Sensoriamento Remoto do Campo de Temperatura da SuperfÍcie do Mar

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sensoriamento Remoto do Campo de Temperatura da SuperfÍcie do Mar"

Transcrição

1 Sensoriamento Remoto do Campo de Temperatura da SuperfÍcie do Mar MÁra Regina Labuto Fragoso da Silva, DSc. Universidade Federal do EspÍrito Santo Resumo Este documento aborda o trabalho da área de Sensoriamento Remoto do Score Central para o Programa REVIZEE com relação à estimativa do campo de temperatura de superfície do mar utilizando imagens adquiridas pelos satélites NOAA-14 e GOES-8. São descritos os processos de aquisição e preparação das imagens, a metodologia utilizada para análise e exibição das imagens, os resultados obtidos, e tecidas algumas considerações quanto ao uso do Sensoriamento Remoto como uma poderosa ferramenta para esta medição oceanográfica. Abstract This document deals with the work of the Central Score Remote Sensing area for REVIZEE Programme, concerned on the sea surface temperature estimation, using images acquired from NOAA-14 and GOES-8 satellites. It describes proceedings on images acquisition and preparation, the methodology used for image analysis and exhibition, results and some considerations in respect to Remote Sensing as a powerful tool for this oceanographical measurement. Palavras-chave Satellite Oceanography Remote Sensing Sea Surface Temperature Sensoriamento Remoto Temperatura de SuperfÍcie do Mar Siglas e Abreviaturas AVHRR - Advanced Very High Resolution Radiometer CPTEC Centro de PrevisÃo de Tempo e Clima GMT Greenwich Meridian Time GIF Graphical Interface File GOES - Geostationary Operational Environmental Satellite HRPT - High Resolution Picture Transmission

2 INPE Instituto nacional de Pesquisas Espaciais MCSST - Multi-channel Sea Surface Temperature NASA National Aeronautics and Space Administration NOAA - National Oceanographic and Atmospheric Administration Satellite PIRATA - Pilot Research Moored Array in the Tropical Atlantic PNB³IA - Programa Nacional de BÓias SIG - Sistemas de InformaÇÃo GeogrÁfica TSM Temperatura de SuperfÍcie do Mar UFES Universidade Federal do EspÍrito Santo IntroduÇÃo O oceano É um sistema complexo, com movimento e variabilidade em todas as escalas espaciais e temporais, e o instrumento mais usado pela oceanografia tradicional o navio não fornece uma série temporal em um ponto fixo determinado, nem fornece uma carta espacial sinótica em um tempo fixo determinado. Com o desenvolvimento da oceanografia por satélite, podemos ter mais um instrumento oceanográfico para colher informações, envolvendo alta tecnologia, capaz de reduzir os custos da monitoração in situ, embora ainda limitado a uma pequena camada de superfície do mar. Conforme citado no Programa REVIZEE (apud SILVA, M. R. L. F., 1997):...deverÁ ser objeto de atenção o emprego do Sensoriamento Remoto capaz de fornecer informações sobre temperatura......durante a execução do projeto REVIZEE deverão ser coletados dados dos sensores AVHRR-NOAA para determinação do campo de temperatura da superfície do mar (TSM)... Portanto, de acordo com o acima citado, procedeu-se ao Sensoriamento Remoto do Campo de Temperatura da SuperfÍcie do Mar (de agora em diante denominada apenas de Temperatura de SuperfÍcie do Mar = TSM) na RegiÃo da Costa Central do Brasil definida pelo projeto REVIZEE (Score Central) usando o sensor AVHRR do satélite NOAA no período entre 1998 e PorÉm, a partir de outubro de 2000, o NOAA-14 (lançado em dezembro 1994), começava a dar sinais de término de sua vida Útil, apresentando problemas de

3 calibração. De fato, em 21 de março de 2001, foi lançado o satélite NOAA-16 para substituí-lo. Uma vez que já não se podia contar com o NOAA-14 e no intuito de prosseguir com a estimativa de TSM, a estratégia adotada pela Área de Sensoriamento Remoto do Score Central foi operacionalizar a utilização dos dados do satélite GOES-8 para a estimativa sistemática da TSM. e GOES-8. Portanto, para a estimativa da TSM foram utilizados dados dos satélites NOAA-14 Metodologia de AnÁlise rea de Estudo A Área de estudo para as imagens NOAA compreendeu o retângulo definido por: latitude entre S e longitude entre W. A área de abrangência desse estudo, portanto correspondeu a ZEE desde Salvador (BA) até o Cabo de São Tomé (RJ), incluindo o Arquipélago dos Abrolhos e os bancos submersos da Cadeia Vitória- Trindade. O limite de latitude da Área descrita no Programa REVIZEE para o Score Central (23 S) foi estendido para a latitude de 27 S a fim de possibilitar a observação de conhecidas zonas de ressurgência, principalmente nos estados do Rio de Janeiro e Santa Catarina, e suas possíveis influências na região de interesse. A Área de estudo para as imagens GOES, devido À sua baixa resolução, compreendeu toda a costa brasileira. Faixa espectral O Sensoriamento Remoto espacial se fundamenta em medidas da radiação eletromagnética que chegam a um sensor a bordo de um satélite e podem caracterizar o estado ou inferir propriedades do mar. A escolha das faixas espectrais a serem utilizadas depende do espectro da transmissão atmosférica e da aplicação. Para a correlação com a temperatura, usa-se a região do infravermelho termal que compreende a faixa entre µm de comprimento de onda. SatÉlites, Sensores e BÓias Os seguintes dados foram utilizados: Dados de imagem do satélite National Oceanographic and Atmospheric Administration Satellite (NOAA-14) com o sensor Advanced Very High

4 Resolution Radiometer (AVHRR). O sistema NOAA possui dois satélites operando simultaneamente, em Órbitas síncronas ao Sol, separadas de 90 de longitude, de modo que possa haver uma passagem de manhã e outra À tardenoite no mesmo ponto imageado. Foram usados dados diários do sensor AVHRR do satélite NOAA-14 1 pois este satélite fornecia o melhor horário em sua trajetória para a região utilizada neste trabalho (entre 15-19h), buscandose evitar a termoclina diurna. Foi usada a melhor definição possível do sensor AVHRR, ou seja, o modo High Resolution Picture Transmission (HRPT), transmitido diretamente À estação de terra, em tempo real, onde um pixel 2 equivale no mar a uma Área aproximada de 1,1Km X 1,1Km. Dados de imagem do satélite Geostationary Operational Environmental Satellite (GOES-8) canais 4 e 5, infravermelhos, similares ao AVHRR-NOAA. Embora sua resolução fosse mais baixa do que a do NOAA (um pixel equivale no mar a uma Área aproximada de 4,5Km X 4,5Km), sua resolução temporal era de apenas 30 minutos. Esta vantagem do GOES na resolução temporal possibilitou maior facilidade na obtenção da estimativa da TSM em tempo quase real. AlÉm disso, a sua cobertura espacial (geoestacionário posicionado na longitude de 75 W) permitiu a cobertura de grande parte dos oceanos PacÍfico e AtlÂntico, o que possibilitou observar o comportamento da variação da TSM em toda a costa da AmÉrica do Sul. Cada imagem diária foi composta pela TSM máxima do dia, a fim de se eliminar boa parte dos ruídos e dos pixels contaminados por nuvem. Dados de bóias fixas do projeto PIRATA 3 próximas À costa Norte e Nordeste brasileira e bóias de deriva do projeto PNB³IAS (PNB³IAS, 1999) da Marinha do Brasil lançadas na costa Nordeste do Brasil. Estas bóias forneceram a TSM diária média obtida a aproximadamente um metro de profundidade. As bóias, em um total de onze (11), forneceram em média, cada bóia, cinco (5) medidas diárias de TSM. Foram, portanto, em média 55 dados de TSM diários de bóias. Banco de Imagens Foram gerados os seguintes bancos de imagens: 1 Este satélite era o mais recente na Época do início deste trabalho operando em conjunto com o NOAA-15 (lançado em maio de 1998). 2 Pixel (Picture Element) É o menor elemento de uma imagem. 3 Acesso em 10 de fevereiro de 2005.

5 Banco de imagens diárias da região central do Brasil processadas a partir de dados do sensor AVHRR do satélite NOAA-14 da NASA contendo classificação de temperatura de superfície do mar, no período outubro/1998 a outubro/2000. Banco de imagens diárias da região central do Brasil processadas a partir de dados do satélite GOES-8 da NASA e bóias do projeto PIRATA e Marinha do Brasil, contendo classificação de temperatura de superfície do mar, no período julho/2002 a fevereiro/2003. PrÉ-processamento Todas as imagens - tanto as adquiridas pelo NOAA quanto as adquiridas pelo GOES - foram pré-processadas no CPTEC/INPE. O pré-processamento consistiu em: CorreÇÃo radiométrica: calibração dos dados dos sensores de acordo com informações do fabricante; ConversÃo Sensor-TSM: conversão do sinal que chega ao sensor do satélite para TSM. Para as imagens NOAA normalmente utiliza-se o modelo de MCCLAIN (1989), denominado de MCSST (Multi-channel Sea Surface Temperature). Este modelo sofre ajuste sistemático ao longo do tempo, já que se fundamenta em uma equação linear de regressão entre dados dos canais AVHRR infravermelho e dados de bóias colocadas nos oceanos. A distribuição das bóias nos oceanos É desigual, sendo muito mais freqüentes no hemisfério norte e, portanto, não representam as situações atmosféricas locais na costa do Brasil, provocando erros superiores a 1,0 C na TSM global via MCSST, quando utilizado em escala regional (SOBRINO ET. AL, 1991; FRAN A E CRACKNELL, 1994). FRAN A ET AL. (1996) implantaram uma nova metodologia, usada neste projeto, utilizando o AVHRR/NOAA-14 juntamente com dados in situ obtidos pelas bóias brasileiras do projeto PIRATA e PNB³IA, aumentando a precisão da estimativa de TSM. Para as imagens GOES foi implementada por FRAN A ET AL. (2000) no CPTEC (INPE) uma nova metodologia para a estimativa de TSM, baseada na equação clássica chamada split-window onde os coeficientes regionais foram estimados por regressão linear baseando-se em dois bancos de dados distintos

6 para a variável dependente (TSM) da equação. A estimativa da TSM adquirida pelo GOES foi primeiramente correlacionada com a TSM adquirida através de dados NOAA e, posteriormente, com dados de TSM in situ obtidos de bóias fixas do projeto PIRATA e de bóias a deriva da Marinha do Brasil. A estimativa de TSM GOES-8 via bóias É de grande importância, já que se tem um produto independente de satélite da série NOAA-n. Esta independência permite uma TSM de melhor precisão, pois diminui a propagação de erros e permite que os coeficientes sejam mais facilmente atualizados com os dados de bóias regionais. CorreÇÃo geométrica: georreferenciamento dos pixels da imagem segundo processamento padrão da estação de recepção; Mascaramento de nuvens: FRAN A E CRACKNELL (1995) apresentam a metodologia de filtragem de nuvem (mascaramento) desenvolvida, testada e implementada para regiões equatorial/tropical, utilizada no CPTEC (INPE) para o REVIZEE Score Central no processo de estimativa da TSM. Processamento das imagens NOAA ApÓs o pré-processamento, as imagens TSM adquiridas pelo NOAA/AVHRR geradas foram transmitidas para o LaboratÓrio de Processamento de Imagens do REVIZEE Score Central (UFES) para processamento que consistiu em: ValidaÇÃo das imagens, utilizando informações do Programa Nacional de BÓias, que possui uma rede de bóias de deriva rastreadas por satélites dentro da região estudada, e tem como um de seus objetivos a validação de dados de satélites,... em particular o campo de TSM... (PNB³IAS, 1999); ClassificaÇÃo das Imagens, mapeando as imagens em uma série de classes com intervalos discretos ( Density Slice ) usando a gama de cores (paleta) arco-íris, abrangendo as faixas entre 0-30 C, a intervalos de 1 em 1 C. Esta escolha se deveu ao fato desta paleta possuir cores quentes e frias, correlacionadas intuitivamente com a temperatura. Foi usado um efeito dégradé 4 entre as cores do arco-íris, para realçar o contraste em temperaturas próximas, possibilitando melhor definição de frentes termais, vórtices e zonas de 4 DisposiÇÃo dos matizes de uma cor, onde a cor vai gradativamente perdendo intensidade.

7 ressurgência, tomando como base a paleta "zebra" usada por HOOKER, S. B. ET AL. (1995). TambÉm foram inseridas linhas batimétricas a partir da linha de costa de: 100, 200, 500, 1000, 2000, 3000, 4000 e 5000 metros; Registro GeogrÁfico Imagem-Mapa, ajuste geográfico na imagem utilizando pontos de controle no terreno e a técnica de alocação de vizinho mais próximo ( Nearest Neighbor Resampling ), onde o valor atribuído ao pixel da nova imagem georreferenciada É o mesmo valor do pixel que se encontra mais próximo da posição ocupada por este pixel na imagem sem ajuste. Esta técnica foi escolhida por ser a Única a não produzir alteração no valor do pixel (que neste caso É a própria medida de TSM), diferentemente de outras técnicas onde se utilizam diversas médias ou interpolação; Ajuste de Tamanho da Imagem e Pixel de ReferÊncia, a fim de possibilitar operações matemáticas em um conjunto de imagens e casamento de imagens em seqüência para filme; GeraÇÃo de ferramentas para análise (SILVA, M. R. L. F., 2003; SILVA, M. R. L. F. ET AL, 2001), englobando: nova metodologia para remoção de nuvem (agrupamentos naturais); nova metodologia para redução de dados (agrupamento por Índice de semelhança) - desenvolvida para o REVIZEE com base nas similaridades ou distâncias usando Índice de semelhança específico para o REVIZEE, considerando informações das Áreas de pesca e biologia marinha; análise de Componentes Principais; média aritmética realizada pixel a pixel, excluindo-se em cada grupo os pixels contaminados por nuvem (mensal e anual); desvio da média anual (subtração: imagem média mensal imagem média anual), imagem desvio janeiro-julho 5 (subtração: imagem média de janeiro imagem média de julho), imagem desvio verão-inverno 6 (subtração: imagem média composta pelas imagens médias dos meses de dezembro, janeiro e fevereiro imagem média composta pelas imagens médias dos meses junho, julho e agosto); 5 Usado por LEVITUS, S. (1982) para análise de variabilidade sazonal. 6 Usado por PEIXOTO, J.P., OORT, A. H. (1992) para análise de variabilidade associada ao ciclo anual, maior do que a sazonal.

8 GeraÇÃo de Arquivo GrÁfico para ImpressÃo de todas as imagens em formato GIF. Um exemplo de composição de imagens TSM do satélite NOAA-14 com média pixel-a-pixel (excluindo nuvens) no período 1 a 7/12/1998 É apresentada no Anexo 1; GeraÇÃo do aplicativo TSMSAT (tela de entrada mostrada no Anexo 2): CDROM contendo as imagens diárias de TSM do satélite NOAA/AVHRR no período de um ano (dezembro de 1998 a novembro de 1999), as imagens validadas por dados de bóias in situ e vários programas envolvendo ferramentas para análises estáticas e/ou dinâmicas (através de animação): análises temporais naturais (agrupamento até que a imagem não possua nuvens), mensais e anuais; análises espaciais variadas (ajustadas por zoom ) e análise estatística (média, desvio da média, diferença verão-inverno, diferença janeiro-julho). Processamento das imagens GOES As imagens adquiridas pelo satélite GOES foram processadas no CPTEC/INPE. FRAN A ET AL. (2000) descrevem os processamentos que consistiram em: Ajuste de imagem NOAA-GOES: Foram escolhidas cerca de 60 imagens de TSM NOAA/AVHHR-14 e GOES-8 de 1998 e 1999, onde neste conjunto estaria uma amostra sazonal e regional da Costa Brasileira. A TSM AVHRR/NOAA-14 foi colocada na projeção eqüidistante, com resolução espacial de 1,5 km usando a interpolação do vizinho mais próximo. No sentido de tornar compatível a resolução da TSM AVHRR e dados GOES (este com resolução de aproximadamente entre 4,5-5 km na região em estudo), o dado de AVHRR foi degradado por um fator de 4, isto É, cada pixel AVHRR, tornou-se a média de 4 pixels por 4 pixels. CalibraÇÃo de dados GOES através dos dados NOAA: O objetivo foi encontrar a temperatura de brilho do Canal 4, Canal 5 e Ângulo zenital (Z) na imagem GOES, na mesma latitude e longitude da TSM da imagem NOAA de referência. Problema encontrado: o ajuste não poderia ser feito para toda a Costa Brasileira com a mesma precisão regional, ou seja, o ideal seria dividir em setores sudeste e nordeste.

9 Ajuste para a região sudeste: A região estudada compreendeu as latitudes (20 S-40 S) e longitudes (24 W-64 W). O resultado sazonal ficou com um desvio padrão médio em torno de 0,7. Ajuste para a região nordeste: A região estudada compreendeu a latitude (10 N e 20 S) e longitude (24 W e 64 W). O resultado sazonal ficou com o desvio padrão médio igual ao do sudeste. CalibraÇÃo de dados GOES através dos dados de bóias: um programa gerado extraiu automaticamente, diariamente, a TSM da bóia e os dados de satélite na mesma latitude e longitude e mesmo horário (GMT). GeraÇÃo de Arquivo GrÁfico para ImpressÃo de todas as imagens em formato GIF. Um exemplo de composição de imagens TSM do satélite GOES-8 com a média dos valores de pixel mais quentes de cada dia (máxima do dia) no período 6 a 8/10/2000 É apresentada no Anexo 3. PrecisÃo da Medida A precisão da temperatura de superfície do mar ficou 0,5 C para o NOAA e 1 C para o GOES, consideradas como as melhores precisões já alcançadas para estes satélites para a região de estudo. Resultados O sensoriamento remoto difere de outras técnicas tais como cartografia temática e sistemas de informação geográfica (SIG), pois o sensoriamento remoto capta informação enquanto os outros métodos citados organizam e apresentam informação já disponibilizada. Neste contexto, pode-se declarar que o sensoriamento remoto funciona como um dispositivo de medição adequado para médias e largas escalas espaciais e temporais. Outra vantagem do sensoriamento remoto marinho É a oportunidade de se acessarem dados que já foram captados anteriormente pelo mesmo sensor e se usarem novas técnicas de processamento em dados antigos, proporcionando novas descobertas. Alguns usos potenciais de imagens de temperatura de superfície do mar adquiridas por satélite são:

10 Climatologia: fornece uma base de dados com maior variabilidade espacial e temporal do que os navios; MudanÇas globais na temperatura de superfície do mar: fornece séries a curto, médio e longo prazo das variações na temperatura de superfície do mar; Resposta atmosférica Às anomalias de temperatura de superfície do mar: fornece desvios da média (anomalias) na temperatura de superfície do mar, assim como médias semanais, mensais, anuais, etc., em um determinado local durante um determinado período de tempo; PrediÇÃo de tempo: fornece acompanhamento de sistemas de condições meteorológicas, como ciclones tropicais; Fluxo de calor no oceano: fornece medição e acompanhamento de gradientes de temperatura de superfície do mar; ConvecÇÃo e formação de massa de Água: fornece deteção de zonas com pequeno esfriamento na superfície em curtos períodos de tempo; Oceanografia dinâmica: fornece informação sobre processos dinâmicos que ocorrem na parte superficial do oceano, como propagação de ondas, redemoinhos, ressurgências, meandros de correntes, movimento das marés; PoluiÇÃo: fornece deteção de manchas de Óleo (que alteram a temperatura de superfície do mar na região), plumas de esgoto. Com o uso de informações provenientes da geração do banco de imagens de TSM do REVIZEE, SILVA, M. R. L. F. (2002) descreve uma nova metodologia para detectar e eventualmente quantificar vórtices e meandros em correntes conhecidas (como a Corrente do Brasil). Selecionam-se eixos ou perfis nas imagens com a inclinação da trajetória principal seguida pela corrente a ser estudada na região. São apresentadas duas metodologias para visualização e análise dos dados: visualização de TSM por eixo ao longo de um período; visualização de TSM média no período por pixel ao longo de cada eixo. Algumas ferramentas para análise das imagens de TSM geradas para o REVIZEE (SILVA, M. R. L. F., 2002) e implementadas no aplicativo TSMSAT são listadas na

11 Tabela 1 e alguns exemplos de análise observados nas imagens de TSM geradas são listados na Tabela 2, ambas mostradas a seguir: Tabela 1: Algumas ferramentas para análise nas imagens de TSM geradas AnÁlises anuais no período dezembro de 1998 a novembro de 1999, para coincidir com as estações do ano: (a) MÉdia anual: dezembro 1998 a novembro 1999; (b) Desvio janeiro-julho: janeiro 1999 julho 1999; (c) Desvio verão-inverno: média verão (dez/jan/fev) média inverno (jun/jul/ago). (a) (b)

12 (c) Tabela 2: Alguns exemplos de análise observados nas imagens de TSM geradas OscilaÇÃo sazonal no limite setentrional da corrente costeira fria (Ilha de SÃo SebastiÃo SP/julho 1999), que pode ser a causa da variação de até -4 C em relação À média anual, quando observam-se reduções de temperatura de superfície do mar menores, fora desta região.

13 InfluÊncia do alargamento da plataforma continental na região de Abrolhos. Isto pode estar relacionado Às anomalias positivas em dezembro de 1998 nesta região. RessurgÊncia em dezembro de 1998 em pequena Área da plataforma adjacente ao Cabo Frio, com anomalia negativa, próximo À costa. Entre o Cabo de SÃo TomÉ e VitÓria, outra anomalia negativa acompanha a quebra da plataforma continental, possivelmente indicando ressurgência associada À topografia.

14 Uma análise das imagens de TSM resultantes realizada pelas Áreas de ProspecÇÃo de Estoques, DinÂmica de PopulaÇÕes, AvaliaÇÃo de Estoques e EstatÍstica Pesqueira, do Score Central do Programa REVIZEE, concluiu como possíveis aplicações: 1. DeterminaÇÃo do padrão sazonal de variação da temperatura superficial como subsídio À delimitação de Áreas de distribuição biogeográficas; 2. AplicaÇÃo em modelos atmosféricos de trocas de calor entre o oceano e a atmosfera; 3. DeterminaÇÃo de padrões de variação de correntes superficiais oceânicas e costeiras, principalmente a Corrente do Brasil; 4. VerificaÇÃo de ocorrência de vórtices ou anéis de correntes oceânicas, os quais podem ter implicações importantes na produtividade biológica; 5. DeterminaÇÃo de Áreas de ocorrência de ressurgências costeiras ou oceânicas, principalmente aquelas que podem ocorrer próximo aos bancos e montes submarinos (geradas por obstáculos físicos) que são de pequena escala temporal e espacial e portanto de difícil observação através de cruzeiros científicos ou bóias; 6. AssociaÇÃo de campos de temperatura com desembarques da frota pesqueira comercial visando um aumento de produtividade da pesca de peixes pelágicos; 7. AssociaÇÃo de diferentes faixas de temperatura superficial com distribuição e abundância do fitoplâncton, zooplâncton e ictioplâncton. DiscussÃo Existem alguns problemas na exploração do oceano através do uso de Sensoriamento Remoto: um deles É a necessidade de se lidar com o mais vasto número de observações disponíveis, ou seja, a habilidade de se lidar com grandes conjuntos de dados ao invés de observações individuais; outro problema É que, uma vez que os dados adquiridos por Sensoriamento Remoto estão restritos À superfície do mar, existe a necessidade de relacioná-los Às estruturas internas, tridimensionais. Como se pode concluir, sempre existirá a necessidade de medidas dentro do oceano.

15 AlÉm dos problemas citados, nem sempre foi conseguida uma imagem válida (contendo alguma informação) em período diário, pois no intervalo de aquisição houveram dias de quase 100% de nuvens (problemas meteorológicos) e dias em que houveram problemas com a transmissão do satélite (problemas técnicos). E para um parâmetro com variação tão dinâmica quanto a temperatura de superfície do mar, o intervalo de aproximadamente 24 horas não foi tão pequeno quanto se desejava... PorÉm, no caso de medições in situ, o tempo de deslocamento da embarcação não permite uma medição instantânea em grandes Áreas, como no sensoriamento remoto. A inclusão do Sensoriamento Remoto como ferramenta na estimativa da TSM deve-se ao fato deste método ser ideal para observar o comportamento dinâmico do parâmetro, sua evolução, em grandes Áreas e no menor intervalo de tempo possível. Assim, uma vez obtida a seqüência de imagens válidas, o principal problema no uso das imagens de satélite foi a descontinuidade em imagens subseqüentes devido a Áreas cobertas por nuvens. Uma tentativa de resolver este problema foi o agrupamento natural de imagens, embora com o custo do aumento do intervalo de tempo (afinal, não se pode ganhar sempre!). Outro problema encontrado foi a baixa precisão na medida na Área de estudo, devido ao fato da correção atmosférica usada na literatura e fornecida pela NASA ser mais adequada ao hemisfério norte, já que este hemisfério detém maior concentração de bóias para aferição. Este problema foi resolvido adequando-se o algoritmo de correção atmosférica aos modelos atmosféricos locais juntamente com o uso de dados das bóias do Projeto PIRATA e PNB³IAS - também locais - possibilitando a melhor precisão da medida de TSM assim como a validação das imagens que apresentavam problemas de calibração do sensor do satélite. Verificou-se, também, que a redução de dados nem sempre era o desejado e que, para a observação de alguns fenômenos oceanográficos, os dados qualitativos ou comparativos eram preferíveis aos dados quantitativos. Ou seja, em alguns casos, melhor seria detetar um vórtice, um meandro, uma frente, observar, monitorar, acompanhar seu movimento, sem necessidade de muita precisão na medida. A geração de filmes possibilitou um acompanhamento dinâmico e as ferramentas estatísticas complementaram a análise de variabilidade do parâmetro.

16 Considera-se o presente trabalho, portanto, uma ferramenta Útil no estudo da variabilidade do campo de temperatura de superfície do mar. ReferÊncias BibliogrÁficas FRAN A, G. B.; CARVALHO, W.S.; GONDIM, M.A., 2000, Estimativa da Temperatura da SuperfÍcie do Mar utilizando o GOES-8 no CPTEC/INPE. In: Anais do XI Congresso Brasileiro de Meteorologia, de outubro de 2000, Rio de Janeiro, RJ. FRAN A, G. B., FRAN A, J. R. A., GONDIM, M. A., 1996, "ImplantaÇÃo do PrÉ- Processamento e Produtos Quantitativos para os Dados AVHRR dos SatÉlites da SÉrie NOAA-N". In: Anais do IX Congresso Brasileiro de Meteorologia, v.1, pp , Campos do JordÃo, novembro de FRAN A. G. B.; CRACKNELL, A. P., 1995, A simple cloud masking approach using NOAA AVHRR daytime data for tropical areas, International Journal of Remote Sensing, 9, FRAN A. G. B.; CRACKNELL, A. P., 1994, Retrieval of land and sea surface temperature using NOAA-11 AVHRR data in north-eastern Brazil, International Journal of Remote Sensing, 15, HOOKER, S. B., BROWN, J. W., KIRWAN JR., A. D., 1995, "Detecting "Dipole Rings" Separatrices with Zebra Palettes", IEEE Transactions on Geoscience and Remote Sensing, v.33, n.6, pp LEVITUS, S.,1982, Climatological Atlas of the World Ocean, NOAA Professional Paper, No 13, U. S. Government Printing Office, Washington, D. C., 163pp. MCCLAIN, E. P., 1989, Global sea surface temperatures and cloud clearing for aerosol optical depth estimates, International Journal of Remote Sensing, 10, PEIXOTO, J.P., OORT, A. H., 1992, Physics of Climate, American Institute of Physics, (prefaciado por Edward N. Lorenz, MIT), 520 pp. PNB³IAS, 1999, Programa Nacional de BÓias. DisponÍvel em: <http://www.dhn.mar.mil.br/chm/pnboia/default.htm>. Acesso em: 10 de fevereiro de 2005.

17 SILVA, M.R.L.F., 2003, ReduÇÃo de Dados baseada em ndice de SemelhanÇa aplicada em Imagens Orbitais de Temperatura de SuperfÍcie do Mar. In: Anais da III Escola Regional de InformÁtica, outubro de 2003, VitÓria, ES, Sociedade Brasileira de ComputaÇÃo (SBC), vol 1, pp 1-8. SILVA, M.R.L.F., 2002, "AplicaÇÕes de TSM Orbital em Engenharia OceÂnica", Tese Doutorado (COPPE OceÂnica/UFRJ), Setembro 2002, Rio de Janeiro, Brasil, UFRJ, 139 p. SILVA, M.R.L.F., VALENTINI, E., MENDON A, G. V, 2001, Programa REVIZEE: Metodologia para Estudo da Variabilidade da Temperatura de SuperfÍcie do Mar Adquirida por SatÉlite, Revista Pesquisa Naval, 14, outubro de 2001, XXV CapÍtulo, pp SILVA, M.R.L.F., 1997, "Uso de Imagens de SatÉlite no Programa de AvaliaÇÃo do Potencial SustentÁvel de Recursos Vivos na Zona EconÔmica Exclusiva (Programa REVIZEE)". In: Anais do XII SimpÓsio Brasileiro de Recursos HÍdricos, Novembro 1997, VitÓria, Brasil, AssociaÇÃo Brasileira de Recursos HÍdricos (ABRH), vol.4, pp SOBRINO, J. A., COLL, C., AND CASELLES, V., 1991, Atmospheric Correction for land surface temperature using NOAA-11 AVHRR channel 4 and 5, International Journal of Remote Sensing, 38, Anexos

18 Anexo 1 Exemplo de Imagem final NOAA Anexo 2 Tela inicial do TSMSAT

19 Anexo 3 Exemplo de Imagem final GOES

Oceanografia por Satélites

Oceanografia por Satélites Oceanografia por Satélites Radiômetro de Infra Vermelho. Aplicação em Medidas de TSM Paulo S. Polito, Ph.D. polito@io.usp.br Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo http://los.io.usp.br Laboratório

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE

INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE INCORPORAÇÃO DE IMAGENS AVHRR NO MODELO ITPP5.0 PARA CLASSIFICAÇÃO DE PADRÕES DE NEBULOSIDADE Jorge Luiz Martins Nogueira Nelson Jesus Ferreira Eduardo Jorge de Brito Bastos Ana Silvia Martins Serra do

Leia mais

PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL. Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki

PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL. Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki PROCESSAMENTO DOS DADOS AVHRR DO SATÉLITE NOAA E APLICAÇÃO SOBRE A REGIÃO SUL DO BRASIL Leonid Bakst Yoshihiro Yamazaki Universidade Federal de Pelotas - UFPel Centro de Pesquisas Meteorológicas CPMet

Leia mais

GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO

GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DERIVADOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA NO AGRITEMPO JOÃO FRANCISCO GONÇALVES ANTUNES 1, JÚLIO CÉSAR D. M. ESQUERDO 2 1 Matemático, Pesquisador, Embrapa Informática Agropecuária,

Leia mais

1 a Lista de Exercícios

1 a Lista de Exercícios UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO OCEANOGRÁFICO IOF1202 - Oceanografia Física Descritiva Arquivo obtido em: http://www.danilorvieira.com/ 1 a Lista de Exercícios 2 a Semestre de 2007 Aluno Danilo Rodrigues

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO

ABSTRACT 1. INTRODUÇÃO MONITORAMENTO DE NUVENS DE GELO E DE ÁGUA LÍQUIDA SUPER-RESFRIADA SOBRE AS REGIÕES SUL E SUDESTE DO BRASIL UTILIZANDO-SE IMAGENS MULTIESPECTRAIS DO GOES-8 Nelson Jesus Ferreira Cláudia Cristina dos Santos

Leia mais

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05

INFOCLIMA, Ano 11, Número 11 INFOCLIMA. Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 11 de novembro de 2004 Número 11 Previsão de Consenso 1 CPTEC/INPE e INMET para o trimestre Dezembro/04 a fevereiro/05 CARACTERIZADO O INÍCIO DO FENÔMENO

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11 Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2010-2011 17/05/11 1 / 16 Tipos de resolução

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil

Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Intercomparação de produtos AQUA&TERRA/MODIS e Suomi-NPP/VIIRS sobre o Brasil Jurandir Ventura Rodrigues 1 Simone Sievert da Costa 1 Rogério da Silva Batista 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014

MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014 MundoGEOXperience - Maratona de Ideias Geográficas 07/05/2014 ANÁLISE DE TÉCNICAS PARA DETECÇÃO DE MUDANÇA UTILIZANDO IMAGENS DO SENSORIAMENTO REMOTO DESLIZAMENTOS EM NOVA FRIBURGO/RJ EM 2011 Trabalho

Leia mais

Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais Centro de Tecnologias Especiais - LAS/CTE/INPE São José

Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais Centro de Tecnologias Especiais - LAS/CTE/INPE São José ANOMALIA DA REFLETIVIDADE PLANETÁRIA DA AMÉRICA DO SUL MEDIDO PELO EXPERIMENTO ALBEDO DO SATÉLITE SCD2 DO INPE Dr. Nelson Veissid (nelson.veissid@gmail.com) Laboratório Associado de Sensores e Materiais

Leia mais

Colóquio APMG 201405. Um Inverno particular. Pedro Viterbo Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Agradecimentos: Julia Slingo, UK Metoffice

Colóquio APMG 201405. Um Inverno particular. Pedro Viterbo Instituto Português do Mar e da Atmosfera. Agradecimentos: Julia Slingo, UK Metoffice Colóquio APMG 201405 Um Inverno particular Pedro Viterbo Instituto Português do Mar e da Atmosfera Agradecimentos: Julia Slingo, UK Metoffice APMG 201405 Colóquio APMG 201405 Com as devidas desculpas a

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR

MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR MAPEAMENTO DA COBERTURA VEGETAL DE ÁREAS DE GRANDE EXTENSÃO ATRAVÉS DE MOSAICOS DE IMAGENS DO NOAA-AVHRR Maria G. Almeida 1, Bernardo F. T. Rudorff 2, Yosio E. Shimabukuro 2 graca@dppg.cefetmg.br, bernardo@ltid.inpe.br,

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

INFORMATIVO CLIMÁTICO

INFORMATIVO CLIMÁTICO GOVERNO DO MARANHÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO NÚCLEO GEOAMBIENTAL LABORATÓRIO DE METEOROLOGIA INFORMATIVO CLIMÁTICO MARANHÃO O estabelecimento do fenômeno El Niño - Oscilação Sul (ENOS) e os poucos

Leia mais

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO

ABSTRACT. Palavras-chave: Aviso Meteorologia Especial, INMET, São Paulo. 1 - INTRODUÇÃO Avisos Meteorológicos Especiais: Um Estudo de Caso para a Cidade de São Paulo-SP Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Wagner de Aragão Bezerra². 1, 2 Meteorologista, Instituto Nacional de Meteorologia

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Aula 3 - Registro de Imagem Registro é uma transformação geométrica que relaciona as coordenadas da imagem (linha e coluna) com as coordenadas geográficas (latitude e longitude)

Leia mais

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Gabriela Junqueira da Silva¹, Marcelo de Paula Corrêa¹, Ana Paula Figueiredo¹

Leia mais

Análise da influência de eventos de El Niño e La Niña na descarga da Sardinhaverdadeira (Sardinella brasiliensis), no litoral do estado de São Paulo

Análise da influência de eventos de El Niño e La Niña na descarga da Sardinhaverdadeira (Sardinella brasiliensis), no litoral do estado de São Paulo Análise da influência de eventos de El Niño e La Niña na descarga da Sardinhaverdadeira (Sardinella brasiliensis), no litoral do estado de São Paulo Mestrando: Leonardo Martí Orientador: Dr. Marcos E.

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana

Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Variabilidade temporal de índice de vegetação NDVI e sua conexão com o clima: Biomas Caatinga Brasileira e Savana Africana Humberto Alves Barbosa 1, Ivon Wilson da Silva Júnior 2 1 PhD, LAPIS/UFAL Maceió

Leia mais

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Correia, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (2) ; Oliveira, V.G. (3) ; Correia, D. S. (4) ; Brito, J.I.B. (5) dariscorreia@gmail.com (1) Mestranda

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Figura 1 Localização da bacia do rio São Francisco. Fonte: Acessado em 01/02/2009.

Figura 1 Localização da bacia do rio São Francisco. Fonte:<http://siscom.ibama.gov.br/msfran/uploads/images/fig1_1.jpg> Acessado em 01/02/2009. Variabilidade Temporal da Vazão e Precipitação no Alto e Baixo São Francisco Karine Mirieli dos Santos Costa Maria Elisa Siqueira Silva Elaine Rosângela da Silva Departamento de Geografia - Universidade

Leia mais

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7

INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 11 15 de julho de 2004 Número 7 Previsão de Consenso 1 INMET e CPTEC/INPE PREVISÃO DE NORMALIDADE DAS CHUVAS E DAS TEMPERATURAS NA MAIOR PARTE DO PAÍS Sumário

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil

Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil Variabilidade na velocidade do vento na região próxima a Alta da Bolívia e sua relação com a precipitação no Sul do Brasil Luiz Carlos Salgueiro Donato Bacelar¹; Júlio Renato Marques ² ¹Aluno graduando,

Leia mais

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07

INMET/CPTEC-INPE INFOCLIMA, Ano 13, Número 07 INFOCLIMA. BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 INFOCLIMA BOLETIM DE INFORMAÇÕES CLIMÁTICAS Ano 13 13 de julho de 2006 Número 07 PERMANECE A TENDÊNCIA DE CHUVAS ABAIXO DA MÉDIA NA REGIÃO SUL SUMÁRIO EXECUTIVO A primeira semana da estação de inverno,

Leia mais

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015

INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 INFORME SOBRE O VERÃO 2014-2015 1. INTRODUÇÃO A estação do verão inicia-se no dia 21 de dezembro de 2014 às 20h03 e vai até as 19h45 do dia 20 de março de 2015. No Paraná, historicamente, ela é bastante

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

SISTEMA PARA A GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA PARA MONITORAMENTO AGRÍCOLA RESUMO

SISTEMA PARA A GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA PARA MONITORAMENTO AGRÍCOLA RESUMO SISTEMA PARA A GERAÇÃO AUTOMÁTICA DE PRODUTOS DE IMAGENS AVHRR-NOAA PARA MONITORAMENTO AGRÍCOLA JOÃO FRANCISCO GONÇALVES ANTUNES 1 JÚLIO CÉSAR DALLA MORA ESQUERDO 2 JURANDIR ZULLO JR. 3 RESUMO A geração

Leia mais

Sondagem Atmosférica e Simulação do Sinal de Satélite.

Sondagem Atmosférica e Simulação do Sinal de Satélite. Sondagem Atmosférica e Simulação do Sinal de Satélite. Nicolas M. Cruz Salvador 1 Jurandir Ventura Rodrigues 1 Luiz Gonzaga Barbedo 1 Simone M. S. Costa 1 1 Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE/DSA

Leia mais

CIRCULAÇÃO NO SCORE CENTRAL DO PROGRAMA REVIZEE

CIRCULAÇÃO NO SCORE CENTRAL DO PROGRAMA REVIZEE CIRCULAÇÃO NO SCORE CENTRAL DO PROGRAMA REVIZEE Audalio Rebelo Torres Junior 1 José Ricardo de Almeida França 2 Gutemberg Borges França 1 Nicole Medhi 1 Décio Luiz Castelões Motta ABSTRACT Some prelimary

Leia mais

ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006.

ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006. ATUAÇÃO DO VÓRTICE CICLÔNICO DE ALTOS NÍVEIS SOBRE O NORDESTE DO BRASIL NO MÊS DE JANEIRO NOS ANOS DE 2004 E 2006. Maria Marle Bandeira 1 & Ewerton Cleudson de Sousa Melo 2 RESUMO Foram utilizados dados

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

ANÁLISE DE QUATRO ANOS DO BANCO DE IMAGENS NOAA14-AVHRR DO ESTADO DE SÃO PAULO J ANSLE VIEIRA ROCHA RUBENS LAMPARELLI

ANÁLISE DE QUATRO ANOS DO BANCO DE IMAGENS NOAA14-AVHRR DO ESTADO DE SÃO PAULO J ANSLE VIEIRA ROCHA RUBENS LAMPARELLI ANÁLISE DE QUATRO ANOS DO BANCO DE IMAGENS NOAA14-AVHRR DO ESTADO DE SÃO PAULO RENATO FRANCISCO DOS SANTOS J UNIOR 1 1 RICARDO GIACOMELLO VALMIR M ASSAFERA J UNIOR 1 J 2 URANDIR ZULLO J UNIOR 1 J ANSLE

Leia mais

TIPOS DE OBSERVAÇÕES E O CONTROLE DE QUALIDADE UTILIZADO NA ASSIMILAÇÃO DE DADOS NO CPTEC/INPE

TIPOS DE OBSERVAÇÕES E O CONTROLE DE QUALIDADE UTILIZADO NA ASSIMILAÇÃO DE DADOS NO CPTEC/INPE TIPOS DE OBSERVAÇÕES E O CONTROLE DE QUALIDADE UTILIZADO NA ASSIMILAÇÃO DE DADOS NO CPTEC/INPE Rita Valéria Andreoli, Dirceu Luis Herdies, Rodrigo Augusto F. de Souza, Luiz Fernando Sapucci, José Antonio

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

2.3 - MÉTODOS DE MEDIDAS DE CORRENTES DO MAR. Métodos diretos de medidas de correntes podem ser enquadrados em duas categorias:

2.3 - MÉTODOS DE MEDIDAS DE CORRENTES DO MAR. Métodos diretos de medidas de correntes podem ser enquadrados em duas categorias: 2.3 - MÉTODOS DE MEDIDAS DE CORRENTES DO MAR Métodos diretos de medidas de correntes podem ser enquadrados em duas categorias: - instrumentos estacionários, os quais respondem à passagem de água por um

Leia mais

Utilização de Sistema de Informação Geográfica Para Composição do Atlas Pluviométrico do Distrito Federal Brasil. Resumo

Utilização de Sistema de Informação Geográfica Para Composição do Atlas Pluviométrico do Distrito Federal Brasil. Resumo Utilização de Sistema de Informação Geográfica Para Composição do Atlas Pluviométrico do Distrito Federal Brasil Valdir Adilson Steinke Instituto de Geociências, UnB Centro de Sensoriamento Remoto, IBAMA

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

FAQ 2010. Frequently Asked Questions. Perguntas Frequentes

FAQ 2010. Frequently Asked Questions. Perguntas Frequentes Frequently Asked Questions Perguntas Frequentes FAQ Perguntas Frequentes OCPTEC com o intuito de facilitar a navegação de seus usuários em seu site resolveu criar o FAQ (Frequently Asked Questions), Perguntas

Leia mais

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS

UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS UM SISTEMA OPERACIONAL DE VISUALIZAÇÃO DE PRODUTOS METEOROLÓGICOS José Fernando Pesquero Prakki Satyarmurty Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais

Leia mais

O uso do sensoriamento remoto como ferramenta de apoio à pesca: da captura à gestão

O uso do sensoriamento remoto como ferramenta de apoio à pesca: da captura à gestão Sensoriamento remoto par ecossistemas costeiros tropicais Belém, 26 a 28/04/2006 O uso do sensoriamento remoto como ferramenta de apoio à pesca: da captura à gestão Paulo Travassos UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ):

ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ILHA DOS GUARÁS (MARITEUA) - MUNICÍPIO DE CURUÇA (NE DO PARÁ): ASPECTOS FÍSICOS, METEOROLÓGICOS. & OCEANOGRÁFICOS (Figuras) CLIENTE: COMPANHIA DOCAS DO PARÁ - CDP EXECUTORES: Cartografia, Hidrografia e

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ

SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ SISTEMA DE MONITORAMENTO E PREVISÃO CLIMÁTICA PARA O RISCO DE INCÊNDIO FLORESTAL (RIF) NO PARANÁ Marcelo Brauer Zaicovski Sistema Meteorológico do Paraná SIMEPAR Caixa Postal 19100, Jardim das Américas,

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 AQUISIÇÃO, TRATAMENTO E DISPONIBILIZAÇÃO DE IMAGENS

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO DETALHADO

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL PLANO DE TRABALHO DETALHADO PROJETO: Caracterização da variabilidade espacial e temporal da pluma do Rio Amazonas no período de 1999 a 2007 a partir de imagens de sensores remotos da cor do oceano a) UNIDADE EXECUTORA: INPE Coordenação:

Leia mais

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley)

CLIMA I. Fig. 8.1 - Circulação global numa Terra sem rotação (Hadley) CAPÍTULO 8 CIRCULAÇÃO ATMOSFÉRICA 1 CLIMA I 8.1 CIRCULAÇÃO GLOBAL IDEALIZADA Nosso conhecimento dos ventos globais provém dos regimes observados de pressão e vento e de estudos teóricos de movimento dos

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO

ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO 674 ANÁLISE DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE SALVADOR (BA): CORRELAÇÃO ESTATÍSTICA DE SETE ESTAÇÕES PARA MODELAGEM DE PREVISÃO Tayná Freitas Brandão¹; Rosângela Leal Santos². 1. Graduanda em Engenharia Civil

Leia mais

MEG-HIBAM - Ferramentas

MEG-HIBAM - Ferramentas MEG-HIBAM - Ferramentas Qualidade da água GETMODIS : gerenciamento de uma base de dados de imagens MODIS para os locais estudados e das máscaras de extração da reflectância, um autômato atualiza a base

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1

AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ. Rodrigo Fernandes Junqueira 1 AVALIAÇÃO DA RELEVÂNCIA DOS PARÂMETROS INTERVENIENTES NO CONSUMO DE ÁGUA NA CIDADE DE MARINGÁ Rodrigo Fernandes Junqueira 1 Paulo José Alves Lourenço 2 Sandro Rogério Lautenschlager 3 RESUMO Neste trabalho

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis

Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis ESTIMAÇÃO DE POPULAÇÕES HUMANAS VIA IMAGENS DE SATÉLITE: COMPARANDO ABORDAGENS E MODELOS Renzo Joel Flores Ortiz e Ilka Afonso Reis Laboratório de Estatística Espacial (LESTE) Departamento de Estatística

Leia mais

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe

Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe Detecção Precisa de Relâmpagos, Perto e Longe / A Rede de Detecção de Relâmpagos Total GLD360 da Vaisala detecta atividades meteorológicas no mundo inteiro A rede em que você pode confiar! A Rede de Detecção

Leia mais

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia Roteiro de aula Índices de Vegetação Composição de máximo valor (CMV) Perfis temporais - Estudos agrícolas - Estudos ambientais - Estudos climáticos Exercício prático Curva da reflectância de uma folha

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Registro é uma transformação geométrica que relaciona coordenadas da imagem (linha e coluna) com coordenadas geográficas (latitude e longitude) de um

Leia mais

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013

ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 ANÁLISE DE UM CASO DE CHUVA INTENSA NO SERTÃO ALAGOANO NO DIA 19 DE JANEIRO DE 2013 Ricardo Antonio Mollmann Junior 1, Natalia Parisotto Sinhori 1, Yasmin Uchôa da Silva 1, Heliofábio Barros Gomes¹, Rosiberto

Leia mais

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA 1 Alejandro Fonseca Duarte, 2 Francisco E. Alves dos Santos, 3 Eduardo E. Vieira Guedes, 4 Abdom

Leia mais

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Abstract: VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Bruno Zanetti Ribeiro 1 André Becker Nunes² 1 Faculdade de Meteorologia, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Campus Universitário

Leia mais

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado O começo deste verão é o mais abrasador dos últimos 11 anos no Rio Grande do Sul. As médias de temperatura máxima oscilam entre 28 C e 34 C nas diferentes regiões do Estado, chegando a alcançar três graus

Leia mais

Extração de Séries Temporais de Imagens de Satélite para Monitoramento de Safras Agrícolas e de Dados Climáticos

Extração de Séries Temporais de Imagens de Satélite para Monitoramento de Safras Agrícolas e de Dados Climáticos Extração de Séries Temporais de Imagens de Satélite para Monitoramento de Safras Agrícolas e de Dados Climáticos Daniel Y. T. Chino 1, Luciana A. S. Romani 1,2, Agma J. M. Traina 1 1 Instituto de Ciências

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com ANÁLISE PRELIMINAR DA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA E ALBEDO DE SUPERFÍCIE PARA MICRORREGIÃO DO BAIXO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE, UTILIZANDO O SENSOR TM DO LANDSAT 5 E O ALGORITMO SEBAL.

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Erika Gonçalves Pires 1, Manuel Eduardo Ferreira 2 1 Agrimensora, Professora do IFTO, Doutoranda em Geografia - UFG,

Leia mais

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE

ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE ESTUDO DE CASO: ÍNDICE DE UMIDADE DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS DO SENSOR MODIS PARA O MUNICÍPIO DE BELEM DO SÃO FRANCISCO, PE Pabrício Marcos Oliveira Lopes 1, Glawber Spíndola Saraiva de Moura 2 1 Prof.

Leia mais

Avaliação da influência da convecção de meso-escala no prognóstico de precipitação do modelo WRF em Alta Resolução: Um Estudo de Caso.

Avaliação da influência da convecção de meso-escala no prognóstico de precipitação do modelo WRF em Alta Resolução: Um Estudo de Caso. Avaliação da influência da convecção de meso-escala no prognóstico de precipitação do modelo WRF em Alta Resolução: Um Estudo de Caso. Alessandro Renê Souza do Espírito Santo1; Jeanne Moreira de Sousa1;

Leia mais

Resumo. Abstract. 1. Introdução

Resumo. Abstract. 1. Introdução Contribuições da Região Amazônica e do Oceano Atlântico nas chuvas intensas de Janeiro de 2004 sobre a Região Nordeste do Brasil Raimundo Jaildo dos Anjos Instituto Nacional de Meteorologia raimundo.anjos@inmet.gov.br

Leia mais

MONITORAMENTO DE FOCOS DE INCÊNDIO E ÁREAS QUEIMADAS COM A UTILIZAÇÃO DE IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO

MONITORAMENTO DE FOCOS DE INCÊNDIO E ÁREAS QUEIMADAS COM A UTILIZAÇÃO DE IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO MONITORAMENTO DE FOCOS DE INCÊNDIO E ÁREAS QUEIMADAS COM A UTILIZAÇÃO DE IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO Daniel Carvalho Granemann - (UTFPR-PB) granemann@utfpr.edu.br Gerson Luiz Carneiro - BIOPRODUÇÃO

Leia mais

CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS CAPITULO 2: PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS 2.1 Operacionalização metodológica O trabalho se baseou, inicialmente, no inventário e análise de dados secundários, informações e resultados de pesquisas sobre

Leia mais

Índices Teleconectivos

Índices Teleconectivos Índices Teleconectivos NAO North Atlantic Oscillation ENSO El Niño Southern Oscillation Dinâmica do Clima Ana Picado 338 Carina Lopes 868 Introdução: Dinâmica do Clima A circulação atmosférica é bem conhecida

Leia mais