CARLOS HENRIQUE PALACIO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CARLOS HENRIQUE PALACIO"

Transcrição

1 i CARLOS HENRIQUE PALACIO ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RECICLADO (RCD-R) PARA FINS RODOVIÁRIOS. Artigo apresentado ao curso de graduação em Engenharia Civil da Universidade Católica de Brasília, como requisito parcial para a obtenção de Título de Bacharel em Engenharia Civil. Orientador: Ivonne Alejandra Gutierrez Gongora, MSc. Brasília 2014

2 ii Artigo de autoria de Carlos Henrique Palacio, intitulado ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RECICLADO (RCD-R) PARA FINS RODOVIÁRIOS., apresentado como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia Civil da Universidade Católica de Brasília, em 09/06/2014, defendido e aprovado pela banca examinadora abaixo assinada: Prof. Ivonne Alejandra Gutierrez Gongora, MSc. Curso de Engenharia Civil UCB Prof. Msc. Haroldo da Silva Paranhos Examinador Curso de Engenharia Civil UCB Brasília 2014

3 iii AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus, por me motivar espiritualmente, dando-me força, foco e perseverança. A meus familiares e amigos que me apoiaram e motivaram desde o início da minha graduação. À minha orientadora, Ivonne Alejandra Gutierrez Gongora, pela paciência, dedicação e colaboração para me ajudar a dar andamento a este artigo. A todos os professores, que me passaram conhecimentos suficientes para produzir este trabalho. Agradeço ainda, à Luana Alves da Silva, por ter me incentivado nos momentos difíceis, sempre estando ao meu lado.

4 1 ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS COM RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO RECICLADO (RCD-R) PARA FINS RODOVIÁRIOS. CARLOS HENRIQUE PALACIO RESUMO O presente artigo teve a finalidade de analisar a reação do uso de resíduo de construção civil e demolição com o solo de maior predominância no Distrito Federal. O objetivo geral do trabalho é estudar o comportamento mecânico do Solo com RCD-R (resíduo de construção e demolição reciclado), tendo como objetivos específicos verificar a influência do RCD-R no solo e buscar a viabilidade da mistura para uso de material para subleito ou sub-base em obras rodoviárias, dando solução correta dos resíduos da construção civil de forma amigável com o meio ambiente. A metodologia consistiu na análise da caracterização do solo e do RCD-R (resíduo de construção civil e demolição) utilizado, com o auxílio das normas técnicas da ABNT. Ensaio de compactação e CBR foram realizados para identificar o índice de suporte do Solo Natural e Solo com RCD- R. De acordo com os resultados obtidos, pode-se dizer que a mistura de solo com resíduo de construção e demolição teve uma considerável melhora na sua capacidade de suporte. Finalmente destaca-se que a mistura Solo+RCD-R pode ser utilizada como uma técnica para melhorar solos de subleito para fins rodoviários, podendo ser viável técnica e ambientalmente. Palavras-chave: Melhoria de solos, Resíduo de construção e demolição (RCD-R), Rodovias, Índice de suporte de Califórnia.

5 2 1. INTRODUÇÃO É possível avalia em nosso meio que o SOLO é uma peça fundamental em obras de engenharia civil portanto, deve-se conhecer a fundo suas características e seus comportamentos quando submetidos a várias exigências. A Geoctenia é uma das divisões da engenharia civil, é a partir dela que temos o contato entre o meio ambiente e as obras realizadas pelos homens, sejam elas barragens, taludes, rodovias, contenção, entre outros. Rodovias são essenciais nos dias de hoje, pois elas executam papeis muito importantes em nossa sociedade: econômicas, sociais, políticas e ambientais. As Rodovias têm finalidade de interligar regiões para o transporte de bens e de pessoas. Pelo lado positivo as rodovias contribuem com desenvolvimento socioeconômico das regiões por onde passam, mas o impacto ambiental é inevitável na construção e ampliação delas, bem como sua manutenção. Segundo Costa e Figueiredo (2001), o desenvolvimento rodoviário no Brasil começou praticamente a partir da década de 40, com a criação do Fundo Rodoviário dos Estados e Municípios, pelo Decreto-Lei de 21 de setembro de Todavia, seu progresso foi, a princípio, bastante lento, só aumentando em definitivo após o Decreto-Lei 8.463, de 27 de dezembro de 1945, conhecido como Lei Joppert, que criou o Fundo Rodoviário Nacional, reorganizou o Departamento Nacional de Estradas de Rodagem e possibilitou a criação dos Departamentos de Estradas de Rodagem estaduais DERs, a exemplo do existente na Bahia, DERBA Departamento de Infra Estrutura de Transportes da Bahia. O avanço tecnológico fez com que ideias no passado que seriam praticamente impossíveis de se de desenvolver, mudar toda uma concepção e abrir novos meios de se comunicar, locomover. Um fato que muitos não percebem é que com o avanço dessa tecnologia a sociedade torna-se mais consumista. Aumentando o consumo a produção de resíduos segue o mesmo padrão, e onde descartar? Ou melhor, podemos reutiliza-lo? Com tudo isso entramos em uma era de sustentabilidade, que nada mais é que uma nova utilização para materiais descartados, a fim de serem reaproveitados juntamente com novas descobertas tecnológicas.

6 3 Levar em consideração o meio ambiente é um fato de suma importância, principalmente pela falta de recursos naturais que ameaça o futuro, é preciso garantir que o uso seja correto e com muita prudência. Para construção de rodovias, é necessário que se conheça as tecnologias para a execução do projeto e a área onde será implantada, afim de que esta seja ecologicamente correta. 2. OBJETIVO 2.2 Objetivo Geral Avaliar o comportamento mecânico de uma mistura de solo com adição de Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R). 2.3 Objetivos específicos Verificar a influência da adição de Resíduo de construção e demolição reciclado (RCD-R) no comportamento mecânico de um solo laterítico. Determinar a través de ensaios de laboratório a viabilidade da mistura solo RCD-R para o uso como material de reforço subleito ou sub-base em obras rodoviárias. Encontrar uma solução amigável com o meio ambiente para a utilização de RCD-R. 3. Justificativa A população brasileira vem crescendo de forma acelerada nos últimos anose consequentemente tudo segue este crescimento: construção civil, consumo, poluição, tecnologia e outros. Um fato muito importante para os dias atuais é como conter os resíduos gerados em todos os setores da sociedade e descartá-los de forma correta. Na construção civil grande partes dos resíduos originados são oriundos de obras de construção, reformas e demolição. Estes materiais frequentemente são dispostos de forma clandestina em terrenos baldios e em áreas públicas, tendo sua potencialidade desperdiçada. A falta do destino correto e a inexistência de políticas públicas

7 4 proporcionam o aumento de impactos ambientais. É por isso que o manejo adequado de tais resíduos pode trazer uma visível melhoria na qualidade de vida e na redução de impactos ambientais nos centros urbanos. Os materiais utilizados atualmente para a construção de pavimentos são escassos ou de má qualidade. Diante disso, faz-se necessário o estudo de novos materiais que melhorem as características mecânicas dos materiais usados como sub-base e o subleito, com intuito de garantir rodovias mais duradouras e resistentes. 4. MATERIAIS E MÉTODOS Nesse capítulo serão apresentadas as principais características e propriedades físicas dos materiais utilizados na pesquisa, com destino de avaliar a interação de materiais alternativos (RCD-R) com materiais convencionais com o solo para o uso desta mistura como sub-base ou subleito. Também será descrita a metodologia seguida para a execução dos ensaios de caracterização e os ensaios mecânicos realizados para atingir o objetivo deste trabalho. 4.1 Materiais Empregados Solo O solo utilizado é proveniente do Centro de Reuso, localizado na Universidade Católica de Brasília. Suas coordenadas geográficas são: 15 51'46.0"S 48 01'47.4"W.Na figura 1 encontra-se em destaque as coordenadas correspondentes a sondagem a trado realizada para a coleta do solo, o ensaio atingiu uma profundidade de 1,5 metros. Na figura 2 é mostrado solo coletado, considerado como um Latossolo Vermelho. Os Latossolos constituem uma das treze ordens de solos de acordo com Sistema Brasileiro de Classificação de Solos, (EMBRAPA, 2007). Dentre os fatores físicos dos solos a cor destaca-se por permitir a dedução de outras características importantes tais como teores de matéria orgânica e de óxidos de ferro e grau de drenagem (RESENDE,2007).

8 5 Figura 1 Localização do furo de Sondagem Figura 2 Solo utilizado na pesquisa A seguir na tabela 1 são apresentadas as propriedades do solo usado neste trabalho. Na figura 3 é mostrada a curva granulométrica do solo utilizado. Tem-se que de acordo com o sistema de classificação SUCS, o solo empregado é considerado como um silte de baixa compressibilidade (GRUPO ML).

9 % QUE PASSA DA AMOSTRA TOTAL ,001 0,010 0,100 1,000 10, ,000 ABERTURA DAS PENEIRAS (mm) Figura 3 Curva Granulométrica Tabela 1 Propriedades do Solo Ensaio Valor Massa Específica dos grãos (g/cm³) 2,74 Limite de Liquidez (%) 33,15 Limite de Plasticidade (%) 26,83 Umidade Natural (%) 23,26 A seguir serão mostradas imagens dos ensaios de caracterização feitos no laboratório de geotecnia da Universidade Católica de Brasília Ensaio de granulometria por sedimentação Neste ensaio é medida a densidade de uma suspensão de solo em água, no decorrer do tempo, para caracterizar os diâmetros das partículas e obter a distribuição de tamanhos do solo (figura 4). Após o processo de sedimentação e feito o peneiramento do material separando material grosso do material fino, mostrados nas figuras 5 e 6 respectivamente.

10 7 Figura 4 Ensaio de Sedimentação Figura 5 Peneiramento Grosso

11 8 Figura 6 Peneiramento Fino Ensaio de Massa Especifica dos Grãos Este ensaio foi realizado em três amostras de solo pesando 50g cada. As amostras são deixadas por 15 min no dispersor. Após a etapa anterior foram colocadas nos picnômetros. Estes foram deixados por 40 min em banho maria a 98 ºC e em seguida 15 min na bomba de vácuo para eliminar todo ar incluso no solo, isso para ter maior precisão da massa especifica do solo, conforme a figura 7. Figura 7 Ensaio de Massa Específica dos Grãos

12 Limite de Plasticidade Neste ensaio foi verificado o teor de umidade necessário e suficiente para rolar uma porção do solo com uma certa umidade sobre uma placa de vidro até formar um pequeno cordão com 3mm de diâmetro e 12 cm a 15 cm de comprimento com intuito de verificar o ponto plástico do solo, na figura 8 é mostrada a execução do ensaio. Figura 8 Limite de Plasticidade Limite de Liquidez Neste ensaio uma porção de solo foi passada na peneira # 40. A amostra de solo passante foi umedecida para poder estabelecer o teor de umidade em que a ranhura se fecha com 25 golpes pelo aparelho Casagrande(Figura 9). Figura 9 Limite de Liquidez

13 Resíduos de construção e demolição reciclados (RCD-R) Na pesquisa foi utilizado resíduo de construção e demolição reciclado proveniente da demolição do estádio Mané Garrincha da cidade de Brasília-DF. Este material foi utilizado como adição para solo com o intuito de melhorar as características naturais do mesmo para fins rodoviários. O resíduo de construção civil de acordo com a Resolução do Conama nº 307 é definido como resíduos provenientes de construções, reformas, reparos e demolições de obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concreto em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensados, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica etc.., comumente chamados de entulhos, caliça ou metralha. Desta forma os resíduos são classificados e destinados de acordo com a tabela 3. Tabela 3 Classificação e Destinação de Resíduos de construção civil. Classe Destinação alvenaria, concreto, argamassas e solos. A Destinação: reutilização ou reciclagem com uso na forma de agregados, além da disposição final em aterros licenciados. madeira, metal, plástico e papel. Destinação: B reutilização, reciclagem ou armazenamento temporário. produtos sem tecnologia disponível para C recuperação (gesso, por exemplo). Destinação: conforme norma técnica específica. resíduos perigosos (tintas, óleos, solventes etc.), D conforme NBR 10004:2004 (Resíduos Sólidos Classificação). Destinação: conforme norma técnica específica. Fonte: Resolução do Conama nº 307 Na figura 10 mostra-se a curva granulométrica do RCD-R utilizado na pesquisa.

14 % QUE PASSA DA AMOSTRA TOTAL ,001 0,010 0,100 1,000 10, ,000 ABERTURA DAS PENEIRAS (mm) Figura 10 - Curva Granulométrica RCD-R Na figura 11 mostra-se o material utilizado na pesquisa proveniente da demolição do estádio Mané Garrincha. Figura 11 RCD-R 4.2 Métodos As etapas seguidas na pesquisa, junto com os ensaios realizados são apresentadas na figura 11.

15 12 Figura 12 Etapas de execução da pesquisa Caracterização Geotécnica Antes da realização de cada ensaio de caracterização, as amostras foram preparadas conforme prescrições da NBR 6457 (ABNT, 1986 a), ou seja, foram realizadas as operações de secagem e destorroamento. Visando determinar as propriedades do SOLO e do resíduo de construção e demolição reciclado (RCD-R) foram realizados ensaios de caracterização de acordo com as normas técnicas de realização de ensaios da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Na tabela 4 são apresentadas as normas seguidas para a execução dos ensaios. Tabela 4 Normas Técnicas para realização dos ensaios de caracterização. Normas Especificação Material 7181 Analise Granulométrica Solo / RCD-R 6508 Determinação da Massa Especifica Solo / RCD-R 6459 Limite de Liquidez Solo 7180 Limite de Plasticidade Solo Dosagem da mistura Solo RCD-R

16 13 Nessa etapa foi realizada a mistura e dosagem dos materiais serem utilizados na pesquisa. Para a mistura empregado 15% de resíduo de construção e demolição com relação ao peso total do material (sendo 85% solo). A percentagem de substituição de solo por RCD-R foi escolhida em função das características granulométricas dos materiais Avaliação das características físicas e mecânicas da mistura Solo RCD-R Após a etapa de dosagem foram realizados ensaios de compactação e CBR para determinação da capacidade de suporte da mistura solo - RCD-R. Os corpos de prova moldados para determinação de CBR foram submetidos a um processo de cura de sete (7) dias Ensaio 1 Compactação Depois de realizada a dosagem e mistura dos materiais, foi iniciada a compactação da mistura, isso para determinar a umidade ótima de compactação da mistura e Solo+RCD-R Ensaio 2 Índice de Suporte de Califórnia (CBR) No segundo ensaio adotou-se os resultados obtidos na compactação para a montagem do CBR, que consiste em analisar a relação, em percentagem, entre a pressão exercida por um pistão de diâmetro padronizado necessária à penetração no solo até determinado ponto (0,1 e 0,2 ) e a pressão necessária para que o mesmo pistão penetre a mesma quantidade em solo-padrão de brita graduada, como mostra a figura 12.

17 14 Figura 13 Prensa para o ensaio de CBR Todos os ensaios citados na pesquisa foram realizados conforme as normas da ABNT mostradas na tabela 5. Tabela 5 Normas Técnicas para Dimensionamento de Perfis Rodoviários Normas Especificação 7182 Compactação e CBR 6459 Limite de Liquidez 7180 Limite de Plasticidade 5. RESULTADOS E DISCUSSÃO Neste capítulo serão apresentados os resultados obtidos nos ensaios executados no presente trabalho. Primeiramente serão mostrados os resultados da caracterização do SOLO e do RCD-R. Na tabela 6 mostram-se os valores de limites de liquidez e de plasticidade da mistura do SOLO + RCD-R. Posteriormente são exibidos os resultados de capacidade de suporte do solo natural e da mistura solo-rcd-r, analisando o comportamento dos mesmos para três energias de compactação. Também será feita uma

18 Peso Especifico Seco (g/cm³) 15 análise comparativa entre os resultados de capacidade de suporte para o solo natural e a mistura empregada. Tabela 6 Limites de Consistência do Solo+RCD-R 5.1 Curva de Compactação Solo Natural Foi realizado o ensaio de compactação de acordo com a Norma de ensaio 7182 da ABNT. Do ensaio foi obtida como umidade ótima de compactação para o solo natural o valor de 30% e um peso especifico máximo seco de 1,398 g/cm³. A curva de compactação obtida é mostrada na figura 13. 1,4 Limites de Atterberg Limite de Liquidez (%) 28,95 Limite de Plasticidade (%) 25,04 1,39 1,38 1,37 1,36 1,35 26,00 28,00 30,00 32,00 34,00 Umidade (%) Figura 14 Curva de Compactação Solo Natural (energia normal) 5.2 Solo Natural (energia normal) Os resultados obtidos do ensaio de CBR (Índice de Suporte de Califórnia, ISC) estão respectivamente identificados pela tabela 7 e figura 14, dessa forma o Solo Natural na energia normal de compactação obteve um CBR de 3,98%.

19 PRESSÃO (MPA) 16 Tabela 7 Valores de Índice de suporte de Califórnia (CBR) para o solo natural na energia normal Penetração (mm) ISC (%) 2,5 3,11 5,0 3,98 0,80 0,70 0,60 0,50 0,40 0,30 0,20 0,10 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Figura 15 Índice de suporte de Califórnia (energia normal) 5.3 Solo Natural (energia intermediaria) Os resultados obtidos no ensaio de índice de suporte de Califórnia para a energia intermediaria no solo natural são apresentados na tabela 8, já na figura 15 é mostrado o gráfico de pressão vs penetração. De acordo aos resultados obtidos, o solo natural na energia intermediaria de compactação obteve um CBR de 7,05%. Tabela 8 Valores de Índice de suporte de Califórnia (CBR) para o solo natural na energia intermediaria. Penetração (mm) ISC (%) 2,5 5,31 5,0 7,05

20 PRESSÃO (MPA) 17 2,50 1,6000 1,4000 2,00 1,2000 1,50 1,0000 0,8000 1,00 0,6000 0,4000 0,50 0,2000 0,0000 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 12,00 14,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Figura 16 Índice de suporte de Califórnia solo natural (energia intermediaria) 5.4 Solo Natural (energia modificada) Os resultados obtidos do ensaio de CBR estão respectivamente identificados pela tabela 9 e figura 16, dessa forma o Solo Natural na energia modificada de compactação obteve um CBR de 14, 525%. Tabela 9 Valores de Índice de suporte de Califórnia (CBR) para o solo natural na energia modificada. Penetração (mm) ISC (%) 2,5 11,81 5,0 14,53 Figura 17 Índice de suporte de Califórnia solo natural (energia modificada) 5.5 Penetração nas três energias de compactação do Solo Natural Com base nos resultados anteriores foram plotadas num só gráfico as três energias de compactação no solo natural. Pode-se analisar que a medida que se aumenta a energia de compactação o mesmo solo ganha mais resistência conforme a figura 17.

21 PRESSÃO(MPA) 18 2,50 2,00 1,50 1,00 0,50 Normal intermediaria modificada 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Figura 18 Gráfico comparativo das três energias de compactação usadas no solo natural. 5.6 Curva de Compactação do Solo com RCD-R Foi realizado o ensaio de compactação da mistura Solo+RCD-R com base na norma de ensaio 7182 da ABNT. De acordo com o gráfico de compactação obtido, ilustrado na figura 18, tem-se que a umidade ótima para a mistura foi de 26,5% e o peso especifico seco máximo de 1,42 g/cm³. Peso Especifico Seco (g/cm³) 1,43 1,42 1,42 1,41 1,41 1,40 1,40 1,39 1,39 1,38 23,00 25,00 27,00 29,00 Umidade (%) Figura 19 - Curva de Compactação Mistura Solo+RCD-R (energia intermediaria)

22 PRESSAO (MPA) Índice de suporte de Califórnia para a mistura Solo+RCD-R (energia normal) Os resultados obtidos do ensaio de índice de suporte de Califórnia (CBR) estão respectivamente identificados pela tabela 9 e figura 19, dessa forma a mistura Solo +RCD-R na energia normal de compactação apresenta um CBR de 34,84%. Tabela 9 Valores de Índice de suporte de Califórnia (CBR) para a mistura Solo+RCD- R na energia normal Penetração (mm) ISC (%) 2,5 mm 17,910 5,0mm 34,835 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Figura 20 CBR Solo com RCD-R (energia normal) 5.8 Índice de suporte para a mistura solo+rcd-r após 7 dias de imersão (energia normal) Os resultados obtidos do ensaio de Índice de suporte de Califórnia (CBR) para a mistura Solo+RCD-R são mostrados na tabela 10 e o gráfico relacionando a pressão e penetração do respectivo ensaio, encontra-se na figura 20. Nos resultados obtidos é possível destacar que a mistura planteada nessa pesquisa, para a energia normal, apresenta um CBR de 36,57%.

23 PRESSÃO (MPA) 20 Tabela 10 Valores de Índice de suporte de Califórnia (CBR) para a mistura Solo+RCD-R na energia normal após 7 dias de imersão Expansão (%) Penetração (mm) ISC (%) 2,5 21,301 1,93 5,0 36,573 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Figura 21 CBR mistura Solo+RCD-R (energia normal) 5.9 Índice de suporte de Califórnia (CBR) para a mistura Solo +RCD-R (energia intermediária) Os resultados obtidos do ensaio de CBR estão respectivamente identificados pela tabela 11 e figura 21. Tem-se que a mistura do Solo com RCD-R na energia intermediária de compactação foi obtido um CBR de 42,72%. Tabela 11 Valores do Índice de suporte de Califórnia (CBR) para a mistura Solo+RCD-R na energia intermediaria Penetração (mm) ISC (%) 2,5 32,43 5,0 42,72

24 PRESSÃO (MPA) PENETRAÇÃO (mm) Figura 22 CBR Solo com RCD-R (energia intermediária) 5.10 Índice de suporte de Califórnia (CBR) do Solo com adição de RCD-R após 7 dias de imersão (energia intermediaria) A seguir na tabela 12 são apresentados os resultados obtidos no ensaio de índice de suporte de Califórnia, e a figura 22 mostra o gráfico de pressão versus penetração obtido para o ensaio. Tem-se que na energia intermediária de compactação e após a imersão por 7 dias, foi possível obter para o ensaio foi obtido um CBR de 47,82%. Tabela 12 Valores do índice de suporte de Califórnia para a mistura Solo+RCD-R na energia intermediaria após 7 dias de imersão. Expansão (%) Penetração (mm) ISC (%) 2,5 44,60 1,87 5,0 47,81

25 PRESSAÕ (MPA) 22 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Figura 23 CBR Solo com RCD-R (energia intermediaria com 7 dias) 5.11 Índice de suporte de Califórnia para a mistura solo com adição de RCD-R na energia modificada. Os resultados obtidos do ensaio de índice de suporte estão respectivamente identificados pela tabela 13 e figura 23, dessa forma a mistura do Solo com RCD-R na energia modificada de compactação obteve um CBR de 54,01%. Tabela 13 Valores do índice de suporte de Califórnia para a mistura Solo+RCD-R na energia modificada Penetração (mm) ISC (%) 2,5 50,68 5,0 54,01

26 PRESSÃO (MPA) PRESSAÕ (MPA) 23 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 1,00 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PRENETRAÇÃO (mm) Figura 24 CBR Solo com RCD-R (energia modificada) 5.12 Comparação da pressão vs a penetração obtida para as três energias de compactação na mistura Solo+RCD-R no ensaio de índice de suporte de Califórnia. Com base nos resultados anteriores foram analisadas as três energias de compactação para a mistura Solo +RCD-R. Pode-se analisar que a medida que se aumenta a energia de compactação o solo ganha mais resistência, conforme a figura 24. 7,00 6,00 5,00 4,00 3,00 2,00 Solo+RCD-R energia normal Solo+RCD-R energia intermediaria Solo+RCD-R energia modificada 1,00 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Figura 25 Análise da pressão vs penetração para as diferentes energias de compactação 5.13 Análise da pressão vs penetração para a energia normal no solo Natural e na mistura solo+rcd-r

27 PRESSÃO (MPA) 24 Na figura 25 mostra-se o comparativo da pressão vs penetração obtidas no ensaio de CBR tanto para o Solo Natural como para a mistura Solo com adição de RCD-R, ambas na energia de compactação normal. Pode-se constatar que a capacidade de suporte do Solo com adição de RCD-R obteve uma melhora considerável. Apresentando aumento de 8,5 vezes o valor da capacidade de suporte do solo (CBR), o que pode ser explicado pelas alterações realizadas na granulometria. 6,00 5,00 4,00 CBR=34,84% 3,00 2,00 1,00 CBR=3,98% 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Solo+RCD-R energia normal Solo Natural energia normal Figura 26 Pressão vs penetração para o Solo Natural e a mistura Solo com RCD-R (energia normal) 5.14 Análise da pressão vs penetração para a energia intermediária no solo Natural e na mistura solo+rcd-r A figura 26 mostra a comparação entre a pressão vs penetração obtidas no ensaio de CBR tanto para o Solo Natural como para a mistura Solo com adição de RCD-R, ambas na energia de compactação intermediária. Neste gráfico foi possível observar que o aumento da capacidade de suporte da mistura Solo+RCD-R foi de 6 vezes com relação ao solo natural.

28 PRESSÃO (MPA) PRESSÃO (MPA) 25 7,00 6,00 5,00 4,00 CBR=42,72% 3,00 2,00 CBR=7,05% 1,00 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Solo+RCD-R energia intermediaria Solo Natural energia intermediaria Figura 27 - Solo Natural x Solo com RCD-R (energia intermediaria) 5.15 Análise da pressão vs penetração para a energia modificada no solo Natural e na mistura solo+rcd-r Na figura 27 mostra-se o comparativo da pressão vs a penetração obtidas no ensaio de CBR tanto para o Solo Natural como para a mistura Solo com adição de RCD-R, ambas na energia de compactação modificada. Neste ensaio conseguiu-se observar que teve um incremento na capacidade de suporte da mistura. Tem-se que o aumento do CBR na mistura foi de aproximadamente 4 vezes com relação ao solo natural. 7,00 6,00 5,00 CBR=54,01% 4,00 3,00 2,00 CBR=14,53% 1,00 0,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 PENETRAÇÃO (mm) Solo+RCD-R energia modificada Solo Natural energia modificada Figura 28 - Solo Natural x Solo com RCD-R (energia modificada)

29 % CBR Comparativo do CBR do Solo natural nas três energias de compactação O gráfico que está representado pela figura 28 mostra o comparativo entre CBR das três energias de compactação do solo natural e solo com adição de RCD-R. 60,00 CBR = 54,00 % 50,00 CBR = 47,81 % 40,00 CBR = 36,57 % 30,00 20,00 CBR = 14,52% 10,00 CBR = 3,97 % CBR = 7,04 % 0,00 Energia normal Energia normal Solo+RCD-R Energia Intermediaria Energia Intermediaria Solo+RCD-R Energia modificada Energia Modificada Solo+RCD-R Figura 29 CBR Solo Natural e RCD-R 6. CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÕES Com base nos estudos realizados pode-se constatar que a mistura composta por Solo e RCD-R (resíduo de construção e demolição reciclado) mostrou uma considerável melhora em termos da capacidade de suporte, quando comparado ao solo sem adição de resíduo de construção. De acordo com DNIT solos de subleito devem apresentar CBR > 2%. Os resultados obtidos nos ensaios executados nesta pesquisa, especificamente os da mistura Solo+RCD-R foram positivos. Dessa forma pode-se dizer que para o dimensionamento de rodovias o RCD-R seria uma alternativa viável para melhoramento do solo de subleito. À partir dos resultados obtidos no trabalho, pode-se dizer que a utilização de resíduos de construção e demolição como material para melhorar as condições do subleito empregado para fins rodoviários é uma prática economicamente viável. Assim é possível dar destino a um material que gera grandes danos ambientais. Em relação ao aspecto financeiro o

30 27 custo de uma obra rodoviária é muito alto, principalmente na movimentação de terras. Com a utilização do RCD-R poderia reduzir tais custos sendo utilizado com uma ferramenta para melhoramento do solo. 7. Referências COSTA, P. S. e FIGUEIREDO, Wellington. C. Estradas: Estudos e Projetos. 2ª ed. Salvador: EDUFBA, v.1, p. BRASIL. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONAMA:307/2002 ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR6459: Solos Determinação do Limite de Liquidez. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR7182: Solos Ensaio de Compactação. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR7180: Solos Determinação do Limite de Plasticidade. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR6508: Solos Determinação da Massa Especifica dos Grãos ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas. (2004). NBR9895: Solos Ensaio de Capacidade de Suporte CBR.

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014

PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 PEC I - Primeiro Painel Temático de Pesquisa da Engenharia Civil da UNIJUÍ 14 de Outubro de 2014 NOME: AVALIAÇÃO DO USO DE AGREGADO MIÚDO OBTIDO ATRAVÉS DA RECICLAGEM DE ENTULHOS EM CONCRETO DE CIMENTO

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico.

ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL. 1.0 18/08/09 Ajuste de layout para adequação no sistema eletrônico. CONTROLE DE REVISÃO Código do Documento: Nome do Documento: ULC/0417 PROGRAMA DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Responsável pela Elaboração: Gerente de Segurança e Meio NE/SE Responsável

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL

DECRETOS E RESOLUÇÕES - RESÍDUOS INERTES / CONSTRUÇÃO CIVIL Decreto / Norma Emissor Assunto Diretrizes e procedimentos / Resíduos da Construção Civil. Define a tipologia de resíduos da construção civil Artigo2º, tem I: Resíduos da construção civil: São os provenientes

Leia mais

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM)

Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Resíduos da Construção Civil INEA DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL (DILAM) Legislação e Normas Resolução CONAMA n 307 de 04 de Maio de 2002 Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão

Leia mais

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO

AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO PAINEL: MATERIAIS ALTERNATIVOS AGREGADO RECICLADO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM PAVIMENTAÇÃO ROSÂNGELA MOTTA Laboratório de Tecnologia de Pavimentação Departamento de Engenharia de Transportes

Leia mais

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente

Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente - SEPesq Gestão Ambiental de Resíduos na Construção Civil e Benefícios para o Meio Ambiente Micheli Gonçalves Zamarchi Arquiteta e Urbanista Centro Universitário Metodista - IPA arquiteta.mz@gmail.com

Leia mais

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA

CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA CARTILHA DA LEI DO ENTULHO FERNANDÓPOLIS, SP ORIENTAÇÃO EM BUSCA DA CIDADANIA - (17) 3463-9014 TEL. (17) 3463-1495 O CER também comercializa materiais reciclados para obra de ótima qualidade como areia,

Leia mais

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação

Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Estudo Geotécnico sobre a Utilização de Resíduos de Construção e Demolição como Agregado Reciclado em Pavimentação Mariana Santos de Siqueira Departamento de Engenharia Civil, Universidade de Pernambuco,

Leia mais

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010.

LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. LEI Nº 10.847, DE 9 DE MARÇO DE 2010. Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil do Município de Porto Alegre, estabelece as diretrizes, os critérios e os procedimentos

Leia mais

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO

GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO GESTÃO INTELIGENTE DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO Problema transformado em oportunidade Hewerton Bartoli Presidente hewerton@abrecon.org.br Panorama da apresentação O que é RCC Legislação

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS.

RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL: Diagnóstico do Cenário atual de Três Lagoas MS. Ana Cláudia Santos da Silva Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária Faculdades Integradas de Três Lagoas - AEMS

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO

SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES PTR 2388 TRANSPORTE E MEIO AMBIENTE SUSTENTABILIDADE E RECICLAGEM DE MATERIAIS EM PAVIMENTAÇÃO 14/ABR/2016 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES RECICLAGEM

Leia mais

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO

ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO ESTUDO DA RECICLAGEM DO RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO CIVIL PARA USO EM ESTACA DE COMPACTAÇÃO Ronaldo Alves de Medeiros Junior Escola Politécnica de Pernambuco Universidade de Pernambuco (POLI/UPE), Recife, Brasil,

Leia mais

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB

ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB ESTUDO DA GERAÇÃO E DISPOSIÇÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BAIRRO DA LIBERDADE EM CAMPINA GRANDE-PB Autoria: Rosa do Carmo de Oliveira Lima¹ (Orientadora) - Faculdade de Ciências Sociais Aplicadas

Leia mais

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento

PAVIMENTO ESTUDOS GEOTÉCNICOS. Prof. Dr. Ricardo Melo. Terreno natural. Seção transversal. Elementos constituintes do pavimento. Camadas do pavimento Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Laboratório de Geotecnia e Pavimentação ESTUDOS GEOTÉCNICOS Prof. Dr. Ricardo Melo PAVIMENTO Estrutura construída após

Leia mais

Gestão, Arquitetura e Urbanismo

Gestão, Arquitetura e Urbanismo CONCURSO PETROBRAS ENGENHEIRO(A) CIVIL JÚNIOR ENGENHEIRO(A) JÚNIOR - ÁREA: CIVIL Gestão, Arquitetura e Urbanismo Questões Resolvidas QUESTÕES RETIRADAS DE PROVAS DA BANCA CESGRANRIO Produzido por Exatas

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005.

SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. SEMMA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 018, DE 26 DE DEZEMBRO DE 2005. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações necessárias de forma a

Leia mais

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM

RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM RESÍDUOS DE GESSO NA CONSTRUÇÃO CIVIL COLETA, ARMAZENAGEM E DESTINAÇÃO PARA RECICLAGEM Produção: Associação Brasileira dos Fabricantes de Chapas para Drywall. Apoio Institucional: Sindicato da Indústria

Leia mais

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada

Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Investigação Laboratorial do Uso de Resíduo da Construção Civil como Agregado Graúdo em Estaca de Compactação Argamassada Ronaldo Alves de Medeiros Junior Universidade de Pernambuco-UPE, Recife, Brasil,

Leia mais

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR

Caracterização dos resíduos de construção e demolição na unidade de recebimento de resíduos sólidos no município de Campo Mourão PR Maria Cristina Rodrigues Halmeman 1 ; Paula Cristina de Souza 2 ; André Nascimento Casarin 3 1 Professora Mestre, Universidade Tecnológica Federal Campo Mourão, Departamento de Engenharia de Produção Civil.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS

REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS REAPROVEITAMENTO E RECICLAGEM DE ENTULHOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO DE CASO EM PASSO FUNDO, RS Evanisa F. R. Q. Melo (1); Rubens M. Astolfi (2); Leunir Freitas (3); Ricardo Henryque Reginato Quevedo

Leia mais

Gerenciamento dos Resíduos da Construção

Gerenciamento dos Resíduos da Construção Gerenciamento dos Resíduos da Construção Resíduos da Construção e Demolição Engenheiro Civil e Doutor em Engenharia Ambiental Joácio Morais Júnior João Pessoa - 2013 Problemática 2 ANÁLISE DO CICLO DE

Leia mais

Compactação dos Solos

Compactação dos Solos Compactação dos Solos Compactação dos Solos A compactação de um solo consiste basicamente em se reduzir seus vazios com o auxílio de processos mecânicos. Adensamento - expulsão da água Compactação - expulsão

Leia mais

PAVIMENTO ECOLÓGICO: UMA OPÇÃO PARA A PAVIMENTAÇÃO DE VIAS DAS GRANDES CIDADES

PAVIMENTO ECOLÓGICO: UMA OPÇÃO PARA A PAVIMENTAÇÃO DE VIAS DAS GRANDES CIDADES PAVIMENTO ECOLÓGICO: UMA OPÇÃO PARA A PAVIMENTAÇÃO DE VIAS DAS GRANDES CIDADES Moisés Ribeiro Abdou Liedi Légi Bariani Bernucci Resumo Os resíduos de construção e demolição (RCD) são gerados em grande

Leia mais

Matheus De Conto Ferreira, Antônio Thomé Universidade de Passo Fundo UPF, Passo Fundo, RS e-mail: mdcf87@hotmail.com, thomé@upf.br

Matheus De Conto Ferreira, Antônio Thomé Universidade de Passo Fundo UPF, Passo Fundo, RS e-mail: mdcf87@hotmail.com, thomé@upf.br Teoria e Prática na Engenharia Civil, n.18, p.1-12, Novembro, 2011 Utilização de resíduo da construção e demolição como reforço de um solo residual de basalto, servindo como base de fundações superficiais

Leia mais

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1

Reciclagem e Reaproveitamento de resíduos sólidos da construção civil em São Luís MA: um processo sustentável 1 REVISTA DO CEDS Periódico do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNDB N. 1 agosto/dezembro 2014 Semestral Disponível em: http://www.undb.edu.br/ceds/revistadoceds Reciclagem e Reaproveitamento

Leia mais

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO

DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO DOSAGEM DE CONCRETO PARA BLOCOS CONTENDO RESÍDUO DA INDÚSTRIA DE ARTEFATOS DE CIMENTO Afonso Maria Araújo (1) (1) Mestrando, Programa de Pós-Graduação em Geotecnica e Construção Civil, Universidade Federal

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha

GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha GESTÃO DE REJEITOS DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: Impactos no Empreendimento Way Pampulha Andrew Motta Daher 1 Érika Silva Fabr2 RESUMO: A geração de rejeitos oriundos da construção civil promove severos

Leia mais

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO

TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO TIJOLOS DE SOLO-CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO Thaís Do Rosário 1 Carlos Eduardo Nunes Torrescasana 2 Resumo: Diante do contexto atual de preservação do meio ambiente e de reaproveitamento

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE

FORTALEZA (AMARA MUNICIPAL DE (AMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA Dispõe sobre a obrigatoriedade de utilização, pelo Município de Fortaleza, de material agregado reciclado nas obras municipais., Art. 1 Fica instituída a obrigatoriedade da

Leia mais

Resíduos de construção e demolição (RCD) e agregados reciclados em Curi8ba e Região Metropolitana

Resíduos de construção e demolição (RCD) e agregados reciclados em Curi8ba e Região Metropolitana Twin Cities Solos das Regiões Metropolitanas de São Paulo e Curitiba Resíduos de construção e demolição (RCD) e agregados reciclados em Curi8ba e Região Metropolitana Andrea Sell Dyminski Universidade

Leia mais

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO 2 nd International Workshop on Advances in Cleaner Production Orientadora: Profª.Dra. Ana Elena Salvi Abreu, Ricardo M. a ; Lopes, Ricardo W. b ; Azrak, Roberto c a. Universidade

Leia mais

ANÁLISE DO USO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM MELHORAMENTO DE SOLOS

ANÁLISE DO USO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM MELHORAMENTO DE SOLOS ANÁLISE DO USO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO (RCD) EM MELHORAMENTO DE SOLOS Andréa B. Farias (1); Stela P. Fucale (2); Alexandre D. Gusmão (3) (1) Departamento de Engenharia Civil Escola Politécnica

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO

SUMÁRIO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE SERVIÇOS GEOTÉCNICOS ADICIONAIS SUMÁRIO 1.0 INTRODUÇÃO 2.0 - SONDAGENS, AMOSTRAGENS E ENSAIOS DE LABORATÓRIO E CAMPO 2.1 - CORTES 2.2 - ATERROS 2.3 - OBRAS DE

Leia mais

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis

Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Utilização de Material Proveniente de Fresagem na Composição de Base e Sub-base de Pavimentos Flexíveis Garcês, A. Universidade Estadual de Goiás, Anápolis-GO, Brasil, alexandregarces@gmail.com Ribeiro,

Leia mais

Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto

Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto Pavimentação Sustentável: reaproveitamento do resíduo da construção civil e de material fresado com espuma de asfalto Valmir Bonfim Diretor Técnico do Grupo ANE Fresagem de pavimentos Microfresagem para

Leia mais

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste

Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Utilização de um rejeito de mineração como alternativa para estabilização de um solo tropical da região Centro-oeste Leonardo Santos Gratão Bolsista PIBIC, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA)

4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) 4. ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA (ISC) OU CBR (CALIFÓRNIA) Esse ensaio foi concebido pelo Departamento de Estradas de Rodagem da California (USA) para avaliar a resistência dos solos. No ensaio de CBR,

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO. ANÁLISE DA VIABILIDADE DA SUA APLICAÇÃO EM MISTURAS BETUMINOSAS Ana Duarte Conceição 1, Rosa Luzia 2 e Dinis Gardete 2 1 Escola Superior de Tecnologia do Instituto Politécnico

Leia mais

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01

Ensaios Geotécnicos Material do subleito os ensaios estão apresentados no quadro 01 PROCEDIMENTO PARA DIMENSIONAR PAVIMENTAÇÃO EM VIAS DE TRÁFEGO LEVE E MUITO LEVE DA PMSP PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO PAULO/P01 1 Introdução Apresenta-se os procedimentos das diretrizes para o dimensionamento

Leia mais

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS

ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO ÍNDICE DE SUPORTE CALIFÓRNIA DE SOLOS ME-9 MÉTODOS DE ENSAIO DOCUMENTO DE CIRCULAÇÃO EXTERNA 1 ÍNDICE PÁG. 1. INTRODUÇÃO...3 2. OBJETIVO...3 3. S E NORMAS COMPLEMENTARES...3 4. APARELHAGEM...4 5. ENERGIAS DE COMPACTAÇÃO...7 6. EXECUÇÃO DO

Leia mais

17/04/2015 SOLOS MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS. Referências. Prof. Ricardo A. de Melo

17/04/2015 SOLOS MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS. Referências. Prof. Ricardo A. de Melo UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação (LAPAV) MATERIAIS GRANULARES PARA PAVIMENTAÇÃO: SOLOS E AGREGADOS

Leia mais

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO.

TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. TÍTULO: CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS COMO ALTERNATIVA PARA REUTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS PRODUZIDOS POR CENTRAIS DOSADORAS DE CONCRETO. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA MEMORIAL DESCRITIVO É OBRIGATÓRIO A EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE CONTROLE TECNOLÓGICO DAS OBRAS DE PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA, SENDO INDISPENSÁVEL À APRESENTAÇÃO DO LAUDO TÉCNICO DE CONTROLE TECNOLÓGICO E DOS RESULTADOS

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO

PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS RESUMO PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO E PAVERS UTILIZANDO AGREGADOS RECICLADOS *Acadêmicos do Centro Universitário Filadélfia UniFil **Docente do Centro Universitário Filadélfia UniFil. faganello.adriana@unifil.br

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1 GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL: ESTUDO NO MUNICÍPIO DE PANAMBI/RS 1 CHRISTMANN, Samara Simon 2 ; RODRIGUES, Paulo Cesar 3. Palavras-Chave: Canteiros de Obras. Resíduos Sólidos. Impacto

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO

UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO UTILIZAÇÃO DO RESÍDUO DE DESEMBORRACHAMENTO DE PISTAS DE AERONAVES NA PRODUÇÃO DE BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO Maressa Soares de Sousa (1) Mestranda em Tecnologia e Gestão Ambiental pelo IFCE.

Leia mais

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES

REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES REAPROVEITAMENTO DOS ENTULHOS DE CONCRETO NA CONSTRUÇÃO DE CASAS POPULARES Maria Edelma Henrique de Carvalho Porto (ISECENSA) maria_edelma@hotmail.com Simone Vasconcelos Silva (ISECENSA) simonevsinfo@yahoo.com.br

Leia mais

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS)

SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 SOLIDIFICAÇÃO/ESTABILIZAÇÃO DE LODO GALVÂNICO EM BLOCOS DE CONCRETO PARA PAVIMENTAÇÃO (PAVERS) Janaina de Melo Franco 1, Célia Regina Granhen Tavares 2,

Leia mais

Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade

Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade TEOR DE UMIDADE sólido sem retração sólido com retração plástico líquido Figura 4 Estado do solo em função do seu teor de umidade A plasticidade do solo, ou limites de consistência, é determinada através

Leia mais

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação

16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação 16º. Encontro Técnico DER/PR A Importância da Reciclagem e das Soluções Sustentáveis em Pavimentação Profa. Dra. Liedi Bariani Bernucci Professora Titular Coordenadora do Laboratório de Tecnologia de Pavimentação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA

CÂMARA MUNICIPAL DE APUCARANA www.apucarana.pr.leg.br - Centro Cívico José de Oliveira Rosa, ~5A - 86800-235 - Fone (43) 3420-7000 ESTADO DO PARANA SÚMULA - Institui o Plano Integrado de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil

Leia mais

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação

Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Análise das características físicas do agregado reciclado de Resíduos da Construção Civil (RCC) para uso em pavimentação Felipe Torres Tavares Cerveira Proença Mestrando do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido

Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido Resistência de Interface entre Resíduo de Construção e Demolição Reciclado (RCD-R) e Geotêxtil Não Tecido Débora Louyse Alpes de Melo Escola Politécnica da Universidade de Pernambuco, Departamento de Engenharia

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DESAFIOS PARA A IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA O GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Claudiceia Silva Mendes 1 Resumo: A construção civil é reconhecida como uma das mais importantes

Leia mais

Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto

Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto Estudo da Aplicação do Resíduo Grits na Fabricação de Elementos de Concreto Adair José Magalhães 1 Élcio Cassimiro Alves 2 Resumo O presente estudo tem como objetivo principal avaliar a viabilidade técnica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS

DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS DESENVOLVIMENTO DE COMPOSIÇÃO DE CONCRETO PERMEÁVEL COM AGREGADOS ORIUNDOS DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL DA REGIÃO DE CAMPINAS Katrine Krislei Pereira Engenharia Civil CEATEC krisleigf@hotmail.com Resumo:

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE ARAPONGAS ESTADO DO PARANÁ PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PLANO MUNICIPAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL ARAPONGAS 2014 EQUIPE TÉCNICA E SUPERVISÃO Camila Arielle Bufato Moreira Gestora Ambiental e Especialista em Bioquímica Aplicada CRQ nº. 09904224

Leia mais

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL

RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO NOS CENTROS URBANOS - UMA AMEAÇA À SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL Maria Bernadete Fernandes Vieira de Melo (UFPB) beta@ct.ufpb.br

Leia mais

FATEC - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE CAMPO

FATEC - FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Departamento de Transportes e Obras de Terra CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE CAMPO CONTROLE DE COMPACTAÇÃO DE CAMPO 1- Introdução Vimos anteriormente que o solo escolhido para ser utilizado para uma dada finalidade como: camada de pavimento, corpo de aterro, base de reservatório, solo

Leia mais

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. 1/11 LEI Nº 3645, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2012. (Regulamentada pelo Decreto nº 6101/2015) ESTABELECE O SISTEMA MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO, DEMOLIÇÃO E RESÍDUOS VOLUMOSOS E DÁ OUTRAS

Leia mais

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com.

Rua Luiz Antônio Padrão, 395 - Osasco - São Paulo - CEP. 06080-120 - Tel: (11) 3685.1512 - Fax: (11) 3685.9832 Site: www.conteste.com. Site: www.conteste.com.br - E-mail: conteste@conteste.com.br 1 ÍNDICE 1 Controle Tecnológico em Pavimentação SOLOS 2 Controle Tecnológico em Pavimentação MATERIAIS BETUMINOSOS 3 Materiais Metálicos Ensaio

Leia mais

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva

Execução e Manutenção de Pavimento Intertravado. MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Execução e Manutenção de MSc. Eng. Cláudio Oliveira Silva Norma de Execução e Manutenção NBR 15953 com peças de concreto - Execução NBR 15953 Escopo Se aplica à pavimentação intertravada com peças de concreto

Leia mais

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições:

Art. 1 Para efeito do disposto nesta lei, ficam estabelecidas as seguintes definições: Página 1 de 9 Lei Ordinária nº 5159/2004 de 24/12/2004 Ementa Institui o Sistema para a Gestão Sustentável de Resíduos da Construção Civil e Resíduos Volumosos no Município de Joinville e dá outras providências.

Leia mais

Resíduos de Construção e Demolição Reciclados (RCD-R) com e sem Reforço Geossintético em Estradas Não Pavimentadas

Resíduos de Construção e Demolição Reciclados (RCD-R) com e sem Reforço Geossintético em Estradas Não Pavimentadas Resíduos de Construção e Demolição Reciclados (RCD-R) com e sem Reforço Geossintético em Estradas Não Pavimentadas Ivonne Alejandra Gutiérrez Góngora Universidade de Brasília, Brasília, Brasil, ivonnegutierrez@unb.br

Leia mais

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS

COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS COMPORTAMENTO DE BLOCOS DE CONCRETO PRODUZIDOS COM ESCÓRIA DE ACIARIA PARA ALVENARIAS Tatiana Nunes Oliveira CEFET-MG Ricardo André Fiorotti Peixoto CEFET-MG Viviane de Jesus Gomes Alves CEFET - MG Introdução

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO REFORÇO DE UM SOLO RESIDUAL DE BASALTO

UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO REFORÇO DE UM SOLO RESIDUAL DE BASALTO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITETURA CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Matheus De Conto Ferreira UTILIZAÇÃO DE RESÍDUO DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO COMO REFORÇO DE UM SOLO RESIDUAL DE

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO

VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO VERIFICAÇÃO DA RESISTÊNCIA DE UM CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND DO TIPO CPII-Z-32 PREPARADO COM ADIÇÃO DE UM RESÍDUO CERÂMICO Belarmino Barbosa Lira (1) Professor do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental

Leia mais

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos

Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Avaliação do Emprego do Resíduo do Processo SulfaTreat como Material de Construção de Pavimentos Patrício José Moreira Pires e José Tavares Araruna Departamento de Engenharia Civil, Pontifícia Universidade

Leia mais

TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO CONFECCIONADOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO

TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO CONFECCIONADOS COM RESÍDUOS DE CONCRETO ASSOCIAÇÃO CULTURAL EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA TIJOLOS PRENSADOS DE SOLO-CIMENTO Autor: Rômulo Rocha Cruz Itapeva São Paulo Brasil ASSOCIAÇÃO CULTURAL E

Leia mais

Pavimentação - base estabilizada granulometricamente

Pavimentação - base estabilizada granulometricamente MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS

AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS AVALIAÇÃO DA ABSORÇÃO DE ÁGUA DE TIJOLOS DE CONCRETO PRODUZIDOS PARCIALMENTE COM AGREGADOS RECICLADOS Júlia Chaves BORGES (1); Raquel Jucá de Moraes SALES (2); Maria Elane Dias de OLIVEIRA (3); Antonio

Leia mais

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012.

PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA. São José, dezembro de 2012. PLANO MUNICIPAL INTEGRADO DE GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E COLETA SELETIVA 1 São José, dezembro de 2012. CONSIDERAÇÕES INICIAIS: Atendendo às determinações do Contrato 697/2012, as informações

Leia mais

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ

Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha GTZ PROJETO COMPETIR Projeto COMPETIR Acordo de Cooperação Técnica entre o Brasil e a Alemanha SENAI GTZ SEBRAE OBJETIVO Ampliar a competitividade das empresas da cadeia produtiva da Construção Civil, visando:

Leia mais

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL

PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL PROPOSTA DE GERENCIAMENTO DE RCD PARA OBRAS DE EDIFICAÇÕES VERTICAIS DE MACEIÓ-AL Nelma Miriam Chagas de Araújo (1); Tânia Maria Gomes Voronkoff Carnaúba (2); (1) Instituto Federal de Educação, Ciências

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 186 RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 RESUMOS DE PROJETOS 187 ANÁLISE DAS PROPRIEDADES E VIABILIDADE ECONÔMICA DA CERÂMICA VERMELHA UTILIZADA COMO AGREGADO RECICLADO MIÚDO PARA

Leia mais

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR. 15116

NORMA BRASILEIRA ABNT NBR. 15116 ' ~ '" NORMA BRASLERA ABNT NBR. 15116 lj F CE.NTRAL Primeira edição 31.08.2004. '.., Válida a partir de 30.09.2004! Agregados reciclados de resíduos sólidos da construção civil - Utilização em pavimentação

Leia mais

ESTUDO DE TIJOLOS DE SOLO CIMENTO COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

ESTUDO DE TIJOLOS DE SOLO CIMENTO COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO DE TIJOLOS DE SOLO CIMENTO COM ADIÇÃO DE RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA

UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA UTILIZAÇÃO DE RECICLADOS DE CERÂMICA VERMELHA OLIVEIRA, André, S.¹ Discente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva- FAIT SANTOS, Ivan, R.² Docente da Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias

Leia mais

Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD

Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD Estudo da trabalhabilidade em argamassas e concretos com utilização de RCD Patrícia Krüger (Universidade Estadual de Ponta Grossa) E-mail: pkruger@uepg.br Annelise Breus de Souza (Universidade Estadual

Leia mais

3. Programa Experimental

3. Programa Experimental 3. Programa Experimental 3.1. Considerações Iniciais Este estudo experimental foi desenvolvido no laboratório de estruturas e materiais (LEM) da PUC- Rio e teve o propósito de estudar o comportamento de

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO PLANO DE PREVENÇÃO E GESTÃO DE RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.- INTRODUÇÃO... 3 2.- ESPECIFICAÇÕES SOBRE AS OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO... 3 3.- PLANO DE PREVENÇÃO

Leia mais

Ismeralda Maria Castelo Branco do Nascimento Barreto

Ismeralda Maria Castelo Branco do Nascimento Barreto GESTÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Ismeralda Maria Castelo Branco do Nascimento Barreto Aracaju - 2005 GESTÃO DE RESÍDUOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL Confederação Nacional da Indústria CNI e Conselho Nacional

Leia mais

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO

IP-04 INSTRUÇÃO PARA DIMENSIONAMENTO DE PAVIMENTOS FLEXÍVEIS PARA TRÁFEGO LEVE E MÉDIO 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar as diretrizes para o dimensionamento de pavimentos flexíveis de vias urbanas submetidas a tráfego leve e médio no Município de São Paulo. 2. ESTUDO GEOTÉCNICO

Leia mais

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada

Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada COBRAMSEG : ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. ABMS. Estudo da Resistência ao Cisalhamento de Interface em Fita Metálica para Soluções em Terra Armada Sérgio Barreto

Leia mais