Departamento de Engenharia Civil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Departamento de Engenharia Civil"

Transcrição

1 Departamento de Engenharia Civil Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Engenharia Civil Especialização em Construção Urbana Autor Gil Filipe Leonor Fernandes Orientador Prof. Doutor Silvino Dias Capitão Professor Coordenador do DEC-ISEC Coimbra, dezembro de 2012

2

3 AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS A realização deste trabalho, com todas as dificuldades associadas, só foi possível com a ajuda e apoio impar de várias pessoas a quem pretendo expressar o meu agradecimento. Estou, de uma forma distinta, agradecido ao Professor Doutor Silvino Dias Capitão, Professor Coordenador do Departamento de Engenharia Civil (DEC) do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra (ISEC), pela orientação científica deste trabalho, pelos ensinamentos conhecimentos transmitidos, pelo incentivo constante, pela disponibilidade e dedicação, pela sua perseverança e, especialmente, pela sua amizade. Devo, ainda, ao Professor Silvino, a minha formação na área de pavimentos rodoviários, ao longo da qual conseguiu, de uma forma especial, incutir-me o desejo de realizar este trabalho. Manifesto também o meu agradecimento ao Engenheiro Técnico Carlos Renato, Técnico do Laboratório de Pavimentos do DEC-ISEC, pela ajuda indispensável prestada na realização de grande parte dos trabalhos experimentais, dedicação e incentivo. Expresso igualmente o meu agradecimento ao Senhor Celestino Marques, técnico de laboratório do Departamento de Engenharia Civil (DEC) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC), pela colaboração na realização de alguns trabalhos experimentais revelados essenciais para a realização do presente trabalho. Agradeço à empresa Ambilei que cedeu os resíduos de construção e demolição utilizados. A todos os meus colegas e amigos devo um agradecimento, pois mesmo que indiretamente, contribuíram com a boa disposição, incentivo ou, tão simplesmente, com a companhia. Finalmente, mas não menos importante, expresso o meu agradecimento à minha família, em especial aos meus pais e às minhas irmãs, pelo seu apoio, ajuda, e principalmente porque sempre acreditaram em mim. À minha mãe presto ainda o agradecimento especial por tudo ou simplesmente por ser mãe. Gil Filipe Leonor Fernandes i

4 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte RESUMO A procura de um desenvolvimento sustentável e ambientalmente adequado tem sido, nos últimos anos, o objetivo das entidades públicas que regulamentam a construção, por se tratar de um esforço necessário para travar os efeitos negativos sobre o ambiente em todo o mundo. A responsabilidade da indústria da construção nesse processo é bastante elevada, não só pela produção de toneladas de resíduos provenientes da construção e demolição, mas também pela forte necessidade de exploração de recursos naturais. Nesta dissertação descreve-se o estado de desenvolvimento da investigação em Portugal relativamente à utilização de resíduos da construção e demolição (RCD) como materiais de construção de pavimentos rodoviários, quer em camadas não ligadas, quer em camadas betuminosas. Além disso, resume-se informação sobre as características dos RCD para um melhor conhecimento do seu desempenho quando aplicados na construção de pavimentos rodoviários, avaliando os aspetos económicos, ambientais e da qualidade de execução e utilização. Faz-se ainda um estudo laboratorial, no qual se produziram duas misturas do tipo AC 20 base 50/70, utilizando apenas agregados naturais calcários numa delas, e substituindo por RCD de betão britado, 60% da massa do material agregado na outra. Concluiu-se que, apesar dos agregados de RCD não cumprirem alguns requisitos habitualmente exigidos aos agregados para misturas betuminosas, as propriedades volumétricas são aceitáveis e os parâmetros de resistência mecânica obtidos nos ensaios de compressão de Marshall são melhores que os obtidos para a mistura produzida com agregados naturais. A resistência à deformação permanente medida no ensaio de wheel-tracking e a sensibilidade à água avaliada pelo parâmetro ITSR evidenciaram também um bom comportamento na mistura com RCD. Palavras-Chave Agregados de betão britado; formulação de misturas betuminosas; materiais de pavimentação; resíduos de construção e demolição. ii

5 ABSTRACT ABSTRACT Over the last years the search for a sustainable and environmentally appropriate development has been the objective of public authorities that regulate construction, because this effort is necessary to curb the negative effects on the environment in the world. The responsibility of the construction industry in that process is pretty high, not only for the production of tonnes of waste from construction and demolition activities, but also by the strong need for natural resource exploitation. In this dissertation a state of art on the research development in Portugal regarding the use of the construction and demolition waste (CDW) as construction materials for road pavements is described, for both unbound and bituminous layers. In addition, some information regarding the characteristics of CDW is summarised aiming at contributing to a better understanding of its performance when applied in construction of road pavements. This is carried out taking into account economic and environmental aspects as well as the quality of implementation and use. A laboratory study was also carried out on two AC20 base 50/70 mixtures. One of them was produced with natural limestone aggregates and the other one incorporated 60% of crushed concrete (by weight of aggregates) instead of natural constituents. Although the CDW aggregates did not meet some requirements concerning aggregates, commonly applied to aggregates as constituents of bituminous mixtures, the volumetric properties are acceptable and the mechanical compression parameters measured on Marshall tests are better than those obtained for the mixture with natural aggregates only. The resistance to permanent deformation obtained from wheel-tracking tests and water sensitivity evaluated by the ITSR parameter also showed good behaviour in asphalt mixtures with CDW. Key-Words Crushed concrete aggregates; bituminous mixtures design; pavement materials; construction and demolition waste. Gil Filipe Leonor Fernandes iii

6 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento Objetivos e Metodologia de Trabalho Organização do trabalho RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 2.1 Generalidades Origem dos Resíduos Deposição de RCD Objetivos da Utilização de RCD Principais RCD Disponíveis em Portugal Composição dos RCD Betão e materiais cerâmicos Pedras Madeira Metais Misturas betuminosas e agregados de camadas não ligadas Processamento e Seleção de RCD Características Gerais dos Agregados Granulometria Resistência ao esmagamento Resistência à fragmentação (Los Angeles) Desgaste de micro-deval Desgaste superficial Forma e textura Absorção de água Limpeza dos agregados Massa volúmica Considerações Finais iv

7 ÍNDICE 3 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS 3.1 Generalidades Síntese Sobre Pavimentos Rodoviários Tipos de pavimentos rodoviários Camadas estruturais e materiais constituintes Exigências de desempenho Patologias dos pavimentos rodoviários RCD Aplicáveis em Pavimentos Rodoviários Materiais provenientes de pavimentos rodoviários Reciclagem de pavimentos Materiais de outras origens Aplicação de RCD em Pavimentos Rodoviários Camadas não ligadas Camadas ligadas Sustentabilidade na Construção Rodoviária Vantagens Inconvenientes Considerações Finais TRABALHOS EXPERIMENTAIS 4.1 Generalidades Ensaios e resultados dos materiais constituintes Análise granulométrica Índice de forma Índice de achatamento Massa volúmica Azul-de-metileno Betume Estudo da Mistura de Agregados Elaboração das Misturas Ensaios e resultados das misturas betuminosas Ensaio para determinação da baridade Ensaio para determinação da baridade máxima teórica Determinação da porosidade e VMA Ensaio de compressão de Marshall Percentagem ótima de betume Ensaio de wheel-tracking Gil Filipe Leonor Fernandes v

8 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Sensibilidade à água Considerações Finais CONCLUSÕES GERAIS E TRABALHOS FUTUROS 5.1 Síntese do Trabalho e Conclusões Gerais Prosseguimento de Trabalhos Futuros Considerações Finais REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES E ANEXOS APÊNDICE I. Estudo dos Agregados I.1 Análise granulométrica I.2 Índice de forma I.3 Índice de achatamento I.4 Massa volúmica I.5 Estudo da mistura de agregados naturais I.6 Estudo da mistura de agregados reciclados APÊNDICE II. Estudo das Misturas Betuminosas II.1 Estudo de mistura betuminosa Formulação Marshall II.2 Estudo de mistura betuminosa Características Marshall II.3 Estudo de mistura betuminosa Wheel-Tracking II.4 Estudo de mistura betuminosa Sensibilidade à água APÊNDICE III. Resultados Gráficos III.1 Estabilidade Marshall em provetes formulados com agregados naturais III.2 Estabilidade Marshall em provetes formulados com agregados reciclados vi

9 ÍNDICE III.3 Ensaios de tração indireta em provetes formulados com agregados naturais III.4 Ensaios de tração indireta em provetes formulados com agregados reciclados III.5 Ensaios Wheel Tracking em lajes com agregados naturais III.6 Ensaios Wheel Tracking em lajes com agregados de betão britado ANEXO I. Ficha Técnica do Betume Gil Filipe Leonor Fernandes vii

10 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte ÍNDICE DE FIGURAS Figura 2.1 Percentagem de cada material por tipo de obra... 8 Figura 2.2 Zona de deposição desordenada de RCD na berma de uma estrada... 9 Figura 2.3 Exemplo de depósito (com mais de cinco anos) de material proveniente de fresagem... 9 Figura 2.4 Composição dos RCD por tipo de atividade, em percentagem do peso Figura 2.5 Evolução do consumo de betume em Portugal Figura 2.6 Diagrama de produção de betumes asfálticos Figura 2.7 Triagem manual de resíduos indesejáveis na mistura de agregados reciclados Figura 2.8 Separação de materiais ferrosos dos restantes RCD Figura 2.9 Fluxograma representativo do funcionamento interno de uma central de reciclagem Figura 2.10 Central de reciclagem móvel Figura 2.11 Características gerais a exigir aos agregados Figura 2.12 Determinação da granulometria dos agregados Figura 2.13 Curva granulométrica de betão britado Figura 2.14 Pêndulo Britânico usado para medir a resistência ao polimento Figura 2.15 Porosidade dos agregados permeabilidade à água e ao betume Figura 2.16 Correlação entre a massa volúmica e a absorção de água Figura 3.1 Estrutura de um pavimento flexível Figura 3.2 Configuração da distribuição de tensões verticais no solo de fundação de um pavimento flexível e de um pavimento rígido Figura 3.3 Estrutura de um pavimento rígido Figura 3.4 Estrutura de um pavimento semirrígido de estrutura direta Figura 3.5 Resultados das análises volumétricas em misturas com agregados reciclados de betão Figura 3.6 Módulo de deformabilidade Figura 3.7 Módulo Resiliente Figura 3.8 Deformação permanente aos 2520 ciclos Figura 4.1 Peneiração dos agregados Figura 4.2 Curvas granulométricas dos agregados em estudo viii

11 ÍNDICE DE FIGURAS Figura 4.3 Determinação do índice de forma das partículas Figura 4.4 Peneiração normal, pesagem e peneiração em peneiros de barras paralelas para aferir o índice de achatamento Figura 4.5 Ensaio de azul-de-metileno em agregados reciclados Figura Fuso granulométrico e curva da mistura de agregados naturais Figura Fuso granulométrico e curva da mistura de agregados (reciclado + natural) Figura 4.8 Fabrico dos provetes para a formulação da mistura betuminosa pelo método de Marshall Figura 4.9 Determinação da baridade dos provetes Figura 4.10 Ensaio para determinação da baridade máxima teórica Figura 4.11 Ensaio de compressão de Marshall Figura 4.12 Gráficos para a determinação da percentagem ótima de betume na mistura só com agregados naturais Figura 4.13 Gráficos para a determinação da percentagem ótima de betume em misturas com agregados de betão britado Figura 4.14 Fabrico de lajes para ensaio com wheel-tracking Figura 4.15 Equipamento para realização do ensaio de wheel-tracking Figura 4.16 Aspeto final das lajes após ensaio de wheel-tracking Figura 4.17 Tração indireta de provetes para avaliação da sensibilidade à água ÍNDICE DE FIGURAS EM APÊNDICE Figura I. 1 - Curvas granulométricas dos agregados naturais Figura I. 2 - Curvas granulométricas dos agregados (reciclado + natural) Figura III.1 Estabilidade Marshall Provete A1 Percentagem de betume 3,5% Figura III.2 Estabilidade Marshall Provete A2 Percentagem de betume 3,5% Figura III.3 Estabilidade Marshall Provete A3 Percentagem de betume 3,5% Figura III.4 Estabilidade Marshall Provete A4 Percentagem de betume 4% Figura III.5 Estabilidade Marshall Provete A5 Percentagem de betume 4% Figura III.6 Estabilidade Marshall Provete A6 Percentagem de betume 4% Figura III.7 Estabilidade Marshall Provete A7 Percentagem de betume 4,5% Figura III.8 Estabilidade Marshall Provete A8 Percentagem de betume 4,5% Figura III.9 Estabilidade Marshall Provete A9 Percentagem de betume 4,5% Figura III.10 Estabilidade Marshall Provete A10 Percentagem de betume 5% Figura III.11 Estabilidade Marshall Provete A11 Percentagem de betume 5% Figura III.12 Estabilidade Marshall Provete A12 Percentagem de betume 5% Figura III.13 Estabilidade Marshall Provete A13 Percentagem de betume 5,5% Figura III.14 Estabilidade Marshall Provete A14 Percentagem de betume 5,5% Figura III.15 Estabilidade Marshall Provete A15 Percentagem de betume 5,5% Gil Filipe Leonor Fernandes ix

12 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III.16 Estabilidade Marshall Provete R1 Percentagem de betume 3,5% Figura III.17 Estabilidade Marshall Provete R2 Percentagem de betume 3,5% Figura III.18 Estabilidade Marshall Provete R3 Percentagem de betume 3,5% Figura III.19 Estabilidade Marshall Provete R4 Percentagem de betume 4% Figura III.20 Estabilidade Marshall Provete R5 Percentagem de betume 4% Figura III.21 Estabilidade Marshall Provete R6 Percentagem de betume 4% Figura III.22 Estabilidade Marshall Provete R7 Percentagem de betume 4,5% Figura III.23 Estabilidade Marshall Provete R8 Percentagem de betume 4,5% Figura III.24 Estabilidade Marshall Provete R9 Percentagem de betume 4,5% Figura III.25 Estabilidade Marshall Provete R10 Percentagem de betume 5% Figura III.26 Estabilidade Marshall Provete R11 Percentagem de betume 5% Figura III.27 Estabilidade Marshall Provete R12 Percentagem de betume 5% Figura III.28 Estabilidade Marshall Provete R13 Percentagem de betume 5,5% Figura III.29 Estabilidade Marshall Provete R14 Percentagem de betume 5,5% Figura III.30 Estabilidade Marshall Provete R15 Percentagem de betume 5,5% Figura III.31 Tração indireta em provete seco Sa1 Percentagem de betume 4,6% Figura III.32 Tração indireta em provete seco Sa4 Percentagem de betume 4,6% Figura III.33 Tração indireta em provete seco Sa6 Percentagem de betume 4,6 % Figura III.34 Tração indireta em provete imerso Sa2 Percentagem de betume 4,6% Figura III.35 Tração indireta em provete imerso Sa5 Percentagem de betume 4,6% Figura III.36 Tração indireta em provete imerso Sa7 Percentagem de betume 4,6% Figura III.37 Tração indireta em provete seco Sr1 Percentagem de betume 4,7% Figura III.38 Tração indireta em provete seco Sr2 Percentagem de betume 4,7% Figura III.39 Tração indireta em provete seco Sr4 Percentagem de betume 4,7% Figura III.40 Tração indireta em provete imerso Sr3 Percentagem de betume 4,7% Figura III.41 Tração indireta em provete imerso Sr5 Percentagem de betume 4,7% Figura III.42 Tração indireta em provete imerso Sr6 Percentagem de betume 4,7% Figura III.43 Wheel Tracking em laje de agregado natural Percentagem de betume 4,6% (1) Figura III.44 Wheel Tracking em laje de agregado natural Percentagem de betume 4,6% (2) Figura III.46 Wheel Tracking em laje de agregados reciclados Percentagem de betume 4,7% (1) Figura III.47 Wheel Tracking em laje de agregados reciclados Percentagem de betume 4,7% (2) x

13 ÍNDICE DE QUADROS ÍNDICE DE QUADROS Quadro 2.1 Quantidade de RCD gerados e percentagem de reaproveitamento ou reciclagem... 6 Quadro 2.2 Produção de agregados em milhões de toneladas na EU em Quadro 2.3 Estrutura típica de geração de RCD, por tipo de obra, na EU... 8 Quadro 2.4 Objetivos de reciclagem nalguns países europeus em Quadro 2.5 Fontes e causas da produção de resíduos na construção Quadro 2.6 Materiais constituintes dos RCD Quadro 2.7 Composição dos RCD na União Europeia, em percentagem do peso Quadro 2.8 Composição dos RCD por tipo de atividade, em percentagem do peso Quadro 2.9 Composição dos RCD na zona litoral Norte de Portugal Quadro 2.10 Propriedades dos agregados, ensaios e objetivos Quadro 2.11 Principais propriedades dos agregados das misturas betuminosas consideradas no CEEP e respetivas normas de ensaio Quadro 2.12 Valores obtidos para o ensaio de Los Angeles Quadro 2.13 Forma dos grãos e respetivas percentagens para o agregado reciclado de Santo André estudado em laboratório Quadro 2.14 Forma dos grãos de acordo com a sua natureza para o agregado reciclado de Santo André estudado em laboratório Quadro 2.15 Absorção de água dos agregados reciclados retidos no peneiro 4,8 mm de acordo com a natureza dos seus constituintes Quadro 2.16 Absorção de água para a fração de agregados reciclados Quadro 2.17 Absorção de água dos agregados reciclados segundo trabalhos de vários investigadores ( Quadro 2.18 Resultados do ensaio de equivalente de areia Quadro 2.19 Valores obtidos para o Equivalente de Areia Quadro 2.20 Significado de VAS para os solos Quadro 2.21 Baridade, massa volúmica seca dos agregados (ρs) e massa volúmica dos agregados saturados com superfície seca (ρsss) Quadro 3.1 Tipos de pavimentos em função dos materiais e da deformabilidade Quadro 3.2 Famílias e tipos de degradações Quadro 3.3 Classificação das relações entre as degradações e os fatores de degradação Gil Filipe Leonor Fernandes xi

14 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro 3.4 Propriedades das misturas betuminosas influenciadas pelas características dos agregados Quadro Classificação dos agregados reciclados de acordo com a natureza dos constituintes da fração grosseira Quadro 3.6 Campos de aplicação dos agregados reciclados Quadro 3.7 Propriedades de misturas betuminosas com percentagem ótima de betume Quadro 4.1 Determinação da forma das partículas Índice de forma da fração Quadro 4.2 Determinação da forma das partículas Índice de achatamento Quadro 4.3 Determinação da massa volúmica da fração 0/4 pelo método do picnómetro (partículas inferiores a 4mm) Quadro 4.4 Determinação da massa volúmica da fração 4/12 pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Quadro 4.5 Determinação da massa volúmica da fração 10/20 pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Quadro Determinação da massa volúmica da fração de agregados reciclados pelo método do picnómetro (partículas inferiores a 4mm) Quadro Determinação da massa volúmica da fração de agregados reciclados pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Quadro 4.8 Massa volúmica dos agregados reciclados com ponderação dos valores obtidos para partículas inferiores e superiores a 4mm Quadro 4.9 Especificação para betume 50/70 (EN 12591, 2009) Quadro 4.10 Percentagem de agregados naturais na mistura Quadro 4.11 Percentagem de agregados de betão britado + agregados naturais na mistura Quadro 4.12 Baridade dos provetes (mistura só com agregados naturais) Quadro 4.13 Baridade dos provetes (mistura com agregados de betão britado) Quadro 4.14 Baridade máxima teórica da mistura com agregados naturais Quadro 4.15 Baridade máxima teórica da mistura com agregados de betão britado Quadro 4.16 Baridade máxima (calculada) da mistura com agregados naturais Quadro 4.17 Baridade máxima (calculada) da mistura com agregados de betão britado Quadro 4.18 Porosidade e VMA em provetes com agregados naturais Quadro 4.19 Porosidade e VMA em provetes com agregados de betão britado Quadro 4.20 Resultados do ensaio de Compressão Marshall (valores médios) Misturas com agregados naturais Quadro 4.21 Resultados do ensaio de Compressão Marshall (valores médios) Misturas com agregados de betão britado Quadro 4.22 Percentagem ótima de betume para a mistura só com agregados naturais Quadro 4.23 Percentagem ótima de betume para misturas com agregados de betão britado Quadro 4.24 Características volumétricas das lajes xii

15 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 4.25 Valores médios de profundidade de rodeira (PRD AIR ) e taxa de deformação em ensaio de pista (WTS AIR ) ÍNDICE DE QUADROS EM APÊNDICE Quadro I.1 Valores obtidos na análise granulométrica de agregados naturais 0/ Quadro I.2 Valores obtidos na análise granulométrica de agregados naturais 4/ Quadro I.3 Valores obtidos da análise granulométrica de agregados naturais 10/ Quadro I.4 Valores Obtidos da análise granulométrica de agregados reciclados Quadro I.5 - Determinação da forma das partículas Índice de forma da fração 4/ Quadro I.6 - Determinação da forma das partículas Índice de forma da fração 10/ Quadro I.7 - Determinação da forma das partículas Índice de forma do material reciclado Quadro I.8 - Determinação da forma das partículas Índice de achatamento da fração 4/ Quadro I.9 - Determinação da forma das partículas Índice de achatamento da fração 10/ Quadro I.10 - Determinação da forma das partículas Índice de achatamento do material reciclado Quadro I.11 - Determinação da massa volúmica da fração 0/4 pelo método do picnómetro Quadro I.12 - Determinação da massa volúmica da fração 4/12 pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Quadro I.13 - Determinação da massa volúmica da fração 10/20 pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Quadro I.14 - Determinação da massa volúmica da fração de agregados reciclados pelo método do picnómetro (partículas inferiores a 4mm) Quadro I.15 - Determinação da massa volúmica da fração de agregados reciclados pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Quadro I.16 - Massa volúmica dos agregados reciclados com ponderação dos valores obtidos para partículas inferiores e superiores a 4mm Quadro I.17 - Mistura de agregados naturais Quadro I.18 - Mistura de agregados com betão reciclado Quadro II.1 Estudo da mistura betuminosa com agregados naturais Quadro II.2 Estudo da mistura betuminosa com agregados de betão britado Quadro II.3 Massas volúmicas dos materiais utilizados na mistura com agregados naturais Quadro II.4 Massas volúmicas dos materiais utilizados na mistura com agregados de betão britado Gil Filipe Leonor Fernandes xiii

16 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro II.5 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados naturais Quadro II.6 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados naturais Quadro II.7 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados naturais Quadro II.8 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados com betão britado Quadro II.9 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados com betão britado Quadro II.10 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados de betão britado Quadro II.11 - Composição das lajes para o ensaio de Wheel tracking da mistura betuminosa com agregados naturais Quadro II.12 - Estudo da mistura betuminosa com agregados de betão britado Quadro II.13 - Estudo da mistura betuminosa com agregados naturais Quadro II.14 - Estudo da mistura betuminosa com agregados reciclados Quadro II.15 Características dos provetes com agregados naturais e condições de ensaio Quadro II.16 Resultados do ensaio de tração indireta e determinação de ITSR em provetes com agregados naturais Quadro II.17 Características dos provetes com agregados de betão britado e condições de ensaio Quadro II.18 Resultados do ensaio de tração indireta e determinação de ITSR em provetes com agregados com betão britado ÍNDICE DE QUADROS EM ANEXO Quadro AI.1 Verificação do cumprimento na normalização em vigor para o betume 50/70 Repsol xiv

17 SIMBOLOGIA E ABREVIATURAS SIMBOLOGIA E ABREVIATURAS AFNOR Association Française de Normalisation AFP Agregados finos primários AFR Agregados finos reciclados AGER Agregado de granulometria extensa reciclado AGP Agregados grossos primários AGR Agregados grossos reciclados ASTM Amercian Society for Testing and Materials BS British Standard CBR Índice de Suporte da Califórnia CEEP Caderno de Encargos da Estradas de Portugal D Dimensão máxima do agregado d Dimensão mínima do agregado EN Norma Europeia EP Estradas de Portugal FI Índice de achatamento dos materiais granulares FL Material flutuante em volume ITS Valor médio da resistência conservada em tração indireta (Indirect Tensile Strength) ITSR Índice de resistência conservada em tração indireta (Indirect Tensile Strength Ratio) LA Categoria para o coeficiente de Los Angeles LER Lista Europeia de Resíduos LNEC Laboratório Nacional de Engenharia Civil LNEC E Especificação do Laboratório Nacional de Engenharia Civil m Massa do provete (Símbolo genérico) ma Massa de agregado MB Methylene blue value (valor de azul-de-metileno) [CEN] NA Não aplicável NP Norma Portuguesa NR - Não Recomendado pb Percentagem de betume PRD AIR Profundidade de rodeira (Proportional rut depth) R A Materiais betuminosos R B Elementos de alvenaria de materiais argilosos (tijolo, ladrilhos, telhas, etc.); elementos de alvenaria de silicatos de cálcio e betão celular não flutuante; Gil Filipe Leonor Fernandes xv

18 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte R C Betão, produtos de betão e argamassas RCD Resíduos de Construção e Demolição RCD-CB Resíduos de construção e demolição Cubos de betão RCD-RDem - Resíduos de construção e demolição Resíduos de demolição R G Vidro RTFOT Ensaio rotativo de endurecimento de película de betume em estufa (Rolling thin film oven test) R U Agregados não ligados, pedra natural, agregados tratados com ligantes hidráulicos S Estabilidade de Marshall SI Índice de forma dos materiais granulares TFOT Ensaio de endurecimento de película de betume em estufa (Thin film oven test) TMDp Tráfego Médio Diário de Pesados por Via VAS Valor de azul-de-metileno adsorvido (AFNOR) VMA Vazios na mistura de agregados WA Categoria para a absorção de água dos materiais granulares WTS AIR Taxa de deformação em ensaio de pista (wheel tracking slope) X Outros materiais coesivos (ex. solos argilosos), plásticos, borrachas, metais (ferrosos e não ferrosos) ρb Massa volúmica do betume ρmv Baridade máxima teórica da mistura ρrd Massa volúmica das partículas secas dos agregados grossos de uma mistura betuminosa ρs Massa volúmica dos agregados ρsss Massa volúmica dos agregados saturados com superfície seca ρw Massa volúmica da água à temperatura de ensaio xvi

19 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO 1.1 Enquadramento A utilização de resíduos provenientes da construção e demolição é um tema que tem vindo a adquirir grande importância nos últimos anos. São produzidos milhares de toneladas de resíduos todos os anos, em Portugal, e surge a necessidade de lhes dar uma utilização, de forma a tornar a indústria da construção em Portugal mais sustentável. De facto, a grande maioria dos recursos naturais extraídos na Europa são utilizados na construção, o que representa também uma grande quantidade de energia consumida. Da mesma forma os resíduos resultantes da construção representam grande parte da totalidade dos resíduos produzidos. Estes resíduos ocupam de forma não racional e indevida os solos, encontrando-se de forma indiscriminada, ou seja, misturas de resíduos perigosos e não perigosos. Atualmente os RCD Resíduos de Construção e Demolição dispõem de um quadro legislativo específico, publicado no Decreto-Lei n.º 46/2008, a 12 de março, que estabelece o regime das operações de gestão de RCD, tais como a prevenção, a reutilização e as operações de recolha, transporte, armazenagem, triagem, tratamento e valorização. Para além do Decreto-Lei acima mencionado, de forma a anular qualquer omissão que nele possa existir, é aplicável o Decreto-Lei n.º 178/2006, de 5 de setembro, que institui o regime Geral de Gestão de Resíduos (Botelho, 2010). O artigo 7.º do Decreto-Lei n.º46/2008 regula a utilização de RCD em obra, referindo que a utilização de RCD em obra é feita em observância das normas técnicas nacionais e comunitárias aplicáveis. Na ausência destas, são observadas as especificações técnicas definidas pelo Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC). Das utilizações especificadas destacam-se as que recomendam a utilização de RCD em pavimentos rodoviários e estabelecem os requisitos mínimos para a sua aplicação, designadamente nas seguintes situações: Camada de leito de infraestruturas de transporte; Agregado reciclado em camadas não ligadas de pavimentos; Misturas betuminosas a quente em central. Contudo, aquele documento não refere explicitamente a questão da reciclagem de pavimentos rodoviários. Além disso, não existem regras que especifiquem de forma suficientemente Gil Filipe Leonor Fernandes 1

20 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte desenvolvida a utilização de RCD na construção de camadas betuminosas de pavimentos rodoviários. Assim, tem vindo a ser feito um esforço crescente no meio técnico e científico no sentido de estudar as propriedades e os processos de fabrico de misturas betuminosas quando se incorporam como materiais constituintes vários resíduos, como são o caso dos RCD. 1.2 Objetivos e Metodologia de Trabalho A crescente produção de RCD nos últimos anos e a criação de aterros para os colocar, bem como os problemas associados à gestão correta daqueles subprodutos, têm constituído uma preocupação a nível mundial. No que diz respeito à indústria da construção e aos resíduos produzidos com a atividade de construção e demolição, têm sido realizados estudos para que esses mesmos resíduos possam ser valorizados e reintegrados na construção. Neste documento pretende-se apresentar o estado atual do conhecimento sobre a utilização de resíduos de construção e demolição na construção de pavimentos rodoviários, nas várias camadas que os constituem, assim como informação complementar sobre as técnicas e os equipamentos necessários a reciclagem de RCD. Pretende-se ainda contribuir para o estudo da utilização de materiais reciclados de betão britado em misturas betuminosas, avaliando o seu desempenho comparativamente ao desempenho de uma mistura betuminosa com mistura de agregados naturais. O interesse pela aplicação de RCD em pavimentos rodoviários tem aumentado nos últimos anos. Por isso, é necessário juntar às políticas ambientais estudos técnicos e económicos que dêem informações sobre a viabilidade da utilização daquele tipo de materiais. Existem já bastantes estudos realizados acerca da aplicação de RCD em camadas não ligadas de base e de sub-base, em leitos de pavimentos, ou simplesmente em pavimentos granulares de caminhos florestais. No que diz respeito à metodologia de trabalho, numa primeira fase faz-se uma análise do tipo de resíduos existentes, indicando quais os que são produzidos nas atividades de construção e demolição, apresentando as suas principais características. Depois descrevem-se alguns estudos nos quais se utilizaram diferentes tipos de RCD para a construção de camadas de pavimentos rodoviários, de modo a ilustrar as aplicações concretas daqueles materiais constituintes. Sempre que possível, as características dos materiais utilizados e das camadas construídas, referidos na bibliografia, são comparadas com os requisitos estabelecidos em documentação diversa, designadamente em cadernos de encargos ou em especificações técnicas aplicáveis. Para concretizar a utilidade da aplicação de RCD em materiais de pavimentação rodoviária, apresenta-se também um conjunto de resultados de ensaios laboratoriais realizados sobre duas 2

21 INTRODUÇÃO misturas betuminosas, uma convencional com agregados naturais calcários, e outra semelhante, na qual se incorporaram também agregados de betão britado. 1.3 Organização do trabalho A dissertação é constituída por cinco capítulos, três apêndices e um anexo cuja organização e conteúdo se sintetizam neste subcapítulo. Neste primeiro capítulo introdutório, encontra-se uma súmula do tema tratado e é feito o seu enquadramento. São ainda definidos os objetivos a atingir com o presente trabalho, a metodologia a colocar em prática para atingir os objetivos propostos e descreve-se a organização do trabalho. No capítulo 2 apresenta-se uma revisão bibliográfica sobre os RCD geralmente disponíveis. Numa primeira fase faz-se uma apresentação sumária das quantidades de RCD produzidas, dos locais de produção e de depósito, bem como dos objetivos que se pretendem atingir com a sua valorização. Apresenta-se, em síntese, uma descrição dos resíduos mais comuns que compõem os RCD e os processos de seleção. Por fim, apresentam-se algumas considerações acerca das características gerais dos materiais produzidos a partir de RCD e dos requisitos a ter em conta quando os mesmos são aplicados em pavimentos rodoviários. O capítulo 3 centra-se na apresentação do estado do conhecimento relativamente à aplicação de RCD em pavimentos rodoviários. Inicialmente apresenta-se uma súmula das características dos vários tipos de pavimentos rodoviários, dos materiais aplicados, das exigências de desempenho e das patologias que habitualmente ocorrem nos pavimentos. Posteriormente são descritos os RCD que podem, pelas suas características, ser usados como materiais de construção de pavimentos rodoviários, tanto em camadas não ligadas como em camadas ligadas. É feita ainda uma breve avaliação da contribuição dos RCD para a sustentabilidade na construção rodoviária, sendo pesadas as vantagens e os inconvenientes da sua aplicação em pavimentos rodoviários. No capítulo 4 apresentam-se os trabalhos experimentais realizados e os resultados obtidos, referentes ao estudo comparativo de duas misturas betuminosas a quente, do tipo AC 20 base, incorporando numa delas uma elevada percentagem de RCD como agregado, constituído exclusivamente por betão britado. Os resultados que são apresentados incluem a caracterização dos agregados constituintes. A avaliação das misturas betuminosas apoia-se em estudos Marshall, sendo ainda apresentados os resultados de ensaios adicionais contemplados no Anexo Nacional da NP EN , relacionados com o desempenho, designadamente, o ensaio de Wheel-Tracking e o ensaio de avaliação da sensibilidade à água. No capítulo 5 faz-se uma síntese do trabalho desenvolvido e apresentam-se as suas conclusões gerais. São ainda indicadas sugestões para a realização de trabalhos futuros que possam complementar o estudo desenvolvido no âmbito da presente dissertação. Gil Filipe Leonor Fernandes 3

22 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Nos três apêndices apresentam-se os resultados obtidos nos ensaios laboratoriais: O apêndice I reúne os resultados de caracterização dos agregados constituintes das misturas betuminosas do tipo AC 20 base analisadas, e os valores calculados das proporções de cada uma das frações granulométricas disponíveis para o seu fabrico. No apêndice II apresentam-se os resultados da avaliação das misturas betuminosas de estudo, designadamente os referentes ao método de Marshall, à resistência à deformação permanente e à sensibilidade à água. No apêndice III apresentam-se, de forma mais detalhada, resultados gráficos obtidos dos ensaios realizados, nomeadamente no ensaio de compressão Marshall, no ensaio de sensibilidade à água e no ensaio de Wheel-Tracking. No anexo I apresenta-se a ficha técnica do betume utilizado no presente trabalho, dando conta da sua conformidade face aos requisitos a cumprir. 4

23 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 2 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 2.1 Generalidades Na indústria da construção são gerados vários resíduos com apetência para a reciclagem, quer seja durante o processo de construção quer na demolição. Além das atividades ligadas à engenharia civil, também os desastres naturais e as guerras são fontes geradoras de resíduos. Este capítulo tem como objetivo apresentar os vários tipos de resíduos de construção e demolição (RCD) que, pela sua caracterização, possam ser reutilizados na construção de camadas de pavimentos. Dentre os RCD disponíveis mais correntes, destacam-se os materiais suscetíveis de serem utilizados como agregados e os resíduos de misturas betuminosas que incorporam agregados e alguma quantidade de ligante betuminoso. Segundo Pereira et al (2004), são inutilizadas milhares de toneladas de resíduos produzidos no decorrer de novas construções, bem como resultantes de restauros ou demolições indiferenciadas de construções existentes, tais como edifícios e infraestruturas rodoviárias, ou outras. A forte desvalorização da quantidade de resíduos que se produz, traduz-se num volume crescente de materiais destinados a aterro. No Quadro 2.1 apresentam-se alguns indicadores que ilustram o panorama Europeu dos RCD, designadamente as quantidades geradas e as percentagens de reaproveitamento ou reciclagem dos mesmos. Portugal encontra-se no grupo de países que geram menos resíduos. No entanto, é, juntamente com Espanha, o país que menos reutiliza os resíduos que produz. Além da grande geração de RCD, existe globalmente um grande consumo de materiais na indústria da construção. Estima-se que 50% dos recursos naturais extraídos são consumidos na indústria da construção (Pestana, 2008). No Quadro 2.2 são apresentados alguns dados relativos à extração e produção de agregados naturais em vários países da União Europeia (EU). De facto, a utilização de RCD como agregado na construção, nomeadamente na construção de pavimentos rodoviários, visa diminuir dois problemas: o escoamento de grandes quantidades de resíduos para aterros inapropriados e ilegais, originando problemas de saúde pública, degradação da paisagem e contaminação ambiental; o consumo de grandes quantidades de recursos naturais, tais como agregados, que têm conduzido à abertura constante de novas pedreiras de onde é extraída a matéria-prima. Gil Filipe Leonor Fernandes 5

24 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro 2.1 Quantidade de RCD gerados e percentagem de reaproveitamento ou reciclagem (Leite, 2007) País RCD gerados [ 10 6 ton/ano] RCD reaproveitados ou reciclados [%] Alemanha Reino Unido França Itália 20 9 Espanha 13 <5 Holanda Bélgica 7 87 Áustria 5 41 Dinamarca 3 81 Portugal 3 <5 Suécia 2 21 Finlândia 1 45 A escolha deve, por isso, passar pelo aproveitamento dos resíduos, através da sua separação e seleção criteriosa, em detrimento do envio de todos os materiais para aterro. Tal separação é conseguida recorrendo a processos de demolição seletiva, de modo a possibilitar a recuperação de materiais e componentes da construção, promovendo assim a sua reciclagem e reutilização (Couto et al, 2006). Pestana (2008) refere vários autores, os quais acreditam que um dos maiores problemas no uso de material reciclado na construção reside no facto de existir um preconceito geral baseado na convicção de que aquele tipo de material tem piores características que os congéneres naturais. Também o facto de Portugal, em conjunto com os países do Sul da Europa, possuírem reservas naturais que fornecem agregados em quantidade e qualidade a custos moderados, torna difícil a introdução de agregados reciclados no mercado. No processo de aproveitamento de resíduos com vista à sua reciclagem e reutilização, é imperativo conhecer os padrões de qualidade, ambiente e segurança, de modo a que, cada vez mais, a valorização dos RCD constitua uma opção a levar em linha de conta, para que os materiais reciclados consigam competir com os novos, quer no custo, quer nas características técnicas. 6

25 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Quadro 2.2 Produção de agregados em milhões de toneladas na EU em 2005 (Pestana, 2008) Pais Areia Agregados grossos naturais Agregados reciclados Agregados artificiais Total Bélgica 13,9 38,0 12,0 1,2 65,1 Alemanha 263,0 174,0 46,0 30,0 513,0 Espanha 159,0 300,0 1,3 0,0 460,3 França 170,0 223,0 10,0 7,0 410,0 Irlanda 54,0 79,0 1,0 0,0 134,0 Itália 225,0 145,0 4,5 3,0 377,5 Holanda 24,0 4,0 20, ,2 Áustria 66,0 32,0 3,5 3,0 104,5 Finlândia 53,0 45,0 0, ,5 Reino Unido 124,0 85,0 56,0 12,0 277,0 Noruega 15,0 38,0 0, ,2 Suíça 46,5 5,3 5, ,1 República Checa 25,5 38,0 3,4 0,3 67,2 Polónia 104,3 37,7 7,2 1,6 150,8 Eslováquia 8,9 16,9 0,2 0,3 26,3 Portugal 6,3 82, ,3 Suécia 23,0 49,0 7,9 0,2 80,1 Total 1.381, ,9 179,2 58,6 3011,1 46% 46% 6% 2% 2.2 Origem dos Resíduos Nos últimos anos, a construção em Portugal contribuiu cerca de 12,1% para o Produto Interno Bruto. Na Europa, a construção representou 40% dos recursos naturais extraídos e 40% da energia consumida, o que se reflete na produção de 40% da totalidade dos resíduos que são produzidos (Amaral et al, 2008). A indústria da construção é, assim, responsabilizada pela proveniência de grande parte dos resíduos gerados e é, por isso, uma das candidatas a apresentar soluções viáveis para o seu uso útil e sustentável. Os resíduos são provenientes maioritariamente de obras de construção, reconstrução, ampliação, alteração, conservação e demolição de edificações e estradas. São provenientes também de trabalhos geotécnicos e hidráulicos, das explorações mineiras e pedreiras, de onde são extraídos os agregados com recurso a explosivos. Gil Filipe Leonor Fernandes 7

26 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte As indústrias de suporte à construção, tais como pedreiras, apesar de gerarem resíduos com forte apetência para a reutilização, não são alvo de estudo no presente trabalho, pelo facto dos resíduos produzidos não serem considerados RCD. Deste modo, e pelo facto de grande parte dos resíduos produzidos na Europa serem provenientes da construção, apresenta-se no Quadro 2.3 a percentagem média de resíduos produzidos no espaço europeu em função da sua origem. Quadro 2.3 Estrutura típica de geração de RCD, por tipo de obra, na EU (Ferreira, 2009) Origem dos Resíduos Percentagem (%) Construção Remodelação, reabilitação e renovação Demolição A distribuição dos materiais constituintes dos RCD pelos diferentes tipos de obras constitui também um indicador importante. A título de exemplo, apresenta-se a Figura 2.1, a qual ilustra os resultados obtidos num estudo sobre RCD, em Oslo, na Noruega. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Demolição Reabilitação Construção Figura 2.1 Percentagem de cada material por tipo de obra (adaptado de Mália, 2010) Depreende-se da Figura que os resíduos de betão e tijolos, assim como os resíduos de metal, aparecem em maior quantidade nas obras de demolição, assim como a madeira nas obras de reabilitação, enquanto o papel, o cartão, os plásticos, os isolamentos e os resíduos perigosos predominam nas obras de construção. 8

27 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 2.3 Deposição de RCD Depois de gerados, os resíduos são levados para fora do perímetro da obra, pois deixam de fazer parte dela. A Figura 2.2 ilustra um exemplo de deposição desordenada e ilegal, muitas vezes feita próximo do local de geração de resíduos, nas bermas de caminhos e estradas secundárias, em linhas de água e terrenos baldios (Ferreira, 2009). Figura 2.2 Zona de deposição desordenada de RCD na berma de uma estrada (Ferreira, 2009) Nas obras rodoviárias, a reconstrução ou reabilitação pressupõe muitas vezes a remoção de material do pavimento por fresagem, a qual produz um material de reduzida dimensão. O resíduo gerado é diferenciado em função da camada que é demolida, e na sua constituição tem uma percentagem elevada de agregados. Apresenta-se na Figura 2.3 o destino mais habitual dado a este resíduo que passa pelo seu abandono, ou pela deposição em caminhos secundários, em alternativa aos pavimentos de terra batida (Baptista, 2006). Figura 2.3 Exemplo de depósito (com mais de cinco anos) de material proveniente de fresagem (Baptista, 2006) Gil Filipe Leonor Fernandes 9

28 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Na atualidade, têm vindo a ser aplicadas à indústria da construção políticas de sustentabilidade, onde se atribuem destinos diferentes aos RCD para futuras utilizações, tendo em vista, por exemplo, a reciclagem de agregados. Assim, ao contrário das deposições desordenadas em terrenos baldios, o depósito dos resíduos é feito em locais distintos por curtos períodos de tempo. Os RCD são depois submetidos a uma triagem primária para remover materiais inadequados. O produto final resulta da britagem dos RCD em várias granulometrias. 2.4 Objetivos da Utilização de RCD A incorporação de RCD em novas construções, do mesmo setor ou de outro, tem sido alvo de estudo nos últimos anos. O objetivo dessa utilização é reduzir a extração de recursos naturais, e assim, reduzir os impactes ambientais decorrentes da sua exploração. Além disso, como já foi referido anteriormente, os resíduos gerados na construção têm atingido quantidades muito altas, e por serem considerados entulhos, têm muitas vezes como destino aterros, o que acarreta impactes ambientais negativos. Ora, nessas circunstâncias ocorrem alterações na superfície terrestre, quer a nível ambiental quer paisagístico, conduzindo a um processo de deterioração ambiental. Perante esta realidade, importa reduzir a extração de materiais naturais e o volume de resíduos a levar a aterro. Esse objetivo pode ser conseguido com a utilização de resíduos de construção e demolição, uma vez que a sua correta seleção e transformação permite obter produtos de características idênticas às dos materiais novos. No Quadro 2.4 resumem-se os objetivos, associados à reciclagem, que vários países europeus têm procurado atingir. Quadro 2.4 Objetivos de reciclagem nalguns países europeus em 1997 (Martinho, 2004) País Objetivos de reciclagem em 1997 Austrália 90% de reutilização dos materiais usados nas estradas, a longo prazo Áustria 50% de redução na quantidade de resíduos em 2000 Bélgica Desde 1996: reciclagem de 70% dos resíduos do setor da construção Dinamarca 54% de reutilização dos resíduos totais em 2000 França Eliminar os depósitos de detritos a partir de 2000 Japão Aumentar de 42% para 80% a reutilização de detritos em 2000 Holanda Reino Unido Reutilizar 90% dos detritos do setor da construção Duplicar o uso de materiais reciclados no prazo de 15 anos 10

29 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Como pode observar-se, os objetivos centrais eram diminuir as quantidades de materiais novos a usar na obra, substituindo-os por materiais reciclados, diminuir ou reduzir por completo a necessidade de vazadouro, usar resíduos de vários setores da construção, reduzindo os impactes negativos desses mesmos setores e diminuir o consumo de energia (Martinho, 2004). 2.5 Principais RCD Disponíveis em Portugal Os resíduos de construção e demolição não são mais do que uma mistura de materiais, na qual se pode encontrar betão, materiais cerâmicos, solo, papel, vidro, plástico, aço, alumínio, cobre, tintas, colas, e materiais betuminosos. Desde que não contaminados, estes materiais têm valor económico, técnico e ambiental, pelo que podem ser inseridos no mercado da reciclagem. Já em edifícios antigos, a presença de materiais contaminados é mais comum, sendo o amianto, os clorofluorocarbonetos (CFC) e os policlorobifenilos (PCB) alguns dos produtos indesejados (Barros et al, 2007). Desta forma, caracterizar e fracionar um RCD torna-se difícil, uma vez que cada material tem características próprias e impactes ambientais diferentes. Segundo Ferreira (2009), e tal como se referiu acima para o caso europeu, os principais RCD disponíveis no país têm três origens típicas: a construção; a remodelação, reabilitação e renovação; e a demolição. Os resíduos de construção podem ser gerados como resultado de deficiente medição ou estimativa de quantidades de matérias-primas necessárias, mão-de-obra pouco qualificada com recurso a técnicas construtivas desapropriadas aos materiais existentes atualmente, danificação de matéria-prima no transporte e aprovisionamento, e fabrico ou manipulação em obra. De facto, os resíduos de construção têm origem nas várias etapas do processo construtivo. Apresenta-se no Quadro 2.5, de uma forma sintetizada, as fontes e causas de produção de resíduos de construção. Os resíduos de construção são os que menos contribuem para o avultado volume total de RCD. Os resíduos de remodelação, reabilitação e renovação de edifícios geram uma quantidade reduzida por obra, mas a totalidade supera a produção de resíduos de construção. No entanto, a variedade de materiais que os incorporam é grande, e isso deve-se ao facto das intervenções e as áreas reparadas serem variáveis. Os resíduos de demolição são compostos por materiais que resultam da demolição de construções de edifícios, estradas e outras estruturas, ou até mesmo do seu colapso, apresentando na sua constituição grande quantidade de solos e agregados. Para que se possa obter o máximo aproveitamento dos resíduos provenientes de demolições, deve optar-se por demolir seletivamente, ação que tem sido designada por desconstrução. Gil Filipe Leonor Fernandes 11

30 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro 2.5 Fontes e causas da produção de resíduos na construção (Ruivo et al, 2004) Fonte Projeto Intervenção Manipulação de materiais Operação Outros Causa Erros nos contratos; Contratos incompletos; Modificações de projeto Ordens erradas; Ausência ou excesso de ordens; Erros no funcionamento Danos durante o transporte; Armazenamento inapropriado Erros do operário; Mau funcionamento de equipamentos; Ambiente impróprios; Uso de materiais incorretos em substituições; Sobras de corte ou dosagens; Resíduos do processo de aplicação Vandalismo e roubo; Falta de controlo de materiais e de gestão de resíduos 2.6 Composição dos RCD Segundo a Lista Europeia de Resíduos (LER), os RCD podem ser classificados, segundo os materiais que os constituem, como inertes, não perigosos e perigosos. São considerados RCD perigosos todos os que tenham nos seus constituintes, materiais contaminados e poluentes, tais como amianto, metais pesados, algumas tintas, entre outros (LNEC, 2006 a). Como já foi referido anteriormente, os RCD são compostos por uma larga variedade de constituintes, que dependem do tipo de projeto e de obra de onde provêm, bem como das técnicas e dos materiais empregados. São referidos no Quadro 2.6 alguns dos materiais que mais frequentemente constituem os RCD. Quadro 2.6 Materiais constituintes dos RCD (Ferreira, 2009) Tipo Orgânicos Materiais compósitos Agregados Material Papel, cartão, madeira, plásticos Tapetes, revestimentos de paredes de gesso, material elétrico, madeira prensada, madeira envernizada Betão, betão armado, tijolos, telhas, azulejos, porcelanas, vidro, metais ferrosos, metais não ferrosos, pedra, betume asfáltico e terra De facto, os RCD são a mistura de diversos materiais que se apresentam como um produto heterogéneo. Os agregados são a fração mais importante dos RCD, representando mais de 50% do volume total de resíduos (Mália, 2010). 12

31 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO No Quadro 2.7 estão expressas as percentagens em peso dos principais materiais que compõem os RCD na União Europeia. Quadro 2.7 Composição dos RCD na União Europeia, em percentagem do peso (Brito, 2006). Composição dos RCD Percentagem (%) Betão, alvenaria e argamassa 50 Madeira 5 Papel, cartão e outros combustíveis 1-2 Plásticos 1-2 Metais 5 Solos de escavação, brita de reparação/conservação de pavimentos Betume asfáltico 5-10 Lamas de dragagem e perfuração 5-10 De forma idêntica, apresentam-se no Quadro 2.8 os resultados obtidos num estudo realizado em Oslo, na Noruega, o qual envolveu 311 projetos de construção. Quadro 2.8 Composição dos RCD por tipo de atividade, em percentagem do peso (Mália, 2010) Composição Construção Reabilitação Demolição Total Betão e tijolos 45,79 47,69 84,16 67,24 Madeira 13,67 30,31 6,42 14,58 Metal 1,32 3,59 4,33 3,63 Gesso 6,25 5,72 0,15 2,77 Papel, cartão e plásticos 4,50 0,89 0,27 1,14 Vidro 0,47 0,41 0,12 0,26 Isolamentos 1,87 0,51 0,07 0,49 Amianto - 0,70 0,32 0,38 Outros resíduos perigosos 0,23 0,04 0,04 0,07 Outros 25,89 10,13 4,13 9,44 Para que seja possível uma apreciação mais clara dos dados do Quadro 2.8, a Figura 2.4 reproduz os mesmos graficamente. Como se pode observar, os resíduos predominantes, independentemente da sua origem, são os betões, as argamassas e os tijolos. Pode verificar-se Gil Filipe Leonor Fernandes 13

32 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte ainda que em obras de reabilitação a madeira é o segundo resíduo mais predominante, uma vez que são feitas demolições parciais das edificações para posterior reabilitação. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Construção Reabilitação Demolição Total Outros Outros resíduos perigosos Amianto Isolamentos Vidro Papel, cartão e plásticos Gesso Metal Madeira Betão e tijolos Figura 2.4 Composição dos RCD por tipo de atividade, em percentagem do peso (adaptado Mália, 2010) De forma semelhante, no Quadro 2.9 mostram-se os resultados obtidos num estudo efetuado na zona litoral Norte de Portugal. Quadro 2.9 Composição dos RCD na zona litoral Norte de Portugal (Pereira et al, 2004) Composição Percentagem (%) Betão, alvenaria e argamassa 35 Madeira 5 Papel, cartão 1 Vidro 0,5 Plásticos 1 Metais (aço incluído) 5 Solos de escavação, brita de restauração de pavimentos 40 Betume asfáltico 6 Lamas de dragagem e perfuração 5 Outros resíduos 1,5 Foram apresentados dados da composição dos RCD em várias circunstâncias, variando a localização geográfica onde foram recolhidos os dados, bem como o tipo de obra. Os materiais agregados, betão, alvenaria e argamassas, são os que mais pesam na composição dos 14

33 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RCD, seguidos pelo betume asfáltico, madeira e metais. Por serem os mais abundantes, aqueles constituintes dos RCD justificam a análise mais detalhada que se apresenta a seguir Betão e materiais cerâmicos Atualmente o betão e os materiais cerâmicos (tijolos, telhas, azulejos e porcelanas), como fonte principal de agregados nos RCD, podem ser divididos em quatro categorias, obedecendo cada uma delas a uma série de processamentos para as aplicações previstas (Ruivo et al, 2004). Betão britado limpo betão britado e classificado contendo menos de 5% de tijolos e outros materiais; Tijolo britado limpo tijolo britado e classificado contendo menos de 5% de betão e outros materiais; Resíduos de construção limpos betão e tijolo britados e classificados; Resíduos de demolição britados betão e tijolo misturados que foram separados e crivados para remover o excesso de contaminantes, mas contendo ainda alguma madeira e outras impurezas. O betão é maioritariamente constituído por agregados, sendo que a sua restante constituição é ocupada pela pasta ligante, solventes e adições. Os agregados podem ser classificados, sem alteração dos mesmos, de vários modos, em função das características analisadas, tais como a natureza petrográfica, a massa volúmica, a baridade, o modo de obtenção e a dimensão das partículas de várias dimensões (Branco et al, 2006). Quando de origem natural, e no caso de utilização em betões, os agregados podem apresentarse sob duas formas distintas. Na forma granular, arredondada, devido aos agentes erosivos naturais, que depois de lavados e classificados em crivos, passam a designar-se por areias se a sua dimensão é igual ou inferior a 4,76mm, e por godos os que têm dimensão superior. Para as rochas que se apresentam na forma ainda compacta, existe a necessidade de utilizar explosivos, e por processos mecânicos de trituração obtêm-se os agregados britados que, de forma análoga aos agregados rolados, se designam por areias se a sua dimensão é igual ou inferior a 4,76 mm, e britas os que têm dimensão superior (Lourenço et al, 2007). Quanto à massa volúmica das partículas,, os agregados podem classificar-se como leves se for menor que 2,3 g/cm 3, normais se for maior que 2,3 g/cm 3 e menor que 3,0 g/cm 3, ou pesados se for maior que 3,0 g/cm 3 (Ruivo e Veiga, 2004) Pedras Em tempos anteriores à era do betão, os edifícios eram construídos em alvenaria de pedra, quer fossem habitacionais, públicos, religiosos ou com outro tipo de função. De facto, as quantidades de resíduos de pedra provenientes da reabilitação ou demolição de um edifício antigo são geralmente significativas. No entanto, como se pode ler em Martinho (2004), a Gil Filipe Leonor Fernandes 15

34 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte pedra não deixa de ser pedra, pode apenas apresentar características geológicas diferentes consoante a zona do país onde foi extraída e, por norma, aplicada. A indústria da exploração de pedreiras é também fonte da produção de resíduos de pedra. No processo de produção de mármore na Turquia, por exemplo, cerca de 70% da pedra fica perdida na exploração da mina, no tratamento e polimento, sendo estas parcelas classificadas como resíduo. Durante o tratamento são gerados cerca de 30% de resíduos, que depois de convertidos em pó, são despejados em leitos de rios, comprometendo a porosidade de zonas de aquíferos. Quase 40% (86 000m 3 por ano) dos resíduos gerados nas pedreiras turcas, por exemplo, são despejados nas proximidades de estradas, em poços, leitos de rios e em campos agrícolas (Akbulut, 2007). Os fragmentos de rocha gerados não são resíduos de construção e demolição. No entanto são uma fonte de agregados que podem ser utilizados na pavimentação rodoviária Madeira É no processo de reabilitação ou demolição de edifícios antigos que se encontra a maior quantidade de madeira. Tal facto acontece, uma vez que o processo construtivo consistia em alvenarias de pedra e soalhos de madeira. Atualmente, a madeira é essencialmente utilizada para a instalação de estruturas e suportes (Ruivo et al, 2004). Apesar de ser um material com boa capacidade resistente a esforços de compressão e tração, a madeira é um material fundamentalmente heterogéneo e anisotrópico. Uma vez transformada para aplicação ou reutilização na construção, a madeira revela-se um material muito sensível às condições ambientais, aumentando e diminuindo de dimensões com as variações de humidade, pelo que a sua aplicação no exterior deve ser devidamente cuidada e precavida. Acresce ainda o facto da madeira se mostrar um material bastante vulnerável a agentes externos, tais como fungos e insetos, sendo a sua durabilidade comprometida. Assim, para o caso em estudo, a utilização de RCD na construção de pavimentos rodoviários, a madeira aparece como um resíduo tecnicamente inviável, pelo que não será alvo de análise daqui em diante no presento documento Metais Os metais, em particular o aço, são largamente usados na construção civil, desde as estruturas metálicas, aos elementos de betão armado. A sua medição é normalmente rigorosa, gerando por isso uma quantidade reduzida de resíduos. De qualquer forma, estes são facilmente separáveis dos restantes resíduos devido às propriedades magnéticas do aço. A possibilidade da total reciclagem dos metais torna-os mais sustentáveis e interessantes do ponto de vista ambiental. Durante a produção ou processo de reciclagem, os metais ou minério de ferro são fundidos no alto-forno, dando origem ao ferro fundido. Este produto pode ser convertido em produtos de ferro ou, como acontece frequentemente, usado como matéria-prima para a produção de aço. 16

35 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO As escórias de alto-forno ou de fundição são um produto não metálico que resulta do processo de fundição de ferro. São produzidos diferentes materiais em função do método usado para arrefecer as escórias (Kassim et al, 2005). Após o arrefecimento, o material é britado e selecionado para utilizar como agregado. Por exemplo na Austrália, desde o ano de 2000, toneladas de escória têm sido disponibilizadas anualmente, dos quais toneladas são usadas em estradas, tanto em camadas de base não ligadas, como em camadas ligadas. De facto, na Austrália, as escórias de aço são utilizadas em substituição dos agregados naturais em todo o pavimento, tendo como vantagens o aumento do atrito e da durabilidade quando usadas nas camadas betuminosas (CCAA, 2008) Misturas betuminosas e agregados de camadas não ligadas Desde a década de 1990, verificou-se, em Portugal e nos restantes países da União Europeia, uma crescente degradação da rede rodoviária, devido ao aumento do tráfego pesado e das cargas transportadas. Ainda na mesma década, como se ilustra na Figura 2.5, registou-se um aumento anual no consumo de betume, que se refletiu no investimento da construção rodoviária. Ainda mais acentuado, foi o crescimento das obras de reabilitação e conservação dos pavimentos rodoviários já existentes e com fraca resposta estrutural e funcional (Baptista, 2006). Consumo de betume(10 6 toneladas) 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0, Figura 2.5 Evolução do consumo de betume em Portugal (Baptista, 2006) No entanto, lembremo-nos de que o betume asfáltico é já um resíduo industrial, obtido normalmente por destilação direta ou fracionada do petróleo bruto, como resumidamente se apresenta na Figura 2.6. Na realidade, o resíduo obtido por destilação do petróleo bruto designa-se por resíduo bruto ou primeiro resíduo, sendo que a destilação do primeiro resíduo origina o segundo resíduo, que posteriormente é utilizado no fabrico de diversos betumes asfálticos (Branco et al, 2006). Gil Filipe Leonor Fernandes 17

36 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Petróleo Bruto Destilação Atmosférica Gases Nafta Fuel Gasóleo Gasolinas 1º Resíduo Destilação no Vácuo Destilados 2º Resíduo Betumes Figura 2.6 Diagrama de produção de betumes asfálticos (Branco et al, 2006) O processo de gestão de RCD provenientes de pavimentos rodoviários flexíveis, caso predominante em Portugal, com betume asfáltico como ligante, passa sobretudo pela reutilização do material na obra a intervir, ou noutra realizada em simultâneo, com recurso à reciclagem. Com a reciclagem de pavimentos rodoviários existentes, pretende-se conceder-lhes características estruturais e funcionais inicialmente preconizadas, ou seja, transformar as estruturas heterogéneas envelhecidas e degradadas em pavimentos mais homogéneos, regulares e resistentes (Martinho 2004). Como refere Baptista (2006), os agregados não deixam de ser agregados, e o ligante, mesmo envelhecido por oxidação, mais rígido e por isso quebradiço, pode desempenhar as suas funções em novas misturas betuminosas recicladas. Assim, os resíduos resultantes de uma intervenção de reabilitação ou conservação num pavimento rodoviário, podem ser utilizados nessa mesma obra, com o objetivo de desempenhar idênticas funções às anteriores, embora nalguns casos possam ser utilizados em funções menos nobres. Porque nunca nenhum pavimento é 100% reciclável, os restantes resíduos devem ser tratados e classificados de forma a integrar novas misturas betuminosas, ou camadas não ligadas de um pavimento rodoviário. 18

37 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO 2.7 Processamento e Seleção de RCD A comercialização e utilização de agregados provenientes de RCD só pode ser realmente efetivada se forem cumpridos os requisitos mínimos, não se tratando só de uma questão de granulometria. A reciclagem da fração inerte de RCD passa por um processo de separação, britagem e peneiração ou crivagem. Para que o custo de produção de agregados reciclados seja reduzido, mantendo a qualidade requerida, é primordial que os RCD venham desprovidos de materiais considerados contaminantes e separados, por exemplo, madeira separada de betão ou de materiais cerâmicos. De facto, o nível de separação está relacionado com a qualidade final do produto reciclado, pelo que a separação dos constituintes deve ser máxima, dando preferência a materiais mais limpos. Constituem exemplos destes materiais os formados apenas por betão, ou apenas por resíduos cerâmicos, não contendo grandes quantidades de outros materiais minerais. Este tipo de separação é conseguido no local da origem dos resíduos, recorrendo a contentores providos com separadores, onde em cada partição são colocados resíduos com características idênticas. Os RCD são transportados para uma central de tratamento onde, depois de analisados e previamente caracterizados, são armazenados para posterior seleção de reciclagem. Os elementos de betão armado são reduzidos em frações menores com recurso a um martelo hidráulico, e o aço que nele se encontra é retirado com uma pinça hidráulica. O aço é reencaminhado para uma siderurgia onde será reciclado. Os resíduos considerados limpos, elementos só de um material, ou misturas de betão, pedras e alvenarias, são encaminhados para a britagem. Contudo, nem todos os resíduos se encontram separados de forma a serem de imediato encaminhados para a britagem, pelo que estes devem ser submetidos a uma seleção. Os resíduos indesejáveis no produto final, como madeiras, papéis, metais ou isolamentos, de maior dimensão, devem ser retirados, manualmente ou com o auxílio de uma máquina de pinças. Os de menor dimensão são separados numa unidade de triagem dotada de uma grelha vibratória, de uma unidade de triagem manual (Figura 2.7) e de um separador magnético (Figura 2.8). Desta etapa de triagem resultam as seguintes frações: Resíduos diversos (papel e cartão, plásticos, madeira, metais e outros); Agregados: fração fina (entre 0 e 5 mm); Agregados fração média e grossa: prosseguem para tratamento. Podem ainda ser utilizados outros processos de separação diferentes dos já referidos: Separação mecânica dos resíduos; Separação por via húmida (por densidade); Separação por correntes de ar. Gil Filipe Leonor Fernandes 19

38 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura 2.7 Triagem manual de resíduos indesejáveis na mistura de agregados reciclados (Mimoso, 2008) Figura 2.8 Separação de materiais ferrosos dos restantes RCD (Ferreira, 2009) Os resíduos, depois de separados e selecionados, são submetidos a um processo de britagem com o objetivo de reduzir a dimensão do material. Esta redução de dimensão é conseguida com recurso a uma britadora. Este tipo de equipamento permite regulação consoante o tipo de material a ser britado, e o tipo de material que o operador pretende à saída. Deve existir ainda à saída da britadeira, um separador magnético para retirar eventuais restos de metal que acompanharam todo o processo. O material é passado por um sistema de crivos previamente 20

39 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO selecionados para fracionar os agregados nas dimensões pretendidas (Pereira et al, 2006). Na Figura 2.9 apresenta-se o funcionamento geral de uma central de produção de agregados reciclados. Figura 2.9 Fluxograma representativo do funcionamento interno de uma central de reciclagem (Pereira, et al, 2006) As centrais de reciclagem de agregados podem ser fixas ou móveis. Segundo Ferreira (Ferreira, 2009) as centrais fixas possibilitam maior diversificação do material a reciclar e apresentam melhores níveis de qualidade para maiores quantidade de material processado. No entanto, o investimento inicial é alto e existe necessidade de transporte dos resíduos para a central de reciclagem. As centrais móveis, com componentes semelhantes aos da Figura 2.10, apresentam geralmente menores níveis de qualidade na separação e britagem de material em relação às centrais fixas. Em contrapartida o investimento é menor, a instalação é mais rápida e existe uma redução nos custos de transporte, uma vez que a central pode ser deslocada com maior facilidade. Gil Filipe Leonor Fernandes 21

40 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte a) Britadora móvel b) Crivo móvel Figura 2.10 Central de reciclagem móvel (CCDR, 2007) 2.8 Características Gerais dos Agregados Os produtos finais do processamento dos RCD que não provêm de camadas betuminosas de pavimentos são geralmente utilizados como agregados reciclados. As aplicações dadas aos agregados reciclados podem ser várias, dependendo do tipo de obra, mas para todas elas existem requisitos mínimos que devem ser cumpridos para obter o bom desempenho deste tipo de material. O objetivo deste trabalho incide na utilização de RCD em pavimentos rodoviários, pelo que a apresentação das características gerais dos agregados será feito nessa ótica. Quando se utiliza um material granular na construção de pavimentos rodoviários, nomeadamente no fabrico de misturas betuminosas, é indispensável a determinação de certas características fundamentais, esquematicamente representadas na Figura 2.11, tais como a resistência, a forma das partículas, a limpeza, a adesividade ao ligante, entre outras (Branco et al, 2006). GRANULOMETRIA Análise Granulométrica RESISTÊNCIA Desgaste de Los Angeles FORMA Índices de Forma e de Achatamento LIMPEZA Equivalente de areia e azul de metileno Figura 2.11 Características gerais a exigir aos agregados (Branco et al, 2006) 22

41 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO No processo da determinação das características físicas, geométricas e mecânicas dos agregados é necessário recorrer a ensaios que, de forma mais ou menos expedita, forneçam dados relevantes para que possam atingir-se os objetivos sintetizados no Quadro Quadro 2.10 Propriedades dos agregados, ensaios e objetivos (adaptado de Ferreira, 2009) Propriedade Ensaio Objetivo Granulometria Forma das partículas Plasticidade dos finos Resistência Mecânica ao Choque Ensaio de Peneiração Ensaio de Sedimentação Índice de Forma Índice de Achatamento Ensaio de Limites de Consistência Ensaio de Adsorção de Azul-demetileno Ensaio de desgaste de Los Angeles Obter compacidade elevada Obter atrito interno elevado, trabalhabilidade e boa resistência mecânica Obter atrito interno elevado e boa resistência mecânica Partículas resistentes Durabilidade Dureza Limpeza do Material Ensaio de Sulfato de Sódio Ensaio de Sulfato de Magnésio Ensaio de desgaste de Los Angeles Ensaio de Esmagamento Ensaio de Micro-Deval Ensaio de Equivalente de Areia Ensaio do Azul-de-metileno Partículas não alteráveis Partículas resistentes Material não contaminado por finos nocivos Os ensaios fornecem resultados que permitem avaliar as propriedades dos agregados de modo a caracterizar o seu comportamento durante o processo de fabrico e compactação de misturas betuminosas. Para determinar cada propriedade dos agregados podem utilizar-se vários métodos de ensaio, os quais fornecem resultados em geral semelhantes. Os ensaios tradicionalmente usados para a caracterização dos agregados são os seguintes: Análise granulométrica (EN 933-1); Determinação da resistência ao esmagamento (NP EN 933-5); Determinação da resistência ao choque e abrasão na máquina de Los Angeles (NP EN ); Gil Filipe Leonor Fernandes 23

42 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Determinação do índice de forma e achatamento (NP EN 933-4; NP EN 933-3); Determinação do coeficiente de polimento acelerado usando o pêndulo britânico (NP EN ); Determinação da absorção de água (NP EN ); Determinação do equivalente de areia (NP EN 933-8); Determinação do valor de azul-de-metileno (NP EN 933-9); Determinação da massa volúmica das partículas (NP EN ); Determinação da baridade (NP EN ). No Quadro 2.11 são apresentadas as principais propriedades dos agregados e respetivos ensaios considerados no CEEP Caderno de Encargos Tipo de Obra da Estradas de Portugal (EP, 2011). Quadro 2.11 Principais propriedades dos agregados das misturas betuminosas consideradas no CEEP e respetivas normas de ensaio (adaptado de Baptista, 2006) Propriedade Norma/Especificação de ensaio Granulometria NP EN Perda por desgaste na máquina de Los Angeles NP EN Índices de forma e achatamento NP EN 933-4; NP EN Equivalente de areia da mistura de agregados (sem filer) Valor do azul-de-metileno (material inferior a 63 m) NP EN NP EN Absorção de água NP EN Coeficiente de polimento acelerado NP EN Granulometria A granulometria dos agregados, estudada no processo de formulação de misturas betuminosas, é uma das principais características responsáveis pelo comportamento dos pavimentos rodoviários. O estudo da granulometria dos agregados permite a obtenção de um esqueleto que distribui convenientemente as cargas em profundidade, conseguindo-se essa característica através de um bom imbricamento dos grãos (Branco et al, 2006). A determinação da granulometria dos agregados é realizada através da peneiração dos mesmos como mostra a Figura 2.12, e da pesagem da fração retida em cada peneiro. A granulometria pode ser imposta entre determinados limites (fuso granulométrico), para cada mistura betuminosa (Silva, 2005). 24

43 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO A massa de agregados retida em cada peneiro é expressa em percentagem da massa total da amostra. A percentagem de material que passa em cada peneiro quando relacionada com o logaritmo da abertura do peneiro, origina a curva granulométrica que dá uma ideia clara da distribuição das partículas por tamanho. A curva granulométrica é um elemento importante por permitir uma apreciação da falta de partículas de determinada dimensão de material, permitindo assim corrigir este aspeto se for considerado determinante (Branco et al, 2006). A granulometria dos agregados reciclados depende do processo de trituração. Gonçalves et al. (2003) citados por Gonçalves (2007) afirmam que as melhores granulometrias e forma são obtidas quando o processo de britagem consiste na utilização inicial de uma britadora de maxilas, seguida de uma britadora rotativa. O controlo da granulometria em agregados reciclados de alvenaria é por vezes difícil, uma vez que estes contêm grandes quantidades de finos. Pestana (2008) utilizou para estudo uma amostra de betão britado previamente esquartelada. Lavou o material para remover os finos, com auxílio do peneiro de 63 µm e do peneiro de proteção, tal como é habitual. O material da amostra foi de seguida peneirado, resultando na curva granulométrica que se apresenta na Figura Figura 2.12 Determinação da granulometria dos agregados (Silva, 2005) Gil Filipe Leonor Fernandes 25

44 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte , ,063 0,125 0,25 0, , Percentagem cumulativa do material passado [%] 12, , Dimensão da abertura dos peneiros [mm] Figura 2.13 Curva granulométrica de betão britado (Pestana, 2008) A curva obtida revela que o agregado reciclado obtido é bem graduado, com dimensão máxima das partículas de 31,5 mm, medida do peneiro no qual passa 98% do material, e dimensão mínima de 0,25 mm, medida do peneiro no qual passa apenas 5 % do material Resistência ao esmagamento No que diz respeito à resistência ao esmagamento, o comportamento dos agregados pode ser observado medindo a quantidade de matéria friável, ou seja, que se desagrega e fragmenta. O ensaio para determinar a resistência ao esmagamento é muitas vezes dispensado como refere Pestana (2008), principalmente no que respeita aos RCD britados, pois registam-se, inevitavelmente, percentagens muito elevadas de partículas totalmente esmagadas ou partidas. Ainda assim, Figueiredo (2005) citado por Pestana (2008), concluiu, da sua análise de agregados naturais e agregados reciclados, que o valor de esmagamento obtido para os agregados reciclados foi de 21,64%, o qual era ligeiramente inferior a 23,81%, obtido para os agregados naturais que estudou Resistência à fragmentação (Los Angeles) A resistência à fragmentação é medida com o ensaio de Los Angeles. Como referem Gonçalves (2007) e Vázquez et al. (2006), os agregados reciclados de betão podem originar valores de coeficiente de Los Angeles entre 25 e 42%, dependendo de fatores como o tamanho das partículas. De facto, este parâmetro aumenta com o tamanho dos agregados, varia com a qualidade do betão original, aumentando com a redução da relação Água/Cimento, e é muito influenciado pelo próprio coeficiente de Los Angeles dos agregados naturais utilizados no 26

45 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO fabrico do betão. Pestana (2008) obteve 44% como valor do coeficiente de Los Angeles no estudo de betão britado. No Quadro 2.12 apresentam-se os valores obtidos no estudo de Ferreira (2009) sobre RCD de cubos de betão britado e RCD de betão de obras de demolição. Quadro 2.12 Valores obtidos para o ensaio de Los Angeles (adaptado de Ferreira, 2009) Fragmentação de Los Angeles [%] RCD Cubos de Betão RCD Betão de Demolição NP EN LNEC E 237 (Gran. B) 45,9 47,6 Os valores obtidos são elevados. Contudo, observa-se que são da mesma ordem de grandeza nos dois materiais estudados. Ferreira (2009) refere que a amostra de RCD-CB foi obtida por britagem laboratorial de cubos de betão, tendo por isso obtido partículas com forma mais alongada, o que poderá afetar a fragmentação das partículas quando sujeitas a ação abrasiva das esferas de aço durante o ensaio Desgaste de micro-deval O ensaio micro-deval consiste na medição do desgaste produzido pela fricção entre os agregados e uma carga abrasiva num tambor rotativo em meio húmido. O coeficiente micro- Deval corresponde à percentagem da amostra inicial reduzida a uma dimensão inferior a 1,6 mm depois da conclusão do ensaio. Pestana (2008) obteve no seu estudo 48% para o valor médio do coeficiente de micro-deval. Já Ferreira (2009) conseguiu valores inferiores, de 40 e 37% para o material britado de cubos de betão e para o betão de demolição, respetivamente Desgaste superficial Frequentemente os cadernos de encargos exigem a realização de outro ensaio (Branco et al. 2006) para avaliar o desgaste ou polimento superficial do agregado (perda de rugosidade superficial), produzidos pela ação dos pneus dos veículos. Aqueles indicadores são obtidos geralmente através do ensaio de polimento acelerado, particularmente quando os agregados se destinam à realização de camadas de desgaste. Com o pêndulo britânico (Figura 2.14) medese a alteração do valor de atrito que pode ser mobilizado no contacto entre o patim de borracha do pêndulo e a superfície de provetes de agregados grossos, antes, durante e depois do ensaio de polimento acelerado, o que permite determinar a perda de rugosidade superficial dos agregados, avaliada através do coeficiente de polimento acelerado (CPA) (Silva, 2005). Gil Filipe Leonor Fernandes 27

46 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura 2.14 Pêndulo Britânico usado para medir a resistência ao polimento (Morgado, 2008) Forma e textura Também a forma e a textura dos agregados devem ser analisadas, dado que estas propriedades influenciam o comportamento do pavimento rodoviário, em particular, a utilização de agregados rolados, provenientes por exemplo de rios. Este tipo de materiais deve ser evitado em misturas betuminosas, por terem uma textura muito lisa e uma forma muito arredondada, o que reduz a adesividade do ligante, o atrito superficial e a resistência às deformações permanentes. Assim, a forma das partículas de agregados deverá ser aproximadamente cúbica, não sendo aconselhável a utilização de partículas lamelares ou alongadas (Branco et al. 2006). Os agregados devem ser de preferência britados e com superfície rugosa. A forma dos agregados é caracterizada pelos índices de forma: os índices de forma e achatamento. Deste modo, para uma determinada fração granulométrica (d/d) deve determinar-se a percentagem de partículas cúbicas e não cúbicas bem como a percentagem de partículas achatadas existentes nos agregados, uma vez que o excesso destas partículas diminui a estabilidade da mistura betuminosa ou contribui para a utilização de um excesso de ligante (Silva, 2005). Nos agregados de betão reciclado, a presença de pasta de cimento endurecida aderente aos agregados naturais do betão origina uma textura mais rugosa e porosa dos agregados reciclados. A qualidade do betão a reciclar tem influência na forma dos agregados reciclados. À medida que aquela parcela aumenta, os agregados reciclados tendem a ficar mais angulosos, fruto da maior resistência da pasta aderida aos agregados naturais. Através de trabalhos de vários autores, concluiu-se que o índice de forma, segundo a NP EN 933-4, diminui com a redução da dimensão dos agregados, tanto naturais como reciclados, e que o mesmo índice tende a aumentar quando se utilizam agregados reciclados em vez de naturais com uma granulometria semelhante, devido à maior angulosidade dos reciclados (Gonçalves, 2007). 28

47 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Pestana (2008) faz referência a um estudo do LNEC em que os RCD de betão, depois de britados, apresentaram um índice de achatamento de 5% e um índice de forma de 12%. Ferreira (2007) refere que o índice de achatamento dos agregados reciclados de betão depende do processo de britagem, da qualidade do betão a reciclar e da forma dos agregados naturais do betão, como aliás já havia sido mencionado anteriormente. Indica também valores para o índice de achatamento entre 7 e 25% para os agregados naturais, e entre 4,6 e 22,1% para agregados reciclados de betão. Quando o betão a reciclar é de muito fraca qualidade, durante o processo de britagem ocorre uma perda elevada da pasta ligante que envolve os agregados naturais, sendo a forma dos agregados reciclados mais dependente da dos agregados naturais de origem. Leite (2007) apresenta um estudo efetuado a agregados reciclados provenientes de RCD da cidade de Santo André (São Paulo Brasil), constituídos por materiais cimentícios (55,3%), britas (11,8%), telhas e tijolos (15,9%), e azulejos e mosaicos (13,5%). No Quadro 2.13 apresentam-se as formas e as respetivas percentagens observadas na amostra analisada. Quadro 2.13 Forma dos grãos e respetivas percentagens para o agregado reciclado de Santo André estudado em laboratório (Leite, 2007) Classificação da forma Presença [%] Cúbica 55,7 Alongada 5,5 Alongada-lamelar 0 Lamelar 38,8 É notória a predominância de agregados reciclados com forma cúbica, que é o que se pretende. No entanto, a percentagem de material lamelar é de igual forma elevada, baixando assim a aptidão do uso em camadas de pavimentos do conjunto dos agregados reciclados estudados. Quanto à análise da forma de acordo com a natureza dos materiais, o Quadro 2.14 apresenta os resultados obtidos. Quadro 2.14 Forma dos grãos de acordo com a sua natureza para o agregado reciclado de Santo André estudado em laboratório (Leite, 2007) Natureza do material Cúbica [%] Alongada [%] Lamelar [%] Cimentícia 63,4 18,2 15,4 Rochosa 20,5 9,1 5,1 Telhas/Tijolos 15,2 54,5 29,5 Pisos/Azulejos 0,9 18,2 50,0 Gil Filipe Leonor Fernandes 29

48 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte De facto, pode concluir-se que os agregados reciclados de natureza cimentícia ou rochosa são responsáveis pela grande parte de material com forma aproximadamente cúbica. Já a forma lamelar é predominante nas partículas de material cerâmico, como telhas, tijolos e azulejos. A fração alongada predomina também nos materiais de natureza cerâmica. Tendo em consideração os aspetos analisados, pode afirmar-se que os agregados reciclados provenientes de resíduos de natureza cimentícia e rochosa são os que mais se adequam para utilização na construção rodoviária, uma vez que a sua forma cúbica é predominante Absorção de água O ensaio de absorção de água mede a quantidade de água absorvida pelos agregados, o que pode ser tomado como indicador da porosidade dos agregados e constitui uma medida da quantidade de betume que estes podem absorver como se pode perceber na Figura Tal facto torna-se importante quando a porosidade do agregado é elevada, tendo por isso de se adicionar uma quantidade extra de betume, para que a mistura betuminosa não fique pouco trabalhável ou com problemas de coesão (Silva, 2005). A absorção de água é uma das características dos agregados que mais diferencia os reciclados dos naturais. Esta diferença é justificada pela presença de elementos porosos como argamassas, alvenarias, entre outros. A absorção de água é tanto maior quanto mais porosos forem os componentes do RCD. Por isso, os agregados de alvenaria apresentam normalmente valores mais elevados de absorção de água do que os obtidos a partir da britagem de betão. Gonçalves (2007) refere que Solyman (2005), na sua campanha experimental, obteve valores de absorção de água para agregados finos reciclados de betão entre 3,8 e 11,5%, enquanto para a areia natural este valor se situou nos 0,4%. Estes resultados mostram a desmedida diferença que pode existir na absorção de água entre agregados naturais e agregados reciclados. Torna-se, por isso, muito importante o estudo da absorção de água de qualquer agregado reciclado proveniente de RCD britado. Figura 2.15 Porosidade dos agregados permeabilidade à água e ao betume (Silva, 2005) 30

49 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO No Quadro 2.15 apresentam-se valores de absorção de água determinados por Leite (2007) em agregados reciclados de RCD de Santo André, tendo analisado separadamente a absorção de água em cada material constituinte. Quadro 2.15 Absorção de água dos agregados reciclados retidos no peneiro 4,8 mm de acordo com a natureza dos seus constituintes (Leite, 2007) Natureza do material Concentração [%] Absorção de água [%] Cimentícios 55,3 11,5 Britas 11,8 3,8 Telhas/Tijolos 15,9 20,7 Pisos/Azulejos 13,5 11,1 Resíduos indesejáveis 3,5 18,4 Os materiais cerâmicos, como telhas e tijolos, apresentam uma absorção de água muito elevada quando comparados com britas e até agregados reciclados de natureza cimentícia. Tal facto, evidencia claramente que quanto mais material cerâmico estiver presente na mistura de agregados reciclados, mais poroso será o conjunto. Leite (2007) verificou através de uma média ponderada utilizando as concentrações de cada material constituinte no conjunto de agregados reciclados, que a absorção de água na fração grossa dos agregados reciclados de Santo André é de 12,2%. Comparou este resultado com outros valores de absorção de água encontrados na bibliografia para agregados reciclados de diferentes composições, apresentando-se o resumo no Quadro Quadro 2.16 Absorção de água para a fração de agregados reciclados (Leite, 2007) Composição do agregado reciclado Proveniência Absorção de água [%] Autor Misto Santo André/SP 12,2 Leite (2007) Misto Salvador/BA 8,2 Carneiro et al. (2001) Misto Maceió/AL 6,0 Vieira et al. (2004) Misto São Paulo/SP 7,8 Motta (2005) Cerâmico Cimentícia Hong Kong China Florida USA 19,0 Poon et al. (2006) 4,4 Chini et al. (2001) Gil Filipe Leonor Fernandes 31

50 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte De referir que no estudo feito pelos autores Chini et al. (2001), o agregado utilizado de natureza cimentícia não contava com a presença de argamassas, sendo portanto, apenas betão britado. O facto de se observar uma maior absorção de água nos agregados reciclados de alvenaria quando comparados com os agregados reciclados de betão deveu-se à maior porosidade dos RCD de natureza predominantemente cerâmica. Gonçalves (2007) apresenta uma correlação estabelecida por Angulo et al. (2004) entre a absorção de água e a massa volúmica de vários agregados reciclados, como se mostra na Figura Figura 2.16 Correlação entre a massa volúmica e a absorção de água (Gonçalves, 2007) Brito (2005), citado por Gonçalves (2007), concluiu que a absorção de água aumenta com a diminuição do tamanho das partículas, devido ao aumento da superfície específica, sendo esta tendência comum aos agregados reciclados e naturais. Concluiu ainda que a relação A/C de betões para britar tem uma influência desprezável no valor de absorção de água nos agregados reciclados. Apresenta-se um conjunto de resultados de absorção de água no Quadro 2.17, os quais foram obtidos em vários tipos de agregados, confirmando a tendência referida. Assim, as diferenças na absorção de água entre os agregados reciclados e naturais são potenciadas por três fatores (Gonçalves, 2007): Tamanho do agregado: a capacidade de absorção do agregado aumenta à medida que a dimensão das partículas diminui; Quantidade de pasta aderida: a capacidade de absorção dos agregados reciclados depende da quantidade e qualidade da pasta ligante aderida; Massa volúmica: existe uma clara dependência entre a massa volúmica e a capacidade de absorção de água, provocada em grande parte pela existência de pasta aderida. Desta forma, agregados reciclados com grande quantidade de pasta aderida terão uma baixa massa volúmica e uma elevada absorção de água. 32

51 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO Quadro 2.17 Absorção de água dos agregados reciclados segundo trabalhos de vários investigadores (Gonçalves, 2007) Investigador De Pauw et al. (1998) Hansen et al. (1983) Hansen et al. (1983) Santos et al. (2002) Santos et al. (2004) Matias et al. (2005) Pereira (2002) Evangelista (2007) Tipo de agregado Origem Tamanho dos agregados [mm] Absorção de água [%] AGP 2-7 0,74 Naturais AGP ,19 AGR Betão - 7,07 AGR - 10,29 Cerâmicos AGR - 9,87 AGP AGR a/c = 0,4 AGR a/c = 0,7 AGR a/c = 1,2 Naturais Betão Betão Betão 4-8 3, , , , , , , , , ,7 AFR Betão <5 9,8 AGP Naturais - 1,14 AGR - 4,9 Betão AGR - 5,5 AGP Brita 1 1 Naturais AGP Brita 2 0,5 AGR Brita 1 7 Betão AGR Brita 2 5,5 AGR Naturais - 0,79 AGR Betão - 4,12 AGR cerâmicos Cerâmicos 2,28-9,52 12 a AFR Naturais - 0,8 AFR Betão - 13,1 Notas: AGP agregados grossos primários; AGR agregados grossos reciclados; AFP agregados finos primários; AFR agregados finos reciclados; a processo de britagem além de uma britadora de maxilas, que implicou o recurso a uma máquina do ensaio de Los Angeles. Gil Filipe Leonor Fernandes 33

52 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Limpeza dos agregados Os agregados devem apresentar-se limpos, não possuindo impurezas como argila e matéria orgânica. Estas substâncias podem reduzir o atrito entre os grãos, havendo a possibilidade de ocorrerem variações volumétricas com a água, ou de haver uma maior dificuldade no envolvimento dos agregados pelos ligantes em camadas ligadas. Para medir o grau de limpeza dos agregados, podem ser realizados os ensaios do equivalente de areia, para determinar a quantidade de material muito fino, ou o ensaio de determinação do valor de azul-de-metileno (MB) para determinar uma medida da quantidade de material argiloso presente nos agregados (Branco et al., 2006). Quando a percentagem de material fino e argila presente nos agregados ultrapassar os valores especificados, estes devem ser rejeitados. Um dos maiores problemas que os agregados reciclados apresentam é a possibilidade de existência de impurezas e contaminantes que influenciam negativamente as propriedades do conjunto de agregados. Gonçalves (2007) refere que o teor de impurezas aumenta com a diminuição da granulometria das partículas, sendo portanto esta uma das razões pela qual é geralmente vista com desconfiança a utilização da fração fina, sendo geralmente imposto um limite máximo da percentagem de finos com dimensões inferiores a 75µm nos agregados reciclados. Pestana (2008) obteve, para agregados reciclados de RCD (betão triturado em laboratório), os resultados do ensaio de equivalente de areia que se apresentam no Quadro O valor final considerado é a média dos valores de equivalente de areia de dois provetes. Quadro 2.18 Resultados do ensaio de equivalente de areia (Pestana, 2008) Provete 1 Provete 2 h1 [mm] 141,0 143,0 h2 [mm] 117,5 117,1 Equivalente de areia EA [%] 83,3 81,9 Diferença entre os dois provetes elementares 1 Média do EA [%] 83 No trabalho de Ferreira (2009) é comparado o valor de equivalente de areia em dois tipos de materiais de RCD. O primeiro tipo de agregado é proveniente da britagem de cubos de betão (RCD-CB), e o segundo é resultante da britagem em obra dos materiais de demolição de um edifício (RCD-BDem). No Quadro 2.19 estão apresentados os valores obtidos para o equivalente de areia para os dois materiais. Pelos valores apresentados no Quadro 2.19, referentes ao ensaio de determinação de equivalente de areia, observa-se que os agregados RCD-BDem apresentam valores inferiores aos especificados no CEEP para camadas de base e sub-base de pavimentos rodoviários. Por 34

53 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO outro lado, os agregados RCD-CB, apresentam valores largamente superiores aos especificados, evidenciando a ausência de partículas de natureza argilosa. Quadro 2.19 Valores obtidos para o Equivalente de Areia (adaptado de Ferreira, 2009) Equivalente de areia [%] RCD-CB RCD-BDem CEEP (2011) NP EN LNEC E No trabalho de investigação em curso no LNEC (LNEC, 2012), os resultados obtidos ficam aquém dos requisitos expostos no CEEP, sendo que os valores de EA obtidos para os resíduos de betão britado e resíduos de betão britado com alvenaria não ultrapassaram os 30%. Já para os resíduos provenientes de misturas betuminosas obtiveram como valor de EA, 41 e 73%, respetivamente para resíduos de misturas britadas e resíduos de misturas fresadas. Em geral, os materiais não plásticos apresentam EA > 30 e os materiais plásticos EA < 20, devendo neste caso ser realizados ensaios específicos, como a determinação dos limites de Atterberg ou a determinação do valor de azul-de-metileno. Este ensaio, por dar origem a resultados por vezes pouco fiáveis, nos cadernos de encargos das administrações rodoviárias, tem sido progressivamente substituído pelo que permite obter o MB (Branco et al., 2006). Tal como o equivalente de areia, o valor de azul-de-metileno é uma medida da limpeza dos agregados. O MB é o valor de azul-de-metileno adsorvido por uma determinada quantidade de material, avaliando de forma eficaz a maior ou menor sensibilidade à água, ou seja, no caso de agregados, o maior ou menor grau de limpeza, ou de existência de materiais sensíveis à água no seio do agregado. Apresenta-se no Quadro 2.20 a classificação de solos, proposta pelo Laboratoire Central des Ponts et Chaussées, com base no VAS valor de azul-demetileno adsorvido (AFNOR, 1990). Pestana (2008) no ensaio de determinação do valor de azul-de-metileno pela norma NP EN 933-9, obteve o resultado de 0,7 g/kg. Este valor não é diretamente comparável com os que constam do Quadro 2.20, porquanto a granulometria testada não é a mesma. Contudo, pode afirmar-se que agregados reciclados provenientes de RCD de betão britado têm um valor de adsorção de azul-de-metileno muito baixo, sendo praticamente insensíveis à água. Também no trabalho de investigação do LNEC (LNEC, 2012), em complemento aos ensaios de equivalente de areia realizados, foram realizados ensaios para determinação de MB. Para resíduos de betão britado e para resíduos de betão britado com alvenaria, foram obtidos, respetivamente, os valores de 3,7g/kg e 5,8g/kg. No caso de resíduos provenientes de misturas betuminosas foram obtidos os valores de 4,3g/kg e de 1,2g/kg, respetivamente, para misturas betuminosas britadas e misturas betuminosas fresadas. Gil Filipe Leonor Fernandes 35

54 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro 2.20 Significado de VAS para os solos (Branco et al., 2006) VAS [g/100g de solo] VAS 0,1 Descrição Solos insensíveis à água 0,1 < VAS 0,2 Solos muito pouco sensíveis à água 0,2 < VAS 1,5 Solos com sensibilidade à água VAS = 1,5 VAS = 2,5 VAS = 6,0 VAS = 8,0 Valor que distingue os solos areno-siltosos dos areno-argilosos Valor que distingue os solos siltosos pouco plásticos dos mediamente plásticos Valor que distingue os solos siltosos dos argilosos Valor que distingue os solos argilosos dos solos muito argilosos Os valores obtidos e constantes no trabalho do LNEC mostram que os materiais são passíveis de aplicação em camadas de pavimento. Por exemplo, o CEEP estabelece, para agregados a utilizar em misturas betuminosas, com 3 a 10% de partículas de dimensão inferior a 63 m, a categoria mínima de MB F 10, a qual é cumprida pelos RCD avaliados. Aliás, para o betão britado e para as misturas betuminosas fresadas seria até dispensável, à luz do CEEP, avaliar o MB, uma vez que a percentagem de material inferior a 63 m era inferior a 3%. É, portanto, de grande importância uma seletividade dos materiais a reciclar de forma para que a qualidade final não seja comprometida Massa volúmica A massa volúmica dos agregados é das propriedades dos agregados reciclados uma das que melhor representa a qualidade dos mesmos. Pode medir-se a baridade, a massa volúmica seca e a massa volúmica saturada com superfície seca, sendo equivalente a tendência seguida por todas elas (Gonçalves, 2007). A baridade dos agregados não deve ser muito baixa, uma vez que resulta numa resistência reduzida das misturas betuminosas e na menor capacidade estrutural das camadas granulares (Silva, 2005). Os agregados reciclados de betão apresentam massa volúmica maior que os de alvenaria. Também a fração grossa de agregados reciclados apresenta uma menor diferença em relação aos seus homólogos naturais do que a fração fina, devido ao menor teor de pasta ligante aderida. Os agregados reciclados com grande quantidade de pasta ligante aderida tendem a ter uma massa volúmica inferior, e os agregados reciclados de betão de baixa resistência apresentam uma massa volúmica superior, uma vez que têm menos pasta ligante aderida comparativamente aos betões de elevada resistência. Gonçalves (2007) expõe no seu trabalho 36

55 RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO resultados obtidos por vários investigadores, para diferentes tipos de agregados, os quais se apresentam sintetizados no Quadro Quadro 2.21 Baridade, massa volúmica seca dos agregados (ρs) e massa volúmica dos agregados saturados com superfície seca (ρsss) (Gonçalves, 2007) Investigador Santos et al. (2002) Santos et al. (2004) Matias et al. (2005) Gonçalves (2001) Tipo de agregado Baridade [kg/m 3 ] ρ s [kg/m 3 ] ρ sss [kg/m 3 ] Grossos de betão Grossos de betão Grossos de betão Grossos de betão Grossos de betão Grossos de betão Pereira (2002) Grossos de cerâmicos Evangelista (2007) Grossos de betão Considerações Finais O crescimento do setor da construção civil fez-se notar nos últimos anos não só em Portugal como em toda a Europa, pelo grande volume de obras erguidas e pelos resíduos que delas advêm, mas também pelo descontrolado consumo de recursos naturais, extraídos recorrendo a energias poluentes. O uso destes recursos é muitas vezes inadequado e exagerado, dando origem a mais resíduos que, de forma habitual, são depositados em qualquer lugar que se encontre nas proximidades. Portugal e Espanha aparecem como os países da Europa com menor sensibilidade para o assunto, o que se repercute na fraca taxa de reutilização e reciclagem de RCD. O cuidado a ter nas obras de construção e no uso de recursos naturais pode vir a criar uma redução significativa na geração de RCD, embora grande parte destes surja nas obras de reabilitação e demolição. As obras que implicam reabilitações e demolições vão ser cada vez mais frequentes no nosso país, uma vez que grande parte do edificado se encontra em mau estado, principalmente edifícios e pavimentos rodoviários. Além disso, grande parte dos pavimentos construídos necessitam de ações de conservação continuadas que permitam cumprir com os padrões de qualidade, conforto e segurança. Gil Filipe Leonor Fernandes 37

56 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Desta forma, o estudo de aplicações práticas de RCD aumenta de importância, bem como a criação de documentos que orientem as empresas de construção na adoção de novas práticas ambientalmente mais adequadas. A par da aplicação de políticas que promovam a construção sustentável é também necessário que seja disseminado o conhecimento das vantagens e desvantagens das técnicas que promovem a sustentabilidade, tanto ao nível das construtoras como das administrações rodoviárias. As obras rodoviárias contribuem em grande parte para a forte exploração de pedreiras e criação de resíduos, por serem grandes consumidoras de agregados. Este avultado consumo de recursos naturais contribui para maiores preocupações com a sustentabilidade. Ao invés, a integração de subprodutos no processo produtivo dos materiais de pavimentação, como são os RCD, é uma prática ambientalmente correta, podendo ser incrementada se forem conhecidas as fontes de RCD, as quantidades produzidas, as propriedades e as situações típicas de utilização. Este cenário contribuirá para que possam ser valorizados materiais constituintes aparentemente menos adequados, mas que, mesmo assim, lhes permitam ser utilizados na construção e reabilitação de pavimentos rodoviários, garantindo um adequado desempenho. 38

57 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS 3 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS 3.1 Generalidades Cerca de 90% das estradas europeias têm pavimentos que incorporam misturas betuminosas (Mália, 2010). A construção e manutenção dessas estradas consomem grandes quantidades de agregados que geralmente representam mais de 90% do peso das misturas betuminosas (Huang et al., 2007). O uso de agregados reciclados, ao invés do uso de agregados novos, reduz as problemáticas do excesso de extração de recursos naturais e as grandes quantidades de resíduos a levar para aterro. No entanto, as preocupações existentes com o desempenho de agregados reciclados aplicados em pavimentos rodoviários e os custos inerentes ao fabrico daqueles, quando comparados com o custo de produção de agregados novos, têm dificultado o seu uso generalizado. De facto, o material proveniente dos RCD, embora com partículas das várias frações (fina, média e grossa) e com diferentes propriedades, restringe-se a agregados reciclados. Contudo, são vários os materiais que se podem reciclar em pavimentação rodoviária. Das camadas betuminosas degradadas não são só os agregados que são passíveis de reutilização, mas também o betume que os envolve. Os pavimentos rodoviários são considerados como um sistema multiestratificado, formado por várias camadas de espessura finita, apoiadas na fundação (Branco et al, 2006). Cada camada desempenha uma ou várias funções no conjunto do pavimento rodoviário e é também constituída com materiais de características diferentes. Assim, interessa saber quais as camadas que podem incorporar materiais reciclados, para que possam otimizar-se as escolhas dos constituintes consoante as necessidades da camada a construir. É por isso objeto de estudo deste capítulo o desempenho de materiais reciclados passíveis de ser aplicados em várias camadas de pavimentos rodoviários. 3.2 Síntese Sobre Pavimentos Rodoviários Tipos de pavimentos rodoviários Designa-se por pavimento rodoviário a estrutura constituída sobre o terrapleno previamente trabalhado, o qual suporta e redistribui as cargas provenientes do tráfego. Pretende-se com a construção de um pavimento rodoviário, a criação de uma superfície desempenada e com Gil Filipe Leonor Fernandes 39

58 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte inclinações reduzidas que proporcione condições satisfatórias de conforto, economia e segurança. Como requisitos principais, os pavimentos rodoviários devem assegurar condições de condução segura e confortável aos condutores (funções funcionais), resistir aos esforços induzidos pelo tráfego e às ações climáticas (funções estruturais), ao longo do período de vida útil. Consoante a deformabilidade das camadas constituintes, e tendo em conta as propriedades dos diferentes materiais utilizados (Quadro 3.1), os pavimentos podem classificar-se em três tipologias diferentes: flexíveis, rígidos e semirrígidos (Branco et al., 2006) Quadro 3.1 Tipos de pavimentos em função dos materiais e da deformabilidade (adaptado de Branco et al., 2006) Tipo de Pavimento Materiais Deformabilidade Flexível Ligantes hidrocarbonados (e eventualmente hidráulicos) e materiais granulares Elevada Rígido Ligantes hidráulicos e materiais granulares Muito reduzida Semirrígido Ligantes hidrocarbonados, hidráulicos e materiais granulares Reduzida Nos pavimentos flexíveis (Figura 3.1) as camadas superiores são formadas por misturas betuminosas, ou seja, por materiais estabilizados geralmente com betume asfáltico, enquanto as camadas inferiores são formadas por materiais granulares ou, eventualmente, camadas de solo estabilizadas com cimento. Assim, quando o tráfego é pouco agressivo e se dispõe de materiais granulares de boa qualidade a custo favorável pode ser opção a construção de pavimentos flexíveis com forte componente granular. Por outro lado, com tráfego intenso, numa região com reduzidos recursos de materiais granulares de qualidade será necessário considerar um pavimento com várias camadas betuminosas de espessura considerável. As várias camadas betuminosas devem ser coladas com ligantes betuminosos para que funcionem como uma camada única (Branco et al., 2006). Os pavimentos flexíveis caracterizam-se por terem deflexões elevadas em áreas restritas como se mostra na Figura 3.2, fazendo intervir intensamente as camadas superficiais da fundação, o que obriga a cuidados especiais ao nível do leito do pavimento. A utilização de materiais muito deformáveis obriga a espessuras bastante grandes quando as cargas aplicadas são elevadas, ou quando a fundação é de má qualidade, para que esta não seja solicitada acima da sua resistência e entre em rotura (Pinto, 2003). A camada de base é mais importante ao nível estrutural, pois recebe os esforços induzidos pelo tráfego que circula sobre a camada de desgaste, distribuindo as tensões para a camada de sub-base (Reis, 2009). 40

59 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Figura 3.1 Estrutura de um pavimento flexível Figura 3.2 Configuração da distribuição de tensões verticais no solo de fundação de um pavimento flexível e de um pavimento rígido (adaptado de Pinto, 2003) Em pavimentos rígidos (Figura 3.3) as camadas de desgaste e de base são substituídas por uma laje de betão hidráulico com grande resistência à flexão, compactado por vibração, a qual é apoiada numa camada de sub-base constituída por material granular que poderá ser estabilizado com ligante hidráulico, dando origem a betão pobre ou solo-cimento. A camada de sub-base tem como função distribuir a carga sobre o solo e regularizar a superfície da plataforma (Pinto, 2003). Gil Filipe Leonor Fernandes 41

60 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura 3.3 Estrutura de um pavimento rígido Os pavimentos rígidos não necessitam de muitas intervenções de conservação. O reforço deste tipo de pavimentos é muitas vezes realizado com camadas de misturas betuminosas tradicionais, resultando assim outro tipo de pavimento designado por pavimento misto (Branco et al., 2006). Os pavimentos rígidos podem agrupar-se em cinco categorias diferentes que se distinguem pelo modo como é controlado o fendilhamento por retração (Branco et al., 2006): Pavimento de betão não armado, com juntas transversais e longitudinais, dotadas ou não de barras de transferência de carga (passadores); Pavimentos de betão armado, com juntas, com ou sem passadores; Pavimentos de betão armado contínuo (BAC); Pavimentos de betão pré esforçado; Pavimentos formados por elementos prefabricados. Nas lajes de betão, dada a sua rigidez, as cargas são distribuídas de modo a que as pressões no solo sejam pequenas, embora atuando numa extensão considerável (Figura 3.2). Assim, os pavimentos rígidos são caracterizados por deflexões reduzidas em grandes áreas. Este tipo de pavimentos resiste essencialmente à flexão, pelo que as tensões geradas ao nível do solo de fundação são residuais e derivam do facto da laje se apoiar nele (Pinto, 2003). Os pavimentos semirrígidos distinguem-se dos pavimentos flexíveis e dos pavimentos rígidos pela sua constituição particular. As camadas superiores têm uma constituição idêntica às dos pavimentos flexíveis, mas na sua estrutura integram uma ou mais camadas estabilizadas com ligantes hidráulicos. Na Figura 3.4 apresenta-se a estrutura de um pavimento semirrígido. 42

61 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Figura 3.4 Estrutura de um pavimento semirrígido de estrutura direta As camadas tratadas com cimento desenvolvem fendas verticais devido a retração do betão, que posteriormente se propagam às camadas betuminosas. Tal fenómeno é reduzido com estruturas inversas de pavimentos semirrígidos, nos quais as camadas betuminosas se apoiam sobre uma camada granular com cerca de 12 cm de espessura (Branco et al., 2006), ao contrário das estruturas diretas, nas quais as camadas betuminosas se apoiam diretamente sobre a base estabilizada com ligante hidráulico. Nos pavimentos semirrígidos é a base, tendo em conta a sua rigidez, que absorve a maior parte dos esforços verticais, pelo que os esforços a atuar sobre o solo de fundação são relativamente reduzidos (Pinto, 2003) Camadas estruturais e materiais constituintes Um pavimento rodoviário é um sistema formado por várias camadas sobrepostas, de espessura finita, apoiadas na fundação. A fundação é constituída por terreno natural, o qual pode ter um coroamento, designado por leito de pavimento, com materiais de melhores características. As camadas estruturantes que constituem o pavimento apoiam-se sobre o leito do pavimento e podem distinguir-se pelas funções que desempenham. A camada mais superficial designada por camada de desgaste, suporta diretamente as solicitações do tráfego. Deve apresentar uma superfície com textura adequada, regular, não derrapante e resistente à ação contínua do tráfego, conferindo condições de segurança e conforto aos utilizadores (Reis, 2009). É por isso que aquela camada assegura a qualidade funcional do pavimento. A camada de desgaste pode também contribuir para as características estruturais do pavimento, como no caso dos pavimentos rígidos, apresentando ainda a importante função de impermeabilização (Ferreira, 2009). Quando é necessário impermeabilizar e reabilitar a textura de pavimentos existentes, a camada de desgaste pode ser Gil Filipe Leonor Fernandes 43

62 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte executada com revestimentos superficiais betuminosos, microaglomerados betuminosos ou lamas asfálticas (Pinto, 2003). As restantes camadas têm uma função essencialmente estrutural, ou seja, devem assegurar a capacidade do pavimento para suportar as ações impostas pelo tráfego. A camada de ligação subjacente à camada de desgaste, constituída também por misturas betuminosas, além de receber as cargas e distribuir as tensões para a camada de base, tem habitualmente características de regularização, tendo em vista obter os parâmetros de regularidade necessários para a aplicação da camada de desgaste. Nos pavimentos rígidos não existe camada de ligação, estando as suas funções asseguradas pela laje de betão. A camada de base pode ser uma camada ligada ou uma camada não ligada, dependendo das ações a que o pavimento irá estar sujeito. Tem como função receber as cargas transmitidas pela camada de ligação, distribuir as tensões e posteriormente transmiti-las à camada inferior. Mais uma vez, o que se referiu não se aplica a pavimentos rígidos, uma vez que as funções da camada de base são também asseguradas pela laje superficial de betão. Quando a camada de base é não ligada, geralmente é constituída por agregados obtidos por fragmentação de rocha em centrais de britagem, ou provenientes de outras origens Exigências de desempenho Os pavimentos rodoviários têm uma utilização permanente e devem assegurar aos utilizadores uma superfície que permita a circulação em conforto e segurança. Assim, é exigido ao pavimento rodoviário um determinado desempenho, durante o período de vida útil do mesmo, sendo continuamente solicitado, não só pelo tráfego, mas também pelas condições climatéricas. Para que um pavimento rodoviário permita a circulação dos utilizadores com comodidade e segurança deve cumprir determinados requisitos, quer ao nível funcional, quer ao nível estrutural. Em relação ao desempenho funcional deve ser garantida a aderência, uma baixa geração de ruído, a drenagem de água superficial e a resistência do pavimento à sua ação, sendo que deve ser garantida a impermeabilidade do pavimento com vista à proteção das camadas inferiores. O desempenho funcional exigido aos pavimentos rodoviários está relacionado sobretudo com a constituição da camada superior do pavimento. Ao nível estrutural deve ser verificada a capacidade do pavimento para suportar as solicitações impostas pela passagem de veículos e dos agentes atmosféricos. Assim, o pavimento rodoviário deve apresentar resistência às deformações permanentes e ao fendilhamento, uma vez que patologias desta natureza tendem a desencadear o aparecimento de outras, originando a rápida degradação do pavimento. Importa ainda referir que os pavimentos com mau desempenho ao nível estrutural colocam em causa as qualidades funcionais do mesmo. 44

63 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Patologias dos pavimentos rodoviários As degradações dos pavimentos rodoviários e a consequente alteração do seu desempenho são um processo algo complexo. No entanto, é imperativo conhecer os fatores que levam à degradação dos pavimentos, de forma a intervir acertadamente na sua reabilitação, e proceder em conformidade em estudos futuros. O comportamento e o processo de degradação dos pavimentos dependem de dois grupos de fatores: os fatores ativos, tais como as ações do tráfego e as ações climáticas, que são diretamente responsáveis pela degradação do pavimento; e os fatores passivos, tais como a espessura das camadas, características dos materiais utilizados e a qualidade de produção das misturas betuminosas que devem contribuir para retardar o processo de degradação dos pavimentos (Silva, 2005). Para cada um dos três principais tipos de pavimentos rodoviários, pavimentos flexíveis, pavimentos semirrígidos e pavimentos rígidos, as degradações podem ser agrupadas em diferentes famílias. Os pavimentos flexíveis apresentam diversas degradações que normalmente se desenvolvem em conjunto, iniciando assim uma sequência e interação mútua entre elas que, a partir de determinada altura, aceleram o processo de degradação do pavimento. No Quadro 3.2 apresentam-se as famílias de degradações e as várias formas como estas se podem manifestar nos pavimentos. Como já foi referido, é importante conhecer os fatores que levam à degradação dos pavimentos, quer ao nível de fatores ativos de degradação quer ao nível de fatores passivos de degradação. Não é comum que a causa de degradação de um pavimento seja única, tornando assim importante o conhecimento da influência de cada fator na degradação verificada. No Quadro 3.3 apresentam-se as relações entre a causa e o efeito obtidas da observação de pavimentos em serviço, mostrando a maior ou menor influência de cada fator na degradação verificada. Da observação do Quadro 3.3 podemos verificar que a qualidade dos materiais tem influência em todos os tipos de degradações que ocorrem nos pavimentos, sendo também considerada um aspeto muito importante para o bom desempenho dos pavimentos. Sendo os agregados o material mais utilizado na construção de pavimentos rodoviários, reveste-se de especial importância garantir a qualidade dos mesmos. A utilização de RCD como materiais de construção requer assim um conhecimento detalhado das suas características e comportamento, de forma a garantir todas as propriedades adequadas quando aplicados a pavimentos rodoviários. Gil Filipe Leonor Fernandes 45

64 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro 3.2 Famílias e tipos de degradações (Branco et al., 2006) Famílias de Degradações Abatimento Tipos de Degradações - Longitudinal - Transversal - Berma - Eixo Deformações Deformações localizadas Fendilhamento Ondulação Rodeiras Fendas - Grande raio (camadas inferiores) - Pequeno raio (camadas superiores) - Fadiga - Longitudinais - Transversais - Parabólicas - Eixo - Berma Desagregação da camada de desgaste Movimento de materiais Pele de crocodilo Desagregação superficial Cabeça de gato Pelada Ninhos (covas) Exsudação Subida de finos - Malha fina ( 40 cm) - Malha larga (> 40 cm) As degradações ocorridas nos diferentes tipos de pavimentos são idênticas, sendo de referir que a verdadeira diferença reside na origem da degradação. Nos pavimentos rígidos as principais degradações verificadas resultam da existência de juntas longitudinais e transversais e são as seguintes (Branco, et al., 2006): Fendilhamento das lajes; Desagregação superficial; Escalonamento das lajes (bombagem). Nos pavimentos semirrígidos, as degradações ocorrem principalmente por fendilhamento e por perda de coesão do material. Assim, os principais mecanismos de degradação dos pavimentos semirrígidos são os seguintes (Branco, et al., 2006): Fendilhamento por fadiga e retração; 46

65 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Degradação com perda de coesão; Degradação de interface. Quadro 3.3 Classificação das relações entre as degradações e os fatores de degradação (Branco et al., 2006) Degradações Condições de drenagem Subdimensões da camada de desgaste Subdimensões das camadas inferiores Fatores de Degradação Capacidade de suporte da fundação Qualidade dos materiais Deficiência de fabrico e execução Ligação entre a acamada de base e de desgaste Agressividade do trafego Ações climáticas Camadas estruturais de reduzida compacidade Deformações *** * ** *** * ** * * *** Rodeiras *** * ** *** ** * ** ** *** Fendas ** ** ** ** *** ** ** *** *** *** Fendas parabólicas * ** ** ** *** *** *** ** Pele de crocodilo ** ** ** ** *** ** ** *** *** *** Pelada *** * ** ** *** *** ** ** Ninhos ** * *** *** ** ** ** *** Cabeça de gato *** ** *** * ** Desagregação superficial *** *** ** *** ** Exsudação *** ** *** *** *** - Muito importante; ** - Importante; * - Pouco Importante 3.3 RCD Aplicáveis em Pavimentos Rodoviários Materiais provenientes de pavimentos rodoviários Reciclagem de pavimentos A reciclagem de materiais de pavimentação rodoviária surge como consequência dos esforços para reduzir alguns problemas ambientais associados à construção, conservação e reabilitação de infraestruturas rodoviárias de transporte, ao mesmo tempo que contribui para a sua sustentabilidade. A reciclagem de pavimentos consiste em reutilizar materiais já aplicados, os quais constituem camadas que se encontram no final da sua vida útil. Após a demolição Gil Filipe Leonor Fernandes 47

66 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte daquelas camadas, por exemplo por fresagem, os materiais são reintegrados de novo num pavimento rodoviário, quer seja em camadas não ligadas, quer em camadas ligadas. Assim, a reciclagem de pavimentos é também uma técnica que utiliza RCD como materiais de construção de pavimentos, em que os materiais considerados são os que se encontram nas diferentes camadas do pavimento a reciclar. Note-se que os materiais são reutilizados com mais vantagem em camadas cujos requisitos técnicos sejam semelhantes aos da camada de origem. Não será geralmente adequado, por exemplo, aplicar em camadas de desgaste materiais provenientes de uma camada de base ou de sub-base. Já o oposto pode verificar-se, embora com o inconveniente de não se tirar partido de todas as possibilidades que determinado material pode oferecer, ou seja, verificar-se uma subvalorização do material reciclado. Informação mais detalhada e circunstanciada sobre reciclagem de pavimentos e das técnicas de reciclagem pode ser consultada, por exemplo, no trabalho de investigação realizado por Martinho (2004). No processo de reciclagem de pavimentos rodoviários os materiais podem ser classificados, em função da sua origem, nos seguintes grupos (Branco et al., 2006): Materiais de camadas granulares; Materiais apenas de camadas betuminosas; Materiais de camadas betuminosas e de camadas granulares; Materiais de camadas granulares e de camadas estabilizadas com ligantes hidráulicos. A juntar aos materiais provenientes da reciclagem do pavimento rodoviário existem os materiais corretivos, tais como materiais granulares, misturas betuminosas a quente e resíduos industriais. A adição destes materiais tem por objetivo corrigir a granulometria da mistura, a percentagem de ligante utilizada e/ou algumas das propriedades deste. Segundo Martinho (2004), considerando o local de execução, a temperatura de produção e os ligantes ou aditivos aplicados à mistura no processo de reciclagem, podem distinguir-se os seguintes processos de reciclagem: Reciclagem in situ, a frio, com cimento; Reciclagem in situ, a frio, com emulsão betuminosa; Reciclagem in situ, com betume espuma; Reciclagem in situ, a quente, com betume/rejuvenescedor; Reciclagem em central, a frio, com emulsão betuminosa; Reciclagem em central, a frio, com betume espuma; Reciclagem em central, semiquente, com emulsão betuminosa; Reciclagem em central, a quente, com betume. 48

67 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS A reciclagem de um pavimento não é necessariamente feita em pavimentos no final da vida útil. Pode também ser utilizada como uma técnica de conservação e/ou reabilitação de pavimentos em processo de degradação, cujo objetivo principal é regenerar as características funcionais e estruturais do pavimento. As técnicas de reabilitação das características superficiais mais utilizadas são as seguintes: Revestimentos betuminosos superficiais; Microaglomerado betuminoso a frio; Lama asfáltica (Slurry Seal); Microbetão betuminoso rugoso; Argamassa betuminosa; Reparações localizadas Materiais de outras origens Para além dos materiais que resultam da reciclagem de pavimentos e que são novamente utilizados na construção e reabilitação de pavimentos rodoviários, existem materiais de outras origens que podem também ser utilizados na construção de pavimentos. Os RCD provenientes da demolição e reabilitação de edifícios são constituídos na sua maioria por betão, argamassa, rocha e material cerâmico. A demolição de obras de arte dá origem a RCD constituídos basicamente por betão britado. À semelhança do que ocorre em materiais provenientes de misturas betuminosas, aqueles materiais quando utilizados em camadas ligadas com betume substituem apenas uma parte do volume de agregados. Contudo, neste caso os RCD não têm qualquer contribuição para a redução da percentagem de betume da mistura. Outro fator importante que diferencia os RCD provenientes de misturas betuminosas dos materiais provenientes de outras origens é a sua qualidade. De facto, os materiais provenientes de misturas betuminosas já foram eventualmente sujeitos a um processo prévio de seleção que possibilitou a sua aplicação em misturas betuminosas. Além disso, quando utilizados de forma criteriosa, os RCD provenientes de um pavimento rodoviário não têm, na sua maioria, constituintes que prejudiquem de forma significativa as características do pavimento rodoviário. Aliás, sempre que existir suspeita da existência de materiais perigosos, nomeadamente alcatrão, deverá proceder-se à realização de ensaios que permitam averiguar a sua presença, evitando a sua reaplicação. Já em resíduos provenientes de outras origens, por haver maior possibilidade de conterem materiais indesejáveis, existe uma real necessidade de conhecer e caracterizar todos os seus constituintes, de modo a evitar a utilização de materiais com características, mecânicas e químicas, totalmente diferentes e, portanto, com maior potencial de insucesso. A especificação LNEC E473 estabelece recomendações e define os requisitos mínimos dos agregados reciclados em camadas não ligadas de pavimentos. No entanto, estabelece esses Gil Filipe Leonor Fernandes 49

68 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte requisitos para todos os resíduos de construção e demolição, incluindo os provenientes de pavimentos rodoviários. No Quadro 3.4 apresenta-se um resumo da influência das propriedades dos agregados no comportamento observado de misturas betuminosas. Quadro 3.4 Propriedades das misturas betuminosas influenciadas pelas características dos agregados (Freire, 2002) Fase Propriedades das misturas Propriedades dos agregados Construção Em serviço Trabalhabilidade Manutenção das características durante o fabrico e aplicação Características Estruturais: Rigidez Resistência às deformações permanentes Resistência ao fendilhamento Características superficiais: Coeficiente de atrito Drenagem superficial Encandeamento e Refletividade Desgaste dos pneus, ruído e resistência ao rolamento Durabilidade Granulometria Resistência à fragmentação Resistência ao choque térmico Granulometria Dimensão máxima do agregado Dureza das partículas Resistência à fragmentação Textura Forma Forma Textura Dimensão do agregado Resistência a fragmentação Resistência ao polimento Dimensão máxima Granulometria Propriedades óticas Forma das partículas Textura Dimensão máxima do agregado Composição química Suscetibilidade à água Resistência ao gelo/degelo Adesividade betume/agregado Alterabilidade Massa volúmica 50

69 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Como se referiu, os agregados são o esqueleto de um pavimento rodoviário, tanto em camadas ligadas com ligantes hidrocarbonados, como em camadas granulares. Por isso, a qualidade dos agregados está diretamente relacionada como o melhor ou pior comportamento que as camadas dos pavimentos possam apresentar, pelo que interessa conhecer bem os materiais provenientes de resíduos de outras origens e o seu contributo para o desempenho do pavimento rodoviário. Não descurando a necessidade de conhecer os pavimentos rodoviários em serviço e os materiais que os integram, é importante caracterizar bem e avaliar o contributo dos resíduos, quando aplicados em pavimentos rodoviários, independentemente da sua origem. 3.4 Aplicação de RCD em Pavimentos Rodoviários Camadas não ligadas Com o objetivo de contribuir para a construção sustentável e pelo facto de existir cada vez mais uma política assente em valores direcionados para o ambiente, existem já documentos que pretendem fornecer recomendações e estabelecer requisitos para a utilização de RCD em pavimentos rodoviários. É o caso das especificações do Laboratório Nacional de Engenharia Civil, nomeadamente as especificações LNEC E472 (LNEC, 2009), LNEC E473 (LNEC, 2006 a), e LNEC E474 (LNEC, 2006 b). As especificações LNEC E473 e LNEC E474 visam a utilização de RCD em camadas granulares não ligadas de pavimentos rodoviários, e em aterros e camadas de leito, respetivamente. O CEEP permite aplicações de agregados reciclados desde que seja verificado o estabelecido na norma NP EN Ensaios das Propriedades Geométricas dos Agregado: Parte 11 Ensaios para as propriedades dos agregados grossos reciclados, na qual é proposta a verificação da proporção de cada um dos constituintes da fração grossa. No Quadro 3.5 apresenta-se a classificação dos agregados reciclados, cuja descrição dos constituintes está de acordo com a norma NP EN Quadro Classificação dos agregados reciclados de acordo com a natureza dos constituintes da fração grosseira (LNEC, 2009 a) Classe Categoria dos constituintes (EN A1) R C +R U +R G R G R B R A FL X B 90% 5% 10% 5% 5% 1% C 50% 5% 10% 5% 5% 1% R C betão, produtos de betão e argamassas; R U agregados não ligados, pedra natural, agregados tratados com ligantes hidráulicos; R A materiais betuminosos; R B elementos de alvenaria de materiais argilosos (tijolo, ladrilhos, telhas, etc.), elementos de alvenaria de silicatos de cálcio e betão celular não flutuante; R G vidro; FL material flutuante em volume; X Outros materiais coesivos (ex. solos argilosos), plásticos, borrachas, metais (ferrosos e não ferrosos). Gil Filipe Leonor Fernandes 51

70 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte O produtor de agregados reciclados deverá verificar regularmente os parâmetros geométricos, os parâmetros de comportamento mecânico e as propriedades químicas e, assim, verificar as categorias previstas para os agregados reciclados a utilizar em camadas não ligadas: AGER 1, AGER 2 e AGER 3. No Quadro 3.6 apresenta-se o âmbito de aplicação dos agregados reciclados em camadas não ligadas de base e de sub-base. Quadro 3.6 Campos de aplicação dos agregados reciclados (LNEC, 2009 a) Categoria AGER 1 AGER 2 AGER 3 Natureza dos constituintes Aplicação em camada de sub-base - TMDp Aplicação em camada de base - TMDp TMD p tráfego médio diário de pesados por via. C B C B B NR Alguns estudos têm vindo a ser feitos para verificar a viabilidade da aplicação de agregados reciclados em camadas não ligadas de pavimentos rodoviários, tendo em conta o cumprimento dos requisitos acima apresentadas constantes nas especificações do LNEC e no CEEP. Ferreira (2009) efetuou um estudo para aplicação de RCD em camadas de sub-base em estradas de baixo tráfego, utilizando dois tipos de resíduos, um resultante da britagem de cubos de betão em laboratório, e outro resultante da britagem de betão de um edifício demolido, caracterizando laboratorialmente os materiais e seguindo a metodologia presente na especificação do LNEC E473. Atendendo aos resultados obtidos, Ferreira (2009) concluiu que existe viabilidade na aplicação dos resíduos estudados em camadas não ligadas de estradas de baixo tráfego. Importa referir que não foram cumpridas algumas exigências apresentadas na especificação LNEC E473, nomeadamente a resistência à fragmentação no ensaio de Los Angeles (NP EN ). No entanto, a aplicação do material estudado poderá ser melhorada com a adição de outras frações de agregados de origem natural, utilizados para corrigir algumas propriedades em caso de necessidade (Ferreira, 2009). Relativamente a utilização de RCD de betão britado, Gonçalves et al. (2003) referem estudos efetuados na Suécia utilizando RCD que revelaram um aumento do módulo de deformabilidade de camadas não ligadas com o tempo, revelando, assim, que algumas partículas de cimento se hidrataram, estabelecendo-se alguma ligação entre os grãos (Gonçalves, 2007). Também Leite (2007) verificou uma melhoria do módulo de deformabilidade e do CBR quando analisado o comportamento de camadas com agregados reciclados, referindo que a presença de finos e materiais com cimento aumentam a coesão entre partículas, o que se traduz numa maior resistência da camada. A melhoria daquelas propriedades e da resistência ao corte do agregado ocorre porque o atrito interno do material é elevado e a ação de 52

71 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS compactação, particularmente quando é intensa, leva à fratura das partículas de agregado de betão britado, aumentando a quantidade de material fino e a percentagem de partículas cúbicas no seu seio (Leite et al, 2011). Verifica-se que os agregados reciclados de betão britado apresentam uma resistência à deformação permanente que depende muito do nível de tensão que solicita o material. Assim, a deformação permanente excessiva poderá ser um tipo de degradação com significado quando se constroem camadas não ligadas em pavimentos com baixo tráfego, cujas camadas betuminosas são geralmente delgadas (Leite et al, 2011). Uma vez que pelo menos 50% dos RCD têm origem em materiais com cimento, podem utilizar-se agregados daquele tipo para melhorar o comportamento de camadas não ligadas. Aliás, a predominância de materiais com cimento nos RCD tem vindo a ser verificada por vários autores (Leite, 2007). Martinho et al. (2008) estudaram a utilização de RCD, provenientes da demolição de edificações existentes a norte da península de Tróia, em camadas de base de arruamentos urbanos, designadamente na aplicação de agregados reciclados em camadas de leito, sub-base e base, tendo verificado que aquela aplicação poderá decorrer de um forma idêntica à utilizada com agregados naturais, não requerendo por isso cuidados adicionais. No entanto, é referida a necessidade de reforçar os meios de rega com água, devido ao facto do teor ótimo de humidade ser relativamente elevado. Importa referir que não foi realizado qualquer incremento de agregados naturais à mistura de agregados reciclados, sendo estes compostos por betão e alvenarias. Nos ensaios realizados sobre a plataforma do troço experimental verificaram que os teores de humidade variavam entre 11,9 e 12,4%, tendo os agregados revelado um comportamento uniforme ao longo do processo de compactação. À semelhança do que já foi referido, também Martinho et al. (2008) referem que o processo de compactação deverá ocorrer de forma célere de forma a evitar o desenvolvimento de elevada coesão do material, as quais originam o aparecimento de zonas altamente resistentes e quebradiças. Após 6 passagens de cilindro foi ultrapassado o patamar de 95% de compactação. No estudo realizado por Grubba et al. (2009), no qual foi utilizada uma mistura de agregados reciclados com agregados naturais para aplicação em camadas de base, observou-se também um acréscimo do teor ótimo de humidade na mistura com agregados reciclados relativamente à mistura de agregados naturais. A mistura de agregados reciclados apresentou uma baridade seca máxima de 1,928 g/cm 3 e 11% de teor ótimo de humidade, enquanto a mistura de agregados naturais apresentou uma baridade seca máxima de 2,330 g/cm 3 e 7,1% de teor ótimo de humidade. Para todos os teores de humidade testados, o valor de CBR observados encontram-se acima de 80%. Os valores mínimos de CBR para a mistura de agregados reciclados e mistura de agregados naturais foi de 117% e 88%, respetivamente, enquanto os valores máximos foram de 176% e 185%, respetivamente. Grubba et al. (2009) observaram ainda que o valor de CBR para os teores ótimos de humidade foi de 172% no caso da mistura de agregados reciclados e de 142% no caso da mistura de agregados naturais. Gil Filipe Leonor Fernandes 53

72 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Os resultados obtidos por Ferreira (2009) não diferem dos restantes estudos apresentados. Ferreira (2009) no estudo das características de compactação obteve, depois de ensaiados cinco provetes de resíduos de betão de demolição com diferentes teores de água, uma baridade seca máxima de 1,810 g/cm 3 e 12,4% para o teor ótimo em água. Os valores obtidos nos estudos apresentados, quando comparados com os valores usualmente verificados para agregados naturais, apresentam teores ótimos de humidade superiores e baridades secas máximas inferiores, factos que se devem às altas porosidades e capacidade de absorção dos agregados reciclados. Os valores de CBR observados para a mistura de agregados reciclados representam boas características de resistência do material, consequência da coesão criada pela existência de partículas angulosas e de uma quantidade apreciável de finos. A ocorrência de hidratação de uma parcela de cimento, embora referida na bibliografia, afigura-se pouco verosímil, porquanto num betão britado com vários anos de idade não existirá cimento suscetível de hidratação Camadas ligadas Os RCD são usados em muitas aplicações de infraestruturas de transporte em camadas não ligadas, nomeadamente camadas de base e de sub-base de pavimentos rodoviários. No entanto, o uso de RCD em misturas betuminosas tem sido limitado devido à inexistência de dados sobre a sua adequação, resultado de uma investigação pouco direcionada para a aplicação de RCD em camadas ligadas. Também têm sido utilizados RCD na construção de camadas granulares estabilizadas com cimento (Martinho, 2004). A especificação LNEC E472 (LNEC, 2009 c) estabelece um conjunto de recomendações e de requisitos mínimos, e propõe os campos de aplicação para as misturas betuminosas recuperadas. Em termos gerais, aqueles requisitos traduzem as seguintes linhas para o processo de aplicação das misturas recuperadas: estabelecer limites de presença de matérias estranhas; evitar a aplicação, sem alterações, do ligante se demasiado envelhecido; controlar a granulometria e a dimensão máxima das partículas; avaliar a percentagem média de betume; limitar o teor em água do material fresado. Além disso, aquela especificação estabelece as camadas dos pavimentos e as taxas máxima de incorporação de misturas recuperadas (entre 10 e 50%) a admitir em cada caso. O estudo da aplicação de RCD em camadas ligadas é essencial para entender aspetos determinantes como a interação dos agregados reciclados com o betume, ou outro tipo de ligante em função do tipo de pavimento, da absorção de ligante e do comportamento sob condições de carregamento dinâmico. Lee et al. (1990) concluíram que a absorção de betume aumenta quando são utlizados agregados reciclados, devido à porosidade dos mesmos, o que levou a propor a aplicação de revestimentos e selantes, como, por exemplo, pasta de cimento de escórias (Lee et al, 2012), para minimizar a absorção de betume. Na prática, é mais habitual fazer-se uso de uma mistura de agregados de RCD e de rocha natural britada para obter misturas com uma absorção de betume aceitável. 54

73 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS A maioria dos estudos existentes na utilização de agregados reciclados em misturas betuminosas restringe-se ao agregado de betão reciclado. Os agregados de betão reciclado são produzidos por britagem de betão, e diferem dos agregados naturais, devido à massa de cimento junto à superfície do agregado natural. Esta pasta ligante endurecida contribui para o aumento da porosidade do agregado reciclado, para uma menor densidade e uma maior absorção de água (Paranavithana et al, 2006). Mills-Beale et al. (2010) realizaram um estudo para caracterizar as propriedades mecânicas de misturas betuminosas com agregados reciclados provenientes de elementos de betão. Foram utilizadas diferentes percentagens de agregados reciclados, nomeadamente 25, 35, 50 e 75%. Dos resultados obtidos, e como se verifica nos quadros presentes na Figura 3.5, a percentagem de vazios na mistura de agregados (VMA) diminuiu com o aumento da percentagem de agregados reciclados na mistura betuminosa, mantendo-se a percentagem de betume. Efetivamente, com o incremento da proporção de RCD surgem valores de VMA mais baixos que os verificados aquando da utilização de agregados naturais. Figura 3.5 Resultados das análises volumétricas em misturas com agregados reciclados de betão (Mills-Beale et al, 2010) Também os vazios preenchidos pelo betume assumem a mesma tendência, observando-se um decréscimo com o aumento da percentagem de agregados reciclados na mistura betuminosa. A porosidade dos agregados reciclados é responsável pela absorção de grande quantidade de betume, impedindo que uma parte importante deste cumpra as suas funções de ligante na Gil Filipe Leonor Fernandes 55

74 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte mistura. A porosidade da mistura mantém-se praticamente inalterada independentemente da percentagem de agregados reciclados que estão incluídos na mistura. Shen et al. (2004) através da avaliação das propriedades de agregados naturais e de agregados provenientes de RCD, obtiveram no ensaio de Los Angeles resultados de 20,2 e 40,8%, respetivamente. Isto conduz a que, durante o fabrico e a compactação, possa ocorrer uma significativa fragmentação dos agregados numa mistura betuminosa que incorpore agregados reciclados, originando alterações no arranjo do esqueleto agregado, com menor percentagem de vazios comparativamente a uma mistura de agregados naturais. Shen et al. (2004) realizaram também uma análise da resistência à deformação permanente de misturas betuminosas com agregados reciclados. Interessa referir que os agregados reciclados utilizados eram constituídos por 81,03% de resíduos de betão, 14,05% de resíduos de tijolo, 4,71% de resíduos de telha e os restantes 0,21% eram compostos por diversos resíduos. No Quadro 3.9 apresentam-se as propriedades das misturas betuminosas realizadas, que para além de se encontrarem divididas por tipo de ligante utilizado, AC20 e AC10 (betumes com penetrações a 25ºC da ordem de 54 e 90 décimas de milímetro, respetivamente), encontramse divididas também consoante a estrutura de agregados utilizada: (a) 100% agregados naturais; (b) 100% agregados reciclados; (c) 50% agregados naturais + 50% agregados reciclados; (d) grossos de agregados reciclados + finos de agregados naturais. Da análise do Quadro 3.7 verifica-se que o valor de VMA desce quando são incorporados agregados reciclados na mistura de agregados, salientando-se o facto de o VMA ser o menor de todos quando são utilizados apenas agregados reciclados na mistura de agregados. Observa-se uma subida da percentagem ótima de betume quando são incorporados agregados reciclados. Esta subida era previsível uma vez que a porosidade dos agregados reciclados é superior à porosidade dos agregados naturais, facto verificado na massa volúmica apresentada no Quadro 3.7, a qual diminui com a incorporação de agregados reciclados. Conclui-se então que uma grande parte de betume é absorvida pelos agregados reciclados devido à sua porosidade. Esta absorção reduz, assim, a percentagem de betume efetivo disponível na mistura. De salientar ainda o aumento da estabilidade das misturas betuminosas quando incorporam agregados reciclados. Independentemente da percentagem de betume utilizada, vários autores referem que a incorporação de agregados reciclados melhora as características mecânicas devido a coesão que surge da hidratação do cimento presente nos agregados provenientes de resíduos de betão. Os resultados obtidos podem também ser explicados pelo efeito da maior rugosidade e angulosidade dos RCD grossos, o que tende a aumentar a coesão da mistura à temperatura elevada (60ºC) a que são efetuados os ensaios. Além disso, verifica-se que a utilização de agregados finos de RCD (por exemplo, pó de tijolo), em geral com menor massa volúmica que os agregados naturais, faz enrijecer a mistura, uma vez que existe um maior número de grãos da fração fina no mástique e, portanto, a área de contacto com o betume é superior (Chen et al., 2011). 56

75 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Quadro 3.7 Propriedades de misturas betuminosas com percentagem ótima de betume (Shen et al, 2004) Agregados Agregados naturais 100% RCD 50% RCD + 50% ag. naturais RCD (grossos) + ag. naturais (Finos) Betume % Ótima de betume (%) Massa Volúmica (g/cm 3 ) Porosidade (%) VMA (%) Vazios com betume (%) Estabilidade (kn) AC ,368 4,00 15,40 79,0 18,20 AC-10 5,49 2,350 4,00 15,40 74,0 17,50 AC-20 11,48 2,103 4,90 11,03 55,3 19,82 AC-10 11,48 2,085 4,10 11,80 65,0 19,25 AC-20 9,00 2,227 4,20 12,30 65,0 17,39 AC-10 8,93 2,210 4,50 13,00 65,0 18,00 AC-20 8,96 2,185 4,80 14,20 65,0 18,20 AC-10 8,99 2,197 4,75 13,86 65,0 17,09 Foi ainda avaliado o módulo de deformabilidade e o módulo resiliente no estudo efetuado por Mills-Beale et al. (2010). A caracterização para o módulo de deformabilidade foi feita a 13, 21,3 e 39,2ºC, utilizando as frequências de carregamento de 25, 10, 5, 1 e 0,1 Hz. Os resultados são apresentados na Figura 3.6 na forma de curva mestra. Verifica-se que o módulo de deformabilidade diminui com o aumento da incorporação de agregados reciclados (RCA) na mistura betuminosa e a consequente diminuição de incorporação de agregados naturais (VA). Figura 3.6 Módulo de deformabilidade (Mills-Beale et al, 2010) Gil Filipe Leonor Fernandes 57

76 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Os resultados obtidos para o módulo resiliente são apresentados na Figura 3.7, na qual se verifica que o mesmo aumentou com a diminuição da incorporação de agregados reciclados na mistura betuminosa. Para avaliar o efeito dos agregados reciclados na mistura betuminosa foi realizado o teste estatístico de análise de variância ANOVA, com um nível de significância de 5%, que demonstrou que o diferencial de temperatura foi o fator principal para a variação do valor do módulo resiliente quando analisado com a percentagem de agregados reciclados incorporados na mistura betuminosa (Mills-Beale et al, 2010). Figura 3.7 Módulo Resiliente (Mills-Beale et al, 2010) A avaliação da deformação permanente em misturas betuminosas com RCD tem também sido alvo de estudo nos últimos anos. Na Figura 3.8 apresentam-se os resultados do estudo feito por Shen et al (2004), no qual submeteram várias misturas betuminosas a ensaios de avaliação da deformação permanente. Concluíram que a forma dos agregados reciclados propicia um bom desempenho das misturas betuminosas à deformação permanente. Na Figura 3.8 verificase que a mistura betuminosa sem incorporação de agregados reciclados é a que maior deformação apresenta à temperatura de 25ºC. Já a mistura betuminosa com 50% de agregados naturais e 50% de agregados reciclados é a que apresenta melhor desempenho. Aquando da avaliação dos resultados obtidos à temperatura de ensaio de 60ºC, verifica-se que a mistura com melhor desempenho à temperatura de 25ºC, com 50% de agregados naturais e 50% de agregados reciclados, é a que apresenta maior deformação permanente a 60ºC. Shen et al. (2004) concluíram que, a uma temperatura de 60ºC, a total incorporação de agregados reciclados e incorporação da fração grossa de agregados reciclados com finos de agregados naturais, são as misturas que levaram a um melhor desempenho das misturas betuminosas no que diz respeito a deformação permanente. 58

77 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Temperatura de ensaio: 25ºC Temperatura de ensaio: 60ºC CS godo britado; RBM RCD de edifícios; C-RBM agregados grossos de RCD de edifícios; F-CS agregados finos de godo britado Figura 3.8 Deformação permanente aos 2520 ciclos (Shen et al, 2004) Mills-Beale et al. (2010) verificaram ainda a sensibilidade à água das misturas betuminosas que analisaram, de acordo com a norma ASTM D 4867/D 4867-M04, considerando o valor mínimo ITSR de 79%. Para o caso que estudaram, concluíram que é admissível a utilização de agregados reciclados até 50% do total dos agregados da mistura, uma vez que o ITSR (resistência conservada após acondicionamento em água) tomou o valor de 93% para a mistura sem agregados reciclados, 92% para a mistura com 25% de agregados reciclados, 90% para as misturas com 35% e 50% de agregados reciclados. No caso da mistura com incorporação de 75% de agregados reciclados, o ITSR obtido foi de 75%, encontra-se abaixo do mínimo considerado nas especificações de referência. 3.5 Sustentabilidade na Construção Rodoviária Vantagens As vantagens da utilização de RCD como materiais de construção de pavimentos rodoviários têm vindo a ser descritas ao longo do documento. No entanto, expõem-se aqui algumas vantagens gerais associadas à sustentabilidade e diretamente relacionadas com a reutilização de materiais. Os RCD tenderam a ser desprezados ao longo do tempo por se tratarem maioritariamente de materiais inertes, para os quais não existem preocupações com a contaminação por lixiviação, propagação de matérias tóxicas ou inconvenientes de putrefação, como acontece com os resíduos sólidos urbanos (Botelho, 2010). Uma das grandes vantagens da aplicação de RCD em pavimentos rodoviários é, pois, a atribuição de uma utilidade ao material, e consequentemente a sua valorização. Os estudos Gil Filipe Leonor Fernandes 59

78 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte que têm vindo a ser realizados na área demonstram a aptidão destes materiais para uma nova incorporação em pavimentos rodoviários. Assim, ocorrerá uma redução dos RCD a depositar em aterros, legais e ilegais, diminuindo o impacte ambiental e visual que os aterros têm vindo a causar ao longo dos anos. Além disso, existe a mais-valia de reduzir a necessidade de exploração de pedreiras, as quais apresentam um grande passivo ambiental, quer em termos da alteração das paisagens, quer no que diz respeito à emissão de poluentes e resíduos. A situação mais comum de reutilização de RCD corresponde à reciclagem in situ de materiais de pavimentos degradados. Nessas circunstâncias, as emissões associadas ao transporte de materiais pode ser reduzida de forma assinalável, com claras vantagens ambientais e de redução de custos energéticos. O custo de novos materiais também pode diminuir, porquanto são reutilizados numa percentagem significativa materiais pré-existentes Inconvenientes A utilização de RCD como materiais de construção de pavimentos rodoviários traz também alguns inconvenientes. Se, por um lado, é desejável que não existam grandes impactes ambientais com a exploração de pedreiras e criação de aterros, por outro lado, é desejável que os agregados provenientes de RCD tenham as características geométricas, físicas, químicas e de comportamento mecânico apreciado nos agregados naturais, o que grande parte das vezes pode ser difícil de conseguir. A existência de resíduos considerados perigosos na mistura de RCD é também um facto que torna a problemática dos RCD mais complexa. É necessário, então, validar todas as características dos materiais reciclados, confirmando a não existência de constituintes considerados perigosos. No entanto, isso não acontece sempre e os RCD com boas características para serem utilizados em pavimentos rodoviários têm de ser previamente selecionados. A contínua realização de estudos que avaliem as características e os comportamentos de RCD enquanto constituintes de materiais a utilizar em camadas de pavimentos, permitirá um crescente conhecimento dos RCD utilizáveis e aumentará a confiança em relação ao seu desempenho. Todavia, a substituição de materiais novos por RCD, no todo ou em parte, não pode ser de aplicação imediata, estando sempre sujeita à verificação de uma série de requisitos, recorrendo a um controlo mais apertado das características do produto, antes e durante a sua utilização. Uma questão também importante é a do custo do material. Os RCD são vistos com uma alternativa a considerar apenas se os custos associados à sua utilização conseguirem competir com os custos dos materiais novos. Note-se que os requisitos a cumprir pelos produtos aplicados e pelas camadas dos pavimentos mantêm, geralmente, os mesmos patamares de exigência, independentemente dos materiais selecionados para a construção. 60

79 UTILIZAÇÃO DE RCD EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Por exemplo, no caso dos agregados provenientes de RCD é habitual não ser possível cumprir todos os requisitos das especificações técnicas, as quais foram formuladas para agregados naturais novos. Torna-se, por isso, necessário implementar processos de validação das suas características, eventualmente, mais complexos e dispendiosos, alterando o paradigma de verificação no sentido da avaliação de desempenho, em detrimento da observação de determinados requisitos empíricos estabelecidos. 3.6 Considerações Finais Os agregados são considerados o esqueleto de um pavimento rodoviário, e como tal são fundamentais na execução de estradas. Aos agregados corresponde a maior percentagem de material incorporado num pavimento, pelo que o desempenho dos agregados irá refletir-se no do pavimento. Assim, importa conhecer as suas características relevantes e o seu comportamento mecânico em função da camada do pavimento rodoviário que vão ocupar. Neste capítulo foram descritos os vários tipos de pavimentos rodoviários e o seu comportamento típico, bem como a influência da qualidade dos materiais utilizados, quer quando são novos, quer quando provêm de reciclagem de pavimentos. Foi dado particular destaque à utilização de RCD como materiais de construção de pavimentos. As exigências para os pavimentos rodoviários variam com as condições de solicitação e, consequentemente, variam as exigências para os materiais que os compõem. Mudam também dependendo da camada a que se destinam os materiais, sendo a exigência superior para as camadas superficiais, as quais são geralmente betuminosas. Os estudos que tem vindo a ser realizados no âmbito da incorporação de RCD em pavimentos rodoviários são normalmente direcionados para camadas não ligadas, de base e sub-base, e/ou para estradas de baixo tráfego. No entanto, alguns estudos já preveem a aplicação de RCD em misturas betuminosas, onde os agregados reciclados são considerados um material adequado para esse fim. Na verdade, os estudos realizados são de grande importância e têm vindo a revelar que os RCD poderão ser incorporados num pavimento rodoviário, em camadas não ligadas, sem qualquer menor valia técnica, sendo o seu desempenho idêntico ao dos agregados naturais. Os resultados obtidos a partir dos estudos efetuados a misturas betuminosas com agregados reciclados fazem prova da possibilidade da incorporação de RCD em pavimentos rodoviários uma vez que estes materiais podem satisfazer as exigências e especificações aplicáveis (Aljassar et al., 2005). Gil Filipe Leonor Fernandes 61

80 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte 4 TRABALHOS EXPERIMENTAIS 4.1 Generalidades Neste capítulo apresenta-se o estudo experimental realizado sobre duas misturas betuminosas a quente, típicas de camada de base, utilizando agregados naturais calcários numa delas e uma percentagem de 60% de agregados provenientes de RCD na outra. Os agregados reciclados utilizados são integralmente constituídos por betão britado. Foram tomados como referência os critérios de aceitação constantes no CEEP para misturas do tipo AC 20 base. No entanto, importa referir que aquele documento não contempla critérios específicos para a utilização de material proveniente de RCD em misturas betuminosas. Os ensaios foram realizados paralelamente na mistura betuminosa com agregados naturais e na mistura com agregados provenientes de RCD, visando a comparação das características de cada uma delas, de modo a aferir sobre a possibilidade da aplicação dos agregados reciclados em camadas betuminosas de pavimentos rodoviários. Além da caracterização dos materiais constituintes utilizados, foram realizados ensaios de caracterização das propriedades volumétricas das misturas e de avaliação de algumas características mecânicas, tais como os ensaios de Marshall, de sensibilidade à água e de wheel tracking. 4.2 Ensaios e resultados dos materiais constituintes Análise granulométrica A análise granulométrica dos agregados foi feita seguindo a Norma Portuguesa NP EN 933-1:2012 Ensaios das propriedades geométricas dos agregados, Parte 1: Análise granulométrica (Figura 4.1). Na Figura 4.2 encontram-se representadas as curvas granulométricas das diferentes frações de agregados naturais em estudo, bem como a fração reciclada. No Quadro I.1, apresentado no apêndice I, constam os valores obtidos do ensaio de análise granulométrica à amostra de agregados naturais 0/4. O procedimento de peneiração repetiu-se para as frações 4/12 e 10/20 de agregados naturais, cujos resultados se apresentam, no mesmo apêndice, nos quadros I.2 e quadro I.3, respetivamente. 62

81 TRABALHOS EXPERIMENTAIS No quadro I.4 apresentam-se os resultados da análise granulométrica à fração de agregados de betão britado. Peneiração dos agregados Separação por fração granulométrica Figura 4.1 Peneiração dos agregados Material que Passa (%) Curvas Granulométricas dos Agregados em Estudo 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 Agregados 0/4 40,0 Agregados 4/12 30,0 Agregados 10/20 20,0 Agregados Reciclados 10,0 0,0 0,01 0, Diâmetros (mm) Figura 4.2 Curvas granulométricas dos agregados em estudo Verifica-se que o material passado no peneiro 0,063 mm do betão britado é mais do dobro do material passado no mesmo peneiro para as frações grossas de agregado natural. Como se referiu, os agregados de betão britado são envolvidos por pastas de cimento que se desagregam facilmente com o impacte e esmagamento, contribuindo assim para uma maior quantidade de finos relativamente aos agregados naturais Índice de forma O índice de forma visa classificar o material com base numa relação entre as dimensões dos agregados, nomeadamente entre o comprimento e a espessura das partículas. A avaliação foi Gil Filipe Leonor Fernandes 63

82 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte feita de acordo com a Norma Portuguesa NP EN (2002) Ensaios das propriedades geométricas dos agregados, Parte 4: Determinação da forma das partículas - Índice de forma, na qual se definem como partículas não cúbicas aquelas que apresentarem uma razão de comprimento sobre espessura superior a 3, sendo o comprimento e a espessura obtidos nas condições definidas na norma (Figura 4.3). Medição do agregado com paquímetro Medição na abertura de 1/3 Figura 4.3 Determinação do índice de forma das partículas No Quadro 4.1 apresentam-se os índices de forma obtidos no ensaio para os agregados naturais e de betão britado, sendo SI a percentagem em massa de partículas não cúbicas na fração granulométrica. Nos Quadro I.5 a 1.7 do apêndice I apresentam-se os valores registados para o cálculo dos índices. Quadro 4.1 Determinação da forma das partículas Índice de forma da fração Fração Índice de Forma (SI) Agregado natural 10/20 12 Agregado natural 4/12 7 Betão britado 9 Concluímos que os agregados reciclados apresentam um bom índice de forma, sendo a percentagem de partículas não cúbicas do betão britado igual ao valor médio dos valores determinados para o índice de forma dos agregados naturais ensaiados Índice de achatamento Em complemento ao índice de forma, o índice de achatamento permite caracterizar a forma das partículas do material. Foi considerada a Norma Portuguesa NP EN 933-3:2002 Ensaios das propriedades geométricas dos agregados, Parte 3: Determinação da forma das partículas Índice de achatamento, como identificado na Figura

83 TRABALHOS EXPERIMENTAIS Peneiração dos agregados Separação por frações granulométricas Pesagem dos agregados Passagem dos agregados pelo peneiro de barras Figura 4.4 Peneiração normal, pesagem e peneiração em peneiros de barras paralelas para aferir o índice de achatamento Os valores determinados para o índice de achatamento apresentam-se no Quadro 4.2 para as frações submetidas a ensaio. Os registos de todas as determinações feitas nos ensaios efetuados para determinar o índice de achatamento encontram-se no apêndice I, nos quadros I.8 a I.10. Quadro 4.2 Determinação da forma das partículas Índice de achatamento Fração Índice de Achatamento (FI) Agregado natural 10/20 15 Agregado natural 4/12 15 Betão britado 14 Dos valores obtidos pode afirmar-se que o material reciclado apresenta bons resultados, com uma percentagem ligeiramente menor de partículas achatadas quando comparado com os agregados naturais ensaiados. Quando observados, verifica-se que a pasta de cimento que envolve as partículas pétreas influencia a sua forma. Em agregados achatados, a pasta de cimento encontra-se coesa nas maiores superfícies do agregado, contribuindo assim para a redução de agregados achatados na mistura. Gil Filipe Leonor Fernandes 65

84 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Massa volúmica A massa volúmica das partículas é calculada a partir da razão entre a massa e o volume das partículas. Foi seguida a norma portuguesa NP EN :2003+A1:2010 Determinação da massa volúmica e da absorção de água, em que a massa é determinada através da pesagem da amostra com partículas saturadas e com a superfície seca, e a partir da pesagem da mesma amostra após secagem em estufa. No Quadro 4.3 apresentam-se os resultados obtidos na determinação da massa volúmica da fração de agregados com dimensões inferiores a 4mm, sendo a determinação feita pelo método do picnómetro. Os resultados obtidos da realização do ensaio encontram-se no Quadro I.11 do apêndice I. Nos quadros 4.4 e 4.5 apresentam-se os resultados obtidos na determinação da massa volúmica da fração de agregados com dimensões superiores a 4 mm, tendo a determinação sido efetuada pelo método do cesto com rede metálica. À semelhança do anterior, os resultados obtidos da realização do ensaio encontram-se nos quadros I.12 e I.13 do apêndice I. Quadro 4.3 Determinação da massa volúmica da fração 0/4 pelo método do picnómetro (partículas inferiores a 4mm) Massa volúmica do material impermeável das partículas (g/cm 3 ) 2,813 Massa volúmica das partículas secas em estufa (g/cm 3 ) 2,780 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (g/cm 3 ) 2,791 Água absorvida (%) 0,426 Quadro 4.4 Determinação da massa volúmica da fração 4/12 pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Massa volúmica do material impermeável das partículas (g/cm 3 ) 2,704 Massa volúmica das partículas secas em estufa (g/cm 3 ) 2,638 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (g/cm 3 ) 2,662 Água absorvida (%) 0,936 Quadro 4.5 Determinação da massa volúmica da fração 10/20 pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Massa volúmica do material impermeável das partículas (g/cm 3 ) 2,640 Massa volúmica das partículas secas em estufa (g/cm 3 ) 2,578 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (g/cm 3 ) 2,601 Água absorvida (%) 0,906 66

85 TRABALHOS EXPERIMENTAIS A semelhança dos ensaios feitos para os agregados naturais, determinou-se a massa volúmica dos agregados reciclados com partículas inferiores a 4 mm e partículas superiores a 4 mm pelo método do picnómetro e pelo método do cesto com rede metálica, respetivamente. Os resultados obtidos para a amostra com partículas inferiores a 4 mm apresentam-se no Quadro 4.6. No Quadro 4.7 apresentam-se os resultados obtidos para a amostra com partículas superiores a 4mm. Os resultados obtidos na realização do ensaio encontram-se no apêndice I, nos quadros I.14 e I.15, respetivamente Quadro Determinação da massa volúmica da fração de agregados reciclados pelo método do picnómetro (partículas inferiores a 4mm) Massa volúmica do material impermeável das partículas (g/cm 3 ) 2,580 Massa volúmica das partículas secas em estufa (g/cm 3 ) 2,379 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (g/cm 3 ) 2,4563 Água absorvida (%) 3,269 Quadro Determinação da massa volúmica da fração de agregados reciclados pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) Massa volúmica do material impermeável das partículas (g/cm 3 ) 2,405 Massa volúmica das partículas secas em estufa (g/cm 3 ) 2,085 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (g/cm 3 ) 2,218 Água absorvida (%) 6,385 No Quadro 4.8 apresentam-se os valores médios com ponderação das massas volúmicas dos agregados reciclados, quer com dimensões inferiores a 4mm, quer com dimensões superiores a 4 mm. Quadro 4.8 Massa volúmica dos agregados reciclados com ponderação dos valores obtidos para partículas inferiores e superiores a 4mm Massa volúmica do material impermeável das partículas (g/cm 3 ) 2,430 Massa volúmica das partículas secas em estufa (g/cm 3 ) 2,127 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (g/cm 3 ) 2,252 Água absorvida (%) 5,943 Sendo a massa volúmica uma das propriedades dos agregados que melhor representa a sua qualidade, podemos afirmar que os agregados reciclados apresentam qualidade inferior aos agregados naturais, uma vez que é de esperar um aumento do desempenho com o aumento da Gil Filipe Leonor Fernandes 67

86 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte massa volúmica. No entanto, só com a avaliação das propriedades da mistura betuminosa pode averiguar-se melhor se a utilização de agregados de betão britado é aceitável. É ainda de referir que os agregados de betão britado apresentam um valor elevado de água absorvida em comparação com os agregados naturais. Este diferencial é esperado, mais uma vez, pela porosidade da pasta ligante que se encontra a envolver os agregados do betão. Será assim previsível que a percentagem ótima de betume seja mais elevada que a percentagem ótima de betume a que se chega para uma mistura de agregados naturais Azul-de-metileno A qualidade dos finos na mistura de agregados pode ser avaliada, como se referiu, pelo ensaio de azul-de-metileno. Foi seguida a Norma Portuguesa NP EN 933-9:2002 Ensaios das propriedades geométricas dos agregados, Parte 9: Determinação do teor de finos Ensaio do azul-de-metileno, que consiste na incrementação de solução de azul-de-metileno num provete inserido em água. A cada incremento de azul-de-metileno a mistura é agitada e verifica-se a adsorção da solução de azul-de-metileno pelo material, através de uma mancha deixada no papel de filtro. Quando detetado corante livre na mancha observada, o ensaio está terminado pois existe excesso de azul-de-metileno na mistura. Na Figura 4.5 ilustra-se o ensaio de azul-de-metileno, nomeadamente a fase de agitação e a verificação da mancha em papel de filtro. Agitação de solução de azul de metileno com finos Verificação da mancha Figura 4.5 Ensaio de azul-de-metileno em agregados reciclados O valor obtido para o parâmetro MB, azul-de-metileno adsorvido, foi de 0,8 g/kg (g de corante por kg de material). Assim, segundo os requisitos constantes no CEEP, onde MB 10 g/kg, conclui-se que os agregados reciclados cumprem os requisitos Betume O ligante betuminoso é um componente essencial da mistura betuminosa uma vez que liga os agregados e permite a coesão e estabilidade da mistura. 68

87 TRABALHOS EXPERIMENTAIS O ligante betuminoso é diferenciado dos restantes ligantes, nomeadamente hidráulicos, por ter um comportamento viscoelástico e, por isso, apresentar uma resposta peculiar às deformações e assentamentos dos pavimentos rodoviários e às solicitações térmicas. Existem vários tipos de betumes cujas propriedades se adaptam às especificidades de cada tipo de mistura e de pavimento em que são aplicados, e às condições climáticas. Os mais utilizados em Portugal são os betumes de classe de penetração 35/50 e 50/70 para misturas tradicionais. No presente trabalho foi utilizado um betume 50/70 da Repsol, cuja ficha técnica pode ser consultada no Quadro A.I.1 do anexo I. A ficha técnica do material resume as propriedades determinadas pelo produtor e atesta a conformidade do mesmo segundo a norma EN No Quadro 4.9 apresentam-se as propriedades do betume utilizado. Quadro 4.9 Especificação para betume 50/70 (EN 12591, 2009) Propriedades [Condições de ensaio] Penetração (0,1 mm) [25ºC; 100g; 5s] Métodos de Ensaio Betume 50/70 EN 1426 Min 50 Máx 70 Temperatura de amolecimento (ºC) EN 1427 Min 46 Viscosidade cinemática (mm 2 /s) [135ºC] Máx 54 EN Min 295 Solubilidade do tolueno ou xileno (%) EN Min 99 Temperatura de inflamação (ºC) EN 2592 Min 230 Resistência ao endurecimento [RTFOT ou TFOT] Variação de massa (%, ±) Penetração (% p.o.) (a) [25ºC; 100g; 5s] Temperatura de amolecimento (%) Aumento da temperatura de amolecimento (ºC) RTFOT EN ou TFOT EN Máx 0,5 EN 1426 Min 50 EN 1427 Min 48 (b) Máx 11 (a) p.o. Penetração do betume original (b) Obtido por diferença entre a temperatura de amolecimento antes e depois do envelhecimento 4.3 Estudo da Mistura de Agregados Para avaliar o efeito da incorporação de RCD de betão britado em camadas betuminosas de pavimentos rodoviários, estudaram-se as misturas de agregados disponíveis, para posterior formulação das misturas betuminosas a estudar, as quais são do tipo AC 20 base 50/70, como se referiu. Gil Filipe Leonor Fernandes 69

88 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Com base no CEEP, e tendo em conta o fuso granulométrico que se propõem para a mistura betuminosa AC 20 base 50/70, foi determinada a percentagem de cada agregado a colocar na mistura para que a sua granulometria cumprisse o fuso granulométrico proposto. O procedimento foi repetido para a mistura com agregados naturais e para a mistura com 60% de agregados de betão britado. No Quadro I.17 do apêndice I apresenta-se o estudo da mistura de agregados naturais para a formulação da mistura betuminosa. A mistura incluiu 1,5% de filer comercial, tentando-se obter uma mistura de agregados cuja curva granulométrica se aproximasse mais da curva proposta pelo CEEP. A Figura I.1 do Apêndice I reflete o andamento das curvas granulométricas de cada agregado que incorpora a mistura, e a Figura 4.6 apresentada abaixo mostra a curva da mistura de agregados dentro do fuso granulométrico proposto pelo CEEP para uma mistura betuminosa AC 20 base Curva granulométrica da mistura de agregados naturais Material que passa (%) ,01 0, Diâmetros (mm) Espec. (MÁX.) Espec. (min.) Curva de estudo Figura Fuso granulométrico e curva da mistura de agregados naturais O procedimento acima identificado repetiu-se para a mistura com incorporação de agregados de betão britado, estando o estudo da mistura de agregados reciclados apresentado no Quadro I.18 do apêndice I. Importa referir que mais de metade da mistura de agregados é composta por agregados reciclados. A Figura I.2 do apêndice I reflete o andamento das curvas granulométricas de cada agregado que incorpora a mistura, e a Figura 4.7 abaixo apresentada mostra a curva da mistura de agregados dentro do fuso granulométrico proposto pelo CEEP para uma mistura betuminosa AC 20 Base. 70

89 TRABALHOS EXPERIMENTAIS Material que passa (%) Curva granulométrica da mistura com agregados reciclados Espec. (MÁX.) Espec. (min.) 30 Curva de estudo ,01 0, Diâmetros (mm) Figura Fuso granulométrico e curva da mistura de agregados (reciclado + natural) Pode, assim, afirmar-se que os agregados de betão britado permitiram obter uma curva com um andamento granulométrico aceitável, mesmo quando a percentagem de incorporação é 60% da massa total de agregados da mistura. Também para esta mistura foi utilizada uma percentagem de filer de 1,5%. 4.4 Elaboração das Misturas Concluída a caracterização do material e determinada a mistura de agregados a colocar na mistura betuminosa, neste subcapítulo descreve-se o processo de produção das misturas betuminosas. As percentagens dos constituintes agregados obtidas para a mistura de agregados naturais apresentam-se no Quadro 4.10 (as composições das misturas apresentam-se no Quadro II.1). No estudo de formulação do AC 20 base foram avaliadas as propriedades para percentagens de betume a variar entre 3,5 e 5,5%, em intervalos de 0,5%. Quadro 4.10 Percentagem de agregados naturais na mistura Percentagem dos agregados Frações 10/20 4/12 0/4 Filer % ,5 1,5 O procedimento acima descrito repetiu-se para a mistura betuminosa produzida com incorporação de betão britado. A percentagem de material reciclado, bem como a percentagem dos restantes agregados de correção incorporados, apresentam-se no Quadro Gil Filipe Leonor Fernandes 71

90 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro 4.11 Percentagem de agregados de betão britado + agregados naturais na mistura Percentagem dos agregados Frações betão britado 10/20 4/12 0/4 Filer % ,5 19 1,5 No Quadro II.2 do apêndice II são apresentadas as dosagens de material granular e de betume a incorporadas na mistura betuminosa para a realização dos provetes Marshall com agregados reciclados. O procedimento para a elaboração de provetes é ilustrado na Figura 4.8. Agregados em estufa Mistura de agregados conforme estudo da mistura Adição de betume Processo de mistura Colocação no molde para compactação Compactação da mistura betuminosa Figura 4.8 Fabrico dos provetes para a formulação da mistura betuminosa pelo método de Marshall 72

91 TRABALHOS EXPERIMENTAIS O betume e os agregados foram aquecidos, segundo os requisitos na norma EN :2004+A1, a 160ºC, recorrendo-se de seguida à compactação com o compactador de impacto. O procedimento deste tipo de compactação encontra-se descrito na NP EN : A1:2009. O método consiste em compactar de forma dinâmica, provetes cilíndricos, com um diâmetro de 101,6 ± 0,1 mm e 63,5 ± 2,5 mm de altura pela queda de uma massa de 4,5 kg de uma altura de 0,45 m, com a aplicação de 75 pancadas por face. 4.5 Ensaios e resultados das misturas betuminosas Ensaio para determinação da baridade A baridade dos provetes foi determinada segundo a norma EN :2012, tendo sido seguido o procedimento B (bulk density SSD). O procedimento consiste em determinar a massa dos provetes secos, pesados ao ar. De seguida imergi-los durante 30 minutos para que os mesmos fiquem saturados, devendo após este tempo ser efetuada a leitura da balança. A temperatura da água é medida para que se possa determinar a sua densidade na altura do ensaio. Os provetes são de seguida retirados da água, secando-se a superfície com um pano para proceder a nova pesagem do provete saturado. Na Figura 4.9 ilustra-se o procedimento para a determinação da baridade dos provetes. Retirada dos provetes imersos Secagem da superficie com pano Figura 4.9 Determinação da baridade dos provetes No Quadro 4.12 e 4.13 apresentam-se os valores médios das baridades obtidas para os provetes só com agregados naturais e para os provetes com agregados de betão britado, respetivamente. Os resultados obtidos na realização destes ensaios apresentam-se integralmente no apêndice II (Quadros II.5 e II.8). Gil Filipe Leonor Fernandes 73

92 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro 4.12 Baridade dos provetes (mistura só com agregados naturais) Betume (%) Baridade média (g/cm 3 ) 3,50% 2,369 4,00% 2,406 4,50% 2,390 5,00% 2,399 5,50% 2,417 Quadro 4.13 Baridade dos provetes (mistura com agregados de betão britado) Betume (%) Baridade média (g/cm 3 ) 3,50% 2,133 4,00% 2,162 4,50% 2,208 5,00% 2,237 5,50% 2,246 Da análise dos resultados obtidos podemos afirmar que a existência de pasta ligante nos agregados de betão britado contribui para a diminuição da baridade da mistura betuminosa. Assim, também será de esperar que a porosidade dos provetes realizados com agregados reciclados seja superior à porosidade dos provetes realizados com agregados naturais Ensaio para determinação da baridade máxima teórica A baridade máxima teórica foi determinada segundo a norma EN :2009 pelo procedimento A que descreve o método volumétrico. O procedimento para determinação da baridade máxima teórica é ilustrado na Figura As baridades máximas dos provetes Marshall ensaiados são as apresentadas no Quadro 4.14 para as misturas com agregados naturais e no Quadro 4.15 para as misturas com agregados de betão britado. A informação integral relativa aos ensaios realizados é apresentada nos quadros II.7 e II.10 do apêndice II. 74

93 TRABALHOS EXPERIMENTAIS Preparação de provetes Desagregação do provete Colocação do material desagregado no picnómetro Colocação de água dentro do picnómetro Figura 4.10 Ensaio para determinação da baridade máxima teórica Quadro 4.14 Baridade máxima teórica da mistura com agregados naturais Amostra Agregado Natural Percentagem de betume 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% Baridade máxima teórica (kg/m 3 ) 2529,4 2496,3 2468,7 2438,8 2439,1 Quadro 4.15 Baridade máxima teórica da mistura com agregados de betão britado Amostra Agregado Reciclado Percentagem de betume 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% Baridade máxima teórica (kg/m 3 ) 2478,0 2435,1 2405,8 2384,6 2378,5 Note-se, pela análise dos valores apresentados nos quadros 4.14 e 4.15, que a mistura com agregados naturais tem uma densidade máxima superior à mistura com agregados de betão britado, o que seria de esperar uma vez que estes têm uma densidade inferior devido à pasta ligante. Além disso, podemos considerar a massa volúmica de cada material na mistura. As massas volúmicas determinadas apresentam-se nos quadros II.3 e II.4 (apêndice II) para a mistura com agregados naturais e para a mistura com agregados de betão britado, respetivamente. A massa volúmica considerada para o betume utilizado (50/70) foi de 1,030 g/cm 3. Gil Filipe Leonor Fernandes 75

94 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Assim, para cada percentagem de betume, temos uma baridade máxima teórica da mistura. Os resultados obtidos por cálculo apresentam-se no Quadro 4.16 para a mistura com agregados naturais e no Quadro 4.17 para a mistura com agregados de betão britado. Quadro 4.16 Baridade máxima (calculada) da mistura com agregados naturais % Betume Baridade máxima teórica (g/cm 3 ) 3,5 2,543 4,0 2,524 4,5 2,505 5,0 2,486 5,5 2,468 Quadro 4.17 Baridade máxima (calculada) da mistura com agregados de betão britado % Betume Baridade máxima teórica (g/cm 3 ) 3,5 2,272 4,0 2,258 4,5 2,244 5,0 2,230 5,5 2,216 A análise dos valores obtidos por cálculo permite concluir que os provetes realizados com agregados naturais mantêm baridades superiores, tal como se observou nos resultados experimentais, consequência da existência de material muito poroso nas misturas betuminosas com agregados reciclados. No entanto, pode verificar-se uma particularidade entre os dois métodos apresentados no cálculo da baridade máxima teórica. No caso das misturas com agregados naturais, a baridade máxima obtida por cálculo é superior à baridade determinada experimentalmente, enquanto nas misturas com agregados de betão britado os valores mais elevados são os obtidos experimentalmente. Tal facto pode explicar-se pela grande quantidade de poros existentes nos agregados com betão britado, os quais podem ser preenchidos com betume no processo de mistura, alterando assim a massa volúmica aparente do agregado de betão britado, aumentando consequentemente a baridade máxima teórica obtida experimentalmente. Neste caso, a aplicação da expressão analítica conduz a resultados aparentemente menos realistas. 76

95 TRABALHOS EXPERIMENTAIS Determinação da porosidade e VMA Com base nos valores obtidos para a baridade dos provetes e para a baridade máxima teórica da mistura, foram determinadas as características volumétricas dos provetes. Assim, determinaram-se as porosidades dos provetes cujos valores médios se apresentam no Quadro 4.18 para os provetes com mistura de agregados naturais e no Quadro 4.19 para os provetes com agregados de betão britado. A totalidade dos valores determinados é apresentada nos quadros II.7 e II.10 do apêndice II. Verifica-se que para quantidades mais elevadas de betume a porosidade diminui. O volume de vazios na mistura de agregados (VMA) apresenta uma variação típica, com os valores a baixarem até uma determinada percentagem betume, aumentando a partir desse ponto. Quadro 4.18 Porosidade e VMA em provetes com agregados naturais Betume (%) Baridade (g/cm 3 ) Porosidade (%) VMA (%) 3,50% 2,529 6,33% 14,38% 4,00% 2,496 3,62% 12,96% 4,50% 2,469 3,19% 13,64% 5,00% 2,439 1,62% 13,27% 5,50% 2,439 0,89% 13,80% Quadro 4.19 Porosidade e VMA em provetes com agregados de betão britado Betume (%) Baridade (g/cm 3 ) Porosidade (%) VMA (%) 3,50% 2,478 13,94% 21,19% 4,00% 2,435 11,22% 19,62% 4,50% 2,406 8,21% 17,86% 5,00% 2,385 6,18% 17,04% 5,50% 2,379 5,59% 17,58% Refere-se ainda que, segundo o CEEP, o VMA mínimo para uma mistura AC 20 base é de 14%, o que apenas se verifica para percentagens de betume muito baixas, embora a generalidade dos valores obtidos sejam da ordem de 14% para as restantes percentagens de betume. Gil Filipe Leonor Fernandes 77

96 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Relativamente aos provetes ensaiados com mistura de agregados de betão britado, o VMA está acima de 14% para qualquer percentagem de betume utilizada, facto este que se deve à alta porosidade observada nas misturas com agregados reciclados Ensaio de compressão de Marshall O ensaio de compressão foi realizado de acordo com a norma EN : A1:2007, e consiste em medir a resistência mecânica dos provetes quando submetidos a condições específicas de ensaio. A realização deste ensaio é fundamental pois a composição ótima da mistura é realizada em função das características volumétricas obtidas e do comportamento mecânico. Apresentam-se na Figura 4.11 as várias etapas da realização do ensaio de compressão de Marshall, nomeadamente a colocação de provetes à temperatura de 60ºC, a sua colocação na prensa, a medição da resistência à compressão e a deformação máxima obtida. Provetes em banho-maria Equipamento (prensa) utilizado no ensaio Aplicação de uma força de compressão ao provete Resultado após ensaio rotura do provete Figura 4.11 Ensaio de compressão de Marshall Os valores médios obtidos dos ensaios de compressão realizados são apresentados nos Quadros 4.20 e Também nos quadros apresentados se regista a deformação máxima em cada provete ensaiado. Os resultados obtidos para todos os provetes ensaiados são apresentados no apêndice II (provetes com agregados naturais: Quadro II.6; provetes com agregados reciclados: Quadro II.9). Nas secções III.1 e III.2 do apêndice III apresentam-se os resultados 78

97 TRABALHOS EXPERIMENTAIS gráficos obtidos dos ensaios de compressão de Marshall para os provetes com agregados naturais e provetes com agregados de betão britado, respetivamente. Quadro 4.20 Resultados do ensaio de Compressão Marshall (valores médios) Misturas com agregados naturais Betume (%) Estabilidade (kn) Deformação (mm) 3,50% 10,2 3,3 4,00% 12,3 3,2 4,50% 10,2 2,7 5,00% 10,5 3,1 5,50% 10,0 4,1 Quadro 4.21 Resultados do ensaio de Compressão Marshall (valores médios) Misturas com agregados de betão britado Betume (%) Estabilidade (kn) Deformação (mm) 3,50% 15,8 2,9 4,00% 15,7 3,0 4,50% 15,4 2,6 5,00% 16,0 2,8 5,50% 13,0 2,9 Da análise dos valores obtidos podemos concluir que o desempenho observado nos provetes com agregados de betão britado é superior ao desempenho observado nos provetes só com agregados naturais. Não só se obtêm estabilidades superiores como também se verificam deformações inferiores. Este acréscimo de resistência à compressão em provetes com mistura de agregados reciclados relativamente à obtida para os provetes com mistura de agregados naturais deve-se, provavelmente, à forma muito rugosa e irregular da superfície das partículas de agregado de betão britado que melhoram a ligação entre o agregado e o betume. Embora seja, por vezes, referida na bibliografia a hidratação de partículas de cimento para explicar o aumento de resistência verificado, afigura-se inverosímil que isso ocorra em betões com uma idade considerável, nos quais os processos de hidratação serão quase inexistentes Percentagem ótima de betume Dos valores atrás determinados, nomeadamente a baridade, a porosidade, o VMA, a estabilidade e a deformação, é possível traçar os gráficos que se apresentam na Figura 4.12 para misturas com agregados naturais e na Figura 4.13 para misturas com agregados de betão britado. Gil Filipe Leonor Fernandes 79

98 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte 2,430 7,0% Baridade (g/cm 3 ) 2,420 2,410 2,400 2,390 2,380 2,370 2,360 R² = 0,6165 Porosidade (%) 6,0% 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% R² = 0,9647 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% Percentagem de Betume Percentagem de Betume 13,0 4,5 Força de Rotura (kn) 12,0 11,0 10,0 9,0 R² = 0,2841 Deformação (mm) 4,0 3,5 3,0 2,5 2,0 R² = 0,8987 8,0 1,5 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% Percentagem de Betume Percentagem de Betume 15,0% 14,5% VMA (%) 14,0% R² = 0,565 13,5% 13,0% 12,5% 12,0% 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% Percentagem de Betume Figura 4.12 Gráficos para a determinação da percentagem ótima de betume na mistura só com agregados naturais Segundo as indicações do CEEP para um AC 20 base, a porosidade deve estar entre 3 e 6%, a deformação entre 2 e 4 mm e o VMA mínimo deverá ser de 14%. 80

99 TRABALHOS EXPERIMENTAIS Baridade (g/cm 3 ) 2,260 2,240 2,220 2,200 2,180 2,160 2,140 2,120 R² = 0,9833 Porosidade (%) 16,0% 14,0% 12,0% 10,0% 8,0% 6,0% 4,0% 2,0% 0,0% R² = 0,9937 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% 3,50% 4,00% 4,50% 5,00% 5,50% Percentagem de Betume Percentagem de Betume 20,0 3,50 Força de Rotura (kn) 18,0 16,0 14,0 12,0 10,0 R² = 0,7246 Deformação (mm) 3,30 3,10 2,90 2,70 R² = 0,4577 8,0 2,50 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% Percentagem de Betume Percentagem de Betume VMA (%) 22,00% 21,00% 20,00% 19,00% 18,00% 17,00% R² = 0, ,00% 15,00% 3,5% 4,0% 4,5% 5,0% 5,5% Percentagem de Betume Figura 4.13 Gráficos para a determinação da percentagem ótima de betume em misturas com agregados de betão britado Tendo em conta os requisitos apresentados obtemos a percentagem ótima de betume que, em resumo, se apresenta no Quadro 4.22 para a mistura betuminosa só com agregados naturais e no Quadro 4.23 para a mistura com agregados de betão britado. Gil Filipe Leonor Fernandes 81

100 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro 4.22 Percentagem ótima de betume para a mistura só com agregados naturais Ensaios Realizados % Betume Baridade 5,50% Estabilidade 4,25% Porosidade (3-6) 3,90% % Ótima 4,6% Deformação (2-4) 4,6% 2,7 mm VMA (min 14) 4,6% 13,25% Com base nos valores obtidos para a baridade, porosidade e estabilidade, obteve-se a percentagem de betume. Com base no valor médio das percentagens de betume obtidas, designada por percentagem ótima de betume, verificou-se o cumprimento do CEEP no que diz respeito à deformação e VMA. Assim, obteve-se, para a mistura betuminosa com agregados naturais, uma percentagem ótima de betume de 4,6%. Quadro 4.23 Percentagem ótima de betume para misturas com agregados de betão britado Ensaios Realizados % Betume Baridade 5,00% Estabilidade 4,00% Porosidade (3-6) 5,20% % Ótima 4,7% Deformação (2-4) 4,7% 2,78 mm VMA (min 14) 4,7% 17,20% Da análise aos elementos apresentados verifica-se que as percentagens ótimas de betume para as misturas betuminosas apenas com agregados naturais e com agregados reciclados são de 4,6 e de 4,7%, respetivamente. Poderá ainda ser referido que o acréscimo de betume entre as misturas, apesar de residual, pode dever-se, em parte, à porosidade mais elevada dos agregados de betão britado Ensaio de wheel-tracking Como complemento ao estudo das misturas betuminosas foram realizados ensaios de simulação em pista com recurso ao equipamento wheel-tracking. Com base no teor ótimo em betume foram consideradas duas lajes para casa série (agregados naturais e agregados de betão britado). No entanto, não se efetuou o estudo da resistência à deformação permanente de misturas com 0,5% de percentagem em betume, abaixo e acima do teor ótimo em betume, uma vez que apenas se pretendia comparar o comportamento de ambos os grupos de misturas betuminosas. 82

101 TRABALHOS EXPERIMENTAIS O ensaio de wheel-tracking foi utilizado para a determinação da resistência à deformação permanente, de acordo com a norma EN : A1:2007. As fórmulas de trabalho obtidas pela formulação Marshall realizada foram utilizadas para o fabrico de lajes para posterior ensaio à deformação permanente. Foram ensaiadas quatro lajes, duas com mistura de agregados naturais (designadas por Ai) e percentagem de betume de 4,6%, e duas com mistura de agregados de betão britado (designadas por Ri) e percentagem ótima de betume de 4,7%. O procedimento para a realização das lajes encontra-se representado na Figura O mesmo consiste em produzir a mistura betuminosa, colocar num molde com as dimensões pretendidas (30x30x6 [cm 3 ]), e proceder à compactação do material. Mistura betuminosa pronta a compactar Laje para ensaio com wheel-tracking Figura 4.14 Fabrico de lajes para ensaio com wheel-tracking As características volumétricas das lajes realizadas encontram-se no Quadro Quadro 4.24 Características volumétricas das lajes Massa do Provete (g) Provete (Laje) Betume (%) Pesado ao ar (M1) Imerso em água (M2) Com a Sup. Seca c/ pano (M3) Temp. água (ºC) Densidade da água Baridade (g/cm 3 ) A1 4, ,7 7427, ,3 18,5 0,9986 2,395 A2 4, ,8 7509, ,8 18,5 0,9986 2,399 R1 4, ,9 6507, ,1 18,5 0,9986 2,177 R2 4, ,7 6453, ,1 18,0 0,9987 2,200 Tratando-se de uma camada de base, aplicada no mínimo a 10 cm de profundidade relativamente à superfície do pavimento, a temperatura, em Portugal, raramente ultrapassa os 45ºC (Capitão, 2003). Assim, como condições de ensaio foi adotada uma temperatura de Gil Filipe Leonor Fernandes 83

102 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte 50ºC, contrariamente ao referido no anexo nacional da norma NP EN :2011, e uma aplicação de ciclos. O ensaio realizado encontra-se ilustrado na Figura Roda de aplicação de carga do equipamento Carga sobre a roda para aplicação de uma pressão constante Equipamento de wheel-tracking Controladores de temperatura (50ºC) Figura 4.15 Equipamento para realização do ensaio de wheel-tracking O ensaio terminou aos ciclos para as lajes A1, R1 e R2, assim identificadas no quadro 4.24, tendo para a laje A2 terminado aos 9750 ciclos, uma vez que foi atingida a profundidade de rodeira de 20 mm. Os gráficos representativos dos ensaios realizados às lajes com agregados naturais encontram-se na secção III.5 do apêndice III (figuras III.43 e III.44). Para as lajes com agregados reciclados, os gráficos obtidos são apresentados na secção III.6 do apêndice III (figuras III.45 e III.46). Novamente se observa um melhor desempenho nas lajes com mistura de agregados reciclados. Após o ensaio, a profundidade máxima da rodeira não chegou a atingir 6 mm, enquanto as rodeiras observadas nas lajes com mistura de agregados naturais aproximaram-se ou ultrapassaram mesmo a profundidade máxima de 20 mm. Com base nos resultados obtidos calcularam-se a percentagem média de profundidade de rodeira e a taxa média de deformação em ensaio de pista que se apresentam no Quadro O CEEP não aponta qualquer requisito relativamente àqueles parâmetros, sendo que os valores mais elevados indicam menor resistência à deformação permanente. A laje com mistura de agregados de betão britado apresenta claramente melhor desempenho à deformação permanente. 84

103 TRABALHOS EXPERIMENTAIS Quadro 4.25 Valores médios de profundidade de rodeira (PRD AIR ) e taxa de deformação em ensaio de pista (WTS AIR ) Lajes A (agregados naturais) Lajes R (agregados naturais + agregados reciclados) PRD AIR (%) 30,9 10,2 WTS AIR (mm/10 3 ciclos de carga) 1,82 0,44 Na Figura 4.16 podem observar-se as lajes após a realização do ensaio. Laje com agregados reciclados após ensaio Laje de agregados naturais após ensaio Figura 4.16 Aspeto final das lajes após ensaio de wheel-tracking Assim, pode concluir-se que o agregado de betão britado utilizado na mistura em substituição de parte do agregado natural, no presente caso numa proporção de 60% da mistura de agregados, contribui para a melhoria da coesão da mistura, aumentando a sua capacidade resistente à deformação permanente. Julga-se que, tal como se verificou no ensaio de compressão de Marshall, a forma mais angulosa das partículas de betão britado poderá ter contribuído para a melhoria de comportamento verificado Sensibilidade à água A avaliação da sensibilidade à água das misturas betuminosas foi realizada de acordo com o método A da norma EN :2008. Os seus valores, segundo a norma EN :2003, obtêm-se com recurso a ensaios de compressão diametral, realizados sobre dois grupos de provetes expostos a condições distintas. O primeiro grupo de provetes foi acondicionado ao ar a 20 ºC. O segundo grupo foi colocado em vácuo de forma a saturar os provetes, e garantir a chegada de água aos interstícios, sendo posteriormente acondicionados em banho de água a 40ºC por um período de 68 a 72 horas. Concluído o período de acondicionamento, os provetes foram sujeitos a ensaios para Gil Filipe Leonor Fernandes 85

104 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte determinar a resistência à tração indireta. Na Figura 4.17 ilustra-se o procedimento de ensaio descrito. Provetes imersos a 40ºC Prensa para a realização do ensaio Aplicação de tração indireta Provetes após o ensiao Figura 4.17 Tração indireta de provetes para avaliação da sensibilidade à água Na realização dos provetes para o ensaio de sensibilidade à água foi apenas considerada a composição com a percentagem ótima de betume, à semelhança do realizado para os ensaios de wheel-tracking, uma vez que apenas se pretendia comparar as duas misturas em apreciação. As características volumétricas dos provetes realizados com agregados naturais são apresentadas no Quadro II.15. e no Quadro II.17 dos provetes realizados com agregados de betão britado. Dos resultados obtidos na determinação da resistência à tração indireta em provetes com agregados naturais, não foi considerado o resultado do provete Sa4, considerado como outlier. Pode concluir-se que a resistência à ação da água da mistura com agregados naturais é boa (111%), embora mais elevada do que seria de esperar. A dispersão dos resultados, a que as amostras pequenas tendem a conduzir, pode estar na origem do inesperado valor médio superior a 100%. No Quadro II.16 apresentam-se os resultados obtidos no ensaio para a determinação do parâmetro ITSR em provetes com agregados naturais. Os resultados completos dos ensaios de compressão diametral realizados para determinação da resistência à tração indireta encontram-se na secção III.3 do apêndice III. 86

105 TRABALHOS EXPERIMENTAIS Relativamente aos provetes com agregados de betão britado, cujos resultados se apresentam no Quadro II.18 e na secção III.4 do apêndice III, para os provetes secos obtiveram-se valores de ITS superiores aos observados em provetes com agregados naturais, embora haja uma diminuição da resistência à tração indireta quando submetidos a condições desfavoráveis da ação da água. O parâmetro ITSR obtido é de 81%, o que traduz um aceitável comportamento em termos de sensibilidade à água. 4.6 Considerações Finais Os trabalhos experimentais realizados e expostos ao longo deste capítulo podem dividir-se em duas etapas distintas: caracterização do material a utilizar, e avaliação das misturas betuminosas produzidas. Pode afirmar-se que as características geométricas observadas nos agregados reciclados são em tudo idênticas às características observadas nos agregados naturais. Os agregados de betão britado têm uma granulometria adequada aos fusos granulométricos propostos no CEEP, havendo uma necessidade de correção reduzida. Verifica-se também alguma semelhança nos resultados obtidos para os índices de forma e achatamento. Existe um aumento de partículas não cúbicas com o aumento da dimensão máxima do agregado, o que se traduz diretamente na redução da qualidade do material. Este facto é observável tendo em conta os resultados obtidos para índice de forma da fração 4/12 e 10/20 dos agregados naturais. O resultado obtido para o índice de forma dos agregados de betão britado é igual ao valor médio do índice de forma dos agregados naturais utilizados no presente estudo, pelo que podemos concluir que não existem variações geométricas determinantes para a não-aceitação do material reciclado. Além disso, quando ensaiados os agregados para determinação da sua massa volúmica, verifica-se que, no caso do betão britado, este tem sempre uma massa volúmica inferior aos agregados naturais. O betão britado tem na sua constituição vários materiais de construção, predominando os agregados naturais, sendo o restante volume ocupado por pasta de cimento endurecida. Esta pasta é responsável por reduzir drasticamente a massa volúmica do betão britado devido à sua porosidade. Pelo ensaio do azul-de-metileno foi possível avaliar a eventual contaminação do agregado de betão britado por finos argilosos. Concluiu-se que o material tem quantidades mínimas de contaminação por partículas argilosas, sendo a sua avaliação semelhante à de um agregado natural. De referir que os agregados reciclados utilizados eram na totalidade constituídos por betão britado, sem materiais cerâmicos, o que favorece os resultados obtidos. Foram elaboradas duas misturas betuminosas para estudo, uma apenas com agregados naturais e outra também com agregados reciclados. Pelo bom andamento da curva granulométrica que se verificou para os agregados reciclados foi possível estudar uma mistura de agregados com 60% de material reciclado, tendo sido utilizados apenas 40% de agregados naturais. Gil Filipe Leonor Fernandes 87

106 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte As misturas betuminosas foram estudadas em três partes distintas: Elaboração de provetes Marshall/ensaio de compressão de Marshall; Realização do ensaio de wheel-tracking (simulador de pista); Ensaio de sensibilidade à água. Verificou-se que para a mistura com agregados reciclados se obteve uma percentagem ótima de betume superior. A diferença registada é mínima, igual a 0,1%, e pode deve-se à porosidade do material reciclado. Tal facto pode também ser confirmado com os resultados obtidos para a baridade, porosidade e VMA dos provetes Marshall. Os ensaios de compressão de Marshall revelaram um melhor desempenho das misturas realizadas com material reciclado, tendo sido atingidos valores superiores de força de rotura, apresentando ainda uma deformação inferior aos provetes com mistura de agregados naturais. O comportamento observado pode estar relacionado com a melhor coesão da mistura promovida pela maior angulosidade das partículas de betão britado, relacionado com uma melhor ligação agregado betume. A coesão referida pode também ser observada quando avaliado o desempenho à deformação permanente através do ensaio de wheel-tracking. Nos provetes elaborados com agregados reciclados foi possível atingir os ciclos, sendo a deformação obtida sempre inferior a 6 mm. No caso de provetes elaborados com agregados naturais a deformação obtida foi superior, sendo que num dos casos não foram atingidos os ciclos, uma vez que a deformação atingiu 20 mm. Também no ensaio de tração indireta foi observada, para os provetes secos, uma resistência média superior da mistura com agregados de betão britado, embora o parâmetro ITSR, utilizado para avaliar a sensibilidade à água, seja mais baixo neste caso que na mistura produzida apenas com agregados naturais. Mesmo assim, pode considerar-se aceitável o valor de ITSR de 81%, obtido para a mistura com betão britado. Por fim, feita uma análise aos resultados obtidos, conclui-se que os agregados reciclados de betão britado podem claramente desempenhar funções nobres num pavimento rodoviário. Além de não apresentarem genericamente prestações inferiores aos agregados naturais, permitem produzir misturas betuminosas cujas características mecânicas, avaliadas por ensaios simples, superam algumas das observadas para a mistura convencional com agregados totalmente naturais. Os ensaios realizados ao longo do presente trabalho não são suficientes para evidenciar a aptidão destes materiais na construção de pavimentos rodoviários. No entanto, mostra-se pelos resultados positivos a que se chegou, a importância de estudar e valorizar os RCD como materiais de construção de pavimentos rodoviários. 88

107 CONCLUSÕES GERAIS E TRABALHOS FUTUROS 5 CONCLUSÕES GERAIS E TRABALHOS FUTUROS 5.1 Síntese do Trabalho e Conclusões Gerais Com a realização do presente trabalho pretendia-se contribuir para o conhecimento dos RCD habitualmente produzidos, contribuindo para o incremento da sua utilização na construção rodoviária. Ao longo da dissertação foram abordados os principais aspetos relacionados com a geração, seleção e destino final de RCD, incluindo estudos realizados por vários autores relativos à aplicação de RCD em pavimentos rodoviários. Verificou-se que os estudos se têm centrado de forma maioritária na aplicação de RCD em camadas não ligadas de pavimentos rodoviários, embora também haja referências à aplicação de RCD em camadas ligadas. Os trabalhos experimentais efetuados na presente dissertação foram direcionados para a utilização de RCD como agregados em misturas betuminosas, nomeadamente em camadas de base, tendo-se efetuado um estudo comparativo entre duas misturas betuminosas do tipo AC 20 base 50/70, uma produzida com agregados naturais britados, de natureza calcária, e outra na qual se substituiu 60% da massa de agregados naturais por betão britado. Inicialmente, ao longo do capítulo 2 fez-se uma síntese da produção de resíduos com base numa revisão bibliográfica, onde são indicadas as origens dos RCD e os locais mais utilizados como destino final. Verificou-se que a indústria da construção civil tem atuado, nos últimos anos, de forma mais acentuada na demolição e reabilitação de edifícios e de outros tipos de construções, o que tem levado a uma produção crescente de resíduos. Além disso, a exploração descontrolada de recursos naturais e a má gestão na sua utilização tem contribuído para a geração de maior quantidade de RCD. Foram enumerados os materiais que maioritariamente são encontrados na composição dos RCD e discutiu-se a sua empregabilidade em pavimentos rodoviários. Uma vez que muitos pavimentos são constituídos por estruturas em grande parte formadas por material granular, a incorporação de RCD em pavimentos na forma de agregados afigura-se uma alternativa plausível, quer porque os materiais obtidos têm boas características, quer porque as camadas granulares são capazes de albergar uma grande quantidade de RCD, contribuindo assim para a diminuição de resíduos depositados em vazadouros. A valorização de RCD que possibilita a sua aplicação em pavimentos rodoviários, exige que aqueles materiais passem num processo de seleção. No capítulo 2 apresentaram-se os equipamentos habitualmente utilizados no processo, desde a recolha até à britagem, explicando-se o funcionamento geral de uma central de produção de agregados reciclados. Gil Filipe Leonor Fernandes 89

108 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Nota-se que a prática de demolições seletivas é muito importante para aumentar a qualidade do material reciclável, obtendo-se características adequadas à sua aplicação na construção e reabilitação de pavimentos rodoviários. Quando se reutilizam RCD em pavimentos é necessário verificar o cumprimento de um conjunto de requisitos, tal como acontece para os materiais novos. Por isso, apresentaram-se as propriedades habitualmente exibidas pelos agregados de RCD e os respetivos requisitos indicados, por exemplo, no caderno de encargos da EP. Apesar dos requisitos utilizados terem sido os normalmente considerados para agregados naturais, julga-se que os agregados reciclados poderão ser aplicados sem cumprir todos os requisitos estabelecidos, desde que as características finais das camadas sejam adequadas. Em Portugal, existem já algumas especificações para a aplicação de RCD em camadas não ligadas e na reciclagem de pavimentos. No entanto, ainda não estão estabelecidos requisitos específicos para a aplicação de RCD provenientes da construção de edifícios em misturas betuminosas. De uma forma geral, foi observado o cumprimento das exigências propostas, por exemplo, no caderno de encargos da EP. Verificou-se que o betão britado é geralmente um material bem graduado, embora, tenda a apresentar uma resistência à fragmentação e ao desgaste inferiores aos agregados naturais. Os agregados reciclados são normalmente mais porosos, com uma massa volúmica inferior aos agregados naturais. São, por isso, mais suscetíveis à absorção de água e, consequentemente, uma mistura de agregados de betão britado com porosidade elevada tenderá a necessitar de uma maior quantidade de betume, de modo a que a parcela de betume efetivo (a que realmente liga as partículas) seja semelhante à utilizada para os agregados naturais. Pode concluir-se que, havendo uma correta seleção e processamento dos RCD, pode obter-se uma mistura de agregados reciclados cujas características são admissíveis para a sua incorporação como constituintes de um pavimento rodoviário, nomeadamente em camadas betuminosas. Abordou-se a problemática da construção sustentável e fez-se uma resenha sobre os esforços de avaliação da viabilidade da aplicação de RCD em pavimentos rodoviários. Descreveram-se os materiais aplicáveis a pavimentos rodoviários para as diferentes situações de utilização, quer em camadas não ligadas, quer em camadas ligadas com betume. Uma vez que a qualidade dos materiais interfere diretamente nas características dos pavimentos rodoviários, identificaram-se os tipos de pavimentos rodoviários e os desempenhos esperados. Tendo as camadas superficiais funções marcadamente funcionais, para as quais geralmente existem requisitos específicos nos cadernos de encargos, a revisão bibliográfica não permitiu identificar situações de utilização habitual de agregados reciclados para aquele tipo de camadas, excetuando-se o caso de pó de tijolo como filer. Contudo, julga-se plausível a utilização de alguns tipos de agregados reciclados em camadas de desgaste, designadamente no caso em que são reciclados materiais anteriormente aplicados em camadas do mesmo tipo. 90

109 CONCLUSÕES GERAIS E TRABALHOS FUTUROS No que diz respeito à utilização de alguns tipos de RCD em camadas betuminosas não superficiais e camadas granulares de base e de sub-base, verificou-se que há um grande potencial de aplicação, sendo uma das soluções para contribuir para a sustentabilidade na construção. Concluiu-se ainda, com base na classificação realizada por Branco et al. (2006), que as patologias verificadas nos pavimentos rodoviários dependem da qualidade dos materiais, sendo de maior importância para algumas delas, tais como o aparecimento de fendas e a ocorrência de assentamentos nos pavimentos. De forma a identificar os materiais considerados como RCD e possíveis de utilizar na construção de pavimentos rodoviários, foram distinguidos dois tipos de materiais diferentes: os que provêm de pavimentos rodoviários (reciclagem de pavimentos), e materiais provenientes da construção e demolição de edificações ou de obras de construção. No primeiro caso, os materiais tendem a ter as características necessárias para uma camada de pavimento homóloga à original, enquanto no outro caso a utilização em camadas de pavimentos pode estar mais limitada. A reciclagem de pavimentos é um tema que tem sido amplamente estudado, tendo sido referidos os vários processos de reciclagem mais conhecidos, e indicadas algumas referências de trabalhos anteriores que se debruçaram com detalhe sobre a sua investigação. Ao contrário do que geralmente ocorre com os materiais provenientes de misturas betuminosas, os materiais provenientes de outras origens são habitualmente utilizados na substituição de agregados naturais na mistura mas não contribuem para a redução da percentagem de betume na mistura betuminosa. Relativamente à aplicação de RCD em camadas não ligadas de pavimentos rodoviários, vários estudos apontam para a melhoria do desempenho observado. A melhoria ocorre devido à presença de uma quantidade apreciável de finos, os quais aumentam a densidade do material e podem promover o desenvolvimento de fenómenos de sucção no seu interior, e da existência de materiais com cimento que conferem às partículas uma forma predominantemente cúbica e angulosa após a britagem e a compactação. Alguns autores referem também a possibilidade de ocorrer hidratação do cimento que possa ter permanecido no betão sem ter reagido, o que, a verificar-se, pode aumentar a coesão entre as partículas, melhorando a resistência da camada. Contudo, quando o betão proveniente de demolições apresenta uma idade considerável, afigura-se pouco provável que o fenómeno referido tenha um significado apreciável para as características finais da camada. Também em misturas betuminosas com RCD se verificam algumas melhorias nas propriedades mecânicas, nomeadamente na estabilidade que aumenta com o aumento da percentagem de RCD incorporados na mistura. Devido à elevada porosidade dos agregados reciclados, tende a obter-se um aumento da percentagem ótima de betume. Nos estudos referidos na bibliografia, verificou-se que o VMA diminui com o aumento da percentagem de RCD na mistura de agregados. Vários autores justificam esta diminuição devido ao Gil Filipe Leonor Fernandes 91

110 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte esmagamento da pasta ligante endurecida que se encontram ligada aos agregados de betão britado ou de argamassa, produzindo material fino que acaba por colmatar parte dos vazios existentes. Tal facto não é sempre verificado, julgando-se que a variação do VMA está também diretamente relacionada com a energia aplicada na compactação das camadas. Por vezes, verifica-se o contrário, ou seja o aumento do VMA com o aumento da parcela de agregados reciclados na mistura. Nestes casos, dada a qualidade do betão reciclado, os agregados reciclados não sofrem uma desagregação assinalável, contribuindo pouco para a colmatação de vazios na mistura. Assim, o VMA aumenta por causa das porosidades elevadas destes agregados reciclados. A caracterização laboratorial dos agregados de betão britado utilizados no estudo experimental, bem como a avaliação de vários parâmetros das misturas betuminosas nos quais foram integrados, permitiram concluir que são agregados aceitáveis para incorporar em camadas betuminosas não superficiais. São materiais bem graduados, com uma granulometria adequada. Foi possível cumprir o fuso granulométrico especificado para um AC 20 base com uma incorporação reduzida de agregados naturais, tendo sido utilizados apenas 40% de agregados naturais na mistura de agregados. Relativamente aos índices de forma e de achatamento, os agregados de betão britado apresentaram boa características, embora, como é referido por alguns autores (Ferreira, 2009), o aumento da dimensão do agregado tende a traduzir-se num aumento de partículas não cúbicas da mistura. Foi avaliada a contaminação dos finos da mistura com recurso ao ensaio de azul-de-metileno, tendo-se obtido um resultado que configura uma boa qualidade dos finos da mistura de com agregados de betão britado, tendo como referência, por exemplo, o caderno de encargos da EP que estabelece como requisito para materiais a incorporar em misturas do tipo AC 20 base a categoria MB F 10. As duas misturas betuminosas estudadas, uma com agregados naturais e outra incorporando também agregados de betão britado, não foram produzidas exatamente com a mesma percentagem de betume. Julga-se que a maior absorção de betume no caso dos agregados reciclados, causada pela maior porosidade destes, pode ter levado à obtenção de uma maior percentagem ótima de betume no caso do AC20 com agregados de betão britado. Apesar de outros estudos não o revelarem, também o VMA da mistura reciclada supera o VMA da mistura com agregados de betão britado, em consequência da sua porosidade superior. No ensaio de compressão de Marshall verificaram-se maiores valores de estabilidade para as misturas com agregados de betão britado. Em média, para todas as percentagens de betume utilizadas, foram obtidas estabilidades acima de 10 kn para as misturas com agregados naturais, observando-se um máximo de 12,3. Para as misturas com agregados de betão britado aqueles valores foram superados, tendo-se obtido estabilidades médias de 15 kn. O melhor desempenho das misturas com agregados reciclados foi também observado nos ensaios de simulação de pista (wheel-tracking). Os vários indicadores de resistência à deformação permanente obtida para as lajes com agregados naturais foram geralmente piores 92

111 CONCLUSÕES GERAIS E TRABALHOS FUTUROS que os obtidos para as lajes com agregados de betão britado. A magnitude da deformação permanente induzida nas lajes pela sucessiva passagem da roda foi manifestamente menor para os materiais com agregados reciclados. Julga-se que a forma angulosa dos agregados de betão britado, associada à eventual desagregação de partículas finas durante o processo de compactação, podem dar origem a um material com maior coesão e com um mástique mais rígido, o que pode explicar o comportamento observado nos ensaios de compressão de Marshall e nos ensaios de wheeltracking. Os ensaios de sensibilidade à água conduziram a valores de força de rotura dos provetes à tração indireta superiores para a mistura betuminosa com agregados de betão britado que os observados para a mistura com agregados naturais. Contudo, a primeira revelou uma maior perda de resistência quando sujeita a condições mais severas de ação da água que a segunda, embora apresentando ainda valores muito satisfatórios. Com base nos resultados obtidos pode conclui-se que os agregados de betão britado poderão ser utilizados como materiais de construção de pavimento rodoviários, nomeadamente em misturas betuminosas para aplicação em camadas de base. As conclusões obtidas dizem respeito aos ensaios realizados e aos agregados de betão britado utilizados, os quais foram selecionados de forma a não conterem outro tipo de RCD misturados. Estas conclusões não podem ser alargadas a outro tipo de agregados reciclados provenientes de RCD, nos quais a percentagem de constituintes com pastas cimentícias seja muito reduzida. Devido à heterogeneidade dos RCD, ao desconhecimento das suas características típicas e ao seu desempenho em misturas betuminosas, a utilização daquele tipo de materiais em misturas betuminosas implica sempre a realização de estudos de formulação, mais ou menos extensos, de modo a reduzir o risco de insucesso no desempenho das betuminosas em serviço. A progressiva utilização de determinados componentes dos RCD, tais como os agregados de betão britado, permitirão aumentar a experiência com a aplicação deste tipo de materiais constituintes, mantendo as expectativas de desempenho dos pavimentos, aos mesmo tempo que se adotam tecnologias mais sustentáveis. 5.2 Prosseguimento de Trabalhos Futuros Poderá afirmar-se que o estudo de RCD como materiais de construção de pavimentos rodoviários ainda carece de maior desenvolvimento, existindo ainda um longo caminho a percorrer. Dada a desconfiança no meio técnico relativamente à utilização de RCD em pavimentação rodoviária, não é ainda um caminho fácil, embora se constate a necessidade de o percorrer, de modo a contribuir para a sustentabilidade, para a redução de impactes sobre o ambiente e sobre as condições paisagísticas. Gil Filipe Leonor Fernandes 93

112 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Como trabalhos futuros, aponta-se a importância em obter uma melhor caracterização dos vários tipos de RCD, designadamente os aplicáveis em camadas não ligadas, com recurso a ensaios triaxiais cíclicos, efetuados para diferentes condições hídricas, e para uma gama de tensões suficientemente alargada, de modo a obter a gama de variação das propriedades mecânicas esperadas para as condições de serviço habituais. Os resultados a obter deverão ser cotejados com avaliações in situ do material, por exemplo, através da realização de ensaios com defletómetro de impacte que permitam obter o módulo de deformabilidade dos materiais por retroanálise. Também as misturas betuminosas, no âmbito do desempenho estrutural, devem ser alvo de uma melhor avaliação, nomeadamente com recurso a ensaios de cargas repetidas, à flexão, para avaliação do módulo de deformabilidade e da resistência à fadiga. Salienta-se também a importância de realizar ensaios em amostras recolhidas diretamente de uma atividade de demolição e/ou construção que se encontre em curso, tendo em conta a seletividade que pode ocorrer normalmente. É importante conhecer o desempenho de um pavimento, nomeadamente de uma mistura betuminosa, cujos materiais reciclados a incluir representem de forma mais fidedigna a constituição de RCD, contendo no mínimo 3 resíduos maioritários, sejam betão britado, tijolo e reboco. Será ainda interessante a realização de trechos experimentais onde possa ser monitorizado o comportamento em serviço de camadas que incorporem RCD, de forma a verificar as conclusões dos trabalhos experimentais e observar o desempenho do pavimento para condições de solicitação reais. 5.3 Considerações Finais Finalmente, considera-se que os objetivos inicialmente propostos foram atingidos. Foi realizada uma revisão bibliográfica em dois campos distintos. Por um lado, foi realizada uma síntese que retrata a realidade da indústria da construção, dando-se a conhecer indicadores da produção de RCD, do seu tratamento, encaminhamento e valorização. Por outro lado, fez-se uma resenha do estado da arte no que diz respeito a utilização de RCD como materiais de construção de pavimentos rodoviários. Além da revisão bibliográfica e da síntese de conhecimentos, contribui-se para o estudo da utilização de RCD em misturas betuminosas, recorrendo a trabalhos experimentais que permitiram obter alguns resultados relevantes. Julga-se, assim, ter contribuído para que as administrações rodoviárias disponham de mais informação que as leve à aceitação de RCD como materiais de construção de pavimentos rodoviários. A presente dissertação pode também contribuir para aumentar o interesse para a investigação na área, principalmente na integração de RCD em misturas betuminosas. 94

113 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AFNOR (1990). Granulats: Essai au Bleu de Méthylèn Méthode à la tache. NF P , Association Française de Normalisation, Paris, França. Akbulut, H., Gurer, C. (2007). Use of Aggregates Produced From Marble Quarry Waste in Asphalt Pavements. Science Direct, Building and Environment, Vol. 42, pp Aljassar, A., Al-Fadala, K e Ali, M. (2005). Recycling Building Demolition Waste in Hot-mix Asphalt Concrete: a case study in Kuwait. Journal of Material Cycles and Waste Management, Vol. 7, pp Amaral, S., Gaiolas, S. (2008). Resíduos de Construção e Demolição Futuros Desafios. Edifer Construções. Angulo, S.; John, V.; Ulsen, C.; Kahn, H. (2004) Caracterização de agregados de resíduos de construção e demolição reciclados separados por líquidos densos. Congresso latinoamericano de construção sustentável, 10 ENTAC, São Paulo. clacs04/entac04. Porto Alegre: ANTAC. Baptista, A. (2006). Misturas Betuminosas Recicladas a Quente em Central Contribuição Para o Seu Estudo e Aplicação. Tese de Doutoramento, Departamento de Engenharia Civil da F.C.T. da Universidade de Coimbra, Coimbra. Barros, E., Jorge, F. (2007). Gestão de RCD Resíduos de Construção e Demolição, na obra de ampliação do aeroporto Francisco Sá Carneiro. Botelho, M. (2010). Resíduos de Construção e Demolição. Verlag Dashӧfer, Portugal. Branco, F., Pereira, P. e Picado-Santos, L. (2006). Pavimentos Rodoviários. 2ª Reimpressão, Edições Almedina (ISBN ), Coimbra. Brito, J. (2005). Agregados Reciclados e sua Influência nas Propriedades dos Betões, Lição de Síntese, Provas de Agregação em Engenharia Civil, Instituto Superior Técnico, Lisboa. Brito, J. (2006). A Reciclagem de Resíduos da Construção e Demolição. Workshop A Reciclagem na Casa do Futuro, Aveirodomus. Capitão, S. (2003). Caracterização Mecânica de Misturas Betuminosas de Alto Módulo de Deformabilidade. Tese de Doutoramento, Departamento de Engenharia Civil da F.C.T. da Universidade de Coimbra, Coimbra. Gil Filipe Leonor Fernandes 95

114 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Carneiro, A., Burgos, P., Alberte, E. (2001). Uso do Agregado Reciclado em Camadas de Base e Sub-base de Pavimentos. Projeto Entulho Bom. Salvador: Edufa/Caixa Económica Federal, pp CCAA (2008). Use of Recycled Aggregates in Construction. Cement Concrete & Aggregates Australia, Austrália. CCDR (2007). Gestão de Resíduos de Construção e Demolição. Valnor, Alentejo. Chen, M., Lin, J-t., Wua, S-p., Liu, C-h (2011). Utilization of Recycled Brick Powder as Alternative Filler in Asphalt Mixture, Construction and Building Materials, Vol. 25, pp Chini, A., Kuo, S., Armaghani, J., Duxbury, J. (2001). Test of Recycled Concrete Aggregate in Accelerated Test Track. Jounal of Trasportation Engineering. Reston, Virginia, Vol. 127, n.6, pp Couto, A., Counto, J., Teixeira, J. (2006). Desconstrução Uma Ferramenta Para a Sustentabilidade da Construção. Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho, Azurém, Guimarães. De Pawn, P., Thomas, P., Vyncke, J., Desmyter, J. (1998). Shrinkage and Creep of Concrete with Recycled Materials as Coarse Aggregates in Sustainable Construction: Use of Recycled Concrete Aggregates, Thomas Telford, London, pp EN 12591:2009, Bitumen and bituminous binders. Specifications for paving grade bitumen. Comissão Europeia de Normalização (CEN). Bruxelas. EN : Bituminous mixtures. Test methods for hot mix asphalt. Part 12: Determination of the water sensitivity of bituminous specimens. Comissão Europeia de Normalização (CEN). Bruxelas. EN : A1: Bituminous mixtures. Test methods for hot mix asphalt. Part 22: Wheel Tracking. Comissão Europeia de Normalização (CEN). Bruxelas. EN : A1: Bituminous mixtures. Test methods for hot mix asphalt. Part 24: Restistance to fadigue. Comissão Europeia de Normalização (CEN). Bruxelas. EN : Bituminous mixtures. Test methods for hot mix asphalt. Part 5: Determination of the maximum density. Comissão Europeia de Normalização (CEN). Bruxelas. EP (2009). Caderno de Encargos Tipo Obra: Pavimentação. Estradas de Portugal, volume V: 03, Lisboa. EP (2011). Caderno de Encargos Tipo Obra: Pavimentação. Estradas de Portugal, volume V: 03, Lisboa. Evangelista, L. (2007). Betões Executados com Agregados Finos Reciclados de Betão, Dissertação de Mestrado em Construção, Instituto Superior Técnico, Lisboa. 96

115 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Ferreira, J. (2009). Aplicação de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) em Camadas de Sub-base Não ligadas de Estradas de Baixo Tráfego. Tese de Mestrado em Engenharia Civil, Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. Freire, A. (2002). Deformações permanentes de misturas betuminosas em pavimentos rodoviários. Tese de Doutoramento, Departamento de Engenharia Civil da F.C.T. da Universidade de Coimbra, Coimbra. Gonçalves, P. (2007). Betão com Agregados Reciclados Análise Comentada da Legislação Existente. Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil, Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. Gonçalves, A. (2001). Análise do Desempenho de Betões Obtidos a Partir de Inertes Reciclados Provenientes de Resíduos da Construção. Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil, Instituto Superior Técnico, Lisboa. Gonçalves, A., Neves, R. (2003). Agregados reciclados, Seminário sobre agregados, LNEC, Lisboa. Grubba, D., Parreira, A. (2009). Emprego de Agregado Reciclado de Concreto em Camadas de Base e Sub-base de Pavimentos. Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, Departamento de Transportes, São Paulo, Brasil. Hansen, T., Narud, H. (1983). Strength of recycled aggregate made from crushed concrete coarse aggregate, Concrete International design and construction, vol. 5, nº 1, pp Huang, Y., Bird, R. e Heidrich, O. (2007). A Review of the Use of Recycled Solid Waste Materials in Asphalt Pavements. Science Direct Resources, Conservation and Recycling, Vol. 52, pp IPQ (2000). Ensaios das propriedades geométricas dos agregados Parte 1: Análise Granulométrica, NP EN Instituto Português da Qualidade, Lisboa. IPQ (2002). Ensaios das propriedades geométricas dos agregados Parte 5: Determinação da percentagem de superfícies esmagadas e partidas nos agregados grossos, NP EN Instituto Português da Qualidade, Lisboa. IPQ (2002). Ensaios das propriedades geométricas dos agregados Parte 8: Determinação do teor de finos; Ensaio do Equivalente de Areia, NP EN Instituto Português da Qualidade, Lisboa. IPQ (2002). Ensaios das propriedades geométricas dos agregados Parte 9: Determinação do teor de finos; Ensaio do Azul de Metileno, NP EN Instituto Português da Qualidade, Lisboa. IPQ (2002). Ensaios das Propriedades Mecânicas e Físicas dos Agregados. Parte 1: Determinação da resistência ao desgaste (Micro-Deval), NP EN Instituto Português da Qualidade, Lisboa. Gil Filipe Leonor Fernandes 97

116 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte IPQ (2002). Ensaios das propriedades mecânicas e físicas dos agregados Parte 2: Métodos para a determinação da resistência à fragmentação, NP EN Instituto Português da Qualidade, Lisboa. Kassim, T., Simoneit, B., e Williamson, K. (2005). Recycling Solid Wastes as Road Construction Materials: An Environmentally Sustainable Approach. Handb Environ Chem Vol. 5, Part F,Vol. 1, Lee, C-H, Dub, J-C., Shen, D-H (2012). Evaluation of Pre-coated Recycled Concrete Aggregate for Hot Mix Asphalt, Construction and Building Materials, Vol. 28, pp Lee, D., Guinn, J., Kandhal, P. e Dunning, R. (1990). Absorption of Asphalt into Porous Aggregates. Report SHRP-A/UIR National Researck Council, pp Leite, F. (2007). Comportamento Mecânico de Agregado Reciclado de Resíduo Sólido da Construção Civil em Camadas de Base e Sub-Base de Pavimentos. Tese de Mestrado, Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil. Leite, F., Motta, R., Vasconcelos, K. e Bernucci, L. (2011). Laboratory evaluation of recycled construction and demolition waste for pavements, Construction and Building Materials, Vol. 25 (2011), pp LNEC (1997). Betumes e Ligantes Betuminosos de Pavimentação. Classificação, Propriedades e Exigências de Conformidade. LNEC E 80, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa. LNEC (2009 a). Guia para a Utilização de Agregados Reciclados em Camadas Não Ligadas de Pavimentos. LNEC E 473, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa. LNEC (2009 b). Guia para a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição em Aterro e Camada de Leito de Infraestruturas de Transporte. LNEC E 474, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa. LNEC (2009 c). Guia para a Reciclagem de Misturas Betuminosas a Quente em Central. LNEC E 472, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa. LNEC (2012). SUPREMA Aplicação Sustentável de Resíduos de Construção e Demolição (RCD) em Infra-Estruturas Rodoviárias. Relatório 234/2012 DT/Nira, Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa. Lourenço, J., Júlio, E. e Maranha, P. (2007). Betões de Agregados Leves de Argila Expandida. Associação Portuguesa das Empresas de Betão Pronto (ISBN ), Lisboa. Mália, M. (2010). Indicadores de Resíduos de Construção e Demolição. Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil, Instituto Superior Técnico da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. 98

117 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Martinho, F. (2004). Reciclagem de Pavimentos - Estado da Arte, Situação Portuguesa e Seleção do Processo Construtivo. Tese de Mestrado, Departamento de Engenharia Civil da F.C.T. da Universidade de Coimbra, Coimbra. Martinho, F., Martinho, A. e Gonçalves, J. (2008). Utilização de Resíduos da Construção e Demolição (RC&D) em Arruamentos Urbanos O Caso de Troia. V Congresso Rodoviário Português Estada 2008, Estoril. Matias, D., Brito, J. (2005). Betão com Agregados Grossos Reciclados de Betão e Recurso a Adjuvantes, Campanha experimental realizada no IST, Relatório ICIST DCT nº 3 / 05, Instituto Superior Técnico, Lisboa. Mills-Beale, J., You, Z. (2010). The Mechanical Properties of Asphalt Mixtures with Recycled Concrete Aggregates. Science Direct, Construction and Building Materials, Vol. 24 (2010), pp Mimoso, P. (2008). Central de Triagem e Valorização de Resíduos de Construção e de Demolição. Trianovo, Torres Vedras. Morgado, P. (2008). Conceção e Dimensionamento de Pavimentos em Blocos. Tese de Mestrado, Departamento de Engenharia Civil do IST da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. Motta, R. (2005). Estudo Laboratorial de Agregado Reciclado de Seríduo Sólido da Construção Civil para Aplicação em Pavimentação de Baixo Volume de Tráfego. Dissertação de Mestrado, Escola Politécnica, Universidade de São Paulo, São Paulo. Paranavithana, S., Mohajerani, A. (2006). Effects of Recycled Concrete Aggregates on Properties of Asphalt Concrete. Science Direct, Resources, Conservation and Recycling, Vol. 48 (2006), pp Pereira, L. (2002). Reciclagem de Resíduos de Construção e Demolição: Aplicação à Zona Norte de Portugal, Dissertação de Mestrado em Engenharia Civil, Escola de Engenharia da Universidade do Minho, Guimarães. Pereira, L., Jalali, S. e Aguiar, B. (2004). Gestão dos Resíduos de Construção e Demolição. Workshop Sistemas Integrados de Gestão de Fluxos Específicos de Resíduos". Instituto Nacional de Resíduos, Instituto Superior Técnico, Lisboa. Pereira, L., Jalali, S. e Aguiar, B. (2006). Viabilidade Económica de uma Central de Tratamento de Resíduos de Construção e Demolição. Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho, Azurém, Guimarães. Pestana, R. (2008). Contribuição para o Estudo do Comportamento Mecânico de Resíduos de Construção e Demolição Aplicados em Estradas de Baixo Tráfego. Tese de Mestrado, Departamento de Engenharia Civil do IST da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. Pinto, J. (2003). Caracterização Superficial de Pavimentos Rodoviários. Tese de Mestrado, Departamento de Engenharia Civil da F.E. da Universidade do Porto, Porto. Gil Filipe Leonor Fernandes 99

118 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Poon, C., Chan, D. (2006). Feasible Use of Recycled Concrete Aggregates and Cushed Clay Brick as Unbound Road Sub-base. Construction and Building Materials, Vol. 20, pp Reis, N. (2009). Análise Estrutural de Pavimentos Rodoviários Aplicação a um Pavimento Reforçado com Malha de Aço. Tese de Mestrado, Departamento de Engenharia Civil do IST da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. Ruivo, J., Veiga, J. (2004). Resíduos de Construção e Demolição: Estratégia para um Modelo de Gestão. Trabalho Final de Curso em Engenharia do Ambiente, Departamento de Engenharia Civil do IST da Universidade Técnica de Lisboa, Lisboa. Santos, J. (2010). Materiais Utilizados na Construção de Pavimentos Rodoviários. Tese de Mestrado, Departamento de Engenharia civil da Universidade de Aveiro, Aveiro. Santos, J., Branco, F., Brito, J. (2002). Utilização de Agregados Grossos Reciclados de Betão na Produção de Novos Betões, Estruturas 2002, pp , LNEC, Lisboa. Santos, J., Branco, F., Brito, J., e Almeida, N. (2004). Betão com Agregados Grossos Reciclados de Betão: Resistência à Compressão e Módulo de Elasticidade, Congresso Construção 2004, FEUP, Porto. Shen, D., Du, J. (2004). Evaluation of Building Materials Recycling on HMA Permanent Deformation. Construction and Building Materials, Vol. 18 (2004), pp Shu, X., Huang, B. e Vukosavljevic, D. (2008). Laboratory Evaluation of Fatigue Characteristics of Recycled Asphalt Mixture. Science Direct, Construction and Building Materials, Vol. 22 (2008), pp Silva, H. (2005). Caracterização do Mastique Betuminoso e da Ligação Agregado-Mastique Contribuição para o estudo do comportamento das misturas betuminosas. Tese de Doutoramento, Departamento de Engenharia Civil da EE da Universidade do Minho, Minho. Solyman, M. (2005) Classification of recycled sands and their applications as fine aggregates for concrete and bituminous mixtures., Doktor-Ingenieurs Dissertation, Fachbereich Bauingenieurwesen der Universität Kassel, Kassel. Vazquez, E., Alaejos, P., Sanchez, M., Aleza, F., Barra, M., Burón, M., Castilla, J., Dapena, E., Etxeberria, M., Francisco, G., González, B. Martínez, F. Martínez, I. Parra, J. Polanco, J., Sanabria, M. (2006). Utilización de Árido Reciclado para la Fabricación de Hormigón Estructural, Comisión 2, Grupo de Trabajo 2/5 Hormigón reciclado", Monografía M-11 ACHE, Madrid. Vieira, G., Dal Molin, D., Lima, F. (2004). Resistência e durabilidade de concretos produzidos com agregados reciclados provenientes de resíduos de construção e demolição. Revista Engenharia Civil. Universidade do Minho. Vol. 19, pp

119 APÊNDICES E ANEXOS APÊNDICES E ANEXOS Gil Filipe Leonor Fernandes 101

120 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte APÊNDICE I. Estudo dos Agregados I.1 Análise granulométrica Quadro I. 1 Valores obtidos na análise granulométrica de agregados naturais 0/4 Peneiro Malha (mm) Retidos Massa (g) Valores em % Retidos Acumulados Retidos Acumulados Passados 31,5 0,0 0,0 0,0 100,0 20 0,0 0,0 0,0 100,0 12,5 0,0 0,0 0,0 100,0 4 25,6 25,6 4,1 95, ,9 218,5 35,4 64,6 0,5 250,5 469,0 76,0 24,0 0,125 99,6 568,6 92,1 7,9 0,063 12,2 580,8 94,1 5,9 Base 36,5 Quadro I. 2 Valores obtidos na análise granulométrica de agregados naturais 4/12 Peneiro Malha (mm) Retidos Massa (g) Valores em (%) Retidos Acumulados Retidos Acumulados Passados 31,5 0,0 0,0 0,0 100,0 20 0,0 0,0 0,0 100,0 12,5 344,5 344,5 16,5 83, ,9 2064,4 99,1 0,9 2 7,6 2072,0 99,4 0,6 0,5 1,1 2073,1 99,5 0,5 0,125 5,0 2078,1 99,7 0,3 0,063 1,2 2079,3 99,8 0,2 Base 4,2 102

121 ESTUDO DOS AGREGADOS Quadro I. 3 Valores obtidos da análise granulométrica de agregados naturais 10/20 Peneiro Malha (mm) Retidos Massa (g) Valores em % Retidos Acumulados Retidos Acumulados Passados 31,5 0,0 0,0 0,0 100, ,3 98,3 2,0 98,0 12,5 3635,6 3733,9 76,6 23, ,8 4593,7 94,2 5, ,8 4697,5 96,3 3,7 0,5 108,2 4805,7 98,5 1,5 0,125 38,4 4844,1 99,3 0,7 0,063 12,1 4856,2 99,6 0,4 Base 21,5 Quadro I. 4 Valores Obtidos da análise granulométrica de agregados reciclados Peneiro Malha (mm) Retidos Massa (g) Valores em % Retidos Acumulados Retidos Acumulados Passados 31,5 0,0 0,0 0,0 100, ,4 1224,4 12,2 87,8 12,5 1454,2 2678,6 26,7 73, ,6 5679,2 56,7 43, ,5 6794,7 67,8 32,2 0,5 1990,5 8785,2 87,7 12,3 0, ,2 9804,4 97,8 2,2 0,063 89,5 9893,9 98,7 1,3 Base 127,1 Gil Filipe Leonor Fernandes 103

122 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte I.2 Índice de forma Nos quadros I.5 e I.6 que abaixo se apresentam, mostram-se os resultados obtidos nos ensaios ao índice de forma dos agregados naturais para frações 4/12 e 10/20. Quadro I. 5 - Determinação da forma das partículas Índice de forma da fração 4/12 Peneiros de ensaio Massa M1 (g) Massa das partículas não cúbicas M2 (g) Índice de Forma SI=(M2/M1) ,5/40 0,0 0,0 0 25/31,5 0,0 0,0 0 20/25 0,0 0,0 0 16/20 41,8 0,0 0 12,5/16 355,3 14,8 4 10/12,5 465,6 21,7 5 8/10 524,5 30,9 6 6,3/8 449,4 31,8 7 4/6,3 250,6 12,1 5 Massas 2087,2 153,3 7 Quadro I. 6 - Determinação da forma das partículas Índice de forma da fração 10/20 Peneiros de ensaio Massa M1 (g) Massa das partículas não cúbicas M2 (g) Índice de Forma SI=(M2/M1) ,5/40 0,0 0,0 0 25/31,5 0,0 0,0 0 20/25 196,4 42, / ,0 305, ,5/ ,4 119,9 5 10/12,5 503,4 57,3 11 8/10 29,6 3,2 11 6,3/8 4,2 1,5 36 4/6,3 23,9 2,6 11 Massas 4541,9 532,

123 ESTUDO DOS AGREGADOS Da mesma forma, foi realizado o ensaio para o agregado reciclado, no qual se obtiveram os resultados apresentados no Quadro I.7. Quadro I. 7 - Determinação da forma das partículas Índice de forma do material reciclado Peneiros de ensaio Massa M1 (g) Massa das partículas não cúbicas M2 (g) Índice de Forma SI=(M2/M1) /50 0,0 0,0 0 31,5/40 0,0 0,0 0 25/31,5 0,0 0,0 0 20/25 552,3 74, /20 336,4 48, ,5/16 312,7 30, /12,5 430,3 26,5 6 8/10 228,7 7,7 3 6,3/8 276,4 13,6 5 4/6,3 199,3 7,7 4 Massas 2336,1 208,9 9 I.3 Índice de achatamento Nos quadros I.8 e I.9 que abaixo se apresentam, mostram-se os resultados obtidos nos ensaios ao índice de achatamento dos agregados naturais para as diferentes frações, nomeadamente para a fração 4/12 e para a fração 10/20. Quadro I. 8 - Determinação da forma das partículas Índice de achatamento da fração 4/12 Peneiros de ensaio (mm) Massa (Ri) da fração di/di (g) Largura nominal da ranhura no peneiro de barras (mm) Massa que passa pelo peneiro de barras mi (g) FI i = (mi/ri) /31,5 0,0 16 0,0 0 20/25 0,0 12,5 0,0 0 16/20 41,8 10 3,4 8 12,5/16 355,3 8 48, /12,5 465,6 6,3 65,7 14 8/10 524,5 5 99,4 19 6,3/8 449,4 4 79,5 18 4/6,3 250,6 2,5 11,7 5 M1: 2087,2 M2: 307,8 15 Gil Filipe Leonor Fernandes 105

124 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro I. 9 - Determinação da forma das partículas Índice de achatamento da fração 10/20 Peneiros de ensaio (mm) Massa (Ri) da fração di/di (g) Largura nominal da ranhura no peneiro de barras (mm) Massa que passa pelo peneiro de barras mi (g) FI i = (mi/ri) /31,5 0,0 16 0,0 0 20/25 196,4 12,5 60, / , , ,5/ , , /12,5 503,4 6,3 78,5 16 8/10 29,6 5 3,8 13 6,3/8 4,2 4 0,4 10 4/6,3 23,9 2,5 6,3 26 M1: 4541,9 M2: 661,7 15 Da mesma forma, foi realizado o ensaio para o betão britado, para o qual se obtiveram os resultados apresentados no Quadro I.10. Quadro I Determinação da forma das partículas Índice de achatamento do material reciclado Peneiros de ensaio (mm) Massa (Ri) da fração di/di (g) Largura nominal da ranhura no peneiro de barras (mm) Massa que passa pelo peneiro de barras mi (g) FI i = (mi/ri) /31,5 0,0 16 0,0 0 20/ ,9 12,5 93,4 8 16/20 817, , ,5/16 608,2 8 86, /12,5 841,8 6,3 166,8 20 8/10 625, ,4 17 6,3/8 626, ,6 18 4/6,3 919,5 2,5 92,0 10 M1: 5665,3 M2: 790,

125 ESTUDO DOS AGREGADOS I.4 Massa volúmica Quadro I Determinação da massa volúmica da fração 0/4 pelo método do picnómetro M2- massa da amostra mais picnómetro cheio de água (g): 1881,5 Temperatura da água ( C): 19,9 M3-massa do picnómetro cheio de água (g): 1518,1 M1-massa da amostra com superfície seca (g): 565,7 M4-massa da amostra seca em estufa (g): 563,3 Densidade da água para a temperatura de ensaio: 0,99822 Massa volúmica do material impermeável das partículas: 2,813 Massa volúmica das partículas secas em estufa: 2,780 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca: 2,7914 Água absorvida (WA 24 ): 0,426 Quadro I Determinação da massa volúmica da fração 4/12 pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) M2- massa da amostra mais cesto imerso em água (g): 1318,0 Temperatura da água (ºC): 11,7 M3-massa do cesto vazio imerso em água após ensaio (g): -2,6 M1-massa da amostra seca com pano (g): 2114,4 M4-massa da amostra seca em estufa (g): 2094,8 Densidade da água para a temperatura de ensaio: 0,99953 Massa volúmica do material impermeável das partículas: 2,704 Massa volúmica das partículas secas em estufa: 2,638 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca: 2,662 Água absorvida (WA 24 ): 0,936 Gil Filipe Leonor Fernandes 107

126 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro I Determinação da massa volúmica da fração 10/20 pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) M2- massa da amostra mais cesto imerso em água (g): 2846,5 Temperatura da água (ºC): 13,5 M3-massa do cesto vazio imerso em água após ensaio (g): 19,3 M1-massa da amostra seca com pano (g): 4590,7 M4-massa da amostra seca em estufa (g): 4549,5 Densidade da água para a temperatura de ensaio: 0,99930 Massa volúmica do material impermeável das partículas: 2,640 Massa volúmica das partículas secas em estufa: 2,578 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca: 2,601 Água absorvida (WA 24 ): 0,906 Quadro I Determinação da massa volúmica da fração de agregados reciclados pelo método do picnómetro (partículas inferiores a 4mm) M2- massa da amostra mais picnómetro cheio de água (g): 2090,0 Temperatura da água (ºC): 20,9 M3-massa do picnómetro cheio de água (g): 1519,0 M1-massa da amostra com superfície seca (g): 961,8 M4-massa da amostra seca em estufa (g): 931,4 Densidade da água para a temperatura de ensaio: 0,99802 Massa volúmica do material impermeável das partículas(ρa): 2,580 Massa volúmica das partículas secas em estufa (ρrd): 2,379 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (ρssd): 2,4563 Água absorvida (WA 24 ): 3,

127 ESTUDO DOS AGREGADOS Quadro I Determinação da massa volúmica da fração de agregados reciclados pelo método do cesto de rede metálica (partículas superiores a 4mm) M2- massa da amostra mais cesto imerso em água (g): 3293,4 Temperatura da água (ºC): 12,0 M3-massa do cesto vazio imerso em água após ensaio (g): 6,5 M1-massa da amostra seca com pano (g): 5983,0 M4-massa da amostra seca em estufa (g): 5623,9 Densidade da água para a temperatura de ensaio: 0,99950 Massa volúmica do material impermeável das partículas (ρa): 2,405 Massa volúmica das partículas secas em estufa (ρrd): 2,085 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (ρssd): 2,218 Água absorvida (WA 24 ): 6,385 Quadro I Massa volúmica dos agregados reciclados com ponderação dos valores obtidos para partículas inferiores e superiores a 4mm Massa volúmica do material impermeável das partículas (ρa): 2,430 Massa volúmica das partículas secas em estufa (ρrd): 2,127 Massa volúmica das partículas saturadas com superfície seca (ρssd): 2,252 Água absorvida (WA24): 5,943 Gil Filipe Leonor Fernandes 109

128 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte I.5 Estudo da mistura de agregados naturais Peneiro Abertura das malhas (mm) Quadro I Mistura de agregados naturais 31,5 20,0 12,50 4,00 2,00 0,500 0,125 0,063 Proporção na mistura Brita 10/ ,4 5,8 3,7 1,5 0,7 0,4 32,0% Brita 4/ ,5 0,9 0,6 0,5 0,3 0,2 20,0% Pó 0/ ,9 64,6 24 7,9 5,9 46,5% Filer ,5% Espec. (MÁX.) Espec. (min.) Curva de estudo 100,0 99,4 72,2 48,1 32,8 13,2 5,4 4,1 100,0% 110

129 ESTUDO DOS AGREGADOS Curva granulométrica dos agregados Material que passa (%) ,01 0, Diâmetros (mm) Brita 10/20 4/12 0/4 Filler Figura I. 1 - Curvas granulométricas dos agregados naturais Gil Filipe Leonor Fernandes 111

130 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte I.6 Estudo da mistura de agregados reciclados Peneiro Quadro I Mistura de agregados com betão reciclado Abertura das malhas (mm) 31,5 20,0 12,50 4,00 2,00 0,500 0,125 0,063 Proporção na mistura Betão Britado ,8 73,3 43,3 32,2 12,3 2,2 1,3 60,0% Brita 10/ ,4 5,8 3,7 1,5 0,7 0,4 10,0% Brita 4/ ,5 0,9 0,6 0,5 0,3 0,2 9,5% 0/ ,9 64,6 24 7,9 5,9 19,0% Filer ,5% Espec. (MÁX.) Espec. (min.) Curva de estudo 100,0 92,5 74,8 46,4 33,5 13,6 4,4 3,1 100,0% 112

131 ESTUDO DOS AGREGADOS Curva granulométrica dos agregados Material que passa (%) ,01 0, Diâmetros (mm) Betão Britado Brita 10/20 4/12 0/4 Filler Figura I. 2 - Curvas granulométricas dos agregados (reciclado + natural) Gil Filipe Leonor Fernandes 113

132 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte APÊNDICE II. Estudo das Misturas Betuminosas II.1 Estudo de mistura betuminosa Formulação Marshall Grupo de Amostras Quadro II. 1 Estudo da mistura betuminosa com agregados naturais % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa betume Betume (g) 10/20 10/20 (g) 4/12 4/12 (g) 0/4 0/4 (g) Filer Filer (g) 1 3, , , , , , , , , , , , , , , Betume 10/20 4/12 0/4 Filer Subtotal (g) Total (g) Total 114

133 ESTUDO DAS MISTURAS BETUMINOSAS Quadro II. 2 Estudo da mistura betuminosa com agregados de betão britado Grupo de Amostras % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa betume Betume (g) B. Rec betão britado (g) 10/20 10/20 (g) 4/12 4/12 (g) 0/4 0/4 (g) filer Filer (g) 1 3, , , , , , , , , , , , , , , Betume B. Rec 10/20 4/12 0/4 Filler Sub-Total (g) , , Total (g) , , Total Gil Filipe Leonor Fernandes 115

134 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Nos quadros II.3 e II.4 apresentam-se as massas volúmicas de cada material constituinte das misturas betuminosas com agregados naturais e com agregados reciclados, respetivamente. Com base nas massas volúmicas apresentadas foram calculadas as baridades máximas teóricas, tendo em conta a massa de cada material na mistura. Paralelamente, foi realizado o ensaio com recurso ao picnómetro de vácuo e segundo a norma EN (2009). Quadro II. 3 Massas volúmicas dos materiais utilizados na mistura com agregados naturais Massas Volúmicas Fração di/di ρrd (g/cm 3 ) 0/4 2,780 4/12 2,638 10/20 (>4mm - 94,2%) 2,578 10/20 (<4mm - 5,8%) 2,763 Filer 2,700 Betume 1,030 Quadro II. 4 Massas volúmicas dos materiais utilizados na mistura com agregados de betão britado Massas Volúmicas Fração di/di ρrd (g/cm 3 ) 0/4 2,780 4/12 2,638 10/20 (>4mm - 94,2%) 2,578 10/20 (<4mm - 5,8%) 2,763 Betão britado (valor ponderado) 2,127 Reciclada (>4mm - 56,7%) 2,085 Reciclada (<4mm - 43,3%) 2,379 Filer 2,700 Betume 1,

135 ESTUDO DAS MISTURAS BETUMINOSAS II.2 Estudo de mistura betuminosa Características Marshall Quadro II. 5 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados naturais Provete Betume (%) Altura do Provete (mm) Altura média (mm Pesado ao ar Massa do Provete (g) Imerso em água Com a Sup. Seca c/ pano Temp. água (ºC) Densidade da água Baridade (g/cm 3 ) A1 3,50% 64,0 64,9 64,3 64,6 64,5 1189,9 694,9 1196,7 13,6 0,9993 2,370 A2 3,50% 64,1 64,1 64,1 63,6 64,0 1180,2 689,7 1189,0 13,6 0,9993 2,362 A3 3,50% 63,3 63,6 63,3 63,7 63,5 1186,7 692,5 1191,6 13,6 0,9993 2,376 A4 4,00% 63,3 62,9 62,8 63,1 63,0 1187,4 695,5 1190,8 13,6 0,9993 2,396 A5 4,00% 61,3 61,8 61,5 61,8 61,6 1182,6 693,9 1184,5 13,6 0,9993 2,409 A6 4,00% 61,6 62,0 61,6 61,6 61,7 1186,3 696,1 1187,3 13,6 0,9993 2,413 A7 4,50% 61,9 62,5 62,1 62,2 62,2 1177,0 686,5 1179,0 13,5 0,9993 2,388 A8 4,50% 62,2 62,3 61,9 61,8 62,1 1178,5 686,5 1179,7 13,5 0,9993 2,388 A9 4,50% 61,9 61,8 62,2 62,2 62,0 1182,8 690,2 1184,0 13,5 0,9993 2,394 A10 5,00% 62,0 61,7 61,6 61,9 61,8 1173,6 686,1 1176,8 13,6 0,9993 2,390 A11 5,00% 62,4 61,9 62,2 62,1 62,2 1183,7 692,5 1185,3 13,6 0,9993 2,400 A12 5,00% 60,5 61,2 60,5 60,3 60,6 1163,5 681,0 1163,9 13,6 0,9993 2,408 A13 5,50% 63,1 63,3 62,9 63,1 63,1 1189,2 698,0 1190,2 13,8 0,9993 2,414 A14 5,50% 63,7 63,9 62,0 63,5 63,3 1195,4 701,5 1196,1 13,8 0,9993 2,415 A15 5,50% 60,0 59,3 59,5 59,5 59,6 1150,1 676,2 1150,6 13,8 0,9993 2,423 Baridade média (g/cm 3 ) 2,369 2,406 2,390 2,399 2,417 Gil Filipe Leonor Fernandes 117

136 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro II. 6 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados naturais Provete Betume (%) Estabilidade corrigida (kn) A1 3,50% 10,1 Estabilidade corrigida média (kn) Deformação (mm) A2 3,50% 9,5 10,2 3,6 A3 3,50% 11,1 3,0 A4 4,00% 11,9 A5 4,00% 12,1 12,3 2,7 A6 4,00% 12,8 3,2 A7 4,50% 11,1 A8 4,50% 9,0 10,2 2,5 A9 4,50% 10,5 2,7 A10 5,00% 10,7 A11 5,00% 10,9 10,5 2,8 A12 5,00% 9,8 2,4 A13 5,50% 9,5 A14 5,50% 10,0 10,0 4,5 A15 5,50% 10,6 3,9 3,4 3,6 2,9 4,2 3,8 Deformação média (mm) 3,3 3,2 2,7 3,1 4,1 118

137 ESTUDO DAS MISTURAS BETUMINOSAS Provete Betume (%) A1 3,50% Quadro II. 7 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados naturais ρmáx (cálculo) (g/cm 3 ) ρmáx (picnómetro) (g/cm 3 ) Porosidade teórica (%) Porosidade (%) 6,82% 6,32% Porosidade (%) Vb (%) VMA (%) VMA (%) 8,05% 14,37% A2 3,50% 2,543 2,529 7,12% 6,62% 6,33% 8,03% 14,64% A3 3,50% 6,57% 6,07% 8,07% 14,14% A4 4,00% 5,08% 4,03% 9,30% 13,34% A5 4,00% 2,524 2,496 4,56% 3,51% 3,62% 9,35% 12,86% A6 4,00% 4,37% 3,32% 9,37% 12,69% A7 4,50% 4,66% 3,26% 10,43% 13,70% A8 4,50% 2,505 2,469 4,67% 3,28% 3,19% 10,43% 13,71% A9 4,50% 4,44% 3,04% 10,46% 13,50% A10 5,00% 3,87% 2,00% 11,60% 13,60% A11 5,00% 2,486 2,439 3,46% 1,58% 1,62% 11,65% 13,23% A12 5,00% 3,16% 1,28% 11,69% 12,96% A13 5,50% 2,17% 1,01% 12,89% 13,91% A14 5,50% 2,468 2,439 2,13% 0,98% 0,89% 12,90% 13,88% A15 5,50% 1,83% 0,68% 12,94% 13,61% 14,38% 12,96% 13,64% 13,27% 13,80% Gil Filipe Leonor Fernandes 119

138 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro II. 8 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados com betão britado Provete Betume (%) Altura do Provete (mm) Altura média (mm Pesado ao ar (M1) Massa do Provete (g) Imerso em água (M2) Com a Sup. Seca c/ pano (M3) Temp. água (ºC) Densidade da água Baridade (g/cm 3 ) R1 3,50% 68,6 69,0 69,1 68,5 68,8 1178,8 633,8 1185,3 14,4 0,9993 2,136 R2 3,50% 70,4 70,7 70,0 70,4 70,4 1184,5 635,1 1193,0 14,4 0,9993 2,122 R3 3,50% 69,4 69,4 69,4 69,5 69,4 1187,3 641,6 1196,0 14,4 0,9993 2,140 R4 4,00% 67,5 68,1 67,6 67,9 67,8 1174,4 638,2 1181,1 15,2 0,9992 2,161 R5 4,00% 69,7 69,7 69,7 69,5 69,7 1173,4 640,3 1191,6 15,2 0,9992 2,127 R6 4,00% 67,4 67,3 67,2 67,5 67,4 1178,4 651,0 1186,9 15,2 0,9992 2,197 R7 4,50% 64,0 63,5 63,5 63,6 63,7 1109,2 614,5 1119,0 15,5 0,9992 2,197 R8 4,50% 62,7 62,2 62,5 62,5 62,5 1112,2 615,6 1118,5 15,5 0,9992 2,210 R9 4,50% 63,0 63,4 62,9 62,7 63,0 1114,3 617,0 1119,0 15,5 0,9992 2,218 R10 5,00% 61,3 60,7 60,3 60,5 60,7 1097,2 615,0 1110,0 13,8 0,9993 2,215 R11 5,00% 61,9 61,0 60,8 61,9 61,4 1097,2 614,0 1101,4 13,8 0,9993 2,250 R12 5,00% 60,6 60,9 60,6 60,7 60,7 1094,5 610,8 1097,5 13,8 0,9993 2,247 R13 5,50% 62,5 62,5 62,3 63,0 62,6 1115,1 622,0 1118,8 13,8 0,9993 2,243 R14 5,50% 61,7 61,7 61,4 61,8 61,7 1104,8 616,1 1108,5 13,8 0,9993 2,242 R15 5,50% 61,8 61,2 62,4 61,7 61,8 1110,3 621,4 1114,2 13,8 0,9993 2,251 Baridade média (g/cm 3 ) 2,133 2,162 2,208 2,237 2,

139 ESTUDO DAS MISTURAS BETUMINOSAS Quadro II. 9 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados com betão britado Provete Betume (%) Estabilidade corrigida (kn) R1 3,50% 16,7 Estabilidade corrigida (kn) Deformação (mm) R2 3,50% 13,4 15,8 3,2 R3 3,50% 17,4 3,2 R4 4,00% 15,4 R5 4,00% 12,7 15,7 3,6 R6 4,00% 19,0 2,8 R7 4,50% 14,0 R8 4,50% 16,3 15,4 3,0 R9 4,50% 15,8 2,2 R10 5,00% 16,6 R11 5,00% 14,9 16,0 3,4 R12 5,00% 16,6 2,3 R13 5,50% 11,7 R14 5,50% 13,1 13,0 2,9 R15 5,50% 14,1 2,8 2,4 2,5 2,7 2,7 2,9 Deformação média (mm) 2,9 3,0 2,6 2,8 2,9 Gil Filipe Leonor Fernandes 121

140 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro II. 10 Características dos provetes Marshall Mistura com agregados de betão britado Provete Betume (%) R1 3,50% ρmáx (cálculo) (g/cm 3 ) Ρmáx (picnómetro) (g/cm 3 ) Porosidade teórica (%) Porosidade (%) 5,98% 13,80% Porosidade média (%) Vb (%) VMA (%) 7,26% 21,06% R2 3,50% 2,272 2,478 6,61% 14,38% 13,94% 7,21% 21,59% R3 3,50% 5,80% 13,64% 7,27% 20,91% R4 4,00% 4,26% 11,24% 8,39% 19,63% R5 4,00% 2,258 2,435 5,80% 12,66% 11,22% 8,26% 20,92% R6 4,00% 2,68% 9,77% 8,53% 18,30% R7 4,50% 2,09% 8,68% 9,60% 18,28% R8 4,50% 2,244 2,406 1,52% 8,15% 8,21% 9,65% 17,80% R9 4,50% 1,15% 7,81% 9,69% 17,50% R10 5,00% 0,67% 7,11% 10,75% 17,86% R11 5,00% 2,230 2,385-0,87% 5,66% 6,18% 10,92% 16,58% R12 5,00% -0,77% 5,76% 10,91% 16,67% R13 5,50% -1,20% 5,70% 11,98% 17,68% R14 5,50% 2,216 2,379-1,16% 5,73% 5,59% 11,97% 17,71% R15 5,50% -1,58% 5,34% 12,02% 17,36% VMA médio (%) 21,19% 19,62% 17,86% 17,04% 17,58% 122

141 ESTUDO DAS MISTURAS BETUMINOSAS II.3 Estudo de mistura betuminosa Wheel-Tracking Quadro II Composição das lajes para o ensaio de Wheel tracking da mistura betuminosa com agregados naturais Amostra % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa betume betume (g) 10/20 10/20 (g) 4/12 4/12 (g) 0/4 0/4 (g) filer filer (g) Total (g) 1 4, , , , , , , , , Quadro II Estudo da mistura betuminosa com agregados de betão britado Amostra % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa betume betume (g) B. Rec B. Rec (g) 10/20 10/20 (g) 4/12 4/12 (g) 0/4 0/4 (g) filer filer (g) Total (g) 1 4, , , , , , , , , Gil Filipe Leonor Fernandes 123

142 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte II.4 Estudo de mistura betuminosa Sensibilidade à água Finalmente, foram estudadas misturas betuminosas para verificação da sensibilidade à água avaliada pelo parâmetro ITSR. Nos quadros abaixo apresenta-se o estudo das misturas betuminosas. À semelhança do ensaio de Wheel Tracking os provetes foram fabricados com o teor ótimo em betume. Quadro II Estudo da mistura betuminosa com agregados naturais % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa Amostra betume betume (g) 10/20 10/20 (g) 4/12 4/12 (g) 0/4 0/4 (g) filer filer (g) Total (g) 1 4, , , , , , , , , Quadro II Estudo da mistura betuminosa com agregados reciclados % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa % Massa Amostra betume betume (g) B. Rec B. Rec (g) 10/20 10/20 (g) 4/12 4/12 (g) 0/4 0/4 (g) filer filer (g) Total 1 4, , , , , , , , ,

143 ESTUDO DAS MISTURAS BETUMINOSAS Os quadros II.15 e II.16 apresentam as características dos provetes a ensaiar e os resultados obtidos dos ensaios de tração indireta respetivamente, os quais permitiram a posterior determinação do parâmetro ITSR. Da mesma forma, os quadros II.17 e II.18 apresentam o estudo aos provetes fabricados com agregados reciclados. Quadro II. 15 Características dos provetes com agregados naturais e condições de ensaio Geometria Massa do provete (g) T (ºC) Provete h (mm) Diâm (mm) Ar Imerso Sup seca Água Densidade Água Baridade (kg/m 3 ) sa1 64,2 101,6 1231,8 723,1 1233,5 19,9 1, ,3 sa2 63,5 101,6 1218,6 715,1 1219,6 19,9 1, ,4 sa4 62,6 101,6 1142,5 655,4 1146,3 20,6 1, ,1 sa5 60,4 101,6 1179,6 699,4 1180,8 20,6 1, ,8 sa6 64,8 101,6 1182,6 677,9 1188,4 20,6 1, ,3 sa7 64,0 101,6 1177,4 677,3 1182,8 20,7 1, ,8 Gil Filipe Leonor Fernandes 125

144 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro II. 16 Resultados do ensaio de tração indireta e determinação de ITSR em provetes com agregados naturais Grupos Provetes "a seco" Provetes "imersos" Características dos provetes sa1 sa4 sa6 sa2 sa5 sa7 Massa do provete (arredondado a 0,1g) 1231,8 1142,5 1182,6 1218,6 1179,6 1177,4 Diâmetro do provete (arredondado a 0,1mm) 101,6 101,6 101,6 101,6 101,6 101,6 Altura do provete (arredondado a 0,1 mm) 64,2 62,6 64,8 63,5 60,4 64,0 Altura média (mm) 63,9 62,6 Diferença entre a altura média dos dois grupos (arredondada a 0,1 mm) não deve exceder os 5mm 1,2 Volume geométrico do provete (cm 3 ) 520,5 507,5 525,3 514,8 489,7 518,9 Baridade geométrica média (g/cm 3 ) 2,367 2,251 2,251 2,367 2,409 2,269 Massa do provete imerso em água (arredondado a 0,1g) 723,1 655,4 677,9 715,1 677,9 677,3 Massa provete com sup. Seca (g) 1233,5 1146,3 1188,4 1219,6 1188,4 1182,8 Valor de K para correção 1, , , , , ,00104 Baridade imersa (g/cm 3 ) 2,409 2,323 2,312 2,411 2,306 2,325 Baridade imersa média (g/cm 3 ) 2,348 2,348 A diferença da baridade imersa média dos dois grupos de provetes (g/cm 3 ) não deve exceder os 0,015g/cm 3 (15 kg/m 3 ) 0,

145 ESTUDO DAS MISTURAS BETUMINOSAS Quadro II. 16 (Continuação) Resultados do ensaio de tração indireta e determinação de ITSR em provetes com agregados naturais Grupos Provetes "a seco" Provetes "imersos" Características dos provetes sa1 sa4 sa6 sa2 sa5 sa7 Características dos provetes depois do vácuo Diâmetro do provete (arredondado a 0,1mm) ,6 101,6 101,6 Altura do provete (arredondado a 0,1 mm) ,7 60,6 64 Volume do provete (cm 3 ) ,4 491,3 518,9 O aumento do volume dos provetes após o vácuo não deve exceder 2% NA Ensaio de tração indireta EN ,9 (g/cm 3 ) Tempo de condicionamento (h) NA NA NA Temperatura de ensaio (ºC) Resistência máxima (kn) 4,4 1, ,3 4,9 2,7 Resistência média (kn) 3,1 4,0 Tração indireta ITS (GPa) 0, , , , , ,00026 Tração indireta média ITS (GPa) 0, , ,0% Tração indireta média ITS (kpa) 359, ,006 ITSR (%) Valor não considerado no cálculo da tração indireta (ITS) por se tratar de um outlier. Gil Filipe Leonor Fernandes 127

146 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro II. 17 Características dos provetes com agregados de betão britado e condições de ensaio Geometria Massa do provete (g) T (ºC) Densidade Baridade provete h (mm) Diâm (mm) Ar Imerso Sup seca Água Água (kg/m 3 ) sr1 64,7 101,6 1163,6 653,3 1168,3 19,2 1, ,9 sr2 67,6 101,6 1171,6 651,7 1184,3 19,2 1, ,4 sr3 65,6 101,6 1163,9 649,6 1169,4 19,0 1, ,8 sr4 66,1 101,6 1163,2 646,4 1173,9 18,5 1, ,0 sr5 66,6 101,6 1168,0 645,5 1176,1 17,5 1, ,8 sr6 67,2 101,6 1168,3 641,4 1177,0 17,5 1, ,9 128

147 ESTUDO DAS MISTURAS BETUMINOSAS Quadro II. 18 Resultados do ensaio de tração indireta e determinação de ITSR em provetes com agregados com betão britado Grupos Provetes " a seco" Provetes "imersos" Características dos provetes sr1 sr2 sr4 sr3 sr5 sr6 Massa do provete (arredondado a 0,1g) 1163,6 1171,6 1163,2 1163,9 1168,0 1168,3 Diâmetro do provete ( arredondado a 0,1mm) 101,6 101,6 101,6 101,7 101,7 101,7 Altura do provete ( arredondado a 0,1 mm) 64,7 67,6 66,4 65,6 66,8 67,0 Altura média (mm) 66,2 66,5 Diferença entre a altura média dos dois grupos (arredondada a 0,1 mm) não deve exceder os 5mm 0,2 Volume geométrico do provete (cm 3 ) 524,5 548,0 538,3 532,9 542,6 544,2 Baridade geométrica média (g/cm 3 ) 2,218 2,138 2,161 2,184 2,153 2,147 Massa do provete imerso em água (arredondado a 0,1g) 653,3 651,7 646,4 649,6 645,5 641,4 Massa provete com sup. seca (g) 1168,3 1184,3 1173,9 1169,4 1176, valor de K para correção 1, , ,0015 1,0014 1,0018 1,0018 Baridade imersa (g/cm 3 ) 2,256 2,196 2,202 2,236 2,199 2,179 Baridade imersa média (g/cm 3 ) 2,218 2,204 A diferença da baridade imersa média dos dois grupos de provetes (g/cm 3 ) não deve exceder os 0,015g/cm 3 (15kg/m 3 ) 0,014 Gil Filipe Leonor Fernandes 129

148 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Quadro II. 18 (Continuação) Resultados do ensaio de tração indireta e determinação da resistência conservada em provetes com agregados naturais Grupos Provetes " a seco" Provetes "imersos" Características dos provetes sr1 sr2 sr4 sr3 sr5 sr6 Características dos provetes depois do vácuo Diâmetro do provete (arredondado a 0,1mm) ,7 101,7 101,7 Altura do provete ( arredondado a 0,1 mm) ,5 66,7 67,3 Volume do provete (cm3) ,1 541,8 546,7 O aumento do volume dos provetes 540,2 (g/cm3) NA após o vácuo não deve exceder 2% 1,0% Ensaio de tração indireta EN Tempo de condicionamento (h) Temperatura de ensaio (ºC) Resistência máxima (kn) 6,3 4 4,1 5 3,5 3,3 Resistência média(kn) 4,8 3,9 Tração indireta ITS (GPa) 0,0006 0,0004 0,0004 0,0005 0,0003 0,0003 Tração indireta média ITS (GPa) 0, , Tração indireta média ITS (Kpa) 455, ,150 ITSR (%)

149 RESULTADOS GRÁFICOS APÊNDICE III. Resultados Gráficos III.1 Estabilidade Marshall em provetes formulados com agregados naturais Figura III. 1 Estabilidade Marshall Provete A1 Percentagem de betume 3,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 10,2 kn Fator de correção (c): 0,992 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 10,1 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,4 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 131

150 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 2 Estabilidade Marshall Provete A2 Percentagem de betume 3,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 9,5 kn Fator de correção (c): 1,005 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 9,5 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,6 mm 132

151 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 3 Estabilidade Marshall Provete A3 Percentagem de betume 3,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 10,9 kn Fator de correção (c): 1,018 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 11,1 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,0 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 133

152 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 4 Estabilidade Marshall Provete A4 Percentagem de betume 4% Resultados: Estabilidade de Marshall: 11,6 kn Fator de correção (c): 1,031 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 11,9 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,6 mm 134

153 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 5 Estabilidade Marshall Provete A5 Percentagem de betume 4% Resultados: Estabilidade de Marshall: 11,3 kn Fator de correção (c): 1,069 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 12,1 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,7 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 135

154 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 6 Estabilidade Marshall Provete A6 Percentagem de betume 4% Resultados: Estabilidade de Marshall: 12 kn Fator de correção (c): 1,067 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 12,8 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,2 mm 136

155 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 7 Estabilidade Marshall Provete A7 Percentagem de betume 4,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 10,6 kn Fator de correção (c): 1,053 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 11,1 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,9 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 137

156 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 8 Estabilidade Marshall Provete A8 Percentagem de betume 4,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 8,5 kn Fator de correção (c): 1,056 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 9,0 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,5 mm 138

157 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 9 Estabilidade Marshall Provete A9 Percentagem de betume 4,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 9,9 kn Fator de correção (c): 1,058 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 10,5 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,7 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 139

158 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 10 Estabilidade Marshall Provete A10 Percentagem de betume 5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 10,1 kn Fator de correção (c): 1,064 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 10,7 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 4,2 mm 140

159 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 11 Estabilidade Marshall Provete A11 Percentagem de betume 5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 10,3 kn Fator de correção (c): 1,053 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 10,9 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,8 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 141

160 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 12 Estabilidade Marshall Provete A12 Percentagem de betume 5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 9,0 kn Fator de correção (c): 1,097 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 9,8 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,4 mm 142

161 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 13 Estabilidade Marshall Provete A13 Percentagem de betume 5,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 9,3 kn Fator de correção (c): 1,029 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 9,5 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,8 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 143

162 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 14 Estabilidade Marshall Provete A14 Percentagem de betume 5,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 9,8 kn Fator de correção (c): 1,023 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 10,0 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 4,5 mm 144

163 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 15 Estabilidade Marshall Provete A15 Percentagem de betume 5,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 9,4 kn Fator de correção (c): 1,126 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 10,6 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,9 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 145

164 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte III.2 Estabilidade Marshall em provetes formulados com agregados reciclados Figura III. 16 Estabilidade Marshall Provete R1 Percentagem de betume 3,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 18,7 kn Fator de correção (c): 0,893 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 16,7 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,4 mm 146

165 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 17 Estabilidade Marshall Provete R2 Percentagem de betume 3,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 15,7 kn Fator de correção (c): 0,852 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 13,4 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,2 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 147

166 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 18 Estabilidade Marshall Provete R3 Percentagem de betume 3,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 19,9 kn Fator de correção (c): 0,874 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 17,4 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,2 mm 148

167 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 19 Estabilidade Marshall Provete R4 Percentagem de betume 4% Resultados: Estabilidade de Marshall: 16,9 kn Fator de correção (c): 0,911 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 15,4 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,5 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 149

168 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 20 Estabilidade Marshall Provete R5 Percentagem de betume 4% Resultados: Estabilidade de Marshall: 14,7 kn Fator de correção (c): 0868 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 12,7 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,6 mm 150

169 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 21 Estabilidade Marshall Provete R6 Percentagem de betume 4% Resultados: Estabilidade de Marshall: 20,6 kn Fator de correção (c): 0,921 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 19,0 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,8 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 151

170 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 22 Estabilidade Marshall Provete R7 Percentagem de betume 4,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 13,8 kn Fator de correção (c): 1,013 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 14,0 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,7 mm 152

171 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 23 Estabilidade Marshall Provete R8 Percentagem de betume 4,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 15,5 kn Fator de correção (c): 1,050 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 16,3 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,0 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 153

172 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 24 Estabilidade Marshall Provete R9 Percentagem de betume 4,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 15,3 kn Fator de correção (c): 1,031 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 15,8 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,2 mm 154

173 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 25 Estabilidade Marshall Provete R10 Percentagem de betume 5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 15,2 kn Fator de correção (c): 1,094 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 16,6 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,7 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 155

174 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 26 Estabilidade Marshall Provete R11 Percentagem de betume 5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 13,8 kn Fator de correção (c): 1,080 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 14,9 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 3,4 mm 156

175 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 27 Estabilidade Marshall Provete R12 Percentagem de betume 5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 15,2 kn Fator de correção (c): 1,094 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 16,6 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,3 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 157

176 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 28 Estabilidade Marshall Provete R13 Percentagem de betume 5,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 11,1 kn Fator de correção (c): 1,050 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 11,7 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,9 mm 158

177 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 29 Estabilidade Marshall Provete R14 Percentagem de betume 5,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 13,3 kn Fator de correção (c): 1,067 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 13,1 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,9 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 159

178 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 30 Estabilidade Marshall Provete R15 Percentagem de betume 5,5% Resultados: Estabilidade de Marshall: 13,3 kn Fator de correção (c): 1,064 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 14,1 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,8 mm 160

179 RESULTADOS GRÁFICOS III.3 Ensaios de tração indireta em provetes formulados com agregados naturais Figura III. 31 Tração indireta em provete seco Sa1 Percentagem de betume 4,6% Resultados: Estabilidade de Marshall: 4,3 kn Fator de correção (c): 1,018 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 4,4 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,6 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 161

180 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 32 Tração indireta em provete seco Sa4 Percentagem de betume 4,6% Resultados: Estabilidade de Marshall: 1,9 kn Fator de correção (c): 1,026 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 1,9 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 0,6 mm 162

181 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 33 Tração indireta em provete seco Sa6 Percentagem de betume 4,6 % Resultados: Estabilidade de Marshall: 3,0 kn Fator de correção (c): 0,980 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 3,0 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,1 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 163

182 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 34 Tração indireta em provete imerso Sa2 Percentagem de betume 4,6% Resultados: Estabilidade de Marshall: 4,3 kn Fator de correção (c): 1,005 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 4,3 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,3 mm 164

183 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 35 Tração indireta em provete imerso Sa5 Percentagem de betume 4,6% Resultados: Estabilidade de Marshall: 4,4 kn Fator de correção (c): 1,100 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 4,9 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,2 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 165

184 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 36 Tração indireta em provete imerso Sa7 Percentagem de betume 4,6% Resultados: Estabilidade de Marshall: 2,7 kn Fator de correção (c): 1,018 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 2,7 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,3 mm 166

185 RESULTADOS GRÁFICOS III.4 Ensaios de tração indireta em provetes formulados com agregados reciclados Figura III. 37 Tração indireta em provete seco Sr1 Percentagem de betume 4,7% Resultados: Estabilidade de Marshall: 6,4 kn Fator de correção (c): 0,987 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 6,3 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,6 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 167

186 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 38 Tração indireta em provete seco Sr2 Percentagem de betume 4,7% Resultados: Estabilidade de Marshall: 4,4 kn Fator de correção (c): 0,916 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 4,0 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,6 mm 168

187 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 39 Tração indireta em provete seco Sr4 Percentagem de betume 4,7% Resultados: Estabilidade de Marshall: 4,4 kn Fator de correção (c): 0,945 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 4,1 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,5 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 169

188 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 40 Tração indireta em provete imerso Sr3 Percentagem de betume 4,7% Resultados: Estabilidade de Marshall: 5,2 kn Fator de correção (c): 0,964 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 5,0 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 2,0 mm 170

189 RESULTADOS GRÁFICOS Figura III. 41 Tração indireta em provete imerso Sr5 Percentagem de betume 4,7% Resultados: Estabilidade de Marshall: 3,7 kn Fator de correção (c): 0,945 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 3,5 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,8 mm Gil Filipe Leonor Fernandes 171

190 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte Figura III. 42 Tração indireta em provete imerso Sr6 Percentagem de betume 4,7% Resultados: Estabilidade de Marshall: 3,6 kn Fator de correção (c): 0,930 (altura) [mm] Estabilidade de Marshall corrigida (S): 3,3 kn Deformação Marshall Nominal (Fn): 1,6 mm 172

191 RESULTADOS GRÁFICOS III.5 Ensaios Wheel Tracking em lajes com agregados naturais Deformação (mm) 20,00 18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00 Laje A Ciclos Figura III. 43 Wheel Tracking em laje de agregado natural Percentagem de betume 4,6% (1) Laje A2 Deformação (mm) 20,00 18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0, Ciclos Figura III. 44 Wheel Tracking em laje de agregado natural Percentagem de betume 4,6% (2) Gil Filipe Leonor Fernandes 173

192 Utilização de RCD como Materiais de Construção de Pavimentos Rodoviários Estado da Arte III.6 Ensaios Wheel Tracking em lajes com agregados de betão britado Deformação (mm) 20,00 18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00 Laje R Ciclos Figura III. 45 Wheel Tracking em laje de agregados reciclados Percentagem de betume 4,7% (1) Laje R2 Deformação (mm) 20,00 18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 0, Ciclos Figura III. 46 Wheel Tracking em laje de agregados reciclados Percentagem de betume 4,7% (2) 174

193 RESULTADOS GRÁFICOS ANEXO I. Ficha Técnica do Betume Descrição: Betume convencional para misturas betuminosas. Quadro AI. 1 Verificação do cumprimento na normalização em vigor para o betume 50/70 Repsol Gil Filipe Leonor Fernandes 175

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS Ana Duarte Conceição 1, Rosa Luzia 2 e Dinis Gardete 2 1 Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D )

SESSÃO TÉCNICA G E G S E T S Ã T O Ã O D E D R ES E ID I U D OS O D E D C O C N O ST S R T UÇÃO Ã O E D E D MOL O IÇ I ÃO Ã O (R ( C R D) D ) SESSÃO TÉCNICA GESTÃO DE RESIDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) Fundamentoda Sessão; - Esta iniciativa partiu no âmbito do processo de RVCC Profissional onde o tema foi abordado por uma empresa parceira

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS Gil Fernandes 1, Silvino Capitão 2 e Luís Picado-Santos 3 1 IPC Instituto Superior de Engenharia de Coimbra, Departamento de Engenharia

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação

Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação EN 303 para misturas betuminosas e tratamentos superficiais para estradas, aeroportos e outras áreas de circulação Características dos agregados grossos e finos Granulometria (análise granulométrica) Resistência

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO

2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO 2.º Seminário Engenharia Rodoviária O FUTURO DA PAVIMENTAÇÃO ENQUADRAMENTO Portugal é o 5º país da Europa dos 27+6 (Turquia, Noruega, Suíça, Croácia, Macedónia e Islândia) com mais km de AEs por milhão

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão -

reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão - reaproveitamento de Inertes para o Fabrico de um Novo Betão - Uma Abordagem RESUMO A reciclagem de inertes para o fabrico de novos betões é um processo de reaproveitamento que vem sendo utilizado em vários

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

PROJECTO REAGIR RECICLAGEM DE ENTULHO NO ÂMBITO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS LIFE 03 ENV/P/000506

PROJECTO REAGIR RECICLAGEM DE ENTULHO NO ÂMBITO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS LIFE 03 ENV/P/000506 PROJECTO REAGIR RECICLAGEM DE ENTULHO NO ÂMBITO DA GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS LIFE 03 ENV/P/000506 Câmara Municipal de Montemor-o-Novo Divisão de Ambiente e Serviços Urbanos O PROJECTO PROJECTO REAGIR

Leia mais

Total de páginas: 8 1

Total de páginas: 8 1 1/24 Construção e Manutenção de Infra-estruturas de Transportes Aula T6 Pavimentos 2/24 Sumário da aula Pavimentos rodoviários: Tipos de pavimentos Funções das camadas do pavimento Materiais de pavimentação:

Leia mais

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio

Tabela de preços de ensaios do LREC. Designação do Ensaio do AÇOS AC01-1 Tração de rotura de arames EN ISO 6892-1 30,00 AÇOS AC02-1 Tração de varões (todos os parâmetros) EN ISO 6892-1 53,00 AGREGADOS AG01-1 Agregados - Amostragem para pavimentação (1) LNEC E

Leia mais

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013?

Seminário. Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Seminário Regulamento dos Produtos de Construção: Novas exigências para a marcação CE. O que muda em 1 de julho de 2013? Ordem Dos Engenheiros, 2012-09-27 O Subsistema da Normalização do SPQ (Sistema Português

Leia mais

Gestão de Resíduos, Produtos para a Construção, Demolição & Reciclagem

Gestão de Resíduos, Produtos para a Construção, Demolição & Reciclagem 1. GESTÃO DE RESÍDUOS (Alvarás n.º 43/2010/CCDRC e n.º 52/2010/CCDRC) 1.1 Resíduos admissíveis nas Unidades de Gestão de Resíduos Resíduos não perigosos (estado sólido ou pastoso) Betão, Argamassas, Telhas,

Leia mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. L. PEREIRA, S. JALALI e B. AGUIAR Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Guimarães

GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. L. PEREIRA, S. JALALI e B. AGUIAR Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Guimarães GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO L. PEREIRA, S. JALALI e B. AGUIAR Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho, Guimarães RESUMO Esta comunicação apresenta um estudo de gestão

Leia mais

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA

BETUME BORRACHA. Pedro Seixas, PROBIGALP. Luís Gomes, MOTA-ENGIL. Susana Maricato, GALP ENERGIA BETUME BORRACHA Pedro Seixas, PROBIGALP Luís Gomes, MOTA-ENGIL Susana Maricato, GALP ENERGIA Princípios gerais Construir Estradas de altas prestações; Colaborar na protecção do meio ambiente. Ecoeficácia

Leia mais

!"#$%&'()" * &*+,-.-%+()" /* 0+1-2*#%"$ AGREGADOS

!#$%&'() * &*+,-.-%+() /* 0+1-2*#%$ AGREGADOS AGREGADOS DISPOSIÇÕES NORMATIVAS Construção e Reabilitação de Pavimentos AGREGADOS DOCUMENTO BASE Trabalho realizado para o InIR pela empresa CAeMD Publicações e Projectos de Engenharia, Lda, coordenado

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

Relatório técnico sobre o pavimento da pista pedonal/ciclovia incluída na obra de Reconversão dos Viveiros Florestais de Mealhada/Parque Urbano

Relatório técnico sobre o pavimento da pista pedonal/ciclovia incluída na obra de Reconversão dos Viveiros Florestais de Mealhada/Parque Urbano Relatório técnico sobre o pavimento da pista pedonal/ciclovia incluída na obra de Reconversão dos Viveiros Florestais de Mealhada/Parque Urbano Requerente: CÂMARA MUNICIPAL DE MEALHADA Aveiro, Agosto de

Leia mais

Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos agregados. Maria de Lurdes Antunes, LNEC

Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos agregados. Maria de Lurdes Antunes, LNEC Desenvolvimentos com vista à regulamentação no domínio dos., LNEC Agregados: Normas harmonizadas (1/2) EN 12620 Agregados para betão EN 13043 Agregados para misturas betuminosas e tratamentos superficiais

Leia mais

Memória Descritiva e Justificativa

Memória Descritiva e Justificativa Memória Descritiva e Justificativa 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS O presente projecto diz respeito à pavimentação de arruamentos na freguesia de Santa Joana. Os arruamentos a pavimentar são os seguintes: Rua

Leia mais

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS

Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida. Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Abordagem ao Ciclo de Vida Reintegração de Materiais em Fim de Vida Ana Paula Duarte, Rui Frazão LNEG-UPCS Workshop Ciclo de Vida dos Edifícios 31 de janeiro de 2012 ENQUADRAMENTO A nível mundial, há uma

Leia mais

APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM CAMADAS GRANULARES DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS VALIDADA EM TRECHO PILOTO

APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM CAMADAS GRANULARES DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS VALIDADA EM TRECHO PILOTO APLICAÇÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM CAMADAS GRANULARES DE PAVIMENTOS RODOVIÁRIOS VALIDADA EM TRECHO PILOTO Ana Cristina Freire 1, José Neves 2, António José Roque 3, Isabel Milagre

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA

MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA Projeto de Execução Designação da empreitada CONSERVAÇÃO E REABILITAÇÃO DA E.M. 242-1 E ESTRADA ATLÂNTICA Julho de 2015 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto

Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto Valmir Bonfim Diretor Técnico do Grupo ANE Fresagem de pavimentos Microfresagem para

Leia mais

SUPREMA APLICAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM INFRAESTRUTURAS RODOVIÁRIAS

SUPREMA APLICAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM INFRAESTRUTURAS RODOVIÁRIAS departamento de TRANSPORTES Núcleo de Infra-estruturas Rodoviárias e Aeroportuárias Proc. 0702/14/17383 SUPREMA APLICAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM INFRAESTRUTURAS RODOVIÁRIAS

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA

UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA OLIVEIRA, André, S.¹ Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva- FAIT SANTOS, Ivan, R.² Docente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO BMB EM PORTUGAL: A EXPERIÊNCIA OBTIDA AO LONGO DE 7 ANOS NAS OBRAS EM SERVIÇO. Paulo Fonseca e Rui Barros

A UTILIZAÇÃO DO BMB EM PORTUGAL: A EXPERIÊNCIA OBTIDA AO LONGO DE 7 ANOS NAS OBRAS EM SERVIÇO. Paulo Fonseca e Rui Barros A UTILIZAÇÃO DO EM PORTUGAL: A EXPERIÊNCIA OBTIDA AO LONGO DE 7 ANOS NAS OBRAS EM SERVIÇO Paulo Fonseca e Rui Barros Recordando o que é o Incorpora de 20 a 22% de granulado de borracha EN 14023:2005 Betumes

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil

Departamento de Engenharia Civil Departamento de Engenharia Civil Marcação CE de Misturas Betuminosas: A Experiência Portuguesa Dissertação apresentada para a obtenção do grau de Mestre em Construção Urbana Autor Tânia Sofia Lopes Nunes

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND CARACTERIZAÇÃO DO ENTULHO VISANDO A SUA UTILIZAÇÃO COMO AGREGADO GRAÚDO PARA CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Adailton de O. Gomes; (2) Cleber M. R. Dias; (3) Alexandre T. Machado; (4) Roberto J. C. Cardoso;

Leia mais

1 - EQUIPAMENTO LABORATORIAL E REALIZAÇÃO DE ENSAIOS

1 - EQUIPAMENTO LABORATORIAL E REALIZAÇÃO DE ENSAIOS 1 - EQUIPAMENTO LABORATORIAL E REALIZAÇÃO DE ENSAIOS Sempre que solicitado a entidade executante deve dispor de meios para efectuar o controlo permanente, através dos seguintes ensaios: - Prensa para ensaios

Leia mais

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA

ENTECA 2003 IV ENCONTRO TECNOLÓGICO DA ENGENHARIA CIVIL E ARQUITETURA 614 LEVANTAMENTO E ANÁLISE COMPARATIVA DA CONSTITUIÇÃO DO RCD DE OBRAS DE REFORMA E DEMOLIÇÃO NA CIDADE DE LONDRINA-PR MENDES, Thiago Melanda 1 & MORALES, Gilson 2 1.Aluno de Iniciação Científica e bolsista

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos da Construção

Gerenciamento dos Resíduos da Construção Gerenciamento dos Resíduos da Construção Resíduos da Construção e Demolição Engenheiro Civil e Doutor em Engenharia Ambiental Joácio Morais Júnior João Pessoa - 2013 Problemática 2 ANÁLISE DO CICLO DE

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM Produção: Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. Apoio Institucional: Sindicato da Indústria

Leia mais

Logística Reversa na Construção Civil. Celso Luchezzi

Logística Reversa na Construção Civil. Celso Luchezzi Logística Reversa na Construção Civil Celso Luchezzi Celso Luchezzi Mestre em Engenharia de Materiais MACKENZIE MBA em Logística Empresarial FGV Tecnólogo em Processos de Produção FATEC Licenciatura em

Leia mais

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO

ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO ANEXO A CADERNO DE ENCARGOS DA OBRA EN 244 BENEFICIAÇÃO ENTRE PONTE DE SÔR E O ENTRONCAMENTO COM A EN 118 RECICLADO SEMI - QUENTE COM EMULSÃO BETUMINOSA 1. Definição Define-se como reciclado semi-quente

Leia mais

UNIVERSIDADE DE ÉVORA ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA

UNIVERSIDADE DE ÉVORA ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE ÉVORA ESCOLA DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA Reutilização De Resíduos da Construção e Demolição em Obras Aeroportuárias João Luís Banza Gonçalves Matias Orientação: Prof.ª Teresa Pinheiro-Alves

Leia mais

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE

Departamento de Engenharia Civil, Materiais de Construção I 3º Ano 1º Relatório INDÍCE INDÍCE 1- Introdução/ Objectivos... 2- Análise Granulométrica... 2.1- Introdução e descrição dos ensaios... 2.2- Cálculos efectuados, resultados encontrados e observações... 2.3- Conclusão... 3- Ensaio

Leia mais

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO

PLANO DE DIVULGAÇÃO DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO LABORATÓRIO REGIONAL DE ENGENHARIA CIVIL 2014 MARÇO ABRIL MAIO JUNHO MARÇO Curso: Projeto Geotécnico de Acordo com os Euro códigos Data: 10 a 14 de Março de 2014 Presencial: 250 Via internet: 200 ABRIL Curso: Reabilitação Não-Estrutural de Edifícios Data: 29 a 30 de Abril

Leia mais

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Claudiceia Silva Mendes 1 Resumo: A construção civil é reconhecida como uma das mais importantes

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.Antecedentes--------------------------------------------------------------------------------------3 1.1. Objecto do estudo... 3 1.2. Descrição da obra... 3 1.3. Autor do estudo... 4 2.Tipos de

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS Evanisa F. R. Q. Melo (1); Rubens M. Astolfi (2); Leunir Freitas (3); Ricardo Henryque Reginato Quevedo

Leia mais

ADAPTAÇÃO DO CADERNO DE ENCARGO TIPO DE OBRA DA EP, S.A. P3-PAVIMENTAÇÃO AOS REQUISITOS DA NORMALIZAÇÃO EUROPEIA

ADAPTAÇÃO DO CADERNO DE ENCARGO TIPO DE OBRA DA EP, S.A. P3-PAVIMENTAÇÃO AOS REQUISITOS DA NORMALIZAÇÃO EUROPEIA ADAPTAÇÃO DO CADERNO DE ENCARGO TIPO DE OBRA DA P3-PAVIMENTAÇÃO AOS REQUISITOS DA NORMALIZAÇÃO EUROPEIA Estradas de Portugal, S.A. CETO _Fev.2009 Objectivo Apresentar as alterações efectuadas ao Capítulo

Leia mais

INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS.

INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS. INFLUÊNCIA DA FORÇA DE ENSAIO NA AVALIAÇÃO ESTRUTURAL DE PAVIMENTOS POR MÉTODOS NÃO DESTRUTIVOS. Ana Machado 1, Simona Fontul 2 e Ana Cristina Freire 3 1 Faculdade de Ciências e Tecnologias da Universidade

Leia mais

TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO CONFECCIONADOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO

TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO CONFECCIONADOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO Autor: Rômulo Rocha Cruz Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL E

Leia mais

CARLOS HENRIQUE PALACIO

CARLOS HENRIQUE PALACIO i CARLOS HENRIQUE PALACIO ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RECICLADO (RCD-R) PARA FINS RODOVIÁRIOS. Artigo apresentado ao curso de graduação em Engenharia Civil da Universidade

Leia mais

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL

Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Materiais de Construção AGREGADOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Agregados para concreto Os agregados constituem um componente importante no concreto, contribuindo com cerca de 80% do peso e 20% do custo de concreto

Leia mais

Guia para a Utilização de Resíduos de Construção e. Demolição em Vias Municipais e Rurais e em Valas. Mafalda Margarida Mesquita Rodrigues

Guia para a Utilização de Resíduos de Construção e. Demolição em Vias Municipais e Rurais e em Valas. Mafalda Margarida Mesquita Rodrigues Universidade do Minho Escola de Engenharia Mafalda Margarida Mesquita Rodrigues Guia para a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição em Vias Municipais e Rurais e em Valas UMinho 2013 Mafalda Margarida

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA

DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Anais do XX Encontro de Iniciação Científica ISSN 1982-0178 DETERMINAÇÃO DAS PROPRIEDADES FÍSICAS E MECÂNICAS DE CONCRETO C40 E C50 EXECUTADO COM AGREGADOS RECICLADOS CINZA Caio Henrique Tinós Provasi

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 3 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO ESTRATÉGIAS DE CONSERVAÇÃO Critérios de decisão, técnicas

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ PROJETO COMPETIR Projeto COMPETIR Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha SENAI GTZ SEBRAE OBJETIVO Ampliar a competitividade das empresas da cadeia produtiva da Construção Civil, visando:

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição

Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição Perguntas Frequentes Resíduos da Construção e Demolição 1. Qual o estatuto dos RCD que saem de uma instalação/operador após processamento de acordo com as Especificações Técnicas do Laboratório Nacional

Leia mais

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO J. GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ENQUADRAMENTO LEGAL Face à necessidade da criação de condições legais para a correta gestão dos Resíduos de Construção e Demolição (RCD), foi publicado

Leia mais

II Feira Serpa Energias Indústrias Sustentáveis e Criativas Seminário Construção Sustentável

II Feira Serpa Energias Indústrias Sustentáveis e Criativas Seminário Construção Sustentável II Feira Serpa Energias Indústrias Sustentáveis e Criativas Seminário Construção Sustentável Utilização de RCD no Fabrico de Betão Estrutural Trabalho de Investigação Serpa, 19 de Novembro de 2010 Rui

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS AGREGADOS MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO 1 2004 AGREGADOS 1 agregado aterial granular usado na construção. O agregado pode ser natural, artificial ou reciclado. : 70 a 80% do volume do betão 2 composição de 1 m 3 de betão : por exemplo cimento água agregados

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL

IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL 5º ENCONTRO TÉCNICO-CIENTÍFICO DOS LABORATÓRIOS DE ENGENHARIA DA CPLP REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DA CONSTRUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADOS POR OBRAS DE CONSTRUÇÃO CIVIL ORGANIZAÇÃO ANA MARIA SANTOS

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151

Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil. Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 Gerenciamento e Reciclagem de Resíduos de Construção & Demolição no Brasil Dr. Eng. Sérgio Angulo scangulo@ipt.br (11) 3767 4151 PROBLEMATIZAÇÃO Coleta do RCD: um problema logístico Uma empresa de coleta

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES Maria Edelma Henrique de Carvalho Porto (ISECENSA) maria_edelma@hotmail.com Simone Vasconcelos Silva (ISECENSA) simonevsinfo@yahoo.com.br

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

Constituição e Estrutura Accionista

Constituição e Estrutura Accionista Constituição e Estrutura Accionista DECRETO-LEI Nº 11/2001 DE 23 de Janeiro 8 Criação do Sistema Multimunicipal de Triagem, Recolha, Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos do Norte Alentejano

Leia mais

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993.

E 373 Inertes para Argamassa e Betões. Características e verificação da conformidade. Especificação LNEC 1993. 1.1. ÂMBITO Refere-se esta especificação a agregados para betão. Agregados para betão são os constituintes pétreos usados na composição de betões nomeadamente areias e britas. 1.2. ESPECIFICAÇÕES GERAIS

Leia mais

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS Tatiana Nunes Oliveira CEFET-MG Ricardo André Fiorotti Peixoto CEFET-MG Viviane de Jesus Gomes Alves CEFET - MG Introdução

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM BAIXA ENERGIA INCOR- PORADA ATRAVÉS DA REUTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM BAIXA ENERGIA INCOR- PORADA ATRAVÉS DA REUTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO COM BAIXA ENERGIA INCOR- PORADA ATRAVÉS DA REUTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS M. do Rosário Veiga 1, Jorge de Brito 2, Nádia Lampreia 3 1 Laboratório Nacional de Engenharia Civil, Lisboa,

Leia mais

BETUMES DE ELEVADAS PRESTAÇÕES

BETUMES DE ELEVADAS PRESTAÇÕES BETUMES DE ELEVADAS PRESTAÇÕES Teresa Carvalho 1, Ignacio Pérez Barreno 2 1 Cepsa Portuguesa Petróleos S.A., Obras Públicas, Rua General Firmino Miguel nº3 Torre 2 2º andar, 1600-100 Lisboa, Lisboa, Portugal

Leia mais

ENSAIOS DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE À ÁGUA DE MISTURAS BETUMINOSAS COMPACTADAS

ENSAIOS DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE À ÁGUA DE MISTURAS BETUMINOSAS COMPACTADAS DEPARTAMENTO DE TRANSPORTES Núcleo de Infra-estruturas Rodoviárias e Aeroportuárias Proc. 0702/1/17243 ENSAIOS DE COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL PARA AVALIAÇÃO DA SENSIBILIDADE À ÁGUA DE MISTURAS BETUMINOSAS

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE

01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE 01 MEMÓRIA DESCRITIVA E JUSTIFICATIVA DUPLICAÇÃO DA CIRCULAR URBANA - 3ª FASE 1. Considerações Gerais O estudo que se apresenta respeita à 3ª fase da duplicação da circular urbana e tem como principal

Leia mais

Matheus De Conto Ferreira, Antônio Thomé Universidade de Passo Fundo UPF, Passo Fundo, RS e-mail: mdcf87@hotmail.com, thomé@upf.br

Matheus De Conto Ferreira, Antônio Thomé Universidade de Passo Fundo UPF, Passo Fundo, RS e-mail: mdcf87@hotmail.com, thomé@upf.br Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.18, p.1-12, Novembro, 2011 Utilização de resíduo da construção e demolição como reforço de um solo residual de basalto, servindo como base de fundações superficiais

Leia mais

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS

GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS GENERALIDADES SOBRE PAVIMENTOS Pavimento x outras obras civis Edifícios: Área de terreno pequena, investimento por m 2 grande FS à ruptura grande Clima interfere muito pouco no comportamento estrutural

Leia mais

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q.

TRABALHOS TÉCNICOS INTERDEPENDÊNCIA DAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS DAS MISTURAS BETUMINOSAS TIPO C.B.U.Q. 01 / 07 SINOPSE O trabalho apresenta aspectos conceituais do comportamento das relações físicas envolvidas no sistema, e misturas tipo C.B.U.Q., levando em consideração as características físicas rotineiras

Leia mais

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO

RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO GESTÃO, PROJETO, CONSTRUÇÃO E ENCERRAMENTO DE INSTALAÇÕES DE RESÍDUOS MINEIROS SEMINÁRIO RESÍDUOS DA INDÚSTRIA EXTRATIVA O PROCESSO DE LICENCIAMENTO Patrícia Falé patricia.fale@dgeg.pt ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE: Universidade Estadual de Campinas UNICAMP TÍTULO DO TRABALHO: DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA CONSTRUÇÃO CIVIL AUTORES: Paulo Sérgio Bardella; Gladis Camarini E-MAIL DOS AUTORES: pbardela@uol.com.br

Leia mais

2. REQUISITOS DAS ARGAMASSAS PARA REPARAÇÃO

2. REQUISITOS DAS ARGAMASSAS PARA REPARAÇÃO ESTUDO DE ARGAMASSAS DE CAL HIDRAULICA DE REFECHAMENTO DE JUNTAS DE PEDRAS José Domingos Costa Cimpor Argamassas Grupo Cimpor Portugal jdcosta@cimpor.com Ana Pérez Lobato Morteros de Galicia,S.L. Grupo

Leia mais

Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil

Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil Arquitetura Sustentável: Reciclagem de Resíduos da Construção Civil Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br Texto adaptado a partir da Dissertação de Mestrado: CORCUERA,

Leia mais

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha Andrew Motta Daher 1 Érika Silva Fabr2 RESUMO: A geração de rejeitos oriundos da construção civil promove severos

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS *Acadêmicos do Centro Universitário Filadélfia UniFil **Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil. faganello.adriana@unifil.br

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais