CONSULTA PARA VERSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONSULTA PARA VERSÃO"

Transcrição

1

2 GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS - SERMARH PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE ALAGOAS PERS/AL PRODUTO 2 DIAGNÓSTICO DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO ESTADO DE ALAGOAS MAIO / 2014 Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 ii

3 Governo do Estado de Alagoas Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Rodovia AL 101 Norte, KM 05, s/n. Jacarecica Telefone: (82) FLORAM Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Rua Vinte de Três de Maio, 140. Centro. Eunápolis Bahia. CEP: Telefax: (73) FLORAM Engenharia e Meio Ambiente Ltda. Produto 2 RA-2. Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos no Estado de Alagoas. Volume único. 248 p. Eunápolis, Bahia, Plano Estadual de Resíduos Sólidos. 2. Alagoas. 3 Resíduos Sólidos. Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 ii

4 EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL Dr. Cícero Antônio Antunes Catapreta Coordenador Engenheiro Civil Sanitarista Me. Paulo Tarcísio de Cassa Louzada Responsável técnico em Meio Ambiente - Eng. Agrônomo Me. Augusto Luciani Carvalho Braga Biólogo/Coordenação Técnica/operacional Esp. Marconi Vieira da Silva Responsável técnico em Resíduos Sólidos - Engenheiro Ambiental EQUIPE TÉCNICA APOIO Esp. Pedro Alves Duarte - Engenheiro de Resíduos Sólidos - Eng. Ambiental Maria Paula Silveira Bibar Gestora Ambiental, Mestranda em Gestão de Recursos Agroambientais; Juçana Rocha de Assis Engenheira Ambiental; James Santos Técnico em Meio Ambiente Graduando em Tecnologia em Gestão Ambiental; Me Dionari Santos Comunicadora Social Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 iii

5 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO ANTECEDENTES DO ESTADO DE ALAGOAS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INTRODUÇÃO CARACTERIZAÇÃO DA ÁREA DE ESTUDO METODOLOGIA Levantamento de dados Dados primários Dados Secundários Organização de Banco de dados Análise dos dados MAPEAMENTO DAS INFORMAÇÕES SOCIOECONOMICAS, FISICO-TERRITORIAIS E AMBIENTAIS Zoneamento Ecológico-Econômico Plano Estadual de Recursos Hídricos Gerenciamento Costeiro Unidades de Conservação (UCs) Áreas Indígenas Comunidades Quilombolas DIAGNÓSTICO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Considerações prévias Resíduos Sólidos Urbanos RSU Definição Origem Geração Caracterização gravimétrica Coleta Demais serviços de limpeza pública Coleta Seletiva Reciclagem Compostagem Tratamento e disposição final Caracterização dos resíduos sólidos urbanos nas unidades regionais de gerenciamento Resíduos de Construção Civil - RCC Origem e geração Caracterização gravimétrica dos RCC Coleta e transporte Reciclagem e Reaproveitamento Tratamento e destinação final Resíduos de Serviços de Saúde - RSS Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 iv

6 7.4.1 Origem e geração Caracterização gravimétrica dos RSS Coleta e transporte Reciclagem Tratamento e disposição final Resíduos Sólidos Industriais Origem e geração Coleta e transporte Reuso e Reciclagem Tratamento e Disposição final Resíduos com Logística Reversa (Pneus, pilhas, baterias, lâmpadas fluorescentes, embalagens de agrotóxicos) Arcabouço legal da gestão de resíduos de logística reversa Embalagens de Agrotóxicos e Fertilizantes Pilhas e baterias Pneus Óleos Lubrificantes Lâmpadas fluorescentes Resíduos eletroeletrônicos Resíduos Sólidos de Serviços de Transporte (Portos, Aeroportos, Terminais Rodoviários, Ferroviários, Passagens de Fronteira Estaduais e Postos Alfandegários) Terminais Rodoviários, Ferroviários, Passagens de Fronteira Estaduais e Postos Alfandegários Aeroportos Portos Resíduos Sólidos da Mineração Origem e geração Caracterização gravimétrica dos resíduos das atividade minerárias Resíduos Sólidos Agrossilvopastoris (orgânicos e inorgânicos) Resíduos sólidos agrossilvopastoris (orgânicos) Resíduos sólidos agrossilvopastoris (inorgânicos) Resíduos de Saneamento Esgotamento sanitário Tratamento de água Sistemas de drenagem e manejo de águas pluviais nos municípios FLUXOS DE RESÍDUOS IMPACTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS Impactos ambientais e socioeconômicos ASPECTOS LEGAIS Legislação Federal Resoluções do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA) Normas Técnicas Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 v

7 Outras Legislações Federais Legislação Estadual Leis Complementares referentes a criação das Regiões Metropolitanas em Alagoas Legislação municipal PLANOS E PROGRAMAS EXISTENTES Ações existentes CONCLUSÕES REFERÊNCIAS ANEXO I ANEXO II ANEXO III Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 vi

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Arranjo estrutural das Metas e Produtos do PERS; Figura 2 Microrregiões do Estado de Alagoas quanto à gestão de resíduos sólidos Figura 3 Zoneamento Ecológico-Econômico de Coruripe, Feliz Deserto e Piaçabuçu Figura 4 Regiões e Bacias Hidrográficas do Estado de Alagoas Figura 5 Unidades de Planejamento de Recursos Hídricos de Alagoas Figura 6 Municípios com populações indígenas no Estado de Alagoas Figura 7 Distribuição das etnias indígenas no Estado de Alagoas Figura 8 Distribuição das Etnias Indigenas no Estado de Alagoas Figura 9 Distribuição das Comunidades Quilombolas no Estado de Alagoas Figura 10 Localização da Região do Agreste Alagoano Figura 11 - Localização da Região Bacia Leiteira (Consórcio CIGRES) no Estado de Alagoas Figura 12 - Municípios que compreendem a Região Litoral Norte Alagoano Figura 13 Localização dos Municípios integrantes da Região Metropolitana Alagoana Figura 14 Localização dos Municípios integrantes da Região do Sertão Alagoano Figura 15 Localização dos Municípios integrantes da Região Sul Alagoana Figura 16 Localização dos Municípios integrantes da Região da Zona da Mata Alagoana Figura 17 - Área de bota-fora de RCC na cidade de Maceió Figura 18 - Resíduos não perigosos se misturados aos resíduos perigosos, todo o total passa a ser considerados perigoso Figura 19 Valor adicionado à indústria pelos Municípios alagoanos, considerando o exercício Figura 20 Área canavieira no Estado de Alagoas Figura 21 Área canavieira do Estado de Alagoas Figura 22 Exemplo de pilha de estéreis (esquerda) e barragem de rejeitos (direita) Figura 23 Pólo citrícola do Estado de Alagoas Figura 24 Principais resíduos gerados em uma estação de tratamento de esgoto de sistemas de lagoas Figura 25 Principais resíduos gerados em uma estação de tratamento de esgoto de sistemas de lagoas Figura 26 ETE Bendito Bentes, com sistema de lagoas de estabilização, em Maceió Figura 27 ETE Maragogi com detalhe da impermeabilização do solo com geomebrana de poletileno de alta densidade Figura 28 - Principais locais de geração de resíduos em estações convencionais de tratamento de água Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 vii

9 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Número de questionário respondidos por Região de planejamento de resíduos (RAA Região do Agrestre Alagoano; RBL Região da Bacia Leiteira/CIGRES; RLN Região do Litoral Norte; RLSA Região Sul de Alagoas; RMA Região Metropolitana de Alagoas; RSA Região do Sertão Alagoano; Região da Zona da Mata Alagoana) Gráfico 2 Resultados dos questionários com número absoluto e percentual de Municípios que responderam ao questionário de resíduos Gráfico 3 - População Urbana e Rural de Alagoas Gráfico 4 Percentual de geração de RCC e resíduos domésticos no Brasil Gráfico 5 Composição gravimétrica de RCC no Brasil Gráfico 6 - Tipos de tratamento dos resíduos de serviços de saúde Gráfico 7 - Destinação final de RSS no Brasil e Grandes Regiões Gráfico 8 - Coleta e recebimento de RSS em Municípios do Brasil, Nordeste e Alagoas Gráfico 9 Percentual em volume (m³) de composição dos resíduos indústriais na produção de cloro-soda na Braskem, Marechal Deodoro, período Gráfico 10 Composição em volume (m³) percentual dos resíduos sólidos industriais gerados no processo de produção do PVC Gráfico 11 - Respostas dos Municípios sobre a existência de diplomas legais para os serviçoes de manejo de resíduos sólidos urbanos e limpeza pública LISTA DE QUADROS Quadro 1 Informações sobre o Consórcio Regional de Resíduos Sólidos do Agreste Alagoano - CONAGRESTE Quadro 2 Informações sobre o Consórcio Intermunicipal para Gestão dos Resíduos Sólidos - CIGRES Quadro 3 Informações sobre o Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Norte do Estado de Alagoas Quadro 4 Informações sobre o Consórcio Regional Metropolitano de Resíduos Sólidos de Alagoas Quadro 5 Informações sobre o Consórcio Regional de Resíduos Sólidos do Sertão de Alagoas Quadro 6 Informações sobre o Consórcio Regional de Resíduos Sólidos da Região Sul do Estado de Alagoas - CONISUL Quadro 7 Informações sobre o Consórcio Regional de Resíduos Sólidos da Zona da Mata Alagoana Quadro 8 Relação do total de Municípios por Região de planejamento, com número absoluto e percentual de Municípios que responderam ao questionário de resíduos Quadro 9 Zoneamento ecológico-econômico terrestre de Coruripe, Feliz Deserto e Piaçabuçu Quadro 10 Zoneamento ecológico-econômico marítimo de Coruripe, Feliz Deserto e Piaçabuçu Quadro 11 Ações realizadas no Gerenciamento Costeiro em Alagoas Quadro 12 Unidades de Conservação em Alagoas Quadro 13 Etnias Indígenas em Alagoas Quadro 14 Responsabilidade pelo gerenciamento dos resíduos sólidos Quadro 15 Número de municípios por faixa de população em Alagoas Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 viii

10 Quadro 16 População urbana e rural no Estado de Alagoas Quadro 17 Crescimento da geração de RSU e geração per capita na Região Nordeste Quadro 18 Crescimento da dos serviços de coleta de RSU e coleta per capita na Região Nordeste Quadro 19 - Evolução da geração per capita de resíduos sólidos e do produto interno bruto no Brasil ( ) Quadro 20 Taxa de geração per capita de resíduos por faixas de população Quadro 21 - Estimativa da geração de resíduos sólidos urbanos nos Municípios de Alagoas Quadro 22 - Estimativa da geração de resíduos sólidos urbanos nas regiões de Alagoas Quadro 23 - Informações necessárias ao planejamento do gerenciamento de resíduos Quadro 24 - Composição gravimétrica média dos resíduos sólidos urbanos no Brasil Quadro 25 Estudos realizados em Maceió - AL para a caracterização gravimétrica dos resíduos sólidos gerados Quadro 26 Caracterização gravimétrica dos RSU de alguns Municípios inseridos na Bacia do Rio São Francisco Quadro 27 Caracterização gravimétrica dos RSU de 04 Municípios da Zona da Mata Alagoana Quadro 28 Tipos de coleta e suas definições Quadro 29 Cobertura da coleta de resíduos sólidos no Brasil e Região Nordeste (%) Quadro 30 Cobertura da coleta de resíduos sólidos em domicílios urbanos e rurais de Alagoas Quadro 31 Quantidade de resíduos gerados e coletados nas áreas urbanas por Região Quadro 32 Varrição de sarjeta no estado de Alagoas Quadro 33 Serviços de poda e capina no estado de Alagoas Quadro 34 Outros serviços de limpeza pública realizados em Alagoas Quadro 35 - Códigos de cores para os diferentes tipos de resíduos CONAMA 275/ Quadro 36 Dados sobre coleta seletiva por Região Quadro 37- Estimativa da quantidade de material recuperado por programas de coleta seletiva, Brasil, ano de referência Quadro 38 - Dados sobre coleta seletiva por e catadores de resíduos sólidos urbanos em Alagoas Quadro 39 Número de Municípios com unidade de compostagem e quantidade de resíduos encaminhados Quadro 40 Tipo de destinação final por número de Municípios Quadro 41 Quantidade diária de resíduos encaminhados para diferentes formas de destinação e disposição final Quadro 42 - Destinação de resíduos coletados em Alagoas Quadro 43 Forma de disposição dos resíduos sólidos nos municípios de Alagoas e coordenadas geográficas Quadro 44 - Área, população total e densidade demográfica da Região do Agreste Alagoano Quadro 45 - Quantidade de resíduos gerados na área urbana e rural dos Municípios da Região do Agreste Alagoano Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 ix

11 Quadro 46 Caracterização gravimétrica dos RSU de quatro Municípios da Região Agreste Quadro 47 Estimativa de coleta de resíduos sólidos urbanos na Região do Agreste Alagoano Quadro 48 Informações sobre os serviços de limpeza pública dos Municípios do Agreste Quadro 49 Nome das localidades rurais onde há coleta de resíduos sólidos domiciliares no Agreste Quadro 50 Informações sobre varrição dos Municípios do Agreste Quadro 51 Informações sobre cobrança dos serviços de limpeza pública na Região do Agreste Quadro 52 Despesas e receitas municipais com os serviços de limpeza pública no Agreste Quadro 53 Atuação dos catadores e coleta seletiva na Região do Agreste Quadro 54 Informações sobre reciclagem nos Municípios do Agreste Quadro 55 Destinação final dos resíduos sólidos urbanos nos Municípios do Agreste Quadro 56- Área, população total e densidade demográfica da Região da Bacia Leiteira Quadro 57 - Quantidade de resíduos gerados na área urbana e rural dos Municípios da Região da Bacia Leiteira Quadro 58 Caracterização gravimétrica dos RSU de quatro Municípios da Região da Bacia Leiteira Quadro 59 Estimativa de coleta de resíduos sólidos urbanos na Região da Bacia Leiteira Quadro 60 Informações sobre os serviços de limpeza pública dos Municípios da Bacia Leiteira Quadro 61 Nome das localidades rurais onde há coleta de resíduos sólidos domiciliares na Bacia Leiteira Quadro 62 Informações sobre varrição dos Municípios da Bacia Leiteira Quadro 63 Informações sobre cobrança dos serviços de limpeza pública Quadro 64 Despesas e receitas municipais com os serviços de limpeza pública na Bacia Leiteira Quadro 65 Atuação dos catadores e coleta seletiva na Bacia Leiteira Quadro 66 Informações sobre reciclagem nos Municípios da Bacia Leiteira Quadro 67 Destinação final dos resíduos sólidos urbanos nos Municípios da Bacia Leiteira Quadro 68- Área, população total e densidade demográfica da Região Litoral Norte de Alagoas Quadro 69 - Quantidade de resíduos gerados na área urbana e rural dos Municípios da Região do Litoral Norte Alagoano Quadro 70 Estimativa de coleta de resíduos sólidos urbanos na Região do Litoral Norte de Alagoas Quadro 71 Informações sobre os serviços de limpeza pública dos Municípios do Litoral Norte Quadro 72 Nome das localidades rurais onde há coleta de resíduos sólidos domiciliares no Agreste Quadro 73 Informações sobre cobrança dos serviços de limpeza pública na Região do Litoral Norte Alagoano Quadro 74 Despesas e receitas municipais com os serviços de limpeza pública no Litoral Norte Alagoano Quadro 75 Atuação dos catadores e coleta seletiva na Região do Litoral Norte Alagoano Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 x

12 Quadro 76 Informações sobre reciclagem nos Municípios do Litoral Norte Alagoano Quadro 77 Destinação final dos resíduos sólidos urbanos nos Municípios do Litoral Norte Alagoano Quadro 78 - Área, população total e densidade demográfica da Região Metropolitana de Alagoas Quadro 79 - Quantidade de resíduos gerados na área urbana e rural dos Municípios da Região Metropolitana Quadro 80 Caracterização gravimétrica dos RSU da cidade de Maceió Quadro 81 Estimativa de coleta de resíduos sólidos urbanos na Região Metropolitana Quadro 82 Informações sobre os serviços de limpeza pública dos Municípios da Região Metropolitana Quadro 83 Nome das localidades rurais onde há coleta de resíduos sólidos domiciliares na Região Metropolitana Quadro 84 Informações sobre cobrança dos serviços de limpeza pública na Região Metropolitana Quadro 85 Despesas e receitas municipais com os serviços de limpeza pública Quadro 86 Atuação dos catadores e coleta seletiva na Região Metropolitana Quadro 87 Informações sobre reciclagem nos Municípios da Região Metropolitana Quadro 88 Destinação final dos resíduos sólidos urbanos nos Municípios da Região Metropolitana Quadro 89 Área, população total e densidade demográfica dos Municípios da Região do Sertão Alagoano Quadro 90 - Quantidade de resíduos gerados na área urbana e rural dos Municípios da Região do Sertão Alagoano Quadro 91 Caracterização gravimétrica dos RSU de quatro Municípios da Região do Sertão Alagoano Quadro 92 Estimativa de coleta de resíduos sólidos urbanos na Região do Sertão de Alagoas Quadro 93 Informações sobre os serviços de limpeza pública dos Municípios do Sertão Quadro 94 Nome das localidades rurais onde há coleta de resíduos sólidos domiciliares no Sertão Alagoano Quadro 95 Informações sobre varrição dos Municípios do Sertão Alagoano Quadro 96 Informações sobre cobrança dos serviços de limpeza pública na Região do Sertão Alagoano Quadro 97 Despesas e receitas municipais com os serviços de limpeza pública Quadro 98 Atuação dos catadores e coleta seletiva na Região do Sertão Alagoano Quadro 99 Informações sobre reciclagem nos Municípios do Serão Alagoano Quadro 100 Destinação final dos resíduos sólidos urbanos nos Municípios do Sertão Alagoano Quadro 101 Área, população e densidade demográfica dos Municípios inseridos na Região Sul de Alagoas Quadro Quantidade de resíduos gerados na área urbana e rural dos Municípios da Região Sul de Alagoas Quadro 103 Caracterização gravimétrica dos RSU de quatro Municípios da Região Sul Quadro 104 Estimativa de coleta de resíduos sólidos urbanos na Região Sul de Alagoas Quadro 105 Informações sobre os serviços de limpeza pública dos Municípios da Região Sul Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 xi

13 Quadro 106 Nome das localidades rurais onde há coleta de resíduos sólidos domiciliares na Região Sul de Alagoas Quadro 107 Informações sobre varrição dos Municípios da Região Sul de Alagoas Quadro 108 Informações sobre cobrança dos serviços de limpeza pública na Região Sul Quadro 109 Despesas e receitas municipais com os serviços de limpeza pública Quadro 110 Atuação dos catadores e coleta seletiva na Região Sul de Alagoas Quadro 111 Informações sobre reciclagem nos Municípios da Região Sul de Alagoas Quadro 112 Destinação final dos resíduos sólidos urbanos nos Municípios da Região Sul Quadro Área, população total e densidade demográfica da Região da Zona da Mata Alagoana Quadro Quantidade de resíduos gerados na área urbana e rural dos Municípios da Região da Zona da Mata Quadro 115 Caracterização gravimétrica dos RSU de 04 Municípios da Zona da Mata Alagoana Quadro 116 Estimativa de coleta de resíduos sólidos urbanos na Região da Zona da Mata Alagoana Quadro 117 Informações sobre os serviços de limpeza pública dos Municípios da Zona da Mata Quadro 118 Nome das localidades rurais onde há coleta de resíduos sólidos domiciliares na Região da Zona da Mata Alagoana Quadro 119 Informações sobre cobrança dos serviços de limpeza pública na Região da Zona da Mata Quadro 120 Despesas e receitas municipais com os serviços de limpeza pública Quadro 121 Atuação dos catadores e coleta seletiva na Região da Zona da Mata Alagoana Quadro 122 Informações sobre reciclagem nos Municípios da Zona da Mata Alagoana Quadro 123 Destinação final dos resíduos sólidos urbanos nos Municípios da Zona da Mata Alagoana Quadro Geração de resíduo de construção civil na cidade de Maceió Quadro 125 Estimativa da geração de resíduos da construção civil para o Estado de Alagoas Quadro 126 Composição média dos RCCs Quadro 127 Algumas fontes geradoras e principais componentes dos RCCs Quadro 128 Evolução quantidade de Resíduos de Construção Civil coletados no Nordeste nos anos de 2009 a Quadro Comparação entre a geração estimada de RCC e a coleta informada nos questionários Quadro 130 Informações sobre coleta de RCC em 12 Municípios do Estado Quadro 131 Informações sobre coleta de RCC em 12 Municípios do Estado Quadro 132- Geração e frequência de coleta de RCC em Municípios da Zona da Mata Quadro Síntese de geração e coleta de RCC em Alagoas Quadro 134 Locais licenciados para recebimento de resíduos de construção civil em Maceió Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 xii

14 Quadro 135 Tipos de manejo de resíduos de construção civil no Estado de Alagoas Quadro Municípios, total e que exercem controle sobre o manejo de resíduos especiais realizado por terceiros, por tipo de resíduo, segundo o País, a Região Nordeste e o Estado de Alagoas Quadro Número de leitos para internação em estabelecimentos de saúde de Alagoas Quadro Geração de Resíduos de Serviços de Saúde em cada Município de Alagoas, por número total de leitos para internação Quadro Número de estabelecimentos de saúde no Estado de Alagoas Quadro 140 Geração de RSS pelos critérios de geração por leito e por geração per capita em Alagoas Quadro Coleta de RSS na Região Nordeste Quadro 142 Estimativa de coleta de resíduos de serviços de saúde no Estado de Alagoas Quadro Informações sobre Coleta de Resíduos Sólidos de Serviços de Saúde Quadro Benefícios Econômicos da Reciclagem* Quadro Capacidade Instalada de Tratamento em Alagoas Quadro 146 Produção e usinas de álcool e açúcar em Alagoas Quadro 147 Dados da cultura e montantes estimados de resíduos gerados pelo processamento da cana-de-açúcar Quadro 148 Resíduos sólidos industriais relacionados a 1ª geração da indústria química Quadro 149 Resíduos sólidos derivados do processo de produção de PVC Quadro 150 Quantidade (m³) de resíduos gerados no processo de produção do PVC Quadro 151 Resíduos industriais relacionados à indústria sucroalcooleira Quadro 152 Legislação aplicável aos resíduos de logística reversa Quadro Número de Municípios da Região Nordeste que executa coleta de resíduos de logística reversa Quadro Quantidade total de pneus inservíveis destinados por tipo de tecnologia de destinação final Quadro Locais de coleta de pneus inservíveis no Estado de Alagoas Quadro 156 Dados estimados do mercado de lâmpadas que contêm mercúrio, para o ano de Quadro 157 Principais empresas mineradoras no Estado de Alagoas Quadro 158 Produção bruta de minerais não metálicos no Estado de Alagoas Quadro 159 Produção beneficiada de minerais não metálicos no Estado de Alagoas Quadro 160 Dados da cultura e montantes estimados de resíduos sólidos agrosilvopastoris Quadro 161 Principais resíduos de ETEs e fontes geradoras Quadro 162 Principais resíduos de ETEs e fontes geradoras Quadro 163 Estações de Tratamento de Água operadas pela Companhia de Saneamento de Alagoas Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 xiii

15 Quadro 164 Rota comercial de resíduos recicláveis para o Município de Maceió Quadro 165 Resíduos perigos com logística reversa obrigatória Quadro 166 Instrumentos jurídicos informados pelos Municípios para o manejo de resíduos sólidos urbanos e serviços de limpeza pública Quadro Resíduos sólidos - Galpões de triagem para Catadores - Maceió - AL Quadro Apoio a catadores - Maceió - AL Quadro Elaboração de estudo de concepção e projeto de engenharia de resíduos sólidos urbanos na sede municipal - Maceió - AL Quadro Elaboração de estudo de concepção e projetos para os sistemas regionais de gestão integrada de resíduos sólidos do território da Mata - Atalaia, Branquinha, Cajueiro, Capela, Chã Preta, Ibateguara, Mar Vermelho, Murici, Paulo Jacinto, Pindoba, Santana do Mundaú, São José da Laje, União dos Palmares, Viçosa AL Quadro Elaboração de estudo de concepção, projetos básico e executivo para o sistema de gestão regionalizado de resíduos sólidos do agreste alagoano - Arapiraca, Campo Grande, Coité do Nóia, Craíbas, Estrela de Alagoas, Feira Grande, Girau do Ponciano, Igaci, Junqueiro, Lagoa da Canoa, Limoeiro de Anadia, Maribondo, Palmeira dos Indios, Quebrangulo, São Brás, São Sebastião, Tanque D'arca, Taquarana, Traipu - AL Quadro Elaboração de estudo de concepção e projetos para os sistemas regionais de gestão integrada de resíduos sólidos da Região de Rio Largo - Barra de Santo Antônio, Coqueiro Seco, Marechal Deodoro, Messias, Paripueira, Pilar, Rio Largo, Santa Luzia do Norte, Satuba - AL Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 xiv

16 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AL Alagoas ABILUX Associação Brasileira de Indústria da Iluminação ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais AMA Associação dos Municípios Alagoanos ANIP Associação Nacional da Indústria de Pneumáticos ANTAQ Agência Nacional de Transportes Aquaviários ANTF Associação Nacional de Transporte Ferroviário ANTT Agência Nacional de Transportes Terrestres ANVISA Agência Nacional da Vigilância Sanitária CASAL Companhia de Saneamento de Alagoas CEMPRE Compromisso Empresarial para a Reciclagem CNT Confederação Nacional do Transporte CODERN Companhia Docas do Rio Grande do Norte CODEVASF Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba CONAMA Conselho Nacional de Meio Ambiente DNPM Departamento Nacional de Produção Mineral FEAM Fundação Estadual de Meio Ambiente de Minas Gerais Fundação Nacional de Saúde FUNASA IBAMA Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis. IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IMA Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas INCRA Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 13

17 INFRAERO Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária INPEV Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias IPEA Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada MMA Ministério do Meio Ambiente ONG Organização Não Governamental ONU Organização das Nações Unidas OSCIP Organizações da Sociedade Civil de Interesse Público PERS Plano Estadual de Resíduos Sólidos PIGIRS Planos Intermunicipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMSD Projeto de Mobilização Social e Divulgação PNRS Política Nacional de Resíduos Sólidos PNSB Plano Nacional de Saneamento Básico RSI Resíduos Sólidos Industriais RSS Resíduo dos Serviços de Saúde RSU Resíduos Sólidos Urbanos SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto SEEE Secretaria de Estado da Educação e do Esporte de Alagoas SEMARH Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos de Alagoas SEP Secretaria de Portos da Presidência da República SEPLANDE Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico de Alagoas SESAU Secretaria de Estado de Saúde de Alagoas SLUMA Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió SNIS Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 14

18 1 APRESENTAÇÃO O presente relatório consiste no Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos, subcomponente da Meta 2 do Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Panorama dos Resíduos Sólidos no Estado de Alagoas. No âmbito de Gestão do Contrato, o presente relatório consiste no Produto 02 Relatório de Andamento 2 (RA2), conforme prerrogativa do Termo de Referência (TDR) para elaboração do PERS-AL, em atendimento ao Edital 003/2013 da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Alagoas (SEMARH). O diagnóstico da gestão de resíduos sólidos consiste no levantamento e agrupamento das informações sobre geração e o manejo de resíduos sólidos no Estado de Alagoas. Considerando as diretrizes do TDR, a etapa de diagnóstico deve ser compreendida como a base fundamental e orientadora para a proposição de cenários, definição de diretrizes, metas, projetos e ações que comporão o Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas PERS/AL. O diagnóstico deverá prover informações básicas acerca dos resíduos sólidos em escala estadual nos componentes urbano e rural. Além das informações específicas sobre os resíduos sólidos no Estado, são apresentadas informações sobre as normas e legislações que regem a questão dos resíduos sólidos, em âmbito federal e estadual, além de planos e programas que possam ter ação direta ou indireta sobre estes. Para a construção do diagnóstico foram levantadas informações a partir de dados secundários (pesquisas e estudos já existentes), além do levantamento de informações a partir de dados primários, utilizando-se, nesta etapa, a aplicação de questionários aos gestores municipais. Em decorrência das orientações do TDR, na presente etapa, detalhou-se com maior propriedade as informações referentes aos Resíduos Sólidos Urbanos. Contudo, as demais tipologias de resíduos sólidos considerando a classificação quanto à origem prevista na Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei /2010) também foram contempladas no presente diagnóstico, no entanto, com uma abordagem geral, que se aprofundará em etapas posteriores. Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 15

19 2 ANTECEDENTES DO ESTADO DE ALAGOAS NA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS O Estado de Alagoas vem realizando algumas ações de planejamento, das quais serão apresentadas um breve relato: a) Plano Estadual de Regionalização dos Resíduos Sólidos do Estado de Alagoas. Elaborado no ano de 2010, esse estudo teve como objetivo principal definir regiões para favorecer a gestão compartilhada dos resíduos sólidos, em especial no tocante aos Resíduos Sólidos Urbanos. Levaram em consideração a facilidade de logística de transporte, o desenvolvimento regional e a tipologia de resíduos, definindo sete regiões para o planejamento dos resíduos sólidos no Estado de Alagoas. Essa orientação foi preponderante para criação dos consórcios públicos de resíduos sólidos. b) Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos dos Municípios alagoanos inseridos na bacia do rio São Francisco. Esse plano contemplou a gestão integrada dos resíduos sólidos urbanos em quatro regiões a saber: Sertão, Bacia Leiteira, Agreste e Sul, no qual realizou um diagnóstico inicial da situação do resíduos sólidos urbanos, com proposições de arranjos para a gestão integrada dos resíduos, levando em consideração a projeção de diferentes cenários econômicos e de gestão. Ambos os planos tiveram em sua metodologia o desenvolvimento de oficinas participativas nas quais a sociedade foi convocada a opinar e se manifestar sobre o processo de planejamento que estava sendo construído, característica essa, que será replicada no Plano Estadual de Resíduos Sólidos. c) Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas No âmbito do processo de elaboração do PERS, o qual se encontra em fase de andamento, já foram realizadas ações previstas na META 1 Elaboração do Projeto de Mobilização Social e Divulgação - PMDS. Além do relatório contendo o detalhamento do PMSD, também foram realizadas capacitações com os técnicos indicados pelos Municípios, que participam como membro dos Comitês Diretores. Essas capacitações foram realizadas entre 05 a 14 de fevereiro de 2014, em um Município de cada regiãos do Plano de Regionalização. Para divulgação do PERS, cabe destacar a construção do blog do PERS, hospedado no endereço Essa ferramenta foi criada para desenvolver um canal de comunicação direto entre a sociedade, a SEMARH e a Floram Engenharia e Meio Ambiente. Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 16

20 3 INTRODUÇÃO O Plano Estadual de Resíduos Sólidos é composto por cinco metas, que se materializam através da apresentam de 13 Relatórios de Andamento (Produtos), conforme indicado na Figura 1. *Projeto de Mobilização Social e Divulgação Figura 1 Arranjo estrutural das Metas e Produtos do PERS; A Meta 2, trata-se do Panorama de Resíduos Sólidos, composto por 05 produtos (Relatório de Andamento), no qual contempla em cada produto a seguinte orientação: Produto 2: Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Tem como objetivo a realização dos levantamentos das informações básicas acerca da gestão dos resíduos e subsidiar, desta forma, as demais etapas para a construção do Panorama de Resíduos. Produto 3: Relatórios de apresentação das sete reuniões públicas previstas para validação do Diagnóstico da Gestão de Resíduos Sólidos Apresentará relatório síntese das atividades envolvidas para realização das reuniões públicas com as evidências de sua ocorrência, tais como lista de presença, divulgação e registros fotográficos. Será composto ainda por análise de percepção ambiental dos participantes das reuniões. Plano Estadual de Resíduos Sólidos de Alagoas Diagnóstico da Gestão dos Resíduos Sólidos RA2 17

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS

ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS Dezembro de e Janeiro e fevereiro de François E. J. de Bremaeker Rio de Janeiro, dezembro de ESTIMATIVAS DAS COTAS DO FPM ALAGOAS Dezembro de e Janeiro e fevereiro

Leia mais

Série Histórica da Rubéola em Alagoas

Série Histórica da Rubéola em Alagoas ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA Série Histórica da Rubéola em Alagoas ALAGOAS - 2012 Governo do Estado de

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE LAI E PORTAIS DA TRANSPARÊNCIA NOS MUNICÍPIOS ALAGOANOS

LEVANTAMENTO SOBRE LAI E PORTAIS DA TRANSPARÊNCIA NOS MUNICÍPIOS ALAGOANOS MUNICÍPIO SITE SITUAÇÃO OBSERVAÇÃO ÁGUA http://www.aguabranca.al.gov.br/ BRANCA ANADIA www.prefeituradeanadia.com.br SITE NÃO ATIVO ARAPIRACA http://www.arapiraca.al.gov.br/v3/ SEM LAI Informações sobre

Leia mais

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDEB REALIDADE DE ALAGOAS 24.01.2013

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDEB REALIDADE DE ALAGOAS 24.01.2013 APLICAÇÃO DOS RECURSOS DO FUNDEB REALIDADE DE ALAGOAS 24.01.2013 Palestra: Conselho de Representantes do SINTEAL. MILTON CANUTO DE ALMEIDA Consultor Técnico em: Financiamento, Planejamento e Gestão da

Leia mais

SUMÁRIO. 1 Apresentação. 2 Notas Informativas. 3 Características de Instrução da População - Alagoas. 4 Indicadores Educacionais Alagoas

SUMÁRIO. 1 Apresentação. 2 Notas Informativas. 3 Características de Instrução da População - Alagoas. 4 Indicadores Educacionais Alagoas SUMÁRIO 1 Apresentação 2 Notas Informativas 3 Características de Instrução da População - Alagoas Pessoas com 5 Anos ou Mais, Analfabetas Segundo os Grupos de Idade - Alagoas 2001/2007 Taxa de Analfabetismo,

Leia mais

SITE INATIVO CONTA SUSPENSA

SITE INATIVO CONTA SUSPENSA MUNICÍPIO SITE SITUAÇÃO LEI DE ACESSO TRANSPARÊNCIA SITE/BLOG OBSERVAÇÃO DADOS TRANSPARÊNCIA 1 ÁGUA BRANCA http://www.aguabranca.al.gov.br/index2.php SITE ATIVO Não possui Portal da próprio Sem conteúdo

Leia mais

Vestibular Estácio -AMA

Vestibular Estácio -AMA Vestibular Estácio -AMA Maceió, 2014 A Faculdade Estácio de Alagoas em parceria com a Associação dos Municípios de Alagoas-AMA, disponibiliza o Vestibular Estácio -AMA, com o objetivo de viabilizar o acesso

Leia mais

ESTRUTURA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEDUC LEI DELEGADA Nº 47, DE 10 DE AGOSTO DE 2015

ESTRUTURA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEDUC LEI DELEGADA Nº 47, DE 10 DE AGOSTO DE 2015 ESTRUTURA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEDUC LEI DELEGADA Nº 47, DE 10 DE AGOSTO DE 2015 Art. 27. A Secretaria de Estado da Educação SEDUC é integrada por: I Órgãos Colegiados: a) Conselho Estadual de Educação;

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA ESTADUAL DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA ESTADUAL SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE MAPA DE VINCULAÇÃO DA REDE CEGONHA DISTRIBUIÇÃO DE LEITOS OBSTÉTRICOS POR REGIÃO 1ª MACRORREGIÃO REGIÃO TERRITÓRIO REFERÊNCIA 1ª

Leia mais

19ª Região - Alagoas

19ª Região - Alagoas 19ª Região - Alagoas SERVIÇO DE DISTRIBUIÇÃO DE FEITOS DAS VARAS DE MACEIÓ Av. da Paz, nº 1994, Térreo - Centro Fone: (82) 2121-8192 Fax 2121-8238 Cep: 57.020-440 Maceió/AL e-mail: dist@trt19.gov.br Jurisdição:

Leia mais

Projeção da População dos Municípios Alagoanos 2011-2016

Projeção da População dos Municípios Alagoanos 2011-2016 Governo do Estado de Alagoas ISSN 2237-5716 Projeção da População dos Municípios Alagoanos 2011-2016 v.3 2011 Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE REGIONALIZAÇÃO

PLANO ESTADUAL DE REGIONALIZAÇÃO PLANO ESTADUAL DE REGIONALIZAÇÃO DA GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO ESTADO DE ALAGOAS Outubro, 2010 CNPJ/CGC.: 10.789.230/0001-35 - Tel/fax (81) 3326.1201 E-mail: brasilencorp@gmail.com Equipe Técnica da

Leia mais

Número de Processos em 31/05/2015 Classificação. Número de Processos em31/12/2014

Número de Processos em 31/05/2015 Classificação. Número de Processos em31/12/2014 Relação das unidades judiciarias com processos da meta 2/2009(ajuizados até 31/12/2005) ainda pendentes de julgament Ordem decrescente de maior quantitativo de processos em 31/05/2015 Número de Processos

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR Lei nº 6.673/2005

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR Lei nº 6.673/2005 LEI Nº 6.673, DE 4 DE JANEIRO DE 2006. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DA AGÊNCIA DE DEFESA E INSPEÇÃO AGROPECUÁRIA DE ALAGOAS ADEAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O GOVERNADOR DO ESTADO DE ALAGOAS Faço saber que o

Leia mais

ALAGOAS Atendimento Rede de Formação em 2008

ALAGOAS Atendimento Rede de Formação em 2008 ALAGOAS Atendimento Rede de Formação em 2008 Aperfeiçoamento em Educação Matemática Público-alvo: Professores dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Área: Educação

Leia mais

"O lugar da Vigilância Socioassistencial na gestão do SUAS e a articulação com o Plano Municipal de Assistência Social"

O lugar da Vigilância Socioassistencial na gestão do SUAS e a articulação com o Plano Municipal de Assistência Social "O lugar da Vigilância Socioassistencial na gestão do SUAS e a articulação com o Plano Municipal de Assistência Social" S E C R E T A R I A D E E S T A D O D A A S S I S T Ê N C I A E D E S E N V O L V

Leia mais

CONSULTA PARA VERSÃO

CONSULTA PARA VERSÃO GOVERNO DE ALAGOAS José Renan Vasconcelos Calheiros Filho SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS SERMARH Claudio Alexandre Ayres da Costa Rodovia Av. General Luiz de França Albuquerque,

Leia mais

O que temos? O que devemos fazer?

O que temos? O que devemos fazer? Dengue, Zika e Chikungunya Aedes aegypti O que temos? O que devemos fazer? E Zika... Dengue... Situação da doença - 2015 (jan a nov): 28 mil casos notificados (16 mil 2014). (inclui suspeita de Zika e

Leia mais

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS)

Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS) Programa de Qualificação das Ações de Vigilância em Saúde (PQA-VS) Herbert Charles S. Barros Diretor de Informação e Análise da Situação de Saúde DIASS/SUVISA/SESAU OBJETIVO Induzir o aperfeiçoamento das

Leia mais

SUPERINTENDENTE DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE - SUVISA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP

SUPERINTENDENTE DE VIGILÂNCIA DA SAÚDE - SUVISA DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA DIVEP SUPERINTENNTE VIGILÂNCIA DA SAÚ - SUVISA DIRETORIA VIGILÂNCIA EPIMIOLÓGICA DIVEP BOLETIM INFORMATIVO SEMANAL Nº51/2014 Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas 05 JANEIRO 2015. Quadro Síntese Atualmente,

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS - SEMARH

ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS - SEMARH ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS - SEMARH MINISTÉRIO DE MEIO AMBIENTE - MMA SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO - SRHU CONVÊNIO 765436/2011

Leia mais

CONSULTA PARA VERSÃO

CONSULTA PARA VERSÃO PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE ALAGOAS - PERS/AL PRODUTO 4 CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA E AMBIENTAL DO ESTADO E ATIVIDADES GERADORAS DE RESÍDUOS FEVEREIRO / 2015 GOVERNO DE ALAGOAS José Renan Vasconcelos

Leia mais

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 ALAGOAS

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 ALAGOAS BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 ALAGOAS Apresentação Ao lançar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em janeiro de 2007, o Governo Federal assumiu o compromisso de fazer o Brasil crescer de forma acelerada

Leia mais

EDUCAÇÃO. Atalaia. Barra de. Santo Antônio. Batalha. Belém. Belo Monte. Boca da Mata. Branquinha. Cacimbinhas. Cajueiro. Campestre.

EDUCAÇÃO. Atalaia. Barra de. Santo Antônio. Batalha. Belém. Belo Monte. Boca da Mata. Branquinha. Cacimbinhas. Cajueiro. Campestre. Projeto TRILHAS, do Instituto Natura, chega a mais de duas mil escolas da rede pública de Alagoas EDUCAÇÃO Projeto TRILHAS, do Instituto Natura, chega a mais de duas mil escolas da rede pública de Alagoas

Leia mais

Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese

Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese A partir de janeiro de 2014 o Brasil adotou a nova classificação de casos de dengue, revisada da Organização Mundial de Saúde e Ministério da

Leia mais

Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas.

Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese Até o dia 09 de março de 2012, 83 (83,37%) dos 102 municípios alagoanos notificaram 1.728 casos suspeitos de dengue o que não descarta a ocorrência

Leia mais

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA REGIÃO DA ZONA DA MATA ALAGOANA

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA REGIÃO DA ZONA DA MATA ALAGOANA ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS MINISTÉRIO DE MEIO AMBIENTE - MMA SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO - SRHU PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO

Leia mais

INFORME COMUNICADO. Metas do Pacto pela Vida. Prioridade III, Redução da Mortalidade Infantil e Materna (2011):

INFORME COMUNICADO. Metas do Pacto pela Vida. Prioridade III, Redução da Mortalidade Infantil e Materna (2011): INFORME VIGILÂNCIA ÓBITO FETAL e INFANTIL EDITORIAL Ano III nº 11 Edição: Mensal Novembro/2012 COMUNICA O objetivo desse informe é fornecer informações mensais sobre a vigilância dos óbitos fetais e em

Leia mais

VAGAS CRE Municípios a serem atendidos

VAGAS CRE Municípios a serem atendidos EDITAL DE SELEÇÃO PARA TUTORES A DISTÂNCIA Programa PROINFO INTEGRADO Edital 01/2014 A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte - SEE/AL através da Superintendência de Gestão da Rede Estadual de Ensino

Leia mais

Tribunal de Contas da União. Dados Materiais: Acórdão 351/93 - Segunda Câmara - Ata 43/93 Processo nº TC 200.384/91-0

Tribunal de Contas da União. Dados Materiais: Acórdão 351/93 - Segunda Câmara - Ata 43/93 Processo nº TC 200.384/91-0 Tribunal de Contas da União Dados Materiais: Acórdão 351/93 - Segunda Câmara - Ata 43/93 Processo nº TC 200.384/91-0 Responsáveis: Entidades: Alcione Teixeira dos Santos - Governo do Estado de Alagoas;

Leia mais

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO INTERMUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS APRESENTAÇÃO DO PLANO DE TRABALHO REGIÃO DO SERTÃO ALAGOANO 1º PARTE CAPACITAÇÃO TÉCNICA O que é o Plano de Resíduos? O que é o Plano de Resíduos?

Leia mais

EDITAL CREDENCIAMENTO N.º ARSAL-001/2012 RETIFICADO

EDITAL CREDENCIAMENTO N.º ARSAL-001/2012 RETIFICADO EDITAL CREDENCIAMENTO N.º ARSAL-001/2012 RETIFICADO CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE GUINCHAMENTO DE VEÍCULOS AUTOMOTORES APREENDIDOS PELA ARSAL. EDITAL DE CREDENCIAMENTO N.º ARSAL-001/2012

Leia mais

NOTA TÉCNICA SEMANAL Nº. 52/2014 12 DE JANEIRO DE 2015 Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese

NOTA TÉCNICA SEMANAL Nº. 52/2014 12 DE JANEIRO DE 2015 Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese Assunto: Situação Atual da Dengue em Alagoas. Quadro Síntese Atualmente, o Ministério da Saúde adotou a nova classificação da OMS, que define a dengue como: a) Dengue: paciente que apresente febre com

Leia mais

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015.

Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos. Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. Planos de Resíduos Sólidos: conteúdo mínimo, implantação e deficiências. Compatibilidade dos contratos Porto Alegre, 21 de agosto de 2015. CONTEÚDO 1. Políticas e Planos de Saneamento Básico e de Resíduos

Leia mais

Aspectos Agroeconômicos da Cultura da Mandioca: Características e Evolução da Cultura no Estado de Alagoas entre 1990 e 2004

Aspectos Agroeconômicos da Cultura da Mandioca: Características e Evolução da Cultura no Estado de Alagoas entre 1990 e 2004 ISSN 16781953 Outubro, 2006 93 Aspectos Agroeconômicos da Cultura da Mandioca: Características e Evolução da Cultura no Estado de Alagoas entre 1990 e 2004 ISSN 16781953 Outubro, 2006 Empresa Brasileira

Leia mais

EDITORIAL LISTA DE CAUSAS DE MORTES EVITÁVEIS POR INTERVENÇÃO NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL PARA FAIXAS ETÁRIAS DE 5 A 75 ANOS

EDITORIAL LISTA DE CAUSAS DE MORTES EVITÁVEIS POR INTERVENÇÃO NO ÂMBITO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE DO BRASIL PARA FAIXAS ETÁRIAS DE 5 A 75 ANOS INFORMATIVO VIGILÂNCIA ÓBITO MATERNO E MIF EDITORIAL Nesse informativo estão disponibilizados dados totais do ano de 2012 tais: problemas relacionados a morte materna, lista de evitabilidade do SUS, tabelas

Leia mais

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO

Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Desafios na Implementação do Plano Nacional de Resíduos Sólidos Ricardo S. Coutinho Eng. Sanitarista e Ambiental Técnico Pericial Ambiental do MP-GO Introdução O Plano Nacional de Resíduos Sólidos é um

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Março/2014

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Março/2014 PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Março/2014 Plano Estadual de Resíduos Sólidos Horizonte de atuação: 20 anos; Revisões: a cada 4 anos Estruturação: 1. Panorama dos Resíduos Sólidos do Estado de São Paulo

Leia mais

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS

Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS Definições centrais do Plano Cidades Limpas PLANO REGIONAL DE GESTÃO ASSOCIADA E INTE- GRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PARA O CIRCUITO DAS ÁGUAS setembro 2013 As proposições elencadas neste documento originam-se

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

Política Estadual de Recursos Hídricos

Política Estadual de Recursos Hídricos Política Estadual de Recursos Hídricos ENCOB Maceió, Novembro de 2014 Arcabouço Legal Lei Federal nº 9.433, de jan/1997 institui a Política Nacional de Recursos Hídricos Lei Estadual nº 5.965, de nov/1997

Leia mais

PLANO OPERATIVO ANUAL ESTADUAL

PLANO OPERATIVO ANUAL ESTADUAL PLANO OPERATIVO ANUAL ESTADUAL Unidade Técnica Estadual INSTITUTO DE TERRAS E REFORMA AGRÁRIA DE ALAGOAS - ITERAL Endereço/cidade/UF/CEP /telefone/home Page /e-mail/ AVENIDA DA PAZ, 1.200 - CENTRO CEP.

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Pernambuco - PE Política Nacional de Resíduos Sólidos Pernambuco - PE Desafios 1. Eliminar lixões 2. Eliminar aterro controlado 3. Implantar aterro sanitário 4. Coleta seletiva 5. Compostagem e 6. Logística reversa Legenda

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental

P.42 Programa de Educação Ambiental ANEXO 2.2.3-1 - ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (PMRS) DE PARANAÍTA/MT O roteiro apresentado foi elaborado a partir do Manual de Orientação do MMA Ministério do Meio Ambiente

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS. Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS A atuação do TCE-RS Arq. Andrea Mallmann Couto Eng. Flavia Burmeister Martins BASE LEGAL Lei Federal 11.445/2007 e Decreto 7.217/2010 Lei Federal

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE

POLÍTICA NACIONAL DE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 15/09/2014: implantação - situação atual Joaquim Antônio de Oliveira joaquim.oliveira@mma.gov.br (61) 2028 2504 Resíduos sólidos: um problema de caráter social, ambiental

Leia mais

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE ALAGOAS. Diagnóstico da Gestão de Resíduos Sólidos

PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE ALAGOAS. Diagnóstico da Gestão de Resíduos Sólidos PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE ALAGOAS Diagnóstico da Gestão de Resíduos Sólidos ROTEIRO Iniciativas do Estado de AL para gestão de Resíduos Sólidos Breve explanação sobre o PERS; Apresentação do

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Odair Luiz Segantini ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Odair Luiz Segantini ABRELPE Introdução A ABRELPE ABRELPE Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais, fundada

Leia mais

MUNICÍPIO COORDENADOR (A)

MUNICÍPIO COORDENADOR (A) Água Branca Nélia Jeane Cordeiro Correia Rua Santo Antonio, Nº 30, Centro. Tel: 82-36441231. cadunico.aguabranca@hotmail.com Anadia Cícero Aldo dos Santos da Costa Praça Dr. Campelo de Almeida, S/N, Centro.

Leia mais

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado.

PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. PMGIRS e suas interfaces com o Saneamento Básico e o Setor Privado. Ribeirão Preto, 08 de junho de 2011 Semana do Meio Ambiente AEAARP Associação de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de Ribeirão Preto

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

EDITAL Nº 01/2016, de 07 de janeiro de 2016 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PRESENCIAIS DA UFAL 2016 SISU/MEC-2016.

EDITAL Nº 01/2016, de 07 de janeiro de 2016 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO NOS CURSOS DE GRADUAÇÃO PRESENCIAIS DA UFAL 2016 SISU/MEC-2016. Edital nº 01/2016 PROGRAD/UFAL SISU 2016.1 Serviço Público Federal UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO PROGRAD EDITAL Nº 01/2016, de 07 de janeiro de 2016 PROCESSO SELETIVO PARA INGRESSO

Leia mais

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR

ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI DELEGADA Nº 43, DE 28 DE JUNHO DE 2007. Alterada pela Lei nº 6.952, de 21 de julho de 2008 e pelos Decretos Autônomos n 4.002, de 16 de abril de 2008, n 4.037, de 22 de julho de 2008 e nº 4.051, de

Leia mais

RELAÇÕES DE PREFEITURAS GESTÃO: 2013/2016

RELAÇÕES DE PREFEITURAS GESTÃO: 2013/2016 RELAÇÕES DE PREFEITURAS GESTÃO: 2013/2016 Município: ÁGUA BRANCA Prefeito (a): Albani Sandes Gomes Aniversário: 13 / 05 /1960 www.aguabranca.al.gov.br E-mail da Prefeitura:pm.aguabranca@yahoo.com.br Endereço

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

III-216 PROPOSTA DO PLANO DE REGIONALIZAÇÃO PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO-MG

III-216 PROPOSTA DO PLANO DE REGIONALIZAÇÃO PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO-MG III-216 PROPOSTA DO PLANO DE REGIONALIZAÇÃO PARA A GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA BACIA DO SÃO FRANCISCO-MG Cynthia Fantoni Alves Ferreira (1) Engenheira Civil, Mestre e Doutora em Saneamento,

Leia mais

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988:

Contextualização Constituição Federal de Constituição Federal 1988: de 1988: Plano Intermunicipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PIGIRS Arcabouço legal Constituição Federal de 1988: Artigo 225 Lei Federal Nº 11.445/2007 e Decreto Federal Nº 7.217/2010; Lei Federal Nº 12.305/2010

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOSS LEI Nº N 12.305/2010 DECRETO Nº N 7.404/2010 TRAMITAÇÃO DA PNRS 1989 Projeto de Lei Nº N 354/89 do Senado 1991 Projeto de Lei Nº N 203/91

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS

PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS PREFEITURA MUNICIPAL DE TUCURUÍ PARÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE TUCURUÍ SEMMA / TUCURUÍ PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESIDUOS SOLIDOS URBANOS APRESENTAÇAO O presente documento consolida o diagnóstico

Leia mais

EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DE BAIXA RENDA DO ESTADO DE ALAGOAS

EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DE BAIXA RENDA DO ESTADO DE ALAGOAS EDITAL DE APOIO A PROJETOS DE DESENVOLVIMENTO DOS ARRANJOS PRODUTIVOS LOCAIS DE BAIXA RENDA DO ESTADO DE ALAGOAS A Secretaria de Estado do Planejamento e do Orçamento de Alagoas SEPLAN, no uso de suas

Leia mais

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA

Gestão de Resíduos Secos IV CMMA 1 Resultados da IV Conferência Municipal do Meio Ambiente de São Paulo, 30 e 31 de agosto e 1º de setembro de 2013. Reelaboração Participativa do Plano de Gestão de Resíduos Sólidos - PGIRS / SP - texto

Leia mais

Vigilância em Saúde. Nesta Edição:

Vigilância em Saúde. Nesta Edição: Diretoria de Epidemiológica Gerência de Doenças Imunopreveníveis e Programa de Imunizações Nesta Edição: 1. Perfil da Meningite em Alagoas de 2007 a 2015. 2. Intensificação das Ações de, Prevenção e Controle

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE ALAGOAS TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS

SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE ALAGOAS TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS ESTATUTO SINDICATO DOS BANCÁRIOS E FINANCIÁRIOS DE ALAGOAS TÍTULO I - DA CONSTITUIÇÃO, PRERROGATIVAS, DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS CAPÍTULO I - DO SINDICATO SECÃO I - DA CONSTITUIÇÃO ARTIGO 1º - O

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções

Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Política Nacional de Resíduos Sólidos: perspectivas e soluções Renato Teixeira Brandão Diretor de Gestão de Resíduos Fundação Estadual do Meio Ambiente Políticas de Resíduos Sólidos Política Estadual de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A responsabilidade do setor público frente à geração de resíduos sólidos

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A responsabilidade do setor público frente à geração de resíduos sólidos POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS A responsabilidade do setor público frente à geração de resíduos sólidos Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano SRHU/MMA Brasília, 27 de agosto de 2014.

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS

PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS NOTA TÉCNICA PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PMGIRS Esta Nota Técnica tem o objetivo de reforçar junto aos Municípios do Estado de Pernambuco sobre os Planos Municipais de Gestão

Leia mais

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação

A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação Palestra APHILAV A Política Nacional de Resíduos Sólidos e Sua Regulamentação Tiago José Pereira Neto Eng. Ambiental e de Seg. do Trabalho 20 de junho de 2012 Jornal do Comércio 05/01/2012 Jornal do Comércio

Leia mais

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos

2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos 2 Encontro de Lideranças para Sustentabilidade Territorial de Influência de ITAIPU Binacional e Yacyretá. Política Nacional de Resíduos Sólidos Foz do Iguaçu, 17 de novembro de 2010 Desafios: A produção

Leia mais

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES

PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES PLANO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS: UM DESAFIO COM MAIS OPORTUNIDADES Gustavo Luiz Araújo Souto BATISTA 1, Gustavo Fontes de SOUSA 1, Aristóteles Santos LIRA 1, Felipe Fernandes Duarte de Oliveira LIMA

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DA DEFESA SOCIAL DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL ANTEPROJETO DE LEI

GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DA DEFESA SOCIAL DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL ANTEPROJETO DE LEI 1 GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS SECRETARIA DA DEFESA SOCIAL DELEGACIA GERAL DA POLÍCIA CIVIL ANTEPROJETO DE LEI LEI ORGÂNICA DA POLICIA CIVIL DO ESTADO DE ALAGOAS Maceió, 18 de Março de 2008. 2 ANTEPROJETO

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre RS

Política Nacional de Resíduos Sólidos. Porto Alegre RS Política Nacional de Resíduos Sólidos Porto Alegre RS Data: 04 Julho 2015 Apresentação PNRS: Atores e obrigações Panorama Geral: Implementação da PNRS no Brasil Pesquisa CNM (2015) Sanções PNRS PNRS PNRS

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Adesão NutriSUS/2014. Tabela 1 - Lista dos municípios que aderiram ao NutriSUS

Adesão NutriSUS/2014. Tabela 1 - Lista dos municípios que aderiram ao NutriSUS Adesão NutriSUS/2014 Tabela 1 - Lista dos municípios que aderiram ao NutriSUS IBGE UF Município Quantitativo de crianças por município N de sachê por município N de caixas (cada caixa contêm 30 sachês)

Leia mais

MARCO LEGAL. I) Elaboração do Plano Estadual de ResíduosSólidos. III) Melhoria de Gestão dosresíduossólidos. IV) Educação Ambiental

MARCO LEGAL. I) Elaboração do Plano Estadual de ResíduosSólidos. III) Melhoria de Gestão dosresíduossólidos. IV) Educação Ambiental MARCO LEGAL Decreto Estadual nº 57.817/ 2012 Institui o Programa Estadual de Implementação de Projetos de Resíduos Sólidos. Composto pelos projetos: I) Elaboração do Plano Estadual de ResíduosSólidos II)

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO RIO DE JANEIRO ATO DO PRESIDENTE RESOLUÇÃO CONEMA Nº 56 DE 13 DE DEZEMBRO DE 2013. ESTABELECE CRITÉRIOS PARA A INEXIGIBILIDADE DE

Leia mais

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015

GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Teresina, 12 de junho de 2015 GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS Bertrand Sampaio de Alencar Teresina, 12 de junho de 2015 ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO 1.Marco

Leia mais

Rio de Janeiro, 24 de setembro de 2014.

Rio de Janeiro, 24 de setembro de 2014. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Seminário INMETRO Caminhos da Sustentabilidade I Zilda Maria Faria Veloso Diretora de Ambiente Urbano SRHU/MMA zilda.veloso@mma.gov.br Rio de Janeiro, 24 de setembro

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: Potencialidades, Desafios e sua repercussão nos Estados e Municípios MARIA DIAS

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: Potencialidades, Desafios e sua repercussão nos Estados e Municípios MARIA DIAS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS: Potencialidades, Desafios e sua repercussão nos Estados e Municípios MARIA DIAS UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL s

Leia mais

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços

CHECK LIST - LEVANTAMENTO DE CAMPO. Prestadores de Serviços CHECK LIST LEVANTAMENTO DE CAMPO Prestadores de Serviços Data: 01) Informações sobre cada serviço prestado no gerenciamento de resíduos sólidos: Coleta Domiciliar Multirões Coleta da Capina Coleta Manual

Leia mais

EDITAL/SEE Nº 013/2015

EDITAL/SEE Nº 013/2015 EDITAL/SEE Nº 013/2015 O SECRETÁRIO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso de suas atribuições legais, torna público, para conhecimento dos interessados, a abertura do Processo Seletivo Simplificado para contratação

Leia mais

PLANO DE RECURSOS HíDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO 2016-2025

PLANO DE RECURSOS HíDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO 2016-2025 Foto original: João Zinclar PLANO DE RECURSOS HíDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO 2016-2025 PLANO DE RECURSOS HÍDRICOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO FRANCISCO ATUALIZAÇÃO 2016-2025 RP2

Leia mais

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010

REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 REGULAMENTO DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DECRETO 7.404, DE 23.12.2010 I - Dos objetivos do Decreto Quase cinco meses após a publicação da lei 12.305/10, que instituiu a chamada Política Nacional

Leia mais

Trata Brasil: Saneamento e Saúde no Estado de Alagoas. Sumário Executivo

Trata Brasil: Saneamento e Saúde no Estado de Alagoas. Sumário Executivo Trata Brasil: Saneamento e Saúde no Estado de Alagoas Sumário Executivo 1. Visão Geral A falta de saneamento básico é uma questão que deveria ter sido resolvida no século passado. Atinge hoje 53% da população

Leia mais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais

O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais O CORSAP - Consórcio Público de Manejo de Resíduos Sólidos e de Águas Pluviais Eng. Marcos Montenegro Presidente da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental Seção DF CLÁUSULA 7ª. (Dos

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013)

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO NÚCLEO DE ESTUDO E PESQUISA EM RESÍDUOS SÓLIDOS III SIMPÓSIO SOBRE RESÍDUOS SÓLIDOS III SIRS (2013) Estudo de caso: Diagnóstico do sistema de manejo de resíduos sólidos domiciliares

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE MINAS GERAIS PERS/MG

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE MINAS GERAIS PERS/MG TERMO DE REFERÊNCIA (VERSÃO PRELIMINAR PARA REUNIÃO PÚBLICA DE APRESENTAÇÃO) PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE MINAS GERAIS PERS/MG UNIDADE EXECUTORA: Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM FEAM/PRE/GAB

Leia mais

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010

Carlos R V Silva Filho ABRELPE. agosto/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos: As mudanças que influenciarão o dia a dia das empresas Carlos R V Silva Filho ABRELPE agosto/2010 2 Resíduos Sólidos Urbanos: Situação 3 Quantidade de RSU gerados

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos. João Cesar M. Rando Março/2012

Política Nacional de Resíduos Sólidos. João Cesar M. Rando Março/2012 Política Nacional de Resíduos Sólidos João Cesar M. Rando Março/2012 Visão geral da Política Nacional Lei 12.305/2010 Decreto 7.404/2010 Obrigações Logística Reversa Planos Nacional, Estaduais e Municipais

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESIDUOS SÓLIDOS E A LOGÍSTICA REVERSA

POLÍTICA NACIONAL DE RESIDUOS SÓLIDOS E A LOGÍSTICA REVERSA POLÍTICA NACIONAL DE RESIDUOS SÓLIDOS E A LOGÍSTICA REVERSA Zilda Maria Faria Veloso 1 1 INTRODUÇÃO A Política Nacional de Resíduos Sólidos articula-se com a Política Nacional de Meio Ambiente e com a

Leia mais

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS. Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI

Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS. Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS Associação dos Municípios do Alto Irani - AMAI BOM JESUS - SC PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PMGIRS Fevereiro de 2014 1 Sumário 1.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SANEAMENTO BÁSICO COM FOCO NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ELIMINAÇÃO DOS LIXÕES

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SANEAMENTO BÁSICO COM FOCO NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ELIMINAÇÃO DOS LIXÕES MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SANEAMENTO BÁSICO COM FOCO NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ELIMINAÇÃO DOS LIXÕES SECRETARIA DE RECURSOS HÍDRICOS E AMBIENTE URBANO SRHU/DAU SANEAMENTO BÁSICO DESAFIO

Leia mais