PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Resumo"

Transcrição

1 1 PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO: O CASO DOS PROFESSORES SUBSTITUTOS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Viviane Dias Uerj Melissa Machado Uerj Resumo O estudo analisa o trabalho docente no Brasil considerando o atual contexto dos processos de reestruturação produtiva em curso, em especial, o processo de precarização do trabalho que atingiu as Instituições de Ensino Superior. Para a análise realizaram se pesquisas documentais, estatísticas e bibliográficas sobre trabalho contemporâneo, trabalho precário e seus desdobramentos no trabalho docente; tendo como campo empírico a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj). Discute se em que medida o patamar alcançado pelas mudanças de ordem político sócio econômica e pela precarização pôde ser evidenciado no trabalho do professor universitário, com enfoque mais especifico, no trabalho do professor substituto. Entende o processo de precarização como caracterizado pelas formas de subcontratação, trabalho em tempo parcial ou temporário com efeitos significativos nos direitos trabalhistas. Apresenta uma melhor compreensão do professor substituto no contexto das reformas de viés neoliberal que atravessaram as IES públicas, concluindo, diante das análises, que na Uerj são amplamente utilizadas formas flexibilizadas de gestão, contribuindo para o crescimento do número de contratos temporários, precários, o que trouxe aumento da insegurança desses trabalhadores. Introdução. Este trabalho tem por objetivo expor alguns resultados de uma investigação que tem como enfoque o trabalho docente nas instituições de ensino superior, mais especificamente o trabalho do professor substituto. Ele se insere na pesquisa Trabalho Docente: políticas e subjetividades coordenada por Deise Mancebo 1 e na qual somos bolsistas 2. O campo empírico desta investigação foi a Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 1 Profª. Drª. Deise Mancebo, professora titular do Departamento de Psicologia Social da Uerj, atuando no Programa de Pós graduação em Políticas Públicas e Formação Humana.

2 2 Para a pesquisa utilizou se análises quantitativas e qualitativas, através da realização de levantamentos de dados documentais, estatísticos e bibliográficos sobre o trabalho contemporâneo, trabalho precário e seus desdobramentos no trabalho docente perpassando uma consolidação do referencial teórico e pesquisa de campo. Para a pesquisa de campo, ainda em andamento, foram realizadas entrevistas semi dirigidas individuais com professores substitutos da Uerj. Neste trabalho, pretende se discutir em que medida o patamar alcançado pelas mudanças de ordem político sócio econômica e pela precarização pôde ser evidenciado no trabalho do professor universitário, com enfoque mais especifico, no trabalho do professor substituto. Entendendo o processo de precarização como caracterizado pelas formas de subcontratação, trabalho em tempo parcial ou temporário com efeitos significativos nos direitos trabalhistas, buscamos apresentar uma melhor compreensão do professor substituto no contexto das reformas de viés neoliberal que atravessaram as IES públicas e particularmente a Uerj. 1. Capitalismo: breve contextualização No último século, no período posterior à Segunda Guerra Mundial, especialmente entre as décadas de 50 e 60, vimos o modo de produção capitalista atingir sua fase mais estável e de maior crescimento. O capitalismo tem sua hegemonia alcançada no momento em que se colocam em cena novas configurações do mundo de trabalho, sendo este um sistema historicamente eficaz. Na configuração do capitalismo, merece destaque o período compreendido entre o final da Segunda Guerra e meados da década de 1970, mesmo que restrito aos países industrializados, pois seus efeitos foram atingidos em escala mundial, ainda que isto não signifique um acesso à riqueza para a maior parte da população do mundo. Após esse período teve início uma crise mundial, com conseqüências sociais muito graves. Durantes os últimos 30 anos, ou seja, no início da década de 70, houve um esgotamento do modelo de acumulação fordista keynesiano (tanto como forma de 2 Bolsistas CNPq e PIBIC/CNPq da pesquisa Trabalho docente: políticas e subjetividades.

3 3 organização do trabalho como modo de regulação sócio econômica). Deflagra se uma crise, em âmbito planetário, materializada pelo colapso do socialismo real, pelo esgotamento do Estado do Bem Estar Social e do modelo fordista de acumulação e regulação social. A reestruturação tem como base a microeletrônica e a busca por novos meios que possibilitem a elevação da produtividade. Também a partir da década de 80, as empresas ocidentais tentaram incorporar, de diversas formas, algumas inovações tecnológicas e organizacionais difundidas com o avanço do ideário japonês. A implementação deste conjunto de inovações ao longo desta década foi denominada de reestruturação produtiva. Em resposta à crise do capital começam a surgir outros modelos considerados mais flexíveis e melhor adequados às novas exigências capitalistas de um mercado cada vez mais globalizado. É neste cenário que surge o chamado padrão de acumulação flexível, no qual à reestruturação produtiva articulam se a ascensão das políticas neoliberais e o processo de globalização. Esse padrão de acumulação flexível se opõe à característica de rigidez do modelo fordista. Segundo Harvey essa idéia se apóia na flexibilidade dos processos de trabalho, dos mercados de trabalho, dos produtos e padrões de consumo. É elucidativa esta longa citação do autor: [...]a acumulação flexível é marcada por um confronto direto com a rigidez do fordismo. Ela se apóia na flexibilidade dos processos de trabalho, dos mercados de trabalho, dos produtos e padrões de consumo. Caracteriza se pelo surgimento de setores de produção inteiramente novos, novas maneiras de fornecimento de serviços financeiros, novos mercados e, sobretudo, taxas altamente intensificadas de inovação comercial, tecnológica e organizacional. A acumulação flexível envolve rápidas mudanças nos padrões de desenvolvimento desigual, tanto entre setores com entre regiões geográficas, criando, por exemplo, um vasto movimento no emprego no chamado setor de serviços, bem como conjuntos industriais completamente novos em regiões até então subdesenvolvidas [...] esses poderes aumentados de flexibilidade e mobilidade permitem os empregadores exercerem pressões mais fortes de controle do trabalho [...] (HARVEY, 1996, p.140) Dentre as novas formas de organização surgiram alternativas ao taylorismo fordismo, considerado muito rígido. Emerge em várias partes do mundo, diante da

4 4 aceleração do progresso técnico científico, uma mudança do paradigma tecnológico com a chamada tecnologia da informação. Vários ajustes foram estabelecidos ao sistema produtivo, e dentre os principais estava a implantação de inovações tecnológicas e organizacionais oriundas, sobretudo, do chamado modelo japonês de produção. Essa modalidade de produção flexível em massa vem sendo implantada nos países de capital industrial mais avançado, até mesmo no Brasil. 1.1 Mundo global: um processo ideológico Para entender a nova realidade deste modo de produção reestruturado, é preciso compreender o que muitos autores definem como processo de globalização. Vale lembrar que nos últimos anos muito tem se falado em globalização da produção industrial. Alguns autores apontam este processo para a busca, pelas empresas multinacionais, por maiores taxas de lucro, com a extensão da sua presença por regiões geográficas e econômicas que oferecem forças de trabalho com salários baixos e menos dispêndios com benefícios sociais. Outros vêem a globalização como um tipo específico de projeto político (HARVEY, 2004). Para este autor, a globalização é como um processo que há muito tempo está presente na história do capitalismo. Em sua análise, o autor indica que: O capitalismo tem recorrido repetidas vezes à reorganização geográfica (tanto em termos de expansão como de intensificação) como solução parcial para as suas crises e seus impasses. Assim, ele constrói e reconstrói uma geografia à sua imagem e semelhança. Constrói uma paisagem geográfica distinta, um espaço produzido de transporte e comunicações, de infra estruturas e de organizações territoriais que facilita a acumulação do capital numa dada fase de sua história, apenas para ter de ser desconstruído e reconfigurado a fim de abrir caminho para uma maior acumulação num estágio ulterior. Se, portanto, a palavra globalização significa alguma coisa relativa à nossa geografia histórica recente, é bem provável que designe uma nova fase de exatamente esse mesmo processo intrínseco da produção capitalista de espaço (HARVEY, 2004, p.80 1). Este autor argumenta que o termo globalização ascende num momento de profunda reorganização geográfica promovida pelo capitalismo, afinal uma organização territorial e de sistemas de lugares ligados por meio de uma divisão global do trabalho e das funções é apropriada à própria dinâmica de acumulação. Pontua que o capitalismo está sempre

5 5 movido pelo ímpeto de acelerar o tempo de giro do capital, assim como sente se instigado a eliminar todas as barreiras espaciais. No entanto, as mudanças estruturais pelas quais passou o modo de produção capitalista, proporcionadas pela (1) desregulamentação financeira com passagem de um sistema global hierarquicamente organizado e centralizado para um sistema mais descentralizado, coordenado pelo mercado; (2) um grau concentrado de mudanças tecnológicas definido pelo ritmo acelerado de transferências e imitação de tecnologias entre as, e dentro das, diferentes zonas de economia mundial; (3) revolução da informação, produzindo mudanças na organização do consumo e da produção; (4) pelo custo e transporte de mercadorias e pessoas também trouxeram mudanças para a concepção do termo globalização. Vinculado a uma nova fase do capitalismo multinacional, o atual processo de globalização diz respeito às profundas mudanças no campo econômico, político, sociocultural e tecnológico, caracterizando, assim, o contexto histórico em que vivemos. Esse processo tem sido analisado através de molduras político ideológicas que acabam em julgamentos moralizantes, tornam seu entendimento fragmentado e não evidenciam suas contradições. A globalização contemporânea se caracteriza pela crescente concentração de renda e exclusão social, face à subordinação dos Estados Nacionais a interesses meramente econômicos. As mazelas e desigualdades geradas por esse sistema são justificadas como pré condições de um ajuste que traria a nível mundial uma utópica nova era de paz e um novo padrão de relações sociais, bem estar e prosperidade Transformações no mundo do trabalho. O capitalismo traz consigo muitas contradições, algumas delas relacionadas ao mundo do trabalho. Muitos impactos se deram na esfera do trabalho devido à reestruturação política em tempos de revolução tecnológica e globalização da economia. Diante dos sinais de esgotamento do padrão de acumulação do capital e em meio à crise estrutural vivida pelo capitalismo, o paradigma taylorista fordista passa a conviver ou até mesmo ser substituído

6 6 por modelos mais flexíveis, adequados às exigências capitalistas de um mundo cada vez mais globalizado. O processo de reestruturação das atividades produtivas, principalmente a partir da década de 1970, inclui novas formas de organização e gestão da força de trabalho. Procurando encontrar uma resposta para a crise já avançada, o capital investiu num modelo de acumulação flexível, na qual o avanço tecnológico exerce papel central, cujo principal representante é o toyotismo japonês. No Ocidente, surge a ideologia neoliberal como uma resposta à crise, através de uma reorganização do capital. Ocorre a privatização do Estado, desregulamentação dos direitos do trabalho e a desmontagem do setor produtivo estatal, seguido de reestruturação da produção e do trabalho. O novo sistema é capaz de promover um rápido atendimento às flutuações de mercado, é extremamente flexível, seja em relação à tecnologia, seja em relação à administração do espaço e tempo. O processo de reorganização da economia mundial e as transformações técnicoorganizacionais não só têm afetado as condições, os meios e as relações de trabalho, como também estão associados à construção de novas formas de representação das noções de trabalho, qualificação, competência e formação profissional. No Brasil, desde o início da década de 1990, várias transformações ocorreram nos diferentes setores da economia, e conseqüentemente, é possível observar realidades diferenciadas, heterogêneas, contraditórias, mostrando que não é possível concluir, que o caráter inovador das atuais transformações na base do trabalho se expressa por ganhos de qualificação por parte dos trabalhadores. Mas, ainda que se observe a combinação e a sobrevivência de várias estratégias de qualificação e requalificação do trabalho, houve a emergência de um "novo perfil de qualificação da força de trabalho". Vista por muitos como inevitável dentro da racionalidade do mercado, essa reestruturação, no entanto, tem trazido graves problemas sociais quanto ao nível de emprego e à garantia dos direitos conquistados pelos trabalhadores ao longo do século XX. Os índices de desemprego se tornam elevados em muitos países do mundo, e é possível notar a aplicação de uma política de desmantelamento da ação do Estado nas áreas sociais. Nos países subdesenvolvidos, a flexibilização das relações de trabalho só faz aumentar o mercado de trabalho informal e o desemprego. O trabalho não é menos qualificado, pelo contrário, na maior parte das situações, exige do trabalhador conhecimentos múltiplos para dominar as novas ferramentas. Os

7 7 avanços tecnológicos, diferentemente do que se possa pensar, levaram à diminuição do tempo necessário de trabalho, devido à automação, sem, contudo, a equivalente diminuição da quantidade de trabalho; tendo as tarefas se multiplicado, em vista do mesmo fator. (BULARD, APUD MANCEBO, 2006). Para dar conta das novas demandas, nasce um trabalhador mais qualificado, participativo, multifuncional, polivalente. Produz se novas performances para o trabalhador, que vêm afetando sua organização, na qual trabalhos em equipes são valorizados, bem como a competência pessoal é incentivada. Na estrutura de produção o trabalho sofre mudanças de ordem quantitativa e qualitativa no emprego e nas práticas de gestão do trabalho, como: uma tendência à profissionalização do trabalho; aumento do grau de qualificação dos trabalhadores com conseqüente aumento no nível de escolaridade; e desenvolvimento de estratégias de gestão do trabalho, com vistas à estabilização do vínculo empregatício. Muitos autores têm voltado sua atenção para analisar as principais mutações no mundo do trabalho. Entre eles, está Ricardo Antunes que, num esforço de síntese aponta as principais tendências do mundo do trabalho, determinadas pela crise estrutural, entre elas: redução do proletariado estável e estabilizado, devido a reestruturação produtiva do capital, dando lugar a formas mais desregulamentadas de trabalho, reduzindo o conjunto de trabalhadores estáveis que se estruturavam por meio de empregos formais; de forma oposta ao que foi apontado anteriormente, observa se um aumento significativo do novo proletariado fabril e de serviços, em escala mundial, presente nas diversas formas de trabalho precarizado. Estes são os terceirizados, subcontratados, part time, entre outras formas semelhantes; significativa feminização do mercado de trabalho, principalmente no universo do trabalho temporário e desregulamentado; crescimento do setor de serviço, com visível submissão à racionalidade do capital e à lógica dos mercados; crescente exclusão dos jovens e trabalhadores considerados idosos pelo capital; expansão do trabalho em domicilio, permitida pela desconcentração do processo produtivo, por meio da telemática, com a expansão das formas de flexibilização e

8 8 precarização do trabalho e avanço da horizontalização do capital (ANTUNES, 2004, p ). Em suma, na esfera da produção fica cada vez mais evidente um cenário crescentemente globalizado, de abertura de mercados e de forte competição internacional, as unidades produtivas de grande porte ficam mais enxutas e aumentam a produtividade; a atividade produtiva passa a exigir trabalhadores polivalentes, flexíveis às determinações mercadológicas; a parcela do trabalho fora do foco principal da empresa passa a ser subcontratada a outras empresas (ou terceirização); o setor industrial perde volume frente ao setor de serviços e a flexibilização das atividades produtivas leva também a um aumento da precarização dos contratos de trabalho; na esfera sindicalista, o desemprego e a informalização corroem grandemente o poder de agenciamento das instituições sindicais. 2. A Universidade Brasileira e o Trabalho Docente. Na lógica do capital, as instituições de ensino superior (IES) têm refletido as transformações pelas quais vem passando o mundo do trabalho. Funcionam nos moldes de controle de qualidade para provar produtividade, como empresas que visam à geração de lucros. Neste novo cenário, a universidade e o trabalho docente ganham novas características para atender às demandas do mercado de trabalho e produzir conhecimento que possam ser aplicados para propiciar geração de lucros para o setor privado. Os investimentos públicos nas IES, na maior parte das vezes, priorizam os interesses do mercado. Como aponta Mancebo (2007) As instituições de ensino superior são convidadas não só a se adaptar às novas composições trabalhistas, como também ajustar seu produto às exigências mais recentes do capital. Assim, o cotidiano da universidade e a conformação das atividades docentes se vêem duplamente atingidos pela organização produtiva emergente (MANCEBO, 2007, p.76). Um novo modelo gerencial vem sendo adotado pelas IES, em conformidade à flexibilidade, ao produtivismo e ao individualismo. O atual modelo de flexibilização de gestão se justifica pela exigência de ampliação do sistema, tomando como regra o menor custo. Isso fica visível ao se observar as colocações de Rodrigues Dias (2004) acerca da

9 9 análise sobre a educação superior feita pelo Banco Mundial em documento lançado há dez anos. Segundo o autor, no documento o Banco Mundial fala objetivamente da educação superior e de seu papel na economia, propondo: a privatização da educação superior; a cobrança de matrículas; a criação de cursos mais breves, não universitários, sendo mais flexível à demanda do mercado; não mais fazer das universidades centros de pesquisa. (RODRIGUES DIAS, 2004, p. 899). Ainda sobre o papel do Estado, além da diminuição dos investimentos, Mancebo (2004) observa que desde os governos passados, é possível assistir a uma mudança nas políticas educacionais de acordo com as transformações do mercado. Esse fato trouxe e traz algumas repercussões desastrosas para a educação, tais como a deterioração das condições de trabalho na educação superior; desarticulação do ensino em relação à dinâmica social; mercantilização do conhecimento e produções acadêmicas, com uma submissão da universidade ao mercado; desvalorização das atividades de extensão; um modelo de avaliação que prioriza a quantidade de produção, incentivando a competitividade; e diminuição da capacidade crítica que a universidade deve ter, entre outras conseqüências. (MANCEBO, 2004, p ). No que diz respeito ao trabalho docente, vem se observando uma crescente precarização do trabalho deste profissional, além da flexibilização de suas tarefas e uma nova relação estabelecida com o tempo de trabalho. A precarização do trabalho docente é definida articulando a às novas formas de trabalho, cada vez mais desregulamentadas, tendo como principais características a redução de salários, diminuição dos direitos trabalhistas, intensificação da jornada de trabalho, entre outras formas de exploração. Ela pode ser observada até mesmo nas grandes universidades públicas, onde proliferam as (sub)contratações temporárias de professores, pagos por hora aula ministrada em turma de graduação. Mancebo (2007) aponta algumas causas para crescente aumento do trabalho precário nas IES, assim como algumas conseqüências deste processo: O aumento do trabalho precário nas universidades públicas apresenta como causa primeira a progressiva erosão do volume de recursos públicos destinados ao financiamento da universidade. O enxugamento orçamentário gera, indubitavelmente, inúmeros efeitos danosos, e um deles recai na contratação de novos docentes, quer para o atendimento minimamente adequado ao crescimento

10 10 quantitativo e qualitativo de cursos e alunos, quer para a reposição paritária das vagas geradas por aposentadorias, óbitos, desligamentos voluntários e afastamento de docentes. Assim, a contratação de professores substitutos vem sendo uma saída econômica para o sustento das universidades, que infelizmente se naturalizou no cotidiano de diversas unidades, sendo mesmo incentivada acriticamente por muitos (MANCEBO, 2007, p.77). O uso recorrente dos contratos mais ágeis e econômicos, como os temporários, na maior parte das universidades públicas brasileiras reflete a adoção de um novo modelo gerencial nas instituições de educação superior, que reproduziu no âmbito universitário um mercado de trabalho flexível. Os docentes das IES, portanto, foram atravessados pelo conjunto dessas modificações que ocorreram no campo do trabalho, pelas novas exigências que se colocam para as universidades e também pela diminuição da participação do Estado no financiamento da educação superior. Desta forma, entende se que a proposta de flexibilização da gestão das instituições de acordo com o perfil do mercado favoreceu o crescimento desses contratos de trabalho mais ágeis e econômicos. 3. Trabalho precário na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Na tentativa de uma melhor compreensão do trabalho docente no contexto das reformas de viés neoliberal e de problematizar a forma como os docentes da Universidade do Estado do Rio de Janeiro se ajustam a este cenário reestruturado, bem como suas relações e suas formas de resistência e enfrentamento, foram observadas sistematicamente as situações de trabalho e a saúde dos docentes dessa universidade, considerando alguns fatores como número de empregos, situação funcional, carreira, jornada, condições de trabalho, organização do trabalho e tipos de gestão, bem como o levantamento estatístico realizado que, em conjunto, forneceram uma noção clara das reestruturações pelas quais a universidade vem passando. Na pesquisa de campo, foram utilizados dados estatísticos obtidos pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. O levantamento estatístico histórico pôde nos fornecer uma noção clara das reestruturações pelas quais a Uerj vem passando. No período investigado, entre 1994 e 2007, averigua se que o corpo docente da universidade

11 11 apresentou grande fragmentação. Desta forma, destaca se o fato de que na UERJ, em 2007, (data de realização do último levantamento sistemático realizado) havia 2980 docentes, contratados por regimes de trabalho diferentes, sendo 22,30% de professores contratados em regime de substituição (os quais entendemos como contratos precários). Também é possível observar um aumento considerável de 73,37% no quadro desses professores, entre 1994 e 2007, em contraposição ao quadro de docentes efetivos, que aumentaram apenas 17,13%. Apesar do incremento do quadro de professores contratados como substitutos, houve uma diminuição do número de professores visitantes em 21,51%, conforme tabela abaixo. Corpo docente da UERJ População total EFETIVOS Números % da População Total 80,1 77,4 78,5 73,1 76,8 74,5 78,3 75,2 79,0 77,6 78,2 76,0 75,3 75,3 VISITANTES Números % da População Total 3,9 5,2 2,5 4,7 3,9 5,3 2,5 3,1 3,8 2,5 2,9 2,5 2,5 2,4 SUBSTITUTOS Números % da População Total 16,0 17,4 19,1 22,3 19,3 20,2 19,2 21,7 17,2 19,9 18,9 21,5 22,2 22,3 Tais dados, foram coletados no sistema DataUerj e forneceram uma noção clara das reestruturações pelas quais a universidade vem passando. Observamos uma alarmante proliferação de (sub)contratações temporárias de professores, que enfrentam condições precárias de trabalho. Foram realizadas ainda entrevistas individuais, semi dirigidas, com docentes da universidade (fase da pesquisa que se encontra ainda em andamento) e o critério básico para a escolha dos entrevistados que compõem a amostra: ser professor substituto na UERJ. Também levou se em consideração as faculdades e institutos que possuíam maior e menor número de professores contratados. Juntamente com a observação estatística, as entrevistas nos fizeram observar que o trabalho do professor universitário não passou imune às transformações da esfera laboral, trazidas pela globalização de forte viés neoliberal; seu trabalho foi flexibilizado e precarizado.

12 12 Mesmo não tendo sido concluída, as entrevistas permitiram a verificação clara da situação marginal em que se encontram os docentes contratados temporariamente. Os professores substitutos encontram se limitados em suas atuações às salas de aula, impedidos de pesquisa e extensão, de orientação de monografia ou projetos, desavisados das reuniões departamentais, desvinculados das discussões institucionais, são praticamente impedidos de manterem vínculos orgânicos com a universidade. Seus salários são menores do que um docente efetivo (o equivalente a um professor auxiliar, independentemente do seu grau de qualificação), mesmo que sua carga horária seja similar ao professor do quadro permanente. O contrato deste professor é de um ano podendo ser renovado por mais dois, no entanto o cancelamento do mesmo pode se dar a qualquer momento. Nem mesmo o direito a férias está estabelecido no contrato. Todos esses fatores provocam uma série de sentimentos, sensações, pensamentos que levam a uma atitude diferenciada do professor substituto em relação à instituição e aos demais docentes. Porém, em seu discurso, apesar do professor estar ciente do seu trabalho precarizado (excluído do direito à pesquisa e extensão, bem como de alguns direitos trabalhistas), o professor substituto da Uerj afirma com orgulho a importância de trabalhar numa universidade pública, sendo esta vista como uma forma de ganhar pontos no currículo, e de adquirir experiência. Paradoxalmente, os professores substitutos assumem uma posição de satisfação por trabalhar numa instituição pública como a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, ao mesmo tempo em que sentem a angústia por terem que dar conta das novas formas de trabalho e atividades que lhes são propostas. Diante desta posição paradoxal, Mancebo (2007) considera que o trabalho docente constitui se num lugar contraditório que suscita, a um só tempo, sobretrabalho e prazer; assujeitamento e captura acrítica dos envolvidos para as novas demandas colocadas para a universidade, mas também espaço para invenções, pensamento e crítica (p.79). Nesse sentido, pode se pensar que o encontro das subjetividades no âmbito da universidade, com a variedade de estimulações trazidas pelos recursos globais, somadas às demandas flexíveis dos campos do trabalho, fizeram com que se complexificassem as exigências comportamentais. No caso dos professores substitutos, tais exigências vêm sendo

13 13 significadas enquanto experiência necessária à vida e à carreira. Trata se de uma curiosa ressignificação subjetiva, obviamente reforçada e alimentada pela instituição e pelos que a habitam, para a intensa precarização do trabalho desse professor, submetidos a jornadas de trabalho mais intensas e extensas. Diante das análises feitas pudemos observar mudanças na instituição pública de ensino, em especial na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, dando destaque: a precarização do trabalho docente, pois observou se um aumento significativo de (sub)contratações temporárias de professores; além de diferenças entre os docentes efetivos e contratados, especialmente quando se verifica a qualificação acadêmico científica, salários, direitos empregatícios e trabalho realizado, uma vez que os professores contratados são excluídos de atividades de pesquisa e extensão, exercendo apenas atividades de sala de aula. Houve ainda intensificação do trabalho e transfiguração das atividades docentes básicas: ensino, pesquisa e extensão; aumento do sofrimento subjetivo; neutralização da mobilização coletiva e aprofundamento do individualismo. Diante dos resultados observados, é possível compreender as transformações pelas quais a Universidade do Estado do Rio de Janeiro vem passando, além de se observar a ampla utilização de formas flexibilizadas de gestão, contribuindo para o crescimento do número de contratos temporários, precários o que trouxe aumento da insegurança desse trabalhador. Referências Bibliográficas: ANTUNES, Ricardo. Mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. Revista Educação & Sociedade, Campinas, vol. 25, n. 87, p , ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo editorial, HARVEY, David. Condição pós moderna. 6ª ed. São Paulo: Loyola, p Espaços de esperança. São Paulo: Loyola, p

14 14 MANCEBO, Deise. Trabalho docente, políticas e subjetividade: ampliando o debate. Relatório de pesquisa, Universidade do Estado do Rio de Janeiro/Prociência, Trabalho Docente: Subjetividade, Sobreimplicação e Prazer. Psicologia: Reflexão e Crítica, v.20, n. 1, p.74 80, Disponível em Reforma universitária: reflexões sobre a privatização e a mercantilização do conhecimento. Educação e Sociedade, Campinas, v.25, n.88, p , número especial RODRIGUES DIAS, Marco Antônio. Dez anos de antagonismo nas políticas sobre ensino superior em nível internacional. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 88, p , número especial Documentos consultados: UERJ. Datauerj. Indicadores estatísticos.disponível em UERJ. Datauerj. Disponível em: <http://www.uerj.br>. Último acesso em: abril Palavras chave: trabalho docente, educação superior, professor substituto, trabalho precário

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação

TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação TÍTULO DO PROJETO: Política de Financiamento da Educação Superior no Brasil uma análise dos Planos Nacionais de Educação 1 APRESENTAÇÃO O financiamento da educação superior pública constitui-se num dos

Leia mais

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais.

A origem latina da palavra trabalho (tripalium, antigo instrumento de tortura) confirma o valor negativo atribuído às atividades laborais. 1 Origem do termo O trabalho é o conjunto de atividades por meio das quais o ser humano cria as condições para sua sobrevivência. Por esta característica, sempre foi indispensável na vida dos indivíduos.

Leia mais

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação

4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação 4 Desigualdade, Pobreza e o Acesso à Educação A desigualdade, em suas várias formas, é um fenômeno bastante antigo nas sociedades e reflete sempre uma relação de poder, na medida em que representa um padrão

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal

Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Relato - Do Fordismo/Keynesiano ao Toyotismo/Neoliberal Segundo diferentes autores, como ANTUNES (1999), HARVEY (2001), GOUNET (1999), KURZ (1996) entre outros, vivemos, atualmente, o chamado desemprego

Leia mais

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1

INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 INCUBADORAS SOCIAIS UNIVERSITÁRIAS: A PROMOÇÃO DA ECONOMIA SOLIDÁRIA COM O FORTALECIMENTO DA EDUCAÇÃO POPULAR 1 Fabio Jardel Gaviraghi 2, Caroline Goerck 3, Walter Frantz 4. 1 Projeto de Pesquisa do Doutorado

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA

DEPARTAMENTO DE GENÉTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE GENÉTICA Planejamento Estratégico 2012-2016 Março de 2012 2 Planejamento Estratégico DEPARTAMENTO DE GENÉTICA 1. Missão O Departamento

Leia mais

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL

PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL PROJETOS DE GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA, UMA INSERÇÃO INFORMAL NO MERCADO, SOBRE POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL Luana Vianna dos Santos Maia Tatiane da Fonseca Cesar Resumo: O artigo apresentou uma

Leia mais

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO

TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO TRADUTORES-INTÉRPRETES BACHARELANDOS DO CURSO LETRAS- LIBRAS: UMA REFLEXÃO ACERCA DA INFLUÊNCIA DA PRÁTICA DOCENTE E FORMAÇÃO PRECEDENTE AO CURSO Marcos Luchi 1 (UFSC) Fabíola Sucupira Ferreira Sell 2

Leia mais

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE

UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE UM OLHAR PEDAGÓGICO SOBRE A RELAÇÃO ENSINO E PESQUISA NOS CURSOS DE LICENCIATURA NA ÁREA DA SAÚDE Ana Cristina Oliveira Lima, bolsista PIBIC/ CNPq, anacristinaoliveiralima@yahoo.com.br, UECE. Brena de

Leia mais

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação

PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação PROFESSOR FORMADOR, MESTRE MODELO? ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de PUC-SP PASSOS, Laurizete Ferragut UNESP GT-20: Psicologia da Educação Considerando a importância de estudos que abordem dimensões

Leia mais

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG)

TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) TERCEIRIZAÇÃO E O TRABALHO PRECARIZADO: APONTAMENTOS SOBRE O CASO DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS (CEMIG) Igor Silva Figueiredo 1 Igor.figueiredo@gmail.com Este trabalho consiste numa pesquisa

Leia mais

Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil

Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil 1 Carta Aberta aos Estudantes e Trabalhadores dos Cursos de Graduação a Distância em Serviço Social no Brasil Os delegados, observadores e convidados reunidos entre os dias 6 e 9 de setembro de 2009, em

Leia mais

MANIFESTO CONTRÁRIO À CONSTITUIÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (OS) NA EDUCAÇÃO ESTADUAL FÓRUM GOIANO DE EJA APROVADA

MANIFESTO CONTRÁRIO À CONSTITUIÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (OS) NA EDUCAÇÃO ESTADUAL FÓRUM GOIANO DE EJA APROVADA MANIFESTO CONTRÁRIO À CONSTITUIÇÃO DE ORGANIZAÇÕES SOCIAIS (OS) NA EDUCAÇÃO ESTADUAL FÓRUM GOIANO DE EJA APROVADA O Fórum Goiano de Educação de Jovens e Adultos, constituído desde 29 de novembro de 2002,

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE. Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com. FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: INFORMÁTICA E SOCIEDADE Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br A TRANSFORMAÇÃO DO TRABALHO O capítulo 4 do livro de

Leia mais

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA APONTAMENTOS SOBRE AS POLÍTICAS PÚBLICAS PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Ana Claudia da Silva Rodrigues; Lílian Maria Paes de Carvalho Ramos (Orientadora) Universidade Federal Rural

Leia mais

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje?

Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Estudos do Trabalho Ano II. Nº 3-2008. Revista da RET Rede de Estudos do Trabalho www.estudosdotrabalho.org Afinal, quem é a classe trabalhadora hoje? Ricardo Antunes Professor da Universidade Estadual

Leia mais

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia

Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Reformas Políticas: aperfeiçoando e ampliando a Democracia Pedro Pontual Pesquisador da Equipe de Participação Cidadã/Observatório dos Direitos do Cidadão do Instituto Pólis Apresentação O Observatório

Leia mais

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares

Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia. Anabelly Brederodes Cássio Tavares Desnaturalização e estranhamento: experiência do PIBID em Sociologia Anabelly Brederodes Cássio Tavares Resumo O trabalho tem como objetivo refletir sobre a prática de ensino e aprendizagem, como um processo

Leia mais

Trabalhonecessário Issn: 1808-799X ano 10, nº 14-2012

Trabalhonecessário Issn: 1808-799X ano 10, nº 14-2012 Trabalhonecessário Issn: 1808-799X ano 10, nº 14-2012 INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E PROJETO EDUCACIONAL DO EMPRESARIADO INDUSTRIAL BRASILEIRO: UMA ANÁLISE CRÍTICA Rafael Gomes Cavalcante 1 Alessandro de Melo

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR.

MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR. Resenhas Trajetos da Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil MARTINS, Carlos Benedito (org). Para onde vai a Pós-graduação em Ciências Sociais no Brasil. Bauru SP: Edusc, 2005. POR Fabio Lanza 1 Aobra

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA DITADURA MILITAR

FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA DITADURA MILITAR FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA DITADURA MILITAR (1964 1985). Renata Bento Leme FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS/ UNESP- MARÍLIA. rb.leme@yahoo.com.br. Eixo temático: Política educacional. RESUMO: Este trabalho

Leia mais

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino

Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino Desafios para a gestão escolar com o uso de novas tecnologias Mariluci Alves Martino A escola e a gestão do conhecimento Entender as instituições educacionais pressupõe compreendê-las e colocá-las em relação

Leia mais

POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES

POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES Sobre a MOÇÃO B POR UM SINDICATO MAIS FORTE NAS ESCOLAS E COM OS PROFESSORES Rosa Vaz* Ao longo dos últimos anos temos vindo a sentir os efeitos perversos de políticas governativas de direita que optam

Leia mais

Educação, trabalho e perspectivas para o EMI

Educação, trabalho e perspectivas para o EMI Educação, trabalho e perspectivas para o EMI MÔNICA M. TASSIGNY CCH-UNIDOR, Brasil Mudanças no mundo do trabalho e da educação As relações entre capitalismo, trabalho e educação têm sido objeto de estudo

Leia mais

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02

Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia. Manual de Estágios Currículo 2009.02 Centro Universitário Newton Paiva Curso de Psicologia Manual de Estágios Currículo 2009.02 Belo Horizonte Dezembro de 2009 1 FICHA TÉCNICA CORPO ADMINISTRATIVO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO NEWTON PAIVA Presidente

Leia mais

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES

A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES A ARTICULAÇÃO ENTRE ENSINO MÉDIO E ENSINO PROFISSIONAL DE NÍVEL TÉCNICO, SEGUNDO A LDB E AS NOVAS DIRETRIZES CURRICULARES Guiomar Namo de Mello Diretora Executiva da Fundação Victor Civita Membro do Conselho

Leia mais

Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação

Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação Avaliação externa como instrumento da gestão do sistema de ensino: a adesão e os impasses para a busca de melhoria na educação MOREIRA, Rozemeiry dos Santos Marques SORDI, Mara Regina Lemes de UNICAMP

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP

Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP Levantamento de informações para o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI da UNESP A formulação de um PDI deve partir de metas definidas pela parceria entre a comunidade e a administração central da

Leia mais

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*.

EMENTÁRIO. Princípios de Conservação de Alimentos 6(4-2) I e II. MBI130 e TAL472*. EMENTÁRIO As disciplinas ministradas pela Universidade Federal de Viçosa são identificadas por um código composto por três letras maiúsculas, referentes a cada Departamento, seguidas de um número de três

Leia mais

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo

Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Conexões entre o estranhamento e o capitalismo Stênio Eduardo de Sousa Alves Universidade Federal de Uberlândia stenioche@yahoo.com.br Resumo Nos marcos de uma sociedade capitalista globalizada em que

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

A abordagem da Matemática Financeira nas escolas: uma proposta didática para EJA

A abordagem da Matemática Financeira nas escolas: uma proposta didática para EJA A abordagem da Matemática Financeira nas escolas: uma proposta didática para EJA Vanessa de Albuquerque Laport (aluna) 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Esta pesquisa norteará

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores OFICINA DE MATERIAIS DIDÁTICOS ADAPTADOS PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS: UM ESPAÇO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

A NOVA PEDAGOGIA FABRIL - TECENDO A EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR. CAMPOS, Roselani Fátima

A NOVA PEDAGOGIA FABRIL - TECENDO A EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR. CAMPOS, Roselani Fátima A NOVA PEDAGOGIA FABRIL - TECENDO A EDUCAÇÃO DO TRABALHADOR CAMPOS, Roselani Fátima O objetivo desta comunicação é apresentar dados parciais referentes à pesquisa sobre processos de educação do trabalhador

Leia mais

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.

O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail. O USO DE MATERIAIS CONCRETOS PARA O ENSINO/APRENDIZAGEM DAS OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Maria da Conceição Alves Bezerra mcabst@hotmail.com RESUMO: A pesquisa aqui desenvolvida tem como objetivo propiciar elementos

Leia mais

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013

ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 LEGENDA: EM VERMELHO O QUE INCLUÍMOS NO FÓRUM EJA / RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE AMARELO PROPOSTA DO FÓRUM PARANAENSE, INCORPORADA NA DISCUSSÃO DO FÓRUM EJA/RJ DE 17/6/2013 ILUMINADO DE VERDE PROPOSTA

Leia mais

Anexo II. Perfil do egresso

Anexo II. Perfil do egresso Anexo II Dimensão 2 - A política para o ENSINO, a pesquisa, a pós- graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os Perfil do egresso A UNEMAT se organiza e planeja para

Leia mais

POLÍTICA DE PESQUISA

POLÍTICA DE PESQUISA POLÍTICA DE PESQUISA Apresentação Este documento trata da política de pesquisa e de iniciação científica do UNISAL, que deve guiar toda e qualquer iniciativa de investigação e geração de conhecimento institucionais.

Leia mais

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM?

O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? O CONHECIMENTO PEDAGÓGICO NA ORGANIZAÇÃO: ESPAÇO DE QUEM? Marlene Fernandes Universidade Luterana do Brasil RESUMO O mundo está em constante transformação, com segmentos funcionais altamente globalizados,

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO. O tema da redução da jornada de trabalho é, ainda hoje, uma questão envolta em polêmicas.

GLOBALIZAÇÃO. O tema da redução da jornada de trabalho é, ainda hoje, uma questão envolta em polêmicas. LISTA: 01 1ª série Ensino Médio Professor(a): B - Negão Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: GLOBALIZAÇÃO DIA: MÊS: 01 2016 QUESTÃO 01 03 (PUC-RIO-2012-1) O tema da redução da jornada de trabalho

Leia mais

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO

UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO UFRB UNIVERSIDADE FEDERAL DO RECÔNCAVO DA BAHIA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PLANO DE GESTÃO (2011-2015) Cruz das Almas-BA 2011 Sumário Apresentação Justificativa Diretrizes Objetivos Metas e Estratégias Metodologia

Leia mais

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil

B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil B6-527 Educação do campo: um esforço para se fazer presente na história do Brasil Raimundo Jackson Nogueira da Silva, Secretaria Municipal de Educação de Canindé-CE, e- mail: raimundojackson@hotmail.com.

Leia mais

TÍTULO: EMPECILHOS À AUTONOMIA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO NO CAPITALISMO FLEXÍVEL

TÍTULO: EMPECILHOS À AUTONOMIA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO NO CAPITALISMO FLEXÍVEL TÍTULO: EMPECILHOS À AUTONOMIA DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO NO CAPITALISMO FLEXÍVEL CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE UBERABA AUTOR(ES):

Leia mais

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo:

Modelos de Produção. 1 Empresas: Movimentos Ideológicos. 1.1 - Taylorismo: Modelos de Produção 1 Empresas: Movimentos Ideológicos 1.1 - Taylorismo: Taylorismo ou Administração científica é o modelo de administração desenvolvido pelo engenheiro norte-americano Frederick Taylor

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES?

IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? IDEIAS SOBRE INCLUSÃO NO ESPAÇO ESCOLAR: O QUE DIZEM OS PROFESSORES? Jakson Luis Galdino Dourado (UFPB) jaksonpsi@gmail.com Emília Galdino Ferraz (UFPB) emilia_271@hotmail.com Herbert Costa do Rêgo (UEPB)

Leia mais

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE

A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE II Semana de Economia Política GT 3 Trabalho e produção no capitalismo contemporâneo A PRECARIZAÇÃO DAS RELAÇÕES TRABALHISTAS E O DEBATE DA CONSCIÊNCIA DE CLASSE Resumo Inaê Soares Oliveira 1 Lohana Lemos

Leia mais

TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO

TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO TELECOMUNICAÇÕES NO PARANÁ: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, TERCEIRIZAÇÃO E PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO Affonso Cardoso Aquiles 1 Introdução As transformações pelas quais as telecomunicações brasileiras passaram nas

Leia mais

1 A FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DO DOCENTE PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR: DELINEANDO CAMINHOS E APROXIMAÇÕES RIVAS, Noeli Prestes Padilha USP noerivas@ffclrp.usp.br CONTE, Karina de Melo USP karina_conte@yahoo.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO O ENSINO DA SOCIOLOGIA PARA PROFESSORES DO ENSINO MÉDIO Contribuindo para a formação continuada dos professores de Sociologia do ensino médio do Rio Grande do Sul. OBJETIVOS GERAIS

Leia mais

HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIAS HORA/ AULA I - CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIA: II - PRODUÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO:

HABILIDADES CONTEÚDO METODOLOGIA/ESTRATÉGIAS HORA/ AULA I - CONCEITOS BÁSICOS DA GEOGRAFIA: II - PRODUÇÃO DO ESPAÇO GEOGRÁFICO: CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE CH ANO 1ª 68 2012 COMPETÊNCIAS: Compreender

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO "BRINCANDO COM A COMUNIDADE".

CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO BRINCANDO COM A COMUNIDADE. 1 CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO FÍSICA A PARTIR DO PROJETO "BRINCANDO COM A COMUNIDADE". AMANDA RIBEIRO MIRANDA NHADYA NASCIMENTO BRITO IESMA/UNISULMA amirandaimp@hotmail.com nhadyabrito@hotmail.com

Leia mais

SENADO FEDERAL INSTITUTO LEGISLATIVO BRASILEIRO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA

SENADO FEDERAL INSTITUTO LEGISLATIVO BRASILEIRO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA SENADO FEDERAL INSTITUTO LEGISLATIVO BRASILEIRO SUBSECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR PROGRAMA CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO LEGISLATIVA 1. OBJETIVO DO CURSO Esse curso tem por objetivo a formação

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN

PALAVRAS CHAVE: Formação de Professores, Políticas Públicas, PIBID, Ensino de Física. Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN POLÍTICAS PÚBLICAS PARA A EDUCAÇÃO: A IMPORTÂNCIA DO PIBID 1 NA FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB Roseana Barbosa da Silva Graduada em Geografia, Universidade Estadual do Vale do Acaraú UVA/UNAVIDA E-mail: roseanabsilva@gmail.com.br

Leia mais

PESQUISA TÉCNICA COORDENAÇÃO DAS LICENCIATURAS DIVERSAS 2010.2

PESQUISA TÉCNICA COORDENAÇÃO DAS LICENCIATURAS DIVERSAS 2010.2 PESQUISA TÉCNICA COORDENAÇÃO DAS LICENCIATURAS DIVERSAS 2010.2 JUSTIFICATIVA PARA A PESQUISA: Demandas recorrentes de professores e equipe técnica sobre a falta de identidade dos alunos das Licenciaturas

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia

O Proeja no IFG: o processo seletivo para admissão aos cursos ofertados no Campus Goiânia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDRAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS MARCELO MENDES DOS SANTOS O Proeja no IFG: o processo seletivo para

Leia mais

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO

O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO O ENSINO DO PRINCÍPIO DE BERNOULLI ATRAVÉS DA WEB: UM ESTUDO DE CASO Rivanildo Ferreira de MOURA 1, Marcos Antônio BARROS 2 1 Aluno de Graduação em Licenciatura em Física, Universidade Estadual da Paraíba-UEPB,

Leia mais

Tal discussão faz parte das transformações nos paradigmas teóricos mais gerais, que atingem todas as áreas do conhecimento, no mundo contemporâneo,

Tal discussão faz parte das transformações nos paradigmas teóricos mais gerais, que atingem todas as áreas do conhecimento, no mundo contemporâneo, CULTURAS INFANTIS E SABERES: CAMINHOS RECOMPOSTOS SANTOS, Solange Estanislau dos FCT/UNESP GT: Educação de Crianças de 0 a 6 anos/ n.07 Agência Financiadora: CAPES Este artigo pretende divulgar os resultados

Leia mais

Tecnologias e tempo docente

Tecnologias e tempo docente http://portalrevistas.ucb.br/index.php/raead ISSN: 2357-7843 Tecnologias e tempo docente Autor 1 1 : Ana Maria Brigatte KENSKI, Vani Moreira. Tecnologias e tempo docente ocente. Papirus Editora, 2013.

Leia mais

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

EDITORIAL O Programa de Pós-graduação em Educação Ambiental PPGEA - FURG tem a satisfação de apresentar mais um número da Revista Ambiente & Educação, periódico de enfoque filosófico científico e de caráter

Leia mais

3 O Serviço Social no setor de ONGs

3 O Serviço Social no setor de ONGs 3 O Serviço Social no setor de ONGs Uma análise sobre a atuação do assistente social em organizações não governamentais (ONGs) deve partir da reflexão sobre a configuração da sociedade civil brasileira,

Leia mais

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011.

CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA. Araras, maio de 2011. 1 CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA: A IMPLANTAÇÃO E A GESTÃO NA MODALIDADE A DISTÃNCIA Araras, maio de 2011. Fernando da Silva Pereira Centro Universitário Hermínio Ometto UNIARARAS SP fernandosilper@uniararas.br

Leia mais

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU

CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO SOCIAL INSTITUIÇÃO: FACULDADES INTEGRADAS DE BOTUCATU TÍTULO: AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DO PROGRAMA ADOLESCENTE APRENDIZ EXECUTADO PELO TERCEIRO SETOR, NA VIVENCIA ATUAL DOS BENEFICIÁRIOS QUANTO À SUPERAÇÃO DE DIFICULDADES COTIDIANAS E DE INSERÇÃO AO TRABALHO.

Leia mais

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL

GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL GESTÃO DEMOCRÁTICA E SUAS IMPLICAÇÕES NO AMBIENTE EDUCACIONAL Camila Petrucci dos Santos Rosa. Eliana Marques Zanata. Antônio Francisco Marques. UNESP/Bauru. CAPES/PIBID. camilinha_rosa@hotmail.com. eliana@fc.unesp.br.

Leia mais

Tema: evasão escolar no ensino superior brasileiro

Tema: evasão escolar no ensino superior brasileiro Entrevista com a professora Maria Beatriz de Carvalho Melo Lobo Vice- presidente do Instituto Lobo para o Desenvolvimento da Educação, Ciência e Tecnologia e Sócia- diretora da Lobo & Associados Consultoria.

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

INCLUSÃO DE CONTEÚDOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA NOS CURSOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

INCLUSÃO DE CONTEÚDOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA NOS CURSOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA INCLUSÃO DE CONTEÚDOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA NOS CURSOS DE ENGENHARIA E ARQUITETURA Danilo Pereira Pinto - danilo@engelet.ufjf.br Edimar José de Oliveira - edimar@eletrica.ufjf.br Universidade Federal

Leia mais

Relações de trabalho contemporâneas: novas possibilidades de realização profissional ou reinvenção da intensificação do trabalho?

Relações de trabalho contemporâneas: novas possibilidades de realização profissional ou reinvenção da intensificação do trabalho? Relações de trabalho contemporâneas: novas possibilidades de realização profissional ou reinvenção da intensificação do trabalho? Leila Sharon Nasajon Gottlieb * Recentemente, uma multiplicidade de fenômenos

Leia mais

ISSN 1982-8632 Revista @mbienteeducação Universidade Cidade de São Paulo Vol. 7 nº 3 set/dez, 2014 Editorial. Editorial

ISSN 1982-8632 Revista @mbienteeducação Universidade Cidade de São Paulo Vol. 7 nº 3 set/dez, 2014 Editorial. Editorial Revista @mbienteeducação Universidade Cidade de São Paulo Vol. 7 nº 3 set/dez, 2014 Editorial Editorial Gestão de sistemas e de instituições de ensino, políticas e práticas profissionais Neste número,

Leia mais

Universalizar a educação primária

Universalizar a educação primária Universalizar a educação primária META 2 terminem um ciclo completo de ensino. Garantir que, até 2015, todas as crianças, de ambos os sexos, Escolaridade no Estado de São Paulo O aumento sistemático das

Leia mais

Futebol e escola no campo do neoliberalismo

Futebol e escola no campo do neoliberalismo Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC) alvesdr@hotmail.com Introdução O processo de construção deste trabalho foi realizado no campo de ação de um grupo de pesquisa ligado ao programa de Pós Graduação

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: REFLEXÕES SOBRE UMA PRÁTICA

ESTÁGIO SUPERVISIONADO: REFLEXÕES SOBRE UMA PRÁTICA ESTÁGIO SUPERVISIONADO: REFLEXÕES SOBRE UMA PRÁTICA Carla Silvia Pimentel/UEPG/DEMET/FEUSP cspimenta@bol.com.br INTRODUÇÃO Tendo por objetivo refletir sobre os estágios e sua contribuição no processo de

Leia mais

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR

TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR TRABALHO DOCENTE NA EDUCAÇÃO SUPERIOR Refere-se ao conjunto de atividades desenvolvidas pelo professor/pesquisador no âmbito das relações estabelecidas com a instituição de ensino, considerando seus fins

Leia mais

VIDA COTIDIANA E O USO DO TEMPO PELAS MULHERES

VIDA COTIDIANA E O USO DO TEMPO PELAS MULHERES VIDA COTIDIANA E O USO DO TEMPO PELAS MULHERES Maria Betânia Ávila * O tempo é um bem escasso na dinâmica da vida social moderna. O que chamamos aqui de tempo é o sistema padronizado de regulação dos períodos

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA À DISTÂNCIA SILVA, Diva Souza UNIVALE GT-19: Educação Matemática

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA À DISTÂNCIA SILVA, Diva Souza UNIVALE GT-19: Educação Matemática 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA À DISTÂNCIA SILVA, Diva Souza UNIVALE GT-19: Educação Matemática Introdução Neste artigo apresenta-se uma pesquisa 1 que tem por tema a formação inicial de professores

Leia mais

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO

TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO Raquel Monteiro Alberto Moraes - Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) Renata Oliveira de Sousa- Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) A sociedade atual se encontra imersa

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios

Leia mais

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira

Sociologia. Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Sociologia Professor: Matheus Bortoleto Rodrigues E-mail: matheus.bortoleto@cnec.edu.br Colégio Cenecista Dr. José Ferreira Organização da produção social do trabalho Objetivo: Problematizar as diferentes

Leia mais

Contextualizando a Economia Solidária 1

Contextualizando a Economia Solidária 1 Contextualizando a Economia Solidária 1 O nascimento da Economia Solidária Caracterizado pela propriedade privada dos meios de produção e pela acumulação de riquezas por meio do lucro, que proporciona

Leia mais

- Samuelson: Acredita que somente as organizações monopolistas, podem desenvolver programas sociais, mantendo seu lucro no mesmo patamar.

- Samuelson: Acredita que somente as organizações monopolistas, podem desenvolver programas sociais, mantendo seu lucro no mesmo patamar. Responsabilidade Social Corporativa Esse tema hoje em dia é utilizado tanto nos meios acadêmicos quanto empresarial, mostrando assim, seus importantes conceitos sobre Responsabilidade Social e sobre ética.

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil

Caderno Virtual de Turismo E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil E-ISSN: 1677-6976 caderno@ivt-rj.net Universidade Federal do Rio de Janeiro Brasil Siems Forte, Ana Maria A C, vol. 3, núm. 3, 2003, pp. 7-13 Universidade Federal do Rio de Janeiro Río de Janeiro, Brasil

Leia mais

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO

REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GRUPO PERMANENTE DE TRABALHO DE EDUCAÇÃO DO CAMPO REFERÊNCIAS PARA UMA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO CADERNO DE SUBSÍDIOS BRASÍLIA Outubro, 2003 2 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...5

Leia mais

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um

podres mecanismo de seleção no acesso às escolas municipais de alto prestígio da cidade do Rio de Janeiro (CHAMARELLI, 2007a). Vale destacar que um 1. Introdução Tomo consciência de mim, originalmente, através do outro: deles recebo a palavra, a forma e o tom que servirão à formação original da representação que terei de mim mesmo. (BAKHTIN, 1992,

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural VI Seminário Nacional de Saneamento Rural MEDIDAS ESTRUTURANTES EM SANEAMENTO COM ENFOQUE PARA O SANEAMENTO RURAL Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento/ Participante Especial

Leia mais

Aprendizagem Significativa: o uso de um software matemático no ensino de função

Aprendizagem Significativa: o uso de um software matemático no ensino de função Aprendizagem Significativa: o uso de um software matemático no ensino de função Ângelo Gustavo Mendes Costa 1 GD9 Processos cognitivos e linguísticos em Educação Matemática Resumo do trabalho. Este trabalho

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL

FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL FORMAÇÃO DE PROFESSORES E A POLÍTICA NACIONAL DA EDUCAÇÃO INFANTIL Resumo LINHARES, Clarice Schneider UNICENTRO clarinha_linhares@yahoo.com.br Área Temática: Formação de Professores Este trabalho partiu

Leia mais

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3;

Gráfico 1 Jovens matriculados no ProJovem Urbano - Edição 2012. Fatia 3; COMO ESTUDAR SE NÃO TENHO COM QUEM DEIXAR MEUS FILHOS? UM ESTUDO SOBRE AS SALAS DE ACOLHIMENTO DO PROJOVEM URBANO Rosilaine Gonçalves da Fonseca Ferreira UNIRIO Direcionado ao atendimento de parcela significativa

Leia mais

Palavras-chave: Educação Infantil; formação do profissional; formação centrada na escola; políticas públicas.

Palavras-chave: Educação Infantil; formação do profissional; formação centrada na escola; políticas públicas. PROFISSIONAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL E FORMAÇÃO CENTRADA NA ESCOLA: O CASO DE PRESIDENTE PRUDENTE-SP Silvia Adriana Rodrigues Simone Conceição Pereira Deák Alberto Albuquerque Gomes Resumo: Este texto é

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE

A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE A QUESTÃO ÉTNICO-RACIAL NA ESCOLA: REFLEXÕES A PARTIR DA LEITURA DOCENTE Kallenya Kelly Borborema do Nascimento 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: kallenyakelly2@hotmail.com Patrícia Cristina

Leia mais