1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões"

Transcrição

1 PORTUGAL COMO DTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING EDIÇÃO 2012 Sumário Executivo

2 Índice 1. OEstudo 2. Portugal como destino de NearshoreOutsourcing (Edição 2012) 3. Conclusões Este estudo baseou-se em informação obtida de diversas fontes consideradas verdadeiras e credíveis pelas entidades que delas fizeram uso. A Associação Portugal Outsourcing não fez a validação da informação na produção deste estudo. Eventuais actualizações futuras deste estudo e da informação nele contida poderão ser realizadas pela Associação Portugal Outsourcing e quaisquer análises diferentes das expressas neste estudo poderão ser produzidas. A cópia, reprodução, distribuição e cedência deste estudo é proibida. No entanto, a informação constante neste documento poderá ser utilizada na elaboração de outros documentos, estudos, ou para divulgação pública, sem fins comerciais e sujeita à obtenção, caso careça, das autorizações respectivas das fontes utilizadas, sempre que garantida a referência a este estudo, à Associação Portugal Outsourcing e às fontes utilizadas. 2 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

3 PORTUGAL OUTSOURCING A Associação e seus objectivos A Portugal Outsourcing é uma organização sem fins lucrativos, das empresas de fornecedores de serviços de Outsourcing. Tem como objetivo principal promover a adopção do Outsourcing de Serviços envolvendo as TIC. Hoje, apresentamos a actualização do estudo de 2011 sobre o outsourcing em Nearshore, resumindo a evolução de Portugal durante o último periodo, tendo em conta o impacto da conjuntura atual e medidas de transformação originadas pelo memorando de entendimento nos indicadores do estudo anterior. 3 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

4 PORTUGAL COMO DTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING Domínio: País Exportações mantêm forte crescimento e a burocracia continua a reduzir; Contração da economia interna favoreceu a concorrência e a competitividade. 4 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

5 Portugal Principais indicadores macro-económicos Variação % do PIB 2,4 % 0,0 % 1,3 % Variação % Exportações* 5,7 % 15,4 % 17,0 % 11,6 % ,5 % ,9 % º Trim -26,7 % 1º Trim 1º Trim 1º Trim População , Inflação 2,7 % , ,9 % ,64 10, ,4 % Variação % Importações* 13,8 % 1º Trim ,5 % 1º Trim ,9 % 1º Trim ,5 % 1º Trim º Trim ,3 % 1º Trim Portugal como destino Nearshore Outsourcing * Variação face ao período homólogo

6 Domínio: País Variação da Edição GDP growth rate (%) Eurostat 2010 R&D and innovation investments (% of GDP) País th Eurostat 2010 Países: 33 Enabling Trade Index , th 64th 62th 51th 44th 31st 30th 10th 7th Governance Matters Score The World Bank Group 2011 Worldwide Governance Indicators report (Average of all 6 governance indicators) Países: 200; Ranking [0; 100] Infraestruturas WEF(1) - The Enabling Trade Index th 4th 4th Países: 132; Index [min 1; max 7] E-Readiness Score Competências EIU(2) - Digital economy rankings 2010(3) Custos Países:70; Score [min 1; max 10] Ease of Doing Business Rank World Bank Doing Business June th Países: 183 (1) (2) (3) World Economic Forum Economist Intelligence Unit Values from 2011 edition Portugal a Nearshore Outsourcing Destination 3th 4th

7 PORTUGAL COMO DTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING Domínio: Infra-estruturas A qualidade das infraestruturas é um factor de competitividade que continua a ser valorizado pelo investimento estrangeiro. 7 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

8 Domínio: Infra-estruturas Variação da Edição 2011 Quality of Telecommunications Cushman & Wakefield European Cities Monitor 2011 Ranking [1-36]; 36 countries Software Piracy Rate (%) País Infraestruturas Annual Piracy Study by IDC Business Software Alliance 2010 Ranking [0-100]; 111 countries ICT Expenditure as % GDP Eurostat Data Countries Competências Custos 31st 29th 2 11th 7th 1st World Economic Forum The Global Competitiveness 142 countries; Report Intellectual Property Protection [1 7] Quality of overall infrastructure World Economic Forum The Global Competitiveness 142 Countries; Report Quality of overall infrastructure [1-7] 30th 26th 21nd 20th egovernment Values from 2011 edition 8 Portugal como destino Nearshore Outsourcing 6th Intellectual property protection Digitizing Public Services in Europe: (1) Putting Ambition into Action 2010 Ranking [0-100]; 33 countries (1) 34th th 4th st 1st 10th 9th 7th 1st 1st 5.6 1st

9 PORTUGAL COMO DTINO NEARSHORE OUTSOURCING Domínio: Competências Progresso significativo na flexibilização das leis do trabalho; Disponibilidade de mão de obra aumentou apesar da saída para o estrangeiro de alguns jovens licenciados. 9 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

10 Domínio: Competências Variação da Edição 2011 País Infraesstruturas Labour Regulations IMD - World competitiveness 2012 (1) Ranking [0;10] Availability of skilled labour IMD - World competitiveness 2012 (2) 59 countries; Ranking [0;10] Language skills IMD - World competitiveness 2012 (3) Ranking [0;10] th 7 th 3 rd 3 rd 2 nd 2 nd Competências Custos English Proficiency TOEFL (IB) TOEFL 2011 (4) Ranking [0;120] Graduation Rates at Tertiary Level(%) OECD 2011, Education at a Glance 2011 (5) (2009) Public expenditure on education (% of GDP) IMD - World competitiveness countries (1) No data available for Hungary, Ireland, Poland and Romania; (2) No data available for Czech Republic, Hungary, Netherlands, Poland, Romania and United Kingdom; (3) No data available for Czech Republic and Poland; (4) No data available for Ireland; (5) No data available for Romania; new Indicator nd rd 1 st 7th 3 rd 10 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

11 PORTUGAL COMO DTINO NEARSHORE OUTSOURCING Domínio: Custos Perda de competitividade em algumas áreas......excepto nos custos unitários de trabalho O que não é necessáriamente uma boa notícia (queremos competir através de salários baixos?) 11 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

12 Domínio: Custos Variação da Edição 2011 Total Tax Revenue (% of GDP) Eurostat 2010 País Infraestruturas th Cost of hotels 26th 47th 49th 50th 53rd 56th 59th 60th 61st Hotels.com - Hotel Price Index 2011 (1) 71 cities Cost of staff 30th 23rd 14th 9th 7th 6th 3th 2nd 1st Cushman & Wakefield - European Cities Monitor 2011 (2) Ranking Best cities in terms of cost of staff; 36 Cities Custos Priciest come first in the ranking/index Cheapest come first in the ranking No data available for Spain and United Kingdom; No data available for Romania. 12 Portugal como destino Nearshore Outsourcing th 26th 38th 41st 43rd 69th 73rd 84th Mercer Quality of Living world city 2011 (4) Ranking Cost of Living; 214 Cities Labour Compensation per Unit Labour Input OECD System of Unit Labour Cost 2011 (growth rate) 30 countries; (4) 2nd 3rd IMD World Competitiveness 2012 (3) 59 countries Cost of living 6th 6th Cost of telecommunications Competências (1) (2) (3) (4) th 8th 3rd 1st 4th

13 CONCLUSÕ Desafios Futuros Principais Conclusões Aspectos Positivos Oportunidades de Melhoria 13 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

14 Aspectos Positivos País Compe tências Infraestruturas Custos Custos Empresas mais focadas no mercado externo e nas exportações. Os resultados estão a aparecer apesar da crise; Aumento de competitividade da função trabalho, resultante da maior flexibilidade laboral; 14 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

15 Oportunidades de Melhoria Atraso na implementação de medidas para a melhoria da eficiência da Administração Pública central e local; País Compe tências Infraestruturas Custos Custos Alívio proposto da actual carga fiscal sobre as empresas é muito importante para acelerar a captação de investimento estrangeiro; Necessário apostar mais na autonomia das Universidades e na Agilidade da sua gestão corrente agora que o seu financiamento próprio começa a ultrapassar o público; A alavancagem e internacionalização do sector de Outsourcing, continua a depender das decisões de externalização de funções. 15 Portugal como destino Nearshore Outsourcing

16 PORTUGAL COMO DTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING EDIÇÃO 2012 Sumário Executivo

Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça

Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça Portugal como destino de Nearshore Outsourcing Rogério Carapuça Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Associação Portugal Outsourcing 2008/2010 PORTUGAL COMO DESTINO DE NEARSHORE OUTSOURCING EDIÇÃO

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

BlueBiz. Infraestruturas para a competitividade. Parque Empresarial da Península de Setúbal

BlueBiz. Infraestruturas para a competitividade. Parque Empresarial da Península de Setúbal BlueBiz Parque Empresarial da Península de Setúbal Infraestruturas para a competitividade Paulo Mateus Calado CFO aicep Global Parques pmcalado@globalparques.pt Portugal uma localização estratégica Setúbal:

Leia mais

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial

Inovação. Chave de Competitividade. ES Research - Research Sectorial Inovação Chave de Competitividade Luís Ribeiro Rosa ES Research - Research Sectorial 22 de Novembro de 2009 Inovação - Uma chave de um novo contexto Especificidades da economia portuguesa Inovação - A

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014

ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC. AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 ROSÁRIO MARQUES Directora Executiva CCILC AIP Mercados para Exportação 05 de Março de 2014 Colômbia Aspectos Gerais País muito jovem - 55% da população com menos de 30 anos. 7 Áreas Metropolitanas com

Leia mais

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal

Estrutura da Apresentação. i. Onde estamos e como aqui chegámos: Evoluções da PAC desde a adesão de Portugal Reflexões e preocupações para o sector dos pequenos ruminantes na PAC-pós 213 -------------------------------------------------------------------- Reunião da SPOC Evolução Recente dos Sistemas de Produção

Leia mais

Desafios do Turismo em Portugal 2014

Desafios do Turismo em Portugal 2014 Desafios do Turismo em Portugal 2014 Crescimento Rentabilidade Inovação 46% O Turismo em Portugal contribui com cerca de 46% das exportações de serviços e mais de 14% das exportações totais. www.pwc.pt

Leia mais

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim

OECD Territorial Review of Portugal. Mario Pezzini Soo-Jin Kim OECD Territorial Review of Portugal Mario Pezzini Soo-Jin Kim GDP per capita in OECD countries Luxembourg United States Norway Ireland Switzerland Iceland Austria Denmark United Kingdom Canada Australia

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009

2009 BIAC Business Roundtable. Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation. 21 de Maio de 2009 2009 BIAC Business Roundtable Responding to the global economic crisis OECD s role in promoting open markets and job creation 21 de Maio de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando

Leia mais

Macroeconomia. 8. Crescimento Económico e Tecnologia. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial

Macroeconomia. 8. Crescimento Económico e Tecnologia. Francisco Lima. 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial Macroeconomia 8. Crescimento Económico e Tecnologia Francisco Lima 2º ano 1º semestre 2012/2013 Licenciatura em Engenharia e Gestão Industrial O crescimento económico é determinante para os níveis de vida

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Medição das TICs no Brasil A visão dos usuários dos indicadores

Medição das TICs no Brasil A visão dos usuários dos indicadores Medição das TICs no Brasil A visão dos usuários dos indicadores Luis Claudio Kubota 22 de outubro de 2012 Por que medir? Aquilo que não se mede não se gerencia. Quando medir? Vai depender da natureza do

Leia mais

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acesso à Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA: UM PAÍS QUE SAE DA CRISE 2,00% 1,50% Evolução do PIB espanhol 1,70% 1,00% 1% 0,50% 0,00% -0,50% -0,20% 0,10% 2010 2011 2012

Leia mais

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo

Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Portugal na União Europeia 1986-2010 Faculdade de Economia, Universidade do Porto - 21 Janeiro 2011 Educação, Economia e Capital Humano em Portugal Notas sobre um Paradoxo Pedro Teixeira (CEF.UP/UP e CIPES);

Leia mais

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas.

A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. A procura de novas soluções para os problemas do envelhecimento: As abordagens integradas. Constança Paúl, 19 Abril 2012, IPO-Porto Health Cluster Portugal: Encontros com a inovação em saúde A procura

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

Brasil - Síntese País

Brasil - Síntese País Informação Geral sobre o Brasil Área (km 2 ): 8 547 400 Vice-Presidente: Michel Temer População (milhões hab.): 202,8 (estimativa 2014) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital: Brasília

Leia mais

Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março Luís Filipe Reis. Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017

Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março Luís Filipe Reis. Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 Luís Filipe Reis Fim de tarde na Ordem 22 Março 2017 UMA ALIMENTAÇÃO EQUILIBRADA Gorduras e óleos Laticínios Leguminosas e derivados Carne, pescado

Leia mais

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento. Paulo Oliveira

6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento. Paulo Oliveira 6º Congresso ANBIMA de Fundos de Investimento Paulo Oliveira A aspiração é tornar o Brasil um polo de uma rede regional interconectada, com conexões globais otimizadas Modelo relacional atual Estrutura

Leia mais

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal

A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal A GESTÃO DA PERFORMANCE NA NAV Portugal APDH - CONVERSAS DE FIM DE TARDE O Desempenho Organizacional Hospitalar. Como Obter Ganhos de Eficiência nos Serviços de Saúde 22 de Junho de 2006 João Batista Controlo

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Nova Zelândia - Síntese País

Nova Zelândia - Síntese País Informação Geral sobre a Nova Zelândia Área (km 2 ): 270 534 Primeiro-Ministro: John Key População (milhões hab.): 4,6 () Risco de crédito: (*) Capital: Wellington Risco do país: AA (AAA = risco menor;

Leia mais

Riscos versus Oportunidades. Riscos versus Oportunidades no BRASIL

Riscos versus Oportunidades. Riscos versus Oportunidades no BRASIL Riscos versus Oportunidades Riscos versus Oportunidades no BRASIL Um parceiro de confiança / www.portugalglobal.pt Riscos versus Oportunidades no BRASIL Tendências de Mercado CURTO E MÉDIO PRAZOS Contração

Leia mais

VIDEOVIGILÂNCIA DETECÇÃO DE INTRUSÃO DETECÇÃO DE INCÊNDIO DETECÇÃO DE GASES CONTROLO DE ACESSOS ÁUDIO

VIDEOVIGILÂNCIA DETECÇÃO DE INTRUSÃO DETECÇÃO DE INCÊNDIO DETECÇÃO DE GASES CONTROLO DE ACESSOS ÁUDIO Existimos para a segurança das pessoas e bens. Esta nobre missão que assumimos na distribuição e prestação de serviços está inerente a uma completa gama de produtos, e envolve as áreas de protecção electrónica,

Leia mais

Chefe de Estado: Otto Pérez Molina Tx. Câmbio: 1 EUR = 8,654 GTQ (final janeiro 2015)

Chefe de Estado: Otto Pérez Molina Tx. Câmbio: 1 EUR = 8,654 GTQ (final janeiro 2015) Informação Geral sobre a Guatemala Área (km 2 ): 108 889 Vice-Presidente: Roxana Baldetti População (milhões hab.): 14,6 (estimativa 2014) Risco de crédito: 4 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes

Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise. Adalberto Campos Fernandes Financiamento: Inovação e / ou Sustentabilidade em tempos de crise Adalberto Campos Fernandes O Contexto FINANCIAMENTO: INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE EM TEMPOS DE CRISE O CONTEXTO A ESPECIFICIDADE DO BEM

Leia mais

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008

O e-gov em Portugal. Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O e-gov em Portugal Fórum Vale do Minho Digital Melgaço 30 de Setembro de 2008 O Plano Tecnológico é uma estratégia de mudança da base competitiva através do conhecimento, tecnologia e inovação 2 Conhecimento

Leia mais

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA.

INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. Conferência 6 de Outubro, FC Gulbenkian Lisboa INOVAÇÃO, INVESTIGAÇÃO & DESENVOLVIMENTO E RELAÇÕES UNIVERSIDADE-EMPRESA. MANUEL CALDEIRA CABRAL UNIVERSIDADE DO MINHO MANUEL CALDEIRA CABRAL DIAGNÓSTICO(S)

Leia mais

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS

DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA: DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO, RELAÇÕES E PARCERIAS 1 DR.ª JUDITE CORREIA LISBOA, PORTUGAL 21 DE OUTUBRO DE 2011 4º CONGRESSO NACIONAL DOS ECONOMISTAS 1. Introdução 2 2. Diagnóstico

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013

Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 Agenda Digital para a Europa ponto de situação 2013 DAE Going Local Portugal 12 de Novembro de 2013, Lisboa Mário Campolargo European Commission - DG CONNECT Director, NET Futures "The views expressed

Leia mais

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão

Portugal 2020 O Financiamento às Empresas. Empreender, Inovar, Internacionalizar. Speaking Notes. Fevereiro 10, 2015. Vila Nova de Famalicão Portugal 2020 O Financiamento às Empresas Empreender, Inovar, Internacionalizar Speaking Notes Fevereiro 10, 2015 Vila Nova de Famalicão Casa das Artes Miguel Frasquilho Presidente, AICEP Portugal Global

Leia mais

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe)

Private Debt Dívida Privada. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Banca e Seguros. Portugal Economy Probe (PE Probe) dossiers Economic Outlook Private Debt Dívida Privada Last Update Última Actualização: 12/07/2016 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal Economy

Leia mais

Colóquio QUANTO CUSTA ESTUDAR NO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS?

Colóquio QUANTO CUSTA ESTUDAR NO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS? Colóquio QUANTO CUSTA ESTUDAR NO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS? 1 CESTES O Custo dos Estudantes no Ensino Superior Português UIDEF Unidade de I&D em Educação e Formação do Instituto de Educação da U. Lisboa

Leia mais

Inovação como solução para o Desenvolvimento Sustentável

Inovação como solução para o Desenvolvimento Sustentável Inovação como solução para o Desenvolvimento Sustentável João Picoito Nokia Siemens Networks Portugal, S.A. Fórum IQNet APCER Sustentabilidade pela Inovação Leça da Palmeira, 8.Out.2007 Page 1 Um mundo

Leia mais

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem

Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem Panorama Econômico e Político da América Latina -Por que a região vai tão bem economicamente? Thomas J Trebat Centro de Estudos Brasileiros Columbia University Junho de 2011 Uma visão mais favorável sobre

Leia mais

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015

Missão Empresarial EUA Flórida. 21 a 26 de Março 2015 Missão Empresarial EUA Flórida 21 a 26 de Março 2015 Apoiamos empresas a ter sucesso nos mercados internacionais Sobre nós Na Market Access prestamos serviços de apoio à exportação e internacionalização.

Leia mais

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas

Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Impactos do atual modelo de desenvolvimento econômico sobre as empresas Ilan Goldfajn Economista-chefe e Sócio Itaú Unibanco Dezembro, 2015 1 Roteiro sofre de diversos desequilíbrios e problemas de competitividade.

Leia mais

Câmbio e Competitividade. Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013

Câmbio e Competitividade. Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013 Câmbio e Competitividade Eliana Cardoso Roda de Conversa 24/09/2013 1. Conceitos básicos que informam essa conversa: Câmbio nominal e real 1. Experiência brasileira 1. O que determina a competitividade?

Leia mais

1. Resultados do Exercício

1. Resultados do Exercício PARAREDE, SGPS, SA Sociedade Aberta Sede Social: Av. José Malhoa nº 21, 1070157 Lisboa Pessoa Colectiva nº 503.541.320 Capital Social de 125.087.500 Euros Matriculada na Conservatória do Registo Comercial

Leia mais

Este documento faz parte de uma iniciativa entre o Expresso e a PwC que compara países semelhantes a Portugal em população ou PIB.

Este documento faz parte de uma iniciativa entre o Expresso e a PwC que compara países semelhantes a Portugal em população ou PIB. Países como nós Portugal vs Grécia Este documento faz parte de uma iniciativa entre o Expresso e a PwC que compara países semelhantes a Portugal em população ou PIB. Índice Dados gerais Estado e Finanças

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas 16 de Novembro de 2015 Internacionalização - Desafios Diversificar Mercados Alargar a Base Exportadora 38º PORTUGAL TEM MELHORADO A SUA

Leia mais

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a

Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Sessão de Informação ERASMUS+ 1 9 d e m a r ç o d e 2 0 1 4 I n s t i t u t o P o l i t é c n i c o d e B e j a Mobilidade de indivíduos para aprendizagem (KA1) Mobilidade de staff, em particular de pessoal

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

X FÓRUM DA BANCA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA

X FÓRUM DA BANCA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA BANCA, SUPERVISÃO E FINANCIAMENTO DA ECONOMIA ÍNDICE I. Evolução da banca na última década II. Efeitos da crise financeira 2008-2010 III. Situação actual IV. Financiamento à economia V. Principais desafios

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO A PARTIR DE PEQUENAS EMPRESAS

ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO A PARTIR DE PEQUENAS EMPRESAS Curitiba, 26/11/2013 ESTRATÉGIAS DE DESENVOLVIMENTO A PARTIR DE PEQUENAS EMPRESAS ALLAN COSTA allan@allancosta.com www.allancosta.com Facebook.com/AllanCostaPalestrante PEQUENAS EMPRESAS E DESENVOLVIMENTO

Leia mais

O Valor da Informação na era Digital

O Valor da Informação na era Digital O Valor da Informação na era Digital IDC CMO Forum 2016 ISEG, 11 de Maio de 2016 Nuno Santos (nsantos@pse.pt) Vivemos numa economia digital Digital economy is a priority for governments!..digital economy

Leia mais

A indústria do aço no Brasil e no mundo Albano Chagas Vieira

A indústria do aço no Brasil e no mundo Albano Chagas Vieira A indústria do aço no Brasil e no mundo Albano Chagas Vieira Presidente do Conselho Diretor 1 2 3 Deterioração do Valor de Mercado Usiminas Market Cap (R$ bi) Gerdau Market Cap (R$ bi) 30 25 20 15 10 5

Leia mais

1.º MÉRITO DO PROJECTO

1.º MÉRITO DO PROJECTO SISTEMA DE APOIO A ENTIDADES DO SISTEMA CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO NACIONAL CRITÉRIOS DE SELECÇÃO O Regulamento do Sistema de Apoio a Entidades do Sistema Científico e Tecnológico Nacional definiu as regras

Leia mais

A Competitividade das Empresas e do Estado. Paula Adrião, Abril 2013

A Competitividade das Empresas e do Estado. Paula Adrião, Abril 2013 A Competitividade das Empresas e do Estado Paula Adrião, Abril 2013 Desafios na procura de competitividade e valor Portugal tem condições privilegiadas em termos de: Forças de trabalho muito qualificadas;

Leia mais

Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação

Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação Smart Cities Portugal: Uma parceria para a inovação Conferência Cidades Sustentáveis 2020 Lisboa, 11 de Julho de 2013 estrutura da apresentação Smart Cities no mundo um mercado em crescimento Smart Cities

Leia mais

A Retomada do Crescimento na Construção

A Retomada do Crescimento na Construção A Retomada do Crescimento na Construção Desempenho recente da construção: do crescimento chinês a uma crise grega? O Ciclo de Crescimento 2007 a 2012 (ou o Ciclo Chinês) PIB: Economia e Construção 14,00

Leia mais

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva

Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014. José António Vieira da Silva Lisboa, 25 de Fevereiro de 2014 José António Vieira da Silva 1. A proteção social como conceito amplo a ambição do modelo social europeu 2. O modelo de proteção social no Portugal pós 1974 3. Os desafios

Leia mais

22 de Maio de 2013 Centro de Congressos de Lisboa, Auditório II. Discurso de abertura

22 de Maio de 2013 Centro de Congressos de Lisboa, Auditório II. Discurso de abertura SEMINÁRIO IDE EM PORTUGAL (Atrair Capitais para Criar Emprego) 22 de Maio de 2013 Centro de Congressos de Lisboa, Auditório II Discurso de abertura Nunca, como hoje, foi tão evidente que atingir níveis

Leia mais

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC

www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC www.pwc.com/br Audiência no Senado Escolha e Contratação da Entidade Aferidora da Qualidade 22 de Março de 2012 Luiz Eduardo Viotti Sócio da PwC Participamos do processo de escolha da Entidade Aferidora

Leia mais

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa,

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa, Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Index Report 2017-2018 Ilídio de Ayala Serôdio Lisboa, 27.09.2017 Apoios 1 World Economic Forum Global Competitiveness Report 2017-2018 PORTUGAL

Leia mais

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento

A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento A importância da IAA para o crescimento da economia Ambição 2020 na rota do crescimento Nuno Netto nnetto@deloitte.pt 28 de Outubro 2014 Agenda 2014. Para informações, contacte Deloitte Consultores, S.A.

Leia mais

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Report 2014-2015 Lisboa, 03.09.2014

Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Report 2014-2015 Lisboa, 03.09.2014 Assessing PORTUGAL s Competitiveness The Global Competitiveness Report 2014-2015 Lisboa, 03.09.2014 Apoios e patrocínios PCG Profabril Consulplano Group 03-SET-2014 WEF GCR 2014-2015 1 The Global Competitiveness

Leia mais

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro

III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade. 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro III Congresso de Direito Fiscal Almedina/IDEFF Fiscalidade e competitividade 11 de Outubro de 2012 Carlos Loureiro Índice 1. Tributação, crescimento económico e competitividade: algumas considerações de

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

Brazil and Latin America Economic Outlook

Brazil and Latin America Economic Outlook Brazil and Latin America Economic Outlook Minister Paulo Bernardo Washington, 13 de maio de 2009 Apresentação Impactos da Crise Econômica Situação Econômica Brasileira Ações Contra-Cíclicas Previsões para

Leia mais

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011

Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 Seminário sobre Energia Elétrica Luanda, 8 e 9 de Setembro de 2011 A política energética europeia para a promoção da competitividade, sustentabilidade e segurança de abastecimento Jorge de Sousa Professor

Leia mais

Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior

Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior Pesquisa: Fatores de Atratividade de Investimentos Estrangeiros Diretos no Brasil (2009-2011) Prof. Dr. José Roberto de Araujo Cunha Junior São Paulo, 4 de agosto de 2012 1. Contextualização da Pesquisa

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Eng. Mário Lino. Cerimónia de Abertura do WTPF-09 INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng. Mário Lino Cerimónia de Abertura do WTPF-09 Centro de Congressos de Lisboa, 22 de Abril de 2009 (vale a versão

Leia mais

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA?

A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? A AUSTERIDADE CURA? A AUSTERIDADE MATA? 29.Nov.2013 Financiamento Sector público é a principal fonte de financiamento de cuidados de saúde. Apenas EUA e México apresentam menos de 50% de financiamento

Leia mais

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global

CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global CIP ECO-INOVAÇÃO - Candidaturas Projectos de Replicação de Mercado Panorama Global Eco-Inovação, EACI, Comissão Europeia Beatriz Yordi, Chefe de Unidade Replicação de Mercado, Eco-Inovação e Energia Inteligente

Leia mais

IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014

IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014 IMPACTOS POSITIVOS PARA 2014 O turismo da cidade de São Paulo desenvolveu-se positivamente nos últimos anos. Muito mais pode ser esperado os para os próximos, prevendo uma chegada estimada em 17 milhões

Leia mais

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública

Public Debt Dívida Pública. dossiers. Economic Outlook Conjuntura Económica. Conjuntura Económica. Estado e Governo. Public Debt / Dívida Pública dossiers Economic Outlook Conjuntura Public Debt Dívida Pública Last Update Última Actualização:08/12/2015 Portugal Economy Probe (PE Probe) Prepared by PE Probe Preparado por PE Probe Copyright 2015 Portugal

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010)

Parte 1 Part 1. Mercado das Comunicações. na Economia Nacional (2006-2010) Parte 1 Part 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) Communications Market in National Economy (2006/2010) Parte 1 Mercado das Comunicações na Economia Nacional (2006-2010) / Part 1

Leia mais

Pesquisa Desenvolvimento e Inovação nas Empresas

Pesquisa Desenvolvimento e Inovação nas Empresas Pesquisa Desenvolvimento e Inovação nas Empresas Estágio atual e principais desafios Ronald M. Dauscha ANPEI Ass. Nacional de P, D & E das Empresas Inovadoras 15 de Agosto de 2012 1 A Macroeconomia 2 Competitividade

Leia mais

Namíbia - Síntese País

Namíbia - Síntese País Informação Geral sobre a Namíbia Área (km 2 ): 824 269 Primeiro-Ministro: Saara Kuugongelwa-Amadhila População (milhões hab.): 2,2 (estimativa ) Risco de crédito: 3 (1 = risco menor; 7 = risco maior) Capital:

Leia mais

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego:

Economia Social Pós. Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Ações governamentais com impacto sobre rendimento e emprego: Economia Social Pós Parte III: Mercado de Trabalho Ênfase na parte de políticas Profa. Danielle Carusi Prof. Fábio Waltenberg Aula 5 (parte III) setembro de 2010 Economia UFF 1. Políticas macroeconômicas,

Leia mais

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007

Geografia A. * Análise de Notícias. Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Escola ES/3 de Carvalhos Março 2007 Geografia A * Análise de Notícias Natureza das notícias: socio-económica Localização temporal: actualidade Localização espacial: Europa Jornal: Expresso Data de edição:

Leia mais

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa

Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Condicionantes de um crescimento sustentado da economia portuguesa Carlos da Silva Costa Governador Forum para a Competitividade Hotel Tiara Park, Lisboa, 23 setembro 2014 Condicionantes de um crescimento

Leia mais

TURISMO E COMPETITIVIDADE

TURISMO E COMPETITIVIDADE TURISMO E COMPETITIVIDADE Rui Vinhas da Silva Presidente da Comissão Diretiva Braga 15 de janeiro de 2015 Portugal 2020 DOMÍNIOS TEMÁTICOS COMPETITIVIDADE E INTERNACIONALIZAÇÃO CAPITAL HUMANO INCLUSÃO

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

ICC 111 8. 15 agosto 2013 Original: francês. Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil.

ICC 111 8. 15 agosto 2013 Original: francês. Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil. ICC 111 8 15 agosto 2013 Original: francês P Conselho Internacional do Café 111. a sessão 9 12 setembro 2013 Belo Horizonte, Brasil O café na China Antecedentes Consoante os objetivos do Acordo Internacional

Leia mais

CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL. Instituições do Trabalho

CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL. Instituições do Trabalho CRIANDO UM AMBIENTE MAIS FAVORÁVEL A NEGÓCIOS NO BRASIL Instituições do Trabalho Projeto realizado em parceria com a Confederação Britânica da Indústria CBI e o Governo Britânico, financiado pelo Fundo

Leia mais

Tema 12. Competitividade empresarial

Tema 12. Competitividade empresarial Tema 12. Competitividade empresarial Competitividade é um conceito amplo que integra três dimensões: - a empresarial, cujo foco principal está na gestão; - a estrutural, que enfatiza as cadeias e os arranjos

Leia mais

A União Monetária Europeia. Capitulo 10. Revisão de Conceitos. Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica

A União Monetária Europeia. Capitulo 10. Revisão de Conceitos. Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica A União Monetária Europeia Capitulo 10 Revisão de Conceitos Moeda Taxa de Câmbio Inflação Deficit Orçamental Divida Publica História Monetária da Europa Moeda Metálica O valor de cada moeda era definido

Leia mais

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009

Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil. 6 de outubro de 2009 Competitividade da indústria nacional de PCs Política industrial e incentivos fiscais no Brasil 6 de outubro de 2009 1 Agenda Estado da Indústria Nacional de Informática Estímulos à Indústria Nacional

Leia mais

Conferência "12 anos depois de Porter. E agora? Como retomar a estratégia de crescimento para os vinhos portugueses?"

Conferência 12 anos depois de Porter. E agora? Como retomar a estratégia de crescimento para os vinhos portugueses? Conferência "12 anos depois de Porter. E agora? Como retomar a estratégia de crescimento para os vinhos portugueses?" Rui Vinhas da Silva Presidente da Comissão Diretiva Porto 14 julho 2015 Estrutura

Leia mais

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal

Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Seminário Nacional do Setor Metalúrgico O Brasil diante da desindustrialização e o ajuste fiscal Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda São Paulo, 07 de Outubro de 2015 1 2 3 4 5 O quadro internacional A

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 2 Semestre 2013 BRASIL 50 40 30 20 10 0-10 -20-30 -40-50 Fev 2009 Jul 2009 SENTIMENT NÍVEL GLOBAL Jan 2010 % DE RESPOSTAS POR

Leia mais

2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016. As Prioridades da Agenda da MEI

2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016. As Prioridades da Agenda da MEI 2ª REUNIÃO DO COMITÊ DE LÍDERES DA MEI DE 2016 As Prioridades da Agenda da MEI Pedro Wongtschowski Grupo Ultra 13 de maio de 2016 US$ bilhões MANUFATURA - VALOR AGREGADO Brasil x Outros países 450 400

Leia mais

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas

CEO Briefing Portugal 2015 The Economist. A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas CEO Briefing Portugal 2015 The Economist A Internet das Coisas como impulsionador da estratégia das empresas portuguesas 92% dos executivos portugueses acreditam que as suas empresas dispõem de capacidades

Leia mais

Os caminhos para o Brasil de 2022

Os caminhos para o Brasil de 2022 Os caminhos para o Brasil de 2022 GOVERNANÇA PARA A COMPETITIVIDADE Gustavo Morelli Sócio diretor da Macroplan Informação confidencial e proprietária da Macroplan Prospectiva Estratégia e Gestão. Não distribuir

Leia mais

Promover a Reabilitação Urbana Regenerar as Cidades. Dinamizar o País

Promover a Reabilitação Urbana Regenerar as Cidades. Dinamizar o País Promover a Regenerar as Cidades. Dinamizar o País Paulo Alexandre de Sousa Direcção de Financiamento Imobiliário 19 Outubro 2011 Centro de Congressos EXPONOR Portugal Indicadores de confiança e de clima

Leia mais

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India

ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India ARC Ratings atribui rating soberano de BBB +, com perspectiva estável, à India EMITENTE DATA República da India 12 de Dezembro de 2014 RATINGS EMITENTE - MOEDA ESTRANGEIRA Médio e Longo Prazo BBB+ (BBB+,

Leia mais

Presente e Futuro do Outsourcing

Presente e Futuro do Outsourcing Presente e Futuro do Outsourcing Estudo sobre a Gestão de Aplicações 3 de Junho de 2008 Vasco Mendes de Almeida Gerente de Outsourcing valmeida@indracompany.com Conclusões As conclusões foram agrupadas

Leia mais

SERVIÇOS PÚBLICOS, QUALIDADE DE VIDA E COMPETITIVIDADE. Governação próxima dos cidadãos egov Cabo Verde

SERVIÇOS PÚBLICOS, QUALIDADE DE VIDA E COMPETITIVIDADE. Governação próxima dos cidadãos egov Cabo Verde SERVIÇOS PÚBLICOS, QUALIDADE DE VIDA E COMPETITIVIDADE Governação próxima dos cidadãos egov Cabo Verde O PESI Quadro estratégico da Sociedade de Informação em Cabo Verde. Acessibilidades para Todos: Infra-estruturas

Leia mais

José Alexandre Scheinkman

José Alexandre Scheinkman José Alexandre Scheinkman Edwin W. Rickert Professor of Economics Columbia University Brasil: O Desafio da Produtividade Brasil: Problemas O Brasil tem problemas econômicos prementes de curto prazo. Déficit

Leia mais

Apresentado por Ana Paula de Jesus Almeida e Silva

Apresentado por Ana Paula de Jesus Almeida e Silva Apresentado por Ana Paula de Jesus Almeida e Silva O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP), criado em 1979 (Decreto-Lei nº 519-A2/79, de 29 de Dezembro), é um organismo público, sob a tutela

Leia mais

Satisfazendo as expectativas dos nossos clientes dispomos de serviços de formação em novas áreas:

Satisfazendo as expectativas dos nossos clientes dispomos de serviços de formação em novas áreas: Fundado em 1983, o Instituto de Línguas de Gondomar, celebra já mais de um quarto de século de actividades. Tem por missão prestar formação de qualidade reconhecida e certificada que corresponda às necessidades

Leia mais

Competitividade e Inovação

Competitividade e Inovação Competitividade e Inovação Evento SIAP 8 de Outubro de 2010 Um mundo em profunda mudança Vivemos um momento de transformação global que não podemos ignorar. Nos últimos anos crise nos mercados financeiros,

Leia mais

"SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro

SMS sem fronteiras: Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro IP/08/1144 Bruxelas, 15 de Julho de 2008 "SMS sem fronteiras": Comissão planeia pôr fim aos abusos nos preços das mensagens de texto enviadas do estrangeiro Os 2500 milhões de mensagens de texto enviadas

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA DESAFIOS E PERSPECTIVAS DA INFRAESTRUTURA LOGÍSTICA BRASILEIRA Fernando S. Marcato 23.03.2015 Três pontos principais... Gargalos da infraestrutura constituem um dos maiores entraves ao crescimento sustentado

Leia mais