A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS."

Transcrição

1 A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS. 1. Introdução CANTELLE de PINHO, Graziela (UNIOESTE) A história da educação dos surdos é marcada por lutas e conquistas, sendo a mais importante delas, a superação do paradigma de incapacidade da pessoa surda evidenciando que por meio de sua língua adquire o conhecimento científico, tornandose um cidadão ativo na sociedade, para tanto o presente trabalho num primeiro momento irá tratar da educação dos surdos, antes, porém é necessário compreender a trajetória histórica desses sujeitos numa perspectiva mais ampla destacando as fundamentações teóricas, filosóficas, políticas e ideológicas que influenciaram bem como os métodos que foram e ainda são utilizados para escolarização desses sujeitos, passando pela antiguidade até chegar a atualidade, salientando a importância da Língua de Sinais nesse processo. Num segundo momento, será apresentada as legislações que foram/são importantes no processo de inclusão da pessoa surda, quando foram sancionadas e o objetivo de cada uma delas, bem como as mudanças de conceitos e terminologias que estão sendo usados. 2. Metodologia A trajetória social da pessoa Surda sempre esteve dialeticamente implicada com a concepção de homem e cidadania ao longo do tempo. No período compreendido entre a Antiguidade e a Idade Média, para os gregos e os romanos, entre outros povos, os Surdos eram vistos como seres incapazes, as crianças que nasciam surdas eram considerados como defeituosas, sendo sacrificadas, lançadas em rios e dos rochedos, vistos como inúteis à coletividade. Por não dominar uma língua(gem), para Aristóteles, os Surdos eram considerados como sujeitos sem alma, incapazes de raciocinar; logo, não eram humanos, por não serem considerados humanos não poderiam participar da igreja, por não terem uma língua oral não podiam falar os sacramentos, sendo privados de seus direitos. Contudo a partir do século XVI na Espanha, os surdos passaram a receber educação, onde fora criada a primeira escola para Surdos com o Monge Pedro Ponce de

2 2 Léon, o qual se utilizava da datilologia e alguns sinais como abordagem pedagógica. Depois disto, muitos outros métodos se desenvolveram. Na França, no século XVIII Charles M. L Epée ( ), considerado Pai dos surdos, usava a metodologia gestual para ensinar os surdos, iniciou o seu trabalho com duas irmãs surdas e posteriormente fundou a primeira escola para surdos o Instituto Nacional para Surdos- Mudos 1 de Paris, ele conseguiu reconhecer que os surdos tinham uma maneira de se comunicar, através de sinais, e que este poderia ser usado para ensinar/educar o surdo. Para Sacks (1990, p. 37), L Epée criou a partir da: [...] linguagem de ação, uma arte metódica, simples e fácil, pela qual transmitia a seus pupilos ideias de todos os tipos e até mesmo, ouso dizer, ideias mais precisas do que as geralmente adquiridas através da audição. Enquanto a criança ouvinte está reduzida a julgar o significado de palavras ouvidas, e isto acontece com frequência, elas aprendem apenas o significado aproximado; e ficam satisfeitas com essa aproximação por toda a vida. É diferente com os surdos ensinados por L Epée. Ele só tem um meio de transmitir ideias sensoriais: é analisar e fazer o pupilo analisar com ele. Assim, ele os conduz de ideias sensoriais a abstratas; podemos avaliar como a linguagem de ação de L Epée é vantajosa sobre os sons da fala de nossas governantas e tutores. Na mesma época em que na França ocorriam grandes avanços na educação dos Surdos, na Alemanha, no ano de 1750, surgia a filosofia educacional oralista. O oralismo 2 era defendido por Samuel Heinick, que acreditava no ensino da língua oral, ou seja, a oralização do sujeito Surdo, pois rejeitava o uso de gestos, com o objetivo de integrá-los à sociedade por meio do treinamento da fala. O trabalho com surdos teve inicio no Brasil em 1857, quando foi fundada a primeira instituição especializada em 26 de setembro deste ano, o atual Instituto Nacional de Educação dos Surdos (INES) sobre a supervisão do professor surdo Francês Ernest Huet a convite de Dom Pedro II, o qual desenvolveu uma metodologia baseada na datilologia e na língua de sinais francesa. A educação das pessoas surdas por meio da língua de sinais foi proibida no ano de 1880, com o Congresso de Milão, na Espanha, onde foi decidido que o método oral 1 Neste trabalho, apresenta-se o termo surdo-mudo como o termo usado na Idade Média. Segundo Fernandes (2011), as expressões surdo-mudo e mudinho, embora muito usadas, são pejorativas e exemplificam uma visão preconceituosa em relação às pessoas surdas. Os Surdos não são mudos, apenas não falam porque não ouvem, mas têm o aparelho fonoarticulatório em plenas condições de funcionamento vocal. 2 Segundo Soares (1999), o oralismo, ou método oral, é o processo pelo qual se pretende capacitar o surdo na compreensão e na produção de linguagem oral e parte do princípio de que o indivíduo surdo, mesmo não possuindo o nível de audição para receber os sons da fala, pode se constituir em interlocutor por meio

3 3 seria a metodologia mais adequada para a educação dos surdos. O oralismo perdurou por 100 anos, este método consiste no treinamento da fala, leitura labial dentre outros, segundo Perlin e Strobel a modalidade oralista baseia-se na crença de que é a única forma desejável de comunicação para o sujeito surdo, e a língua de sinais deve ser totalmente evitada por que atrapalha o desenvolvimento da oralização. Conforme Rossetto (2009), o método oral, que consiste em trabalhar a linguagem dos ouvintes, é um método difícil e o que mais contradiz sua natureza; no entanto, parece ser o que mais proporciona acesso à sociedade humana. A dificuldade em ensinar a falar aos surdos não é somente um problema especial de método, mas um problema central dos fundamentos principais da surdo-pedagogia, ou, ainda, [...] la enseñanza del lenguaje depende de la solución de los problemas más generales de la educación (VIGOTSKI apud ROSSETTO, 2009, p. 47). Nos meados do ano de 1960 com o fracasso do oralismo, iniciou-se a proposta educacional da Comunicação Total que defende o uso de todos os recursos visuais e materiais, privilegiando a comunicação e não a língua. De acordo com Goldfeld, a comunicação total em oposição ao oralismo, acredita que somente o aprendizado da língua oralizável não assegura pleno desenvolvimento da criança surda. As duas fases citadas acima, constituíram grande parte da educação dos surdos, mas ao despertar das comunidades surdas, percebendo a importância do uso de sinais, com os avanços das pesquisas relacionadas à educação e aquisição da linguagem. A partir dos anos 60, nos Estados Unidos um pesquisador chamado Willian Stokoe, iniciou os seus estudos sobre as línguas de sinais em especial ASL (American Sign Language Língua Americana de Sinais), o autor concluiu que elas ocupavam todos os requisitos científicos para serem consideradas línguas, tendo estrutura gramatical própria, assim como as línguas orais e que esta deveria ser utilizada na escolarização da pessoa Surda. Aliado ao estudo de Stokoe surge uma nova e atual proposta educacional, o Bilinguismo, que se fundamenta no ensino de duas línguas para o sujeito surdo, sendo a língua de sinais como 1ª língua (língua materna), e 2ª língua, o português na modalidade escrita. Veremos nos próximos itens sobre as legislações, e a oficialização a libras no Brasil. da linguagem oral.

4 4 Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE demonstram que existem 24,5 milhões de pessoas com deficiência no país, ou seja, 14,5% da população, sendo que desse total, 16,7% apresentam deficiência auditiva. Segundo o Censo Escolar de 2000, 80% dos alunos surdos que ingressam na escola não completam o Ensino Fundamental e só 3% completam o Ensino Médio. Soares (1999) destaca que a educação do surdo voltou-se mais ao desenvolvimento da comunicação do que a transmissão de conhecimentos, ou seja, o objetivo da escola era somente de fazer o aluno com surdez ter condições de se comunicar, esquecendo-se do aprendizado ao qual os alunos ouvintes têm acesso e que é direito de todos. Segundo Sassaki (1999), inclusão é o processo pelo qual a sociedade se adapta para poder incluir em seu contexto as pessoas com necessidades especiais, na educação, as escolas comuns devem adaptar-se à diversidade dos seus alunos. De acordo com o conceito citado anteriormente, observa-se que cabe a escola criar estratégias para incluir os alunos com necessidades educacionais especiais no ensino regular, de acordo com as necessidades individuais de cada um. Um outro documento a Declaração de Salamanca - (1994) ressalta que: "as escolas regulares com orientação para a educação inclusiva são o meio mais eficaz no combate às atitudes discriminatórias, propiciando condições para o desenvolvimento de comunidades integradas, base da construção da sociedade inclusiva e obtenção de uma real educação para todos". A Declaração de Salamanca permite perceber a real importância da inclusão da pessoa com deficiência na educação, pois seu convívio e aprendizado com outras pessoas só lhe trará benefícios e crescimentos, tanto no âmbito educacional como social. Inclusão significa responsabilidade governamental, bem como reestruturação da instituição que receberá o indivíduo com necessidades especiais, tornando-se apta a dar resposta ás necessidades extremas de todos os seus alunos. Para que possa realmente efetivar uma inclusão satisfatória da criança surda na escola, é indispensável a capacitação dos educadores. É sobre este assunto que esse trabalho tratará no próximo item abaixo. No Brasil a língua de Sinais foi reconhecida e oficializada por meio da Lei de 24 de abril de 2002, como uma língua oriunda das comunidades surdas, sendo possível observar os enunciados legais que tendem apontar para o acesso e a

5 5 inclusão das pessoas surdas à educação, entende-se como Libras Língua Brasileira de Sinais a forma de comunicação e expressão, em que o sistema linguístico de natureza visual motora, com estrutura gramatical própria, constituindo um sistema de transmissão de ideias e fatos. A referida lei foi regulamentada em 22 de dezembro de 2005, pelo decreto n º 5626 que estabelece a inserção da Libras como disciplina curricular no ensino público e privado, e sistemas de ensino federais, estaduais e municipais, nos cursos de formação de professores, como o magistério, nos cursos de licenciatura, e nos cursos de Fonoaudiologia. Este decreto no capitulo VI, art. 22, incisos I e II, estabelece uma educação inclusiva para as pessoas surdas, uma perspectiva bilíngue em sua escolarização básica, garantindo a esses alunos, educadores capazes de trabalhar com as suas especificidades, O Artigo 5 o da Constituição Federal de 1988 garante o direito das pessoas com necessidades educacionais especiais terem as mesmas opções que as demais pessoas, enquanto o Artigo 208 garante atendimento educacional especializado. Dessa forma a LDB, Nova Lei das Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, n 9394/96 em seu Artigo 58 destaca que "haverá, quando necessário, serviços de apoio especializado, na escola regular, para atender às peculiaridades da clientela de educação especial". O que significa que de direito o aluno com alguma de deficiência ter o auxílio necessário para sua aprendizagem. A referida lei assegura ainda, em seu Artigo 59, aos educandos com necessidades especiais, professores com especialização adequada em nível médio ou superior, para atendimento especializado, bem como professores do ensino regular capacitados para a integração desses educandos nas classes comuns. Dessa forma, pretende-se demonstrar a importância da inclusão dos alunos deficientes auditivos nas escolas "normais", bem como refletir sobre a igualdade de capacidade de desenvolvimento intelectual entre o aluno deficiente auditivo e o aluno ouvinte. Para tanto as escolas são obrigadas por lei a receberem os alunos surdos, que passaram a freqüentar as salas de aula ao lado de alunos ouvintes, mas nem sempre estas escolas têm condições de oferecer a estrutura adequada para atendê-los, faltam tradutores/intérpretes de Libras nas salas de aula e professores qualificados.

6 6 Frente ao exposto anteriormente, mostrando o número elevado de alunos surdos, a importância da inclusão destes à sociedade e o despreparo das escolas em proporcionar esta inclusão, percebe-se a importância do tema abordado, justificando-se o presente trabalho, para tanto levantamos alguns conceitos sobre o que é inclusão a partir da visão de alguns autores que fazem abordagem específicas sobre o "conceito de inclusão". Werneck (2000) define inclusão como a inserção da pessoa com necessidades educativas especiais na escola, entretanto, quando empregamos a palavra inclusão estamos nos referindo a uma inserção total e incondicional. A autora define também o termo integração que, segundo ela, dá a ideia de que a inserção é parcial e condicionada às possibilidades de cada pessoa. No sistema educacional da inclusão, cabe à escola se adaptar às necessidades dos alunos e não aos alunos se adaptarem ao modelo da escola. Para que possa realmente efetivar uma inclusão satisfatória da criança surda na Escola, é indispensável a capacitação dos educadores. É sobre este assunto que o esse trabalho tratará no próximo item abaixo. De acordo com Mazzotta (1993, pág. 22) pessoas com deficiência auditiva são aqueles que por terem uma perda de audição acima de 45 (Quarenta e cinco) decibéis, nas freqüências da fala, em ambos os ouvidos, apresentam necessidades especiais a ponto de requererem serviços ou auxilio especiais para sua educação escolar. Conforme Silva (1998), reconhecer a diferença entre o surdo e o ouvinte é encarar a realidade relativa ao surdo. É reconhecer suas limitações no que diz respeito ao seu desempenho na aquisição de uma língua oral e reconhecer também sua habilidade lingüística que se manifesta na criação, uso e desenvolvimento de línguas gestuais-visuais, ou seja, de línguas de sinais. Segundo Fonseca (s/d p. 77), destaca que a "Educação é tudo o que permite ao indivíduo aprender novas aquisições, novas competências e novas atitudes. Sem educação os deficientes não poderão atingir uma vida de valor e de significados humano". Ainda de acordo com o autor, programas educacionais e inclusivos podem fazer a diferença na vida dos alunos com surdez, pois através dos mesmos é cobrada uma maior atenção da sociedade, para esses sujeitos proporcionando melhor qualidade do processo ensino aprendizagem. A sociedade civilizada não pode contentar-se somente com o assistencialismo à pessoas com necessidades educacionais especiais e

7 7 sim se preocupar com uma educação efetiva e qualitativa, pois lhes assiste o direito fundamental de otimizarem e maximizarem os seus potenciais habilitativos e cognitivos. Se os serviços educacionais falharem nesta obrigação social, cada vez mais se deficientarão os deficientes, impedindo-os de contribuírem ativamente e produtivamente, para a vida da comunidade onde devem estar inseridos. Conforme Sassaki (1999) existem benefícios da educação inclusiva tanto para os alunos ouvintes quanto para os alunos surdos, pois entre os dois há uma relação social, com reciprocidade de aprendizagem. No caso dos estudantes com surdez, poderão contribuir na aprendizagem dos alunos ouvintes, ajudando a desenvolver a apreciação pela diversidade individual, através da experiência direta com a variação natural das capacidades humanas. Já os alunos surdos terão acesso a uma gama mais ampla de atividades de aprendizagem, desenvolvendo de forma crescente o conforto, a confiança e a compreensão da diversidade individual deles e de outras pessoas. É a linguagem que permite ao ser humano estruturar o pensamento, demonstrar o que sente, comunicar-se com os que o rodeiam, podendo-se dizer, simplesmente, que a linguagem é a forma que o ser humano utiliza para transmitir conceitos e sentimentos vividos por ele. Afirma-se, então, que a linguagem não depende da natureza do meio material que utiliza, o que importa é o uso efetivo de signos, de quaisquer formas de realização que possa assumir papel correspondente ao da fala. A linguagem não está necessariamente ligada ao som, pois não é encontrado só nas formas vocais. (VIGOTSKI, p.1290). De acordo com Souza (1998): "Quando a escola recebe um aluno surdo, esta deve adaptar-se as necessidades deste aluno". O trabalho a ser desenvolvido precisa estar voltado para abranger a educação de ouvintes e em especial dos surdos. Ainda segundo esta autora, que observou diversas escolas onde já está ocorrendo à inclusão destas pessoas com necessidades educacionais especiais, foi possível perceber a interação entre professor e aluno na língua de sinais, onde houve a criação de textos produzidos pelos alunos através de gestos e sinais. Estas escolas foram observadas em diversos Estados brasileiros, entre eles destaca-se o Estado de Santa Catarina onde é comum aos estudantes se comunicarem por meio da língua de sinais. No ano de 2004 quando foi realizada a pesquisa eram 943 surdos estudando na rede pública estadual,

8 8 onde o ensino de libras era lecionado para todos os alunos, já que o ouvinte necessita desta língua para se comunicar com os surdos. Neste contexto educacional é necessário que os professores estejam devidamente instruídos e especializados para trabalhar com esses alunos. Segundo Mazzotta (1993. p. 02) "Com relação ao professor de educação especial, deve ser formado mediante um preparo básico de professor primário, complementado por uma especialização a nível de segundo grau para uma dás áreas específicas da educação especial, deve também ser habilitado em curso superior de pedagogia ou especializado através de cursos de pós-graduação." No caso dos alunos surdos, se o professor não tiver uma noção básica das línguas de sinais, é necessário que a escola ofereça a este aluno um tradutor/interprete de libras (profissional com formação específica para atuar, conforme o decreto 5626/2005), pois este irá transmitir por meio da Libras a fala do professor. A referida formação desse profissional se dá através do curso Letras/Libras, e por meio do Prólibras, além desses cursos de formação é de grande importância que esse profissional tenha vivência com associação de surdos, comunidade surda, pois a experiência e o contato com a língua facilitará o seu trabalho. O que se mostra importante neste momento também é a presença do tradutor/intérprete dentro da sala de aula, este profissional deve ser bilingue, ou seja, conhecer a língua portuguesa e a língua de sinais, o mesmo atua na comunicação de SURDO X OUVINTE - SURDO X SURDO - SURDO X SURDO-CEGO - SURDO- CEGO X OUVINTE, para tanto a função deste profissional é mediar o conteúdo entre o professor e o aluno surdo, através da sua presença não pode ser vista com o substituto do professor da classe, pois precisa-se entender a interação professor-aluno, para que seja desenvolvida uma prática pedagógica crítica, participativa e autônoma. 3. Considerações Finais Por meio de estudos realizados para desenvolver este trabalho, foi possível perceber que, dos diversos métodos utilizados na educação dos sujeitos surdos desde os primórdios até a atualidade, alguns tiveram êxitos, todavia, outros mostram resultados insatisfatórios, um verdadeiro fracasso das representações sociais do povo surdo. Existem visões equivocadas ainda hoje de que os indivíduos surdos precisam superar sua deficiência, de forma a se tornar iguais aos demais. Mas atualmente entende-se a

9 9 importância do bilinguismo, ou seja, uso fluente da língua de sinais e do português escrito. Questionamo-nos: será que é esse atendimento que os Surdos necessitam? É o melhor caminho para a aprendizagem acontecer? E os sujeitos Surdos, o que pensam a respeito disso? Será que a sociedade dominadora das questões a respeito da educação e aquisição da linguagem está ouvindo o que os Surdos dizem sobre sua própria forma de aprendizagem, ou está surda perante os Surdos? Um fato interessante é que as decisões sobre métodos educacionais de Surdos sempre foram determinadas por ouvintes que se auto-conferem poder para tomada de decisão. Foi possível constatar que a legislação por si só não muda a situação de exclusão do deficiente auditivo, contudo as escolas devem estar devidamente equipadas, preparadas para receber ou atender aos alunos portadores de necessidades especiais, inclusive com professores qualificados, para contribuir no contexto da sala de aula, além de organizar todo a sua estrutura arquitetônica, possibilitando o processo real da inclusão. Para que a inclusão se efetive na escola fazem-se necessárias adaptações que competem, a formação de docência e as barreiras arquitetônicas e compete aos órgãos governamentais, por meio da disponibilidade de recursos financeiros, às escolas, buscando didáticas que se adaptem a situação, e aos professores, que devem buscar especialização para melhor conduzir as aulas. Havendo inclusão na escola abrem-se portas para que no futuro esta inclusão aconteça na sociedade como um todo. Referências BRASIL, Lei nº Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 24 abr CARNEIRO, M. A. LDB Fácil. Petrópolis - RJ, Editora Vozes, FONSECA, V. da. Educação Especial: Programa de Estimulação Precoce. Lisboa, Editorial Notícias, GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. São Paulo: Plexus, MAZZOTTA, M. J. da S. Trabalho Docente de Formação de Professores de Educação especial. São Paulo, Editora Pedagógica e Universitária Ltda, 1993.

10 10 ROSSETTO, E. Sujeitos com deficiência no ensino superior: vozes e significados f. Tese (Doutorado em 2009) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. SACKS, O. Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. Rio de Janeiro: Imago, SASSAKI, R. K. Inclusão: Construindo Uma Sociedade Para Todos. Rio de Janeiro, Editora WVA, SENADO FEDERAL. Constituição Federal do Brasil, Brasília, Centro Gráfico, SILVA, E. B. A Educação Básica Pós LDB. São Paulo, Editora Pioneira Educação, SOARES, M. A. L. A Educação de Surdos no Brasil. Campinas - SP, Autores Associados, SOUZA, R. M. Que Palavra Que Te Falta?, São Paulo, Martins Fontes, STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: UFSC, VYGOTSKY L.S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, WERNECK, C. Ninguém Mais Vai Ser Bonzinho na Sociedade Inclusiva. Rio de Janeiro, Editora VWA, 1997.

REFLEXÕES ACERCA DA INCLUSÃO DOS SURDOS NO MERCADO DE TRABALHO

REFLEXÕES ACERCA DA INCLUSÃO DOS SURDOS NO MERCADO DE TRABALHO REFLEXÕES ACERCA DA INCLUSÃO DOS SURDOS NO MERCADO DE TRABALHO Maria Solange de Sousa Lacerda Universidade Federal de Campina Grande soldepombal@hotmail.com Josilene Martins Urtiga Silva Universidade Federal

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o primeiro passo para mudar uma história marcada por lutas e

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão

Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Pedagogia das Diferenças: Um Olhar sobre a Inclusão Autor: Brena Samyly S. de Paula, Élida Mônica S. da Silva, Karlianne Sousa Silva Falção e Marilia Moreira Pinho Data: 13/05/2010 Resumo Nosso trabalho

Leia mais

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA

O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA O PROCESSO DE INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA VISUAL: UM ESTUDO DE METODOLOGIAS FACILITADORAS PARA O PROCESSO DE ENSINO DE QUÍMICA Bruna Tayane da Silva Lima; Eduardo Gomes Onofre 2 1 Universidade Estadual

Leia mais

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS A língua brasileira de sinais Os sinais, essa dança das palavras no espaço, são minha sensibilidade, minha poesia, meu eu íntimo, meu verdadeiro estilo.(emmanuelle Laborit) 1 A língua brasileira de sinais

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE MATERIAIS DIDÁTICOS ADAPTADOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS: UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais SURDEZ: UM MAPEAMENTO DAS PRODUÇOES ACADÊMICAS EM UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESCOLAR ALVES, R. A. 1 MANZOLI, L. P. 2 URBAN,

Leia mais

A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA

A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA Rodrigo Janoni Carvalho 1 A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS é uma língua que tem adquirido maior visibilidade na sociedade, na medida em que

Leia mais

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA Mariana Rodrigues Ferreira Fantinelli (G UENP, campus de Jac.) naninha_fantinelli@hotmail.com Sonia Maria Dechandt Brochado ( Orientadora UENP) O letramento do

Leia mais

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO?

CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? CLASSE ESPECIAL: UMA ALTERNATIVA OU UM ESPAÇO REAL DE INCLUSÃO? Autor(a): Fernando Antonio Pereira Leite Coautor(es): Fernanda Guarany Mendonça Leite Email: fernando.leite1@gmail.com Este trabalho está

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO

MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO Maria Wanderléa Rosário dos Santos Faculdade Integrada Brasil Amazônia - FIBRA Letícia Gabrielly de Sousa Pinto Faculdade Integrada Brasil Amazônia

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: CONTRIBUIÇÕES DE LEV VIGOTSKI E A IMPLEMENTAÇÃO DO SUPORTE PEDAGÓGICO NO IM-UFRRJ

A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: CONTRIBUIÇÕES DE LEV VIGOTSKI E A IMPLEMENTAÇÃO DO SUPORTE PEDAGÓGICO NO IM-UFRRJ A INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: CONTRIBUIÇÕES DE LEV VIGOTSKI E A IMPLEMENTAÇÃO DO SUPORTE PEDAGÓGICO NO IM-UFRRJ Saionara Corina Pussenti Coelho Moreira; UFRRJ/IM, saionara.pussente@gmail.com INTRODUÇÃO

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN

A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A INCLUSÃO ESCOLAR DO PORTADOR DE SINDROME DE DOWN Leonardo Triaca 1 ; Elizabeth Emma Soares de Nunez 2 ; Adriana Zilly 3 RESUMO: Com a política de inclusão

Leia mais

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL

INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL INCLUSÃO: TEORIA E REALIDADE NO MUNICÍPIO DE SÃO BENTO DO SUL Resumo Vitor Alves UFSC vituxo_17fev@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: Não contou com financiamento.

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado

A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado A Educação Brasileira dos Surdos: Um Novo Mundo a Ser Desvendado Por ISRAEL GONÇALVES CARDOSO A área de conhecimento educacional responsável pela reflexão no que diz respeito à realidade da educação dos

Leia mais

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues

Princípios da educação inclusiva. Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Princípios da educação inclusiva Profa Me Luciana Andrade Rodrigues Objetivos - Pensar na imagem que nós temos do outro ; - Conversar sobre Estigma e preconceito; - Discutir sobre as estratégias a serem

Leia mais

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso

Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso Pró- Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso EDUCAÇÃO INCLUSIVA NA EDUCAÇÃO FÍSICA: ANALISE DOS PROFISSIONAIS DE EDUCAÇÃO FÍSICA. Autor: Marcus Vinicius Candido de

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

RESOLVE: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO ESPECIAL RESOLUÇÃO 003, de 06 de abril de 2006. Fixa normas para a Educação Especial na Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino Teresina. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE TERESINA, no uso de suas atribuições

Leia mais

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM

INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM INCLUSÃO ESCOLAR: UTOPIA OU REALIDADE? UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A APRENDIZAGEM Andreza Magda da Silva Dantas Escola.E.E.M.Fc. Sá Cavalcante Paulista PB andreza_magda@hotmail.com Introdução Zelga Dantas de

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA FACULDADE DO VALE DO JURUEMA CURSO: PSICOPEDAGOGIA COM ENFASE NA INCLUSÃO SOCIAL DISCIPLINA:LIBRAS LIBRAS NO PROCESSO EDUCATIVO Professora Esp. Graziela Christine da Silva A J E S - F A C U L D A D E S

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

A INCLUSÃO DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO E NA SOCIEDADE

A INCLUSÃO DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO E NA SOCIEDADE A INCLUSÃO DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO E NA SOCIEDADE CAMPOS 1, Leonardo; RODRIGUES 2, Bruno; SILVA 3, Maria Elena Neves da RESUMO Esta pesquisa bibliográfica buscou observar como foi e como está atualmente

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB)

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB) NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB) A Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO

ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO ESPAÇO INCLUSIVO Coordenação Geral Profa. Dra. Roberta Puccetti Coordenação Do Projeto Profa. Espa. Susy Mary Vieira Ferraz RESUMO A inclusão é uma realidade mundial. Desde a Declaração de Salamanca em

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA UM ESTUDO SOBRE ACESSIBILIDADE DOS SURDOS NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Marisa Dias Lima 1 ; Márcia Dias Lima 2 ; Fernanda Grazielle Aparecida Soares de Castro 3 Universidade Federal de Uberlândia; Universidade

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA CONCEPÇÕES E PARADIGMAS: DA EXCLUSÃO À INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA SILVA, N. S. - Bolsista PIBIC/UFRB-CFP 1 OLIVEIRA, T. C. B. C. - Professora Adjunta/ UFRB-CFP 2 RESUMO: Este artigo objetiva trazer

Leia mais

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA Carla Eliza Santos Universidade Tecnológica Federal do Paraná carlaesantos@hotmail.com Clovis Batista de Souza Universidade

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA LIBRAS NO PROCESSO EDUCACIONAL DE ESTUDANTES SURDOS EM ESCOLA REGULAR

A INFLUÊNCIA DA LIBRAS NO PROCESSO EDUCACIONAL DE ESTUDANTES SURDOS EM ESCOLA REGULAR A INFLUÊNCIA DA LIBRAS NO PROCESSO EDUCACIONAL DE ESTUDANTES SURDOS EM ESCOLA REGULAR Danielle Mirelli da Silva Araújo 1 Marcelle de Castro e Silva 2 Wilma Pastor de Andrade Sousa 3 RESUMO: O presente

Leia mais

A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL

A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL A DISLEXIA E A ABORDAGEM INCLUSIVA EDUCACIONAL Adriana de Souza Lemos dryycalemos@hotmail.com Paulo Cesar Soares de Oliveira libras.paulo@hotmail.com FACULDADE ALFREDO NASSER RESUMO: O objetivo dessa pesquisa

Leia mais

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1

PROJETO DE VIVÊNCIA 2016.1 FACULDADE PIO DÉCIMO LICENCIATURA EM QUÍMICA ENSINO DE QUÍMICA ÁREA 4 PROF a MARIA ANTÔNIA ARIMATÉIA FREITAS QUESTÃO 01 Com base na projeção da população brasileira para o período 2010-2040 apresentada

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA PARA TRABALHAR COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Jane Aparecida de Souza Santana (FCT/Unesp) Ms. Flaviana dos Santos Silva Profª Drª Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS EDUCAÇÃO INCLUSIVA: CONCEPÇÕES DOS PARTICIPANTES DO CURSO DE ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO PARA ALUNOS SURDOS SILVA, Duarte Araújo Silva; DUARTE, Ana Beatriz da Silva. INTRODUÇÃO Esse trabalho

Leia mais

A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR

A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR A CRIANÇA SURDA: CAUSAS, PREVENÇÃO E EDUCAÇÃO ESCOLAR Sheila Rodrigues Vieira 1 Andreia Nakamura Bondezan 2 A proposta deste trabalho é a de apresentar algumas causas da surdez e abordar o histórico da

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA/IRATI - EAD (Currículo iniciado em 2010) COMUNICAÇÃO, EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA C/H 68 (D0031/I) Informação e conhecimento no processo educativo. Recursos de

Leia mais

INCLUSÃO DO ALUNO SURDO NO COLÉGIO ESTADUAL DE APLICAÇÃO DE IPORÁ- GOIÁS

INCLUSÃO DO ALUNO SURDO NO COLÉGIO ESTADUAL DE APLICAÇÃO DE IPORÁ- GOIÁS INCLUSÃO DO ALUNO SURDO NO COLÉGIO ESTADUAL DE APLICAÇÃO DE IPORÁ- GOIÁS BORGES, Huélida Souza Santos Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Iporá huelidafamilia@hotmail.com ALMEIDA, Edna Maria Ferreira

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE Ana Carolina Marques de GOES 1 RESUMO: A educação inclusiva, especificamente relativa às pessoas com deficiência, é um assunto muito

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE SILVA.Thiago Pereira da ¹ Universidade Estadual da Paraíba-UEPB e-mail: thiagoellisson@yahoo.com.br MOURA.Camila

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei Tema 01: ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS NO BRASIL Imbricada em relações de poder, a educação dos surdos vem sendo pensada e definida, historicamente, por educadores ouvintes, embora possamos

Leia mais

TÍTULO: ESCOLA BILÍNGUE PARA SURDOS: A ESPERANÇA DE UM ENSINO COM DIGNIDADE

TÍTULO: ESCOLA BILÍNGUE PARA SURDOS: A ESPERANÇA DE UM ENSINO COM DIGNIDADE TÍTULO: ESCOLA BILÍNGUE PARA SURDOS: A ESPERANÇA DE UM ENSINO COM DIGNIDADE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE DIREITO FRANCISCO BELTRÃO AUTOR(ES):

Leia mais

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011.

Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro de 2011. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA CONSELHO SUPERIOR Resolução nº 30/CONSUP/IFRO, de 03 de outubro

Leia mais

Iniciando nossa conversa

Iniciando nossa conversa MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL Garantindo acesso e permanência de todos os alunos na escola Necessidades educacionais especiais dos alunos Iniciando nossa conversa Brasília 2005

Leia mais

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO INICIAÇÃO CIENTÍFICA PARA DEFICIENTE AUDITIVO: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA DE TRABALHO REALIZADO EM COLÉGIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Adriana Oliveira Bernardes UENF (Universidade do Estado do Norte

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 RELATO DE EXPERIÊNCIA DE UM PROJETO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO CARNEIRO DOS SANTOS Keegan Bezerra Ponce Escola Estadual Augusto Carneiro dos Santos RESUMO Ao exercer seu papel social,

Leia mais

SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA

SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA SÍNDROME DE DOWN E A INCLUSÃO SOCIAL NA ESCOLA Bárbara Lea Guahyba 1 Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O artigo aqui apresentado tem como tema a inclusão social de pessoas portadoras de síndrome de

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A IMPORTÂNCIA DO EDUCADOR NA ATUALIDADE ALMEIDA, Rozelaine Rubia Bueno D 1 Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre as mudanças na legislação do Ensino

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 11. EDUCAÇÃO PROFISSIONAL A educação profissional no Brasil já assumiu diferentes funções no decorrer de toda a história educacional brasileira. Até a promulgação da atual LDBEN, a educação profissional

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS.

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INTRODUÇÃO Susana Michels 1 Maria Preis Welter 2 O presente

Leia mais

O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade

O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade O ESTUDANTE COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NO ENSINO SUPERIOR: entre a utopia e a realidade Dulciana de Carvalho Lopes Dantas 1 INTRODUÇÃO A condição de vida das pessoas com deficiência intelectual nas fases

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NO ENSINO REGULAR: INVESTIGAÇÃO DAS PROPOSTAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DESENVOLVIDAS POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO DA EENAV GT 07 Educação Matemática, avaliação

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PARNAÍBA-PI 2014 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA DIRETOR ADMINISTRATIVO Prof. Esp. Walter Roberto

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL N. 01/2013 CONCURSO PÚBLICO 2013 INSTRUTOR SURDO I ATENÇÃO 17/11/2013 Toda a prova será projetada em libras. Antes de

Leia mais

A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES.

A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES. A INCLUSÃO ESCOLAR DE CRIANÇAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS: LIMITES E POSSIBILIDADES. Maria Erislândia de Aquino Gama Graduanda do Curso de Pedagogia/CAMEAM/UERN. Autora Disneylândia Maria Ribeiro Profª.

Leia mais

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

QUADRO DE EQUIVALENTES, CONTIDAS E SUBSTITUTAS DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO 28380 Antropologia Teológica A 1 34 28380 Antropologia Teológica A 1 34 A partir de conceitos teológicos, estimula o aluno a problematizar e analisar, criticamente, Equivalente Estuda a cultura humana,

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br

Av. Gen. Carlos Cavalcanti, 4748 - CEP 84030-900 - Tel. 0** (42) 220-3000 - Ponta Grossa Pr. - www.uepg.br CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA Turno: MATUTINO/NOTURNO MATUTINO CURRICULO Nº 1 NOTURNO CURRICULO Nº 1 Reconhecido pelo Decreto nº 3.554 de 15.02.01, D.O.E. de 16.02.01. Renovação de Reconhecimento

Leia mais

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO Jessica Fernanda Gonçalves Graduanda em Administração Faculdades Integradas de Três Lagoas FITL/AEMS Mariane Pereira Graduanda em Administração Faculdades

Leia mais

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís Danielle Vanessa Costa SOUSA Introdução O trabalho do tradutor/intérprete de língua brasileira de

Leia mais

ATIVIDADES DESENVOVLIDAS PELO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LEM- FOZ

ATIVIDADES DESENVOVLIDAS PELO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LEM- FOZ ATIVIDADES DESENVOVLIDAS PELO LABORATÓRIO DE ENSINO DE MATEMÁTICA LEM- FOZ Prof.a. Ms. Renata Camacho Bezerra UNIOESTE Campus de Foz do Iguaçu renatacb@unioeste.br Prof.a. Ms. Patrícia Sândalo Pereira

Leia mais

PRIMEIRO CURSO, EM ÂMBITO NACIONAL, DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO DE PESSOAS SURDAS UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

PRIMEIRO CURSO, EM ÂMBITO NACIONAL, DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO DE PESSOAS SURDAS UM RELATO DE EXPERIÊNCIA PRIMEIRO CURSO, EM ÂMBITO NACIONAL, DE PÓS- GRADUAÇÃO LATO SENSU EM FORMAÇÃO DE PROFESSORES PARA EDUCAÇÃO DE PESSOAS SURDAS UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Edna Misseno Pires 1 Mônica Pereira de Oliveira 2 RESUMO:

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Lei nº 12.796 de 04/04/2013

Lei nº 12.796 de 04/04/2013 O governo federal publicou nesta sexta-feira (5), no Diário Oficial da União, a lei número 12.796 que altera a lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Como novidade, o texto muda

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3

Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade. Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 Educação Online: um caminho para inclusão de Pessoas com Deficiência na sociedade Janae Gonçalves Martins 1 Andréa Miranda 2 Fernando José Spanhol 3 1 Universidade do Vale do Itajaí UNIVALI janaegm@univali.br

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMO REDE DE SERVIÇOS E APOIO NA EDUCAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES DA TEORIA HISTÓRICO-CULTURAL ANTUNES, Clarice Filipin de Castro (UNIOESTE) 1 ROSSETTO, Elisabeth (Orientadora/UNIOESTE)

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 325, de 2009, de autoria da Deputada Maria do Rosário, que regulamenta a profissão de Tradutor

Leia mais

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS:

TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: TEXTO RETIRADO DO REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA APAE DE PASSOS: Art. 3º - A Escola oferece os seguintes níveis de ensino: I. Educação Infantil: de 0 a 05 anos de idade. Educação Precoce de 0 a 03 anos Educação

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL

PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE NA ESCOLA ESPECIAL HELEN KELLER CAXIAS DO SUL UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL ELENISE PEREIRA PROJETO DE PESQUISA ACESSIBILIDADE

Leia mais

Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada

Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada Maria Isabel da Silva Jornalista e Gestora da Assessoria de Comunicação Institucional Daniela Loureiro Iacobucci Jornalista e Assessora de Imprensa

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br Educação Inclusiva Direito à Diversidade O Ensino comum na perspectiva inclusiva: currículo, ensino, aprendizage m, conheciment o Educação Inclusiva Direito à Diversidade Profª. Maria Ivone Grilo Martinimariaivone@superig.com.br

Leia mais

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS.

SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. SALA DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS: ESPAÇO PARA ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO A IMPLANTAÇÃO NO MUNICIPIO DE MONTES CLAROS. Leonice Vieira de Jesus Paixão UNIMONTES- Universidade Estadual de Montes

Leia mais

Carla de Carvalho Macedo Silva (CMPDI UFF)

Carla de Carvalho Macedo Silva (CMPDI UFF) CONSTRUÇÃO COLETIVA DO PLANO PEDAGÓGICO INDIVIDUALIZADO: IMPACTO NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL EM CLASSES REGULARES. Carla de Carvalho Macedo Silva (CMPDI UFF) Manuel

Leia mais

UM OLHAR PARA A INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES DAS POLÍTICAS INCLUSIVAS NESSA MODALIDADE DE ENSINO

UM OLHAR PARA A INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES DAS POLÍTICAS INCLUSIVAS NESSA MODALIDADE DE ENSINO UM OLHAR PARA A INCLUSÃO ESCOLAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONTRIBUIÇÕES DAS POLÍTICAS INCLUSIVAS NESSA MODALIDADE DE ENSINO BONDARENCO, Priscila Freire 1 pri_bondarenco@hotmail.com TOYSHIMA, Ana Maria da

Leia mais

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil

enfoque Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil enfoque Qual é a questão? Experiências e Desafios na Formação de Professores Indígenas no Brasil Luís Donisete Benzi Grupioni Doutorando em Antropologia Social pela Universidade de São Paulo e pesquisador

Leia mais