BANCO DE EXPERIÊNCIAS DE PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANCO DE EXPERIÊNCIAS DE PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS"

Transcrição

1 BANCO DE EXPERIÊNCIAS DE PLANOS DIRETORES PARTICIPATIVOS Nome do Município: Marabá Unidade da Federação: Pará Tema de Destaque: Zoneamento e reestruturação municipal no Plano Diretor estratégia de criação de distritos e reconhecimento do caráter urbano das vilas. Número de Habitantes: hab. dos quais eram urbanos e rurais em 2000 Categoria: (X) Cidade com mais de habitantes ( ) Integrantes de Região Metropolitana e Aglomerações Urbanas ( ) Integrantes de áreas de especial interesse turístico; ( ) Inseridos nas áreas de influência de empreendimentos ou atividades com significativo impacto ambiental de âmbito regional ou nacional. ( ) Não se inclui nas categorias citadas Caracterização do Contexto Local: A sede do município de Marabá é uma cidade marcada pelo signo da exploração dos recursos naturais de sua área de influência até a exaustão. A cidade se desenvolveu a partir de diversos ciclos econômicos extrativistas ocorridos no espaço rural (o caucho, os diamantes, as peles, a castanha do pará, o ouro, a madeira, etc.). Esses ciclos fomentaram sucessivas mudanças na organização do território rural, que a partir da década de 1940 foi objeto de desmembramento e constituição de novos municípios, e um processo de expansão completamente atípico na área urbana. O município foi criado pela fragmentação de Baião (Lei no /1913). A região tinha acessibilidade viabilizada por via fluvial, estruturada pela navegação do rio Tocantins e seus afluentes. O município de Marabá foi criado e instalado em 1913, e em 1922 recebeu as terras do município vizinho, então extinto, São João do Araguaia, e em 1923 a sede municipal foi elevada à condição de cidade (Lei no /1923). Em 1935, o município era subdividido em cinco distritos: a sede municipal, Itupiranga, Jacundá, Santa Isabel e São João da Ponta. A partir de 1947, teve início a trajetória de desmembramentos que culminou na atual organização do território da região. Em 1947, parte do território foi desmembrado para a criação do município de Itupiranga. Em 1961, foi a vez de São João do Araguaia, e em 1988 de Curionópolis e Parauapebas. Dos municípios desmembrados foram criados outros, principalmente no final da década de 80 e meados da década de 90, via de regra vinculados à dinâmica de exploração mineral estabelecida na região (Mapa 1). 1

2 Por outro lado, a intensa dinâmica econômica da área rural permitiu a formação de uma elite urbana na cidade de Marabá, constituída pelos detentores de meios de produção na região (tais como os donos de terras e líderes da prática de aviamento, empresários da navegação e comerciantes) o que viabilizou o surgimento de uma burguesia urbana constituída de funcionários públicos e trabalhadores desvinculados do trabalho no campo, e das transformações ocorridas nos limites políticos do município. O enfraquecimento das relações entre campo e cidade foi se intensificando na medida em que as áreas rurais mais dinâmicas se emanciparam para constituir novos municípios, processo concluído nos anos 1980, restando no município de Marabá uma população rural desarticulada e desprovida de condições de produção, dispersa em assentamentos do INCRA, fazendas, garimpos, e algumas vilas (ver mapas 1 e 2). A localização geográfica da sede municipal, por outro lado, é extremamente favorável à concentração populacional; sua localização na intercessão dos rios Tocantins e Itacaiúnas a diferenciava das demais cidades da região pela possibilidade de ligação fluvial com Belém, apesar das corredeiras do Tocantins, que eram vencidas pela Estrada de Ferro de Tucuruí, e de ligação rodoviária e fluvial com Imperatriz no Maranhão. Após a construção da Hidrelétrica de Tucuruí (em 1984) e do início da exploração do minério de ferro na serra dos Carajás, a dinâmica de acessibilidade fluvial foi substituída pela rodoviária e ferroviária. Por ocasião da implantação do Plano de Integração Nacional na região durante os anos 1970, e estabelecimento dos grandes projetos de exploração mineral e de geração de energia, a cidade de Marabá foi objeto de intervenção da SUDAM, com a construção da Nova Marabá, que objetivava resolver o problema das calamidades causadas pelas cheias, e que por abandono prematuro do projeto, apenas constituiu-se em área de expansão do núcleo urbano inicial. Nesta ocasião, foram construídos o aeroporto e a ponte sobre o rio Itacaiúnas para prosseguimento da Rodovia Transamazônica, que foi absorvida pela cidade com a criação do terceiro núcleo da Cidade Nova. A PA 150 e a Ferrovia de Carajás (que liga a mina de minério de ferro de Carajás ao porto de Itaqui no Maranhão) viabilizaram a construção da ponte sobre o rio Tocantins, e articularam a ocupação da margem oposta do rio com a cidade (comunidades de São Félix e Morada Nova), de tal modo que o perímetro urbano adotado para a cidade em 1985 (Lei 6848/85, com pequenas alterações acrescidas pelas Leis /89 e /02) foi bastante extenso, e equivocadamente chegava a extrapolar o limite do município, enquanto o território rural não contava, até a aprovação do plano diretor, com nenhum tipo de subdivisão administrativa. A condição de nó de transporte multimodal trouxe como conseqüência direta os intensos fluxos migratórios para a cidade, provenientes de outros estados da federação, principalmente do Maranhão. Por outro lado, a população do restante do território municipal manteve-se dispersa, e mal articulada, devido à carência de estradas e pontes, o que dificulta a gestão do território e o atendimento das necessidades básicas da população rural. Os eixos estruturadores da ocupação rural são a estrada do Rio Preto, localizada próximo à divisa com o município de Itupiranga ao norte; a PA 150, que atravessa o município no sentido norte sul; e a Ferrovia Carajás, que corta o município no sentido nordeste sudoeste. A gestão municipal desconhece os problemas da zona rural, uma vez que, há décadas, se ocupa quase exclusivamente da administração da sede, sem que isso signifique atenção aos problemas de controle de uso e ocupação do solo ou aplicação de formas de controle urbanístico. Até o presente, a cidade é tomada como ambiente de investimentos em terras e imóveis pela elite econômica dominante. 2

3 Descrição da Experiência: O Plano Diretor Participativo de Marabá, aprovado em 06/09/2006, foi desenvolvido a partir de parceria estabelecida entre a Prefeitura Municipal de Marabá e a UFPA, através do contrato número 07616/2006 firmado com a interveniência da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa, com financiamento do Ministério das Cidades/ Caixa Econômica Federal. Foram realizadas viagens de campo por equipes mistas, formadas por técnicos da prefeitura (engenheiro civil, geógrafo) e por pesquisadores (geólogo e economista) cobrindo as localidades da região do Rio Preto e vilas próximas ao sul da sede municipal, para registro das condições de produção e de moradia na área rural, através de reuniões com a população e observação de campo. Também foi produzida uma cartografia para a escala municipal, através da utilização de programas de geoprocessamento, com o intuito de permitir a visualização integrada dos limites políticos, da hidrografia, de rodovias, localidades (vilas, assentamentos), do mosaico de unidades de conservação (Flonas, Rebio, área indígena), áreas militares, e poligonal do perímetro urbano do município. A este conjunto de informações espaciais foram associadas imagens de satélite (Landsat para o município, e Quick Bird para a sede municipal), o que permitiu a melhor compreensão das condições de uso e ocupação do território municipal, e da natureza dos problemas da população rural (Mapa 2). As constatações de campo, amparadas pela cartografia produzida permitiram que o ordenamento territorial fosse tomado como ferramenta para uma gestão municipal mais equilibrada. Observe-se que no passado recente (até a aprovação do plano ocorrida em outubro de 2006) o município não contou com nenhum tipo de subdivisão para fins de gestão municipal, apesar da sua extensão territorial. Havia apenas o reconhecimento tácito de que o espaço da sede era subdividido em três núcleos distinto, além da região de São Félix e Morada Nova localizada na margem oposta do Rio Tocantins. Neste sentido, adotou-se o distrito como unidade administrativa municipal, de modo que, através deles, fosse possível organizar o espaço urbano e também o espaço rural. Ao todo foram propostos dezesseis distritos (mapa 3), cinco deles como partes constituintes da sede municipal, e, por conseguinte, formadores do novo perímetro urbano (comparar mancha contínua em amarelo na direção da sede do mapa 3 com polígono lilás apresentado no mapa 2). Os outros onze, subdividem o restante do município (exceto áreas ocupadas por unidades de conservação), dentro dos quais as vilas sedes distritais foram assumidas como áreas urbanas, sujeitas às políticas urbanas e formas de controle de uso e ocupação do solo estabelecidas para o espaço urbano municipal. A área municipal que excede os distritos é constituída por unidades de conservação ( REBIO e FLONAS), que limitam o acesso à porção oeste do município. Em função disso, o Plano Diretor definiu que a porção de território existente na divisa com São Félix do Xingu fosse transformada em unidade de conservação, como área de amortecimento, uma vez que não é possível alcançá-la por rota interna ao município. São distritos constituintes da sede o Distrito de Marabá Pioneira, Distrito da Cidade Nova, Distrito da Nova Marabá, Distrito Industrial e o Distrito de Expansão da sede localizado entre 3

4 a Ferrovia de Carajás e o Rio Tauarizinho (limite oeste do município). Os primeiros ratificam a autonomia existente em cada um dos núcleos já existentes da cidade, e o último assume a direção leste como alternativa de crescimento mais viável, apesar do limite imposto pela ferrovia Carajás, e se antecipa às tentativas de parcelamento do solo já em curso destinadas a ocupação de alta renda (condomínios fechados) naquela região. A fisiografia da área é bastante desfavorável para a ocupação urbana, e a existência de áreas institucionais constituise em obstáculo adicional à expansão da cidade, e a necessidade de construção de novas pontes é recorrente. A ocupação de áreas que demandam grandes investimentos em infraestrutura para viabilizar a acessibilidade (aterros e pontes), retardam o enfrentamento de problemas históricos de saneamento, visto que nas áreas sujeitas a alagamento pelas cheias, é comum o transbordamento de fossas e a contaminação de poços utilizados pela população de menor poder aquisitivo (em bairros formais e áreas de ocupação), destacando-se em alguns pontos mais vulneráveis a tais condições, a alta incidência de doenças como a hanseníase dentre a população. Em função disso, os distritos municipais de São Félix e de Morada Nova, localizados na margem direita do rio Tocantins, ao norte, não foram tomados como área de expansão da sede, conforme perímetro urbano anteriormente em vigor, em função do custo muito elevado de uma possível duplicação da ponte sobre o rio Tocantins. Os distritos de Brejo do Meio, Santa Fé, Três Poderes, Vila União, Capistrano de Abreu e Josinópolis estão alinhados entre a Estrada do Rio Preto e o Rio Itacaiúnas. O distrito de Sororó localiza-se ao sul da sede, ao longo da PA 150, e os distritos de Itainópolis, e Alto Bonito estão localizados entre o rio Itacaiúnas e a divisa com os municípios de Parauapebas e Curionópolis. Apesar das limitações de atuação da prefeitura na área rural, as áreas abrangidas pelos distritos localizados ao longo da Estrada do Rio Preto são mais conhecidas pela gestão municipal, e contam com vilas mais antigas, estabelecidas em função da atividade madeireira e dos assentamentos rurais. As áreas ao sul são esquecidas em função das dificuldades de acessibilidade por falta de uma ponte sobre o rio Itacaiúnas. A área á conhecida como Região do Contestato, e é objeto de convênio na área de educação entre o município de Parauapebas e Marabá, e segundo as comunidades, esquecida por ambos. As crianças assistem aulas em bares por falta de escola, e o contrabando de gemas (ametistas principalmente) é uma prática histórica, uma vez que as gemas de Marabá são apreciadas nos quatro cantos do planeta e a gestão municipal desconhece as práticas de exploração estabelecidas na região e não se beneficia do potencial de geração de receita que elas apresentam. Um dos fatores mais destacados como causa do problema é a limitação de acessibilidade, por falta de uma ponte sobre o Rio Itacaiúnas, e falta de nucleação da população, mais dispersa em pequenas aglomerações. As dificuldades de acessibilidade e a inexistência dos distritos e de suas vilas sede contribuem para a ausência/ omissão do poder público na região, e em decorrência para a ausência de um estado de direito para a população rural em termos sociais e ambientais. Não há controle por nenhuma instância governamental sobre os conflitos de terra, sobre processos de exploração de madeira ou gemas, ou sobre o uso de agrotóxicos pelos médios e grandes produtores, que comprometem o acesso à água potável pela população rural. Desse modo prevalece a lei do mais forte e o imediatismo, no campo e também na cidade, dificultando a implantação de políticas e mecanismos de gestão comprometidos com desenvolvimento sustentável. A estratégia da criação de distritos e reconhecimento do caráter urbano das vilas sedes distritais foi bem recebida por segmentos favoráveis e contrários à futura subdivisão do 4

5 município, uma vez que o reconhecimento das vilas como áreas urbanas busca o melhor atendimento da população pelas políticas de educação, saúde, habitação, saneamento, desenvolvimento econômico, etc., com a expectativa de que se constitua uma administração descentralizada (atualmente estas áreas contam com lideranças políticas que as representam, sem que sejam investidas de função administrativa) capaz de estruturar melhor o município de Marabá, e também dá oportunidade para que as vilas melhor estruturadas estejam melhor aparelhadas para se constituírem em sedes municipais no futuro. Também se busca a intermediação dos conflitos existentes entre atividades produtivas rurais e condições de vida da população das vilas, (ex: contaminação dos cursos d'água, parcelamento de terras rurais para fins urbanos sem provisão de infra-estrutura mínima, controle de impacto ambiental de usos industriais como laticínios). Dentro da concepção do Plano Diretor Participativo de Marabá, as vilas contarão com perímetros e zoneamento urbano, o que deve facilitar ações de regularização fundiária junto ao INCRA e facilitar a provisão de equipamentos (de educação e saúde) e infra-estrutura por parte da gestão municipal. Guardadas as devidas proporções, deverá também permitir o controle das condições de parcelamento do solo para fins de moradia e de uso e ocupação do solo aplicáveis às áreas urbanas do município, de modo que o trabalho de conscientização da população a respeito das responsabilidades da vida em ambiente coletivo tenha início ainda no pequeno aglomerado. Entretanto, equilibrar as condições de vida no município de Marabá não é tarefa possível se considerarmos apenas a atuação municipal. As carências experimentadas por migrantes oriundos de outros estados da federação fazem com que os mesmos considerem as condições de vida oferecidas na zona rural do município muito melhores do que o que dispunham anteriormente. Diante do que se reconhece que, ainda que haja considerável progresso na gestão municipal, o problema da migração em Marabá, que se manifesta no espaço rural e no espaço urbano, transcende a esfera municipal e demanda soluções no âmbito federal do governo. Espera-se que ocorra uma melhor distribuição dos serviços e equipamentos públicos na zona rural a partir da infra-estruturação das vilas e que isso contribua para a melhoria das condições de vida na sede municipal, por redução dos fluxos migratórios. A distritalização da sede também reconhece as diferenças nas condições de uso e ocupação existente entre os núcleos que a constituem e deve fomentar a diferenciação de procedimentos de controle urbanístico. Na Marabá Pioneira, a subdivisão distrital contribuiria para o reconhecimento da vulnerabilidade da população tradicional que ocupa as áreas próximas ao rio e que depende das oportunidades de trabalho existentes naquele distrito, e para a valorizando da identidade histórica (dentro da qual foi estabelecido o Centro Histórico da cidade); na Nova Marabá destaca-se a necessidade de criação de novas conexões, para redução da desigualdade quanto à acessibilidade e ao acesso a serviços existentes, uma vez que a área teve implantação iniciada pela Superintendência de Desenvolvimento da Amazônia na década de 1980, de acordo com um projeto modernista baseado em forte hierarquização viária e na reserva de grandes áreas livres, posteriormente invadidas pela população. Na Cidade Nova observa-se uma forte desarticulação entre os parcelamentos promovidos pelo setor privado e os conjuntos habitacionais, e a concentração de assentamentos com significativas carências de infra-estrutura. Todavia, são comuns nos distritos da sede a reserva de terras com fins especulativos, e a vulnerabilidade aos alagamentos, em função da elevação da cota dos rios durante os períodos de enchentes e da obstrução dos canais naturais de drenagem, por ocupação indevida. Também são considerados distritos urbanos o distrito industrial, e o distrito para expansão urbana localizado à leste da PA 150, dadas as consideráveis limitações do sítio à expansão da área urbana da sede. O reconhecimento de áreas de interesse ambiental, histórico e social pelo plano diretor participativo de Marabá 5

6 consiste em outro avanço para a gestão futura do município. Entretanto as discussões realizadas com os diversos segmentos da população dentro das audiências públicas realizadas, revelaram que todos concordam quanto à necessidade de ampliação do alcance das políticas públicas municipais através da provisão de equipamentos básicos nos diferentes distritos, mas muito poucos concordam ou compreendem que o controle de formas de uso e ocupação do solo seria fundamental para garantir o acesso de todos à vida urbana mais justa e ambientalmente equilibrada. Neste sentido observa-se que as práticas relativas ao trato da terra rural (invasão de terras públicas, disputa por terras privadas, desobediência a parâmetros mínimos de uso e ocupação do solo) são via de regra, adotadas nas áreas urbanas, onde todos buscam obter o máximo rendimento a partir do aproveitamento do lote. Neste sentido esperase que a extensão da atuação da prefeitura municipal às pequenas aglomerações contribua para uma vida urbana mais justa no futuro. Recomendações, Alertas e Aprendizados: Consideramos que a realização das leituras técnica e comunitária na zona rural, com o mesmo grau de atenção ao dado à área urbana, é fundamental para que desigualdades históricas possam ser detectadas e enfrentadas a partir do ordenamento territorial do município, especialmente nos municípios que contam com extensos territórios e grande concentração da população na sede municipal. O desconhecimento ou imprecisão de informações sobre as condições de ocupação do território, é uma grande limitação para a concepção de políticas municipais nessas circunstâncias, e as ferramentas de geoprocessamento são auxílio valioso na preparação de cartografia básica, a partir das bases de dados existentes ou de levantamentos in loco, a ser tomada como base de discussão com a população. A estreita relação entre movimentos sociais e lideranças políticas favorece a superposição de propostas de ordenamento territorial às áreas de influência de líderes ou partidos, o que pode resultar na proposição de distritos justificada apenas por critérios políticos, em prejuízo dos objetivos de aperfeiçoar a gestão municipal através da descentralização promovida por critérios estratégicos (acessibilidade, concentração de investimentos em equipamentos públicos, densidade populacional). Neste aspecto a utilização de cartografia e de imagens de satélite em diferentes escalas de resolução assume importância fundamental para que as diferenças sejam compreendidas por todos, e ocorra uma avaliação mais criteriosa a respeito da viabilidade técnica e política das propostas apresentadas, assegurando máxima democratização dos benefícios. Coordenação da sistematização: Prof. Dra. Ana Cláudia Duarte Cardoso Colaborador(es) da sistematização: José Julio Ferreira Lima Instituição dos sistematizadores: Universidade Federal do Pará Coordenação técnica e política do plano diretor: Prof. Dr. José Júlio Ferreira Lima (técnica); Engo. Agrônomo Sebastião Almeida (PMM) 6

7 Consultoria ou convênio contratado para o plano diretor: Contrato no /2006 entre Prefeitura Municipal de Marabá e a UFPA, com interveniência da FADESP Valor(es) do contrato de consultoria ou convênio: R$ ,64 Prazo de execução do contrato de consultoria ou do convênio: Data de Início: 26/05/2006 Data de Término: 26/11/2006 Período de Elaboração do Plano Diretor Participativo: Data de início: 15/03/2006 Data de envio à Câmara Municipal: 25/09/2006 Data de aprovação na Câmara Municipal: 06/09/2006 Contatos para Obter Mais Informações: Nome: Sebastião Almeida Instituição: Prefeitura Municipal de Marabá / Secretaria de Planejamento DDD-Telefone: (94) DDD-Fax: Nome: José Julio Ferreira Lima Instituição: UFPA/ Depto. Arquitetura e Urbanismo DDD-Telefone: (91) DDD-Fax: Fontes das Informações: Instituição(ões): Prefeitura Municipal de Marabá, UFPA Documento(s): Prefeitura Municipal de Marabá/ Universidade Federal do Pará/ Fundação de Amparo à Pesquisa. Diagnóstico do Plano Diretor de Marabá. Versão Preliminar. Belém, UFPA: Prefeitura Municipal de Marabá/ Universidade Federal do Pará/ Fundação de Amparo à Pesquisa. Minuta do Plano Diretor Participativo de Marabá. Marabá, PMM/UFPA, Publicação(ões): Artigo(s): 7

8 Cardoso, A; Lima, J; Guimarães, G. Cidade de Marabá. Seminário Internacional Cidades na Floresta. Belém, nov Site(s): Pessoa(s) Entrevistada(s): Foram considerados os depoimentos prestados por ocasião das audiências públicas realizadas, das quais fizera parte a sistematizadora, e todas as entrevistas realizadas com técnicos da administração municipal por ocasião da elaboração da proposta de ordenamento territorial em tela. 8

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MAPEAMENTO ADICIONAL DE AGROPECUÁRIA ÁREA COMPREENDIDA POR 18 MUNICÍPIOS DA ÁREA LIVRE DE AFTOSA DO PARÁ REALIZADO

Leia mais

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico

Oportunidades criadas pelo Plano Diretor Estratégico A CRIAÇÃO DE TERRITÓRIOS DE OPORTUNIDADE JUNTO AO SISTEMA METRO-FERROVIÁRIO: EM PROL DE UMA PARCERIA MAIS EFETIVA NOS PROCESSOS DE TRANSFORMAÇÃO URBANA NO ENTORNO DAS ESTAÇÕES. ABSTRACT Ao longo dos trinta

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA INSTITUTO DE PESQUISA E PLANEJAMENTO URBANO DE CURITIBA OFICINA DE CAPACITAÇÃO PARA O PLANO DIRETOR: REGIONAL BOQUEIRÃO 18/03/2014 CURITIBA MARÇO/2014 Realizações no dia

Leia mais

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6

ÍNDICE. Capítulo I...5. Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5. Capítulo II...5. Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 ÍNDICE Capítulo I...5 Do Sub-Sistema Viário Estrutural...5 Capítulo II...5 Do Sub-Sistema de Apoio...5 DISPOSIÇÕES FINAIS...6 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE CRATEÚS PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU

Leia mais

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

CP/CAEM/2005 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 2005 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO CP/CAEM/05 1ª AVALIAÇÃO FORMATIVA - 05 FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO GEOGRAFIA DO BRASIL 1ª QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar os fatores fisiográficos do espaço territorial do Brasil, concluindo sobre a influência

Leia mais

LEI Nº. 17.213 DE 09 DE OUTUBRO DE 2006.

LEI Nº. 17.213 DE 09 DE OUTUBRO DE 2006. 1 LEI Nº. 17.213 DE 09 DE OUTUBRO DE 2006. Institui o Plano Diretor Participativo do Município de Marabá, cria o Conselho Gestor do Plano Diretor e dá outras providências. O povo do Município de Marabá,

Leia mais

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde

Região Norte P1 4 Bimestre. Geografia 7 ano manhã e tarde Região Norte P1 4 Bimestre Geografia 7 ano manhã e tarde A Região Norte é a maior região brasileira em área. Apresenta população relativamente pequena, é a região com a menor densidade demográfica. Um

Leia mais

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa

Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Água Subterrânea na Amazônia: Relevância, Estado Atual do Conhecimento e Estratégia de Pesquisa Ingo Daniel Wahnfried * * Departamento de Geociências, ICE, Universidade Federal do Amazonas Manaus/AM Introdução

Leia mais

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO

INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO 2 INTRODUÇÃO 2.1 O MUNICÍPIO E A REGIÃO O Município de Manaus está localizado na Região Norte do Brasil, no centro geográfico da Amazônia. A superfície total do Município é de 11.458,5km 2 (Lei Municipal

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos

Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos Prevenção e mediação de conflitos fundiários urbanos 1 Fatores geradores dos conflitos fundiários urbanos Reintegração de posse de imóveis públicos e privados, em que o processo tenha ocorrido em desconformidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO LAURB GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ LABORATÓRIO DE ARQUITETURA E URBANISMO GRUPO DE PESQUISA CIDADE, MEIO AMBIENTE E POLÍTICAS PÚBLICAS Série Textos de reconhecimento do objeto de pesquisa 1 Título: CARACTERIZAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ KL Serviços e Engenharia S/C PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO URBANO PDDU LEI DO SISTEMA VIÁRIO LEI Nº Dispõe sobre o sistema Viário do Município de Quixadá e dá outras

Leia mais

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA

ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA ANÁLISE ESPACIAL DE PROPRIEDADES RURAIS CADASTRADAS NO PERÍMETRO URBANO DO MUNICÍPIO DE MARABÁ E IMPLICAÇÕES NA GESTÃO AMBIENTAL PÚBLICA Raphael de Souza Vale 1, Cintia Pedrina Palheta Balieiro 2 1 Graduando

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 7º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): EDVALDO DE OLIVEIRA Valor da Prova: 40 pontos Orientações

Leia mais

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA

VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA VI CONGRESSO INTERNACIONAL DE TRANSPORTES NA AMAZÔNIA II SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL/HOLANDA PLATAFORMAS LOGÍSTICAS E TERMINAIS HIDROVIÁRIOS 02.09.2015 SUMÁRIO 1 2 INTRODUÇÃO - Objetivos e Plano Estratégico

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS

SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS SISTEMA ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL - SEHIS A Lei Estadual 8.320 de 03/09/2007, instituiu o Sistema Estadual de Habitação de Interesse Social SEHIS, o Conselho Estadual de Habitação de Interesse

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática

Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Terceira Clínica de Integração entre Uso de Solo e Transporte, e sua Conexão com a Qualidade do Ar e a Mudança Climática Outubro 2011 1. Ferramentas de Financiamento e seu Uso a) Que ferramentas para a

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária.

AULA 3. Aspectos Técnicos da Regularização Fundiária. Regularização Fundiária de Assentamentos Informais em Áreas Urbanas Disciplina: Regularização Fundiária e Plano Diretor Unidade 03 Professor(a): Laura Bueno e Pedro Monteiro AULA 3. Aspectos Técnicos da

Leia mais

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS.

REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. REDES HIDROGRÁFICAS SÃO TODOS OS RECURSOS HIDROGRÁFICAS DE UM PAÍS, COMPOSTOS GERALMENTE PELOS RIOS, LAGOS E REPRESAS. BACIA HIDROGRÁFICA. É UMA REDE DE TERRAS DRENADAS POR UM RIO E SEUS PRINCIPAIS AFLUENTES.

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS?

O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? O que é o PLHIS? Quais são os beneficiários do PLHIS? Quais são as exigências do PLHIS? Planejamento Planejamento é uma das condições para a prática profissional dos Assistente Social (BARBOSA, 1991).

Leia mais

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA

UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA UM PANORAMA DOS PROGRAMAS HABITACIONAIS NO MUNICÍPIO DE JUIZ DE FORA Autora: Cláudia V. Cesar 1 Universidade Federal de Juiz de Fora Resumo: Este artigo apresenta um breve panorama dos programas habitacionais

Leia mais

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral

E CONFLITOS. Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NA CIDADE DE PIRACICABA - SP: AÇÕES A E CONFLITOS Painel: Habitação Popular e Mercados Informais (Regularização Fundiária) / Outros Temas de Interesse Geral Engª Civil Silvia Maria

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

PLANOS DIRETORES REGIONAIS

PLANOS DIRETORES REGIONAIS PLANOS DIRETORES REGIONAIS ORIGEM DOS PLANOS DIRETORES REGIONAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESTABELECE O PLANO DIRETOR PARTICIPATIVO E A GESTÃO DEMOCRÁTICA II CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE POLÍTICA URBANA PLANO DIRETOR

Leia mais

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES

II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES SECRETARIA DE HABITAÇÃO, SANEAMENTO E DESENVOLVIMENTO URBANO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LATUS CONSULTORIA II Encontro Estadual de Avaliação e Planejamento dos COMUDES Ijuí - Julho 2010 O MARCO JURÍDICO-INSTITUCIONAL

Leia mais

Presidência da República Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos

Presidência da República Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Presidência da República Secretaria de Relações Institucionais Subchefia de Assuntos Federativos Memória da VI Reunião do Pleno Sistema de Assessoramento para Assuntos Federativos - SASF 06.11. 07 I- 9h00

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ Verônica Jussara Costa Santos Engenheira Sanitarista, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (área Recursos

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina

Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus. Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis Plamus Guilherme Medeiros SC Participações e Parcerias S.A. Governo de Santa Catarina Introdução PLAMUS e status do projeto Diagnóstico: qual

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES

MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES 480 MOBILIDADE URBANA EM PRESIDENTE PRUDENTE: O TRANSPORTE COLETIVO E SUAS POSSIBILIDADES Poliana de Oliveira Basso¹, Sibila Corral de Arêa Leão Honda². ¹Discente do curso de Arquitetura e Urbanismo da

Leia mais

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação

CidadesDigitais. A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais A construção de um ecossistema de cooperação e inovação CidadesDigitais PRINCÍPIOs 1. A inclusão digital deve proporcionar o exercício da cidadania, abrindo possibilidades de promoção cultural,

Leia mais

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação.

Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. GOVERNANÇA A Fundação Bunge é uma organização comprometida com o desenvolvimento sustentável. Foco: sustentabilidade com ações na área de educação. Missão: contribuir para o desenvolvimento sustentável

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 006/2010 INSTITUI A PLANTA GENÉRICA DE VALORES DO MUNICÍPIO DEFINE CRITÉRIOS PARA LANÇAMENTO DO IMPOSTO PREDIAL E TERRITORIAL URBANO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011

Cidade de São Paulo. 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 Cidade de São Paulo 3ª CLÍNICA INTEGRADA ENTRE USO DO SOLO E TRANSPORTES Rio, out/2011 LOCALIZAÇÃO POPULAÇÃO (Censo 2010) RMSP...19.683.975 habitantes Município de São Paulo...11.253.563 habitantes Estatuto

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009

MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 DOU de 05/10/09 seção 01 nº 190 pág. 51 MINISTÉRIO DAS CIDADES CONSELHO DAS CIDADES RESOLUÇÃO RECOMENDADA N 75, DE 02 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e

Leia mais

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS

Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Secretaria do Planejamento, Gestão e Participação Cidadã SEPLAG/RS Brasília, 21 de fevereiro de 2013 MAPA ESTRATÉGICO: Visão: RETOMAR O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COM EQUIDADE E PARTICIPAÇÃO Sociedade

Leia mais

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011

Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial. Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Desenvolvimento Rural Sustentável na Abordagem Territorial Alexandre da Silva Santos Consultor da SDT/MDA Balneário Camboriu, Novembro de 2011 Apresentação: Território Rural de Identidade; Programa Territórios

Leia mais

Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE. Antônio Carlos Campos

Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE. Antônio Carlos Campos Aula 16 PLANIMETRIA:OS ELEMENTOS DE REPRESENTAÇÃO TERRESTRE META Apresentar os principais elementos que podem figurar nas cartas topográficas. OBJETIVOS Ao final desta aula, o aluno deverá: identificar

Leia mais

Centro Educacional Juscelino Kubitschek

Centro Educacional Juscelino Kubitschek Centro Educacional Juscelino Kubitschek ALUNO: N.º: DATA: / /2011 ENSINO FUNDAMENTAL SÉRIE: 6ª série/7 ano TURMA: TURNO: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: Equipe de Geografia Roteiro e lista de Recuperação

Leia mais

REVISÃO E ATUALIZAÇÃO

REVISÃO E ATUALIZAÇÃO PREFEITURA DE SOROCABA 1ª AUDIÊNCIA PÚBLICA REVISÃO E ATUALIZAÇÃO PLANO DIRETOR DE DESENVOLVIMENTO FÍSICOTERRITORIAL 1 OBJETIVO 1ª Audiência Pública APRESENTAÇÃO DAS PRINCIPAIS PROPOSTAS DE REVISÃO E ATUALIZAÇÃO

Leia mais

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA

EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA EDITAL DO CENTRO DE PROMOÇÃO DA SAÚDE TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 03/2012 TIPO: QUALIFICAÇÃO TÉCNICA O Centro de Promoção da Saúde, entidade privada sem fins lucrativos, inscrita

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos

Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos Agora é Que São Elas! A Construção da Associação das Mulheres do Dunas Fundos Noé Vega Cotta de Mello Joseane da Silva Almeida Projeto de Extensão Habitação de Interesse Social Curso de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR CURSO INTENSIVO III Disciplina: Direito Ambiental Prof. Fabiano Melo Data: 09.12.2009 Aula nº 06 MATERIAL DE APOIO PROFESSOR Lei 4771/65 Art. 2 Consideram-se de preservação permanente, pelo só efeito desta

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COORDENAÇÃO ESTADUAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - COECT INSTITUTO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO JONES DOS SANTOS NEVES - IPES

Leia mais

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE

DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE CANHOBA/SE Josiene Ferreira dos Santos Lima¹-Tecnóloga em Saneamento Ambiental. Aluna do Curso de Geografia (UFS). Pós-Graduanda em Gestão Ambiental e Desenvolvimento

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS Considerando a ratificação do Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, que reconhece o direito de todos a um adequado nível de vida, incluindo alimentação adequada,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Cartografia Sistemática e Temática (IAD319) Prof. pablosantos@ufba.br 08 a Aula INFORMAÇÃO E REPRESENTAÇÃO

Leia mais

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela

A ESTRELA QUE QUEREMOS. Planejamento Estratégico de Estrela Planejamento Estratégico de Estrela 2015 2035 O planejamento não é uma tentativa de predizer o que vai acontecer. O planejamento é um instrumento para raciocinar agora, sobre que trabalhos e ações serão

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA

VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA VERTICALIZAÇÃO E CUSTO DA TERRA: TENDÊNCIAS DE EXPANSÃO DA CIDADE DE CURITIBA Gislene Pereira Universidade Federal do Paraná (UFPR) gislenepereira42@gmail.com Bruna Gregorini Universidade Federal do Paraná

Leia mais

PLANEJAMENTO URBANO ASSESSORADO PELO SIG - SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS

PLANEJAMENTO URBANO ASSESSORADO PELO SIG - SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS PLANEJAMENTO URBANO ASSESSORADO PELO SIG - SISTEMA DE INFORMAÇÕES GEOGRÁFICAS Cristiane Borges de Souza Orientação: Prfª. Drª. Denise Labrea Ferreira Instituto de Geografia Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES

OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES OBJETIVOS DO EVENTO APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA II NIVELAMENTO DAS INFORMAÇÕES DIRIMIR DÚVIDAS COLHER SUGESTÕES MINHA CASA, MINHA VIDA Ampliação das oportunidades de acesso das famílias

Leia mais

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1

Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Revisão Participativa dos Instrumentos de Planejamento e Gestão da Cidade de São Paulo Volume 1 Entenda quais são os Instrumentos de Planejamento e Gestão Urbana que serão revistos Revisão Participativa

Leia mais

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS

CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS 1- Introdução CADASTRO DE LOCALIDADES SELECIONADAS As demandas por informações georreferenciadas são cada vez mais freqüentes nos projetos em desenvolvimento no IBGE. A Base Territorial como um projeto

Leia mais

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA

CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA UCLG Congress Parallel Session: CONSTRUINDO CIDADES E CIDADANIA Inês da Silva Magalhães Secretária Nacional de Habitação - Brasil Cidade do México 18 de novembro de 2010 PRINCIPAIS MARCOS INSTITUCIONAIS

Leia mais

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018.

Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. Sugestões do CREA-BA e Entidades Profissionais para os candidatos ao Governo do Estado, gestão 2015-2018. 1. Considerações iniciais. O Sistema CONFEA/CREA. O Sistema CONFEA/CREA é constituído por um Conselho

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO URBANO SEDURB DIRETORIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS Seminário Internacional Planejamento Urbano em Região Metropolitana - O caso de Aracaju Aracaju,

Leia mais

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis

30/11/2012. do adensamento populacional. crescimento desordenado. ocupação de áreas naturais e frágeis Universidade Metodista Recuperação Ambiental de Áreas Degradadas Impactos gerados pelo uso e ocupação do solo no meio urbano Final século XVIII Revolução Industrial Migração do homem do campo objetivo

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

Compromisso com a Engenharia e o Brasil

Compromisso com a Engenharia e o Brasil Compromisso com a Engenharia e o Brasil Quem Somos SENGE - BA é uma entidade autônoma, sem fins lucrativos, constituída para a coordenação, defesa e representação dos engenheiros e engenheiras da Bahia

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*)

Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) Laboratório de Análise e Tratamento de Imagens de Satélites LATIS (*) RELATÓRIO SOBRE O MONITORAMENTO DA AGROPECUÁRIA EM 33 MUNICÍPIOS NO SUDESTE DO PARÁ EM 2011 Demanda feita em 2009 pelo Ministério da

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas

PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas PUBLICADO DOC 10/01/2012, p. 1 c. todas LEI Nº 15.525, DE 9 DE JANEIRO DE 2012 (Projeto de Lei nº 470/11, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo) Institui o Projeto Estratégico

Leia mais

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação

Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Habitação Ministério das Cidades SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE MEJORAMIENTO DE BARRIOS México - 29 e 30 novembro/2004 Programa Habitar Brasil/BID Governo Federal Processo de Urbanização Brasileiro Crescimento da

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira

Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=590200&page=24 Dinâmica Recente da Rede Urbana Brasileira UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA FACULDADE DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ARQUITETURA E URBANISMO

Leia mais

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos

Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador. Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos produtos Componente 1 Título da Ação Estratégia de Produto Turístico Item 1.4 Objetivos Estudos e projetos para o Oceanário de Salvador Categoria Valorização e gestão de atrativos turísticos e criação de novos

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho)

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) *C0051538A* C0051538A *C0056280A* C0056280A CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º 13, DE 2015 (Da Sra. Moema Gramacho) Dá ao Plenário 16 do Anexo II da Câmara dos Deputados a denominação "Zezéu

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DO MARANHÃO

PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DO MARANHÃO GOVERNO DO PLANO ESTADUAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL DO MARANHÃO Estado de Elaboração, Avaliação do Processo e Contribuições ao Tema Engenharia & Planejamento Rio de Janeiro Agosto, 2011 Órgão responsável

Leia mais

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo)

REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) REVISÃO NOVAFAP-FACID(geografia-Hugo) 1. (Ufu) Na década de 1960, o geógrafo Aziz Nacib Ab'Saber reuniu as principais características do relevo e do clima das regiões brasileiras para formar, com os demais

Leia mais

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01).

Definiu-se como área de estudo a sub-bacia do Ribeirão Fortaleza na área urbana de Blumenau e um trecho urbano do rio Itajaí-açú (Figura 01). Relatório Trimestral 1 RELATÓRIO TRIMESTRAL BOLSISTA/PESQUISADOR: LUCAS DA SILVA RUDOLPHO 1. APRESENTAÇÃO As atividades apresentadas a seguir foram desenvolvidas como etapas do projeto: DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS

Leia mais

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará

Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração. Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará Secretaria de Estado de Indústria, Comércio e Mineração Perspectivas de Empreendimentos e Investimentos em Infraestrutura Logística no Oeste do Pará Pará Um universo de oportunidades Investimentos no Tapajós

Leia mais

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto

Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto Trabalho Social em Programas de Habitação e Desenvolvimento Urbano: Entre o Ideal e o Concreto INÊS MAGALHÃES Secretária Nacional de Habitação Ministério das Cidades Seminário Trabalho Social em Programas

Leia mais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais

GIDES Fortalecimento da Estratégia Nacional de Gestão Integrada em Desastres Naturais SECRETARIA NACIONAL DE ACESSIBILIDADE E PROGRAMAS URBANOS Departamento de Políticas de Acessibilidade e Planejamento Urbano Cooperação Técnica Internacional BRASIL-JAPÃO GIDES Fortalecimento da Estratégia

Leia mais

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ

IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ IDENTIDADE E ORGANIZAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO ESTADO DO PARANÁ O CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO do Estado do Paraná, no uso de suas atribuições legais define a identidade da escola do campo, de modo

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS. Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS. Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO INOVAÇÃO E PROJETOS ESTRATÉGICOS Ações de Apoio ao Desenvolvimento Local Eixos de Ação - SMD Empreende Santa Maria - LC 37/2006 Desenvolvimento sustentável do município;

Leia mais

Relato da Iniciativa

Relato da Iniciativa 1 Relato da Iniciativa 5.1 Nome da iniciativa ou projeto Novo portal institucional da Prefeitura de Vitória (www.vitoria.es.gov.br) 5.2 Caracterização da situação anterior A Prefeitura de Vitória está

Leia mais

GEOGRAFIA. INSTRUÇÃO: Responder à questão 18 com base nas afirmações referentes à água potável no mundo.

GEOGRAFIA. INSTRUÇÃO: Responder à questão 18 com base nas afirmações referentes à água potável no mundo. GEOGRAFIA 16) Qual é a hora solar de uma cidade localizada 25º Oeste, sabendo-se que, no centro do fuso na qual está situada, a hora solar corresponde a 18 horas? A) 18 horas. B) 17 horas e 40 minutos.

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais