PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012. Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02"

Transcrição

1 PROCURADORIA-GERAL DISTRITAL DE LISBOA Coadjuvação Outubro 2012 Estudo sobre a atuação do Ministério Público face à Lei 5/2008, de 12/02 A Lei n.º 5/2008, de 12 de Fevereiro, aprovou a criação de uma base de dados de perfis de ADN para fins de identificação civil e criminal (adiante designada por base de dados). Considerada um mecanismo crucial para a investigação criminal, em particular no que respeita ao crime violento e organizado, têm surgido dúvidas na sua execução que estão a pôr em causa a sua eficácia, revelada no reduzido número de perfis inseridos nas bases de dados. A relevância deste mecanismo processual justifica uma reflexão sobre a atuação do Ministério Público no Distrito Judicial que permitam dinamizar e operacionalizar a base de dados, sem prejuízo de eventuais acertos futuros decorrentes do funcionamento do sistema e da jurisprudência que se for estabelecendo. I Síntese das conclusões No sentido de esclarecer dúvidas que têm surgido e de potenciar as vantagens das bases de dados de ADN como instrumento de investigação criminal, apresentam-se as principais conclusões sobre o regime legal, após coordenação e partilha de pontos de vista com o Instituto Nacional de Medicina Legal e Ciências Forenses e o Laboratório de Polícia Científica da Polícia Judiciária. a) A recolha de amostras de perfis de ADN em processos-crime pode destinar-se a uma comparação directa com um suspeito já identificado, com uma outra amostra não identificada ou à inserção na base de dados de perfis de ADN;

2 b) A recolha de amostras de ADN para comparação directa com vestígios recolhidos, sem recurso à base de dados, é regulada no Código de Processo Penal, sendo competência da autoridade judiciária que dirigir a fase do processo em que a recolha ocorrer, sem prejuízo da competência do juiz nas hipóteses previstas no n.º 3 do art. 154.º do CPP. Nos casos em que não se recorre às bases de dados, não se aplica o regime legal previsto na Lei 5/2008, de 12 de Fevereiro; c) O regime da Lei 5/2008, de 12 de Fevereiro, aplica-se apenas nos casos em que a recolha se destina a uma inserção ou interconexão (pesquisa) na base de dados, motivo pelo qual se estabelecem garantias adicionais, nomeadamente de intervenção judicial e de cumprimento de especiais deveres de informação; d) A recolha de ADN de suspeitos/arguidos, prevista no art. 8.º, n.º 1, da Lei 5/2008, depende da prévia constituição como arguido, é da competência do juiz e apenas deverá ser promovida pelo Ministério Público caso existam elementos que permitam suspeitar de uma actividade criminosa recorrente do arguido; e) Caso se pretenda que a recolha se destine a ambas as finalidades - comparação directa e pesquisa na base de dados -, aplica-se o regime mais exigente previsto na Lei 5/2008, de 12 de Fevereiro, ou seja, intervenção judicial, constituição como arguido e cumprimento dos respectivos deveres de informação; f) O produto da recolha efectuada nos termos do art. 8.º, n.º 1, não é inserido numa base de dados, destinando-se apenas à interconexão de dados (pesquisa) (art. 20.º). A inserção só será efectuada caso o arguido venha a ser condenado em pena de prisão igual ou superior a 3 anos; g) Compete ao Ministério Público decidir a inserção na base de dados de amostras não identificadas suspeitas de

3 pertencerem ao agente do crime (amostras-problema - art. 18.º, 2); h) Sempre que tenha sido recolhida uma amostra-problema, salvo se se destinar a uma comparação directa cuja identificação resulte positiva, será ordenada a respectiva inserção na base de dados; i) A recolha em pessoas condenadas com pena de prisão igual ou superior a 3 anos depende de decisão do Juiz, e destina-se à inserção numa base de dados de condenados; j) Sem prejuízo de entendimento diverso por parte do juiz de julgamento, tendo em conta o espírito e a letra da lei bem como os custos envolvidos com a recolha e análise de ADN, o Ministério Público apenas deve promover a respectiva recolha em pessoas condenadas quando os elementos do processo permitam indiciar um comportamento criminoso passado recorrente ou suspeitar que tal possa vir a ocorrer no futuro; k) No caso de condenados em pena de prisão igual ou superior a três anos de prisão cuja recolha já tenha sido efectuada nos termos do art. 8.º, n.º 1, deverá sempre ser promovida a inserção, uma vez que já foram cumpridos todos os formalismos legais da recolha e suportados os respectivos custos de análise; l) Estando em causa uma perícia de comparação de vestígios, sem recurso à base de dados, os resultados são comunicados à autoridade judiciária, nos termos do Código de Processo Penal; m) Estando em causa um registo positivo na base de dados, o INMLCF deverá comunicar ao processo que o mesmo foi obtido, sem qualquer identificação pessoal do suspeito; n) Compete ao juiz requerer o envio da identificação, de forma fundamentada, atestando a necessidade, proporcionalidade

4 e adequação da identificação para o exercício da acção penal; o) Os custos da recolha de amostras de suspeitos ou de amostras problema na fase de inquérito, seja para análise comparativa, nos termos do Código de Processo Penal, seja para pesquisa na base de dados, são adiantados pelo Estado, como custos da investigação criminal, e podem ser imputados ao arguido a final, em caso de condenação, nos termos gerais; p) Os custos da recolha de amostras em arguidos condenados, nos termos do art. 8.º, n.º 3 e 4, são adiantados pelo Estado, entendendo-se, por ora, não poderem ser imputados ao arguido no processo em causa. Apenas poderão ser posteriormente imputadas ao arguido, caso o mesmo venha a ser condenado num processo em que essa recolha tenha sido utilizada como meio de prova.

5 II Fundamentação Conclusões a) a f): Âmbito de aplicação da Lei n.º 5/2008, de 12 de Fevereiro recolha de amostras em suspeitos/arguidos O art. 1.º, n.º1, da Lei 5/2008, de 12 de Fevereiro, define como seu objecto o estabelecimento dos princípios de criação e manutenção de uma base de dados de perfis de ADN, para efeitos de identificação, regulando depois as matérias que lhe estão associadas. Ora, nem sempre a recolha de uma amostra de ADN em processo criminal exige o recurso à base de dados, tal como sucedia anteriormente à sua criação. Quando num processo são recolhidas amostras - por exemplo, no local do crime ou no corpo da vítima -, e existe um suspeito identificado, a comparação de ADN pode e deve ser feita directamente, sem qualquer justificação e necessidade de inserção ou pesquisa na base de dados. Neste caso, a perícia destina-se a comprovar suspeitas baseadas noutros meios de prova (depoimento da vítima, testemunhas, etc.), não sendo necessário sujeitar o suspeito a uma pesquisa numa base de dados. Assim, a recolha e a subsequente perícia segue as regras gerais do Código de Processo Penal, competindo à autoridade judiciária na fase de inquérito, ao Ministério Público - ordenar a sua realização. Uma vez que não se verifica o recurso à base de dados, não faz sentido aplicar o regime especial da lei 5/2008, nomeadamente informar o suspeito dos direitos e deveres associados à base de dados de ADN e da lei de protecção de dados pessoais, conforme se exige no art. 8.º, n.º 5. Entendimento contrário implicaria sujeitar todo o suspeito a quem foi recolhida uma amostra de ADN a uma desnecessária, inadequada e desproporcionada - e, por isso, ilegítima -, pesquisa numa base de dados. No caso da recolha a um suspeito para pesquisa na base de dados, não existem indícios que o associe a um determinado crime, mas apenas suspeitas

6 de que o mesmo tenha praticado crimes, não identificados, em que possam ter sido recolhidos vestígios biológicos. É precisamente para controlar a proporcionalidade da confrontação do suspeito com uma multiplicidade de amostras-problema, quando não é suspeito nos processos em que foram recolhidas, que se justifica a prévia constituição como arguido, a atribuição ao juiz de competência para ordenar a recolha art. 8.º, n.º 1, exigindo-se ainda deveres especiais de informação. O fundamento da recolha é diverso em cada um dos casos. Enquanto a sujeição a uma perícia de comparação directa se fundamenta na existência de outros meios de prova que indicam determinada pessoa como suspeito da prática daquele crime, a recolha para pesquisa na base de dados baseia-se na probabilidade de o suspeito ser autor de outros crimes em que tenham sido recolhidos vestígios biológicos inseridos da base de dados. Daqui decorre que só se justifica proceder a uma recolha nos termos do n.º 1 do art. 8.º, da Lei 5/2008, de 12 de Fevereiro, se existirem suspeitas de que o arguido de um processo terá praticado outros crimes (pense-se por exemplo, nos casos em que o agente confessa vários furtos, roubos ou abusos sexuais, ou é encontrado com objectos que indiciem a prática de outros crimes, etc.). Caso contrário, deixa de ser proporcional uma pesquisa na base de dados, sem prejuízo da posterior inserção em caso de condenação, nos termos dos n.º 2 ou 3 do art. 8.º. Acrescente-se, como esclarecimento destas distintas finalidades, que a recolha de amostras do suspeito, prevista no art. 8.º, n.º 1, não se destina à inserção do perfil do suspeito na base de dados, mas apenas a uma interconexão de dados (art. 20.º), ou, por outras palavras, a uma pesquisa. Como se retira do art. 15.º, não existe uma base de dados de suspeitos, de amostras recolhidas nos termos do n.º 1 do art. 8.º. Por isso o art. 9.º, als. a) e c) excepciona as recolhas nos termos do n.º 1 do artigo 8.º e o art. 18.º não menciona qualquer inserção dos dados recolhidos nos termos do art. 8.º, n.º 1. Se a pesquisa for infrutífera, o perfil de ADN não fica em qualquer base de dados. A inserção só ocorre caso esse suspeito venha a ser condenado em

7 pena de prisão superior a 3 anos art. 18.º, n.º 3 -, prescindindo-se, naturalmente, de nova recolha (cfr. art. 8.º, 2, e 3: não se tenha procedido à recolha da amostra nos termos do n.º 1 ). A este entendimento não se opõe a norma do art. 34.º, 2, que, embora suscite alguma perplexidade, parece apenas destinar-se, como decorre da epígrafe, a regular o momento em que se procede à destruição das amostras nos casos do art. 8.º, 1 que não integram qualquer ficheiro do art. 15.º e por isso não estão previstas nos restantes números do mesmo artigo e, eventualmente, face ao disposto no art. 8.º, n.º 6, à necessidade de nova recolha caso o suspeito seja identificado como autor de outros crimes e os processos não sejam incorporados de acordo com as regras de conexão (também por este motivo, de validação da amostra e concentração da investigação, deve ser promovida a conexão processual). Caso se pretenda que a recolha se destine a ambas as finalidades - comparação directa e pesquisa na base de dados -, aplica-se o regime mais exigente previsto na Lei 5/2008, de 12 de Fevereiro; Conclusões g) e h): A recolha de amostras problema No que se refere à recolha de amostras não identificadas, suspeitas de pertencerem ao agente do crime, não se identificaram problemas relevantes. Nestes casos está-se perante perfis de ADN que se suspeita pertencerem ao agente do crime, mas que não se sabe a quem poderão respeitar. Ora, os perfis de ADN revelam-se cruciais para comparar com as amostras de suspeitos ou condenados inseridas da base de dados que, em caso de identificação, servirão para a prossecução do processo ou para comparar com outras amostras-problema, apoiando a investigação (associando dois ou mais crimes). A inserção destas amostras na base de dados, que vão alimentar o ficheiro de amostras problema constantes do art. 15.º, 1, al. d), da lei 5/2008, compete, na fase de inquérito, ao Ministério Público (art. 18.º, 2).

8 Sendo amostras não identificadas, a sua inserção numa base de dados destina-se a permitir identificar os autores dos crimes, por cruzamento (interconexão). Salvo se se destinarem a um comparação directa com um suspeito, que resulte positiva, deverá sempre ser ordenada a sua inserção na base de dados. Saliente-se que a maioria das amostras problema estarão associadas a inquéritos registados contra desconhecidos, objecto de um despacho de arquivamento tabelar. Assim, alerta-se para um especial cuidado neste tipo de processos, detectando se foram recolhidas amostras-problema para inserção, devendo os órgãos de polícia criminal ser sensibilizados para uma particular menção no expediente. Conclusões i), j) e k): Recolha e inserção de perfis de pessoas condenadas Ao contrário da recolha de suspeitos não condenados (arguidos), a recolha de amostras em pessoas condenadas com pena de prisão igual ou superior a 3 anos destina-se à inserção numa base de dados (art. 18.º, 3). A partir desta inserção, o perfil de ADN passará a constar do ficheiro previsto no art. 15.º, 1, al. e), face ao qual qualquer amostra problema será confrontada. Suscita-se a dúvida sobre a natureza do juízo subjacente ao despacho do juiz. Alguns entendem que a recolha é obrigatória 1, não competindo ao juiz fazer qualquer ponderação. Entendimento contrário pode sustentar-se na exigência legal de um despacho (ao contrário, por exemplo, do registo criminal, que depende de uma mera comunicação -cfr. art. 5.º da Lei 57/98, de 18 de Agosto), bem como no teor do diploma, que parece exigir sempre uma ponderação de valores como fundamento de qualquer inserção de um perfil identificado (em salvaguarda dos princípios da proporcionalidade, necessidade e adequação). 1 Leite, Inês Ferreira, A nova base de dados de perfis de A.D.N., IDPCC, acessível em

9 Adoptando este último entendimento, constata-se que a lei é omissa quanto aos critérios que fundamentam a inserção na base de dados. Sem prejuízo da oportunidade de uma intervenção do legislador no sentido de esclarecer se se trata de um efeito automático ou não e, neste último caso, quais os critérios que deveriam ser seguidos (lista de crimes, arguidos reincidentes, etc), por ora, até por motivos económicos, a decisão deverá ponderar se, do processo em causa, existem elementos de facto que tornem provável que o agente tenha praticado ou venha a praticar no futuro outros crimes (por exemplo, agentes de crimes contra o património com dependências, reincidentes ou agindo em grupo, agentes de crimes sexuais com determinado perfil psicológico, etc). Caso se evidencie estarmos perante um facto isolado, não deverá promover-se a recolha para inserção na base de dados. No entanto, caso já tenha sido efectuada a recolha nos termos do n.º 1 do art. 8.º, deve, salvo casos muito especiais, promover-se a inserção. Não só porque o primeiro despacho judicial art. 8.º, n.º 1 - já teve em conta as suspeitas da prática de outros crimes, como porque os custos já foram suportados. Conclusões l), m) e n): Comunicação de identificações A pesquisa e comunicação dos dados é regulada no art. 19.º, exigindo-se um requerimento fundamentado do juiz, após o que os dados lhe serão comunicados para, por sua vez, serem comunicados ao Ministério Público e aos órgãos de polícia criminal. É sabido que quando um perfil de amostra problema, de suspeito ou de condenado, é lido pela base de dados (apenas as amostras problema e os perfis de condenados são inseridos, sendo os dos suspeitos apenas cruzados, sem inserção), se produz, automaticamente, a comparação com todos os registos existentes (interconexão de dados art. 20.º). Quando é ordenada a inserção ou pesquisa na base de dados, o magistrado não sabe se o perfil vai permitir qualquer identificação de suspeito de um determinado crime. Sendo assim, poderia questionar-se em que circunstâncias

10 surge o despacho judicial previsto no art. 19.º. Na verdade, quem insere a amostra problema é o Ministério Público, que não sabe se a mesma corresponde a alguém com perfil constante da base de dados. Por sua vez, quando o juiz ordena a recolha de suspeitos ou condenados, também não sabe se vai ocorrer qualquer identificação, muito menos o processo onde foi recolhida a amostra-problema (que seria o processo ). Deverá distinguir-se o primeiro despacho de inserção e interconexão de dados com o segundo despacho, em que é pedida a identificação do suspeito. Assim, o primeiro apenas determina a inserção de uma amostra, efectuandose automaticamente a interconexão. Neste caso ainda não estamos no âmbito do art. 19.º. Caso ocorra um registo positivo, o INMLCF comunica esse facto aos dois processos onde foram recolhidas as amostras, mas ainda sem qualquer elemento identificativo (dados pessoais, conforme consta da aliena g) do art. 2.º), até porque esses dados pessoais se encontram numa base de dados autónoma cfr. art. 15.º, 2. O magistrado competente em regra, o MP, pois o processo estará na fase de inquérito -, caso entenda ser importante essa identificação porque o crime não está prescrito, não ocorreu desistência de queixa, etc. -, solicita ao juiz que elabore o requerimento fundamentado previsto no art. 19.º, 1., al. a), permitindo a este controlar a pertinência do pedido de identificação para a descoberta da verdade, nomeadamente por não existir qualquer impedimento processual para a prossecução do processo (por exemplo, prescrição, desistência de queixa, etc). Não é legítimo aceder a dados pessoais sem qualquer viabilidade do exercício da acção penal. Uma vez recebida a identificação, o juiz comunica ao Ministério Público e ao órgão de polícia criminal. Conclusões o) e p): Dos custos da recolha Nos termos da portaria 175/2011, de 28 de Abril, alínea d), n.º 5, a identificação genética em amostra, em pessoa, custa 2 UC ( 204), ao que acresce 0,3 UC

11 ( 68) caso a colheita seja realizada em local diferente daquele onde a perícia se realiza. Ora, a reclamação deste valor aos tribunais, sobretudo nos casos de condenados, tem suscitado algumas dúvidas sobre a recolha. Embora acreditemos que a simples adopção das orientações acima expostas limitem de forma proporcional os casos de recolha, obstando a que se atinjam valores que uma recolha indiscriminada a suspeitos e condenados implicaria, importa dirimir a questão do processamento e imputação dos custos. Cumpre distinguir os casos de: a) Recolha de amostras de suspeitos ou de amostras problema, sem os formalismos da Lei 5/2008; b) Recolha e inserção de amostras problema; c) Recolha de amostras de suspeito, nos termos do art. 8.º, n.º 1. d) A recolha de amostras em condenado, nos termos do art. 8.º, n.º 3 e 4; No primeiro caso, de perícias directas entre suspeitos e amostras associadas a um concreto crime em investigação, são convocáveis as regras gerais de custas já aplicadas antes da Lei 5/2008. Tratam-se de encargos que são assumidos na investigação, adiantados pelo Estado e imputados no final ao arguido, em caso de condenação. No que se refere a amostras problema para inserção na base de dados, os custos deverão ser adiantadas pelo Estado, como encargos da investigação. Caso mais tarde venha a ser identificado um suspeito, o processo irá prosseguir e, em caso de condenação, ser-lhe imputado o custo, mais uma vez nos termos gerais. Nos restantes casos, de recolha a suspeitos ou condenados, para pesquisa ou inserção na base de dados, já vimos que ela pode não se destinar apenas a investigar aquele crime em concreto, mas a verificar se o arguido praticou outros crimes, noutros processos.

12 Sendo assim, essa recolha poderá dar origem a uma condenação, no mesmo ou noutro processo. Consequentemente, caso o produto dessa recolha venha a constituir meio de prova num processo, após registo positivo, poderá (deverá) ser imputada a esse arguido, na hipótese de condenação. Não se vê qualquer óbice a que a recolha tenha sido feita num processo e a imputação de custos tenha lugar num outro, onde essa prova foi utilizada (caso exista conexão de processos na fase de inquérito, esse problema nem se coloca, pois a prova foi valorada no mesmo processo). Em conclusão, em todos os casos essas recolhas serão adiantadas pelo Estado (IGFIJ) sendo imputadas ao arguido, em caso de condenação, no mesmo ou noutro processo onde essa prova venha a ser utilizada. Mesmo adoptando este entendimento, considerando a elevada probabilidade dos valores nunca virem a ser recuperados (seja pela ausência da prática de crimes seja pela falta de recursos por parte dos arguidos), deverá assegurar-se a prévia existência de verbas nos orçamentos dos tribunais.

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais 1 Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais Autora: Vânia Costa Ramos, a d v o g a d a estagiária, e-mail: Vaniacostaramos@netcabo.pt

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação

Nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 201.º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: CAPÍTULO I Campo de aplicação A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo do Decreto-Lei n.º 14/90, de 8 de Janeiro, não substitui a consulta da sua publicação em Diário da República. Decreto-Lei n.º 14/90 de 8 de Janeiro

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima Processo n.º 78/2015 Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência Recorrente: A Recorrido: Ministério Público Data da conferência: 13 de Janeiro de 2016 Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou

Leia mais

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO Transitada em julgado Proc. n.º 70/2013 - PAM 2ª Secção SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO I. Relatório 1 Nos presentes autos vai o presidente da Assembleia Distrital da Guarda, Júlio José Saraiva Sarmento,

Leia mais

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto)

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Sumário Aplicação da lei no tempo e regime dos recursos em legislação extravagante Simplificação do regime de

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA

REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA REGULAMENTO DE ESTACIONAMENTO DO MUNÍCIPIO DE VILA NOVA DE GAIA 2 Preâmbulo Considerando que o progressivo aumento do parque automóvel e, consequentemente, da procura de estacionamento para satisfação

Leia mais

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS

POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS POC 13 - NORMAS DE CONSOLIDAÇÃO DE CONTAS 13.1 - Aspectos preliminares As demonstrações financeiras consolidadas constituem um complemento e não um substituto das demonstrações financeiras individuais

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE LEGISLAÇÃO GERAL

FICHA TÉCNICA DE LEGISLAÇÃO GERAL FICHA TÉCNICA DE LEGISLAÇÃO GERAL Guarda Nacional Republicana TÍTULO ARMAS E MUNIÇÕES ASSUNTO FISCALIZAÇÃO DE ARMAS E MUNIÇÕES FICHA N.º 2.1 DATA OUT10 REVISÃO CLASS. SEG. N/CLASS 1. ENQUADRAMENTO JURIDICO/LEGAL

Leia mais

PARECER N.º 103/CITE/2010

PARECER N.º 103/CITE/2010 PARECER N.º 103/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais

Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Orientações sobre o tratamento de dados dos documentos de identificação dos titulares de cartão de pagamento por parte das firmas comerciais Muitas firmas comerciais de Macau solicitam o fornecimento de

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho

LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO. Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO Lei n.º 06/2004 de 17 de Junho Lei nº 06/2004 de 17 de Junho Havendo necessidade de introduzir mecanismos complementares de combate à corrupção, nos termos do n.º 1 do artigo

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA justifiquem, concretamente, como e quando vieram à sua posse ou não demonstrem satisfatoriamente a sua origem lícita, são punidos com pena de prisão até três anos e multa até 360 dias. 2 O disposto no

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE

REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGIMENTO INTERNO AVALIAÇÃO DO PESSOAL NÃO DOCENTE Artigo 1.º Objectivos da avaliação A avaliação do pessoal não docente visa: a) A avaliação profissional, tendo em conta os conhecimentos, qualidades e

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM 01 APROVADO POR: CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO 16 03 2012 Data: 16/03/2012 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO EM ENFERMAGEM Artigo 1º (Natureza e âmbito de aplicação)

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013

Economia Digital e Direito. Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas. Carolina Leão Oliveira. 19 Novembro 2013 Economia Digital e Direito Privacy, Dados Pessoais e Correio Electrónico nas Empresas Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Carolina Leão Oliveira 19 Novembro 2013 Matéria em causa: Uso do

Leia mais

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Processo CJ n.º: 38/2015 Jogo: Recorrente Relator: GD Direito / CDUL (Campeonato da Divisão de Honra) Lino António Salema Noronha Tudela

Leia mais

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015

ASSEMBLEIA NACIONAL 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 718 I SÉRIE N O 24 «B. O.» DA REPÚBLICA DE CABO VERDE 14 DE ABRIL DE 2015 ASSEMBLEIA NACIONAL Lei n.º 86/VIII/2015 de 14 de Abril Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta, nos termos da alínea

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Nº 52 Setembro de 2013 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix No início deste mês, entrou em vigor o novo Código do Processo Civil, diploma estrutural da vida

Leia mais

Regulamento de Identificação dos Empregados Forenses dos Advogados

Regulamento de Identificação dos Empregados Forenses dos Advogados Regulamento de Identificação dos Empregados Forenses dos Advogados Artigo 1º Os advogados e sociedades de advogados que tenham ao seu serviço empregados que exercem funções junto das secretarias judiciais

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS RESPOSTAS DE MOÇAMBIQUE (Associação Moçambicana de Juízes) Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP)

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Data: 2016-01-14 Pág. 1 de 13 Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor

ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. CAPÍTULO I Estatuto do Provedor ESTATUTO E REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Artigo 1.º Âmbito Em cumprimento do disposto no Artigo 158.º, n.º 3, do Anexo I, da Lei n.º 147/2015, de 9 de setembro (que aprova o regime jurídico de acesso

Leia mais

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL

ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL ACORDO ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E BELIZE SOBRE TROCA DE INFORMAÇÕES EM MATÉRIA FISCAL A República Portuguesa e Belize a seguir designadas por as Partes, Desejando facilitar a troca de informações em

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

Lei n.º 37/2015, de 5/5. Lei da identificação criminal

Lei n.º 37/2015, de 5/5. Lei da identificação criminal (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 37/2015, de 5/5 Lei da identificação criminal CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto A presente lei estabelece o regime jurídico da identificação

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS FREGUESIA DA MOITA Preâmbulo Com a publicação da Lei 53-E/2006, de 29 de Dezembro, alterada pela Lei 64-A/2008 de 31 de Dezembro, tornou-se necessário a adaptação da Tabela

Leia mais

Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil

Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil A 3ª Reunião Anual da Justiça Administrativa, tem como tema Um Novo Processo para a Justiça Administrativa. O

Leia mais

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal

Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal Município de Alfândega da Fé Câmara Municipal REGULAMENTO INTERNO DE USO DE VEÍCULOS MUNICIPAIS Artigo 1º Objectivo O Regulamento Interno de Uso de Veículos Municipais visa definir o regime de utilização

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA. Capítulo 1. Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º. Artigo 2º. Capítulo II Da Recolha 1 REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE GOUVEIA Capítulo 1 Constituição e Funções do Arquivo Municipal. Artigo 1º O Arquivo Municipal da Câmara Municipal de Gouveia (C.M.G.) compreende o âmbito, funções

Leia mais

Direito Processual Penal Especial

Direito Processual Penal Especial FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA FREDERICO DE LACERDA DA COSTA PINTO Direito Processual Penal Especial Programa (Ano lectivo de 2013-2014, 2.º ciclo, 2.º semestre) Introdução 1. Objecto

Leia mais

Comunicações recebidas no CPC em 2012

Comunicações recebidas no CPC em 2012 Mod. TC 1999.001 Apreciado em reunião do CPC, de 3 de Abril de 2013 Comunicações recebidas no CPC em 2012 Análise descritiva Nos termos do art.º 9.º, n.º 3, da Lei n.º 54/2008, de 4 de Setembro, «sem prejuízo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho O Decreto-Lei n.º 142/2000, de 15 de Julho, aprovou o regime jurídico do pagamento dos prémios de seguro. Com a publicação deste diploma, procurou alcançar-se um

Leia mais

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 Artigo 14.º Norma revogatória É revogada a Portaria n.º 571/2008, de 3 de julho. Artigo 15.º Produção de efeitos 1 A presente portaria

Leia mais

PARECER N.º 22/CITE/2005

PARECER N.º 22/CITE/2005 PARECER N.º 22/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho e da alínea a) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004,

Leia mais

Segredo de Estado Lei n. o 6/94 de 7 de Abril

Segredo de Estado Lei n. o 6/94 de 7 de Abril Segredo de Estado Lei n. o 6/94 de 7 de Abril A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 164. o, alínea d), 168. o, n. o 1, alíneas b), c) e r), e 169. o, n. o 3, da Constituição, o seguinte:

Leia mais

A Sentença, em especial a decisão de facto

A Sentença, em especial a decisão de facto Jornadas de Processo Civil CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS Fórum Lisboa 19 de Abril de 2013 A Sentença, em especial a decisão de facto Com base no texto final da Proposta de Lei n.º 113/XII, aprovado na

Leia mais

Um Novo Processo Penal: Precisa-se

Um Novo Processo Penal: Precisa-se compilações doutrinais UM NOVO PROCESSO PENAL PRECISA-SE Rogério Osório PROCURADOR-ADJUNTO VERBOJURIDICO VERBOJURIDICO UM NOVO PROCESSO PENAL - PRECISA-SE : 2 Um Novo Processo Penal: Precisa-se Rogério

Leia mais

Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4

Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4 Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4 (Autos em recurso penal) Assuntos: toxicodependente suspensão de execução da pena de prisão maus resultados nos testes de urina rejeição voluntária do internamento

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS ORAIS DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO

REGULAMENTO DAS PROVAS ORAIS DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO REGULAMENTO DAS PROVAS ORAIS DE AVALIAÇÃO E AGREGAÇÃO APROVADO PELO CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS NO ÂMBITO DO REGULAMENTO N.º 52-A/2005 DO CONSELHO GERAL A formação e avaliação têm

Leia mais

Postura Geral das Zonas de Estacionamento Automóvel Reservado. a Moradores no Município do Funchal

Postura Geral das Zonas de Estacionamento Automóvel Reservado. a Moradores no Município do Funchal Postura Geral das Zonas de Estacionamento Automóvel Reservado a Moradores no Município do Funchal Nota Justificativa O Município do Funchal, através do seu órgão executivo, tem progressivamente implementado

Leia mais

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego

Medidas de Apoio à Contratação. Medida Estágio Emprego COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS Medidas de Apoio à Contratação CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Ana Henriques Moreira Portugal Agosto 2014 Entre 24 e 30 de Julho do corrente

Leia mais

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação

Portugal. 2. Quadro institucional e jurídico 2.1 Legislação Portugal 1. Informações gerais Em finais dos anos 90, algumas organizações não-governamentais começaram a detectar mudanças na prostituição de rua no norte de Portugal. Novos projectos tentaram identificar

Leia mais

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA

ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer interpretativo da ERSE (ao abrigo do artigo 290.º do Regulamento de Relações Comerciais) Julho de 2005 ACERTOS DE FACTURAÇÃO DE ENERGIA ELÉCTRICA Parecer

Leia mais

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc Ficha Informativa 3 Março 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Quais são os serviços

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DENTÁRIA CONCURSO PÚBLICO N.º 3.09 CADERNO DE ENCARGOS (Conforme art.42º do Decreto Leinº18/2008 de 29 de Janeiro de 2008) Cláusula 1.ª Objecto 1. O presente

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO

DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO DIREITO CONSTITUCIONAL PODER LEGISLATIVO Atualizado em 03/11/2015 PODER LEGISLATIVO No plano federal temos o Congresso Nacional composto por duas casas (Câmara dos Deputados e Senado Federal). No âmbito

Leia mais

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A.

BBVA Fundos Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. N.º de Processo: 9/2009 Entidade Reclamada: Identificação: Futuro - Sociedade Gestora de Fundos de Pensões, S.A. Morada: Avª. General Firmino Miguel, n.º 5, 9º B, 1600-100 Lisboa Fundo de Pensões Aberto:

Leia mais

Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro

Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro Portaria n.º 10/2008 de 3 de Janeiro (Com as alterações introduzidas pela Portaria n.º 210/2008 de 29/2 e pela Portaria n.º 654/2010 de 11/8) SUMÁRIO Regulamenta a lei do acesso ao direito, aprovada pela

Leia mais

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 8/B/2004 Data: 17-06-2004 Entidade visada: Ministra da Justiça Assunto: Código das Custas Judiciais Prazo de validade dos cheques. Decreto n.º 12 487, de 14 de Outubro de 1926 Prazo de reclamação

Leia mais

SUMÁRIO. Processo n.º 55 / 2008 Recurso penal Data da conferência: 14 de Janeiro de 2009 Recorrente: A

SUMÁRIO. Processo n.º 55 / 2008 Recurso penal Data da conferência: 14 de Janeiro de 2009 Recorrente: A Processo n.º 55 / 2008 Recurso penal Data da conferência: 14 de Janeiro de 2009 Recorrente: A Principais questões jurídicas: - Crime de tráfico de drogas - Quantidade diminuta de várias drogas SUMÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

COMO O REGIME E O MODO DE CÁLCULO DA COMPENSAÇÃO APLICÁVEL AOS CONTRATOS OBJETO DESSA RENOVAÇÃO

COMO O REGIME E O MODO DE CÁLCULO DA COMPENSAÇÃO APLICÁVEL AOS CONTRATOS OBJETO DESSA RENOVAÇÃO INFORMAÇÃO N.º 149 Período de 1 a 7 de novembro de 2013 PRINCIPAL LEGISLAÇÃO DO PERÍODO REGIME DE RENOVAÇÃO EXTRAORDINÁRIA DOS CONTRATOS DE TRABALHO A TERMO CERTO, BEM COMO O REGIME E O MODO DE CÁLCULO

Leia mais

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE

PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE Meritíssimo Conselheiro Presidente do Tribunal Constitucional PEDIDO DE FISCALIZAÇÃO DA CONSTITUCIONALIDADE: R-638/00 (A6) DATA: 2000-04-06 Assunto: Motorista

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO Campus Universitário de Viseu Instituto Superior de Estudos Interculturais e Transdisciplinares (ISEIT)/ Viseu REGULAMENTO DE FREQUÊNCIA E AVALIAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIAS DA NUTRIÇÃO ANO LETIVO DE 2012-2013

Leia mais

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 06722/10 Secção: 2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Data do Acordão: Relator: Descritores: Sumário: 14-10-2010 RUI PEREIRA OPOSIÇÃO À

Leia mais

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada por Tranquilidade e o Tomador do Seguro mencionado nas

Leia mais

ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA*

ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA* ALGUMAS MEDIDAS DE PROTECÇÃO E ASSISTÊNCIA DAS VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA* *O texto corresponde, no essencial, à conferência proferida no Porto, na Universidade Portucalense, no dia 23 de Fevereiro

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X PROPOSTA DE RESOLUÇÃO N.º 1/X Nos termos da alínea d) do n.º 1 do artigo 197.º da Constituição, o Governo apresenta à Assembleia da República a seguinte proposta de Resolução: Aprovar, para ratificação,

Leia mais

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS

6 INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS 6. Intermediários Financeiros O QUE SÃO INTERMEDIÁRIOS FINANCEIROS? Intermediários financeiros são as empresas prestadoras dos serviços que permitem aos investidores actuar

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros. Better regulation do sector financeiro Conselho Nacional de Supervisores Financeiros Better regulation do sector financeiro Relatório da Consulta Pública do CNSF n.º 1/2007 1 CONSELHO NACIONAL DE SUPERVISORES FINANCEIROS RELATÓRIO DA CONSULTA

Leia mais

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007

Avisos do Banco de Portugal. Aviso nº 2/2007 Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 2/2007 O Aviso do Banco de Portugal nº 11/2005, de 13 de Julho, procedeu à alteração e sistematização dos requisitos necessários à abertura de contas de depósito bancário,

Leia mais

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público DIRETIVA n.º 3/2014 Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público A entrada em vigor do Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado pela Lei n.º 23/2013, de

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE APRECIAÇÃO LIMINAR E DE PROCESSO DISCIPLINAR

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE APRECIAÇÃO LIMINAR E DE PROCESSO DISCIPLINAR MANUAL DE PROCEDIMENTOS DE APRECIAÇÃO LIMINAR E DE PROCESSO DISCIPLINAR 2009/2010 PARTE I INTRODUÇÃO... 4 1. INTRODUÇÃO... 4 2. OS OBJECTIVOS... 5 3. A RELEVÂNCIA DO ÂMBITO DA COMPETÊNCIA DISCIPLINAR DA

Leia mais

Portaria n.º 124/99, de 17 de Fevereiro Ensaios clínicos de medicamentos veterinários

Portaria n.º 124/99, de 17 de Fevereiro Ensaios clínicos de medicamentos veterinários Ensaios clínicos de medicamentos veterinários A elevada complexidade de muitas patologias animais motiva a incessante procura da medicina e da indústria farmacêutica com o objectivo de se investigar ou

Leia mais

Regulamento de Gestão de Reclamações

Regulamento de Gestão de Reclamações Regulamento de Gestão de Reclamações no Banco Santander Totta, SA Introdução A Qualidade de Serviço é, para o Banco Santander Totta, SA, um referencial e a forma por excelência de se posicionar e distinguir

Leia mais

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- Obrigação de registar Determinação do momento relevante para efeitos do cumprimento da obrigação de registar relativamente a acto cujo registo é promovido por via electrónica,

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 124/IX ALTERA AS REGRAS DO SIGILO BANCÁRIO E GARANTE A TRANSPARÊNCIA FISCAL Exposição de motivos O sigilo bancário foi instituído em Portugal, como noutros países, como uma garantia

Leia mais

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL

REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL REGULAMENTO DA AGMVM N.º 1/2012 SUPERVISÃO PRUDENCIAL A recente crise financeira internacional em que vivemos e os seus efeitos no sector financeiro suscitaram uma profunda reflexão internacional sobre

Leia mais

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS

POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS POLÍTICAS DE DROGAS E DIREITOS HUMANOS Para a construção de um memorandum dos juízes dos países e territórios de língua oficial portuguesa (UIJLP) no âmbito da 1ª Conferência Internacional sobre Políticas

Leia mais

Menos positivas e, em minha opinião, perigosas serão outras alterações introduzidas a esta medida de coacção.

Menos positivas e, em minha opinião, perigosas serão outras alterações introduzidas a esta medida de coacção. Igualdade de armas No passado mês de Setembro, quando fui investido nas funções de juiz de direito do Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, no acto de tomada de posse, prestei o compromisso público

Leia mais

Colóquio anual sobre Direito do Trabalho Outubro/2009 Despedimento para a Reestruturação (da empresa) Intervenção em mesa redonda

Colóquio anual sobre Direito do Trabalho Outubro/2009 Despedimento para a Reestruturação (da empresa) Intervenção em mesa redonda Colóquio anual sobre Direito do Trabalho Outubro/2009 Despedimento para a Reestruturação (da empresa) Intervenção em mesa redonda Quero começar por agradecer ao Supremo Tribunal de Justiça, por intermédio

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria Processo n.º 26/2005. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: Secretário para a Segurança. Recorridos: A e B. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto.

Leia mais

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior

Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior DESPACHO CONJUNTO Ministro de Estado, das Actividades Económicas e do Trabalho, Ministro de Estado e da Presidência e Ministra Ciência e Ensino Superior Considerando a Decisão da Comissão nº C (2004) 5735,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição

REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição REGULAMENTO DA COMISSÃO DE AUDITORIA BANCO ESPÍRITO SANTO, S. A. Artigo 1.º Composição 1. A Comissão de Auditoria do Banco Espírito Santo (BES) (Comissão de Auditoria ou Comissão) é composta por um mínimo

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 962 Diário da República, 1.ª série N.º 30 12 de Fevereiro de 2008 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 5/2008 de 12 de Fevereiro Aprova a criação de uma base de dados de perfis de ADN para fins de identificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho

MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho MINISTÉRIO DA SOLIDARIEDADE, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL Portaria n.º 149-A/2014 de 24 de julho O Governo considera prioritário a continuação da adoção de medidas ativas de emprego que incentivem a contratação

Leia mais

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira

Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira 1 de 9 Regulamento do Fundo de Responsabilidade Social do Hospital Vila Franca de Xira PREÂMBULO O Hospital Vila Franca de

Leia mais

Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22

Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22 Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22 (Autos de recurso penal com enxerto cível) Assuntos: insuficiência para a decisão da matéria de facto provada objecto do processo acção penal enxerto cível

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM ANIMAÇÃO DIGITAL CAPÍTULO I GRAU DE MESTRE Artigo 1.º Criação A ESAP Guimarães confere o grau de Mestre em Animação Digital. O ciclo de estudos

Leia mais

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Recurso nº 69/2003 30 de Outubro de 2003 Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Sumário 1. O pedido de pagamento das rendas é deduzido

Leia mais

Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente. Regulamento

Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente. Regulamento Instituto Politécnico de Coimbra (IPC) Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente Regulamento Artigo 1.º Objecto O presente regulamento define o processo de avaliação do desempenho do pessoal docente a

Leia mais

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A.

REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE. Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. REGULAMENTO DO PROVEDOR DO CLIENTE Médis - Companhia Portuguesa de Seguros de Saúde, S.A. 1 O presente regulamento define as regras que orientam a função do Provedor do Cliente da Médis - Companhia Portuguesa

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL

DIREITO PROCESSUAL PENAL DIREITO PROCESSUAL PENAL Objectivos, métodos de trabalho, programa e bibliografia Ano lectivo de 2015-2016 (1.º Ciclo, 1.º Semestre) Regente: Frederico de Lacerda da Costa Pinto OBJECTIVOS 1. Conhecer

Leia mais

COMENTÁRIOS do SMMP AO PROJECTO de PORTARIA que FIXA a ESTRUTURA do GABINETE DE RECUPERAÇÃO de ACTIVOS

COMENTÁRIOS do SMMP AO PROJECTO de PORTARIA que FIXA a ESTRUTURA do GABINETE DE RECUPERAÇÃO de ACTIVOS COMENTÁRIOS do SMMP AO PROJECTO de PORTARIA que FIXA a ESTRUTURA do GABINETE DE RECUPERAÇÃO de ACTIVOS 1. Objecto O presente projecto Portaria visa, nos termos do seu artigo 1.º, e da exposição de motivos

Leia mais

PARECER N.º 135/CITE/2009

PARECER N.º 135/CITE/2009 PARECER N.º 135/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Despedimento por facto

Leia mais