UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO MG ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO MG ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO MG ESCOLA DE MINAS EM COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO - CECAU FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS E TECNOLOGIAS UTILIZADAS NA AUTOMAÇÃO COMERCIAL VISANDO A EFICIÊNCIA EM SUPERMERCADOS MONOGRAFIA DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO RODRIGO SILVEIRA VILELA Ouro Preto, 2006 RODRIGO SILVEIRA VILELA

2 1 FERRAMENTAS ESTRATÉGICAS E TECNOLOGIAS UTILIZADAS NA AUTOMAÇÃO COMERCIAL VISANDO A EFICIÊNCIA EM SUPERMERCADOS Monografia apresentada ao Curso de Engenharia de Controle e Automação da Universidade Federal de Ouro Preto como parte dos requisitos para obtenção de Grau em Engenheiro de Controle e Automação. Orientador: Professor Dr. Luiz Fernando Rispoli Alves Ouro Preto Escola de Minas UFOP MAIO / 2006

3 2

4 3 A Deus por tudo.à minha mãe pela incansável dedicação e paciência. Aos meus irmãos pelo companheirismo, compreensão e amizade.aos irmãos da República Quitandinha, pela irmandade, companheirismo.

5 4 A todos os professores e colegas de turma, pelos conhecimentos juntos adquiridos.a Escola de Minas pelo ensinamento e a Ouro Preto pela vivência. E, à Nádia, em especial por estar sempre pronta para me ajudar, pela imensa paciência, amor, compreensão e companheirismo.

6 5 SUMARIO RESUMO...VII ABSTRACT... VIII I INTRODUÇÃO Histórico da Automação Comercial Objetivos Metodologia adotada II COMPETITIVIDADE NO VAREJO III AUTOMAÇÃO NO VAREJO Introdução Investimentos em Automação Dificuldades na Implantação Automação Comercial no Brasil IV A IMPORTANCIA DA AUTOMAÇÃO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS Aumento de Demanda Tipos de Estratégia V OS OBJETIVOS E AS VANTAGENS DA AUTOMAÇÃO EM SUPERMERCADOS Consumidor Planejamento Estratégico Ferramentas Estratégicas Estratégia Competitiva em Excelência Operacional Estratégia Competitiva em Inovação de Produtos Estratégia Competitiva Orientada para Serviços...30

7 6 5.7 Resumo das Estratégias Apresentadas Qualidade nas Informações VI OBJETIVOS A SEREM ALCANÇADOS No recebimento e no depósito Na área de vendas Check-out Administração Comunicação VII OS ESFORÇOS E O TEMPO NECESSARIOS PARA A AUTOMAÇÃO DE UM SUPERMERCADO VIII PROPOSTA DE UMA AUTOMAÇÃO COMERCIAL ª Etapa: Planejamento ª Etapa: Preparação ª Etapa: Implantação...45 IX IMPACTO DA AUTOMAÇÂO COMERCIAL COM FOCO NA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Otimizar o uso da luz da luz natural Dicas de Iluminação...50 X CONCLUSÃO XI REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 53

8 7 RESUMO A Automação Comercial oferece a racionalização dos processos: eliminação de tarefas repetitivas; minimiza erros em controles manuais; melhora o atendimento ao cliente interno e externo devido à alta qualidade e rapidez nas operações; além de permitir o aproveitamento das informações em tempo adequado para a tomada de decisão. O objetivo das empresas é reduzir custos, ganhar produtividade e, principalmente, ter uma importante melhora nas operações de venda. Uma ferramenta fundamental para atingir este objetivo é a implementação de programas e políticas de conservação e uso racional da energia, a serem estabelecidos através da introdução de novas tecnologias e mudanças de hábitos de consumo. A energia elétrica tem se tornado um bem precioso nos tempos modernos, tanto pela dificuldade e altos investimentos necessários em novos projetos para geração de energia, bem como pelo custo que ela possui, sendo este último uma conseqüência direta do primeiro fator. As empresas brasileiras de varejo têm investido em tecnologias de Automação Comercial, melhorando sua Eficiência Energética bem como sua competitividade. Isso ocorreu graças à estabilização econômica que tornou as aplicações financeiras menos atrativas e a abertura do mercado de informática que possibilitou o acesso a uma variedade de tecnologias de informação a um custo menor. Resumidamente, através da Automação Comercial o lojista pode obter lucros adicionais e cativar a clientela frente a notável melhoria na qualidade nos serviços prestados. Palavras chaves: Automação Comercial, Eficiência Energética, Tomada de Decisão.

9 8 ABSTRACT The Commercial Automation offers the rationalization of the processes: elimination of repetitive tasks; it minimizes mistakes in manual controls; it improves the attendance to the internal and external customer due to the high quality and speed in the operations; besides allowing the good use of the information in appropriate time for the taken of decisions. The objective of the companies is to reduce costs, to win productivity and, mainly, to have an important improvement in the sale operations. A fundamental tool to reach this objective is the implement of programs and conservation politics and rational use of the energy, to be established through the introduction of new technologies and changes of consumption habits. The electric power has been transforming a very precious one in the modern times, so much for the difficulty and high necessary investments in new projects for generation of energy, as well as for the cost that it possesses, being this last one a direct consequence of the first factor. The Brazilian companies of retail have been investing in technologies of Commercial Automation, improving your Energy Efficiency as well as your competitiveness. That happened thanks to the economical stabilization that turned the less attractive financial applications and the opening of the computer science market that it made possible the access to variety of technologies of information at a smaller cost. Concisely, through the Commercial Automation the shopkeeper can obtain additional profits and to capture the clientele front to notable improvement in the quality in the rendered services. Keys words: Commercial Automation, Energy Efficiency, and Taking of Decision.

10 9 I INTRODUÇÃO 1.1 Histórico da Automação Comercial A Automação Comercial [...]teve início com as máquinas registradoras de manivela, que automatizavam mecanicamente o controle de caixa`` Siqueira (2000, p.10). Durante um tempo, essas caixas registradoras eram aceitas no Estado de São Paulo e em mais alguns estados como forma de substituição da nota fiscal. O uso da automação era considerado regime especial: todos os estados poderiam dar uma permissão individual para o estabelecimento poder usar um equipamento em vez da nota fiscal de preenchimento manual. Dessa forma, os fabricantes tinham interesse em expandir seu mercado para vender mais equipamentos. Mas havia um obstáculo: o entendimento diferenciado do controle por parte das autoridades fiscais. Cada estado queria que a caixa registradora tivesse uma característica diferente. Com a vinda das registradoras eletrônicas, viu-se que havia a necessidade de unificação da legislação pelo Fisco. Foi então que no início de 1983 algumas empresas juntaram forças. Para ter acesso às reuniões do Fisco era necessário ser membro de uma associação. Em um desses encontros, percebeu-se que com a formação de uma associação o setor teria mais força. A primeira reunião com os fabricantes interessados aconteceu em 1986 e durante todo aquele ano foram realizados vários encontros para dar início ao estatuto da entidade. Dinheiro em caixa, a expressão que melhor sintetiza o sucesso nos negócios, traz de imediato à memória a imagem das antigas caixas registradoras, e o som característico da gaveta se abrindo para receber as moedas e cédulas que engordavam o patrimônio. Símbolo do comércio, as caixas registradoras têm sua origem nas primeiras máquinas de calcular, que mantiveram ocupados os cérebros dos matemáticos durante muitas décadas no século XIX. Sua criação correu paralela ao desenvolvimento de

11 10 engenhocas destinadas a "automatizar" o processo da escrita manual em que até um padre brasileiro se envolveu -que resultou na invenção da máquina de escrever, também no final do mesmo século, marcando o inicio da era da Automação Comercial. Dominados os métodos que tornaram os negócios menos suscetíveis às falhas humanas, o comércio e a indústria perceberam a necessidade de controlar de forma mais efetiva algo que um simples livro de presença não conseguia fazer. O famoso bordão "tempo é dinheiro" fez do relógio de ponto um equipamento bem-vindo no século XX, tanto pelos empregadores que passaram a se sentir mais confiantes de estar investindo a quantia certa em cada trabalhador-como pelos funcionários, que encararam a novidade como um meio de garantir o pagamento de horas extras e outros direitos trabalhistas. Segundo Siqueira (2000, p.15), [...] o teclado padrão dos computadores, por exemplo, ainda utiliza o formato "qwerty", criado em 1874 pelo norte-americano Christopher Latham Sholes, inventor que deu início à indústria de máquinas de escrever [...]``. Nenhum motivo especial para a seqüência de letras: dentro da máquina, as barras de tipos operavam muito perto umas das outras, podendo colidir e emperrar. Para evitar o problema, Sholes analisou as palavras mais utilizadas na língua inglesa e dispôs as barras dentro da máquina de forma a minimizar a probabilidade de colisão. Os modernos computadores que hoje são maioria nos escritórios, forçando arquivos de aço e máquinas de escrever à aposentadoria precoce, e as caixas registradoras informatizadas, com scanners leitores de código de barras, não existiriam sem seus ancestrais mecânicos. A moderna tecnologia da Automação Comercial tem por base esses instrumentos. 1.2 Objetivos Este trabalho faz um levantamento das Estratégias utilizadas e do impacto que a Automação Comercial provoca no segmento de Supermercados em: agilizar vendas, controlar o fluxo de negócios, cadeia de suprimentos e conhecer bem os clientes.

12 Metodologia adotada Este é um trabalho de fundamentação teórica. Então, para realizá-lo foi feito um levantamento e uma grande pesquisa com o intuito de analisar o impacto causado pela automação em supermercados visando à eficiência energética e as estratégias adotadas. Esse estudo foi feito através de pesquisas em: revistas, sites especializados, livros e teses de mestrado.

13 12 II COMPETITIVIDADE NO VAREJO A competitividade no segmento de supermercados é evidente e envolve estabelecimentos de todos os tipos e tamanhos. Nessa disputa pela clientela, ganha quem oferecer um mix de bons preços e atendimento diferenciado. E para isso, a Automação Comercial surge não apenas como uma alternativa viável, mas uma solução essencial, ao ajudar a controlar e reduzir custos (o que possibilita uma manobra de preços mais flexível) e tornar o atendimento mais ágil e preciso. Nos últimos anos, principalmente com a entrada das empresas estrangeiras no mercado brasileiro, as mudanças no cenário econômico e no comportamento do consumidor, o tema competitividade tem tido destaque nas comunidades científica e empresarial, além de amplamente divulgado nos meios de comunicação em geral (CONEXAO TOTAL, 2005). Isto ocorre principalmente pela velocidade com que essas mudanças vêm acontecendo. Assim, muitos varejistas não conseguem assimilar no seu devido tempo, essa avalanche que lhes envolve e estabelecerem estratégias duradouras para alcançar a competitividade. Para que uma empresa possa ser considerada competitiva, ela deve não somente estar à frente de seus concorrentes, mas ter a capacidade de manter-se à frente deles. Mas para ser competitivo, infelizmente não existe uma solução mágica. Ao vasculhar a literatura podemos encontrar inúmeras fórmulas, receitas e cartilhas, que podem ser úteis, pois mostram caminhos. Porém para que funcionem e realmente se transformem em estratégias eficazes, precisam ser adequadas à realidade e ao ambiente no qual a empresa está inserida e para isso é necessário conhecer muito bem o cliente, o mercado, a equipe e os recursos disponíveis. No varejo a competitividade durante muito tempo se baseou apenas no preço, como os "amigos da história", ou seja, cada um por si, porém houve uma quebra desse paradigma, hoje o varejista deve ter em mente, que o preço, assim como a qualidade, o atendimento, a inovação e variedade, são importantes para que a empresa crie valor para seu cliente.

14 13 Criar valor significa estabelecer uma identidade junto ao seu cliente, algo que realmente o diferencie de seu concorrente, em geral não é tangível, mas é percebida por seu cliente. Seu concorrente poderá até tentar copiá-lo, mas não terá sucesso, pois o cliente perceberá a diferença. Uma empresa não se tornará competitiva da noite para o dia, para conseguir criar valor primeiramente a empresa precisa "fazer o dever de casa", ou seja, conseguir ser eficiente, investir em tecnologia, modernizar seu layout, melhorar sua estrutura, investir nas pessoas, em treinamentos, se organizar e administrar de maneira profissional, para oferecer ao cliente o valor que ele espera. Para conseguir a eficiência necessária os investimentos dos quais precisam, antigos concorrentes, como os "amigos da história", que se digladiavam antes em promoções quase suicidas e outras práticas, hoje estão se reunindo em associações, cooperativas, centrais de compras, centrais de negócios entre outras formas de associação, para agora, juntos enfrentarem os concorrentes, pois já conseguem entender a importância de criar seu valor individual e do ganho que podem ter através desta união. Trata-se de uma alternativa estratégica e interessante, para os pequenos e médios varejistas e já existem alguns casos de sucesso em algumas regiões do país. O varejista que busca ser competitivo deve desenvolver uma atitude pró-ativa no contexto atual, quebrando o mito de que a competitividade é inatingível e se desvencilhar das antigas práticas e paradigmas baseados no preço e no imediatismo. O crescente nível de competição tem levado as organizações a desenvolverem estratégias que visam a torná-las menos vulnerável às mudanças que vêm ocorrendo nos ambientes externo e interno. O processo de globalização (financeiro, produtivo e comercial), a introdução de novas tecnologias e a implantação de novos processos organizacionais levam alguns segmentos a um cenário de fusões, incorporações e reestruturação, com o objetivo de manter a competitividade. Segundo Tubino (2000, p.32), [...] para minimizar os efeitos negativos deste ambiente turbulento, deve-se estimular a elaboração de um planejamento estratégico [...]``. Este planejamento precisa ser desenvolvido levando-se em consideração os cenários político, econômico e cultural nos quais a empresa visa a atuar.

15 14 Num projeto de ação estratégica é importante a definição do objetivo que se pretende atingir. O planejamento deve direcionar a organização à adoção de estratégias competitivas, que podem ter os seguintes enfoques: para a Excelência Operacional, para a Inovação do Produto e/ou Orientada para Serviços. Em qual atuar, é a questão que deverá ser discutida por toda a organização. Como ferramenta de análise, para uma melhor condução do processo, têm-se os modelos de Planejamento Estratégico. Em conjunto com o plano de ação, deve-se estimular a formação de competências do indivíduo e da organização, pois estas são importantes para que a empresa tenha condições de se manter competitiva. Essas competências devem ser desenvolvidas no interior da organização, garantindo aos clientes da empresa uma agregação de valor (TUBINO, 2000). No segmento de supermercados, encontramos um cenário de mudanças com a entrada de novos atores, concentração e elevada competição. Estes fatores levam as organizações a se reestruturarem através de fusões, incorporações, profissionalização do corpo gerencial e na montagem de um plano de ação estratégico. Para este segmento o enfoque do planejamento tem sido o de adotar uma estratégia orientada para serviços. Pois a melhora no nível de serviço e a fidelização do cliente visam ao aumento da competitividade. Contudo, o setor não pode se afastar da busca por uma excelência operacional. Diversas ações estratégicas estão sendo adotadas pelas empresas do setor de supermercados, como: lançamentos de marca própria, adoção de novas tecnologias, introdução de novos processos organizacionais, enfoque logístico, comércio eletrônico, ECR (Resposta Eficiente ao Consumidor), CRM (Gerenciamento de Relacionamento com o Consumidor), novos formatos de lojas, segmentação de mercado e profissionalização do corpo gerencial, que têm como objetivo aumentar a competitividade da organização. Hoje, a informação é o "bem" mais precioso do empresário varejista e é à base do gerenciamento eficiente e eficaz que mantém o negócio e traz condições de crescimento sustentável, fazendo frente à concorrência de grandes empresas nacionais e internacionais.

16 15 As relações comerciais entre os diversos parceiros na Cadeia de Suprimentos têm evoluído muito nos últimos anos. As possibilidades de otimização e de melhor gerenciamento do fluxo físico de produtos e do fluxo de informações merecem cada vez mais a atenção das empresas. Há uma busca constante pela melhoria da qualidade do atendimento ao consumidor, da eficiência e da redução dos custos operacionais. Isto tem sido uma constante, independentemente do porte das organizações e do produto comercializado. O varejo vem passando por transformações decorrentes da abertura de mercado, por meio da globalização e da vinda de fortes grupos do exterior, gerando grande competitividade. O perfil mais exigente do consumidor e sua perda de poder aquisitivo acirram a concorrência entre as empresas. O acirramento da concorrência leva o setor a buscar a diferenciação, por meio de investimentos em automação e programas de prevenção de perdas, visando a busca da agilidade e eficiência operacional, bem como a preservação das margens. Utilizar ferramentas da automação viabilizadas pela correta utilização de código de barras significa eliminar operações anacrônicas e o desperdício (PORTER, 2005). O uso dos recursos da tecnologia de informação (aqui referenciada como Automação Comercial) vem facilitar, não só o desenvolvimento das funções administrativas, como também, melhorar a forma de operação de atividades que são percebidas pelos clientes. A evolução do uso das tecnologias de informação pelo usuário tem sido observada por especialistas que dizem que a utilização de computador no processamento de informação era voltada à contabilidade, e sua função principal era registrá-la. Hoje a informação pode mudar a cadeia de valores, otimizar e controlar funções (PORTER, 1995). Os impactos do uso das tecnologias de informação sobre a capacidade competitiva das organizações podem ser entendidas através de dois modelos idealizados por (Porter, 1995): as Forças Competitivas e a Cadeias de Valores. O modelo das Forças Competitivas serve para mostrar como as estratégias e as habilidades em competir das empresas são afetadas pelas ameaças e oportunidades do meio ambiente. Num cenário correspondente ao mercado onde as empresas estão

17 16 inseridas, o modelo mostra os fornecedores, os clientes, as empresas concorrentes e os produtos e serviços substitutos. Esses elementos constituem as Forças Competitivas. As empresas que conseguem vantagens competitivas em seus mercados são aquelas que têm capacidade de administrar melhor e mais adequadamente tais forças. O modelo de cadeia de valores, por sua vez, vem auxiliar as empresas no desenvolvimento de suas estratégias competitivas em relação aos seus negócios através do desenvolvimento de atividades de suporte (atividades de infra-estrutura administrativa, recursos humanos, tecnologia, compras, etc) e atividades primárias (ligadas à cadeia de produção e distribuição de produtos e serviços). A Tecnologia de Informação interage com as atividades da cadeia de valores, alterando os elementos da organização sob vários aspectos: a) transformando a cadeia de valores; b) transformando o produto; c) mudando a estrutura da indústria; d) diminuindo os custos e, e) obtendo diferenciação.

18 17 III AUTOMAÇAO NO VAREJO 3.1 Introdução A Automação no Varejo é um processo que visa à mecanização, a desburocratização e a busca pela excelência de um ponto de venda, que abrange desde a entrada da mercadoria até a saída da mesma (AUTOMASOFT, 2003). A Automação é um dos setores mais promissores para o mercado de tecnologia e possui um grande filão no mercado de varejo. Agilizar vendas, controlar o fluxo de negócios e conhecer bem os clientes é a meta de qualquer organização, independentemente do tamanho da empresa. No mundo moderno o uso da tecnologia em todos os segmentos é essencial, selecionando aqueles que irão destacar-se nas suas áreas de atuação. Na área comercial, desde as lojas mais modestas até nos hipermercados, o uso da informática é cada vez mais necessário. A Automação Comercial no Brasil cresce a passos largos - nos últimos anos o mercado triplicou - aprimorando-se cada vez mais e constituindo-se, hoje, na grande responsável pela melhoria das relações entre o comércio, a indústria e o consumidor final. A Automação Comercial se preocupa com a solução global dos problemas dos seus clientes, identificando as necessidades específicas de cada um, propondo soluções adequadas. 3.2 Investimentos em Automação A Automação deve ser encarada como um importante investimento pelo varejista empreendedor que pretende, por meio de um controle efetivo de suas operações comerciais, aperfeiçoar sua gestão buscando eficiência e produtividade. Com a automação do estabelecimento, o varejista prepara-se para atender com mais qualidade o exigente consumidor do novo século, uma vez que consegue conhecer

19 18 melhores seus clientes e sua empresa. Pode, portanto, tomar decisões rápidas tanto para realizar uma negociação, como para corrigir alguma falha, ter indicadores de desempenho, planejar de forma consciente o estoque, a compra e a venda, o fluxo de caixa, a exposição de mercadorias e as tendências do mercado. O aumento dos investimentos em automação comercial, modernização da tecnologia de informação, mudanças no modelo de gestão, ampliação das formas de crédito ao consumidor, otimização da área de venda e melhorias na qualidade do atendimento são algumas tendências verificadas no setor, decorrentes de um intenso processo de reestruturação que se acentuou nos anos 90(DIEESE, 2005). 3.3 Dificuldade na Implantação Implantar a Automação Comercial numa empresa é uma tarefa geralmente mais complexa do que se imagina. O grande desafio hoje é encontrar a solução adequada ao negócio, pois a falta de conhecimento em tecnologia, a ansiedade em automatizar o estabelecimento e a falta de critérios na escolha, leva o comerciante a adquirir soluções que serão motivos de frustração futuramente. O uso dos recursos da tecnologia de informação (aqui referenciada como automação comercial) vem facilitar, não só o desenvolvimento das funções administrativas, como também, melhorar a forma de operação de atividades que são percebidas pelos clientes. A evolução do uso das tecnologias de informação pelo usuário tem sido observada por Porter (1995, p.153) [...] a utilização de computador no processamento de informação era voltada à contabilidade, e sua função principal era registrá-la. Hoje a informação pode mudar a cadeia de valores, otimizar e controlar funções [...]``.

20 Automação Comercial no Brasil A competição no mercado brasileiro de Automação Comercial está ocorrendo de forma mais intensa desde o início dos anos 90. Dois fatores contribuem para a incidência de transformações nesse mercado. O primeiro refere-se à estabilização econômica brasileira e impacta diretamente o principal usuário da automação comercial - o comércio varejista. Com a mudança de patamar dos níveis inflacionários ocorridos devido ao Plano Real, as lojas de varejo, supermercados, etc, passaram a ter de melhorar sua eficiência operacional, uma vez que a aplicação financeira tornou-se uma opção cada vez menos atrativa. O segundo refere-se à abertura do mercado de informática. Devido à abertura, novas empresas de Automação Comercial passaram a operar no mercado brasileiro oferecendo produtos com atualização tecnológica compatível a dos seus similares nos EUA, Europa, Japão, entre outros. Nesse sentido, verificou-se um aumento na oferta de produtos e serviços de automação comercial no Brasil, provocando uma significativa queda nos preços. Segundo levantamento (EAN, 2005) [...] um conjunto de equipamentos formado por terminais PDV s (EPOS - Eletronic Point of Sale), máquina registradora, computador com impressora e scanner e software, custava em 1989 cerca de US$ 10 mil. Esse mesmo conjunto está orçado, em torno de US$ 2,5 mil, atualmente [...]``. Atualmente, o Brasil vive um aparente boom da Automação Comercial e isso pode ser verificado através dos investimentos inéditos do setor de comércio varejista e das previsões até o início da próxima década.

21 20 IV A IMPORTANCIA DA AUTOMAÇAO COMERCIAL EM SUPERMERCADOS 4.1 Aumento de Demanda Algumas ferramentas do varejo como "intuição" e "olhômetro" estão com os seus dias contados. Para uma gestão eficiente e eficaz do negócio, o varejista, hoje em um cenário altamente competitivo, não pode mais sobreviver sem a automação. O varejista preciso das informações em tempo real na gestão do negócio (vendas, compras, margens de lucro, composição do mix, atendimento, controle de estoques, fluxo de caixa, etc), para isso, precisa conhecer as soluções existentes e planejar adequadamente a automação. O crescimento da demanda por melhores serviços, qualidade e variedade de produtos, associados ao crescimento da concorrência tem forçado os varejistas a repensar a maneira de administrar seu negócio. A Automação Comercial oferece a racionalização dos processos: eliminação de tarefas repetitivas; minimiza erros em controles manuais; melhora o atendimento ao cliente interno e externo devido à alta qualidade e rapidez nas operações; além de permitir o aproveitamento das informações em tempo adequado para a tomada de decisão. Resumidamente, através da Automação Comercial o lojista pode obter lucros adicionais e cativar a clientela frente a notável melhoria na qualidade nos serviços prestados.

22 Tipos de Estratégia Para o setor de supermercados a estratégia competitiva deve estar orientada para os serviços. Neste ponto, a qualidade do atendimento, o preço praticado, o mix de produtos de cada loja, a identificação do perfil do cliente e suas necessidades são atributos que devem ser desenvolvidos por cada rede de supermercados. Na busca pela competitividade, este setor não pode deixar de lado a excelência operacional. O uso de tecnologias nos processos administrativos, bem como na integração com os clientes e fornecedores pode ser considerado fundamental na consolidação da estratégia orientada para os serviços. Este segmento deve ter uma visão global da sua cadeia de valores, pois a eficiência de cada loja depende da eficiência do conjunto de atores que compõem o ciclo produtivo. Tem-se, então, a necessidade de uma dupla ação estratégica: orientada para o serviço, mas com uma excelência operacional. A Automação fornece informações para os supermercadistas e, atualmente, quem não as tem simplesmente não consegue operar. Apenas com a captação e a análise de dados é possível identificar flutuações, pontos fortes e fracos do estabelecimento. Se as vendas caem, por exemplo, é fundamental para o supermercadista saber se houve diminuição do número de clientes, se isso aconteceu em um determinado departamento ou se a freqüência continuou a mesma e apenas o consumo diminuiu. Com esse levantamento em mãos, é possível tomar eventuais providências a fim de reverter à situação. Além disso, não há nada mais natural do que a necessidade de conhecer o cliente - quem compra na loja, o que compra, com que freqüência, etc. O supermercado de uns anos para cá ficou mais complexo e levar em conta essa complexidade é importante para o desenvolvimento do negócio. Atualmente, somente bons empresários permanecem no setor. A concorrência fica limitada aos bons, às empresas idôneas e com capacidade financeira e tecnológica para operar. Poder tirar relatórios com rapidez sobre o desempenho das vendas de um produto ou sobre o preço pago a um fornecedor é o grande benefício da automação. O objetivo é garantir uma total eficiência entre as atividades de suprimento, produção, distribuição e

23 22 pós-venda, que pode ser alcançado através da adoção de sistemas integrados de gestão (ERP Enterprise Resource Planning). O uso de tecnologias de informação no setor iniciou-se na retaguarda da organização nos departamentos de finanças, recursos humanos, contabilidade, e de forma "burocrática" nos setores de compras e controle de estoque. Numa segunda fase deu-se início à automatização das frentes das lojas. Esta etapa culminou com a introdução maciça de tecnologias como: código de barras, leitura óptica/scanners, PDV/check out (com balanças eletrônicas e preenchimento de cheques), etiquetas eletrônicas nas prateleiras, transferência eletrônica de fundos, e outras tecnologias que objetivam otimizar a passagem dos clientes pelos caixas e tornar os PDV mais produtivos. A importância estratégica do uso de tecnologia pelo segmento de varejo está concentrada em três atividades fundamentais que são: a logística (Supply Chain), a implantação do conceito de ECR (Efficient Consumer Response, ou Resposta Eficiente ao Consumidor) e no Comércio Eletrônico. O objetivo das empresas é reduzir custos, ganhar produtividade e, principalmente, ter uma importante melhora nas operações de venda. A Automação Comercial, quando bem implementada, permite um ganho de eficiência, ou redução de custo, de 8% a 10% na cadeia (SIQUEIRA, 2000). As vantagens incorporadas no dia-a-dia do consumidor graças à automação são extensas e intensas, embora ele muitas vezes não as note claramente. O uso de códigos de barras permitiu reduzir o índice de ruptura de gôndola (falta de produto na prateleira do supermercado ou da loja). O cliente só percebe que antes não encontrava certos produtos e agora encontra com facilidade, mas não entende como isso ocorreu. Este é um claro exemplo do benefício da automação que o consumidor não vê, mas sente. Já a redução das filas, graças ao check-out automático (registra a saída das mercadorias), é a parte visível dos ganhos da tecnologia (AUTOMAÇÃO, 2003).

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO

SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO Rosenclever Lopes Gazoni Data MACROPROCESSO [1] AUTOMAÇÃO DE ESCRITÓRIO/COMERCIAL: Correio eletrônico; vídeo texto; vídeo conferência; teleconferência;

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes

CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes CRM - gestão eficiente do relacionamento com os clientes Mais que implantação, o desafio é mudar a cultura da empresa para documentar todas as interações com o cliente e transformar essas informações em

Leia mais

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial

ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial ERP Enterprise Resourse Planning Sistemas de Gestão Empresarial Prof. Pedro Luiz de O. Costa Bisneto 14/09/2003 Sumário Introdução... 2 Enterprise Resourse Planning... 2 Business Inteligence... 3 Vantagens

Leia mais

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP.

LOGÍSTICA GLOBAL. Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. LOGÍSTICA GLOBAL Sistemas de Logística EDI, MRP e ERP. EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados Introdução O atual cenário econômico é marcado por: a) intensa competitividade, b) pela necessidade de rápida

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA:

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: Prof. Jean Cavaleiro Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA: PRODUÇÃO E COMÉRCIO Introdução Entender a integração logística. A relação produção e demanda. Distribuição e demanda. Desenvolver visão sistêmica para

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1

SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 SPEKTRUM SOLUÇÕES DE GRANDE PORTE PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS SPEKTRUM SAP Partner 1 PROSPERE NA NOVA ECONOMIA A SPEKTRUM SUPORTA A EXECUÇÃO DA SUA ESTRATÉGIA Para as empresas que buscam crescimento

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS

SISTEMAS DE NEGÓCIOS. a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1 SISTEMAS DE NEGÓCIOS a) SISTEMAS DE APOIO EMPRESARIAIS 1. COLABORAÇÃO NAS EMPRESAS Os sistemas colaborativos nas empresas nos oferecem ferramentas para nos ajudar a colaborar, comunicando idéias, compartilhando

Leia mais

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010

Objetivo da Aula. Enterprise Resource Planning - ERP. Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 23/4/2010 Enterprise Resource Planning - ERP Objetivo da Aula Descrever os sistemas ERP, seus módulos e possíveis aplicações e tendências 2 1 Sumário Informação & TI Sistemas Legados ERP Classificação Módulos Medidas

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057

SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 INTRODUÇÃO SISTEMAS INTEGRADOS DE GESTÃO EMPRESARIAL E A ADMINISTRAÇÃO DE PATRIMÔNIO ALUNO: SALOMÃO DOS SANTOS NUNES MATRÍCULA: 19930057 Há algum tempo, podemos observar diversas mudanças nas organizações,

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP)

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial. Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Prof. Dr. Adilson de Oliveira Computer Engineering Ph.D Project Management Professional (PMP) Evolução da TI nas Organizações Estágios de Evolução da TI nas Organizações

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL SIAC SISTEMA ITAUTEC DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL O SIAC é a solução integrada de automação comercial da Itautec para frente de loja. Um sistema que integra toda a área de vendas, fazendo com que a loja trabalhe

Leia mais

O CRM e a TI como diferencial competitivo

O CRM e a TI como diferencial competitivo O CRM e a TI como diferencial competitivo Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Profº Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO ANEXO Plano de Ação Estratégico Estratégias empresariais Anexo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas SEBRAE Unidade de Capacitação Empresarial Estratégias

Leia mais

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio

40% dos consumidores da Copa das Confederações da FIFA 2013 consideraram a agilidade no atendimento como fator mais importante no comércio 440mil pequenos negócios no Brasil, atualmente, não utilizam nenhuma ferramenta de gestão, segundo o Sebrae Varejo 2012 27% 67% de comerciantes que não possuíam computadores dos que possuíam utilizavam

Leia mais

Fenícia Automação Comercial

Fenícia Automação Comercial Fenícia Automação Comercial Introdução Indicado para estabelecimentos comerciais, rede de lojas ou franquias, o sistema FENÍCIA AUTOMAÇÃO COMERCIAL traz uma série de tecnologias de alto valor agregado

Leia mais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Enterprise Resource Planning. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais O que é ERP Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa,

Leia mais

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA

GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA GUIA DEFINITIVO DE ERP PARA COMÉRCIO VAREJISTA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> Como saber o momento certo para investir em um ERP?... 6 >> Como um sistema ERP pode me ajudar na prática?... 11 >> O que preciso

Leia mais

Fator impeditivo da automação das pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa PR

Fator impeditivo da automação das pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa PR Fator impeditivo da automação das pequenas e microempresas da cidade de Ponta Grossa PR Adm. Cesar Eduardo Abud Limas (UTFPR) cesar@interalfa.com.br Prof. Dr. Luciano Scandelari (UTFPR) luciano@cefetpr.br

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais

Tecnologias da Informação e da. e Organizacionais Tecnologias da Informação e da Comunicação nos Cenários Econômicos e Organizacionais A evolução tecnológica acompanhando a mudança organizacional Os negócios na era eletrônica O comércio eletrônico Cadeias

Leia mais

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio

Transformando seu investimento ERP em resultados para seu negócio 1 SUMÁRIO 1 2 3 4 2 Introdução A história do ERP O que um ERP fará pelo seu negócio? 1.1 - Otimização dos processos 1.2 - Gerenciamento completo 1.3 - Informações relevantes 1.4 - Controle Tributário ERP

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 05 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP Módulo MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. COMERCIAL ADMINISTRATIVA FINANCEIRA PEDIDOS EXPORTAÇÃO CONTAS A RECEBER TELEMARKETING

Leia mais

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid

TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid TOTVS COLABORAÇÃO 2.0 FISCAL powered by NeoGrid Recebimento de NF-e e CT-e Emissão de NF-e, CT-e, MDF-e e NFS-e Integração nativa com o seu ERP Exija a solução que é o melhor investimento para a gestão

Leia mais

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI)

CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) CRM (CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT) E A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (TI) Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Profº Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr,br Profº Dr. Luciano

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response )

Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Aula Nº 15 Resposta Eficiente ao Consumidor (ECR- Efficient Consumer Response ) Objetivo da Aula Aprofundar os conhecimentos de ECR, suas vantagens e implicações. Introdução Na aula anterior, estudamos

Leia mais

Sistemas de Informações

Sistemas de Informações Sistemas de Informações Prof. Marco Pozam- mpozam@gmail.com A U L A 0 5 Ementa da disciplina Sistemas de Informações Gerenciais: Conceitos e Operacionalização. Suporte ao processo decisório. ERP Sistemas

Leia mais

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico.

Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. Aula 7 Aplicações e questões do Comércio Eletrônico. TENDÊNCIAS NO COMÉRCIO ELETRÔNICO Atualmente, muitos negócios são realizados de forma eletrônica não sendo necessário sair de casa para fazer compras

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO

COMÉRCIO ELETRÔNICO UM BREVE HISTÓRICO UM BREVE HISTÓRICO COMÉRCIO ELETRÔNICO O comércio sempre existiu desde que surgiram as sociedades. Ele é dito como o processo de comprar, vender e trocar produtos e serviços. Inicialmente praticado pelos

Leia mais

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO WESLLEYMOURA@GMAIL.COM RECONHECIMENTO DE ALGUNS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ANÁLISE DE SISTEMAS ERP (Enterprise Resource Planning) Em sua essência, ERP é um sistema de gestão empresarial. Imagine que você tenha

Leia mais

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA.

MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. MAIS AGILIDADE, CONTROLE E RENTABILIDADE NA SUA CONSTRUTORA E INCORPORADORA. SANKHYA. A nova geração de ERP Inteligente. Atuando no mercado brasileiro desde 1989 e alicerçada pelos seus valores e princípios,

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM http://www.t2ti.com Projeto T2Ti ERP 2.0. Bloco Comercial. CRM e AFV Bloco Comercial CRM e AFV Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre os Módulos CRM e AFV, que fazem parte do Bloco Comercial. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas

Leia mais

MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO

MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO MIX DE TREINAMENTOS A ÚNICA QUE TEM O DNA DO SUPERMERCADO OPERAÇÃO DE LOJA Açougue Prático e Teórico Açougue Prático e Verticalizado Atendimento - amenizando filas em supermercados Cartazista Cartazista

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA

de frente Na linha Automação e expansão ABAD ENTREVISTA Na linha Como a automação contribuiu para o desenvolvimento das empresas de distribuição e atacadistas? A automação foi fundamental para o crescimento e fortalecimento do setor. Sem o uso intensivo da

Leia mais

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert

SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert SISTEMAS INTEGRADOS Pedro Schubert Vamos abordar os tópicos para a implantação da contabilidade moderna nas empresas. A contabilidade é legalmente utilizada nas empresas para atender aos enfoques legal

Leia mais

COMO TER UMA LOJA DE SUCESSO EM 30 DIAS

COMO TER UMA LOJA DE SUCESSO EM 30 DIAS COMO TER UMA LOJA DE SUCESSO EM 30 DIAS INTRODUÇÃO Quem está montando o próprio negócio no varejo, de vendas diretas aos consumidores, sonha evidentemente em conquistar um acelerado sucesso. O mesmo vale

Leia mais

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios

fornecendo valor com inovações de serviços de negócios fornecendo valor com inovações de serviços de negócios A TI é grande. Tantos bits no universo digital quanto estrelas em nosso universo físico. é arriscada. Dois terços dos projetos de TI estão em risco,

Leia mais

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo

Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE. Prof. Luís Rodolfo Unidade III PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Vantagens e desvantagens de uma rede para a organização Maior agilidade com o uso intenso de redes de computadores; Grandes interações

Leia mais

GUIA DE AUTOMAÇÃO PARA O VAREJO CALÇADISTA

GUIA DE AUTOMAÇÃO PARA O VAREJO CALÇADISTA ÍNDICE 1. SUMÁRIO...4 2. INTRODUÇÃO...4 3. OBJETIVO...5 4. APLICAÇÃO...6 5. PÚBLICO-ALVO...6 6. O QUE É AUTOMAÇÃO COMERCIAL?...7 7. RAZÕES PARA AUTOMATIZAR SUA LOJA...7 8. ROTEIRO PARA AUTOMAÇÃO DA LOJA

Leia mais

Sistema Gestão Comercial 2012

Sistema Gestão Comercial 2012 Sistema Gestão Comercial 2012 Charles Mendonça Analista de Sistemas Charles Informática Tecnologia & Sistemas Charles System Gestão Empresarial O Charles System é um software para empresas ou profissionais

Leia mais

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)?

Divulgação Portal - METROCAMP. Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Divulgação Portal - METROCAMP Você não quer exercer a profissão mais importante do futuro (Bill Gates)? Torne se um Trabalhador de Conhecimento (Kowledge Worker) de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br

Leia mais

Estratégias, Competências e Crescimento: Uma visão sobre o segmento de supermercados.

Estratégias, Competências e Crescimento: Uma visão sobre o segmento de supermercados. Estratégias, Competências e Crescimento: Uma visão sobre o segmento de supermercados. Autoria: Alexandre Werner e Lidia Micaela Segre Resumo O trabalho faz uma análise das estratégias que estão sendo adotadas

Leia mais

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO

WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO WORKER SISTEMA COMERCIAL PARA COMÉRCIO VAREJISTA E PRESTADORES DE SERVIÇO VILAS BOAS, M. A. A. 1 ; GOMES, E. Y. 2 1- Graduando em Sistemas de Informação na FAP - Faculdade de Apucarana 2- Docente do Curso

Leia mais

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning

Engª de Produção Prof.: Jesiel Brito. Sistemas Integrados de Produção ERP. Enterprise Resources Planning ERP Enterprise Resources Planning A Era da Informação - TI GRI Information Resource Management -Informação Modo organizado do conhecimento para ser usado na gestão das empresas. - Sistemas de informação

Leia mais

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas

Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Os obstáculos da aplicação de TI nas pequenas empresas Ricardo Roberto de Lima UNIBRATEC-PB João Pessoa - PB ricardoricrob@hotmail.com RESUMO O referido artigo visa ilustrar, de forma prática e rápida,

Leia mais

Manual de código de Barras

Manual de código de Barras 1. VISÃO GERAL 1.1 MODITIVAÇÃO: O código de barras é uma forma de representar a numeração, que viabiliza a captura automática dos dados por meio de leitura óptica nas operações automatizadas (EAN Brasil,

Leia mais

ERP. Planejamento de recursos empresariais

ERP. Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning Planejamento de recursos empresariais ERP Enterprise Resource Planning -Sistema de Gestão Empresarial -Surgimento por volta dos anos 90 -Existência de uma base de dados

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM

Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações ERP e CRM Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 6 ERP Enterprise Resource Planning Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Leia mais

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP

Sistema de gestão. Sistema de Gestão ERP Sistema de gestão ERP MÓDULOS E CLIENTES Os módulos podem ser adquiridos separadamente, conforme a sua necessidade. ÁREA COMERCIAL ÁREA ADMINISTRATIVA FINANCEIRA ÁREA PRODUÇÃO E SUPRIMENTOS ÁREA FISCAL

Leia mais

Software para Supermercado Revenda

Software para Supermercado Revenda Software para Supermercado Revenda Software para Automação Comercial, Completos e Simples para o seu negócio. SIA PDV (Frente de Caixa). SIA PDV vendido separadamente. TEF Dedicado vendido separadamente.

Leia mais

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Cláudio ERP/CRM e Supply Chain PRINCÍPIOS DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas de ERP Enterprise Resource Planning Pacote de ferramentas que integram toda a empresa, a grande vantagem é que os dados

Leia mais

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação

ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação ADM041 / EPR806 Sistemas de Informação UNIFEI Universidade Federal de Itajubá Prof. Dr. Alexandre Ferreira de Pinho 1 Componentes de uma empresa Organizando uma empresa: funções empresariais básicas Funções

Leia mais

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI)

IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) IV. Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) 1. Funcionamento do EDI 2. EDI tradicional X WEB EDI 3. EDI Tradicional 4. WEB EDI Intercâmbio Eletrônico de Dados (EDI) EDI: Electronic Data Interchange Troca

Leia mais

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br

PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO. ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br PROCESSOS PODEROSOS DE NEGÓCIO ideiaconsultoria.com.br 43 3322 2110 comercial@ideiaconsultoria.com.br POR QUE ESCREVEMOS ESTE E-BOOK? Nosso objetivo com este e-book é mostrar como a Gestão de Processos

Leia mais

Descubra aqui os benefícios de possuir um sistema de NF-e integrado com o software de gestão de empresas da Indústria da Construção.

Descubra aqui os benefícios de possuir um sistema de NF-e integrado com o software de gestão de empresas da Indústria da Construção. Descubra aqui os benefícios de possuir um sistema de NF-e integrado com o software de gestão de empresas da Indústria da Construção. 2 ÍNDICE SOBRE O SIENGE INTRODUÇÃO 01 OS IMPACTOS GERADOS COM A IMPLANTAÇÃO

Leia mais

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes

Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes Atendimento ao canal de Hotéis e Restaurantes AGENDA - MERCADO DE FOOD SERVICE - MODELO ABASTECIMENTO ATUAL E ENTENDIMENTO CADEIA DE ABASTECIMENTO - MODELO PROPOSTO - PRINCIPAIS BENEFÍCIOS DO MODELO -

Leia mais

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial

Sistemas Integrados de Gestão Empresarial Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Administração Tecnologia e Sistemas de Informação - 05 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

O que é ERP e suas vantagens

O que é ERP e suas vantagens Sistema 8Box ERP O que é ERP e suas vantagens Os ERPs em termos gerais, são uma plataforma de software desenvolvida para integrar os diversos departamentos de uma empresa, possibilitando a automação e

Leia mais

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor

Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Agilizando o processo de compras para aumentar a eficiência e comprar melhor Toda empresa privada deseja gerar lucro e para que chegue com sucesso ao final do mês ela precisa vender, sejam seus serviços

Leia mais

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial

Sistemas de Informação Empresarial. Gerencial Sistemas de Informação Empresarial SIG Sistemas de Informação Gerencial Visão Integrada do Papel dos SI s na Empresa [ Problema Organizacional ] [ Nível Organizacional ] Estratégico SAD Gerência sênior

Leia mais

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida

Unidade IV MERCADOLOGIA. Profº. Roberto Almeida Unidade IV MERCADOLOGIA Profº. Roberto Almeida Conteúdo Aula 4: Marketing de Relacionamento A Evolução do Marketing E-marketing A Internet como ferramenta As novas regras de Mercado A Nova Era da Economia

Leia mais

Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações. Um SIG gera

Leia mais

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo;

Conceitos ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Comunicação; Formas de escritas; Processo de contagem primitivo; Conceitos Comunicação; Formas de escritas; Bacharel Rosélio Marcos Santana Processo de contagem primitivo; roseliomarcos@yahoo.com.br Inicio do primitivo processamento de dados do homem. ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter

ESTRATÉGIA COMPETITIVA. Michael E. Porter ESTRATÉGIA COMPETITIVA Michael E. Porter 1. A NATUREZA DAS FORÇAS COMPETITIVAS DE UMA EMPRESA 2. ESTRATEGIAS DE CRESCIMENTO E ESTRATÉGIAS COMPETITIVAS 3. O CONCEITO DA CADEIA DE VALOR 1 1. A NATUREZA DAS

Leia mais

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste

Administração de Materiais e Logística. , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento. Completem o DHF. Melhoria Continua e Teste , Vendas CPD Cobrança PCP Expedição Faturamento Completem o DHF Melhoria Continua e Teste As Organizações como Sistemas Abertos As organizações estão em um constante estado de fluxo. AMBIENTE Estagio de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E

Prof. Marcelo Mello. Unidade III DISTRIBUIÇÃO E Prof. Marcelo Mello Unidade III DISTRIBUIÇÃO E TRADE MARKETING Canais de distribuição Canal vertical: Antigamente, os canais de distribuição eram estruturas mercadológicas verticais, em que a responsabilidade

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSOS GERENCIAIS 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ADMINISTRAÇÃO Ementa: Identificar os elementos básicos das organizações: recursos, objetivos e decisões. Desenvolver

Leia mais

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL

Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL Curso TECNOLOGIA EM GESTÃO EMPRESARIAL DISCIPLINA Aplicações de Sistemas de Prof. Wagner Däumichen Barrella Aplicações de Sistemas de Vínculo Administração-Tecnologia Administração e Tecnologia Revolução

Leia mais

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa

Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa Um software de gestão é realmente capaz de atender as necessidades de cada profissional? Saiba mais e usufrua de benefícios que tornarão sua empresa mais ágil, com menos papel e mais resultados. 2 ÍNDICE

Leia mais

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT

CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT CUSTOMER RELATIONSHIP MANAGEMENT O resultado prático para as empresas que adotam esse conceito de software, baseado no uso da tecnologia é conseguir tirar proveito dos dados de que dispõem para conquistar

Leia mais

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE

PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE PDV: DE OLHO NA RENTABILIDADE Muitas vezes o desconhecimento sobre políticas de estoque, finanças e parcerias comerciais é a principal explicação das dificuldades que muitas empresas têm em progredir ou

Leia mais

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Funções Gerenciais e Estrutura Organizacional Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Componentes de uma empresa Objetivos Organizacionais X Processos de negócios Gerenciamento integrado

Leia mais

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo:

3. Processos, o que é isto? Encontramos vários conceitos de processos, conforme observarmos abaixo: Perguntas e respostas sobre gestão por processos 1. Gestão por processos, por que usar? Num mundo globalizado com mercado extremamente competitivo, onde o cliente se encontra cada vez mais exigente e conhecedor

Leia mais

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS

O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS 190 O PAPEL DA LOGÍSTICA NAS ORGANIZAÇÕES: UM ESTUDO DE CASO EM UMA DISTRIBUIDORA DE ALIMENTOS Douglas Fernandes, Josélia Galiciano Pedro, Daryane dos Santos Coutinho, Diego Trevisan de Vasconcelos, Regiane

Leia mais

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy?

Quem somos? Por que a sua empresa merece o Sistema de Gestão ERP da Otimizy? Por que a sua empresa merece Quem somos? A Otimizy Sistemas Inteligentes é a desenvolvedora do software ErpSoft, um Sistema de Gestão Empresarial voltado a resultados, que automatiza processos operacionais

Leia mais

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade III MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade III MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Compras, abastecimento e distribuição de mercadorias Os varejistas: Precisam garantir o abastecimento de acordo com as decisões relacionadas

Leia mais

agility made possible

agility made possible RESUMO DA SOLUÇÃO Gerenciamento de ativos de software com o CA IT Asset Manager como posso administrar melhor os meus ativos de software e reduzir o risco de auditorias de conformidade? agility made possible

Leia mais

A TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL

A TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL A TECNOLOGIA DE AUTOMAÇÃO COMERCIAL E OS IMPACTOS NA CADEIA PRODUTIVA DO VAREJO. Roque Rabechini Jr. Eng. Pesquisador do IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo Av Prof. Almeida

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof. Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof. Odilon Zappe Jr Vantagens e Desvantagens do Comércio Eletrônico Vantagens Aumento do número de contatos da empresa com fornecedores e com outras empresas do mesmo ramo, e

Leia mais

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes

Unidade IV. Marketing. Profª. Daniela Menezes Unidade IV Marketing Profª. Daniela Menezes Comunicação (Promoção) Mais do que ter uma ideia e desenvolver um produto com qualidade superior é preciso comunicar a seus clientes que o produto e/ ou serviço

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Processos Mercadológicos 2010 0 O Processo pode ser entendido como a sequência de atividades que começa na percepção das necessidades explícitas

Leia mais

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho

Sistemas de Produção. Administração de Compras. José Roberto de Barros Filho Sistemas de Produção Administração de Compras José Roberto de Barros Filho Compras e o Planejamento e Controle da Produção Planejamento da Produção nos 3 níveis Planejamento Estratégico da Produção Departamento

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

Tecnologias de Informação

Tecnologias de Informação Sistemas Empresariais Enterprise Resource Planning (ERP): Sistema que armazena, processa e organiza todos os dados e processos da empresa de um forma integrada e automatizada Os ERP tem progressivamente

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda

Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Tecnologia da Informação Aplicada à Logística Prof. Fernando Augusto Silva Marins www.feg.unesp.br/~fmarins fmarins@feg.unesp.br Este material foi adaptado de apresentação de Marco Aurelio Meda Como garantir

Leia mais

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora

CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora CRM Uma ferramenta tecnológica inovadora Nelson Malta Callegari (UTFPR) nelson.estudo@gmail.com Prof Dr. João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefet.br Prof Dr. Antonio Carlos de Francisco (UTFPR) acfrancisco@pg.cefetpr.br

Leia mais

EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR

EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR EFFICIENT CONSUMER RESPONSE ECR O ECR surge em período turbulento e de grandes transformações no quadro socioeconômico mundial. Ele busca coordenar a troca de informações entre indústria e varejo, permitindo

Leia mais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais

MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT. Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais MASSACHUSETTS INSTITUTE OF TECHNOLOGY SLOAN SCHOOL OF MANAGEMENT 15.565 Integração de Sistemas de Informação: Fatores Tecnológicos, Estratégicos e Organizacionais 15.578 Sistemas de Informação Global:

Leia mais

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação

CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação CEA439 - Gestão da Tecnologia da Informação Janniele Aparecida Como uma empresa consegue administrar toda a informação presente nesses sistemas? Não fica caro manter tantos sistemas diferentes? Como os

Leia mais