FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto"

Transcrição

1 FORMAÇÃO, TENDÊNCIAS RECENTES E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIOLOGIA EM PORTUGAL José Madureira Pinto Primórdios Afir mar que a so ci o lo gia por tu gue sa só co me çou ver da de i ra men te após a re vo lu - ção de Abril de 1974 é qua se um lu gar co mum. 1 Mas uma tal afir ma ção deve ser con ve ni en te men te tem pe ra da, se qui ser mos ser fiéis à es pe ci fi ci da de dos mo vi - men tos de lon ga du ra ção da his tó ria da cul tu ra por tu gue sa, as sim como à com ple - xi da de dos pro ces sos so ci o po lí ti cos que pre ce de ram e se de sen ca de a ram com a reinstauração da de mo cra cia em Por tu gal. Em boa ver da de, pode di zer-se que, des de o úl ti mo quartel do sé cu lo XIX, o cam po in te lec tu al por tu guês foi re gis tan do ecos re la ti va men te ní ti dos do mo vi - men to de eclo são das ciên ci as so ci a is nos pa í ses cen tra is. Assim, ve mos ser pu bli ca do, em 1884, por Teó fi lo Bra ga, um dos mais in - fluentes ideó lo gos e po lí ti cos do re pu bli ca nis mo, um lon go tra ta do de so ci o lo - gia ( Syste ma de So ci o lo gia ) em que Com te, Spen cer e, de um modo ge ral, os pon - tos de vis ta do po si ti vis mo or ga ni cis ta e evo lu ci o nis ta eram as re fe rên ci as fun da men ta is. Há in dí ci os de que a re cep ção das cor ren tes po si ti vis tas no país não foi isenta de in di fe ren ça e al gu ma hos ti li da de em cer tos sec to res da in te lec tu a li da de. Opu se - ram-se-lhes, como se ria de es pe rar, os re pre sen tan tes do pen sa men to fi lo só fi co por tu guês mais vol ta dos para a re fle xão me ta fí si ca e me nos aber tos às cor ren tes de opi nião de pro ve niên cia eu ro pe ia. A ver da de é que cer tos prin cí pi os epis te mo ló gi cos ino va do res as so ci a dos ao po si ti vis mo so ci o ló gi co emer gen te como os re la ti vos a uma vi são ho lís ti - ca, sis té mi ca e de ter mi nis ta na abor da gem da re a li da de so ci al pas sa ram a es - tar pre sen tes nas po lé mi cas in te lec tu a is des ta tran si ção de sé cu lo. E ve ri fi cou-s e mes mo, para além dis so, que a so ci o lo gia che gou a ob ter tran si to ri a men te al gu - ma con sa gra ção ins ti tu ci o nal no mun do aca dé mi co, en tran do em 1901 no pla no de es tu dos da Fa cul da de de Di re i to da Uni ver si da de de Co im bra. Mu i to cen tra - dos, no iní cio, nas te ses or ga ni cis tas e evo lu ci o nis tas, os pro gra mas das dis ci pli - nas em ca u sa fo ram aco lhen do ou tras re fe rên ci as teó ri cas. Assim, Durk he im, Sim mel, Tar de, Tön ni es e os pi o ne i ros da so ci o lo gia nor te-ame ri ca na são 1 Re pro duz-se aqui, na ín te gra, o tex to com que o au tor co la bo rou no vo lu me de Estu dos em Ho me - na gem ao Pro fes sor Dou tor Jor ge Ri be i ro de Fa ria, pu bli ca do, com data de 2003, pela Co im bra Edi to - ra. Agra de ce-se ao ho me na ge a do e à re fe ri da edi to ra a ama bi li da de de te rem ace i t e esta re pu bli ca ção. Impor ta ain da pre ci sar que, em cer tas pas sa gens, o tex to re to ma, em bo ra no qua - dro de uma re for mu la ção glo bal e com de sen vol vi men tos iné di tos, um con jun to de ide i as apre - sen ta das em So ci o logy in Por tu gal: for ma ti on and re cent trends (Pin to, 1998), e no D is cur so de aber tu ra do 2.º Con gres so Por tu guês de So ci o lo gia (Pin to, 1992).

2 12 José Madureira Pinto au to res in vo ca dos nas li ções, até à subs ti tu i ção da dis ci pli na pela eco no mia po lí - ti ca, na se quên cia da re for ma dos cur sos re a li za da em Entre tan to, e fora do qua dro ins ti tu ci o nal uni ver si tá rio, tam bém a his tó ria so - fria, mu i to an tes do fi nal do sé cu lo, um im pul so re no va dor, abrin do-se a con tri bu - tos ori un dos da eco no mia, da ge o gra fia, da an tro po lo gia e da pró pria so ci o lo gia. Oli ve i ra Mar tins, au tor de um Qu a dro si nóp ti co da clas si fi ca ção dos co nhe - ci men tos hu ma nos na es fe ra dos fe nó me nos so ci a is, em que não de i xa de cri ti car o pro jec to com te a no de clas si fi ca ção das ciên ci as so ci a is, é o ini ci a dor de uma cor ren - te his to ri o grá fi ca (com im por tan tes cul to res já no nos so sé cu lo: Ja i me Cor te sãoe Antó nio Sér gio, por exem plo) mu i to cen tra da na aná li se da es tru tu ra e fun ci o na - men to das ins ti tu i ções, bem como dos in te res ses, ac ções e con fli tos de gru pos e clas ses so ci a is. As es co las ro mân ti ca e fi lo ló gi co-cul tu ral de pes qui sa an tro po ló gi ca, que se im pu se ram na Eu ro pa ao lon go da se gun da me ta de de oi to cen tos, ob ti ve ram igual men te sig ni fi ca ti va re per cus são no país, dan do ori gem a re co lhas et no grá fi - cas e mo no gra fi as lo ca is que, por ra zões que adi an te se en ten de rão me lhor, vol tam hoje a ter no to ri e da de e a ser ob jec to do in te res se dos in ves ti ga do res so ci a is. Nes ta pri me i ra fase de afir ma ção das ciên ci as so ci a is em Por tu gal, mar ca da por gran de in di fe ren ci a ção dis ci pli nar e por gra us mí ni mos de ins ti tu ci o na li za ção, com pre en de-se que a re fle xão sobre a re a li da de so ci al fos se mu i to per meá vel à di - nâ mi ca das lu tas po lí ti co-ide o ló gi cas e dos mo vi men tos so ci a is em cur so. E, de fac to, emer gem no pa no ra ma in te lec tu al por tu guês ele men tos de aná li - se para-so ci o ló gi ca de ine gá vel in te res se, quer no qua dro do pen sa men to so ci a lis - ta, em que Proud hon e os so ci a lis tas utó pi cos são, mais do que Marx e Engels, re - fe rên ci as re cor ren tes, quer no âm bi to do re for mis mo ca tó li co e cor po ra ti vo, onde os prin cí pi os teó ri co-dou tri ná ri os e os mé to dos de ob ser va ção da Esco la da Ciên cia So ci al de Le Play che ga ram a ter um nú me ro sig ni fi ca ti vo de se gui do res (al guns, de res to, fu tu ros ideó lo gos do sa la za ris mo), por in fluên cia di rec ta de Léon Po in sarde Paul Des camps. 2 Interregno O fim do pri me i ro quar tel do sé cu lo XX mar ca, em re la ção ao pro ces so de for ma ção das ciên ci as so ci a is em Por tu gal, um pon to de vi ra gem de ci si vo. Vi mos já que não es ta va es ta bi li za do, nes sa al tu ra, no país, um qua dro in - te lec tu al e ins ti tu ci o nal que pu des se ga ran tir o de sen vol vi men to con sis ten te, sus ten ta do e pro fis si o na li za do das di fe ren tes áre as dis ci pli na res em ca u sa. Mas pode acres cen tar-se, sem gran des he si ta ções, que ha via, até en tão, con di ções po lí ti cas glo bal men te fa vo rá ve is a uma es pé cie de acu mu la ção pri mi ti va de co - nhe ci men tos so bre a es tru tu ra ção e mo dos de trans for ma ção da so ci e da de, 2 Para um apro fun da men to des ta ca rac te ri za ção dos pri mór di os da so ci o lo gia em Por tu gal, de - vem ler-se os tex tos de Ma nu el Bra ga da Cruz (1983); Antó nio Te i xe i ra Fer nan des (1996); Augusto San tos Sil va (1997); e Ví tor de Sá (1978).

3 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 13 ba se a da em ló gi cas de ci en ti fi ci da de ho mó lo gas das en tão emer gen tes nou tros con tex tos na ci o na is. Nes tes, aliás, com a ex cep ção dos Esta dos Uni dos da Amé ri ca, es ta va-se mu i - to lon ge, ain da, de es tá di os avan ça dos de ins ti tu ci o na li za ção, as sis tin do-se mes - mo, quer em Fran ça, quer na Ale ma nha, pa í ses onde se ha vi am de sen vol vi do as obras dos gran des fun da do res da so ci o lo gia, a al gu ma he si ta ção or ga ni za ti va e ins - ti tu ci o nal na de fi ni ção de es tra té gi as de con so li da ção e apro fun da men to dos sab e - res em ca u sa. Num tex to que de di cou à gé ne se da so ci o lo gia con tem po râ nea, Edward Shils (1971) faz ques tão de acen tu ar a am pli tu de dos des fa sa men tos no pro ces so de con - so li da ção da dis ci pli na, im pu tá ve is à di ver si da de das di nâ mi cas in te lec tu a is e institu cionais ca rac te rís ti cas dos di fe ren tes pa í ses em que a re fle xão so bre o so ci al foi emer gin do. Não obs tan te ter sido nos pa í ses eu ro pe us cen tra is que se de sen vol ve ram as gran des re fle xões teó ri cas dos fun da do res, foi, como se dis se, nos Esta dos Uni dos da Amé ri ca que a so ci o lo gia mais cedo se con so li dou no pla no aca dé mi co-ci en tí fi - co e pro fis si o nal. Marx, Durk he im, We ber, Tön ni es, Sim mel efec tu a ram o seu tra - ba lho sob a in fluên cia de cons te la ções de pro ble mas so ci a is e de qua dros inte - lectuais de ma triz emi nen te men te eu ro pe ia, mas fo ram as uni ver si da des ame ri ca - nas, no me a da men te o Depar ta men to de Soci o lo gia da Uni ver si da de de Chi ca go, onde pon ti fi ca ram W. I. Tho mas e, mais tar de, Ro bert Park, que per mi ti ram a cri a - ção de con di ções de en si no, in ves ti ga ção e pro fis si o na li za ção com pa tí ve is com um cres ci men to sus ten ta do de co nhe ci men tos so bre a re a li da de so ci al em pi ri ca men t e tes ta dos. Sen do cer to que, em pa í ses como a Ale ma nha e a Fran ça, a in fluên cia do pen - sa men to so ci o ló gi co dos clás si cos não de i xou de se exer cer sob vá ri as for mas (atra - vés da cri a ção de re vis tas, de cír cu los in for ma is de re fle xão e de pro se li tis mo, da di - fu são do sa ber so ci o ló gi co em es pa ços dis ci pli na res es ta be le ci dos, como a fi lo s o fia, o di re i to ou mes mo a eco no mia ), pode di zer-se, por re fe rên cia ao caso ame ri ca - no, que a ins ti tu ci o na li za ção, em sen ti do es tri to, da so ci o lo gia se ve ri fi ca, na Eu ro - pa, com atra so mu i to sig ni fi ca ti vo. É sin to má ti co, ain da se gun do Shils, que nem mes mo a obra de Émi le Durkheim o úni co dos fun da do res que se de di cou for mal men te à so ci o lo gia du - ran te toda a sua car re i ra aca dé mi ca (de 1887 até 1902, em Bor déus, e, de po is dis so, na Sor bon ne, até 1917) te nha tido de sen vol vi men tos sig ni fi ca ti vos após a sua mor te. A ver da de é que, ha ven do sido es tru tu ra da em tor no da fi gu ra e ac ti vi da de do pró prio Durk he im, e não tan to em ar ti cu la ção or gâ ni ca com o sis te ma uni ver si - tá rio fran cês, só após o fim da 2.ª Gu er ra Mun di al pôde a so ci o lo gia re con quis tar, em Fran ça, as con di ções ins ti tu ci o na is in dis pen sá ve is a uma re pro du ção alar ga da. Deve, aliás, in clu ir-se, entre es sas con di ções, a pró pria im por ta ção de pa ra dig mas teó ri co-me to do ló gi cos de ori gem nor te-ame ri ca na, quer por via dos flu xos de in - for ma ção e pu bli ca ções, quer atra vés da pre sen ça, no cam po aca dé mi co-ci en tí fi co eu ro peu, de uma ge ra ção de so ció lo gos for ma dos nos EUA. Si tu a ção igual men te des fa vo rá vel à ple na ins ti tu ci o na li za ção da so ci o lo gia foi a que se ve ri fi cou, na Ale ma nha, du ran te a pri me i ra me ta de do sé cu lo XX, com a

4 14 José Madureira Pinto par ti cu la ri da de, no caso, de ne nhum dos fun da do res ter se quer ocu pa do, com con - ti nu i da de, um lu gar uni ver si tá rio bem iden ti fi ca do com a dis ci pli na. Só em me a - dos da dé ca da de 1950 pas sa ram a ser con ce di dos di plo mas es pe cí fi cos nes ta área, não sem que, de po is dis so, te nha cres ci do, em rit mo ace le ra do, o nú me ro de es tu - dan tes e pro fes so res em de par ta men tos de so ci o lo gia. A ava li ar pelo que diz Pe ter Weingart (1998), o des fa sa men to en tre o flu xo de gra du a dos e a pro cu ra de qua li fi - ca ções so ci o ló gi cas no mer ca do de em pre go é, aliás, hoje, na Ale ma nha, mu i to acen tu a do, o que, evi den te men te, co lo ca, tal como nou tros pa í ses, pro ble mas sé - rios e no vos ao pró prio pro ces so de ins ti tu ci o na li za ção da dis ci pli na. A his tó ria do cam po in te lec tu al por tu guês sofre uma rup tu ra de ci si va com o gol pe mi li tar de Du ran te qua se cin co dé ca das de re gi me di ta to ri al, toda a re - fle xão de tipo so ci o ló gi co pas sou a ser en ca ra da pelo apa re lho ide o ló gi co-re pres s i - vo ins ta la do como ac ti vi da de po ten ci al men te con trá ria à se gu ran ça do es ta do, de - ven do por isso ser vi gi a da, cen su ra da e re pri mi da. Talvez se pos sa di zer que este es tran gu la men to for ça do da in ves ti ga ção em ciên ci as so ci a is era, em cer ta me di da, pelo me nos até me a dos da dé ca da de 1950, con gru en te com o pró prio ní vel e na tu re za da pro cu ra so ci al de co nhe ci men tos, uma vez que a for ma ção so ci al por tu gue sa não ha via sa í do ain da, du ran te esse pe - río do, de uma fase de ca pi ta lis mo de fen si vo e de iso la men to cul tu ral he ge mo ni - za da por sec to res so ci a is imo bi lis tas e pou co es cla re ci dos, mu i to li ga dos ain da a in - te res ses e in fluên ci as ide o ló gi cas de ma triz pre do mi nan te men te agro-ru ra lis ta. Mas, com a pro gres si va aber tu ra da eco no mia ao ex te ri or, com o sur to emi - gra tó rio que vai atin gir o seu auge na dé ca da de 1960, com a pro le ta ri za ção de ex - ten sas ca ma das da po pu la ção cam po ne sa, com a in ten si fi ca ção dos pro ces sos de ur ba ni za ção para não re fe rir se não al gu mas das prin ci pa is trans for ma ções que, por esta al tu ra, se de se nham na so ci e da de por tu gue sa, vão-se cri an do con di ções glo bal men te fa vo rá ve is ao de sen vol vi men to de um pen sa men to sis te má ti co e aca - de mi ca men te en qua dra do so bre o so ci al. Aca ba por ser em sec to res pró xi mos do po der que a pro cu ra de co nhe ci men tos de tipo so ci o ló gi co co me ça a ser for mu la da: de fac to, di an te dos dis fun ci o na men tos so ci a is e so bre tu do dos blo que a men tos à mo der ni za ção eco nó mi ca que es tas mu dan ças tor nam pa ten tes, vão-se in ten si fi - car, no seio das frac ções tec no crá ti cas da clas se go ver nan te, os si na is de uma aber - tu ra às ciên ci as so ci a is. As exi gên ci as de ra ci o na li za ção da ac ção po lí ti ca e, e m par - ti cu lar, de pla ne a men to da eco no mia, são a jus ti fi ca ção mais fre quen te men te in vo - ca da a este pro pó si to. A ver da de, po rém, é que o apa re lho ide o ló gi co e re pres si vo do re gi me (cen su - ra, par ti do úni co, po lí cia po lí ti ca) con ti nu a va a ser do mi na do por prin cí pi os de ac - tu a ção ri gi da men te con ser va do res. Num con tex to de guer ra co lo ni al pro lon ga da, fo ram-se en tão en con tran do ar gu men tos para adi ar os pro jec tos de mo der ni za ção e aber tu ra cul tu ral de fen di dos quer pe las for ças de opo si ção ao re gi me, quer mes - mo pe los sec to res pro gres sis tas do apa re lho de es ta do, adi an do-se tam bém, com eles, o (re)nas ci men to da so ci o lo gia por tu gue sa.

5 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 15 Novo fôlego Ape sar de a con sa gra ção ins ti tu ci o nal da dis ci pli na nos sec to res uni ver si tá ri os po - ten ci al men te mais fa vo rá ve is ao seu de sen vol vi men to (eco no mia, le tras, di re i to) con ti nu ar a ser re cu sa da até ao iní cio da dé ca da de 1970, al gu mas ten ta ti vas vão sur gin do para, de for ma en ca po ta da, fa zer en trar a so ci o lo gia em pro gra mas de ca - de i ras for mal men te de di ca das a te má ti cas bem dis tin tas. Inves ti ga do res de pres tí gio in ter na ci o nal, como o et nó lo go A. Jor ge Dias e o his to ri a dor Vi to ri no Ma ga lhães Go di nho, con se gui am, por seu lado, con du zir, no Insti tu to Su pe ri or de Ciên ci as So ci a is e Po lí ti ca Ultra ma ri na, au tên ti co ba lu a r te aca dé mi co do re gi me, um com ba te bem su ce di do pela re no va ção dos es tu dos so - bre a so ci e da de por tu gue sa. Criara-se, por outro lado, em 1962, no Instituto Superior de Ciências Eco nó mi - cas e Financeiras, um discreto centro de estudos o Gabinete de Investigações So - ciais. Constituído inicialmente por um grupo de economistas com ligações ao mo vi - mento católico, o GIS alargar-se-á progressivamente a outras formações e, sob a di - recção efectiva de Adérito Sedas Nunes, irá dar início à publicação da re vis ta Análise Social, que depressa se tornou uma importante referência no campo intelectual português. Não ad mi ra que as pri me i ras re fle xões de fô le go so bre a so ci e da de por tu gue - sa, e no me a da men te as que se in ter ro gam sobre as es pe ci fi ci da des do nos so sub de - sen vol vi men to, tra gam mar cas de al gum en vol vi men to dou tri ná rio dos seus au to - res. Na au sên cia de uma pro du ção so ci o ló gi ca sis te má ti ca e con tras tá vel em qua - dros ins ti tu ci o na is es pe ci a li za dos, era ine vi tá vel que cer tos prin cí pi os de ori en ta - ção po lí ti co-dou tri ná ria se so bre pu ses sem, en tão, a ob jec ti vos ana lí ti cos ca rac t e rís - ti cos de cam pos ci en tí fi cos mais es tru tu ra dos. Mes mo as sim, da tam de fi na is dos anos 60 al guns es tu dos de gran de en ver ga - du ra sobre a so ci e da de por tu gue sa, sen do de re al çar, pela so li dez da fun da men ta - ção teó ri ca e me to do ló gi ca uti li za da, o con jun to de pes qui sas re a li za das no GIS s o - bre a es tru tu ra so ci al e sobre o sis te ma de en si no uni ver si tá rio no nos so país. Com a aber tu ra do re gi me sub se quen te à mor te po lí ti ca de Sa la zar, a que veio a cor res pon der uma in ten si fi ca ção dos mo vi men tos de con tes ta ção nas uni ver si da - des, sur ge fi nal men te a opor tu ni da de de in te grar nos pla nos de es tu do das fa cul - da des de eco no mia dis ci pli nas de ini ci a ção nas ciên ci as so ci a is e, um pou co mais tar de, de in clu ir numa nova es co la uni ver si tá ria (o Insti tu to Su pe ri or de Ciên ci as do Tra ba lho e da Empre sa) al guns es pa ços de lec ci o na ção mais sis te má ti ca da so ci o lo gia. Um tan to pa ra do xal men te, ou tal vez não, é o mar xis mo a ori en ta ção teó ri ca mais mar can te nos pro gra mas em ca u sa, e uma tal cir cuns tân cia não po de rá de i xar de vir a ter al gu ma re per cus são no tra ba lho so ci o ló gi co de sen vol vi do já de po is da re vo lu ção de mo crá ti ca de Ou tro tra ço que ca rac te ri za esta fase de re fun da ção da so ci o lo gia por tu gue sa diz res pe i to ao gran de in ves ti men to que é fe i to pe los seus prin ci pa is pro ta go nis t as em ma té ria de re fle xão me to do ló gi ca e epis te mo ló gi ca. Tra ta-se, em pri me i ro lu gar, de en con trar ar gu men tos que le gi ti mem a

6 16 José Madureira Pinto ci en ti fi ci da de de um cam po de pro du ção in te lec tu al sobre o qual re ca íam acu sa - ções vá ri as: à di re i ta, a de ser a an te câ ma ra ou a más ca ra da gran de per ver são so - ci a lis ta; à es quer da, a de se pres tar a uti li za ções pou co edi fi can tes pe los po de r es do mi nan tes; ao cen tro,a de se mis tu rar des pre ve ni da men te com o sen so co mum ou com as téc ni cas ale ga da men te pou co re fle xi vas do ser vi ço so ci al. Mas o re fe ri do so bre in ves ti men to tam bém se deve às pró pri as exi gên ci as de re con ver são aca dé mi co-pro fis si o nal da qua se to ta li da de dos mem bros des ta pri - me i ra co mu ni da de in for mal de so ció lo gos por tu gue ses: uns ti nham for ma ção de base em le tras, ou tros pro vi nham da eco no mia ou do di re i to e al guns eram en ge - nhe i ros. Re fe ren ci ar com ri gor as ba li zas in te lec tu a is dentro das qua is pas sa vam a mo vi men tar-se, eis uma pre o cu pa ção que a to dos unia. O fac to de o fi nal dos anos 60 co in ci dir, no pa no ra ma in ter na ci o nal (e, so bre - tu do, eu ro peu) das ciên ci as so ci a is, com um mo men to de crí ti ca ao mo de lo em pi - ris ta do co nhe ci men to terá con tri bu í do igual men te para o gran de in te res se dos pioneiros da so ci o lo gia por tu gue sa por es tas te má ti cas. E, as sim, se a aten ção não de i xa va de se di ri gir para Le Vocabulaire des Sci en ces So ci a les, de Bou don e La zars feld, ou para Met ho do logy of So ci al Re se arch, de Bla lock, e se, por ou tro lado, Pop per era dis cu ti do com al gu ma ve e mên cia à luz do que en - tre tan to dis se ra o he te ro do xo Kuhn, ho ras a fio eram des pen di das a des bra var Le Mé ti er de So ci o lo gue, de Bour di eu, Cham bo re don e Pas se ron e a su bli nhar pa ci en te - men te o den so Lire Le Ca pi tal, de Althus ser, para além, já se vê, de O Ca pi tal, ele pró prio (en vol to em in fin dá ve is po lé mi cas que, aliás, co me ça vam por in ci dir na pró pria ge nu i ni da de das tra du ções uti li za das pe los in ter lo cu to res). Algum con sen so em tor no de um mo de lo de ci en ti fi ci da de de sig ná vel como ra ci o na lis mo crí ti co foi-se ge ran do e di fun din do nes ta pri me i ra ge ra ção de so ció lo - gos e, por seu in ter mé dio, en tre os es tu dan tes de dis ci pli nas de ini ci a ção nas ciên - cias so ciais e na so ci o lo gia. A pre o cu pa ção em es ta be le cer co ne xões en tre, por exem plo, Weber, Gold mann e Ma nhe im, sem de i xar de in vo car as te ses de um eco - no mis ta como Myrdal, a pro pó si to das re la ções en tre ciên ci as, va lo res e ide o lo gi as pre o cu pa ção essa pa ten te na obra-cha ve des te pe río do que é Qu es tões Pre li mi na - res So bre as Ciên ci as So ci a is, de A. Se das Nu nes dá bem a ide ia da am pli tu de da re - fle xão en tão em pre en di da. E, fa zen do jus à in fluên cia mar can te do es tru tu ra lis mo na con jun tu ra in te lec tu al eu ro pe ia da épo ca, nem mes mo a lin guís ti ca e a se mi o lo - gia de i xa ram de ser uti li za das como ins tru men tos es sen ci a is de uma crí ti ca sis te - má ti ca aos obs tá cu los epis te mo ló gi cos e aos ava ta res do em pi ris mo nos dis cur sos das ciên ci as so ci a is. Um ou tro tra ço im por tan te des te pe río do de in ten sa acu mu la ção pri mi ti va de co nhe ci men tos téc ni co-me to do ló gi cos, teó ri cos e auto-re fle xi vos por par te da nó vel co mu ni da de so ci o ló gi ca por tu gue sa é a gran de aber tu ra à in ter dis ci pli na ri da de. Re co nhe cem os au to res do re la tó rio da Co mis são Gul ben ki an so bre a re es tru - tu ra ção das ciên ci as so ci a is, pu bli ca do sob o tí tu lo Para Abrir as Ciên ci as So ci a is, que, após o lon go pe río do de con so li da ção e ins ti tu ci o na li za ção das ciên ci as so ci a is que vai até me a dos do sé cu lo XX, se as sis te, nos pa í ses mais avan ça dos nes te do mí nio do sa ber, a al gum es for ço no sen ti do de ate nu ar ou trans por bar re i ras dis ci pli na res

7 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 17 e fe cha men tos ins ti tu ci o na is es tri tos. Mas tam bém di zem que o mo vi men to em causa de pa rou com re sis tên ci as e obs tá cu los vá ri os, de sen ro lan do-se a rit mo len to e com su ces sos re la ti va men te pon tu a is. Terá sido este o pre ço a pa gar pe los pro - gres sos ob ti dos gra ças a uma con sis ten te di vi são de tra ba lho e à cor res pon den te es - tru tu ra ção ins ti tu ci o nal an te ri or men te re a li za das no in te ri or das ciên ci as so ci a is. Por tu gal não co nhe ceu, como se viu, uma tal tra jec tó ria his tó ri ca. E tal vez re - si da aí uma das ra zões mais for tes para que este im pul so ina u gu ral se te nha re ve la - do par ti cu lar men te fa vo rá vel ao plu ra lis mo dis ci pli nar na abor da gem dos fe nó - me nos so ci a is. Mas a nos sa ori gi na li da de nes ta ma té ria tam bém se deve, se gu ra men te, ao modo de re cru ta men to da pri me i ra ge ra ção de so ció lo gos: como já se dis se, eles sur gi ram, nes ta fase em bri o ná ria, mu ni dos de for ma ções de base ex tra or di na ri a - men te di ver si fi ca das, a que as so ci a vam uma for te von ta de co mum de re con ver são aca dé mi ca e pro fis si o nal. A pro pen são à in ter dis ci pli na ri da de (que os fun da do re s em es pe ci al Se das Nu nes, Arman do Cas tro e Vi to ri no Ma ga lhães Go di nho tão en tu siá ti ca e fun da men ta da men te ha vi am pro pug na do) in te grou-se com na tu - ra li da de nos seus ha bi tus pro fis si o na is e foi-se trans mi tin do com ra zoá vel efi cá cia, no me a da men te atra vés de um apro ve i ta men to di dác ti co qua se exa us ti vo da ca te - go ria ma us si a na de fe nó me no so ci al to tal, a su ces si vas ge ra ções de apren di zes de so ci o lo gia. Escu sa do será acres cen tar que o trun fo da aber tu ra plu ri e trans dis ci pli nar que as sim se foi cons tru in do não de i xou de ar ras tar con si go o ris co de in con sis tên - cia ou mes mo de dis so lu ção dis ci pli nar, com to das as suas vir tu a is con se quên ci as em ter mos de res tri ção à cu mu la ti vi da de e à ca pa ci da de de auto-re gu la ção do co - nhe ci men to pro du zi do. Não pa re ce, con tu do, que o ris co se te nha con cre ti za do em fa ses pos te ri o res do de sen vol vi men to da so ci o lo gia por tu gue sa. Consolidação A re vo lu ção de Abril ace le ra o re gres so a Por tu gal de um con jun to vas to de inte - lectuais, en tre os qua is bas tan tes so ció lo gos, que aju dam a pro mo ver a aber tu ra da pe que na co mu ni da de ci en tí fi ca na ci o nal aos mo vi men tos teó ri cos em cur so nos pa í ses cen tra is, quer da es fe ra fran có fo na, quer do es pa ço de in fluên cia an glo-sa xó ni co. O pa no ra ma edi to ri al al te ra-se ra di cal men te, su ce den do-se a pu bli ca ção de re vis tas e as tra du ções de al gu mas obras de base. Os en con tros ci en tí fi cos mul ti pli - cam-se. Cri am-se li cen ci a tu ras em so ci o lo gia e nas cem cen tros de in ves ti ga ção em di fe ren tes uni ver si da des. Em con so nân cia com a es tru tu ra ção do cam po aca dé mi co-ci en tí fi co, vai ve ri - fi car-se um sur to sig ni fi ca ti vo de pes qui sas so bre a re a li da de so ci al por tu gue sa. Com pre en si vel men te, elas de fron tam-se com um pro ble ma sé rio, o da in su fi - ciên cia de es tu dos de base so bre as es tru tu ras so ci a is do país, pelo que se lhes im - põe, com fre quên cia, a ne ces si da de de re a li zar in ves ti men tos ini ci a is muito

8 18 José Madureira Pinto pe sa dos nes te do mí nio, in clu si ve em ter mos de res ti tu i ção da di men são his tó ri ca dos fe nó me nos em es tu do. A con tra par ti da po si ti va de uma tal li mi ta ção con sis tiu na re cu sa de li be ra da em iso lar ar ti fi ci al men te, do pon to de vis ta ana lí ti co, os o b jec - tos da pes qui sa. E aqui está uma ten dên cia que, não obstante ine vi tá ve is ten ta ções pon ti lhis tas, veio a ser pre ser vada, quan to ao es sen ci al, no fu tu ro. Foi grande a diversidade de objectos que, desde o início da abertura de mo crá ti - ca, preocuparam os sociólogos portugueses: o estado, as forças armadas, o sistema educativo, as culturas cultivada e popular, a criação e recepção das artes, os ri - tuais e outras práticas simbólicas referidas a microcosmos e grupos sociais margi - nais (emigrantes, migrantes pendulares, artesãos, camponeses ), as estratégias de sobrevivência na agricultura e noutros sectores subterrâneos da economia, etc. Um esforço no sentido de uma teorização da especificidade da sociedade portugue - sa como semiperiférica e/ou de desenvolvimento intermédio foi-se perfilando, en - tretanto, como uma particularidade promissora da jo vem sociologia portuguesa. Deve-se-lhe, além do mais, a capacidade, posteriormente revelada, de articular com coerência, em espaços institucionais progressivamente consolidados, um con jun to muito vasto de linhas de investigação sobre a mudança social em Portugal. O nú me ro e re par ti ção te má ti ca das co mu ni ca ções aos quatro con gres sos da Asso ci a ção Por tu gue sa de So ci o lo gia re a li za dos até ao ano 2000 dão uma ide ia da evo lu ção da pes qui sa de sen vol vi da nas duas úl ti mas dé ca das. Em 1988, fo ram apre sen ta das 73 co mu ni ca ções, e os qua tro do mí ni os mais tra ta dos fo ram os se guin tes: So ci o lo gia da in for ma ção, do co nhe ci men to e da cul - tu ra, So ci o lo gia das ques tões ur ba nas e ru ra is, So ci o lo gia da fa mí lia e So ci o - lo gia in dus tri al, das or ga ni za ções e do tra ba lho. Em ses são ple ná ria, dis cu tiu-se, nes se ano, a ques tão das Con di ções de exer cí cio e pers pec ti vas pro fis si o na is da so ci o lo gia, numa es pé cie de an te vi são de li nhas ori gi na is de re fle xão so bre os usos so ci a is do co nhe ci men to so ci o ló gi co que mais tar de con ti nu a ri am a de sen vol ver-se. Em 1992, dis cu ti ram-se 129 co mu ni ca ções, com in ci dên cia es pe ci al em Mu - dan ça so ci al: no vos va lo res, mo dos de vida, iden ti da des, Edu ca ção e tra ba lho: con tra di ções e al ter na ti vas or ga ni za ci o na is, Re com po si ção só cio-es pa ci al e di - nâ mi cas re gi o na is e lo ca is e, em pla no de me nor des ta que, A di nâ mi ca dos sa be - res: ciên cia, tec no lo gia e ou tras for mas cul tu ra is, Po lí ti cas, ci da da nia e ex clu são so ci al e, num re gis to mais aber to à auto-re fle xi vi da de so ci o ló gi ca, Te o ri as, me to - do lo gi as, epis te mo lo gi as. Na ses são ple ná ria, pro cu rou-se que a aten ção con ver - gis se so bre o po lé mi co bi nó mio So ci o lo gia e mo der ni da de. Em 1996, o número de comunicações subiu para 202, centrando-se pre do mi - nantemente em Família, género e afectos, Cultura, comunicação e transformação dos saberes e Território, ambiente e dinâmicas regionais e locais e, com pro po r - ções algo inferiores, em Estado, poderes e sociedade, Estruturas produtivas, tra - balho e profissões e Educação e desenvolvimento (Lobo, 1996). As sessões ple ná - rias elegem neste ano, uma vez mais, a relação da sociologia consigo mesma Olhares sobre a mudança social: divergências e convergências entre as ciências so - ciais e Sociólogos: profissionais da mudança social? e ainda As práticas so - ciais face ao poder dos media.

9 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 19 O Con gres so do ano 2000 con gre gou mais de 1000 par ti ci pan tes e 306 co mu - ni ca ções; ve ri fi cou-se que as áre as li ga das à so ci o lo gia do tra ba lho, das or ga ni za - ções e das pro fis sões, bem como das ques tões so ci o es pa ci a is man ti ve ram uma pre - sen ça au tó no ma, dis tri bu in do-se em tor no de dois gran des te mas: Mu dan ça tec - no ló gi ca, tra ba lho e pro du ção e Urba ni da des, ru ra li da des e di nâ mi cas so ci o es - pa ci a is ; a so ci o lo gia po lí ti ca e das clas ses so ci a is e a so ci o lo gia da cul tu ra des do - bra ram-se em sub te mas que, sem de i xa rem de re co brir ob jec tos clás si cos, pas sa - ram a in clu ir ou tros mais pró xi mos das pre o cu pa ções co lo ca das pela glo ba li za ção das so ci e da des con tem po râ ne as: Esta do, go ver na bi li da de e po lí ti cas so ci a is, Ci da da nia, de si gual da des e con fli to so ci al, Iden ti da des, et ni ci da des, mar gi n a - li da des, Prá ti cas cul tu ra is e co mu ni ca ção e Valores, prá ti cas e ex pres sões ide n - ti tá ri as ; a so ci o lo gia da fa mí lia e a so ci o lo gia da edu ca ção re to ma ram o seu lu gar no con gres so, com os te mas Re or ga ni za ção dos sa be res, ciên cia e edu ca ção e Fa - mí lia, gé ne ro e tra jec tos de vida ; um úl ti mo tema pôs, sin to ma ti ca men te, em con - ju ga ção, mais uma vez, Teorias, me to do lo gi as e ex pe riên ci as pro fis si o na is (Vi la - ça, 2000). Pode afir mar-se que, pelo me nos até ao fim dos anos 80, não ha via na co - mu ni da de so ci o ló gi ca por tu gue sa in dí ci os evi den tes de nor ma li za ção pa ra dig - má ti ca, nela co e xis tin do pa ci fi ca men te con tri bu i ções as so ci a das aos qua dros teó ri cos con ven ci o na is da dis ci pli na: mar xis mo, es tru tu ro-fun ci o na lis mo (so - bre tu do de ins pi ra ção mer to ni a na), in te rac ci o nis mo sim bó li co e ou tras cor ren - tes fe no me no ló gi co-com pre en si vas Co me ça va, no en tan to, a ser no ta da al gu ma ten dên cia para re cor rer, com es - pe ci al fre quên cia, ora a ten ta ti vas de sín te se teó ri ca, como as pro pos tas por Pierre Bour di eu e Anthony Gid dens, ora ao qua dro, em re ac tu a li za ção per ma nen te, da te o ria crí ti ca, ora, ain da, a abor da gens sim bó li co-cons tru ti vis tas mu i to pró xi m as das pre o cu pa ções da fi lo so fia e das ciên ci as da lin gua gem. Qu an to a es tra té gi as me to do ló gi cas pri vi le gi a das, é de as si na lar a pro pen são para uma re ac tu a li za ção cri a ti va, sob a for ma de pro ce di men tos de ob ser va ção assaz eclé cti cos, das tra di ções es tru tu ral-po si ti vas e fe no me no ló gi cas, com efect i - va sub ver são de ro ti nas e fron te i ras pre sen tes nos ha bi tus pro fis si o na is da so ci o lo - gia e da an tro po lo gia das co mu ni da des ci en tí fi cas cen tra is no me a da men te as que aí fo ram opon do quan ti ta ti vo a qua li ta ti vo ou ex ten si vi da de a in ten si vi da de. Mu i tas das pre o cu pa ções ma ni fes ta das pe las cor ren tes pós-mo der nis tas e des cons tru ti vis tas per dem, por isso, no con tex to de ra ci o na lis mo pós-po si ti vis tae crí ti co que ca rac te ri za, des de a fase ina u gu ral, a jo vem so ci o lo gia por tu gue sa,e s - pa ço de apli ca ção útil. O eco que en tre nós ob ti ve ram pa re ce, en tão, jus ti fi car-se, no que diz res pe i to ao con tex to ins ti tu ci o nal da pro du ção so ci o ló gi ca, mais pela pre o - cu pa ção de apro xi ma ção a mo vi men tos ra di ca dos no cam po in te lec tu al de al guns pa í ses cen tra is, do que por uma efec ti va ne ces si da de de de mar ca ção face à na tu re - za do tra ba lho so ci o ló gi co do mi nan te em Por tu gal. Já quan to ao im pac to que tam - bém tem tido en tre os pú bli cos es tu dan tis, é de ad mi tir que es te ja re la ci o na do com a pro pen são exis ten te, em al guns dos seus sec to res, para trans for mar a in dis pen sá - vel crí ti ca ao fe ti chis mo ci en tis ta num au tên ti co fe ti chis mo da crí ti ca (ver, so bre este pon to, Pin to, 1994: 36-37).

10 20 José Madureira Pinto A in ven ti va me to do ló gi ca tem sido, aliás, in cen ti va da, entre nós, por uma ori - gi nal li nha de re fle xão so bre as po ten ci a li da des da ar ti cu la ção entre in ves ti ga ção teó ri ca, pes qui sa ob ser va ci o nal (in clu in do in ves ti ga ção-ac ção) e exer cí cio profi s - sional da so ci o lo gia, sen do de des ta car pela sa u dá vel rup tu ra de fron te i ras ins ti - tu ci o na is que im pli ca e pelo cru za men to de sa be res que pro mo ve o pa pel que teve a Asso ci a ção Por tu gue sa de So ci o lo gia na di na mi za ção e im po si ção ao cam po aca dé mi co de um tal de ba te. Numa al tu ra em que as aten ções se con cen tram nas téc ni cas de tra ta men to de in for ma ção ma te ri a li za das em so fis ti ca do soft wa re de res to, com re sul ta dos fre - quen te men te mu i to fe cun dos, esta for te cons ciên cia me to do ló gi ca tem mos tra - do que, se se qui ser aper fe i ço ar a qua li da de da in ves ti ga ção e da prá ti ca pro fis si o - nal, há um in ves ti men to fun da men tal a fa zer na dis cre ta e hu mil de es fe ra da re co - lha de in for ma ção, ain da que, para o con cre ti zar, se te nham de mul ti pli car de mo ra - dos exer cí ci os de aná li se so ci o ló gi ca sobre as re la ções (so ci a is) de ob ser va ção im - pli ca das na pes qui sa. É uma pers pec ti va que po de rá for ne cer im por tan tes su ges - tões para uma re for mu la ção do sis te ma de in di ca do res eco nó mi co-so ci a is con ven - ci o na is, sen do de ad mi tir que al guns efe i tos des ta nos sa van ta gem com pa ra ti va se ve nham a re per cu tir e a ob ter re co nhe ci men to nos sec to res da co mu ni da de in ter - na ci o nal das ciên ci as so ci a is em que, cada vez mais, os so ció lo gos por tu gue ses se mo vi men tam. É igual men te pre vi sí vel, pe ran te de sen vol vi men tos re cen tes da dis ci pli na, que duas no vas ten dên ci as es tas bem me nos vir tu o sas se es te jam de se nhan do no ain da frá gil edi fí cio da so ci o lo gia por tu gue sa. A pri me i ra diz res pe i to ao re tra i men to em ma té ria de in ves ti men to teó ri co na fase de pro ble ma ti za ção dos ob jec tos de pes qui sa, o que pa u la ti na men te le va ráa al gu ma ce dên cia pe ran te co nhe ci dos mo de los pron to-a-usar da so ci o lo gia em pi - ris ta. Po de rá ser este um efe i to per ver so, em bo ra não ine vi tá vel, do au men to no tó - rio da pro cu ra ofi ci al ou para-ofi ci al de co nhe ci men tos so ci o ló gi cos que se tem ve - ri fi ca do nos úl ti mos anos, so bre tu do se, en tre tan to, tam bém se ve ri fi car um re tra i - men to no fi nan ci a men to pú bli co de pro jec tos de in ves ti ga ção ca na li za do atra vés do Mi nis té rio da Ciên cia, Ino va ção e Ensi no Su pe ri or e se se man ti ver a gra ve la cu - na or ça men tal das uni ver si da des em ma té ria de es tí mu lo di rec to à pes qui sa ci en tí fi ca. Ala in Ca il lé de sig na como ex plo são por ba i xo esta ten dên cia das ciên ci as so ci a is as so ci a da ao au men to do nú me ro de in ves ti ga do res e de ob jec tos de in ves ti - ga ção em pí ri ca apli ca da. Par tin do do prin cí pio que tal ten dên cia não per mi te, ge - ral men te, cla ri fi car e re sol ver ques tões teó ri cas e ob jec ti vos nor ma ti vos, con cl ui aque le au tor que, na so ci o lo gia, por exem plo, os ob jec tos em pí ri cos já não são de - se nha dos pelo es for ço teó ri co, mas pela en co men da fe i ta pe los gran des or ga nis - mos pú bli cos fi nan ci a do res, que in ter pre tam em ca lão tec no crá ti co uma su pos ta pro cu ra so ci al, e que pre fi gu ram as res pos tas de se ja das pelo pró prio enun ci a do das ques tões que for mu lam (Ca il lé, 1997: 57). Sem que rer subs cre ver a ine vi ta bi li - da de e in con tor na bi li da de dos fac tos as si na la dos por A. Ca il lé vol ta rei adi an t e à ques tão pa re ce, mes mo as sim, acon se lhá vel não de i xar de os ter em de vi da con ta.

11 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 21 Ou tra ten dên cia que igual men te me re ce ser pon de ra da con sis te na frag - men ta ção em es co las, as qua is po de rão não re sis tir à ten ta ção de bus car um lu gar he ge mó ni co no cam po, ora atra vés de es tra té gi as de ar gu men ta ção em que o es for ço de de mar ca ção es ta tu tá ria se so bre põe ao da de mons tra ção ci en - tí fi ca, ora à cus ta de uma de li be ra da eli são do tra ba lho re a li za do fora do seu cír cu lo res tri to (e ne ces sa ri a men te li mi ta do em ter mos in te lec tu a is) de pro du - ção ci en tí fi ca. Esta úl ti ma ten dên cia, a acen tu ar-se, porá ne ces sa ri a men te em ris co o pro - ces so de acu mu la ção e o con tro le cru za do de co nhe ci men tos so bre a re a li da de so ci al por tu gue sa, os qua is, dada a es pe ci fi ci da de da his tó ria das ciên ci as so - ciais no nos so país, de ve ri am ser es ti mu la dos com per sis tên cia mu i to par ti cu - lar. Nes tas con di ções, ape te ce con vi dar os so ció lo gos por tu gue ses a não pres - cin di rem do exer cí cio auto-re fle xi vo, tão ele men tar quão re ve la dor e edi fi can te, de con ta bi li za ção e aná li se de con te ú do das ci ta ções e mo dos de ci tar com que se re fe rem ou com ba ti va men te não se re fe rem ao tra ba lho dos pa res. Tor nan - do-os mais aten tos ao pro ces so em cur so de acu mu la ção de co nhe ci men tos so - bre a so ci e da de por tu gue sa, evi tar-se-iam, por ven tu ra, tam bém, des te modo, al gu mas de ri vas abs trac ti zan tes que, para con ti nu ar a in vo car A. Ca il lé, con tri - bu i rão para uma es pé cie de ex plo são por cima nes te do mí nio do sa ber aque la que aca ba por en vol ver to dos os que, si tu a dos do lado da no bre za da te - o ria e da con cep tu a li za ção e ocu pan do as po si ções hi e rár qui cas mais ele va - das, ten dem a li ber tar-se do mag ma dis ci pli nar ou mes mo a de ser tar do cam po da pró pria dis ci pli na ( idem, ibi dem : 58). Perspectivas de desenvolvimento O fu tu ro da so ci o lo gia no nos so país vai de pen der, evi den te men te, an tes de mais, da pró pria na tu re za e rit mo de trans for ma ção da so ci e da de por tu gue sa. E isso, não ape nas pela ób via ra zão de que tais trans for ma ções, im pon do uma mu dan ça de re fe ren tes, aca ba rão por in ter fe rir na se lec ção de ob jec tos e na con fi gu - ra ção dos re sul ta dos da aná li se, mas tam bém por que será a par tir de las que se de fi - ni rão cons tran gi men tos es tru tu ra is pre ci sos em ma té ria de pro du ção, di fu são e apro pri a ção dos co nhe ci men tos so bre o so ci al. O pri me i ro as pec to leva-nos a pon de rar até que pon to a so ci o lo gia por tu gue - sa vem re ve lan do ca pa ci da de para ana li sar, sem des fa sa men tos ou ini bi ções no tá - ve is, a di ver si da de e com ple xi da de de di men sões em que se des do bra o pro ces so de mu dan ça so ci al em Por tu gal. No cur to pe río do de três dé ca das, o país as sis tiu, como é sa bi do, a uma vi ra - gem po lí ti ca de enor me al can ce (fim do re gi me co lo ni al, de mo cra ti za ção do apa re - lho de es ta do, in te gra ção na União Eu ro pe ia), a mu ta ções mu i to sig ni fi ca ti vas nas es tru tu ras pro du ti vas (acen tu a da per da de im por tân cia eco nó mi ca da agri cul tu ra, de sin dus tri a li za ção e re es tru tu ra ções in dus tri a is, ter ci a ri za ção), a mu dan ça s do pró prio re gi me de mo grá fi co (ba i xa acen tu a da das ta xas de na ta li da de, du plo en - ve lhe ci men to, pre ca ri za ção e in for ma li za ção do gru po fa mi li ar, al te ra ção de

12 22 José Madureira Pinto pa drões mi gra tó ri os), a re com po si ções sen sí ve is na es tru tu ra de clas ses, à gé ne se de no vos pro ta go nis mos so ci a is, a um pro ces so ace le ra do de es co la ri za ção das ge - ra ções mais jo vens (não isen to, aliás, de com ple xas con tra di ções), a re a li nha men tos das prá ti cas cul tu ra is sob o im pac te dos me dia e do pro ces so de ur ba ni za ção, a no - vos pro ces sos de vul ne ra bi li za ção, em po bre ci men to e ex clu são so ci al e não se ria di fí cil pro lon gar este enun ci a do dos prin ci pa is vec to res de trans for ma ção da so ci e - da de por tu gue sa nas úl ti mas dé ca das. Pois bem: uma aná li se des com pro me ti da, mas aten ta, do tra ba lho de sen vol - vi do pe los so ció lo gos por tu gue ses não pode de i xar de re ve lar que eles têm acom - pa nha do, sem di fi cul da des de ma i or, a com ple xi da de dos pro ces sos so ci a is e das mu dan ças ins ti tu ci o na is em cur so. Obras como Por tu gal: Um Re tra to Sin gu lar (co or - de na da por Bo a ven tu ra de Sou sa San tos), Por tu gal, Que Mo der ni da de? (co or de na da por José Ma nu el L. Viegas e Antó nio Fir mi no da Cos ta) ou, em re gis to mais di dác ti - co, Intro du ção à So ci o lo gia (co or de na da por João Fer re i ra de Alme i da), bem como, ain da, o ba lan ço pro pos to pela Re vis ta Crí ti ca de Ciên ci as So ci a is sob o lema Vinte anos de te o ria so ci al cons ti tu em exem plos ex pres si vos de que o flu xo de contri - buições para o co nhe ci men to da for ma ção so ci al por tu gue sa ul tra pas sou de fi ni ti - va men te a fase de acu mu la ção pri mi ti va, mos tran do-se dis po ní vel para pro por in ter pre ta ções fun da men ta das so bre a sua evo lu ção re cen te e, com isso, es ta be le cer pa ta ma res fir mes para no vos, e cada vez mais apro fun da dos, ca mi nhos de in ves ti - ga ção. 3 O fac to de as obras ago ra ci ta das fa ze rem ques tão de in ter ro gar a di ver si - da de de mu dan ças ocor ri das na so ci e da de por tu gue sa à luz de um qua dro glo - bal de te o ri za ção que a en ca ra como so ci e da de se mi pe ri fé ri ca ou de de sen vol - vi men to in ter mé dio dá a en ten der, en tre tan to, que a che ga da à adul tez não con du ziu a so ci o lo gia por tu gue sa a um ali nha men to sem prin cí pi os re la ti va - men te a pres su pos tos e pro gra mas de in ves ti ga ção con so li da dos, nos pa í ses cen tra is, em tor no de con ce i tos, me to do lo gi as e re fe ren tes com as suas pró - prias es pe ci fi ci da des. Eis um tra ço da so ci o lo gia por tu gue sa que, sem pre ju í zo de uma for te im pli - ca ção na de fi ni ção de uma agen da eu ro pe ia para as ciên ci as so ci a is, con vi ria pre - ser var. E isso, tan to mais quan to, como é pre vi sí vel, se ve nha a acen tu ar no fu tu roa 3 Obra igual men te dig na de re gis to, na pers pec ti va de uma con so li da ção de co nhe ci men t os so - bre a so ci e da de por tu gue sa, é, sem dú vi da, A Si tu a ção So ci al em Por tu gal, (co or de na - da por Antó nio Bar re to). Dis tin gue-se, con tu do, mu i to cla ra men te, das que são re fe ri das no cor po do tex to, uma vez que nela se op tou por es tu dar a evo lu ção da eco no mia e da de mo gr a - fia por tu gue sas, bem como al gu mas das po lí ti cas so ci a is de sen vol vi das no pe río dod e re fe rên - cia, com ex clu são de mu i tas te má ti cas con sen su al men te con si de ra das, na co mu ni da de ci en tí fi ca in ter na ci o nal, como so ci o ló gi cas. Si tu an do-se, a este úl ti mo res pe i to, num tom que os ci la en tre a gran de sín te se e o ali nha men to de um gran de e me ri tó rio con jun to de in di ca - do res so ci a is, não ad mi ra que o tra ba lho ig no re com ple ta men te a já ex ten sa bi bli o gra fia so ci o - ló gi ca so bre as trans for ma ções re cen tes da so ci e da de por tu gue sa. Em Por tu gal, Que Mo der ni da de?, por exem plo, são re fe ren ci a das mu i tas cen te nas de tí tu los (li vros e ar ti gos) com es tas ca rac te rís ti cas. Só um aca so his tó ri co ab so lu ta men te in só li to per mi ti ria tor nar tão vas ta li te ra tu ra numa amál ga ma de inu ti li da des le gi ti ma men te ig no rá ve is numa obra sob re a evo - lu ção re cen te da so ci e da de por tu gue sa.

13 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 23 ten dên cia para a sua in ter na ci o na li za ção e de pen dên cia face a fi nan ci a men tos def i - ni dos em ins tân ci as su pra na ci o na is. 4 No nos so país, não pa re ce pos sí vel, aliás, con so li dar di nâ mi cas ci en tí fi cas pro gres si vas sem um cri te ri o so e con ti nu a do apo io fi nan ce i ro do es ta do às uni ver - si da des, ins ti tu i ções que, nes te do mí nio, po la ri zam, en tre nós, competên cias e meios com im por tân cia de ci si va. O argumento de que o referido apoio poderia ser reduzido, sem inconveniente de maior, através de um grande dinamismo no âmbito da prestação de serviços argu - mento esse que encontra no conhecido processo de transmutação ideológica da necessi - dade em virtude um veículo privilegiado de legitimação merece ser contrariado. De facto, sem a salvaguarda de espaços de independência na eleição e formulação de pro - blemas e na construção de métodos, sem uma abertura à controvérsia e criação teóricas qualidades que, em Portugal, só o financiamento público à pesquisa permitirá as se - gurar, o que podemos esperar é a progressiva degenerescência da sociologia portu - guesa, nas suas componentes de investigação fundamental, de investigação aplicada e de intervenção profissional. Em última análise, será a própria qualidade global da pres - tação de serviços a ressentir-se das restrições orçamentais impostas à pesquisa. Do meu pon to de vis ta, exis te aliás outro modo de en ca rar a li ga ção da uni - ver si da de ao meio, que, a de sen vol ver-se, mu i to po de rá pro mo ver os es tu dos so - ciológicos em Por tu gal. Re fi ro-me a uma li ga ção en ten di da como par ti ci pa ção ac ti va e, tan to quan to pos sí vel, in for ma da na trans for ma ção da so ci e da de nas suas múl ti plas di men sões. Não que a uni ver si da de pos sa ou deva subs ti tu ir-se, nes ta ver ten te de in ter ven ção, às ins tân ci as mais con ven ci o na is de de ci são po lí ti ca: o que im por ta é que se in si r a, como di na mi za do ra sui ge ne ris, no mo vi men to de mu dan ça de mo cra ti ca men te in - du zi da do es pa ço so ci al, ou san do atri bu ir-se a ini ci a ti va da con cep ção, re a li za ção e ava li a ção de pro jec tos de in ves ti ga ção/in ter ven ção so ci al de qua li da de. São inú me ros, nes ta pers pec ti va, os do mí ni os de in ci dên cia pos sí ve is: de si - gual da des no aces so à edu ca ção, à sa ú de, à cul tu ra; pre ven ção de to xi co de pen - dên ci as; pro ble mas dos ido sos e do en ve lhe ci men to; luta con tra a po bre za e ex - clu são; alo ja men to e re no va ção ur ba na; con di ções de tra ba lho e opor tu ni da des de em pre go; pro du ção da opi nião pú bli ca e par ti ci pa ção po lí ti ca E a lis ta pode pro lon gar-se qua se in de fi ni da men te, tão va ri a dos são, num país como Por tu gal, os fac to res de de si gual da de e de vul ne ra bi li da de so ci a is, por um lado, e as la cu - nas e in su fi ciên ci as do es ta do de bem-es tar, por ou tro, e tan tas, por con se guin te, as res pon sa bi li da des da ad mi nis tra ção pú bli ca como um todo no seu aper fe i ço a men to. 4 A tal pro pó si to, te nha-se em con ta a se guin te ob ser va ção de Ma ria Edu ar da Gon çal ves: ( ) a par ti ci pa ção de Por tu gal nas or ga ni za ções in ter na ci o na is e, hoje, prin ci pal men te, na Co - mu ni da de Eu ro pe ia tem tido o efe i to de trans fe rir para as ins ti tu i ções co mu ni tá ri as uma par te im por tan te das fun ções po lí ti cas e de re gu la ção an tes si tu a das na es fe ra do es ta do. Do mes mo pas so, ten dem tam bém a ser trans fe ri das para a Co mu ni da de as re la ções de fé e de - pen dên cia as so ci a das tra di ci o nal men te à au to ri da de es ta tal. A Co mu ni da de é co r ren te men - te apre sen ta da como uma ins ti tu i ção com pe ten te, bem in for ma da e ga ran te de boas de ci sões (1996: 63).

14 24 José Madureira Pinto Se a pers pec ti va que aca ba de ser de fen di da já dá uma ide ia do que pode ser uma es tra té gia ofen si va de afir ma ção da so ci o lo gia e do pa pel dos so ció lo gos na so - ci e da de por tu gue sa, pa re ce in te res san te avan çar nou tras di rec ções que igual men te se não con for mem com vi sões res tri ti vas e es tá ti cas do que é a uti li da de da dis ci pli na. A este res pe i to, uma das mais es ti mu lan tes pos si bi li da des em aber to tra - duz-se na in te gra ção da com po nen te de aná li se so ci o ló gi ca em pro jec tos de in ves ti - ga ção apli ca da ou de in ter ven ção de li ne a dos sob a égi de de sa be res téc ni co-ci en tí - fi cos per ten cen tes a ou tras áre as do co nhe ci men to (no me a da men te do pólo das ciên ci as fí si cas e da na tu re za). É um pas so que apon ta no sen ti do da pró pria di lu i ção de fron te i ras en tre pro - ble mas téc ni cos e pro ble mas so ci a is. Se a cons tru ção de uma auto-es tra da ou de uma gran de pon te já vai exi gin do a ela bo ra ção de es tu dos de im pac te am bi en tal, cus ta a ace i tar que essa mes ma cons tru ção, ou a aber tu ra de no vas vias de es co a men to de trá fe go em te ci dos ur ba - nos den sos, ou a im plan ta ção de gran des em pre en di men tos in dus tri a is, ter ciá ri os e ha bi ta ci o na is em es pa ços que le va ram de ze nas de anos a es ta bi li zar re fe rên ci a s iden ti tá ri as es sen ci a is para as po pu la ções, não se jam, por prin cí pio, pre ce di das, in - for ma das e acom pa nha das, nas suas com ple xas di nâ mi cas de in ser ção no ter ri tó rio hu ma ni za do, por mi nu ci o sos es tu dos de im pac to so ci al, em que ob vi a men te o con - tri bu to dos so ció lo gos é fun da men tal. Mu i tos dos pro ble mas com que hoje nos de ba te mos de lin quên cia ju ve nile vi o lên cia ur ba na, so li dão e si len ci a men to so ci al nos cam pos e nas ci da des, de gra - da ção do par que ha bi ta ci o nal nos gran des cen tros ur ba nos e seus su búr bi os, emer - gên cia de no vas for mas de po bre za e ex clu são so ci al, to dos es ses pro ble mas não te ri am che ga do a ter a per tur ban te ex pres são que hoje têm, se os re cur sos teó ri cose me to do ló gi cos da so ci o lo gia ti ves sem sido mo bi li za dos, sem cen su ras ou ana cró - ni cas re ser vas de fen si vas, nas ins tân ci as de de ci são com pe ten tes. A di lu i ção de fron te i ras que se pro põe per mi ti ria, de res to, es ti mu lar a co la bo - ra ção das ciên ci as so ci a is com do mí ni os do sa ber tão vas tos como os das ciên ci as da vida e do am bi en te, as ciên ci as de en ge nha ria e a ar qui tec tu ra, com efe i tos pre vi si - vel men te mu i to po si ti vos em ter mos de pro gres são glo bal do co nhe ci men to. Aliás, numa es tra té gia de ac ti va afir ma ção da so ci o lo gia como a que se está pro pon do, há lu gar para uma li nha de ac tu a ção ain da mais avan ça da: con sis te ela em usar as com pe tên ci as es pe cí fi cas do ofí cio no sen ti do de am pli ar e re es tru tu rar o pró prio elen co dos pro ble mas so ci a is re le van tes. Não se tra ta de fu gir aos de sa fi os con cre tos que, no exer cí cio da pro fis são, se co lo cam aos so ció lo gos: eles não po dem de i xar de es tar pre pa ra dos para pen sar os pro ble mas que os ci da dãos, os me i os de co mu ni ca ção ou as ins tân ci as ofi ci a is e ofi - ci o sas de sig nam como pro ble mas so ci a is. Mas o que tam bém não de vem ig no raré que, pela for ma ção es pe cí fi ca que ad qui ri ram, e que os leva a mo dos pe cu li a res de in ter pre tar e ob ser var os com por ta men tos em so ci e da de, está igual men te ao seu al - can ce for mu lar um con jun to de pro ble mas que, nou tros en ten di men tos, ou não exis tem ou são re cal ca dos. A ca pa ci da de, que em prin cí pio de têm, de des ven dar, por de trás ou para além dos dis fun ci o na men tos ma ni fes tos da so ci e da de, os nós

15 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 25 es tru tu ra is que os ge ram e re pro du zem, e essa ou tra que con sis te em re con du zir com por ta men tos in di vi du a is a pro pen sões co lec ti va men te par ti lha das, e es tas a sis te mas de re la ções so ci a is es ses atri bu tos do ofí cio con fe rem aos so ció lo gos trun fos na in ter pre ta ção do so ci al que de vem usar, sem qual quer ar ro gân cia in te - lec tu al face a ou tros pro fis si o na is, mas com toda a con vic ção, no pro ces so ina ca ba - do (e que nun ca deve ser uni di rec ci o nal) de fi xa ção dos pro ble mas so ci a is a en fren tar. Assim, por exem plo, se não faz sen ti do re cu sar mos a im por tân cia da to xi co - de pen dên cia ou da de lin quên cia ju ve nil como pro ble mas so ci a is, tudo apon ta para que, em nome do re a lis mo so ci o ló gi co, te nha mos de in da gar se não será tam bém,e an tes dis so, pro ble ma o de sa jus ta men to, que parece agra var-se nas so ci e da des con tem po râ ne as, en tre as ex pec ta ti vas cri a das pela es co la ri za ção e ou tras en gre na - gens de so ci a li za ção, por um lado, e as opor tu ni da des de efec ti va par ti ci pa ção dos jo vens no tra ba lho, na cri a ção cul tu ral e na vida cí vi ca, por outro. Re co nhe ça mos que a cri mi na li da de em meio ur ba no é um pro ble ma so ci al. Mas não o será igual men te o de sem pre go es tru tu ral, bem como, noutro pla no, a pro gres si va de ser ti fi ca ção dos es pa ços pú bli cos, im pu tá vel, ela pró pria, em gran - de par te, à vo ra ci da de da es pe cu la ção imo bi liá ria e a cer tas es tra té gi as de com pe ti - ti vi da de de se nha das para as gran des ci da des? E a pro li fe ra ção de flo res tas de ci - men to ar ma do de al guns su búr bi os, au tên ti cos re ser va tó ri os de mão-de-obra des - qua li fi ca da e de quo ti di a nos sem ho ri zon te, nada terá a ver com a in se gu ran ça de que fun da da men te se que i xam os ci ta di nos? Será o con ges ti o na men to ur ba no o pro ble ma so ci al a re sol ver ou re si di rá ele, so bre tu do, nos mo de los do mi nan tes de de sen vol vi men to re gi o nal e de di fu são de mi to lo gi as con su mis tas? Cons ti tu i rá a au sên cia de par ti ci pa ção po lí ti ca dos ci da dãos o pro ble ma es - sen ci al que as de mo cra ci as es ta bi li za das têm de con tor nar, ou es ta rá ela, de fac to, re la ci o na da, em pri me i ra li nha, com as ins ti tu i ções e pro ces sos me diá ti cos de for - ma ção com pul si va de opi niões e dis si dên ci as que o po der de mo crá ti co, ele pró - prio, pro mo ve a ins tru men to de le gi ti ma ção ide o ló gi ca prin ci pal? Pe ran te dé fi ces de pro du ti vi da de ini lu dí ve is, será a mo der ni za ção tec no ló gi - ca o pro ble ma-cha ve a con si de rar, ou, por outro lado, de vem as pre o cu pa ções des - lo car-se, sem per der de vis ta aque la com po nen te, para o ter re no da ino va ção e mu - dan ça or ga ni za ci o nal e da hu ma ni za ção das con di ções de tra ba lho, quer nas em - pre sas, quer na ad mi nis tra ção pú bli ca? A re sis tên cia a es tas for mas de in ter ro gar a re a li da de e de iden ti fi car pro ble - mas so ci a is terá sempre gran de ex pres são e virá, an tes de mais, do lado dos que es - pe ra ri am en con trar nas ciên ci as da so ci e da de um ins tru men to pri vi le gi a do para so bre le gi ti mar e fa zer adop tar de ci sões já to ma das em fun ção de ju í zos sim pli fi ca - do res e pres su pos tos ide o ló gi cos in dis cu ti dos. Não ad mi ra que, para es ses, a in ter - ro ga ção so ci o ló gi ca sur ja, mais ain da do que a me to do lo gia pró pria da dis ci pli na, como o in ver so ab so lu to da efi cá cia. Mas, com pre en si vel men te, a so ci o lo gia terá de en fren tar tam bém as re ser vas, quan do não a hos ti li da de, de ou tros pro fis si o na is com for ma ção na área das ciên - cias hu ma nas e so ci a is, os qua is, com fre quên cia, a acu sa rão de te o ri cis mo mais ou

16 26 José Madureira Pinto me nos her mé ti co e, por tan to, de gran de in ca pa ci da de para uma abor da gem re a lis - ta dos pro ble mas so ci a is. São re sis tên ci as e mal-en ten di dos que a pro gres si va di fu são do sa ber so ci o ló - gi co e o exer cí cio com pe ten te da pro fis são, ao per mi ti rem apu rar e re de fi nir os li m i - tes da in ter ven ção so ci al pos sí vel, irão ate nu an do. Impõe-se, aliás, que, nes te pro - ces so de afir ma ção do ofí cio, a so ci o lo gia adop te em per ma nên cia uma ati tu de de re fle xi vi da de autocrí ti ca, ca paz, no me a da men te, de tor ne ar as co nhe ci das ar ma di - lhas do em pi ris mo, sem, ao mes mo tem po, tro pe çar nas ten ta ções do dis tan ci a - men to in te lec tu al, éti co e po lí ti co pró prio do modo de co nhe ci men to es co lás - ti co. 5 Em todo este mo vi men to de to ma da de cons ciên cia do pa pel so ci al da so - ciologia e de re fi na men to da autocons ciên cia dos pró pri os so ció lo gos mo vi men - to esse re che a do de inér ci as, mas tam bém de sub tis sal tos qua li ta ti vos, e que não pode des li gar-se dos rit mos de de mo cra ti za ção da vida ins ti tu ci o nal, o que se irá pro mo ven do ain da é o pró prio exer cí cio eman ci pa dor das li ber da des in di vi du a is. Assim se vis lum bra um novo do mí nio de afe ri ção da uti li da de da so ci o lo gia. Dir-se-á que já se di va ga, quan do é in vo ca do, a pro pó si to da uti li da de da so - ciologia, o diá fa no tema da li ber da de. De fac to, não é de di va ga ção que se tra ta, já que a re fe rên cia diz res pe i to a um pre ci o so e mu i to con cre to pe da ço do nos so mí ni - mo vi tal, bem como à de fe sa, lú ci da e apa i xo na da, que dele pode fa zer a so ci o lo gia. O que se quer di zer é que, ao ou tor gar a cada agen te so ci al e ci da dão um po - der acres ci do de ava li a ção dos cons tran gi men tos (in clu in do cer tas mi to lo gi as da li - ber da de) a que es tão su je i tas as suas prá ti cas e omis sões, o olhar e en ten di men to so ci o ló gi cos tor nam-se um ins tru men to pre ci o so de li ber da de. Como di zia Pierre Bour di eu, fa zen do-se eco de an ti gas su ges tões de sa bor mar xis ta, todo o pro gres - so no co nhe ci men to da ne ces si da de é um pro gres so na li ber da de pos sí vel ( ). Uma lei (so ci al) ig no ra da é uma na tu re za, um des ti no; uma lei (so ci al) co nhe ci da sur ge como pos si bi li da de de uma li ber da de (Bour di eu, 1980: 44-45). Com a fu são, num com ple xo de in jun ções que mu tu a men te se re for çam, dos po de res me diá ti co, po lí ti co e eco nó mi co, per ce be-se que não seja fá cil cri ar no es - pa ço pú bli co con di ções de enun ci a ção ade qua das à ex pres são das di fi cul da dese as pi ra ções dos gru pos so ci a is do mi na dos e em pro ces so de ex clu são e, mu i to me - nos, à ex pla na ção sis te má ti ca dos fac to res que de ter mi nam a sua si tu a ção e mi nam a sua li ber da de. É, aliás, bem co nhe ci do o ris co de os cons tran gi men tos da agen da e as téc ni - cas nar ra ti vas pri vi le gi a das pe los me dia con tri bu í rem para es tig ma ti zar e fol clo ri - zar as prá ti cas de tais gru pos. Há que con tar, ob vi a men te, a este res pe i to, com a auto-re fle xi vi da de dos pró pri os agen tes do cam po jor na lís ti co, no sen ti do de con - tro la rem os po ten ci a is efe i tos per ver sos do seu dis cur so. 5 Para um exa me apro fun da do das ca rac te rís ti cas e li mi ta ções da dis po si ção ou ra zãoe s co lás ti ca, que in ci ta a en trar no mun do lú di co da con jec tu ra teó ri ca e da ex pe ri men ta ção men tal, a co lo - car pro ble mas pelo pra zer de os re sol ver, e não por que eles se co lo quem, sob a pres são da ur gên - cia, ou a tra tar a lin gua gem não como um ins tru men to, mas como um ob jec to de con tem pla çã o, de de le i te, de in ves ti ga ção for mal e de aná li se, ver Pi er re Bour di eu (1997).

17 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 27 Mas o en vol vi men to di rec to do cam po in te lec tu al, e em par ti cu lar dos so ció - lo gos, quer na iden ti fi ca ção dos pro ble mas so ci a is sub mer sos pe las bran das cen su - ras do sen so co mum ou pe las pe que nas e gran des li tur gi as do po der ins ti tu í do, quer na de fe sa de gran des ca u sas cons tru í das em tor no de va lo res uni ver sa lis tas, cons ti tui ou tro in gre di en te bá si co a ter em con ta no mo vi men to para uma re o ri en - ta ção da agen da po lí ti co-me diá ti ca. Pede-se aos in te lec tu a is, nes ta ta re fa des ti na da a re ac ti var o grão de in con for - mis mo que faz par te do tra ba lho cul tu ral, que re ve jam au to ma tis mos e ope ra do res ide o ló gi cos que os in du zem, tan tas ve zes, a con fun dir dis tân cia ob jec ti van te com des pren di men to éti co mais ou me nos bla sé, bem como, si me tri ca men te, a anu lar essa dis tân cia ob jec ti van te (de que de vi am ali men tar-se em per ma nên cia) por ex - ces so de pro xi mi da de com os es tí mu los do po der eco nó mi co, po lí ti co e au di mé tri co. Han nah Arendt in ter ro gou-se lon ga men te, como é sa bi do, so bre as exigên cias da par ti ci pa ção dos in te lec tu a is no do mí nio pú bli co e so bre as vir - tu a li da des de pôr sis te ma ti ca men te em re la ção pen sa men to e acon te ci men to. E tam bém re flec tiu com de mo ra so bre os ris cos de de sin te gra ção que se ge ram sem pre que a opi nião pú bli ca, pos ta pe ran te fic ções bem ur di das e atra en tes, per de de vis ta, se de sin te res sa das con di ções do vi ver em co mum. Para Hannah Arendt, a li ber da de é in dis so ciá vel do po der de es tar pre sen te, pela pa la vra e pela ac ção, no es pa ço pú bli co, mun do or ga ni za do po li ti ca men te e com par ti lhá vel. É, hoje, ini lu dí vel a pre sen ça, nas nos sas so ci e da des, de de si gual da des eco nó - mi co-so ci a is e de pro ces sos de vul ne ra bi li za ção e ex clu são que, no li mi te, des tro em ir re ver si vel men te re des de so li da ri e da de mí ni ma e ca pa ci da des co mu ni ca ci o n a is in dis pen sá ve is à pró pria exis tên cia so ci al. E vai sen do cor ren te to mar-se tal fac to como in dí cio de per da gra ve de di - re i tos so ci a is bá si cos. Na ver da de, o que está ocor ren do é mais do que isso: o que está em ca u sa, nes sas for mas-li mi te de so fri men to não agen dá vel, é um pro ces - so de cor ro são da li ber da de e, por tan to, dos pró pri os fun da men tos do es ta do de di re i to. Com pe te aos in te lec tu a is re to mar a ca u sa uni ver sal da li ber da de, le van - do a in clu ir as no vas ame a ças que hoje se lhe co lo cam no pri me i ro lu gar das agen das po lí ti cas. Não obs tan te se rem fre quen te men te acu sa dos de cri me de es pe cu la ção teó ri - ca aliás, com al gum fun da men to, como já vi mos, po dem os so ció lo gos re i vin - di car com pe tên cia es pe cí fi ca para ob ser va rem com ri gor e na pers pec ti va cer ta os pro ces sos con cre tos de mu dan ça, de re sis tên cia à mu dan ça e até de fun da da con - tes ta ção aos sen ti dos da mu dan ça que apon tam, dia a dia, as mar gens de au to no - mia de cada ci da dão. Evi tan do ar vo rar-se em pro fe tas da des gra ça ou de ama nhãs mal de ci fra dos, tem de so brar-lhes pro fis si o na lis mo e sen ti do das res pon sa bi li da des ade qua dosa ob te rem so bre a di nâ mi ca so ci al uma vi são re a lis ta, bem como a dis po ni bi li da de ne ces sá ria e su fi ci en te para pers cru ta rem e am pa ra rem o que na vida sempre exis te de bus ca de im pos sí ve is pos sí ve is.

18 28 José Madureira Pinto Num tem po em que apren de mos a des con fi ar de gran des uto pi as, mas em que, si mul ta ne a men te, va mos sen tin do os mo vi men tos pre sos por con lu i os cor po - ra ti vos e con sen sos prag má ti cos, qua se sem pre ur di dos e ou tor ga dos em si lên cio, pres sen te-se que mu i tos dos es pa ços em que os so ció lo gos ac tu am nas autar - quias, jun to de es ta be le ci men tos de en si no e de for ma ção pro fis si o nal, em al gu mas em pre sas, em pro jec tos de de sen vol vi men to co mu ni tá rio, no com ba te con tra a po - bre za, na re in te gra ção de to xi co de pen den tes, na re a bi li ta ção de ha bi tats de gra d a - dos, etc. po dem ser o lu gar cer to para o ger mi nar de pe que nas, mas mo bi li za do - ras, uto pi as. Se ria la men tá vel que os so ció lo gos não sou bes sem cap tar-lhes o ras to. Referências bibliográficas Almeida, João Ferreira de (1991), Ciências sociais, em José Mariano Gago (org.), Ciência em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional-Casa da Moeda. Almeida, João Ferreira de (1998), Sociology: some current problems, em Ana Nunes de Almeida (org.), Terra Nostra: Challenges, Controversies and Languages for Sociology and the Social Sciences in the 21 st Century, Montréal, International Sociological Association. Bourdieu, Pierre (1980), Questions de Sociologie, Paris, Les Editions de Minuit. Bourdieu, Pierre (1997), Méditations Pascaliennes, Paris, Seuil. Cabral, Manuel Villaverde (1998), A matter of relevance: a set of proposals for comparative social research in the Portuguese speaking community, em Ana Nunes de Almeida (org.), Terra Nostra: Challenges, Controversies and Languages for Sociology and the Social Sciences in the 21 st Century, Montréal, International Sociological Association. Caillé, Alain (1997), A Demissão dos Intelectuais: A Crise das Ciências Sociais e o Esquecimento do Factor Político, Lisboa, Instituto Piaget. Comissão Gulbenkian para a Reestruturação das Ciências Sociais (1996), Para Abrir as Ciências Sociais, Relatório, Mem Martins, Publicações Europa-América. Costa, António Firmino da (1988), Cultura profissional dos sociólogos, Sociologia, Problemas e Práticas, 5, Lisboa, CIES. Cruz, Manuel Braga da (1983), Para a História da Sociologia Académica em Portugal, Coimbra, Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Eslin, Jean-Claude (1996), Hannah Arendt: L Obligée du Monde, Paris, Éditions Michalon. Fernandes, António Teixeira (1996), O conhecimento científico-social: elementos para a análise do seu processo em Portugal, Sociologia, Problemas e Práticas, 20, Lisboa, CIES. Gonçalves, Maria Eduarda (1996), Mitos e realidades da política científica portuguesa, Revista Crítica de Ciências Sociais, 46, Coimbra, CES. Lobo, Cristina (1996), Os congressos de sociologia em Portugal, Sociologia, Problemas e Práticas, 20, Lisboa, CIES.

19 SOCIOLOGIA EM PORTUGAL 29 Machado, Fernando Luís (1996), Profissionalização dos sociólogos em Portugal: contextos, recomposições e implicações, Sociologia, Problemas e Práticas, 20, Lisboa, CIES. Pinto, José Madureira (1992), Discurso de abertura do 2.º Congresso Português de Sociologia, Sociologia, Problemas e Práticas, 11, Lisboa, CIES, Pinto, José Madureira (1994), Propostas para o Ensino das Ciências Sociais, Porto, Afrontamento. Pinto, José Madureira (1998), Sociology in Portugal: formation and recent trends, em Ana Nunes de Almeida, Terra Nostra: Challenges, Controversies and Languages for Sociology and the Social Sciences in the 21 st Century, Montréal, International Sociological Association. Sá, Vítor de (1978), Esboço Histórico das Ciências Sociais em Portugal, Lisboa, Instituto de Cultura Portuguesa. Shils, Edward (1971), Genesis de la Sociologia Contemporanea, Madrid, Seminarios y Ediciones, SA. Silva, Augusto da (1986), O Ensino da Sociologia e a Profissionalização dos Sociólogos, Ponta Delgada, Universidade dos Açores. Silva, Augusto Santos (1997), Palavras para um País: Estudos Incompletos sobre o Século XIX Português, caps. 6 e 7, Oeiras, Celta Editora. Smith, John H. (1998), European social sciences: understanding change and stability in european society, The Social Science Bridge, Lisboa, Observatório das Ciências e das Tecnologias/Ministério da Ciência e da Tecnologia. The Portuguese Sociological Association (1994), Sociology in Portugal, International Sociology, 9 (4), Dezembro. Vilaça, Helena (2000), Continuidades e mudanças nas áreas temáticas dos Congressos da APS, Jornal do Congresso de Sociologia, 2, Coimbra, 18 de Abril de Weingart, Peter (1998), Sociology: a discipline in limbo. Remarks on the institutionalization and professionalization of sociology, The Social Science Bridge, Lisboa, Observatório das Ciências e das Tecnologias/Ministério da Ciência e da Tecnologia. José Madureira Pinto. Faculdade de Economia do Porto. Instituto de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Resumo/abstract/résumé/resumen For ma ção, ten dên ci as re cen tes e pers pec ti vas de de sen vol vi men to da so ci o lo gia em Por tu gal Nes te tex to, pro cu ra-se dar con ta de al gu mas es pe ci fi ci da des dos pro ces sos de forma ção e de ins ti tu ci o na li za ção da so ci o lo gia em Por tu gal, aten den do, para tan to, quer à na tu re za dos pro ces sos de mu dan ça so ci al e po lí ti ca, quer a al gu mas di nâ mi cas do cam po in te lec tu al no país. Apre sen ta-se ain da uma re fle xão so bre as pos si bi li da des de

20 30 José Madureira Pinto de sen vol vi men to fu tu ro da dis ci pli na num con tex to de in ter na ci o na li za ção da pes qui sa e de mu ta ção dos per fis de pro cu ra de co nhe ci men tos, con tex to esse que, gra ças ao grau de ama du re ci men to da re fle xão teó ri co-epis te mo ló gi ca que ca rac te ri za a so ci o lo gia por tu gue sa, po de rá sus ci tar evo lu ções cri a ti vas e fe cun das. Pa la vras-cha ve His tó ria da so ci o lo gia, so ci o lo gia por tu gue sa. The development of sociology in Portugal: training, recent trends and future prospects This work se eks to ex pla in cer ta in spe ci fi ci ti es in the tra i ning and ins ti tu ti o na li za ti on pro ces ses as so ci a ted with so ci o logy in Por tu gal, ta king into con si de ra ti on the na tu re of the pro ces ses of so ci al and po li ti cal chan ge and, in cer ta in as pects, the dyna mics of t he in tel lec tu al en vi ron ment that exists in the country. It also re flects on pos si ble de ve lop ments of the sub ject in the fu tu re, in a con text where re se arch has been in ter na ti o na li zed and the pro fi les of the search for know led ge have chan ged. This con text may ge ne ra te cre a ti ve and pro duc ti ve de ve lop ments, thanks to the ma tu rity of the the o re ti cal and epis te mo lo gi cal re flec ti on that cha rac te ri zes Por tu gue se so ci o logy. Key-words His tory of so ci o logy, Por tu gue se so ci o logy. Formation, tendances récentes et perspectives de développement de la sociologie au Portugal Cet ar ti cle se pro po se de rendre comp te de cer ta i nes des spé ci fi ci tés des pro ces sus de for ma ti on et d institutionnalisation de la so ci o lo gie au Por tu gal, à par tir de la na tu r e des pro ces sus de chan ge ment so ci al et po li ti que ain si que de cer ta i nes dyna mi ques du mi li eu in tel lec tu el du pays. Il ex po se éga le ment une ré fle xi on sur les pos si bi li té s de dé ve lop pe ment fu tur de cet te sci en ce dans un con tex te d internationalisation de la re cher che et de mu ta ti on des pro fils de re cher che des con na is san ces, qui, grâ ce au de gré de ma tu ra ti on de la ré fle xi on théo ri que et épis té mo lo gi que ca rac té ri sant la so ci o lo gie por tu ga i se, peut en traî ner des évo lu ti ons créa ti ves et fé con des. Mots-clé His to i re de la so ci o lo gie, so ci o lo gie por tu ga i se. Formación, tendencias recientes y perspectivas de desarrollo de la sociología en Portugal En este tex to se in ten tan ofre cer al gu nas es pe ci fi ci da des de los pro ce sos de for ma c ión y de ins ti tu ci o na li za ción de la so ci o lo gía en Por tu gal, aten di en do para ello tan to a la na tu ra le za de los pro ce sos de cam bio so ci al y po lí ti co como a al gu nas di ná mi cas de l cam po in te lec tu al del país. Se pre sen ta in clu so una re fle xión so bre las po si bi li da des de

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES

URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES LEITURAS URBANISMO COMERCIAL EM PORTUGAL E A REVITALIZAÇÃO DO CENTRO DAS CIDADES [Carlos José Lopes Balsas (1999), Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, Ministério da Economia, ISBN: 972-8170-55-6]

Leia mais

IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão

IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão REGISTO IMIGRAÇÃO E IMIGRANTES EM PORTUGAL Parâmetros de regulação e cenários de exclusão Fernando Luís Machado Introdução As ques tões so ci a is, cul tu ra is e po lí ti cas que a imi gra ção la bo

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Geografia feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Geografia feita pelo Intergraus Q.01 GEOGRAFIA O conflito envolvendo Geórgia e Rússia, aprofundado em 2008, foi marcado por ampla repercussão in ter na - ci o nal. Ou tros con fli tos, en vol ven do pa í ses da ex-união So vié ti ca,

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Matemática feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Matemática 08.0.009 MATEMÁTIA Q.0 Na figura ao lado, a reta r tem equação y x no plano cartesiano Oxy. Além dis so, os pontos 0,,, estão na reta r, sendo 0 = (0,). Os pontos A 0,

Leia mais

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO

O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO DOUGLAS ADAMS O RESTAURANTE NO FIM DO UNIVERSO Volume Dois da Série O MOCHILEIRO DAS GALÁXIAS A Jane e James, agradecimentos profundos; a Geoffrey Perkins, por realizar

Leia mais

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS

PNV 292. Atos das mulheres. Tea Frigerio. São Leopoldo/RS PNV 292 Atos das mulheres Tea Frigerio São Leopoldo/RS 2012 Centro de Estudos Bíblicos Rua João Batista de Freitas, 558 B. Scharlau Caixa Postal 1051 93121-970 São Leopoldo/RS Fone: (51) 3568-2560 Fax:

Leia mais

Norma do valor; norma de atribuição; legitimidade;

Norma do valor; norma de atribuição; legitimidade; VALOR E DISTRIBUIÇÃO: DA TEORIA À NORMA Mariano F. Enguita Resumo Abordar a problemática da desigualdade ou, mais precisamente, da justiça económica, requer partir de um critério distributivo contra o

Leia mais

CAPITAL SOCIAL: ORIGENS E APLICAÇÕES NA SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA

CAPITAL SOCIAL: ORIGENS E APLICAÇÕES NA SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA CAPITAL SOCIAL: ORIGENS E APLICAÇÕES NA SOCIOLOGIA CONTEMPORÂNEA Alejandro Portes Resumo Neste artigo examinamos as origens e as definições do conceito de capital social nas obras de Bourdieu, Loury e

Leia mais

Resolução feita pelo Intergraus! Matemática Aplicada FGV 2010/

Resolução feita pelo Intergraus! Matemática Aplicada FGV 2010/ FGV MATEMÁTICA APLICADA DEZEMBRO/2009 01. Uma pes qui sa fe i ta em 46 pa í ses e pu bli ca da pela re vis ta The Eco no mist mos tra que, se trans for ma mos a mo e da de cada país para dó lar e cal cu

Leia mais

Cog ni ção, afetividade e moralidade

Cog ni ção, afetividade e moralidade Cog ni ção, afetividade e moralidade Va lé ria Amo rim Arantes de Araújo Uni ver si da de de Ube ra ba Resumo O pre sen te tra ba lho fun da men ta-se em al gu mas ten dên ci as atu a is no cam po da Psi

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO NEOTAYLORISTA DO TRABALHO NO FIM DO SÉCULO XX

A ORGANIZAÇÃO NEOTAYLORISTA DO TRABALHO NO FIM DO SÉCULO XX A ORGANIZAÇÃO NEOTAYLORISTA DO TRABALHO NO FIM DO SÉCULO XX Cé sar Ma du re i ra Re su mo No fim des te sé cu lo, os mo de los de or ga ni za ção do tra ba lho so frem ain da pro fun das in fluên ci as

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Arantes Araújo, Valéria Amorim de Cognição, afetividade e moralidade Educação e Pesquisa, vol. 26, núm. 2, julio-diciembre,

Leia mais

FRONTEIRAS DA IDENTIDADE O caso dos macaenses em Portugal e em Macau. Francisco Lima da Costa. Introdução

FRONTEIRAS DA IDENTIDADE O caso dos macaenses em Portugal e em Macau. Francisco Lima da Costa. Introdução FRONTEIRAS DA IDENTIDADE O caso dos macaenses em Portugal e em Macau Francisco Lima da Costa Uma vida de es cri ta en si nou-me a des con fi ar das pa la vras. As que pa re cem mais lím - pi das são mu

Leia mais

A ditadura dos papéis sexuais: problematização de um conceito

A ditadura dos papéis sexuais: problematização de um conceito LIBERDADES CONDICIONAIS O conceito de papel sexual revisitado João Manuel de Oliveira e Lígia Amâncio Resumo O objectivo deste artigo é o de propor um modelo de análise psicossociológica das relações sociais

Leia mais

Descentralização, focalização e par ce ria: uma aná li se das ten dên ci as nas po lí ti cas pú bli cas de edu ca ção de jo vens e adul tos

Descentralização, focalização e par ce ria: uma aná li se das ten dên ci as nas po lí ti cas pú bli cas de edu ca ção de jo vens e adul tos Descentralização, focalização e par ce ria: uma aná li se das ten dên ci as nas po lí ti cas pú bli cas de edu ca ção de jo vens e adul tos Ma ria Clara Di Pierro Pon ti fí cia Uni ver si da de Ca tó li

Leia mais

Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção

Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção Edu ca ção, ampliação da ci da da nia e par ti ci pa ção Pedro Roberto Jacobi Uni ver si da de de São Pa u lo Resumo Este ar ti go apre sen ta uma re fle xão so bre edu ca ção e as pos si bi - li da des

Leia mais

CLIVAGENS, ECONOMIA E VOTO EM PORTUGAL, 1999 Uma análise das eleições parlamentares com dados agregados

CLIVAGENS, ECONOMIA E VOTO EM PORTUGAL, 1999 Uma análise das eleições parlamentares com dados agregados CLIVAGENS, ECONOMIA E VOTO EM PORTUGAL, 1999 Uma análise das eleições parlamentares com dados agregados André Freire e Michael Baum Resumo Neste artigo, as eleições legislativas portuguesas de 1999 são

Leia mais

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #.

Medley Forró 2. œ œ # œ œ œ œ #. Roteiro e adapta: Edu Morelenbaum e Rold Valle Ú 106 sa Branca 4 2 Luiz Gonzaga # # 6 # # # # # 12 # # # # # # 18 # # # # # 24 0 Quan-do_o - # iei # # de São Jo - ão - - - a # ter - ra_ar - D # Eu per-gun

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Santos Tavares dos, José Vicente A violência na escola: conflitualidade social e ações civilizatórias Educação e Pesquisa,

Leia mais

Os Li mi tes do Sen ti do no Ensi no da Matemática

Os Li mi tes do Sen ti do no Ensi no da Matemática Os Li mi tes do Sen ti do no Ensi no da Matemática Ma ria da Conceição Ferreira Fonseca Universidade Federal de Minas Gerais Resumo Em Os Li mi tes do Sen ti do (1995), Edu ar do Gu i ma rães ana li sa

Leia mais

Os Professores na Virada do Milênio : do excesso dos discursos à pobreza das práticas*

Os Professores na Virada do Milênio : do excesso dos discursos à pobreza das práticas* Os Professores na Virada do Milênio : do excesso dos discursos à pobreza das práticas* António Nóvoa Universidade de Lisboa Resumo Este ar ti go pro cu ra ana li sar a re a li da de dis cur si va que mar

Leia mais

O Sacrifício da Cruz

O Sacrifício da Cruz O Sacrifício da ruz 6 ø 4 4 Intenso q = 61 9. r. r m b sus4 6 Ó. m Œ. r J 1.u ø. r o - lho pa - ra_o céu, bus - M7.. can - do com - preen-der o sa - cri - fí - cio do Sal - va - dor em meu lu - gar ø ø

Leia mais

Oim pe ri a lis mo cul tu ral re pou sa no po der de uni ver sa li zar os

Oim pe ri a lis mo cul tu ral re pou sa no po der de uni ver sa li zar os Sobre as Artimanhas da Razão Imperialista * Pierre Bourdieu e Loïc Wacquant Oim pe ri a lis mo cul tu ral re pou sa no po der de uni ver sa li zar os par ti cu la ris mos as so ci a dos a uma tra di ção

Leia mais

Definição social, mau trato, negligência.

Definição social, mau trato, negligência. MAU TRATO E NEGLIGÊNCIA PARENTAL Contributos para a definição social dos conceitos Manuela Calheiros e Maria Benedicta Monteiro Resumo Este estudo teve por objectivos: 1) a apreensão dos significados particulares

Leia mais

Tradução Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca

Tradução Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca MILAN KUNDERA A IDENTIDADE Tradução Teresa Bulhões Carvalho da Fonseca Copyright 1997 by Milan Kundera Proibida toda e qualquer adaptação da obra Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua

Leia mais

Max Weber na Sociologia Argentina ( )*

Max Weber na Sociologia Argentina ( )* Max Weber na Sociologia Argentina (1930-1950)* Ale jan dro Blanco E m 1944, o Fon do de Cul tu ra Eco nó mi ca pro ta go ni zou um fe i to sur pre en den te no con tex to da his tó ria das ciên ci as so

Leia mais

CONTEXTOS E PERCEPÇÕES DE RACISMO NO QUOTIDIANO

CONTEXTOS E PERCEPÇÕES DE RACISMO NO QUOTIDIANO CONTEXTOS E PERCEPÇÕES DE RACISMO NO QUOTIDIANO Fernando Luís Machado Resumo Em Portugal há poucos estudos sobre o racismo e ainda menos sobre o modo como o racismo é percepcionado por parte daqueles que

Leia mais

Ação Afirmativa e a Rediscussão do Mito da Democracia Racial no Brasil *

Ação Afirmativa e a Rediscussão do Mito da Democracia Racial no Brasil * Ação Afirmativa e a Rediscussão do Mito da Democracia Racial no Brasil * Joaze Bernardino Resumo O tex to dis cu te o sig ni fi ca do das pro pos tas de ação afir ma ti va no con tex to bra si le i ro

Leia mais

Co me mo rar a infância, celebrar qual cri an ça? Festejos comemorativos nas pri me i ras dé ca das re pu bli ca nas

Co me mo rar a infância, celebrar qual cri an ça? Festejos comemorativos nas pri me i ras dé ca das re pu bli ca nas Co me mo rar a infância, celebrar qual cri an ça? Festejos comemorativos nas pri me i ras dé ca das re pu bli ca nas Cynthia Gre i ve Ve i ga Ma ria Cris ti na So a res Gou vea Uni ver si da de Fe de ral

Leia mais

Pas to ral na Uni ver si da de com ple ta um ano

Pas to ral na Uni ver si da de com ple ta um ano Informativo mensal da PUC Minas em Betim nº 82 Novembro de 2007 Pas to ral na Uni ver si da de com ple ta um ano A PUC Mi nas co me mo rou, em outubro, um ano de cri a ção da Pas to ral na Uni ver si da

Leia mais

haroun e o mar de histórias

haroun e o mar de histórias salman rushdie haroun e o mar de histórias Tradução Isa Mara Lando Copyright 1990 by Salman Rushdie Todos os direitos reservados Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990,

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Sposito Pontes, Marilia Um breve balanço da pesquisa sobre violencia escolar no Brasil Educação e Pesquisa, vol. 27, núm.

Leia mais

Frantz Fanon and black po lit i cal and cul tural ac tiv ism in Brazil: 1960/1980

Frantz Fanon and black po lit i cal and cul tural ac tiv ism in Brazil: 1960/1980 Frantz Fanon e o ativismo político-cul tural ne gro no Brasil: 1960/1980 Frantz Fanon and black po lit i cal and cul tural ac tiv ism in Brazil: 1960/1980 Mário Augusto Medeiros da Silva Intro du ção O

Leia mais

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil

Educação e Pesquisa ISSN: Universidade de São Paulo Brasil Educação e Pesquisa ISSN: 1517-9702 revedu@usp.br Universidade de São Paulo Brasil Chartier, Anne-Marie Fazeres ordinários da classe: uma aposta para a pesquisa e para a formação Educação e Pesquisa, vol.

Leia mais

A lei da vida : con fir ma ção, eva são es co lar e re in ven ção da iden ti da de en tre os po me ra nos

A lei da vida : con fir ma ção, eva são es co lar e re in ven ção da iden ti da de en tre os po me ra nos A lei da vida : con fir ma ção, eva são es co lar e re in ven ção da iden ti da de en tre os po me ra nos Jo a na Bahia Uni ver si da de do Esta do do Rio de Ja ne i ro Resumo O ar ti go ana li sa o sig

Leia mais

PAS CAL BER NAR DIN. MA QUI A VEL PE DA GO GO ou o mi nis té rio da re for ma psi co ló gi ca

PAS CAL BER NAR DIN. MA QUI A VEL PE DA GO GO ou o mi nis té rio da re for ma psi co ló gi ca PAS CAL BER NAR DIN MA QUI A VEL PE DA GO GO ou o mi nis té rio da re for ma psi co ló gi ca A Jack Lang, que mos trou com tan to brio o que de ve ria ser o mi nis té rio da re for ma psi co ló gi ca.

Leia mais

patrícia reis no silêncio de deus no silencio de Deus v9.indd 3 03/05/11 01:22

patrícia reis no silêncio de deus no silencio de Deus v9.indd 3 03/05/11 01:22 patrícia reis no silêncio de deus no silencio de Deus v9.indd 3 03/05/11 01:22 ponta de lança A pre sen te co le ção pre ten de dar a co nhe cer aos lei to res bra si lei ros vo zes no vas, ou ain da pou

Leia mais

SE QUE ELE ME CONDUZ. Refrões orantes. Padre Valdecir Ferreira

SE QUE ELE ME CONDUZ. Refrões orantes. Padre Valdecir Ferreira SE QUE ELE ME CONDUZ Refrões orantes Padre Valdecir Ferreira »»»» AMANHECEU Inspirado em Elisabete da Trindade Solo: Pe. Valdecir & # G G 6 8 Œ.. Œ. 5 + B b dim {.. A ma nhe ceu! & # Am Œ.. D Am. D D.

Leia mais

Negros de Almas Brancas? A Ideologia do Branqueamento no Interior da Comunidade Negra em São Paulo, *

Negros de Almas Brancas? A Ideologia do Branqueamento no Interior da Comunidade Negra em São Paulo, * Negros de Almas Brancas? A Ideologia do Branqueamento no Interior da Comunidade Negra em São Paulo, 1915-1930 * Petrônio José Domingues Resumo Es te ar ti go in ves ti ga o fe nô me no do bran que a men

Leia mais

FUVEST 2010 RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DA PROVA DO 2º DIA

FUVEST 2010 RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DA PROVA DO 2º DIA Q.01 FUVEST 2010 RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DA PROVA DO 2º DIA Em uma mesa de bilhar, coloca-se uma bola branca na posição B e uma bola vermelha na posição V, conforme o esquema abaixo. Q 0,80 m R x 0,40 m

Leia mais

Raça, medicina trop i cal e colonialismo no Terceiro Reich: a expedição de Giemsa e Nauck ao Espírito Santo em 1936

Raça, medicina trop i cal e colonialismo no Terceiro Reich: a expedição de Giemsa e Nauck ao Espírito Santo em 1936 Raça, medicina trop i cal e colonialismo no Terceiro Reich: a expedição de Giemsa e Nauck ao Espírito Santo em 1936 Race, trop i cal med i cine and co lo nial ism in the Third Reich: Giemsa e Nauck s ex

Leia mais

Para um estudo psi co ló gi co das vir tu des mo ra is

Para um estudo psi co ló gi co das vir tu des mo ra is Para um estudo psi co ló gi co das vir tu des mo ra is Yves de La Taille Uni ver si da de de São Pa u lo Re su mo O pro pó si to des te ar ti go é de fen der a im por tân cia de es tu dos psi co ló gi

Leia mais

SINDICATO DA INDÚSTRIA GRÁFICA NO RIO GRANDE DO SUL

SINDICATO DA INDÚSTRIA GRÁFICA NO RIO GRANDE DO SUL SINDICATO DA INDÚSTRIA GRÁFICA NO RIO GRANDE DO SUL Avenida Pernambuco, 2623, 5º andar - Porto Alegre/RS - 90240-005 Fone: (51) 3323.0303 fax: (51) 3346.1920 sindigraf-rs@sindigraf-rs.com.br www.sindigraf-rs.com.br

Leia mais

Passos em Falso da Razão Antiimperialista: Bourdieu, Wacquant, e o Orfeu e o Poder de Hanchard *

Passos em Falso da Razão Antiimperialista: Bourdieu, Wacquant, e o Orfeu e o Poder de Hanchard * Passos em Falso da Razão Antiimperialista: Bourdieu, Wacquant, e o Orfeu e o Poder de Hanchard * John French Resumo Os es tu dos afro-americanos, as sim cha ma dos e pra ti ca dos nos Esta dos Uni dos,

Leia mais

SÊNECA Sobre os enganos do mundo

SÊNECA Sobre os enganos do mundo coleção idealizada e coordenada por Gustavo Piqueira As cartas que compõem esta obra foram extraídas de EPISTULAE MORALES AD LUCILIUM Copyright 2011, Editora WMF Martins Fontes Ltda., São Paulo, para a

Leia mais

Se nho res! ... Teó fi lo Be ne di to Otto ni

Se nho res! ... Teó fi lo Be ne di to Otto ni ............................ 103.5 CIRCULARES DE TEÓFILO OTTONI AOS ELEITORES DE SENADORES DE MINAS GERAIS (1860) DEDICATÓRIA Se nho res! O pe que no tra ba lho que vai sair à luz é todo ins pi ra ção

Leia mais

Espacio Abierto ISSN: Universidad del Zulia Venezuela

Espacio Abierto ISSN: Universidad del Zulia Venezuela Espacio Abierto ISSN: 1315-0006 eabierto@cantv.net Universidad del Zulia Venezuela Rojas, Gonzalo Adrián Crise capitalista mundial: a crise de hegemonia norte-americana é uma crise de dominção? Espacio

Leia mais

Ima gens, Sím bo los e Iden ti da des no Espe lho de um Gru po Inter-Re li gi o so de Diá lo go

Ima gens, Sím bo los e Iden ti da des no Espe lho de um Gru po Inter-Re li gi o so de Diá lo go Ima gens, Sím bo los e Iden ti da des no Espe lho de um Gru po Inter-Re li gi o so de Diá lo go Ade va nir Apa re ci da Pi nhe i ro José Ivo Foll mann (Orga ni za do res) UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS

Leia mais

1. O pas sa gei ro do raio de luz

1. O pas sa gei ro do raio de luz Miolo Einstein.qx7:Cia. das Letras 21.11.07 11:21 Page 21 1. O pas sa gei ro do raio de luz Pro me to-lhe qua tro ar ti gos, o jo vem exa mi na dor de pa ten tes es cre veu ao ami go. A car ta anun cia

Leia mais

Fugindo para a Força: Cultura Corporativista e Cor na Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro *

Fugindo para a Força: Cultura Corporativista e Cor na Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro * Fugindo para a Força: Cultura Corporativista e Cor na Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro * Livio Sansone Resumo O ob je ti vo des te ar ti go é apre sen tar os re sul ta dos pre li mi na res da

Leia mais

Utopía y Praxis Latinoamericana ISSN: Universidad del Zulia Venezuela

Utopía y Praxis Latinoamericana ISSN: Universidad del Zulia Venezuela Utopía y Praxis Latinoamericana ISSN: 1315-5216 utopraxis@luz.ve Universidad del Zulia Venezuela SALLES, Walter Paul Ricouer e a hermenêutica de si no es pelho das palavras Utopía y Praxis Latinoamericana,

Leia mais

De olho na chu va. Pro ce di men tos de ope ra ção das usi nasre du zem efei tos das cheias em Mi nas. Dis tri bui ção

De olho na chu va. Pro ce di men tos de ope ra ção das usi nasre du zem efei tos das cheias em Mi nas. Dis tri bui ção Ano XXXII - Nº 02 Mar ço 2009 Dis tri bui ção Lan ça das uni da desmó veis de ge ra çãode ener gia. Pág. 3 Co mu ni da de Reas sen ta men tos de Ira pé re ce bemapri mo ra men to dossis te mas de água.

Leia mais

INTERNATIONAL CONFERENCE ON SOCIAL SCIENCE AND SOCIAL POLICY IN THE 21ST CENTURY [United Nations Office at Vienna, 9-11 Dezembro de 2002]

INTERNATIONAL CONFERENCE ON SOCIAL SCIENCE AND SOCIAL POLICY IN THE 21ST CENTURY [United Nations Office at Vienna, 9-11 Dezembro de 2002] NO TÍ CIA INTERNATIONAL CONFERENCE ON SOCIAL SCIENCE AND SOCIAL POLICY IN THE 21ST CENTURY [United Nations Office at Vienna, 9-11 Dezembro de 2002] Maria Teresa Patrício Os 50 anos do Conselho Internacional

Leia mais

Tópicos sobre epistemologia: Bus can do o bom sen so a tra vés de Grams ci

Tópicos sobre epistemologia: Bus can do o bom sen so a tra vés de Grams ci ENSAYOS Utopía y Praxis Latinoamericana / Año 9. Nº 26 (Ju lio-sep tiem bre, 2004) Pp. 91-103 Revista Internacional de Filosofía Iberoamericana y Teoría Social / ISSN 1315-5216 CESA FCES Universidad del

Leia mais

Correção da fuvest ª fase - Física feita pelo Intergraus

Correção da fuvest ª fase - Física feita pelo Intergraus da fuvest 009 ª fase - Física 07.01.009 FÍSICA Q.01 O salto que conferiu a medalha de ouro a uma atle ta bra si le i ra, na Olim - pía da de 008, está re pre sen ta do no es que ma ao lado, re cons tru

Leia mais

HONORÉ DE BALZAC. Ilusões perdidas. Tradução, adaptação e apêndice: Silvana Salerno. Ilustrações: Odilon Moraes. 6ª reimpressão

HONORÉ DE BALZAC. Ilusões perdidas. Tradução, adaptação e apêndice: Silvana Salerno. Ilustrações: Odilon Moraes. 6ª reimpressão HONORÉ DE BALZAC Ilusões perdidas Tradução, adaptação e apêndice: Silvana Salerno Ilustrações: Odilon Moraes 6ª reimpressão Copy right do tex to 2002 by Sil va na Sa ler no Copy right das ilus tra çõ es

Leia mais

Raça, Etnicidade e Origem nos Censos de EUA, França, Canadá e Grã-Bretanha

Raça, Etnicidade e Origem nos Censos de EUA, França, Canadá e Grã-Bretanha Raça, Etnicidade e Origem nos Censos de EUA, França, Canadá e Grã-Bretanha José Luis Petruccelli Resumo A pro pos ta des te tra ba lho é a de ex por, re su mi da men te, as ma ne i - ras como, nos re cen

Leia mais

Da função da sociedade civil em He gel y Ha ber mas*

Da função da sociedade civil em He gel y Ha ber mas* ARTÍCULOS Utopía y Praxis Latinoamericana / Año 11. Nº 35 (Octu bre-di ciem bre, 2006) Pp. 55-65 Revista Internacional de Filosofía Iberoamericana y Teoría Social / ISSN 1315-5216 CESA FCES Universidad

Leia mais

História de vida e projeto : a história de vida como pro je to e as histórias de vida a serviço de projetos *

História de vida e projeto : a história de vida como pro je to e as histórias de vida a serviço de projetos * História de vida e projeto : a história de vida como pro je to e as histórias de vida a serviço de projetos * Marie-Christine Jos so Université de Genè ve Resumo Vin te anos de prá ti cas de re fle xão,

Leia mais

As humanidades no ensino*

As humanidades no ensino* As humanidades no ensino* André Chervel Marie-Madeleine Compère Ao se per cor rer uma lon ga dis tân cia no pas sa do, na his tó ria do en si no oci den tal, en - con tra mos duas tra di ções opos tas:

Leia mais

Utopía y Praxis Latinoamericana ISSN: Universidad del Zulia Venezuela

Utopía y Praxis Latinoamericana ISSN: Universidad del Zulia Venezuela Utopía y Praxis Latinoamericana ISSN: 1315-5216 utopraxis@luz.ve Universidad del Zulia Venezuela Filgueiras, Fernando A corrupção do Estado: perspectivas teóricas e seu processo social Utopía y Praxis

Leia mais

prof.: Pedro Augusto Furasté

prof.: Pedro Augusto Furasté SEPARAÇÃO SILÁBICA prof.: Pedro Augusto Furasté 1. Nunca devem ser separados os dígrafos LH, NH, CH, QU, GU: mi-lho, pa-lha, fa-ri-nha, ca-ri-nho, a-cha-do, en-chen-te, quei-ji-nho, fo-guei-ra, pe-guei,

Leia mais

As nar ra ti vas de Deus numa so ci e da de pós-me ta fí si ca

As nar ra ti vas de Deus numa so ci e da de pós-me ta fí si ca As nar ra ti vas de Deus numa so ci e da de pós-me ta fí si ca O cristianismo como estilo Christoph Theobald UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS Re i tor Mar ce lo Fer nan des de Aqui no, SJ

Leia mais

Pensar a internet. Dominique Wolton Pesquisador CNRS/França

Pensar a internet. Dominique Wolton Pesquisador CNRS/França NOVAS TECNOLOGIAS Pensar a internet RESUMO Este artigo faz uma reflexão crítica sobre a internet. Para o autor é preciso pensar a internet conforme as dimensões da técnica, da cultura e da sociedade e

Leia mais

Entrevista com Rubim Santos Leão de Aquino. In ter view with Rubim Santos Leão de Aquino

Entrevista com Rubim Santos Leão de Aquino. In ter view with Rubim Santos Leão de Aquino E N T R E V I S T A Entrevista com Rubim Santos Leão de Aquino In ter view with Rubim Santos Leão de Aquino Esta entrevista foi feita no Rio de Ja neiro, em 17 de abril de 2008, pelos editores de Estudos

Leia mais

SEA. Seguridade e medio ambiente

SEA. Seguridade e medio ambiente 2014-2015 SEA Seguridade e medio ambiente CS Educación e control ambiental Que se aprende a facer? En que ámbitos se traballa? Que ocupacións se desempeñan? Cales son os módulos deste ciclo? Que título

Leia mais

A trans po si ção do Rio São Fran cis co em de ba te

A trans po si ção do Rio São Fran cis co em de ba te A trans po si ção do Rio São Fran cis co em de ba te Uni ver si da de do Vale do Rio dos Si nos UNISINOS Reitor Mar ce lo Fer nan des Aqui no, SJ Vi ce-reitor José Ivo Foll mann, SJ Insti tu to Hu ma ni

Leia mais

A aces si bi li da de e as ba rrei ras co ti dia nas: a per cepção de Ga briel Fei ten e de seus fa mi lia res

A aces si bi li da de e as ba rrei ras co ti dia nas: a per cepção de Ga briel Fei ten e de seus fa mi lia res Es pa cio Abier to Cua der no Ve ne zo la no de So cio lo gía ISSN 1315-0006 / De pó si to le gal pp 199202ZU44 Vol. 23 No. 3 (ju lio- sep tiem bre, 2014): 495-514 A aces si bi li da de e as ba rrei ras

Leia mais

Dia Na ci o nal da Cons tru ção So ci al,

Dia Na ci o nal da Cons tru ção So ci al, BOLETIM SICMA INFORMATIVO DO SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DA CONSTRUÇÃO E DO MOBILIÁRIO DE ANÁPOLIS Ano 13 12 Nº 47 44 Julho Outubro / Setembro / Dezembro de 2016 de 2015 EDIÇÃO CONCLUÍDA EM 11 DE OUTUBRO

Leia mais

ALÍVIO DA DÍVIDA EXTERNA DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO A

ALÍVIO DA DÍVIDA EXTERNA DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO A ALÍVIO DA DÍVIDA EXTERNA DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO A ini ci a ti va FMI/Ban co Mun di al* Luís Saramago** Fer nan do Mar tins** 1. INTRODUÇÃO Formalmente anunciada em Outubro de 1996, como ins tru

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO REAL DE EQUILÍBRIO PARA A ECONOMIA PORTUGUESA COM BASE NA FEER

DETERMINAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO REAL DE EQUILÍBRIO PARA A ECONOMIA PORTUGUESA COM BASE NA FEER DETERMINAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO REAL DE EQUILÍBRIO PARA A ECONOMIA PORTUGUESA COM BASE NA FEER* Só nia Cos ta** 1. INTRODUÇÃO A taxa de câm bio real é o pre ço re la ti vo de um ca baz de re fe rên cia

Leia mais

ENTRE NÓS. Luiz Ruffato Coordenação e seleção. Denilson Lopes Apresentação

ENTRE NÓS. Luiz Ruffato Coordenação e seleção. Denilson Lopes Apresentação ENTRE NÓS Luiz Ruffato Coordenação e seleção Denilson Lopes Apresentação Machado de Assis PÍLADES E ORESTES Quintanilha en gen drou Gonçalves. Tal era a im pres são que davam os dous jun tos, não que se

Leia mais

Alegre-se o Céu e a Terra

Alegre-se o Céu e a Terra nexo 4 107 Partituras legre-se o Céu e a Terra E m B 7 & # 8 6 B 7 J.. # #.. # J E m - le-gre-seio céu e a te - rra can - te-mos com a -le - gri - a - 1. 6 2. E m B 7 & # #... J J Œ -gri - a que ánas-ceu

Leia mais

INFERNO NO COLÉGIO INTERNO

INFERNO NO COLÉGIO INTERNO l Desventuras em Série l Livro quinto INFERNO NO COLÉGIO INTERNO de LE MONY SNIC KET Ilustrações de Brett Hel quist Tradução de Carlos Sussekind 15 a reimpressão Copy right do tex to 2000 by Lemony Snicket

Leia mais

MATEMÁTICA LIVRO DO PROFESSOR

MATEMÁTICA LIVRO DO PROFESSOR LIVRO DO PROFESSOR Alexandre Luís Trovon de Carvalhoalho Bacharel em Matemática pela UNICAMP Campinas, SP Mestre em Matemática Aplicada e Doutor em Matemática pela mesma Universidade Lourisnei Fortes Reis

Leia mais

São Paulo contra as mulheres?

São Paulo contra as mulheres? São Paulo contra as mulheres? Afirmação e declínio da mulher cristã no século I Da ni el Mar gue rat UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS Re i tor Mar ce lo Fer nan des de Aqui no, SJ Vi ce-reitor

Leia mais

Manual do Usu rio Perfil Benefici rio Portal Unimed Centro-Oeste e Tocantins

Manual do Usu rio Perfil Benefici rio Portal Unimed Centro-Oeste e Tocantins Manual do Usu rio Perfil Benefici rio P gina 1 de 13 1. Introdu 0 4 0 0o Est e do c u m e n t o te m co m o obj e ti v o de m o n s t r a r pa s s o a pa s s o as prin ci p a i s fu n ci o n a l i d a

Leia mais

Correção da Unicamp ª fase - língua portuguesa feita pelo Intergraus BOM PRA BURRO.

Correção da Unicamp ª fase - língua portuguesa feita pelo Intergraus BOM PRA BURRO. UNICAMP 2010 - LÍNGUA PORTUGUESA 1. BOM PRA BURRO. Re ti ra da de www.ei ta pi u la.net/2009/09/au re lio.jpg Nessa pro pa ganda do dicionário Aurélio, a expressão bom pra burro é polissêmica, e remete

Leia mais

DEMANDA POR EMPRESAS RESPONSÁVEIS E ÉTICA CONCORRENCIAL: DESAFIOS E UMA PROPOSTA PARA A GESTÃO DA AÇÃO ORGANIZADA DO VAREJO

DEMANDA POR EMPRESAS RESPONSÁVEIS E ÉTICA CONCORRENCIAL: DESAFIOS E UMA PROPOSTA PARA A GESTÃO DA AÇÃO ORGANIZADA DO VAREJO DEMANDA POR EMPRESAS RESPONSÁVEIS E ÉTICA CONCORRENCIAL: DESAFIOS E UMA PROPOSTA PARA A GESTÃO DA AÇÃO ORGANIZADA DO VAREJO Pa trí cia Alme i da Ashley Intro du ção Há um novo pa ra dig ma que vem sen

Leia mais

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m

E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a. A n t o n i o P a i m E v o lu ç ã o d o c o n c e i t o d e c i d a d a n i a A n t o n i o P a i m N o B r a s i l s e d i me nt o u - s e u ma v is ã o e r r a d a d a c id a d a n ia. D e u m mo d o g e r a l, e s s a c

Leia mais

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL E DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

CONSTITUCIONALISMO SOCIAL E DEMOCRACIA PARTICIPATIVA CONSTITUCIONALISMO SOCIAL E DEMOCRACIA PARTICIPATIVA Pau lo BONAVIDES * SUMARIO: I. O cons ti tu cio na lis mo so cial em bre ve tra je tó ria his tó ri - ca: da dou tri na ao di rei to po si ti vo. II.

Leia mais

O Deus vivo em perspectiva cósmica

O Deus vivo em perspectiva cósmica Cadernos Teologia Pública ISSN 1807-0590 O Deus vivo em perspectiva cósmica Elizabeth A. Johnson ano VII - número 51-2010 O Deus vivo em pers pec ti va cós mi ca Elizabeth A. Johnson UNIVERSIDADE DO VALE

Leia mais

Hymnarium. Cura de Estrelas 1 & 2. Padrinho Sebastião. Partituren

Hymnarium. Cura de Estrelas 1 & 2. Padrinho Sebastião. Partituren Hymnrium ur de strels & 2 Pdrinho Sebstião Prtituren RINH O MR - 2009 Prodution: Mrco rcie Imperil Prtituren: isele rcie Imperil irigentin: isele rcie Imperil www.ceflupedrmr.org ur Prte www.ceflupedrmr.org

Leia mais

Discurso feminista sobre o divino em um mundo pós-moderno

Discurso feminista sobre o divino em um mundo pós-moderno Cadernos Teologia Pública ISSN 1807-0590 Discurso feminista sobre o divino em um mundo pós-moderno Mary E. Hunt ano IX - número 66-2012 Dis cur so fe mi nis ta so bre o di vi no em um mun do pós-mo der

Leia mais

O livro didático na educação infantil : reflexão versus repetição na resolução de problemas matemáticos

O livro didático na educação infantil : reflexão versus repetição na resolução de problemas matemáticos O livro didático na educação infantil : reflexão versus repetição na resolução de problemas matemáticos Ana Carolina Brandão Ana Coelho V. Selva Universidade Federal de Per nam bu co Resumo O ar ti go

Leia mais

O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a:

O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a: FONOLOGIA / ACENTUAÇÃO GRÁFICA O QUE É FONOLOGIA? Fonologia é o ramo da Linguística que estuda o sistema sonoro de um idioma. Cuida de aspectos relacionados a: encontros vocálicos encontros consonantais

Leia mais

En tre a revolução e a institucionalização: a participação eleitoral do PC do B na história recente do Brasil

En tre a revolução e a institucionalização: a participação eleitoral do PC do B na história recente do Brasil En tre a revolução e a institucionalização: a participação eleitoral do PC do B na história recente do Brasil Between revolution and institutionalization: the par tic i pa tion of PC do B in elec tions

Leia mais

beleza interior A Marilena es tá me es pe ran do lá fo ra, coi ta da. Sábado

beleza interior A Marilena es tá me es pe ran do lá fo ra, coi ta da. Sábado beleza interior Sábado A Marilena es tá me es pe ran do lá fo ra, coi ta da. Sem na da pra fa zer. Ela po dia ter tra zi do uma re vis ta, o jor nal. Mas não deu tem po de pen sar nes sas coi sas. Quando

Leia mais

Preciso De Ti DIANTE DO TRONO

Preciso De Ti DIANTE DO TRONO Preciso e Ti IANT O TRONO Arranjo or: Marcelo Minal marcelominal@yahoo.com.br Última revisão 26022013 Sorano Andante /F# A /F# A m m Alto Pá á á á Pá á á (C.) m m Pá á á á Pá á á (C.) Tenor m m Pá á á

Leia mais

O Deus vivo nas vo zes das mu lhe res. Eli sa beth A. John son

O Deus vivo nas vo zes das mu lhe res. Eli sa beth A. John son O Deus vivo nas vo zes das mu lhe res Eli sa beth A. John son UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS UNISINOS Re i tor Mar ce lo Fer nan des de Aqui no, SJ Vi ce-reitor José Ivo Foll mann, SJ Insti tu to

Leia mais

A REPÚBLICA DOS ARGONAUTAS

A REPÚBLICA DOS ARGONAUTAS ANNA FLORA A REPÚBLICA DOS ARGONAUTAS 2ª edição 12ª reimpressão Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil Copy right 1998 by Anna Flora Ferraz de Camargo Coelho representada por AMS Agenciamento Artístico,

Leia mais

1 Os atributos de Jeov a

1 Os atributos de Jeov a 1 Os atributos de Jeov a ( Apocalipse 4:11) Fon - te de luz, o Deus Je - o - v a, Teu tro - no tem jus - ti - ca sem fim; Teu gran - deka - mor, po - de - mos sen - tir. Su - pre - mo es, e a vi - da nos

Leia mais

Liberalismo e antimarxis mo: Ri chard Rorty em diálogo com Dewey e Castoriadis*

Liberalismo e antimarxis mo: Ri chard Rorty em diálogo com Dewey e Castoriadis* ESTUDIO Utopía y Praxis Latinoamericana / Año 9. Nº 24 (Ene ro-mar zo, 2004) Pp. 9-30 Revista Internacional de Filosofía Iberoamericana y Teoría Social / ISSN 1315-5216 CESA FCES Universidad del Zulia.

Leia mais

Sin di ca tos das tra bal ha do ras domésti cas no Bra sil: Um mo vi men to de re sistência e re-existência

Sin di ca tos das tra bal ha do ras domésti cas no Bra sil: Um mo vi men to de re sistência e re-existência Revista Latinoamericana de Estudios del Trabajo, Sª época, Nº 20, Sº Semestre 2008, 69-90 Sin di ca tos das tra bal ha do ras domésti cas no Bra sil: Um mo vi men to de re sistência e re-existência Joaze

Leia mais

SINDICATO DA INDÚSTRIA GRÁFICA NO RIO GRANDE DO SUL

SINDICATO DA INDÚSTRIA GRÁFICA NO RIO GRANDE DO SUL SINDICATO DA INDÚSTRIA GRÁFICA NO RIO GRANDE DO SUL Avenida Pernambuco, 2623, 5º andar - Porto Alegre/RS - 90240-005 Fone: (51) 3323.0303 fax: (51) 3346.1920 sindigraf-rs@sindigraf-rs.com.br www.sindigraf-rs.com.br

Leia mais

BRASIL: REFLEXÕES SOBRE GOVERNABILIDADE E DEMOCRACIA I. INTRODUÇÃO

BRASIL: REFLEXÕES SOBRE GOVERNABILIDADE E DEMOCRACIA I. INTRODUÇÃO BRASIL: REFLEXÕES SOBRE GOVERNABILIDADE E DEMOCRACIA Bo lí var LAMOUNIER SUMARIO: I. Intro duç ão. II. Tran siç ão e go ver na bi li da de. III. Su cess ão de 2002: a as cens ão de Lula. IV. Apon ta -

Leia mais

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««=======================

EM NOME DO PAI ====================== j ˆ«. ˆ««======================= œ» EM NOME O PI Trnscçã Isbel rc Ver Snts Pe. Jãzinh Bm & # #6 8 j. j... Œ. ll { l l l l n me d Pi e d Fi lh ed_es & #. 2. #. _. _ j.. Œ. Œ l l l j {.. l. pí t Sn t_ mém Sn t_ mém LÓRI O PI Trnscçã Isbel

Leia mais

Movimentação de tropas no Centro-Sul da Colônia: aspectos estruturais do mercado de animais na segunda metade do século XVIII

Movimentação de tropas no Centro-Sul da Colônia: aspectos estruturais do mercado de animais na segunda metade do século XVIII Movimentação de tropas no Centro-Sul da Colônia: aspectos estruturais do mercado de animais na segunda metade do século XVIII Renato Leite Marcondes e Carlos Edu ar do Suprinyak O co mér cio de ani ma

Leia mais

Trabalho, cooperação e condições de vida em assentamentos rurais 1

Trabalho, cooperação e condições de vida em assentamentos rurais 1 Revista Latinoamericana de Estudios del Trabajo, 2ª Época, Nº 21, 1er Semestre 2009, 119-141 Trabalho, cooperação e condições de vida em assentamentos rurais 1 Rosemeire Aparecida Scopinho Introdução No

Leia mais

Guia de orientação e normas da Sociedade Brasileira de Pesquisa Odontológica (SBPqO)

Guia de orientação e normas da Sociedade Brasileira de Pesquisa Odontológica (SBPqO) Pesqui Odontol Bras 2003;17(Supl 1):5-15 Guia de orientação e normas da Sociedade Brasileira de Pesquisa Odontológica (SBPqO) 1. HISTÓRICO A SBPqO foi fun da da em 05 de maio de 1983 em São Paulo, por

Leia mais