Apresentação do "Projeto Campus Empresarial" na Embaixada do Brasil em Roma 25 de novembro de 2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apresentação do "Projeto Campus Empresarial" na Embaixada do Brasil em Roma 25 de novembro de 2004"

Transcrição

1 Os distritos industriais italianos e a globalização O modelo italiano de desenvolvimento industrial sempre foi considerado "diferente" em respeito ao dos outros países industrializados. Baseia-se em constelações de pequenas e médias empresas (PME), cuja força é caracterizada pela capacidade de aglomeração em clusters sob fortes vínculos não formalizados ao longo prazo, que evitam a não economia de escala. Isso resulta em um produto altamente especializado, que é peculiar para às exportações nacionais. Contudo, a Itália não tem os benefícios sinérgicos de capacidade adequada para o investimento transnacional. Várias são as causas desta anomalia, incluindo a forte resistência pelas próprias empresas, condicionadas por uma cultura marcadamente comércial (produzir em casa para vender no mercado externo) e contrárias a comprometer recursos organizacionais, recursos gerenciais e financeiros para facilitar a transferência de sua capacidade de produção em um ambiente econômico diferente e longe, superando as barreiras da linguagem, conhecimento das instituições e da cultura organizacional. Certamente a ausência de uma projeção multinacional adequada, tornando-se um constrangimento real na produtividade, pode resultar, a médio e longo prazo, especialmente em uma era 'de globalização, uma deterioração da mesma performance das exportações e, finalmente, da competitividade do país, como, aliás, está acontecendo na Itália. No entanto, são as áreas distritais, mais adequadas ao mercado italiano, aquelas que melhor podem facilitar uma reviravolta em termos de investimento estrangeiro. É necessário, entretanto, que os fatores competitivos por trás do sucesso das exportações possam ser transferidos da area mercantil a modalidades mais exigentes do envolvimento estrangeiro, sejam essas formas "leves" - através de acordos e parcerias internacionais que não envolvem a participação do capital de risco - o formas mais "vinculantes", baseado no investimento estrangeiro direto (IED) em joint ventures e atividades subsidiárias controladas diretamente. Itália até agora não conseguiu, por esses problemas congênitos, explorar o quadro de forte abertura e integração internacional dos mercados, não sabendo aproveitar muitas das oportunidades atuais para enraizar-se firmemente tanto em grandes e difíceis mercados oligopolistas, tanto em áreas da América Latina (os culturalmente mais semelhantes e agradáveis), e em áreas do Leste da Europa, Mediterrâneo e Ásia, que se abrem sempre mais ao jogo competitivo de economias mais fortes, liberalizando-as, reduzindo as barreiras comerciais e incentivando o afluxo de investimento estrangeiro, especialmente através de políticas de atração garantidas pelos incentivos financeiros e fiscais para os assentamentos de produção. Página 6: Foto 3 pessoas + Embaixada Apresentação do "Projeto Campus Empresarial" na Embaixada do Brasil em Roma 25 de novembro de 2004 Página 7: O projeto "Campus Empresarial" Nascido para superar estas desvantagens o projeto "Campus Empresarial" é apresentado como um paradigma, um modelo de desenvolvimento e exportação do distrito industrial italiano que processa e

2 interpreta, de forma nova, as tradições italianas das pequenas e médias empresas fazendo-as um modelo de sucesso fora da Itália. Como tal, o Projeto não tem como único objetivo a conclusão de seu programa-piloto que está sendo realizado no sul do Brasil na assim denominada Serra Gaúcha. O próximo desafio do Projecto "Campus Empresarial" está na sua reprodutibilidade em outras áreas ou para diferentes indústrias. O Projeto Piloto "Campus Empresarial" é um distrito com base de joint ventures bi-nacionais entre empresas e garantido pela presença no local, bem como tecnologia de ponta, centros de pesquisa, treinamentos e desenvolvimento de universitários altamentes qualificados, e também pela presença de um desk das principais organizações italianas representativas do "Sistema País Itália". Ele encontrou, de fato, a adesão e o apoio, das administrações locais (através, dos incentivos e concessões), e também dos governos dos dois países que se comprometeram através de um esforço conjunto a promoção da sua realização. Em conformidade com tais acordos, em novembro de 2009, durante uma missão de sistema, mesmo para ajudar o financiamento e a construção do projeto, foi assinado um addendum aos acordos entre os dois bancos institucionais de investimento SIMEST e BNDES. Até o momento, três PME italianas foram instaladas no local, uma das quais (de Bergamo) em 2011 começou a produzir no local. Página 8: Foto: Mapa do Brasil Brasil: O "B" do "BRICs", a 6 sexta economia mundial desde dezembro 2011 Sabe-se que para a Goldman Sachs, no seu famoso relatório de 2003 sobre a economia da primeira metade deste século, intitulado "Sonhando com o BRICs: The Path to 2050", também conhecido como "papel n º 99," Brasil, Rússia, Índia e China deveriam passar, dentro de algumas décadas, todas as economias mais fortes da Europa, alterando substancialmente o panorama econômico global. Assim, em 2050, apenas os Estados Unidos e o Japão poderão, não sem dificuldades, manter o ritmo com estes quatro mercados principais. No Brasil, as quatro regiões mais ricas em termos industriais, produtivos e economicos são: São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

3 Eles estão concentrados nestas áreas de excelência em setores chave: desde a química até a indústria têxtil, da engenharia até materiais avançados, e da tecnologia da informática. E estão também presentes algumas das mais prestigiadas instituições da América Latina no campo acadêmico, científico e de pesquisa. Página 9: O Estado do Rio Grande do Sul É precisamente no Rio Grande do Sul, um dos estados mais ricos do Brasil, o segundo em renda per capita mais alta, que está localizado - na metade do caminho entre São Paulo e Buenos Aires - o Projeto Piloto Campus Empresarial. Com pouco mais de 3% do território brasileiro, o Rio Grande do Sul, que abriga 5,5% da população nacional, produz um PIB de 152 bilhões de dólares, o segundo centro comercial e o segundo centro indústrial de transformação nacional e é um dos maiores produtores de grãos do país. O Rio Grande do Sul é um estado com caracteristicas europeias, e apresenta, de fato, um bom índice de desenvolvimento humano. De acordo com os critérios das organizações da ONU, o IDH do estado é 0,832, refletindo a menor mortalidade infantil no Brasil, altas taxas de alfabetização (95,5% com mais de 15 anos) e um serviço de saúde excelente. Abundância de água, energia, transportes e comunicação são distribuídos sobre um território de cenários encantadores, onde existe um povo multiétnico, com uma cultura de trabalho e uma riqueza de altos valores sociais. O Rio Grande do Sul é um estado hospitaleiro, aberto a qualquer pessoa que queira produzir, trabalhar ou simplesmente desfrutar de suas belas paisagens, de um cozinha atraente e de fortes tradições. É o estado mais meridional do Brasil, na fronteira com Uruguai e Argentina, ajudando a estabelecer, com a parte do seu território fronteiriço caracterizado por planaltos, a área conhecida mundialmente como os Pampas. Possui, portanto, uma posição privilegiada entre os países que compõem o bloco econômico Mercosul. Em uma área de aproximadamente 282 quilômetros quadrados vivem 10,7 milhões de pessoas, descendentes de índios, portugueses, italianos, alemães e asiáticos. No planalto da Serra Gaúcha (o Rio Grande do Sul é chamado também de "gaúcho", nome dos cowboys (vaqueiros) dos Pampas), de fato, é comum sentir-se brasileiro e falar em alemão ou italiano. O PIB do Rio Grande do Sul é o quarto mais alto do Brasil. Em 2011 cresceu cerca de 5,7% do PIB de 274 bilhões de reais, e a renda per capita cresceu 5,2% no mesmo ano, subindo para 25 mil reais. Esta realidade, combinada com as boas condições das estradas, telecomunicações, energia e os programas oferecidos pelo governo do estado (sem considerar que esta ainda entre os estados com o imposto ICMS mais baixo do país - Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços no Brasil) fazem do Rio Grande do Sul um grande atrativo para investimentos, tanto nacional como internacional.

4 Em 2011, foram lançados 60 projetos em investimento privado e o investimento privado foi de aproximadamente R $ 15 bilhões. Além disso, o Rio Grande do Sul é considerado um dos estados mais tecnologicamente avançado do Brasil tendo 14 parques tecnológicos, respondendo por 18,66% dos parques tecnológicos em todo o Brasil, bem como as incubadoras de empresas e centros de inovação tecnológica em 20 regiões do Estado, por uma rede de cerca de 450 municípios. Um dos maiores fabricantes e exportadores de grãos do Brasil, o estado gaúcho baseia também muito de sua economia (47%) no setor industrial. Entre os maiores municípios com altas taxas de densidade populacional e participação na composição econômica do Estado, estão a capital Porto Alegre (sede do Fórum Social Mundial), Caxias do Sul (centro do Campus Projeto Empresarial, o principal centro da cidade de engenharia - segunda no Brasil, depois de São Paulo), Canoas (no interior), Santa Maria (no centro do estado), Pelotas, Passo Fundo, Rio Grande e Uruguaiana (fronteira com a Argentina). As cidades de Gramado e Canela se destacam turisticamente por recordar os cenários e a atmosfera montanhosa da Europa Central e Alpinas. Em Porto Alegre também é sede do segundo banco público de desenvolvimento econômico do país o BRDE (Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul), o que favorece o crescimento das regiões ao sul do Brasil, incluindo a partir de 2010 o estado de Minas Gerais. Desde a sua criação, o BRDE já investiu mais de 65 bilhões de reais para os estados do sul. Somente em 2010, o Banco destinou R $ 2,2 bilhões em investimentos. Página 10: Fotos Verde Página 11: Serra Gaúcha e da cidade de Caxias do Sul A segunda maior cidade do Rio Grande do Sul, Caxias do Sul se destaca na economia nacional ancorada na indústria, especialmente no setor de engenharia. A força da cidade é o resultado do trabalho dos descendentes de imigrantes italianos (especialmente triveneto), aos quais foram adicionados os alemães, os austríacos, os luso-brasileiros, os polonêses e outros. Eles desembarcaram no que é, então, conhecido como "Campo dos Bugres", um local de passagem de pastores, pelas terras altas da Serra Gaúcha, entorno de Eles começaram a desenvolver produtos para consumo próprio e instalaram a primeira oficina, fonte de futuros negócios. Os atuais habitantes têm orgulho de preservar essa história italiana. Além da "Festa da Uva", há itinerários que cobrem a saga dos primeiros italianos. Os turistas também podem visitar museus, igrejas e adegas fortemente relacionadas com as tradições culturais italianas. Localizado no nordeste do estado, cerca de 760 metros acima do nível do mar, e habitada por mais de 500 mil habitantes, dos quais mais de 80% contabilizados pelos italianos, ou nativos. Caxias do Sul tem um espírito empreendedor, onde estão localizadas duas das maiores corporações da indústria automotiva brasileira, como Marco Polo e o Grupo Randon. Basta percorrer os números para verificar a força econômica que a levou a ser o 2 º maior centro de engenharia no Brasil. Num raio de pouco mais de 50 quilômetros, são fabricados tanto talheres quanto ônibus, e peças de reposição para caminhões. No campo

5 da fundição, as fábricas fornecem, por exemplo, peças para a indústria militar, componentes para a agricultura, as formas standard e matrizes. As 5,345 indústrias instaladas no município são responsáveis por 45,68% do produto interno bruto (PIB) local, calculado em $ 30, per capita. Possui ainda de empresas comerciais, empresas de serviços e que estão envolvidas na construção civil e 445 no setor agro-pastoril e de transformação agrícola, totalizando 27,284 empresas. O resultado deste desenvolvimento pode ser visto na qualidade de vida da população. A expectativa de vida é 74,1 anos, e a mortalidade infantil é 12,89 por mil nascimentos. A força trabalho é especializada. Além das escolas primárias e secundárias, existem escolas profissionais que são de grande importância. O "Senai mecatrônica" e o "Senai Autotronics" são referências proeminentes em todo o Brasil. Depois, há o "Senai Construção Civil", o "Senai José Gazola", o "Senai Nilo Peçanha", o "Senac", a "Escola de Metalurgia" e a "Escola Técnica", e mais de 11 escolas técnicas profissionais. A Secretária de Desenvolvimento Econômico (SDE) está promovendo uma série de ações para o benefício da indústria, comércio, serviços, ciência e tecnologia. Trata-se principalmente dos programas de "econômia solidária", incentivando o associativismo e oferecendo suporte aos membros da sociedade, porque eles constituem "Arranjos Produtivos Locais" (APL), " Associações de Recicladores", ou clusters da "Informática", " Moda "e" Metal- Mecanico ", a "Certificadora de gás natural ", a "Associação de Garantia de Crédito" da Serra Gaúcha (AGC), a "Instituição Comunitária de Crédito"(ICC - Banco do Povo), bem como projetos, conferências, programas e acordos de cooperação com entidades públicas e privadas. Página 12: Universidades, pesquisas e centros de formação a serviço do território Foto: Cidade Para desenvolver o recurso humano, a Serra Gaúcha pode contar com uma rede de universidades e centros de pesquisa bem articulados, tanto em termos de graduação como do ponto de vista territorial. E também pelo alto nível de qualidade; com uma educação que reflite as necessidades e habilidades de produção mundial. Além das tradicionais facultades de Ciências Humanas, o Rio Grande do Sul, Porto Alegre e Caxias do Sul possuem centros universitários, centros de pesquisa e centros de tecnologia de absoluta liderança no Brasil e na América do Sul, que estão envolvidos em pesquisa aplicadas e transferência de tecnologia para as PME nos principais setores indústrias, de informática, de telecomunicações, de gestão e organização de empresas, de design e gráfica. No ensino superior, a cidade se orgulha da Universidade de Caxias do Sul (UCS), com cerca de alunos, da "Faculdade da Serra Gaúcha" (FSG), da "Faculdade dos Imigrantes" (FAI), da "Universidade Estadual do Rio Grande do Sul "(UERGS), da "Faculdade de Nossa Senhora de Fátima" e da "Faculdade de Tecnologia" (FTEC).

6 Página 13: Campus Empresarial: o diálogo entre cultura empresarial, acadêmica e tecnológica. No limiar de Caxias do Sul, perto do aeroporto, algumas dezenas de quilômetros de Porto Alegre, localizado em uma área de particular importância estratégica encontramos o Projeto Piloto Campus Empresarial. Nascido com a intenção de incentivar a instalação de PME italianas no Brasil, no coração do segundo maior polo metalmecânico brasileiro, de DNA italiano (expressão utilizada na Missão do Sistema Itália em 2006 pelo então presidente da pequena indústria que definiu a área geográfica em questão como "o berço das PME de origem italiana no exterior"), quer constituir uma combinação de empresas com uma forte propensão inovativa e de instituições científicas e centros de pesquisa e desenvolvimento das áreas mais avançadas. Um lugar privilegiado para o diálogo entre a cultura empresarial, acadêmica e tecnológica. Equipado com infra-estrutura avançada e flexível, oferece todos os serviços técnicos, logísticos e informáticos e telemáticos e, também, aquelos serviços de promoção, formação, apoio e assistência necessária para a deslocalização de empresas italianas. A lógica da complementaridade, especialização, e interdisciplinaridade permite de conectar áreas da experiência profissional de setores aparentemente distantes e incompatíveis, permitindo em última análise, alcançar novas fronteiras na produção industrial e tecnologia. O Campus Empresarial Ltda é a empresa que está envolvida, diretamente ou indiretamente, na gestão de todos os serviços de apoio às empresas do distrito, e no desenvolvimento da formação e da investigação, a promoção da área, e das empresas específicas pertencentes a ela. Várias oportunidades que fazem parte de uma oferta diversificada de pacotes de diversos serviços por conta das necessidades de cada específica empresa. O objetivo é: ofertas únicas na medida dos interesses de cada empresa, tendo em conta as diferentes necessidades de instalação, como a simples locação de escritórios e laboratórios já existentes, a inclusão no pacote, "chaves na mão", de um edifício já existente ou de construção (em conjunto com qualquer outro serviço que possa ser solicitado, tais como: fiscal, financeiro, pesquisa de pessoal, jurídico e logístico) ou a identificação da terra sobre a qual construir um projeto encomendado pele empresa ao terceiro. Evidentemente, neste último caso, o projeto deve ser aprovado por uma comissão de engenheiros e arquitetos, a fim de avaliar as características de inovação e estética para uma integração mais harmoniosa na paisagem global, de acordo com a filosofia de arquitetura que inspirou o inteiro Projeto Campus Empresarial. Basicamente, a intenção que se pretende realizar com uma gama completa de serviços personalizados é permitir que as PME italianas não desperdicem energia em problemas físicos e econômicos da organização, permitindo-lhes concentrar exclusivamente no seu negócio principal.

7 Página 14: As atividades do Campus Empresarial O contexto de produção, ambiental e arquitetônico do Campus Empresarial permite que as empresas, tanto italianas quanto brasileiras, possam conduzir seus negócios em um lugar na medida adequada, ao mesmo tempo aumenta a atividade produtiva porque dotado de instalações e equipamentos de vanguarda, localizados em estreita colaboração com as principais realidades industriais e educacionais de uma das regiões mais ricas da América do Sul. Isto é possível porque o Campus Empresarial reune a melhor experiência em Itália-Brasil e tem como objetivo desenvolver o investimento italiano no exterior em uma terra fértil para a produção industrial, em virtude do tecido industrial favorável, talvez já desenvolvidos através de joint ventures entre empresas locais e internacionais. Os prestadores de serviços, formadores e centros de pesquisa, bem como empresas e laboratórios que trabalham no Campus Empresarial, irão desfrutar destas condições a fim de desenvolver melhor a lógica do "Campus", compartilhando dados, criando sinergias, novas parcerias, cultivando relacionamentos, todos aproveitando uma ampla gama de pacotes de serviços de alto valor agregado. A gama de serviços, alguns já previstos a partir do pacote inicial de instalação, serão organizados e disponibilizados pela Administração, responsável pela gestão e pelo desenvolvimento do Campus Empresarial, ou por indivíduos delegados com esta finalidade. Campus Empresarial não limita a suas fronteiras físicas, sendo aberto, através das tecnologias mais inovadoras, ao mundo inteiro: na verdade, em diferentes condições, os serviços também são oferecidos a instituições, empresas, centros de pesquisa e laboratórios externos a ele. Tudo isso com a intenção de criar uma rede, seja dentro que fora, daquilo que não só o Campus pode beneficiar. Página 15: Assessoria e Serviços de assistência ou formação: 1. aconselhamento e assistência na análise das características da empresa, a identificação da posição competitiva, na avaliação de estudos de viabilidade, em desenvolvimentos posteriores; 2. ajuda na identificação das estratégias gerais de marketing, daqueles da oferta e de distribuição; 3. assistência na organização comercial, no marketing das redes de vendas e nas pesquisa de mercado; 4. assistência e aconselhamento para avaliar as melhores oportunidades de acesso e de entrada no mercado através da busca de parceiros, de assinatura de acordos de distribuição e marketing, para valorização, industrialização e desenvolvimento de produtos e serviços; 5. assistência e aconselhamento para a pesquisa de financiamento tanto para a fase de "start up" quanto para o acompanhamento até a produção plena;

8 6. Serviço de Pesquisa & Desenvolvimento, para a criação e desenvolvimento de novos empreendimentos e "spin-off" de negócios; 7. consultoria de engenharia e arquitetura para a construção da fábrica no Brasil; 8. ampla assistência jurídica (em contratos nacionais e internacionais, a proteção da propriedade intelectual e regulamentação de patentes, no sistema legal dos países sulamericanos, em nível nacional e planejamento tributário internacional, etc.); 9. serviço de consultoria para as relações institucionais internacionais e nacionais, que assinam acordos de cooperação no setor da produção e pesquisa, representando as empresas integrantes do projeto e as instituições; 10. implementação e desenvolvimento de relações entre as empresas instaladas, a Universidade, os Centros de Formação e as Instituições locais, regionais, nacionais e internacionais; 11. suporte técnico-científico às administrações públicas supporto tecnico scientifico alle Amministrazioni Pubbliche, em competência das empresas do Campus e nas relações de questas empresas com a administração pública; 12. atividade de formação universitária, com a cooperação das universidades nacionais e internacionais, também por meio da criação de programas de formação de tipo pós-láurea, master ou de formação especializada de excelência; 13. atividade de formação superior não universitária, espécie técnica, de qualquer forma com função de dar continuidade e valorizar os resultados de pesquisa; 14. assistência e desenvolvimento para a criação de novas empresas e tecnologia inovativas, graças ao intercâmbio entre empresas e atividade de formação. Serviços promocionais e de suporte: Recolhimento, elaboração, publicação e difusão por meio de acordos com os interessados diretos dos resultados das pesquisas efetuadas internamente nela área distrital, úteis ao fim dela sua valorização, com referência às vantagens produtivas e aos avanços obtidos de empresas específicas que tenham requerido ou apoiado a pesquisa; Organização de conferências e seminários no Campus ou fora do mesmo, com o objetivo de promover e valorizar todas as atividades desenvolvidas no próprio Campus da oferta de serviços à aividade de formação, da pesquisa à difusão de inovação, do transferimento de tecnologias às empresas ao desenvolvimento de tecnologias prioritárias para a indústria, da produção à comercialização para a conquista de novos setores ou de novos nichos de mercado; Preparação de feiras e exposições para a valorização do nome e do funcionamento de empresas e de instituições instaladas no Campus; Desenvolvimento e gestão do portal contendo amplas seções dedicadas às empresas instaladas, à sua atividade de produção e ao link de seu respectivo site.

9 Página 16: Serviços logísticos Serviçoes de organização e gestão atividade de segurança e controle: segurança; controle de acesso; monitora mento interno 24 horas; prevenção anti-incêndio; presídio médico (enfermaria). Atividade de Limpeza: supervisão periódica dos equipamentos para a verificação do cumprimento dos padrões higiênicosanitários; limpeza periódica e regular de todas as infra-estruturas eliminação de resíduos químicos; eliminação e coleta diferenciada. Atividade de mnutenção: manutenção dos istalações tecnológicas e civis manutenção das áreas de uso comum. Serviços telemáticos avançados: conexões e transmissões de dados (telefônicos e informáticos); gestão de serviços telemáticos. Seviços e instrumentos tecnológicos para o controle da produção, armazenamento, venda de produtos e relações entre fornecedores e clientes: identificação de peças e produco com sistema de radiofrequência que garantem a qualidade e a origem do produto - RFDI; individuação de target com sistemas de radiofrequência (ex.: pessoas, equipamentos, veículos, embalagens e recipientes, etc.); instrumentos de EDI - Eletronic Data Interchange (trasferimento eletrônico de documentação) e WEBEDI (trasferimento eletrônico de documentação via internet); instrumentos VASP - Value Added Solution Provider (soluções para aplicações de internet); instrumentos de controle do fluxo financeiro; instrumentos de controle da comercialização e distribuição dos produtos; instrumentos de promoção comercial; Data-Center; VOIP Voz com IP com alcance global; Global Fax com alcance global. Infraestrutura para as instalações: Laboratórios para a inovação tecnológica, realizados seja sobre uma base de modelo "standard", seja modificados segundo a exigência de um único instalado e de sua atividade;

10 escritórios, construídos de acordo com as tecnologias mais avançadas e dotadas de infraestruturas mais atualizadas; cogeração (energia elétrica e térmica); ar-condicionado; infraestrutura de rede; armazéns e outras instalações; equipamentos de produção de green energy também integrada nas estruturas. Página 17: Infraestrutura de uso comum para empresas instaladas e externos reception; centro de impressão (serviço de copiadora); salas de reunião; salas para vídeoconferência; centro de convenções; seminar Rooms; teachinglabs; serviços de restaurante; estacionamento de veículolos e motos (aberto e coberto); recepção; bar e cafeteria; agências bancárias (com caixa eletrônico); correios; livrarias (autorizada também para a revenda de revistas, jornais e outros produtos editorias); transportes públicos (com conexão entre as estações de ônibus e o aeroporto mais próximo); hote; ciclovia; vias de pedestres; área verde; desk Itália para qualquer ente. Desevolvimento do território A presença do Campus Empresarial no território terá impacto de caráter econômico, laborativo e social. Em particolar, prevê-se que, no fim dos próximos 5 anos o Parque terá nas seus iniciais 40 hectares de propriedade do Campus Empresarial cerca de 100 lotes de dimensão variável, destinados prevalentemente a uma centena de pequenas e médias empresas italianas, mas as administrações locais comprometeram-se em favorecer nos próximos anos a expansão de hectares adicionais, oferecendo adicionalmente incentivos fiscais. A atividade do Campus Empresarial determinará, ainda, vários benefícios de caráter social, entre os quais:

11 um forte impacto potencial sobre pequenas e médias empresas; um aumento do nível tecnológico médio da indústria no intorno; o crescimento de um aglomerado de empresas caracterizadas por uma dinâmica competitiva e inovativa em nível global e de um ou mais "distritos de inovação e de altas tecnologias"; a melhoria qualitativa e competitiva dos setores especializadas e o crescimento de novas atividades - percursos inovativos para as políticas locais e para o marketing territoriais; uma oportunidade para a pesquisa e a inovação industrial; uma região mais competitiva, com forte característica e presença ítalo-brasileira. Página 18: Foto Página 19: O local O projeto arquitetônico do "Campus Empresarial" abrange uma área de 300 hectares, em grande parte localizada na cidade de Caxias do Sul e em menor parte no nordeste em Farroupilha. Tem uma forma quase trapezoidal, na qual o lado mais curto, no nordeste, alonga-se em cerca de mil metros; é delimitado pela auto-estrada 122 com controle de acesso, e varia entre 744 e 760 metros acima do nível do mar. O Projeto Arquitetônico O lado em direção norte-sul, que se estende ao longo da estrada municipal "Para Linha Palmeira" mede cerca de metros, diminuindo lentamente em direção norte de 760 a 750 metros acima do nível do mar. A topografia geral caracteriza-se por áreas quase planas (geralmente utilizadas para cultivo) e declives com várias gradações descendo do lado leste ao lado oeste, formando em algumas áreas de sulcos de água de chuva. Página 20: Foto: Mapa 3D Proposta de zoneamento geral O princípio orientador do zoneamento foi definir as áreas de edificação (lotes industriais, centros de serviços, etc.) nas partes menos acidentadas do distrito (lado leste), mantendo a zona recoberta de vegetação de mata nativa, existente ao lado oeste, o mais íntegra possível. Outro princípio foi a realização por fases. Pode-se iniciar com um primeiro núcleo de lotes industriais e com um centro de serviços, enquanto fases posteriores de ampliação podem ser realizadas em tempos diversos e sucessivos sem interferir sobre o funcionamento das partes pré-existentes. O complexo é estruturado apoiando-se em uma rede rodoviária principal, de uma seção de 24 metros, que começa ao sul ao início da estrada municipal citada (ponto de acesso ao Campus) e que, seguindo em grande parte a viabilidade pré-existente, atravessa toda a área noroeste.

12 A rede rodoviária secundária (18 metros de seção), que se colega a aquela principal, será organizada de modo a atender os vários segmentos/fases de construção e ser realizada conforme necessário. Durante a construção das áreas dos segmentos/fases colegam-se diretamente com a referida estrada municipal por meio de acessos secundários, a fim de evitar o cruzamento com os meios de construção dos compartimentos já realizados e em funcionamento e, em particular, da área destinada ao centro de serviços. A rede de distribuição interna virá diversamente dimensionada conforme a disponibilidade, seja em um ou em ambos os sentidos. O "Campus Empresarial" poderia articular mais recursos (a título esemplificativo foram indicados 8), realizáveis em fases temporais diversas sem causar impedimento para o funcionamento global. O primeiro segmento (Fase 1A e 1B) abrange uma área destinada aos lotes industriais, localizada no município de Farroupilha (1A) e na área vizinha situada na cidade de Caxias do Sul entre o anterior e o ponto de acesso ao "Campus" (1B). Essa segunda área é destinada basicamente a "centro de serviços" e, em parte, a lotes industriais. O tamanho do segmento 1A é de aproximadamente 21,5 hectares, enquanto o segmento de 1B é de aproximadamente 18,8 hectares. A identificação dos sucessivos possíveis segmentos foi feita levando-se em conta: a previsão das dimensões conformes para a realização de núcleos contendo um número equilibrado de lotes para a realização de redes tecnológicas de serviços; Página 21: Foto: mapa 3D que sua realização possam ser realizados juntamente com o delineamento da estrada principal e a essa conexas (que gradualmente poderá formar um tipo de "anel"); que a sua implementação possa ser feita, sem interferir com os equipamento móveis necessários para a organização e a realização do cantiero, nos lotes já construídos e em funcionamento. Os segmentos sucessivos ao primeiro, individuados em primeira aproximação, e a títilo esemplificativo, serão articulados no curso do desenvolvimento successivo do Projeto Campus Empresarial. Fase 1A: Loteamento Industrial. O sub-setor, localizado dentro do município de Farroupilha, mede cerca de 21,5 hectares, dos quais 2,4 (11%) correspondem a áreas de proteção ambiental localizadas no extremo norte. A área é bastante plana, com exceção de uma pequena porção localizada na parte nordeste que desce íngreme de uma altitude de 744 a 724. A destinação do segmento 1A é predominantemente a lotes industriais e, mais precisamente:

13 lotes industriais: m 2 ; cruzamento de estradas principais: m 2 ; outras avenidas de distribuição interna: m 2 ; estacionamento: m 2 ; Áreas verdes: m 2. Foi prevista uma subdivisão em 61 lotes industriais, agregados ou subdividido entre eles de acordo com diferentes exigências. Na hipótese apresentada, ainda indicativas, 52 lotes têm um tamanho entre e m 2 e 9 lotes têm dimensões maiores (máximo 4.500) para atender às necessidades específicas e particulares. Uma lei especial (válido para todo o "Campus empresarial" a) irá definir alguns padrões para o projeto (tipo de cercas, árvores, destinos compatíveis, tratamento de áreas livres, etc.) com objetivo de assegurar a uniformidade ao complexo, ainda que haja liberdade de escolha do projeto da parte dos arquitetos dos lotes individuais. E também prever a constituição de uma comissão especial para garantir o respeito à qualidade do projeto necessária para o sucesso do "Campus". Fase 1B: Centro de gerenciamento O sub-setor, localizado dentro da cidade de Caxias do Sul, mede aproximadamente 18,8 hectares, dos quais 3,3 (igual a 17,5%) correspondem a áreas de proteção ambiental. A área é topograficamente ondulada, variando de 736 a 756 metros. É atravessada pela estrada de acesso ao sub-setor 1A e é limitada a norte pela estrada principal que atravessa todo o"campus". A fase 1B é destinada fundamentalmente ao centro de gerenciamento de serviços. Página 22: Foto: planta do lugar Do Campus inteiro e, em parte, do loteamento industrial. O centro de gerenciamento é o coração de todo complexo e o caracteriza com as suas funções especiais. Colocado à disposição de todo o "Campus" em posição emergente, está estruturado da seguinte forma: uma área para ensino, pesquisa, formação, onde são previstas salas de aula e de estudos para os docentes, laboratórios e biblioteca; área de hi-tech; área expositiva e de realização de feiras, em grande parte abertas e diretamente acessíveis ao público; auditório, à disposição para reuniões e eventos de particular relevância; área de restaurante; área de escritórios (administração, sede de associações industriais, relações nacionais e internacionais, balcão de informação, etc.) e de serviços (correio, banco, consultoria comercial jurídica e financeira, certificação da qualidade do produto, etc.).

14 O modelo apresentado é meramente indicativo. É suscetível a alterações em relação a particulares exigências e ao estudo do impacto ambiental que deverá ser feito em um segundo momento. O segmento 1B completa-se, prvalentemente no setor norte-oeste, com uma série de lotes industriais. O destino do segmento será a seguinte: centro de gerenciamento e de serviços: m 2 ; lotes industriais: m 2 ; rodovias de travessia: m 2 ; outras vias de distribuição interna: m 2 ; estacionamento: m 2 ; áreas verdes: m 2. Foi prevista uma subdivisão em um total de 49 lotes industriais, agregados entre eles ou divididos de acordo com diferentes necessidades. Na hipótese apresentada, ainda indicativa, 43 lotes têm um tamanho que varia entre e m 2 e 6 lotes têm dimensões mais amplas (máximo m 2 ) para atender a necessidades específicas. Particularmente, uma pequena série de lotes foi localizada numa área suficientemente isolada, com possível acesso direto a partir da estrada municipal, para ser destinado a laboratórios de alta tecnologia que requerem condições especiais de isolamento e de privacidade. Os projetistas O projeto é acompanhado por uma equipe da Universidade La Sapienza de Roma dirigida pelo Professor e Engenheiro Umberto De Martino e pelo Professor e Arquiteto Lucio Carbonara, com auxílio em Roma dos arquitetos Francesco Marchegiani, Cinzia Bellone, Cristina Volpetti, Enrica Silvestri, Giorgio Moroni, e para as atividades no Brasil pelo arquiteto Elio Trusiani. Agradecem pela colaboração: Os Professores e Advogados Paolo Carbone e Fabio Vicenzi, idealizadores e diretores do Projeto, sem os quais tudo isso não seria possível, o BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social), o governo do Estado do Rio Grande do Sul, a Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado do Rio Grande do Sul, a cidade de Caxias do Sul, a cidade de Farroupilha, a Universidade de Caxias do Sul, o SIMECS (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul), o Ministério do Desenvolvimento Econômico Italiano, SIMEST (Sociedade Italiana para as Empresas no Exterior), ICE (Instituto Nacional para o Comércio Exterior) e Confindustria.

Toda a imponência que seu negócio merece

Toda a imponência que seu negócio merece Toda a imponência que seu negócio merece A economia de Caxias do Sul desenvolveu-se a partir da cultura da uva, que para ser transformada em vinho necessitava ser processada na própria região, isso propiciou

Leia mais

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital

{ 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 2 } Parque Tecnológico Capital Digital { 3 } 1. INTRODUÇÃO: PARQUE TECNOLÓGICO CAPITAL DIGITAL - PTCD Principal polo de desenvolvimento Científico, Tecnológico e de Inovação do Distrito Federal, o PTCD

Leia mais

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS

REDES DE PEQUENAS EMPRESAS REDES DE PEQUENAS EMPRESAS As micro, pequenas e médias empresas, em decorrência da globalização e suas imposições,vêm buscando alcançar vantagem competitiva para sua sobrevivência no mercado. CONTEXTO

Leia mais

Sorocaba - Visão de FUTURO

Sorocaba - Visão de FUTURO Sorocaba - Visão de FUTURO AGENDA A cidade de Sorocaba Sistema de Inovação Parque Tecnológico de Sorocaba Centro de Inovação Oportunidades História da Cidade de Sorocaba Fundada em 1654, pelo capitão Baltazar

Leia mais

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios

3.260.292 habitantes Taxa crescimento População: 2% (8 anos) IDH: 0,824 26 municípios Números Curitiba 1.828.092 habitantes TaxaCrescimentoPopulação: 1,8% (8 anos) TaxaCrescimentoAnualPIB: 3,8% (5 anos) PIB 2008 (estimado): R$ 39,2 bi (US$ 20 bi) 5º PIB do Brasil PIB per Capita: R$ 21.447

Leia mais

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda.

Campus Cabo Frio. Projeto: Incubadora de Empresas criação de emprego e renda. Campus Cabo Frio Trabalho de Microeconomia Prof.: Marco Antônio T 316 / ADM Grupo: Luiz Carlos Mattos de Azevedo - 032270070 Arildo Júnior - 032270186 Angélica Maurício - 032270410 Elias Sawan - 032270194

Leia mais

Principais Fatos e Números

Principais Fatos e Números Principais Fatos e Números BRAZIL Brasil Minas Gerais Região Metropolitana de Classificado como a 6ª maior economia em 2011, esperando chegar à 5ª posição até 2016. 3 ª maior economia dentre os 27 Estados

Leia mais

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013

Atuação das Instituições GTP- APL. Sebrae. Brasília, 04 de dezembro de 2013 Atuação das Instituições GTP- APL Sebrae Brasília, 04 de dezembro de 2013 Unidade Central 27 Unidades Estaduais 613 Pontos de Atendimento 6.554 Empregados 9.864 Consultores credenciados 2.000 Parcerias

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos 8ª Oficina de Trabalho Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos Brasília, 2 de junho de 2011 O que é a Renai Sistema de informações sobre investimentos produtivos no Brasil Coordenação: MDIC Criação:

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM

TÉCNICO EM HOSPEDAGEM Imagens para explicar que às vezes o turista quer um lugar simples, no meio da natureza para descansar, basta estar limpo, asseado e arejado, nem todos querem luxo, existe vários perfis de clientes.(grifo

Leia mais

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA

DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA DESENVOLVIMENTO REGIONAL E A INDÚSTRIA Regionalismo e Cooperação Intermunicipal o caso do Grande ABC Paulista Fausto Cestari Filho Características do Grande ABC Primeiro povoado brasileiro fora do litoral

Leia mais

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013

VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Comentários de Peter Hansen sobre interação Universidade- Empresa no Brasil e Experiências Práticas. VI Reunião Técnica Internacional de FAEDPYME Nicarágua 08 a 10 de Maio de 2013 Apresentação Prof. Peter

Leia mais

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri

Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Inovação e Tecnológia na Gestão Pública Profa. Dra. Cristina Castro Lucas de Souza Depieri Doutorado em Administração (UnB) Mestrado em Contabilidade e Controladoria (UFMG) Graduação em Ciências Contábeis

Leia mais

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO

LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO LINHAS DE PESQUISA EMPREENDEDORISMO, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO Nos países desenvolvidos e, em menor grau, nos países em desenvolvimento, assiste-se ao surgimento de padrões tecno-econômicos onde os resultados

Leia mais

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva

VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 13, N. 26, P. 303-308, DEZ. 2006 VI Conferência Anpei: Inovação como Estratégia Competitiva Data: 5 a 7 de junho de 2006 Local: Rio de Janeiro (RJ) Representante do

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA POLÍTICA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ESTEVÃO FREIRE estevao@eq.ufrj.br DEPARTAMENTO DE PROCESSOS ORGÂNICOS ESCOLA DE QUÍMICA - UFRJ Tópicos: Ciência, tecnologia e inovação; Transferência de tecnologia; Sistemas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO PARA O DIÁLOGO E A COOPERAÇÃO EM CULTURA ENTRE BRASIL E URUGUAI

PLANO DE AÇÃO PARA O DIÁLOGO E A COOPERAÇÃO EM CULTURA ENTRE BRASIL E URUGUAI PLANO DE AÇÃO PARA O DIÁLOGO E A COOPERAÇÃO EM CULTURA ENTRE BRASIL E URUGUAI Aos 26 dias do mês de julho de 2011, as autoridades de Cultura da República Federativa do Brasil e da República Oriental do

Leia mais

A decolagem do turismo

A decolagem do turismo A decolagem do turismo OBrasil sempre foi considerado detentor de um enorme potencial turístico. Em 1994, no entanto, o país recebeu menos de 2 milhões de turistas internacionais, um contingente que, na

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Diferenças entre o mundo rural e o urbano.

Diferenças entre o mundo rural e o urbano. Oficina Urbanização Esta oficina tem como objetivo analisar uma das principais características do mundo atual; a vida em cidades. Pretendemos compreender a evolução das cidades na história e como se configuram

Leia mais

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS

EIXO X TEC E NOLÓ L GICO C GOIÂNIA - ANÁPOLIS EIXO TECNOLÓGICO GOIÂNIA -ANÁPOLIS CONCEITO Projeto de Desenvolvimento Regional Desenvolvimento Tecnológico Indução de Estruturação do Espaço Regional Conceito CONCEITUAÇÃO DA PROPOSTA CONCEITO 1 -PROJETO

Leia mais

Planta do pavimento térreo

Planta do pavimento térreo Planta do pavimento térreo Cortes e elevações típicos Acesso principal e praça de eventos Permeabildade do projeto com seu entorno Ecosistema interno com bosque de mata nativa Telhados verdes e praça de

Leia mais

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA

CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA 1 CONSELHO GESTOR DO PROGRAMA MUNICIPAL DE PPP SECRETARIA EXECUTIVA Secretaria de Fazenda Prefeitura de Sorocaba A Cidade 2 No próximo ano de 2014 Sorocaba completará 360 anos de sua fundação; A história

Leia mais

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores

Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Fluxo de Criação e Consolidação de Empreendimentos Inovadores Oportunidade Criação da Empresa Ensino Spinoffs Pesquisa Laboratórios Startups Pré-Incubações Hotel de Projetos Incubação da Empresa Aceleradora

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

O REGIA DOURO PARK. Parque de Ciência e Tecnologia Sectores agroalimentar, vitivinícola e valorização ambiental.

O REGIA DOURO PARK. Parque de Ciência e Tecnologia Sectores agroalimentar, vitivinícola e valorização ambiental. N O REGIA DOURO PARK Parque de Ciência e Tecnologia Sectores agroalimentar, vitivinícola e valorização ambiental. O Régia-Douro Park Parque de Ciência e Tecnologia está focado nas áreas agroalimentar,

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina

Release conjunto. Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Release conjunto L Projeto que une educação e sustentabilidade será lançado em Palotina Alunos e professores das redes pública e privada de ensino receberão 3.899 livros do Atlas Ambiental Mata Viva, projeto

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E A ESTRATÉGIA DO SENAI PARA APOIAR A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Inovação é o que distingue um líder de um seguidor. Steven Paul Jobs Grandes ideias mudam o mundo. Missão

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP

DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA 52, 102, CEP DADOS JURÍDICOS O Instituto SAVIESA DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA é uma associação, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, com sede no município de Vitória, Estado do Espírito Santo, à Rua

Leia mais

República de Moçambique

República de Moçambique República de Moçambique Nota Conceitual da FIEI 2013 Ponto de negócio e oportunidade de investimento Maputo Contexto Quadro orientador O Programa Quinquenal do Governo (PQG) prevê no âmbito do Vector Económico

Leia mais

Comprometidos com o Futuro da Educação

Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Comprometidos com o Futuro da Educação Educação Assim se Constroem as Grandes Nações A educação é vital para criar uma cultura baseada na excelência. A demanda por

Leia mais

OPORTUNIDADE: Associar sua marca a uma das maiores vitrines de negócio do Cerrado Brasileiro. PERÍODO DE REALIZAÇÃO: 24 a 27 de março de 2015

OPORTUNIDADE: Associar sua marca a uma das maiores vitrines de negócio do Cerrado Brasileiro. PERÍODO DE REALIZAÇÃO: 24 a 27 de março de 2015 SHOW SAFRA BR 163 O Show Safra BR163 é idealizado pela Fundação Rio Verde para ser uma feira de novas tecnologias com foco comercial e ainda abre espaço para discussões de temas técnicos, políticos, sociais

Leia mais

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005):

1º Lugar. População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano. R$ 2,753 bilhões PIB per capita: PIB (2005): População: 325.544 hab. Área do Município: 918,37 km² Localização: Região Centro Goiano PIB (2005): R$ 2,753 bilhões PIB per capita: R$ 8.784,00 Principais distâncias: Goiânia: 54 km Brasília: 154 km São

Leia mais

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6

Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Indústria Oceânica (offshore) do Rio Grande do Sul Porto Alegre, Agosto de 2011 Rev. 6 Panorama Ciclo econômico do Pré-Sal Prioridade de Governo Sustentabilidade socioeconômica e ambiental Indústria offshore

Leia mais

740 mil pessoas estão à espera da sua loja.

740 mil pessoas estão à espera da sua loja. 740 mil pessoas estão à espera da sua loja. Imagem ilustrativa Fonte: Relatório Mapeamento de Mercado Potencial China Associados Geomarketing. Polo de desenvolvimento do NOROESTE PAULISTA, a região de

Leia mais

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br

Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br Soluções Simples www.designsimples.com.br solucoes@designsimples.com.br C1 Introdução Este guia traz noções essenciais sobre inovação e foi baseado no Manual de Oslo, editado pela Organização para a Cooperação

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO MPH0813 PLANO NACIONAL DE TURISMO: UM CAMINHO PARA A BUSCA DO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ

MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ MANUAL PARA O PROGRAMA DE INCUBAÇÃO INEAGRO-UFRRJ 2009 Índice Introdução...3 O que é Base Tecnológica?...3 O que é o Programa de Incubação?...3 Para quem é o Programa de Incubação?...4 Para que serve o

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados

Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados Avaliação de Impacto e de Efeitos Econômicos nas Regiões do Rio Grande do Sul dos Projetos e Investimentos Industriais Incentivados pelo Fundopem no Período 1989/1998 Antônio Ernani Martins Lima Porto

Leia mais

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL

OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL OPORTUNIDADE DE NEGÓCIO FACILIDADES EMPRESARIAIS - ESCRITÓRIO VIRTUAL 2009 SEBRAE-DF Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Distrito Federal. Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta

Leia mais

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT

FERRAMENTAS UTILIZADAS PELO SEBRAE / MT MISSÃO SEBRAE Missão: Ser uma organização de desenvolvimento, ética e séria, gerando alternativas de soluções para nossos clientes tornarem-se competitivos alinhados à sustentabilidade da vida. ÁREA DE

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO

APRESENTAÇÃO DO PROJETO PÚBLICO ALVO SUMÁRIO 4 APRESENTAÇÃO DO PROJETO 6 JUSTIFICATIVA 7 OBJETIVOS 7 PÚBLICO ALVO 8 HISTÓRICO DO EVENTO 12 EMPRESAS E INSTITUIÇÕES PARCEIRAS APRESENTAÇÃO DO PROJETO Foto 1: Vista aérea do evento A Expoarroz

Leia mais

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário

REGULAMENTO. I Prêmio do Empreendedorismo Universitário REGULAMENTO I Prêmio do Empreendedorismo Universitário 1. INTRODUÇÃO 1.1. O presente regulamento visa orientar os interessados em participar da 1.ª edição do Prêmio do Empreendedorismo Universitário, iniciativa

Leia mais

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009

APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 APIMEC-MG Belo Horizonte 26 de agosto de 2009 1 1 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS

MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS ANEXO 1 MODELO 1 PARA SELEÇÃO DE PROPOSTAS DE ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS Este documento serve como base orientadora para a apresentação de propostas de Arranjos Produtivos Locais para enquadramento no

Leia mais

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS

Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS Taxonomias para orientar e coordenar a formulação, execução, acompanhamento e avaliação das políticas de APLS José E Cassiolato Coordenador da RedeSist, IE-UFRJ Marcelo G P de Matos Pesquisador da RedeSist,

Leia mais

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas.

2. Disseminar o conhecimento gerado no Instituto Federal do Amazonas. Extensão ETENSÃO A implementação da politica de Extensão, no Instituto Federal do Amazonas reafirma a missão deste Instituto e seu comprometimento com o desenvolvimento local e regional promovendo a integração

Leia mais

Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança

Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança Soluções Educacionais do Sebrae para a Cooperação e para liderança 26ª Reunião da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva do Mel e Produtos Apícolas Brasília26 de Setembro de 2012 Reginaldo Barroso de Resende

Leia mais

Com o Apoio de. Comissão de Coordenaçã e Desenvolvimento Regional do Centro

Com o Apoio de. Comissão de Coordenaçã e Desenvolvimento Regional do Centro OPEN Centro de Incubação de Oportunidades de Negócio Processo de Admissão de Utentes e Modelo de Incubação Centimfe, 2 de Março de 2005 Missão da OPEN Contribuir para a promoção da inovação e do emprego,

Leia mais

Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03

Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03 Processo Inmetro N.º 5681/02 EDITAL N.º 002/03 O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro, através do Comitê do, instituído pela Portaria Inmetro n.º 092, de 25 de

Leia mais

construímos a inovação POR

construímos a inovação POR construímos a inovação POR construímos a inovação 2 3 Compact Habit, uma iniciativa da empresa de Manresa, Constructora d Aro S.A., foi criada em 2004 para atender à necessidade de inovação na construção.

Leia mais

negócios agroindustriais

negócios agroindustriais graduação administração linha de formação específica negócios agroindustriais Características gerais A Linha de Formação Específica de Negócios Agroindustriais da Univates visa ao desenvolvimento de competências

Leia mais

Processo Inmetro N.º 5926/01 EDITAL N.º 001/02

Processo Inmetro N.º 5926/01 EDITAL N.º 001/02 Processo Inmetro N.º 5926/01 EDITAL N.º 001/02 O Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Inmetro, através do Comitê do, instituído pela Portaria Inmetro n.º 092, de 25 de

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 -

Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação - 2013 - O Curso Tecnólogo em Gestão da Tecnologia da Informação é um curso da área de informática e tem seu desenho curricular estruturado por competências

Leia mais

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030

ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 ESTRATÉGIA ECONÔMICA LEAPFROG DO SÉCULO XXI: O RIO GRANDE DO SUL TORNA-SE O LUGAR MAIS SUSTENTÁVEL E INOVADOR DA AMÉRICA LATINA ATÉ 2030 Um relatório para o Governo do Estado do Rio Grande Sul (AGDI) e

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. *

O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * O Empreendedorismo no Desenvolvimento Econômico e Social pelas Pequenas e Médias Empresas. * Lúcio Alcântara ** Senhores Contadores, É com muita honra que em nome do hospitaleiro povo cearense participo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco.

NOVAQUEST. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. A vida é cheia de cobranças, deixe as suas conosco. NOVAQUEST Apresentação da Empresa A NovaQuest é uma empresa especializada em serviços de recuperação de crédito e atendimento ao cliente. Temos o intuito

Leia mais

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra

Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio Guerra Identificação de estruturas de alta, média e baixa qualificação profissional, trabalhando algumas hipóteses qualitativas, a partir dos cenários SENAI/BNDES Jonas Bertucci Luiz Caruso Marcello Pio Marcio

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

LANXESS AG. Rainier van Roessel Membro da Diretoria. Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã. Painel 1 Discurso de Abertura

LANXESS AG. Rainier van Roessel Membro da Diretoria. Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã. Painel 1 Discurso de Abertura LANXESS AG Rainier van Roessel Membro da Diretoria Sustentabilidade em Borrachas: Hoje e Amanhã Painel 1 Discurso de Abertura LANXESS Rubber Day São Paulo (Favor verificar em relação à apresentação) 23

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.

PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006. Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2. PRODUÇÃO GESSO NO BRASIL de 1999 a 2006 em 10 3 ton. Ano 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 Gesso 960 1.080 1.240 1.400 1.680 1.920 2.123 2.130 Premoldado 396 420 480 590 730 782 928 1.120 Acartonado**

Leia mais

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA

INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA INSTRUMENTO DA OPERAÇÃO URBANA ÁGUA BRANCA LOCALIZAÇÃO E CONTEXTO Jundiaí Campinas Rio de Janeiro Sorocaba Guarulhos OUC AB Congonhas CPTM E METRÔ: REDE EXISTENTE E PLANEJADA OUC AB SISTEMA VIÁRIO ESTRUTURAL

Leia mais

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte

Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Fomento à Inovação e Negócios em Ciências da Vida em Belo Horizonte Atração de Investimentos, Promoção Comercial e Projeção Internacional Eduardo Bernis Secretaria Municipal de Desenvolvimento Belo Horizonte

Leia mais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais

Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Vantagens e Benefícios das parcerias internacionais Nicola Minervini Santa Catarina, 02-05/12/2014 Sumario Desafios da empresa Ferramentas para a competitividade O porque das alianças Formas de alianças

Leia mais

itabira diagnóstico e propostas

itabira diagnóstico e propostas itabira diagnóstico e propostas A CVRD foi constituída, em 1942, a partir de ativos minerários existentes, sobretudo as minas de Itabira. Cauê foi a maior mina de minério de ferro do Brasil As operações

Leia mais

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF

A Engenharia e o Desenvolvimento Regional. Palestrante: Prof. Dr. Ivaldo Leão Ferreira Professor Adjunto II VEM/EEIMVR/UFF A Engenharia e o Desenvolvimento Regional A Engenharia e o Desenvolvimento Regional Resumo A importância da qualidade e diversidade na formação do corpo de engenheiros regionais e a integração da indústria

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO

PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO PARQUE TECNOLÓGICO DE RIBEIRÃO PRETO SUMÁRIO EXECUTIVO O Parque Tecnológico de Ribeirão Preto é um empreendimento imobiliário e tecnológico com características especificamente projetadas, incluindo serviços

Leia mais

Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ. O que é inovação?

Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ. O que é inovação? Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Máquinas e Equipamentos - IPDMAQ O que é inovação? Investimentos em Inovação X PIB O Brasil aplica 1,1% de seu Produto Interno Bruto

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Resíduos Sólidos Programa Lixo Alternativo Situação atual de Guaraqueçaba: Volume diário 4m³ (aproximadamente 1 tonelada/dia) Coleta: Diária em 980 unidades domésticas / 135 comerciais / 2 industriais

Leia mais

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt

Portugal 2020. Inovação da Agricultura, Agroindústria. Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt Portugal 2020 Inovação da Agricultura, Agroindústria e Floresta Pedro Cilínio pedro.cilinio@iapmei.pt FEDER 2020 - Prioridades Concentração de investimentos do FEDER Eficiência energética e energias renováveis

Leia mais

1. As Infraestruturas

1. As Infraestruturas O CAME Centro de Acolhimento às Micro e PME, pretende dar resposta a um conjunto de necessidades identificadas na Região Alentejo: Fomentar o empreendedorismo na região; Fixar quadros na região nomeadamente

Leia mais

SOBRE A BRASILSULLOG AUTOMAÇÃO & LOGÍSTICA

SOBRE A BRASILSULLOG AUTOMAÇÃO & LOGÍSTICA SOBRE A BRASILSULLOG AUTOMAÇÃO & LOGÍSTICA A BRASILSULLOG desenvolve Soluções em Tecnologia como automação, identificação e rastreabilidade de ativos patrimoniais e estoques de produtos, através de parcerias

Leia mais

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Geografia

Vestibular UFRGS 2015. Resolução da Prova de Geografia Vestibular UFRGS 2015 Resolução da Prova de Geografia 51. Alternativa (B) Orientação. A questão pede a localização de países que apresentam iluminação solar oposta a do Brasil. Como estava começando o

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS E RECICLADOS DISTRITO FEDERAL O arranjo produtivo dedicado aos resíduos sólidos é uma iniciativa inovadora de agentes produtivos locais como a Ascoles,

Leia mais

1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015

1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015 1. Faturamento do E-commerce no Brasil 2. Produtos Comercializados Brasil X ES 3. Pesquisa ITIHL AVENPES 4. Pesquisa AVENPES - EJCAD COMPETE 2015 Faturamento do e-commerce no Brasil Vitória está entre

Leia mais

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br

Agosto. São Paulo Brasil. connectedsmartcities.com.br 03 a 05 Agosto 2015 São Paulo Brasil connectedsmartcities.com.br Por que Connected Smart Cities? As grandes e modernas cidades são, talvez, as mais importantes realizações do homem, por serem responsáveis,

Leia mais

fazem bem e dão lucro

fazem bem e dão lucro Melhores práticas de fazem bem e dão lucro Banco Real dá exemplo na área ambiental e ganha reconhecimento internacional Reunidos em Londres, em junho deste ano, economistas e jornalistas especializados

Leia mais

APL como Estratégia de Desenvolvimento

APL como Estratégia de Desenvolvimento APL como Estratégia de Desenvolvimento Marco Crocco Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional 3a Conferência Brasileira de Arranjos Produtivos Locais 1 A Difusão da Perspectiva de APL Um balanço

Leia mais

Santa Maria 2011 Santa Maria Tecnoparque

Santa Maria 2011 Santa Maria Tecnoparque Sócios Natos Fundadores da Associação Parque Tecnológico de Santa Maria Missão Ser catalisadora do desenvolvimento regional, Promover a aproximação da tecnologia e mercado, Gerar oportunidades para empreendimentos

Leia mais

IBM Solutions Center São Paulo

IBM Solutions Center São Paulo IBM Solutions Center São Paulo IBM Solutions Center A IBM está estabelecida há mais de 90 anos no Brasil e é um dos grandes motores do desenvolvimento da tecnologia de informação aplicada aos negócios.

Leia mais