PROGRAMAS TELEVISIONADOS FOMENTANDO A CRIMINALIDADE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMAS TELEVISIONADOS FOMENTANDO A CRIMINALIDADE"

Transcrição

1 PROGRAMAS TELEVISIONADOS FOMENTANDO A CRIMINALIDADE Tarcisio Ricardo Rios Caxias da Costa 1 Resumo O presente artigo discute a questão da violência e suas representações em programas televisionados, principalmente em rede aberta, onde na maioria das vezes o consumo pela informação é imediato, não abrindo espaço para reflexões. Sugere-se que a má qualidade de alguns programas televisionados, sob o jargão de alertar a sociedade para problemas sociais atuais, acaba por fomentar a prática de condutas negativas e inaceitáveis ao olhar cidadão. Alguns destes procedimentos, rotulados como de menor poder ofensivo, mas que somados contribuem consideravelmente para a formação de uma sociedade desviada de valores positivos, a exemplo do respeito às diferenças e da solidariedade, municiam programas de gosto duvidoso, tendo por principal expectador, o jovem em formação moral e ética. Palavras-chave: televisão, juventude, sociedade, criminalidade, ética e moral. 1. INTRODUÇÃO O espaço ocupado pela televisão na atualidade excedeu, em muito, o lugar de entretenimento ou informação que a princípio lhe era delegado (SCHWERTNER, 2007, p. 48). O mundo vem passando por uma série de transformações morais e sociais, alavancadas sobremaneira com o firmamento da globalização. Este evento vem se aproveitando dos diversos canais de comunicação, principalmente da televisão, que viabiliza a multiplicação de informações de toda ordem, sem regulações éticas e morais básicas, comprometendo o bom desenvolvimento social, onde os maiores prejudicados são os jovens em formação. Diante do novo perfil familiar, onde os pais trabalham praticamente o dia todo, a televisão vem fazendo o papel de educador dos novos jovens. Segundo Kehl, hoje, para além de um locus pedagógico, a telinha (...) propõe formas de desejar, apresenta modelos de identidade, assegura companhia durante as 24 horas do dia para crianças, jovens e adultos. A questão aqui salientada é que a televisão, como aparato tecnológico criado fundamentalmente para o entretenimento das pessoas, mostra-se cada vez mais um 1 Capitão do quadro de combatentes da Polícia Militar do Estado da Bahia, Bacharel em Direito, Especialista em Gestão Estratégica de Recursos Humanos, Responsabilidade Civil e Direito do Consumidor e Analista em Microinformática.

2 instrumento insinuador de ideologias, costumes, modismos e, sobremaneira, de valores que rivalizam com os da família e do salutar ambiente escolar. Silva (1997) atesta que não haveria problema se esta rivalidade viesse a reforçar valores universalmente reconhecidos como essenciais à sobrevivência e à paz da humanidade, tais como a solidariedade e o respeito às diferenças No entanto, a programação televisiva, não raramente os enaltece. Especialmente nos últimos anos, o que se tem observado é o uso das imagens não para reforçar estes e tantos outros valores, mas, sim, a exacerbação do ódio e da morte como caminho para qualquer coisa que se deseje. Assim, o que fica explicito é que o mal não está na televisão, mas no uso que dela está sendo feito. A sociedade atual é mediática, logo, dependente da televisão como fonte de informação, Entretanto, as informações elaboradas se apresentam para o receptor como de consumo imediato, não permitindo espaços para reflexões, posto que as notícias devam ser breves e objetivas. De forma quase que cartelizada, os programas jornalísticos apenas retratam os acontecimentos urbanos, não sendo violentos em si. A violência televisiva fica mais evidenciada nos programas relacionados ao entretenimento, na medida em que desrespeitam o ser humano, na maioria das vezes expondo-os a constrangimentos desnecessários. Alicerçado em programas com características sensacionalistas e traços de violência, a abordagem aqui apresentada, em síntese, buscou verificar até que ponto explorar situações constrangedoras pode de fato despertar uma reflexão mais apurada da realidade? Como as grades de programação da TV aberta, muitas vezes criticadas pela baixa qualidade, mas que apresentam índices representativos de audiência pode, de fato, fomentar o debate e reflexão sobre a sociedade atual? 2. VIOLÊNCIA E MÍDIA TELEVISIVA (...) a televisão é muito mais do que um aglomeramento de produtos descartáveis destinados ao entretenimento de massa. No Brasil, ela consiste num sistema complexo que fornece o código pelo qual os brasileiros se reconhecem brasileiros. Ela domina o espaço público (ou a esfera pública) de tal forma, que, sem ela, ou sem a representação que ela propõe do país, torna-se quase impraticável a comunicação e quase impossível o entendimento nacional.(...) O espaço público no Brasil, começa e termina nos limites postos pela televisão. (...) O que é invisível para as objetivas da TV não faz parte do espaço público brasileiro. O que não é iluminado pelo jorro multicolorido dos monitores ainda não foi integrado a ele (BUCCI, 1997, p.9-11).

3 De acordo com Tondato (2007, p. 127), a violência é representada por meio de simplificações das complexidades de uma sociedade individualista, que experimenta, nos grandes centros urbanos, momentos de heterogeneidade, anonimato, mobilidade, segregação, instabilidade e insegurança, todos eles passíveis de serem televisionados quando a violência entendida por alguns pesquisadores como um momento enlouquecido em que a sociedade se revela se manifesta na suas mais variadas formas. A partir dessas considerações, a autora trabalha com momentos de violência mais presentes no cotidiano e/ou no imaginário das pessoas: a guerra e a violência urbana. Como decorrência, tem-se três manifestações: O ato violento individual, concretizado em estupros, assassinatos em série, que seriam produtos de patologias e cuja exploração pela mídia faz parte de um processo catártico; O ato violento social, exemplificado por seqüestros e latrocínios, produto da busca pela igualdade, seja por aqueles que se sentem injustiçados em uma sociedade de consumo, seja pelo crime que se organiza paralelamente ao poder constituído; O ato violento institucionalizado, do qual as guerras são o produto mais acabado, produto da busca pelo poder político-econômico. Para a sociedade midiática, estas manifestações tornam-se parte do cotidiano através da audiência aos conteúdos jornalísticos, que oferecem em um mesmo pacote os fatos dramatizados das metrópoles, ao vivo e em cores, juntamente com os últimos lançamentos da moda, interrompidos pelo comercial do carro do ano, a um receptor que busca o equilíbrio, a segurança. Entretanto, a violência na televisão normalmente não é relacionada a programas jornalísticos, sejam eles de cunho sensacionalista ou não. A violência televisiva é associada aos maus tratos para com as pessoas no contexto dos programas, ridicularizar o cidadão comum, bem como a exploração das mazelas do cotidiano. Pode-se questionar, neste ínterim, que diante de um cenário caracterizado pela violência, vivencia-se uma cultura da violência, ou servem os cidadãos a uma ideologia que alimenta esta cultura? Os programas de maior audiência reproduzem problemas que rompem a ordem e o equilíbrio originando heróis, vilões, mediadores, ajudantes e intermediários. Geralmente o primeiro, que sai em defesa dos valores prioritários da cultura, passando por testes e provações; chega ao triunfo; a recompensa e a celebração final. De acordo Martín-Barbero (1997), as chaves para explicar a caracterização dos conteúdos dos meios de comunicação de massa pelos dramas cotidianos, violência e

4 sensacionalismo estariam na cultura popular, na estrutura da literatura de cordel e colportage 2. Nos Estados Unidos, a imprensa escrita só se populariza quando passa a divulgar histórias de interesse humano e até descrições sensacionalistas de acontecimentos chocantes. Tais características ficam evidentes quando vários estudos, sobre a programação televisiva, apontam que na televisão o sexo e a exploração da aberração são considerados temas mais violentos do que um ato criminoso em si. De acordo com Zizek (2003), numa ousada abordagem da cultura contemporânea, uma ideologia hegemônica se apropria de tragédias e impõem sua mensagem de que é preciso escolher um lado em meio às guerras urbanas. Entretanto, quando as escolhas parecem muito claras, esta mesma ideologia se encontra em seu estado mais puro, obscurecendo verdadeiras e sensatas opções. 2.1 IMAGENS E PALAVRAS NA T.V: O PODER DA MÍDIA POR TRÁS DOS SIMBOLOS Geralmente, para designar de violento um programa, as pessoas não demonstram ter uma opinião claramente identificável sobre o assunto. Embora elas tenham uma posição firmada sobre o que seja violento, nenhum programa reúne características suficientes para ser totalmente considerado violento. Tondato (2007, p.129) atesta que a interpretação da violência na televisão está relacionada com o gênero de programa, assim a violência tem aspectos diferenciados conforme o momento social do individuo. A literatura específica denota que é agressivo ao telespectador a exibição de corpos violentados, explorar situações com deficientes físicos, cenas que mostram sangue, explorar tiroteio entre polícia e bandido. Esta percepção é de certa forma prevista tendo em vista um contexto social e cultural em que, senso comum, sangue é associado a desastres e mortandades. Ao contrário, para as pessoas economicamente menos favorecidas, incêndios e enchentes são fatos violentos, o que se justifica talvez pelas implicações de tais acontecimentos em favelas e moradias sem infraestrutura, locais de moradia desta parcela da sociedade. O que ocorre com freqüência é o que Schwertner (2007) chamou de diante da dor real dos outros: a favela na sala de estar. A programação televisiva que não atende aos desejos do telespectador faz com que estes mudem de canal. Eles selecionam canais que lhes apresentem conteúdos mais interessantes ou que reforcem seus pontos de vista, suas opiniões e suas experiências. 2 Venda ambulante de impressos "em papel", ou seja, não encadernados, contendo normalmente textos de literatura popular ou de circulação clandestina. No Brasil tais características são típicas da literatura de cordel.

5 Agressões verbais são também consideradas formas de violência, a exemplo das encontradas em programas de auditório que mostram o caos e imagens consideradas grotescas. A priori, são absolutamente insuportáveis as inúmeras imagens que teledifundem o sofrimento de vítimas de violência, sob as suas mais variadas formas: guerras, atentados, atos de tortura, catástrofes naturais, dentre outros. Durante estes eventos, a captação de cenas, mesmo que de forma amadora, é objeto de comércio frente aos canais televisivos que se propõem a disseminar imagens que impressionam pela gratuidade da violência. Pode dizer-se que estes mesmos canais têm certo cuidado em não publicar algumas cenas que beirariam o circo dos horrores, visto que noticiários podem ser viabilizados a qualquer hora do dia, e/ou em edições extra-ordinárias. Mesmo obedecendo ao dever de informar, repórteres e cinegrafistas são muitas vezes colocados frente àqueles que estão à sua volta, feridos ou já mortos, com visível vigilância emocional. É verdade que não se pode visualizar o coração sólido da violência, das mutilações e assassinatos, mas a sequência das imagens divulgadas reportam o telespectador, com uma brutalidade insuportável, a sua pobre condição de observador cego, a zapear, pelo simples desejo de obter informações. 3. TELEVISÃO E JUVENTUDE: CORRELAÇÕES A cultura educacional que permeia os lares no Brasil não orienta para que, nas horas vagas, livros sejam lidos com frequência, esportes praticados, jogos educacionais executados em equipes, fortalecendo também o espírito de cooperação e colaboração, dentre outras medidas. Em que pese existir algumas ferramentas de controle, como por exemplo os canais de fechados de televisão, que podem ser monitorados por senhas, o grande colaborador educacional e ao mesmo tempo vilão é o programa televisionado em rede aberta, com um vasto leque de informações inúteis que em nada contribuem para a formação de uma sociedade culta, ordeira, equilibrada e moralmente correta. A revisão da literatura sobre esta temática, explicam essa situação: Sete em cada dez residências do mundo possuem um aparelho de televisão. Uma em cada cinco famílias do mundo inteiro está ligada ao circuito de TV a cabo ou via satélite. A indústria global da informação gerou 1 trilhão e 425 bilhões de dólares no mundo todo, dos quais cerca de 300 bilhões de dólares foram usados pelo setor audiovisual já em 1994 (GROEBEL, 1999).

6 Os valores que os jovens estão trazendo em si nos dias atuais, fruto também da construção televisionada, são muito mais materiais do que morais e éticos. A preocupação com o corpo físico escultural, vestimentas, bens materiais e modais (celular é acessório no vestir) ocuparam o lugar dos sonhos profissionais, do bem-estar coletivo (sem utopias) e das construções familiares. Buscas materiais são constantes e quase inalcançáveis, dado à dinâmica do voraz mercado capitalista de consumo, que atordoa os desequilibrados sociais e financeiros, que se contorcem pelos desejos desenfreados, contribuindo para frustrações que catalisam ações marginais por menores que sejam, como se fossem atos normais, em prol de entrar e se manter na moda; o parecer ser. Furtar, roubar, ludibriar, vender o corpo, transportar e vender drogas, para muitos já não se configuram como crime, mas um modo não careta de viver bem e sem muitas consumições. E as novelas têm fornecido notoriedade a esses comportamentos. A televisão, objeto eletrônico fantástico, do ponto de vista tecnológico, indiscutivelmente contribui para a criminalidade com alguns dos seus programas. A programação televisiva instiga, não apenas o sexo desvairado, o homossexualismo e o consumo exagerado (produtos, bens, serviços), mas também a violência transmitida até mesmo em desenhos animados, que deixaram de ser engraçados e lúdicos para serem instigadores da agressividade, onde os embates físicos são constantes. Os jovens estão entrando em contato com cenas de violência desde muito cedo, indicador esse que é preocupante. (...) O resultado foi assombroso, pois de acordo com a pesquisa, uma criança brasileira que assista a duas horas diárias de desenho animado estará exposta a 40 cenas de violência explícita, já em um mês, seriam cenas e, num ano, pasmem, seriam cenas de pura violência sendo produzidas dentro da própria sala de estar das nossas casas (MACHADO, 2011). Para Moser (1991), a carga de violência a que as crianças estão expostas na televisão está positivamente correlacionada com certos comportamentos agressivos como discutir, entrar em conflitos com os pais, ou, mesmo, cometer atos delituosos. Não se defende aqui que através da televisão só se receba informações inúteis e desnecessárias. No Brasil, por exemplo, como não louvar programas como Globo Rural, Globo Ecologia, Telecurso (todos da Rede Globo), Domingo Espetacular (Rede Record), TVE Revista (TVE), dentre tantos outros. Mas por outro lado tem o Big Brother Brasil (BBB) e Malhação (Rede Globo), A Fazenda e Rebeldes (Record), sem contar com as propagandas recheadas de imagens de exposição da mulher, mesmo sem nenhuma conexão com o assunto.

7 As telenovelas que não apenas colocam a homossexualidade como natural (e que seja), mas firmando na consciência da sociedade que comportamentos estereotipados devem ser multiplicados (legião de iguais), que a rebeldia é comportamento natural do jovem cabeça, quando não passa na verdade de uma construção de alguém deseducado, sem lastro ético e moral simples, que vê a família (pais principalmente) como instrumentos prontos e sempre disponíveis para viabilizar seus desejos mais vis. O que se percebe hoje em dia é que os programas televisivos, principalmente novelas, estão se preocupando em mostrar que a vida pode ser vivida sem grandes esforços e com resultados confortantes, onda as trapaças são executadas com requintes angelicais, onde vilões deixaram de ser os feios interpretes para serem os mais belos atores. Transportando isso para um cenário econômico, a vida marginal já não é mais engendrada apenas pelos excluídos, mas pelos privilegiados sociais. E assim se vai construindo um inconsciente coletivo de que é possível ter atividades rentáveis e fáceis no mundo real, não importando os preços morais a serem suportados; o importante é se dar bem: carros luxuosos, mansões com requintes de conforto e modernidade, festas e mais festas com pessoas bem transadas (mesmo que mudas), mas apetitosamente transadas. E os fins violentos para se almejar tudo isso justificam os meios. Tais cenários são cada vez mais comuns nos programas televisivos. Exemplificando esta assertiva, em uma das atuais novelas de uma emissora nacional, a personagem interpretada pela atriz Maria Clara Gueiros, de forma graciosa, deixa claro que a dela é se dar bem sexualmente. Em uma de suas cenas com determinado ator disse; espero que me veja apenas como um pedaço de carne. Qual a mensagem lançada então? Modernidade? Liberdade Sexual? Certamente comportamentos similares serão copiados as dezenas por entes sociais. Entretanto, diferentemente da novela, onde os participantes estão controlados, haverá por certo problemas comportamentais e respostas agressivas quando a carne não estiver sempre disponível para consumo. Em uma sociedade imediatista e descontrolada, atos de violência certamente farão parte desses cenários. A forma como a imprensa televisionada explorou o fatídico evento criminoso no Estado do Rio de Janeiro, quando o jovem Wellington Meneses de Oliveira, de posse de armas e farta munição adentrou uma escola e matou doze crianças, ferindo outras tantas, certamente irá dar vazão, mais cedo ou mais tarde a outros similares. O assunto foi veiculado, mastigado, explorado, tratado e pulverizado em praticamente todos os horários, massificando não apenas as mortes, mas a importância em apresentar a violência ainda mais cruel do que

8 foi naquele caso. É notório que este evento não colaborará em nada para a redução de ações semelhantes no futuro, mas garantiu pontos no IBOPE: é a disputa pela audiência, mesmo que deletéria para toda a sociedade diante da forma como a mesma, encara a criminalidade. Essa famigerada disputa pela audiência está fomentando outro tipo de programa televisivo falimentar da saúde social, mas saciador e realimentador da criminalidade: são os programas de cunho meramente policial. Estes eventos televisivos se destinam a publicar notícias das mazelas sociais (crimes de toda ordem) onde os protagonistas são apenas dois: o pobre social de uma das diversas classes marginalizadas e os policiais que precisam aparecer para terem notoriedade; eis o grande perigo. E na platéia, do outro lado da telinha, uma população de baixo nível cultural que precisa se nutrir desses conteúdos para tornar a vida mais próxima e condizente com aquela realidade. A polícia descobre que nesses programas famélicos ela pode se autopromover, mesmo diante de ações simplórias: prender quem está com uma pedra de crack, um cigarro de maconha, dez gramas de cocaína, ou quem em estado de embriaguez agrediu a consorte, não tão menos miserável que o agressor. Mas aparecer na TV é um grande e barato negócio! As vítimas por sua vez ganham notoriedade, passam a ser conhecidas, algumas até temidas, e aproveitam da audiência para algumas vezes sorrir da própria desgraça. E ser desgraçado desconhecido a famoso pela TV, que seja bem vinda a segunda opção. Estes eventos delineiam o cenário de uma sociedade falida educacionalmente, que através de tais programas vem formando massas de pessoas que se identificam com os famosos televisivos alçados ao sucesso à custa de violentos atos que deles fizeram parte. 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A programação televisiva vem promovendo a violência redentora, justificada pela necessidade, urgência ou extremismo. Os atos violentos aos quais estão sujeitos os cidadãos diariamente, a exemplo das injúrias, difamações, humilhações, desrespeitos, discriminações, ameaças, injustiças e frustrações em geral, municiam programas de toda sorte, evidenciando a máxima do panis et circenses, com audiência garantida, na sua maioria composta por jovens em formação. Neste cenário, só existe uma saída para pais e educadores que queiram realmente formar cidadãos e este caminho não é o de apagar a telinha ou simplesmente o de mudar o canal. A imagem é um texto e como tal precisa ser refletida e analisada, em conjunto, pelos

9 seus usuários para impedir que, especialmente, a violência continue sendo explorada de forma tão sensacionalista pela mídia. Ao finalizar este artigo, fica a certeza de que conclusões ultrapassam a análise circunstancial de fatos aqui mencionados, que levariam ao leitor deste documento, ao cerne de um dos maiores impasses do tempo atual: a televisão constrói, destrói ou corrói a reflexão mais apurada da realidade? Em tempos nos quais a busca pela realidade objetiva que há por trás das aparências é falsa, a televisão e sua programação pode funcionar como "o estratagema definitivo para evitar o confronto com a realidade. REFERÊNCIAS BUCCI, E. Brasil em tempo de TV. 3 ed. São Paulo: Boitempo, pp. GROEBEL, J. Estudo Global da UNESCO sobre Violência na Mídia. In: A criança e a violência na mídia (U. Carlsson & C. Von Feilitzen, orgs.), pp , São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, KEHL, M. R. Televisão e violência do imaginário. In: BUCCI, E.; KEHL, M. R. Videologias ensaios sobre televisão. São Paulo: Boitempo, p MACHADO, D. P. A fama e a influência da mídia na felicidade dos jovens. Site do Curso de Direito da UFSM. Santa Maria-RS, Disponível em: <http://www.ufsm.br/direito/artigos/opiniao/influencia-midia.htm>. Acesso em: 03. mai MARTIN-BARBERO, J. O medo da mídia: política, televisão e novos modos de representação. In: DOWBOR, Ladislau et all (org). Desafios da comunicação. RJ: Vozes, MOSER, G. A agressão. São Paulo: Editora Ática, SCHWERTNER, S. F. Análise das condições de produção de Cidade dos Homens: articulações entre Educação e Comunicação. Educação e Pesquisa (USP), v. 33, p , SILVA, M. B. G. O poder da imagem. Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal - FAMED/UFRGS, Disponível em < Acesso em 03. mai TONDATO, M. P. Violência na mídia ou violência na sociedade? A leitura da violência na mídia. Revista FAMECOS, v. 32, p , ZIZEK, S. Bem-vindo ao deserto do real! São Paulo: Boitempo, 2003.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS

PROJETO PEDAGÓGICO DO PROGRAMA DE FERIAS DESPORTIVAS E CULTURAIS 1. APRESENTAÇÃO PRINCÍPIOS E VALORES Acreditamos pela força dos factos que o desenvolvimento desportivo de um Concelho ou de uma Freguesia, entendido na sua vertente quantitativa e qualitativa, exige uma

Leia mais

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17

Crianças e adolescentes. Lucas 18:15.17 Crianças e adolescentes Lucas 18:15.17 Quem tem ensinado as nossas crianças? Nós ou Eles? Jogos eletrônicos Os jogos eletrônicos hoje em dia, cada vez mais próximo da realidade, que incitam a violência,

Leia mais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais

Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Público Interno e crises organizacionais: um estudo abordando a incidência de demissões motivadas pelo uso inadequado das redes sociais digitais Penélope da Silva Almeida SANTOS Universidade Sagrado Coração

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

TRANQUILIDADE FAMILIAR. www.viveresaber.com.br

TRANQUILIDADE FAMILIAR. www.viveresaber.com.br TRANQUILIDADE FAMILIAR www.viveresaber.com.br OFERECIDO POR: www.viveresaber.com.br Desenvolvido por: ADELINO CRUZ Consultor, Palestrante e Diretor da Viver e Saber; Bacharel em Comunicação Social; Foi

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO

Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Comunicação CONSTRUINDO CONHECIMENTOS ATRAVÉS DE IMAGENS CULTURAIS: A OBRA DE ARTE COMO FERRAMENTA DE ESTUDO NA EDUCAÇÃO Palavras-Chave: Arte, Educação e cultura. Carline Schröder Arend 1 Amarildo Luiz

Leia mais

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática

Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Projeto de Lei de Iniciativa Popular para uma mídia Democrática Comunicação é um direito de todos No Brasil, os meios de comunicação estão concentrados nas mãos de poucas empresas familiares que têm a

Leia mais

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos

MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE. Silvia Ramos MÍDIA E VIOLÊNCIA COMO OS JORNAIS RETRATAM A VIOLÊNCIA E A SEGURANÇA PÚBLICA NA BAIXADA FLUMINENSE Silvia Ramos A pesquisa mídia e violência O Centro de Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade

Leia mais

Evento FEBRABAN 10.11.10 EDUCAÇÃO PARA O USO SEGURO DOS AMBIENTES VIRTUAIS. Juliana Abrusio

Evento FEBRABAN 10.11.10 EDUCAÇÃO PARA O USO SEGURO DOS AMBIENTES VIRTUAIS. Juliana Abrusio Evento FEBRABAN 10.11.10 EDUCAÇÃO PARA O USO SEGURO DOS AMBIENTES VIRTUAIS Juliana Abrusio Pontos de destaque 2 1. CONTROLE: Equilíbrio no respeito à privacidade dos filhos e seu controle na Internet.

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL Relatório Analítico PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA NACIONAL PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER DATASENADO SECS PESQUISA SOBRE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER Há dois anos, o DataSenado

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO

O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO JUSTINO, Yagda Aparecida de Campos Acadêmica do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU Garça/SP

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS. Tema Princípios de conduta, de igualdade e equidade 1 de 5 Princípios de conduta, de igualdade e equidade OBJECTIVO: Assumir condutas adequadas às instituições e aos princípios de lealdade comunitária. Competência e critérios de evidência Reconhecer princípios

Leia mais

Pesquisas e seminários Como fazer?

Pesquisas e seminários Como fazer? +++ + COLÉGIO DOS SANTOS ANJOS Avenida Iraí, 1330 - Planalto Paulista - Telefax: 5055.0744 04082-003 - São Paulo - e-mail: colsantosanjos@colegiosantosanjos.g12.br Site: www.colegiosantosanjos.g12.br Q

Leia mais

Artigo: Um olhar feminino na Internet

Artigo: Um olhar feminino na Internet Artigo: Um olhar feminino na Internet Por Tatiane Pocai Dellapiazza - aluna do primeiro ano do Curso de Comunicação Social - Centro UNISAL - Americana. Introdução: O Brasil chega perto de comemorar seu

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul.

APRESENTAÇÃO. Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul. APRESENTAÇÃO Este projeto se constitui em modelo de distribuição e exibição do filme Sua Vida, Nossa Vida! em municípios do Rio Grande do Sul. Foi testado no município de Guaporé, em uma parceria da Promotoria

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 5.269, DE 2001 (Apensos os Pls. 2.134/96, 2.415/96, 3.046/97, 3.422/97, 4.052/98, 4.360/98, 1.568/99, 2.029/99, 2.089/99, 2.507/00, 3.573/00, 3.235/00,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA

A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA EM SANTA MARIA A RELAÇÃO ENTRE O USO DO CRACK E A VIOLÊNCIA URBANA RESUMO EM SANTA MARIA Raisa Crestani Calegaro 1 Carolina Elisa Suptitz 2 O uso do crack tem aumentado cada vez mais no Brasil, principalmente em grandes

Leia mais

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança.

LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. LEITURAS DO MEDO: As notícias sobre violência e sua relação com o aumento do sentimento de insegurança. Jaquelaine SOUSA 1 Dalva Borges de SOUZA 2 Programa de Pós-Graduação em Sociologia/Faculdade de Ciências

Leia mais

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio.

SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. SÉRIES INDICADAS 8.º e 9.º ano do Ensino Fundamental e Ensino Médio. RESUMO Nós, jovens brasileiros, é uma continuidade do conhecido Este jovem brasileiro, sucesso do portal por 6 edições consecutivas.

Leia mais

MÍDIA, VIOLÊNCIA E JUVENTUDE: ESTUDO SOBRE A RECEPÇÃO DO PROGRAMA CHUMBO GROSSO, JUNTO AO ADOLESCENTE EM CONFLITO COM A LEI, NA CIDADE DE GOIÂNIA

MÍDIA, VIOLÊNCIA E JUVENTUDE: ESTUDO SOBRE A RECEPÇÃO DO PROGRAMA CHUMBO GROSSO, JUNTO AO ADOLESCENTE EM CONFLITO COM A LEI, NA CIDADE DE GOIÂNIA 1 MÍDIA, VIOLÊNCIA E JUVENTUDE: ESTUDO SOBRE A RECEPÇÃO DO PROGRAMA CHUMBO GROSSO, JUNTO AO ADOLESCENTE EM CONFLITO COM A LEI, NA CIDADE DE GOIÂNIA Núbia da Cunha SIMÃO 1 Magno Luiz Medeiros da SILVA 2

Leia mais

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos:

3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA I 3º Bimestre Pátria amada AULA: 127 Conteúdos: Elaboração de cenas e improvisação teatral de textos jornalísticos.

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br IDOSOS NO BRASIL: Vivências, Desafios e Expectativas na 3 a. Idade Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em parceria com SESC Nacional e SESC São Paulo Considerações Para viabilizar a pesquisa

Leia mais

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR

&DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR &DPSDQKDV 3ODQHMDPHQWR Toda comunicação publicitária visa atender a alguma necessidade de marketing da empresa. Para isso, as empresas traçam estratégias de comunicação publicitária, normalmente traduzidas

Leia mais

CIDADANIA DIREITO DE TODOS

CIDADANIA DIREITO DE TODOS CIDADANIA DIREITO DE TODOS Luciana Montes Arruda Universidade Castelo Branco INTRODUÇÃO Com o objetivo de contribuir para a qualidade de vida no estado do Rio, o Sistema FIRJAN criou, em 2010, o SESI Cidadania.

Leia mais

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA)

REDE PRÓ-MENINO. ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) REDE PRÓ-MENINO ECTI - Escola no Combate ao Trabalho Infantil CURSISTA: JACKELYNE RIBEIRO CINTRA MORAIS CPF: 014275241-06 ATIVIDADE MÓDULO 2 (COLAGEM) EM INTEGRAÇÃO COM O MÓDULO 1- B (ENTREVISTA) Características

Leia mais

Programa Anexo 1. Resumo

Programa Anexo 1. Resumo Programa Anexo 1 Bruno LIMA 2 Carolina RIBEIRO 3 Lara MARQUES 4 Elga MÓL 5 Elisa FRANÇA 6 Ana AMORIM 7 Michelle BASTOS 8 Soraya VIEIRA 9 Universidade Federal de Viçosa, Minas Gerais, MG Resumo Este trabalho

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

O Social Comics é a melhor forma de você, artista independente, alcançar um novo público no mundo digital.

O Social Comics é a melhor forma de você, artista independente, alcançar um novo público no mundo digital. O Social Comics é a melhor forma de você, artista independente, alcançar um novo público no mundo digital. A forma como as pessoas leem quadrinhos irá mudar. Com apenas um clique, fãs de HQ terão acesso

Leia mais

Carta pela Paz no Mundo

Carta pela Paz no Mundo Carta pela Paz no Mundo Marcus De Mario Esta carta é ao mesmo tempo um apelo à razão e à emoção, procurando falar às mentes e aos corações de todos os homens e mulheres da humanidade, da criança ao idoso,

Leia mais

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas

Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Big Brother Brasil Realidades espectacularizadas Vanessa Curvello Índice 1 O Big Brother........... 1 2 O Big Brother Brasil....... 2 3 A estruturação do programa.... 2 4 As estratégias comunicativas da

Leia mais

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação

MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL RESUMO. Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação MIDIA E INCLUSÃO: RELATO DE EXPERIÊNCIAS DE UMA PESSOA COM DEFICIÊNCIA VISUAL Fabiana Fator Gouvêa Bonilha Rede Anhanguera de Comunicação fabiana.ebraille@gmail.com RESUMO No presente trabalho, tenciona-se

Leia mais

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO

Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ² Ruth Sabat.² RESUMO PROREXT/PROJETO DE EXTENSÃO 2008/1 - TERRITÓRIO AFROSUL DESENVOLVENDO O DIÁLOGO ACADEMIA / ONG AFROSUL ATRAVÉS DE TRABALHO COM JOVENS DE COMUNIDADE POPULAR RESUMO Mara Lucia da Silva 1 Marilene Parè ²

Leia mais

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman)

A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) A Questão Moral em O Homem-Aranha (Stephen Layman) 1 Trecho 1:» O filme Homem-Aranha retrata um mundo moral, repleto de bem e mal. Há muitos vilões de pequeno porte, bem como um vilão de primeira classe,

Leia mais

USO RESPONSÁVEL DA INTERNET ELABORADO PELOS ALUNOS DO 6º ANO

USO RESPONSÁVEL DA INTERNET ELABORADO PELOS ALUNOS DO 6º ANO USO RESPONSÁVEL DA INTERNET ELABORADO PELOS ALUNOS DO 6º ANO USO RESPONSÁVEL DA INTERNET ELABORADO PELOS ALUNOS DO 6º ANO 2 Fique atento! Não acredite em tudo o que lê A internet é segura? Você não deve

Leia mais

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu

Ficha técnica. COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu Ficha técnica COEDUCAR Cooperativa dos Trabalhadores de Educação Recanto do Fazer de Nova Iguaçu ORIENTAÇÃO PEDAGÓGICA: Luiz Câmara Maria de Fátima B. Barbosa REALIZAÇÃO E ORGANIZAÇÃO: Professores: Maria

Leia mais

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta.

Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Prezado(a) candidato(a): 1 Assine e coloque seu número de inscrição no quadro abaixo. Preencha, com traços firmes, o espaço reservado a cada opção na folha de resposta. Nº de Inscrição Nome PROVA DE LÍNGUA

Leia mais

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2

ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 ASSESSORIA DE IMPRENSA 1 Felipe Plá Bastos 2 RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo saber como é desenvolvido o trabalho de Assessoria de Imprensa, sendo um meio dentro da comunicação que através

Leia mais

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada

Campanha Anti-bullying. JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Campanha Anti-bullying JMJ na luta de uma escola respeitosa e humanizada Se o mal é contagioso o bem também é. Deixemos-no contagiar pelo bem. Papa Francisco Caro jovem, família e educadores, Este material

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Estratégias em Propaganda e Comunicação

Estratégias em Propaganda e Comunicação Ferramentas Gráficas I Estratégias em Propaganda e Comunicação Tenho meu Briefing. E agora? Planejamento de Campanha Publicitária O QUE VOCÊ DEVE SABER NO INÍCIO O profissional responsável pelo planejamento

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO

A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA) DESENVOLVIDA EM BARÃO GERALDO BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2012) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 A POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E INFRAESTRUTURA (LIGADA AO QUESITO DE SEGURANÇA)

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais

5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5 Apresentação do método de avaliação de desempenho aplicado ao Programa TV Digital para as Áreas Rurais 5.1 A Rede Globo A Rede Globo é uma das maiores redes de televisão do mundo, com milhões de espectadores

Leia mais

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1

Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Heróis sempre vencem desafios: campanha publicitária para divulgação do Concurso Vestibular 2013 1 Juliana Pereira DULTRA 2 Cintia MOLETA 3 Larissa Kiefer de SEQUEIRA 4 Roberto Corrêa SCIENZA 5 Fernanda

Leia mais

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes

Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória contra pessoas, lugares ou tradições diferentes daqueles que consideramos nossos. Costuma indicar desconhecimento

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

Referências. mudam e impactam a construção de valores para os jovens

Referências. mudam e impactam a construção de valores para os jovens Referências FOTO: MARCELO VIRIDIANO mudam e impactam a construção de valores para os jovens DOCENTES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS (ICH) DA UFJF RESSALTAM QUE DISCURSOS SOCIAIS TENDEM A ESTEREOTIPAR

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER

COMUNICAÇÃO COORDENADA UM OLHAR SOBRE O CONHECIMENTO E A DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA NO EIXO RIO/SÃO PAULO: O CASO CÂNCER II ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SOCIEDADE BRASILEIRA DE PESQUISADORES EM JORNALISMO SBPJor FACULDADE DE COMUNICAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA 26 E 27 DE NOVEMBRO DE 2004 SALVADOR

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos.

A quem se destina: empresas, ONGs e instituições, personalidades, lideranças, profissionais liberais, CEOs e executivos. 1 REPUTAÇÃO DIGITAL Na era da informação digital, sua reputação não é construída apenas e partir das informações que você disponibiliza. Blogueiros, ativistas, funcionários, clientes e outras pessoas participam

Leia mais

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE

VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE VIOLÊNCIA CONTRA A CRIANÇA ou ADOLESCENTE Equipe LENAD: Ronaldo Laranjeira Clarice Sandi Madruga IlanaPinsky Maria Carmen Viana Divulgação: Maio de 2014. 1. Porque esse estudo é relevante? Segundo a Subsecretaria

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ1134 EDITAL Nº 001/2014 1. Perfil: I - Consultoria para monitoramento e avaliação acerca de como se dá a apropriação de conteúdos, conceitos e novas

Leia mais

Planejamento de Campanha Publicitária

Planejamento de Campanha Publicitária Planejamento de Campanha Publicitária Prof. André Wander UCAM O briefing chegou. E agora? O profissional responsável pelo planejamento de campanha em uma agência de propaganda recebe o briefing, analisa

Leia mais

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica.

Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Blogs Corporativos como instrumentos de comunicação nas empresas: uma análise prático-teórica. Além de tornar-se fundamental para a difusão do conhecimento e geração das relações interpessoais, a Internet

Leia mais

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros

Valores Educacionais. Aula 4 Respeito pelos Outros Valores Educacionais Aula 4 Respeito pelos Outros Objetivos 1 Apresentar o valor Respeito pelos Outros. 2 Indicar possibilidades de aplicação pedagógica do valor Respeito pelos Outros. Introdução Esta

Leia mais

convicções religiosas...

convicções religiosas... apresenta Cartilha O termo DISCRIMINAR significa separar; diferenciar; estabelecer diferença; distinguir; não se misturar; formar grupo à parte por alguma característica étnica, cultural, religiosa etc;

Leia mais

VIOLÊNCIA, A NOVA ORDEM MUNDIAL? Guila Azevedo

VIOLÊNCIA, A NOVA ORDEM MUNDIAL? Guila Azevedo Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA A 1 ạ SÉRIE DO ENSINO MÉDIO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: VIOLÊNCIA, A NOVA ORDEM MUNDIAL? Guila Azevedo Não me

Leia mais

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares

CADERNO DE PROVA 2.ª FASE. Nome do candidato. Coordenação de Exames Vestibulares CADERNO DE PROVA 2.ª FASE Nome do candidato Nome do curso / Turno Local de oferta do curso N.º de inscrição Assinatura do candidato Coordenação de Exames Vestibulares I N S T R U Ç Õ E S LEIA COM ATENÇÃO

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NO BRASIL Introdução A partir da década de 90 as transformações ocorridas nos aspectos: econômico, político, social, cultural,

Leia mais

Com leveza e bom humor, a revista traz textos que falam de equilíbrio entre mente, corpo e sociedade.

Com leveza e bom humor, a revista traz textos que falam de equilíbrio entre mente, corpo e sociedade. VIDA SIMPLES ajuda o leitor a ver o mundo de um jeito novo, a refletir sobre os próprios sentimentos, a identificar tendências de comportamento e a buscar modos originais de interagir no meio social. Promove

Leia mais

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE

PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE PROJETO FAZENDO ESCOLA: UMA EXPERIÊNCIA DO ORIENTADOR NO COMPROMISSO DA CAPACITAÇÃO DOCENTE Sérgio Dal-Ri Moreira Pontifícia Universidade Católica do Paraná Palavras-chave: Educação Física, Educação, Escola,

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO

II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO II TEXTO ORIENTADOR 1. APRESENTAÇÃO A III Conferência Nacional dos Direitos das Pessoas com Deficiência acontece em um momento histórico dos Movimentos Sociais, uma vez que atingiu o quarto ano de ratificação

Leia mais

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria?

Custom Publishing Por que minha organização deve ter uma publicação própria? Custom Publishing O mercado das publicações próprias e suas (excelentes) oportunidades de negócios para as empresas antenadas de qualquer setor, com qualquer público Um guia de consulta rápida sobre a

Leia mais

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1

Fotografia e Escola. Marcelo Valle 1 Fotografia e Escola Marcelo Valle 1 Desde 1839, ano do registro da invenção da fotografia na França, quase tudo vem sendo fotografado, não há atualmente quase nenhuma atividade humana que não passe, direta

Leia mais

A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural

A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural A Divulgação do Sensoriamento Remoto como Projeto Participante em Mostra Cultural Nelson Lage Da Costa Mestrando em Ensino de Ciências na Educação Básica da UNIGRANRIO Caixa Postal 77.180 Centro Nova Iguaçu

Leia mais

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil.

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Arquivo do Estado de SP O Uso dos Documentos de Arquivo na Sala de Aula Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Mariana Ramos Apolinário 2º semestre 2013 São Paulo SP

Leia mais

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio

Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Direitos Humanos - Ensino Fundamental e Ensino Médio Um projeto para discutir Direitos Humanos necessariamente tem que desafiar à criatividade, a reflexão, a crítica, pesquisando, discutindo e analisando

Leia mais

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes

Cartilha de Prevenção Orientações para o combate à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes Art. 5º Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão,

Leia mais

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres

Carta Política. Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Carta Política Campanha Cidades Seguras para as Mulheres Brasil - 2014 Nós, mulheres de diversas localidades e comunidades de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e São Paulo, que há muito

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA SUMÁRIO 1 ÉTICA...03 2 APRESENTAÇÃO...04 3 APLICAÇÃO...05 4 FINALIDADES...06 5 DEFINIÇÕES...07 6 CULTURA ORGANIZACIONAL...08 6.1 MISSÃO...08 6.2 VISÃO...08 6.3 VALORES...08 6.4

Leia mais

Utilização das redes sociais e suas repercussões

Utilização das redes sociais e suas repercussões Utilização das redes sociais e suas repercussões O papel da escola : @ Orientação aos professores, alunos e pais @ Acompanhamento de situações que repercutem na escola @ Atendimento e orientação a pais

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA. Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA GESTÃO EMPRESARIAL: REFLEXÕES SOBRE O TEMA Renata Ferraz de Toledo Maria Claudia Mibielli Kohler REPRESENTAÇÕES DE EDUCAÇÃO E DE MEIO AMBIENTE O QUE ENTENDEMOS POR EDUCAÇÃO? O QUE

Leia mais

Filme: Ilha das Flores

Filme: Ilha das Flores Filme: Ilha das Flores Gênero: Documentário, Experimental Diretor: Jorge Furtado Elenco: Ciça Reckziegel Ano: 1989 Duração: 13 min Cor: Colorido Bitola: 35mm País: Brasil Disponível no Porta Curtas: www.portacurtas.com.br/curtanaescola/filme.asp?cod=647

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

ENCONTRO "PCN EM AÃÃO"

ENCONTRO PCN EM AÃÃO ENCONTRO "PCN EM AÃÃO" RELATO DA PAUTA DO ENCONTRO Cuiabaß - Parte de 5¼ a 8¼ súrie por Caio M. Costa 1 a. dia - Manhã 1 a. parte - todos juntos - Ana Rosa e Rosaura Apresentação dos PCNs Níveis de concretização

Leia mais

1 Introdução 17. 1 Introdução

1 Introdução 17. 1 Introdução 1 Introdução 17 1 Introdução Esta pesquisa parte da observação feita por Tim O Reilly, Dale Dougherty e John Battelle durante o planejamento de uma conferência em 2004, no qual surgiu a idéia de que a

Leia mais

A confluência dos vídeos e a Internet

A confluência dos vídeos e a Internet WHITEPAPER A confluência dos vídeos e a Internet Por que sua empresa deveria investir em vídeos em 2013 e como a Construção Civil pode utilizar os vídeos como diferencial competitivo. 1 Saiba como os vídeos

Leia mais

Base de dados sobre Conferências Nacionais

Base de dados sobre Conferências Nacionais Base de dados sobre Conferências Nacionais Apresentação A base de dados aqui apresentada tem por objetivo sistematizar as distintas regras de funcionamento das conferências nacionais e as suas variações,

Leia mais

Vol. VII. Instituições de Saúde. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br

Vol. VII. Instituições de Saúde. Manual de Segurança. Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Tel. (11) 5592-5592 / www.fortknox.com.br Instituições de Saúde Vol. VII Manual de Segurança A Apresentação s instituições de saúde, principalmente os hospitais, são freqüentemente vítimas de ataques externos

Leia mais

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM

CINE TEXTOS A OUTRA MARGEM 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA

PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM PRODUTO DE INCENTIVO A FAVOR DAS ENTIDADES DA TV COMUNITÁRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( X ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS COMO UM

Leia mais