Um comparativo entre SQL e linguagens de consulta a dados XML

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um comparativo entre SQL e linguagens de consulta a dados XML"

Transcrição

1 Um comparativo entre SQL e linguagens de consulta a dados XML Michael Schuenck dos Santos 1, Deise de Brum Saccol 2 1, 2 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa Postal Palmas TO Brasil {michael, Abstract. Several XML query languages have been proposed in the last years. It is useful to compare these languages with a well known language (SQL) to point out their potentialities. This work compares five query languages: SQL, XML-QL, Lorel, XQL and X-Query. The comparisons are based on the verification of existing functionalities and their sintaxes. Resumo. Várias linguagens de consulta a XML foram propostas nos últimos anos. Assim, uma comparação com uma linguagem bem conhecida (SQL) é útil para apontar as potencialidades destas linguagens. Este trabalho compara cinco linguagens de consulta: SQL, XML-QL, Lorel, XQL e X-Query. Estas comparações baseiam-se na verificação das funcionalidades existentes e das suas sintaxes. 1. Introdução Em termos computacionais, os dados podem ser divididos em estruturados e semiestruturados. O primeiro tipo refere-se aos dados caracterizados por possuírem estrutura estática, definida a priori (geralmente por uma pessoa ou grupo de pessoas). Este tipo de dados é muito comum nas aplicações comerciais tradicionais. Os dados semi-estruturados vieram à tona com o advento da Internet. Neste ambiente, é comum a existência de dados disponibilizados por milhares de pessoas, que seguem estruturações diversificadas e que mudam constantemente. Neste contexto, surgiu a XML, com a finalidade de controlar melhor estes dados, e tornar possível seu processamento de forma a permitir a sua compreensão pelos humanos. A representação dos dados no formato XML abriu uma infinidade de possibilidades para sua manipulação. Dentre estas, também a necessidade de recuperação dos dados XML; afinal, se os dados não precisassem ser recuperados, não precisariam ser armazenados. Para este fim, diversas abordagens foram propostas por vários grupos de pesquisas nos últimos anos. Dentre estas, algumas das principais estarão sendo apresentadas neste artigo. Assim, estas abordagens, denominadas por linguagens de consultas a dados XML, encontram-se em um estágio inicial de desenvolvimento, se comparadas às linguagens de consulta a dados estruturados, que são desenvolvidas e utilizadas desde os primórdios de bancos de dados.

2 1 Neste sentido, nada mais natural que comparar as funcionalidades de uma linguagem de consulta já consagrada (neste caso a SQL) com linguagens "novas", a fim de que se possa levantar e aproveitar os exemplos bons e aplicáveis nas linguagens nascentes. 2. Dados semi-estruturados Normalmente, dados semi-estruturados não têm sua estrutura previamente definida por uma única pessoa (ou grupo de pessoas associadas). Eles são criados por várias pessoas, o que resulta em documentos com estruturas diferentes. Isto se deve ao fato de normalmente não existir uma única estrutura prescritiva para representação de dados referentes a um mesmo domínio, já que cada pessoa pode escolher a forma de organização dos dados que desejar. Atualmente, a World Wide Web é o ambiente natural para a existência de dados semi-estruturados. Por isto, além da alta heterogeneidade, um outro fator que contribui para a peculiaridade destes dados é sua expressiva quantidade. Este tipo de dados representa um novo paradigma de representação de dados, porém não pode ser considerado como uma forma alternativa a dados relacionais, já que seus respectivos propósitos são diferentes. Por isto, suas diferenças são latentes. A tabela 1 apresenta um breve comparativo entre os dados estruturados (relacionais) e os dados semiestruturados [MELO 2000]: Tabela 1: Tabela comparativa entre dados estruturados e semi-estruturados Dados estruturados Dados semi-estruturados Esquema predefinido Inexistência de esquema pré-definido Estrutura homogênea Estrutura heterogênea Estrutura independente dos dados Estrutura embutida no dado Estrutura reduzida Estrutura extensa Estrutura fracamente evolutiva Estrutura fortemente evolutiva Estrutura prescritiva Estrutura descritiva Distinção entre estrutura e dado é clara Distinção entre estrutura e dado não é clara A seguir será apresentada a XML (extensible Markup Language), linguagem mais bem adaptada à representação de dados semi-estruturados. 3. XML A XML [XML 2003] é um padrão da W3C para representação de dados. Possui um formato simples e muito útil para o intercâmbio de dados, o que é conseguido através da característica de marcação da linguagem. Uma característica marcante na XML é a possibilidade de definição de novas linguagens de marcação. Isto é possível pelo fato de as tags de marcação poderem ser definidas pelo usuário. Por isto, pode-se dizer que dados semi-estruturados são bem representados pela XML. A XML tem duas formas primárias de composição de informações [ANDERSON 2001]: os elementos e os atributos. Os elementos são estruturas que permitem a atribuição de dados simples, tais como seqüências de números e letras (elementos simples) e de outros elementos (elementos complexos). Os atributos são ainda mais simples: constituemse de estruturas para atribuição de valores alfanuméricos e são colocados junto às tags de abertura dos elementos. Para um conjunto de dados ser considerado um documento XML,

3 2 é obrigatória a existência de pelo menos um elemento. A seguir é exibido um documento XML simples. 1 <empresas> 2 <empresa idempresa="e1" atividade1="hotel"> 3 <nome>hotel Clepsidra</nome> 4 <endereco>604 Sul, Av. NS-2, Lote 2</endereco> 5 <cidade>palmas</cidade> 6 <uf>to</uf> 7 </empresa> 8 <empresa idempresa="e2" atividade="restaurante"> 9 <nome>restaurante Samambaia</nome> 10 <endereco>rua Tenente José Dias, nº 622</endereco> 11 <cidade>goiânia</cidade> 12 <uf>go</uf> 13 </empresa> 14 </empresas> Figura 1. Documento XML O documento apresentado é formado pelos elementos compostos empresas e empresa. Ele também possui elementos simples, como nome e endereco, e atributos, como idempresa e atividade. Este documento pode ser mapeado para a seguinte tabela relacional: Tabela 2: Tabela empresa IdEmpresa atividade nome Endereco cidade uf E1 Hotel Hotel Clepsidra 604 Sul, Av. NS-2, Lote 2 Palmas TO E2 restaurante Restaurante Samambaia Rua Tenente Jose Dias, nº 622 Goiânia GO A estrutura de documentos XML pode ser representada por uma DTD (Document Type Definition) [ANDERSON 2001] que os validem. Ela consiste de uma definição genérica dos elementos e atributos que podem ser suportados por vários documentos XML. Todos os exemplos de consultas que serão apresentados adiante tomarão como base os exemplos apresentados nesta seção. O documento XML apresentado na figura 2 será utilizado na exemplificação de consultas de linguagens para dados XML e o esquema relacional apresentado na tabela 2 será utilizado na exemplificação das consultas escritas em SQL a linguagem de consulta a dados relacionais mais utilizada atualmente, que será tratada a seguir. 4. SQL Apesar de ser uma linguagem de consulta a dados estruturados, a popularidade de SQL sugere que outras linguagens de consulta sigam seu exemplo, principalmente em termos de sintaxe e capacidade de expressão. A SQL foi originalmente desenvolvida pela IBM, quando ainda era chamada Sequel 2 [SILBERSCHATZ 1999]. Existem várias versões dela, de fontes diversas. A SQL-92, publicada pelo ANSI (American National Standards Institute) é uma das versões de maior destaque, apesar de já terem sido publicadas novas versões. Normalmente, os diversos SGBD s relacionais implementam versões da SQL que possuem algumas pequenas diferenças entre si.

4 3 De acordo com a tabela relacional apresentada na tabela 2, para se recuperar os nomes e endereços das empresas situadas no estado do Tocantins, em SQL basta se escrever o seguinte: 1 SELECT nome, endereço 2 FROM empresa 3 WHERE uf= TO Figura 2. Exemplo de consulta em SQL Dentre os mecanismos para consulta aos dados, as principais funcionalidades oferecidas pela SQL são (SILBERCHATZ, 1999): Ordenação dos resultados por um determinado campo da tabela. Junções entre tabelas, ou seja, permite consultas a fontes diferentes. Funções de agregação, que permitem que sobre os valores de uma determinada coluna da tabela, sejam realizadas operações. As principais funções oferecidas são: soma, média, máximo valor, mínimo valor e contagem. Consultas aninhadas, um mecanismo para especificação de condições que representem a existência de valores de campos em outros campos de outras tabelas. É semelhante às junções. Operações de conjuntos, que vêem os resultados de consultas como conjuntos, realizando operações de união, interseção e subtração. SQL oferece também, recursos para a inserção de dados, exclusão, junção, criação de tabelas, restrições de segurança, definição de visões [SILBERSCHATZ 1999]. Ela é utilizada basicamente para consultas a dados organizados segundo um esquema relacional, o que requer uma estrutura definida previamente. As linguagens de consulta a documentos XML serão apresentadas nas seções a seguir. 5. XML-QL A XML-QL (XML Query Language) [DEUTSCH 1999] é fruto de um trabalho conjunto entre os laboratórios AT&T (EUA) e a universidade da Pensilvânia (EUA). Suas principais características são [DEUTSCH 1999]: É basicamente uma linguagem de consulta, pois realiza operações típicas de bancos de dados relacionais relacionadas com alteração do banco de dados, tais como inserção, atualização e exclusão de dados. A sintaxe de suas consultas combina elementos da sintaxe de SQL e de XML, consistindo basicamente das cláusulas WHERE, IN e CONSTRUCT, em que a primeira seleciona as fontes e os parâmetros da consulta; a segunda, a localização da fonte a ser consultada; e a terceira, as opções de formação do documento resultante.

5 4 Suporta a criação de funções com o objetivo de reuso. Suas consultas permitem a construção de novos documentos XML, sendo possível a alteração de sua respectiva estrutura, através da reestruturação e criação de novos elementos e atributos. Um exemplo de consulta em XML-QL é o seguinte: 1 WHERE <empresa> 2 <nome> $n </> 3 <endereco> $e </> 4 <uf> TO </> 5 </> IN 6 CONSTRUCT <resultado> 7 <empresa> $n </> 8 <endereco> $e </> 9 </> Figura 3. Exemplo de consulta em XML-QL A consulta apresentada tem a mesma função da consulta SQL apresentada na figura 2. $n e $e são variáveis, que armazenam o resultado obtido na cláusula WHERE e os exibem no local indicado na cláusula CONSTRUCT. As funcionalidades oferecidas pela SQL que não foram encontradas em XML-QL são funções de agregação, e as operações de inserção, atualização, exclusão, criação de esquemas e criação de visões. Por outro lado, as características da XML-QL que não possuem paralelo em SQL são [DEUTSCH 1999]: transformação da estrutura na saída das consultas; especificação parcial de caminho, que se refere à não necessidade de se especificar todo o caminho para determinado elemento; tags variáveis, recurso referente à possibilidade do conteúdo de um elemento se tornar o nome do elemento no resultado da consulta; e funções skolem, que permitem a geração de valores para atributos do tipo ID, tal como os campos do tipo auto-numeração, em bancos de dados relacionais. 6. Lorel Um dos primeiros SGBD s criados para armazenar e gerenciar dados XML e outros tipos de dados semi-estruturados foi o Lore (Lightweight Object Repository) [McHUGH 1997], desenvolvido no Departamento de Ciência da Computação da Universidade de Stanford. Sua linguagem de consulta nativa é a Lorel (Lore Language), cujas principais características são [ABITEBOUL 1997]: Por ser projetada para ser utilizada sob um contexto de um sistema gerenciador de bancos de dados, a Lorel suporta, além de consultas, operações de atualização e exclusão. É possível ser utilizada a cláusula WITH para reestruturar os dados resultantes da consulta [GOLDMAN 1999], ou seja, criar um novo documento XML, com estrutura diferente, assim como a XML-QL. Permite o uso de variáveis.

6 5 A sintaxe das consultas é do tipo SELECT-FROM-WHERE, sendo bastante semelhante à da SQL: 1 SELECT e.nome, e.endereço 2 FROM empresas.empresa e 3 WHERE e.uf = TO Figura 4. Exemplo de consulta em Lorel O exemplo acima tem, também, a mesma função da consulta apresentada na figura 2, alterando-se apenas a forma de endereçamento dos dados, que em Lorel, é baseada em expressões de caminho. As operações suportadas pela Lorel são: ordenação, junção, funções de agregação, operações de conjuntos, atualização e exclusão. Em Lorel, não são implementadas consultas aninhadas nem criação de visões. As operações de inserção e criação de esquemas são realizadas pelo próprio SGBD Lore, e não pela sua linguagem de consulta. Em Lorel existe ainda, os denominados Range Qualifiers, que permitem que sejam selecionados somente os elementos que se encontram nas posições desejadas [GOLDMAN 1999]. Segundo [BARU 1998], atualmente as linguagens de consulta a dados XML se dividem em dois paradigmas: de banco de dados, em que a sintaxe das consultas é semelhante à sintaxe das consultas a bancos de dados relacionais; e funcional, cujas linguagens se baseiam em expressões de caminho, e são eficientes na realização de consultas em profundidade. Assim sendo, foram tratadas até agora, duas linguagens pertencentes ao paradigma de banco de dados. Nas próximas seções serão apresentadas duas linguagens pertencentes ao paradigma funcional: XQL e X-Query. 7. XQL A XQL [ROBIE 1998], por coincidência, tem o mesmo significado da XML-QL: XML Query Language, e segundo os criadores da linguagem, o nome da linguagem não está definido permanentemente. Esta linguagem foi projetada por J. Robie, da Texcel, Inc., J. Lapp, da webmethods, Inc. e D. Schach, da Microsoft e tem como principais características, as seguintes [ROBIE 1998]: É uma extensão de XSL, muito utilizada para apresentação de documentos XML. Os resultados das consultas não retornam documentos com estrutura diferente do documento original. Não permite a consulta de várias fontes. As consultas formuladas em XQL são baseadas em contextos [ROBIE 1998], que nada mais são que uma expressões de caminho com recursos adicionais. Elas aceitam comparações entre elementos e atributos, e o uso de funções nativas do XQL. A consulta apresentada na figura 2 é escrita em XQL da seguinte forma: 1 empresas/empresa[uf = TO ]/(nome $union$ endereco) Figura 5. Exemplo de consulta em XQL A XQL suporta apenas funções de agregação e operações de conjuntos, como funções auxiliares às consultas. Além disso, ela não suporta operações de inserção,

7 6 exclusão, atualização, criação de esquemas e visões. Isto se deve ao fato da linguagem não trabalhar sob o contexto de um banco de dados. No entanto, a XQL oferece funcionalidade para a mesma finalidade dos Range Qualifiers de Lorel, além de várias funções auxiliares, tais como: ancestor() e node() [ROBIE 1998]. 8. X-Query A X-Query [X-Query 2001] é a linguagem padrão de consulta utilizada no Tamino (um banco de dados comercial para XML). Suas principais características são [X-Query 2001]: É uma adaptação de XPath, da W3C, para trabalhar com o SGBD Tamino, que em versões anteriores, utilizava a XQL. É baseado em expressões, que englobam expressões de consulta baseadas em XPath e aquelas incorporadas pela X-Query. As expressões contém o caminho para nós específicos, além de chamadas a funções. Suas consultas são bastante semelhantes à XPath e à XQL. A X-Query pode ser estendida, utilizando-se a ferramenta X-Tension, provida pelo Tamino. Não permite consultas a mais de uma fonte simultaneamente. A X-Query não possui a capacidade de retornar mais de um elemento em cada consulta. Sendo assim, a consulta representada na figura 2 pode ser expressa em X-Query da seguinte forma, recuperando apenas o conteúdo do elemento nome, filho de empresa: 1 empresas/empresa[uf = TO ]/nome Figura 6. Consulta em X-Query As consultas em X-Query, têm como adicional, a possibilidade de apresentarem suas saídas ordenadas, e de usarem funções de agregação. X-Query não suporta as operações relacionadas com alteração do banco de dados. Ou seja, apesar de X-Query ser uma linguagem que trabalha em conjunto com um banco de dados (Tamino), é encarregada apenas de recuperar os dados. Assim como a XQL, a X-Query permite o acesso aos elementos de acordo com suas posições relativas ao elemento pai, além de suportar funções auxiliares [X-Query 2001]. Tendo sido apresentada a X-Query, todas as linguagens a serem vistas neste trabalho já foram apresentadas. No próximo capítulo será apresentado um resumo do todo exposto. 9. Resumo comparativo entre as linguagens Após ter sido feita uma apresentação detalhada de cada linguagem de modo particular, esta seção tem a função e exibir de forma concisa, as principais características suportadas e não suportadas por cada linguagem. Através da tabela abaixo é possível se perceber nitidamente, as diferenças entre as linguagens. Tabela 3: Resumo das funcionalidades oferecidas pelas linguagens apresentadas Funcionalidades SQL XML-QL Lorel XQL X-Query

8 7 Seleção de múltiplos campos, Sim Sim Sim Sim Não elementos ou atributos Definição de múltiplas Sim Sim Sim Não Não condições Consultas a várias fontes Sim Sim Sim Não Não Ordenação Sim Sim Sim Não Sim Junções Sim Sim Sim Não Não Consultas aninhadas Sim Sim Não Não Não Operações de conjuntos união interseção subtração união união união interseção Não Funções de agregação min max sum avg count - min max sum avg count count min max sum avg count Inserção Sim Não Não Não Não Atualização Sim Não Sim Não Não Exclusão Sim Não Sim Não Não Criação de esquemas Sim Não Não Não Não Criação de visões Sim Não Não Não Não Transformação da estrutura na - Sim Não Não Não saída Especificação parcial das - Sim Sim Sim Sim expressões de caminho Tags variáveis - Sim Não Não Não Funções Skolem - Sim Não Não Não Retorno de elementos - Não Sim Não Não relacionados via ID/IDREF Acesso a elementos por índices (range qualifiers) Não Não Sim Sim Sim Nota-se, com a análise desta tabela, que existem muitas funcionalidades possíveis de serem implementadas pelas linguagens, porém, dentre estas funcionalidades, apenas algumas são implementadas por todas. Um ponto a se destacar é o impacto que o paradigma de dados e da linguagem provoca nas possibilidades de implementação de uma ou de outra funcionalidade. Por exemplo, existem cinco funcionalidades (identificadas por - ) que não são possíveis de serem implementadas pela SQL. Da mesma maneira, nota-se a dificuldade por parte das linguagens de consulta a XML pertencentes ao paradigma funcional em implementar boa parte das funcionalidades apresentadas na tabela. Outro fator a se ponderar é a inserção ou não da linguagem de consulta em um ambiente gerenciador de banco de dados. Isto permite (mas não obriga, de acordo com os exemplos apresentados) que a linguagem implemente funções de inserção, atualização e exclusão de dados, criação de esquemas e visões. Como visto no caso do Lore/Lorel, para que os dados sejam inseridos ou seja feita a criação de esquemas, não é utilizada a Lorel. Estas funções, neste caso, são de responsabilidade do SGBD.

9 8 10. Considerações Finais A escolha de duas linguagens de cada paradigma (de banco de dados e funcional) foi útil para mostrar suas utilidades. Ficou claro que as linguagens do paradigma de banco de dados oferecem recursos (mesmo que ainda não sejam todos os que a SQL provê) para tratamento dos dados sob um banco de dados. Por outro lado, pode-se considerar que as linguagens do paradigma funcional referem-se a notações para endereçamento de documentos XML com alguns recursos adicionais. Muitas vezes, o desenvolvimento de algo é realizado de forma contínua e intuitiva, sem serem analisadas uma série de fatores que podem contribuir para a melhoria da qualidade do que se está desenvolvendo. Assim, um trabalho cujo objetivo é fazer uma comparação pode ser visto como uma forma de fazer uma crítica construtiva àqueles(as) que possuem desvantagens em relação aos demais. Portanto, uma das principais finalidades deste trabalho é auxiliar o desenvolvimento das linguagens de consulta a dados XML através do confronto com uma linguagem de consulta já consagrada e muitas vezes adotada como padrão. Sendo XML uma forma relativamente nova para representação de dados e ao mesmo tempo com popularidade crescente, ainda não houve tempo para que uma ou outra linguagem de consulta se despontasse como a mais usual e mais utilizada (embora já se possa notar algumas tendências), tal como acontece no caso da SQL. Por isto, os grupos de pesquisa que trabalham no desenvolvimento das linguagens de consulta a XML podem ainda aprimorarem suas propostas com o objetivo de se chegar a um produto utilizável comercialmente. Uma possível utilização deste trabalho pode ser também como material didático básico sobre todas as linguagens aqui vistas. Isto é possível graças à apresentação das principais características das linguagens, já que este procedimento é necessário para que se possa fazer uma comparação entre as mesmas. O presente artigo apresentou as principais características sintáticas das linguagens, apontando quais funcionalidades foram implementadas em uma linguagem e que não as foram em outra. Portanto, uma possibilidade de trabalho futuro é investigar sobre a viabilidade ou a falta dela em se implementar funcionalidades ainda não existentes em uma determinada linguagem de consulta a XML. Referências Abiteboul, Serge; Quass, Dallan; McHugh, Jason; Widom, Jennifer; Wiener, Janet L.. The Lorel Query Language for Semistructured Data. International Journal on Digital Libraries, Anderson, R. et al. Professional XML. Rio de Janeiro: Ciência Moderna LTDA., Baru, C.; Ludäscher, B.; Papakonstantinou, Y.; Velikhov, P. Vianu, V. Features and requirements for na XML view definition language: lessons from XML information mediation. W3C Workshop on Query Languages (QL 98), 1998, Boston. Disponível na Web em Deutsch, A. et al. A query language for XML. Computer Networks, Amsterdam, Netherlands, Goldman, R.; McHugh, J.; Widom J. From Semistructured Data to XML: Migrating the Lore Data Model and Query Language. Proceedings of the 2nd International

10 9 Workshop on the Web and Databases (WebDB '99), Philadelphia, Pennsylvania, June McHugh, J.; Abiteboul S.; Goldman, R.; Quass, D.; Widom, J.. Lore: A Database Management System for Semistructured Data. SIGMOD Record, 26(3): (1997). Melo, Ronaldo dos Santos. Aplicação de Ontologias a Bancos de Dados Semi- Estruturados. Exame de Qualificação (Pós-Graduação em Computação) Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.150 p. Robie, Jonathan et al. XML Query Language (XQL). Disponível em <http://www.w3.org/tands/ql/ql98/pp/xql.html>. Acesso em: 05/05/2003. Silberschatz, Abraham; Korth, Henry F.; Sudarshan, S. Sistema de Banco de Dados. São Paulo: Makron Books, World Wide Web Consortium. Extensible Markup Language (XML). Disponível em <http://www.w3.org/xml/>. Acesso em 10/04/2003. Software AG. Tamino X-Query p.

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA

XML e Banco de Dados. Prof. Daniela Barreiro Claro DCC/IM/UFBA XML e Banco de Dados DCC/IM/UFBA Banco de Dados na Web Armazenamento de dados na Web HTML muito utilizada para formatar e estruturar documentos na Web Não é adequada para especificar dados estruturados

Leia mais

Um estudo sobre esquemas para documentos XML

Um estudo sobre esquemas para documentos XML Um estudo sobre esquemas para documentos XML Marcus Barbosa Pinto 1, Deise de Brum Saccol 2 1, 2 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Caixa Postal 15.064

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. GERÊNCIA DE DADOS SEMI ESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio formado por acadêmicos

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

SQL APOSTILA INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL SQL APOSTILA INTRODUÇÃO Uma linguagem de consulta é a linguagem por meio da qual os usuários obtêm informações do banco de dados. Essas linguagens são, tipicamente, de nível mais alto que as linguagens

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO FUNDAÇÃO DE APOIO À ESCOLA TÉCNICA 1. COMPETÊNCIAS O aluno deverá ser capaz de analisar situações e realizar todo o projeto de banco de dados. 2. HABILIDADES Conhecer o ciclo de vida de um projeto de banco de dados; Conhecer os conceitos

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Rodrigues de Abreu Código: 135 Município: Bauru Eixo Tecnológico: Informação e Comunicação Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de técnico

Leia mais

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s

DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s DDL, Lidando com as diferenças das instruções SQL nos diferentes SGBD s Dio Rafael Jacobs 1, Juliano Varella de Carvalho 1 1 Centro Universitário Feevale Instituto de Ciência Exatas e Tecnológicas Novo

Leia mais

Revisitando Técnicas de Bancos de Dados no contexto da Web

Revisitando Técnicas de Bancos de Dados no contexto da Web Revisitando Técnicas de Bancos de Dados no contexto da Web Fernanda Lima e-mail: ferlima@inf.puc-rio.br Marco Antonio Casanova e-mail: casanova@inf.puc-rio.br Rubens Nascimento Melo e-mail: rubens@inf.puc-rio.br

Leia mais

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011

Banco de Dados. Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Banco de Dados Aula 1 - Prof. Bruno Moreno 16/08/2011 Roteiro Apresentação do professor e disciplina Definição de Banco de Dados Sistema de BD vs Tradicional Principais características de BD Natureza autodescritiva

Leia mais

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza GERÊNCIA DE DADOS SEMIESTRUTURADOS -XML Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza O QUE É XML? Tecnologia desenvolvida pelo W3C http://www.w3c.org W3C: World Wide Web Consortium consórcio

Leia mais

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD)

Introdução. Motivação. Sistema Gerenciador de Banco de Dados (SGBD) Banco de Dados (BD) Sistema de Banco de Dados (SBD) Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados Introdução Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre de 2011 Motivação

Leia mais

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan

14/08/2008. Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan Faculdade INED Curso Superior de Tecnologia em Banco de Dados Disciplina: Projeto de Banco de Dados Relacional 1 Prof.: Fernando Hadad Zaidan 1 Unidade 2 Introdução a SQL 2 Leitura Obrigatória ELMASRI,

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve

Banco de Dados I. Introdução. Fabricio Breve Banco de Dados I Introdução Fabricio Breve Introdução SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados): coleção de dados interrelacionados e um conjunto de programas para acessar esses dados Coleção de dados

Leia mais

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL

WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL 232 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação WXDC: Uma Ferramenta para Imposição e Validação de Restrições de Integridade baseadas na Linguagem XDCL Stevan D. Costa1, Alexandre T. Lazzaretti1, Anubis

Leia mais

Banco de Dados I 2007 Módulo III: Linguagens de Consulta. (Aula 9) Clodis Boscarioli

Banco de Dados I 2007 Módulo III: Linguagens de Consulta. (Aula 9) Clodis Boscarioli Banco de Dados I 2007 Módulo III: Linguagens de Consulta (Aula 9) Clodis Boscarioli Agenda: QBE (Query-by-Example) Histórico e Características; Notações; Exemplos da linguagem; Ferramentas que suportam

Leia mais

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas:

Álgebra Relacional. Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída. Operações básicas: Álgebra Relacional Conjunto de operações que usa uma ou duas relações como entrada e gera uma relação de saída operação (REL 1 ) REL 2 operação (REL 1,REL 2 ) REL 3 Operações básicas: seleção projeção

Leia mais

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta

Introdução e motivação SGBD XML Nativo Consultas em SGBDs XML Prática. Bancos de dados XML. Conceitos e linguagens de consulta Bancos de dados XML Conceitos e linguagens de consulta Sidney Roberto de Sousa MC536 - Bancos de Dados: Teoria e prática Material base: W3Schools XPath and XQuery Tutorial http://www.w3schools.com/xpath/

Leia mais

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com

SQL. Prof. Márcio Bueno. {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com SQL Prof. Márcio Bueno {bd2tarde,bd2noite}@marciobueno.com Material dos professores Ana Carolina Salgado, Fernando Foncesa e Valéria Times (CIn/UFPE) SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

Projeto e Implementação

Projeto e Implementação Felipe Nery Rodrigues Machado Banco de Dados Projeto e Implementação 2 Edição 4 Reimpressão São Paulo 2011 Editora Érica Ltda. 3 Projeto Sumário Capítulo 1 O Que É Projeto de Banco de Dados 15 Modelagem

Leia mais

XML (extensible Markup Language)

XML (extensible Markup Language) Sumário 1. Introdução a Aplicações Não-Convencionais 2. Revisão de Modelagem Conceitual 3. BD Orientado a Objetos (BDOO) 4. BD Objeto-Relacional (BDOR) 5. BD Temporal (BDT) 6. BD Geográfico (BDG) 7. BD

Leia mais

Administração de Banco de Dados

Administração de Banco de Dados Administração de Banco de Dados Professora conteudista: Cida Atum Sumário Administração de Banco de Dados Unidade I 1 INTRODUÇÃO A BANCO DE DADOS...1 1.1 Histórico...1 1.2 Definições...2 1.3 Importância

Leia mais

Banco de Dados I. Introdução Conceitos

Banco de Dados I. Introdução Conceitos Banco de Dados I Introdução Conceitos Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Apresentação Prof. Rodrigo Rocha prof.rodrigorocha@yahoo.com Ementa Conceitos Fundamentais de Banco de Dados; Características

Leia mais

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados

Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Tarefa Orientada 13 Agrupamento e sumário de dados Objectivos: Funções de agregação Agrupamento e sumário de dados Funções de agregação Nesta tarefa orientada iremos formular consultas que sumariam os

Leia mais

Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML

Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML Uma Abordagem Alternativa para o Armazenamento Electrónico de Dados: O Papel da Norma XML Semana da Ciência e da Tecnologia 2002 FOR $l IN document( wwwestvipvpt/biblioteca/bdbiblioxml ) //livro WHERE

Leia mais

Gerenciamento de um Sistema de

Gerenciamento de um Sistema de SBD Gerenciamento de um Sistema de Banco de Dados Prof. Michel Nobre Muza ua michel.muza@ifsc.edu.br Prof. Marcos Antonio Viana Nascimento Por que é importante: Motivação Participar na organização e no

Leia mais

SQL. Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno. Faculdade de Informática de Taquara. Igrejinha - RS Brazil

SQL. Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno. Faculdade de Informática de Taquara. Igrejinha - RS Brazil SQL Jacir de Oliveira, José Alencar Philereno Faculdade de Informática de Taquara Igrejinha - RS Brazil jacirdeoliveira@faccat.br, alencar@philler.com.br Resumo. Este artigo irá descrever a linguagem de

Leia mais

Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET

Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET Transformação de Documentos XML em Bases de Dados Relacionais Utilizando ASP.NET D Ilton Moreira Silveira 1, Fabiano Fagundes 1, Deise de Brum Saccol 2 1 Curso de Sistemas de Informação Centro Universitário

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri

Banco de Dados. Prof. Dr. Rogério Galante Negri Banco de Dados Prof Dr Rogério Galante Negri Tradicionalmente O armazenamento dos dados utilizava arquivos individuais, sem nenhum relacionamento Cada programa utilizava seu próprio sistema de arquivo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986

Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 2.3. Linguagens Relacionais SQL Structured Query Language Linguagem para o modelo relacional: Definida pelo American National Standard Institute (ANSI) em 1986 Adoptada em 1987 como um standard internacional

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML

XML. 1. XML: Conceitos Básicos. 2. Aplicação XML: XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata XML 1 1. : Conceitos Básicos 2. Aplicação : XHTML 3. Folhas de Estilo em Cascata 2 é um acrônimo para EXtensible Markup Language é uma linguagem de marcação muito parecida com HTML foi designada para descrever

Leia mais

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS

MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES DE BANCO DE DADOS RELACIONAIS Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Departamento de Informática e Estatística Curso de Sistemas de Informação RENATO SULZBACH MAPEAMENTO DE CONSULTAS SQL EM XML ENTRE SISTEMAS GERENCIADORES

Leia mais

Bases de dados semi-estruturadas, XML

Bases de dados semi-estruturadas, XML Bases de dados semi-estruturadas, XML Fernando Lobo Base de Dados, Universidade do Algarve 1 / 40 Modelo de informação semi-estruturado Esquema está impĺıcito nos dados. Ao invés do modelo relacional,

Leia mais

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados

LINGUAGEM SQL. DML - Linguagem de Manipulação de Dados LINGUAGEM SQL Structured Query Language, ou Linguagem de Consulta Estruturada ou SQL, é uma linguagem de pesquisa declarativa para banco de dados relacional (base de dados relacional). Muitas das características

Leia mais

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi

XML e Banco de Dados de Internet. Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi XML e Banco de Dados de Internet Tópicos Especiais em Tecnologia da Informação Profa. Késsia R. C. Marchi Motivação Diversas aplicações Web utilizam Fontes de Dados (BD); Arquitetura Cliente-Servidor (2

Leia mais

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Manipulação de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Manipulação de Dados Banco de Dados SQL DML SELECT... FROM... WHERE... lista atributos de uma ou mais tabelas de acordo com alguma condição INSERT INTO... insere dados em uma tabela DELETE

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

Revisitando Técnicas de Bancos de Dados no contexto da Web

Revisitando Técnicas de Bancos de Dados no contexto da Web Revisitando Técnicas de Bancos de Dados no contexto da Web Fernanda Lima e-mail: ferlima@inf.puc-rio.br Marco Antonio Casanova e-mail: casanova@inf.puc-rio.br Rubens Nascimento Melo e-mail: rubens@inf.puc-rio.br

Leia mais

INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G. Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração,

INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G. Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração, INTEGRAÇÃO ENTRE XML E OS SBGDs MICROSOFT SQL SERVER 2008 E ORACLE 11G AGDA COUTINHO GOMIDE 1 IREMAR NUNES DE LIMA 2 Resumo: Atualmente existe uma preocupação maior com relação à geração, manutenção, organização,

Leia mais

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec SQL Curso Prático Celso Henrique Poderoso de Oliveira Novatec 1 Introdução Desde o início da utilização dos computadores, sabemos que um sistema é feito para aceitar entrada de dados, realizar processamentos

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I

Universidade do Estado da Bahia UNEB Departamento de Ciências Exatas e da Terra - Campus I Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas II/CPD025 Conceitos orientação a objetos. Evolução das técnicas de modelagem orientadas a objetos. Estrutura da linguagem UML. Conceito de processo interativo

Leia mais

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto

PLANO DE ENSINO. PRÉ-REQUISITO: Modelagem e Programação Orientada a Objetos. PROFESSOR RESPONSÁVEL : Josino Rodrigues Neto UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO Rua Dom Manoel de Medeiros, s/n Dois Irmãos 52171-900 Recife-PE Fone: 0xx-81-332060-40 proreitor@preg.ufrpe.br PLANO DE ENSINO

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG

Bases de Dados. O que é uma Base de Dados? Pós-Grduação em SIG Bases de Dados O que é uma Base de Dados? Dados Pode-se começar por tentar dar uma definição do que são Dados. Os dados são factos em bruto, que não são necessáriamente relevantes para qualquer coisa que

Leia mais

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base

15 Conceitos de Bancos de Dados com o LibreOffice Base Introdução a Informática - 1º semestre AULA 14 Prof. André Moraes Objetivos desta aula: Explorar as propriedades na criação de bancos de dados no LibreOffice Base; Criar e explorar tabelas; Criar e explorar

Leia mais

4.6. SQL - Structured Query Language

4.6. SQL - Structured Query Language 4.6. SQL - Structured Query Language SQL é um conjunto de declarações que é utilizado para acessar os dados utilizando gerenciadores de banco de dados. Nem todos os gerenciadores utilizam SQL. SQL não

Leia mais

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java

MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java MOR: Uma Ferramenta para o Mapeamento Objeto-Relacional em Java Leonardo Gresta Paulino Murta Gustavo Olanda Veronese Cláudia Maria Lima Werner {murta, veronese, werner}@cos.ufrj.br COPPE/UFRJ Programa

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BANCO DE DADOS RELACIONAL ESTENDIDO

UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BANCO DE DADOS RELACIONAL ESTENDIDO UNIVERSIDADE LUTERANA DO BRASIL CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO BANCO DE DADOS RELACIONAL ESTENDIDO MAURICIO VOLKWEIS ASTIAZARA IGOR CASA NOVA DOS SANTOS Banco de Dados

Leia mais

Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas. Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert

Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas. Adriano Douglas Girardello Ana Paula Fredrich Tiago Alexandre Schulz Sippert UNIOESTE Universidade Estadual do Oeste do Paraná CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS Colegiado de Informática Curso de Bacharelado em Informática Algoritmos para Processamento e Otimização de Consultas

Leia mais

INF220 - Banco de Dados I

INF220 - Banco de Dados I Banco de Dados - Introdução Bibliografia INF220 - Banco de Dados I Prof. Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática - UFV Notas de Aula (jugurta@dpi.ufv.br) ELMASRI, R; NAVATHE, S. Fundamentals of

Leia mais

Aula 5. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardocarvalhodantas@gmail.com)

Aula 5. Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardocarvalhodantas@gmail.com) Persistência com JDBC e JPA Aula 5 Carlos Eduardo de Carvalho Dantas (carloseduardocarvalhodantas@gmail.com) Quem é sábio procura aprender, mas os tolos estão satisfeitos com a sua própria ignorância..

Leia mais

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello

Banco de Dados. Maurício Edgar Stivanello Banco de Dados Maurício Edgar Stivanello Agenda Conceitos Básicos SGBD Projeto de Banco de Dados SQL Ferramentas Exemplo Dado e Informação Dado Fato do mundo real que está registrado e possui um significado

Leia mais

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello

Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2. Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Banco de Dados I Linguagem SQL Parte 2 Autor: Prof. Cláudio Baptista Adaptado por: Prof. Ricardo Antonello Introdução Como vimos, um SGBD possui duas linguagens: DDL: Linguagem de Definição de Dados. Usada

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS Compreender e utilizar a linguagem SQL, na construção e manutenção de uma base de dados. PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 12.ºH CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO MULTIMÉDIA ANO LECTIVO 2013/2014 6. LINGUAGENS DE PROGRAMAÇÃO IV Pré-requisitos: - Planificar e estruturar bases

Leia mais

Bridge para o Integration Server: Guia do Usuário

Bridge para o Integration Server: Guia do Usuário IBM DB2 Cube Views Bridge para o Integration Server: Guia do Usuário Versão 8 S517-7685-00 IBM DB2 Cube Views Bridge para o Integration Server: Guia do Usuário Versão 8 S517-7685-00 Nota Antes de utilizar

Leia mais

EnsinAR: FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ÁLGEBRA RELACIONAL

EnsinAR: FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ÁLGEBRA RELACIONAL EnsinAR: FERRAMENTA DIDÁTICA PARA O ENSINO DE ÁLGEBRA RELACIONAL Ederson Luiz Paes Resumo O EnsinAR é uma ferramenta para o apoio do ensino de álgebra relacional e banco de dados. Baseia-se na conversão

Leia mais

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL

FEAP - Faculdade de Estudos Avançados do Pará PROFª LENA VEIGA PROJETOS DE BANCO DE DADOS UNIDADE V- SQL Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação. O Departamento de Pesquisas da IBM desenvolveu a SQL como forma de interface para

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com.

Banco de Dados I. Apresentação (mini-currículo) Conceitos. Disciplina Banco de Dados. Cont... Cont... Edson Thizon (edson@esucri.com. Sistemas da Informação Banco de Dados I Edson Thizon (edson@esucri.com.br) 2008 Apresentação (mini-currículo) Formação Acadêmica Mestrando em Ciência da Computação (UFSC/ ) Créditos Concluídos. Bacharel

Leia mais

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS

TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS TEMPTOOL UMA FERRAMENTA PARA A MODELAGEM TEMPORAL DOS DADOS Eugênio de O. Simonetto 1, Cristiano R. Moreira, Duncan D. A. Ruiz 2, Luciano C. Ost 1, Glauco B.V.Santos 1 RESUMO O trabalho apresenta uma ferramenta

Leia mais

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS

Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Criação de Consultas e Relatórios no Access CRIAÇÃO DE CONSULTAS E RELATÓRIOS NO ACCESS Sumário Conceitos / Autores chave... 3 1. Introdução... 4 2. Consultas... 5 3. Relatórios... 8 4. Conclusões... 11

Leia mais

Processamento e Otimização de Consultas

Processamento e Otimização de Consultas Introdução Processamento e Banco de Dados II Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Departamento de Computação DECOM 1 Processamento

Leia mais

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003

Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R. Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89, SQL-92, SQL:1999, SQL:2003 Bases de Dados Introdução à linguagem SQL História Princípio dos anos 70 IBM desenvolve a linguagem Sequel para o System R Renomeada para SQL (Structured Query Language) Standards ISO e ANSI SQL-86, SQL-89,

Leia mais

Projeto de Banco de Dados

Projeto de Banco de Dados Projeto de Banco de Dados SQL-Consultas Comando SELECT Prof. Luiz Antônio Vivacqua C. Meyer (la.vivacqua@gmail.com) Sintaxe Geral SELECT [ALL/DISTINCT] coluna1, coluna2,..., colunan FROM nome_tabela1,

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

Tarefa Orientada 16 Vistas

Tarefa Orientada 16 Vistas Tarefa Orientada 16 Vistas Objectivos: Vistas só de leitura Vistas de manipulação de dados Uma vista consiste numa instrução de SELECT que é armazenada como um objecto na base de dados. Deste modo, um

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados.

Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Histórico Etapas da evolução rumo a tomada de decisão: Aplicações Isoladas: dados duplicados, dados inconsistentes, processos duplicados. Sistemas Integrados: racionalização de processos, manutenção dos

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) SQL Histórico Structured Query Language (SQL) Foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language) para suas primeiras tentativas

Leia mais

SQL BANCO DE DADOS. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de Consulta Estruturada

SQL BANCO DE DADOS. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de consulta SQL. Linguagem de Consulta Estruturada Revisão de tpicos anteriores BANCO DE DADOS Linguagem de consulta SQL Roberto Duarte Fontes Brasília - DF roberto@fontes.pro.br Projeto de banco de dados Modelagem Conceitual (independe da implementação)

Leia mais

XVersioning - Uma Ferramenta para Versionamento de Esquemas XML

XVersioning - Uma Ferramenta para Versionamento de Esquemas XML XVersioning - Uma Ferramenta para Versionamento de Esquemas XML Renan Bet Rodrigues 1, Denio Duarte 2 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) Joinville,

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais

FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS. Bancos de Dados Conceitos Fundamentais FACULDADE INTEGRADAS DE PARANAÍBA ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Bancos de Dados Conceitos Fundamentais Tópicos Conceitos Básicos Bancos de Dados Sistemas de Bancos de Dados Sistemas de Gerenciamento de Bancos

Leia mais

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de

XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de Capítulo 9: XML XML para transferência de dados Estrutura hierárquica do XML DTDs e XML Schema Consultas de documentos XML: XPath e XQuery Transformação de documentos XML: XSLT Mapeamento entre documentos

Leia mais

A & F Consultoria em Sistemas e Treinamentos 2014 af.tecnoserv@gmail.com. A linguagem SQL. Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia

A & F Consultoria em Sistemas e Treinamentos 2014 af.tecnoserv@gmail.com. A linguagem SQL. Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia A linguagem SQL Autor: Hélio de Almeida Fonte: Wikipédia 1 Structure Query Language O SQL foi desenvolvido originalmente no início dos anos 70 nos laboratórios da IBM em San Jose, dentro do projeto System

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada

S Q L 31/03/2010. SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Robson Fidalgo SQL SQL - Structured Query Language Linguagem de Consulta Estruturada Apesar do QUERY no nome, não é apenas de consulta,

Leia mais

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias 2 Modelos de Dados, Esquemas e Instâncias Modelo de dados: Conjunto de conceitos

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5

DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 DESENVOLVIMENTO WEB DENTRO DOS PARADIGMAS DO HTML5 Alex de Andrade Catini¹, Tiago Piperno Bonetti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Alex.catini@gmail.com, bonetti@unipar.br Resumo:

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação

S Q L 15/01/2013. Enfoques de SQL. Enfoques de SQL SQL. Usos de SQL. SQL - Origem/Histórico. Gerenciamento de Dados e Informação Enfoques de SQL Gerenciamento de Dados e Informação Fernando Fonseca Ana Carolina Valeria Times Bernadette Loscio Linguagem interativa de consulta (ad-hoc): usuários podem definir consultas independente

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

MICHELLE DE LOURDES PIMENTA AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SITES DE BUSCA QUE UTILIZAM TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO DE DADOS SEMI-ESTRUTURADOS

MICHELLE DE LOURDES PIMENTA AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SITES DE BUSCA QUE UTILIZAM TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO DE DADOS SEMI-ESTRUTURADOS MICHELLE DE LOURDES PIMENTA AVALIAÇÃO DA USABILIDADE DE SITES DE BUSCA QUE UTILIZAM TÉCNICAS DE EXTRAÇÃO DE DADOS SEMI-ESTRUTURADOS Monografia apresentada ao Departamento de Ciência da Computação da Universidade

Leia mais