mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le"

Transcrição

1 A Subjectivação da Linguagem Para comunicarem entre si, os homens edificaram, pouco a pouco, no decurso dos séculos, uma massa de sonoridades que constituem a linguagem. Michel Sages As for mas es cri tas da lin gua gem evo lui ram pro gres si va men te, ao lon go de mi lha res de anos, até se cons ti tui rem num com ple xo sis te ma, no qual si nais abs tra tos re pre sen tam sons ar ti cu la dos. Des te com pro mis so mi le nar re sul ta uma re la ção, mais ou me nos cla ra, en tre as coi sas e as no men cla tu ras por que se fa zem re pre sen tar, des te mo do sur gin do a es cri ta co mo um conjunto de sig nos tor na dos re fle xi vos e mui to em bo ra os si nais lin guís ti cos es te jam em buí dos de uma enor me do se de ar bi tra rie da de, exis te de fac to, uma re la ção con ven cio nal pa ra com o sig ni fi ca do que eles sim bo li zam. Mui to em bo ra es ta no ção con tra tual pos sa ser com preendi da e de vi da men te en qua dra da no con tex to lin guís ti co, a ver da de é que mui tos per fe ri ram fi xar lhe cri té rios e ou tros plu ra li zar os seus meios ana lí ti cos. A in ter mi ná vel dis cus são acer ca do pa pel da lin gua gem no fun cio na men to ope ra ti vo cogni ti vo do su jei to, ce do se re ve lou fun da men tal pa ra a com preen são da no ção da im por tân cia das no men cla tu ras. O Crá ti lo de Pla tão inau gu ra, de cer ta for ma, es ta mi le nar con tro vér sia; nes te diálogo sobre a justeza dos no mes, Crá ti lo, cu ja na tu re za he ra cli tia na o im pe le a de fen der, de for ma um pou co obs cu ra, a no ção que ca da coi sa pos sui, na sua na tu re za pró pria, um no me apropria do e não uma no mea ção ar bi trá ria for ne ci da pe lo ho mem; opon do se a Her mó ge nes, pa ra quem os no mes das coi sas são es ta be le ci dos por uma sim ples con ven ção hu ma na. Es ta con tro vér sia não se li mi ta a um me ro es gri mir de po si ções con trá rias, es tas po si ções en cer ram duas for mas com ple ta men te dis tin tas de en ca rar a ver da de ou, pe lo me nos, a pos sibi li da de de co nhe ci men to. Por um la do o co nhe ci men to en con tra va se na pa la vra, da do que es ta pos suía uma es sên cia di vi na; por ou tro la do o co nhe ci men to tor na va se im pos sí vel através da lin gua gem de vi do ao seu ca rác ter com ple ta men te ar bi trá rio. O co nhe ci men to en rre da se pois no cons tan te em ba te en tre es tas duas po si ções, pe lo que Pla tão ten ta co lo car um li mi te à ar bi tra rie da de da lin gua gem, a sua po si ção não se re su me a uma sim ples ne ga ção apo rís ti ca das te ses na tu ra lis ta e con ven cio na lis ta, mas de fen de que am bas re ve lam as pec tos es sen ciais da lin gua gem hu ma na. Ele uni fi ca as te ses de Crá ti lo e de Her mó ge nes, sob a fi gu ra tu te lar de Só cra tes. A lin gua gem en rre da se na sua pró pria teia, ela é pro du to de uma in ven ção e evo lu ção e pre sa des sa ar bi tra rie da de de miur ga; (...) na da obri ga na tu ral men te a ima gem acús ti ca ár vo re a sig ni fi car o con cei to ár vo re (...). [Bar thes, 1997, p.195] A lin gua gem, en quan to ins tru men to, ra di ca o seu pa pel no apri mo ra men to in te lec tual, e vi ve sus pen sa en tre o ver da dei ro e o fal so, o bom e o mau nu ma té nue li nha que ali men ta es ta mi le nar con tro vér sia. Tan to a cria ção dos no mes pri mi ti vos co mo dos de ri va dos im pli ca er ros de jul ga men to, o que in tro duz a fal si da de en tre as pa la vras. Co mo os no mes não são uma re pro du ção exac ta, uma ver da dei ra du pli ca ção, mas a sua na tu re za é a de apre sen tar se me lhan ças par ciais e mo difi cá veis, já que a re pre sen ta ção não dei xa de ser re pre sen ta ção, por acrés ci mo ou sub tra ção, pois o que ela re pre sen ta é um typos, um con jun to de tra ços fun da men tais; há uma ne ces si dade de se en con trar um cri té rio de ver da de pa ra as ima gens ou re pre sen ta ções que po dem ser ou fal sas ou ver da dei ras. Não co mo di zia Her mó ge nes, nem fal sas nem ver da dei ras e tam bém não co mo em Crá ti lo, pa ra o qual eram sem pre ver da dei ras. As sim pa ra Pla tão um ob jec to se ria bem no mea do se to dos os tra ços es sen ciais es ti ves sem pre sen tes no ono ma. Co mo nos no mes ocor rem tam bém le tras dis se me lhan tes que trans mitem ou tro sen ti do, a co mu ni ca ção só é pos sí vel des de que ha ja tam bém um cer to grau de conven ção, já que por ela a re pre sen ta ção se fir ma tan to no se me lhan te quan to no dis se me lhan te. A con ven ção é um ex pe dien te ine vi tá vel que com ple ta a re la ção par cial men te na tu ral com a coi sa no mea da. [Pi qué, 1996] É de vi do a es ta po si ção di co tó mi ca que a lin gua gem se sub jec ti vi za e ao fa zê lo se tor na ob jec to de in con tor ná vel va lor pa ra o pen sa men to mo der no. A ori gem eti mo ló gi ca dos gra fe- 1

2 mas, en quan to ob jec tos ma te riais da lin gua gem, foi de ta lha da men te ana li za da; o fac to de as pa la vras al fa e be ta pos suí rem le tras não con ti das na pró pria le tra, in tro duz um con fli to de iden ti da de da lin gua gem ao ní vel mais ele men tar do gra fe ma. Procurando estes nomes originais, Sócrates faz uma analogia entre as letras como elementos da linguagem e as cores como elementos da pintura, afirmando que tal como um pintor compôe uma imagem combinando uma percentagem de roxo, branco ou outro pigmento, também uma palavra pode ser entendida, em termos das partes que a compôe, as letras. [Drucker, 1999, p.61] 2 A au sên cia de uma uni ver sa lida de nor ma ti va, co lo ca em jo go a ho mo ge nei da de do exercí cio lin guís ti co e vai, des te mo do, abrir o seu es pec tro a dis po si ti vos de rear ti cu la ção in telec tual acer ca do pa pel da es cri ta fo né ti ca. A dis so lu ção do ca rác ter axio má ti co vem de sobjec ti var a re pre sen ta ção fo né ti ca pe la gra fo lo gia, li ber tan do a ver ten te vi sual e até icó ni ca da pró pria es cri ta. O que é uma pa la vra? A re pre sen ta ção so no ra de um es tí mu lo ner vo so. Po rém, de du zir a par tir de um es tí mu lo ner vo so pa ra uma cau sa que nos é ex te rior é já o re sul ta do de uma in correc ta e in de vi da apli ca ção do prin cí pio da ra zão. [Nietz sche, 1996, pp ] A trans po si ção da pro prie da de de um ele men to ner vo so pa ra um ele men to fí si co é de tal mo do ar bi trá ria que a cer te za das de sig na ções não po de ser en ca ra da co mo Ver da de. Quan do afir ma mos que a pe dra é du ra, te re mos ob via men te que re co nhe cer que du ra é uma ex ci ta ção ab so lu ta men te sub jec ti va, pe lo que a coi sa em si, ou se ja, a ver da de pu ra e sem con se quên cias se afi gu ra ina tin gí vel pe la via lin guís ti ca, fa zen do to do o sen ti do ten tar per ceber os li mi tes en tre as per cepções me ta fó ri cas e as suas ex pres sões. Uma es ti mu la ção ner vo sa tra du zi da nu ma ima gem! Pri mei ra me tá fo ra. A ima gem de no vo trans for ma da num som! Se gun da me tá fo ra. E de ca da vez uma trans po si ção com ple ta de uma es fe ra pa ra ou tra to tal men te di ver sa e no va. Po de se ima gi nar uma pes soa com ple tamen te sur da e que nun ca te nha ti do uma sen sa ção do som e da mú si ca: tal co mo ele se es pan ta com as fi gu ras acús ti cas chlad nia nas na areia, en con tra as suas cau sas na vi bra ção das cor das e ju ra rá com ba se nis so sa ber ago ra a que se cha ma som, as sim acon te ce com to dos nós a res pei to da lin gua gem. Jul ga mos sa ber al go das pró prias coi sas quan do fa la mos de ár vo res, co res, ne ve e flo res e, no en tan to, não dis po mos se não de me tá fo ras das coi sas que não corres pon dem de for ma al gu ma às es sen cia li da des pri mor diais. Tal co mo o som en quan to fi gu ra na areia, o enig má ti co X da coi sa em si é to ma do primeiro co mo es ti mu la ção ner vo sa, de pois co mo ima gem, fi nal men te co mo som. [Nietz sche, 1996, pp ] Nietz sche não acre di ta nu ma ló gi ca da pro ve niên cia da lin gua gem e so bre tu do que es ta de ri ve, in ques tio na vel men te, da es sên cia das coi sas. Ali men ta da por uma re to ri ci da de ge nera li za da, ele apon ta a ca rac te rís ti ca her me nêu ti ca do per pec ti vis mo co mo o meio de mi nar os con cei tos fir mes de uma lin gua gem in de pen den te do uso e es tá ti ca no al to da sua di vin da de. Te mos, as sim, dois pon tos a re ter das ideias nietz schia nas: o da re to ri ci da de da lin guagem, que es ta be le ce que a lin gua gem é de ín do le re tó ri ca, ou se ja, que es ta não é um su plemen to de uso que se acres cen ta a uma su pos ta lin gua gem na tu ral, an tes re le va de uma di nâ mi ca que a atra ves sa em to dos os seus usos; o da raiz re tó ri ca do pers pec ti vis mo, da do que a mul ti pli ci da de das in ter pre ta ções é ili mi ta da por que, pre ci sa men te, o uso da lin gua gem não se com pa de ce com ne nhum ti po de cons tri ção for mal que lhe fi xe o sen ti do. É no ca rác ter re tó ri co da lin gua gem que ra di ca, em prin cí pio, a in fi ni tu de das in ter pre ta ções, co mo é pa ra ele que re me te, de fac to, o ca rác ter com bi na tó rio do pers pec ti vis mo. [Car ri lho, 1994, p.16] A lin gua gem é, in du bi tá vel men te, o ele men to ca paz de re ti rar às ideias o man to diá fa no da me ta fí si ca, e de as tor nar cla ras e dis tin tas. Em bo ra sus ten tan do se nu ma ati tu de cla ra men te pers pec ti vis ta e no mea ti va, é à lin gua gem que ca be o pa pel de tor nar a fo né ti ca al go mais que um con tí nuo de rui dos e as per cepções al go mais que um ele men to va go, ne bu lo so e im pre ci so. A as so cia ção de duas coi sas, não se ge ra uni ca men te pe la per cepção de que en tre elas - quer se jam duas for mas con cre tas e de as so cia ção mor fo ló gi ca, quer se ja pre ci sa men te a as so cia ção de uma so no ri da de a uma ima gem - al go exis te de co mum, mas tam bém pe la dis tin ção da na ture za das re la ções re gen tes das as so cia ções. O ca rác ter de as so cia ção não é ex clu si vo das re la ções fo ne ma/gra fe ma, as pró prias pa la vras se in ter li gam e se con ju gam uni das, sim ples men te pe lo sen ti do que de las ema na. Fer di nand de Saus su re for ne ce um exem plo bas tan te ilu ci da ti vo des te pres su pos to - au sen te, afas ta do e dis tan te - mui to em bo ra pos sam pos suir um sen ti do co mum, os sons que pro du zem es tas três de si nên cias não apre sen tam con tu do qual quer ana lo gia de mo do a que a sim ples fun ção fo né tica lhes fi xe o sig ni fi ca do, (...) por is so, to da a de fi ni ção que se fa ça a pro pó si to de uma pa la vra é vã; é um mau mé to do par tir das pa la vras pa ra de fi nir as coi sas. [Saus su re, 1992, p.41] 2

3 O tex to não é, pois, a exul ta ção de uma qual quer teo ria da ver da de, em bo ra de cor ra da quali da de de uma pa la vra ex pres sa ma te rial men te, o seu sig ni fi ca do ori gi ná rio man têm se aber to à cons tru ção das vi vên cias psí qui cas do ser fa lan te, no fun do, à cir cuns tân cia gas settia na do su jei to. Em bo ra pos sa mos re co nhe cer ime dia ta men te, e por con ven ção, o mo de lo de trans missão e seus con teú dos, so men te po de mos, na me lhor das hi pó te ses, es ta be le cer um cer to ní vel de re co nhe ci men to, uma re pre sen ta ção con cep tual do enun cia do. Funções da Mensagem... Há entre as palavras e as coisas uma relação que dá poder sobre as coisas. Maurice Godelier Mui to em bo ra a lin gua gem ti ves se si do uti li za da co mo um meio pa ra con cluir da de fi ni ção das coi sas, in te res sa nos, mui to mais, o mo do co mo ela in ter fe re na teia in dis so lú vel que é a co mu ni ca ção. Os meios de in for ma ção di gi tais, ce do avan ça ram com per ti nen tes ques tões, acer ca do pa pel da co mu ni ca ção nos sis te mas in for ma cio nais, quer no sim ples as pec to de um vi rar de pá gi na di gi tal, quer ain da, co mo um com ple xo sis te ma de hi per na ve ga ção, ao sa bor de uma bri sa lin guís ti ca. A ques tão que se co lo ca, com to da a per ti nên cia, pren de se com os meios pe los quais o uti li za dor iden ti fi ca aqui lo que o pro gra ma dor in cu tiu num qual quer sis te ma de na ve ga ção e in te rac ção, sem uma dia lé ti ca que es ta be le ça es ta união e, isen ta de pa ra do xos, um en ter la çamen to en tre a sig ni fi ca ção e o even to que ad vém des sa in te rac ti vi da de. Es ta in de xa ção das in for ma ções imi ta as as so cia ções das ideias do es pí ri to hu ma no es ta bele ci das atra vés de com ple xas re des de neu ró nios que li gam as cé lu las ce re brais en tre si, mas es ta be le ce es sen cial men te shor tcuts, abrin do per cur sos in te rio res de um tex to di gi tal em gran des mas sas do cu men tais. Se a lin gua gem já não era úni ca men te en ca ra da co mo uma pu ra e sim ples me dia ção en tre a men te e as coi sas, o tex to di gi tal in te rac ti vo, ou hi per tex to (nu ma se gun da fa se o hi per media), cons ti tui um mun do pró prio no uni ver so da lin guís ti ca, no qual um ele men to se re fe re a ou tro ele men to den tro do mes mo sis te ma, de vi do à cons ti tui ção de uma or dem dia lé ti ca. Es te ele men to tor na se fun da men tal pa ra a com preen são das es tru tu ras lin guís ti cas dos siste mas di gi tais e so bre tu do for ne ce um no vo alen to à im pres cin di bi li da de da ti po gra fia nes se mes mo sis te ma. Se vol tar mos a uma abor da gem mais la ta dos sis te mas de lin gua gem, ve re mos, co mo afirma Ricœur que A men sa gem e o có di go não per ten cem ao tem po da mes ma ma nei ra. Uma men sa gem é um even to tem po ral na su ces são de even tos que cons ti tuem a di men são dia cróni ca do tem po, ao pas so que o có di go es tá no tem po co mo um con jun to de ele men tos con tempo râ neos, is to é, co mo um sis te ma sin cró ni co. Uma men sa gem in ten cio nal, é in ten ta da por al guém. [Ricœur, 1995, p.55] Se uma men sa gem é ar bi trá ria, co mo já ti nha mos vis to an te rior men te, o có di go é sis te má ti co e sub li nha o ca rác ter al gé bri co da lin guís ti ca. Em bo ra a as so cia ção do en te e da pa la vra im pli que con jun tos in fi ni tos de in ter pre ta ções e não con du za em si à ver da de, ele po de, quan do nu ma com bi na ção de pa la vras, sig ni fi car al gu ma coi sa. Por es te mo ti vo Ricœur re fe re que O lo gos da lin gua gem re quer, pe lo me nos, um no me e um ver bo e é o en ter la ça men to des tas duas pa la vras que cons ti tui a pri mei ra uni da de da lin gua gem e do pen sa men to. [Ricœur, 1995, p.53] Mes mo as sim, es ta pre ten ção à ver da de te rá que ser ve ri fi ca da ca so a ca so, se bem que in tro duz a com po si ção de gra fe mas, os mor fe mas, co mo ele men tos im pres cin dí veis na pro cura de uma ra cio na li da de na dia lé ti ca su jei to ob jec to. Ain da que a pro cu ra de uma ver da de se ja im por tan te na per pec ti va da re la ção en tre o ser e as coi sas, no do mí nio do tex to di gi tal ela não pos sui gran de re le vân cia, mui to em bo ra se ja im portan te ve ri fi car até que pon to po de o su jei to ela bo rar uma in de xa ção cla ra e, o mais pos sí vel, li vre 3

4 de equí vo cos, en tre o item e o tex to que lhe diz res pei to. Po de mos ter uma per cepção mais pre ci- sa, ou ain da uma per cepção mais va ga, que po de mes mo ser pu ra men te con tra tual, ar bi trá ria e até mes mo ideos sin crá ti ca, o que não e su por tá vel é a au sên cia de qual quer per cepção. Nos sis te mas de na ve ga ção hi per tex tuais es ta re la ção es ta be le ce se de um mo do ab so lu tamen te lin guís ti co, por que pe la ana lo gia ele per mi te per cur sos trans ver sais de na ve ga ção. Es te vi rar de pá gi na as sen ta nu ma re la ção de uma pa la vra, fra se ou sig no, imi tan do o fun cio na mento de uma me mó ria as so cia ti va emi nen te men te bio ló gi ca. Do pon to de vis ta in for má ti co, o hi per tex to é, com efei to, um hí bri do que trans gri de as fron tei ras es ta be le ci das. Apoia se no mé to do das ba ses de da dos, mas subs ti tui as téc ni cas tra di cio nais de in ter ro ga ção, por vias de aces so di rec to aos da dos. Apoia se, tam bém, num es que ma de re pre sen ta ção dos co nhe ci men tos, um ti po de re de se mân ti ca que mis tu ra ma teriais tex tuais pou co or ga ni za dos com ope ra ções e pro ces sos mais for mais e au to ma ti za dos. Apoia se, por fim, nos pro ce di men tos de li ga ção de in ter fa ces in tui ti va, qua se ges tual. Zo nas ac ti vá veis e bo tões de co man do que se ma ne jam com o de do co mo in ter rup to res elé tri cos, as so ciam en tre si uni da des de in for ma ção: as li ga ções la ten tes são en gre na das e ac tua li za das pe lo uti li za dor. [Lau fer et Sca vetta, p.70] O mo de lo es tru tu ral do hi per tex to tem ori gem nu ma or dem hie rár qui ca que pri ve li gia e le gi ti ma a com preen ção do even to pe lo su jei to. Con tu do, a he te ro ge nei da de do gra fe ma apresen ta se com ou tras pos si bi li da des com bi na tó rias aber tas por opo si ção a ou tras en ti da des. Es ta vo la ti li da de da pa la vra po de, cla ra men te in du zir em er ro, con du zir a ca mi nhos não pre ten di dos, no fun do, es ta be le cer um pa drão lin guís ti co dis for me. As sim com preen de se a subs ti tui ção ope ra da por Ricœur da pa la vra pa ra lín gua, es ta abor da gem bi di men sio nal, vi sa so bre tu do per mi tir uma maior cla ri fi ca ção dos ob jec tos e seus con teú dos, des ti tuin do os de uma cer ta do se de er ro nei da de e (...) sa lien tar a es pe ci fi ci da de des ta no va uni da de em que se apoia to do o dis cur so, mas tam bém le gi ti mar a dis tin ção en tre se mió ti ca e a se mân ti ca co mo as duas ciên cias que cor res pon dem a duas es pé cies de uni da des ca rac te rís ti cas da lin gua gem, o sig no e a fra se.[ricœur, 1995, p.58] A trans po si ção da ex pres são vo cal, fi sio nó mi ca e ges tual, pa ra a es cri ta é uma rea li za ção fas ci nan te; o fac tor hu ma no des va ne ce se e ago ra so men te as mar cas ma te riais for ne cem a sua men sa gem. A ins tân cia tem po ral, o even to, ora apa re ce ora de sa pa re ce e so men te uma es tru tu ra en ri que ce do ra e atem po ral de sig nos e fra se, po de rá do ra van te fi xar o sen ti do do dis cur so en quan to ser ma te rial. Língua Versus Fala No princípio era a Palavra e a Palavra estava com Deus e a palavra era Deus. Bíblia Co me ça se, des te mo do, a ge rar a su pe ra ção da fo né ti ca pe la pro cu ra gra fo ló gi ca, sen do que as sen sa ções de va lor co mum di tam o em pre go se me lhan te das ex pres sões. Num con tex to ca tas tró fi co de trans mis são o subs tra to dos si nais es cri tos é a úni ca coi sa que re sis te à corrupção. O tex to es cri to as se gu ra du ra ção à pa la vra, que no me dium pou co só li do da voz se vo la ti li za; a de ci fra ção de ve pre ce der a in ter pre ta ção. [Ha ber mas, 1998, p.160] Quan do Saus su re se re fe re à lin guís ti ca sin cró ni ca, ou se ja, as re la ções en tre ter mos coe xisten tes de uma lín gua num da do es ta do, em dis tin ção com a lin guís ti ca dia cró ni ca na qual os ter mos se subs ti tuem su ces si va men te, uns aos ou tros, no tem po; ele es tá a en ca rar a lín gua co mo al go em per ma nen te de vir, dei xan do an te ver que es ta su jei ção da lín gua à mu dan ça se ve ri fi ca por que, de quan do em vez, ao lon go dos tem pos, al go es ca pa subi ta men te ao có di go re gen te. Es te im pul so de ino va ção lin guís ti ca re si de subs tan cial men te no uni ver so do acon teci men to - da fa la - e não no uni ver so da es tru tu ra - da lín gua-. A lin gua gem de ve pois ser en ten di da na sua di co to mia lín gua/fa la, ora nu ma re pre sen ta- 4

5 ção dos di ver sos as pec tos so ciais, cul tu rais e co di fi ca dos da lín gua, ora na ac ção in di vi dual e per so na li za da da fa la. A lín gua e a fa la, não são con tu do ele men tos de opo si ção e con fron to, an tes man têm en tre si es trei tos la ços de re la cio na men to e se por um la do a fa la (en quan to veí cu lo fo né ti co) pre ce de a lín gua e aju da na sua cons tru ção se cu lar, por ou tro la do a lín gua es ta be le ce o pla no de ac ção in te li gí vel da fa la as su min do se co mo o ele men to uni fi ca dor de to da a lin gua gem. A atri bui ção saus su ria na do pri ma do da lín gua so bre a fa la no es tu do da lin gua gem, de riva es sen cial men te das vo la ti li da des do dis cur so fo né ti co, e mui to em bo ra es sas vo la ti li da des mais não se jam que ele men tos cons ti tuin tes de um enor me im pul so cria ti vo ex pon tâ neo e trans mu ta dor, é à lín gua que ca be o pa pel de fi xa dor das for ma ções so no ras da es fe ra do fo né ti co. De mo do a cla ri fi car es ta di co to mia, Saus su re ela bo rou qua tro pon tos de aná li se da de fi ni ção dos fac tos da lin gua gem: Re ca pi tu la re mos os ca rac te res da lín gua: 1º Ela é um ob jec to bem de fi ni do no con jun to he te ró cli to dos fac tos da lin gua gem. Po demos lo ca li zá la no mo men to de ter mi na do do cir cui to em que uma ima gem au di ti va se vem as so ciar a um con cei to. É a par te so cial da lin gua gem, ex te rior ao in di ví duo, e es te, por si só, não po de criá la nem mo di fi cá la; ela só exis te em vir tu de de um con tra to fir ma do en tre os mem bros da co mu ni da de. Por ou tro la do, o in di ví duo tem ne ces si da de de uma apren di za gem pa ra lhe co nhe cer as re gras; a crian ça só pou co a pou co a as si mi la. Ela é de tal mo do uma coi sa dis tin ta que um ho mem pri va do do uso da fa la con ser va a lín gua, des de que com preen da os sig nos vo cais que ou ve. 2º A lín gua, dis tin ta da fa la, é um ob jec to que se po de es tu dar se pa ra da men te. Já não fa la mos as lín guas mor tas, mas po de mos mui to bem as si mi lar o seu or ga nis mo lin guís ti co. A ciên cia da lín gua não só po de pas sar sem os ou tros ele men tos da lin gua gem co mo exi ge, pa ra po der fun cio nar, que eles não en trem nos seus do mí nios. 3º Ao pas so que a lin gua gem é he te ro gé nea, a lín gua as sim de li mi ta da é de na tu re za ho mogé nea: é um sis te ma de si nais on de o es sen cial é ape nas a união do sen ti do e da ima gem acústi ca e on de as duas par tes do sig no são igual men te psí qui cas. 4º A lín gua é, tal co mo a fa la, um ob jec to de na tu re za con cre ta, e is to é mui to van ta jo so pa ra o seu es tu do. Os sig nos lin guís ti cos, ape sar de se rem es sen cial men te psí qui cos, não são abs trac ções; as as so cia ções ra ti fi ca das pe lo con sen ti men to co lec ti vo, e cu jo con jun to cons titui a lín gua, são rea li da des que têm a sua se de no cé re bro. Além dis so, os sig nos da lín gua são por as sim di zer tan gí veis; a es cri ta po de fi xá los em ima gens con ven cio nais, mas se ria im possi vel fo to gra far em to dos os seus por me no res os ac tos da fa la; a fo na ção de uma pa la vra, por pe que na que se ja, con sis te nu ma in fi ni da de de mo vi men tos mus cu la res, ex tre ma men te di fíceis de co nhe cer e de re pre sen tar. Pe lo con trá rio, na lín gua há ape nas a ima gem acús ti ca que se po de tra du zir nu ma ima gem vi sual cons tan te. Por que a ima gem acús ti ca exi ge, quan do a rea li za mos na fa la, uma quan ti da de de mo vi men tos. Mas, se abs trair mos dis to,ela não é mais do que a so ma de um nú me ro li mi ta do de ele men tos ou fo ne mas, cor res pon den tes aos sig nos uti li za dos na es cri ta. É es ta pos si bi li da de de fi xar os fac tos re la ti vos à lín gua que per mi te que um di cio ná rio e uma gra má ti ca a re pre sen tem fiel men te, uma vez que a lín gua é a de po si tá ria das ima gens acús ti cas e a es cri ta a for ma tan gí vel des sas ima gens. [Saus su re, 1992, pp.41-42] Mui to em bo ra se ja uma ac ção in di vi dua li za da, já se per ce beu que a fa la não po de trans gredir o có di go de ter mi na do pe la lín gua, po de mo vi men tar se den tro des se có di go mas sem o ul tra pas sar. A im por tân cia da fo né ti ca no do mí nio da lin gua gem não se li mi ta à sua con di ção de bi to la in ter pre ta ti va e re pre sen ta ti va sob a con di ção de gra fe ma, ela, en quan to som pu ro, pos sui ca pa ci da des que se pro lon gam mui to pa ra além des sa con di ção. O pa pel ful cral da fo né ti ca no do mí nio da co mu ni ca ção vai re flec tir se, de um mo do in ques tio ná vel no pró prio gra fe ma. Se o gra fe ma não se li mi ta, em abo no da ver da de, a uma mi mé sis da fo né ti ca, a sua ca pa ci da de úni ca de ex ci tar os sen ti dos é ho je, em gran de par te, de vi da à ex pon ta nei da de fó ni ca que de le ema na. A es tru tu ra bi li da de do tex to re si de no gra fe ma; é ele que con fe re ao tex to a sua au to no mia; o tex to é um or gão só li do, um ser vi ven te que, ao as su mir se co mo char nei ra da di co to mia lín gua/fa la, as se gu ra a sua in de pen dên cia em re la ção a to dos os su jei tos, fi xan do o sis te ma de sig nos que é a lin gua gem, ge ran do va ria dos vec to res de co mu ni ca ção. É pois, na es cri ta, que re si de a per ti nên cia dos mo de los men tais, uma es pé cie de pro gra ma ção hu ma na orien ta da pa ra o gra fe ma, o qual es tru tu ra as in te rac ções e a re ci pro ci da de da men sa gem. 5

6 A Escrita O grafismo, a escrita em sentido lato, não tem como primeira vocação rebobrar a oralidade da cena vista. É uma realidade autónoma. Pierre Lévy A es cri ta de ve ser, pois, en ca ra da co mo o úni co veí cu lo ca paz de fa zer per du rar o sen ti do das coi sas, as sim co mo uni fi car es se mes mo sen ti do com ou tros es cri tos, e não co mo fun da men to de uma qual quer ver da de dos ob jec tos e do mun do. Te mos des te mo do uma no va su pe ra ção, já anun cia da an te rior men te, mas ago ra de fi ni ti vamen te ex pos ta: a su pe ra ção quer da fa la en quan to veí cu lo do dis cur so, quer da lín gua en quan to pro du to da re fle xão se mio ló gi ca e con se quen te men te en quan to re gen te da fun ção in ter pre ta tiva do que é di to, pe la ins cri ção do al fa be to, o lé xi co e a gra má ti ca, nu ma pa la vra: a es cri ta. Quan do a fa la se trans mu ta em es cri ta, dá se a se pa ra ção en tre o lo cu tor e a pró pria signi fi ca ção do tex to, e is to é tão mais im por tan te, quan to o re sul ta do é a au to no mia se man ti ca do pró prio tex to. Uma no va ta re fa her me nêu ti ca se im pôe, na me di da em que se ope ra uma reac ção à tra di ção, que des de Pla tão, con fe re o pre vi lé gio da co mu ni ca ção à vo ca li za ção, ao diá lo go fa la do. A ins cri ção tor na se si nó ni mo de au to no mia se mân ti ca do tex to, que re sul ta da des co nexão da in ten ção men tal do au tor re lac ti va men te ao sig ni fi ca do ver bal do tex to. Em re la ção ao que o au tor quis di zer e ao que o tex to sig ni fi ca. O per cur so do tex to sub trai se ao ho ri zon te fi ni to vi vi do pe lo seu au tor. O que o tex to sig ni fi ca in te res sa ago ra mais do que o au tor quis di zer quan do o es cre veu. [Ricœur, 1995, p.79] Um pro ble ma de ve rá pois, ser re co nhe ci do. Nes ta pas sa gem, a for ça ilo cu tó ria e per lo cutó ria dos ac tos da fa la des va ne ce se, sur gin do a ti po gra fia co mo ele men to di na mi za dor do tex to, in cu tin do lhe for ça, me ta mor fo sean do a es cri ta, não co mo re du pli ca ção do es cri to, mas sim co mo ins cri ção de um uni ver so fó ni co. Es te sur gi men to é de ve ras im por tan te, pois apon ta um no vo ru mo nas ca rac te rís ti cas gra fo ló gi cas dos in ter fa ces; o sur gi men to de uma es cri ta pos ta em mo vi men to, nu ma cla ra for ma li za ção do mo vi men to da es cri ta, cam pos de tex to per fei ta men te mu tá veis, ca pa zes de pro du zir mi ría des de efei tos, a ti po gra fia co mo per so na gem e per so na li da de in te rac ti va, uma ti po gra fia que de ori gem fó ni ca se re ve la ideo grá fi ca, ca paz de ex ci tar os sen ti dos, mas so bretu do es ta be le cer no vas re des se mân ti cas e se mió ti cas com o su jei to, po ten cian do o tex to e abrin do ca mi nho a uma no va re la ção di gi tal en tre sig ni fi ca do e sig ni fi can te. Es ta mo de la ção es pa cio tem po ral, tal co mo a voz, é vo lá til, re ple ta de cam pos de for ça, íco nes e, so bre tu do, uma es cri ta in de cal cá vel da lin gua gem fa la da, uma es cri ta que pe la ti pogra fia al can ce o es ta tu to de trans lin gua gem. Tra ta se, pois, de al go com ple ta men te di fe ren te do hi per tex to ou do mul ti mé dia in te racti vo, que se con ten tam em mo bi li zar, e co lo car em re de, as an ti gas for mas de re pre sen ta ção que são o al fa be to e a ima gem re gis ta da. Com a ideo gra fia di nâ mi ca, vi sa mos uma lin gua gem que te ria si do ini ma gi ná vel an tes do de sen vol vi men to da mi cro in for má ti ca ami gá vel, uma lin gua gem in trin se ca men te li ga da às ca pa ci da des de me mó ria e de in te rac ção do com pu ta dores con tem po râ neos, que só atin gi rá a sua di men são ple na, na fu tu ra re de di gi tal in te gra da de ban da lar ga. [Levy, 1997, p.15] Evi den te men te, nes te pro ces so, a ti po gra fia en quan to al fa be to não se li mi ta a trans cre ver o som, ela ga nha, pe lo in ter fa ce, uma ca pa ci da de sen só rio mo to ra, tor nan do se ora ideo grá fica, ora lo go grá fi ca, em su ma, tor na se uma es cri ta na tu ral que, não su jei ta à pu ra trans cri ção da fa la, se cons troi a si pró pria co mo um ele men to de in ter pre ta ção lin guís ti ca e cog ni ti va. A es cri ta tor na o que foi di to in de pen den te do es pí ri to do au tor e da res pi ra ção do des tina tá rio, bem co mo da pre sen ça dos ob jec tos dis cu ti dos. O me dium da es cri ta con fe re ao tex to uma au to no mia lí ti ca em fa ce de to dos os con tex tos vi vos. Ela apa ga as re fe rên cias con cre tas a su jei tos sin gu la res e si tua ções de ter mi na das e con ser va a le gi bi li da de do tex to. A es cri ta ga rante que um tex to pos sa ser sem pre de no vo li do em con tex tos que se mo di fi cam ar bi trá ria mente. O que fascina Derrida é a representação de uma legibilidade absoluta - mesmo na ausência de todos os possíveis destinatários, após a morte de todos os seres inteligíveis, o texto mantém aberta, em heróica abstração, a possibilidade de uma leitura reiterável, a qual transcende tudo 6

7 o que é intramundano [Ha ber mas, 1998, p.161] Te mos en tão a ti po gra fia co mo a par te ma te rial de um sis te ma de co mu ni ca ção ca paz de ofe re cer uma ou tra di men são à lín gua, tor nan do-a, pe la re la ção sig ni fi ca do sig ni fi can te, um pro ces so de nar ra ção e na ve ga ção síg ni ca, que não re cor re uni ca men te à via ló gi co sin tá ti ca. Fonema Versus Grafema; Grafema Versus Morfema... Com uma simples palavra e mais nada, com um simples olhar, com o silêncio e mais nada. Raul Brandão As sen te nu ma evo lu ção pro gres si va, quer dos ma te rias e téc ni cas, quer so bre tu do do ser hu mano en quan to ob jec to e su jei to da lin gua gem, a ti po gra fia tor nou se um ele men to de in con tor nável va lor nas so cie da des de co mu ni ca ção; ca da ca rac ter é, in ques tio na vel men te, a par te vi sí vel de uma pro du ção so no ri za da pe lo pa la to, lá bios, lín gua or gão, na riz; o uso dos ins tru men tos da fa la foi im pres cin dí vel pa ra que o al fa be to oci den tal se ja o que é ac tual men te. Mui to em bo ra a ana to mia do ti po pos sua re sí duos on to an tro po ló gi cos (pé, ore lha, cor po, etc), ac tual men te a ti po gra fia re le va mui to mais do seu ca rác ter emi nen te men te fó ni co, descons truin do os ideais re nas cen tis tas e an tro po cen tris tas, co lo can do o veí cu lo fó ni co ao ser viço de uma trans mu ta ção ti po grá fi ca, sem con tu do cair no abis mo do fo no cen tris mo. A gra má ti ca da cons tru ção ti po grá fi ca con tem po râ nea é in ques tio na vel men te fó ni ca, mas é so men te en quan to gra fe ma que as su me to da a sua pu jan ça. O ca rác ter an tro po mór fi co da ti po gra fia deu lu gar a um cen tro de so no ri da des que se atro pe lam, de ca riz mar ca da men te psi co ló gi co. Nes tas ti po gra fias psi co acús ti cas, o pé, a ore lha, o cor po, ou tro ra apo lí neos, dão lu gar a uma mas sa dis for me co mo se as on das so no ras pro vo ca das por ca da ca rac ter, quan do pro nuncia do, se fi zes sem sen tir na sua pri mo gé ni ta grá fi ca. Der ri da es ta va con ven ci do que a es cri ta fo né ti ca era li mi ta da, pro ce den do en tão a uma su pe ra ção da me ta fí si ca sob a for ma de uma in ves ti ga ção gra ma to ló gi ca. Se a fo né ti ca vo la ti liza a lin gua gem, não é me nos ver da de que tam bém fo men ta ima gens, pe lo que a ti po gra fia, usada de um mo do in tei ra men te di nâ mi co, pos si bi li ta a cons tru ção de no vas ima gens ce re brais, ima gens mais en fá ti cas e mais ri cas, ul tra pas san do a fo né ti ca e a pró pria gra fo lo gia. Os ar ran jos for mais da men sa gem são a pe dra de to que da com po si ção ti po grá fi ca, agindo não so men te no gra fe ma, mas so bre tu do no mor fe ma, pos si bi li tan do à ti po gra fia tri via lizar, re jei tar e afir mar os con teú dos, po den do ain da apoiar a cons tru ção ima gé ti ca do pró prio gra fe ma que, se se gun do Der ri da é tes ta men tá rio, com a no va abor da gem tor nar se-á in fi ni ta men te in ter pre ta ti vo, pe lo que a ti po gra fia ac tua rá, do ra van te co mo a com po nen te ideo lé ti ca e su per la ti va da lin gua gem vi sual. Mui to em bo ra a ti po gra fia se mo va den tro de um có di go, o qual de ter mi na o mo do co mo se cons ti tuem quer os gra fe mas quer o mor fe mas, ela po de mo vi men tar se nes se có di go, ma nobran do-o e/ou de ci fran do-o. O có di go as su me se pois, co mo o ele men to uni fi ca dor dos sig ni fi ca dos da lin gua gem, e mui to em bo ra se ja su fi cien te men te la to pa ra per mi tir uma cer ta ma nu sea bi li da de, pos sui um lim bo de in te li gi bi li da de. Uma pes soa di rá: <<Dói me a ca be ça>>. Ou tra: <<Te nho do res de ca be ça>>. 7

8 Uma ter cei ra, mais pre cio sa: <<So fro na par te su pe rior do meu cor po>>. Mas nin guém di rá: <<Te nho uma doen ça ca pi tal>>, ou <<Te nho uma doen ça su pe rior>> por que is so se ria sair do có di go e tor nar se in compreen sí vel. [Sa ges, 1969, p.26] O efei to es tru tu ral da lin gua gem com preen de uma boa do se de sig ni fi ca ção, que não per mita ao su jei to lin guís ti co ex tra va sar a uni vo ci da de da pró pria lin gua gem. Es te efei to re co nhe ce ele men tos que não po dem ser subs ti tuí dos sem que com is so se de for me o enun cia do. Se, por exem plo, ten tas se subs ti tuir a pa la vra Eu tal co mo apa re ce num enun cia do, pe lo que jul go ser o seu con teú do con cep tual ob jec ti vo ( to da a pes soa que, ao fa lar, se de sig na a si mes ma ), che ga ria a ab sur di da des. Em vez de es tou con ten te, te ria to da a pes soa que, ao fa lar, se de sig na a si mes ma es tá con ten te. sem pre que tal subs ti tui ção de for ma o enun cia do, es ta mos pe ran te uma ex pres são es sen cial men te sub jec ti va e oca sio nal, cu jo fun cio na men to con ti nua a ser in di ca ti vo. [Der ri da, 1996, p.111] Es te as pec to re fe ren cia do por Jacques Der ri da, mui to em bo ra te nha co mo ob jec ti vo perce ber que de ter mi na das es tru tu ras não po de rem ser subs ti tui das pe las suas re pre sen ta ções con cep tuais, dei xa per ce ber o fe nó me no con tra tual que ha bi ta a lin gua gem. Evi den te men te, a ti po gra fia to ma aqui um va lor ines ti má vel, pois ela en quan to sis te ma vi sí vel e ma te rial da fa la, não se li mi ta a exe cu tar uma tranpo si ção ima cu la da dos meios nos quais a voz hu ma na, a fa ce e os ges tos, se subs ti tuem por si nais grá fi cos di fe ren tes do pró prio cor po do in di ví duo. Ela trans for ma o Eu do so li ló quio, num Eu in de pen den te des se mes mo Eu; um Eu de fi xa ção grá fi ca, que, na mor te des se pró prio EU, ain da se as su ma co mo veí cu lo pro du tor de sig ni fi ca dos. Do Significado e Significante O dedo mais que dedo dos meus dedos este undécimo dedo dos meus dedos clarividente cego entre os meus dedos conhece-te melhor que os meus dedos. David Mourão-Ferreira A lín gua as su me se en tão co mo um sis te ma or ga ni za do de sig nos de du plo as pec to: sig ni fi cado e sig ni fi can te; o pri mei ro per cep tí vel e au dí vel, o se gun do pro du to do pri mei ro e con ti do nes te. Aqui to ca se um pon to fun da men tal da aná li se lin guís ti ca, pois de um la do te mos a se mio lo gia abor dan do a lin gua gem pe lo seu la do sig ni fi can te re fe rin do se aos sig ni fi ca dos, de ou tro la do te mos a se mân ti ca que se in tro duz nos sig ni fi ca dos ob ser van do os sig ni fi can tes. A per fe rên cia saus su ria na pe lo uso do sig no em prol do sím bo lo, de ve se ao seu du plo ca rác ter de sig ni fi can te e sig ni fi ca do, pois o sig no com por ta um ca rác ter con tra tual de re la ciona men to en quan to o sím bo lo, pe la sua ri que za múl ti pla ul tra pas sa a ex ten ção sig ni fi can te. O sig ni fi ca do não é a coi sa pro pria men te di ta, mas an tes a re pre sen ta ção men tal da coi sa, a ideia. [Sa ges, 1969, p.30] To da a lín gua es tá or ga ni za da de mo do a per mi tir a tro ca de sig nos, ou se ja, a co mu ni ca ção es ta be le ce se por meio de sig ni fi ca dos e sig ni fi can tes, e so bre tu do pe la po si ção que os sig nos to mam em re la ção aos ou tros. A re la ção en tre sig ni fi ca do e sig ni fi can te não é de mo do al gum es tá ti ca, mas di nâ mi ca e so bre tu do dia lé ti ca. (...) eu es tou na bar bea ria, dão me um nú me ro de Pa ris Match. Na ca pa, um jo vem ne gro ves ti do com um uni for me fran cês faz a sau da ção mi li tar, com os olhos er gui dos, fi xa dos cer ta men te nu ma pre ga da ban dei ra tri co lor. Es se é o sen ti do da ima gem. Mas, quer eu se ja ou não in gé nuo, ve jo bem o que ela me sig ni fi ca: que a Fran ça é um vas to Im pé rio, que to dos os seus fi lhos, sem dis tin ção de cor, ser vem fiel men te sob a sua ban dei ra, e que não há me lhor res pos ta aos de trac to res de um pre ten so co lo nia lis mo do que o ze lo des te ne gro em ser vir os 8

9 seus pre ten sos opres so res. En con tro me pois, ain da aqui, pe ran te um sis te ma se mio ló gi co pri ve li gia do: há um sig ni fi can te, for ma do já, ele, de um sis te ma pré vio (um sol da do ne gro faz a sau da ção mi li tar fran ce sa); há um sig ni fi ca do (que é aqui uma mis tu ra in ten cio nal de france sis mo e de mi li ta ris mo); e há, en fim, uma pre sen ça do sig ni fi ca do atra vés do sig ni fi can te. [Bar thes, 1997, p.187] Es ta teo ri za ção (préviamente enun cia da por Saus su re) im pli ca que o es tu do do sig ni fi ca do não se ria uni ca men te o re ver so do sig ni fi can te, mas que a afi ni da de me to do ló gi ca des ta aná li se co lo ca ria am bos num pla no equi ta ti vo. So men te as sim se com preen de a am bi gui da de e a mul tipli ci da de de sig ni fi ca dos, pois a re ci pro ci da de en tre sig ni fi ca do e sig ni fi can te a is so obri ga. Ve ja mos ca sos con cre tos: - por um lado os si nó ni mos exis tem pa ra nos re cor dar que um mes mo sig ni fi ca do pos sui sig ni fi can tes de ve ras di fe ren cia dos (ex: que brar / par tir), e por seu la do os ho mó ni mos re me tem nos pa ra um sig ni fi can te com sig ni fi ca dos di fe ren tes (ex: ser ra, en quan to ele va ção de ter re no / ser ra, en quan to ins tru men to de cor te). Es ta é in du bi tá vel men te a pe dra de to que de to do o co nhe ci men to, e co mo tal per fei tamen te adap tá vel ao nos so pro ble ma ful cral, pois ve ja mos: o som de uma le tra - por exem plo o T - é cons trui do pe lo mo do co mo a lín gua or gão to ca os den tes, ora co mo es ta re la ção en tre som e ideia, ou sig ni fi ca do e sig ni fi can te, é ar bi trá ria, es se mes mo som po de ria fa cil men te ser re pre sen ta do por ou tro qual quer si nal, por exem plo o D ou %. Por is so o T é um T porque não é o A ou o B. Uma qual quer coi sa É, por que não É ou tra coi sa den tro do sis te ma. Des ta ca se as sim a re la ção sig ni fi ca do/sig ni fi can te, o va lor do T é ne ga ti vo en quan to vis to na per pec ti va do sig ni fi ca do, tor nan do se po si ti vo quan do ob ser va do nu ma co ne xão dos dois sis te mas. Is to é ain da mais im por tan te quan do os sis te mas de lin gua gem di gi tais funcio nam num me dium idên ti co, ON/OFF, 0 (ze ro) e 1 (um), po si ti vo/ne ga ti vo, no qual o ze ro é ze ro por que não é o um e vi ce ver sa. In te res sa de so bre ma nei ra es ta ar bi tra rie da de, pois ela per mi te nos com preen der a ver da dei ra fun ção dos ele men tos mais par ti cu la res do es tu do lin guís ti co: as le tras, as quais ana li za re mos de mo do de ta lha do mais adian te. Con vém con tu do não es que cer que, quer es ta ar bi tra rie da de, quer a fun ção dia lé ti ca sig ni fi ca do sig ni fi can te, se as su mem co mo ele men tos fun da men tais pa ra uma me lhor com preen são do va lor e pa ra me lhor de fi nir um ti po. Nu ma en tre vis ta con ce di da à re vis ta nor te ame ri ca na EMI GRE, Nick Bell co men ta va o ca rác ter de le gi bi li da de de um ti po, as sim co mo ana li za va mi nun cio sa men te a con sis tên cia da uni da de ti po grá fi ca: Se pa ra o Jo nh Ca ge, a mú si ca po de ser o som de um car ro que pas sa, en tão o mo tor do car ro é vis to co mo um ins tru men to, da mes ma for ma quan do Ro bert Rau chenberg pro du zia a sua obra in ti tu la da Au to mo bi le Tyre Print, fa zen do pas sar um car ro por ci ma de uma te la, tor nou o car ro um meio de im pres são. (...) as sim, a ti po gra fia não ne ces si ta de ser le gí vel mas so men te re co nhe cí vel, lo go as mar cas que fa ço com uma fa ca num pa pel, po dem ser con si dera das um al fa be to e a fa ca com que as fiz um ins tru men to de im pres são. Es te anun ciar de uma certa rup tu ra epis te mo ló gi ca, per mi te per ce ber que exis te um grau de abs tra ção cons tan te em to do o sis te ma de lin gua gem, e que é es se mes mo grau que vai exercer o fas cí nio das for mas vi suais. O ho mem en quan to su jei to fe no mé ni co dei xa se pos suir por um ma nan cial de per cepções, per cepções es sas que vão cons truin do o pró prio ho mem, pou co a pou co, e a evo lu ção hu ma na não se pro ces sa ahis tó ri ca men te mas sim den tro das li mi ta ções que o pró prio ho mem de fla gra. O que é...? E o que é en tão um ti po? Aqui lo que o ho mem em pres ta, em de ter mi na da al tu ra, à na tu re za da ti po gra fia? O que a na tu re za da ti po gra fia em pres ta ao ho mem? O ti po não exis te pois se não na qui lo que o ho mem de se jar, de on de se in fe re que é nes ta or dem dia lé ti ca, en tre sig ni fi ca do e sig ni fi can te, que se es ta be le cem to das as vi sões que o su jei to tem das coi sas. (...) uma le tra ti po grá fi ca po de su por tar flu tua ções for mais ao mes mo tem po per fei ta mente per cep tí veis e ir re le van tes pa ra o co nhe ci men to da re fe ri da le tra. [Mo les, 1982, p.309] 3 Um ti po de le tra dei xou de ser um ele men to as sép ti co no tex to, ele, en quan to pro du to e es sên cia do gra fe ma, so bre vi ve à ma té ria do di zí vel, as su me se cla ra men te co mo ves tí gio de um es pí ri to de sa pa re ci do, com ba ten do o tex to as se xua do e an dró ge no. Mui to em bo ra as mi ría des de ti pos pos suam as mes mas dis tin cti ve fea tu res, a sua for ma in te rior per mi te to le rân cias re lacti va men te ao seu ca rác ter nor ma li za do, sem no en tan to dei xar de ser re co nhe ci da co mo sig no. A tec no lo gia di gi tal im pul sio nou a ti po gra fia pa ra um uni ver so que, não lhe sen do comple ta men te alheio, lhe era cla ra men te des co nhe ci do; o ca rác ter li near da men sa gem es té ti ca e so bre tu do ti po grá fi ca, deu lu gar à in ter ven ção, que em bo ra já ti ves se si do anun cia da pe los da daís tas, nun ca foi le va da tão lon ge na sua pra xis. Ela, ti po gra fia, já não se li mi ta a ser um me ro trans mis sor de con teú dos lím pi dos e ima cu la dos, tor nan do se um cla ro meio de ac ção, 9

10 de crí ti ca, de in ter pre ta ção, que ali cer ça da num qua dro de re fle xão lin guís ti ca, veio co lo car a nú o fun da men ta lis mo da fi lo so fia da ver da de, e por is so su jei ta se a ser en ca ra da por mui tos co mo um de mó nio que dei xa amon toar o en tu lho das in ter pre ta ções sub train do ao tex to a sua pro du ti vi da de e cria ti vi da de. Ao atri buir à ti po gra fia es te ca rác ter in ter ven ti vo, não sig ni fi ca que ela se tor ne pa ra si tá ria do tex to, sim ples men te o tex to não é, co mo aliás já vi mos, pos sui dor de uma au to no mia lí tica, mas sim ob jec to e su jei to da uni ver sa li da de lin guís ti ca e co mo tal su jei to a in ter pre ta ções e so bre tu do a uma pra xis que ao re ti rar ao tex to a sua es fe ra ei dé ti ca lhe per mi ta ga nhar no vos sig ni fi ca dos e la bo rar no li miar da in te li gi bi li da de, sem pre que es te en car ne o pa pel de uma pro cu ra gra ma to ló gi ca no exer cí cio da in te gra ção di nâ mi ca nos sis te mas di gi tais. Do Ideolecto A linguagem é um labirinto de caminhos. Vindo de um lado conheces o caminho; vindo de outro lado, mas para o mesmo ponto, já não conheces o caminho. Ludwig Wittgenstein Ao as su mir o exer cí cio co mo ele men to ful cral des ta aná li se lin guís ti co ti po grá fi ca, ope ra se uma vi ra gem no sen ti do de ate nuar a con cepção sis te má ti ca e re fe ren cial, enal te cen do o ca rácter de ac ti vi da de do su jei to. As prá ti cas da lin gua gem pres su pôem a efec ti va ção de um jo go, em buí do de re gras, que se vai cons truin do num sis te ma ca da vez mais com ple xo e fas ci nan te. A lin gua gem, em bo ra nos sur ja re gu la men ta da, abre se ao uso, à apro xi ma ção do ser com a sua via co mu ni ca cio nal e des te mo do vão se cons truin do am bas, pe la ple ni tu de da sua uti li za ção. Pa ra além da im por tân cia da re gu la men ta ção da lin gua gem, de mo do a es ta be le cer as ba ses da com preens si bi li da de do seu uso, es ta re gu la men ta ção aju da a com preen der o que são, concre ta men te uma le tra e uma pa la vra na sua fun ção lin guís ti ca. Ao en ten der mos a lin gua gem co mo um jo go, es tá aber to o ca mi nho pa ra o usu fru to ple no das ca rac te rís ti cas ema nen tes dos ti pos, mas so bre tu do ani qui la se a con cepção da lin gua gem co mo uma ac ti vi da de uni tá ria, en quan to ob jec to de uso e ho mo gé nea, en quan to ob jec to de de sen vol vi men to; (...) A per gun ta o que é real men te uma pa la vra? é aná lo ga à per gun ta o que é uma fi gu ra de xa drez? [Wittgens tein, 1995, 108] Con tu do, pa ra Wittgens tein, não exis tia uma lin gua gem úni ca, lin gua gem es sa que fos se o es pe lho mi mé ti co e ló gi co da rea li da de, mas sim ples men te (...) mui tas lin gua gens se me lhantes a jo gos re gi dos por re gras pró prias, ca da um dos quais per ten ce a uma cer ta for ma de vi da da qual re ti ra o seu sen ti do. Es te sen ti do não con sis te (co mo fo ra di to no Trac ta tus) no ob jec to a que a lin gua gem se re fe re, mas no uso que se faz da lin gua gem: uso que pa re ce cla ro nos há bi tos quo ti dia nos, nos mo dos de fa lar co muns ou re cor ren tes nas lin gua gens es pe cí fi cas dos ar te sãos e dos téc ni cos, e que não pre ci sa de elu ci da ção. [Abbag na no, 1991, pp ] Com es ta no ção de jo go, o que é co lo ca do em cau sa é a con cepção sis te má ti ca e re fe ren cialis ta da lin gua gem, e as sim, por ana lo gia com o jo go, a sig ni fi ca ção de uma pa la vra é da da pe lo seu uso, do mes mo mo do que uma pe ça de xa drez se ex pli ca pe la sua fun ção no jo go, so men te as sim se com preen den do as me ta lin gua gens, es pe cí fi cas de ca da mi cro cul tu ra, pe lo que, mesmo a mais va ga das pro po si ções te rá um efei to or de na dor nu ma qual quer lin gua gem. O uso da lin gua gem li ga se sem pre a um es pa ço pre ci so de co mu ni ca ção, a uma for ma de vi da, as mes mas pa la vras ad qui rem por is so sig ni fi ca dos di ver sos quan do in te gra dos em di fe ren tes jo gos de lin gua gem. A lin gua gem é um jo go e, en quan to tal, su jei ta a re gras, mas a re gra aqui não de ve ser en ten di da co mo um pre cei to, uma nor ma rí gi da co mo as que o cálcu lo im põe, mas an tes uma in di ca ção fle xí vel e com pa tí vel com a pró pria di nâ mi ca do uso da lin gua gem na sua di ver si da de; por is so ain da a apren di za gem da lin gua gem não se faz no 10

11 apu ra men to das de fi ni ções, ou no es for ço ex pli ca ti vo, mas an tes no trei no do seu uso. [Carri lho, 1994, p.125] A des mi ti fi ca ção da pa la vra co mo pos sui do ra de uma cer ta au to no mia em re la ção ao su jei to, aju da a for mar um qua dro com ple ta men te no vo na aná li se da lin gua gem: Os nos sos sim ples e cla ros jo gos de lin gua gem não são es tu dos pre li mi na res pa ra uma re gu la men ta ção fu tu ra da lin gua gem - co mo se fos sem uma pri mei ra apro xi ma ção, sem ter em con ta o atri to e a re sis tên cia do ar. Os jo gos de lin gua gem são mui to mais ob jec tos de com pa ra ção, que por se me lhan ça e dis se me lhan ça irão es cla re cer os fac tos da nos sa lin gua gem. [Wittgens tein, 1995, 130] O fac to de a lin gua gem não ser her mé ti ca nem sis te má ti ca, per mi te que ela pos sa ser olhada co mo um ele men to di na mi za dor e cons tru tor, ou co mo afir ma va Hei degger ela for ma o me dium da his tó ria do ser. De fac to ela aju da na cons tru ção mi le nar do su jei to e inau gu ra uma no va mo ra da do pró prio ser, de um ser que se ser ve da lín gua e das suas re gras, e as usa, en ri que cen do as e cons truin do as. 11

12 Bibliografia BARTHES, Roland, O grau zero de escrita, Lisboa, Edições 70, BARTHES, Roland, Mitologias, Lisboa, Edições 70, CARRILHO, Manuel Maria, Jogos de racionalidade, Porto, Edições Asa, DÉRRIDA, Jacques, A voz e o fenómeno, Lisboa, Edições 70, DRUCKER, Johanna, The alphabetic labyrinth, London, Thames and Hudson, DUFRENNE, Mikel, A estética e as ciências da arte, Vol. I e II, Amadora, Livraria Bertrand Editora, GIL, José, Metamorfoses do corpo, Lisboa, Relógio D'água, HABERMAS, Jürgen, O discurso filosófico da modernidade, Lisboa, Publicações D. Quixote, KERCKHOVE, Derrick De, A pele da cultura, Lisboa, Relógio D'água, LAUFER, Roger et SCAVETTA, Domenico, Texto, hipertexto, hipermédia, Rés Editora, Porto, s.d. LÉVY, Pierre, A máquina universo, Lisboa, Instituto Piaget,1995. LÉVY, Pierre, A ideografia dinâmica, Lisboa, Instituto Piaget, LÉVY, Pierre, O que é o virtual, Coimbra, Quarteto, McLUHAN, Marshall, A galáxia de Gutenberg, São Paulo, Editora Nacional, MICHELI, Mario De, As vanguardas artísticas, São Paulo, Martins Fontes, PLATÃO, Crátilo: Diálogo sobre a justeza dos nomes, Colecção de Clássicos Sá da Costa, Lisboa, Livraria Sá da Costa, RICŒUR, Paul, Teoria da interpretação, Porto, Porto Editora, SAGES, Michel, Para entender o estruturalismo, Lisboa, Moraes Editores, SAUSSURE, Ferdinand de, Curso de linguística geral, Lisboa, Publicações D. Quixote, SILVA, Paulo Cunha e, O lugar do corpo - Elementos para uma cartografia fractal, Lisboa, Instituto Piaget, WITTGENSTEIN, Ludwig, Tratado lógico-filosófico - Investigações filosóficas, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian,

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to.

GASTRONOMIA. Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. GASTRONOMIA Instruções Cer ti fi que-se de que está es cre ven do de acor do com o tema pro pos to e dê um tí tu lo a seu tex to. Res pe i te mar gens e en tra das de pa rá gra fo. Use as in for ma ções

Leia mais

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades

Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades PNV 289 Casa, acolhida e libertação para as primeiras comunidades Orides Bernardino São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970

Leia mais

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS

MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS MODALIDADES DE INSERÇÃO PROFISSIONAL DOS QUADROS SUPERIORES NAS EMPRESAS João Pedro Cordeiro Resumo O presente artigo versa sobre as práticas de gestão de recursos humanos pelas empresas, e mais especificamente

Leia mais

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.)

(Às Co missões de Re la ções Exteriores e Defesa Na ci o nal e Comissão Diretora.) 32988 Quarta-feira 22 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Ou tu bro de 2003 Art. 3º O Gru po Parlamentar reger-se-á pelo seu regulamento in ter no ou, na falta deste, pela decisão da ma i o ria absoluta de seus mem

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro

RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro RELAÇÕES ENTRE MUNDO RURAL E MUNDO URBANO Evolução histórica, situação actual e pistas para o futuro João Ferrão Resumo As visões recentes sobre o mundo rural revelam grande permeabilidade à ideia de património

Leia mais

DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO)

DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO) DESCARACTERIZAÇÃO DO CONTRATO BANCÁRIO ARRENDAMENTO MERCANTIL QUANDO COBRADO ANTECIPADAMENTE O VRG (VALOR RESIDUAL GARANTIDO) Paulo Afonso Sandri * Con vém sa li en tar, em prin cí pio, a di fe ren ça

Leia mais

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA

HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA HABERMAS E A ESFERA PÚBLICA: RECONSTRUINDO A HISTÓRIA DE UMA IDEIA Filipe Carreira da Silva Resumo Este artigo tem por objectivo discutir a noção de esfera pública proposta por Jürgen Habermas. Para tanto,

Leia mais

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média

KEITH CAMERON SMITH. As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média KEITH CAMERON SMITH As 10 principais diferenças entre os milionários e a classe média Prefácio Por que es cre vi es te livro? Três mo ti vos me le va ram a es cre ver es te li vro. O pri - meiro foi a

Leia mais

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net.

In for má ti ca, ar qui vos, me mó ria, in ter net. UMA MEMÓRIA PARA A TECNOLOGIA Fa us to Co lom bo Re su mo O tema da me mó ria, quan do as so ci a do ao das no vas tec no lo gi as, pro duz in te res san tes cor re la ções na me di da em que a in for

Leia mais

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia

IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia IMPLICAÇÕES DEMOCRÁTICAS DAS ASSOCIAÇÕES VOLUNTÁRIAS O caso português numa perspectiva comparativa europeia José Manuel Leite Viegas Introdução Na úl ti ma dé ca da do sé cu lo pas sa do as sis tiu-se

Leia mais

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009

VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 VESTIBULAR UNICAMP 2010-1ª FASE - NOVEMBRO/2009 Comentário da Redação Nes te ano, a pro va de Re da ção da Uni camp foi ex ce len te. Em pri me i ro lu gar, pelo res pe i to ao for ma to tra di ci o nal

Leia mais

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA

PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA PADRÕES DE VIDA DOS ESTUDANTES UNIVERSITÁRIOS NOS PROCESSOS DE TRANSIÇÃO PARA A VIDA ADULTA Rosário Mauritti Resumo Este artigo começa por analisar a influência das origens sociais nas trajectórias de

Leia mais

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL

CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL CONHECIMENTOS TRADICIONAIS E PROPRIEDADE INTELECTUAL Miguel Correia Pinto e Manuel Mira Godinho Resumo Com os avanços nos domínios da biotecnologia registados nas décadas mais recentes, os conhecimentos

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

Ho je em dia, to do mun do tem ou gos ta ria de ter um ne gó cio pró prio. A

Ho je em dia, to do mun do tem ou gos ta ria de ter um ne gó cio pró prio. A Os negócios do Zé do Picolé Capítulo 1 Ho je em dia, to do mun do tem ou gos ta ria de ter um ne gó cio pró prio. A fi na li da de deste ca pí tu lo é mos trar a vo cê como se cal cu la o pre ço de ven

Leia mais

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins:

Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: Fa la de Ben to Ser ras, co bra dor de bi lhe tes, nas ci do e mo ra dor em Amo rins: «Diz que quer con tar tu do dos prin cí pios? Dos prin cí pios a gen te nun ca sa be. Quan do é o ca so de se lhe pôr

Leia mais

UNICAMP 2012 (2ª Fase)

UNICAMP 2012 (2ª Fase) 1. Re so lu ção (se rá con si de ra do ape nas o que es ti ver den tro des te es pa ço). a)...in te res se do pú bli co (L1): Tra ta-se de um subs tan ti vo pos to que de ter mi na do pe lo ar ti go o,

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira SÊNECA Sobre os enganos do mundo fotos Olegario Schmitt 3 são paulo 2011 Quem se la men ta de que al guém te nha mor ri do se la men ta de ter nas

Leia mais

A Gonçalves no México I N F O R M A

A Gonçalves no México I N F O R M A I N F O R M A Novembro de 2007 Depois de atuar por quase três anos no México com um escritório comercial, a Gonçalves investe em uma unidade industrial no país, que entrará em operação no início de 2008.

Leia mais

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA

UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA UM MODELO DE ANÁLISE DA DRAMATIZAÇÃO NA IMPRENSA ESCRITA Pedro Diniz de Sousa Resumo Parte-se de uma definição do conceito de dramatização e da identificação das funções que o discurso dramático pode desempenhar

Leia mais

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto

FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto Primórdios Afir mar que a so ci o lo gia por tu gue sa só co me çou ver da de i ra men te

Leia mais

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAÇÃO POLÍTICA DOS MEIOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL José Nuno Lacerda Fonseca Resumo Analisando vários indícios da existência de efeitos anti-sociais da actividade dos meios de comunicação social, reflecte-se

Leia mais

Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) Rua Pa dre Car va lho, 730 (11) Pi nhei ros - São Pau lo - SP

Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) Rua Pa dre Car va lho, 730 (11) Pi nhei ros - São Pau lo - SP Serigrafados Bisotados Temperados Laminados Av. Tor res de Oli vei ra, 255 Ja gua ré - São Pau lo - SP (11) 2827-2100 Rua Pa dre Car va lho, 348 Pi nhei ros - São Pau lo - SP (11) 2142-8588 Rua Pa dre

Leia mais

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet

O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet O PODER DAS REDES OU AS REDES DO PODER Análise estratégica numa organização com intranet Sandra Pereira Introdução O po der é um pro ble ma cen tral nas or ga ni za ções en quan to es pa ços de con fli

Leia mais

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT

COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT RECENSÃO COASTAL TOURISM, ENVIRONMENT, AND SUSTAINABLE LOCAL DEVELOPMENT [Lígia Noronha, Nelson Lourenço, João Paulo Lobo-Ferreira, Anna Lleopart, Enrico Feoli, Kalidas Sawkar, e A. G. Chachadi (2003),

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009

Resolução feita pelo Intergraus! Módulo Objetivo - Matemática FGV 2010/1-13.12.2009 FGV 010/1-13.1.009 VESTIBULAR FGV 010 DEZEMBRO 009 MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A PROVA DE MATEMÁTICA QUESTÃO 1 (Prova: Tipo B Resposta E; Tipo C Resposta C; Tipo D Resposta A) O gráfico abaio fornece o

Leia mais

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário

10.1 Objetivos, Conceitos e Funções. Os obje ti vos prin ci pais do con tro le orça men tá rio são: Responsabilidade pelo Controle Orçamentário Capítulo 10 Controle Orçamentário Essa etapa acon te ce após a exe cu ção das tran sa ções dos even tos eco nô mi cos pre vis - tos no plano orça men tá rio. Não se con ce be um plano orça men tá rio sem

Leia mais

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009

Correção da Unicamp 2009 2ª fase - Matemática feita pelo Intergraus. 14.01.2009 MATEMÁTICA 1. O transporte de carga ao porto de Santos é feito por meio de rodovias, ferrovias e dutovias. A tabela abaixo for ne ce al guns da dos re la ti vos ao trans por te ao por to no pri me i ro

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Geografia feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Geografia feita pelo Intergraus Q.01 GEOGRAFIA O conflito envolvendo Geórgia e Rússia, aprofundado em 2008, foi marcado por ampla repercussão in ter na - ci o nal. Ou tros con fli tos, en vol ven do pa í ses da ex-união So vié ti ca,

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Geografia feita pelo Intergraus. 12.01.2010 UNICAMP 2010 - GEOGRAFIA 13. Ob serve o gráfico abaixo e responda às questões: a) Indi que a(s) re gião(ões) do glo bo com ta xa de es pe ran ça de vi da ao nas cer in fe ri or à mé dia mun di al, nos

Leia mais

PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente

PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente PROTAGONISTAS E CONTEXTOS DA PRODUÇÃO TECNOLÓGICA EM PORTUGAL O caso da invenção independente Cristina Palma Conceição Resumo Tendo como pano de fundo algumas das questões suscitadas pelo debate teórico

Leia mais

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20

Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13. O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 Sa i ba mais so bre Fator Previdenciário Págs. 10 a 13 O que você pre ci sa saber sobre re ci cla gem de lixo Pág. 20 To dos so mos igua is, ape nas te - mos di fi cul da des di fe ren tes. Le o nar do

Leia mais

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1

ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 ÉTICA, LIBERDADE DE INFORMAÇÃO, DIREITO À PRIVACIDADE E REPARAÇÃO CIVIL PELOS ILÍCITOS DE IMPRENSA 1 Eládio Torret Rocha Ju iz de Direito do TJSC SUMÁRIO: 1. Intro du ção; 2. A im pren sa e a li mi ta

Leia mais

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas

Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Informativo mensal da unidade Contagem da PUC Minas nº 78 Agosto de 2008 Uni ver si da de lan ça gri fe com a mar ca PUC Mi nas Com três li nhas de pro du tos bá si ca, es cri tó rio e es por ti va, a

Leia mais

edificações vias públicas leis e normas

edificações vias públicas leis e normas mobilidade acessível na cidade de são paulo edificações vias públicas leis e normas ACESSIBILIDADE prefeitura da cidade de são paulo secretaria municipal da pessoa com deficiência e mobilidade reduzida

Leia mais

IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão

IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão REGISTO IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão Fernando Luís Machado Introdução As ques tões so ci a is, cul tu ra is e po lí ti cas que a imi gra ção la bo

Leia mais

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA

A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA A SEGMENTAÇÃO DO ESPAÇO DE INOVAÇÃO NA INDÚSTRIA PORTUGUESA Luísa Oliveira e Helena Carvalho Resumo A inovação tecnológica como força motriz de um novo padrão de competitividade coloca, como questão central,

Leia mais

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta

En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta QUÓ RUM ACA DÉ MI CO Vol. 11 Nº 1, ene ro-junio 2014, Pp. 11-23 Uni ver si dad del Zu lia ISSN 1690-7582 En si no de jor na lis mo no Bra sil: re fle xões so bre a for ma ção do jor na lis ta Ma ría Eli

Leia mais

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10

Resolução de Matemática da Prova Objetiva FGV Administração - 06-06-10 QUESTÃO 1 VESTIBULAR FGV 010 JUNHO/010 RESOLUÇÃO DAS 15 QUESTÕES DE MATEMÁTICA DA PROVA DA MANHÃ MÓDULO OBJETIVO PROVA TIPO A O mon i tor de um note book tem formato retangular com a di ag o nal medindo

Leia mais

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento

O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL. Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento O PARLAMENTO PORTUGUÊS NA CONSTRUÇÃO DE UMA DEMOCRACIA DIGITAL Gustavo Cardoso, Carlos Cunha e Susana Nascimento Resumo O presente artigo pretende analisar as práticas e representações dos deputados portugueses

Leia mais

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS PNV 292 Atos das mulheres Tea Frigerio São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970 São Leopoldo/RS Fone: (51) 3568-2560 Fax:

Leia mais

SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós. Pedro Abrantes

SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós. Pedro Abrantes SOCIOLOGIA E CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A distância entre nós Pedro Abrantes A aná li se so ci al dos fe nó me nos edu ca ti vos cons ti tui, hoje, uma ac ti vi da de im por - tan te quer da so ci o lo gia quer

Leia mais

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22

botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 botika búfalo Bufalo v7.indd 3 17/09/10 17:22 sumário Introdução... 17 Gua ra ná Porrada... 25 Muletas... 39 Exó ti cas gan gues... 47 Um mons tro e um pinguim... 55 Si ga o cão... 61 Dia de campeão...

Leia mais

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança

M. J. Ryan. O poder da autoconfiança M. J. Ryan O poder da autoconfiança Para a verdade, a beleza e a sabedoria que existem em cada um de nós. E, em particular, para Dawna Markova, que me ensinou a cultivar essas qualidades. Confie em si

Leia mais

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS. João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos

VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS. João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos VIOLÊNCIA NA ESCOLA: DAS POLÍTICAS AOS QUOTIDIANOS João Sebastião, Mariana Gaio Alves, Joana Campos Resumo A existência de um alargado conjunto de situações, que designamos globalmente por violência na

Leia mais

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010

Correção da Unicamp 2010 2ª fase - Física feita pelo Intergraus. 12.01.2010 da Unicamp 010 ª fase - Física 1.01.010 UNICAMP 010 - FÍSICA Esta prova aborda fenômenos físicos em situações do cotidiano, em experimentos científicos e em avanços tecnológicos da humanidade. Em algumas

Leia mais

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR

MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR MATERIAL DO ALUNO PARA RECORTAR O Sonho de Renato O Sonho de Renato a e i o u A E I O U so nho de Re na to Eu sou Renato Valadares Batista. Tenho 14 anos. Sou filho de Pedro Batista e Luzia Valadares.

Leia mais

Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços *

Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços * Con ver gên cia e divergência na co ne xão en tre gê ne ro e le tra men to: no vos avan ços * Nelly P. Stromquist Uni ver sity of Sout hern Ca li for nia Re su mo Cor res pon dên cia: Nelly P. Strom quist

Leia mais

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL

Si Mesmo. Logosófica. Carlos Bernardo González Pecotche. Editora RAUMSOL Carlos Bernardo González Pecotche RAUMSOL A Herança de Si Mesmo Editora Logosófica A HerAnçA de Si Mesmo Ao publicar o presente tra balho, o autor levou em conta a repercussão que ele pode alcançar no

Leia mais

POLÍTICA ORÇAMENTAL NO PÓS-99* A.S. Pin to Bar bo sa**

POLÍTICA ORÇAMENTAL NO PÓS-99* A.S. Pin to Bar bo sa** POLÍTICA ORÇAMENTAL NO PÓS-99* A.S. Pin to Bar bo sa**. INTRODUÇÃO Que linhas básicas de orientação da política orça men tal de ve rão ser se gui das no novo en qua dra - men to em que Por tu gal in te

Leia mais

ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal. Vera Borges. Para uma investigação sobre o teatro

ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal. Vera Borges. Para uma investigação sobre o teatro ARTISTAS EM REDE OU ARTISTAS SEM REDE? Reflexões sobre o teatro em Portugal Vera Borges Resumo Neste artigo apresentam-se algumas pistas de análise para o estudo das trajectórias individuais da carreira

Leia mais

A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1

A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1 A Construção Sociológica da Raça no Brasil 1 Sérgio Costa Resumo Par tin do da cons ta ta ção de que as ads cri ções ra ci a is no Bra sil im - pli cam de si gual da des so ci a is que po dem ser re u

Leia mais

nelson de oliveira ódio sustenido

nelson de oliveira ódio sustenido ódio sustenido sai da chu va, josé! Ah, José, que é que vo cê faz aí parado? Sai da chu va, José! Larga es sa tai nha e cor re pra varanda. Ah, José, a vi da não é só ga nhar ou per der. Você sa be dis

Leia mais

Selvagens, Exóticos, Demoníacos. Idéias e Imagens sobre uma Gente de Cor Preta

Selvagens, Exóticos, Demoníacos. Idéias e Imagens sobre uma Gente de Cor Preta Selvagens, Exóticos, Demoníacos. Idéias e Imagens sobre uma Gente de Cor Preta Gislene Aparecida dos Santos Resumo Na cul tu ra oci den tal, a cor ne gra está as so ci a da ora a um sen ti - men to de

Leia mais

Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são

Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são Informativo mensal da PUC Minas em Betim nº 91 Agosto de 2009 Fi si o te ra pia re a li za jor na da aca dê mi ca nos 40 anos da pro fis são As ins cri çõ es para apre sen ta ção de pôs ter es tão aber

Leia mais

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil.

LEI Nº 5.869, DE 11 DE JANEIRO DE 1973. Insti tui o Código de Processo Ci vil. Outubro de 2003 DIÁRIO DO SENADO FEDERAL Sexta-feira 31 34351 ares, me diante a exibição de ofí cio ou mandado em forma regular. 1º So men te se ex pe di rá pre ca tó ria, quando, por essa for ma, for

Leia mais

A ditadura dos papéis sexuais: problematização de um conceito

A ditadura dos papéis sexuais: problematização de um conceito LIBERDADES CONDICIONAIS O conceito de papel sexual revisitado João Manuel de Oliveira e Lígia Amâncio Resumo O objectivo deste artigo é o de propor um modelo de análise psicossociológica das relações sociais

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES A du ra ção da pro va é de 2 ho ras. Escreva um texto argumentativo. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex to. Use as informações disponíveis

Leia mais

DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945)

DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945) ENSA I O DA INSOLÊNCIA À OBEDIÊNCIA Alterações nas atitudes dos despossuídos (1900-1945) Eduardo Cintra Torres Aquela onda de insolência A che ga da do ca pi ta lis mo aos cam pos e o cres ci men to do

Leia mais

PARTICIPAÇÃO E GOVERNO LOCAL Comparando a descentralização de Montevideu e o orçamento participativo de Porto Alegre

PARTICIPAÇÃO E GOVERNO LOCAL Comparando a descentralização de Montevideu e o orçamento participativo de Porto Alegre PARTICIPAÇÃO E GOVERNO LOCAL Comparando a descentralização de Montevideu e o orçamento participativo de Porto Alegre Alfredo Alejandro Gugliano Nes te ar ti go apre sen to uma aná li se com pa ra da de

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Biologia feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Biologia feita pelo Intergraus Q.01 BIOLOGIA O gráfico mostra os níveis de glicose medidos no sangue de duas pessoas, sendo uma saudável e outra com di a be tes melito, imediatamente após uma refeição e nas cinco horas seguintes. a)

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais

Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais Responsabilidade civil do Estado por da nos pro ve nien tes de vei cu laç ão de da dos nos si tes dos tri bu nais Má rio Antônio LOBATO DE PAIVA Resumen Má rio Antônio Loba to De Pai va ini cia su ar tícu

Leia mais

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná.

Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Advo ga dos Exmo. Sr. Des. Anto nio Lo yo la Vi e i ra do Órgão Espe ci al do Tri bu nal de Jus ti ça do Esta - do do Pa ra ná. Man da do de Se gu ran ça 768.003-5 Jul ga men to: Órgão Espe ci al. Rel.:

Leia mais

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos

Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):33-41 Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos Conselho Nacional de Saúde - Resolução 196/96 Pes qui sa Qu a li fi ca ção do pesquisador

Leia mais

Cog ni ção, afetividade e moralidade

Cog ni ção, afetividade e moralidade Cog ni ção, afetividade e moralidade Va lé ria Amo rim Arantes de Araújo Uni ver si da de de Ube ra ba Resumo O pre sen te tra ba lho fun da men ta-se em al gu mas ten dên ci as atu a is no cam po da Psi

Leia mais

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil

Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Mapeamento de Ações e Discursos de Combate às Desigualdades Raciais no Brasil Rosana Heringer Resumo O ar ti go apre sen ta as prin ci pa is con clu sões da pes qui sa Ma pe a - men to de Ações e Dis cur

Leia mais

Boa Pro va! INSTRUÇÕES

Boa Pro va! INSTRUÇÕES INSTRUÇÕES Escreva um texto argumentativo. Seu texto deve apresentar introdução, desenvolvimento e conclusão. Cer ti fi que-se de ha ver es co lhi do um dos te mas pro pos tos e dê um tí tu lo a seu tex

Leia mais

Norma do valor; norma de atribuição; legitimidade;

Norma do valor; norma de atribuição; legitimidade; VALOR E DISTRIBUIÇÃO: DA TEORIA À NORMA Mariano F. Enguita Resumo Abordar a problemática da desigualdade ou, mais precisamente, da justiça económica, requer partir de um critério distributivo contra o

Leia mais

Novo institucionalismo, governança, lobbying, União Europeia.

Novo institucionalismo, governança, lobbying, União Europeia. CONFIGURAÇÕES DE GOVERNANÇA PLURALISTAS, NEOCORPORATIVAS E DA UNIÃO EUROPEIA Padrões de elaboração de políticas e de acção dos lóbis numa perspectiva comparada Tom R. Burns e Marcus Carson Resumo Este

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Arantes Araújo, Valéria Amorim de Cognição, afetividade e moralidade Educação e Pesquisa, vol. 26, núm. 2, julio-diciembre,

Leia mais

Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo

Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo Análise sobre a (não) caracterização do crime de racismo no Tri bu nal de Justiça de São Paulo Anal y sis of the (non) char ac ter iza tion of the crime of rac ism in São Paulo Court of Jus tice Simone

Leia mais

MUDANÇA E MODERNIZAÇÃO NAS EMPRESAS PORTUGUESAS

MUDANÇA E MODERNIZAÇÃO NAS EMPRESAS PORTUGUESAS NOTA DE PESQUISA MUDANÇA E MODERNIZAÇÃO NAS EMPRESAS PORTUGUESAS João Freire O pre sen te tex to apre sen ta de uma for ma mu i to sin te ti za da os re sul ta dos de um in - qué ri to so ci o ló gi co

Leia mais

ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Stephen Castles. Introdução

ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS. Stephen Castles. Introdução ESTUDAR AS TRANSFORMAÇÕES SOCIAIS Stephen Castles Resumo As mudanças globais e a crescente importância dos fluxos e das redes transnacionais em todas as áreas da vida social criam novos desafios às ciências

Leia mais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ORIGEM IMIGRANTE EM PORTUGAL Oportunidades étnicas e estruturais e recursos pessoais

ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ORIGEM IMIGRANTE EM PORTUGAL Oportunidades étnicas e estruturais e recursos pessoais ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS DE ORIGEM IMIGRANTE EM PORTUGAL Oportunidades étnicas e estruturais e recursos pessoais Catarina Reis de Oliveira Introdução A par tir da dé ca da de 1980 o flu xo imi gra tó rio

Leia mais

FUTUROS PROVÁVEIS Um olhar sociológico sobre os projectos de futuro no 9.º ano

FUTUROS PROVÁVEIS Um olhar sociológico sobre os projectos de futuro no 9.º ano FUTUROS PROVÁVEIS Um olhar sociológico sobre os projectos de futuro no 9.º ano Sandra Mateus Resumo Pretende-se, neste artigo, analisar as opções escolares e profissionais constitutivas dos projectos de

Leia mais

AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE AFORADA POR PAI REGISTRAL OU RECONHECIDO JUDICIALMENTE

AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE AFORADA POR PAI REGISTRAL OU RECONHECIDO JUDICIALMENTE Jurisprudência Catarinense Volume - 83/84 3 AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE AFORADA POR PAI REGISTRAL OU RECONHECIDO JUDICIALMENTE Juiz de Direito em Criciúma, Santa Catarina É ine gá vel que o Di re i to

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Matemática Aplicada FGV 2010/

Resolução feita pelo Intergraus! Matemática Aplicada FGV 2010/ FGV MATEMÁTICA APLICADA DEZEMBRO/2009 01. Uma pes qui sa fe i ta em 46 pa í ses e pu bli ca da pela re vis ta The Eco no mist mos tra que, se trans for ma mos a mo e da de cada país para dó lar e cal cu

Leia mais

A IGUALDADE DIFÍCIL Mulheres no mercado de trabalho em Itália e a questão não resolvida da conciliação

A IGUALDADE DIFÍCIL Mulheres no mercado de trabalho em Itália e a questão não resolvida da conciliação A IGUALDADE DIFÍCIL Mulheres no mercado de trabalho em Itália e a questão não resolvida da conciliação Chiara Saraceno Preâmbulo No de cur so dos anos de 1980 e 1990 a ques tão da igual da de en tre os

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO NEOTAYLORISTA DO TRABALHO NO FIM DO SÉCULO XX

A ORGANIZAÇÃO NEOTAYLORISTA DO TRABALHO NO FIM DO SÉCULO XX A ORGANIZAÇÃO NEOTAYLORISTA DO TRABALHO NO FIM DO SÉCULO XX Cé sar Ma du re i ra Re su mo No fim des te sé cu lo, os mo de los de or ga ni za ção do tra ba lho so frem ain da pro fun das in fluên ci as

Leia mais

OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública. Alba Zaluar

OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública. Alba Zaluar OITO TEMAS PARA DEBATE Violência e segurança pública Alba Zaluar Resumo O texto aborda algumas das idéias mais disseminadas hoje nos meios de comunicação de massa, assim como no acadêmico, para entender

Leia mais

Correção da Unicamp ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da Unicamp ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da Unicamp 010 ª fase - Matemática 13.01.010 UNIAMP 010 - MATEMÁTIA 1. Uma confeitaria produz dois tipos de bo los de fes ta. ada quilograma do bolo do tipo A consome 0, kg de açúcar e 0, kg de farinha.

Leia mais

EM BUSCA DE UM LUGAR NO MAPA Reflexões sobre políticas culturais em cidades de pequena dimensão

EM BUSCA DE UM LUGAR NO MAPA Reflexões sobre políticas culturais em cidades de pequena dimensão EM BUSCA DE UM LUGAR NO MAPA Reflexões sobre políticas culturais em cidades de pequena dimensão João Teixeira Lopes Resumo Pretende-se, neste artigo, analisar as condições em que emergem e se estruturam

Leia mais

PRO GRA MA ÇÃO DAS UNI DA DES DIDÁTI CAS

PRO GRA MA ÇÃO DAS UNI DA DES DIDÁTI CAS PRO GRA MA ÇÃO DAS UNI DA DES DIDÁTI CAS Unidade 1. Somos cidadãos........................................... 25 Unidade 2. Descobrindo as diferenças................................... 28 Unidade 3. Conhecendo

Leia mais

FRONTEIRAS DA IDENTIDADE O caso dos macaenses em Portugal e em Macau. Francisco Lima da Costa. Introdução

FRONTEIRAS DA IDENTIDADE O caso dos macaenses em Portugal e em Macau. Francisco Lima da Costa. Introdução FRONTEIRAS DA IDENTIDADE O caso dos macaenses em Portugal e em Macau Francisco Lima da Costa Uma vida de es cri ta en si nou-me a des con fi ar das pa la vras. As que pa re cem mais lím - pi das são mu

Leia mais

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #.

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #. Roteiro e adapta: Edu Morelenbaum e Rold Valle Ú 106 sa Branca 4 2 Luiz Gonzaga # # 6 # # # # # 12 # # # # # # 18 # # # # # 24 0 Quan-do_o - # iei # # de São Jo - ão - - - a # ter - ra_ar - D # Eu per-gun

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Souza, Rosa Fátima de Tempos de infância, tempos de escola: a ordenação do tempo escolar no ensino público paulista (1892-1933)

Leia mais

Os Li mi tes do Sen ti do no Ensi no da Matemática

Os Li mi tes do Sen ti do no Ensi no da Matemática Os Li mi tes do Sen ti do no Ensi no da Matemática Ma ria da Conceição Ferreira Fonseca Universidade Federal de Minas Gerais Resumo Em Os Li mi tes do Sen ti do (1995), Edu ar do Gu i ma rães ana li sa

Leia mais

Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção

Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção Pedro Roberto Jacobi Uni ver si da de de São Pa u lo Resumo Este ar ti go apre sen ta uma re fle xão so bre edu ca ção e as pos si bi - li da des

Leia mais

LIVRO DO DESASSOSSEGO

LIVRO DO DESASSOSSEGO Fernando Pessoa LIVRO DO DESASSOSSEGO composto por Bernardo Soares, ajudante de guarda-livros na cidade de Lisboa organizaçã0 Richard Zenith 3 a edição Copyright 2011 by Assírio & Alvim e Richard Zenith

Leia mais

O MODELO DE WELFARE DA EUROPA DO SUL Reflexões sobre a utilidade do conceito. Pedro Adão e Silva

O MODELO DE WELFARE DA EUROPA DO SUL Reflexões sobre a utilidade do conceito. Pedro Adão e Silva O MODELO DE WELFARE DA EUROPA DO SUL Reflexões sobre a utilidade do conceito Pedro Adão e Silva Resumo Este texto começa por discutir as características comuns do modelo de welfare dos países da Europa

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Nucci, Larry Psicologia moral e educação: para além de crianças boazinhas Educação e Pesquisa, vol. 26, núm. 2, julio-diciembre,

Leia mais

Agenciamentos Políticos da Mistura : Identificação Étnica e Segmentação Negro-Indígena entre os Pankararú e os Xocó

Agenciamentos Políticos da Mistura : Identificação Étnica e Segmentação Negro-Indígena entre os Pankararú e os Xocó Agenciamentos Políticos da Mistura : Identificação Étnica e Segmentação Negro-Indígena entre os Pankararú e os Xocó José Maurício Andion Arruti Resumo Este ar ti go toma como pon to de par ti da, a emer

Leia mais

andréa del fuego os malaquias

andréa del fuego os malaquias andréa del fuego os malaquias 1 Serra Morena é ín gre me, úmi da e fértil. Aos pés de la vi vem os Malaquias, ja ne la com ta manho de porta, porta com autoridade de madeira escura. Corre, Adolfo! Donana

Leia mais

CAPITAL SOCIAL: ORIGENS E APLICAÇÕES NA SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA

CAPITAL SOCIAL: ORIGENS E APLICAÇÕES NA SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA CAPITAL SOCIAL: ORIGENS E APLICAÇÕES NA SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA Alejandro Portes Resumo Neste artigo examinamos as origens e as definições do conceito de capital social nas obras de Bourdieu, Loury e

Leia mais

jornal abrapa_120:jornal abrapa_120.qxd 12/2/2010 17:04 Page 1

jornal abrapa_120:jornal abrapa_120.qxd 12/2/2010 17:04 Page 1 jornal abrapa_120:jornal abrapa_120.qxd 12/2/2010 17:04 Page 1 jornal abrapa_120:jornal abrapa_120.qxd 12/2/2010 17:04 Page 2 EDI TO RI AL ABRAPA EM AÇÃO De tem pos em tem pos, so mos sur pre en di dos

Leia mais

Ainda há Tempo, Volta

Ainda há Tempo, Volta Ainda há empo, Volta Letra e Música: Diogo Marques oprano ontralto Intro Envolvente (q = 60) enor aixo Piano Ó Œ. R.. F m7 2 A b 2 E b.. 2 Ó Œ É 2 Ó Œ F m7 2.. 2 2 A b 2 2 Ainda há empo, Volta Estrofe

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Santos Tavares dos, José Vicente A violência na escola: conflitualidade social e ações civilizatórias Educação e Pesquisa,

Leia mais