UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO MILTON CARLOS DOSSIN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO MILTON CARLOS DOSSIN"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS - UNISINOS UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA CURSO MBA EM GESTÃO DO AGRONEGÓCIO MILTON CARLOS DOSSIN AGRONEGÓCIO DO LEITE: CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS E ESPECIALIZAÇÃO DA ATIVIDADE NO MUNICÍPIO DE RONDA ALTA (RS) São Leopoldo

2 MILTON CARLOS DOSSIN AGRONEGÓCIO DO LEITE: CARACTERIZAÇÃO DOS SISTEMAS PRODUTIVOS E ESPECIALIZAÇÃO DA ATIVIDADE NO MUNICÍPIO DE RONDA ALTA (RS) Trabalho de Conclusão de Curso de Especialização apresentado como requisito parcial para a obtenção do título de Especialista em Gestão do Agronegócio, pelo MBA em Gestão do Agronegócio da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. ORIENTADOR: Prof. Ms. Luiz Antônio Machado Vial. São Leopoldo

3 São Leopoldo, 27 de outubro de Considerando que o Trabalho de Conclusão de Curso do aluno MILTON CARLOS DOSSIN encontra-se em condições de ser avaliado, recomendo sua apresentação oral e escrita para avaliação da Banca Examinadora, a ser constituída pela coordenação do MBA em Gestão do Agronegócio. Prof. Ms. Luiz Antônio Machado Vial. Professor Orientador 3

4 AGRADECIMENTOS À EMATER-RS/ASCAR que proporcionou o Curso de MBA em Gestão do Agronegócio dando oportunidade de ampliar os meus conhecimentos. À coordenação do curso de MBA UNISINOS na pessoa da Professora Gisele Spricigo. Aos meus colegas de curso pela amizade e companheirismo que recebi. À minha família pela confiança, paciência, estímulo e carinho. Ao Professor Luiz Antônio Machado Vial que me acompanhou, transmitindo-me tranquilidade. 4

5 RESUMO Esse estudo aborda a atividade leiteira no município de Ronda Alta (RS), visando identificar os diversos sistemas produtivos desenvolvidos pelos agricultores familiares e as estratégias adotadas para sua permanência na atividade diante dos desafios impostos pelo mercado. Os dados que embasaram a pesquisa foram levantados mediante a aplicação de entrevistas estruturadas, com a participação de 217 produtores, num universo de 624 produtores na atividade leiteira do município. O estudo demonstra que os produtores de leite que apresentam sistemas produtivos com maior grau de especialização, obtiveram maior rentabilidade econômica nas propriedades pesquisadas. O resultado dessa pesquisa é um estímulo ao desenvolvimento de outros projetos e ações que busquem o desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva leiteira, observando seus aspectos socioeconômicos e ambientais. Palavras-chave: leite; especialização; sistemas produtivos. 5

6 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 VAB Ronda Alta...23 Gráfico 2 - Evolução da bovinocultura leiteira em Ronda Alta...26 Gráfico 3 - Evolução do Preço do leite no Rio Grande do Sul...29 Gráfico 4 Evolução do Valor Leite Ronda Alta

7 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Produção de leite nos principais Estados produtores...11 Quadro 2 Produção de leite e custo...13 Quadro 3 Estrutura fundiária Município de Ronda Alta-RS...22 Quadro 4 Área Ocupada com culturas de verão em Ronda Alta...24 Quadro 5 Vacas ordenhadas, produção e produtividade em Ronda Alta...25 Quadro 6 Estabelecimentos, vacas ordenhadas, produção e produtividade de leite de Ronda Alta e do Estado...26 Quadro 7 Informações do rebanho bovino Levantamento por Localidade Ronda Alta Quadro 8 Fluxograma da cadeia produtiva do leite no Município...30 Quadro 9 Demonstrativo do gráfico 4 - Número de estabelecimentos e valor do leite por Ano

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Tabela 1 - Área total da propriedade...33 Tabela 2 Inventário Animal da propriedade Percentual de animais por tamanho da propriedade...34 Tabela 3 Reprodução...35 Tabela 4 Alimentação das terneiras...35 Tabela 5 Utilização do colostro...36 Tabela 6 Alimentação de novilhas...36 Tabela 7 Alimentos fornecidos às vacas...37 Tabela 8 Interação de feno e silagem na produtividade leiteira...37 Tabela 9 Conservação do leite...38 Tabela 10 Tipo de Ordenha...38 Tabela 11 Média de vacas por propriedade...39 Tabela 12 - Valor recebido por litro de leite

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REFERENCIAL TEÓRICO TRABALHO DE CAMPO CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO HISTÓRICO LOCALIZAÇÃO MEIO RURAL DA PESQUISA METODOLOGIA DADOS DA PESQUISA RESULTADOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXO

10 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento sustentável da cadeia produtiva do leite é de fundamental importância para o agronegócio brasileiro, e em especial para os municípios do norte do Estado do Rio Grande do Sul, onde o espaço rural é ocupado predominantemente por agricultores familiares. O município de Ronda Alta inclui-se nesse contexto em que a pecuária leiteira vem possibilitando a reestruturação das propriedades e a especialização do produtor, propiciando assim, o aumento da renda com consequente melhoria da qualidade de vida, e redução do êxodo rural, especialmente da população jovem. O crescimento e desenvolvimento do agronegócio do leite afeta de maneira significativa a economia do município, pois além de ampliar o Valor Adicionado Bruto (VAB) da agropecuária local, repercute no aumento do setor de serviços, particularmente no segmento comercial e de transportes. No cenário mundial, a produção de leite de vaca foi de 560,5 bilhões de toneladas em 2007, sendo 66% desse volume produzido na Europa e na América do Norte. No entanto, a expansão da produção tem apresentado maior incremento nos países em desenvolvimento, destacando-se países asiáticos e latino-americanos. O Brasil é o sexto produtor mundial, com aproximadamente 26,1 bilhões de litros. Nos últimos 10 anos, a produção brasileira teve um aumento expressivo de 40%, passando de 18,7 bilhões de litros em 1997 para 26,1 bilhões em Nesse mesmo período, a produção mundial cresceu 19,5%, ou seja, a expansão da oferta no Brasil foi duas vezes superior à média mundial. Os seis Estados de maior produção do País são Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, São Paulo, Paraná e Santa Catarina que respondem por 73% da oferta brasileira. (Agência de informação EMBRAPA: Agronegócio do Leite.) Segundo a Secretaria de Planejamento (SEPLAG/RS), o Estado do Rio Grande do Sul é o segundo produtor nacional de leite (quadro 1) com 10,6% da produção nacional, sendo que a produção está mais concentrada na metade norte do Estado. As regiões com maior produção de leite são o Noroeste Colonial com 11,3%, produção com 11%, Fronteira Noroeste com 9,4% e Serra com 8,1% do leite produzido no Estado. 10

11 Quadro 1 Produção de leite nos principais Estados produtores Período Quantidade de Leite cru, resfriado ou não (mil litros) - abril de 2009 a março de 2010 Minas Gerais Rio Grande do Sul Goiás São Paulo Paraná Santa Catarina abr/ mai/ jun/ jul/ ago/ set/ out/ nov/ dez/ jan/ fev/ mar/ Total Fonte: Elaborado pelo autor com dados do IBGE (SIDRA -2010). Na atualidade, entre os setores do agronegócio gaúcho, o leite é um dos produtos que vem apresentando maior aumento de produção com resultados sócio-econômicos alentadores para os produtores e muitos municípios do Estado. Dentre os fatores impulsionadores desse crescimento da cadeia produtiva do leite no Estado, destacamos o aumento do consumo de produtos lácteos, ampliação no número de empresas processadoras, diferenciais de preços recebidos, assistência técnica, rebanho com boa qualidade genética, estrutura fundiária dominada por pequenas propriedades, mão-de-obra qualificada e condições edafo-climáticas satisfatórias, Lopes (2007). 11

12 2. REFERENCIAL TEÓRICO A pecuária leiteira no Brasil, assim como no Rio Grande do Sul, em virtude da diversidade climática, tradições culturais, estrutura fundiária e diferentes graus de estruturação da cadeia produtiva e sistemas produtivos, apresenta os mais diversos tipos de exploração pecuária; desde a pecuária extensiva até a mais sofisticada pecuária leiteira intensiva e altamente capitalizada. Segundo Lopes (2007), a análise do sistema produtivo das unidades produtoras de leite é de vital importância para comparar e relacionar as diversas propriedades. Tendo em vista as inúmeras as variáveis que podem influenciar no sistema produtivo ocasionando consequências positivas ou negativas, Lopes (2007) propõe diminuição do número de variáveis sem diminuir muito o grau de esclarecimento das ocorrências. A utilização de parâmetros quantitativos e qualitativos referentes às propriedades e à produção, obtidos com relativa facilidade e rapidez podem auxiliar na identificação de grupo de produtores, bem como auxiliar técnicos e produtores no planejamento e priorização de ações focadas nas principais restrições do sistema produtivo adotado (Lopes, 2007). Para Lopes (2007) essa agilidade na obtenção de dados é fator de grande interesse, sobretudo quando se trabalha com pequenas unidades produtoras de leite, onde geralmente os dados são escassos e a resistência a mudanças é fortemente influenciada pelo tradicionalismo e receio. Na análise do sistema produtivo, segundo Lopes (2007), vários aspectos técnicos podem ser considerados na sua caracterização, dentre eles, apresentam grande importância e relativa facilidade de visualização os referentes à produtividade, alimentação, escala de produção, genética do rebanho e assistência técnica. Além desses, o gerenciamento e o controle financeiro, são de primordial importância, embora haja dificuldade na obtenção desses dados e quando disponibilizados são precários. Fonseca (1992, apud Lopes, 2007) considera que o baixo nível de produtividade devese, principalmente, à pequena utilização de tecnologias disponíveis e que, para maior desenvolvimento da pecuária leiteira, é necessário investir em transferência, adaptação e geração contínua de tecnologia, com o objetivo de oferecer alternativas para aumentar a eficiência da atividade. 12

13 De acordo com Sampaio (2004, apud Lopes, 2007), a redução dos custos com alimentação, sem acarretar sub ou supernutrição dos animais, está na base do sucesso econômico da exploração leiteira. O leite produzido por uma vaca leiteira é considerado como um subproduto de sua função reprodutiva e ambos são dependentes de uma dieta controlada. Dessa dieta, os bovinos utilizam nutrientes para manutenção, crescimento, reprodução e produção, quer seja na forma de leite ou carne. Manter uma alimentação adequada é de fundamental importância, tanto do ponto de vista nutricional quanto econômico. Em um sistema de produção de leite a alimentação do rebanho tem um custo efetivo representativo. Considerando o custo de produção de leite, a alimentação representa de 40 a 60%, podendo atingir percentual mais elevado (EMBRAPA - Gado de leite). A necessidade de nutrientes para a manutenção corporal de uma vaca é diretamente proporcional ao seu peso. Assim o volume de leite produzido dependerá do incremento de nutrientes disponibilizados para o animal para que além de satisfazer as necessidades de manutenção do animal possibilite energia para produção de leite. (Kirchof, 2005). Segundo Kirchof (2005), uma vaca de 450 kg necessita para sua manutenção gramas de NDT (nutrientes digestíveis totais - energia) por dia e 301 gramas de NDT (nutrientes digestíveis totais energia) para a produção de cada litro de leite com 3,5% de gordura. Comparando-se duas vacas de 450 kg, uma produzindo 5 litros de leite e outra produzindo 20 litros, temos os seguintes quadros: Quadro 2 Produção de leite e custo. PRODUÇÃO DE 20 LITROS/LEITE/DIA Necessidade nutrientes manutenção: g NDT Necessidade nutrientes Produção leite: g NDT Total g NDT > Com g NDT produziu 20 litros de leite > Necessitou de 489 g de energia para cada litro de leite LEITE MAIS BARATO PRODUÇÃO DE 5 LITROS/LEITE/DIA Necessidade nutrientes manutenção: g NDT Necessidade nutrientes Produção leite: g NDT Total g NDT > Com g NDT produziu 5 litros de leite > Necessitou de g de energia para cada litro de leite LEITE MAIS CARO 13

14 O quadro 02 que apresenta um balanço energético comparativo demonstra que a melhoria da qualidade/quantidade de alimentos disponibilizados para as vacas em lactação deve ser considerada, tendo em vista que o custo de manutenção de uma vaca (450 Kg de peso vivo) produzindo 5 litros de leite/dia é o mesmo de uma vaca do mesmo peso produzindo 15 litros de leite/dia. Portanto, a alimentação é um dos fatores mais importantes que merece atenção tanto em relação a custos, como para atender satisfatoriamente as necessidades de cada animal em cada etapa produtiva. Esse tipo de análise deve ser realizada pelo produtor e está diretamente ligado ao grau de especialização do mesmo. A escala de produção também influencia na manutenção, ampliação ou encerramento da atividade leiteira de muitas propriedades. De acordo com Menegaz (2005, apud Lopes, 2007), a baixa escala de produção das unidades produtoras impede a redução dos custos de produção, ocasionando a obtenção de baixas margens de lucro e, como consequência, limitando a capacidade de investimento no setor. A produtividade leiteira pode ser estimada pela média da produção de leite por lactação, produção de leite diária, dentre outros (Embrapa - Gado de Leite). De acordo com Faria (2001, apud Lopes, 2007), é fundamental que o trabalho realizado pela assistência técnica passe a contemplar múltiplas funções, como por exemplo, aquelas referentes ao planejamento, à organização, à execução e ao controle das atividades desempenhadas pelo setor produtivo, necessitando uma maior atenção à formação da mão de obra envolvida. Segundo Campos (et al., 2007) um melhor conhecimento da atividade leiteira é de fundamental importância, pois a partir da sua caracterização podem-se traçar novos direcionamentos e projeções futuras para a pecuária, propiciando uma melhor tomada de decisão e superação de entraves que impedem o desenvolvimento da atividade A identificação dos componentes no sistema produtivo em cada propriedade possibilita a tipificação dos produtores dentro de uma região. 14

15 O uso de uma tipificação representativa do universo dos produtores familiares de leite torna-se uma ferramenta importante, a fim de se adequar a um modelo inicial para uma pesquisa (Weber, 2002 apud Wagner, 2004). Dentre os inúmeros tipos de produtores de leite no Brasil, Jank e Galan (1998) definem dois tipos básicos, nos extremos: produtores especializados e produtores não especializados. Os produtores especializados são aqueles que têm como atividade principal a produção de leite, obtida a partir de rebanhos constituídos por animais de alta genética, disponibilizam alimentos concentrados (farelo de soja, milho, rações formuladas, etc.), alimentos volumosos (pastagens, silagens, fenos, etc.), dispõem de instalações e equipamentos de ordenha, ensiladeiras, desensiladeiras, resfriadores de leite, galpão de alimentação, etc. Esses produtores obtêm volume e qualidade do leite que possibilitam produzir com ganho de produtividade e qualidade, comparáveis a indicadores de países eficientes nesse tipo de produção. Os produtores não especializados são produtores que trabalham de maneira incipiente, com baixa tecnologia. Trata-se, na sua maioria, de produtores que encontram no leite uma atividade típica de subsistência, que serve mais como uma fonte adicional de renda mensal, onde os custos de produção são, no geral, bastante reduzidos em relação à avaliação financeira e não empresarial. Complementa o conceito de especialização dos produtores na atividade leiteira a capacidade de gerenciamento por parte do produtor no tocante a custos de produção, administrando o negócio de forma ágil acompanhando a tendência do mercado tanto quanto ao preço do leite, como também dos custos dos insumos, em especial a alimentação. Dessa forma a eficiência da propriedade leiteira está diretamente relacionada à especialização do produtor tanto no aspecto tecnológico como administrativo. Segundo Wagner (et al) diferentes tipos de produtores familiares de leite foram construídos por Gehlen (2000), que coordenou uma pesquisa para estudar a questão da competitividade e identidade dos produtores familiares de leite no Estado do Rio Grande do Sul. Segundo o autor, os produtores familiares de leite constituem-se em três tipos ideais, são eles: 15

16 a) Produtor moderno convencional: produtor consolidado, ou seja, que apresenta um tempo de regularidade mínimo de cinco anos na atividade de forma comercial, identifica-se e tem uma racionalidade de produtor de leite moderno, sua produtividade está de acordo com o padrão moderno dentro da sua região. A produção de leite é estratégica na propriedade e utiliza a força de trabalho principal na atividade, sendo que essa se ocupa, na sua maior parte, na atividade leiteira. A organização sistêmica da propriedade prioriza a atividade leiteira e o reinvestimento dos rendimentos dá-se na sua maior parte na própria atividade. O padrão tecnológico adotado por esse produtor segue as especificações do pacote tecnológico ditado pelas agroindústrias, os animais são especializados na produção leiteira, a alimentação é balanceada e controlada de acordo com critérios técnicos especificados pela assistência técnica (geralmente prestada pelas grandes agroindústrias). b) Produtor em transição: Também é um produtor consolidado, mas não se identifica completamente como produtor moderno e nem adota completamente essa racionalidade, sua produtividade não está de acordo com o padrão moderno dentro de sua região, pois sua média de produtividade é mais baixa. A produção de leite está se tornando estratégica e na organização sistêmica da propriedade, a força de trabalho principal está se envolvendo cada vez mais na atividade. O reinvestimento dos rendimentos dá-se cada vez mais na atividade, embora ainda não seja a principal atividade. No que diz respeito ao padrão tecnológico, embora as instalações e os equipamentos ainda sejam um pouco precários, já houve aquisição de equipamentos adequados e construções específicas para a atividade. Os animais, embora na sua maioria sejam mestiços, já estão sendo melhorados geneticamente, e, em alguns casos, há aquisição de animais puros. A força de trabalho está se qualificando para a atividade, existe a percepção da necessidade de fazer um balanceamento adequado na alimentação dos animais e de prover alimento o ano inteiro, o que já começa a ser executado de forma gradual. Esse produtor está numa situação em que pode evoluir para um produtor Moderno Convencional, ou de acordo com a conjuntura, desistir da atividade. c) Produtor tradicional: Também é um produtor consolidado. Identifica-se como tradicional e tem uma racionalidade compatível com a identidade de produtor tradicional, ou seja, sua produtividade está de acordo com o padrão tradicional na sua região. A produção de leite não é uma atividade estratégica dentro da propriedade, utilizando-se da força de trabalho secundária e apenas o tempo necessário, não sendo essa qualificada. A organização sistêmica da propriedade, não prioriza a produção de leite, sendo que o reinvestimento dos rendimentos 16

17 raramente dá-se na atividade leiteira. No padrão tecnológico, as instalações e equipamentos, quando existem, são precários; os animais não são especializados, a alimentação não é balanceada e na maior parte do tempo é precária. Nesse aspecto, a tipologia acima explicitada, será a considerada ao longo deste estudo, para caracterizar o grau de especialização dos produtores de leite, no município de Ronda Alta. 17

18 3. TRABALHO DE CAMPO 3.1. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO HISTÓRICO Segundo informações coletadas na Prefeitura do Município de Ronda Alta e no Diagnóstico do Município de Ronda Alta, elaborado pelo escritório municipal da EMATER/RS-ASCAR, os primeiros habitantes de Ronda Alta foram os índios Caingangues, vindos dos sertões paranaenses. Os índios buscavam as gigantescas matas nativas que, além da segurança, ofereciam fartos meios de subsistência. A primeira "picada" aberta no município foi para permitir a passagem da linha telegráfica que ligava o sul do país com o Estado de São Paulo, por volta do ano de Orientados por essa linha telegráfica, por aqui passavam os tropeiros provindos da Argentina e Região das Missões, conduzindo gado bovino e muar (animal pertencente à raça do mulo) até Sorocaba, São Paulo. Os tropeiros escolheram o lugar denominado de fazenda Sarandi, no km 71 da rodovia RS 324, que liga Passo Fundo a Ronda Alta, a 5 km da cidade; essas terras serviam para descanso dos tropeiros e das tropas, era lugar propício, por ter abundante pastagem e duas sangas que convergem para o mesmo lugar, formando uma espécie de cercamento natural, onde os animais podiam ser soltos bastando fazer a "Ronda" no "Alto", para que os animais não escapassem. Inicialmente, os tropeiros chamavam este lugar de Rondinha do Campo, porém mais tarde para diferenciar de Águas da Rondinha, uma vez que estava dando confusão com as correspondências e pelo fato de os tropeiros fazerem a Ronda do Alto, passou a chamar-se Ronda Alta. Os primeiros moradores chegaram por volta de 1904, quando Antônio Severiano dos Santos começou a colonização. Por volta de 1911 é construído um galpão chamado Casa de Pastos para servir de abrigo aos animais dos tropeiros que aqui pernoitavam. O crescimento deu-se a partir de 1928, com a chegada dos imigrantes italianos, instalando a primeira indústria, uma ferraria; nessa época montou-se também a primeira carpintaria. Em 1929 chegaram os alemães, instalando-se onde hoje se situa o Passo da Entrada. Em 1931 chega o primeiro bodegueiro e a partir desse momento Rondinha do Campo passa a ter aspecto de povoado. A urbanização veio com Mose Míssio fazendo o primeiro 18

19 loteamento no município em 1938, dando crescimento ao comércio. Em meados de 1939 chegam o primeiro rádio, o automóvel de pedal e o Ford 17. Em 1949 Rondinha do Campo tornou-se distrito de Passo Fundo, trocando o nome para Ronda Alta. Nesta época chega ao distrito a primeira sapataria, ao mesmo tempo em que são construídos um hotel e uma rodoviária A primeira capela aqui fundada foi na Linha Bosa, onde foi instalado também, um dos primeiros geradores de energia elétrica. Construiu-se no povoado mais uma capela sendo que o primeiro padroeiro era São Jorge cuja festa durava dois dias. Em 13 de dezembro de 1959 a capela de São Jorge foi elevada à categoria de paróquia e teve seu primeiro vigário Pe. Wolgang Grabasch. A partir de 02 de janeiro de 1967 a paróquia passou a ser chamada de Nossa Senhora dos Navegantes. A constituição do Município de Ronda Alta deu-se com a emancipação políticoadministrativa de Sarandi, através da Lei Estadual n de 26 de dezembro de O território original foi composto em sua grande parte por área cedida do município-mãe (Sarandi) e por parte do território do Município de Nonoai. Desmembrou-se posteriormente do Município de Ronda Alta o Distrito de Três Palmeiras, em Em 1992, Pontão, então Distrito de Passo Fundo, emancipou-se desse Município, formando-se também com parte do território de Ronda Alta. A formação étnica do Município é composta de italianos, alemães, caboclos e indígenas. À primeira vista, Ronda Alta se parece com tantos outros municípios do interior do país, no entanto, a sua história trilhou caminhos distintos e lhe imprimiu uma configuração sócio-política toda especial. Inicialmente a gleba devoluta era terra de índios e posseiros, posteriormente foi registrada por paulistas, e mais tarde, após conflitos e lutas pela posse da terra, foi ocupado por colonos de origem europeus, agricultores sem terra e indígenas. Inicialmente a reserva indígena Caingangue da Serrinha, compreendia ha dentro do território de Ronda Alta, desapareceu do mapa do Município a partir de 1949, quando parte da reserva se tornou Parque 19

20 Florestal e outra passou a ser ocupada por posseiros legitimados pelo Estado. A reserva foi extinta em 1962, empurrando os índios para a Reserva Indígena do município de Nonoai/RS. Nesse mesmo ano, 500 colonos sem terras ocupam a Fazenda Sarandi instalando o Acampamento Riacho Cascavel. O governo desapropria parte da mesma, que era de propriedade dos uruguaios, para assentamento dos agricultores. Em 1975, 54 famílias de afogados do Passo Real e mais 13 famílias de empregados da Fazenda, foram reassentados em parte da Fazenda Anoni, desapropriada pelo INCRA. A partir de 1978, grande parte da área do município passa a ser ocupada, pelos agricultores sem terra, com acampamentos e consequentes assentamentos nas granjas Macali I, Macali II, Brilhante, Nova Ronda Alta, Vitória da União (Cascavel) e Nossa Senhora Conquistadora da Terra. Nos anos de 1979 e 1980, o Município caracterizou-se como berço dos movimentos sociais de grande apelo popular, principalmente no que tange à luta pela posse da terra. Em 1981, houve a instalação do marcante acampamento na Encruzilhada Natalino, com 600 famílias de agricultores sem terras, o qual teve duração de três longos anos. No ano de 1985, ocorreu a ocupação da Fazenda Anoni, com a participação de aproximadamente 150 famílias de agricultores de Ronda Alta. Ronda Alta foi ponto de partida da organização do Movimento Sem Terra (MST) do Estado do Rio Grande do Sul, através da ocupação da Fazenda Macali, Brilhante e Acampamento da Encruzilhada Natalino. Temos atualmente no Município 07 assentamentos, totalizando 155 famílias assentadas em ha., representando 9% da área total do Município. Em 06 de outubro de 1996, os índios retomam a reserva indígena da Serrinha, dentro do território de Ronda Alta, causando conflito com os colonos. Foram cinco anos de negociação entre colonos, Governo do Estado e FUNAI. Através das negociações elaborou-se um acordo, onde ficou decidida a saída dos colonos, após o pagamento das terras por parte do Governo e a indenização das benfeitorias por parte da FUNAI e praticamente toda a reserva já foi devolvida aos Indígenas. 20

21 LOCALIZAÇÃO O Município de Ronda Alta pertence à Micro Região Colonial de Iraí e que está localizado no extremo Norte do Estado do Rio Grande do Sul, na Bacia do Rio Uruguai e na Sub-Bacia do Rio Passo Fundo e Rio da Várzea, 7ª Zona fisiográfica denominada Alto Uruguai. Está a uma distância de 375 Km da Capital do Estado, com acesso pela BR 386, sua área é de 419,69 Km² e sua altitude é de 710 metros do nível do mar. É localizado na latitude 27º 48 e longitude 52º 47. O clima é sub-tropical e a temperatura média é de 18ºC. Fazlimite com oito municípios: ao norte com Três Palmeiras; ao sul com Sarandi e Pontão; a leste com Campinas do Sul e ao oeste com Rondinha e Engenho Velho. A hidrografia do Município é realçada pela barragem do Rio Passo Fundo. A RS 324 é praticamente um divisor de águas da Sub-Bacia do Rio da Várzea e Sub-Bacia do Rio Passo Fundo, ambos desembocam e pertencem à Bacia do Rio Uruguai. As chuvas normalmente são bem distribuídas, com maior intensidade no período de inverno, com precipitação média de a mm/ano. Segundo o Censo do IBGE 2000, a população é de habitantes, sendo que, do total (44%) residem na cidade e 5.661(56%) residem na zona rural. Estima-se um total de famílias, sendo que 1617, na área rural e 1.254, na área urbana. A densidade populacional é de 24,34 habitantes por Km² e é constituída por 50% de origem Italiana e 50% de Alemães, Caboclos, Poloneses, indígenas e outros MEIO RURAL As atividades econômicas que predominam no setor primário do município são a agricultura, com os cultivos de soja, milho, trigo e fumo, seguido da pecuária leiteira. Na silvicultura destaca-se o cultivo da erva-mate. Inicialmente a produção estava voltada à subsistência e venda do pequeno excedente, principalmente milho, feijão e suínos ocupando as áreas de maior declividade e maior 21

22 fertilidade natural composto por solos neossolos litólicos eutróficos e chernossolos argilúvicos férricos típico (unidade Ciríaco). Essas áreas foram ocupadas por agricultores de etnia predominantemente italiana que migraram de outras regiões do estado, principalmente do município de Guaporé/RS, ampliando a fronteira agrícola do Estado. Posteriormente alguns colonos ocuparam áreas de topografia mais planas, porém estas glebas apresentavam como fator limitante a acidez e a baixa fertilidade natural dos solos denominados latossolos vermelhos distróficos típicos Unidade Passo Fundo A superação desta limitação, só foi possível com a modernização da agricultura baseada nos princípios da revolução verde envolvendo a introdução de variedades de alto rendimento, mecanização, e correção da acidez e fertilidade do solo, entre outras. Nestas áreas desenvolveram-se as médias e grandes propriedades cuja especialização está centrada nos cultivos extensivos de soja, milho e trigo. Recentemente foram implantados também, os assentamentos rurais com lotes de área média de 24 hectares. Atualmente o município possui 963 estabelecimentos rurais, sua estrutura fundiária pode ser observada no quando abaixo: Quadro 03 Estrutura fundiária Município de Ronda Alta-RS Área da Propriedade (ha) N.º de Propriedades (1) Área Total (ha)(1) N.º de Propriedades (2) Menos de ,80 09 De 1 a menos de ,26 27 De 2 a menos de ,17 78 De 5 a menos de , De 10 a menos de , De 20 a menos de , De 50 a menos de ,26 54 De 100 a menos de ,40 26 De 200 a menos de ,10 14 De 500 a menos de ,60 03 De a menos de ,00 04 De a menos de ,00 00 Produtor sem área Sem registro Sem registro 18 TOTAL , Fonte: ( 1 ) Censo Agropecuário 1996 ( 2 ) Censo Agropecuário de 2006 Portanto, ao se fazer a comparação dos dados levantados dos Censos de 1996 com o de 2006, observa-se que nesses 10 anos houve uma redução de 17,97% no número total de 22

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS

SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM UMA UNIDADE DE PRODUÇÃO FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MIRAGUAI - RS José Rubens Hermann dos Santos 1 ; Anderson Clayton Rhoden 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Neuri

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria

Cadeia Produtiva do Leite. Médio Integrado em Agroindústria Médio Integrado em Agroindústria A importância da cadeia do leite A cadeia do leite e de seus derivados desempenha papel relevante no suprimento de alimentos e na geração de emprego e renda, se igualando

Leia mais

DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE. Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural

DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE. Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural DIVERSIFICAÇÃO E PERSPECTIVAS DE INVESTIMENTOS ENTRE PRODUTORES DE LEITE Área temática: Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural Renata Milani 1 Rosani Marisa Spanevello 2 Adriano Lago 3 Antonio Marcos

Leia mais

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS

USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS USO DE CONCENTRADOS PARA VACAS LEITEIRAS Ivan Pedro de O. Gomes, Med.Vet., D.Sc. Professor do Departamento de Zootecnia CAV/UDESC. e-mail: a2ipog@cav.udesc.br A alimentação constitui-se no principal componente

Leia mais

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes

Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba. Sebastião Teixeira Gomes Produzir Leite é Bom Negócio? Alto Paranaíba Sebastião Teixeira Gomes Viçosa Novembro 1996 1 Índice Especificação Página 1. Introdução... 2 2. Notas Metodológicas... 2 3. Recursos Disponíveis... 3 4. Raça

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE POUSO NOVO PRODUTORES DE LEITE

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE POUSO NOVO PRODUTORES DE LEITE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX BANCO DE DADOS REGIONAL - BDR PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE POUSO NOVO PRODUTORES DE LEITE UNIVATES

Leia mais

Banco do Brasil. Programa ABC

Banco do Brasil. Programa ABC Banco do Brasil Programa ABC Junho de 2015 Plano ABC Conceito Crédito orientado para promover a redução das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) na agricultura, conforme preconizado na Política Nacional

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento

A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento A produção mundial e nacional de leite - a raça girolando - sua formação e melhoramento Duarte Vilela chgeral@cnpgl.embrapa.br Audiência Pública - 18/05/2010 Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos

Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos Sistemas de Produção de Leite Prof. Geraldo Tadeu dos Santos É Exite uma grande diversidade dos sistemas de produção de leite praticados nos vários países produtores Argentina Austrália Nova Zelândia É

Leia mais

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção

O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Leite relatório de inteligência JANEIRO 2014 O uso de concentrado para vacas leiteiras Contribuindo para eficiência da produção Na busca da eficiência nos processos produtivos na atividade leiteira este

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução

ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL. Elmer Ferreira Luiz de Almeida. Introdução Capítulo 9 - Aspectos sociais da produção de leite no Brasil ASPECTOS SOCIAIS DA PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL Elmer Ferreira Luiz de Almeida Introdução O agronegócio Leite no Brasil tem passado por mudanças

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA

A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes. Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA A Segurança Alimentar num país de 200 milhões de habitantes Moisés Pinto Gomes Presidente do ICNA O uso da terra no Brasil Evolução das Áreas de Produção Milhões de hectares 1960 1975 1985 1995 2006 Var.

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE

CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE CUSTO DE PRODUÇÃO DE LEITE DA EMBRAPA E O PREÇO DO LEITE Sebastião Teixeira Gomes 1 1. INTRODUÇÃO Desde sua criação, em 1977, o Centro Nacional de Pesquisa de Gado de Leite (CNPGL), da EMBRAPA, vem se

Leia mais

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil

Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Dados do Censo Agropecuário Confirmam Concentração da Atividade Leiteira no Brasil Ézio José Gomes Os dados do último Censo Agropecuário do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2006

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE TEUTÔNIA PRODUTORES DE LEITE

PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE TEUTÔNIA PRODUTORES DE LEITE CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REITORIA PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E EXTENSÃO - PROPEX BANCO DE DADOS REGIONAL - BDR PROGRAMA DO LEITE DO VALE DO TAQUARI MUNICÍPIO DE TEUTÔNIA PRODUTORES DE LEITE Lajeado,

Leia mais

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16

CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 CONJUNTURA DE SAFRAS, OU MAIS DO MESMO: EXPANSÃO DA FRONTEIRA AGRÍCOLA COM SOJA EM 2015/16 A Companhia Nacional do Abastecimento (Conab), divulgou recentemente sua primeira estimativa para a safra brasileira

Leia mais

Produção de Leite a Pasto

Produção de Leite a Pasto Produção de Leite a Pasto Levar o gado ao pasto e não o pasto ao gado Menor custo, redução da mão-de-obra Mais saúde para os animais Menor impacto ambiental Maior rentabilidade PRODUÇÃO DE LEITE A PASTO

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável

Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE Guarapuava,07/10/2015 Enfrentando os Desafios Para Criar Competitividade Sustentável Ronei Volpi Coordenador Geral da Aliança Láctea Sul Brasileira Competitividade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL

PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL PANORAMA DA PRODUÇÃO DE LEITE EM PASTAGENS NO BRASIL ALICE: Gato, qual o caminho correto? GATO: Depende Alice... Para onde você quer ir? ALICE: Não sei, estou perdida. GATO: Para quem não sabe onde quer

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO. PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Janeiro/2015 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Rural 05. Habitantes no

Leia mais

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009.

Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Conjuntura Anual do Sorgo em 2008 e um possível cenário para 2009. Para os produtores de sorgo o ano de 2008 pode ser considerado como bom. As condições climatológicas foram favoráveis durante todo o ciclo

Leia mais

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM

Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Uso da biotecnologia garante US$ 3,6 bilhões à agricultura brasileira, aponta novo estudo da ABRASEM Resultados incluem primeiro ano de cultivo de milho geneticamente modificado, além das já tradicionais

Leia mais

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1

EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 EDUCAMPO: um projeto que dá lucro 1 Sebastião Teixeira Gomes 2 1. Apresentação O objetivo deste artigo é apresentar o projeto Educampo, fruto da parceria entre o Sebrae-MG, a agroindústria e os produtores

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL

INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL INDÚSTRIA DE ALIMENTAÇÃO ANIMAL Em 2011: Registrou incremento de 5,2% Em 2011, o setor cresceu 5,2%, movimentou R$ 40 bilhões em insumos e produziu 64,5 milhões de toneladas de ração e 2,35milhões de suplementos

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira

O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira O papel da APROSOJA na promoção da sustentabilidade na cadeia produtiva da soja brasileira Clusters para exportação sustentável nas cadeias produtivas da carne bovina e soja Eng Agrônomo Lucas Galvan Diretor

Leia mais

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm

As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm ESTUDO DA CNT APONTA QUE INFRAESTRUTURA RUIM AUMENTA CUSTO DO TRANSPORTE DE SOJA E MILHO As atuais condições da infraestrutura de transporte e logística do Brasil têm impacto significativo na movimentação

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

1ª OLIMPIADA DO LEITE

1ª OLIMPIADA DO LEITE 1ª OLIMPIADA DO LEITE Justificativa : Como o avanço e o aparecimento de novas tecnologias é de fundamental importância que o produtor rural, assim como em qualquer atividade que demande tecnologia, venha

Leia mais

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite Tendências para o Setor Lácteo do Brasil e da América Latina Paulo do Carmo Martins Economista (UFJF) Mestre em Economia Aplicada (UFV) Doutor em Economia Aplicada (USP) Pesquisador Embrapa Gado de Leite

Leia mais

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO

MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO MAIS PRODUÇÃO, RENDA E INCLUSÃO SOCIAL NO CAMPO PLANO SAFRA 2014/2015 Plano Safra Estadual é um mecanismo de planejamento setorial abrange quinze instrumentos de política em diversos tipos de atividades

Leia mais

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária

Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Milho - Análise da Conjuntura Agropecuária Outubro de 2012. MUNDO O milho é o cereal mais produzido no mundo. De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a produção média do

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso

Diversificação, sustentabilidade e. dinheiro no bolso Leitõezinhos se alimentam na mãe até os 22 dias de idade, quando seguem para engorda Diversificação, sustentabilidade e dinheiro no bolso Cooperativa em São Gabriel do Oeste, MS, tem faturamento quatro

Leia mais

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO

APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE LINGO Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 8 APLICAÇÃO DA PESQUISA OPERACIONAL AVALIAÇÃO DE FORMULAÇÕES DE RAÇÃO PARA BOVINOS EM CONFINAMENTO UTILIZANDO O SOFTWARE

Leia mais

Courobusiness em Alagoas

Courobusiness em Alagoas Courobusiness em Alagoas Descrição Atração e instalação de empreendimentos de curtumes para o desenvolvimento e consolidação da cadeia produtiva do couro no Estado de Alagoas. Entidades responsáveis Célula

Leia mais

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE

SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE SUPLEMENTAÇÃO DE BEZERROS DE CORTE Nos primeiros meses de vida os bezerros obtêm grande parte dos nutrientes de que precisa do leite materno, que é de fácil digestão para o animal que ainda é jovem. Em

Leia mais

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig

Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Metodologia para elaboração de diagnóstico físico e ambiental no Programa de Gestão de Solo e Água em Microbacias com uso do gvsig Autores: Milton Satoshi Matsushita 1 e Reinaldo Tadeu O. Rocha 2 1 Engenheiro

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE BOVINA NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS PARTICIPAÇÃO NA PRODUÇÃO Produção de carnes NACIONAL - USDA - mil ton DO COMPLEXO CARNES - 2014 Carne Bovina

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Homero Pereira) Requer o envio de Indicação ao Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, no sentido de implantar um Programa de Redução de Perdas de Produtos Agrícolas. Senhor

Leia mais

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados

(E-MAIL): marfa.alessandra@seagro.to.gov.br. Fortalecimento dos Serviços Públicos Selecionados NOME DO PROJETO: PROJETO DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL INTEGRADO E SUSTENTÁVEL PDRIS Nº ACORDO EMPRÉSTIMO: 8185-0/BR NÃO OBJEÇÃO - (TERMO DE REFERÊNCIA) Nº DO TDR: 02/2015 DATA: 01/02/2015 COMPONENTE: SUBCOMPONENTE:

Leia mais

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo

Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Sistema de Integração Lavoura-Pecuária (ILP) de Corte da Embrapa Milho e Sorgo Ramon C. Alvarenga¹ e Miguel M. Gontijo Neto¹ Pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) A Embrapa Milho e Sorgo

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS

Feira Internacional de tecnologia e negócios. 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios 05 a 09 de março de 2012 Não-Me-Toque/RS EXPODIRETO 2012 Feira Internacional de tecnologia e negócios Você é nosso convidado para participar

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS

QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO LEITEIRA FAMILIAR POR MEIO DE ATIVIDADES DIDÁTICAS EJE- EXTENSIÓN, DOCENCIA E INVESTIGACIÓN PICOLI, Tony 1 ; ZANI, João Luíz 2 ; MARQUES, Lúcia Treptow 3 ; SCHUCH, Luís Filipe

Leia mais

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita)

A visão de longo prazo contempla: Produção Exportações líquidas Estoques. Área plantada Produtividade Consumo doméstico (total e per capita) Fornecer aos agentes envolvidos no agronegócio, notadamente as indústrias de insumos agropecuários e de alimentos, além dos produtores, Governo e academia, informações estratégicas sobre a dinâmica futura

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras

Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Inseminação Artificial em Tempo Fixo em Vacas Leiteiras Serviços em Pecuária de Leite Avaliação Ginecológica e Diagnóstico de Gestação com Aparelho de Ultrassonografia Exames Laboratoriais IATF Inseminação

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO E O SETOR DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS TENDÊNCIAS DOS MERCADOS PARA 2012/2013 E OS CENÁRIOS DE LONGO PRAZO Carlos Cogo Agosto/2012 LA NIÑA PROVOCA FORTES QUEBRAS EM SAFRAS DE GRÃOS O

Leia mais

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO

EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO EXPLORAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO CARACTERIZAÇÃO DO CERRADO BRASILEIRO É o maior bioma brasileiro depois da Amazônia, com aproximadamente 2 milhões de km² e está concentrado na região Centro Oeste do Brasil;

Leia mais

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil Rodrigo Sant Anna Alvim 1 e Marcelo Costa Martins 2 1 Engenheiro Agrônomo, Presidente da Comissão Nacional de Pecuária da CNA 2 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL OPORTUNIDADES PARA A PRODUÇÃO DE LEITE NO BRASIL 1. Produção de Leite Rodrigo Sant`Anna Alvim 1 O Brasil conta com um setor leiteiro que vem crescendo substancialmente nos últimos anos. Grande importador

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro

Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro Implantação de tecnologia na atividade leiteira com acompanhamento zootécnico e financeiro Adriana Lopes Ribeiro Lelis Flávia de Carvalho Lage Ricardo de Magalhães Luz Brasília DF 2015 1. Introdução Com

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014

Leite. A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades. relatório de inteligência. Abril 2014 Leite relatório de inteligência Abril 2014 A utilização de softwares no gerenciamento produtivo de pequenas propriedades A rotina em uma propriedade leiteira exige acompanhamento e atenção em todos os

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório

Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Panorama do Setor Exportador Brasileiro de Sementes Forrageiras: um Estudo Exploratório Juliano Merlotto Mestre em Administração pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.

Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov. ORGÂNICOS SÃO CAROS. POR QUÊ? Sebastião Wilson Tivelli Eng. Agr., Dr., PqC da UPD São Roque do Centro de Insumos Estratégicos e Serviços Especializados/APTA tivelli@apta.sp.gov.br Quem nunca ouviu ou falou

Leia mais

BRASIL. Francisca Peixoto

BRASIL. Francisca Peixoto BRASIL Francisca Peixoto INTRODUÇÃO BRASIL Um dos principais fornecedores de alimentos e matériasprimas do mundo Dotação única em recursos naturais Política agropecuária alinhada com estratégia nacional

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 OTIMIZAÇÃO DA EFETIVIDADE DE HEDGE NA COMPRA DE MILHO POR MEIO DE CONTRATOS FUTUROS PARA PRODUÇÃO DE BOVINOS DE CORTE RESUMO GUSTAVO DE SOUZA CAMPOS BADARÓ 1, RENATO ELIAS FONTES 2 ; TARCISIO GONÇALVES

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14

Tabela 01 Mundo Soja Área, produção e produtividade Safra 2009/10 a 2013/14 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2013 MUNDO A economia mundial cada vez mais globalizada tem sido o principal propulsor responsável pelo aumento da produção de soja. Com o aumento do

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais