a compra da opção que lhe dá o direito de comprar o Contrato Futuro de S&P 500, como vencimento em junho, ao valor de pontos. No vencimento da opção, o Contrato Futuro de S&P 500 com vencimento em junho era negociado a pontos. Neste cenário, exercer a opção geraria um teórico resultado positivo de 20 pontos. Ao realizar o exercício da opção, o investidor receberá uma posição comprada no Contrato Futuro de S&P 500 ao preço de pontos e deverá, então, decidir por duas estratégias. A primeira possibilidade é vender o contrato futuro no momento em que solicitar o exercício da opção, de maneira a realizar uma operação day trade. Ou seja, o investidor recebe uma posição no Contrato Futuro de S&P 500 ao valor de pontos (resultado do exercício da opção) e vende o mesmo contrato futuro ao preço de mercado que, neste exemplo, é de pontos, auferindo assim o lucro de 20 pontos ou US$1.000,00 por contrato ( = 20 pontos x US$50,00 àus$1.000,00), obtendo o seu resultado financeiro liquidado no dia útil subsequente à operação. A segunda seria o investidor permanecer com o contrato futuro em carteira, caso acredite ainda possuir margem de lucro a auferir na sua posição, recebendo a diferença entre o preço de ajuste do dia e o preço de exercício da opção, o que significaria um lucro de 20 pontos ou US$1.000,00 ( = 20 pontos x US$50,00 àus$1.000,00). Neste dia, o investidor deverá depositar a margem de garantia necessária para manter a sua posição no contrato futuro. Operação de volatilidade As operações de volatilidade são muito utilizadas com derivativos baseados em ativos que possuem histórico com perfil de maior oscilação de preço. Derivativos de ações ou de índices de ações são normalmente dotados de uma maior volatilidade em seus preços, frequentemente influenciados por eventos setoriais e de oscilações de conjuntura econômica e política. Entende-se por volatilidade a dispersão existente entre a média dos retornos de preços calculados do ativo-objeto em uma determinada janela de tempo. No caso das opções, a volatilidade é um dos principais fatores que influenciam o seu preço (valor do prêmio), ponderando a probabilidade de exercício em uma data específica. Ou seja, quanto maior a volatilidade, maior será o prêmio da opção. Existem inúmeras estratégias envolvendo opções que possibilitam ao investidor negociar volatilidade e se beneficiar com variações da mesma. Dentre essas estratégias, uma das mais conhecidas é o straddle, que consiste em uma operação composta pela negociação de uma call e uma put, de mesmo preço de exercício e data de vencimento. Portanto, a compra de um straddle (compra da call e da put) é indicada para investidores que apostam no aumento da variação do preço do

6 ativo-objeto. Por sua vez, a venda do straddle (venda da call e da put) é indicada para quem acredita que o preço do ativo-objeto ficará estável até o vencimento da operação. Imagine que no período de divulgação de resultados das empresas norte-americanas, um gestor de fundos de ações acredite no aumento de volatilidade do mercado, decidindo por comprar uma operação de straddle. Para essa operação utilizará as opções sobre o futuro de S&P 500 que refletirem o mercado acionário dos Estados Unidos. Considerando que a call e a put com preço de exercício de pontos estejam sendo negociadas a 42,75 e 75 pontos respectivamente, os gráficos de resultados individuais de cada opção ficariam conforme segue: Gráfico 1: compra de call com preço de exercício pontos e prêmio de 42,75 pontos. Gráfico 2: compra da put com preço de exercício pontos e prêmio de 75 pontos. Portanto, ao unificarmos o gráfico de resultados das duas opções em um mesmo desenho, o resultado final será o observado abaixo: Gráfico 3: representa o payoff da operação ou resultado da estratégia.

7 Como pode ser observado no gráfico 3, os preços de exercício da estrutura negociada determinaram a faixa de lucro ou prejuízo para a carteira. Caso o preço do ativo-objeto seja inferior ou superior à faixa estabelecida, uma das duas opções será exercida e garantirá lucro à estrutura. Caso contrário, se o valor do ativo-objeto não oscilar mais do que o esperado, o exercício da opção não superará o prejuízo do custo dos prêmios pagos pelas opções, inferindo ao seu comprador o ônus dos prêmios pagos pela estrutura. O intervalo que fará com que o comprador do straddle não aufira lucro será aquele no qual o valor do contrato futuro está entre a pontos. Portanto, o desejo do investidor é que o valor do contrato oscile superando esses limites. Em termos relativos ao preço atual do Índice S&P 500 (centro da banda de preço da operação), a oscilação esperada tem que ser maior que 5,71%, para cima ou para baixo (2.220 / = 5,71% ou 1.980/2.100 = -5,71%). Porém, em um cenário em que o mercado não oscile de maneira que extrapole esses limites, o lucro do exercício das opções não compensará o valor investido com a compra das mesmas. No pior cenário, em que o preço do Contrato Futuro de S&P 500 ficar no mesmo nível de pontos o seu prejuízo será limitado ao valor dos prêmios, ou seja, US$5.887,50 (42, = 117,75 x US$50,00). Vale ressaltar que não estão incluídos, neste exemplo, os custos operacionais da estrutura. Como investir neste produto? Para saber mais sobre este produto ou negociá-lo, os interessados devem entrar em contato com um participante de negociação. Profissionais especializados estão à disposição dos clientes para auxiliá-los nas tomadas de decisões e escolha das melhores estratégias para proteger o seu negócio. A lista de corretoras, distribuidoras e bancos autorizados a negociar na BM&FBOVESPA pode ser consultada no site bmfbovespa.com.br, em Participantes.

8 Maio 2015 linkedin.com/company/bm&fbovespa twitter.com/bmfbovespa facebook.com/bolsapravoce Visite o site da BM&FBOVESPA bmfbovespa.com.br/produtos Aviso Legal Este material destina-se a fins exclusivamente informativos, explicativos e de divulgação, não constituindo nenhuma recomendação de investimento. Os exemplos apresentados são meramente ilustrativos e simulam situações hipotéticas. As normas e procedimentos citados estão sujeitos a alterações, sendo recomendável a consulta direta às versões mais atualizadas. É vedada a utilização deste documento para fins comerciais salvo mediante autorização prévia e por escrito da BM&FBOVESPA.

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500)

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500) CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro BVMF de Standard & Poor s 500 (S&P 500) Futuro de S&P 500 Solução unificada para administração de risco ou alavancagem relativa a um portfólio diversificado de ações de primeira

Leia mais

Contratos Derivativos Opções sobre Dólar Comercial

Contratos Derivativos Opções sobre Dólar Comercial Opções Sobre Futuro de Milho Contratos Derivativos Derivativos que auxiliam no gerenciamento de risco e na criaça o de estrate gias de negociaça o do do lar comercial. O produto Os contratos de opções

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de IGP-M Futuro de IGP-M Ferramenta de gerenciamento de risco contra a variação do nível de preços de diversos setores da economia O produto Para auxiliar o mercado a se proteger

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M

CONTRATOS DERIVATIVOS. Futuro de Cupom de IGP-M CONTRATOS DERIVATIVOS Futuro de Cupom de IGP-M Futuro de Cupom de IGP-M Um instrumento de proteção contra variações na taxa de juro real brasileira O produto O Contrato Futuro de Cupom de IGP-M oferece

Leia mais

Contratos Derivativos Futuro Míni de Dólar Comercial

Contratos Derivativos Futuro Míni de Dólar Comercial Opções Sobre Futuro de Milho Contratos Derivativos Proteção contra variações do dólar comercial em datas futuras. O produto O Contrato Futuro de Do lar Comercial e o segundo contrato derivativo mais negociado

Leia mais

Renda Variável ETF de Ações. Renda Variável. ETF de Ações

Renda Variável ETF de Ações. Renda Variável. ETF de Ações Renda Variável O produto O, também conhecido como Exchange Traded Fund (ETF), é um fundo de índice, considerado investimento em renda variável. O produto representa uma comunhão de recursos destinados

Leia mais

Letra Financeira - LF

Letra Financeira - LF Renda Fixa Letra Financeira - LF Letra Financeira O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições financeiras com a finalidade de captar recursos de longo prazo. Tem

Leia mais

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo

CONTRATOS DERIVATIVOS. Opção sobre Futuro de Boi Gordo CONTRATOS DERIVATIVOS Opção sobre Futuro de Boi Gordo Opção sobre Futuro de Boi Gordo O Contrato de Opção sobre Futuro de Boi Gordo com Liquidação Financeira foi lançado pela BM&FBOVESPA, em 22/07/1994,

Leia mais

Derivativos de Balcão. Opções Flexíveis

Derivativos de Balcão. Opções Flexíveis Derivativos de Balcão Opções Flexíveis Opções Flexíveis Proteção contra a volatilidade de preços O produto Opção flexível é um contrato em que o titular tem direito, mas não obrigação, de comprar (ou vender)

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário - FII

Fundo de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Fundo de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário O produto O Fundo de Investimento Imobiliário (FII) é uma comunhão de recursos destinados à aplicação em ativos

Leia mais

Cédula de Produto Rural -

Cédula de Produto Rural - Renda Fixa Cédula de Produto Rural - CPR Cédula do Produto Rural Comercialização de produtos do agronegócio com recebimento antecipado O produto A Cédula do Produtor Rural é um título de crédito lastreado

Leia mais

Contratos Derivativos Futuro de Café Arábica 6/7. Contratos Derivativos

Contratos Derivativos Futuro de Café Arábica 6/7. Contratos Derivativos Contratos Derivativos Gestão eficiente contra risco de mercado garantindo o preço na entrega física. O produto O café é uma commodity mundialménté consumida é a produça o brasiléira, ja qué o país é um

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture

Renda Fixa Debêntures. Renda Fixa. Debênture Renda Fixa Debênture O produto A debênture é um investimento em renda fixa. Trata-se de um título de dívida que gera um direito de crédito ao investidor. Ou seja, o mesmo terá direito a receber uma remuneração

Leia mais

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP

Renda Fixa Privada Notas Promissórias NP. Notas Promissórias - NP Renda Fixa Privada Notas Promissórias - NP Uma alternativa para o financiamento do capital de giro das empresas O produto A Nota Promissória (NP), também conhecida como nota comercial ou commercial paper,

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII

Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento Imobiliário - FII Fundo de Investimento Imobiliário Aplicação no mercado imobiliário sem investir diretamente em imóveis O produto O Fundo de Investimento

Leia mais

Contratos Derivativos Opções Sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI)

Contratos Derivativos Opções Sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI) Opções Sobre Futuro de Milho Contratos Derivativos Opções Sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um Dia (IDI) Opções Sobre Índice de Taxa Média de Depósitos Interfinanceiros de Um

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP

Cotas de Fundos de Investimento em Participações - FIP Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Participações - Fundo de Investimento em Participações Investimento estratégico com foco no resultado provocado pelo desenvolvimento das companhias O produto

Leia mais

Mercados Futuros (BM&F)

Mercados Futuros (BM&F) Neste segmento de mercado se negociam contratos e minicontratos futuros de ativos financeiros ou commodities. Ou seja, é a negociação de um produto que ainda não existe no mercado, por um preço predeterminado

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com O que é o Índice Futuro Para falar de índice futuro, primeiro precisamos falar do ÍNDICE no presente, que é o Ibovespa. O famoso índice que serve para medir

Leia mais

www.contratofuturo.com

www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com www.contratofuturo.com História Antes do dólar a moeda de referência internacional era a Libra Esterlina, pois a Inglaterra era a grande economia mundial. Somente após a segunda

Leia mais

Janeiro Fevereiro Março Abril. Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro

Janeiro Fevereiro Março Abril. Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Como especular com contratos de dólar futuro Assim como as opções, o contrato futuro de dólar é um derivativo. No caso do contrato de dólar negociamos, através da Bolsa, contratos futuros da moeda americana

Leia mais

Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - Investimento no Exterior CNPJ nº 19.909.560/0001-91

Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - Investimento no Exterior CNPJ nº 19.909.560/0001-91 Ishares S&P 500 Fundo de Investimento em Cotas de Fundo de Índice - CNPJ nº 19.909.560/0001-91 (Administrado pela Citibank Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) (CNPJ nº 33.868.597/0001-40)

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

Proteção de Preços do Agronegócio

Proteção de Preços do Agronegócio Proteção de Preços do Agronegócio Derivativos: conceitos básicos Derivativos são instrumentos referenciados em outros ativos; O objetivo primordial é permitir a gestão de riscos a que estão submetidos

Leia mais

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F)

Perguntas Freqüentes Operações em Bolsa de Mercadorias & Futuros (BM&F) 1. O que é contrato futuro? É um acordo entre duas partes, que obriga uma a vender e outra, a comprar a quantidade e o tipo estipulados de determinada commodity, pelo preço acordado, com liquidação do

Leia mais

Contratos Derivativos. Futuro de Soja Brasil

Contratos Derivativos. Futuro de Soja Brasil Contratos Derivativos Futuro de Soja Brasil Futuro de Soja Brasil Proteja o seu preço e administre os riscos da produção O produto A produção de soja atende a uma cadeia de diversos produtos acabados derivados

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários CRI. Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis Imobiliários - CRI Certificado de Recebíveis Imobiliários Instrumento de captação de recursos e de investimentos no mercado imobiliário O produto O Certificado

Leia mais

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269.

Lâmina de Informações Essenciais do. Título Fundo de Investimento Multimercado Longo Prazo (Título FIM-LP) CNPJ/MF: 02.269. Lâmina de Informações Essenciais do Informações referentes à Dezembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o TÍTULO FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO - LONGO PRAZO (Título

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL...

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO...1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 CAPÍTULO 3 MERCADO FUTURO DE DÓLAR COMERCIAL... SUMÁRIO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO..................................1 CAPÍTULO 2 CONCEITOS BÁSICOS DE MERCADOS FUTUROS..5 2.1 Introdução...........................................5 2.2 Posições.............................................6

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER FI VALOR AÇÕES 15.323.164/0001-27 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER FUNDO

Leia mais

Bolsa de Mercadorias & Futuros

Bolsa de Mercadorias & Futuros OPERAÇÕES EX-PIT Bolsa de Mercadorias & Futuros Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos negócios ex-pit. O que é a operação ex-pit, para que

Leia mais

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO

BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO BANRISUL ABSOLUTO FUNDO DE INVESTIMENTO RENDA FIXA CNPJ/MF nº 21.743.480/0001-50 PROSPECTO AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESSE PROSPECTO ESTÃO EM CONSONÂNCIA COM O REGULAMENTO DO FUNDO, PORÉM NÃO O SUBSTITUI.

Leia mais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais

Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais Especificações do Contrato Futuro de Boi Gordo Denominado em Reais 1. Objeto de negociação Boi gordo acabado para abate. Tipo: bovinos machos, castrados, bem acabados (carcaça convexa), em pasto ou confinamento.

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O. MARATONA PROGRAMADO FIA - BDR NIVEL I 21.363.225/0001-82 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O. MARATONA PROGRAMADO FIA - BDR NIVEL I 21.363.225/0001-82 Informações referentes a Maio de 2016 MARATONA PROGRAMADO FIA BDR NIVEL I 21.363.225/000182 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o MARATONA PROGRAMADO FUNDO DE INVESTIMENTO EM

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SOBERANO CURTO PRAZO 04.871.634/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SOBERANO CURTO PRAZO 04.871.634/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER SOBERANO CURTO PRAZO 04.871.634/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o SANTANDER

Leia mais

2 Opções e Carteiras não lineares

2 Opções e Carteiras não lineares 22 2 Opções e Carteiras não lineares 2.1 Distinção entre derivativos lineares e não-lineares No capítulo 1 foram apresentados os principais derivativos utilizados no mercado de petróleo e derivados. Neste

Leia mais

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da

I - o modelo de gestão a ser adotado e, se for o caso, os critérios para a contratação de pessoas jurídicas autorizadas ou credenciadas nos termos da RESOLUCAO 3.506 Dispõe sobre as aplicações dos recursos dos regimes próprios de previdência social instituídos pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SANTANDER ESTRUTURADO BOLSA EUROPEIA 3 MULTIMERCADO 11.714.787/0001-70 Informações referentes a Maio de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) Março 2011 GLOSSÁRIO ÍNDICE CAPÍTULO

Leia mais

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA

MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA MANUAL DE ADMINISTRAÇÃO DE RISCO DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO E LIQUIDAÇÃO DA BM&FBOVESPA Dezembro 2015 ÍNDICE Introdução 5 Funções e Notação 8 Capítulo 1 - Estrutura de Salvaguardas 9 1.1 Componentes da estrutura

Leia mais

SICREDI FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M LONGO PRAZO

SICREDI FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M LONGO PRAZO Porto Alegre, 21 de maio de 2013 SICREDI FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M LONGO PRAZO ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES DO CÓDIGO

Leia mais

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012

Opportunity. Resultado. Agosto de 2012 Opportunity Equity Hedge FIC FIM Agosto de 2012 Resultado Ao longo do segundo trimestre de 2012, o Opportunity Equity Hedge alcançou uma rentabilidade de 5% depois de taxas, o que representa 239,6% do

Leia mais

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03

BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 BANRISUL AUTOMÁTICO FUNDO DE INVESTIMENTO CURTO PRAZO CNPJ/MF nº 01.353.260/0001-03 PROSPECTO AVISOS IMPORTANTES I. A CONCESSÃO DE REGISTRO PARA A VENDA DAS COTAS DESTE FUNDO NÃO IMPLICA, POR PARTE DA

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O MB HORIZONTE FIC FIA LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Janeiro de 2016 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem ser

Leia mais

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI

Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Renda Fixa Cédula de Crédito Imobiliário - CCI Títulos Imobiliários Cédula de Crédito Imobiliário Instrumento que facilita a negociabilidade e a portabilidade do crédito imobiliário

Leia mais

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Dólar WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Dólar WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. FUTURO WEBTRADING EM UM CLIQUE O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples,

Leia mais

As opções de estilo americano podem ser exercidas a partir do pregão subseqüente à realização da compra, até a sua data de vencimento.

As opções de estilo americano podem ser exercidas a partir do pregão subseqüente à realização da compra, até a sua data de vencimento. O lançador de uma opção recebe um prêmio para assumir a obrigação de vender (opção de compra) ou comprar (opção de venda) se exercido pelo titular. Como qualquer compromisso financeiro, ele deve honrar

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA

Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA. Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Renda Fixa Privada Certificado de Recebíveis do Agronegócio CRA Certificado de Recebíveis do Agronegócio Instrumento de captação de recursos e de investimento no agronegócio O produto O Certificado de

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

Material complementar à série de videoaulas de Opções.

Material complementar à série de videoaulas de Opções. Apostila de Opções Contatos Bradesco Corretora E-mail: faq@bradescobbi.com.br Cliente Varejo: 11 2178-5757 Cliente Prime: 11 2178-5722 www.bradescocorretora.com.br APOSTILA DE OPÇÕES Material complementar

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ

OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ OTIMIZAÇÃO DE CARTEIRAS DE OPÇÕES COBERTAS UTILIZANDO A TEORIA DE MARKOWITZ LUIZ FERNANDO DE ALMEIDA PEREIRA - FATEC BP REGINALDO DIAS GRUNWALD NETO - FATEC BP GUILHERME CAMARGO DE ANDRADE - FATEC BP RESUMO

Leia mais

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos

Apostila Mercado de Capitais Uninove. Parte XI Os Derivativos Apostila Mercado de Capitais Uninove Parte XI Os Derivativos 1 Fundamentos dos Derivativos 2 O que são Derivativos? Os Instrumentos financeiros: Um instrumento financeiro é qualquer contrato que dá origem

Leia mais

Claudio Avanian Jacob. Diretor Internacional, Comercial e de Desenvolvimento de Mercado

Claudio Avanian Jacob. Diretor Internacional, Comercial e de Desenvolvimento de Mercado Claudio Avanian Jacob Diretor Internacional, Comercial e de Desenvolvimento de Mercado Diversificação de Portfólio Agenda Diversificação de Portfólio de Produtos Produtos de Renda Fixa Futuro de Cupom

Leia mais

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima.

Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação Título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação ao portador Desde 1990 este tipo de ação não existe mais. Esse tipo de ação não trazia o

Leia mais

perfis de investimento

perfis de investimento perfis de investimento Índice 3 Apresentação 3 Como funciona a gestão de investimentos da ELETROS? 5 Quais são os principais riscos associados aos investimentos? 6 Como são os investimentos em renda fixa?

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. OBJETO DE NEGOCIAÇÃO 4. PARTICIPANTES 4.1 Participantes Intermediadores 4.2 Participantes Compradores e Vendedores Bancos 5. OPERAÇÕES

Leia mais

AS OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS NO MERCADO DE BALCÃO

AS OPERAÇÕES DE DERIVATIVOS NO MERCADO DE BALCÃO REVISTA JURÍDICA CONSULEX ONLINE Conjuntura Adriana Maria Gödel Stuber e Walter Douglas Stuber Adriana Maria Gödel Stuber é Sócia de Stuber Advogados Associados. Mestra em Direito das Relações Sociais

Leia mais

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos.

Índice. 1. Ações. 2. Termo. 3. Aluguel de Ações. 4. Opções. Quantidade de Ações. Subscrição de Direito de Subscrição. Custos. Índice 1. Ações Quantidade de Ações Subscrição de Direito de Subscrição Custos Tributação Fatores de Risco Liquidação Leilão 2. Termo Mais sobre Termo Ordens Margens e Garantias Liquidação Fatores de Risco

Leia mais

Mercado de Derivativos

Mercado de Derivativos Mercado de Derivativos Contratos de Opções Prof. Bertolo OBJETIVOS Conceituar opções, Titular e Lançador, prêmio, valor intrínseco e extrínseco. Tipologia, modalidades e classificação de opções identificar

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Fundo de Investimento é uma comunhão de recursos, constituída sob a forma de condomínio que reúne recursos de vários investidores para aplicar em uma carteira diversificada de ativos financeiros. Ao aplicarem

Leia mais

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO.

Artigo 5º - A relação completa dos prestadores de serviços pode ser consultada no Formulário de Informações Complementares do FUNDO. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CAIXA Cambial Dólar, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento

Leia mais

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção;

10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES. a) Ativo-objeto - o Ativo admitido à negociação na Bolsa, a que se refere a opção; 1 / 7 CAPÍTULO X DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1DAS CARACTERÍSTICAS E DEFINIÇÕES DO MERCADO DE OPÇÕES 10.1.1 O mercado de opções compreende as operações relativas à negociação de direitos outorgados aos titulares

Leia mais

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA

VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA MANUAL DE GERENCIAMENTO DE LIQUIDEZ VALORA GESTÃO DE INVESTIMENTOS LTDA Elaborado pelo Oficial de Compliance: Misak Pessoa Neto Data: 25/01/2016 Versão: 1.3 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Princípios Gerais...

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS O que é? uma operação A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FIC DE FI REFERENCIADO DI CNPJ 19.312.112/0001-06 DEZEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli FIC de FI Referenciado DI. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo, disponíveis

Leia mais

Renda Fixa. Letra Financeira

Renda Fixa. Letra Financeira Renda Fixa Letra Financeira Captação de recursos no longo prazo com as melhores rentabilidades O produto A (LF) é um título de renda fixa, emitido por instituições financeiras com a finalidade de captar

Leia mais

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você.

Míni de Ibovespa WEBTRADING. É acessível. É descomplicado. É para você. Míni de Ibovespa WEBTRADING É acessível. É descomplicado. É para você. WEBTRADING O futuro em um clique Com apenas um clique, você pode negociar minicontratos. O acesso ao WTr é simples, rápido e seguro.

Leia mais

DERIVATIVOS DE Balcão. Termo de Moedas

DERIVATIVOS DE Balcão. Termo de Moedas DERIVATIVOS DE Balcão Termo de Moedas Termo de Moedas Registro de negociação de taxas de câmbio ou de paridade futura O produto O Contrato a Termo de Moedas possibilita a negociação de taxa de câmbio ou

Leia mais

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F.

Apresentação. Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. MERCADO DE CÂMBIO Apresentação Este folheto tem por objetivo apresentar aspectos técnicos e operacionais ligados aos contratos de câmbio negociados na BM&F. Vale ressaltar que o câmbio futuro pode ser

Leia mais

REGULAMENTO DO ITAÚ EMPRESA GOVERNANÇA CORPORATIVA AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 09.145.

REGULAMENTO DO ITAÚ EMPRESA GOVERNANÇA CORPORATIVA AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 09.145. REGULAMENTO DO ITAÚ EMPRESA GOVERNANÇA CORPORATIVA AÇÕES FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO CNPJ 09.145.127/0001-73 I) CONDIÇÕES ESPECÍFICAS DO FUNDO 1. PRESTADORES DE SERVIÇO 1.1.

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI MASTER PLUS FI REF DI CREDITO PRIVADO LONGO PRAZO Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Conceitos básicos de negociação em Futuros

Conceitos básicos de negociação em Futuros Conceitos básicos de negociação em Futuros N.º 808 10 20 20 ApoioCliente@GoBulling.com www.bancocarregosa.com/gobulling www.facebook.com/gobulling Advertências Específicas ao Investidor: Pode implicar

Leia mais

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014

GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Relatório de Risco - 2011 GESTÃO DE RISCO 1 TRIMESTRE 2014 Parte 2: Tabelas com as exposições a risco de crédito, mercado, liquidez e operacional em atendimento à circular n o 3477 do Banco Central do

Leia mais

ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED

ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED ANEXO 4 PREMISSAS GERAIS DA CENTRAL DE EXPOSIÇÃO A DERIVATIVOS - CED Capítulo I Premissas Gerais 1. O relatório da CED é uma consolidação, conforme critérios abaixo definidos pela CED, das informações

Leia mais

Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado.

Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado. Glossário Mercado em baixa Um mercado em baixa é um termo que descreve a constante descida do preço de mercado. Tamanho da posição Trata-se do montante que se pode ganhar ou perder pelo incremento ou decréscimo

Leia mais

Porto Alegre, 06 de fevereiro de 2014 SICREDI - FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M 1

Porto Alegre, 06 de fevereiro de 2014 SICREDI - FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M 1 Porto Alegre, 06 de fevereiro de 2014 SICREDI - FUNDO DE INVESTIMENTO INSTITUCIONAL RENDA FIXA IRF-M 1 ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES DO CÓDIGO

Leia mais

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa

3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa 3 Metodologia 3.1. Tipo de pesquisa A definição do tipo de pesquisa é fundamental para a escolha da metodologia adequada, só assim será possível atingir os objetivos propostos. Esta pesquisa usará a classificação

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS EQUITY HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O BNP PARIBAS EQUITY HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ/MF: Informações referentes a Dezembro de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o BNP PARIBAS EQUITY HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL)

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DETALHADO - FORMAÇÃO DE PROFISSIONAIS EM MERCADOS DERIVATIVOS (MODALIDADE SEMIPRESENCIAL) 1º Encontro Presencial 01 hora - Presencial - Apresentação do Curso e Ferramentas do E-Learning

Leia mais

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013

Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Versão: 01/07/2013 Atualizado em: 01/07/2013 Conteúdo Introdução ao Termo de Moedas... 1 Conhecendo o Produto... 2 Ações dos Botões das Telas... 4 Registros... 5 Registro de Contrato a Termo Simples -

Leia mais

MERCADO FUTURO: BOI GORDO

MERCADO FUTURO: BOI GORDO MERCADO FUTURO: BOI GORDO Sergio De Zen Mestre em Economia Aplicada, Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Os anos noventa têm sido marcados por termos modernos na terminologia do mercado financeiro. Dentre essas

Leia mais

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira

DERIVATIVOS. Por Abraão Maia. Ulisses Malveira DERIVATIVOS Por Abraão Maia Ulisses Malveira REVISÃO DE DERIVATIVOS Contratos a Termo O que é? Um contrato que lhe dá o direito de receber uma quantidade X de um produto Y. Quem? Duas pessoas, um comprador

Leia mais

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC

Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC. Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios FIDC Renda Fixa Privada Cotas de Fundos de Investimento em Direitos Creditórios - FIDC Uma alternativa de investimento atrelada aos créditos das empresas O produto O Fundo de Investimento em Direitos Creditórios

Leia mais

Academia de Warrants. 2. Warrants (Plain Vanilla)

Academia de Warrants. 2. Warrants (Plain Vanilla) Academia de Warrants 2. Warrants (Plain Vanilla) 1. Warrants (Plain Vanilla) Sumário Executivo 1. Definição 2. Motivos para investir em Warrants 3. Valorização de Warrants 4. Estratégias 1 1. Warrants

Leia mais

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada

Gestão Tesouraria e Derivativos Prof. Cleber Rentroia MBA em Gestão Financeira Avançada 1. O direito de compra de um ativo, a qualquer tempo, pelo respectivo preço preestabelecido, caracteriza uma opção? a) Européia de venda b) Européia de compra c) Americana de venda d) Americana de compra

Leia mais

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS

COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS COMO INVESTIR NO MERCADO A TERMO MERCADOS Como Investir no Mercado a Termo 1 2 Como Investir no Mercado a Termo O que é? uma OPERAÇÃO A TERMO É a compra ou a venda, em mercado, de uma determinada quantidade

Leia mais

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA PARA DIVULGAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO BRB FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO EM RENDA FIXA DI LONGO PRAZO 500 FORMULÁRIO DE INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES Competência: 19/01/2016 CNPJ 05.086.234/0001-17 PERIODICIDADE MÍNIMA

Leia mais

Teleconferência 3T13. 13 de novembro de 2013

Teleconferência 3T13. 13 de novembro de 2013 Teleconferência 13 de novembro de 2013 Fato Relevante* Em 31 de outubro de 2013 foi celebrado o contrato de compra e venda de 72,0% das ações do BICBANCO entre as partes: Vendedora - Grupo Bezerra de Menezes

Leia mais

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos

CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES E INVESTIDORES 1. Aspectos gerais 1.1 Apresentação de documentos PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DA CÂMARA DE COMPENSAÇÃO, LIQUIDAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS DE OPERAÇÕES NO SEGMENTO BOVESPA, E DA CENTRAL DEPOSITÁRIA DE ATIVOS (CBLC) CAPÍTULO I - CADASTRO DE PARTICIPANTES

Leia mais

www.leandrostormer.com.br

www.leandrostormer.com.br 1 OPERANDO OPÇÕES: CONCEITOS E ESTRATÉGIAS I. Introdução: Em primeiro lugar gostaria de deixar claro que este é apenas um resumo, uma pequena introdução a uma forma diferente de operar no mercado financeiro,

Leia mais

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014

Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Critérios para a Apuração dos Preços de Ajuste e Prêmios das Opções de Compra e de Venda Abril 2014 Informamos os procedimentos a serem aplicados durante o mês de abril 2014 para a apuração dos preços

Leia mais

Artigo 2º - O FUNDO destina-se a acolher investimentos de pessoas físicas e pessoas jurídicas privadas e públicas, doravante designados, Cotista.

Artigo 2º - O FUNDO destina-se a acolher investimentos de pessoas físicas e pessoas jurídicas privadas e públicas, doravante designados, Cotista. FUNDO Artigo 1º - O Fundo de Investimento em Cotas de Fundos de Investimento CAIXA Premium Renda Fixa Referenciado DI Longo Prazo, doravante designado, abreviadamente, FUNDO, é um Fundo de Investimento

Leia mais

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros?

Introdução. Tipos de Futuros. O que são Futuros? Introdução O que são Futuros? São instrumentos financeiros derivados, negociados em bolsa, que obrigam ao seu comprador/vendedor comprar/vender uma determinada quantidade de um activo numa determinada

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais