PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE"

Transcrição

1 PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2015

2 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: CNPJ: / Telefones: (24) / Site: PREFEITO MUNICIPAL: Álvaro Cabral da Silva SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: Telefones: (24) CNPJ: Fundo Municipal de Saúde: / SECRETÁRIO MUNICIPAL DE SAÚDE: Sérgio Gomes da Silva Elaboração da Programação Anual de Saúde 2015: Diretorias, Coordenações e Equipe Técnica da SMS. Formatação Final: Diretoria de Planejamento em Saúde.

3 3 ÍNDICE 1 Orçamento 2015 da Secretaria Municipal de Saúde Diretrizes, Objetivos Específicos, Metas, Ações e Indicadores DIRETRIZ 1 FORTALECIMENTO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS E OUTROS AGRAVOS - Vigilância em Saúde (Ambiental, Epidemiológica, Saúde do Trabalhador, Promoção da Saúde) - Vigilância Sanitária DIRETRIZ 2 GARANTIA DA INTEGRALIDADE DA ATENÇÃO, COM EQUIDADE E EM TEMPO ADEQUADO AO ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE SAÚDE - Atenção Básica, Atenção Especializada/Assistência à Saúde, Assistência Farmacêutica, PAISMCA, Saúde do Idoso/Doenças Crônicas, Regulação, Controle, Avaliação e Auditoria, Urgência/Emergência, Saúde Mental 3ª DIRETRIZ PROMOÇÃO À SAÚDE POR MEIO DE MEDIDAS VOLTADAS AO CONTROLE DE DETERMINANTES E CONDICIONANTES DA SAÚDE DA POPULAÇÃO - Promoção da Saúde, Prevenção da Saúde 4ª DIRETRIZ FORTALECIMENTO DA GESTÃO INTERFEDERATIVA DO SUS, DE MODO A MELHORAR E APERFEIÇOAR A CAPACIDADE RESOLUTIVA DAS AÇÕES E SERVIÇOS PRESTADOS À POPULAÇÃO - Fundo Municipal de Saúde, Almoxarifado da Saúde, Transporte, Educação Permanente em Saúde, Planejamento, Conselho Municipal de Saúde, Ouvidoria.

4 4 1- ORÇAMENTO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE O Orçamento do Fundo Municipal de Saúde para o ano de 2015 está previsto, inicialmente, em R$ ,79. Os recursos de todas as áreas e programas de Secretaria Municipal de Saúde estão, de alguma forma, contemplados na LOA 2015.

5 5 EIXO I: CONDIÇÕES DE SAÚDE DA POPULAÇÃO DIRETRIZ 1 FORTALECIMENTO DAS AÇÕES DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DE DOENÇAS E OUTROS AGRAVOS Responsáveis: Diretoria de Vigilância em Saúde e Gabinete do SMS Objetivo: Reduzir os riscos e agravos à saúde da população e fortalecer a promoção, prevenção e educação em saúde. Metas Anuais Ações Indicador Implementar ações em todas as áreas relacionadas à Vigilância em Saúde (VISA, Vig. Epidemiológica, PMCD, Cumprir 90% das metas pactuadas no SISPACTO e na Vig. Ambiental, Saúde do Trabalhador e Promoção da Matriz Regional relacionadas ao Setor Saúde) Nº de metas alcançadas Adequar o organograma municipal e quadro de profissionais com relação à Vigilância em Saúde Adquirir regularmente materiais, equipamentos, insumos e garantir toda estrutura para funcionamento das Unidades Nomeação de todos os responsáveis por programas relacionados à Vigilância em Saúde Contratação e/ou designação de arquiteto e médico para VISA Funcionários nomeados Funcionários nomeados

6 6 Implantar a vigilância e o enfrentamento das DANTs no município; Implantar 2 Pólos de Academia da Saúde Implementar as ações do Setor de Imunização do Município, atingindo no mínimo 87,5% da meta Garantir estrutura e recursos necessários para o funcionamento do Programa de Saúde de enfrentamento das DANTs; Expandir o Programa de Controle do Tabagismo; Garantir estrutura e recursos necessários para o funcionamento da Educação, Promoção e Prevenção na Saúde; Licitar, construir, estruturar e inaugurar os Pólos de Academia da Saúde; Garantir estrutura e recursos necessários para o funcionamento do Setor Programas implantados, expandidos e em funcionamento Unidades construídas Meta de imunização alcançada OBJETIVO: Prevenir e controlar os riscos à saúde decorrentes da produção e do consumo de bens e serviços. Metas Anuais Ações Indicador 100% das ações de vigilância sanitária, preconizadas, realizadas pela VISA local Aumentar anualmente o nº de ações educativas relacionadas à VISA, sendo 10% maior que 2013 Contratação de RH e disponibilização de recursos necessários para implementação das ações Contratação de RH e disponibilização de recursos necessários para implementação das ações % ações descentralizadas Nº de ações realizadas

7 7 DIRETRIZ 2 GARANTIA DA INTEGRALIDADE DA ATENÇÃO, COM EQUIDADE E EM TEMPO ADEQUADO AO ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES DE SAÚDE Objetivo 1 : Ampliar o acesso e aperfeiçoar a Atenção Básica. Responsáveis: Diretoria de Atenção Básica, Coordenações de Saúde Bucal, ESF e Gabinete do SMS Metas Anuais Ações Indicadores Adquirir regularmente materiais, equipamentos, Nº de procedimentos de insumos e garantir toda estrutura para funcionamento atenção básica realizados das Unidades Aumentar em 20% em relação a 2014 o número de atendimentos em Atenção Básica Construir, ampliar e/ou reformar 07 Unidades Básicas de Saúde; Implantar o Núcleo de Apoio a Estratégia de Saúde da Família (NASF) Implantar o Telesaúde em 50% das ESF; Ampliar a Cobertura de Saúde Bucal para 90% da Rede Municipal Adquirir materiais, equipamentos e garantir toda estrutura para funcionamento das Unidades ESF; Implantar o programa Municipal de Saúde do Homem Licitar, construir, estruturar e inaugurar as UBS; Nº de Unidades contempladas Acompanhar a tramitação do projeto na SES-RJ e MS; NASF implantado Adquirir materiais, equipamentos e garantir toda estrutura para funcionamento do Programa; Elaborar o projeto e dar entrada na SES-RJ; Garantir a estrutura necessária para funcionamento da estratégia de saúde bucal; Elaborar projetos para captação de recursos do MS, SES-RJ e através de emendas Parlamentares, além de recursos próprios Garantir a estrutura necessária para funcionamento do Programa; Nº de Unidades com telesaúde implantados % de cobertura de Saúde Bucal % de ESF com equipamentos mínimos exigidos pela PNAB Programa Implantado

8 8 Objetivo 2 : Ampliar o acesso e aperfeiçoar a Atenção Especializada Responsáveis: Diretoria de Assistência à Saúde, Coordenação de TFD, Coordenação do CEMAC, Coordenação de Saúde Bucal / CEO, Coordenação de Fisioterapia e Gabinete do SMS. Objetivo: Ampliar o acesso e aperfeiçoar a Atenção Especializada Metas Anuais Ações Indicadores Adquirir materiais, equipamentos e garantir toda estrutura para funcionamento dos Programas; Aumentar em 20% em relação a 2014 o número de atendimentos de Média e Alta Complexidade, principalmente os de finalidade diagnóstica Implantar o Programa Municipal de Hipertensão e Diabetes Garantir a participação da Rede Privada contratada e/ou convêniada na realização de exames e procedimentos de média e alta complexidade, de acordo com a Portaria GM/MS 1034/2010. Implantar o Programa Olhar Brasil Descentralizar e reorganizar o Serviço de Fisioterapia para das ESF Realização de licitações para contratação de exames e procedimentos MAC; Adquirir materiais, equipamentos e garantir toda estrutura para funcionamento dos Programas; Realização de licitações para contratação de exames e procedimentos MAC; Adequação dos contratos e convênios; Regular tais procedimentos via CEMAC Garantir a disponibilização de maior quantidade de exames e procedimentos de MAC, contratados junto à Rede Privada Nº de procedimentos de MAC realizados Programa Implantado Nº de prestadores da rede privada contratados Dar entrada no projeto, capacitar RH e iniciar os trabalhos Programa Implantado Adquirir materiais, equipamentos e garantir toda estrutura para funcionamento dos Programas; Nº de atendimentos e Nº de serviços descentralizados

9 9 Objetivo 3 : Ampliar o acesso e aperfeiçoar a Rede de Saúde Mental, em estreita articulação com a Atenção Básica Responsáveis: Coordenações de Saúde Mental e Gabinete do SMS Metas Anuais Ações Indicador Aumentar em 30% em relação a 2014 o número de atendimentos em Saúde Mental Adquirir regularmente materiais, equipamentos, insumos e garantir toda estrutura para funcionamento do Programa; Nº de atendimentos em Saúde Mental Contratação de RH para supervisor de rede de saúde mental e demais ações necessárias para o setor. Descentralizar ações de Saúde Mental para 40% das UBS/ESF Capacitação de equipes de ESF/UBS em ações de Saúde Mental Garantia de referência para atendimento de casos encaminhados pela AB Nº de Unidades com ações em saúde mental Implantação da Residência Terapêutica Escolha do local para implantação da Residência Terapêutica Unidades implantadas Objetivo: Maior cobertura e qualificação dos atendimentos de urgência e emergência atendimentos/mês de Urgência/Emergência na Rede Municipal Responsáveis: Coordenação do SAMU Municipal, Coordenação de Urgência/Emergência Metas Anuais Ações Indicador Aquisição de novos veículos, manutenção preventiva, aquisição de equipamentos necessários para suporte adequado; Adquirir regularmente materiais, equipamentos, insumos e garantir toda estrutura para funcionamento das Unidades Nº de atendimentos em urgência/emergência Iniciar as obras de implantação da UPA no município Construir, estruturar e inaugurar a UPA Municipal; UPA construída

10 10 Participação do município no Projeto Regional da Rede de Urgência e Emergência Manutenção/ Implementação do SAMU Municipal Participação nos GTs Regionais com vistas a implantação da RUE Médio Paraíba. Transferências de recursos para o projeto regional Aquisições de materiais, insumos e equipamentos necessários para base Inauguração da Base do SAMU em Santa Isabel do Rio Preto Projeto encaminhado ao MS Nº de atendimentos do SAMU Objetivo 5 : Garantir a Assistência Farmacêutica e suprimento de outros insumos estratégicos na Rede Municipal de Saúde Responsável: Coordenação de Assistência Farmacêutica Metas Anuais Ações Indicador Participação da Coordenação de AF nos processos de receitas/mês atendidas na Rede aquisição de Medicamentos Nº de receitas atendidas Municipal Maior divulgação da REMUE Efetivação do Sistema HÓRUS na Aquisição de computadores e materiais necessários para N º unidades com hórus Farmácia Municipal e implantação em 5 implantação do Hórus implantado UBS/ESF Treinamento e capacitação de funcionários Obras de adequação e aquisição de equipamentos e Realizar obras de adequação na Farmácia reformada ou em novo materiais necessários para uma melhor qualificação do Farmácia Municipal local armazenamento dos medicamentos

11 11 Objetivo 6 : Garantir atendimento integral à Saúde do Idoso e de Portadores de Doenças Crônicas Responsáveis: Coordenação de Saúde do Idoso, Coordenação de Promoção da Saúde e Gabinete do SMS Metas Anuais Ações Indicador Reavaliação do Programa Municipal de Saúde do Idoso Garantia de cotas prioritárias na Rede Municipal para as pessoas idosas Implantar ações de controle à Hipertensão e Diabetes na Rede Municipal Realizar capacitação para cuidadores, saúde do idoso e envelhecimento ativo Revisar o Programa Municipal de Saúde do Idoso e descentralizar as ações para as ESF e outros programas com ações relacionadas Contratação de RH, aquisição e materiais e equipamentos Implementação das ações de Promoção e Prevenção Estabelecer cotas prioritárias com agendamento pela Saúde do Idoso via SISREG Contratação de RH, aquisição e materiais e equipamentos Implementação das ações de Promoção e Prevenção Tentar parcerias com o MS, SES-RJ, contratar profissionais especializados e capacitar familiares e instituições relacionadas. Programa reestruturado Cotas estabelecidas Programa implantado Nº capacitações realizadas Objetivo 7 : Implementação das ações de Regulação, Controle, Avaliação e Auditoria. Responsáveis: Diretoria de RCAA, Coordenação de TFD, CEMAC e Gabinete do SMS Metas Anuais Ações Indicador Revisar todos os contratos e convênios com prestadores conveniados e contratados; Adequar 70% dos contratos e convênios com prestadores da rede privada à Portaria GM/MS 1034/2010; Nº de prestadores com contratos adequados

12 12 Contratação e qualificação de RH para os setores de Regulação, Controle, Avaliação e Auditoria (RCAA); Implantação do SISREG em todos os setores relacionados da SMS e também nos prestadores de serviço Contratação de enfermeiro; aquisição de materiais e equipamentos necessários para implementação das ações Capacitação e contratação de RH; Aquisição de materiais e equipamentos necessários para implementação dasa ações Nº de RH contratados e qualificados Nº de unidades com SISREG em funcionamento Implantação do Setor de Auditoria nos moldes preconizados pela SNA Capacitação e contratação de RH; Auditoria implantada Objetivo 8 : Garantir atendimento integral à Saúde da Mulher, Criança e Adolescente Responsáveis: Diretoria de Atenção Básica, Coordenação do PAISMCA e Gabinete do SMS Metas Anuais Ações Indicador Adquirir regularmente materiais, equipamentos, insumos e garantir toda estrutura para funcionamento das Unidades Cumprir 80 % das metas relacionadas no SISPACTO, Matriz Regional de Planejamento Utilização de recursos da rede Cegonha para exames Implementar a descentralização do Pré-Natal de baixo risco e puericultura para todas as ESF Nº de metas do SISPACTO alcançadas e % total programado no Plano de Ação da Rede Cegonha Municipal

13 13 Implantação do Projeto da Rede Cegonha Regional (Médio Paraíba) e/ou Hospital Estadual no município de Valença Aumento da oferta de preventivos em relação a 2014 de acordo com as diretrizes preconizadas; Manter a oferta de mamografia de rastreio Comitê Municipal de Óbitos com funcionamento regular Garantia de insumos, recursos e materiais necessários para o funcionamento do programa; Contratação de RH específico para Saúde da Criança Participação efetiva nos GTs da Rede Cegonha, para garantia de recursos e implantação do Projeto Participação e monitoramento junto a SES-RJ do Hospital da Mulher em Valença Garantia de realização das ações relacionadas à Rede Cegonha no âmbito municipal Nº de atendimentos nas Unidades de ESF Rede Implantada

14 14 EIXO II: CONDICIONANTES E DETERMINANTES 3ª DIRETRIZ PROMOÇÃO À SAÚDE POR MEIO DE MEDIDAS VOLTADAS AO CONTROLE DE DETERMINANTES E CONDICIONANTES DA SAÚDE DA POPULAÇÃO OBJETIVO: Desenvolver e fortalecer as ações de promoção da saúde, potencializando a articulação intersetorial Responsáveis: Diretoria de Vigilância e gabinete do SMS. Metas Anuais Ações Indicadores Reestruturar o Programa de Promoção e Contratação e capacitação de RH Nº de Unidades com ações de Prevenção da Saúde, descentralizando para Aquisição de materiais e equipamentos necessários Promoção da Saúde 30% das ESF e demais setores da SMS Implantar 2 Pólos de Academia da Saúde Ajustar projetos, licitar, construir e cadastrar as Nº de academias da saúde academias da saúde implantadas Contratação e capacitação de RH Aumentar anualmente o nº de ações educação em saúde, sendo 30% maior que 2012 até o Aquisição de materiais e equipamentos necessários Realização de eventos em datas comemorativas Realização com parcerias com outros setores da PMV e da sociedade Nº de ações de Promoção da Saúde

15 15 EIXO III: GESTÃO EM SAÚDE 4ª DIRETRIZ FORTALECIMENTO DA GESTÃO INTERFEDERATIVA DO SUS, DE MODO A MELHORAR E APERFEIÇOAR A CAPACIDADE RESOLUTIVA DAS AÇÕES E SERVIÇOS PRESTADOS À POPULAÇÃO Responsáveis: Gabinete do Secretário, Coordenação do Almoxarifado, Coordenação de RH, Coordenação de Transporte. OBJETIVO 1: Aperfeiçoar e fortalecer a gestão do SUS e FMS de modo a melhor qualificar o sistema e otimizar recursos METAS Ações Indicador Implementar ações relacionadas ao almoxarifado central da Saúde Criar projeto de Lei para Organização Social no município. Aquisição de computadores e materiais de escritório para diversos setores da SMS/FMS Criar um novo Organograma para a Secretaria Municipal de Saúde Reorganização do Setor de Transporte da Saúde Contratação de RH e estrutura necessária para o desenvolvimento das ações Discutir e elaborar mensagem para encaminhar projeto de Lei de criação de O.S no município; Encaminhar o projeto para a Câmara Municipal; Licitação de materiais, insumos e equipamentos Elaboar estudo para adequação do organograma e encaminhar para Câmara de Vereadores; Aquisição de novos veículos; Contratação de firma para manutenção preventiva; Avaliação de terceirização do serviço Nº de ações realizadas Enviar projeto de Lei para Câmara de Vereadores Nº de acessórios adquiridos Organograma reavaliado Nº de ações realizadas

16 16 Instituir formalmente o Setor e/ou responsável pela Educação Permanente em Saúde Contratação e/ou designação de responsável pelo EPS Garantia de estrutura mínima necessária para o funcionamento do programa Setor implantado Objetivo 2 : Aperfeiçoar e fortalecer a gestão descentralizada e regionalizada do SUS. Metas Ações Indicadores Contratação e qualificação de RH, adquirir materiais, equipamentos e garantir toda estrutura para funcionamento dos Programas; 100% dos municípios com setores de planejamento implantados 01 Plano Regional de Saúde monitorado Objetivo 3: Ampliar e fortalecer a participação popular e o controle social. Garantia de representações nas reuniões de GT e reuniões internas na SMS Setores em funcionamento e nº de técnicos qualificados Plano Monitorado Metas Ações Indicadores Realizar um diagnóstico sobre de Educação Popular em saúde elaborado. Definir setor e responsáveis pela implantação das ações de Educação Popular Diagnóstico realizado Conselho Municipal de Saúde em pleno funcionamento Realizar anualmente capacitação dos Conselheiros municipais de Saúde; Setor de Ouvidoria em funcionamento de acordo com as legislações vigentes Garantia de recursos necessários para o pleno funcionamento do CMS, para realização de capacitações dos mesmos e para realização das atividades regulares Garantia de recursos necessários para o pleno funcionamento do setor CMS em funcionamento Nº de capacitações Nº de atendimentos

17 17 Objetivo 4: Contribuir para a adequada formação, alocação, qualificação, valorização, e democratização das relações de trabalho dos profissionais e trabalhadores da saúde. METAS AÇÕES Indicadores Criar Leio de O.S no município; Encaminhar projeto de Lei para Câmara de Vereadores Lei regulamentada Setores de Educação Permanente em Saúde Definição de funcionários responsáveis e qualificação de RH implantados e/ou mantidos em funcionamento nos Garantia de recursos necessários para o pleno funcionamento do Setor implantado municípios da região setor Aumentar a cada ano a utilização do Telesaúde Garantia de recursos necessários para o pleno funcionamento do setor Telesaúde com maiores acessos

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PREFEITURA MUNICPAL DE VALENÇA Secretaria Municipal de Saúde PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2014 2 PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA-RJ Endereço: Rua Dr. Figueiredo nº 320 Centro Valença-RJ - CEP: 27.600-000

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE Pág.: 1 de 21 PREFEITURA MUNICIPAL DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM Programação Anual de Saúde 2015 Pág.: 2 de 21 SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE 2015 Cachoeiro de Itapemirim-ES Novembro/2014

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS

PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014 a 2017 DIRETRIZES, OBJETIVOS E METAS PLURIANUAIS IDENTIFICAÇÃO MUNICIPAL Município: Prefeito: Endereço da Prefeitura: São José do Rio Preto Valdomiro Lopes da Silva Junior

Leia mais

O Planejamento na Administração Municipal. - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 -

O Planejamento na Administração Municipal. - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 - O Planejamento na Administração Municipal - Plano Plurianual Participativo 2010 2013 - Informação é Cidadania Março - 2013 Orçamento = Planejamento Programa de Governo Planejamento Estratégico Situacional

Leia mais

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017

Prefeitura Municipal de Resende Secretaria Municipal de Fazenda Plano Plurianual 2014-2017 Linha de Atuação: Universalização e Humanização do Atendimento Básico e Secundário CÓDIGO DO PROGRAMA: 119 PROGRAMA DE ATENÇÃO BÁSICA À SAÚDE VALOR DO PROGRAMA NO PERÍODO FONTES 2014 2015 2016 2017 Tesouro

Leia mais

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011

Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 Proposta de Plano Nacional de Saúde - PNS 2008/2009-2011 ELABORAÇÃO MS/SE/SPO/ PLANEJASUS EQUIPE PLANO NACIONAL DE SAÚDE cgpl@saude.gov.br - (61) 3315-2677 - www.saude.gov.br/planejasus Início do processo:

Leia mais

NOTA TÉCNICA 55 2011

NOTA TÉCNICA 55 2011 Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com transtornos mentais e com necessidades decorrentes do uso prejudicial de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do SUS. Minuta de portaria: Institui a Rede

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE GESTÃO MUNICIPAL Termo de Compromisso de Gestão que firma a Secretaria Municipal de Saúde de XX, representada pelo seu Secretário Municipal de Saúde, com o objetivo de pactuar

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO)

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE - PAS (ANO) Mês e Ano de elaboração MODELO PARA ELABORAÇÃO DA PAS 2014: Gerência de Programação em Saúde- DEPLAN/SUSAM 1 SUMÁRIO IDENTIFICAÇÃO DO MUNICÍPIO...3 ELABORAÇÃO...4

Leia mais

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011

PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 PORTARIA Nº- 3.088, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2011 Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas,

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE SAÚDE - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS 1 - Apoiar a construção coletiva e implementação do Plano Realizar a Conferência com uma ampla participação da comunidade Conferência Municipal de Saúde Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES

Leia mais

O Ministério da Saúde e os. Crônicas

O Ministério da Saúde e os. Crônicas O Ministério da Saúde e os Cuidados às Condições Crônicas Contexto atual Mudanças sociais dos últimos 30 anos -características da vida contemporânea Transição demográfica, alimentar e epidemiológica Avanços

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE CEARÁ

DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE CEARÁ DOCUMENTO FINAL 7ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE CEARÁ EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE Prioritária 1: Diminuir o tempo de contribuição para aposentadoria dos profissionais da

Leia mais

I DIRETRIZ. GESTÃO DO CUIDADO

I DIRETRIZ. GESTÃO DO CUIDADO RELATÓRIO FINAL 12ª Conferência Municipal de Saúde de Belo Horizonte Acesso, qualidade e transparência na atenção à saúde em Belo Horizonte Dias 28, 29 e 30 de novembro de 2013 Minas Centro BH/MG I DIRETRIZ.

Leia mais

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013

PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 PORTARIA No- 2.681, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2013 Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os incisos

Leia mais

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL

COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL COMUNICAÇÃO NA LINHA ASSISTENCIAL Ministério da Saúde QUALIHOSP 2011 São Paulo, abril de 2011 A Secretaria de Atenção à Saúde/MS e a Construção das Redes de Atenção à Saúde (RAS) As Redes de Atenção à

Leia mais

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde.

unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação da Saúde. O SISTEMA DE SAÚDE PÚBLICA EM SANTA CATARINA Fevereiro/2013 SUS S O SUS é um SISTEMA, um conjunto de unidades, serviços e ações que interagem para um objetivo comum: a promoção, proteção e recuperação

Leia mais

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE MATO GROSSO

DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE MATO GROSSO DOCUMENTO FINAL 8ª CONFERÊNCIA DE SAÚDE DE MATO GROSSO EIXO 1 DIREITO À SAÚDE, GARANTIA DE ACESSO E ATENÇÃO DE QUALIDADE DIRETRIZ: Direito à saúde, garantia de acesso e atenção de qualidade. Prioritária

Leia mais

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado

Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS. Planejamento Regional Integrado Oficina Nacional Planejamento no Âmbito do SUS Planejamento Regional Integrado Brasília DF, novembro de 2014 LEGISLAÇÃO ANTERIOR AO DECRETO - VIGENTE Lei 8142/90-1º. art. 1 A Conferência de Saúde reunir-se-á

Leia mais

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL)

ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) ROBERTO REQUIÃO 15 GOVERNADOR COLIGAÇÃO PARANÁ COM GOVERNO (PMDB/PV/PPL) PROPOSTAS PARA SAÚDE Temos plena convicção de que uma ambulância com destino à capital não pode ser considerada como um tratamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 42 /2012

NOTA TÉCNICA 42 /2012 NOTA TÉCNICA 42 /2012 Atualiza as diretrizes para organização da prevenção e do tratamento do sobrepeso e obesidade como linha de cuidado prioritária da Rede de Atenção à Saúde das Pessoas com Doenças

Leia mais

Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência do município de Vitória/ES.

Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência do município de Vitória/ES. PREFEITURA MUNICIPAL DE VITÓRIA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ATENÇÃO À SAÚDE MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA ATENÇÃO BÁSICA: Processo de integração com os territórios de saúde Relato de Experiência

Leia mais

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil

O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil 15 O papel do controle social nas políticas públicas para idosos no Brasil Amarilis Maria Muscari Riani Costa Magali das Graças Machado Rafael de Oliveira Tavares Ruth Gelehrter da Costa Lopes Introdução

Leia mais

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade

A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade A Organização da Atenção Nutricional: enfrentando a obesidade Introdução Há cerca de 20 anos, a Secretaria de Saúde de um grande município começou a desenvolver e implantar iniciativas relacionadas à Alimentação

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*)

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 424, DE 19 DE MARÇO DE 2013(*) Redefine as diretrizes para a organização

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE 2013-2015 Proposta formulada no âmbito do Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território

Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE ATENÇÃO BÁSICA Academia da Saúde: um Espaço de Promoção da Saúde no Território HÊIDER AURÉLIO PINTO Diretor do Departamento de Atenção Básica/SAS/MS Rio de Janeiro, agosto de

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE AÇÕES PROGRAMÁTICAS ESTRATÉGICAS ÁREA TÉCNICA SAÚDE DO IDOSO LUIZA MACHADO COORDENADORA Objetivo estratégico do MS relacionado ao envelhecimento

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SES/GO SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE-SPAIS Goiânia Agosto/2011 SUPERINTENDÊNCIA DE POLÍTICAS DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE - SPAIS 9. GERÊNCIA DE

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri

SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA. Palestrante: Carolina Ferri SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE SAÚDE DA FAMÍLIA Palestrante: Carolina Ferri Programa de Saúde da Família Estratégia de reorientação do modelo assistencial, operacionalizada mediante a implantação de equipes

Leia mais

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011

PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 PORTARIA Nº 122, DE 25 DE JANEIRO DE 2011 Define as diretrizes de organização e funcionamento das Equipes de Consultório na Rua. O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso das atribuições que lhe conferem os

Leia mais

O Decreto nº 7.508 na perspectiva do gestor federal e a necessidade da articulação interfederativa

O Decreto nº 7.508 na perspectiva do gestor federal e a necessidade da articulação interfederativa SUS 25 anos: desafios e prioridades Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa Ministério da Saúde O Decreto nº 7.508 na perspectiva do gestor federal e a necessidade da articulação interfederativa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PRESTAÇÃO DE CONTAS QUADRIMESTRAL

PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PRESTAÇÃO DE CONTAS QUADRIMESTRAL PREFEITURA MUNICIPAL DE VALENÇA SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE PRESTAÇÃO DE CONTAS QUADRIMESTRAL Período: Setembro a Dezembro de 2014 Identificação: Secretaria Municipal de Saúde de Valença / Fundo Municipal

Leia mais

Rede de Atenção à Saúde

Rede de Atenção à Saúde Rede de Atenção à Saúde Aparecida Linhares Pimenta Secretaria de Saúde de Diadema-SP Vice presidente do CONASEMS (Contribuições de Silvio Fernandes, assessor do CONASEMS) Desde o início da construção do

Leia mais

Área Técnica Saúde do Idoso CGAPSES SMS PMPA

Área Técnica Saúde do Idoso CGAPSES SMS PMPA Área Técnica Saúde do Idoso SMS PMPA Tatiana De Nardi Psicóloga Mestre em cognição humana/ envelhecimento Lúcia Trajano Médica do Trabalho Terapeuta Comunitária 2013 Política Nacional de Saúde da Pessoa

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA MS/GM Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 Institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde

Leia mais

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS

NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS NOTA TÉCNICA 03 2012 REDE DE CUIDADOS À PESSOA COM DEFICIÊNCIA NO ÂMBITO DO SUS Atualização da Minuta de portaria para a Assembleia do CONASS em 21/03/2012 1. Contextualização Pessoas com deficiência são

Leia mais

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016

PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE (PAS) 2016 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE 2014-2017 INSTRUMENTOS DE GESTÃO - 2013 2014 2015-2016 PROGRAMAÇÃO ANUAL DE SAÚDE PAS 2014 E 2015 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DE 2014-2017 PAS

Leia mais

Curso Introdutório em Gerenciamento da Estratégia Saúde da Família

Curso Introdutório em Gerenciamento da Estratégia Saúde da Família Curso Introdutório em Gerenciamento da Estratégia Saúde da Família Leni Nobre Doutora em Saúde Pública-USP Membro do Centro de Investigação Científica da ESP-CE. Compreender os instrumentos de gestão e

Leia mais

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil

DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil DROGAS Estruturação da rede de atenção em saúde mental infanto-juvenil Centro de Apoio Operacional às Promotorias da Infância e Juventude Ministério Público do Estado de Pernambuco Adaptado de: Manual

Leia mais

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP

ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA Departamento de Articulação Interfederativa ENCONTRO PARA A CONTINUIDADE DO PROCESSO DE PLANEJAMENTO REGIONAL E COAP NORMAS E FLUXOS

Leia mais

III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL.

III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL. DOCUMENTO BASE: 1 - A comissão organizadora propõe aos delegados das pré conferências a aprovação das seguintes propostas de políticas e ações

Leia mais

SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA

SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA SAÚDE PÚBLICA COM ÊNFASE EM SAÚDE DA FAMÍLIA DISCIPLINA: Políticas de Saúde CARGA-HORÁRIA: 30 horas EMENTA: Retrospectiva Histórica. Estado e políticas sociais. Mudanças econômicas e políticas de saúde

Leia mais

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36

PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 PLANO DE GOVERNO TULIO BANDEIRA PTC 36 GESTÃO PÚBLICA Garantir ampla participação popular na formulação e acompanhamento das políticas públicas; Criação do SOS Oprimidos, onde atenda desde pessoas carentes

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE SANTA CATARINA GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO DO SUS GUIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE Baseado no Livro 2 dos Cadernos de Planejamento do PLANEJASUS Elaborado

Leia mais

Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE

Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE Ministério da Saúde Secretaria de Atenção à Saúde Departamento de Ações Programáticas Estratégicas ÁREA TÉCNICA SAÚDE DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Políticas Pública de Saúde METAS VIVER SEM LIMITE Organização

Leia mais

Implantação e funcionamento dos componentes municipais de auditoria

Implantação e funcionamento dos componentes municipais de auditoria Implantação e funcionamento dos componentes municipais de auditoria Marjorie Travassos Reis Diretora da Auditoria SUS Camaçari Salvador - Bahia Setembro 2014 Auditoria SUS Camaçari Implantação Avanços

Leia mais

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde

Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Mesa VI: Brasil Sorridente na Redes Prioritárias do Ministério da Saúde Gilberto Alfredo Pucca Júnior Coordenador-Geral de Saúde Bucal Janeiro, 2014 Universalidade Descentralização políticoadministrativa

Leia mais

CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA

CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA CARTA ABERTA PELO DIREITO A CIDADE E A GESTÃO DEMOCRÁTICA Apesar de nos últimos anos ter-se dado visibilidade apenas ao discurso único capitaneado pelo IPPUC, vários movimentos populares, associações de

Leia mais

A atuação do Assistente Social na Atenção Básica Inês Pellizzaro I-Política de ATENÇÃO BÁSICA EM SAÚDE 1) Como é definida? * Um conjunto de ações em saúde (amplas, complexas que abrangem múltiplas facetas

Leia mais

As tendências do Sistema Único de Saúde FGV 2009 1693 A Cidade de Curitiba 1916 2009 316 anos Missão da SMS Planejar e executar a política de saúde para o Município de Curitiba, responsabilizando- se pela

Leia mais

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS)

Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) Portaria GM n. 1130 que institui a Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS) PORTARIA Nº 1.130, DE 5 DE AGOSTO DE 2015 O MINISTRO DE ESTADO

Leia mais

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR

MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR MELHORIA DA INFRAESTRUTURA FÍSICA ESCOLAR Este projeto visa investir na melhoria da infraestrutura escolar, por meio de construção, ampliação e reforma, bem como dotá-las com equipamentos e mobiliários

Leia mais

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE

GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE GLOSSÁRIO DO PORTAL SAÚDE TRANSPARENTE Blocos de financiamento: Com a implementação do Pacto pela Saúde, os recursos federais, destinados ao custeio de ações e serviços da saúde, passaram a ser divididos

Leia mais

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner:

Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: Princípios e proposições gerais para a Saúde no Governo Wagner: 1) defesa do Sistema Único de Saúde (SUS) universal, humanizado e de qualidade; 2) compromisso do governo com a geração de emprego, distribuição

Leia mais

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE

PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE NOTA TÉCNICA 16/2011 PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE Brasília, 23 de maio de 2011. PROGRAMA ACADEMIA DA SAÚDE 1. INTRODUÇÃO: O Programa Academia da Saúde foi instituído no âmbito do Sistema Único de Saúde através

Leia mais

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro

Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Saúde pública de qualidade para cuidar bem das pessoas: direito do povo brasileiro Objetivos da 15ª. Reafirmar, impulsionar e efetivar os princípios e diretrizes do SUS- saúde como DH Mobilizar e estabelecer

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP

POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP POLITICA NACIONAL DE ATENÇÃO HOSPITALAR - PNHOSP Macro estratégias Discussão, pactuação tripartite, e publicação de portaria da Politica Nacional de Atenção Hospitalar/PNHOSP no SUS, estabelecendo as diretrizes

Leia mais

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura

PLANO ESTADUAL DA CULTURA. Matriz Situacional da Cultura PLANO ESTADUAL DA CULTURA Matriz Situacional da Cultura Fórum de Planejamento Regional Cidade Sede: Aranranguá 29 e 30 de agosto de 2012 Priorização de Diretrizes e Ações Objetivo: Discussão da proposta

Leia mais

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos

Caminhos na estratégia. de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Caminhos na estratégia de saúde da família: capacitação de cuidadores de idosos Erica Rosalba Mallmann: Escola de Enfermagem - UFRGS Lenice Ines Koltermann: Enfermeira Supervisora da Saúde da Família da

Leia mais

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA

EIXO I GESTÃO CULTURAL DEMOCRÁTICA E PARTICIPATIVA PLANO MUNICIPAL DE CULTURA DE BALNEÁRIO CAMBORIÚ Comissão de Elaboração do Plano Municipal de Cultura: Anderson Beluzzo, Celso Peixoto, Dagma Castro, Elias Alcides Luciano, Guilhermina Stuker, João Alexandre

Leia mais

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação

Modelo de Atenção às. Coordenação de Informação Modelo de Atenção às Condições Crônicas Nilza Teresinha Faoro Coordenação de Informação É uma aliança voluntária entre duas ou mais entidades legais, entendidas como pessoas físicas, morais ou jurídicas

Leia mais

Gestão Pública, Assessoria Contábil, Auditoria e Assessoria em Administração Municipal S/S Ltda.

Gestão Pública, Assessoria Contábil, Auditoria e Assessoria em Administração Municipal S/S Ltda. Nota Técnica nº 18/2013 Assunto: Elaboração do Programa Municipal de Saúde Diante de dúvidas suscitadas pela Administração, face ao cumprimento da Lei Complementar nº 141, de 13/01/2012, cabe-nos tecer,

Leia mais

Serviço Social e Saúde: formação e exercício profissional

Serviço Social e Saúde: formação e exercício profissional Serviço Social e Saúde: formação e exercício profissional Professora: Tânia Regina Krüger Florianópolis, março de 2010 Conjuntura do SUS nos anos de 1990 e 2000 20 anos do SUS - comemorações foram tímidas,

Leia mais

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade

EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios da integralidade, universalidade e equidade 10ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE: OO"TODOS USAM O SUS! SUS NA SEGURIDADE SOCIAL - POLÍTICA PÚBLICA, PATRIMÔNIO DO POVO BRASILEIRO" EIXO I - Política de saúde na seguridade social, segundo os princípios

Leia mais

Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce

Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce Avanços e desafios do Contrato Organizativo da Ação Pública de Saúde- COAP na Região de Baturité - Ce Leo Felyppe Ferreira Sappi 1, Simary Barreira Cunha Ribeiro 2, Maria do Socorro Lopes Dantas 3 e Maria

Leia mais

Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014.

Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014. Circular 641/2014 São Paulo, 12 de Dezembro de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) FINANCIAMENTO PARA A AMPLIAÇÃO DO ACESSO AO TRANSPLANTE DE CÉLULAS-TRONCO HEMATOPOÉTICAS (TCTH) ALOGÊNICO NÃO APARENTADO

Leia mais

RESOLUÇÃO SES/MG Nº 3.713, DE 17 DE ABRIL DE 2013.

RESOLUÇÃO SES/MG Nº 3.713, DE 17 DE ABRIL DE 2013. RESOLUÇÃO SES/MG Nº 3.713, DE 17 DE ABRIL DE 2013. Institui as normas para credenciamento e implantação das equipes de Consultório na Rua (ecr). O SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE E GESTOR DO SISTEMA ÚNICO

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE (PEEPS) 2014-2017

PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE (PEEPS) 2014-2017 COORDENADORIA DE GESTÃO DO TRABALHO E DA EDUCAÇÃO NA SAÚDE CGTES PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE (PEEPS) 2014-2017 Novembro/2014 OBJETIVO DO PEEPS Identificar os problemas de saúde e as

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 250 PROGRAMA Nº- 250 QUALIFICAÇÃO E CAPACITAÇÃO DE PROFISSIONAIS E DEPENDENTES QUÍMICOS SUB-FUNÇÃO: 244 ASSISTÊNCIA COMUNITÁRIA Realizar Cursos de Capacitação para Profissionais que atuam na área de reabilitação

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 GABINETE DO PREFEITO LEI Nº. 277/2007. CEP: 5.50-000 Institui o Programa Casa da Família e dá outras providências. A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Pilões, sanciono e promulgo a seguinte lei: Art.

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE SAÚDE 2012-2015

PLANO ESTADUAL DE SAÚDE 2012-2015 PLANO ESTADUAL DE SAÚDE 2012-2015 Objetivos e Diretrizes validados pela plenária na Oficina realizada nos dias 03,04 e 05.05.2011 na ESP Cuiabá, 05 maio de 2011 ESTRUTURA DO PES 2012-2015 3 EIXOS 10 45

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA AUTARQUIA MUNICIPAL DE SAÚDE PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE DO TRABALHADOR 2005 LONDRINA PR 2005 PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA Nedson Luiz Micheleti - Prefeito AUTARQUIA

Leia mais

OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio

OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio OFICINA PROVAB Fortaleza 16 de 17 de maio Propostas formuladas nas rodadas de discussão tarde de 16/05 e na manhã de 17/05. Digitação idêntica às inscrições nos post it. Temas: Remanejamento, Supervisão,

Leia mais

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES

RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES DIRETORIA GERAL DE MODERNIZAÇÃO E MONITORAMENTO DA ASSISTÊNCIA À SAÚDE RELATÓRIO DE EXECUÇÃO UPA TORRÕES Período Junho a Agosto de 2013 Novembro 2013 2 INTRODUÇÃO O excesso de pacientes com problemas médicos

Leia mais

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006.

PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. PORTARIA Nº 648/GM DE 28 DE MARÇO DE 2006. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica para o Programa Saúde da Família

Leia mais

Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico

Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico Stela M. Pedreira Secretária Executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo Belfari Garcia Guiral Assistente Técnico 1988 - Constituição Federal 1988 - Constituição Federal Sistema Único de Saúde

Leia mais

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA

1ª Oficina Nacional do QUALIDIA 1ª Oficina Nacional do QUALIDIA LINHAS DE CUIDADO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES EXPERIÊNCIA DE DIADEMA SP Dra Lidia Tobias Silveira Assistente Gbi Gabinete SMS Diadema Linhas de cuidado de HA e DM

Leia mais

Política Nacional de Atenção Básica. Situação e Perspectivas

Política Nacional de Atenção Básica. Situação e Perspectivas Política Nacional de Atenção Básica Situação e Perspectivas A Atenção Básica nas Redes de Atenção A Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, que

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL

CONSELHO MUNICIPAL DE SAÚDE 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE RELATÓRIO FINAL 9ª CONFERÊNCIA MUNICIPAL RELATÓRIO FINAL TEMA CENTRAL Saúde e Qualidade de Vida: Política de Estado e Desenvolvimento DIRETRIZES PROPOSTAS PELAS OFICINAS TEMÁTICAS PARA COLOMBO, BIÊNIO 2007-2009, APROVADAS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 329/09 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando:

RESOLUÇÃO Nº 329/09 CIB/RS. A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: RESOLUÇÃO Nº 329/09 CIB/RS A Comissão Intergestores Bipartite/RS, no uso de suas atribuições legais, e considerando: a Portaria GM/MS 399/06, que estabelece as Diretrizes Operacionais do Pacto pela Saúde;

Leia mais

Prestadores do SUS devem ser contratados;

Prestadores do SUS devem ser contratados; Prestadores do SUS devem ser contratados; Respeitar: Princípios e Diretrizes do SUS : regionalização, pactuação, programação, parâmetros de cobertura assistencial e a universalidade do acesso. Contratualização

Leia mais

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências.

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XI - Nº: 2.273-01/01/2005 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Lei nº 9.011 de 1º de janeiro de 2005 - Anexos LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE

Leia mais

AUTÓGRAFO DE LEI N. 83, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013

AUTÓGRAFO DE LEI N. 83, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013 AUTÓGRAFO DE LEI N. 83, DE 30 DE SETEMBRO DE 2013 Altera a Lei n. 1788/2009 e alterações (PPA exercício 2010/2013), a Lei n. 2077/2012 (LDO exercício de 2013 e alterações) e abre Crédito Suplementar na

Leia mais

Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014

Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014 Estação RORHES Escola de Saúde Pública RS 2011-2014 Coordenadora Marta Conte Psicanalista, Pos Doutora pela FIOCRUZ Coordenadora do Eixo da Pesquisa e Membro do Comitê de Ética da Escola de Saúde Pública

Leia mais

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014

Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Agenda Estratégica para o SUS e a Reforma Sanitária Brasileira: Objetivos e Metas para a Política de Saúde no Período 2011-2014 Diretrizes para articular saúde e desenvolvimento social Para contribuir

Leia mais

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE

PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS DST ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE PLANO DE ENFRENTAMENTO DA EPIDEMIA DE AIDS E DAS ENTRE A POPULAÇÃO DE GAYS, HSH E TRAVESTIS ACRE OBJETIVOS ATIVIDADES RESPONSÁVEIS E PARCERIAS CRONOGRAMA (PRAZO) Realizar reuniões com Conselhos de Saúde,

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO SUS Movimento da Reforma Sanitária

CONSTRUÇÃO DO SUS Movimento da Reforma Sanitária SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPACITAÇÃO PARA APOIOS DO CONTROLE SOCIAL Mariângela de Assis Gomes Fortes CONSTRUÇÃO DO SUS Movimento da Reforma Sanitária Surgimento No Final dos anos de 1970 e início dos anos

Leia mais

PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015

PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015 PORTARIA Nº 1.599, DE 30 DE SETEMBRO DE 2015 Dispõe sobre o Programa de Melhoria do Acesso e Qualidade dos Centros de Especialidades Odontológicas (PMAQ-CEO). O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, no uso da atribuição

Leia mais

PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015

PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015 PARECER COREN-SP 031/2013 CT PRCI n 101.092 Tickets nºs 290.315, 293.537 e 299.887 Revisão e atualização em julho de 2015 Ementa: Realização de teste de gravidez e informação do resultado. 1. Do fato Auxiliares

Leia mais

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social.

CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. CURSO: O SUS PARA NOVOS SECRETÁRIOS DE SAÚDE. Início da Nova Gestão Diagnóstico, Planejamento e Controle Social. TRANSIÇÃO Organograma Oficial da Secretaria com os atuais ocupantes, condição (efetivo ou

Leia mais

Critérios de fragilidade

Critérios de fragilidade LINHA DE CUIDADO AO IDOSO FRÁGIL Desospitalizado Funcional Critérios de fragilidade Clínico Social Etário Fonte: SMSA /PBH Ciclo de Violência Intradoméstica contra a pessoa idosa Insuficiência Familiar

Leia mais

NOTA TÉCNICA 35 2013. II Plano Operativo da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 2013-2015

NOTA TÉCNICA 35 2013. II Plano Operativo da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 2013-2015 NOTA TÉCNICA 35 2013 II Plano Operativo da Política Nacional de Saúde Integral da População Negra 2013-2015 Brasília, 26 de agosto de 2013 INTRODUÇÃO A proposta do II Plano Operativo (2013-2015) da Política

Leia mais

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade.

b. Completar a implantação da Rede com a construção de hospitais regionais para atendimentos de alta complexidade. No programa de governo do senador Roberto Requião, candidato ao governo do estado pela coligação Paraná Com Governo (PMDB/PV/PPL), consta um capítulo destinado apenas à universalização do acesso à Saúde.

Leia mais

QUESTOES DE CONCURSO

QUESTOES DE CONCURSO QUESTOES DE CONCURSO 1. Com o envelhecimento populacional, um dos maiores desafios das políticas de saúde é alcançar um equilíbrio entre o apoio ao autocuidado, o apoio informal (familiares e amigos) e

Leia mais