ERLIQUIOSE CANINA - RELATO DE CASO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ERLIQUIOSE CANINA - RELATO DE CASO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO LATU-SENSU DE CLÍNICA MÉDICA E CIRURGICA DE PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA - RELATO DE CASO Gleizer Lopes de Campos dos Santos Matias Rio de Janeiro 2012

2 GLEIZER LOPES DE CAMPOS DOS SANTOS MATIAS Aluno de Pós-Graduação do Instituto Qualittas ERLIQUIOSE CANINA - RELATO DE CASO Trabalho de monografia de conclusão do curso de Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais (TCC), apresentado ao Instituto Qualittas de Pós-Graduação para obtenção do título de Especialização Lato sensu em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais sob a orientação da Profa. Dra. Simone Salles Pontes Xavier. Rio de Janeiro 2012

3 ERLIQUIOSE CANINA - RELATO DE CASO Gleizer Lopes de Campos dos Santos Matias Aluno do Curso Qualittas de Pós-graduação em Clínica Médica e Cirúrgica de Pequenos Animais Foi analisado e aprovado com grau:... Rio de Janeiro, 15 de Março de 2012 Membro Membro Membro Presidente Rio de Janeiro, Mar ii

4 Dedico este trabalho aos meus pais, Mario e Eliane, que sempre me motivaram e incentivaram meus estudos. iii

5 Agradecimentos À minha noiva Mariana pelo carinho e confiança; À Professora Doutora Simone Pontes Xavier Salles, minha orientadora pelo carinho e por acreditar na realização deste trabalho; Aos meus amigos que me ajudaram nos momentos de difículdades. iv

6 MATIAS, Gleizer Lopes de Campos dos Santos. Erliquiose Canina - Relato de caso RESUMO A Erliquiose canina é uma doença infecciosa grave que acomete os cães, causada pela Rickettsia Ehrlichia canis. As manifestações clínicas variam de doença aguda, subclínica e crônica. O agente causador é visto raramente no citoplasma de leucócitos, na forma de mórulas. Os sinais progridem comumente de agudo a crônico e é uma doença de difícil diagnóstico. A resposta ao tratamento geralmente é satisfatória. A gama de medicamentos que podem ser utilizados é grande, como a tetraciclina, doxiciclina e o dipropionato de imidocarb, sendo que a recuperação depende da intensidade do caso clínico e do período em que se inicia a medicação. Palavras-chave: Erliquiose. Ehrlichia. Cães. v

7 MATIAS, Gleizer Lopes de Campos dos Santos Canine Ehrlichiosis A Case Report ABSTRACT The Canine Ehrlichiosis is a serious infectious disease that affects dogs, caused by the rickettsia Ehrlichia canis. Clinical manifestations vary from acute, subclinical and chronic. The causative agent is rarely seen in the cytoplasm of leukocytes, as morula. Signs of progress commonly acute to chronic and is a difficult disease to diagnose. Response to treatment is generally satisfactory. The range of drugs that can be used is big, such as tetracycline, doxycycline and imidocarb dipropionate, and the recovery depends on the intensity of the case history and the period during which the medication begins. Keywords: Ehrlichiosis. Ehrlichia. Dogs. vi

8 SUMÁRIO Página RESUMO... v ABSTRACT... vi LISTA DE ILUSTRAÇÕES... viii Partes 1. INTRODUÇÃO Problema Justificativa Objetivos FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Mecanismos de Infecção Manifestação da Doença Achados Laboratoriais Diagnóstico e Diagnóstico Diferencial Tratamento e Profilaxia RELATO DO CASO DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS vii

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES FIGURA FIGURA FIGURA FIGURA Tabela Tabela viii

10 9 1. INTRODUÇÃO 1.1 Problema A Erliquiose canina é uma doença infecciosa grave que acomete os cães (NELSON; COUTO, 2001), causada pela Rickettsia Ehrlichia canis. É de ocorrência mundial (BREITSCHWERDT, 2004; CORREA & CORREA, 1992) e foi descrita pela primeira vez na Argélia em 1935 e relatada pela primeira vez nos Estados Unidos em 1963 (BREITSCHWERDT, 2004). O gênero Ehrlichia atualmente compreende cinco espécies válidas: Ehrlichia canis, E. chaffeensis, E. ewingii, E. muris e E. ruminantium. (DUMLER et al. 2001). No Brasil, a única espécie descrita até o momento é E. canis, responsável pela erliquiose monocítica canina, doença considerada endêmica principalmente nas áreas urbanas, onde abundam populações do carrapato Rhipicephalus sanguineus (LABRUNA, PEREIRA, 2001). As manifestações clínicas variam de doença aguda, subclínica e crônica. O agente causador é visto raramente como colônias de corpúsculos cocoides no citoplasma de leucócitos, na forma de mórulas. Afetam os monócitos mais frequentemente, embora algumas cepas possam afetar apenas neutrófilos, eosinófilos, ou ambos (URQUHART et al., 1998). Os sinais progridem comumente de agudo a crônico, variando conforme a cepa e a imunidade do hospedeiro (ANDEREG; PASSOS, 1999) e os achados patológicos incluem edema e enfisema pulmonares, ascite, glomerulonefrite, esplenomegalia, hepatomegalia e linfadenopatia. Podem ser encontradas hemorragias no sistema urogenital, intestinos e narinas. Pode haver a presença de petéquias na gengiva, conjuntiva ocular, bucal e nasal (CORRÊA & CORRÊA, 1992). É uma doença de difícil diagnóstico, pois mimetizam outras patologias. Porém o diagnóstico se baseia no histórico de carrapato, sinais clínicos, exames laboratoriais, identificação das mórulas citoplasmáticas (através de coleta de sangue, testes sorológicos para identificar anticorpos para erliquia, através da cadeia de reação da polimerase (PCR) ou por meio de anticorpos por imunofluorescência indireta (BREITSCHWERDT, 2004). A resposta ao tratamento geralmente é satisfatória, exceto nos casos crônicos, nos quais a resposta ao tratamento é mínima. A gama de medicamentos que podem ser utilizados é grande, como a tetraciclina, doxiciclina e o dipropionato de imidocard, sendo que a recuperação depende da intensidade do caso clínico e do período em que se inicia a medicação (TROY & FORRESTER, 1990). Evidências sorológicas indicam que a Ehrlichia canis ocorre em seres humanos, que se infectam a partir da exposição a carrapatos. Os sinais clínicos incluem febre, dor de cabeça, mialgia, dor ocular e desarranjo gastrintestinal (BARR, 2003). A doença então é uma zoonose transmitida ao homem da mesma forma que é transmitida para o cão, tendo, portanto, importância relevante na saúde humana (TROY & FORRESTER, 1990).

11 Justificativa Por ser uma doença de grande importância e muito comumente encontrada na Clínica Médica Veterinária, este trabalho relata um caso de sucesso no tratamento da doença. 1.3 Objetivos Este estudo teve como objetivo relatar um caso clínico de Erlichiose, evidenciando os sinais clínicos, exames laboratoriais e tratamento. Concomitantemente alertar aos clínicos veterinários sobre a importância desta doença que vem crescendo nos últimos anos no Brasil. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 MECANISMOS DE INFECCÇÃO O carrapato Rhipicephalus sanguineus é o vetor primário e reservatório do microorganismo e sua ocorrência está relacionada à distribuição do carrapato (ANDEREG; PASSOS, 1999). A infecção canina provavelmente ocorre quando as secreções salivares do carrapato contaminam o ponto de fixação durante a ingestão de um repasto sanguíneo. Como não há transmissão transovariana de E. canis em carrapatos, as larvas de R. sanguineus não são importantes na transmissão, porém podem se infectar pelo agente, mantendo a infecção até o estágio adulto. Esse carrapato encontra-se preferencialmente em regiões urbanas do país, porém também em menores densidades nas áreas rurais e provavelmente, em todo o território nacional (UENO et al.,2009). A infecção também pode ser introduzida em cães durante transfusões sanguíneas (FRASER, 1996; BREITSCHERDT, 2004). 2.2 MANIFESTAÇAO DA DOENÇA A incubação da erliquiose pode levar de 8 a 20 dias após a infecção, durando de 2 a 4 semanas. A recuperação espontânea pode ocorrer, ficando o animal, portador por vários meses (ANDEREG; PASSOS, 1999; STILES, 2000; URQUHART et al., 1998). A erliquiose causa nos cães, quadro clínico severo, com manifestações clínicas em vários sistemas, variando sua intensidade conforme as fases da doença: aguda, assintomática e crônica (BREITSCHERDT, 2004). A fase aguda, que dura, aproximadamente quatro semanas, o microorganismo se multiplica dentro das células leucocitárias circulantes e dos tecidos fagocitários de fígado, baço e linfonodos, levando a linfadenomegalia, e hiperplasia do fígado e baço. As células infectadas podem se aderir no endotélio vascular, causando vasculite (BREITSCHWERDT, 2004). A fase aguda é comum em áreas

12 11 enzoóticas e rara em outras regiões, durando aproximadamente de duas a quatro semanas, consistindo de sinais clínicos moderados a graves, secundários à hiperplasia linfóide, febre e citopenias (CODNER; ROBERTS; AINSWORTH, 1985; GLAUS; JAGGY, 1992 apud ACCETTA, 2008). Os sinais clínicos que ocorrem geralmente são depressão, fraqueza, anorexia, perda de peso, edema periférico, anemia, febre, sangramento devido à diminuição de plaquetas, infecções bacteriológicas secundárias, pneumonia, glomerulonefrite, artrite, problemas de reprodução, sinais neurológicos e alterações oculares (ORIÁ et al, 2004), relutância ao andar, edema de membros, tosse e dispneia (FRASER, 1996). O diagnóstico é feito observando a mórula em leucócitos durante esta fase, porém em pequeno número e por um curto espaço de tempo (STILES, 2000; URQUHART et al., 1998). A fase assintomática ocorre normalmente de seis a nove semanas após infecção e se caracteriza pela persistência variável da trombocitopenia, em decorrência do sequestro e destruição das plaquetas durante a fase aguda, sem apresentação de sinais clínicos. Os cães quando entram em fase subclínica e não apresentam sintomas e voltam a ganhar peso, parecendo estar saudáveis (ANDEREG; PASSOS, 1999; STILES, 2000). Quase todas as infecções em cães são assintomáticas; pesquisas indicam que de 11 a mais de 50% dos cães possuem anticorpos anti-e. canis (JONES et al., 2000).Podem ficar infectados por um longo período, eliminar o parasita caso sejam imunocompetentes, e se curam espontaneamente ou desenvolvem a fase crônica da doença, com piora do quadro caso essa resposta não seja eficaz contra o microorganismo (BREITSCHERDT, 2004; HARRUS et al., 1998), podendo o animal apresentar sangramento pelas mucosas e conjuntivas, devido à lise plaquetária e supressão medular (ANDEREG; PASSOS, 1999; STILES, 2000). Na fase crônica, os sinais clínicos associados são discretos e ausentes em alguns cães e graves em outros. Não é difícil encontrar em áreas endêmicas, alterações hematológicas decorrentes da infecção por E. canis em cães saudáveis que estejam sendo avaliados para a terapia contra dirofilárias. A trombocitopenia não-encontrada nesses cães pode potencializar a gravidade da hemorragia pulmonar associada ao tromboembolismo. Facilidades para o sangramento, palidez em decorrência de anemia, perda de peso acentuada, debilidade, sensibilidade abdominal, uveíte anterior, hemorragias retinais e sinais neurológicos compatíveis com meningoencefalite, caracterizam cães que desenvolvem manifestações de doença durante a fase crônica. Em decorrência da imunossupressão, infecções bacterianas podem ser comprovadas (BREITSCHWERDT, 2004). Hepatomegalia, esplenomegalia e linfadenopatia são mais detectadas nessa fase (NELSON; COUTO, 2001). A trombocitopenia severa pode causar frequentemente diátese hemorrágica. Em dolicocefálicos, torna-se comum a epistaxe; hematúria, melena e petéquias, e equimoses ocorrem em todas as raças (FRASER, 1996).

13 ACHADOS LABORATORIAIS Alterações laboratoriais graves podem contribuir para o índice de suspeita da doença, como pancitopenia, anemia aplásica, neutropenia ou trombocitopenia, seriam compatíveis com infecção pelo parasita. A trombocitopenia é a alteração hematológica mais consistente, tanto na fase aguda como na fase crônica da doença. Alterações laboratoriais séricas como azotemia pré-renal pode ocorrer durante a fase aguda ou crônica; a azotemia renal desenvolve-se em alguns cães cem consequência de glomerulonefrite grave, causada pela doença crônica (LAPPIN, 2001). Leucopenia, hipergamaglobulinemia, com aumento dos níveis de gamaglobulinas e glicoglobulina no soro, também são achados clínicos observados na doença numa fase mais avançada (JONES et al. 2000). O aumento da fosfatase alcalina, bilirrubina total e AST são encontradas com menor frequência (BREITSCHWERDT, 2004). Anemia normocítica normocrômica é considerada uma alteração comum na erliquiose canina (ALMOSNY et al., 2002; MACHADO, 2004). Os quadros anêmicos observados na doença tendem a ser arregenerativos, com diminuição da resposta medular diante dos estímulos eritropoiéticos (ALMOSNY et al., 2002), provavelmente em decorrência do comprometimento orgânico importante, com diminuição acentuada da resposta medular, mesmo diante destes estímulos (OLIVEIRA et al., 2000). Trombocitopenia é a alteração hematológica mais comum em todas as fases da erliquiose canina (TROY et al., 1980 apud DAGNONE et al., 2003) 2.4 DIAGNÓSTICO E DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL O diagnóstico laboratorial vem sendo realizado como rotina para identificação direta das mórulas de E. canis em amostras de sangue periférico disposto em lâminas, através de inprint, e corados, consorciada aos exames hematológicos (NAKAGHI et al., 2008) se confirmando pela demonstração do microorganismo no interior dos leucócitos, ou por uma combinação de sinais clínicos. A técnica do anticorpo fluorescente indireto (IFI) ou análise imunoabsorvente ligada à enzima (ELISA) estão disponíveis para a detecção dos anticorpos contra espécies de Ehrlichia. A resposta ao tratamento também chega como uma forma de diagnóstico caso não seja possível a realização dos métodos anteriores. Como a trombocitopenia é um achado relativamente consistente, a contagem de plaquetas se torna um teste de triagem importante (BREITSCHWERDT, 2004; FRASER, 1996). Uma identificação dos organismos (mórulas) em citologia de aspiração com agulha fina do baço, dos linfonodos e dos pulmões, em leucócitos nos líquidos cérebro-espinhal e articular, ou em leucócitos no sangue periférico, é confirmatória, mas é demorada e difícil (BIRCHARD E SHERDING, 2003). Recentemente, visando aumentar a sensibilidade e a especificidade do diagnóstico laboratorial, vem sendo utilizada a detecção molecular de E. canis (DAGNONE et al., 2003; BULLA et al., 2004;

14 13 MACIEIRA et al., 2005). Entretanto, na rotina clínica, o diagnóstico ainda é firmado com base na associação entre os sinais clínicos e os resultados de exames hematológicos. O diagnostico diferencial inclui outras causas de febre e linfadenopatia, como febre maculosa, brucelose e endocardite; doenças imunomediadas, intoxicação (FRASER, 1996). O diagnóstico diferencial inclui ainda o Mieloma Múltiplo, Linfoma, Leucemia Linfocítica Crônica, Lúpus Eritematoso Sistêmico, Trombocitopenia Imunomediada e Cinomose. (CORRÊA & CORRÊA, 1992). 2.5 TRATAMENTO E PROFILAXIA Cuidados de suporte devem ser fornecidos quando indicados, assim, deve-se corrigir a desidratação com fluidoterapia e as hemorragias devem ser compensadas pela transfusão sangüínea. Terapia a base de glicocorticóides e antibióticos pode também ser utilizada nos casos em que a trombocitopenia for importante e nos casos de infecções bacterianas secundárias, respectivamente (NELSON; COUTO, 2001; PASSOS et al., 1999). A droga de escolha é a tetraciclina na dose 22mg/kg, trez vezes ao dia durante quatorze dias ou doxiciclina na dose de 5mg/kg a cada doze horas durante 21 dias (BREITSCHERDT, 2004). Na literatura, existem várias indicações de dosagens e tempo de duração do tratamento da Erliquiose utilizando-se a doxiciclina. Os critérios para o tratamento variam de acordo com a precocidade do diagnóstico, da severidade dos sintomas clínicos e da fase da doença que o paciente se encontra quando do início da terapia, recomenda-se nas fases agudas, a dosagem de 5mg/kg, duas vezes por dia, via oral, durante sete a dez dias e, nos casos crônicos 10mg/kg, via oral, durante sete a vinte e um dias (WOODY et al., 1991). O dipropionato de imidocarb (5mg/kg, por via intramuscular) administrado uma ou duas vezes durante duas semanas, foi usado para tratar com sucesso a erliquiose canina (NELSON; COUTO, 2001). O prognóstico para erliquiose canina em geral é bom. Uma melhora clínica espetacular ocorre comumente dentro de 24 a 48 horas após início do tratamento na fase aguda ou crônica moderada da doença. Muitas vezes uma melhora clínica é notada em cães cronicamente infectados; porém, pode ser necessário até um ano para a completa recuperação hematológica. A presença de hemorragia pode colaborar para o óbito desses animais, apesar do inicio do tratamento. Atualmente, nenhuma vacina contra a doença está disponível (BREITSCHERDT, 2004). O controle do R. sanguineus é realizado com pulverizações de carrapaticidas e manutenção das condições de higiene perfeitas (CORRÊA & CORRÊA, 1992).

15 14 3. RELATO DO CASO Em Janeiro de 2011, um cão, macho, da raça Labrador, de onze anos de idade, foi atendido no Consultório Veterinário 18 Q Late em Barra do Piraí, RJ, com histórico de apatia, anorexia e infestação de carrapatos, com relatos do proprietário de que o animal se encontrava quieto e deprimido nos últimos dias (FIGURA 1). Figura 1: animal se mostrando prostrado durante correção hídrica. Ao exame físico, o animal apresentava-se prostrado, com membranas mucosas e escleras ictéricas (FIGURA 2 e 3), epistaxe (FIGURA 4), tempo de preenchimento capilar (TPC) de 5 segundos, grau de desidratação de aproximadamente 10%, normotermico (37,8 C) e frequência cardíaca de 148 BPM. O proprietário relatou que o animal tem acesso à rua e a outros cães, que segundo ele, não tem dono.

16 15 Figura 2: mucosa peniana completamente ictérica Figura 3: porção interna da orelha com coloração ictérica

17 16 Figura 4: sangue coagulado proveniente da cavidade nasal (epistaxe) A colheita de sangue foi efetuada, após consentimento do proprietário, por punção da veia cefálica. A amostra de sangue foi colocada em tubos de vidro, identificada e mantidas sob refrigeração até a chegada ao laboratório, Os exames solicitados foram hemograma completo com contagem de plaquetas, pesquisa de hematozoário, glicose, ALT, ureia e creatinina. Posteriormente, foi iniciado o tratamento a base de fluidoterapia com solução de cloreto de sódio 0,9%, glicose a 50% e vitaminas do complexo B. Após o resultado do hemograma, representado na Tabela 1, o animal foi encaminhado pra internação para tratamento e acompanhamento hematológico. Durante a internação o animal foi tratado com fluidoterapia de solução de cloreto de sódio 0,9%, glicose 50%, corticosteroide, vitaminas do complexo B, furosemida e doxiciclina injetável na dose de 10 mg/kg. Uma dose de dipropionato de imidocarb foi feita por via subcutânea no animal no terceiro dia, na dose de 5 mg /Kg e o proprietário, por motivos pessoas preferiu levar o animal. Como protocolo terapêutico, de responsabilidade do proprietário realizar, foi instituído doxiciclina na dose de 10mg/kg a cada 12 horas, via oral, durante 28 dias, complexo B associado a ferro, via oral, totalizando dois ml a cada 24 horas, durante 30 dias e prebiótico com probiótico.

18 17 TABELA 1: Exames laboratoriais realizados no dia da consulta e nos outros dois dias consecutivos para avaliação hematológica e bioquímica Valor Valor Valor Valor de referência Eritrograma apresentado Dia 1 apresentado Dia 2 apresentado Dia 3 Eritrócitos 2,80 milhões 3,08 milhões 4,20 milhões 5,5-8,5 milhões Hemoglobina 5,6 g/dl 6,2 g/dl 8,5 g/dl 12,0-18,0 g/dl Hematócrito 16,4 % 17,9 % 23,4 % % VGM 58,6 micra³ 58,1 micra³ 55,7 micra³ 60,0-75,0 micra³ HGM 20,0 pg 20,1 pg 20,2 pg 19,5-26 pg CHGM 34,2 % 34,6 % 36,3 % 31,0-37,0 Plaquetas /mm³ /mm³ /mm³ /mm³ Leucograma Leucócitos Eosinófilos 03 % (243) 04 % (596) 02 % (274) 2-10 % Bastões 07 % (567) 06 % (894) 05 % (685) 0-3 % Segmentados 64 % (5184) 74 % (11026) 71 % (9727) % Linfócitos 24 % (1944) 14 % (2086) 17 % (2329) % Monócito 02 % (162) 02 % (298) 5 % (685) 3-10 % Bioquímica Glicose 83 mg/dl 92 mg/dl 89 mg/dl mg/dl ALT 80 UI/L 74 mg/dl 78 mg/dl UI/L Ureia 414 mg/dl 354 mg/dl 145 mg/dl mg/dl Creatinina 6,20 mg/dl 4,43 mg/dl 1,56 mg/dl 0,5-1,5 mg/dl Pesquisa de Hematozoários Positiva para Ehrlichia Positiva para Ehrlichia Negativa para Ehrlichia *Valores de referência segundo Viana (2007) Nos dois dias consecutivos o hemograma com contagem de plaquetas, pesquisa de hematozoário, ureia e creatinina foi repetido, conforme verificado na Tabela 1 e foi realizada uma ultrassonografia abdominal, no qual foi evidenciado um aumento do baço.

19 18 4. DISCUSSÃO O proprietário retornou com o animal três semanas depois para a revisão. O cão apresentava significativa melhora, segundo o proprietário estava se alimentando bem, ativo e com ganho de peso. Foi coletado sangue para mais um hemograma (TABELA 2) e o proprietário foi orientado a continuar o tratamento conforme receitado. Considerando os limites mínimos de hematócrito e hemoglobina para realização de uma transfusão, no cão, hematócrito menor que 15%, o procedimento não foi indicado. Pelos resultados laboratoriais dos dias 1, 2 e 3 verificou-se uma anemia microcítica normocrômica Avaliando o perfil renal observou-se um aumento de ureia e creatinina. Essa elevação sérica de ureia e creatinina podem estar relacionadas à azotemia pré-renal, principalmente nos animais com desidratação severa, que foi o caso deste animal com um grau de desidratação estimado de 10% ao exame clínico. A alanina aminotransferase (ALT) se encontrou elevada, possivelmente dano hepático ou de estresse sistêmico provocado pela doença (ALMOSNY, 2002). No presente caso, o animal apresentou epistaxe, sugerindo um prognóstico desfavorável devido ao quadro grave de trombocitopenia observado nos exames laboratoriais (Tabela 1). De acordo com Corrêa & Corrêa (1992) esse quadro hemorrágico é relatado em 35% dos animais com a doença e raramente se observa quadros de icterícia, mas quando se apresenta indica que o animal pode estar concomitantemente com Babesiose. Nos exames laboratoriais realizados não foi visualizado a mórula de Babesia sp. A terapia realizada com Doxiciclina é a de eleição nos tratamentos da Erliquiose em todas as suas fase, sua vida média no soro de cães é de 10 a 12 horas, sendo absorvida com rapidez quando administrada por via oral. É mais lipossolúvel e penetra nos tecidos e fluídos corporais melhor que o cloridrato de tetraciclina e a oxitetraciclina. A eliminação da doxiciclina se dá primariamente através das fezes por vias não biliares, na forma ativa. Sendo assim, a mesma não se acumula em pacientes com disfunção renal e por isso pode ser usada nesses animais sem maiores restrições como foi no presente estudo devido ao comprometimento renal com a elevação da ureia e creatinina (WOODY et al., 1991). Na literatura, existem várias indicações de dosagens e tempo de duração do tratamento da Erliquiose utilizando-se a doxiciclina. Os critérios para o tratamento variam de acordo com a precocidade do diagnóstico, da severidade dos sintomas clínicos e da fase da doença que o paciente se encontra quando do início da terapia, recomenda-se nas fases agudas, a dosagem de 5mg/kg, duas vezes por dia, via oral, durante sete a dez dias e, nos casos crônicos 10mg/kg, via oral, durante 7 a 21 dias (WOODY et al., 1991). O dipropionato de imidocard (IMIZOL ), administrado em dosagem de 5 mg/kg, via subcutânea, e repetido em quinze dias, é altamente efetivo em cães com Erliquiose refratária e em cães com

20 19 infecções mistas por Ehrlichia canis e a Babesia canis segundo Couto (1998). Desta forma, se o animal estivesse com babesiose, a recuperação é justificada pelo uso deste fármaco. Outras drogas possam ser utilizadas como tetraciclinas, cloranfenicol, oxitetraciclinas. De acordo com Troy & Forrester (1990) o prognóstico é mais favorável com o uso de Dipropionato de imidocard. quando o tratamento é iniciado precocemente. No presente estudo, optou-se por administrar a doxiciclina duas a três horas antes ou após a alimentação para que não ocorram alterações na absorção durante 28 dias. Estudos relizados por Woody et al. (1991) sugerem que o tratamento pode ter duração de três a quatro semanas nos casos agudos e até oito semanas nos casos crônicos. Frequentemente deverá ser fornecido um tratamento de suporte, principalmente nos casos crônicos e corrigir a desidratação com fluidoterapia no intuito de evitar complicações renais como evidenciadas nesse caso clínico. As hemorragias severas causadas pela trombocitopenia devem ser compensadas pela transfusão sanguínea, porém essa decisão deve ser tomada pelo veterinário após o exame clínico juntamente com avaliação de parâmetros hematológicos tais como hematócrito, hemoglobina e contagem de reticulócitos Felizmente não foi necessário neste estudo. Terapia a base de glicocorticóides e antibióticos pode também ser utilizada nos casos em que a trombocitopenia for importante e nos casos de infecções bacterianas secundárias, respectivamente (PASSOS et al., 1999). Como nos cães anoréxicos, podem-se utilizar vitaminas do complexo B como estimulantes inespecíficos do apetite ou diazepam, intravenoso ou oral, antes de oferecer o alimento. Hormônios androgênicos como o Stanozolol (metilandrostenol) e o Oxymethalone (hidróxi-metil diostrano) podem ser utilizados para estimular a medula óssea (CORRÊA & CORRÊA, 1992). A terapia com glicocorticóides por um curto período de dois a sete dias pode ser de grande valor no início do tratamento, quando estiver ocorrendo trombocitopenia, já que um mecanismo imunomediado pode ser a causa dessa queda plaquetária. Pode ser utilizado também em casos de poliartrite crônica (TROY & FORRESTER, 1990).

21 20 TABELA 2: Exame laboratorial realizado após 21 dias de tratamento. Eritrograma Valor apresentado Valor de referência Eritrócitos 5,80 milhões 5,5-8,5 milhões Hemoglobina 13,2 g/dl 12,0-18,0 g/dl Hematócrito 38,6 % % VGM 66,5 micra³ 60,0-75,0 micra³ HGM 22,7 pg 19,5-26 pg CHGM 34,2 % 31,0-37,0 Plaquetas /mm³ /mm³ Leucograma Leucócitos Eosinófilos 04 % (468) 2-10 % Bastões 02 % (234) 0-3 % Segmentados 67 % (7839) % Linfócitos 24 % (2808) % Monócito 3 % (351) 3-10 % ALT 38 UI/L UI/L Ureia 22 mg/dl mg/dl Creatinina 1,5 mg/dl 0,5-1,5 mg/dl Pesquisa de Hamatozoário Negativa para Ehrlichia *Valores de referência segundo Viana (2001) 5. CONCLUSÃO Deste estudo pode-se concluir que o exame clínico apurado juntamente com o diagnóstico precoce da doença é fundamental para o sucesso terapêutico. Tendo em vista a melhora do quadro do paciente, frente aos dados de anamnese fornecidos pelo proprietário, exames clínicos e complementares realizados, pôde-se chegar ao diagnóstico de erliquiose canina. Quadro clínico de anorexia, pirexia, esplenomegalia, hemorragias e presença de carrapato em conjunto com anemia e trombocitopenia são na maioria das vezes diagnosticados como Ehrlichiose, embora a presença do parasito e avaliação do hemograma completo seja essencial para o diagnóstico. A terapêutica com doxiciclina e dipropionato de imidocarb foi satisfatória para o tratamento da Erliquiose e o controle de carrapato no cão e no ambiente é essencial na profilaxia da doença.

22 21 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ACCETTA, E. M. T.; Ehrlichia canis e Anaplasma platys em cães (canis familiaris, linnaeus, 1758) trombocitopênicos da região dos lagos do Rio de Janeiro, Dissertação (mestrado) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Curso de Pós-Graduação em Medicina Veterinária. f , ALMOSNY, N. R. P. Hemoparasitoses em Pequenos Animais Domésticos e como Zoonoses. 1ed. Rio de Janeiro: L. F. Livros de Veterinária. 135p, ANDEREG, P. I.; PASSOS, L. M. F. Canine ehrlichiosis. Clínica Veterinária, v.19, p.31-8, BARR, S. C. Erliquiose. In: TILLEY, L. P. SMITH, F. K. Consulta veterinária em 5 minutos espécies canina e felina. Ed. Manole, p. 665, 2003 BREITSCHWERDT, E. B. Riquetisioses. In: ETTINGER, S. J.; FELDMAN, E. C. Tratado de medicina interna veterinária. V.1, 5ª ed. São Paulo: Manole, Cap. 86, p BULLA, C. et al. The relationship between the degree of thrombocytopenia and infection with Ehrlichia canis in an endemic area. Veterinary Research, v. 35, n. 1, p , CORRÊA, W. M.; CORRÊA, C..N. M. Outras rickettsioses. Enfermidades infecciosas dos mamíferos domésticos. 2ª ed. Rio de Janeiro, 1992, cap.48, p DAGNONE, A. S. et al. Ehrlichiosis in anemic, thrombocytopenic, or tick-infested dogs from a hospital population in south Brazil. Veterinary Parasitology, v. 117, n. 4, p , DUMLER, J.S. et al. Reorganization of genera in the families Rickettsiaceae and Anaplasmataceae in the order Rickettsiales: unification of some species of Ehrlichia with Anaplasma, Cowdria with Ehrlichia and Ehrlichia with Neorickettsia, descriptions of six new species combinations and designation of Ehrlichia equi and HGE agent as subjective synonyms of Ehrlichia phagocytophila. Int J Syst Evol Microbiol, v.51, p , FRASER, 1996 Manual Merck de Veterinária: um manual de diagnóstico, tratamento, prevenção e controle de doenças para o veterinário. Clarence M. Fraser, editor. 7. Ed. São Paulo: Roca, HARRUS, S.; WARNER, T.; AIZENBERG, I.; FOLEY, J.; POLANO, A.M.; BARN, H. Amplification of Ehrlichial DNA from dogs 34 months after infection with Ehrlichia canis. Journal of Clinical Microbiology, v.36, p.40-2, JONES, T. C.; HUNT, R. D.; KING, N. W. Patologia Veterinária. 6. Ed. Tamboré: Manole LABRUNA, M. B.; PEREIRA, M. C. Carrapatos em cães no Brasil. Clinica Veterinaria, v. 30, p , LAPPIN, M. R. Doenças riquetsianas polissistêmicas. In: NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina Interna de Pequenos Animais. 2 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p MACHADO, R. Z. Erliquiose Canina. XXIII Congresso Brasileiro de Parasitologia Veterinária & I Simpósio Latino-Americano de Rickettsioses. Ouro Preto MG MACIEIRA, D. B. et al. Prevalence of Ehrlichia canis infection in thrombocytopenic dogs from Rio de Janeiro, Brazil. Veterinary Clinical Pathology, v. 34, n. 1, p. 44-8, NAKAGHI, A. C. H. et al. Canine ehrlichiosis: clinical, hematological, serological and molecular aspects. Ciência Rural, Santa Maria, v.38, n.3, p , Mai./Jun., 2008.

23 22 NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan OLIVEIRA, D. et al. Ehrlichia canis antibodies detection by Dot- ELISA in naturally infected dogs. Rev Bras Parasitol Vet, v.9, n.1, p.1-5, ORIÁ, P.A.; PEREIRA, P.M.; LAUS, J.L. Uveitis in dogs infected with Ehrlichia canis. Ciência Rural, v. 34, n.4, PASSOS, L. M. F; ANDEREG, P. I; SAMARTINO, L. E. Ehrlichiosis Canina. Vet. Arg, v.153, p.16, STILES, J. Canine rickettsial infections. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Pratice, St. Louis, v.30, n.5, p , Sept TROY, G. C.; FORRESTER, S.D. Canine Ehrlichiosis. Infection Disease of Dog and Cat. Philadelphia: W. B. Saunders, Cap 37, p UENO, T. E. H. et al. Prevalence of Toxoplasma gondii and Neospora caninum infections in sheep from Federal District, central region of Brazil. Tropical Animal Health and Production, v. 41, n. 4, p , URQUHART,G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J. L.; DUNN, A. M.; JENNINGS, F. W.;. Parasitologia Veterinária. 2.ed, guanabara e koogan, RJ, 1998 VIANA, F. A. B. Guia Terapêutico Veterinário. Ed. 2, Grafica Editora Cem. 462p, 2007, São Paulo. WOODY, B.J.; HOSKINS, J.D. Ehrlichial diseases of the dog. Veterinary Clinical North America: Small animal practice, Cap.21, p.45-98, 1991.

ERLIQUIOSE CANINA: RELATO DE CASO

ERLIQUIOSE CANINA: RELATO DE CASO ERLIQUIOSE CANINA: RELATO DE CASO Sérgio Pinter GARCIA FILHO Mestrando do programa de Cirurgia Veterinária, Departamento de Morfologia e Fisiologia Animal, Universidade Estadual Paulista UNESP, Jaboticabal,

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Erliquiose x Babesiose canina: relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Erliquiose x Babesiose canina: relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Erliquiose x Babesiose canina: relato de caso Zuliete Aliona Araujo de Souza Fonseca 1 ; Êlika Suzianny Sousa 2 ; Edinaidy Suianny Rocha de Moura

Leia mais

OCORRÊNCIA DE EHRLICHIOSE CANINA EM MOSSORÓ RESUMO ABSTRACT

OCORRÊNCIA DE EHRLICHIOSE CANINA EM MOSSORÓ RESUMO ABSTRACT OCORRÊNCIA DE EHRLICHIOSE CANINA EM MOSSORÓ (Occurrence of canine Ehrlichiosis in Mossoró) Allany Maria Melo de MEDEIROS & Ana Kelen Felipe LIMA 1 * 1 FAVET/Programa de Pós-graduação em Ciências Veterinárias/UECE

Leia mais

MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS

MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS MICOPLASMOSE EM CÃES RELATO DE 4 CASOS Melissa Silva-Santos 1 ; Paulo Tojal Dantas Matos 1 ; Victor Fernando Santana Lima¹; Patrícia Oliveira Meira-Santos²; Leandro Branco Rocha². 1. Estudante de Medicina

Leia mais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais

COORDENAÇÃO ACADÊMICA NÚCLEO DE GESTÃO DE ATIVIDADES DE PESQUISA COORDENAÇÃO ACADÊMICA. Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais COORDENAÇÃO ACADÊMICA Projeto de Pesquisa Registrado Informações Gerais 1. Coordenador (a): ANA KARINA DA SILVA CAVALCANTE (KARINA@UFRB.EDU.BR) Vice- Coordenador (a): 2. Título do projeto: Ocorrência de

Leia mais

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1

42º Congresso Bras. de Medicina Veterinária e 1º Congresso Sul-Brasileiro da ANCLIVEPA - 31/10 a 02/11 de 2015 - Curitiba - PR 1 1 FREQUÊNCIA DE HEMOPARASITOSES EM CÃES NA REGIÃO SUL FLUMINENSE RJ PEDRO HENRIQUE EVANGELISTA GUEDES 1, ANA PAULA MARTINEZ DE ABREU 2, THIAGO LUIZ PEREIRA MARQUES 2, PATRÍCIA DA COSTA 1 1 Alunos de curso

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO HEMATOLÓGICA E SOROLÓGICA (DOT- BLOT ELISA) NO DIAGNÓSTICO DE ERLIQUIOSE EM CÃES

IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO HEMATOLÓGICA E SOROLÓGICA (DOT- BLOT ELISA) NO DIAGNÓSTICO DE ERLIQUIOSE EM CÃES IMPORTÂNCIA DA AVALIAÇÃO HEMATOLÓGICA E SOROLÓGICA (DOT- BLOT ELISA) NO DIAGNÓSTICO DE ERLIQUIOSE EM CÃES IMPORTANCE OF EVALUATION HAEMATOLOGICAL AND SEROLOGICAL (ELISA dot-blot) IN THE DIAGNOSIS OF EHRLICHIOSIS

Leia mais

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO

CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO CARCINOMA MAMÁRIO COM METÁSTASE PULMONAR EM FELINO RELATO DE CASO HOFFMANN, Martina L. 1 ; MARTINS, Danieli B. 2 ; FETT, Rochana R. 3 Palavras-chave: Carcinoma. Felino. Quimioterápico. Introdução O tumor

Leia mais

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD

Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos. Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Diagnóstico diferencial da trombocitopenia em cães e gatos Leonardo P. Brandão, MV, Msc, PhD Gerente de Produto 0peração Animais de Companhia- MERIAL Saúde Animal 2011 Trombopoiese Plaquetas são fragmentos

Leia mais

JUCIMARA COSTA PEREIRA ERLICHIOSE CANINA

JUCIMARA COSTA PEREIRA ERLICHIOSE CANINA JUCIMARA COSTA PEREIRA ERLICHIOSE CANINA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - SP 2006 JUCIMARA COSTA PEREIRA ERLICHIOSE CANINA Trabalho de Conclusão de Curso entregue à Banca Examinadora

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE MOLECULAR E IMUNOLÓGICA DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS NO MUNICÍPIO DE NUPORANGA

TÍTULO: ANÁLISE MOLECULAR E IMUNOLÓGICA DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS NO MUNICÍPIO DE NUPORANGA TÍTULO: ANÁLISE MOLECULAR E IMUNOLÓGICA DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS NO MUNICÍPIO DE NUPORANGA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE

Leia mais

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina

Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina GEAC UFV Grupo de Estudos de Animais de Companhia Aspectos Clínicos da Hemobartolenose Felina Cecilia Sartori Zarif, Graduanda do 9 período de Medicina Veterinária da UFV Etiologia Anemia Infecciosa Felina

Leia mais

ERLIQUIOSE TRANSMITIDA AOS CÃES PELO CARRAPATO MARROM (Rhipicephalus sanguineus)

ERLIQUIOSE TRANSMITIDA AOS CÃES PELO CARRAPATO MARROM (Rhipicephalus sanguineus) Revisão de Literatura ERLIQUIOSE TRANSMITIDA AOS CÃES PELO CARRAPATO MARROM (Rhipicephalus sanguineus) Daniela Maria Bastos de SOUZA¹, Zoraide Fernandes COLETO²*, Andreia Fernandes de SOUZA¹, Sildivane

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRURGICA EM PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA Vinnicyus

Leia mais

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho

LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho LEPTOSPIROSE?? Bruna Coelho M. V. do Serviço de Clínica Médica de Pequenos Animais HOVET FMVZ USP Residência em Clínica e Cirurgia de Pequenos animais HOVET FMVZ USP Especialização em Clínica Médica FMVZ

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO ANHANGUERA DE NITERÓI TÍTULO: PERFIL HEMATOLÓGICO E PARASITOLÓGICO DE ANIMAIS DOMÉSTICOS COM SUSPEITA DE INFECÇÃO POR PARASITOS ( HEMOPARASITOS E ENDOPARASITOS) COM POTENCIAL ZOONÓTICO ATENDIDOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DA FACULDADE

Leia mais

UNIVERSDADE CASTELO BRANCO QUALITTAS CLINICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA. Gustavo Roberto Storti

UNIVERSDADE CASTELO BRANCO QUALITTAS CLINICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA. Gustavo Roberto Storti UNIVERSDADE CASTELO BRANCO QUALITTAS CLINICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS ERLIQUIOSE CANINA Gustavo Roberto Storti Ribeirão Preto, set. 2006 GUSTAVO ROBERTO STORTI Aluno do Curso de Clínica Médica de Pequenos

Leia mais

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma)

Dengue. Febre hemorrágica Febre não diferenciada Síndrome de febre da dengue (síndrome viral) da dengue (efusão de plasma) Dengue Manifestações clínicas As infecções pelos vírus da dengue podem ser assintomáticas ou produzir febre não diferenciada, febre de dengue ou febre de dengue hemorrágica (figura 1). Figura 1- Manifestações

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN:1679-7353 Ano XIII-Número 24 Janeiro de 2015 Periódico Semestral

REVISTA CIENTÍFICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN:1679-7353 Ano XIII-Número 24 Janeiro de 2015 Periódico Semestral ERLIQUIOSE CANINA REVISÃO DE LITERATURA EHRLICHIOSIS CANINE - LITERATURE REVIEW SILVA, I. P. M. Medica Veterinária - Universidade Severino Sombra, Vassouras - RJ RESUMO A Erliquiose é uma das principais

Leia mais

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS TROMBOCITOPENIA EM ANIMAIS DOMÉSTICOS LEONEL, Rafael Alves Barbosa MATSUNO, Roldy Marcel Jorge SANTOS, Willian dos VERONEZI, Alfredo Henrique Martins COSTA, Diogo Rodrigo de Discentes do Curso de Medicina

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

Ehrlichia canis em cães atendidos em hospital veterinário de Botucatu, Estado de São Paulo, Brasil

Ehrlichia canis em cães atendidos em hospital veterinário de Botucatu, Estado de São Paulo, Brasil doi:10.4322/rbpv.01803010 Rev. Bras. Parasitol. Vet., Jaboticabal, v. 18, n. 3, p. 57-61, jul.-set. 2009 ISSN 1984-2961 (eletrônico) Artigo Completo Ehrlichia canis em cães atendidos em hospital veterinário

Leia mais

Erliquiose Monocítica Canina: Revisão sobre a doença e o diagnóstico

Erliquiose Monocítica Canina: Revisão sobre a doença e o diagnóstico UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA ANIMAL Disciplina: SEMINÁRIOS APLICADOS Erliquiose Monocítica Canina: Revisão sobre a doença e o diagnóstico Herika

Leia mais

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO

Instruções de Uso. ImmunoComb CANINE EHRLICHIA. N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruções de Uso ImmunoComb CANINE EHRLICHIA Kit para a detecção de anticorpos IgG de Ehrlichia canis N Cat. do Produto: 50CEH201/50CEH210 USO VETERINÁRIO - PRODUTO IMPORTADO Instruction Cat. No: 63CEH511

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Hemoplasmose felina relato de caso

Hemoplasmose felina relato de caso Hemoplasmose felina relato de caso Carla Camargo Regus Jairo Ramos de Jesus Leonardo Rocha da Silva Paula P. Santos Fernando F. Argenta Cristine D. B. Fischer RESUMO A hemoplasmose felina está relacionada

Leia mais

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros

Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Pré-imunização e Tratamento de Tristeza Parasitária em Bovinos Leiteiros Laboratório de Imunovirologia Molecular DBG UFV Prof. Sérgio Oliveira de Paula Tristeza Parasitária Bovina (TPB) Enfermidade hemoparasita

Leia mais

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil

Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil Souza Mundim, Érika Cristina de; Silva Francisco, Manoel Marcelo da; Souza,

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO

Boletim eletrônico. Anemia Infecciosa Equina. Ano1-Nº2 30 de Dezembro de 2010. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de 2010) INTRODUÇÃO Boletim eletrônico Epidemiológico Anemia Infecciosa Equina Ano-Nº 3 de Dezembro de. IDAF/DDSIA/SEAR (Dados de janeiro a outubro de ) EDITORIAL O boletim epidemiológico eletrônico é uma iniciativa do Departamento

Leia mais

ARTRITE REUMATOIDE CANINA RELATO DE CASO

ARTRITE REUMATOIDE CANINA RELATO DE CASO 1 ARTRITE REUMATOIDE CANINA RELATO DE CASO REBECA BACCHI-VILLANOVA 1, GUILHERME FERNANDO DE CAMPOS 2 ; POLIANA FREITAS 2 ; SABRINA MARIN RODIGHERI 3 ; PATRÍCIA MOSKO 1 ; ALYNE ARIELA 2 1 Doutoranda do

Leia mais

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES

HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HIPERADRENOCORTICISMO EM CÃES Veruska Martins da Rosa 1, Caio Henrique de Oliveira Carniato 2, Geovana Campanerutti Cavalaro 3 RESUMO: O hiperadrenocorticismo

Leia mais

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia.

Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência dos Ambulatórios de Gastrenterologia. Rua Santa Marcelina, 177 CEP 08270-070 SÅo Paulo SP Fone(11) 6170-6237- Fax 6524-9260 www.santamarcelina.org E-mail: dir.med@santamarcelina.org Protocolo de Encaminhamentos de Referência e Contra-referência

Leia mais

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina

Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Departamento de Biologia Celular e Molecular Projeto: Desenvolvimento de Casos Clínicos para Aplicação no Ensino de Biologia Celular e Molecular para Medicina Tema: Metabolismo do Ferro e Anemias Monitores:

Leia mais

Review Article ERLIQUIOSE CANINA: ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS EM CÃES DOMÉSTICOS NATURALMENTE INFECTADOS CANINE EHRLICHIOSIS: HEMATOLOGIC ALTERATIONS IN DOMESTIC DOGS NATURALLY INFECTED Christina de Siqueira

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EVOLUÇÃO CLÍNICA E PARASITOLÓGICA DE ANCILOSTOMOSE CANINA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA

XXIII CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS ENCONTRADAS EM CÃES COM HEPATOZOON CANIS ATRAVÉS DE HEMOGRAMAS REALIZADOS NO LABORATÓRIO DE PATOLOGIA CLÍNICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CLEIBIANE EVANGELISTA FRANCO BORGES

Leia mais

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios

Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Leucocitoses: o que há além dos processos inflamatórios Inflamação Leucocitose fisiológica (epinefrina) Dor, medo, exercício Leucograma de estresse (glicocorticoide) Hiperadrenocorticismo, corticoterapia,

Leia mais

AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL

AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL AUTARQUIA EDUCACIONAL DE BELO JARDIM CURSO BACHARELADO EM ENFERMAGEM ROSELINE CALISTO FEBRE DO NILO OCIDENTAL Belo Jardim 2008 FEBRE DO NILO OCIDENTAL 1. DESCRIÇÃO Infecção viral que pode transcorrer de

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Metástase de tumor venéreo transmissivo disseminado na pele de um cão: Relato de caso

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Metástase de tumor venéreo transmissivo disseminado na pele de um cão: Relato de caso PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Metástase de tumor venéreo transmissivo disseminado na pele de um cão: Relato de caso Catarina Rafaela Alves da Silva 1 ; Francisco Lima Silva 2

Leia mais

PARASITOSES EM PEQUENOS ANIMAIS DA COMUNIDADE DO MATADOURO: DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONSCIENTIZAÇÃO

PARASITOSES EM PEQUENOS ANIMAIS DA COMUNIDADE DO MATADOURO: DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONSCIENTIZAÇÃO PARASITOSES EM PEQUENOS ANIMAIS DA COMUNIDADE DO MATADOURO: DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONSCIENTIZAÇÃO Priscilla Helena Aniboleti Machado 1; Daniela Fernandes Stelzer 1 ; Raphaela Cricco Guidi 2 ; Glaydston

Leia mais

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro

www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro www.printo.it/pediatric-rheumatology/br/intro Artrite de lyme Versão de 2016 1. O QUE É ARTRITE DE LYME 1.1 O que é? A artrite de Lyme é uma das doenças causadas pela bactéria Borrelia burgdorferi (borreliose

Leia mais

ASPECTOS CLÍNICOS E LABORATORIAIS DE CÃES SUSPEITOS DE INFECÇÕES CAUSADASPOR Ehrlichia spp. E Anaplasma spp. EM CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ.

ASPECTOS CLÍNICOS E LABORATORIAIS DE CÃES SUSPEITOS DE INFECÇÕES CAUSADASPOR Ehrlichia spp. E Anaplasma spp. EM CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ. ASPECTOS CLÍNICOS E LABORATORIAIS DE CÃES SUSPEITOS DE INFECÇÕES CAUSADASPOR Ehrlichia spp. E Anaplasma spp. EM CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ. MARIA VERÔNICA GALARCE ZAVALA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL)

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINÁRIA (CLÍNICA E REPRODUÇÃO ANIMAL) RENATA DE SOUZA ROSA LIMA OCORRÊNCIA DE ANTÍGENOS DE Dirofilaria

Leia mais

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO

HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO HEMANGIOSSARCOMA ESPLÊNICO EM CÃO DA RAÇA BOXER - RELATO DE CASO ARYENNE KAROLYNNE DE OLIVEIRA 1, GABRIELA RODRIGUES SAMPAIO 2, JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 3, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO 4, PAULA

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias

SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS. Doenças Infecciosas e Parasitárias SIMPÓSIO INTERNACIONAL ZOETIS Doenças Infecciosas e Parasitárias 22 e 23 de julho de 2014 para os animais. pela saúde. por você. 1 O presente material corresponde ao conteúdo das palestras ministradas

Leia mais

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS

QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS QUESTÕES DE HEMATOLOGIA E SUAS RESPOSTAS O QUE É VERDADEIRO E O QUE É FALSO? Questões 1 Anemia na deficiência de ferro a) Está geralmente associada com elevação do VCM. b) O HCM geralmente está diminuído.

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

INTOXICAÇÃO POR ORGANOFOSFORADO EM CÃO RELATO DE CASO

INTOXICAÇÃO POR ORGANOFOSFORADO EM CÃO RELATO DE CASO REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE MEDICINA VETERINÁRIA - ISSN 1679-7353 PUBLICAÇÃO CI ENTÍFICA DA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA DE GARÇA/FAMED ANO III, NÚMERO, 07, JUNHO DE 2006. PERIODICIDADE:

Leia mais

INSUFICIÊNCIA RENAL SECUNDÁRIA A ERLIQUIOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA

INSUFICIÊNCIA RENAL SECUNDÁRIA A ERLIQUIOSE CANINA: REVISÃO DE LITERATURA UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CLÍNICA MÉDICA DE PEQUENOS ANIMAIS MARIA VILMA ROCHA ANDRADE CRUZ INSUFICIÊNCIA RENAL SECUNDÁRIA

Leia mais

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C.

DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. ESQUISTOSSOMOSE CID 10: B 65 a B 65.9 DOENÇAS DE VEICULAÇÃO HÍDRICA E ALIMENTAR RESPONSÁVEIS: Jaqueline Ourique L. A. Picoli Simone Dias Rodrigues Solange Aparecida C. Marcon CARACTERÍSTICAS GERAIS DESCRIÇÃO

Leia mais

vacina hepatite A (inativada)

vacina hepatite A (inativada) vacina hepatite A (inativada) Forma farmacêutica e apresentações: Suspensão injetável. Cartucho contendo uma seringa de uma dose de 0,5 ml. Cartucho contendo 5 seringas de uma dose de 0,5 ml. Cartucho

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde

Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia. Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Avaliação laboratorial do paciente com pancitopenia Dr. Edgar Gil Rizzatti Fleury Medicina e Saúde Pancitopenia: definição Pancitopenia Anemia Leucopenia Plaquetopenia Pancitopenia: abordagem clínica Pancitopenia:

Leia mais

DOENÇAS AUTO-IMUNES EM CÃES

DOENÇAS AUTO-IMUNES EM CÃES DOENÇAS AUTO-IMUNES EM CÃES Acadêmicas da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED/ ACEG TRENTIN, Thays de Campos CAMPOS, Daniele Ferrari DABUS, Daniela Marques Maciel LÉO, Vivian Fazolaro

Leia mais

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II

AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II AVALIAÇÃO LABORATORIAL DAS ALTERAÇÕES LEUCOCITÁRIAS PARTE II 1 Paulo César Ciarlini Doutor em Clínica Veterinária pela Universidade Estadual Paulista Professor Adjunto de Laboratório Clínico Veterinário

Leia mais

TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável

TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável TOPLANINA teicoplanina 400 mg Liófilo injetável FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO Toplanina é um pó liófilo injetável de coloração branca a quase branca, para uso após reconstituição. Apresenta-se em frasco-ampola

Leia mais

ANEMIA MICROCÍTICA EM PEQUENOS ANIMAIS

ANEMIA MICROCÍTICA EM PEQUENOS ANIMAIS ANEMIA MICROCÍTICA EM PEQUENOS ANIMAIS GARCIA, Claudia Zeferino HERRERA, Mariana de Souza JÚNIOR, José Maria Fernandes ALMEIDA, Marcio Fernando RAMOS, Matheus Henrique Fabri Discentes do 3º ano de Medicina

Leia mais

[175] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. Parte III P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S I N F E C C I O S A S

[175] a. CONSIDERAÇÕES GERAIS DE AVALIAÇÃO. Parte III P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S I N F E C C I O S A S [175] Geralmente ocorre leucocitose com neutrofilia. A urina contém bile, proteína hemácias e cilindros. Ocorre elevação de CK que não é comum em pacientes com hepatite. Oligúria é comum e pode ocorrer

Leia mais

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea

24/8/2009. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea. Larva migrans cutânea CICLO BIOLÓGICO Os cães e os gatos, que são os hospedeiros definitivos do parasita, podem infectar-se de formas diversas: Ingestão de ovos infectantes; Ingestão de larvas presentes em tecidos de hospedeiros

Leia mais

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda

TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016. Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda TREINAMENTO CLÍNICO EM MANEJO DA DENGUE 2016 Vigilância Epidemiológica Secretaria Municipal de Saúde Volta Redonda DENGUE O Brasil têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos 10 anos com aumento

Leia mais

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas.

DOBEVEN. dobesilato de cálcio. APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. DOBEVEN dobesilato de cálcio APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa dura contendo 500 mg de dobesilato de cálcio: Caixas com 5 e 30 cápsulas. USO ORAL USO ADULTO COMPOSIÇÃO Cada cápsula gelatinosa dura contém:

Leia mais

-.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS"

-.BORDETELOSE CANINA TOSSE DOS CANIS -.BORDETELOSE CANINA "TOSSE DOS CANIS" A bactéria Bordetella bronchiséptica é a causa primária da traqueobronquite infecciosa canina (tosse dos canis).embora a tosse dos canis seja a manifestação clínica

Leia mais

INCIDÊNCIA DE FEBRE MACULOSA NA CIDADE DE AMPARO. Palavras- Chave: Saúde, Pesquisa, Febre Maculosa, Patologia, Enfermagem.

INCIDÊNCIA DE FEBRE MACULOSA NA CIDADE DE AMPARO. Palavras- Chave: Saúde, Pesquisa, Febre Maculosa, Patologia, Enfermagem. INCIDÊNCIA DE FEBRE MACULOSA NA CIDADE DE AMPARO Daniela Aparecida Correa Aline Gritti Rodrigues Resumo: O presente artigo terá como objetivo abordar a incidência de Febre Maculosa na cidade de Amparo

Leia mais

Dengue diagnóstico e manejo clínico. Lúcia Alves da Rocha

Dengue diagnóstico e manejo clínico. Lúcia Alves da Rocha Dengue diagnóstico e manejo clínico Lúcia Alves da Rocha Introdução Expansão em áreas tropicais e subtropicais Considera-se 2,5 a 3 milhões de pessoas vivem em área de risco (Eric Martínez,2005); Estima-se

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OCORRÊNCIA DE Ehrlichia canis EM CÃES SINTOMÁTICOS ATENDIDOS NO HOSPITAL VETERINÁRIO DA UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA E ANÁLISE DE VARIABILIDADE EM REGIÕES GENÔMICAS DE REPETIÇÃO MARIANA

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

ANIMAL JORNAL DO JORNAL EXCLUSIVO VOCÊ PODE AJUDAR!

ANIMAL JORNAL DO JORNAL EXCLUSIVO VOCÊ PODE AJUDAR! JORNAL DO ANIMAL INFORMATIVO Nº 02 DEZEMBRO 2015 JANEIRO 2016 EXCLUSIVO JORNAL EXCLUSIVO VOCÊ PODE AJUDAR! Gosta do nosso trabalho, se identifica com a causa e quer ajudar de alguma maneira? Estamos sempre

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINARIA (CLÍNICA E REPRODUÇAO ANIMAL)

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINARIA (CLÍNICA E REPRODUÇAO ANIMAL) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINA VETERINARIA (CLÍNICA E REPRODUÇAO ANIMAL) PEDRO BITTENCOURT VELHO OCORRÊNCIA E CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DE

Leia mais

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA

INFORME TÉCNICO FEBRE MACULOSA BRASILEIRA SUBSECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E AMBIENTAL COORDENAÇÃO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVISÃO DE TRANSMISSÍVEIS E IMUNOPREVINÍVEIS GERENCIA DE DOENÇAS

Leia mais

Questionário Proficiência Veterinária

Questionário Proficiência Veterinária Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente

Leia mais

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1

Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 Cursos de Enfermagem e Obstetrícia, Medicina e Nutrição Disciplina Mecanismos Básicos de Saúde e Doença MCW 240 Estudo Dirigido P2 / Parte II 2012/1 1. Um homem de 42 anos sabe que está com HIV/AIDS. Qual

Leia mais

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária UNIVIÇOSA. E-mail: isapvet@hotmail.com. 2

Introdução. Graduanda do Curso de Medicina Veterinária UNIVIÇOSA. E-mail: isapvet@hotmail.com. 2 HEMIVÉRTEBRA EM CÃES - REVISÃO Isabella de Paula Valeriano 1, Ronaldo Oliveira Silveira 2, João Paulo Machado 3, Waleska de Melo Ferreira Dantas 4, Paula Piccolo Miatan 5 Resumo: A hemivértebra é uma malformação,

Leia mais

ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3. Introdução

ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3. Introdução ESPOROTRICOSE REVISÃO DE LITERATURA Stella Fontes 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Clarisse Alvim Portilho 3 Resumo: A esporotricose trata-se de uma zoonose causada pelo fungo saprófita dimórfico

Leia mais

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA.

NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DOS TESTES RÁPIDOS ANTI- HIV EM SITUAÇÕES DE EMERGÊNCIA. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS NOTA TÉCNICA 04/08 ASSUNTO:

Leia mais

Pesquisa Etiológica. Exame específico

Pesquisa Etiológica. Exame específico Influenza A (H1N1) O vírus A Influenza A(H1 N1) é uma doença respiratória e a transmissão ocorre de pessoa a pessoa, principalmente por meio de tosse, espirro ou de contato com secreções respiratórias

Leia mais

TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO

TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO 1 TRATAMENTO CONSERVATIVO E CIRÚRGICO DE HÉRNIA DE DISCO (TIPO I) TORACOLOMBAR GRAU V EM CÃO RELATO DE CASO LYS DE BARROS FOGAGNOLI 1, MILTON MIKIO MORISHIN FILHO 2. 1- Graduanda Medicina Veterinária Universidade

Leia mais

HEPATOZOONOSE CANINA

HEPATOZOONOSE CANINA HEPATOZOONOSE CANINA Sílvia Letícia Monteiro JUNQUEIRA 1, Tales Dias do PRADO 2, Helton Freires OLIVEIRA³, Thays Nascimento COSTA 4, Luiz Antonio Franco da SILVA 5. 1. Médica Veterinária Residente de Patologia

Leia mais

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA

ANEMIAS UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES FUNÇÃO SANGUÍNEA COMPOSIÇÃO SANGUÍNEA REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: FLÁVIA NUNES REVISÃO DA FISIOLOGIA HEMATOLÓGICA ANEMIAS SISTEMA HEMATOLÓGICO MEDULA ÓSSEA SANGUE LINFONODOS Volume: 7 a 10 % do peso corporal (cerca de 5 litros)

Leia mais

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09. APRESENTAÇÕES Pó injetável. Embalagem contendo 100 frascos-ampola de 1000 mg de cefalotina base.

MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09. APRESENTAÇÕES Pó injetável. Embalagem contendo 100 frascos-ampola de 1000 mg de cefalotina base. MODELO DE BULA PACIENTE RDC 47/09 CEFARISTON cefalotina sódica APRESENTAÇÕES Pó injetável. Embalagem contendo 100 frascos-ampola de 1000 mg de cefalotina base. VIA DE ADMINISTRAÇÃO: INTRAVENOSA E INTRAMUSCULAR

Leia mais

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre

4. COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO MIELOIDE CRÔNICA (LMC)? E MONITORAMENTO DE LMC? É uma doença relativamente rara, que ocorre ÍNDICE 1. O que é Leucemia Mieloide Crônica (LMC)?... pág 4 2. Quais são os sinais e sintomas?... pág 4 3. Como a LMC evolui?... pág 5 4. Quais são os tratamentos disponíveis para a LMC?... pág 5 5. Como

Leia mais

CAMILA SANTOS MANOEL. Alterações clínicas, hematológicas e sorológicas de cães infectados por Ehrlichia canis

CAMILA SANTOS MANOEL. Alterações clínicas, hematológicas e sorológicas de cães infectados por Ehrlichia canis CAMILA SANTOS MANOEL Alterações clínicas, hematológicas e sorológicas de cães infectados por Ehrlichia canis São Paulo 2010 CAMILA SANTOS MANOEL Alterações clínicas, hematológicas e sorológicas de cães

Leia mais

Abordagem ao Paciente Hematológico

Abordagem ao Paciente Hematológico Universidade Federal Fluminense Abordagem ao Paciente Hematológico Gilberto P Cardoso O objetivo de todo médico é prevenir doenças. Na impossibilidade, que possa reconhecer e intervir para evitar complicações.

Leia mais

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose

Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Verdades e mentiras sobre a Toxoplasmose Muito se tem falado sobre a Toxoplasmose e seus perigos,

Leia mais

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem

HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Diagnósticos e prescrições de enfermagem HANSENÍASE Causada pela Mycobacterium leprae, ou bacilo de Hansen, que é um parasita intracelular obrigatório, com afinidade por células cutâneas e por

Leia mais

TREPANAÇÃO EM CÃO COM ASPERGILOSE NASAL RELATO DE CASO

TREPANAÇÃO EM CÃO COM ASPERGILOSE NASAL RELATO DE CASO 1 TREPANAÇÃO EM CÃO COM ASPERGILOSE NASAL RELATO DE CASO GUILHERME FERNANDO DE CAMPOS¹, REBECA BACCHI-VILLANOVA 2, RODRIGO NUNES 1, SABRINA MARIN RODIGHERI 3, ANDRÉ JAYR CASAGRANDE 1, KARYNA IZABEL HARTMANN

Leia mais

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência

EBOLA. Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência EBOLA Informe técnico e orientações para as ações de vigilância e serviços de saúde de referência FEBRE HEMORRÁGICA DO EBOLA O vírus Ebola foi identificado pela primeira vez em 1976, no Zaire (atual República

Leia mais

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015

Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Protocolo Clínico de Regulação de Acesso para Tratamento de Alta Complexidade em Oncologia versão 2015 Elaboração: Dr Luis Fernando Pracchia Área Técnica da Saúde da Pessoa com Doenças Crônicas Não Transmissíveis

Leia mais

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009

Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim. Ceará, 2009 Influenza A (H1N1) Aspectos Clínicos Dra. Dionne Rolim Ceará, 2009 Influenza Vírus - RNA Vírus A, B e C Família Orthomyxoviridae Fonte: Los Alamos National Laboratory Fonte: CDC Vírus Influenza Antígenos

Leia mais

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado.

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA PRINCIPAIS VETORES - Furão (ferrets) - Raposas - Coiotes - Guaxinins

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DOS ANOS DE 2014 À 2015

TÍTULO: ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DOS ANOS DE 2014 À 2015 TÍTULO: ESTUDO RETROSPECTIVO DA OCORRÊNCIA DE EHRLICHIA CANIS DA CIDADE DE RIBEIRÃO PRETO DOS ANOS DE 2014 À 2015 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: MEDICINA VETERINÁRIA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

ERLIQUIOSE MONOCÍTICA CANINA

ERLIQUIOSE MONOCÍTICA CANINA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE VETERINÁRIA COMISSÃO DE ESTÁGIOS ERLIQUIOSE MONOCÍTICA CANINA Pedro Reinisch Galant Porto Alegre RS 2010/1 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO

Leia mais

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE DE TRABALHO COM EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO CID-10: Z20.9 Elaboração: equipe técnica Camila Seixas - Médica - Vigilância em Saúde do Trabalhador Frederico Leão - Médico - Vigilância em Saúde

Leia mais

Hipotireoidismo. O que é Tireóide?

Hipotireoidismo. O que é Tireóide? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Hipotireoidismo O que é Tireóide? É uma glândula localizada na parte anterior do pescoço, bem abaixo

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA ANIMAL PAT LAB HEMATOLOGIA

EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA ANIMAL PAT LAB HEMATOLOGIA TABELA DE EXAMES EXAMES LABORATORIAIS MATERIAL PRAZO DE ENTREGA Hemograma completo (eritrograma + leucograma + plaquetas + Ppt + Pesq hemoparasita) *** Exame encaminhado para laboratórios conveniados.

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 ESTADO DE SANTA CATARINA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NOTA TÉCNICA Nº 001 DIVE/SES/2014 Assunto: Orienta

Leia mais