A Economia Portuária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Economia Portuária"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS, ECONÔMICAS E SOCIAIS CURSO DE ECONOMIA ÊNFASE EM FINANÇAS A Economia Portuária Rafael Rosa Pelotas 2012

2 Rafael Rosa A Economia Portuária Trabalho de Conclusão de Curso de graduação apresentado ao Centro de Ciências Jurídicas, Econômicas e Sociais da Universidade Católica de Pelotas, como requisito parcial para a obtenção do grau de Bacharel em Ciências Econômicas. Orientador: Prof. Dary Pretto Neto PELOTAS 2012

3 Dedico as minhas inspirações Minha esposa Juliana e meus filhos Yuri, Luca e Rafaela

4 AGRADECIMENTOS Aos meus familiares, amigos, professores e demais pessoas que de alguma forma contribuíram para a minha formação como pessoa.

5 RESUMO Este trabalho visa fazer uma análise do porque as economias devem buscar o comércio exterior para se expandirem e o que no passar da ultima década os portos tiveram de evolução na movimentação de cargas. O problema que afeta diretamente esse crescimento é a falta de infraestrutura para as cargas chegarem e saírem pelos portos e suas competições em muitos casos desleais. Palavras chave: Porto, Logística, Exportação, Importação.

6 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1 Os ciclos da movimentação FIGURA 2 Evolução da movimentação de cargas nos portos nos últimos anos FIGURA 3 Mapa de portos nacionais FIGURA 4 Analise Operacional de produtividade FIGURA 5 Analise Analítica Operacional de produtividade FIGURA 6 Analise comparativa de custos logísticos entre Brasil e Eua FIGURA 7 Analise comparativa de uso dos modais logísticos comparado BRIC FIGURA 8 Tabela de comparativo de custos de cada modal FIGURA 9 Comparativo de perdas com desmatamento para implantação de cada tipo de modal.. 19 FIGURA 10 Comparativo de perdas emissão de poluentes FIGURA 11 Custos Sócio Ambiental de Transportes FIGURA 12 Investimentos Nacionais em Ferrovias FIGURA 13 Estrutura Ferroviária Nacional FIGURA 14 Comparativo entre linhas ferroviárias do Brasil x EUA FIGURA 15 Comparativo entre modais aquaviarios do Brasil x EUA... 22

7 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA JUSTIFICATIVA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS METODOLOGIA REFERENCIAL TEÓRICO OPERAÇÃO PORTUARIA COMÉRCIO INTERNACIONAL PENSAMENTO ECONOMICO GRÁFICOS DAS VARIAVEIS IMPACTANTES NOS PORTOS SUGESTÕES PARA REDUÇÃO DE CUSTOS DAS OPERAÇÕES PORTUÁRIAS 23 5 CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 25

8 8 1 INTRODUÇÃO A competição atual entre países, empresas, pessoas e ate culturas que existe hoje em dia com a globalização afeta diretamente a forma como vivemos e evoluímos. A empresa/produto que hoje a um mês atrás você comprava na loja da esquina pode não existir mais. Pode ser importado com preços muito mais em conta do que você adquiria, mas a produção daquele item nós não fazemos ideia onde e como no globo este produto possa estar sendo produzido. Com o crescimento da globalização, as fronteiras entre países diminuíram e tornaram o mercado mais competitivo, não apenas as grandes corporações multinacionais, mas também para empresas de porte pequeno e médio. Estas enfrentam o desafio de se manterem vivas nesta situação de mercado atual onde a concorrência, produtos inovadores e o baixo custo está cada vez mais concorrida. O Brasil, país de dimensões continentais, apesar de contar com mais de sete mil quilômetros de costa (IBGE, 2006) e possuir 80% de sua população vivendo a menos de 200 quilômetros do litoral (CARVALHO, 2004), nunca deu muita importância para o mar e consequentemente para seus portos como agentes de integração nacional e portal para o comércio exterior. Até a década de 90, possuíamos um sistema portuário centralizado, arcaico e ineficiente. A falta de investimentos, o excesso de mão-de-obra e os altos custos praticados faziam com que os portos se tornassem pouco competitivos e decadentes. Em face desses inúmeros problemas, as principais entidades se reuniram e foi promulgada em 25 de fevereiro de 1993 a Lei nº 8.630, que ficou conhecida como a Lei dos Portos, este foi o divisor de águas entre um sistema portuário ultrapassado e oneroso e um que se propõe a ser moderno, eficaz e competitivo. O setor portuário apresenta-se como o 2º setor mais importante, atrás do rodoviário, quando comparado com o sistema de transportes nacionais (LACERDA, 2005).

9 9 1.1 PROBLEMA Hoje em dia todo produto para ser competitivo deve ter seu custo baixo pois a margem de lucro deve ser atrativa pra o produtor vender com ganho superior a um investimento financeiro. Com a exportação e importação de produtos, matérias primas, equipamentos e outros itens sendo imprescindíveis ao crescimento da nossa indústria um dos altos custos dos produtos ficam sendo o custo logístico que pode ser compreendido como tudo que se gasta a partir da saída da empresa do produto ao recebimento por parte do cliente e vice versa. A falta de infraestrutura, o tipo de modal utilizado e pedágios afetam esse custo? 1.2 JUSTIFICATIVA Com o crescimento do volume de movimentação de cargas nos portos que são os elos entre as cidades mais acessíveis perante o custo do transporte essa economia deve ser analisada constantemente e comparada entre os possíveis portos do pais assim como analise para empreendimentos para que cada vez mais fique competitivo o uso desse mercado. 1.3 OBJETIVO GERAL Analisar o crescimento da economia portuária e propor melhorias que possam resultar em mais competitividade do preço dos nossos produtos. 1.4 OBJETIVOS ESPECÍFICOS a) Revisão dos conceitos de operação portuária, comercio internacional e pensamentos econômicos sobre o tema. b) Análise do crescimento de volume na ultima década e seus gráficos relativos. c) Sugestões de possíveis melhorias.

10 METODOLOGIA O trabalho terá um foco qualitativo e explicativo baseado em dados secundários provenientes de artigos publicados no IBGE, IPEA, Materiais das Superintendências Portuárias do Brasil, Livros de Economia Internacional, dentre outras fontes.

11 11 2 REFERENCIAL TEÓRICO 2.1 Operação Portuária Figueiredo (2001) coloca que um porto eficaz deve minimizar a permanência do navio, ou seja, a soma da atracação, tempo de operação e liberação do navio. Se analisarmos diretamente a frase, a velocidade e precisão nos portos é um dos pontos diretos que influenciam na produtividade. Hoje em dia a alma de um porto são seus guindastes cada vez maiores, mais rápidos e mais produtivos; Todos os grandes fornecedores são chineses e o preço médio de um guindaste pode chegar a US$ 5MM e o tempo de entrega acima de 1,5 anos. Os portos são canais de união de diversos fornecedores onde se operam centros logísticos e cadeias de suprimentos (Bichou, 2007). Bichou (2004) afirma que portos são complexos e dinâmicos segundo atividades especificas se diferenciando um dos outros. A base de uma operação portuária pode ser simplificada como no desenho abaixo. Importação conforme modelo abaixo e exportação é o processo inverso. 1. Chegada do navio no porto. 1.1 Atracação 1.2 Operação portuária de descarga. 2. Saída da carga do porto. Figura 1 Os ciclos da movimentação de carga no porto. Fonte: GOES FILHO (2008)

12 12 Também devemos salientar que esse ciclo descrito acima é o básico, pois atualmente os portos por serem geradores de inúmeras necessidades legais de legislação acabam fazendo diversos outros serviços aduaneiros, como despachos, serviços de carga e descarga em caminhões e outros modais. Para termos ideia hoje a receita federal em muitos portos esta dentro da unidade com sua fiscalização, dependendo da sua necessidade ela gera mais serviço ao porto e por consequência ao cliente/dono da carga. A armazenagem consiste em operar com as diferenças entre as capacidades de cargas dos modos de transportes utilizados na operação portuária, compensando as diferenças e permitindo assim que a transferência de carga se processe de maneira contínua e uniforme, desde que exista um planejamento. 2.2 Comércio Internacional O Comércio Internacional ocorre devido às variações em fatores produtivos em diferentes países. Existem inúmeras vantagens resultantes, para todos os participantes do comércio. Algumas de tais vantagens são mencionadas abaixo: Utilização eficiente dos fatores produtivos: A maior vantagem do comércio internacional se relaciona com as vantagens decorrentes da divisão territorial do trabalho e especialização internacional. O comércio internacional permite que um país possa se especializar na produção daqueles produtos em que se beneficia de vantagens especiais. Todos os países não são igualmente dotados de recursos naturais e outras instalações para a produção de bens e serviços de vários tipos. Alguns países são ricamente dotados de recursos de terras e florestas, o que os outros acontecem a ter recursos de capital abundantes. Alguns outros têm oferta abundante de força de trabalho. Sem comércio internacional, um país terá de produzir todos os bens de que necessita, independentemente dos custos envolvidos. Mas o comércio internacional permite a um país produzir apenas os bens em que detém uma vantagem comparativa ou uma vantagem absoluta e importar o restante de outros países. Isto leva a especialização internacional ou divisão de trabalho, a qual, por sua vez, permite o uso eficiente dos fatores de produção com recursos mínimos. Especialização também leva a economias de escala e que, por sua vez, levaria a uma redução do custo dos produtos e serviços.

13 Igualdade nos preços das commodities e do fator O comércio internacional leva a uma igualdade entre os preços dos bens comercializados internacionalmente e fatores produtivos em todas as regiões comerciais do mundo. Convém, no entanto, ser lembrado que os ganhos decorrentes do comércio internacional devem estar disponíveis para os países participantes apenas se o comércio é livre e sem restrições. Se o comércio está sujeito a barreiras tarifárias e não tarifárias pelos países de negociação, os ganhos do comércio internacional se anulam no processo em uma grande extensão. O que é comércio internacional? Carros indianos feitos no Japão, Carros americanos feitas na Alemanha ou produzidos no Japão que usam roupas feitas na China. Japoneses assistem filmes americanos, egípcios bebem refrigerante americano e suecos correm de tênis da América. A economia mundial está mais integrada do que nunca. O Comércio Internacional molda nossa vida cotidiana e do mundo em que vivemos, quase toda vez que fazemos uma compra ou venda, estamos participando da economia global. Produtos e seus componentes vêm para as prateleiras de nossas lojas de todo o mundo. Bens e serviços que um país compre de outro país são chamados de importações e bens e serviços que são vendidos para outros países são chamados de exportações. Comércio em sua maioria ocorre entre as empresas. No entanto, governos e indivíduos com frequência compram e vendem mercadorias a nível internacional. Este comércio ainda consiste na compra e venda de equipamentos industriais, bens de consumo, petróleo e produtos agrícolas. Serviços de bancos, seguros, transportes, telecomunicações, engenharia e turismo são um quinto das exportações mundiais. O custo do transporte internacional e de comunicação caiu drasticamente, resultando em uma maior integração entre as economias do mundo. Por causa dessa interdependência, tendências e condições econômicas de um país podem afetar fortemente os preços, salários, emprego e produção em outros países. Eventos em Tóquio, Londres e Cidade do México tem um efeito direto sobre a vida cotidiana das pessoas em os EUA, assim como o impacto dos eventos em Nova York, Washington e Chicago é sentida em todo o mundo.

14 O Pensamento Econômico Segundo Smith (Apud Hugon, 2008) na grande obra a Riqueza das Nações analisou que as trocas entre países beneficiavam a todos, ou seja, se os países focassem onde tinham experiência, matérias primas e produção de bens que tivessem vantagens, a troca ou venda com outros países resultaria em aumento de consumo que é o objetivo final. O racionalismo e o liberalismo econômico que vieram no século XVIII a substituir o mercantilismo. O comércio internacional passa a ser o incentivador do crescimento econômico. Até mesmo o trafico de escravos e a colonização de países para exploração agrícola e mineral é consequência desses crescimentos. Se um pais consegue produzir algo com menos recursos e vender a outro que também esta focado em sua produção optimizada vamos dizer assim, a troca e ganho entre ambos é evidente, produzir mais com menos recursos na sua produção interna, conceito de vantagem absoluta. Já se um pais consegue com seus próprios recursos gerar uma produção maior do que o consumo interno consiga atingir, o foco desse pais deve ser nesses produtos para conseguir exportar e derivado da exportação buscar a importação ou troca da produção buscando os produtos que tem mais dificuldade de produzir. É a base das vantagens comparativas de David Ricardo em seus "Princípios de Economia Política e Tributação" de Já Thomas Malthus argumentava como exemplo da ilha que depende de importação para atender suas necessidades mínimas, qualquer problema com a importação poderia acabar com a ilha. Ele defendia que para os critérios de necessidade, a proteção agrícola seria importante com os incentivos governamentais. Em 1848, John Stuart Mill, também em seus "Princípios de Economia Política", ele sugeria atuação direta em alimentos e matérias primas ate mesmo usando subsídios na troca por exportação buscando lucros maiores; Para Krugman/Obstfeld (1999) o exagero dos fatores de produção e por consequência ganhos relativos e como estes são usados para produzir bens diferentes é o que demonstra a vantagem comparativa.

15 15 3 ANÁLISE DAS VARIAVEIS IMPACTANTES NOS PORTOS. Neste item serão comentados varias analises gráfica sobre as variáveis que impactam nas operações portuárias. Figura 1 Evolução do PIB Brasil nos últimos 50 anos. No gráfico abaixo demonstra que estamos em constante crescimento do nosso PIB nos últimos anos. A crise econômica de 2008 é visualizada com uma diminuição do ângulo de crescimento. Mas o crescimento do PIB segue continuo. Fonte:

16 16 Figura 2 Evolução da movimentação de cargas nos portos nos últimos anos. Visualizamos o crescimento da movimentação portuária no Brasil por toneladas e o impacto que a crise economia resultou em sua linha de crescimento. Fonte: Figura 3 Mapa de portos nacionais. Apenas uma visão gráfica dos Portos Nacionais e como eles estão localizados Fonte:

17 17 Figura 4 Analise Operacional de produtividade O gráfico abaixo mostra que quanto a produtividade operacional portuária estamos em um nível razoável de excelência. Fonte: Figura 5 Analise Operacional de produtividade Este gráfico demonstra qual porcentagem os fatores operacionais logísticos afetam no preço do produto. Ou seja, o Transporte é o com maior peso. Fonte:

18 18 Figura 6 Analise comparativa de custos logísticos entre Brasil e Eua Claramente visualizamos que o custo de toda cadeia logística Americana é menor que somente o custo do transporte Brasileiro. Fonte: Figura 7 Analise comparativa de uso dos modais logísticos comparado BRIC O uso do modal rodoviário no Brasil é extremamente maior que os outros modais somados. Existe uma divergência muito grande como os outros países do BRIC se movimentam. Fonte:

19 19 Figura 8 Tabela de comparativo de custos de cada modal. Pensando em custos o modal aquaviario é extremamente competitivo sendo varias vezes mais barato do que o modal rodoviário. Figura 9 Comparativo de perdas com desmatamento para implantação de cada tipo de modal. Visualizamos que o modal rodoviário é o que mais destrói o meio ambiente. Fonte: Secretaria de Estado dos Transportes da Amazônia

20 20 Figura 10 Comparativo de perdas emissão de poluentes A rodovia é varias vezes mais poluente em todos os compostos analisados. Fonte: Secretaria de Estado dos Transportes da Amazônia Figura 11 Custos Sócio Ambiental de Transportes O modal ferroviário e o hidroviário são os que geram menor despesa quanto a custos sócio ambientais. Fonte: Secretaria de Estado dos Transportes da Amazônia

21 21 Figura 12 Investimentos Nacionais em Ferrovias No gráfico abaixo visualizamos o crescimento do investimento em ferrovias no pais antes de 1960, e posteriormente a esse período visualizamos cada vez mais o decréscimo de capital para esse importante modal. Foi o período também que o governo muda seu foco de investimento para fabricação de veículos e por consequência estradas. Fonte: Figura 13 Estrutura Ferroviária Nacional. Visualizamos uma grande disparidade das linhas férreas atuais, não existe ligações entre capitais, não existe comunicação férrea diretamente entre as nossas principais cidades litorâneas e por consequência portos. Fonte:

22 22 Figura 14 Comparativo entre linhas ferroviárias do Brasil x EUA Fica evidente pelo gráfico o nível de investimento e estrutura ferroviária que os estados unidos utilizam para distribuição de sua carga. Figura 15 Comparativo entre modais aquaviarios do Brasil x EUA O Brasil mesmo com inúmeros rios internos que poderiam ser utilizados para distribuição e cargas se abstém desse modal, enquanto o estados unidos onde existe rios com profundidade para movimentação de carga explora esse modal diretamente. Rotas de navegação interior Fonte:

23 23 4 SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA REDUÇÃO DE CUSTOS LOGISTICOS Se pararmos para analisarmos nosso pais com uma dimensão grande e com uma operação portuária sendo melhorada ano a ano um dos maiores problemas para termos mais eficiência nos portos é o deslocamento desses produtos ate os portos. Em todos os países desenvolvidos o modal ferroviário e o modal aquaviario interno é amplamente explorado pois reduz diversos custos e impactos que os outros modais causam na nossa economia, seja financeira, ambiental etc... A primeira concessão para se tornar um porto estatal em privado no pais foi em 1997 no porto de Rio Grande no RS, porém hoje passados mais de 15 anos lemos noticias que o governo esta avaliando uma união férrea entre pontos principais no estado e seu único porto capaz de movimentar cargas para navios de grande capacidade. Também nos últimos anos vimos acontecer a famosa guerra fiscal onde os estados buscando mais movimentação nos seus portos que resulta em mais ganho na sua movimentação portuária reduz impostos para empresas levarem seus produtos para seus estados e por consequência utilizar seus portos. Isso acarreta em grandes problemas para os estados vamos citar o estado do RS onde 40% da sua produção esta na faixa norte muito próximo logisticamente e nem precisa dizer muito mais barato pois não tem nenhum pedágio para os portos de SC. Se essa carga sai do RS sendo digamos despachada por outro estado o resultado é extremamente prejudicial para ambos os estados pois reduz suas receitas mas o mais prejudicado fica sendo o estado origem onde perde uma grande parte de seus impostos. Um outro ponto que é visível é o custo de pedágios para uma carga sair por exemplo da Serra do RS e se deslocar ao porto de Rio Grande, o valor pago pelos caminhões onera em valores significativos o valor do frete ou por consequência acarretando esse custo ao produto e este sendo vendido mais caro ao cliente na outra ponta e assim sucessivamente.

24 24 5 CONCLUSÃO Este trabalho teve como objetivo fazer uma análise da economia portuária onde o crescimento que tivemos na ultima década foi imponente e agregou muito a diversos setores do pais porem devemos conscientizar que esse desenvolvimento deve ser constante para manter operacionais nossos portos pois com os investimentos externos da iniciativa privada a busca por resultado é uma constante. O mais impactante desse processo de crescimento é que o governo ainda esta muito burocrático e passivo em pontos chaves para nossa competição interna e externa. O resultado ao invés de crescimento as vezes fica no somente distribuição de cargas onde isso deve ser evitado e sim o crescimento sustentável e constante da movimentação. O uso de portos e estruturas portuárias para finalidade de exportação e importação deve ser um foco constante da nossa economia para distribuição e logística de produtos finalizados e matérias primas pois sempre resultara em um custo menor aos nossos clientes. A estatística é fundamental para o governo atuar nas disparidades locais e realocar investimentos para que todos os estados da federação possam ter suas estruturas próprias de operação portuária ou ate mesmo criar competições saudáveis dentre a iniciativa privada. Os outros modais para distribuição da carga devem ter sua porcentagem de utilização nacional aumentada para uma melhor analise de custo x beneficio para a nossa realidade.

25 25 REFERÊNCIAS ABNT. NBR de dezembro de Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT, 1987 AHITAR Adm. Hidrovia do Tocantins e Araguaia AMBRÓSIO, Paulo Apostila da Disciplina Logística Portuária, Curso ministrado na FEMAR, Abril/2001. BBC News - acessado em maio BECHTEL. Brazil s Global Logistic Network for the 21 st Century. Bechtel International Inc., BHAGWATI, J. International Factor Mobility - Essays in International Economic Theory. Vol. 2, Massachusetts : The MIT Press, BICHOU, K., GRAY, R. A logistics and supply chain management approach to port performance measurement. Maritime Policy and Management 31 (1), 47 67, BICHOU, K. Review of Performance Approaches and a Supply Chain Framework to Port Performance Benchmarking. In: BROOKS, M & CULLINANE, K (Orgs), Devolution, Port Governance and Port Performance, p London: Elsevier, BNDES, 1997 Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Modelo de Consistência Macroeconômica (MCM), Trabalho 52, Rio de Janeiro, Janeiro/1997. BRASIL. Lei Nº de 25/02/1993 Dispõe sobre o Regime Jurídico da Exploração do Portos Organizados e das Instalações Portuárias e dá outras providencias CARGO SYSTEMS, New York, Revista Champion V Shipping Example, ed. Jan./1991, CARPENTIER, Ricardo, 2001, Apostila da Disciplina de Shipping, Femar Fundação de Estudos do Mar, Curso ministrado em Agosto/2001. CARVALHO Adácio, Apostila da disciplina de Planejamento Portuário, MBA Portos e Logística, UGF Out/2004 CARVALHO, F.V.M. Estudos de Portos do Brasil. Ed. Rodrigues & C. Escola Polytéchnica. p.p , Rio de Janeiro, Brasil, CEPAL, 2003, Comércio contenedorizado regional, TEU. CEPAL - Comissão Econômica para América Latina e Caribe. Disponível em pesquisado em maio/2012.

26 26 CODESP, 2003, Companhia Docas do Estado de São Paulo, (acessado em maio/2012). Correio do Povo, acessado em Maio DREWRY, 1998, Shipping Consultants Ltd. World Conteiner Terminals. London, UK, Abril/1998. ESCAP, 1992 Assessment of the Environmental Impact of Port Development: A Guidebook for EIA of Port Development. Economic and Social Commission for Asia and tre Pacific. United Nations Publications, New York, USA. GEIPOT, 1998, Modelagem do Arrendamento do Terminal de Contêineres do Porto de Sepetiba. Relatório Final. Elaborado pela Planave S.A. Estudos e Projetos de Engenharia para a Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes, 74 p, Publicado em Março/1998. GOES FILHO, H. Notas de Aula de Operação Portuária. Curso de Especialização em Engenharia Portuária. UFRJ, HOFFMANN, J., 1998 Concentration in Liner Shipping: Its Causes and Impacts for Ports and Shipping Services in Developing Regions. Santiago, Chile. United Nations Publications, 97 p. IBGE, 2006, Anuário Estatístico Anual. IPEA - -materias&itemid=39 acessado em maio FIGUEIREDO, G. S. O Papel dos Portos Concentradores na Cadeia Logística Global. Anais do XXI Encontro Nacional de Engenharia de Produção Bahia, KRUGMAN/OBSTFELD, Paul R. e Maurice. Economia Internacional - Teoria e Política. São Paulo: Makron Books, HUGON, Paul. História das Doutrinas Econômicas. São Paulo : Atlas, LACERDA, Sander Magalhães. Investimento nos Portos Brasileiros: Oportunidades da Concessão da Infra-estrutura Portuária. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 22, p , set pressa/tipo/bndes_setorial/200509_2.html (acessado em maio/2012). LADEIRAS, 2002, Fernando. Apostila da Disciplina Sistema de Transporte Marítimo Brasileiro Internacional, MBA Portos e Logística. UGF, 2011.

27 27 MACHADO, Danniel Lafetá. A Qualificação da Mão-de-Obra no Comércio Internacional Brasileiro: um Teste do Teorema de Heckscher-Ohlin. Rio de Janeiro: BNDES, 1997 Marinha do Brasil. Carta Náutica nº 1623/ Malthus, Thomas Robert. Principles of Political Economy Considered with a View to Their Practical Aplication - An Essay on the Principle of Population. MARTINS, M.J. e CORDEIRO, R.L., 2001, Aspectos Atuais da Movimentação de Contêineres. Projeto final de Curso, Rio de Janeiro, 108 p. 79 MILL, John Stuart Principios de Economia - VOLUME I - Tradução de Luiz João Baraúna em 1996 MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES, Anuário Estatístico editado em março/2009. PORTOBRÁS, 1984, Anuário Estatístico dos Portos do Brasil. PORTOS E NAVIOS. Os Portos Nova Rota. Revista Portos e Navios, Rio de Janeiro, ed. 511, Ano 45, ago/2003. RATTI, Bruno. Comércio Internacional e Câmbio. 9a. edição. São Paulo : Edições Aduaneiras, RICARDO, David. On the Principles of political economy and taxation. em 1817 (reeditado em 1819 e 1821). Traduzido por Paulo Henrique Ribeiro Sandroni em 1996; SMITH, Adam. Riqueza das Nações. Lisboa: Ed. Fundação Calouste Gulbenkian, 1981 e vols. SOUZA, Adalmir José de., 2002, Apostila da Disciplina Gerência Operacional de Terminais e Portos. MBA Portos e Logística. UGF, Nov/2002. UNCTAD, 1969, Development of Ports: Improvement of Port Operations and Connected Facilities ( TD/B/C. 4/42/Rev.1 ). United Nations Conference on Trade and Development, United Nations Publications, New York, USA. UNCTAD, 1992, Port Development: A handbook for planners in developing countries. ( TB/B/C.4/175 ). United Nations Conference on Trade and Development, United Nations Publications, New York, USA. VELASCO, L. O. M. de; Lima, E. T.; Flores, G. D.; Dell Armi, A. R., 1998 Logística e Contêineres no Brasil. BNDES. Área de Projetos de Infra-Estrutura, Informe nº 26, Maio/ WILLIAMSON, John. A Economia Aberta e a Economia Mundial Um Texto de Economia Internacional. 3a. edição. Rio de Janeiro : Editora Campus, 1989.

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DOS CUSTOS DO TRANSPORTE DA SOJA NO BRASIL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: ADMINISTRAÇÃO INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA ZONA LESTE AUTOR(ES):

Leia mais

ENCONTRO 1 Logística e Transporte

ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte ENCONTRO 1 Logística e Transporte TÓPICO 1: Contextualizando o encontro Olá! Você está iniciando o primeiro encontro do curso Logística Internacional. Neste encontro,

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo

LOGÍSTICA & BRASIL Artigo O artigo aborda relações entre logística, formação profissional e infra-estrutura do país. São debatidas questões sobre a evolução da logística no Brasil, a preparação educacional do profissional de logística

Leia mais

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol

Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos. Profª Caroline Pauletto Spanhol Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos Profª Caroline Pauletto Spanhol Cadeia de Abastecimento Conceitos e Definições Elementos Principais Entendendo a Cadeia de Abastecimento Integrada Importância

Leia mais

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22

MBA em Logística. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 MBA em Logística Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 Prof. MBA em Logística Prof. Distribuição e Transportes DTA04 sala 22 NOMENCLATURA DE CARGAS Classificação de Cargas Classes de Cargas Sub-Classes

Leia mais

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS

ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS ASPECTOS LOGÍSTICOS DO ESCOAMENTO DO AÇÚCAR PAULISTA: TRECHO USINA PORTO DE SANTOS Maria Rita Pontes Assumpção Mestrado em Gestão de Negócios Universidade Católica de Santos Resenha da Dissertação de Bruno

Leia mais

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira

O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira SETOR EXTERNO E ECONOMIA INTERNACIONAL O crescimento da China e seus impactos sobre a economia mineira Gilberto Libânio * RESUMO - O presente trabalho busca discutir a importância do setor externo no desempenho

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 2ª Ano Tema da aula: transporte e Telecomunicação Objetivo da aula:. Entender as principais formas de

Leia mais

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL

. CONSUMO DE ÓLEO DIESEL TRANSPORTES Os transportes têm como finalidade o deslocamento e a circulação de mercadorias e de pessoas de um lugar para outro. Nos países subdesenvolvidos, cuja economia sempre foi dependente dos mercados

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE

UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE TP 15164T UMA SOLUÇÃO DE TRANSPORTE EFICAZ, FIÁVEL E SEGURA www.atlanticgateway.gc.ca A PORTA DO ATLÂNTICO É: Uma rede multimodal protegida, segura e sustentável equipada com instalações especializadas

Leia mais

O DESAFIO BRASILEIRO

O DESAFIO BRASILEIRO O DESAFIO BRASILEIRO 1 Principais desafios do comércio mundial para o Brasil O comércio global brasileiro por meio de contêineres principal motor para a globalização do país está crescendo cerca de 4%

Leia mais

A navegação de cabotagem no Brasil

A navegação de cabotagem no Brasil A navegação de cabotagem no Brasil Um imenso potencial com grandes desafios e barreiras João Guilherme Araujo Diretor de Desenvolvimento de Negócios ILOS - Instituto de Logística e Supply Chain Ultimamente

Leia mais

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo

Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Congestionamento de Porto + Desembaraço + Infraestrutura = Impacto no Custo Brasil Fabiana Nakai, Gerente de Soluções para Clientes, Automotivo Outubro, 2013 UTi Provedor de Soluções Logísticas Financeiro

Leia mais

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental

O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental O Transporte Aquaviário como Solução Logística e Ambiental Missão Rússia Seminário Portos Fernando Fialho Diretor-Geral da ANTAQ Data: 14/05/2010 Local: Hotel Ritz-Carlton Uma breve visão do Brasil Fatos

Leia mais

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA

Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA Visão dos armadores sobre potencial, investimentos e obstáculos no corredor Centro Norte SINDARPA SINDARPA INSTITUCIONAL O Sindicato das Empresas de Navegação Fluvial e Lacustre e das Agências de Navegação

Leia mais

MANUAL DE INVESTIMENTOS

MANUAL DE INVESTIMENTOS IPEA - INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA MANUAL DE INVESTIMENTOS PROPOSTA DE COLETA E CADRASTRAMENTO DE INFORMAÇÕES SOBRE INTENÇÕES DE INVESTIMENTOS EMPRESARIAIS (Segunda Versão) Luciana Acioly

Leia mais

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1

www.boscotorres.com.br Prof. Bosco Torres CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 ADAM SMITH e DAVID RICARDO DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004. CE_07_Adam Smith e David Ricardo 1 Principais

Leia mais

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte

LOGÍSTICA. O Sistema de Transporte LOGÍSTICA O Sistema de Transporte O TRANSPORTE 1. Representa o elemento mais importante do custo logístico; MODALIDADE (UM MEIO DE TRANSPORTE) MULTIMODALIDADE (UTILIZAÇÃO INTEGRADA DE MODAIS) Tipos de

Leia mais

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global

O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global O Desafio do Aumento da Produtividade na Indústria para Conquistar um Mercado Global Jorge A r bache U n i v e r s i d a d e d e B r a s í l i a S E M P E X 2 0 1 4 M a c e i ó, 2 2 / 5 / 2 0 1 4 0,45

Leia mais

Navegação de Cabotagem

Navegação de Cabotagem Reunião Conjunta Câmaras Setoriais da Cadeia Produtiva de Milho e Sorgo e da Cadeia Produtiva de Aves e Suínos Identificação das formas de movimentação dos excedentes de milho no Brasil Navegação de Cabotagem

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA

FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins Marta Monteiro da Costa Cruz FATORES RELACIONADOS À EFICIÊNCIA DE PORTOS E TERMINAIS DE CARGA Karen Vassoler Martins

Leia mais

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras

A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras A Infra-estrutura e os Desafios Logísticos das Exportações Brasileiras P. Fernando Fleury Um dos principais efeitos do processo de globalização que vem afetando a grande maioria das nações, é o aumento

Leia mais

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico

A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem. Fabrízio Pierdomenico Secretaria Especial de Portos da Presidência da República A Importância do Porto Brasileiro no Desenvolvimento da Cabotagem C- Fabrízio Pierdomenico Sub-Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Portuário

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades

Pesquisa. Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008. Entraves e Prioridades Pesquisa Os Problemas da Empresa Exportadora Brasileira 2008 Entraves e Prioridades Renato Fonseca Brasília, 1 de outubro de 2008 Apresentação 1. Amostra 2. Entraves à expansão das exportações 3. Tributação

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo

DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO. Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE AQUAVIÁRIO Cláudio Roberto Fernandes Décourt Vice-Presidente Executivo Outubro / 2003 A MARINHA MERCANTE BRASILEIRA MMB ítens abordados: transporte internacional; cabotagem;

Leia mais

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira

A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira A importância estratégica da Logística na Siderurgia Brasileira CARLOS JR. GERENTE DE PLANEJAMENTO INTEGRADO Jun/2013 Jorge Carlos Dória Jr. Votorantim Siderurgia Votorantim Siderurgia O Grupo Votorantim

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

Navegação Interior. Entraves para suas atividades

Navegação Interior. Entraves para suas atividades Navegação Interior Entraves para suas atividades A navegação interior no Brasil, permitiu a expansão da fronteira para o oeste, sendo a via de acesso ao Mato Grosso, Rondônia, Acre e Amazonas. Hoje, a

Leia mais

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso

A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso A Importância da Logística para o Desenvolvimento Regional Wagner Cardoso Secretário-Executivo do Conselho de Infraestrutura da Confederação Nacional da Indústria CNI Brasília, 4 de maio de 2011 1 Qualidade

Leia mais

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS

TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS Câmara dos Deputados Comissão Especial PL 0037/11 Audiência Pública em 18 de Setembro de 2013 TEMA: DESAFIOS LOGÍSTICOS (Brasília-DF) INSTITUTO BRASILEIRO DE MINERAÇÃO SUMÁRIO 1) A MINERAÇÃO HOJE 2) MINERAÇÃO

Leia mais

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta

Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Logística Integrada na Prestação de Serviços de Cabotagem De Porto-a-Porto a Porta-a-Porta Renata de Oliveira Carvalho. Dissertação de Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Gestão de Negócios da Universidade

Leia mais

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA

LOGÍSTICA. Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA Curso: Gestão Comercial Prof. Daniel Rossi LOGÍSTICA 1.0 UMA FUNÇÃO ESSENCIAL NA EMPRESA O conceito de Logística sempre envolve um fluxo de materiais de uma origem ou destino e, no outro sentido, um fluxo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS ECONÔMICAS DIANA LIMA DOS SANTOS LOGÍSTICA DE TRANSPORTES PARA A INDÚSTRIA FARMACÊUTICA NA BAHIA: ANÁLISE QUALITATIVA

Leia mais

ESTUDO DA CRIAÇÃO DE UMA PLATAFORMA MULTIMODAL Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Área delimitada onde em um mesmo local se encontram disponibilizados: DUTOVIAS HIDROVIAS RODOVIAS AEROVIAS FERROVIAS Área

Leia mais

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS

Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Cadeia de Valor do Suco de Laranja Projeto GOLLS Prof. Manoel A. S. Reis, Ph.D FGV-EAESP and Gvcelog Mesa Redonda - A Cadeia LogísticaPortuária e Impactos Sociais na Baixada Santista UniSantos - Universidade

Leia mais

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional

3 O Cimento no Brasil. 10 Características da Indústria Cimenteira. 12 O Cimento no Custo da Construção. 13 Carga Tributária. 15 Panorama Internacional 3 O Cimento no Brasil 3 Processo produtivo 4 Histórico 5 Indústria 6 Produção 7 Consumo 8 Produção e consumo aparente regional 9 Vendas internas e exportação 10 Características da Indústria Cimenteira

Leia mais

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola

chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Infra-estrutura como fator chave para a sustentabilidade do escoamento da produção agrícola Ieda Kanashiro Makiya Rogério Carlos Traballi UNIP BRASIL: 10º PIB mundial (FMI, 2005) x PIB per capita abaixo

Leia mais

SISTEMAS DE TRANSPORTES

SISTEMAS DE TRANSPORTES ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS, PRODUÇÃO E LOGÍSTICA SISTEMAS DE TRANSPORTES TRANSPORTES Transportes, para a maioria das firmas, é a atividade logística mais importante, simplesmente porque ela absorve, em

Leia mais

LOGÍSTICA INTERNACIONAL

LOGÍSTICA INTERNACIONAL LOGÍSTICA INTERNACIONAL Maria Rita Pontes Assumpção Universidade Católica de Santos UniSantos Programa de Mestrado em Gestão de Negócios rita.assumpcao@unisantos.br rita@dep.ufscar.br Resenha do livro

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA JANEIRO/98 Nº 18

INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA JANEIRO/98 Nº 18 INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA JANEIRO/98 Nº 18 Privatização dos Portos Os principais portos brasileiros foram construídos sob o regime de concessão privada monopolista por

Leia mais

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar)

Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Espaço Geográfico (Tempo e Lugar) Somos parte de uma sociedade, que (re)produz, consome e vive em uma determinada porção do planeta, que já passou por muitas transformações, trata-se de seu lugar, relacionando-se

Leia mais

Yusen Logistics do Brazil. Supply Chain Solutions

Yusen Logistics do Brazil. Supply Chain Solutions Yusen Logistics do Brazil Supply Chain Solutions Yusen Logistics Group NYK A YUSEN LOGISTICS é uma empresa do Grupo NYK (fundada em Tóquio em 1885), que atua na gestão do fluxo de bens, serviços e informações

Leia mais

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio)

PREÇOS X CUSTOS CUSTO PREÇO. t C TEMPO. Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) $ PREÇOS X CUSTOS Globalização => vantagem para compradores => quedas nos preços (também provocadas pela ampliação do comércio) CUSTO PREÇO Sobrevivência das empresas depende de redução de custos t C TEMPO

Leia mais

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013

Navegação de Cabotagem no Brasil. João Guilherme Araujo. Novembro/2013 Navegação de Cabotagem no Brasil João Guilherme Araujo Novembro/2013 Agenda Porque falar de Cabotagem? Cabotagem no Brasil Pontos Favoráveis e Desfavoráveis Números da Cabotagem no Brasil Cabotagem de

Leia mais

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística

Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi. Logística Empresarial e Sistema Integrado. Objetivos do Tema. Logística Recursos Humanos Prof. Angelo Polizzi e Sistema Integrado Objetivos do Tema Apresentar: Uma visão da logística e seu desenvolvimento com o marketing. A participação da logística como elemento agregador

Leia mais

Evolução da Utilização Multimodal

Evolução da Utilização Multimodal "Sem caminhão, o Brasil pára". Transporte Intermodal de Cargas A intermodalidade, fisicamente, é a mesma coisa, ou seja, o transporte da carga por mais de um modal para alcançar o seu destino. O que diferencia

Leia mais

GESTÃO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação

GESTÃO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação GESTÃO TERRITORIAL DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE TERRITÓRIOS a REGIÃO como espaço de atuação e inovação Nova condição territorial Na era da integração econômica regional e global, situações locais são

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades, conteúdos

Leia mais

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS

TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS TEORIA DA FIRMA E CUSTOS INDUSTRIAIS Bruno Aguilar da Cunha 1, Diego Alamino de Oliveira 2 1,2 FATEC SOROCABA - Faculdade de Tecnologia de Sorocaba José Crespo Gonzales 1 bruno.cunha2@fatec.sp.gov.br,

Leia mais

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira

DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira DISCIPLINA: DOWNSTREAM TRANSPORTE Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Iniciaremos aqui mais um desenvolvimento de segmento da Indústria de Petróleo e Gás, DOWNSTREAM TRANSPORTE, no que se refere

Leia mais

A economia global e a organização do espaço

A economia global e a organização do espaço littleny/ Shutterstock ssguy/ Shutterstock A economia global e a organização do espaço Xangai, China Las Vegas, EUA Alain Lacroix/ Dreamstime.com Empresas multinacionais e economia global A revolução tecnocientífica,

Leia mais

A REALIDADE LOGÍSTICA

A REALIDADE LOGÍSTICA A REALIDADE LOGÍSTICA Logística NO BRASIL Por Marco Aurélio O Brasil teve, até o ano de 2010, 1,76 milhão de quilômetros de vias rodoviárias. Desse total, somente 212.000 quilômetros estavam pavimentados.

Leia mais

O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A

O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A O PAPEL DO OPERADOR LOGÍSTICO O PROCESSO DE AGREGAR VALOR AO CLIE TE ESTUDO DE CASO DA FASSI A Thames Richard Silva Dissertação de Mestrado em Gestão de Negócios, Programa de Pós-Graduação em Gestão de

Leia mais

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção

Fig. A: A imagem da rede total e da rede imediata de suprimentos Fonte: Slack, Nigel e outros. Administração da Produção Fascículo 5 Projeto da rede de operações produtivas Se pensarmos em uma organização que produza algo, é impossível imaginar que essa organização seja auto-suficiente, isto é, que produza tudo o que irá

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. 1 No seu relacionamento social como se posiciona face

Leia mais

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira

O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira O Desenvolvimento do Transporte de Contêineres na Cabotagem Brasileira Mauro Dias Diretor-Presidente 1 Seminário Cabotagem Brasileira Agosto 2009 Mercado de Cabotagem de Contêineres O mercado de contêineres

Leia mais

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas

Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Portos Brasileiros: Diagnósticos, Políticas e Perspectivas Congresso Internacional NAVEGAR 2010 Carlos Campos Neto Carlos.campos@ipea.gov.br Porto Alegre, agosto de 2010 2/33 Sumário Diagnóstico Marco

Leia mais

Desafio Logístico 2013

Desafio Logístico 2013 1 Desafio Logístico 2013 Índice Introdução 3 A situação O desafio 5 5 Regras gerais 6 2 Introdução O desenvolvimento econômico do Brasil enfrenta inúmeros desafios sendo que um dos mais complexos está

Leia mais

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países?

Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Faz sentido o BNDES financiar investimentos em infraestrutura em outros países? Marcos Mendes 1 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) tem financiado a construção de infraestrutura

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático

Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Unidade 6: O Leste e o Sudeste Asiático Capítulo 1: Japão - Capítulo 2: China - Capítulo 4: Tigres Asiáticos Apresentação elaborada pelos alunos do 9º Ano C Monte Fuji - Japão Muralha da China Hong Kong

Leia mais

VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte)

VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte) VANTAGENS ABSOLUTAS e RELATIVAS (4.2-3.2aParte) CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal

ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal ABPA Associação Brasileira de Proteína Animal Unificação das associações em uma nova entidade José Perboyre Diretor Financeiro e Administrativo Coordenador do Grupo Permanente de Logística A UBABEF Entidades

Leia mais

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS

TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES: REDES MATERIAIS TRANSPORTES desenvolvimento da tecnologia e a busca de economia de energia e tempo criação de equipamentos para transportar grandes volumes de carga e menor gasto de energia;

Leia mais

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas.

Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Logística para aprender Vantagens da consolidação de embarque nos processos de importação de cargas fracionadas. Divulgação Maria Gabriela Frata Rodrigues Liboni Analista de Importação. Especialista em

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 6. Contextualização. Modais de Transporte. Instrumentalização. Modais de Transporte Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 6 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Modais de Transporte Característica Comparações Utilização Instrumentalização Multimodalidade e intermodalidade

Leia mais

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS

RESOLUÇÕES E RESPOSTAS GEOGRAFIA 1 GRUPO CV 10/2009 RESOLUÇÕES E RESPOSTAS QUESTÃO 1: a) Os gráficos destacam que conforme ocorreu o aumento da população na grande São Paulo aumentaram também o número de viagens da população

Leia mais

II 02 Calçados de Couro

II 02 Calçados de Couro II 02 Calçados de Couro [Artigos de Vestuário e de Moda] 1. Definição da Categoria Esta categoria abrange os calçados de couro, incluindo botas, excluindo os sapatos esportivos e chinelos. Todos os calçados

Leia mais

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do

Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do Sec. XIX Porta de entrada dos imigrantes e comércio fluvial. 2001-1905 Primeiro estudos técnicos 1914 Construção do molhe sul 1938 Primeiro trecho do cais (233m) 1950/56 Complementação do cais (total 703m)

Leia mais

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279

Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Reunião APIMEC - 3T15 dri@santosbrasil.com.br +55 11 3279-3279 Ressalvas sobre considerações futuras As afirmações contidas neste documento quanto a perspectivas de negócios para a Santos Brasil Participações

Leia mais

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO

Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA EVOLUÇÃO Introdução à Logística e ao Gerenciamento da Cadeia de Abastecimento CONCEITO DE LOGÍSTICA DÉCADA DE 70 TRANSPORTE, ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO DÉCADA DE 80 SISTEMA INTEGRADO DÉCADAS DE 90 / 00 SERVIÇO

Leia mais

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM.

DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. DEFINIÇÃO DE UMA ESTRATÉGIA DE PREÇO DE FRETE DE CARGA FRACIONADA PARA UMA TRANSPORTADORA DA REGIÃO METROPOLITANA DO MUNICÍPIO DE BELÉM. Leonardo Silva Figueredo (UNAMA) leonardosfigueredo@hotmail.com

Leia mais

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos

A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA. vem apresentar à sua empresa um programa completo de suporte às operações de logística, que atende aos 2012 Apresentação Luiz José de Souza Neto Union Modal Logística Integrada Rua Teixeira de Freitas, 72, cj. 23 Santos / SP - Tel.: 13 30613387 luiz@unionmodal.com.br A UNION MODAL LOGÍSTICA INTEGRADA LTDA.

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 E 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 05 FILIPE S. MARTINS AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA ROTEIRO TMS GESTÃO DE TRANSPORTES PRA QUE SERVE? NÍVEIS DE DECISÃO QUAL A UTILIDADE? BENEFÍCIOS MODELOS EXERCÍCIO GESTÃO DE TRANSPORTE

Leia mais

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade

MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade MRS, uma Ferrovia com Selo ISO de Qualidade Maio 2009 Por que o Conteiner não vai mais longe na Ferrovia? Painel Ferrovias Contexto Ferrovias - Brasil 11 malhas concedidas à iniciativa privada totalizam

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística?

Relembrando...O Que é Logística? 4 Logistica e Distribuição. Conceito Formal de Logística. Mas quais são as atividades da Logística? Relembrando...O Que é Logística? Logística e Distribuição A atividade de Transporte 1 2 Conceito Formal de Logística Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística é o processo de planejar,

Leia mais

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas...

Importância da normalização para as Micro e Pequenas Empresas 1. Normas só são importantes para as grandes empresas... APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo

Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo Bases Tecnológicas do curso de Logística 1991 3º Módulo III.1 GESTÃO DE TRANSPORTES 1.1. O desenvolvimento econômico e o transporte. 1.2. A geografia brasileira, a infraestrutura dos estados, municípios

Leia mais

Acarência de informações

Acarência de informações Custos logísticos na economia brasileira Maurício Pimenta Lima Introdução Acarência de informações sobre custos logísticos no Brasil torna freqüente a utilização de dados defasados. O grande problema é

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios

São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios São Paulo: múltiplas oportunidades que impulsionam seus negócios A importância da economia paulista transcende as fronteiras brasileiras. O Estado é uma das regiões mais desenvolvidas de toda a América

Leia mais

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO

CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO CAPÍTULO III MEIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE HIDROVIÁRIO O Transporte Hidroviário é o mais antigo do mundo. Subdivide-se em: - Transporte Marítimo: executado pelos mares, normalmente transportes internacionais

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos

PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos PLATAFORMA LOGÍSTICA Instrumento Importante para maior eficiência logística dos Portos Brasileiros O Caso do Porto de Santos José Newton Barbosa Gama Assessor Especial Dezembro de 2011 SUMÁRIO Problemática

Leia mais

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística

2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística 2o. Congresso Brasileiro de Supply Chain & Logística O Grande Desafio do Supply Chain e da Logística: o limite da Infraestrutura Brasileira 23 e 24 DE MARÇO HILTON MORUMBI SÃO PAULO, Brasil WTG-World Trade

Leia mais

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas

Título do Trabalho. Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Título do Trabalho Ambiente Macroeconômico e Evolução dos Mercados de Produtos Estampados de Chapas Metálicas Autores: Antonio Carlos de Oliveira, Eng. Dr. Professor Pleno e Diretor e da Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial

ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 3 Minério de Ferro 1. Reservas e Mercado Mundial O minério de ferro é abundante no mundo, porém as jazidas concentram-se em poucos países, sendo que apenas

Leia mais

Diretoria de Planejamento

Diretoria de Planejamento Diretoria de Planejamento Superintendência de Planejamento Nota Técnica 01/2003 - Janeiro de 2003 ALCA ou NAFTA? Ameaças e Oportunidades Celso A. M. Pudwell 1 1. Introdução: Blocos Regionais A Área de

Leia mais

GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Comércio Interno: efetuado dentro do território do país. Pode ser nacional, regional e local;

GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL. Comércio Interno: efetuado dentro do território do país. Pode ser nacional, regional e local; Profª Elieti Biques Fernandes GENERALIDADES DO COMÉRCIO INTERNACIONAL 1.1 - Comércio Interno vs Comércio Externo O comércio é atividade econômica que consiste em adquirir os bens dos produtores e revendê-los

Leia mais

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

Vamos nos conhecer. Avaliações 23/08/2015. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo I Introdução à Logistica Empresarial Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Vamos nos conhecer Danillo Tourinho Sancho da Silva, M.Sc Bacharel em Administração, UNEB Especialista em Gestão da Produção

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL. Tatiana Torres OPORTUNIDADES E DESAFIOS DA INFRAESTRUTURA LO- GÍSTICA BRASILEIRA FRENTE AO CENÁRIO INTERNACIONAL Tatiana Torres Em um país com tantas deficiências em termos de gestão, investimentos e política pública,

Leia mais