A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde (1980-2013)"

Transcrição

1 A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde ( )

2 FUNDAção oswaldo cruz Presidente Paulo Ernani Gadelha Vieira escola politécnica de saúde joaquim venâncio Diretor Paulo César de Castro Ribeiro Vice-diretora de Ensino e Informação Páulea Zaquini Monteiro Lima Vice-diretora de Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico Marcela Pronko Vice-diretor de Gestão e Desenvolvimento Institucional José Orbilio de Souza Abreu Conselho de Política Editorial Marco Antonio Carvalho Santos Bianca Cortes Felipe Rangel Gracia Gondim Grasiele Nespoli José Roberto Franco Reis Luciana M. da Silva Figueiredo Márcia Valéria Morosini Paulo Guanaes Ramón Peña Castro Eveline Algebaile José dos Santos Souza Fátima Siliansky

3 A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde ( ) João Márcio Mendes Pereira Marcela Pronko Organização Rio de Janeiro Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio - Fiocruz 2015

4 Copyright 2014 dos organizadores Todos os direitos desta edição reservados à Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fundação Oswaldo Cruz Edição de texto Diagramação e Capa Lisa Stuart Zé Luiz Fonseca Catalogação na fonte Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio Biblioteca Emília Bustamante P436d Pereira, João Márcio Mendes (org.) A demolição de direitos: um exame das políticas do Banco Mundial para a educação e a saúde ( ) / Organização de João Márcio Mendes Pereira e Marcela Pronko. - Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, p. : il. ISBN: Banco Mundial. 2. Políticas públicas. 3. Política da educação. 4. Cooperação internacional. 5. Financiamento da assistência à saúde. I. Pronko, Marcela. II. Título. CDD Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fiocruz Av. Brasil, Manguinhos Rio de Janeiro, RJ Tel.: (21)

5 O banco e seus funcionários não devem intervir em assuntos políticos de nenhum membro, nem devem ser influenciados em suas decisões pelo caráter político do membro ou dos membros interessados. Somente considerações econômicas devem ser relevantes para suas decisões, e essas considerações devem ser ponderadas imparcialmente. Acordo de Fundação, Banco Mundial, 1944

6

7 SUMÁRIO Prefácio Virgínia Fontes Introdução João Márcio Mendes Pereira Marcela Pronko 1. O Banco Mundial: trajetória e programa político Poder, política e dinheiro: a trajetória do Banco Mundial entre 1980 e 2013 João Márcio Mendes Pereira O Banco Mundial e a reforma do Estado na América Latina: fundamentos teóricos e prescrições políticas Carlos M. Vilas 2. O Banco Mundial na educação O Banco Mundial no campo internacional da educação Marcela Pronko

8 O Banco Mundial e a sua influência na definição de políticas educacionais na América Latina ( ) Susana Vior e María Betania Oreja Cerruti O Banco Mundial e a reforma educacional no Brasil: a convergência de agendas e o papel dos intelectuais Hivy Damásio Araújo Mello 3. O Banco Mundial na saúde O Banco Mundial e as reformas contemporâneas do setor saúde Célia Almeida O Banco Mundial, a Organização Mundial de Saúde e o novo universalismo ou a cobertura universal de saúde Júlio César França Lima O Banco Mundial e o sistema nacional de saúde no Brasil Maria Lucia Frizon Rizzotto O financiamento do Sistema Único de Saúde e as diretrizes do Banco Mundial Rosa Maria Marques e Áquilas Mendes Sobre os autores

9 Prefácio Desigualdades, assimetrias e adesão subalterna interrogações urgentes sobre Estados e o papel do Banco Mundial Virgínia Fontes A compreensão e explicitação das contradições geradas no mundo capitalista contemporâneo demanda enorme esforço de pesquisa e clareza teórica. Já há uma variedade de publicações sobre o papel e o alcance do Banco Mundial na América Latina e, em especial, no Brasil. A evidência gritante do papel de indutor de políticas e ponta de lança do governo dos Estados Unidos, tende a ocupar, em sua ingerência direta e indireta sobre os demais países subalternos, a frente da cena em muitos estudos, e não sem razão. Como se verá neste livro, os caminhos da dominação externa, exercidos pelo papel do Banco Mundial, são múltiplos, a começar pelas permanentes dívidas com ele contraídas (além de outras instituições financeiras internacionais) e continuando pela enorme capilaridade da influência política, econômica, intelectual e cultural nos diferentes países. Neste livro, destacam-se as análises agudas e fartamente documentadas sobre os setores educacionais e de saúde. No Brasil, assim como em outros países latino-americanos, as pautas e agendas estabelecidas pelo Banco Mundial ao longo das últimas décadas foram internalizadas, expressando-se nas políticas setoriais e como condutoras da ação política do Estado. Este livro dedica-se fundamentalmente a explicitar as maneiras pelas quais tal domínio se exerce: as estratégias implícitas nas formas de financiamento, as definições de diretrizes, a definição dos valores que devem presidir as políticas, sob o predomínio de argumentos de tipo racionalizadores, nos quais os bens sociais, por serem escassos, devem ser focalizados e mais do que isso, rentabilizados, estimulando-se extensas séries de privatizações. A abrangência internacional do Banco Mundial conduz não à universalização, mas ao encolhimento da própria noção de universalidade. Em todos os artigos deste livro, fica evidente quais pautas e como foram integradas às políticas nacionais os diagnósticos e prognósticos do Banco Mundial, convertidos ulteriormente em políticas governamentais e, bem além disso, em reconfiguração dos próprios Estados. Contudo, este livro vai adiante e abre uma nova, pouco explorada, ainda que fundamental, agenda de pesquisa: em que medida tais ingerências podem ser

10 Virgínia Fontes explicadas unicamente como uma imposição vinda do exterior que, por razões de coerção financeira (coerção inicialmente derivada da escassez de recursos para certas políticas sociais, que leva governos a solicitarem financiamentos, e de imposições coligadas à concessão dos empréstimos, as famosas condicionalidades) penetram nos Estados? Quem e quais setores internos a cada país solicitam tal ajuda internacional, a que interesses corresponde, nos diferentes países, tal ingerência? Como se formam os grupos de intelectuais cosmopolitas que circulam entre instâncias governamentais e agências internacionais? Em que medida as sugestões do Banco Mundial são integralmente seguidas e como ocorrem resistências internas ou modificações? Ora, o problema da interferência nos países latino-americanos feita pelo governo dos Estados Unidos, embutida nas pautas das agências internacionais que, em boa medida, espelham suas diretrizes políticas, não encontra resposta apenas em termos dessa coerção em que pese a sua dramática realidade. É preciso se interrogar também sobre quem as convoca e quem se beneficia delas internamente, uma vez que se tratou de infletir políticas de Estado inclusive em termos de concessão de soberania. Sem dúvida, tais políticas deslocaram o peso dos diferentes grupos, setores e classes sociais no cenário político interno aos diferentes países. O leitor atento encontrará uma grande quantidade de elementos presentes em praticamente todos os artigos deste livro sobre essa urgentíssima e complexa questão. A coordenação realizada por João Márcio Mendes Pereira e Marcela Pronko demonstra não apenas a solidez de pesquisadores tarimbados no tema e com ampla experiência. Evidencia, sobretudo, a persistência e a coerência dos que, com base em suas próprias pesquisas, entreveem o amplo espectro de questões que precisam ser perseguidas, suscitadas e problematizadas, ainda que extremamente difíceis de abordar. O que significa o processo de internacionalização contemporâneo e sua penetração (nos diferentes e desiguais) Estados, processo que experimentou um enorme salto de patamar nas últimas décadas? A leitura do livro que o leitor tem nas mãos permite iniciar essa reflexão, assinalando não apenas o crescimento de frações burguesas ligadas à exploração do trabalho na educação e na saúde, como o de uma correlação tensa e dependente entre setores solidamente ancorados nos meios econômicos e políticos nacionais e a definição e aplicação das políticas do Banco Mundial. Há uma premissa histórica que as teorias capazes de captar as contradições da vida social precisam esmiuçar. O processo histórico de expansão das relações sociais capitalistas decerto foi imposto pelos países centrais, mas também perpassou as formações sociais subalternas. E isso é ainda mais evidente no caso das sociedades latino-americanas, desde o início marcadas pela enorme violência das imposições externas, coloniais, neocoloniais ou imperialistas e pelas tentativas de construir novas formas e arranjos sociais internos. Somos todas sociedades constituídas a partir de intensa e rapace colonização da qual resultaram desigualdades superpostas: desde relações tradicionais, passando pela produção de mesclas diversas de formas sociais ditas arcaicas, em grande medida criadas pela pressão externa e interna de 10

11 modernizações diversas, convivendo tensamente com ilhas hipermodernas. Prefácio As classes dominantes dos países secundários (ou periféricos), elas também fruto de amálgamas históricos variados, geraram múltiplos e tensos impulsos em direção a uma certa transformação das relações sociais tradicionais vigentes. Também parcelas das classes dominadas desses países algumas vezes acataram projetos políticos que acenavam com o desenvolvimento, considerado de maneira genérica como progresso. Reivindicações sociais muitas vezes se mesclaram mesmo que confusamente com o suporte à expansão das relações sociais e econômicas capitalistas. Uma análise mais refinada dos processos históricos ao longo do século XX o século da expansão das relações imperialistas e do predomínio inconteste da potência estadunidense precisa integrar essa dupla dinâmica, a que liga imposições externas às formas de adesão internas de setores variados das classes dominantes. A própria conformação das classes sociais nos diferentes âmbitos nacionais incorpora também a marca da dinâmica dominante no cenário internacional, com suas características desiguais e combinadas. Ocorre uma simultânea aceleração, pela criação de espaços de produção e consumo fomentados por poderosas mídias, ao lado da difusão de uma sociabilidade crescentemente atravessada pela dinâmica do capital e pelo que muitas vezes foi analisado como retardo. Esse último termo, aliás, empregado para identificar um atraso ante o capitalismo vigente nos países preponderantes, é insuficiente para expressar o conjunto tenso de desigualdades e disparidades que se multiplicam, quando renovadas resistências tradicionais podem se aproximar de lutas francamente anticapitalistas. A esse cenário é preciso incorporar as complexas articulações entre as diferentes frações das classes dominantes e o uso de estratégias de coerção e de convencimento das classes dominadas, o que ainda é complexificado por permanentes tensões externas (impulsos e bloqueios). A incorporação desses países à rede fabril e comercial multinacional não derivou apenas de uma injunção externa, mas dependeu também de posturas ativas de burguesias locais e de sua capacidade de acumulação, de organização e de controle do Estado. Muitas dessas burguesias realizaram uma adesão ativa ao que denomino de capital-imperialismo, além de promoverem sua defesa institucional (por meio de reconfigurações legais e mesmo constitucionais), social e política. Há um duplo movimento interno e externo de incorporação subalterna de países secundários ao capital-imperialismo, em processo que envolve não apenas imposição externa, mas consolidação de burguesias locais e de Estados aptos à subserviência externa, embora capazes de exercer controle sobre as populações locais, procurando conter o protagonismo das classes trabalhadoras. E isso vem sendo realizado em situações não mais ditatoriais, mas sob Estados de direito formalmente democráticos. Vale ainda mencionar que Nicos Poulantzas, no seu último e polêmico livro O Estado, o poder, o socialismo, publicado em 1978, pouco antes de sua morte, expressou uma inquietação sobre os processos de internacionalização dos Estados. 11

12 Virgínia Fontes Longe de reduzir a complexidade do tema que nos ocupa, Poulantzas assinalaria que a reprodução induzida do capital estrangeiro (principalmente americano) no seio dos diversos países europeus e sua complexa interiorização do capital autóctone, produz importantes deslocamentos internos desse capital. A emergência de uma nova divisão se manifesta entre o que já denominei, aliás, como burguesia interna que, inteiramente associada ao capital estrangeiro (não é o caso de uma verdadeira burguesia nacional) manifesta importantes contradições com ele, e uma burguesia inteiramente dependente desse capital. (Graal, 1981, p ). Ora, sua preocupação fundamental não se dirigia aos países periféricos, mas aos países europeus em especial, a França e indicava que a compreensão do Estado contemporâneo exigia avançar não apenas na evidenciação da penetração de capitais e da enorme influência estadunidense, mas numa crescente reconfiguração dos próprios Estados. As indicações emanadas de Antonio Gramsci sobre as contraditórias formas de ampliação do Estado e as de Poulantzas sobre a penetração no Estado dos interesses compósitos de burguesias imperialistas e ao mesmo tempo subordinadas nos convocam a aprofundar a reflexão sobre as mediações existentes entre o processo contemporâneo de reprodução do capital, os agenciamentos interburgueses e a forma da política contemporânea. Este livro aporta uma variada gama de inferências e sugestões, sem jamais perder de vista que se trata de uma relação desigual, na qual se consolida o predomínio de uma determinada forma de capitalismo, francamente dominada pelos Estados Unidos. Vale enveredar na leitura, pois é dos Estados nos quais vivemos de que se trata. 12

13 Introdução João Márcio Mendes Pereira Marcela Pronko No ano de 2014, a Conferência Monetária e Financeira das Nações Unidas, ocorrida na cidade de Bretton Woods (New Hampshire, Estados Unidos), completa setenta anos. Em plena Segunda Guerra Mundial, quarenta e quatro delegações aliadas e associadas e um país neutro (Argentina) atenderam ao convite do presidente norte-americano Franklin D. Roosevelt ( ) para debater, em julho de 1944, propostas para a estruturação de uma nova arquitetura econômica internacional que deveria ser erguida após o fim do conflito. Contudo, foram as negociações entre os representantes dos governos dos Estados Unidos e do Reino Unido em curso desde 1942 que realmente definiram o fundamental. A Conferência de Bretton Woods, como passou a ser conhecida, ocorreu nos marcos de uma assimetria de poder extraordinária. Enquanto grande parte do mundo ainda era constituída por colônias de potências ocidentais, a Europa estava destruída e a União Soviética, mais do que qualquer outro país beligerante, contabilizava milhões de cidadãos mortos, os Estados Unidos não apenas não haviam sofrido qualquer ataque ao seu território continental, como tinham superado a depressão econômica detonada em 1929, e que se havia arrastado durante toda a década de Ao final da guerra, após o lançamento das bombas atômicas no Japão, os Estados Unidos emergiram indiscutivelmente como superpotência econômica, política e militar. Naquele contexto, as visões e propostas alavancadas pelo governo dos Estados Unidos foram decisivas para a criação e o desenho das duas instituições nascidas em Bretton Woods: o Fundo Monetário Internacional (FMI) e o Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento (Bird), logo chamado de Banco Mundial. Nas décadas seguintes, seja por contingências históricas, seja por decisões organizacionais, tais instituições acumulariam recursos de poder que as destacariam entre as demais organizações internacionais forjadas no pós-guerra. Contudo, mais do que qualquer outro fator, a sua trajetória ascendente se escorou na supremacia internacional dos Estados Unidos, servindo para alimentá-la. No caso do Banco Mundial, tema deste livro, as relações com os Estados Unidos foram e continuam sendo determinantes para o crescimento e a configuração geral das políticas e práticas institucionais da entidade. Em troca, mais do que qualquer outro membro, os Estados Unidos se beneficiaram largamente da ação do banco em termos econômicos e políticos, tanto no curto como no longo prazos. A partir de 1980, com o início dos empréstimos para ajustamento estrutural e suas inúmeras condicionalidades, o Banco Mundial ampliou e diversificou imensamente as suas áreas de incidência. Para além dos setores tradicionais de infraestrutura, energia

14 João Márcio Mendes Pereira Marcela Pronko e transporte, a sua atuação passou a abranger também política econômica, educação, saúde, habitação, meio ambiente, administração pública, desenvolvimento urbano e rural, políticas fundiárias e reconstrução nacional pós-conflito. O alargamento do mandato da entidade foi acompanhado por uma crescente politização, evidenciando cada vez mais a natureza política e intelectual da sua atuação. Para o banco, o dinheiro serve de alavanca na difusão e institucionalização de ideias econômicas e prescrições políticas sobre o que os governos dos Estados clientes devem fazer, e como, em matéria de desenvolvimento capitalista, nas suas mais diversas dimensões. A relação do banco com os governos de Estados nacionais e esferas subnacionais não deve ser vista como mera imposição externa unilateral. Existem formas e mecanismos de pressão e coerção de diferentes tipos (financeiros, políticos, intelectuais e simbólicos) acionados pelo banco conforme o momento, as circunstâncias e o caso, mas isso é apenas uma parte da história. Com efeito, a atuação do banco se dá em meio a uma malha larga, densa e bastante opaca de relações, que envolve agentes nacionais e internacionais públicos, privados, não governamentais, filantrópicos e empresariais que apoiam, formulam, adaptam, negociam e veiculam as ideias e prescrições de política da instituição. A efetividade das ações do banco, portanto, depende de uma série de pontos de sustentação, negociação e difusão, tanto dentro quanto fora dos espaços nacionais. Ao completar setenta anos da sua fundação, o banco tem sido objeto de polêmicas e controvérsias relativas ao papel que desempenha (e que ainda deve ou pode desempenhar) no mundo. Para uns, o problema reside na desigualdade no poder de voto dos Estados-membros dentro da entidade; para outros, a discussão se restringe ao apoio, à revisão parcial ou à condenação das políticas de liberalização econômica promovidas pela instituição; outros, ainda, consideram que o banco cresceu de tal maneira e passou a desempenhar tantas e tão diferentes funções que a sua eficácia diminuiu, razão pela qual a discussão deveria consistir na redefinição de funções e competências; por fim, há quem entenda que a principal questão a ser debatida é a de definir qual papel caberia ao banco no atual estágio do capitalismo internacional, marcado pela assimetria abissal entre os fluxos financeiros transacionados diariamente nos mercados de capitais e o tamanho do caixa da entidade. Esta coletânea pretende contribuir com esse debate mais amplo sobre o Banco Mundial, enfocando o papel político desempenhado pela instituição entre 1980 e 2013 de um ângulo específico: o da sua atuação em educação e saúde, duas áreas que se tornaram centrais na sua pauta de operações ao longo dos últimos trinta anos. A obra está organizada em três partes. A primeira é dedicada à análise mais geral da trajetória da instituição e do seu programa político. Essa seção abre com o texto de João Márcio Mendes Pereira, que aborda algumas das dimensões mais significativas da trajetória política, intelectual e financeira da entidade, mostrando como ela tem sido muito mais sinuosa e conflitiva do que comumente se supõe. O trabalho seguinte é o de Carlos M. Vilas, que discute os fundamentos teóricos e as 14

15 Introdução prescrições de políticas que compõem a agenda de reforma do Estado impulsionada pela entidade. Os debates dessa primeira parte fornecem referências e chaves de leitura para a discussão setorial travada nas seções seguintes. A segunda parte se ocupa do debate sobre o papel do Banco Mundial na educação. Tem início com o texto de Marcela Pronko, cujo objeto de reflexão é o papel político, intelectual e financeiro desempenhado pela entidade no campo internacional da educação. Na sequência, Susana Vior e Betania Oreja analisam a incidência do banco na definição de políticas educacionais na América Latina, com ênfase particular nos casos do México e da Argentina. Em seguida, o trabalho de Hivy Damásio Araújo Mello aborda o processo de reforma educacional no Brasil durante os anos 1990, mostrando os caminhos pelos quais foi construída a convergência de agendas entre o Banco Mundial e o grupo de intelectuais então à frente do Ministério da Educação. A terceira parte é dedicada à discussão sobre as ações do Banco Mundial no setor saúde. A seção é aberta com o capítulo de Célia Almeida, que discute as reformas contemporâneas do setor implantadas a partir dos anos 1980, a ascensão do banco nessa área e os mecanismos utilizados na disputa pela liderança do setor na arena internacional. O texto seguinte, de Júlio César França Lima, analisa a atuação do banco na formulação e construção de uma agenda hegemônica de homogeneiza-ção progressiva das políticas de saúde, que aponta para a radicalização do processo de mercantilização e financeirização do setor. Por sua vez, o trabalho de Maria Lucia Frizon Rizzotto trata da relação entre o Banco Mundial e o sistema de saúde brasileiro nas últimas décadas, mostrando como a instituição buscou interferir, a partir dos anos 1990, no desenho das políticas nacionais para o setor, com o objetivo de restringir a ação do Estado a políticas focalizadas e fortalecer o predomínio do setor privado na oferta de serviços de saúde. Por fim, Rosa Maria Marques e Áquilas Mendes discutem até que ponto as prescrições do Banco Mundial para o setor tiveram e seguem tendo ressonância no Brasil, analisando, para isso, o financiamento do Sistema Único de Saúde. Este trabalho não teria sido possível sem o apoio inestimável da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio (EPSJV/Fiocruz), sempre envolvida com as lutas sociais em defesa da educação e da saúde públicas como direitos inalienáveis da população brasileira. Nosso agradecimento maior, pois, é a toda equipe da EPSJV. Rio de Janeiro, junho de

16

17 1parte O Banco Mundial: trajetória e programa político

18

19 Poder, política e dinheiro: a trajetória do Banco Mundial entre 1980 e 2013 * João Márcio Mendes Pereira Bom conselho é raro e bom conselho que é ouvido é mesmo excepcional, mas o banco fornece um poderoso amplificador: a possibilidade de assistência para financiar as suas recomendações. Mason e Asher, 1973 Crescendo em tamanho e desempenhando cada vez mais funções desde 1946, quando entrou em operação, o Banco Mundial (BM) se tornou uma organização imensa e complexa, bastante distinta daquela imaginada em Bretton Woods dois anos antes. No ano de 2013, apresentava um quadro de aproximadamente 12 mil funcionários e havia efetuado quase US$ 800 bilhões em empréstimos desde 1947, concedidos mediante contrapartida financeira dos Estados clientes em magnitude muito maior. O aumento gradativo da sua carteira foi acompanhado da diversificação em suas áreas de atuação, que passaram a abarcar, além de infraestrutura e energia, também política econômica, educação, saúde, habitação, meio ambiente, administração pública e reconstrução nacional pós-conflito. A subida do BM à condição de organização multilateral relevante no pós-guerra foi escorada, do ponto de vista político e financeiro, pelos Estados Unidos, que * O presente trabalho retoma idéias discutidas mais detalhadamente em Pereira (2013, 2013a, 2012, 2011, 2011a, 2011b, 2011c, 2010 e 2010a).

20 João Márcio Mendes Pereira sempre foram o maior acionista, o membro mais influente e o único com poder de veto na instituição, forjando-a como parte da sua infraestrutura de poder global. Por sua vez, desde o início, a definição da política americana para o BM foi objeto de disputa e barganha entre interesses empresariais, financeiros, políticos e ideológicos diversos, às vezes até opostos, quanto ao papel da cooperação multilateral e da assistência externa ao desenvolvimento capitalista (Gwin, 1997; Babb, 2009). Até o final dos anos 1960, essa disputa se dava longe das vistas do Congresso e da opinião pública daquele país. Com o passar do tempo, porém, ela passou a envolver um número cada vez maior de atores. A derrota no Vietnã e a situação econômica e política do país na virada dos anos 1960 para os anos 1970 convergiram para pôr fim ao consenso bipartidário vigente desde 1947 no que tange à política externa, alimentando críticas à ajuda externa ao desenvolvimento por parte de conservadores e liberais. Nesse rastro, a vigilância do Congresso sobre a política externa dos Estados Unidos pouco a pouco alcançou o BM, abrindo gradativamente pontos de entrada para que interesses variados influenciassem as provisões americanas para a instituição. O ativismo do Congresso criou oportunidades para que grupos políticos e organizações não governamentais (ONGs) daquele país passassem a agir por dentro do parlamento, com o objetivo de influenciar a política americana para o BM. Desde então, o Congresso americano tornou-se alvo de lobbies e campanhas públicas que o converteram no único parlamento cujos trâmites de fato têm peso sobre as pautas e as formas de atuação do BM. Historicamente, o BM sempre explorou ainda que de diferentes formas a sinergia entre dinheiro, ideias e prescrições políticas para ampliar a sua influência e institucionalizar as suas pautas em âmbito internacional. Isso porque o BM é um ator político, intelectual e financeiro, devido à sua condição absolutamente singular de emprestador, formulador e articulador de políticas, ator da sociedade civil e veiculador de ideias sobre o que fazer em matéria de desenvolvimento capitalista, em clave anglo-saxônica (Pereira, 2010a). É precisamente por meio dessa combinação singular de papéis que o BM opera. O chamado Banco Mundial designa duas organizações, o Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (Bird) e a Associação Internacional de Desenvolvimento (AID), que compõem, por sua vez, o Grupo Banco Mundial (GBM), um conjunto de entidades cuja atuação em larga medida se articula e se concatena. O box 1 fornece informações gerais a respeito de cada uma delas. 20

21 Poder, política e dinheiro: a trajetória do Banco Mundial entre 1980 e 2013 Box 1. Organizações que integram o Grupo Banco Mundial em BANCO MUNDIAL Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento (Bird) Concede empréstimos com prazos de 15 a 20 anos para Estados solventes de renda média e baixa, além de garantias, produtos de gestão do risco e serviços de assessoria técnica. Capta recursos em mercados de capital e empresta a seus clientes em condições próximas às do mercado financeiro internacional (hard loans). Estabelecido em membros Total emprestado: US$ 523,6 bilhões (até 2010) Associação Internacional de Desenvolvimento (AID) Concede créditos de longo prazo com baixas taxas de juros (soft loans) a 82 países pobres com pouca ou nenhuma capacidade de tomar emprestado nas condições de mercado. A AID financia suas operações mediante contribuições voluntárias feitas pelos países doadores a cada três anos, transferências da receita líquida do Bird, subsídios da Corporação Financeira Internacional (CFI) e pagamentos dos créditos da AID pelos mutuários. Estabelecida em membros Total emprestado: US$ 221,9 bilhões (até 2010) DEMAIS ORGANIZAÇÕES DO GRUPO BANCO MUNDIAL Corporação Financeira Internacional (CFI) Empresta recursos de longo prazo e presta serviços de consultoria e redução de riscos a empresas privadas dos países em desenvolvimento de renda baixa e média. Seus produtos são independentes de garantias governamentais. Estabelecida em membros Total emprestado: US$ 34,4 bilhões mais US$ 8 bilhões em empréstimos consorciados (até 2009) Agência Multilateral de Garantia de Investimentos (AMGI) Fornece seguro ou garantias contra riscos políticos no intuito de promover o investimento estrangeiro direto nos países em desenvolvimento. Também atua em controvérsias entre investidores e governos anfitriões. Sua assistência técnica e intelectual aos governos visa à implantação de estratégias voltadas para a atração de investimentos, à criação de oportunidades de negócios e à provisão de seguro contra riscos políticos. Estabelecida em membros Total de garantias emitidas: US$ 20,9 bilhões (até 2009) 21

22 João Márcio Mendes Pereira Centro Internacional para Arbitragem de Disputas sobre Investimentos (CICDI) Fornece mecanismos para conciliação e arbitragem de controvérsias sobre investimento internacional entre investidores estrangeiros e os países anfitriões. Também realiza pesquisas e publica materiais nas áreas de leis de arbitragem e leis de investimento estrangeiro. Estabelecido em membros Total de casos registrados: 292 (até 2009) Instituto do Banco Mundial (IBM) Criado em 1955 como Instituto de Desenvolvimento Econômico, com o apoio financeiro e político das fundações Rockefeller e Ford, em 2000 foi renomeado como Instituto do Banco Mundial. Funciona na sede do BM em Washington. Seu objetivo original era formar e treinar quadros políticos e técnicos locais para atuar na elaboração e/ou execução tanto da política econômica doméstica quanto de projetos e programas direcionados ao desenvolvimento. Com o tempo, suas atividades de formação passaram a envolver não apenas quadros técnicos e autoridades de governo, mas também o pessoal de ONGs, jornalistas, acadêmicos em geral, professores de educação secundária, estudantes e grupos de jovens, além do próprio pessoal do Banco Mundial. Parte desse público é contemplada com bolsas de estudo concedidas pelo IBM. A maior parte do financiamento do IBM cabe ao Bird. Os sócios doadores, tais como organismos bilaterais e multilaterais, organizações do setor público e privado e algumas fundações, cobrem pouco mais de vinte por cento do orçamento anual do instituto. Painel de Inspeção Criado em 1993, tem a missão de investigar denúncias de pessoas ou organizações afetadas ou que podem ser afetadas negativamente por projetos financiados pelo Banco Mundial. As denúncias devem versar sobre o descumprimento pelo BM de seus próprios procedimentos e regras operacionais. Os denunciantes devem já haver tentado apresentar suas reclamações ao staff ou à gerência do BM, sem obterem resposta considerada satisfatória. Os membros do painel são designados pelo presidente do BM e aprovados pela diretoria executiva. Uma vez recebida a denúncia, o painel avalia e aponta ou não à diretoria do BM a necessidade de uma investigação. À diretoria cabe decidir se o painel seguirá em frente ou não. Concluída a investigação, o painel remete o relatório final à administração do BM, que tem seis semanas para preparar o seu relatório à diretoria, que indica como responder às conclusões do painel. Cabe à diretoria anunciar se o BM tomará medidas de correção e, nesse caso, quais. O acesso do painel à área do projeto investigado e à documentação pertinente depende da autorização do governo prestatário. As operações da CFI e da AMGI estão fora da competência do painel. Fonte: Relatórios anuais de 2009 e 2013 do Banco Mundial; Pereira,

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

Parte III Política Cambial

Parte III Política Cambial Parte III Política Cambial CAPÍTULO 5. A GESTÃO DO REGIME DE CÂMBIO FLUTUANTE NO BRASIL CAPÍTULO 6. A RELAÇÃO ENTRE A TAXA DE CÂMBIO E O DESENVOLVIMENTO Regimes e Política Cambial Apesar da adoção quase

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015

Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 Congresso Brasileiro de Inovação da Indústria São Paulo, 13 e 14 de maio de 2015 INOVAR É FAZER Manifesto da MEI ao Fortalecimento da Inovação no Brasil Para nós empresários Inovar é Fazer diferente, Inovar

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito

O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito 3 ago 2006 Nº 7 O papel anticíclico do BNDES sobre o crédito Por Ernani Teixeira Torres Filho Superintendente da SAE Nas crises, sistema bancário contrai o crédito. BNDES atua em sentido contrário e sua

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão

V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Mudanças na Cultura de Gestão 1 V Encontro das Agências no Brasil 18 e 19 de março de 2001. Painel: Desenvolvimento Institucional Mudanças na Cultura de Gestão Roteiro: 1. Perfil das organizações do PAD. 2. Desenvolvimento Institucional:

Leia mais

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central

número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central número 4 junho de 2005 A autonomia do Banco Central A autonomia do Banco Central Amanutenção da política de elevadas taxas de juros reais conduzida pelo Copom - Comitê de Política Monetária - reacendeu

Leia mais

Guerra fria (o espaço mundial)

Guerra fria (o espaço mundial) Guerra fria (o espaço mundial) Com a queda dos impérios coloniais, duas grandes potências se originavam deixando o mundo com uma nova ordem tanto na parte política quanto na econômica, era os Estados Unidos

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil

Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Ambiente de Negócios e Reformas Institucionais no Brasil Fernando Veloso IBRE/FGV Book Launch of Surmounting the Middle Income Trap: The Main Issues for Brazil (IBRE/FGV e ILAS/CASS) Beijing, 6 de Maio

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em

* (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em * (Resumo executivo do relatório Where does it hurts? Elaborado pela ActionAid sobre o impacto da crise financeira sobre os países em desenvolvimento) A atual crise financeira é constantemente descrita

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

DIPLOMACIA Introdução

DIPLOMACIA Introdução DIPLOMACIA Introdução Ao longo dos tempos, o pensamento político e o pensamento jurídico sempre foram o reflexo das relações entre os homens, os povos, os Estados e as Nações. Foram se operando constantemente

Leia mais

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02

PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI, AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 PALAVRAS DO GOVERNADOR TASSO JEREISSATI POR OCASIÃO DA ABERTURA DO SEMINÁRIO "LIDERANÇA JOVEM NO SECULO XXI", AOS 07/03/2002 ~j 2902 03-0~/02 Excelentíssimo Senhor Enrique Ig lesias, Presidente do Banco

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt

O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA. Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt O PAPEL DAS UNIVERSIDADES E A INVESTIGAÇÃO SOBRE DIPLOMACIA ECONÓMICA Joaquim Ramos Silva Socius/ISEG jrsilva@iseg.utl.pt PRINCIPAIS TÓPICOS A emergência da Diplomacia Económica e suas razões As mudanças

Leia mais

Mercado de Divisas e

Mercado de Divisas e Mercado de Divisas e Taxa de Câmbio Agentes do Mercado de Câmbio Taxa de Câmbio Nominal e Real Taxa de Câmbio Fixa e Flexível http://fernandonogueiracosta.wordpress.com/ Agentes do Mercado Cambial Todos

Leia mais

A importância dos Bancos de Desenvolvimento

A importância dos Bancos de Desenvolvimento MISSÃO PERMANENTE DA REPÚBLICA DE ANGOLA JUNTO AO OFÍCIO DAS NAÇÕES UNIDAS REPRESENTAÇÃO COMERCIAL GENEBRA - SUÍÇA NOTA DE TRABALHO A importância dos Bancos de Desenvolvimento G E NEBRA A OS 5 DE Segundo

Leia mais

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5

Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1. Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Crise financeira internacional: Natureza e impacto 1 Marcelo Carcanholo 2 Eduardo Pinto 3 Luiz Filgueiras 4 Reinaldo Gonçalves 5 Introdução No início de 2007 surgiram os primeiros sinais de uma aguda crise

Leia mais

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br

Cadernos ASLEGIS. ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br. http://bd.camara.leg.br ASSOCIAÇÃO DOS CONSULTORES LEGISLATIVOS E DE ORÇAMENTO E FISCALIZAÇÃO FINANCEIRA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Cadernos ASLEGIS ISSN 1677-9010 / www.aslegis.org.br http://bd.camara.leg.br Glohalização das finanças:

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

Choques Desequilibram a Economia Global

Choques Desequilibram a Economia Global Choques Desequilibram a Economia Global Uma série de choques reduziu o ritmo da recuperação econômica global em 2011. As economias emergentes como um todo se saíram bem melhor do que as economias avançadas,

Leia mais

Private Equity ADVISORY

Private Equity ADVISORY Private Equity ADVISORY Private Equity Excelentes profissionais que trabalham em equipe, transformando conhecimento em valor, em benefício de nossos clientes. Private Equity 1 Qualidade e integridade são

Leia mais

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004

REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor. Brasília, outubro de 2004 REFORMA UNIVERSITÁRIA: contribuições da FENAJ, FNPJ e SBPJor Brasília, outubro de 2004 FEDERAÇÃO NACIONAL DOS JORNALISTAS FENAJ http://www.fenaj.org.br FÓRUM NACIONAL DOS PROFESSORES DE JORNALISMO - FNPJ

Leia mais

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes

A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes A pergunta de um trilhão de dólares: Quem detém a dívida pública dos mercados emergentes Serkan Arslanalp e Takahiro Tsuda 5 de março de 2014 Há um trilhão de razões para se interessar em saber quem detém

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SEÇÃO IV. MEIOS DE IMPLEMENTAÇÃO CAPÍTULO 33 RECURSOS E MECANISMOS DE FINANCIAMENTO INTRODUÇÃO 33.1. A Assembléia Geral, em sua resolução

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador DELCÍDIO DO AMARAL PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre o Projeto de Decreto Legislativo nº 155, de 2015 (nº 62, de 2015, na origem), de autoria da Comissão de Relações Exteriores

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil

Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Rio de Janeiro: o melhor lugar para a sua empresa no Brasil Thayne Garcia, Assessora-Chefe de Comércio e Investimentos (tgarcia@casacivil.rj.gov.br) Luciana Benamor, Assessora de Comércio e Investimentos

Leia mais

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S.

POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. POLÍTICA FISCAL E DÍVIDA PÚBLICA O difícil caminho até o Grau de Investimento Jedson César de Oliveira * Guilherme R. S. Souza e Silva ** Nos últimos anos, tem crescido a expectativa em torno de uma possível

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs

Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Estatuto do Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs Preâmbulo O Fórum Internacional de Plataformas Nacionais de ONGs (FIP) foi criado em outubro de 2008, em Paris, pelo conjunto de 82 plataformas

Leia mais

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico

Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico Boletim Econômico Edição nº 87 outubro de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Os bancos públicos e o financiamento para a retomada do crescimento econômico 1 O papel dos bancos

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA

PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA PARCERIA BRASILEIRA PELA ÁGUA Considerando a importância de efetivar a gestão integrada de recursos hídricos conforme as diretrizes gerais de ação estabelecidas na Lei 9.433, de 8.01.1997, a qual institui

Leia mais

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental

Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental Sustentabilidade nas instituições financeiras Os novos horizontes da responsabilidade socioambiental O momento certo para incorporar as mudanças A resolução 4.327 do Banco Central dispõe que as instituições

Leia mais

Enquadramento da atividade bancária

Enquadramento da atividade bancária Enquadramento da atividade bancária Miguel Matias E.S.T.G. Instituto Politécnico de Leiria CET TECNICAS GESTAO E COM INTERNACIONAL EDIÇÃO 2015/16 PROGRAMA 1. Enquadramento da atividade bancária 2. Conta

Leia mais

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000

Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Terceiro Setor - fator de confluência na ação social do ano 2000 Alceu Terra Nascimento O terceiro setor no Brasil, como categoria social, é uma "invenção" recente. Ele surge para identificar um conjunto

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres

Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil. Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Aliança do Setor Privado para a Redução do Risco de Desastres no Brasil Escritório das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres Iniciativas Globais Aliança do Setor Privado para a Redução do

Leia mais

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A

CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL. Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A CONTEXTO HISTORICO E GEOPOLITICO ATUAL Ciências Humanas e suas tecnologias R O C H A O capitalismo teve origem na Europa, nos séculos XV e XVI, e se expandiu para outros lugares do mundo ( Ásia, África,

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar?

China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? China e África: Será que a lua-de-mel vai continuar? Wenjie Chen e Roger Nord 21 de dezembro de 2015 A promessa recente de apoio financeiro no valor de USD 60 mil milhões ao longo dos próximos três anos

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp.

SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. SANTOS, B. S. Os processos da globalização In SANTOS, B. S. (org) (2001), Globalização Fatalidade ou utopia, Porto, Edições Afrontamento, pp. 31-50 2º Ano ASE Sociologia do Desenvolvimento e da Mudança

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos

Aula 10.1. Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos Aula 10.1 Avaliação da Unidade II Pontuação: 7,5 pontos 1ª QUESTÃO (1,0) Em seu discurso de despedida do Senado, em dezembro de 1994, o presidente Fernando Henrique Cardoso anunciou o fim da Era Vargas,

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA

Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA Brasileiro faz plano de banda larga dos EUA 4 de outubro de 2009 O brasileiro Carlos Kirjner, nomeado pelo presidente Barack Obama para o cargo de conselheiro do diretor-geral da Comissão Federal de Comunicações

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 77 julho de 2014 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Sistema bancário e oferta monetária contra a recessão econômica 1 BC adota medidas para injetar

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO

1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO 1. INTRODUÇÃO CONCEITUAL SOBRE O DESENVOLVIMENTO E O CRESCIMENTO ECONÔMICO A análise da evolução temporal (ou dinâmica) da economia constitui o objeto de atenção fundamental do desenvolvimento econômico,

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade II. Mercado Financeiro e de. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade II Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Definição do mercado financeiro Representa o Sistema Financeiro Nacional Promove o fluxo de recursos através

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES

A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES A INFLUÊNCIA DA BOLSA AMERICANA NA ECONOMIA DOS PAÍSES EMERGENTES JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas

Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas Programa de Capacitação em RPP- Relação Público Privadas O que é o BID Organismo multilateral de desenvolvimento que tem como propósito financiar projetos viáveis de desenvolvimento econômico, social e

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos.

O que é Finanças? instituições, mercados e instrumentos envolvidos na transferência de fundos entre pessoas, empresas e governos. Demonstrações Financeiras O Papel de Finanças e do Administrador Financeiro Professor: Roberto César O que é Finanças? Podemos definir Finanças como a arte e a ciência de administrar fundos. Praticamente

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial

ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO % do PIB (Aproximadamente) 2003 9% do PIB mundial 2009 14% do PIB mundial 2010 18% do PIB mundial 2013/2014 25% do PIB mundial ANO Os BRICS EUA União Europeia PIB 2013 (aproximadamente) US$ 19 trilhões

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL

METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL METAS PARA A INFLAÇÃO, INTERVENÇÕES ESTERILIZADAS E SUSTENTABILIDADE FISCAL Aluno: Carolina Machado Orientador: Márcio G. P. Garcia Introdução A liquidez abundante no mercado financeiro internacional e

Leia mais

REQUERIMENTO N o, DE 2015

REQUERIMENTO N o, DE 2015 REQUERIMENTO N o, DE 2015 (Da Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio) Requer a criação e constituição de Comissão Especial destinada a proferir parecer ao Projeto de Lei Complementar

Leia mais

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br

Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI. Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Governança de TI Evolução e Conceitos de Gestão da TI Raimir Holanda raimir@tce.ce.gov.br Agenda Conceitos de Governança de TI Fatores motivadores das mudanças Evolução da Gestão de TI Ciclo da Governança

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza

Grupo Banco Mundial. Construindo um mundo sem pobreza Grupo Banco Mundial Construindo um mundo sem pobreza Enfoque Regional! O Banco Mundial trabalha em seis grandes regiões do mundo: 2 Fatos Regionais: América Latina e Caribe (ALC)! População total: 500

Leia mais

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável?

Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável? Dezembro de 2009 Por Vítor Wilher Essa é uma pergunta que parece atordoar todos aqueles minimamente preocupados com

Leia mais

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO

ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO 1 ANÁLISE DA INFLAÇÃO, JUROS E CRESMENTO NO CENÁRIO ATUAL: Mundial e Brasil RESUMO SILVA, A. T.O.C. 1 LIMA, C.C.O. 2 VILLANI, C.J. 3 FRIZERO NETO, K. 4 GRAVINA, L.M. 5 SANTOS, F.A.A. 6 Este artigo tem

Leia mais

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia

Descrição do Sistema de Franquia. Histórico do Setor. O Fórum Setorial de Franquia Descrição do Sistema de Franquia Franquia é um sistema de distribuição de produtos, tecnologia e/ou serviços. Neste sistema uma empresa detentora de know-how de produção e/ou distribuição de certo produto

Leia mais

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011

Visão. O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada. do Desenvolvimento. nº 96 29 jul 2011 Visão do Desenvolvimento nº 96 29 jul 2011 O papel anticíclico do BNDES e sua contribuição para conter a demanda agregada Por Fernando Puga e Gilberto Borça Jr. Economistas da APE BNDES vem auxiliando

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia - UFRJ Palma, G. (2002). The Three routes to financial crises In: Eatwell, J; Taylor, L. (orgs.). International Capital Markets: systems in transition. Oxford

Leia mais

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais:

02 a 05 de junho de 2009. Eventos Oficiais: 02 a 05 de junho de 2009 Expo Center Norte - SP Eventos Oficiais: 1 A Saúde Rompendo Paradigmas para o Crescimento Sustentável Saúde Suplementar : Modelo,Regulação e Intervenção Estatal Alceu Alves da

Leia mais