Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas"

Transcrição

1 Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo INTRODUÇÃO AO PLANEJAMENTO SETORIAL E À QUESTÃO SÓCIO-AMBIENTAL Santo André, 20 de abril de 2011

2 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Planejamento: processo que objetiva atingir estados futuros considerados como desejáveis, ou seja, o trabalho do planejamento visa estudar o médio e longo prazos para evitar os problemas de curto prazo. O setor de energia também é um segmento industrial/produtivo: planejamento estratégico, financeiro e produtivo. Por que planejar? FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 2

3 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro No setor energético brasileiro, o planejamento visa atender as necessidades futuras por recursos energéticos: mercado crescente; diversificação da matriz energética; menor custo/preço; referência estratégica/segurança nacional; confiabilidade; investimentos adequados; menor impacto sócio-ambiental. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 3

4 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Criada em 2004, a EPE tem o objetivo de efetuar estudos, pesquisas e projeções da matriz energética brasileira em subsídio ao planejamento do MME, destacando: - determinar os aproveitamentos ótimos dos potenciais hidráulicos; - o desenvolvimento dos planos de expansão da geração e transmissão de energia elétrica de curto, médio e longo prazos; - definir cenários de demanda e oferta de petróleo, seus derivados e produtos petroquímicos; - o impacto social, viabilidade técnico-econômica e sócio-ambiental para os empreendimentos de energia elétrica e de fontes renováveis; - o desenvolvimento da indústria de gás natural no Brasil e o incremento na utilização do carvão mineral nacional; - avaliar e incrementar a utilização de energia proveniente de fontes renováveis; - subsidiar planos e programas de desenvolvimento energético ambientalmente sustentável, inclusive de eficiência energética; - aos programas de modernização/capacitação da indústria nacional, visando ampliar a participação desta no fornecimento dos bens e equipamentos para a expansão do setor; Base legal: Lei /Mar/2004 (autoriza criação) Decreto /Ago/2004 (criação, organização e estatuto social) Fonte: MME, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 4

5 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Presidente Auditor Interno Chefe de Gabinete Assessor de Imprensa Consultor Jurídico Secretaria Geral Diretoria de Estudos Econômicos e Energéticos Diretoria de Estudos da Energia Elétrica Diretoria de Estudos do Petróleo, Gás e Bionergia Diretoria de Gestão Corporativa Assessor de Diretoria Assessor de Diretoria Assessor de Diretoria Assessor de Diretoria Superintendência de Economia e Energia Superintendência de Transmissão de Energia Superintendência de Petróleo Superintendência de Recursos financeiros Superintendência de Recursos Energéticos Superintendência de Meio Ambiente Superintendência de Gás e Bioenergia Superintendência de Recursos logísticos Superintendência de Geração de Energia Assessoria Jurídica Fonte: MME, 2009 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 5

6 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro EPE algumas publicações: Plano Nacional de Energia: x Balanço Energético Nacional: https://ben.epe.gov.br/benrelatoriofinal2010.aspx Plano Decenal de Expansão periodicidade anual, horizonte de 10 anos: Leilões: FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 6

7 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro 100% 80% 60% 40% 20% 0% 0,0 5,4 LENHA E CARVÃO VEGETAL 47,6 5,1 3,6 PETRÓLEO E DERIVADOS 37,7 0,3 0,3 13,8 13,0 5,5 HIDRÁLICA E ELETRICIDADE14,8 13,5 1,2 6,3 CARVÃO MINERAL NUCLEAR 3,0 6,9 9,4 GÁS NATURAL 15,5 38,7 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 7 2,9 OUTRAS RENOV. 9,1 PRODUTOS DA CANA 18,5 28, milhões tep 66,9 218,7 557,1 renováveis % 58,4% 44,5% 46,6% Fonte: MME, 2008

8 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro IMPORTAÇÃO 9% AUTOPRODUÇÃO CATIVA 7% SERVIÇO PÚBLICO 84% EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 4% IMPORTAÇÃO 4% AUTOPRODUÇÃO CATIVA 8% SERVIÇO PÚBLICO 84% SERVIÇO PÚBLICO (388 TWh) SERVIÇO PÚBLICO (1.056 TWh) HIDRÁULICA 89,0 % GÁS NATURAL 3,4 % NUCLEAR 3,5 % CARVÃO MINERAL 1,7 % BAGAÇO DE CANA 0,3 % EÓLICA 0,1 % RESÍDUOS URBANOS 0 % DERIV. DE PETRÓLEO 2,1 % HIDRÁULICA 77,4 % GÁS NATURAL 8,7 % NUCLEAR 4,9 % CARVÃO MINERAL 3,0 % BAGAÇO DE CANA 3,2 % EÓLICA 1,0 % RESÍDUOS URBANOS 0,6 % DERIV. DE PETRÓLEO 1,2 % Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 8

9 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro 100% 80% 13,0 12,5 12,9 10,6 28,4 29,5 32,1 30,4 Outros Setores Industrial 60% 6,8 6,5 7,3 7,0 Setor Energético 40% 42,8 38,8 36,2 38,2 Transportes 20% Geração Elétrica 0% 9,0 12,6 11,5 13, milhões t CO 2 1,48 1,49 1,42 1,38 t CO 2 / tep OIE Fonte: MME, 2008 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 9

10 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Setor elétrico: Planejamento da operação - curto prazo: Atividades (G-T-D) interrelacionadas - operam sequencialmente Operação otimizada: qualidade, confiabilidade e preços condizentes Complexidade intrínseca características setoriais e do produto Coordenação e planejamento operativo No médio/longo prazo: planejamento da expansão x planejamento integrado de recursos (PIR) FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 10

11 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Expansão dos sistemas elétricos - planejamento de longo prazo G-T: Demanda crescente Grande porte e complexidade; Longo prazo de maturação; Significativo aporte de capital empregado (recursos econômicos); Minimização dos custos de investimento e operação otimização dos aproveitamentos. Interesses, riscos e incertezas Na geração: planejamento determinativo x indicativo (1996) FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 11

12 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro SOCIEDADE Demanda de Energia Elétrica Expansão da Geração GLD e Prog. Eficiência Energética PLANEJAMENTO DO SETOR ELÉTRICO AGENTES SETORIAIS (Geração) Lado da Demanda Indica a Expansão do Sistema FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 12

13 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Estudos do Mercado Planejamento da Expansão da Geração Planejamento da Expansão Planejamento da Expansão da Transmissão Estudos Sócio- Ambientais FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 13

14 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Brasil estudos do mercado pontos de destaque: Estudos macroeconômicos, populacionais e regionais Comportamento do consumo e dos grandes consumidores Construção de cenários Mercado, carga e conservação/autoprodução Modelos de previsões de mercado Participação colegiada (CTEM) Banco de dados (Simples) FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 14

15 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Brasil - planejamento da expansão da transmissão pontos de destaque: Grandes distâncias (crescentes) Tensões variadas e elevadas Otimização menores custos Reforços e expansão: SE's e LT's Restrições e interligação regional (sistemas isolados) Interligação internacional Modelos técnicos específicos FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 15

16 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Brasil - planejamento da expansão da geração pontos de destaque: Sistema hidrotérmico com predominância hídrica Custos marginais crescentes Depende da afluência futura dos rios e bacias Usinas fio d'água ou usinas com reservatórios e/ou em cascata Modelos de otimização utilizando critérios determinísticos e probabilísticos Térmicas flexíveis e inflexíveis Potência instalada x Energia firme FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 16

17 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Observações gerais FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 17

18 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Elementos de transformação: Comportamento do mercado consumidor Estrutura organizacional e de financiamento Impacto ambiental Interligação dos sistemas elétricos Inovação tecnológica Alternativas e eficientização energética crescentes Externalidades devidamente consideradas (?) FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 18

19 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro SOCIEDADE Demanda de Energia Elétrica PLANEJAMENTO DO SETOR ELÉTRICO Expansão da Geração e Transmissão Indica a Expansão do Sistema Riscos e Impactos Sociais, Ambientais, Econômicos, etc. AGENTES SETORIAIS FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 19

20 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Gerenciamento pelo Lado da Demanda (GLD) Direciona à sustentabilidade Economicamente mais barato que expandir Fortes barreiras Conservação significa basicamente usar menos energia, podendo ser representado por um simples desligar de um equipamento; Eficiência energética significa obter a mesma qualidade de serviços ou benefícios advindos dos usos finais de energia com a utilização de uma menor quantidade de energia (Gunn, 1997). FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 20

21 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro Existem pelos menos 5 razões identificadas que justificam a promoção da eficiência energética (Anderson, V. apud Gunn, 1997): Economia de recursos; Redução da dependência externa; Equilíbrio das relações intergerações e internacionais; Mitigar impactos ambientais e aquecimento global; Busca do conceito de sustentabilidade. Inovação tecnológica x custos x impacto ambiental: determinantes. Governo deve investir e/ou incentivar: programas específicos, educação, redução das perdas, transporte público, P&D, etiquetagem e rebate. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 21

22 Fundamentos sobre o planejamento do Setor Elétrico Brasileiro 2,5 2 colina 1,5 1 0,5 túnel 0 Terc eiro Mundo Atual Início de Industrialização Industrialização Plena Estágio Pós-Industrial Fonte: BERRAH apud TOLMASQUIM, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 22

23 Noções da questão sócio-ambiental na energia Relação: energia e sociedade A energia promove o desenvolvimento econômico e bem-estar social através dos benefícios advindos dos seus usos finais; O ser humano é um consumidor voraz por energia satisfação das necessidades. As formas usuais de produção de energia trazem impactos sociais e de saúde, ambientais e também nas relações internacionais: Na extração/transporte, construção e na operação; Local, regional e global; Duração variada. Apesar de tudo, na maior parte dos casos, a sociedade não participa/não é consultada sobre as formas de atender as suas próprias necessidades energéticas. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 23

24 Noções da questão sócio-ambiental na energia Na medida que o social não interfere na tomada de decisões, ele só pode vir a se constituir em problema, para o qual deverá ser buscada uma solução qualquer e a qualquer preço, dentro do cronograma apertado das obras civis. E é exatamente porque o social ocupa essa posição subordinada que as soluções encontradas são sempre desfavoráveis à população (Sigaud, P. 104). FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 24

25 Noções da questão sócio-ambiental na energia Acesso: Estima-se que 2 bilhões de pessoas no mundo não possuem acesso a eletricidade Custo x renda Tabela Pessoas de 10 anos ou mais de idade, por Grandes Regiões, segundo o sexo e as classes de rendimento mensal Sexo e Pessoas de 10 anos ou mais de idade classes de rendimento mensal Grandes Regiões Brasil (em salários mínimos) Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Números absolutos (1 000 pessoas) Total (1) 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% Até 1 salário mínimo 24,9% 28,2% 39,4% 17,9% 18,1% 22,2% Mais de 1 a 2 salários mínimos 21,4% 19,7% 15,7% 23,7% 25,5% 22,7% Mais de 2 a 3 salários mínimos 8,4% 6,4% 4,0% 10,7% 10,8% 8,3% Mais de 3 a 5 salários mínimos 6,6% 4,7% 3,0% 8,4% 8,9% 6,5% Mais de 5 a 10 salários mínimos 4,1% 2,7% 1,9% 5,2% 5,4% 4,7% Mais de 10 a 20 salários mínimos 1,6% 0,8% 0,8% 2,0% 2,0% 2,4% Mais de 20 salários mínimos 0,6% 0,3% 0,3% 0,7% 0,7% 1,1% Sem rendimento (2) 31,1% 36,3% 34,1% 29,4% 27,7% 31,0% Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (1) Inclusive as pessoas sem declaração de rendimento. (2) Inclusive as pessoas que receberam somente em benefícios. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 25

26 Noções da questão sócio-ambiental na energia Fonte: Achão, Dados referentes ao ano de Classes: I<2sm, II=2 a 3sm, III=3 a 5sm, IV=5 a 10sm, V>10sm FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 26

27 Noções da questão sócio-ambiental na energia Universalização: Lei /2002 Programa Luz para Todos Lançado em novembro de 2003 Decreto Meta: 10 milhões de pessoas até 2008 estendido para milhões de pessoas 90% tem renda até 3 sm / 80% no meio rural Investimento: R$ 13 bi 70% governo federal FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 27

28 Noções da questão sócio-ambiental na energia Tabela Domicílios particulares permanentes, atendidos por alguns serviços, segundo as Unidades da Federação Domicílios particulares permanentes Unidades da Federação Total Rede geral de abastecimento de água Rede coletora de esgoto ou fossa séptica Serviços Coleta de lixo Iluminação elétrica Telefone Brasil 100,0 83,9 73,2 87,9 98,6 82,1 Distrito Federal 100,0 95,3 96,8 98,3 100,0 97,2 Rio de Janeiro 100,0 87,1 88,7 98,1 99,9 89,8 São Paulo 100,0 96,5 94,2 98,5 99,9 91,6 Santa Catarina 100,0 79,0 81,6 92,0 99,8 89,4 Espírito Santo 100,0 82,7 72,5 86,1 99,7 86,8 Amapá 100,0 75,1 37,5 98,4 99,6 73,2 Mato Grosso do Sul 100,0 83,5 24,0 89,3 99,6 91,1 Goiás 100,0 80,8 36,2 90,2 99,6 86,9 Paraíba 100,0 77,7 57,9 80,5 99,5 72,2 Minas Gerais 100,0 87,6 80,4 87,9 99,5 82,8 Sergipe 100,0 88,4 74,7 85,4 99,4 82,9 Rio Grande do Sul 100,0 84,4 78,1 90,8 99,4 92,5 Pernambuco 100,0 77,0 51,8 79,4 99,3 72,8 Paraná 100,0 86,5 72,8 89,9 99,2 87,2 Rio Grande do Norte 100,0 87,8 48,1 84,4 99,0 74,3 Alagoas 100,0 73,8 36,8 75,2 98,7 60,1 Ceará 100,0 80,7 51,8 76,1 97,9 70,6 Mato Grosso 100,0 69,4 53,4 79,5 97,4 79,8 Roraima 100,0 85,7 86,1 85,0 97,2 73,1 Amazonas 100,0 73,2 63,1 84,7 96,4 74,9 Rondônia 100,0 42,3 73,6 72,9 95,9 73,3 Bahia 100,0 79,6 57,3 75,3 95,7 64,3 Acre 100,0 56,8 55,2 81,0 94,3 77,3 Pará 100,0 49,1 62,1 79,0 94,2 70,8 Maranhão 100,0 69,9 61,2 66,6 93,2 54,3 Piauí 100,0 69,2 59,5 56,2 92,2 56,0 Tocantins 100,0 79,0 32,1 75,5 91,5 71,0 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Números relativos (%) FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 28

29 Noções da questão sócio-ambiental na energia Fonte: extraído de UNDP, 2004 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 29

30 Noções da questão sócio-ambiental na energia Nome UF Potência instalada (MW) Área do reservatório (km2) km2/mw SOBRADINHO BA ,01 BALBINA AM ,30 TUCURUÍ 1/2 PA ,30 PORTO PRIMAVERA SP/MS ,27 SERRA DA MESA GO ,40 ITAIPU PR/Paraguai ,12 FURNAS MG ,16 ILHA SOLTEIRA SP/MS ,36 TRÊS MARIAS MG ,88 ITUMBIARA GO/MG ,36 SÃO SIMÃO MG/GO ,45 COMPLEXO MOXOTÓ BA ,02 CURUÁ-UMA PA ,60 XINGÓ AL/SE ,02 CAPIVARI/CACHOEIRA PR ,06 FOZ DO AREIA PR ,00 CANASTRA RS ,00 Fonte: Santos, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 30

31 Noções da questão sócio-ambiental na energia Necessidade humana consumo abusivo/desperdício Opções políticas de oferta x oportunidade de escolhas alternativas Crises: possibilidade de discussão Qualquer futuro da oferta e da demanda de energia depende de decisões humanas presentes e passadas Usos múltiplos das águas e a questão das terras inundadas FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 31

32 Noções da questão sócio-ambiental na energia Efeito estufa mudanças climáticas Consumo crescente países em desenvolvimento Protocolo de Kyoto 1997 (Pinto Jr., 2007): OCDE e Rússia: -5% a.a. nas emissões entre 2008 e 2012 base 1990 Reestruturar os sistemas de transportes e de energia Promover o uso de fontes energéticas renováveis Limitar as emissões de metano no gerenciamento de resíduos e dos sistemas energéticos Reduzir o desmatamento, através da proteção da florestas e outros sumidouros de carbono. FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 32

33 Noções da questão sócio-ambiental na energia Fonte: WEC, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 33

34 Noções básicas da questão sócio-ambiental na energia A geração de energia elétrica no Brasil é limpa, representando apenas 2% das emissões totais do país, enquanto que o desmatamento representa 79% (Instituto Acende Brasil, 2008). Fonte: MCT, Citado por Instituto Acende Brasil, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 34

35 Noções básicas da questão sócio-ambiental na energia Problema Ambiental Poluição do ar Chuva ácida Aquecimento por efeito estufa e mudança de clima Inundação de grandes áreas e degradação costeira Desmatamento e desertificação Principal Fonte do Problema Energia de origem térmica Energia de origem térmica Energia de origem térmica Energia de origem hídrica Energia de origem térmica e hídrica Principal Grupo Social Afetado Todos (localizado) Todos (localizado) Todos (global) Todos (localizado) Pobres rurais (localizado) Fonte: adaptado de GOLDEMBERG, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 35

36 Noções básicas da questão sócio-ambiental na energia Comparação da Geração Elétrica (Adaptado de Rosa, 2007): Hidro Térmica Nuclear Investimento por kw Alto Menor Muito alto Custo Combustível - Baixo Muito alto Custo de O & M Baixo Alto Muito alto Custo da energia Baixo Alto Muito alto Linha de Transmissão Longa Menor Menor Tempo de construção Grande Menor Grande Tempo de vida Grande Pequeno Médio Geração de emprego Grande Menor Médio Impacto ambiental Reservatório Atmosfera Radioatividade Efeito estufa Menor Grande Nenhum Importação Pequena Média Média Taxa de retorno Baixa Alta Baixa FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 36

37 Noções básicas da questão sócio-ambiental na energia Custos de externalidades na energia* (em centavos de dólar por kwh) Carvão: 1,94 a 14,60 Turbina a gás: 0,97 a 3,89 Nuclear: 0,19 a 0,58 Eólica: 0,05 a 0,24 * Estimativa de custos para a sociedade e para o ambiente decorrentes de uso de combustíveis fósseis e nucleares, não incluindo lixo nuclear e custos de desativação. Fonte: Estudo da UE, ExtermE - WSJ Citado por Cepel, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 37

38 Noções da questão sócio-ambiental na energia Tipo de Geração R$/MWh (*) UHE 105 PCH 125 Biomassa 140 Carvão Nacional 141 Nuclear 150 Carvão Importado 152 Gás Natural 164 Eólica 249 Óleo 382 Diesel 602 Solar 2250 (*) Custos de geração - média entre valores apresentados pelo MME e a ANEEL extraído de Instituto Acende Brasil, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 38

39 Noções da questão sócio-ambiental na energia Fonte: extraído de UNDP, 2004 FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 39

40 Noções da questão sócio-ambiental na energia LEITURA SUGERIDA: GOLDEMBERG, José. LUCON, Oswaldo. Energia e meio ambiente no Brasil. In: Revista Estudos Avançados Coletânea Energia. São Paulo: EDUSP, páginas. Disponível em 12/03/2010: FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 40

41 Referências bibliográficas Achão, Carla da Costa Lopes. Análise da Estrutura de Consumo de Energia pelo Setor Residencial Brasileiro. UFRJ/COPPE: Rio de Janeiro, Dissertação de mestrado. Cepel. Energias Solar e Eólica: Estado Atual e Perspectivas. In: 1º Workshop de energias renováveis. Maceió, Energia e Alterações Climáticas Sumário Executivo. London: World Energy Council, Fontes Renováveis de Energia: viabilidade da criação de um fundo especial de fomento às energias eólica e solar. Instituto Acende Brasil: Brasília, Goldemberg, José. Energia e Meio Ambiente: Os Fatos. In: Energia, meio ambiente & desenvolvimento. São Paulo: Edusp, Gunn, Calum. Energy efficiency vc economic efficiency? In: Energy Police. Elsevier. Vol. 25. Nº IBGE, Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Ministério de Minas e Energia. Slides sobre o Plano Nacional de Energia Brasília, Rosa, Luiz Pinguelli. Energia Elétrica e Gás Natural no Brasil Seminário. São Paulo: FIESP, Pinto Jr., Helder Q (org.). Economia da energia. Rio de Janeiro: Elsevier, Santos, Marco Aurélio. Inventário de emissões de gases de efeito estufa derivadas de hidrelétricas. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ, março de Tese de Doutorado. Sigaud, Lygia. Implicações sociais da política do setor elétrico. In: As hidrelétricas do Xingu e os povos indígenas. Cópia de reportagem. Tolmasquim, Maurício Tiomno. Impasse das estratégias de desenvolvimento intensivas em energia. In: São Paulo Energia. Ano VII. N 65. Jul./Ago World Energy Assessment Overview 2004 update. New York: UNDP, FSA MBA Gestão de Energia / Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas 41

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES ENERGIAS ALTERNATIVAS E TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO LIMPAS: DESAFIOS E OPORTUNIDADES FONTES DE ENERGIA Hídrica Eólica Biomassa Solar POTENCIAL HÍDRICO Fonte: Eletrobras, 2011. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO

II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA II SEMINÁRIO NACIONAL PEQUENAS CENTRAIS HIDRELÉTRICAS E MICROGERAÇÃO Luiz Eduardo Barata Secretário-Executivo CÂMARA DOS DEPUTADOS Brasília, 22 de setembro de 2015 Energia

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento

APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético - Ministério de Minas e Energia APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NACIONAL : Alternativas Após o Seu Esgotamento Sumário

Leia mais

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates

ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil. EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates ALEXANDRE UHLIG Instituto Acende Brasil EXPANSÃO DA GERAÇÃO NA ERA PÓS- HIDRELÉTRICA Guia para debates QUESTÕES PARA REFLEXÃO 1 2 Qual o padrão atual da oferta de eletricidade no Brasil? Qual o padrão

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS E DE CONSULTORIA EM GESTÃO EMPRESARIAL POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO DO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO ATIVIDADES DE SEDES DE EMPRESAS

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES DOS SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES DOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012

GrandAmazon. Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade. Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 GrandAmazon Energia para o futuro Os desafios da sustentabilidade Wilson Ferreira Jr. e Miguel Saad 16/03/2012 A alta complexidade do sistema elétrico brasileiro traz 3 grandes desafios para a política

Leia mais

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL

A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Ministério de Minas de Energia ORGANIZAÇÃO RENOVE UNEP Risoe Centre on Energy (B-REED Programme) A ENERGIA ALTERNATIVA RENOVÁVEL NO BRASIL Programas de Energias Renováveis no Brasil: Perspectivas para

Leia mais

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados Norte 0 0,00 0 0 0 0,00 Rondônia

Leia mais

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos

Grandes Regiões e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos e Unidades da Federação: Esperança de vida ao nascer segundo projeção populacional: 1980, 1991-2030 - Ambos os sexos Unidades da Federação 1980 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002

Leia mais

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008

Tabela 1 - Conta de produção por operações e saldos, segundo as Grandes Regiões e as Unidades da Federação - 2004-2008 (continua) Produção 5 308 622 4 624 012 4 122 416 3 786 683 3 432 735 1 766 477 1 944 430 2 087 995 2 336 154 2 728 512 Consumo intermediário produtos 451 754 373 487 335 063 304 986 275 240 1 941 498

Leia mais

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DE ATIVIDADES DE PRESTAÇÃO DE DE INFORMAÇÃO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA -

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E SERVIÇOS RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES FINANCEIRAS, DE SEGUROS E RELACIONADOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA

NÚMERO DE ACIDENTES POR DIA DA SEMANA RODOVIÁRIAS Quadro 13 - UF: ACRE Ano de 211 82 5 6 8 9 5 3 14 4 11 9 4 4 63 2 4 7 6 6 9 4 8 4 4 3 6 68 4 2 8 3 1 8 4 9 2 6 7 5 63 3 6 3 2 13 9 8 7 5 1 5 1 67 4 2 9 6 8 5 5 7 6 6 4 5 85 3 7 1 1 4 7 9 6

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA RECURSOS HÍDRICOS DISPONÍVEIS NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Deodato do Nascimento Aquino Técnico

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA PANORAMA ENERGÉTICO NACIONAL CONDICIONANTES PARA OS INVESTIMENTOS E PERSPECTIVAS DE ATENDIMENTO DO MERCADO II Seminário Energia e Meio Ambiente Perspectivas Legais Manaus,

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO FABRICAÇÃO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES, REBOQUES E CARROCERIAS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO

Leia mais

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação detrabalho e Rendimento Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009

Leia mais

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP

Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil. V Conferência Anual da RELOP Galvão Energia Evolução das Fontes de Energia Renováveis no Brasil V Conferência Anual da RELOP Lisboa, 01.Jun.2012 Agenda O Acionista Grupo Galvão 03 A Empresa Galvão Energia 04 A evolução das fontes

Leia mais

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO TELECOMINICAÇÕES SEM FIO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo. Junho de 2015

Boletim Informativo. Junho de 2015 Boletim Informativo Junho de 2015 Extrato Geral Brasil 1 EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 227.679.854 ha 57,27% Número de Imóveis cadastrados: 1.727.660 Observações: Dados obtidos do Sistema de Cadastro

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009)

RANKING NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) NACIONAL DO TRABALHO INFANTIL (5 a 17 ANOS) QUADRO COMPARATIVO DOS DADOS DA PNAD (2008 e 2009) População Ocupada 5 a 17 anos 2008 Taxa de Ocupação 2008 Posição no Ranking 2008 População Ocupada 5 a 17

Leia mais

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E SERVIÇOS COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO ATIVIDADES ADMINISTRATIVAS E COMPLEMENTARES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

Leia mais

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS TRANSPORTES POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO DO ARMAZENAMENTO E ATIVIDADES AUXILIARES DOS POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado

Boletim Informativo. Maio de 2015. * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Boletim Informativo Maio de 2015 * Errata: Tabela Fonte de Dados - Por Estado Extrato Geral Brasil EXTRATO BRASIL ÁREA ** 397.562.970 ha 212.920.419 ha 53,56 % Número de Imóveis cadastrados: 1.530.443

Leia mais

Contas Regionais do Brasil 2010

Contas Regionais do Brasil 2010 Diretoria de Pesquisas Contas Regionais do Brasil 2010 Coordenação de Contas Nacionais frederico.cunha@ibge.gov.br alessandra.poca@ibge.gov.br Rio, 23/11/2012 Contas Regionais do Brasil Projeto de Contas

Leia mais

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,00

CREDITO SUPLEMENTAR PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES - R$ 1,00 PROGRAMA DE TRABALHO (SUPLEMENTACAO) RECURSOS DE TODAS AS FONTES R$ 1,00 20 AGRICULTURA 58.000 23 COMÉRCIO E SERVIÇOS 5.450.000 25 ENERGIA 288.428.769 26 TRANSPORTE 400.712.362 TOTAL - GERAL 694.649.131

Leia mais

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria

Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Mesa Redonda - Perspectivas de Suprimento e Preços da Energia Elétrica para a Indústria Sílvio Roberto Areco Gomes ABRAGE São Paulo 05 de junho de 2008 ROTEIRO A ABRAGE Situação Atual do Armazenamento

Leia mais

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos?

Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? Seminário sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Brasileiro Economia de Baixo de Carbono, onde estamos? para onde vamos? 21 de novembro de 2014 Aneel Brasília O conteúdo deste relatório foi produzido

Leia mais

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente

Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável. Tecnologia => disponível com eficiência crescente Cana de Açúcar => oferta crescente matéria prima energética Bagaço + Palha => disponibilidade existente e assegurada Bioeletricidade >> Energia Positiva para o Desenvolvimento Sustentável Tecnologia =>

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN

CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SIN 2.1 VOCAÇÃO À HIDROELETRICIDADE O sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil Sistema Interligado Nacional (SIN) pode ser classificado

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo AULA INTRODUTÓRIA - ENERGIA Santo André, 14 de março de 2011 Proposta

Leia mais

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III*

BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fundos de Investimento em Participações em Infraestrutura BB Votorantim Energia Sustentável I, II e III* Fotomeramenteilustrativa. Trata-se dapch Buritido GrupoAtiaiaEnergiaS.A., que não faz parte do produto

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012

Tabela 4 - Participação das atividades econômicas no valor adicionado bruto a preços básicos, por Unidades da Federação - 2012 Contas Regionais do Brasil 2012 (continua) Brasil Agropecuária 5,3 Indústria 26,0 Indústria extrativa 4,3 Indústria de transformação 13,0 Construção civil 5,7 Produção e distribuição de eletricidade e

Leia mais

Figura 1: Distribuição de CAPS no Brasil, 25. RORAIMA AMAPÁ AMAZONAS PARÁ MARANHÃO CEARÁ RIO GRANDE DO NORTE PAIUÍ PERNAMBUCO ACRE ALAGOAS SERGIPE TOCANTINS RONDÔNIA PARAÍBA BAHIA MATO GROSSO DISTRITO

Leia mais

Boletim Informativo* Agosto de 2015

Boletim Informativo* Agosto de 2015 Boletim Informativo* Agosto de 2015 *Documento atualizado em 15/09/2015 (Erratas páginas 2, 3, 4 e 9) EXTRATO GERAL BRASIL 1 EXTRATO BRASIL 396.399.248 ha 233.712.312 ha 58,96% Número de Imóveis Cadastrados²:

Leia mais

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás

O QUE É. Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento. Eletrobrás O QUE É Uma política de governo para redução da pobreza e da fome utilizando a energia como vetor de desenvolvimento 1 QUEM SÃO Total de Pessoas: 12.023.703 84% Rural 16% Urbano Total: 10.091.409 Total:

Leia mais

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores

Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Informações sobre salários e escolaridade dos professores e comparativo com não-professores Total de profissionais, independentemente da escolaridade 2003 2007 2008 Professores da Ed Básica (públicas não

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

Há que considerar 3 escalas de tempo

Há que considerar 3 escalas de tempo Há que considerar 3 escalas de tempo 1. HOJE (2001 2011) Gestão segura do SIN num cenário de geração de 2.000 MWmédios térmicos na base e mais 8.000 MWmédios térmicos complementares 2. AMANHÃ (2011 2020)

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Parte A - Questões Múltipla Escolha

Parte A - Questões Múltipla Escolha Matriz Energética Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara Parte A - Questões Múltipla Escolha LISTA DE EXERCÍCIOS 1 1) Uso de fontes renováveis de energia no mundo. Fonte: Rio de Janeiro: IBGE, 21 O uso de

Leia mais

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009

FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE TRANSPORTES TERRESTRE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA

Leia mais

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema

Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Valor Setorial Energia (Valor Econômico) 15/04/2015 Garantia para o sistema Duas importantes medidas foram anunciadas no fim de março pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para tornar mais

Leia mais

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica

Apresentação CEI. Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica Apresentação CEI Perspectivas no mercado de energia fotovoltaica A CEI é produtora independente de energia em MG, com 9 usinas em operação, 15 empreendimentos hidrelétricos em desenvolvimento (130MW) e

Leia mais

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa!

Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Responsabilidade Social, Preservação Ambiental e Compromisso com a Vida: -Sustentabilidade - Energia Renovável e Limpa! Programa de Comunicação Social e Educação Ambiental Sonora-MS Outubro/2012 ONDE ESTAMOS?

Leia mais

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES

CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES CONDIÇÕES DE MERCADO, REGULAÇÃO E OPERAÇÃO DE USINAS SOLARES Fábio Sales Dias São Paulo, 14 de agosto de 2012 RESUMO Aspectos Regulatórios e Institucionais Aspectos de Mercado Competitividade Aspectos

Leia mais

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica

Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica PwC Energy Day 1º Seminário sobre aspectos de energia elétrica Riscos e Oportunidades do Mercado de Energia Elétrica Claudio J. D. Sales Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2011 O conteúdo deste relatório

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios

O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE. Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios 1 O SETOR DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL HOJE Evandro Leite Vasconcelos Diretor de Energia e de Desenvolvimento de Negócios ESTRUTURA SETORIAL CARACTERIZAÇÃO DO SISTEMA ELÉTRICO BRASILEIRO 3 PRINCIPAIS

Leia mais

Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021)

Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021) Análise do Plano Decenal de Energia (2012-2021) Em 24 de setembro, foi colocada para consulta pública a nova versão do Plano Decenal de Energia. O plano é atualizado anualmente e prevê os rumos energéticos

Leia mais

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia

Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia Seminário: Energia e Meio Ambiente A origem hídrica da crise de energia José Henrique R. Cortez Câmara de Cultura José Henrique Cortez 1 Energia e Meio Ambiente Crise Energética? José Henrique Cortez 2

Leia mais

Energia nossa de cada dia

Energia nossa de cada dia Semana Estado de Jornalismo Ambiental Energia nossa de cada dia Alexandre Uhlig São Paulo, 4 de junho de 2014 O conteúdo deste relatório foi produzido pelo Instituto Acende Brasil. Sua reprodução total

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL

A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL A IMPORTÂNCIA DA ENERGIA EÓLICA NA OFERTA DE ENERGIA DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL São Paulo, 03 de junho de 2008 Sistema Elétrico Brasileiro e o Sistema ELETROBRÁS Linhas de Transmissão SIN Capacidade

Leia mais

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15

Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Setores indutriais com maior demanda por formação segundo UF (todas as ocupações) - Média anual 2014/15 Estado Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Piauí Ceará Rio Grande do Norte

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil

Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Seminário Internacional Fontes Alternativas de Energia e Eficiência Energética Papel da Energia Alternativa na Política Energética do Brasil Por Laura Porto Brasília, Junho de 2002 BRASIL CAPACIDADE INSTALADA

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007)

Geração Elétrica Total. Cenário de Referência (2007) Geração Elétrica Total Cenário de Referência (2007) Greenpeace Brasil Somos uma organização global e independente que atua para defender o meio ambiente e promover a paz, inspirando as pessoas a mudarem

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Ministério de Minas de Energia ENERGIA EÓLICA. por Francisco Romário. Secretário-Adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Ministério de Minas de Energia ENERGIA EÓLICA. por Francisco Romário. Secretário-Adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético Ministério de Minas de Energia ENERGIA EÓLICA por Francisco Romário Secretário-Adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Energético MATRIZ ENERGÉTICA NACIONAL - 2005 FONTES RENOVÁVEIS : 44,7 % Madeira

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009

FLUXO CONSTRUÇÃO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA CONSTRUÇÃO, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 FLUXO - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS PARA, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA 2009 Entradas e Saídas de Mercadorias Base 2009 FLUXO DE, POR UNIDADE DA FEDERAÇÃO NO ESTADO DA PARAÍBA - 2009 Estados

Leia mais

Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis

Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis Cidades Solares: iniciativa Campinas Campinas, 22 de novembro de 2007 Maior eficiência energética e participação de fontes renováveis Um estudo para a WWF do Brasil Rodolfo Dourado Maia Gomes International

Leia mais

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia

Diversificação da Matriz Elétrica Nacional. João Mello A&C Energia Diversificação da Matriz Elétrica Nacional João Mello A&C Energia Agenda 1. O Momento Atual 2. O Efeito Tarifário 3. As Perspectivas com Novas Fontes 4. Considerações Finais Agenda 1. O Momento Atual 2.

Leia mais

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial

Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Bioeletricidade no Setor Sucroenergético: uma pauta para o desenvolvimento de seu potencial Zilmar José de Souza, Assessor em Bioeletricidade, UNICA, SP, Brasil Agenda - Situação atual da bioeletricidade

Leia mais

Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013

Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013 Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013 COORDENADORES LUIZ PINGUELLI ROSA (lpr@adc.coppe.ufrj.br) MARCOS AURÉLIO VASCONCELOS DE FREITAS (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) NSTITUIÇÃO COORDENADORA

Leia mais

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL

DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL DESAFIOS DO SETOR ENERGÉTICO NO RIO GRANDE DO SUL Humberto César Busnello A SITUAÇÃO ENERGÉTICA DO RIO GRANDE DO SUL TEM QUE SER VISTA NO CONTEXTO DO MODELO DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO, ESPECIALMENTE

Leia mais

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas

Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Centro Universitário Fundação Santo André MBA Gestão de Energia Estrutura da Energia no Brasil: Órgãos e Sistemas Prof. Eduardo Matsudo Trabalho de Avaliação Santo André, 30 de março de 2011 Trabalho de

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2013 I Relatório Síntese I ano base 2012 Brasil. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2013 Ano base 2012: Relatório Síntese Rio de Janeiro: EPE, 2013

Leia mais

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica

A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica A inserção das fontes de energia renováveis no processo de desenvolvimento da matriz energética do país: A participação da Energia Eólica Elbia Melo 1 No ano de 2012, o Brasil figurou no cenário internacional

Leia mais

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS

11.1. INFORMAÇÕES GERAIS ASPECTOS 11 SOCIOECONÔMICOS 11.1. INFORMAÇÕES GERAIS O suprimento de energia elétrica tem-se tornado fator indispensável ao bem-estar social e ao crescimento econômico do Brasil. Contudo, é ainda muito

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil

Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Desafios e Oportunidades para Energias Renováveis nos Programas Nacionais de Eficiência Energética e Mudanças Climáticas no Brasil Alcides Codeceira Neto Terminal Marítimo de Passageiros Docas do Ceará

Leia mais

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia

Disciplina: Fontes Alternativas de Energia Disciplina: Fontes Alternativas de Parte 1 Fontes Renováveis de 1 Cronograma 1. Fontes renováveis 2. Fontes limpas 3. Fontes alternativas de energia 4. Exemplos de fontes renováveis 1. hidrelétrica 2.

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios

XVII ENERJ. A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios XVII ENERJ A Importância da Termoeletricidade na Matriz Elétrica Brasileira para os próximos 5 e 10 anos. Cenário de uso reduzido de reservatórios 27 de novembro de 2015 1 Considerações Iniciais Cenário

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS. Lei 12.334/2010. Carlos Motta Nunes. Dam World Conference. Maceió, outubro de 2012 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA DE BARRAGENS Lei 12.334/2010 Carlos Motta Nunes Dam World Conference Maceió, outubro de 2012 Características da barragem para enquadramento na Lei 12.334/10 I - altura do

Leia mais

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015

São Paulo, 28 de abril de 2006. Ref.: Contribuição à Consulta Pública Plano Decenal de Energia Elétrica PDEE 2006/2015 São Paulo, 28 de abril de 2006 CT/301/2006 Excelentíssimo Senhor Silas Rondeau Ministério de Minas e Energia Brasília DF CC: Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético

Leia mais