CONSTRUÇÃO DA MATRIZ DE RISCO NA ATIVIDADE DE DEMOLIÇÃO COM A UTILIZAÇÃO DO MARTELO ROMPEDOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSTRUÇÃO DA MATRIZ DE RISCO NA ATIVIDADE DE DEMOLIÇÃO COM A UTILIZAÇÃO DO MARTELO ROMPEDOR"

Transcrição

1 CONSTRUÇÃO DA MATRIZ DE RISCO NA ATIVIDADE DE DEMOLIÇÃO COM A UTILIZAÇÃO DO MARTELO ROMPEDOR CABRAL, Sabrina Gomes 1 RODRIGUES, Vagner Vilela 2 RESUMO Nos últimos anos, o setor da construção civil teve um grande crescimento, gerando um aumento expressivo nas contratações e por consequência um grande aumento no índice de acidentes. Diante dessa realidade, as questões relacionadas à gestão da segurança e saúde no trabalho têm assumido um papel ainda mais importante para o desenvolvimento das organizações desse setor. Assim, a implantação de um sistema para gerenciamento de riscos faz-se necessário para que as atividades possam se desenvolver de forma segura, além de garantir a qualidade do serviço. O objetivo desse trabalho foi desenvolver uma matriz de riscos para avaliar a atividade de demolições de concreto com a utilização de martelo rompedor em um canteiro de obra na cidade de Igarapé/MG. Diante da matriz de riscos desenvolvida, ações preventivas foram levantadas para a redução de acidentes e doenças do trabalho desenvolvidas pela atividade, proporcionando um aumento da eficácia nos procedimentos e consequentes ganhos na produção. Palavras chave: canteiro de obras, Gerenciamento de Riscos, Matriz de Riscos. 1. INTRODUÇÃO A construção civil é um dos setores da atividade econômica mundial que 1 Sabrina Gomes Cabral Graduada em administração, Pós graduada em Gestão Estratégica e Mestre em Administração. Professora Coordenadora de estágios pela Escola de Engenharia Kennedy. 2 Vagner Vilela Rodrigues _ Graduado em Engenharia de Produção Escola de Engenharia Kennedy

2 mais tem ocorrências de acidentes do trabalho. Atualmente, tanto no Brasil, quanto em países desenvolvidos, a construção civil continua a se destacar como um dos setores mais problemáticos, no que diz respeito aos acidentes de trabalho. De acordo com as estimativas da OIT Organização Internacional do Trabalho, 17% dos acidentes mortais que acontecem anualmente no mundo são em obras de construção (RIBEIRO, 2012). O setor da construção civil passou por uma modernização e a alta concorrência do setor exigiu das empresas uma maior produtividade e qualidade dos produtos com resultados cada vez mais rápidos. A exposição do trabalhador às novas situações de risco ficou cada vez maior, alterando seu comportamento mental. O aparecimento de tensões e estresse inerentes às atividades que são desenvolvidas é uma preocupação das empresas que atualmente estão priorizando o crescimento da segurança no Trabalho. Com a NBR (Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional) e as atribuições da NR-18 as empresas precisam estabelecer medidas para alcançar e evidenciar um sólido e constante desempenho em Segurança e Saúde no Trabalho, a fim de minimizar o número de ocorrências de acidentes, através do controle dos respectivos riscos. A conscientização e treinamento dos funcionários, quanto à importância do uso dos equipamentos de proteção individual, são de responsabilidade das empresas. Todos envolvidos na atividade devem ter ciência que o uso correto dos equipamentos minimiza a ocorrências de incidentes. A necessidade de construir uma matriz de risco decorre da frequência, ocorrência e da consequência de determinados perigos na atividade de demolição. Então, para que se possa graduar cada risco encontrado é necessário definir categorias de frequência de ocorrência e consequência para cada perigo. A elaboração dessas categorias é uma tarefa subjetiva e intrínseca a cada avaliação de risco. As avaliações podem apresentar grandes variações nessas categorias, que vão desde o número de categorias até o que abrange cada uma delas. Diante da necessidade constante de gerir e minimizar os riscos, a matriz de risco é a ferramenta mais adequada para encontrar, guardar e definir as categorias

3 6 de frequência e ocorrência dos riscos. Os custos econômicos e sociais dos acidentes de trabalho são altos (Hinze, 1991), e diante desse problema as empresas precisam saná-los, ampliando as abordagens de evitá-los para além do cumprimento da legislação. Para entender e gerenciar os riscos de acidente de trabalho é importante conceituar alguns pontos chaves do estudo. São eles (OHSAS 2007): Perigo: fonte, situação ou ato com o potencial de provocar danos humanos em termos de lesão ou doença, danos à propriedade, danos ao meio ambiente ou uma combinação destes. Risco: combinação da probabilidade de ocorrência e da(s) consequência(s) de um determinado evento perigoso. Dano: severidade da lesão ou perda física, funcional ou econômica resultante da perda de controle sobre um risco. Avaliação do Nível de Riscos: processo global de estimar a magnitude dos riscos e apontar se um risco é insignificante, não sério, moderado, considerável ou catastrófico. Matriz de Gestão de Riscos: é um processo dinâmico que envolve levantamento de Riscos associados às atividades e fontes geradoras, com a mensuração dos possíveis danos, lesões ou doenças, a descrição dos controles existentes e a estimativa do nível de risco, de acordo com a gravidade de um dano e probabilidade de ocorrência, a fim de apontar sua significância. Quase Acidente: é um evento que tem o potencial de conduzir a um acidente com lesões pessoais e/ou danos materiais. Apenas o cumprimento integral da legislação não é suficiente para uma redução significativa dos índices de acidentes. As leis devem ser requisitos mínimos

4 6 a serem cumpridos. Nos últimos anos foram publicados diversos estudos que

5 7 indicam a necessidade da adoção de medidas de caráter gerencial para a redução de acidentes do trabalho, as quais podem instrumentalizar ou complementar as exigências das leis (SAURIN, 2000). Segundo o estudo feito por Frank Bird ( 1966), para cada acidente com dano físico sério ou fatal, podem ocorrer outros 10 com danos físicos leves, outros 30 com danos materiais e outros 600 incidentes que poderiam ser evitados se os riscos das atividades fossem identificados e tratados a tempo. Na figura abaixo, a Pirâmide de Frank Bird, mostra a importância de tratar os incidentes diretamente na fonte, tão logo sejam identificados, a fim de minimizar a ocorrência de acidentes com gravidades maiores (Frank Bird, 1966) Figura 1: Pirâmide de Bird São poucas as empresas que compreendem que os mesmos fatores que causam acidentes também causam perdas de eficiência. Por isso a importância da empresa possuir um sistema de gestão de segurança e saúde para antecipar, prevenir, verificar e controlar todas as etapas das atividades. Para implantar um sistema de gestão de saúde e segurança nas organizações, é preciso que o mesmo atenda aos requisitos legais estabelecidos pela legislação. Para isso a organização deve estabelecer mecanismos de atualização e divulgação da legislação aplicável, e manter atuais os mecanismos internos que permitam identificar e tratar as não conformidades da gestão de segurança. (OHSAS,2007) 2. REFERENCIAL TEÓRICO 2.1. Demolição

6 7 O trabalho de romper concreto começa efetivamente na reforma ou

7 8 construções de novas obras, caso precise demolir estruturas existentes no terreno. É comum que o construtor, contrate ou realize este procedimento com seus próprios funcionários. Em grandes demolições, geralmente é necessário contratar empresas especializadas nesse tipo de serviço, pois a atividade exige a tomada de cuidados relacionada tanto à contratação quanto à segurança do trabalho e meio ambiente. O concreto é o resíduo sólido decorrente das demolições. Ele é constituído basicamente da mistura de cimento, água, pedra e areia. No preparo do concreto, um ponto de atenção é o cuidado que se deve ter com a qualidade e a quantidade da água utilizada, pois ela é a responsável por ativar a reação química que transforma o cimento em uma pasta aglomerante. Se sua quantidade for muito pequena, a reação não ocorrerá por completo e se for superior a ideal, a resistência diminuirá em função dos poros que ocorrerão quando este excesso evaporar. (National Ready Mixed Concrete Association, 2007) As demolições são realizadas na engenharia e geralmente em construções de Concreto e também são denominadas de remoção, destruição, desmonte, desmoronamento. Essa atividade deve ser utilizada de forma mais controlada possível, retirando tudo àquilo que não se encontra nas devidas condições de efetuar as suas funções requerendo na atividade cuidados especiais e utilização de EPIs. (Gomes, 2010) O procedimento da demolição do dispositivo de concreto pode ser feito mediante o emprego de ferramentas manuais (marretas, picaretas etc.) ou equipamentos mecânicos tais como: martelete a ar comprimido, elétrico e outros. Treinamento inadequado dos trabalhadores, a ausência do uso de EPIs, de gerenciamento e a ausência da consciência sobre importância da prevenção dos acidentes de trabalho proporcionam aos canteiros de obras um local propicio para ocorrência de acidentes (Souza, 2013) Matriz de Risco A preocupação em zelar pela saúde e integridade dos trabalhadores é mais comum nas empresas da atualidade (BONILLA, 2010). A ocorrência de acidentes gerados pela falta dessa preocupação gera inúmeros problemas tanto para os empregados como para os empregadores.

8 8 Os acidentes podem ser prevenidos de várias formas como, por exemplo, a

9 9 incorporação de uma transformação cultural e o aperfeiçoamento comportamental no cotidiano das pessoas envolvidas no serviço de demolição. Sua prevenção também proporciona um bom ambiente de trabalho, onde os riscos e perigos da atividade são identificados e avaliados objetivando minimizar e/ou eliminar os problemas identificados nas fases de desenvolvimento das atividades. Diante da necessidade de implantar mecanismo de prevenção e eliminação dos riscos, a matriz de risco torna-se um instrumento importante, pois nela consta a identificação dos riscos, sua probabilidade de ocorrência, os impactos e sua avaliação dentro de uma organização. Ela é uma ferramenta importante de controle interno dos riscos. Os registros dos riscos que foram identificados devem ser documentados através de avaliação e verificação dos impactos e definindo a probabilidade de ocorrência de acidentes nos processos e etapas das atividades de uma organização. (GUTHRIE, 2014) Pesquisadores tem chamado a atenção para a dimensão social e cultural do risco, apontando a importância de se compreender o ponto de vista de trabalhadores expostos aos riscos ocupacionais, para que este conhecimento possa subsidiar processos decisórios e de regulação destes riscos. (Bernstein, 2008) São Riscos e procedimentos que podem ser encontrados na atividade de demolição de concreto: Água, poças d água ao redor da operação pode haver poças d agua que acarretem em escorregamento e consequentemente quedas inesperadas. O local deve estar o mais organizado e seco. Queda de concreto pode ocorrer a queda de pedaços de concreto que se encontra em locais suspensos como marquises, lajes e vigas. Choque elétrico Pode ocorrer choque elétrico caso os equipamentos não s estejam em boas condições ou sem aterramento. O Isolamento duplo deve ser usado para garantir a segurança. Martelete pneumático e mangueira de ar - Tropeçar na mangueira de ar do Martelete pneumático que estar acoplado ao compressor. Equipamentos básicos de proteção Individual que devem ser utilizados para

10 9 a atividade de construção sendo indispensáveis sua utilização como proteção

11 10 Individual durante a operação de demolição para controle e extinção dos ricos. Capacete de Segurança Óculos de Segurança Camisa de manga comprida e gola alta para proteção dos braços e do pescoço. Calçado de Segurança com biqueira de aço e protetor do metatarso. Luvas de Couro. 3. ANÁLISE DOS DADOS Este estudo foi realizado em um canteiro de obra na cidade de igarapé, MG, onde foi avaliado os riscos de demolição de piso de concreto em área aberta.ele consistiu em analisar o impacto x probabilidade, dos riscos avaliando o nível de tolerância da empresa e levando em consideração suas obrigações legais e sua própria política de Saúde e Segurança do Trabalho. Numa qualificação simplificada dos riscos, podemos trabalhar com três níveis de probabilidade (baixa, média e alta) e impacto (baixo, médio e alto), onde o cruzamento destas duas dimensões geram nove combinações como pode-se observar na tabela abaixo. Tabela1: Modelo de matriz de risco (Segurança e Saúde no Trabalho)

12 10 Individual durante a operação de demolição para controle e extinção dos ricos. Fonte: -0utubro 2014

13 11 Nesta obra foram identificados os riscos da tarefa de acordo com a NR18. Ruído; Poeira; Vibração; Ergonomia. Juntamente com o técnico de segurança da obra, para cada risco identificado foi avaliado o nível de probabilidade da ocorrência de materialização e a relação, probabilidade X impacto de cada risco. Posteriormente a esta identificação as atividades as ações corretivas para a redução dos riscos foram implantadas e nova tabela foi construída. Essa avaliação utilizou como base o modelo de matriz de risco apresentando na tabela 1 obtendo a seguinte avaliação; Risco Ruído Poeira Vibração Ergonomia Probabilidade Alto Alto Alto Alto Impacto Muito alto Muito alto Muito alto Muito alto Probabilidade X Impacto Muito alto Muito alto Muito alto Muito alto Tabela 2 Matriz de risco após analise do local. risco foram: Diante dessa analise as ações corretivas propostas e implantadas para cada -Risco: Ruído

14 - Treinamento dos funcionários quanto aos riscos e danos auditivos gerados Nesta obra foram identificados os riscos da tarefa de acordo com a NR18. 12

15 12 pela atividade e conscientização dos mesmos para a utilização dos EPI s indicados. - Treinamento quanto ao correto uso e manutenção dos - Utilização dos EPI s corretos para as atividades. Para esta atividade foi proposto à utilização simultânea de dois tipos diferentes de abafadores de ruído. Um do tipo Plug de inserção e o outro do tipo Concha. - Sinalização informando a importância do uso dos EPI s, próximo ao posto de trabalho; - Implantação e gerenciamento do Programa de Conservação Auditiva. Risco: Poeira - Treinamento dos funcionários quanto aos riscos e danos à saúde gerados pela atividade e conscientização dos mesmos para a utilização dos EPI s indicados. - Treinamento quanto ao correto uso e manutenção dos EPI s. - utilização dos EPI s corretos para a atividades. Para esta atividade é utilizado a mascara descartável de proteção respiratória específica para poeiras respiráveis. - instalação de um sistema de exaustão tipo ventilador, de fácil adaptação objetivando a renovação do ar. (ALMAGUER, SCHULMAN, ECHT, 2001). - adaptação de um aspirador, acoplável no martelete pneumático, próximo da ponteira. (ALMAGUER, SCHULMAN, ECHT, 2001). - Implantação e gerenciamento do Programa de Proteção Respiratória. - Sinalização informando a importância do uso dos EPI s, próximo ao posto de trabalho. Risco: Vibração - Treinamento dos funcionários quanto aos riscos e danos à saúde gerados pela atividade e conscientização dos mesmos para a utilização dos EPI s indicados. - Utilização dos EPI s corretos para a atividade. Para esta atividade é utilizado à luva antivibração. - Implantação regime de trabalho intermitente durante o período laboral. Para cada 30 minutos trabalhados, 1 hora de descanso; - Sinalização informando a importância do uso do EPI, próximo ao posto de

16 trabalho; 13

17 14 -Risco: Ergonomia - Treinamento dos funcionários quanto aos riscos e danos à saúde gerados pela atividade e conscientização dos mesmos para a utilização dos EPI s indicados. - implantação do regime de trabalho intermitente durante o período laboral. Para cada 30 minutos trabalhados, 1 hora de descanso. Diante dos riscos identificados e após as implementações das ações corretivas uma nova matriz de risco foi construída como podemos identificar abaixo; Risco Ruído Poeira Vibração Ergonomia Probabilidade Médio Baixo Médio Médio Impacto Médio Médio Médio Médio Probabilidade X Impacto Médio Baixo Médio Médio Tabela 3 Matriz de risco após as ações corretivas. As ações corretivas foram implantadas de acordo com análise de riscos de cada atividade. A análise crítica da matriz de risco contemplou os seguintes assuntos: definição e ou atualização dos objetivos e metas de Saúde e Segurança do Trabalho para a melhoria contínua no próximo período; analise da eficácia das medidas de controle existentes, adequação dos recursos financeiros, pessoais e materiais para Saúde e Segurança do Trabalho; resultados das auditorias internas e externas ocorridas desde a última análise crítica e a eficácia destas; resultados das investigações dos acidentes e quase acidentes e avaliação de efeitos previsíveis de mudanças na legislação ou novas tecnologias.

18 corretivas. A tabela abaixo evidencia o ganho conquistado com a implantação das ações 15 Risco Ruído Poeira Vibração Ergonomia Probabilidade X Impacto antes da implantação Probabilidade X Impacto após a implantação Muito alto Muito alto Muito alto Muito alto Médio Baixo Médio Médio Tabela 4 comparação probabilidade x impacto após a implantação matriz de risco. Para conseguir a diminuição do risco ruído de muito alto para médio foi necessário implantar as ações: - Treinamento dos funcionários quanto aos riscos e danos auditivos gerados pela atividade e conscientização dos mesmos para a utilização dos EPI s indicados. - Treinamento quanto ao correto uso e manutenção dos EPI s. - Utilização dos EPI s corretos para as atividades; - Sinalização informando a importância do uso dos EPI s, próximo ao posto de trabalho; - Implantação e gerenciamento do Programa de Conservação Auditiva. Para diminuir o barulho dessa atividade foi necessária a utilização simultânea de dois tipos diferentes de abafadores de ruído. Um do tipo Plug de inserção e o outro do tipo Concha. Para conseguir a diminuição do risco poeira de muito alto para médio foi necessário implantar as ações: - Treinamento dos funcionários quanto aos riscos e danos à saúde

19 15 gerados pela atividade e conscientização dos mesmos para a utilização dos EPI s indicados; - Treinamento quanto ao correto uso e manutenção dos EPI s; - Utilização dos EPI s corretos para as atividades; - Instalação de um sistema de exaustão tipo ventilador, de fácil adaptação objetivando a renovação do ar; - Adaptação de um aspirador, acoplável no martelete pneumático, próximo da ponteira; - Implantação e gerenciamento do Programa de Proteção Respiratória; - Sinalização informando a importância do uso dos EPI s, próximo ao posto de trabalho; Esta atividade é necessita da utilização da máscara descartável de proteção respiratória específica para poeiras respiráveis. Para conseguir a diminuição do risco vibração de muito alto para médio foi necessário implantar as ações: - Treinamento dos funcionários quanto aos riscos e danos à saúde gerados pela atividade e conscientização dos mesmos para a utilização dos EPI s indicados; - Utilização da luva antivibração; - Implantar regime de trabalho intermitente durante o período laboral. Para cada 30 minutos trabalhados, 1 hora de descanso. - Sinalização informando a importância do uso dos EPI s, próximo ao posto de trabalho. Para conseguir a diminuição do risco ergonomia de muito alto para médio foi necessário implantar as ações: - Treinamento dos funcionários quanto aos riscos e danos à saúde gerados pela atividade e conscientização dos mesmos para a utilização dos EPI s indicados. - Implantar regime de trabalho intermitente durante o período laboral. Para cada 30 minutos trabalhados, 1 hora de descanso. Para que o plano de segurança tenha seu objetivo alcançado é necessário o envolvimento de todos os níveis organizacionais, desde o nível operacional até a

20 16 diretoria e o presidente. O esclarecimento das dúvidas se faz necessário e

21 16 importante para solucionar os problemas de segurança através da legislação vigente. Passar conceitos de prevenção ultrapassa a obrigação das empresas. A implantação da matriz de risco além de trazer a prevenção dos acidentes traz a eficiência dos trabalhos, e também o aumento da motivação dos funcionários por se sentirem seguros diante das atividades realizadas. Por todos os benefícios gerados, além de estarem em dia com a legislação, as empresas devem executar programas de gerenciamento de riscos para manter a saúde e a segurança dos trabalhadores. O desenvolvimento deste trabalho identificou vários benefícios para a organização. Diante desse fato sugere-se novas pesquisas para o aprofundamento do assunto e a implantação da matriz de riscos em outras obras como validação desta pesquisa. 4. BIBLIOGRAFIA BONILLA, J. E. A SEGURANÇA DO TRABALHADOR - UMA PREOCUPAÇÃO 3 CONSTANTE. Revista eletrônica, Faculdade Ftec, Disponível em: 4 >. Acesso em: 25 Maio :00. BRASIL. NR 18 - CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO. Disponível em: 18%20(atualizada%202013)%20(sem%2024%20meses).pdf Acesso em 15 de abril de BRASIL. Ministério do Trabalho. Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho. Campanha nacional de combate aos acidentes de trabalho (CANCAT). Brasília, CONSTRUIR ONLINE. Acesso em 10 de maio de 2014.

22 17 GOMES, Givalder Martins. Medidas Preventivas na Execução de Trabalhos de Demolição e Reabilitação de Edifícios Antigos: Técnicas e Equipamentos de Demolição GUTHRIE, V.H.; WALKER, D.A.; Modeling Security Risk. Risk Consulting Division, Knoxville, Office. Web site: Disponível em 10 de março de IRIART, Jorge Alberto Bernstein et al. Representações do trabalho informal e dos riscos à saúde entre trabalhadoras domésticas e trabalhadores da construção civil. Ciênc. saúde coletiva, v. 13, n. 1, p , MAGALHÃES, Graziela Esteves; ZANDONADI, Francianne Baroni. Treinamento em Segurança do Trabalho: Desempenho e Melhorias no setor Elétrico.2014 NRMCA, National Ready Mixed Concrete Association, Disponível em: Acesso em 07 de Março de OHSAS. OHSAS OHSAS Occupational Health and Safety Assessment Series. RIBEIRO, Fernando Andrade. Segurança do Trabalho nos canteiros de obra: A importância do dimensionamento das áreas de vivência conforme a norma regulamentadora nº 18. Pós Graduação PUC, Contagem: SOUZA, Diego Kyochi Katayama de. SEGURANÇA DO TRABALHO EM PEQUENAS OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL EM GUARAPUAVA SAURIN, Tarcisio Abreu; RIBEIRO, José Luis Duarte. Segurança no trabalho em um canteiro de obras: percepções dos operários e da gerência. Produção, v. 10, n. 1, p , 2000.

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil

Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil Elaboração de propostas para minimizar o risco de acidentes em altura na fase final de uma obra: estudo de caso em uma empresa da construção civil ADRIANO AZEVEDO MOURA (FEAMIG) adriano.moura85@hotmail.com

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente

Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Engenharia de Segurança e Meio Ambiente Introdução A Engemix possui uma equipe de Engenheiros de Segurança e Meio Ambiente capacitada para dar todo subsídio técnico para implantação, operação e desmobilização

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia

TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho. 1 0 Dia TREINAMENTO NR 10 MÓDULO SEGURANÇA NO TRABALHO Engenheiro/técnico de Segurança no trabalho 1 0 Dia Realizar a apresentação dos participantes 1. Técnica de Lista de presença; apresentação e O multiplicador

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES

ALTO POTENCIAL DE RISCOS DE ACIDENTES 1 O QUE É ESPAÇO CONFINADO? CARACTERÍSTICAS VOLUME CAPAZ DE PERMITIR A ENTRADA DE EMPREGADOS LIMITAÇÕES E RESTRIÇÕES PARA ENTRADA E SAIDA DE PESSOAL NÃO E PROJETADO PARA OCUPAÇÃO CONTÍNUA POSSUI, EM GERAL,

Leia mais

GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores. Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2

GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores. Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2 Blumenau, v.4, n.1, p.43-56, Sem I 2010. GESTÃO DO RISCO OCUPACIONAL: uma ferramenta em favor das organizações e dos colaboradores Paulo Egydio Berkenbrock 1 Irionson Antonio Bassani 2 RESUMO Gestão do

Leia mais

AVALIAÇÃO DE RISCOS PARA PRIORIZAÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA

AVALIAÇÃO DE RISCOS PARA PRIORIZAÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA AVALIAÇÃO DE RISCOS PARA PRIORIZAÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA 1 Área: 1.4. Gestão da Saúde & Segurança Ocupacional Sub-área: 1.4.1. Gerência de Riscos Carlos Haddad de Melo, Eng Universidade Estadual do Norte

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL

ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL ANÁLISE DE RISCO AMBIENTAL Wanderley Feliciano Filho CRQ IV- Novembro/ 006 Conceito Constituicional Artigo Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Técnico em Segurança do Trabalho Gerenciamento de Riscos Professor: Marcio Ruiz Maia AULA 02 Conceitos na Gerencia de Riscos 2.1) Revisão de conceitos de Segurança 2.2) Conceitos Básicos de SST 2.3) As

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS SETEMBRO / 2005 SANTA MARIA - RS Avenida. Medianeira 1900, Centro Santa Maria/ RS, CEP 97060-002- Fone (55) 3027 8911 Sumário 1 INTRODUÇÃO... 3 2

Leia mais

Saúde e segurança no ambiente de trabalho. A importância dos EPIs e EPCs na execução de serviços com eletricidade. Pesquisa. EPIs

Saúde e segurança no ambiente de trabalho. A importância dos EPIs e EPCs na execução de serviços com eletricidade. Pesquisa. EPIs 114 EPIs Saúde e segurança no ambiente de trabalho A importância dos EPIs e EPCs na execução de serviços com eletricidade 115 Os equipamentos de proteção individual e de proteção coletiva, conhecidos como

Leia mais

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional.

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS foi elaborada de acordo com as regras estabelecidas nas Diretrizes ISO/IEC,

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho. Projeto Pedagógico

Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho. Projeto Pedagógico FACCAMP FACULDADE CAMPO LIMPO PAULISTA COORDENADORIA DE EXTENSÃO E PESQUISA Curso de Pós Graduação Lato Sensu em Engenharia de Segurança no Trabalho Projeto Pedagógico Campo Limpo Paulista 2014 FACCAMP

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PERIGOS E DANOS E AVALIAÇÃO DE RISCOS

LEVANTAMENTO DE PERIGOS E DANOS E AVALIAÇÃO DE RISCOS fl. de 7 Endereço Local Aprovado Data Rev. UNIOP-SP Av. Paulista, 06 São Paulo SP 9º, 5º, 7º e 8º andares JMn (SESMS) 0/08/ C Atividade Perigo Dano (Todas) Agressão Física Assédio Discriminação Energizadas

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI

AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI AVALIAÇÃO DOS RISCOS EXISTENTES ENTRE TRABALHADORES DA COLETA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE PAULISTANA/PI LISABELLE CRISTINA RODRIGUES DA SILVA FRANÇA 1 DANIELA DA COSTA LEITE COELHO 2 VINÍCIUS

Leia mais

Cópia Não-Controlada

Cópia Não-Controlada Página 1 de 6 Tipo de Documento Formulário Empresarial - Recursos Humanos Título do Documento Análise Preliminar de Riscos Número e Versão do Documento Fase Elaborado por FE-RH0001 - V.1 Vigente Walnei

Leia mais

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09

- PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS. Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - PPRA - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Portaria MTE nº 3214/78 Portaria SSST nº 25, de 29/12/94 Norma Regulamentadora NR 09 - ANÁLISE GLOBAL - DESTAQUE AVIAÇÃO AGRÍCOLA LTDA. - SÃO PEDRO DO

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO: ESTUDO DE CASO NA EMPRESA ALFA

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO: ESTUDO DE CASO NA EMPRESA ALFA SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO: ESTUDO DE CASO NA EMPRESA ALFA Resumo Roberto Leite Mingote Júnior 1 Mara Rúbia da Silva Miranda 2 O trabalho tem sido fonte de lesões e doenças desde

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos

Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Segurança Operacional em Máquinas e Equipamentos Manfred Peter Johann Gerente de Vendas da WEG Automação A crescente conscientização da necessidade de avaliação dos riscos na operação de uma máquina ou

Leia mais

Relatório de Incidentes

Relatório de Incidentes Relatório de Incidentes Um documento ativo para alavancar mudanças e novas iniciativas no processo de melhoria contínua. Luiz Rodrigues Kisch Engenheiro de Segurança do Trabalho CPFL Energia luizrodrigues@cpfl.com.br

Leia mais

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo

Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA. Profª MSc Priscilla Céo Faculdade de Ilhéus INTRODUÇÃO À BIOSSEGURANÇA Profª MSc Priscilla Céo BIOSSEGURANÇA É o conjunto de ações voltadas para a prevenção, minimização ou eliminação de riscos inerentes às atividades de pesquisa,

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI

O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO PELOS ALUNOS E TÉCNICOS DA FACULDADE NOVAFAPI Francisca Miriane de Araújo- NOVAFAPI Lorena Bezerra Barros- NOVAFAPI Marcela de Lacerda Valença- NOVAFAPI Márcio Edivandro

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP.

FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP. FACULDADES INTEGRADAS DOM PEDRO II Cursos: Administração Ciências Econômicas Engenharia Civil Arquitetura e Urbanismo São José do Rio Preto SP. CURSO: ENGENHARIA CIVIL Disciplina: HIGIENE E SEGURANÇA DO

Leia mais

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA;

CONTEÚDO DO TRABALHO. Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; Introdução e visão geral; NR-18 : PCMAT e PPRA; CONTEÚDO DO TRABALHO Doenças ocupacionais e riscos da construção civil; Quedas; Choque elétrico; Soterramento. A construção é um dos ramos mais antigos do

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

Higiene e Segurança no Trabalho

Higiene e Segurança no Trabalho Curso Técnico em Mecânica Integrado ao Ensino Médio. Higiene e Segurança no Trabalho EPI & EPC Joinville, outubro de 2014 Medidas de Proteção no Trabalho Quando se fala em Segurança e Saúde no Trabalho

Leia mais

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES (AS) DA EMPRESA. 03 EPI s EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Rua Doutor Faivre, 888 - Fone: (41) 3264-4211 Fax: (41) 3264-4292 01 - DADOS GERAIS DA EMPRESA NOME: CNPJ: ENDEREÇO: MUNICÍPIO: CEP: FONE / FAX: PROPRIETÁRIO: ENCARREGADO: 02 - NÚMERO DE TRABALHADORES

Leia mais

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34

BIOSSEGURANÇA Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Conceitos e Requisitos do Guia de Boas Práticas da OCDE e ligação com requisitos da ABNT NBR ISO/IEC 17025 e ABNT ISO Guia 34 Fernanda Sabagh A origem do conceito Década de 70 na Califórnia inicia uma

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS PPRA / NR - 9 MARÇO/ 2004 SANTA MARIA - RS Rua Barão do Triunfo, 862, Santa Maria/RS - CEP: 97015-070 - Fone/Fax: (55) 222-8151 1 SUMÁRIO 1 Aspectos Gerais...3

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA: Prevenção e Controle de Riscos em Máquinas, Equipamentos e Instalações Aula

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PROVISÓRIAS SEGURAS EM CANTEIROS DE OBRAS GONZALEZ CÁCERES, João Rafael Engenheiro Eletricista Centro Universitário de Lins (UNILINS) E-mail: eng_jrafael@yahoo.com.br Resumo: Um dos

Leia mais

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante

Prof. Casteletti. Segurança na Operação de Ponte Rolante Segurança na Operação de Ponte Rolante Material elaborado pelo Professor LUÍS FRANCISCO CASTELETTI Formação: Técnico em Segurança do Trabalho Técnico Mecânico Licenciatura Plena em Pedagogia Pós Graduação

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA... 1 3.0 DEFINIÇÕES... 2 4.0 RESPONSABILIDADES... 5

LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA... 1 3.0 DEFINIÇÕES... 2 4.0 RESPONSABILIDADES... 5 Título LIBERAÇÃO DE ATIVIDADES Código EMAP-PC-20 Versão 0 Data 05/03/2015 Elaborado Por Aprovado por Francisco Lusivaldo M. Bezerra Daniel Aroucha INDICE 1.0 OBJETIVO... 1 2.0 DOCUMENTOS DE REFERENCIA...

Leia mais

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO

A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Resolução do Conselho 2002/C161/01 Nova Estratégia Comunitária de Saúde e Segurança (2002 2006) Redução dos Acidentes de Trabalho

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

NOVO MODELO DE PCMAT BASEADO NAS CONTRIBUIÇÕES DO PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE NA CONSTRUÇÃO

NOVO MODELO DE PCMAT BASEADO NAS CONTRIBUIÇÕES DO PLANO DE SEGURANÇA E SAÚDE NA CONSTRUÇÃO I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. NOVO MODELO DE PCMAT BASEADO NAS CONTRIBUIÇÕES

Leia mais

Cesar Penteado Kossa. Outubro/2014

Cesar Penteado Kossa. Outubro/2014 Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho Fundacentro Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho na construção de rodovias: Estudo de caso com foco na atividade de terraplenagem

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 017/02 PREPARAÇÃO E ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Página 2 de 5 Página 2 de 5 1 OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo o estabelecimento das diretrizes para elaboração de procedimentos técnicos e administrativos a serem adotados em situações emergenciais, tais

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XIX Gestão da Prevenção. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XIX Gestão da Prevenção um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança?

Entrevista n.º 5. 2. Quais são as suas responsabilidades em termos de higiene e segurança? Entrevista n.º 5 Empresa: Aurélios Sobreiros Lda. Encarregado 1. A segurança e a higiene do trabalho, bem como a protecção da saúde fazem parte integrante dos princípios que regem a empresa? Quais são

Leia mais

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras

Implantação da NR 35 nos canteiros de obras SEMINÁRIO GESTÃO DE SEGURANÇA E SAÚDE NOS CANTEIROS DE OBRA Implantação da NR 35 nos canteiros de obras BH 17/08/2012 Atividades dos Trabalhos em Altura Construção civil Taludes e Telhados Telecomunicações

Leia mais

Ficha de Informações de Segurança. de produtos Químicos - FISPQ

Ficha de Informações de Segurança. de produtos Químicos - FISPQ PRODUTO: Arames para Solda ARCO SUBMESO Página 1 de 6 Data: 01/05/2014 Nº FISPQ: 01 Versão: 1.0 Anula e substitui versão: todas as anteriores 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Arames

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009

16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 VIGÊNCIA: 1 ANO EMPRESA: Virtual Machine Data da Elaboração Data de Vencimento 16/ 02 /2008 15/ 02 /2009 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Virtual Machine ME CNPJ: 08.693.563/0001.14 CNAE: 4751200

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Segurança do trabalho na construção de edificações

Segurança do trabalho na construção de edificações Segurança do trabalho na construção de edificações Adriana Ferreira de Faria (Uniminas) affaria@uniminas.br Giovani Graef (Uniminas) ggraef@zipmail.com.br Júlio César Sanches (Uniminas) jcsan@monsanto.com

Leia mais

Módulo Refratários Fábio Bernardo

Módulo Refratários Fábio Bernardo Módulo Refratários Fábio Bernardo 1/47 Objetivo Normas ambientais Gerenciamento de resíduos sólidos Comportamento consciente Segurança do Trabalho 2/47 Agenda I. Meio ambiente - Gestão de Resíduos Sólidos:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

Integração do Sistema de Gestão em Higiene Ocupacional conforme OHSAS 18001:2007 com o PPRA. Osny F. De Camargo Gerente de EHS 3M do Brasil Ltda.

Integração do Sistema de Gestão em Higiene Ocupacional conforme OHSAS 18001:2007 com o PPRA. Osny F. De Camargo Gerente de EHS 3M do Brasil Ltda. Integração do Sistema de Gestão em Higiene Ocupacional conforme OHSAS 18001:2007 com o PPRA Osny F. De Camargo Gerente de EHS 3M do Brasil Ltda. Programa Planejar métodos para identificação de perigos,

Leia mais

Sistema de Gestão da Produção jdls@terra.com.br

Sistema de Gestão da Produção jdls@terra.com.br Sistema Integrado de Gestão Sistema Integrado de Gestão Motivos para Implementar Sistemas de Gestão MOTIVOS EXTERNOS Clientes; Concorrência; Regulamentação. MOTIVOS INTERNOS Política Corporativa; Convicção.

Leia mais

Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações

Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações Subsídio ConstruBusiness Grupo de Trabalho sobre Segurança em Edificações SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES EXISTENTES (construídas há mais de 10 ou 15 anos) OBJETIVOS 1) Criação de obrigatoriedade de inspeção

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

Gestão da segurança e saúde do trabalho

Gestão da segurança e saúde do trabalho 1 Gestão da segurança e saúde do trabalho RESUMO Renata Pereira de Araujo 1 Neri dos Santos 2 Wilson José Mafra 3 re_ambiental@yahoo.com.br 1 neri@egc.ufsc.br 2 mafra@joinville.udesc.br 3 1 Universidade

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais

Análise inicial da segurança e saúde no trabalho em empresa construtora visando um modelo de gestão

Análise inicial da segurança e saúde no trabalho em empresa construtora visando um modelo de gestão Análise inicial da segurança e saúde no trabalho em empresa construtora visando um modelo de gestão Francisco Daniel Leal Vasconcelos (UFPE) Daniel_cg@pop.com.br José Jéferson Rêgo Silva (UFPE) jjrs@ufpe.br

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO

DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO DESCRITIVO TÉCNICO SEGURANÇA DO TRABALHO 44 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com a Constituição, os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

EVOLUÇÃO DA PROTEÇÃO DO HOMEM NOS SERVIÇOS DE REPARO DE CAVITAÇÃO DE UNIDADES GERADORAS

EVOLUÇÃO DA PROTEÇÃO DO HOMEM NOS SERVIÇOS DE REPARO DE CAVITAÇÃO DE UNIDADES GERADORAS EVOLUÇÃO DA PROTEÇÃO DO HOMEM NOS SERVIÇOS DE REPARO DE CAVITAÇÃO DE UNIDADES GERADORAS Autores Luiz Antonio Bueno Gerente da Divisão de Segurança e Higiene Industrial Sueli Pereira Vissoto Técnica de

Leia mais

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Joaquim Ribeiro 6. Conceito e importância da Ergonomia Origem nas palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (regras). 6.

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida.

A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. A Segurança não é obra do acaso Preserve sua vida. Campanha do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias da Construção e do Mobiliário de São Bento do Sul e Campo Alegre contra os Acidentes de Trabalho

Leia mais

HOSPITAL DE CARIDADE DR. ASTROGILDO DE AZEVEDO

HOSPITAL DE CARIDADE DR. ASTROGILDO DE AZEVEDO HOSPITAL DE CARIDADE DR. ASTROGILDO DE AZEVEDO CGC 95.610.887/0001-46 Inscrição Municipal 0315.411.661-0 Entidade Filantrópica reconhecida como Utilidade Pública Municipal. Estadual e Federal PPRA PROGRAMA

Leia mais

EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Definição Conforme a NR 06: EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL Item 6.1 - Para os fins de aplicação desta Norma Regulamentadora NR 6, considera-se Equipamento de Proteção Individual - EPI, todo dispositivo

Leia mais

Engenheiro de Segurança do Trabalho

Engenheiro de Segurança do Trabalho SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Pró-Reitoria de Graduação Diretoria de Processos Seletivos Concurso Público para Técnico-Administrativo em Educação 02

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI

NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI ANEXO II NORMAS TÉCNICAS APLICÁVEIS AOS EPI Equipamento de Proteção Individual EPI Enquadramento NR 06 Anexo I A PROTEÇÃO DA CABEÇA Proteção da cabeça contra: A.1.1. Impactos de objetos sobre o crânio;

Leia mais

PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS APRESENTAÇÃO

PREVENÇÃO E CONTROLE DE RISCOS EM MÁQUINAS APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO Segundo a Organização Internacional do Trabalho, todos os anos morrem no mundo mais de 1,1 milhão de pessoas, vítimas de acidentes ou de doenças relacionadas ao trabalho. Esse número é maior

Leia mais

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001.

OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL. Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. OHSAS 18001:2007 SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL ASPECTOS GERAIS Benefícios, Certificação, Estrutura, Objetivos, Termos e definições da OHSAS 18001. Histórico: Normas e Gestão SSO BS 8800 Instituto Britânico

Leia mais

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO

LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO LAUDO TÉCNICO ESPECÍFICO Conforme NR-10 ACME S.A Ind. Com. 1 de 9 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO Identificação do Responsável pela Execução do Serviço. Nome: Empresa: Registro: Local de Execução do Serviço.

Leia mais

3 Prevenir acidentes é dever de todos

3 Prevenir acidentes é dever de todos A U A UL LA Prevenir acidentes é dever de todos Introdução Acidente zero! Essa é uma meta que deve ser alcançada em toda empresa. Com a redução dos acidentes poderão ser eliminados problemas que afetam

Leia mais

ANEXO III - EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 7

ANEXO III - EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE Página 1 de 7 Página 1 de 7 1. OBJETIVO 1.1. Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações e procedimentos concernentes às atividades de Segurança, Proteção ao

Leia mais

Conscientização na Operação com Empilhadeira

Conscientização na Operação com Empilhadeira TREINAMENTO: NR 11 ITEM 11.1.5: Nos equipamentos de transporte, com força motriz própria, o operador deverá receber um treinamento específico, dado pela empresa, que o habilitará nessa função. Índice de

Leia mais

Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho

Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho 1 1. INTRODUÇÃO Ergonomização na construção civil: constrangimentos posturais e problemas na segurança do trabalho A construção civil é um dos campos de trabalho mais delicados da sociedade, em virtude

Leia mais

O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO

O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO O QUE É UM ACIDENTE DE TRABALHO CONCEITO LEGAL DE ACIDENTE DO TRABALHO (ART.131 DECRETO LEI 2171 DE 05/03/97) ACIDENTE DE TRABALHO É O QUE OCORRE PELO EXERCÍCIO DO TRABALHO A SERVIÇO DA EMPRESA (...),

Leia mais

Equipamento de Proteção Individual

Equipamento de Proteção Individual Equipamento de Proteção Individual NR 6 Equipamento de Proteção Individual De acordo com a NR-6 da Portaria nº 3214 de 8 de junho de 1978, do Ministério do Trabalho e Emprego, considera-se Equipamento

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume VI Riscos Químicos Parte 1. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VI Riscos Químicos Parte 1 um Guia Técnico de Março de 2008 Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução.

SGA. Introdução. Qualidade SGA ISO 14001. SGA por Níveis. Sistemas. Integrados. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática SGA. Introdução. por A GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO UMA NOVA ABORDAGEM DE GESTÃO por Legislação aplicada no âmbito de S.H.S.T. Prescrições mínimas de segurança e saúde sobre os componentes materiais do Trabalho

Leia mais