MBA em Administração e Logística

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MBA em Administração e Logística"

Transcrição

1 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 Prof. Albino Mileski Jr.

2 Olá! Você quer saber mais sobre a distribuição física na logística? Assista ao vídeo a seguir. Distribuição Física Uma organização pode ser divida em três processos principais: suprimentos, produção e distribuição. Onde termina o processo de distribuição de uma empresa, inicia o processo de suprimentos da empresa seguinte. Como regra geral, as empresas mais fortes da cadeia de suprimentos são quem definem quem será o responsável pela entrega do material/produto. O ponto mais forte da cadeia não é necessariamente aquele que tem mais dinheiro, e sim aquele que tem a necessidade de 2 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

3 compra menor do que a necessidade de venda do elo anterior da cadeia, o que nos permite concluir que esse poder de decisão pode ser transferido rapidamente entre os elos. A globalização nos proporciona adquirir um produto na China e ainda pagar mais barato do que uma compra em nossa região. A distribuição física é um dos processos da logística empresarial responsável pela movimentação, armazenagem e processamento de pedidos dos produtos finais, os quais podem ser produtos acabados ou semiacabados, ou seja, as mercadorias que a empresa oferece para vender e não pretende realizar processamentos posteriores. Essa administração dos materiais a partir da saída do produto da linha de produção até a entrega do produto no destino final costuma ser a atividade mais importante em termos de custos para a maioria das empresas, pois absorve cerca de dois terços dos custos logísticos (BALLOU, 2000). Desde o momento em que a produção é concluída até o momento em que o consumidor recebe o produto, tomando posse do mesmo, os produtos são de responsabilidade da logística, a qual deve mantê-los armazenados na empresa para, então, transportá- -los para o distribuidor ou diretamente para o consumidor. MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 3

4 O processo mais comum de distribuição é quando a empresa entrega o produto final para o distribuidor, que por sua vez vende o produto para um varejista e em seguida aos consumidores finais. Nesse contexto, existe uma série de variáveis e decisões a serem tomadas pelo profissional de logística. Segundo Novaes (2004), o objetivo geral da distribuição física, como meta ideal, é o de levar os produtos certos para os lugares certos, no momento certo e com o nível de serviço desejado pelo menor custo possível. 4 Essa condição gera certo antagonismo, pois garantir um nível de serviço elevado, simultaneamente com a pretensão de redução dos custos, implica em possíveis melhorias do sistema, o que reflete em maiores custos de transporte, de armazenagem e de estoque. MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

5 Essas decisões de compensações (trade-offs) devem ser uma preocupação contínua do profissional de logística. A distribuição física, portanto, tem grande importância dentro da empresa por ser uma atividade de alto custo. Os custos de distribuição estão diretamente associados ao peso, ao volume, ao preço, ao lead time do cliente, à importância na cadeia de suprimento, à fragilidade, ao tipo e ao estado físico do material. Esses aspectos influenciam ainda na escolha do modal de transporte, dos equipamentos de movimentação, da qualificação e da quantidade de pessoal envolvido na operação, dos pontos de apoio, do seguro, entre outros. A distribuição é dividida em outros subprocessos, tais como: movimentação da linha de produção; expedição; gestão de estoques; gestão de transportes; logística reversa (reciclagem e devolução). Há, geralmente, dois tipos de mercados, representados na figura a seguir, para os quais se deve planejar a distribuição (BALLOU, 2000): Usuário final o qual usa o produto para satisfazer suas necessidades (consumidores) ou os que criam novos produtos (consumidores industriais). MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 5

6 Intermediários o qual não consome o produto, mas que o oferece para revenda (distribuidores, varejistas e usuários finais). A diferença entre essas categorias de consumidores está no volume e no perfil da compra. Fluxos típicos no canal de distribuição. Fonte: BALLOU, Adaptado. Nesse sentido, muitas configurações estratégicas diferentes de distribuição podem ser empregadas, contudo, há três formas básicas (BALLOU, 2000): entrega direta a partir de estoques da fábrica; entrega direta a partir de vendedores ou da linha de produção; entrega realizada utilizando um sistema de depósitos. Saiba mais sobre essas formas de distribuição assistindo ao vídeo a seguir. 6 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

7 Quando os clientes adquirem produtos em quantidade suficiente para ocupar um veículo inteiro, as entregas são realizadas diretamente a partir dos vendedores, dos estoques da fábrica ou da linha de produção. Isso implica em fretes menores quando as cargas são completas, seguindo para uma localidade, gerando, portanto, um menor custo total de transporte. Entretanto, a distribuição está associada também à entrega de cargas fracionadas. Nesse tipo de entrega o produto é entregue em mais de um destinatário, aproveitando a viagem e os custos envolvidos. As entregas, nesse caso, devem ser muito bem planejadas, pois a entrega unitizada tem um menor custo total e menor lead time, e as entregas fracionadas devem ser utilizadas somente quando não for possível a entrega direta com o veículo completamente ocupado. Segundo Ballou (2000), a representação da distribuição física apenas como a escolha de uma das alternativas básicas citadas anteriormente é muito simplista. Existem considerações adicionais, tais como: MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 7

8 Qual serviço de transportes deve ser utilizado para movimentar os produtos a partir da fábrica? E a partir do armazém? Quais procedimentos de controle devem ser empregados para os itens de inventário (estoque)? Onde devem localizar-se os depósitos, quais dimensões devem ter e quantos armazéns são necessários? Quais arranjos para a comunicação de pedidos devem existir? E quais comunicações pós-pedido são necessárias? Qual nível de serviço deve ser providenciado para cada item de produto? Ainda, conforme Ballou (2000), essas questões devem ser respondidas antes de o sistema de distribuição física estar funcionando eficientemente. Como essas decisões devem ser coordenadas uma decisão é tomada com referência nas demais, sua administração torna-se realmente complexa. Caso o tema distribuição física seja novidade para você, será oportuna a leitura das páginas 52 a 55 do livro: BALLOU, R. H. Logística empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

9 empresas. Nesse livro é apresentada a distribuição física em algumas Três Conceitos Importantes Como você já sabe, a distribuição física é o subsistema mais complexo da cadeia logística. Ele tem que cobrir todas as etapas que ligam a produção ao consumidor final: movimentação, armazenagem e processamento de pedidos. Também acrescenta custos que não trazem qualquer alteração ao valor do produto. Vamos ver quais são esses custos no vídeo a seguir. Segundo Ballou (2000), existem alguns conceitos que auxiliam no tratamento de tais problemas, que são: Compensação de custos esse conceito reconhece que os modelos de custos das várias atividades da empresa possuem características que as colocam em conflito entre si. Se considerados os padrões de custos mostrados na figura 1, a seguir, das atividades logísticas primárias em função do número de depósitos em um sistema de distribuição, nota-se esse conflito. MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 9

10 O profissional da logística deve tentar balancear ou compensar (trade-off) esses custos conflitantes, o que levará ao menor custo para o sistema de distribuição. Figura 1 - Compensação de custos. Fonte: BALLOU, Adaptado. Custo total os conceitos de custo total e compensação de custos caminham lado a lado. O conceito de custo total reconhece que os custos individuais exibem comportamentos conflitantes, devendo ser examinados coletivamente e balanceados no ótimo. Dessa forma, como mostrado na figura anterior, o custo total para determinado número de armazéns é a soma dos três custos, formando a curva do custo total. A melhor escolha econômica, portanto, é no ponto em que a soma de ambos os custos é a mais baixa, como indicado pela linha pontilhada na figura a seguir. 10 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

11 A ideia do custo total foi importante para decidir quais atividades da empresa deveriam ser agrupadas e chamadas de distribuição física. Sistema total esse conceito é uma extensão do conceito de custo total e é provavelmente um dos termos mais utilizados. Representa uma filosofia para a gestão da distribuição que considera todos os fatores afetados de alguma forma pelos efeitos da decisão tomada. Por exemplo, ao escolher um modo de transporte, o conceito do custo total pode encorajar o gestor a levar em conta o impacto da decisão nos estoques da empresa. Entretanto, o conceito do sistema total nos levaria a considerar também o impacto nos estoques do comprador. Esse enfoque observa os problemas de distribuição em termos abrangentes para descobrir relações que, caso negligenciadas, poderiam levar a decisões subótimas. Essa consideração é importante quando se considera a relação da logística com outras áreas funcionais internas e externas da empresa. MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 11

12 Figura 2 Custo total. Fonte: BALLOU, Adaptado. De acordo com Bowersox e Closs (2001), o custo total conceituado como o custo que inclui todos os gastos necessários para executar as exigências logísticas, embora básico, quando aplicado pela primeira vez, despertou enorme atenção em decorrência do ambiente econômico da época e da ruptura radical com as práticas vigentes. A prática predominante era concentrar a atenção em alcançar o menor custo possível em cada função logística, com pouca ou nenhuma atenção voltada para os custos totais. Conforme você já viu, isso levaria a uma tomada de decisão que não satisfaria o sistema de distribuição como um todo. As decisões ficariam concentradas em redução de custos funcionais, como transporte, com a expectativa de que esse esforço teria custo combinado mais baixo. 12 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

13 Como verificado, os três conceitos compensação de custos, custo total e sistema total estão integrados, o que requer uma análise das inter-relações entre os custos funcionais. Segundo Bowersox e Closs (2001), essa visão integrada dos conceitos permitiu, devido a aprimoramentos posteriores, um entendimento mais abrangente dos componentes de custo logístico e identificou-se a necessidade crítica de desenvolver capacidades que aprimorassem a análise de custo funcional e a abordagem de custeio baseado em atividades. Entretanto, o nível adequado de custos logísticos está relacionado com o desempenho desejado de serviço, uma vez que a obtenção simultânea de grande disponibilidade, confiabilidade e desempenho operacional tem um alto custo. A dificuldade para aplicar o conceito origina-se no fato de que a relação entre custo logístico e um melhor desempenho é diretamente proporcional. Sabe-se que a logística diz respeito à criação de valor para clientes, fornecedores e acionistas da empresa. Como esse valor é expresso em termos de tempo e lugar, pode-se afirmar que a distribuição física agrega valor de lugar e tempo, colocando os produtos em mercados onde eles ficam disponíveis para os clientes no momento que desejarem. Dessa forma, a distribuição física é vital, uma vez que muitos fabricantes, clientes e clientes potenciais estão geograficamente MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 13

14 mal distribuídos, ocasionando sérios transtornos logísticos (BALLOU, 2004). Sobre a distribuição física, veja mais algumas considerações no vídeo a seguir. Bibliografia comentada BALLOU, R. H. Logística empresarial: transporte, administração de materiais e distribuição física. São Paulo: Atlas, Esse livro é um clássico da logística, sendo amplamente citado em trabalhos de conclusão de curso, dissertações de mestrado e até em algumas teses de doutorado. Embora tenha sido lançado no Brasil em 1993, tendo por base a versão original lançada por volta de 1986 nos Estados Unidos, cujo nome é Basic Business Logistics, o seu conteúdo é relativamente atual, mas para os iniciantes no estudo ele proporciona uma fundamentação muito boa. Além disso, são introduzidos nos aspectos de aprendizado da logística nas áreas de administração de materiais e de distribuição física. 14 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

15 O autor coloca a logística dentro da sua correta conceituação no que diz respeito à sua abrangência (suprimento, produção e distribuição). A relevância do aprendizado da logística é bem fundamentado. Os estudantes terão acesso a conceitos básicos, cujo principal é o nível de serviço, introduzido de forma correta no meio acadêmico pelo próprio autor. Além disso, são introduzidos nos aspectos de aprendizado da logística nas áreas de administração de materiais e de distribuição física. Transporte na distribuição de produtos Na distribuição física dos produtos tem-se um elemento- -chave: o transporte. Essa atividade é essencial, senão estratégica, uma vez que é por meio dela que haverá o fluxo de produtos da empresa para os clientes. Como a atividade de distribuição não agrega melhoria ou valor aos produtos, ela é considerada uma despesa, afetando as receitas de vendas das empresas. Espera-se, portanto, que a forma como o produto é transportado possa agregar valor de tempo e lugar, além de manter a integridade do produto. Um sistema de transporte eficiente e barato, portanto, contribui para aumentar a concorrência no mercado, elevar as MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 15

16 economias de escala de produção e reduzir os preços das mercadorias. Dessa forma, é um componente vital no projeto e no gerenciamento de sistemas logísticos (BALLOU, 2004). Segundo Bowersox e Closs (2001), a funcionalidade do transporte tem duas funções principais. Veja no vídeo a seguir. Os veículos representam um local de estocagem bastante caro, entretanto, se o produto em trânsito precisa ser estocado para ser movimentado novamente em curto período de tempo, o custo com a carga e descarga e o recarregamento do produto em um depósito pode exceder a taxa diária de uso do próprio veículo. Há dois princípios fundamentais que norteiam as operações e o gerenciamento do transporte, citados por Bowersox e Closs (2001), que são: a economia de escala é a economia obtida com a diminuição do custo de transporte por unidade de peso com cargas maiores. a economia em distância tem como característica a diminuição do custo de transporte por unidade de distância à medida que a distância aumenta. Conforme Chopra e Meindl (2003), o tipo de transporte adotado por uma empresa também afeta os estoques e a localização das instalações na cadeia de suprimentos. 16 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

17 O papel do transporte na estratégia competitiva da empresa, portanto, é representado quando a empresa está avaliando as necessidades-alvo de seus clientes. Se a estratégia competitiva tem como alvo o cliente que demanda um nível muito alto de responsividade, ou seja, um nível de serviço muito alto com um baixo custo, a empresa pode, então, utilizar o transporte como um fator-chave para tornar a cadeia de suprimento mais responsiva. Verificou-se que a ligação entre as empresas e os consumidores é realizada pela distribuição física, a qual, de forma estratégica, utiliza o transporte como elo. Segundo Ballou (2004), o usuário do transporte tem uma larga faixa de serviços à sua disposição, todos girando em torno das cinco modalidades básicas (modos ou modais) de transporte. Ballou (2004) diz que o serviço de transporte é um conjunto de características de desempenho adquiridas a um determinado preço. A variedade de serviços de transporte é quase ilimitada ao se combinar os cinco modais. Para auxiliar na escolha do serviço de transporte, este poderá ser visto em termos de características básicas: preço, tempo médio em trânsito, variabilidade do tempo em trânsito e perdas e danos. Para Bowersox e Closs (2001), a importância relativa de cada tipo de modal pode ser medida pela distância coberta pelo sistema, pelo volume de tráfego, pela receita e pela natureza da composição do tráfego. MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 17

18 De acordo com a maioria dos autores, os modais são: Rodoviário destina-se principalmente ao transporte de curtas distâncias de produtos acabados e semiacabados. Apresenta preços de frete mais elevados do que os modais ferroviário e hidroviário, sendo recomendado para mercadorias de alto valor ou perecíveis e não recomendado para produtos agrícolas a granel. O transporte rodoviário apresenta custos fixos baixos, porém seu custo variável é médio. As vantagens desse modal estão na possibilidade de transporte integrado porta a porta e de adequação aos tempos pedidos, assim como frequência e disponibilidade dos serviços. Apresenta como desvantagem a possibilidade de transportar somente pequenas cargas. Ferroviário o transporte ferroviário tem como característica principal o atendimento a longas distâncias e grandes quantidades de carga de produtos homogêneos com menor custo de seguro e frete. Como exemplos desses produtos estão os minérios, carvões minerais, derivados de petróleo e cereais em grão, que são transportados a granel. Em relação aos custos, o modal ferroviário apresenta altos custos fixos em equipamentos, terminais e vias férreas, entre outros. Porém, seu custo variável é baixo. O tempo de deslocamento é mais longo em função da flexibilidade e do trajeto ser limitado. 18 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

19 Aquaviário é utilizado para o transporte de granéis líquidos, produtos químicos, areia, carvão, cereais e bens de alto valor (operadores internacionais) em contêineres. Como exemplos de meios de transporte aquaviário, pode-se citar os navios dedicados, navios contêineres e navios bidirecionais para veículos (roll-on, roll-off, vessel). Esse tipo de transporte pode ser dividido em três formas de navegação: a cabotagem; a navegação interior e a navegação de longo curso. Em relação aos custos, o transporte aquaviário apresenta custo fixo médio e custo variável baixo. É o modal que apresenta o mais baixo custo. Esse modal apresenta como vantagens a capacidade de transportar mercadoria volumosa e pesada e o fato dos custos de perdas e danos serem considerados baixos comparados com outros modais. Suas principais desvantagens são a existência de problemas de transporte no porto; a lentidão, uma vez que o transporte aquaviário é, em média, mais lento que a ferrovia e a forte influência do tempo. Sua disponibilidade e confiabilidade são afetadas pelas condições meteorológicas. Dutoviário sua utilização é ainda muito limitada. Destina-se principalmente ao transporte de líquidos e gases em grandes volumes e materiais que podem ficar suspensos. A movimentação via dutos é bastante lenta, sendo contrabalançada pelo fato de que o transporte opera de forma ininterrupta. MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 19

20 O custo fixo é elevado, entretanto, o custo variável é o mais baixo, o que o torna o segundo modal com mais baixo custo, ficando atrás apenas do modal de transporte aquaviário. Como vantagens, o transporte dutoviário se apresenta como mais confiável de todos, pois existem poucas interrupções para causar variabilidade nos tempos e os fatores meteorológicos não são significativos. Além disso, os danos e perdas de produtos são baixos. Como desvantagem está a lentidão na movimentação dos produtos, o que inviabiliza seu uso para o transporte de perecíveis. Aeroviário o modal de transporte aeroviário é rápido e adequado para mercadorias urgentes, cargas de alto valor unitário e perecíveis. É um meio de transporte considerado misto, já que pode transportar pessoas e cargas ao mesmo tempo. Como exemplos desse meio de transporte estão os aviões dedicados e aviões de linha. O transporte aeroviário é o que tem custo mais elevado em relação aos outros modais. Seu custo fixo é alto, bem como seu custo variável. As vantagens desse modal de transporte são a velocidade elevada, distância alcançada, segurança, redução de custo com estoque. Suas principais desvantagens são o custo de frete, os tempos de coleta e entrega, o manuseio no solo e as dimensões físicas dos porões de transporte dos aviões. 20 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

21 Entre essas cinco opções, como escolher o modal certo para o transporte do produto que se deseja entregar? Uma das maneiras é observar as características operacionais relativas por modal de transporte para classificar o melhor modal. Na Figura a seguir são apresentadas essas características, sendo que a seta do lado positivo representa que o modal possui excelência naquela característica. Figura 3 Modais de transporte. Fonte: FLEURY; WANKE; FIGUEIREDO, Adaptado. MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 21

22 Além da compensação de custo entre o transporte e o estoque, que outras compensações você imagina que poderiam existir e em quais situações? Estratégias de otimização na distribuição física Como tratado anteriormente, a logística empresarial é um esforço integrado que visa proporcionar valor ao cliente pelo menor custo possível. Dessa forma, a satisfação das necessidades do cliente, bem como a facilitação das operações de produção e marketing depende da logística. Do ponto de vista estratégico, a logística procura atingir uma qualidade predefinida de serviço ao cliente por meio de uma competência operacional. O desafio é equilibrar as expectativas de serviços e os custos, de modo a alcançar os objetivos do negócio. Isso requer a análise do custo total que, conforme Ballou (2000), envolve a otimização dos custos totais de transporte, armazenagem, estoque, processamento de pedidos e sistemas de informações, ao mesmo tempo em que tem como perspectiva os resultados econômicos como um sistema que se esforça para minimizar os custos totais, enquanto alcança um nível desejado de serviço ao cliente. 22 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

23 Sabe-se também, segundo Ballou (2004), que a logística diz respeito à criação de valor para clientes, fornecedores e acionistas da empresa, expresso em termos de tempo e lugar. Nesse sentido, pode-se afirmar que a distribuição física agrega valor de lugar e tempo, colocando os produtos em mercados onde eles ficam disponíveis para os clientes no momento em que desejarem. A distribuição física, portanto, é vital, uma vez que muitos fabricantes, clientes e clientes potenciais estão geograficamente mal distribuídos, ocasionando sérios transtornos logísticos. Percebe-se, então, que a gestão da distribuição física deve ser empregada para dar apoio às decisões de como gerenciar melhor os recursos disponíveis, promovendo um equilíbrio entre as diversas atividades envolvidas no processo, visando um eficiente e eficaz nível de serviço logístico ao cliente. O objetivo, portanto, da gestão da distribuição é criar e operar um sistema de distribuição que atinja o nível exigido de atendimento aos clientes aos menores custos. Para tal, todas as atividades envolvidas no transporte e no armazenamento de produtos devem ser organizadas em um sistema integrado. Dessa forma, na escolha da melhor alternativa que atenda a equação em nível de serviço/custo total mínimo, as empresas devem optar por aquelas que podem aperfeiçoar seus sistemas de distribuição, por meio dos recursos tecnológicos, da tecnologia da MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 23

24 informação e dos serviços oferecidos para o processo de distribuição. Entre as diversas opções para melhorar o sistema logístico, tem-se desde softwares até equipamentos, cabendo a cada empresa buscar a opção que seja mais adequada às suas necessidades. É importante não esquecer que, nesse processo de escolha, a decisão deve ser uma decisão estratégica de otimização, a qual está relacionada com a maneira de se alcançar resultados, em condições tais que algum processo e/ou empresa possa obter o máximo de rendimento possível daquela opção pretendida. Entre as muitas opções de otimização que podem ser obtidas, as quais estão descritas na literatura em geral, neste material será dada a atenção aos serviços de logística terceirizados. Vamos ver mais sobre isso no vídeo a seguir. Além disso, Kotler (2001) comenta que as operações de transporte afetam o preço dos produtos, a pontualidade da entrega e as condições dos produtos ao chegarem ao seu destino; todos esses fatores determinam a satisfação do cliente. Dessa forma, torna-se uma atividade-chave para incrementar o nível de serviço ao cliente. 24 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

25 O Operador Logístico, de acordo com Fleury, Wanke e Figueiredo (2000), é um fornecedor de serviços integrados, capaz de atender a todas ou quase todas as necessidades logísticas de seus clientes de forma integrada. Com relação ao tipo de serviço oferecido, Novaes (2004) classifica os operadores logísticos em três grupos: Entre os principais fatores que têm favorecido a contratação de um operador logístico, destacam-se a crescente complexidade operacional, a sofisticação tecnológica e a busca pela redução de custos. Esses fatores contribuem de forma decisiva para aumentar a demanda por operadores logísticos. Entretanto, antes de optar por um operador logístico, deve-se levar em consideração algumas questões relevantes, que são: MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 25

26 os objetivos que se pretende atingir com a contratação de um operador logístico; identificar as características necessárias em um operador logístico; considerar também a complexidade do relacionamento e a dinâmica de operação de instrumentos gerenciais e de controle para monitorar a operação terceirizada; a avaliação dos resultados é de relevante importância como mecanismo de retroalimentação, planejamento e controle das operações. Para Fleury, Wanke e Figueiredo (2000), as vantagens dos operadores logísticos têm relação com a capacidade de operar com menores custos e oferecerem melhores serviços do que operações executadas internamente. Isso ocorre porque os operadores logísticos prestam serviços a diversos clientes e geram economias de escala que os permitem investir em ativos, serviços e capacitação gerencial e operacional. Em relação às desvantagens, esses mesmos autores citam o risco de se perder importantes informações dos mercados e clientes, obtidas por meio do contato feito diariamente. A falta de sintonia entre o contratante e o operador sobre os objetivos competitivos da empresa contratante, bem como a falta de capacidade do operador logístico de cumprir as metas combinadas com o contratante e a dependência excessiva da empresa 26 MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

27 contratante por um operador logístico podem se apresentar como fatores de risco para essa empresa. Para reduzir esses problemas é preciso que as empresas sigam um procedimento analítico estruturado que permita decidir, da forma mais objetiva possível, sobre a conveniência de terceirizar e com quem terceirizar. Consulte o site a seguir para obter um exemplo de operador logístico na parceria entre a Calçados Azaleia e o Rapidão Cometa, para as operações nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. <www3.informazione.com.br/cms/opencms/rapidao/pt/quem/c ases/azaleia.html>. MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 27

28 Referências BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J. Logística empresarial: o processo de integração da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, BOWERSOX, D. J.; CLOSS, D. J.; COOPER, M. B. Gestão da cadeia de suprimentos e logística. Rio de Janeiro: Elsevier, CHOPRA, S.; MEINDL, P. Gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégia, operação e avaliação. São Paulo: Prentice-Hall, CHRISTOPHER, M. A logística do marketing. São Paulo: Futura, Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: estratégias para a redução de custos e melhoria dos serviços. São Paulo: Pioneira, FIGUEIREDO, K. F.; FLEURY, P. F.; WANKE, P. Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, Logística empresarial. São Paulo: Atlas, HARMON, R. Reinventando a distribuição: logística de distribuição. Rio de Janeiro: Campus, KOTLER, P. Administração de marketing: a edição do novo milênio. 11. ed. São Paulo: Prentice Hall, MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2

29 MARTINS, P. T.; LAUGENI, F. P. Administração da produção. São Paulo: Saraiva, NOVAES, A. G. Logística e gerenciamento da cadeia de distribuição: estratégia, operação e avaliação. Rio de Janeiro: Campus, SIMCHI-LEVI, D.; KAMINSKI, P.; SIMCHI-LEVI, E. Cadeia de suprimentos: projeto e gestão. Porto Alegre: Bookman, MBA em Administração e Logística Logística e Canais de Distribuição Aula 2 29

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros

Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos. Prof. Paulo Medeiros Contribuição do custo logístico na formação de preço de venda dos produtos Prof. Paulo Medeiros Medindo os custos e desempenho da logística Uma vez que o gerenciamento logístico é um conceito orientado

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS

ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS ASPECTOS FUNDAMENTAIS DO PROBLEMA DE LOCALIZAÇÃO DE INSTALAÇÕES EM REDES LOGÍSTICAS Data: 10/03/2001 Peter Wanke INTRODUÇÃO Localizar instalações ao longo de uma cadeia de suprimentos consiste numa importante

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE

QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE QUESTIONÁRIO LOGISTICS CHALLENGE 2015 PRIMEIRA FASE *Envie o nome de seu grupo, dos integrantes e um telefone de contato junto com as respostas do questionário abaixo para o e-mail COMMUNICATIONS.SLA@SCANIA.COM*

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect)

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. Conceitos avançados da Logística com foco na TI 20/08/2011. O Efeito Chicote - (Bullwhip effect) Núcleo de Pós Graduação Pitágoras MBA Logística empresarial e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Conceitos avançados da Logística com foco na TI Disciplina: Tecnologia da Informação (TI) Aplicada à

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Amazenagem, Localização Física, Distribuição e Transporte Objetivo Discutir a armazenagem, localização física, gestão da distribuição e transporte

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial IETEC INSTITUTO DE EDUCAÇAO TECNOLÓGICA PÓS GRADUAÇAO LATU SENSU 15 a. Turma Gestão da Logística Logística Empresarial Elenilce Lopes Coelis Belo Horizonte MG Julho - 2006 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA...PÁGINA

Leia mais

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS.

A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. A LOGÍSTICA COMO INSTRUMENTO DE DIFERENCIAL COMPETITIVO EM EMPRESAS FORNECEDORAS DE BENS DE CONSUMO NÃO DURÁVEIS. Carolina Salem de OLIVEIRA 1 Cristiane Tarifa NÉSPOLIS 2 Jamile Machado GEA 3 Mayara Meliso

Leia mais

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Gestão Comercial UNOESTE. E mail: joselia@unoeste.br Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 141 A LOGÍSTICA COMO DIFERENCIAL COMPETITIVO Douglas Fernandes 1, Josélia Galiciano Pedro 1 Docente do Curso Superior

Leia mais

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO

LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO LOGÍSTICA INTEGRADA: SATISFAÇÃO DOS CLIENTES E REDUÇÃO DE CUSTOS RESUMO Este trabalho tem por objetivo a discussão do conceito de logística integrada e de roteirização. Tem como objetivo também mostrar

Leia mais

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht

Logística e Administração de Estoque. Definição - Logística. Definição. Profª. Patricia Brecht Administração Logística e Administração de. Profª. Patricia Brecht Definição - Logística O termo LOGÍSTICA conforme o dicionário Aurélio vem do francês Logistique e significa parte da arte da guerra que

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza

Andrés Eduardo von Simson Graduação e v r iç i os D s i ney Background Hopi Hari Hilton Brasilton Maksoud Plaza ENGENHARIA DE NEGÓCIOS I GESTÃO ESTRATÉGICA DE ESTOQUES AULA I Prof. Andrés E. von Simson 2009 PROFESSOR Andrés Eduardo von Simson Graduação Adm. Hoteleira Adm. de Empresas Docência pela FGV Especialização

Leia mais

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte

Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte III SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia 1 Pesquisa sobre a integração da Logística com o Marketing em empresas de grande porte Alexandre Valentim 1 Heloisa Nogueira 1 Dário Pinto Junior

Leia mais

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas

Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Matriz para avaliação do sistema de Distribuição de produtos do setor de bebidas Isabel Marcia Rodrigues (UTFPR) imarcia.r@hotmail.com João Carlos Colmenero (UTFPR) colmenero@utfpr.edu.br Luiz Alberto

Leia mais

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa

A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma empresa Instituto de Educação Tecnológica Pós-graduação Engenharia de Custos e Orçamentos Turma 01 10 de outubro de 2012 A Análise dos Custos Logísticos: Fatores complementares na composição dos custos de uma

Leia mais

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística

2.0 A Logística 2.1 O Conceito da Logística 2.0 A Logística Neste capítulo será realizada uma breve análise sobre os conceitos e métodos aplicados à logística empresarial, construindo o arcabouço teórico necessário para o desenvolvimento do modelo

Leia mais

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS

FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS FORMALIZANDO UMA POLÍTICA DE ESTOQUES PARA A CADEIA DE SUPRIMENTOS INTRODUÇÃO Este texto é o segundo de dois artigos dedicados à análise da gestão de estoques, a partir de uma perspectiva diferente da

Leia mais

Fundamentos do Transporte

Fundamentos do Transporte Prof.: Deibson Agnel Livro: Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos/Logística Empresarial Autor: Ronald Ballou Cap. 06 1 A importância de um sistema de transporte eficaz A movimentação de cargas absorve

Leia mais

Logística empresarial conceitos e definições

Logística empresarial conceitos e definições Logística empresarial conceitos e definições Por Leandro Callegari Coelho - Logística Descomplicada, em 01 de fevereiro 2010 Por Camila Avozani e Aline Regina Santos No início de 1991, a logística e a

Leia mais

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA

A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA A LOGÍSTICA EMPRESARIAL E OS FATORES PARA A OBTENÇÃO DE VANTAGEM COMPETITIVA Douglas Prates Magalhães 1 Resumo Uma revisão teórica e rápida conceituação da Logística e Vantagem competitiva. Foco em vantagem

Leia mais

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros

Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos. Prof. Paulo Medeiros Vantagens competitivas e estratégicas no uso de operadores logísticos Prof. Paulo Medeiros Introdução nos EUA surgiram 100 novos operadores logísticos entre 1990 e 1995. O mercado para estas empresas que

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Objetivos da aula: - Explorar as principais motivações para a redução dos níveis de estoque e as armadilhas presentes na visão tradicional, quando é focada apenas uma empresa em vez de toda a cadeia de

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO

OS NEGÓCIOS LUCRO = VOLUME PRODUZIDO X PREÇO - CUSTO OS NEGÓCIOS Odilio Sepulcri* INTRODUÇÃO A sobrevivência dos negócios, dentre outros fatores, se dará pela sua capacidade de gerar lucro. O lucro, para um determinado produto, independente da forma como

Leia mais

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo.

A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. A Logística de Cargas Fracionadas e Novas Configurações do Mercado de Varejo. Cristian Carlos Vicari (UNIOESTE) viccari@certto.com.br Rua Engenharia, 450 Jd. Universitário C.E.P. 85.819-190 Cascavel Paraná

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009

LOGÍSTICA EMPRESARIAL. Rodolfo Cola Santolin 2009 LOGÍSTICA EMPRESARIAL Rodolfo Cola Santolin 2009 Conteúdo Cadeia de suprimentos Custos Logísticos Administração de Compras e Suprimentos Logística Reversa CADEIA DE SUPRIMENTOS Logística Logística Fornecedor

Leia mais

2. Referencial teórico

2. Referencial teórico 2. Referencial teórico O referencial teórico consiste em uma revisão bibliográfica de forma a apresentar o embasamento necessário para compreensão do tema e seus elementos relacionados. São apresentados

Leia mais

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management

Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Crise econômica: oportunidades e desafios para o supply chain management Parte 1 Marcos Benzecry e Paulo Nazário Introdução Desde o início de 2008 o mundo vive a mais grave crise dos últimos 80 anos, uma

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CADEIA DE SUPRIMENTOS DA KEIPER DO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS

Leia mais

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO

GESTÃO DE ESTOQUE RESUMO GESTÃO DE ESTOQUE - 1 - Jéssica Taiani do Amaral - jessicataiani@hotmail.com Laurinda Oliveira Dourado - RESUMO A gestão de estoques é um assunto vital e, freqüentemente, absorve parte substancial do orçamento

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES

O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES 1 O CONTROLE DE ESTOQUE COMO FERRAMENTA COMPETITIVA NAS ORGANIZAÇÕES Cesar Paulo Lomba (Discente do 4º período de Tecnologia de Gestão Financeira das Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS) Maria Luzia

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Administração de Empresas 6º Período Resumo Introdução ao Conceito de Logística Logística Empresarial (ótica acadêmica e empresarial) Globalização e Comércio Internacional Infra-Estrutura

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila.

UnB Universidade de Brasília. Administração de Recursos Materiais. Tema: Gestão de estoque. Alunos: - Beliza de Ávila. UnB Universidade de Brasília Administração de Recursos Materiais Tema: Gestão de estoque Alunos: - Beliza de Ávila - Felipe Jordán - Guilherme de Miranda - Jefferson Coelho O conceito de ocupação física

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha

Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA. Prof. Léo Noronha Unidade I GESTÃO DE SUPRIMENTOS E LOGÍSTICA Prof. Léo Noronha A administração de materiais A administração de materiais procura conciliar as necessidades de suprimentos com a otimização dos recursos financeiros

Leia mais

2. Logística. 2.1 Definição de Logística

2. Logística. 2.1 Definição de Logística 2. Logística 2.1 Definição de Logística Por muito tempo a Logística foi tratada de forma desagregada. Cada uma das funções logísticas era tratada independentemente e como áreas de apoio ao negócio. Segundo

Leia mais

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos?

- Como utilizar essas medidas para analisar, melhorar e controlar o desempenho da cadeia de suprimentos? Fascículo 5 A medição do desempenho na cadeia de suprimentos Com o surgimento das cadeias de suprimento (Supply Chain), a competição no mercado tende a ocorrer cada vez mais entre cadeias produtivas e

Leia mais

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras

A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras A medição do desempenho na cadeia de suprimentos JIT e compras Medição do desempenho na cadeia de suprimentos Medição do desempenho Sob a perspectiva da gestão da produção, o desempenho pode ser definido

Leia mais

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE.

A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. A IMPORTANCIA DO CUSTEIO NA CADEIA DE SUPRIMENTOS COMO VANTAGEM COMPETITIVA: CASO LOGÍSTICO EM MORRINHOS/CE. Jander Neves 1 Resumo: Este artigo foi realizado na empresa Comercial Alkinda, tendo como objetivo

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira

Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira 1. Introdução Aula 5 Supply Chain Management (SCM) Gestão da cadeia de suprimentos Prof: Cleber A. de Oliveira Gestão de Sistemas de Informação Os estudos realizados nas disciplinas Gestão da Produção

Leia mais

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica

Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica 1 Evolução da armazenagem de sobressalentes em uma usina siderúrgica Alexandre Valentim 1 Dário Pinto Júnior 2 Fausto Kunioshi 2 Heloisa Nogueira 1 alexandrevalentim@uol.com.br dariompj@yahoo.com.br fausto.kunioshi@csn.com.br

Leia mais

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício.

Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Análise dos custos logísticos: um estudo de caso no setor alimentício. Daniel Davi Boff ddboff@gmail.com Unochapecó Moacir Francisco Deimling moacir@unochapeco.edu.br Unochapecó Rodrigo Barichello rodrigo.b@unochapeco.edu.br

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, PESQUISA E EXTENSÃO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA GESTÃO ESTRATÉGICA DE NEGÓCIOS A LOGÍSTICA COMO FATOR COMPETITIVO NA FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES ALUNO:

Leia mais

Identificação dos Custos Logísticos

Identificação dos Custos Logísticos Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade - Identificação dos Custos Logísticos MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Washington Luís Reis Revisão Textual: Profa. Esp.

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 1 OBJETIVOS 1. Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? 2. Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA

Plano de Trabalho Docente 2010. Qualificação: TÉCNICO EM LOGÍSTICA. Professora: FLÁVIA ANDRÉIA CANEDO DE LIMA Plano de Trabalho Docente 2010 ETEC RODRIGUES DE ABREU Ensino Técnico Código: 135 Município: BAURU/SP Eixo Tecnológico: GESTÃO E NEGÓCIOS Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS

O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS O PAPEL DO CONTROLE DE ESTOQUE NA CENTRALIZAÇÃO DE COMPRAS Mauricio João Atamanczuk (UTFPR) atamanczuk@hotmail.com João Luiz Kovaleski (UTFPR) kovaleski@pg.cefetpr.br Antonio Carlos de Francisco (UTFPR)

Leia mais

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final

16/02/2010. Relação empresa-cliente-consumidor. Distribuição física do produto final até ponto de venda final Logística de Distribuição e Reversa MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção Conceito Relação empresa-cliente-consumidor Distribuição física do produto final

Leia mais

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires.

Modais de Transporte. Aula 1. Contextualização. Objetivos da Logística. Introdução. Custos Logísticos. Prof. Luciano José Pires. Modais de Transporte Aula 1 Contextualização Prof. Luciano José Pires Introdução Objetivos da Logística A tarefa transporte é vital em uma cadeia logística, pois nenhuma empresa pode funcionar sem movimentar

Leia mais

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque.

Palavras-Chave: Controle de Estoque, Análise ABC e Gestão de Estoque. IMPLANTAÇÃO DE FERRAMENTAS PARA CONTROLE DE ESTOQUE Estudo de caso em uma Fábrica de Ração Wemerson de Freitas Borges 1 Prof. Ms. Jordânia Louse Silva Alves 2 RESUMO No Brasil, a gestão de estoques é um

Leia mais

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp

http://www.publicare.com.br/site/5,1,26,5480.asp Página 1 de 7 Terça-feira, 26 de Agosto de 2008 ok Home Direto da redação Última edição Edições anteriores Vitrine Cross-Docking Assine a Tecnologística Anuncie Cadastre-se Agenda Cursos de logística Dicionário

Leia mais

Professora Danielle Valente Duarte

Professora Danielle Valente Duarte Professora Danielle Valente Duarte TRANSPORTE significa o movimento do produto de um local a outro, partindo do início da cadeia de suprimentos chegando até o cliente Chopra e Meindl, 2006 O Transporte

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA

ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA ESTUDO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE IMPLANTAÇÃO DO SOFTWARE MRP I EM UMA MICRO-EMPRESA MOVELEIRA LOCALIZADA NO VALE DO PARAIBA Tiago Augusto Cesarin 1, Vilma da Silva Santos 2, Edson Aparecida de Araújo

Leia mais

estratégias operações

estratégias operações MERCADO FERRAMENTA NECESSIDADE O que é LOGÍSTICA? estratégias Fator de Diferenciação Competitiva Fator de Tomada de Decisão operações Busca pela Excelência na Gestão O que buscamos? EXCELÊNCIA LOGÍSTICA

Leia mais

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes

ARMAZENAGEM E T.I. Prof.: Disciplina Integrantes ARMAZENAGEM E T.I. Pós-Graduação em Gestão Integrada da Logística Turma: GIL131M - 2013 Universidade São Judas Tadeu Prof.: Ms. Maurício Pimentel Disciplina: Tecnologia da Informação Aplicada a Logística

Leia mais

Curso de Logísticas Integrada

Curso de Logísticas Integrada 1 Introdução a Logística; Capítulo 1 - Conceitos de logística; Breve Histórico da Logística; Historia da logística; SCM; Logística Onde estávamos para onde vamos? Estratégia para o futuro; 2 Conceitos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA Capítulo 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam

Leia mais

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO

TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO TÍTULO: LOGISTICA INTEGRADA COM FOCO EM DISTRIBUIÇÃO: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PRESIDENTE

Leia mais

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas

Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas Classificação ABC no Gerenciamento do Estoque Recurso na melhoria da lucratividade das empresas RESUMO O objetivo deste artigo é apresentar a utilização da classificação ABC no gerenciamento do estoque

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

Logística Empresarial Integrada

Logística Empresarial Integrada Logística Empresarial Integrada Profº José Carlos de Sousa Lima Administração de Recursos e Administração de Recursos e Objetivo Discutir o conceito da administração de recursos materiais e sua relação

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA 2 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO NA EMPRESA OBJETIVOS Quais são as principais aplicações de sistemas na empresa? Que papel eles desempenham? Como os sistemas de informação apóiam as principais funções empresariais:

Leia mais

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e

Uma indústria mantém estoque de materiais; Um escritório contábil mantém estoque de informações; e Fascículo 2 Gestão de estoques Segundo Nigel Slack, estoque é definido como a acumulação armazenada de recursos materiais em um sistema de transformação. O termo estoque também pode ser usado para descrever

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA AMBEV

LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA AMBEV UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO SÓCIO ECONÔMICO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO LOGÍSTICA EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA: CASO DO CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

Leia mais

CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA

CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA CUSTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO DO ARROZ BENEFICIADO NA REGIÃO CENTRO DO RS ATÉ SÃO LUIS - MA Roberto Portes Ribeiro (UFSM) robertor@smail.ufsm.br Fernando Fachin Pacheco (FAMES) fernando_f_p@hotmail.com

Leia mais

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas.

O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. Logística e Distribuição Professor: Leandro Zvirtes UDESC/CCT Histórico O termo logística tem sua origem no meio militar, estando relacionado a atividade de abastecimento de tropas. A história mostra que

Leia mais

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE

Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis. Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Evidenciação dos Custos Logísticos nos Relatórios Contábeis Autores: Hélio Zanquetto Filho Professor doutor da FUCAPE Giovanna Fornaciari Mestranda da FUCAPE Maria Mariete A. M. Pereira Mestranda da FUCAPE

Leia mais

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza

Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA. Marinalva R. Barboza Unidade I LOGÍSTICA INTEGRADA Marinalva R. Barboza Definição do conceito de logística e evolução Logística tem origem no idioma francês Logistique se define de forma militar sendo uma parte estratégica

Leia mais

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA

LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA LUCROS E BENEFÍCIOS NA APLICAÇÃO DE UM SISTEMA DE ESTOCAGEM NA EMPRESA RESUMO: Vanessa dos Santos Dada 1 Há uma grande demanda, nos mercados atuais, pelas empresas que atuam na área de operações logísticas.

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU AVM FACULDADE INTEGRADA A TERCEIRIZAÇÃO DE TRANSPORTE RODOVIÁRIOS DE CARGA E A REDUÇÃO DO CUSTO AGREGADO À LOGÍSTICA Por: Cristiane de Paula Silva Orientador

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE

PLANEJAMENTO E CONTROLE Unidade I PLANEJAMENTO E CONTROLE DE ESTOQUES Profa. Marinalva Barboza Planejamento e controle de estoques Objetivos da disciplina: Entender o papel estratégico do planejamento e controle de estoques.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAMPUS DOM PEDRITO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO DISCIPLINA: Logística em Agronegócio CÓDIGO: DP 0092 PROFESSOR: Nelson de Mello AULA 1 03/03/2016 Logística

Leia mais

CAPÍTULO II LOGÍSTICA

CAPÍTULO II LOGÍSTICA CAPÍTULO II LOGÍSTICA Uma boa estrutura organizacional não produz por si só um bom desempenho - assim como uma boa Constituição não garante grandes presidentes, ou boas leis, ou uma sociedade moral. Mas

Leia mais

Logistica e Distribuição

Logistica e Distribuição Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Armazenagem e Movimentação Primárias Apoio 1 2 A armazenagem corresponde a atividades de estocagem ordenada e a distribuição

Leia mais

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza

LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza LOGÍSTICA Prof. Edwin B. Mitacc Meza Prova 1 09 de Maio de 2013 Nome: 1ª QUESTÃO (1,0) Segundo os dados divulgados pela ood and Agriculture Organization (AO, 2011) sobre as exportações brasileiras, em

Leia mais

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque

T2Ti Tecnologia da Informação Ltda T2Ti.COM CNPJ: 10.793.118/0001-78 Projeto T2Ti ERP. Módulo Suprimentos. Controle de Estoque Módulo Suprimentos Controle de Estoque Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Suprimentos Controle de Estoque. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS

LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS 46 LOGÍSTICA E GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS: CONCEITOS E DIFERENÇAS Leandro Soares Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Rio de Janeiro, RJ, Brasil Professor

Leia mais

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação

Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Armazenamento e TI: sistema de controle e operação Pós-Graduação Latu-Sensu em Gestão Integrada da Logística Disciplina: TI aplicado à Logística Professor: Mauricio Pimentel Alunos: RA Guilherme Fargnolli

Leia mais

Planejamento da Movimentação de Mercadorias

Planejamento da Movimentação de Mercadorias Planejamento da Movimentação de Mercadorias Engenharia Logística II Objetivo Facilitar o engenheiro de logística a projetar e especificar as maneiras pelas quais produção e demanda devem ser compatibilizadas

Leia mais

REDES DE DISTRIBUIÇÃO

REDES DE DISTRIBUIÇÃO REDES DE DISTRIBUIÇÃO De uma maneira geral, as redes de distribuição são constituídas por: 1. Um conjunto de instalações que fazem a recepção, armazenagem e expedição de materiais; 2. Um conjunto de rotas

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec: Gino Rezaghi Código: 191 Município: Cajamar Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: TÉCNICO EM LOGÍSTICA Qualificação: TÉCNICO

Leia mais

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos

Caso Big Box - 402 Norte. Processamento de Pedidos Universidade de Brasília UnB Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação FACE Departamento de Administração ADM Disciplina: Logística Empresarial Grupo: Marrom

Leia mais

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Administração. Silvimar Aparecido Elias

FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Administração. Silvimar Aparecido Elias FACULDADE DE PARÁ DE MINAS Curso de Administração Silvimar Aparecido Elias ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA EM MANTER FROTA PRÓPRIA PARA TRANSPORTE DE PRODUTO ACABADO EM UMA EMPRESA DO RAMO DE NUTRIÇÃO

Leia mais

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS

OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS Esta seção apresenta alguns dos problemas da gestão da cadeia de suprimentos discutidos em mais detalhes nos próximos capítulos. Estes problemas

Leia mais