INTRODUÇÃO. sociais que ocorrem nas dimensões burocrática e produtiva. A principal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INTRODUÇÃO. sociais que ocorrem nas dimensões burocrática e produtiva. A principal"

Transcrição

1 13 INTRODUÇÃO Esta tese trata do racismo e como ele ocorre nas empresas de capital privado ou público, e as diversas formas como ele se manifesta nas relações sociais que ocorrem nas dimensões burocrática e produtiva. A principal motivação para realizar essa pesquisa está ligada à minha experiência profissional desenvolvida em diversas organizações na área de recursos humanos, departamento voltado para a gestão de pessoal, envolvendo recrutamento e seleção, desenvolvimento profissional, treinamento, compensação, gestão de benefícios, desligamento etc. Observei, ao longo de alguns anos de carreira, diversas situações de discriminações, expressas através da imposição de barreiras à entrada de afro-descendentes nas empresas, como também dificuldades para a mobilidade ocupacional (ascensão vertical nos quadros de carreira). Para mim sempre foi muito intrigante a maneira que os atores organizacionais dissimulavam suas ações, bem como o silêncio sobre a questão. Em muitas situações tentei abordar o problema, mas os atores envolvidos, tanto executivos quanto profissionais negros e brancos, sempre evitavam o tema, tratando-o como tabu. Quando a questão chegava a ser comentada, mesmo que tangencialmente, os brancos expressavam suas percepções sobre a hierarquia racial. Minha experiência familiar com a questão racial também foi intrigante. Como é comum nas famílias brasileiras, ouvia no cotidiano frases e expressões de natureza preconceituosa com relação aos afro-descendentes. Para a

2 14 população brasileira em geral, os afro-descendentes são como os estrangeiros perigosos que colocariam em risco a estabilidade social, a segurança, a moral, os empregos, mas ao mesmo tempo admite-se que alguns são especiais, pois têm a alma branca. A forma como os brasileiros encaram a questão racial é extremamente contraditória, pois, ainda que se relacionando até intimamente com os negros, atribuem a eles adjetivos que refletem uma perversa hierarquização racial. Pataki (2005) afirma que o preconceito racial é a aceitação de falsas crenças e atitudes adquiridas de modo inocente durante a socialização ou por meio de generalizações falsas, porém não tendenciosas. Nesse sentido, o autor defende a idéia de que o racismo, em muitas situações, é inconsciente, sendo, portanto, impossível analisá-lo racionalmente com base em pressupostos mentalmente e coerentemente organizados e capazes de justificar as atitudes perante o outro. Assim, cresci convivendo com idéias contraditórias sobre a questão racial, confrontando-me com idéias ora racistas ora anti-racistas. No meu primeiro emprego, aos quinze anos de idade, trabalhei com uma pessoa racista, que defendia idéias sobre a superioridade racial dos europeus em relação aos negros, índios e nordestinos. Parecia ser uma pessoa culta e amável, mas deixava-me incomodado com suas idéias relativas à questão racial. Não obstante, ele jamais tratou mal alguém por causa da cor ou origem. Era sempre muito educado e cortês. Falava sobre o assunto fazendo proselitismo de suas idéias, de forma reservada e essas posições não impediam que a empresa contratasse profissionais afro-descendentes ou mestiços. Lembro-me pelo menos de dois ou três que lá trabalhavam num grupo de mais de cem funcionários.

3 15 As organizações refletem, em parte, as sociedades em que elas se encontram instaladas, independentemente da origem do capital (nacional ou estrangeiro), pois os indivíduos que as dirigem e as operacionalizam em suas várias atividades dentro das cadeias de valores trazem para o interior delas seus valores, crenças, costumes e ideologias. Dessa forma, uma organização estabelecida em um país com forte intolerância para com o Outro, o diferente, possivelmente desenvolverá mecanismos de exclusão, tanto no processo de seleção quanto na mobilidade profissional para aqueles que conseguiram superar as barreiras de acesso. A cultura organizacional também é influenciada pelos seus fundadores e dirigentes. Ela pode apresentar várias tipologias, como a paternalista, democrática ou autoritária de forma isolada ou associada (WEBER, 1974). Assim, organizações que desenvolvem culturas mais democráticas, no sentido de maior participação dos empregados em vários aspectos das políticas organizacionais, mesmo que superficiais, tendem a desenvolver um sentimento de pertença efetivo e duradouro, razão pela qual são rígidas em relação ao rompimento dos valores estabelecidos. Da mesma forma, havendo uma disposição dos dirigentes e acionistas para com uma política de relações do trabalho mais flexível com relação à diversidade cultural, aceitando democraticamente as diferenças ou mesmo estimulando a diversidade como um valor organizacional, é possível que a organizações possam neutralizar, em grande parte, o comportamento racista, mesmo que seja dominante nas sociedades em que operam. A questão da diversidade insere-se nesse contexto, pois pode fazer parte do código de ética ou da política e missão organizacionais, ficando

4 16 explícita a necessidade do respeito às diferenças, não somente por parte dos empregados, mas também do corpo diretivo. As empresas multinacionais, em um contexto fortemente globalizado e por suas características cosmopolitas, em geral, procuram administrar de forma mais racional a diversidade nas relações do trabalho. A existência de políticas de recursos humanos com foco na diversidade (racial, gênero, cultura, crenças etc.) explicitadas através de normas e códigos de ética favorecem essa tendência (WEBER, 1974). Essas políticas ou filosofias empresariais não significam em si mesmas a adoção de posturas mais humanistas do capitalismo global, mas sim a necessidade da racionalidade econômica com vistas na manutenção dos padrões de acumulação. Assim, é possível afirmar que, estando as empresas concorrendo em nível global, com grande fragmentação de suas unidades produtivas, faz-se necessária à adaptação rápida e eficiente aos valores locais, minimizando-se as turbulências de caráter social, político e cultural nas entradas em novos mercados. A hipótese discutida neste trabalho é verificar se nas empresas nacionais haveria maior discriminação contra os afrodescendentes do que nas empresas multinacionais ou transnacionais, independentemente do nível ocupacional desses trabalhadores. Foi considerado, também, se seria relevante levar em consideração a possível influência do capitalismo globalizado em relação ao tema estudado. A memória do racismo pode encontrar obstáculos, devidos ainda à existência do mito da democracia racial 1, pois a elite brasileira consolidou no 1 A origem da expressão democracia racial é atribuída a Gilberto Freyre, mas pode ter sido cunhada por Roger Bastide, conforme afirma Guimarães (1999). De qualquer forma democracia racial está intimamente ligada à idéia difundida pela história oficial de que as relações raciais no Brasil escravagista tinham sido mais benignas do que nos EUA, mas Freyre teria transformado esse contraste num elemento central do nacionalismo brasileiro, dando-lhe status científico (Telles, 2003).

5 17 plano interno e externo a imagem de uma sociedade com a convivência harmônica entre as raças, sem conflitos, com o reconhecimento do espaço público para todas as raças que compõem a população. O próprio termo democracia racial já implica um problema, pois o vocábulo tem o seu sentido vinculado a igualdade de direitos, cidadania, espaço público para todos, sem discriminação. Portanto, a existência da democracia pressupõe, antes de tudo, a igualdade política, pois, ao se utilizar democracia no sentido da igualdade entre diferentes, já estaríamos admitindo, a priori, a inexistência de diferenças. Negar as diferenças pode também implicar o não-reconhecimento de que o outro existe (RANCIERE, 1996), com as suas peculiaridades fenotípicas, culturais e sociais. O mito da democracia racial 1 foi construído para dar guarida à idéia da negação da discriminação racial, pois o mito fundador da idéia de nação brasileira não poderia admitir a existência de conflitos raciais ou étnicos. São essas as razões que muitas vezes podem criar conflitos para as lembranças do racismo A democracia racial pode ser vista como um discurso ideológico das classes dominantes visando à negação da discriminação a que foi submetida a população de origem africana, após o fim do regime escravista. O discurso da igualdade de direitos universais tem por fim, sobretudo, negar e abafar os conflitos e as contradições existentes no interior da sociedade brasileira com relação à problemática racial. O discurso ideológico baseia-se na realidade concreta e é utilizado para mascarar essa mesma realidade. Assim, afirma-se que não há discriminação contra os afro-descendentes brasileiros, pois o discurso oficial pode citar inúmeros homens e mulheres negras que ascenderam socialmente, conquistando posições de destaque na sociedade.

6 18 Portanto, dessa ótica, os problemas são de natureza individual e não coletiva, pois a sociedade oferece, teoricamente, oportunidades iguais para todos. Ainda sobre o mito da democracia racial, Ianni destaca seu papel nas dificuldades para o avanço da democracia brasileira: Esse mito, ao mesmo tempo que nega a desigualdade racial, implicitamente a reafirma, reconhecendo que o negro pode tornar-se branco... Essa metamorfose, concebida ideologicamente, apenas ocorre ao nível dos indivíduos, porquanto coletivamente continuarão a ser chamados negros, mulatos... (1972:244). A idéia subjacente contida no mito da democracia racial de que o negro brasileiro pode tornar-se branco se realiza no plano simbólico, como forma de ubmete-lo para ser aceito entre os brancos. Ao acreditar na possibilidade de que tem a alma branca como veículo de mobilidade social, ele ao mesmo tempo se renega como pessoa e como coletividade e deixa de questionar politicamente o racismo, reduzindo assim, as chances de mudança de sua realidade. A ideologia do branqueamento tem um papel relevante no estabelecimento da identidade das pessoas no Brasil, pois como falsa consciência, engendra entre os negros mestiços uma percepção de diferença em relação aos negros, mas não consegue alcançar uma diferenciação efetiva em relação aos brancos. Os brancos tendem a incentivar aqueles que são mestiços a não se identificarem como negros, pois estariam criando uma situação especial para aqueles que lhes são mais próximos, visando também afastá-los de sua origem, mesmo sem integrá-los no outro grupo. A construção ideológica do negro de alma branca está profundamente enraizada na sociedade brasileira,

7 19 fazendo parte do seu imaginário. Para não hierarquizar a cor, o que entraria em choque com a ideologia da democracia racial, estabelece-se uma hierarquia no firmamento, no plano divino. A alma branca, nesta perspectiva, teria atributos superiores a alma negra. Alencastro (2000: 346 e 347) afirma que essa ideologia que valoriza a tez mais clara tem sua origem no período escravagista que se debatia com a crônica escassez de mão-de-obra qualificada, levando os senhores a conceder melhor tratamento aos mestiços em geral e aos mulatos em particular. Constituindo menos de 10% do total de escravos nos engenhos, os mulatos ocupavam mais de 20% das funções mais qualificadas de supervisão, de artesanato e domésticas no século XVIII. Essa era um a boa razão para que o mulato se convertesse numa aspiração da população escrava no Brasil, que Antonil (1982) descreve como...o inferno dos negros, o purgatório dos brancos e o paraíso dos mulatos e mulatas. A Construção do Conceito de Raça O conceito tradicional de raça, originário da Biologia, define três principais raças : branca, amarela e negra. Entretanto, se observarmos atentamente o conceito, é fácil contestá-lo, pois a cor da pele apresenta tonalidades diferentes em todos os grupos humanos, considerando as três tipologias. É possível encontrar entre os chamados povos amarelos, indivíduos mais claros do que populações consideradas brancas, como também é possível identificar indivíduos de grupos brancos com a pele mais escura. Os cabelos crespos podem ser encontrados, também, entre os brancos nórdicos ou entre os japoneses. O nariz achatado pode ser observado entre populações

8 20 nórdicas e o nariz afilado, entre populações identificadas como negras. Todavia, sem dúvida alguma, a cor da pele é um dos fatores da variação biológica do ser humano que apresenta o maior interesse pelas populações, pois é uma diferença que salta aos olhos, apesar de ser, do ponto de vista biológico, de menor importância, como foi mencionado acima. Outros estudos reforçam essa idéia com relação à cor da pele, mostrando que, ao contrário de uma opinião disseminada, as diversas cores da pele resultam, essencialmente, da densidade na epiderme de um único pigmento, a melanina, que está presente tanto nos brancos quanto nos amarelos ou nos negros, mas em doses muito variáveis. Portanto, as diferenças constatadas são, sobretudo, quantitativas e não qualitativas (JACQUARD, 1978:67). A noção de raça, como foi visto até agora, funda-se na idéia de caracteres físicos transmissíveis que permitem distribuir a espécie Homo Sapiens em vários grupos que equivalem ao que a botânica chama de variedade (LEIRIS,1970). Essa variedade tem significado superficial no sentido de compreender as diferenças biológicas entre os seres humanos, pois, em sua essência, considerando a herança genética como o critério que teria maior rigor científico, elas são tão irrisórias que pouco valeria a pena investir tempo e recursos na sua explicação. Ruth Benedict (1983), sobre o uso de critérios biológicos para classificar os seres humanos, afirma que se ao invés de usar a hereditariedade como símbolo da identidade de um povo se fosse escolhida a cultura, haveria a substituição de um simbolismo perigoso e enganador por outro mais realista. As noções referentes à uniformidade e à pureza dos grupos humanos e a fixação das diferenças não encontram suporte científico, pois, no passado,

9 21 elas se assentavam em premissas falsas (DUNN, 1972), pois eram fundadas muito mais pelos aspectos ideológicos do que pelo conhecimento científico. A utilização do conceito de raça é relativamente recente na cultura ocidental, pois seu significado original estava relacionado a um grupo de pessoas interligadas por uma origem comum (BANTON, 1994:264) e não para se referir a populações com características fenotípicas diferenciadas. De qualquer forma, já é patente no âmbito das ciências sociais, notadamente na Antropologia, que, biologicamente, o conceito de raça não existe no sentido em que é utilizado, sendo o termo irrelevante para a ciência. Admite-se, no entanto, que a expressão tem um interesse maior no campo sociológico do que na biologia ou na Antropologia física, sendo por isso considerado como uma construção social, engendrada a partir das relações sociais numa realidade concreta (BERGER E LUCKMANN, 1973). No Brasil, os afro-descendentes utilizam o termo raça negra para se autodenominarem. É nesse sentido que o termo raça ganha significado nesta tese, uma construção-reconstrução do próprio grupo. Guimarães (1999) afirma que raça é também uma categoria analítica indispensável, pois é a única que revela as discriminações e desigualdades e a noção brasileira de cor é efetivamente racista e não apenas de classe. Além de raça, de racismo, existe outro conceito que merece atenção: o etnocentrismo, que funciona como mecanismo primário na avaliação da cultura. É também a perspectiva segundo a qual o modo de vida de um é preferível ao dos outros e é um sentimento co-natural à maioria dos indivíduos (HERSKOVITS, 1960). Assim, haveria uma tendência comum em todos os povos, sejam nações, tribos, clãs, grupos, à valorização dos seus respectivos

10 22 sistemas de valores, crenças, princípios, normas, costumes, tradições, enfim, tudo que representa o lastro cultural. Para Jones (1973) o etnocentrismo é basicamente um julgamento e, da mesma forma que o preconceito, é uma atitude. Para ele, o etnocentrismo se torna racismo cultural quando as atitudes se desenvolvem em comportamentos. A partir do momento que os julgamentos etnocêntricos se tornam recomendações para a ação, e os mesmos julgamentos servem para justificar tais ações, o racismo é o rótulo adequado (p. 139). O etnocentrismo pode se manifestar tanto no plano intelectual, como no afetivo. Na primeira forma, é a dificuldade de entender e aceitar as diferenças entre a nossa cultura e a do outro, em relação aos costumes, hábitos, jeito de se vestir, falar, comer, divertir etc. Da perspectiva afetiva, manifesta-se pelo medo, pavor, desconfiança em relação ao diferente. A identidade étnica, como base para o etnocentrismo, é construída a partir da diferença. A atração entre aqueles que se sentem como de uma mesma espécie é indissociável da repulsa diante daqueles que são percebidos como estrangeiros (POUTIGNAT E STREIFF-FENART, 1998). O etnocentrismo, que pode refletir a identidade dos indivíduos com relação ao grupo com o qual compartilha costumes, tradições, sentimento de origem comum, pode também ser visto como a base para o desenvolvimento do racismo, conforme afirma Munanga: O etnocentrismo possui em germes as condições necessárias ao nascimento do racismo. Para passar do etnocentrismo ao racismo é preciso que às diferenças objetivas no espírito do racismo esteja acrescentada uma diferença imaginária: a consciência necessariamente falsa de uma distinção biológica entre ele e sua vítima (1990:53).

11 23 Metodologia Ao trabalhar com esta temática, lembrei-me do livro Black like me (2003), lido na adolescência, que retratava a experiência do jornalista norteamericano John Howard Griffin. O escritor e jornalista entrou, no sentido literal, na pele de um homem negro, para assim sentir o sofrimento, a discriminação, a segregação, enfim o racismo que os afro-americanos sofriam nos sul dos Estados Unidos nos anos 60. A luta pelos direitos sociais da população negra estava em sua fase inicial e havia muito a conquistar. Para se sentir como um negro, o jornalista escureceu sua pele utilizando medicamentos usados para o tratamento do vitiligo e foi submetido a raios ultravioletas para completar o processo. Pela sua aparência, apesar de ser um branco, ele passou a ser visto na região, no sul dos EUA, onde fez a experiência, como um homem negro, passando a ser vítima de todo tipo de discriminação nas ruas, cinemas, restaurantes etc. Dessa forma, pôde relatar o sofrimento de um povo numa sociedade racista e segregacionista. Não se tratava de mais um afro-americano denunciando a violência da segregação, mas de um branco que sentiu na própria pele como seus pares tratavam os negros. Sua narrativa parecia real, mesmo considerando a bricolagem de sua relação com a temática e também em relação ao próprio objeto no sentido abordado por Benjamin (1975). A narrativa partiu de sua experiência concreta, vivida e também daquela contada pelos outros. Essa forma artesanal da comunicação humana não tem a intenção de transmitir um conteúdo puro como a notícia. Pelo contrário, diz Benjamin, imerge essa substância na vida do narrador para, em seguida, retirá-la dele próprio. A narrativa revelará sempre

12 24 a marca do narrador, da mesma forma como é revelada a mão do artista na cerâmica (1975). A sua narrativa não era de um negro, mas de um branco transvestido de um para viver a experiência, mas seu sentimento em relação ao seu novo papel era quase real, conforme ele mesmo narrou: Eu comecei a sentir uma grande solidão, não porque eu estava Negro, mas porque o homem que eu tinha sido, aquele que eu conhecia, estava escondido na carne de outro. (GRIFFIN, 2003: 11). Sua solidão era decorrente do papel que passava a representar e ele estava sozinho num grande teatro era hostil a sua cor e hostil a sua pele (Idem, 2003). Entretanto, por melhor que tenha sido a intenção e a vivência, em qualquer momento que desejasse, poderia voltar a ser branco e deixar de ser alvo da discriminação, ao contrário desta análise, que aborda experiências realmente vivenciadas, porque trabalha com a memória de quem viveu e vive o racismo. A publicação da experiência de Griffin, na época, teve forte impacto na sociedade americana, como também no mundo, contribuindo para mudanças na política racial norte-americana. Esta pesquisa não tem, como no caso da experiência de Griffin, a intenção de estar literalmente na pele de um negro, mas tem sim o propósito de ouvir e interpretar as situações vividas pelos afro-descendentes, na qual o racismo se manifesta de uma forma bem mais complexa do que na sociedade norte-americana. No Brasil, os sentimentos racistas não são explícitos, havendo tendência para uma falsa cordialidade que despista a realidade. Os sentimentos, expressos de forma direta, nua e crua, ofendem e criam um impasse, um conflito, quase nunca desejado. A cultura brasileira é, em geral, avessa ao conflito, preferindo a contemporização. Essa aparente cordialidade

13 25 do brasileiro, entretanto, é apenas epidérmica, e seria engano supor que essas virtudes possam significar boas maneiras, civilidade (HOLANDA, 1995:147). Não somos diretos ao expressar nossas idéias, nossos pontos de vista, preferimos contornar, falar por metáforas, pois assim fica o dito pelo não dito, podendo-se desmentir ou alegar que fomos mal interpretados. Assim, mais do que estar na pele de um negro, é preciso ouvir a alma dos afro-descendentes, para que expressem e resgatem suas experiências, e senti-las verdadeiras, concretas, porque compartilhadas. Para Halbwachs (1990), as experiências, para serem reais, precisam ser vividas, construídas na memória do indivíduo e, quando se transformam em lembranças, são confrontadas com às dos outros e quando há concordância, aumenta a crença de que se está reconstruindo a própria experiência. É preciso, também, colocar essas memórias em suspensão, de uma perspectiva crítica, pois nem sempre o narrador percebe a agressão a que é submetido. Ele pode ver tudo como algo normal, comum, sem se dar conta de que foi humilhado. Assim também a memória entra em conflito. Um outro obstáculo que a memória sobre o racismo encontra é aquele em que pode haver um processo de falseamento, pois, ao se admitir a discriminação, é como se sentir excluído socialmente e o discriminado nem sempre aceita essa situação, pois é motivo de sofrimento. Pollak sugere que as vítimas temem provocar a ira dos seus antigos algozes que continuam como força dominante na sociedade. Essa atitude de medo é reforçada pelo sentimento de culpa que as próprias vítimas podem ter, oculta no fundo de si mesmas (1992: 6), impedindo que venham a expor de forma direta e clara as injustiças a que foram vítimas. Pode-se dizer que há também o sentimento de

14 26 culpa entronizado entre as vítimas, fazendo com que se sintam culpadas por não serem brancas ou mesmo vítimas de um pecado original que fez delas diferentes dos grupos superiores, ou seja, dos brancos. Há também o caso daqueles que, para não serem vítimas, comprometeram-se direta ou indiretamente com as injustiças cometidas. Esses também preferem, obviamente, guardar silêncio a se arriscarem ao malentendido ou até mesmo reforçar a consciência tranqüila e a propensão para o esquecimento dos antigos carrascos (POLLAK, 1989:6). Esse silêncio revela um lado cruel da discriminação, porque impõe ao indivíduo certo compromisso com a injustiça, como se ele próprio fosse responsável por ela, já que ele se cala e deixa que outro, um semelhante, seja a vítima, pois assim salva a própria pele. A narrativa daqueles que se comprometeram será sempre evasiva, despistadora e sempre negativa. Há sempre uma enorme fronteira entre o dizível e o indizível, o confessável e o inconfessável, que separa a memória coletiva subterrânea da sociedade civil dominada ou de grupos específicos, de uma memória organizada que resume a imagem que uma sociedade majoritária ou o Estado que as representam desejam passar e impor. A história oral tem aí papel relevante no resgate dos que vivem à margem da história oficial. Ao privilegiar a análise dos excluídos, dos marginalizados e das minorias, a história oral ressaltou a importância das memórias subterrâneas que, como parte integrante das culturas minoritárias e dominadas, se opõem à memória oficial, no caso a memória nacional. (POLLAK, 1989:4) A ideologia da democracia racial cumpre o papel sub-reptício de reprimir a memória subterrânea, porque teme que se essa conseguir invadir o espaço

15 27 público, a ela serão acopladas reivindicações múltiplas, desestabilizando a estrutura social construída a partir da primazia branca. Entretanto, o silêncio imposto sobre o passado, de forma violenta ou sutil por meio de processos pedagógicos de cooptação através dos instrumentos de transmissão ideológica, não destrói essa memória, que permanece através das redes familiares e de amizades (POLLAK, 1992). A história de vida pode ser uma forma de dar voz aos excluídos, para que possam expressar, a partir da reconstrução, suas lembranças que se tornaram subterrâneas. Não se deve buscar, através da memória, apenas relatos factuais de acontecimentos, mas a possibilidade de proporcionar aos indivíduos a reconstrução de si mesmos, definindo seu lugar social e suas relações com os outros, como afirma Pollak (1989). A memória está em voga e não só como tema de estudos entre especialistas. Também a memória como suporte dos processos de identidade e reivindicações respectivas, está na ordem do dia (MENEZES, 1999:12) Apesar de as lembranças muitas vezes virem carregadas de subjetividades, de forma nenhuma isso invalida os resultados, pois captar a subjetividade dos sujeitos é também muito importante para a pesquisa. Por isso, Antonio Cândido (1975) destaca em Os parceiros do Rio Bonito o valor dos informantes escolhidos na reconstrução do passado de uma perspectiva qualitativa: Aliás, o interesse pelos casos individuais, pelos detalhes significativos, constitui elemento fundamental neste estudo, de eficiência nas disciplinas sociais, e que a decisão interior do sociólogo, desenvolvida pela meditação e o contacto com a realidade viva dos grupos, é tão importante

16 28 quanto à técnica de manipulação dos dados. Ela lhe permite, com efeito, passar da impressão à hipótese, em muitos casos onde esta não se poderia sequer esboçar segundo critérios estatísticos ou acumulativos. (1975:19) A história de vida busca, em resumo, a experiência vivida do indivíduo e, a partir dela, a obtenção de dados relevantes para a pesquisa. O indivíduo de quem se obtém os dados, que tanto pode ser um participante como um observador do fenômeno social, relata sua própria história. Nesse contexto, o investigador reconstitui a vida do indivíduo pesquisado para evidenciar os aspectos em que está mais interessado (MARCONI E LAKATOS, 1985:106). Para o desenvolvimento desse projeto foi utilizada como técnica de coleta de dados a história de vida de profissionais. Essa técnica é normalmente utilizada por antropólogos, sociólogos e outros estudiosos como fonte de informação para seus trabalhos. A história de vida tenta obter dados relativos à experiência íntima de alguém que tem um significado importante para o conhecimento do objeto em estudo. A história de vida é importante fonte de dados, uma vez que, através dela, o pesquisador descobre a concepção que o indivíduo tem de seu papel e de seu status nos vários grupos de que é membro. A escolha dos sujeitos foi por acessibilidade, dependendo da disposição dos atores em fazer as narrativas de suas experiências profissionais em diversas organizações paulistas. Os indivíduos que fizeram os depoimentos são de origens diversas, mas predominam os profissionais qualificados com cursos técnicos ou de nível superior, atuando em cargos operacionais ou administrativos. Muitos indivíduos afro-descendentes convidados não concordaram em dar seus depoimentos por razões de natureza pessoal e

17 29 íntima. Entende-se que a recusa pode estar ligada ao sofrimento que o resgate da memória de acontecimentos pode provocar. Para alguns indivíduos a possibilidade de falar sobre situações vividas que foram marcantes, mesmo que desagradáveis, pode funcionar como uma catarse, mas para outros pode representar o reencontro com a dor. A escolha de indivíduos profissionalmente qualificados, com educação formal, de nível técnico ou superior, teve como objetivo eliminar o viés de que somente os negros pobres e sem instrução seriam discriminados, caracterizando a percepção de que a discriminação estaria relacionada apenas à classe social. Paralelamente, também foram coletados os depoimentos de profissionais que atuam na área de gestão de pessoas, também denominada como Recursos Humanos com vistas em confrontar as informações obtidas através dos primeiros. Esses profissionais, com exceção de um, são todos brancos, ocupando cargos executivos ou de destaque na área em organizações nacionais, multinacionais ou transnacionais 2. Procurei, assim, coletar dados com indivíduos negros (homens e mulheres), que desenvolvem ou já desenvolveram atividades profissionais em organizações de capital privado ou público. É através dessas histórias de vida que se procura identificar as experiências vivenciadas por esses indivíduos nas relações funcionais com seus superiores hierárquicos, com colegas de 2 O termo multinacional geralmente denota uma empresa com um volume significativo de operações e de atividades de marketing fora de sua base nacional. O universo dessas empresas é amplo e variado, abrangendo diferentes modalidades de organizações, atuando em vários tipos de setores. Autores como Ianni (1998: 47), expressam a idéia de que as organizações transnacionais se libertaram progressivamente de algumas das injunções ou limitações inerentes aos Estados nacionais. Essa perspectiva está inserida no contexto da internacionalização do capital de forma ampla, através da dispersão geográfica da produção, provocada pela nova divisão internacional do trabalho. Há também outra metáfora para a designação da empresa que extrapola os limites fronteiriços do Estado Nacional que vem sendo denominada como empresa global. Ela é vista como uma entidade que transcende os limites nacionais em que a identidade nacional da corporação deve ser

18 30 trabalho, com os selecionadores no processo de admissão ou com funcionários de outras organizações com as quais manteve contato em decorrência de suas atividades, pois essa técnica permite maior associação de dados que podem ser importantes para pensar o grupo que é o foco do racismo; da mesma forma o grupo de funcionários das empresas que atuam na seleção e promoção dos trabalhadores. A identificação dos indivíduos negros ou afro-descendentes foi baseada na identidade negra assumida pelos mesmos. Entretanto, todos os sujeitos apresentam o biótipo afro-descendente como pele escura (com variações de tonalidade entre mais claro e mais escuro) e outras características fenotípicas que são comumente identificadas como da população negra. Assim também foram entrevistados profissionais que desenvolvem atividades profissionais na área de Recursos Humanos, que representam, em última análise, os interesses das organizações, bem como têm um papel relevante na mediação dos conflitos nas relações do trabalho. Esses profissionais propiciaram informações importantes sobre a percepção que os mesmos têm das organizações em seus componentes de natureza ideológica. Para coletar os depoimentos, depois da concordância dos sujeitos, foi utilizado um gravador tipo cassette para registrar as narrativas. A pesquisa, em sua totalidade, envolveu 41 depoimentos, sendo 26 homens negros, 8 mulheres negras e 7 profissionais de recursos humanos, sendo 6 brancos e uma negra. Com exceção de 3 depoimentos, os demais foram realizados com o auxílio do gravador. Os sujeitos ficaram totalmente à vontade com o gravador substituída, a partir dessa visão, por um paradigma estratégico que desconhece fronteiras ( Porter, 1999: 327).

19 31 ligado, não apresentando desconforto ou constrangimento em relação à técnica de coleta de dados. Foi utilizado um roteiro mínimo para a coleta que abordou: origem geográfica, familiar, situação social da família, escolaridade dos pais e dos sujeitos, a vida profissional e suas relações com superiores hierárquicos e seus pares, os processos de seleção ao emprego, a mobilidade profissional, ascensão salarial etc. Posteriormente, todos os depoimentos foram transcritos e entregues aos sujeitos que confirmaram as narrativas ou fizeram algumas complementações. Em razão da dificuldade para contatar esses indivíduos em seus próprios locais de trabalho e também devido à impossibilidade de se obter informações sinceras dos entrevistados tendo em vista o receio de que a empresa pudesse tomar conhecimento das informações fornecidas. A alternativa dentro deste quadro, foi a coleta por acessibilidade. Esse critério, de acordo com Gil (1987), é o menos rigoroso de todos os tipos de amostragem, sendo por isso destituído de qualquer rigor estatístico. Dessa forma, o pesquisador seleciona os elementos a que tem acesso, admitindo que esses possam, de alguma forma, representar o universo estudado. A escolha dos sujeitos foi através da abordagem de indivíduos nas condições indicadas acima, bem como através de indicações dos próprios entrevistados. Com base no método da pesquisa, os depoimentos foram realizados com uma população não previamente definida e foram encerradas no momento em que foram observadas situações de repetição de informações relacionadas ao próprio foco de estudo. Assim, a coleta de dados havia encontrado o ponto de saturação. Considerando os sujeitos que narraram suas histórias de vida, foram identificadas diversas organizações, classificadas de acordo com a origem do

20 32 capital social, para os dois grupos pesquisados. Na Tabela 1 são indicadas as empresas citadas por profissionais afro-descendentes e por profissionais de Recursos Humanos (RH). TABELA 1 Origem do capital das empresas Origem do Capital Citadas por Afrodescendentes Citadas por profissionais de RH Nacional Estados Unidos Alemanha França Japão Espanha Pública Total Empresas quanto à origem do capital, citadas pelos sujeitos de RH e sujeitos afro-descendentes. Como o objetivo da investigação foi analisar as relações raciais em indústrias paulistas a partir da memória dos profissionais afro-descendentes e também dos profissionais de Recursos Humanos (RH), a identificação da origem do capital das empresas é um dado importante. A partir desses dados é possível identificar as diferenças entre empresas brasileiras e multinacionais em relação à questão racial. As atividades das empresas, em função do tipo de produto, tecnologia utilizada, além da origem do capital, podem revelar diferenças significativas com relação às políticas relacionadas à diversidade humana, razão pela qual foram identificados os ramos de atividade de acordo com as informações obtidas dos sujeitos. Na Tabela 2 as empresas mencionadas pelos sujeitos foram agrupadas de acordo com o setor de atividade, caracterizando se a empresa é industrial, varejo, serviços etc.

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau

Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Por uma Cultura da Paz Vera Maria Candau Não é fácil situar-nos diante da questão da paz na atual situação do mundo e do nosso país. Corremos o risco ou de negar a realidade ou de não reconhecer o sentido

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB

O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB O PRECONCEITO RACIAL PERCEBIDO/ NÃO PERCEBIDO, PELAS PROFESSORAS, NA EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL Aline Oliveira Ramos PPGEd/UESB Introdução Este trabalho se insere nas discussões atuais sobre relação étnico-cultural

Leia mais

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS

EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS EDUCAR PARA OS DIREITOS HUMANOS Sandra Regina Paes Padula * Gostaria aqui fazer um breve histórico de como surgiu os Direitos Humanos para depois entendermos como surgiu a Educação em Direitos Humanos.

Leia mais

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil

Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Resumo Aula-tema 09:A miscigenação étnico-racial e sua influência na construção social do Brasil Introdução No Brasil, a questão étnico-racial tem estado em pauta, nos últimos anos, em debates sobre políticas

Leia mais

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum.

1º ano. 1º Bimestre. 2º Bimestre. 3º Bimestre. Capítulo 26: Todos os itens O campo da Sociologia. Capítulo 26: Item 5 Senso Crítico e senso comum. 1º ano A Filosofia e suas origens na Grécia Clássica: mito e logos, o pensamento filosófico -Quais as rupturas e continuidades entre mito e Filosofia? -Há algum tipo de raciocínio no mito? -Os mitos ainda

Leia mais

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos

Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Comissão Européia Visibilidade estatística da população afro-descendente da América Latina: aspectos conceituais e metodológicos Versão preliminar

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto

T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto T. V. Dijk (org.) Racismo e discurso na América Latina São Paulo: Contexto, 2008. João Vianney Cavalcanti Nuto O fato de um livro sobre o racismo ter sido organizado por um lingüista revela um ramo fecundo

Leia mais

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca

Cultura Organizacional: Compreensão básica para a Gestão de Pessoas. Glaucia Falcone Fonseca : Compreensão básica para a Gestão de Pessoas Glaucia Falcone Fonseca É importante verificar que há diversos grupos que compõem uma cultura. As subculturas, constituídas por grupos de pessoas com um padrão

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir!

Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Relações Raciais no Brasil. Teleaula 2. Para Refletir! Relações Étnico-raciais no Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana Teleaula 2 Profa. Dra. Marcilene Garcia de Souza Relações Raciais no Brasil Características históricas para compreender

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho

CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA. Em cena: A realidade do sonho CAPÍTULO 11 CAMINHOS ABERTOS PELA SOCIOLOGIA Em cena: A realidade do sonho Uma mapa imaginário ( página 123) A sociologia foi uma criação da sociedade urbana. Com a advento da industrialização as grandes

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados

Comunicação e Reputação. 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados Comunicação e Reputação 10 dicas para manter o alinhamento e assegurar resultados 1 Introdução Ao contrário do que alguns podem pensar, reputação não é apenas um atributo ou juízo moral aplicado às empresas.

Leia mais

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo?

Identidade: importância e significados. Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS NAYARA DE SOUZA ARAUJO Identidade: importância e significados Quem sou eu? O que eu quero? Qual meu lugar no mundo? SÃO PAULO 2012 O que define um povo

Leia mais

Educação escolar indígena

Educação escolar indígena Educação escolar indígena O principal objetivo desta apresentação é fazer uma reflexão sobre a cultura indígena kaingang, sobre as políticas educacionais integracionistas e sobre a política atual, que

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80

SERVIÇO SOCIAL. Disciplina: Metodologia Científica. Número de créditos: 04. Carga horária: 80 Disciplina: Metodologia Científica SERVIÇO SOCIAL Ementa: Finalidade da metodologia científica. Importância da metodologia Número âmbito das ciências. Metodologia de estudos. O conhecimento e suas formas.

Leia mais

Sumário. Introdução 9

Sumário. Introdução 9 Sumário Introdução 9 1. A desigualdade racial brasileira 15 Os números da desigualdade 17 Existe racismo no Brasil? 21 A manifestação do preconceito no Brasil 23 A relação racial no espaço público e privado

Leia mais

Trabalhando com Projetos

Trabalhando com Projetos Trabalhando com Projetos Educar para a diversidade étnica e cultural investigação e ação Ricardo Luiz da Silva Fernandes Educar para a compreensão da pluralidade cultural é a luta para construção da igualdade

Leia mais

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO

AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO AFRICAMOS: PENSAR E VIVER AFRICANIDADES PARA E COM AS CRIANÇAS EM CONTEXTOS COLETIVOS DE EDUCAÇÃO E CUIDADO Área Temática: Educação Coordenador: Adilson de Angelo 1 Autoras: Neli Góes Ribeiro Laise dos

Leia mais

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com

É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com O que foi a Revolução Cultural na China? Caio Lóssio Botelho * É um dos países mais complexos do nosso planeta. Com uma superfície de mais de 9.500.000 km², com a população superior a 1.180.000.000 habitantes.

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

Construção do Espaço Africano

Construção do Espaço Africano Construção do Espaço Africano Aula 2 Colonização Para melhor entender o espaço africano hoje, é necessário olhar para o passado afim de saber de que forma aconteceu a ocupação africana. E responder: O

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ

DESIGUALDADE RACIAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ 1 DES E PROFESSORES: DESAFIOS A ENFRENTAR Ricardo de Souza Janoario UFRJ Rita de Cassia de Oliveira e Silva UFRJ INTRODUÇÃO No Brasil, criou-se a ideologia da democracia racial para explicar que as oportunidades

Leia mais

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I

TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I 1 TEORIA GERAL DA ADMINISTRAÇÃO I Administração é a maneira de governar organizações ou parte delas. É o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso de recursos

Leia mais

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão.

2 Público não é político. É o espaço coletivo, do cidadão. A MÚSICA NA SOCIALIZAÇÃO DAS MENINAS DE SINHÁ GIL, Thais Nogueira UFMG thaisgil@terra.com.br GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: CAPES O que acontece quando os sujeitos excluídos

Leia mais

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO

DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO 1 DIVERSIDADE HISTÓRICA, CULTURAL E LINGUÍSTICA NA EDUCAÇÃO INTRODUCÃO Patrícia Edí Ramos Escola Estadual Maria Eduarda Pereira Soldera São José dos Quatro Marcos Este trabalho tem por objetivo uma pesquisa

Leia mais

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo

334 Valdecy de Oliveira Pontes e Alexandra Maria de Castro e Santos Araújo MARTINS, André Ricardo Nunes. A polêmica construída: racismo e discurso da imprensa sobre a política de cotas para negros. Brasília: Senado Federal, 2011, 281p. O livro intitulado A polêmica construída:

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO

ADMINISTRAÇÃO. Funções administrativas ADMINISTRAÇÃO. Revisão de véspera Técnico INSS ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO Funções administrativas Revisão de véspera Técnico INSS Planejamento Organização Direção Controle 1 2 Funções administrativas Planejamento: Planejamento é a função administrativa que estabelece os objetivos

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES

A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES A FORMAÇÃO CONTRADITÓRIA DAS CLASSES DOMINANTES Luiz Carlos Bresser-Pereira Senhor, nº 24, março de 1980 Estou passando pelos corredores e ouço: Quando as empresas brasileiras forem dirigidas por administradores

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

1 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 1 EDUCAÇÃO E PRECONCEITO RACIAL: CONVERGÊNCIAS E DIVERGÊNCIAS NAS PERCEPÇÕES DAS FAMÍLIAS NEGRAS E BRANCAS NO MUNICIPIO DE CUIABÁ MONTEIRO, Edenar Souza UFMT edenar.m@gmail.com GT-21: Afro-Brasileiros

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1

O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 O compromisso social da Psicologia: contribuições da perspectiva Sócio-Histórica 1 Ana Mercês Bahia Bock 2 Pontifícia Universidade Católica de São Paulo São Paulo/Brasil O tema proposto para a reflexão

Leia mais

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014.

CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE. Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. CORPOREIDADE, BELEZA E DIVERSIDADE Profª Drª Kiusam Regina de Oliveira São Paulo, 27 de outubro de 2014. DEDICATÓRIA Para todas as crianças negras e de classes populares que são vítimas das atrocidades

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS

RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS RESUMO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE EVENTOS SALVADOR 2012 1 CONTEXTUALIZAÇÃO Em 1999, a UNIJORGE iniciou suas atividades na cidade de Salvador, com a denominação de Faculdades Diplomata. O contexto

Leia mais

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA

A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA A DIVERSIDADE E CURRÍCULO: DESAFIOS PARA UMA ESCOLA DEMOCRÁTICA Josenilson Felizardo dos Santos 1 INTRODUÇÃO É possível compreender o papel da escola diante de todo o processo de ensino aprendizagem. E

Leia mais

O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA

O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA O CONFLITO DO RACISMO DURANTE A INFÂNCIA Ana Cristina da Paixão Silva Daiana Moreira Gomes Thainá Oliveira Lima S egundo a Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância), o Brasil tem feito avanços expressivos

Leia mais

A importância do RH na empresa

A importância do RH na empresa A importância do RH na empresa O modo pelo qual seus funcionários se sentem é o modo pelo qual os seus clientes irão se sentir." Karl Albrecht Infelizmente, muitas empresas ainda simplificam o RH à função

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO/ 2013 Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: COMUNICAÇÃO SOCIAL BACHARELADO MATRIZ CURRICULAR PUBLICIDADE E PROPAGANDA SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL

Leia mais

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável Este artigo é cópia fiel do publicado na revista Nu e va So c i e d a d especial em português, junho de 2012, ISSN: 0251-3552, . Aprofundar mudanças rumo a um modelo de desenvolvimento sustentável

Leia mais

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL

UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL UNIDADE 8 RACISMO, PRECONCEITO E DISCRIMINAÇAO RACIAL Módulo 1 - Aspectos gerais da educação e das relações étnico-raciais Unidade 8 Racismo, preconceito e discriminação racial Objetivos: Apresentar aspectos

Leia mais

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/

3.360 H/AULA (*) CURRÍCULO PLENO/ MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: HISTÓRIA LICENCIATURA PLENA SERIADO ANUAL 3 (TRÊS) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 03 (TRÊS) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 05 (CINCO)

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Evolução de Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução

Leia mais

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007

Pesquisa Qualitativa. Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Pesquisa Ibope Pesquisa Qualitativa Lideranças de Movimentos Sociais e Segmentos da População Abril 2007 Metodologia Estudo do tipo qualitativo, envolvendo duas técnicas complementares: 1) Entrevistas

Leia mais

A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional

A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional A Cultura Organizacional no Ambiente Educacional (Renato Casagrande) O interesse pelo estudo da cultura organizacional não é recente, embora esse tema só tenha começado a ter mais importância nas duas

Leia mais

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016

EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 EMENTAS - MATRIZ CURRICULAR - 2016 901491 - EVOLUÇÃO DO PENSAMENTO ADMINISTRATIVO I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação; a evolução da teoria organizacional

Leia mais

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE

PROCESSO DE INGRESSO NA UPE PROCESSO DE INGRESSO NA UPE SOCIOLOGIA 2º dia 1 SOCIOLOGIA VESTIBULAR 11. A Sociologia surgiu das reflexões que alguns pensadores fizeram acerca das transformações ocorridas na sociedade do seu tempo.

Leia mais

5. Considerações finais

5. Considerações finais 99 5. Considerações finais Ao término da interessante e desafiadora jornada, que implicou em estabelecer um olhar crítico e relativamente distanciado em relação ao universo pesquisado, na medida em que

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA.

DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. DECLARAÇÃO FINAL CÚPULA DOS POVOS NA RIO+20 POR JUSTIÇA SOCIAL E AMBIENTAL EM DEFESA DOS BENS COMUNS, CONTRA A MERCANTILIZAÇÃO DA VIDA. Movimentos sociais e populares, sindicatos, povos, organizações da

Leia mais

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural

Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Educação das Relações Etnicorraciais e A lei 10639/2003 : construindo uma escola plural Coordenação de Diversidade SECAD/MEC Professora Leonor Araujo A escola é apontada como um ambiente indiferente aos

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 COMPETITIVIDADE SOB A ÓTICA DAS CINCO FORÇAS DE PORTER: UM ESTUDO DE CASO DA EMPRESA OXIFOR OXIGÊNIO FORMIGA LTDA JUSSARA MARIA SILVA RODRIGUES OLIVEIRA 1, LÍVIA COUTO CAMBRAIA 2 RESUMO: Neste trabalho,

Leia mais

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli

Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho. Direitos Autorais: Faculdades Signorelli Karl Marx e a Teoria do Valor do Trabalho Direitos Autorais: Faculdades Signorelli "O caminho da vida pode ser o da liberdade e da beleza, porém, desviamo-nos dele. A cobiça envenenou a alma dos homens,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE ADMINISTRAÇÃO Nome da disciplina Evolução do Pensamento Administrativo I Estudo da administração, suas áreas e funções, o trabalho do administrador e sua atuação;

Leia mais

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB

Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Pesquisada Perseu Abramo mostra preconceito contra comunidade LGTB Acaba de sair do forno a mais recente pesquisa social do Núcleo de Opinião Pública (NOP), intitulada Diversidade Sexual e Homofobia no

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO

PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO PROJETO CONEXÕES DE SABERES: UM OLHAR À BRASILEIRA O RACISMO OCULTO Selma Dansi 1 RESUMO O Projeto Conexões de Saberes: Um olhar à Brasileira O Racismo Oculto trata-se de um estudo da bolsista e tem como

Leia mais

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo

1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo 1. Introdução às Ciências Sociais e o Positivismo A Sociologia nasceu como disciplina científica no século XIX, no contexto de formação e consolidação da sociedade capitalista. Tornou-se evidente que as

Leia mais

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas

2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas 1. O Passado das ciências (Integração). O papel das Ciências Humanas? 2. Os estudantes sujeitos do Ensino Médio e os direitos à aprendizagem e ao desenvolvimento humano na Área de Ciências Humanas Contexto

Leia mais

L/O/G/O. Cultura Organizacional

L/O/G/O. Cultura Organizacional L/O/G/O Cultura Organizacional 1 Bibliografia Idalberto Chiavenato Gestão de Pessoas - 3ª edição editora Campus. Sylvia Constant Vergara Gestão de Pessoas 9ª edição editora Atlas. Stephen P. Robbins; Timothy

Leia mais

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES

APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES APOSTILA DE FILOSOFIA E ÉTICA NAS ORGANIZAÇÕES 2º. Bimestre Capítulos: I Ética: noções e conceitos básicos II Processo de Decisão Ética III - Responsabilidade Social Apostila elaborada pela Profa. Ana

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO AO SERVIÇO SOCIAL EMENTA: A ação profissional do Serviço Social na atualidade, o espaço sócioocupacional e o reconhecimento dos elementos

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO

PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO PROFISSIONAIS DE RECURSOS HUMANOS: EXPECTATIVAS E PERCEPÇÕES SOBRE A INCLUSÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO MERCADO DE TRABALHO 2014 APRESENTAÇÃO Já faz tempo que as empresas estão trabalhando com o desafio

Leia mais

A função do RH. O que faz um RH. (*) Jan Wiegerinck

A função do RH. O que faz um RH. (*) Jan Wiegerinck A função do RH (*) Jan Wiegerinck A empresa é, entre outras coisas, uma comunidade de pessoas. Mas, comunidade com características próprias. Não é, como outras comunidades, uma família, uma nação ou uma

Leia mais

Motivação. O que é motivação?

Motivação. O que é motivação? Motivação A motivação representa um fator de sobrevivência para as organizações, pois hoje é um dos meios mais eficazes para atingir objetivos e metas. Além de as pessoas possuírem conhecimento, habilidades

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO - e eu com isso?

GLOBALIZAÇÃO - e eu com isso? o que é Um mundo sem fronteiras onde interagimos com todos povos. Influenciamos todo o mundo e somos por todos influenciados. o termo GLOBALIZAÇÃO surgiu na década de 1970 e ganhou popularidade nas décadas

Leia mais

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1

Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Educação, crescimento e desenvolvimento económico: notas e reflexões 1 Carlos Nuno Castel-Branco 2 24-03-2011 Introdução A discussão da ligação entre educação, crescimento económico e desenvolvimento precisa

Leia mais

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia:

NOSSO CURRÍCULO A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS ÁREA DAS CIÊNCIAS HUMANAS. Adotamos uma pedagogia: A EDUCAÇÃO QUE PRATICAMOS NOSSO CURRÍCULO Adotamos uma pedagogia: - que faz da escola uma instância efetiva de assimilação crítica, sistemática e integradora do saber e da cultura geral; - que trata os

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL

SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL SEQUÊNCIA DIDÁTICA SOBRE RAÇA E DISCRIMINAÇÃO RACIAL DISCIPLINA: SOCIOLOGIA O propósito desta sequência didática é discutir com e/em interação com os jovens-alunos, a questão do preconceito racial e o

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO

MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO MULHERES EM ASCENSÃO: ESTUDO COMPARATIVO DE TRAJETÓRIAS EDUCACIONAIS DE MULHERES NEGRAS E BRANCAS NA PÓS-GRADUAÇÃO DA UFF PINTO, Giselle UFF giselleuff@yahoo.com.br GT: Afro-Brasileiros e Educação / n.21

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

Inclusão Digital (Rede SACI) marta gil* uma pessoa com sapatilhas realizando um salto ou pirueta espetacular.

Inclusão Digital (Rede SACI) marta gil* uma pessoa com sapatilhas realizando um salto ou pirueta espetacular. Inclusão Digital (Rede SACI) marta gil* uma pessoa com sapatilhas realizando um salto ou pirueta espetacular. Ultimamente, a palavra inclusão tem estado em evidência, sendo aplicada a diferentes parcelas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

SIMULADO DE SOCIOLOGIA

SIMULADO DE SOCIOLOGIA SIMULADO DE SOCIOLOGIA 1) O que é Sociologia? a) ( ) Ciência que estuda a relação do homem com a natureza. b) ( ) Ciência que estuda o meio ambiente. c) ( ) Ciência que estuda os grupos, sua organização

Leia mais

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016

DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 DIRETRIZES A SEREM DEBATIDAS NAS CONFERÊNCIAS NO ANO DE 2015 E 2016 A Constituição de 1988 criou a possibilidade de que os cidadãos possam intervir na gestão pública. Pela via do controle social, influenciam

Leia mais

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros

Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros Capítulo I - Do direito à informação Art. 1º O Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros tem como base o direito fundamental do cidadão à informação, que abrange

Leia mais

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1

Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Sejam bem vindos!! Disciplina:COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL Aula 1 Dinâmica de apresentação dos Alunos. Informações relevantes. Apresentação dos Objetivos da Disciplina e Metodologia. Mini Currículo Luciana

Leia mais

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia

Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo. Você Sabia Aprendendo Conceitos sobre Gênero e Sexo Você Sabia Que o sexo de uma pessoa é dado pela natureza e por isso nascemos macho ou fêmea? Que o gênero é construído pelas regras da sociedade para definir, a

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 Discurso na cerimónia de instalação

Leia mais

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA?

EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? EDUCAÇÃO MUDANÇAS O QUE ESTÁ REFLETINDO NA ESCOLA? Elisane Scapin Cargnin 1 Simone Arenhardt 2 Márcia Lenir Gerhardt 3 Eliandra S. C. Pegoraro 4 Edileine S. Cargnin 5 Resumo: Diante das inúmeras modificações

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

ADOÇÃO DE CRIANÇAS NEGRAS inclusão ou exclusão?

ADOÇÃO DE CRIANÇAS NEGRAS inclusão ou exclusão? NCA/PUCSP ADOÇÃO DE CRIANÇAS NEGRAS inclusão ou exclusão? Ana Maria da Silveira Adoção de crianças negras_.p65 3 Sem dúvida, o homem é o seu corpo, a sua consciência, a sua sociabilidade, o que inclui

Leia mais