NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS"

Transcrição

1 NORMAS PARA INSTRUÇÃO DE PROCESSOS

2 Caro Munícipe, Numa política que visa agilizar procedimentos e diminuir os tempos de resposta em múltiplos processos que, diariamente, dão entrada no Departamento de Administração Urbanística, foi criada a presente brochura, intitulada Normas para Instrução de Processos. Aqui, constam todos os documentos necessários á instrução de um qualquer tipo de processo, seja ele de Edificação ou Loteamento. Se, ao entregar o seu processo, o mesmo estiver instruído com todos os documentos necessários, por certo a resposta do DAU será mais rápida, como de resto todos nós pretendemos. Espero, sinceramente, que este manual lhe possa ser útil. Com os melhores cumprimentos. O Vereador do DAU (João Pedro Domingues) CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

3 Normas de Instrução dos Pedidos As normas de instrução de processos são aplicáveis aos abrangidos pelo Dec-Lei 555/99 de 16 de Dezembro com a redacção dada pelo Dec- Lei 177/01 de 4 de Junho, que define o Regime Jurídico de urbanização e edificação. As normas aqui estipuladas têm como base a legislação actual aplicável, nomeadamente: Portaria 1110/01 de 19 de Setembro, relativa a elementos instrutores dos pedidos de realização de operações urbanísticas; Portaria 1111/01 de 19 de Setembro, relativa aos elementos estatísticos referentes a operações urbanísticas que devem ser remetidos ao Instituto Nacional de Estatística; Portaria 1105/01 de 18 de Setembro, relativa a elementos instrutores dos pedidos de emissão de alvarás de licença ou autorização das operações urbanísticas; Portaria 1107/01 de 18 de Setembro, relativa aos modelos tipo de alvarás de licenciamento e autorização das operações urbanísticas. A presente compilação de normas e elementos tem como principal intuito a correcta instrução dos processos a apresentar na Câmara Municipal de Loures, relativas ás diversas operações urbanísticas, com base na legislação aplicável acrescida de alguns ajustamentos e especificações necessárias para o respectivo município. Esta publicação, não dispensa o total conhecimento da legislação acima referida, nem das disposições legais e regulamentares, aplicáveis aos projectos e à execução de obras, cuja relação se encontra publicada pela Portaria 1101/00 de 20 de Novembro, actualizada pela Portaria 1104/01 de 17 de Setembro. Inclui-se ainda nesta publicação uma relação de entidades da administração central e dos elementos por estas exigidos (que devem ser entregues pelo requerente), que em virtude de legislação especifica devem emitir parecer, autorização ou licença para a realização de operações urbanísticas CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

4 Esclarecimentos e Atendimento Público ELEMENTOS PARA Repartição Administrativa do Departamento de Administração Urbanística Esclarecimentos sobre aspectos de âmbito administrativo, nomeadamente: fornecimento de cópias de plantas topográficas e de extractos de plantas do PDM, fornecimento de impressos, recepção de processos e documentos, emissão de licenças/autorizações e emissão de certidões) Horário de Funcionamento: 2ª a 6ª feira das 8.30 ás 16 horas Serviços de Atendimento do Departamento de Administração Urbanística Esclarecimentos de caracter técnico O atendimento por parte dos técnicos das Divisões do Departamento de Administração Urbanística é efectuado às 3ºfeiras entre as 9 e as 16 horas, por prévia marcação, nas relações públicas. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

5 Normas Gerais ELEMENTOS PARA Forma de apresentação dos elementos Todos os elementos devem ser apresentados em formato A4 (21x29,7), com uma margem lateral esquerda de 3cm livres para perfuração e arquivo em pastas próprias; Todos os exemplares devem ser apresentados em papel opaco; Os elementos devem ser apresentados pela ordem indicada nas normas e sem agrafos; Todas as peças escritas e desenhadas do projecto, incluindo a planta de localização devem ser subscritas pelo técnico autor do projecto; Cada colecção do projecto a apresentar deve ser numerada e rubricada antes da entrega nos serviços municipais, sendo a numeração feita, por colecção, com inicio no nº1 em cada uma; Todos os elementos devem permitir reprodução a preto e branco sem perda de informação, pelo que a utilização de cor deve estar sempre associada a tramas identificáveis a preto e branco; A informação escrita e desenhada deve ser condensada de forma a reduzir a dimensão e o numero de folhas; As plantas de localização e de implantação devem ser orientadas a Norte; Os levantamentos topográficos devem ser elaborados por técnicos habilitados e com equipamento adequado, contendo informação altimétrica por pontos cotados e curvas de nível, com o sistema de coordenadas e projecção: Transverse Mercator Datum 73 Hayford Gauss IPCC As plantas de PDM, de condicionantes e de localização deverão ser autenticadas pelos serviços municipais, quando não ai adquiridas; Se possível, entregar os projectos integrantes dos processos a instruir, em formato digital. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

6 Instrução dos Pedidos nos termos do Dec-Lei 555/99 de 16 de Dezembro com a redacção dada pelo Dec-Lei 177/01 de 4 de Junho Requerimento; Documentos relativos a cada operação urbanística, conforme consta das diferentes listagens, que fazem parte integrante da presente publicação; Três exemplares do processo para a Câmara Municipal Caso a pretensão necessite de parecer de entidades externas, anexar o número de exemplares, conforme consta da relação que faz parte integrante da presente publicação. Recomendações: É obrigatória a colocação de aviso do pedido de emissão de licenciamento ou autorização no local objecto da pretensão. O aviso deve obedecer ao modelo constante na Portaria nº 1106/01, de 18 de Setembro. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

7 Elementos a Entregar Mediante cada Operação Urbanística Obras Isentas de Autorização ou Licença As obras isentas de autorização ou licença, nos termos do artigo 6º, do Dec-Lei 555/99 de 16 de Dezembro com a redacção dada pelo Dec-Lei 177/01 de 4 de Junho, estão sujeitas ao regime de comunicação prévia, e deve ser instruído com os seguintes elementos: Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de realização da operação; Certidão da descrição e de todas as inscrições em vigor emitida pela conservatória do registo predial referente ao prédio ou prédios abrangidos; Termo de responsabilidade subscritos pelos autores dos projectos quanto ao cumprimento das normas legais e regulamentares aplicáveis; Memória descritiva e justificativa da obra, esclarecendo: A localização e a área do prédio; Descrição e justificação da proposta para a edificação; Planta de Localização e Enquadramento, a fornecer pela Câmara Municipal à escala 1:1000, onde será devidamente assinalada a área do prédio ou prédios em causa; Planta e corte à escala 1/100 com identificação das alterações; Telas finais, quando aplicável; CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

8 Obras Dispensadas de Autorização ou Licença As obras dispensadas de autorização ou licença, por escassa relevância urbanística, mediante previsão no Regulamento Municipal de Edificação Urbana (RMEU) e nos termos do artigo 6º, do Dec-Lei 555/99 de 16 de Dezembro com a redacção dada pelo Dec-Lei 177/01 de 4 de Junho, estão sujeitas ao regime de comunicação prévia, e deve ser instruído com os seguintes elementos: Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de realização da operação; Certidão da descrição e de todas as inscrições em vigor emitida pela conservatória do registo predial referente ao prédio ou prédios abrangidos; Termo de responsabilidade subscritos pelos autores dos projectos quanto ao cumprimento das normas legais e regulamentares aplicáveis; Planta de Localização e Enquadramento, a fornecer pela Câmara Municipal à escala 1:1000, onde será devidamente assinalada a área do prédio ou prédios em causa; Extracto da Planta síntese do loteamento (quando abrangido), assinalando a área objecto da pretensão; Memória descritiva, esclarecendo devidamente a pretensão e indicando: A localização do prédio; A área do prédio; A área total de implantação; A área total de construção acima e abaixo da cota da soleira; Os usos e a área bruta de construção afecta aos diferentes usos. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

9 Quando o pedido diga respeito a novas edificações ou a obras que impliquem aumento da área construída, devem constar do pedido de comunicação prévia os seguintes elementos: Planta de implantação à escala de 1:1000, definindo o alinhamento e perímetro das edificações, abrangendo uma faixa envolvente nunca inferior a 50 metros medidos a partir do limite do terreno; Cortes longitudinais e transversais, à escala adequada abrangendo o terreno, com indicação do perfil existente e o proposto, assim como das edificações propostas, Cérceas e o número de pisos acima e abaixo da cota de soleira; Área total de construção e a volumetria das edificações; Localização e dimensionamento das construções anexas; Identificação do uso a que se destinam as edificações; Operação de Loteamento Operação de Loteamento - Informação Prévia O pedido de informação prévia para a realização de operação de loteamento em área não abrangida por PU ou PP deve ser instruído com os seguintes elementos: Quando o interessado não seja o proprietário do prédio, o pedido de informação prévia inclui a identificação do proprietário bem como dos titulares de qualquer outro direito real sobre o prédio, através de certidão emitida pela Conservatória do Registo Predial; CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

10 Termo de responsabilidade subscritos pelos autores dos projectos quanto ao cumprimento das normas legais e regulamentares aplicáveis Memória descritiva, esclarecendo devidamente a pretensão e indicando: A localização do prédio; A área do prédio ou prédios abrangidos; A descrição dos elementos essenciais das redes de infra-estruturas, designadamente de redes existentes e da sobrecarga que a pretensão poderá implicar; A área total de construção acima da cota de soleira; Os usos pretendidos e área bruta de construção afecta aos diferentes usos; As cérceas e número de pisos acima e abaixo da cota de soleira; A área de implantação; As áreas destinadas a infra-estruturas, estacionamento público, espaços verdes e de utilização colectiva e equipamentos, quando necessárias. Planta de Localização e Enquadramento, a fornecer pela Câmara Municipal à escala 1:1000, onde será devidamente assinalada a área do prédio ou prédios em causa; Planta Síntese da Proposta, elaborada sobre a planta topográfica fornecida pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, esclarecendo devidamente: Delimitação do terreno objecto da pretensão; Lotes e implantação dos edifícios; Áreas destinadas a infra-estruturas e estacionamento, espaços verdes e de utilização colectiva e equipamento, identificando quais deverão integrar no domínio público municipal; Quadro sinóptico: - identificação do lote; - área do lote; CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

11 - área de implantação; - área bruta de construção; - cércea e número de pisos acima e abaixo da cota da soleira; - usos, com identificação do número de fogos e das unidades afectas a outros usos; - área destinada a estacionamento; - Índice de impermeabilização. Cortes longitudinais e transversais, à escala adequada abrangendo o terreno, com indicação do perfil existente e o proposto. Fotografias a cores, devidamente esclarecedoras do local; Extracto de mapa do ruído ou, na sua ausência, de relatório sobre recolha de dados acústicos que cumpram a legislação aplicável nesta matéria. Outros elementos que o requerente queira apresentar; Operação de Loteamento - Autorização O pedido de autorização para a realização de operações de loteamento deve ser instruído com os seguintes elementos: Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de realização da operação; Certidão da descrição e de todas as inscrições em vigor emitida pela Conservatória do Registo Predial referente ao prédio ou prédios abrangidos; Termos de responsabilidade subscritos pelos autores dos projectos quanto ao cumprimento das disposições legais e regulamentares aplicáveis; Memória descritiva e justificativa da solução proposta, esclarecendo: A localização do terreno; CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

12 A área do prédio ou prédios abrangidos; A integração urbana e paisagística da operação; Número de lotes e respectivas áreas; Área de implantação por lote; Área de construção e volumetria dos edifícios por lote; Cérceas e número de pisos acima e abaixo da cota da soleira de cada edifício; Índices urbanísticos adoptados, nomeadamente o índice de construção bruto, o índice de implantação, o índice de ocupação volumétrico e a densidade populacional; Áreas destinadas a espaços de utilização colectiva, incluindo espaços verdes e respectivos arranjos; Natureza e dimensionamento dos equipamentos; Natureza das actividades não habitacionais e dimensionamento das áreas a elas destinadas; Utilização dos edifícios e número de fogos e respectiva tipologia, quando for o caso; Condicionamentos relativos à implantação dos edifícios e construções anexas, se for o caso; Solução adoptada para o funcionamento das redes de abastecimento de água, de energia eléctrica, de águas residuais, de gás e de telecomunicações e suas ligações às redes gerais, quando for o caso; Estrutura viária adoptada, especificando as áreas destinadas às vias, acessos e estacionamentos de veículos, incluindo as previstas em cave, quando for o caso. Planta de Localização e Enquadramento, a fornecer pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, onde será devidamente assinalada a área do prédio ou prédios em causa; Planta da situação existente, elaborada sobre a planta topográfica fornecida pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, correspondente ao estado e uso do terreno e de uma faixa CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

13 envolvente nunca inferior a 100 metros medidos a partir do limite do terreno, na qual serão identificados e devidamente caracterizados os elementos e valores naturais e construídos, as servidões administrativas e restrições de utilidade pública, bem como a delimitação do terreno objecto da pretensão; Planta Síntese da Proposta, elaborada sobre a planta topográfica fornecida pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, ou inferior, devidamente cotada e referenciando: Delimitação do terreno objecto da operação de loteamento; Divisão em lotes, sua numeração e finalidade; Áreas destinadas a infra-estruturas e estacionamento, espaços verdes e de utilização colectiva e equipamentos; Quadro sinóptico, com identificação, por lote, de: - identificação dos lotes; - áreas dos lotes; - áreas de implantação; - áreas brutas de construção; - número de pisos acima e abaixo da cota da soleira; - cérceas; - usos, com identificação do número de fogos, com especificação dos destinados a habitações a custos controlados, e das unidades afectas a outros usos, quando previstos; - área destinada a estacionamento; - Índice de impermeabilização. Cortes longitudinais e transversais, à escala adequada abrangendo o terreno, com indicação do perfil existente e o proposto. Planta com áreas de cedência para o domínio público municipal e privado; Cópia da notificação da Câmara Municipal a comunicar a aprovação de um pedido de informação prévia, quando esta exista e estiver em vigor; CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

14 Fotografias a cores, devidamente esclarecedoras do local; Ficha com os elementos estatísticos devidamente preenchida com os dados referentes à operação urbanística a realizar, segundo modelo a fornecer pela Câmara Municipal. Operação de Loteamento - Licenciamento 1- O pedido de licenciamento de operações de loteamento em área abrangida por Plano de Urbanização ou Plano de Pormenor deve ser instruído com os seguintes elementos: Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de realização da operação; Certidão da descrição e de todas as inscrições em vigor emitida pela Conservatória do Registo Predial referente ao prédio ou prédios abrangidos; Termos de responsabilidade subscritos pelos autores dos projectos quanto ao cumprimento das disposições legais e regulamentares aplicáveis; Memória descritiva e justificativa da solução proposta, esclarecendo: A localização do terreno; A área do prédio ou prédios abrangidos; A integração urbana e paisagística da operação; Número de lotes e respectivas áreas; Área de implantação por lote; Área de construção e volumetria dos edifícios por lote; Cérceas e número de pisos acima e abaixo da cota da soleira de cada edifício; Índices urbanísticos adoptados, nomeadamente o índice de construção bruto, o índice de implantação, o índice de ocupação volumétrico e a densidade populacional; CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

15 ELEMENTOS PARA Áreas destinadas a espaços de utilização colectiva, incluindo espaços verdes e respectivos arranjos; Natureza e dimensionamento dos equipamentos; Natureza das actividades não habitacionais e dimensionamento das áreas a elas destinadas; Utilização dos edifícios e número de fogos e respectiva tipologia, quando for o caso; Condicionamentos relativos à implantação dos edifícios e construções anexas, se for o caso; Solução adoptada para o funcionamento das redes de abastecimento de água, de energia eléctrica, de águas residuais, de gás e de telecomunicações e suas ligações às redes gerais, quando for o caso; Estrutura viária adoptada, especificando as áreas destinadas às vias, acessos e estacionamentos de veículos, incluindo as previstas em cave, quando for o caso. Planta da situação existente, elaborada sobre a planta topográfica fornecida pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, correspondente ao estado e uso do terreno e de uma faixa envolvente nunca inferior a 100 metros medidos a partir do limite do terreno, na qual serão identificados e devidamente caracterizados os elementos e valores naturais e construídos, as servidões administrativas e restrições de utilidade pública, bem como a delimitação do terreno objecto da pretensão; Planta Síntese da Proposta, elaborada sobre a planta topográfica fornecida pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, que, para além de definir a delimitação do terreno objecto da operação, deverá esclarecer devidamente: Modelação proposta para o terreno; Estrutura viária e redes de abastecimento de água, de águas residuais, de energia eléctrica, de gás e de condutas destinadas à instalação de infra-estruturas de telecomunicações; Polígonos de base para a implantação das edificações, devidamente cotados e referenciados. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

16 Planta com áreas de cedência para o domínio público municipal e privado; Cópia da notificação da Câmara Municipal a comunicar a aprovação de um pedido de informação prévia, quando esta exista e estiver em vigor; Ficha com os elementos estatísticos devidamente preenchida com os dados referentes à operação urbanística a realizar, segundo modelo a fornecer pela Câmara Municipal. 2- Quando se trate de operações de loteamento em área abrangida por Plano Director Municipal o pedido deve ser instruído com os seguinte elementos: Os constantes do ponto anterior; A memória descritiva e justificativa deve ainda referir, a adequabilidade da proposta de loteamento às normas e princípios de ordenamento contidos no Plano Director Municipal. Operação de Loteamento Execução por fases Identificação na Planta síntese da proposta os trabalhos incluídos em cada uma das fases; Identificação na Planta das áreas de cedência para o domínio público municipal, as áreas a ceder em cada fase; Fichas das características gerais do loteamento e dos lotes para cada fase; Prazos para o inicio e para o termo da execução dos trabalhos de cada fase; Prazos dentro dos quais se propõe requerer a respectiva licença ou autorização. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

17 Operação de Loteamento Emissão do Alvará de Licenciamento ou de Autorização Para efeitos de emissão do alvará deverão ser apresentados os seguintes elementos: Apólice de seguro de construção civil, ramo acidentes de trabalho; Titulo comprovativo do registo IMOPPI, Instituto de Mercadorias de Obras Públicas Particulares e do Imobiliário / Certificado de Classificação de Industrial de construção civil obras de urbanização; Certidão comprovativa do registo matricial na Repartição das Finanças; Certidão de registo na Conservatória do Registo Predial; Livro de Obra; Termo de responsabilidade do técnico responsável pela direcção técnica da obra; Documento comprovativo da prestação da caução; Implantação da proposta em suporte digital. Obras de Urbanização Obras de Urbanização - Informação Prévia O pedido de informação prévia para a realização de obras de urbanização deve ser instruído com os seguintes elementos: Quando o interessado não seja o proprietário do prédio, o pedido de informação prévia inclui ainda a identificação do proprietário bem como dos titulares de qualquer outro direito real sobre o prédio, através de certidão emitida pela Conservatória do Registo Predial. Memória descritiva, explicitando as obras, designadamente arruamentos, redes de abastecimento de águas, de águas CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

18 residuais, de gás, de electricidade e de telecomunicações e arranjos exteriores; Planta de localização e enquadramento, a fornecer pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, assinalando devidamente os limites da área objecto da operação; Planta da situação existente, elaborada sobre a planta topográfica, fornecida pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, correspondente ao estado e uso do terreno e de uma faixa envolvente nunca inferior a 100m medidos a partir do limite do terreno, as servidões administrativas e restrições de utilidade pública, bem como a delimitação do terreno objecto da pretensão. À posteriori sobre esta, o promotor deverá identificar e caracterizar os elementos, valores naturais e construídos existentes; Planta Síntese da Proposta, elaborada sobre a planta topográfica fornecida pela Câmara Municipal, à escala 1:1000; Cortes longitudinais e transversais, à escala adequada abrangendo o terreno, com indicação do perfil existente e o proposto. Fotografias a cores, devidamente esclarecedoras do local. Obras de Urbanização Autorização O pedido de autorização de obras de urbanização deve ser instruído com os seguintes elementos: Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de realização da operação; Certidão da descrição e de todas as inscrições em vigor emitida pela Conservatória do Registo Predial referente ao prédio ou prédios abrangidos; Projectos das diferentes especialidades que integram a obra, designadamente das infra-estruturas viárias, redes de abastecimento de águas, drenagem de águas residuais, de gás, de electricidade, de telecomunicações, arranjos exteriores, devendo cada projecto conter memória descritiva e justificativa, CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

19 bem como os cálculos, se for caso disso, e as peças desenhadas, em escala tecnicamente adequada, com os respectivos termos de responsabilidade dos técnicos autores dos projectos; Orçamento da obra, por especialidade e global, baseado em quantidades e qualidades dos trabalhos necessários à sua execução, devendo neles ser adoptadas as normas portuguesas em vigor ou as especificações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil; Condições técnicas gerais e especiais do caderno de encargos, incluindo prazos para o início e para o termo da execução dos trabalhos; Cópia da notificação da Câmara Municipal a comunicar o deferimento do pedido de licenciamento ou autorização da operação de loteamento; Termos de responsabilidade subscritos pelos autores dos projectos quanto ao cumprimento das disposições legais e regulamentares aplicáveis; Contrato de urbanização, caso o requerente entenda proceder, desde logo, à sua apresentação; Obras de Urbanização - Licenciamento O pedido de licenciamento de obras de urbanização deve ser instruído com os seguintes elementos: Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de realização da operação; Certidão da descrição e de todas as inscrições em vigor emitida pela Conservatória do Registo Predial referente ao prédio ou prédios abrangidos; Planta Síntese da Proposta, elaborada sobre a planta topográfica fornecida pela Câmara Municipal, à escala 1:1000; CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

20 Planta de localização e enquadramento, a fornecer pela Câmara Municipal, à escala 1:1000, assinalando devidamente os limites da área objecto da operação; Projectos das diferentes especialidades que integram a obra, designadamente das infra-estruturas viárias, redes de abastecimento de águas, drenagem de águas residuais, de gás, de electricidade, de telecomunicações, arranjos exteriores, devendo cada projecto conter memória descritiva e justificativa, bem como os cálculos, se for caso disso, e as peças desenhadas, em escala tecnicamente adequada, com os respectivos termos de responsabilidade dos técnicos autores dos projectos; Orçamento da obra, por especialidade e global, baseado em quantidades e qualidades dos trabalhos necessários à sua execução, devendo neles ser adoptadas as normas portuguesas em vigor ou as especificações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil; Condições técnicas gerais e especiais do caderno de encargos, incluindo prazos para o início e para o termo da execução dos trabalhos; Cópia da notificação da Câmara Municipal a comunicar a aprovação de um pedido de informação prévia, quando esta exista e estiver em vigor; Termos de responsabilidade subscritos pelos autores dos projectos quanto ao cumprimento das disposições legais e regulamentares aplicáveis; Contrato de urbanização, caso o requerente entenda proceder, desde logo, à sua apresentação; Fotografias a cores, devidamente esclarecedoras do local. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

21 Obras de Urbanização Execução por fases ELEMENTOS PARA Identificação das obras incluídas em cada uma das fases; Orçamento correspondente a cada fase; Prazos para o inicio e para o termo da execução dos trabalhos de cada fase; Prazos dentro dos quais se propõe requerer a respectiva licença ou autorização. Obras de Urbanização Emissão do Alvará de Licenciamento ou de Autorização Para efeitos de emissão do alvará deverão ser apresentados os seguintes elementos: Apólice de seguro de construção civil, ramo acidentes de trabalho; Titulo comprovativo do registo IMOPPI, Instituto de Mercadorias de Obras Públicas Particulares e do Imobiliário / Certificado de Classificação de Industrial de construção civil obras de urbanização; Certidão comprovativa do registo matricial na Repartição das Finanças; Certidão de registo na Conservatória do Registo Predial; Livro de Obra; Termo de responsabilidade do técnico responsável pela direcção técnica da obra; Documento comprovativo da prestação da caução; Implantação da proposta em suporte digital. CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

22 Obras de Edificação ELEMENTOS PARA Obras de Edificação - Informação Prévia O pedido de informação prévia inerente à execução de obras de edificação deve ser instruído com os seguintes elementos: Quando o interessado não seja o proprietário do prédio deve incluir a identificação do proprietário, bem como dos titulares de qualquer outro direito real sobre o prédio, através de certidão emitida pela Conservatória do Registo Predial; Memória descritiva, esclarecendo devidamente a pretensão e indicando: A localização do prédio; A área do prédio; A área total de implantação; A área total de construção acima e abaixo da cota da soleira; Os usos pretendidos e a área bruta de construção afecta aos diferentes usos. Planta de localização e enquadramento, a fornecer pela Câmara, à escala 1:1000, assinalando devidamente os limites da área objecto da operação; Quando o pedido diga respeito a novas edificações ou a obras que impliquem aumento da área construída, devem constar do pedido de informação prévia os seguintes elementos: Planta de implantação à escala de 1:1000, definindo o alinhamento e perímetro das edificações, abrangendo uma faixa envolvente nunca inferior a 50 metros medidos a partir do limite do terreno; Cortes longitudinais e transversais, á escala adequada abrangendo o terreno, com indicação do perfil existente e o proposto, assim como das edificações propostas, CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

23 ELEMENTOS PARA Cérceas e o número de pisos acima e abaixo da cota de soleira; Área total de construção e a volumetria das edificações; Localização e dimensionamento das construções anexas; Identificação do uso a que se destinam as edificações; Índice de impermeabilização. Fotografias esclarecedoras do local e das edificações adjacentes, caso existam, e sempre que se trate de obras de urbanização, do imóvel existente no prédio; Quando existirem edificações adjacentes, o requerente deve, ainda, indicar: Planta de implantação à escala de 1:1000, definindo o alinhamento e perímetro das edificações, abrangendo uma faixa envolvente nunca inferior a 50 metros medidos a partir do limite do terreno; Cérceas e o número de pisos acima e abaixo da cota de soleira; Identificação do uso a que se destinam as edificações; e apresentar alçado(s) do conjunto volvido(s) ao(s) espaço público confinante, elucidativo(s) da relação da cércea proposta com a dos edifícios adjacentes; Obras de Edificação - Autorização O pedido de autorização referente à realização de obras de edificação deve ser instruído com os seguintes elementos: Documentos comprovativos da qualidade de titular de qualquer direito que confira a faculdade de realização da operação; Certidão da descrição e de todas as inscrições em vigor emitida pela conservatória do registo predial referente ao prédio ou prédios abrangidos; CÂMARA MUNICIPAL DE LOURES DAU - JUNHO DE

Versão consolidada do diploma que aprova os elementos Instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Não

Versão consolidada do diploma que aprova os elementos Instrutórios dos procedimentos previstos no Regime Jurídico da Urbanização e Edificação Não ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS DOS PROCEDIMENTOS PREVISTOS NO REGIME JURÍDICO DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO APROVADO PELA PORTARIA N.º 113/2015, DE 22 DE ABRIL ALTERADO/A PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - abril de 2015

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares

M U N I C I P I O de V I E I R A D O M I N H O Divisão de Urbanismo e Obras Municipais Serviços de Planeamento Urbanístico e Obras Particulares Reg. N.º Em / / Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Vieira do Minho IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome: BI/Cartão de Cidadão: Arquivo: Validade: / / N.º de Identificação Fiscal: Morada: Freguesia:

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008

1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(6) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 inferior a 0,8 m 1,2 m, ou, caso se trate de operação urbanística em fracção já existente, confinante com arruamento ou espaço de circulação

Leia mais

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO RE- GIONAL E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES.

MINISTÉRIOS DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO RE- GIONAL E DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES. Diário da República, 1.ª série N.º 50 11 de Março de 2008 1543 Artigo 10.º Sanções acessórias e apreensão cautelar 1 Relativamente às infracções muito graves e graves previstas no artigo anterior, pode

Leia mais

Licenciamento de Obras Particulares Fase de Arquitetura

Licenciamento de Obras Particulares Fase de Arquitetura Exm. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Grândola Licenciamento de Obras Particulares Fase de Arquitetura Nome: Identificação do Requerente Morada: Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel:

Leia mais

Alvará de Licença. Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel: Fax:

Alvará de Licença. Código Postal: - Freguesia: Telefone: Telemóvel: Fax: Exm. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Grândola Alvará de Licença Mais do que um requerente? Não Sim (em caso afirmativo preencher Anexo A) Identificação do Prédio Prédio descrito na Conservatória

Leia mais

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS APROVA OS MODELOS DE ALVARÁS DE LICENCIAMENTO OU AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Portaria n.º 1107/2001, de 18 de Setembro) O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime

Leia mais

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL

EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE PORMENOR PARA EFEITOS DE REGISTO PREDIAL Registo n.º Data / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais EMISSÃO DE CERTIDÃO DE PLANO DE IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher com letra maiúscula) Nome/Designação/Representantes

Leia mais

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos

Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exmº. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO EM

Leia mais

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS NORMAS PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS RELATIVOS A OPERAÇÕES URBANÍSTICAS ÍNDICE CAPITULO I DISPOSIÇÕES COMUNS ART. 1º ÂMBITO DE APLICAÇÃO 6 SESSÃO I LOTEAMENTOS, OBRAS DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ART. 2º

Leia mais

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade

Processo Nº / / CML. N.º Bilhete Identidade. N.º Bilhete Identidade Espaço reservado aos serviços do Município EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE LAMEGO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO Processo Nº / / CML REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação

Leia mais

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º

Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas. (alteração) Artigo 1.º Regulamento do Plano de Pormenor da Área de Desenvolvimento Turístico das Fontainhas (alteração) Artigo 1.º 1 [...]. 2 [...]. 4 Os limites da ADT da UNOR 4 estão definidos na planta de implantação à escala

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13)

Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) Diário da República, 1.ª série N.º 44 3 de Março de 2008 1372-(13) d) Livro de obra, com menção do termo de abertura; e) Plano de segurança e saúde. 2 Quando a emissão do alvará seja antecedida de deferimento

Leia mais

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA

REQUERIMENTO PROJETO DE ARQUITETURA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada Requerente Nome/Designação: Morada: Código Postal: - Freguesia: NIF/NIPC: Nº. Identificação civil: Tipo: BI CC Passaporte Validade: / / Telefone:

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Registo de entrada RESERVADO AOS SERVIÇOS PEDIDO DE EMISSÃO DE ALVARÁ DE LICENÇA/AUTORIZAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS (Art.º 76º do D.L. 555/99 de 16 de Dezembro, com a redacção conferida pelo D.L. 177/2001

Leia mais

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil

N.º Identificação Civil. N.º Identificação Civil EXMO. (A) SENHOR(A) PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DA TROFA COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS REQUERENTE Nome Morada Freguesia N.º Identificação Fiscal Código da Certidão Comercial Permanente Código Postal N.º

Leia mais

EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ

EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ REGISTO DE ENTRADA EXMO. SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA MUNICIPAL DE ARCOS DE VALDEVEZ AADDM IISSSSÃÃO I DDEE CCOMUUNNI IICCAAÇÇ ÃÃO PPRRÉÉVVI IIAA DDEE OBBRRAA DDEE EEDDI IIFFI IICCAAÇÇÃÃO EEM PPRREEEENNDDI

Leia mais

TABELA ANEXA. QUADRO II Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de obras de urbanização

TABELA ANEXA. QUADRO II Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou admissão de comunicação prévia de obras de urbanização TABELA ANEXA QUADRO I Taxa devida pela emissão de alvará, licença ou admissão de comunicação prévia de loteamento com ou sem obras de urbanização 1 Emissão do alvará de licença ou admissão de comunicação

Leia mais

Identificação do Requerente (Preencher com letra maiúscula)

Identificação do Requerente (Preencher com letra maiúscula) Registo nº. Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais Data: / / O Funcionário EMISSÃO DE LICENÇA ESPECIAL PARA OBRAS INACABADAS COMUNICAÇÃO PRÉVIA PARA OBRAS INACABADAS Identificação do Requerente

Leia mais

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS

REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS REGULAMENTO DE COMPENSAÇÕES POR NÃO CEDÊNCIA DE TERRENOS PARA EQUIPAMENTOS E ESPAÇOS VERDES PÚBLICOS DECORRENTE DA APROVAÇÃO DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS 1. O Regulamento referente à compensação pela não

Leia mais

Lagos. Nome:... Coletiva

Lagos. Nome:... Coletiva REGISTO DE ENTRADA Requerimento n.º de / / Processo n.º / Pago por Guia n.º,. Ao Serviço O Funcionário, Exm.º Senhor Presidente da Câmara Municipal de Lagos 1. REQUERENTE Nome:...... NIF Singular Coletiva

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO

PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO Registo nº. Data: / / O Funcionário Exmº. Sr. Presidente da Câmara Municipal de Cascais PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA

PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA PLANO DE PORMENOR DO PARQUE EMPRESARIAL DA QUIMIPARQUE ESTARREJA Regulamento n.º S / N.ª Data de Publicação em D.R., 1.ª Série-B, n.º 124 de: 29/06/2006 (RCM n.º 81/2006) Aprovado em Assembleia Municipal

Leia mais

TABELA ANEXA DE TAXAS

TABELA ANEXA DE TAXAS TABELA ANEXA DE TAXAS Actualizada de acordo com o artigo 80º (De Fev. 2008 a Fev. 2009) QUADRO I Emissão de alvará de licença ou autorização de loteamento e de obras de urbanização 1. Emissão do alvará

Leia mais

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL MUNICÍPIO DA FIGUEIRA DA FOZ CÂMARA MUNICIPAL PROGRAMA PRELIMINAR CENTRO ESCOLAR DE S.JULIÃO/TAVAREDE PROJECTOS DE ESPECIALIDADES 1 1. Introdução Pretende a Câmara Municipal da Figueira da Foz, desenvolver

Leia mais

M U N I C Í P I O D E B R A G A

M U N I C Í P I O D E B R A G A REGULAMENTO MUNICIPAL DE EDIFICAÇÃO Com o presente Regulamento, elaborado no exercício de poder regulamentar próprio conferido pelo artº 3º, n.º 1 do Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, visa-se

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DA URBANIZAÇÃO E DA EDIFICAÇÃO PREÂMBULO

REGULAMENTO MUNICIPAL DA URBANIZAÇÃO E DA EDIFICAÇÃO PREÂMBULO REGULAMENTO MUNICIPAL DA URBANIZAÇÃO E DA EDIFICAÇÃO EDITAL n.º 362-A/2005, de 8 de Junho (republicação) 2ª série. EDITAL n.º 468/2005, de 10 de Agosto 2ª série. EDITAL n.º 8/2006, de 3 de Janeiro 2ª série.

Leia mais

CHECK LIST COMUNICAÇÃO PRÉVIA

CHECK LIST COMUNICAÇÃO PRÉVIA 1 P.O. Reqtº n.º SIM NÃO Quantidade Pág. 1 a. Documentação Base Folha Capeamento 000 001 Reqtº/Comunicação Atenção: Devem utilizar sempre a nossa minuta. Caso o interessado apresente um documento redigido

Leia mais

TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS QUADRO I. Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento

TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS QUADRO I. Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento TABELA DE TAXAS PARTE B - OPERAÇÕES URBANÍSTICAS Loteamento sem obras de urbanização QUADRO I Taxa devida pela apreciação de projectos de loteamento 1 Informação prévia 95,00 d) 2 Licenciamento 142,00

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PERGUNTAS MAIS FREQUENTES REGIME JURÍDICO DA (RJ-SCIE) (Decreto-Lei n.º 220/2008, de 12 de Novembro) REGULAMENTO TÉCNICO DE SCIE (RT-SCIE) (Portaria n.º 1532/2008, de 29 de Dezembro) E LEGISLAÇÃO/DOCUMENTOS

Leia mais

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA

PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA PROGRAMA MODELAR MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA Junho de 2009 1 MANUAL DE APOIO AO PROCESSO DE CANDIDATURA AO PROGRAMA MODELAR O Programa MODELAR tem como objectivo a atribuição de apoio financeiro

Leia mais

MANUAL PROCESSOS PREDIAIS

MANUAL PROCESSOS PREDIAIS MANUAL Página : 3 / 11 ÍNDICE 1 OBJECTIVO...4 2 ÂMBITO...4 3 INSTRUÇÃO DO PROCESSO...4 3.1. Projecto... 4 3.2. Tela Fina.4 4 REGRAS A TER EM CONTA NA ELABORAÇÃO DO PROJECTO E EM OBRA...5 4.1. Ampliações

Leia mais

Município de Estarreja 1

Município de Estarreja 1 Apreciação de pedidos I 0 0 0 0 I 1 0 0 0 I 1.1 0 0 0 I 1.1 a) 0 0 I 1.1 b) 0 0 I 1.2 0 0 0 I 2 0 0 0 I 2.1 0 0 0 I 2.2 0 0 0 I 3 0 0 0 I 3.1 0 0 0 I 3.2 0 0 0 I 3.3 0 0 0 Informação Prévia Loteamentos

Leia mais

Tabela de Taxas de Edificação e Urbanização no Município de Ponte de Lima para o Ano de 2015 Descrição I. Taxa devida pela apreciação de processos Valor em euros 1. Em operações de loteamento, para emissão

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva. Proposta de Plano. Regulamento

CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva. Proposta de Plano. Regulamento CÂMARA MUNICIPAL DE SINES Plano de Pormenor da Cidade Desportiva Proposta de Plano Regulamento Novembro de 2011 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 2 ARTIGO 1º OBJECTIVO E ÂMBITO 2 ARTIGO 2º RELAÇÃO COM OUTROS

Leia mais

Tabela de Taxas de Edificação e Urbanização no Município de Ponte de Lima para o Ano de 2012

Tabela de Taxas de Edificação e Urbanização no Município de Ponte de Lima para o Ano de 2012 Tabela de Taxas de Edificação e Urbanização no Município de Ponte de Lima para o Ano de 2012 Descrição I. Taxa devida pela apreciação de processos Valor 1. Em operações de loteamento, para emissão de alvará

Leia mais

PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO

PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO Registo n.º Data / / O Funcionário PEDIDO DE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LICENÇA DE OBRA DE EDIFICAÇÃO E/OU DEMOLIÇÃO Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Cascais IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE (Preencher

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PEDIDOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS EM FORMATO DIGITAL

NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PEDIDOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS EM FORMATO DIGITAL NORMAS TÉCNICAS PARA APRESENTAÇÃO DE PEDIDOS DE OPERAÇÕES URBANÍSTICAS EM FORMATO DIGITAL Para cumprimento da legislação em vigor e considerando as funcionalidades e requisitos técnicos/informáticos necessários

Leia mais

CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO

CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO CIRCUITO DE UM PROCESSO PARA ABASTECIMENTO O presente documento visa fornecer indicações sobre a elaboração e constituição de um processo para abastecimento, quer este se apresente sob a forma de Processo

Leia mais

6258 Diário da República, 1.ª série N.º 170 4 de Setembro de 2007

6258 Diário da República, 1.ª série N.º 170 4 de Setembro de 2007 6258 Diário da República, 1.ª série N.º 170 4 de Setembro de 2007 ou obrigatoriamente, tiver sido chamado a desempenhar ou a participar no desempenho de uma actividade compreendida na função pública administrativa

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO MUNICIPAL DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO

CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO MUNICIPAL DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO CÂMARA MUNICIPAL DE AZAMBUJA REGULAMENTO MUNICIPAL DA URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO Nota Justificativa O Regulamento Municipal da Urbanização e da Edificação foi recentemente alterado em virtude da publicação

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO PARTE I PARTE II PARTE III PARTE IV 2 NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCEDIMENTOS

ÍNDICE INTRODUÇÃO PARTE I PARTE II PARTE III PARTE IV 2 NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCEDIMENTOS 2 NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCEDIMENTOS ÍNDICE INTRODUÇÃO PARTE I 4 INSTRUÇÃO DOS PEDIDOS 5 A) Requerimento ou comunicação 5 B) Documento(s) que legitime(m) o requerente a realizar a operação urbanística

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ

CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ CÂMARA MUNICIPAL DE LOULÉ Aviso n.º xxx O Presidente da Câmara Municipal de Loulé, Dr. Sebastião Francisco Seruca Emídio, torna público que, nos termos do artigo 118.º do Código do Procedimento Administrativo,

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO Departamento de Planeamento e Habitação Divisão de Obras Particulares

CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO Departamento de Planeamento e Habitação Divisão de Obras Particulares 1 ÍNDICE Preambulo 4 CAPÍTULO 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 5 Artigo 1º Objecto e incidência 5 Artigo 2º Definições 5 Artigo 3º Dispensa de licença ou autorização 5 Artigo 4º Taxas 6 CAPÍTULO 2 INSTRUÇÃO DOS PEDIDOS

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO: MUNICÍPIO DE MONÇÃO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO: MUNICÍPIO DE MONÇÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO: MUNICÍPIO DE MONÇÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, com a redacção dada pelo

Leia mais

Capítulo 1 Procedimentos no âmbito do RJUE (Regime Jurídico da Urbanização e Edificação)

Capítulo 1 Procedimentos no âmbito do RJUE (Regime Jurídico da Urbanização e Edificação) Data: 2013/01/23 Introdução Tendo em vista a clarificação das exigências técnicas e legais, relativas à instrução dos pedidos das operações urbanísticas que devam dar entrada nos serviços da C.M.Seixal,

Leia mais

C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L ACTA Nº 33/ 2010

C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L ACTA Nº 33/ 2010 C Â M A R A M U N I C I P A L D O S A B U G A L ACTA Nº 33/ 2010 REUNIÃO ORDINÁRIA DO DIA 18 DE AGOSTO DE 2010 PRESIDENTE: António dos Santos Robalo VEREADORES: Maria Delfina Gonçalves Marques Leal Luís

Leia mais

Disposições de Natureza Administrativa

Disposições de Natureza Administrativa PLANO DE PORMENOR DO POÇO QUENTE EM VIZELA REGULAMENTO (Alteração em Outubro de 2013) Capítulo I Disposições de Natureza Administrativa Artigo 1º Objecto O Plano de Pormenor do Poço Quente, adiante designado

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO PREÂMBULO

CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO PREÂMBULO CÂMARA MUNICIPAL DE PAREDES DE COURA REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO PREÂMBULO O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, com a redacção dada pelo Decreto-Lei n.º 177/2001, de 4 de

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA

PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA PLANO DE PORMENOR DO GAVETO DA RUA OLIVEIRA JÚNIOR COM A RUA DR. MACIEL REGULAMENTO CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO E ORDENAMENTO MAIO 2011 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

MUNICÍPIO DA COVILHÃ REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO MUNICÍPIO DA COVILHÃ

MUNICÍPIO DA COVILHÃ REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO MUNICÍPIO DA COVILHÃ MUNICÍPIO DA COVILHÃ REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO ÍNDICE PREÂMBULO TOMO I. LICENCIAMENTO DAS OPERAÇÕES URBANÍSTICAS PARTICULARES CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º LEIS HABILITANTES

Leia mais

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL

REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL REGIME JURÍDICO DO TURISMO NO ESPAÇO RURAL O Turismo no Espaço Rural consiste no conjunto de actividades e serviços de alojamento e animação a turistas em empreendimentos de natureza familiar realizados

Leia mais

GUIA DO RJUE Município de Condeixa-a-Nova MR.01

GUIA DO RJUE Município de Condeixa-a-Nova MR.01 NOTA PRÉVIA 3 Objectivo e Âmbito A Divisão de Planeamento Urbanístico do Município de Condeixa-a-Nova elaborou o "Guia do RJUE" com o intuito de disponibilizar uma ferramenta de apoio no âmbito do Regime

Leia mais

Município de Peso da Régua Aviso

Município de Peso da Régua Aviso Município de Peso da Régua Aviso Nuno Manuel Sousa Pinto de Carvalho Gonçalves, presidente da Câmara Municipal de Peso da Régua, torna publico, que por deliberação do executivo municipal de 20 de maio,

Leia mais

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas

Novo Regime de Licenciamento dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas dos Estabelecimentos de Restauração ou Bebidas DECRETO-LEI N.º 234/2007, DE 19 DE JUNHO ( ENTROU EM VIGOR EM 19 DE JULHO DE 2007 ) 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES 1 PRINCIPAIS ALTERAÇÕES a) Ao nível das competências

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO DE CARRAZEDA DE ANSIÃES

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO DE CARRAZEDA DE ANSIÃES REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO DE CARRAZEDA DE ANSIÃES CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Lei Habilitante O presente regulamento é elaborado nos termos do artigo 241.º da Constituição

Leia mais

DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO

DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO DIVISÃO DE OBRAS; PLANEAMENTO E URBANISMO MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA LICENCIAMENTO OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO URBANO Parque de Exposições do Recinto da Feira de Alpiarça 1. INTRODUÇÃO E ENQUADRAMENTO

Leia mais

Nome. Morada. Freguesia Código Postal - E-Mail. Na qualidade de: Proprietário Outra (indique qual)

Nome. Morada. Freguesia Código Postal - E-Mail. Na qualidade de: Proprietário Outra (indique qual) DEPARTAMENTO TÉCNICO DIVISÃO DE PLANEAMENTO E ADMINISTRAÇÃO URBANÍSTICA Exmo. Senhor Presidente da Câmara Municipal de Moura PEDIDO DE APROVAÇÃO DOS PROJECTOS DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO APRESENTAÇÃO DA COMUNICAÇÃO

Leia mais

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência

Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines. Proposta de Termos de Referência Plano de Pormenor de Salvaguarda e Valorização do Núcleo Histórico de Sines Proposta de Termos de Referência Câmara Municipal de Sines Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente OUTUBRO

Leia mais

A QUADRO I - Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou por comunicação prévia de operação de loteamento e ou seus aditamentos

A QUADRO I - Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou por comunicação prévia de operação de loteamento e ou seus aditamentos DESCRIÇÃO T A X Taxas 2011 A QUADRO I - Taxa devida pela emissão de alvará de licença ou por comunicação prévia de operação de loteamento e ou seus aditamentos 1. Taxa de Apreciação 302,51 2. Emissão do

Leia mais

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção

Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção Regulamento de Edificabilidade do Pólo Industrial da Lagoa Cortes - Monção CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Âmbito e aplicação Para efeitos de uso do solo e de licenciamento de quaisquer obras de

Leia mais

QUINTA DE VALE DO FREIXO

QUINTA DE VALE DO FREIXO Área de Reabilitação Urbana QUINTA DE VALE DO FREIXO Freguesia de Peral Município do Cadaval Divisão de Urbanismo e Ordenamento do Território 2014 Introdução: Pretende a Câmara Municipal do Cadaval proceder

Leia mais

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo

Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Divisão de Obras, Planeamento, Ambiente e Urbanismo Elementos instrutórios do pedido Elementos comuns aos procedimentos de controlo prévio (Licença), nos termos da Portaria n.º 113/2015, de 22/04 1) 2)

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO (RMUE) Nota Justificativa

REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO (RMUE) Nota Justificativa REGULAMENTO MUNICIPAL DE URBANIZAÇÃO E EDIFICAÇÃO (RMUE) Nota Justificativa No âmbito do Decreto-Lei nº 555/99, de 16 de Dezembro, e na sequência da última alteração introduzida ao regime jurídico de urbanização

Leia mais

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna

Exmo. Sr. Ministro da Administração Interna MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA POLÍCIA DE SEGURANÇA PÚBLICA DIRECÇÃO NACIONAL UNIDADE ORGÂNICA DE OPERAÇÕES E SEGURANÇA DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA PRIVADA ACTIVIDADE DE SEGURANÇA PRIVADA REQUERIMENTO

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE TÍTULO DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS I. IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, com residência/sede em, código

Leia mais

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA)

REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) REGULAMENTO do Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque) Logístico e Industrial de Arazede (PLIA) CAPÍTULO l Disposições Gerais Artigo 1º Âmbito territorial e regime 1. O Plano de Pormenor do Pólo (ou Parque)

Leia mais

5ª Alteração ao Regulamento de Taxas de Obras Particulares e Loteamentos e tabela de taxas anexa da Câmara Municipal de Santo Tirso

5ª Alteração ao Regulamento de Taxas de Obras Particulares e Loteamentos e tabela de taxas anexa da Câmara Municipal de Santo Tirso 5ª Alteração ao Regulamento de Taxas de Obras Particulares e Loteamentos e tabela de taxas anexa da Câmara Municipal de Santo Tirso Artigo 1.º Alteração ao Regulamento de Taxas de Obras Particulares e

Leia mais

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS

PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS PROPOSTA DE ALTERAÇÃO DAS NOTAS EXPLICATIVAS Notas explicativas (anexo ao Regulamento - artigo 28.º) Classe de uso de solo Áreas territoriais que ficam afectam a um uso dominante, o qual dá a denominação

Leia mais

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo

MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL. Preâmbulo MUNICÍPIO DE PENAMACOR REGULAMENTO MUNICIPAL DE ESTABELECIMENTOS DE ALOJAMENTO LOCAL Preâmbulo O novo Regime Jurídico de Instalação, Exploração e Funcionamento dos Empreendimentos Turísticos, aprovado

Leia mais

LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO

LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO LICENCIAMENTO / COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO E DEMOLIÇÃO Documentos a entregar (consultar instruções em anexo) Para licenciamento e comunicação prévia: 1. Requerimento 2. Cópia do documento

Leia mais

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO

TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO TAXAS MUNICIPAIS - TABELA DE TAXAS DE URBANISMO Artigo 1.º Operação de loteamento a) - Apresentação do requerimento TAXA 113,53 b) Entrada do aditamento 40,54 c) Emissão do alvará 15,13 c.1) Acresce uma

Leia mais

Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia

Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia Projeto de alteração ao Regulamento Municipal sobre Toponímia e Numeração de Polícia Considerando os recentes inconvenientes na distribuição postal, nomeadamente, para as habitações onde não existe numeração

Leia mais

ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS PASTA SUB-PASTA ELEMENTO INSTRUTÓRIO TIPO SIGLA REQUERIMENTO

ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS PASTA SUB-PASTA ELEMENTO INSTRUTÓRIO TIPO SIGLA REQUERIMENTO COMUNICAÇÃO PRÉVIA DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO (Nº 22 da Lista IV da Portaria 113/15, de 22 de Abril) ELEMENTOS INSTRUTÓRIOS Requerimento REQ PL.1 Termo do Técnico autor (Modelo I) ARQ.1 Declaração da Ordem

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O novo regime jurídico dos espectáculos de natureza artística e não artística, tendo transferido

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA. Regulamento Municipal de

CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA. Regulamento Municipal de CÂMARA MUNICIPAL DE MAFRA Regulamento Municipal de EDIFICAÇÃO E URBANIZAÇÃO Proposta da Câmara Municipal, por deliberação de 7 de Novembro de 2008 Aprovada pela Assembleia Municipal a 29 de Dezembro de

Leia mais

Normas Técnicas. Georreferenciação de Processos de Urbanização e Edificação do Município de Ponte de Lima V.2.1-2012

Normas Técnicas. Georreferenciação de Processos de Urbanização e Edificação do Município de Ponte de Lima V.2.1-2012 Normas Técnicas Georreferenciação de Processos de Urbanização e Edificação do Município de Ponte de Lima V.2.1-2012 1. Introdução De acordo com o Regime Jurídico da Urbanização e Edificação, designadamente

Leia mais

0327.PJ13.05.LU.EP08_CE_1

0327.PJ13.05.LU.EP08_CE_1 PLANO DE PORMENOR DA ZONA INDUSTRIAL DE SANTA CRUZ DA GRACIOSA PROPOSTA DO PLANO VERSÃO ELEMENTOS QUE CONSTITUEM O PLANO VOLUME 1 037.PJ13.0.LU.EP08_CE_1 MOD PJ 0 E01 INDICE Peças Escritas: Regulamento

Leia mais

ANTES DE PREENCHER LEIA ATENTAMENTE TODO O IMPRESSO E CONSULTE AS INSTRUÇÕES

ANTES DE PREENCHER LEIA ATENTAMENTE TODO O IMPRESSO E CONSULTE AS INSTRUÇÕES ANTES DE PREENCHER LEIA ATENTAMENTE TODO O IMPRESSO E CONSULTE AS INSTRUÇÕES MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO GERAL DOS IMPOSTOS IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) DECLARAÇÃO PARA INSCRIÇÃO OU ACTUALIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL

REGULAMENTO MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS O Decreto-Lei nº 309/2002, de 16 de Dezembro, veio estabelecer uma nova regulamentação sobre a instalação

Leia mais

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS 6408 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B N. o 235 10 de Outubro de 2001 PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Resolução do Conselho de Ministros n. o 150/2001 A Assembleia Municipal de Santarém aprovou em 20

Leia mais

Ano de 2011. Regulamento Municipal da Urbanização, da Edificação e de Taxas e Compensações Urbanísticas de MACEDO DE CAVALEIROS

Ano de 2011. Regulamento Municipal da Urbanização, da Edificação e de Taxas e Compensações Urbanísticas de MACEDO DE CAVALEIROS Regulamento Municipal da Urbanização, da Edificação e de Taxas e Compensações Urbanísticas de MACEDO DE CAVALEIROS Ano de 2011 Município de Macedo de Cavaleiros 5340-218 Macedo de Cavaleiros Telef: 278

Leia mais

Regulamento Municipal sobre Instalação. Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos. CAPÍTULO I Fundamentação legal

Regulamento Municipal sobre Instalação. Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos. CAPÍTULO I Fundamentação legal Regulamento Municipal sobre Instalação e Funcionamento de Recintos de Espectáculos e Divertimentos Públicos Preâmbulo O Decreto Lei n.º 315/95, de 28 de Novembro, e o Decreto Regulamentar n.º 34/95, de

Leia mais

19062 Diário da República, 2.ª série N.º 136 15 de julho de 2015

19062 Diário da República, 2.ª série N.º 136 15 de julho de 2015 19062 Diário da República, 2.ª série N.º 136 15 de julho de 2015 cio de funções de direção, gestão, coordenação e controlo que reúnam cumulativamente os seguintes requisitos: a) Licenciatura adequada à

Leia mais

GUIA DE PROJECTO E OBRA

GUIA DE PROJECTO E OBRA GUIA DE PROJECTO E OBRA Processos Prediais Direcção de Engenharia 2010 ÍNDICE 1. Âmbito de Aplicação e Objectivos... 3 2. Competências e Responsabilidades... 3 2.1 Projectista... 3 2.2 ÁGUAS DO SADO...

Leia mais

Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador

Proprietário Mandatário Usufrutuário Superficiário Promitente comprador 1/6 REQUERIMENTO PARA: PEDIDO DE OCUPAÇÃO DA VIA PÚBLICA PARA REALIZAÇÃO DE OBRAS Despacho: Espaço reservado aos serviços Nº Reg. DUR Data: / / Nº Guia: Valor: Rubrica: Exmº Sr. Presidente da Câmara Municipal

Leia mais

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA

Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina TERMOS DE REFERÊNCIA Plano de Pormenor de Reabilitação Urbana de Santa Catarina Câmara Municipal de Sines Departamento de Gestão Territorial Divisão de Planeamento, Ordenamento do Território e Ambiente Novembro de 2012 Índice

Leia mais

Manual de Processos Prediais

Manual de Processos Prediais Índice Índice...1 1. Objectivo...2 2. Âmbito...2 3. Referências...2 4. Definições / Abreviaturas...2 5. Responsabilidades...2 6. Modo de Proceder...2 6.1. Fluxograma...2 6.2. Descrição...2 6.2.1. INSTRUÇÃO

Leia mais

ZONA INDUSTRIAL DA COVA DAS FAIAS

ZONA INDUSTRIAL DA COVA DAS FAIAS ZONA INDUSTRIAL DA COVA DAS FAIAS REGULAMENTO ARTIGO 1.º DESTINO 1 A Zona Industrial da Cova das Faias, também conhecida por ZICOFA, definida em loteamento, destina-se a instalação de unidades industriais.

Leia mais

A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS INSTRUÇÕES PARA. Março de 2013. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Linha de informação

A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS INSTRUÇÕES PARA. Março de 2013. Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Linha de informação INSTRUÇÕES PARA A DEMOLIÇÃO DAS OBRAS ILEGAIS Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes Março de 2013 Linha de informação 8590 3800 Estas instruções serão actualizadas periodicamente

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL

PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL CÂMARA MUNICIPAL DE ALCÁCER DO SAL PLANO DE PORMENOR DA HERDADE DO PINHAL REGULAMENTO JULHO 2009 ÍND ICE CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS... 1 Artigo 1º Objecto e âmbito territorial... 1 Artigo 2º Objectivos...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano

PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano PREFEITURA MUNICIPAL DE GRAVATÁ Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria Executiva de Planejamento Urbano 2014 CONCEITOS GERAIS DOS SERVIÇOS E Lei nº 3401/06 ( Plano Diretor), Lei nº 3420/07 (Código

Leia mais

PLANO DE ALINHAMENTO E CÉRCEAS PARA A AVENIDA DA REPÚBLICA. Janeiro 2006

PLANO DE ALINHAMENTO E CÉRCEAS PARA A AVENIDA DA REPÚBLICA. Janeiro 2006 C Â M A R A M U N I C I P A L D E L I S B O A DIRECÇÃO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DEPARTAMENTO DE PLANEAMENTO URBANO PLANO DE PORMENOR, MODALIDADE SIMPLIFICADA, DESIGNADO POR: PLANO DE ALINHAMENTO

Leia mais

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro

Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro Portaria n.º 1136/2001 de 25 de Setembro O Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, que aprovou o novo regime jurídico da urbanização e da edificação, estipula nos n. os 1 e 2 do artigo 43.º que os projectos

Leia mais

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR

CPAI COMISSÃO PERMANENTE DE APOIO AO INVESTIDOR ANEXO V - NOTAS EXPLICATIVAS Este formulário é de preenchimento obrigatório e serve de sustentação à auto-avaliação realizada no Anexo III Os itens I Preenchimento dos requisitos de elegibilidade e II

Leia mais

O regime que agora se institui obedece, desde logo, a um propósito de simplificação legislativa.

O regime que agora se institui obedece, desde logo, a um propósito de simplificação legislativa. A leitura deste documento, que transcreve o conteúdo da Decreto-Lei n.º 555/99, de 16 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 177/2001, de 4 de Junho, não substitui a consulta

Leia mais

Licenciamento de Instalações Desportivas

Licenciamento de Instalações Desportivas Licenciamento de Instalações Desportivas 1 Finalidade O licenciamento dos projetos de Instalações Desportivas Especializadas e Especiais para Espetáculos (Artigos 8º e 9º do D.L. n.º 141/2009, de 16 de

Leia mais