ANGÉLICA CRISTINA FÉLIXS THOMÉ ISABEL CRISTINA LEME DA SILVA KARINA ALVES GOBBO DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANGÉLICA CRISTINA FÉLIXS THOMÉ ISABEL CRISTINA LEME DA SILVA KARINA ALVES GOBBO DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC. PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM ANGÉLICA CRISTINA FÉLIXS THOMÉ ISABEL CRISTINA LEME DA SILVA KARINA ALVES GOBBO DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA PALMITAL 2014

2 ANGÉLICA CRISTINA FÉLIXS THOMÉ ISABEL CRISTINA LEME DA SILVA KARINA ALVES GOBBO DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA Trabalho de conclusão de curso apresentado à ETEC. Prof. Mário Antônio Verza, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Técnico em Enfermagem. Orientadora: Profª. Daniele C. Marin Molero PALMITAL 2014

3 CENTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA PAULA SOUZA ETEC. PROF. MÁRIO ANTÔNIO VERZA CURSO TÉCNICO EM ENFERMAGEM ANGÉLICA CRISTINA FÉLIXS THOMÉ ISABEL CRISTINA LEME DA SILVA KARINA ALVES GOBBO DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA APROVADO EM / / BANCA EXAMINADORA: NOME DO PROFESSOR (NOME COMPLETO) ORIENTADOR NOME DO PROFESSOR (NOME COMPLETO) EXAMINADOR NOME DO PROFESSOR (NOME COMPLETO) EXAMINADOR

4 Dedicamos nosso trabalho para todos aqueles que fizeram do nosso sonho realidade, nos proporcionando forças para que não desistíssemos. Muitos obstáculos foram impostos para nós durante esse último módulo, mas graças a vocês nós não fraquejamos. Obrigado por tudo, família, namorado, esposos, professores e amigos.

5 AGRADECIMENTOS Agradecemos à Deus, por ter nos dado saúde e forças para superar as dificuldades. À Etec. Prof. Mário Antônio Verza, seu corpo docente, direção e administração que nos proporcionaram a oportunidade de fazer este curso em um ambiente agradável, formando cidadãos éticos e responsáveis. À orientadora Daniele Marin, pelo suporte no pouco tempo que lhe coube, pelas suas correções e incentivos. Nossos agradecimentos aos amigos antigos, aos novos que conquistamos, que permaneceram confiantes e firmes mesmo quando tudo lhes fazia desistir. À nossa família, pelo amor, incentivo e apoio incondicional. A todos que direta ou indiretamente fizeram parte da nossa formação, o nosso muito obrigado.

6 Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o dinheiro para recuperar a saúde. E por pensarem ansiosamente no futuro, esquecem do presente de forma que acabam por não viver nem no presente nem no futuro. E vivem como se nunca fossem morrer, e morrem como se nunca tivessem vivido. Dalai Lama.

7 THOMÉ, ANGÉLICA CRISTINA FÉLIX; SILVA, ISABEL CRISTINA LEME; GOBBO, KARINA ALVES. Doação de Medula Óssea Trabalho de Conclusão de Curso de Técnico em Enfermagem Etec Prof. Mário Antônio Verza, Palmital, RESUMO O trabalho aborda o esclarecimento e orientação para pessoas interessadas em ser doadores de medula óssea. No Brasil, as chances de encontrar doadores compatíveis com os pacientes são raros. O objetivo é a criação de mecanismos e procedimentos para que se aumente a quantidade de doadores. Objetiva-se também aspectos éticos e jurídicos da seleção de embriões, visando esclarecer se tal procedimento equipara-se ao crime de aborto. A medula óssea é o local onde se produz o sangue. É conhecida, popularmente, como tutano do osso. É no interior dos ossos que são as células mãe do sangue, ou melhor, as células que darão origem aos glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas. As células que dão origem ao sangue são chamadas de células progenitoras ou células tronco hematopoéticas. Visa também a orientação de quem e onde pode ser feito o cadastro e exames para se tornar um doador de medula óssea. Palavras-chave: Medula óssea; doação; transplante.

8 THOMÉ, ANGELICA CRISTINA FELIX; SILVA, ISABEL CRISTINA LEME; GOBBO, KARINA ALVES. Bone Marrow Donation Labor Course Completion of Technical Nursing - Etec Prof. Mário Antonio Verza, Palmital, ABSTRACT The paper addresses the clarification and guidance for people interested in becoming bone marrow donors. In Brazil, the chances of finding compatible donors with patients are rare. The goal is to create mechanisms and procedures that increase the amount of donors. The objective is also ethical and legal aspects of "embryo selection", aiming to clarify whether this equates to the crime of abortion. The bone marrow is where blood is produced. It is known commonly as the bone marrow. It is within the bones which are the parent blood cells, or rather the cells which will give rise to red blood cells, white blood cells and platelets. Cells that give rise to blood are called progenitor cells, or hematopoietic stem cells. Also seeks guidance from who and where registration and exams to become a bone marrow donor can be made. Keywords: bone marrow; donation; transplantation.

9 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AMEO Associação de Medula Óssea APCL - Associação Portuguesa Contra a Leucemia CO2 Dióxido de Carbono HB Hemoglobina HLA Histocompatibilidade INCA Instituto Nacional de Câncer REDOME - Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea TMO Transplante de Medula Óssea

10 10 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO MEDULA ÓSSEA CONCEITO DE MEDULA ÓSSEA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA CONCEITO DE DOAÇÃO DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA PROCEDIMENTO PARA DOAÇÃO TIPOS DE DOAÇÃO OS RISCOS PARA DOADOR E RECEPTOR TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA CONCEITO DE TRANSPLANTE TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA ENQUETE CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 27

11 11 1. INTRODUÇÃO A medula óssea é um liquido sanguinolento que ocupa a parte interna do osso, conhecida popularmente como tutano, é nela que são produzidos os componentes do sangue. A doação de medula óssea é um procedimento simples, que consiste na retirada do material de pessoa saudável, para a realização do transplante no paciente com disfunção. Este processo pode ser realizado de duas maneiras, mas é o médico que irá escolher o procedimento mais adequado a ser realizado, também há casos em que é possível realizar a punção do líquido contido no cordão umbilical. No Brasil, as chances de se encontrar um doador compatível são raras, portanto, se aumentarmos o número de doadores, maiores serão as chances dos pacientes que aguardam por um transplante. Justifica-se a importância de se realizar a doação da medula óssea, uma vez que através da doação aumenta-se a expectativa de vida de muitas pessoas que aguardam por um transplante. Assim pretende-se orientar quanto a importância no número de pessoas cadastradas como possíveis doadores, que resultará em benefício ao paciente que necessita e aguarda por um transplante. O objetivo geral deste trabalho é Informar de maneira simples e objetiva o quanto é importante realizar a doação de medula óssea, a fim de proporcionar maior expectativa de vida para o paciente. O objetivo específico é Abordar as necessidades do paciente que aguarda pelo transplante, orientar e conscientizar a população sobre a importância da doação, a fim de aumentar o número de doadores. Este trabalho foi realizado de maneira qualitativa, através de pesquisa em artigos científicos disponíveis no meio digital, entrevistas e reportagens, buscamos através deste estudo esclarecer as dúvidas existentes sobre a doação de medula óssea e o quando é importante se tornar um doador.

12 12 2. MEDULA ÓSSEA Neste capítulo serão abordados conceito de medula óssea e sobre o que é doação de medula óssea CONCEITO DE MEDULA ÓSSEA Para melhor interpretação do trabalho, é interessante iniciar com a conceituação do que é medula óssea. Em relato, Moldoff, (2014, p. 04) explica que medula óssea é um tecido líquido-gelatinoso rico em nutrientes com localização principalmente no interior de ossos tais como o esterno e os ossos do quadril. A medula óssea é composta por dois tipos que são: medula óssea amarela e medula óssea vermelha. A medula óssea amarela contém uma quantidade muito maior de células de gordura que a medula vermelha. Os dois tipos de medula óssea contêm vasos sanguíneos. Outra definição, de acordo com a APCL (2014): A medula óssea é um tecido esponjoso que preenche o interior vários ossos, como os da bacia. É nesse tecido que existem células progenitoras, ou seja, com capacidade para se diferenciarem e dar origem a qualquer célula do sangue periférico, as chamadas stem cell dos autores ingleses ou células progenitoras/estaminais em português. Estas células renovam-se constantemente mantendo um número relativamente constante em qualquer momento. Na opinião de Moldoff (2014, p. 04) a medula óssea tem o funcionamento como uma fábrica produzindo todas as células encontradas na medula e na corrente sanguínea. Esta fábrica depende da função das células tronco pluripotentes. Pluripotente é a referência que se dá à capacidade de uma célula de formar vários tipos diferentes de células. Mapolonio (2013, p. 01) cita em seu trabalho que: Para Maltese (1980) a MO é uma substância mole que se encontra em todas as cavidades ósseas, especialmente nos ossos longos, é formada por tecido reticuloendotelial, constituído por diversos tipos de células. O mesmo autor classifica a MO em três variados e cita suas constituições: MO vermelha, MO amarela, MO gelatinosa sendo que a MO vermelha constitui a medula funcionante encontrada em todos os ossos dos recém-nascidos, com o progredir dos anos vai se transformando em tecido gorduroso comum, modificando para cor amarela, já MO gelatinoso é encontrada na

13 13 desnutrição ou as doenças compectivas graves como tuberculose, câncer ou doenças dos órgãos formadores de sangue. A célula que origina as células sanguíneas é chamada de célula progenitora ou célula-mãe, estas células existem em pequeno número no sangue e em maior quantidade na medula óssea. As células- mãe se auto renovam ou se diferenciam e passam por diversos estágios de maturação, antes de passarem para o sangue. O processo de formação das células sanguíneas é chamado de hematopoeise (AMEO, 2014, p. 1). Moldoff, (2014, p. 06) comenta que a medula óssea é composta por dois tipos de células tronco, que são: mesenquimal e hematopoética. O desenvolvimento de células sanguíneas diferentes a partir destas células-tronco pluripotentes é conhecido como hematopoese. Estas células hematopoéticas pluripotentes podem formar qualquer tipo de célula do sistema sanguíneo. Sob a influência fatores tissulares e hormonais, estas células se desenvolvem em linhagens de células sanguíneas específicas. Moldoff, (2014, p. 06) diz que quando estas células se diferenciam ou maturam, estas se tornam células que pode-se reconhecer na corrente sanguínea. Mesenquimal é o tecido embrionário a partir do qual tecido conectivo, vasos sanguíneos e vasos linfáticos são formados. Hematopoese é a formação e desenvolvimento de células sanguíneas na medula óssea. O autor ainda relata que: Estas incluem os eritrócitos ou hemácias (glóbulos vermelhos). as hemácias são responsáveis pelo transporte de oxigênio a partir dos pulmões para todas as partes do corpo. os leucócitos (glóbulos brancos) incluem os linfócitos, a base do sistema imunológico, e células mieloides que incluem os neutrófilos, monócitos, eosinófilos, e basófilos. os leucócitos combatem infecções atacando e destruindo bactérias ou vírus e estão envolvidos em uma variedade de processos imunológicos. plaquetas são fragmentos do citoplasma de magacariócitos, um outro tipo de célula da medula óssea (MOLDOFF, 2014, p. 08). Na opinião de Klickeducacao (2014, p.01) a medula óssea é correspondida a um tecido conjuntivo, que está no interior de ossos longos. Nas extremidades desses ossos existem buracos, que é o local onde são produzidas células sanguíneas, numa região que é chamada de medula vermelha. No centro é onde encontra-se o tutano, ou medula amarela, e se trata de uma região rica em gordura. O autor comenta que:

14 14 Problemas na medula óssea podem causar leucemia, que é o câncer nos glóbulos brancos, caracterizado por um aumento considerável de leucócitos anormais no organismo. Nestes casos, recomenda-se o transplante de medula, em que o doador deve ter a maior compatibilidade possível com o receptor, para evitar que o paciente sofra rejeição. A maior chance de compatibilidade acontece com a consanguinidade, isto é, quanto mais próximo o parentesco, maior a compatibilidade. Na medula óssea, além das hemácias são produzidas células importantes relacionadas à imunidade do organismo, como os linfócitos T, que são glóbulos brancos do sangue. O timo é um órgão do sistema imunológico onde amadurecem os linfócitos T, produzidos na medula óssea, para depois serem liberados para o sangue (KLICKEDUCACAO, 2014, p.01). Segundo Moldoff, (2014, p. 10), grande parte das plaquetas, hemácias e a maioria dos leucócitos são formadas na medula vermelha, sendo que, somente algumas poucas destas são formadas na medula amarela. As pessoas necessitam de um ciclo de produção contínuo de células sanguíneas a partir da medula óssea durante a vida, pois cada célula sanguínea tem uma expectativa de vida estabelecida. A medula óssea, quando saudável produz o número de células que nosso corpo necessita. A produção de hemácias é aumentada quando o corpo tem a necessidade de oxigênio adicional, os leucócitos aumentam quando existe infecção e as plaquetas aumentam quando ocorre hemorragia. O autor afirma ainda que o Sistema Circulatório é de extrema importância, pois: Está em contato com cada órgão e sistema no nosso corpo. As células vermelhas circulam na corrente sanguínea para transportar oxigênio. Cada célula precisa ter acesso ao sistema circulatório para exercer sua função, já que o oxigênio é essencial para o funcionamento celular apropriado. A hemoglobina (Hb) que se trata de uma proteína encontrada dentro das hemácias. É ela quem torna as hemácias vermelhas. A hemoglobina tem a função de captar o oxigênio nos pulmões, carregá-lo nas hemácias e então liberá-lo nos tecidos que necessitam deste, tais como o cérebro, coração e músculos. A hemoglobina é responsável também pela remoção do CO2 ou dióxido de carbono e encaminha este resíduo novamente para os pulmões, onde é exalado. Moldoff, (2014, p. 10) comenta que: Esta retroalimentação ( feedback ) no organismo garante que o número de hemácias permaneça razoavelmente constante e que oxigênio suficiente esteja sempre disponível para cumprir as necessidades do organismo. À medida que as hemácias envelhecem, estas se tornam menos ativas e mais frágeis. Hemácias envelhecidas são removidas ou engolidas por leucócitos

15 15 (macrófagos), em um processo conhecido como fagocitose e o conteúdo destas células é liberado no sangue. O ferro proveniente da hemoglobina das células destruídas é carregado pela corrente sanguínea para a medula óssea para a produção de novos eritrócitos ou para o fígado ou outros tecidos para armazenagem. Normalmente, pouco menos que 1% das hemácias totais do sangue é substituído a cada dia. O número de hemácias produzidas diariamente, na pessoa saudável, é de cerca de 200 bilhões de células. A medula óssea é responsável pela produção de muitos tipos de leucócitos, dos quais são necessários para um sistema imunológico saudável. Estas células são importantes tanto para prevenir, quanto para combatem infecções. Moldoff (2014, p. 12) cita em sua obra que: Existem cinco tipos principais de células brancas ou leucócitos: Linfócitos são produzidos na medula óssea. Estes produzem os anticorpos naturais para combater infecções causadas por vírus que entram no corpo através do nariz, boca ou cortes. Fazem isso reconhecendo substâncias estranhas que entram no corpo e enviando um sinal a outras células para atacar aquelas substâncias. O número de linfócitos aumenta em resposta a estas invasões. Existem dois tipos principais: linfócitos B e T. Monócitos são também produzidos na medula óssea. Monócitos maduros possuem uma expectativa de vida no sangue de somente 3 8 horas, mas quando estes se movem para os tecidos, eles maturam para células maiores denominadas macrófagos. Macrófagos podem sobreviver nos tecidos por períodos longos de tempo, onde englobam e destroem bactérias, alguns fungos, células mortas e outros materiais estranhos ao organismo (MOLDOFF, 2014, p. 12). Granulócito, conforme relato de Moldoff (2014, p. 16): é a família ou nome coletivo dado a três tipos de leucócitos: eosinófilos, neutrófilos e basófilos. A produção, ou melhor dizendo, o desenvolvimento de um granulócito pode levar até duas semanas, mas quando existe um risco aumentado, ou seja, uma infecção bacteriana, este tempo é encurtado. O autor afirma que: A medula óssea armazena uma grande reserva de granulócitos maduros. Para cada granulócito circulando no sangue, podem existir de 50 a 100 células aguardando na medula para serem liberadas na corrente sanguínea. Como resultado, metade dos granulócitos na corrente sanguínea pode estar disponível para lutar ativamente contra uma infecção dentro de 7 horas do seu reconhecimento! Após um granulócito ter deixado o sangue, não retorna. Este pode sobreviver nos tecidos por até 4 ou 5 dias, dependendo das condições em que este encontra, mas somente sobrevive por algumas poucas horas na circulação. Neutrófilos são os granulócitos mais comuns. Estes podem atacar e destruir bactérias e vírus. Eosinófilos estão envolvidos na luta contra muitos tipos de infecções parasitárias e contra a larva de vermes e outros organismos parasitas. Estão também envolvidos em algumas reações alérgicas. Basófilos são os leucócitos menos comuns e respondem a vários alérgenos que causam a liberação de histaminas e outras substâncias. Estas substâncias causam irritação e inflamação nos

16 16 tecidos afetados. Seu corpo reconhece a irritação/inflamação e alarga (dilata) os vasos sanguíneos, permitindo que fluido deixe o sistema circulatório e entre no tecido em um esforço para diluir o irritante. Esta reação é observada na febre do feno, algumas formas de asma, urticária e na sua forma mais grave, o choque anafilático (MOLDOFF, 2014, p. 16). A produção de plaquetas se dá na medula óssea por um processo conhecido como trombopoese. As plaquetas são de extrema importância para a coagulação sanguínea e para a formação de coágulos para interromper hemorragias. Conforme Moldoff (2014, p. 06) a perda muito grande de sangue aciona a atividade plaquetária no local de uma lesão ou ferida. As plaquetas se juntam e se combinam com outras substâncias para a formação da fibrina. A fibrina tem uma estrutura semelhante a uma fibra e forma um coágulo. A deficiência de plaquetas faz com que a pessoa tenha hemorragias com mais facilidade. O sangue pode não ter uma boa coagulação em uma ferida aberta e pode existir um maior risco de hemorragia interna se a contagem de plaquetas estiver muito baixa. Outra definição, de acordo com Martinez (2006, p. 01) é que: As plaquetas ou trombócitos, são fragmentos celulares que se formam na medula óssea vermelha, a partir da fragmentação do citoplasma de glóbulos brancos gigantes, denominados megacariócitos. As plaquetas são minúsculas e possuem forma elipsoide e vários grânulos internos. São encontradas em cada gota de sangue cerca de a plaquetas. São elas que protegem o organismo contra uma perda excessiva de sangue. Quando nos ferimos, as plaquetas se fixam nas áreas onde os vasos foram cortados e então liberam a serotonina contida em seus grânulos citoplasmáticos. O que ocorre é que os vasos sanguíneos são retraídos (vasoconstrição), por causa da serotonina, e assim diminui a perda de sangue. Logo em seguida, as plaquetas se juntam e grudam no local lesado, formando uma espécie de tampão que impede a saída do sangue. Ao mesmo tempo, liberam substâncias como ativadores de protrombina, que é uma proteína existente no plasma sanguíneo. A protrombina quando é ativada se transforma em trombina, que reage com o fribrinogênio, outra proteína existente no plasma. Se as plaquetas da pessoa não estiver funcionando de forma correta, esta poderá ter problemas de coagulação.

17 17 3. DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA Neste capítulo serão discutidos sobre a doação de medula óssea. Discutidos também sobre como proceder para se tornar um doador. Os riscos para o doador e receptor e os tipos de doação CONCEITO DE DOAÇÃO Para início, nada melhor que conceituar o que se trata por doação, portanto: A doação é a entrega voluntária de algo que se possui. A doação é uma ação que consiste numa liberdade voluntária entre pessoas vivas, sendo imprescindível que exista a participação de duas partes, uma que será a que realiza a disposição gratuita de um ou vários dos bens que são de sua propriedade ou na sua falta por qualquer título que se encontre autorizado para estabelecer, o doador; e por outro lado, chamado donatário, que terá a capacidade de aceitar a mesma ou recusá-la, sem necessidade de entregar nenhum tipo de compensação, a não ser que se esclareça que a doação seja cobrada. Em algumas jurisdições, a ação acima é regida por um contrato (QUECONCEITO, 2014, p. 01). No Dicionário Informal (2014, p. 01) doar significa: Entregar-se para o outro. Ser caridoso, e prestativo aos serviços do próximo DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA A doação de medula óssea se trata de um ato de solidariedade e pode ajudar pessoas que têm o transplante como única chance de cura. O transplante de medula óssea é um tratamento indicado para pacientes com doenças de sangue, como leucemia, linfomas e alguns tipos de anemia. Infelizmente é muito difícil encontrar um doador compatível com o receptor. A chance é, em média, de uma em cem mil. Por isso, são feitas campanhas para que as pessoas dispostas a doar se cadastrem nos hemocentros. Quanto mais doadores houver, mais chances os pacientes em tratamento têm de conseguirem a cura (MASSAO, 2012, p. 01). Moraes (2012, p. 04) relata que O Brasil está entre os países com maior número de pessoas cadastradas como doadores de medula óssea. O Autor afirma que:

18 18 O Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome) fechou 2012 com mais de 3 milhões de doadores cadastrados e é o terceiro maior do mundo. O fortalecimento desse registro mais a bem-sucedida expansão da Rede Brasileira de Bancos Públicos de Sangue de Cordão Umbilical (Rede BrasilCord), que está em curso, e a assinatura, em setembro de 2012, de novo contrato de parceria entre o Ministério da Saúde, o INCA e a Fundação do Câncer para o Programa de Busca, Coleta e Transporte de Células-Tronco para Transplante Não Aparentado de Medula Óssea no Brasil evidenciam o bom trabalho que vem sendo desenvolvido pelas partes envolvidas. Isto é muito importante, pois essa eficiência é refletida no aumento do número de transplantes de medula com doadores que não são parentes realizados no Brasil identificados pelo Redome. No ano de 2012, foram realizados % a mais que em Atualmente, apenas cerca de 20% dos transplantes são feitos com doadores encontrados em registros internacionais. Com isso há economia de divisas. Outro aspecto relevante é que o bom funcionamento desse serviço também impulsiona a remessa de material de doadores cadastrados no Redome para pacientes de outros países (, 2012, p. 04). A doação de Medula Óssea é um procedimento que tem de ser feito nocentro cirúrgico, geralmente é realizado com anestesia geral, ou dos membros inferiores com sedação, com duração de aproximadamente 90 minutos e necessidade de 24 horas de internação. Segundo o Hemobanco (2013, p. 02): São feitas punções na região pélvica posterior (ossos do quadril/bacia) para a retirada da medula óssea. Outro modo de se obter as células para um transplante de medula óssea é através do procedimento de Aférese, a separação das células se dá por um sistema automatizado onde uma máquina separa as células que serão transplantadas. Neste caso, antes da coleta por aférese, o doador receberá uma medicação injetável a qual fará aumentar a quantidade de células a serem transplantadas na circulação sanguínea (chama-se mobilização) permitindo a coleta através da circulação periférica uma quantidade suficiente para a realização do TMO (Transplante de Medula Óssea). A escolha da forma a ser coletada ficará sobre responsabilidade da equipe médica, levando em condições a proteção do doador e a qualidade das células a serem transplantadas para o receptor (HEMOBANCO, 2013, p. 02). O Inca (2014, p. 01) afirma que para o doador, a doação será apenas um incômodo passageiro. Para o doente, será a diferença entre a vida e a morte. A doação de medula óssea é um gesto de solidariedade e de amor ao próximo e é muito importante que sejam mantidos atualizados os dados cadastrais para facilitar e agilizar a chamada do doador no momento exato.

19 PROCEDIMENTO PARA DOAÇÃO O Ministério da Saúde (2014, p. 01) relata que ara se tornar um doador de medula óssea é preciso: Ter entre 18 e 55 anos de idade; estar em bom estado geral de saúde; não ter doença infecciosa transmissível pelo sangue. O processo de doação é muito simples. De acordo com o Graacc (2014, p. 01) será extraída da veia do doador uma pequena quantidade de sangue, que é de 10 ml e preenchida uma ficha com todas informações pessoais. É feita a tipagem do sangue por exame de histocompatibilidade (HLA), que é um teste de laboratório para identificar as características genéticas que de grande influencia no transplante. O tipo de HLA será incluído no cadastro. Quando aparecer um paciente, a compatibilidade será verificada. Se o doador for compatível com o paciente, outros exames de sangue serão necessários. Se a compatibilidade for confirmada, o doador será consultado para decidir quanto à doação. O atual estado de saúde do doador será então avaliado TIPOS DE DOAÇÃO p. 01): Existem duas formas de doar a medula óssea. De acordo com a Ameo (2014, Punções na bacia: realizada com agulha especial e seringa na região da bacia, retira-se uma quantidade de medula óssea equivalente a uma bolsa de sangue. Para que o doador não sinta dor, é necessário tomar anestesia. O procedimento dura em média 90 minutos. A sensação de dor moderada permanece em média por uma semana e é semelhante a dor da injeção de Benzetacil. Não fica cicatriz, apenas a marca de 3 a 5 furos de agulhas. É importante destacar que o procedimento não envolve cirurgia, não há corte, nem pontos. O doador fica em observação por um dia e pode retornar para sua casa no dia seguinte. Conforme relata a Ameo (2014, p.01), a segunda forma de doar é a seguinte: Aférese: antes de realizar este procedimento, o doador precisa tomar um medicamento por 5 dias, que estimulará a multiplicação das células-mãe. As

20 20 células mãe do sangue migram da medula para as veias e são filtradas. O processo de filtração dura em média 4 horas, até que se obtenha o número adequado de células. O medicamento aplicado antes da doação pode causar dores no corpo e fadiga. Quem irá informar a melhor forma de coleta de células é o médico e isso dependerá da doença e da fase em que se encontra, assim o benefício para o paciente será maior. Só quando o paciente estiver pronto para recebê-lo que o transplante será realizado, essa resolução também cabe ao médico que está acompanhando o caso (AMEO, 2014, p.01). A autora ainda comenta que: Para que o doador não sinta dor, é realizada anestesia e o procedimento dura em média 60 minutos. A sensação do doador é de média intensidade e permanece em média por uma semana (2 a 14 dias), semelhante a uma queda ou uma injeção oleosa. Não fica cicatriz, apenas a marca de 3 a 5 furos de agulhas. É importante destacar que não é uma cirurgia, ou seja, não há corte, nem pontos. O doador fica em observação por um dia e pode retornar para sua casa no dia seguinte Para que o doador não sinta dor, é realizada anestesia e o procedimento dura em média 60 minutos (AMEO, 2014, p.01). O doador por se encontrar em bom estado de saúde e possuir uma medula saudável, em semanas terá reconstituído o que doou, voltando às atividades normais. Em casos raros e especiais, se necessário, o doador pode ser compatível e doar novamente a medula para outra pessoa OS RISCOS PARA DOADOR E RECEPTOR Segundo o Hemobanco (2013, p. 02), a boa evolução durante o transplante depende de vários fatores: o estágio da doença (diagnóstico precoce), o estado geral do paciente, boas condições nutricionais e clínicas, além, é claro, do doador ideal. O autor relata que: Os principais riscos se relacionam às infecções e às drogas quimioterápicas utilizadas durante o tratamento. Com a recuperação da medula, as novas células crescem com uma nova 'memória' e, por serem células da defesa do organismo, podem reconhecer alguns órgãos do indivíduo como estranhos. Esta complicação, chamada de doença enxerto contra hospedeiro, é relativamente comum, de intensidade variável e pode ser controlada com medicamentos adequados. No transplante de medula, a rejeição é rara.

21 21 Após o transplante, complicações são frequentes e esperadas. Um acompanhamento cuidadoso permite que muitas destas alterações sejam detectadas rapidamente e tratadas de forma adequada (AMEO, 2014, p. 01). De acordo com o Inca (2014, p. 01), para o doador, os riscos são praticamente inexistentes. Até hoje não há relato de nenhum acidente grave devido a este procedimento. Os doadores costumam relatar um pouco de dor no local da punção.

22 22 4. TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA Neste capítulo será abordado sobre o conceito de transplante e transplante de medula óssea CONCEITO DE TRANSPLANTE O Hospital Albert Einsten (2014, p. 01), define transplante como: Um tratamento que consiste na substituição de um órgão ou de um tecido doente de uma pessoa (chamada de receptor) por outro sadio, de um doador vivo ou falecido. O transplante pode melhorar e prolongar a qualidade de vida do paciente. O transplantado, aquele que recebe o órgão ou o tecido terá a necessidade de cuidados médicos de forma constante e fará uso de medicamentos pelo resto da vida. Esse tratamento poderá oferecer a cura da doença ou transformar um problema de saúde incontrolável em outro sobre o qual se tem controle. Muitas pessoas com alguma doença cujo único tratamento é o transplante podem ser beneficiadas, sejam elas adultos, jovens ou até crianças. Em geral, são aquelas que apresentam uma doença irreversível, crônica ou aguda, mais comumente no rim, fígado, pâncreas, pulmão ou coração, além de tecidos como a córnea e a medula óssea TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA De acordo com Vergueiro et al (2014, p. 01), Muita gente confunde transplante de medula óssea com transplante da medula espinhal. Infelizmente, não se domina ainda a tecnologia necessária para transplantar um fragmento que seja da medula espinhal, isto é, da porção do sistema nervoso central que passa por dentro do canal localizado na coluna vertebral. A autora comenta que, Quando se fala de transplante de medula óssea, refere-se a um procedimento clínico que possibilita retirar parte da medula alojada na cavidade interna de vários ossos, aquela parte que no esqueleto dos bovinos, por exemplo, chamamos de tutano.

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

. Hematos = sangue + poese = formação.

. Hematos = sangue + poese = formação. Marco Biaggi - 2015 . Hematos = sangue + poese = formação. transporte de nutrientes, gases respiratórios, hormônios e excretas Sangue participa da defesa do organismos, juntamente com a linfa e o sistema

Leia mais

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto

Tecido sanguíneo. Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Tecido sanguíneo Prof. Msc. Roberpaulo Anacleto Transporte Regulação Proteção Funções do Sangue Sangue É um tecido conjuntivo especializado pois apresenta sua matriz extracelular totalmente fluida. O sangue

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

substância intercelular sólida, dura e resistente.

substância intercelular sólida, dura e resistente. Tecido ósseo É um dos tecidos que formam o esqueleto de nosso corpo, tendo como função principal a sustentação. Além disso: serve de suporte para partes moles; protege órgão vitais; aloja e protege a medula

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea.

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. Autora: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado LELO COIMBRA I RELATÓRIO O Projeto

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ano CXXXVIII Nº 232-E Brasília - DF, 4/12/00 ISSN 1415-1537 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.315, DE

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de Nesta sexta-feira (12) o Rádio Clube se dedica à solidariedade. Será feita uma campanha de captação de doadores de medula óssea no clube. A intenção da ação é sensibilizar as pessoas para aumentar o número

Leia mais

Professora: Ms Flávia

Professora: Ms Flávia Professora: Ms Flávia Sua principal função é: Transporte de nutrientes necessários à alimentação das células; Transporte de gás oxigênio necessário à respiração celular; Remoção de gás carbônico produzido

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário O desconhecimento sobre a doação de medula óssea é enorme. Quando as pessoas são informadas de como é fácil ser doador voluntário

Leia mais

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES

Componente Curricular: Patologia e Profilaxia Módulo I Profª Mônica I. Wingert Turma 101E TUMORES TUMORES Tumores, também chamados de neoplasmas, ou neoplasias, são alterações celulares que provocam o aumento anormal dos tecidos corporais envolvidos. BENIGNO: são considerados benignos quando são bem

Leia mais

células Vários tipos de

células Vários tipos de Células tronco Bioquímicas Maria Alice Vieira Willrich Adriana Helena Sedrez Patricia Bernardi Curso de Gestantes Unimed Brusque, 03 de setembro de 2007. O que são células tronco? Tipos de Células-Tronco

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO

20/10/2014. TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO TECIDO CONJUNTIVO ou CONECTIVO Poucas células, encontram-se separadas; Presença de grande quantidade de substância intercelular; Substância intercelular ou matriz extracelular Substância fundamental amorfa:

Leia mais

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções

O SANGUE. Constituintes do Sangue e suas funções O SANGUE Constituintes do Sangue e suas funções AS HEMÁCIAS OU GLÓBULOS VERMELHOS Células sanguíneas sem núcleo que contém hemoglobina, que é a substância responsável pela cor vermelha. São as células

Leia mais

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea.

28.03. As plaquetas são os elementos figurados do sangue responsáveis pela coagulação sanguínea. BIO 10E aula 28 28.01. Para fazer a defesa do organismo, alguns leucócitos podem atravessar a parede dos vasos sanguíneos e atuar no tecido conjuntivo. Este processo é denominado diapedese. 28.02. A coagulação

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE CIÊNCIAS Nome: Nº 8º Ano Data: / / 2015 Professor(a): Nota: (Valor 1,0/2,0) 3º e 4º Bimestres A - Introdução Neste semestre, fizemos um estudo sobre fisiologia do corpo humano,

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007

Biologia - 3ª Série Histologia Data: 13 de junho de 2007 HISTOLOGIA Conceito: Ciência que estuda os tecidos. Tecido: Conjunto de células semelhantes que juntas anatomicamante, desempenham a mesma função. TECIDO EPITELIAL Características: células muito coesas

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE

AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE AULA PRÁTICA 11: SANGUE E HEMATOPOIESE O sangue é um tecido conectivo especializado constituído por diferentes tipos celulares em suspensão em um meio líquido denominado de plasma. Funciona primordialmente

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto)

Visão Geral. Tecido conjuntivo líquido. Circula pelo sistema cardiovascular. Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Tecido Sanguíneo Visão Geral Tecido conjuntivo líquido Circula pelo sistema cardiovascular Produzido na medula óssea, volume total de 5,5 a 6 litros (homem adulto) Defesa imunológica (Leucócitos) Trocas

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO

SISTEMA CIRCULATÓRIO SISTEMA CIRCULATÓRIO FUNÇÕES DO SISTEMA CIRCULATÓRIO: Transporte de substâncias : * Nutrientes para as células. * Resíduos vindos das células. *Gases respiratórios. * Hormônios. OBS: O sangue também pode

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

O UNIVERSITÁRI FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU

O UNIVERSITÁRI FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU FACULDADE ATENAS ESTÁ INTEGRADA COM A COMUNIDADE DE PARACATU COM A REALIZAÇÃO DE DIVERSAS ATIVIDADES DE RESPONSABILIDADE SOCIAL, A INSTITUIÇÃO PROPORCIONA FORMAÇÃO HUMANIZADA AOS ALUNOS E TRAZ BENEFÍCIOS

Leia mais

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

Síndrome Mielodisplásica

Síndrome Mielodisplásica Síndrome Mielodisplásica As sídromes mielodisplásicas, apresentam características heteregêneas não ser progressivas, e ter poucas conseqüências na saúde ou expectativa de vida de uma pessoa. Podem progredir

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS

05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS Grupo: Sub-Grupo: 05-TRANSPLANTES DE ORGAOS, TECIDOS E CELULAS 01-EXAMES LABORATORIAIS PARA IDENTIFICACAO DE DOADOR E RECEPTOR DE CELULAS-TRONCO HEMATOPOETICAS

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO 9º ano

TECIDO CONJUNTIVO 9º ano TECIDO CONJUNTIVO 9º ano O tecido conjuntivo apresenta células separadas por matriz intercelular. É quase sempre vascularizado. (exceção tecido cartilaginoso) TIPOS DE TECIDO CONJUNTIVO TCP D TCP D Frouxo

Leia mais

?respondaessa Mas, se o DNA, que contém a informação genética, é

?respondaessa Mas, se o DNA, que contém a informação genética, é 10 1 O SANGUE Estamos iniciando a incrível viagem pelo corpo humano. Nas páginas deste material, veremos aspectos relacionados às doenças sangüíneas ou transmitidas pelo sangue, suas formas de tratamento

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS. Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES CRÍTICOS Profª Enfª Danielle Cristhine Fabian SISTEMA HEMATOLÓGICO ATUAÇÃO DE ENFERMAGEM NO PROCESSO DE DOAÇÃO E TRANSFUSÃO SANGUÍNEA SEMINÁRIO ALUNOS DO 4º SEMESTRE

Leia mais

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS

CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS CÓDIGO DOS PROCEDIMENTOS Coração 0505020041 TRANSPLANTE DE CORACAO Fígado 0505020050 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR FALECIDO) 0505020068 TRANSPLANTE DE FIGADO (ORGAO DE DOADOR VIVO) Pâncreas 0505020076

Leia mais

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO

CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO CONHECIMENTO DE ENFERMEIROS NA UTILIZAÇÃO DE SANGUE DE CORDÃO UMBILICAL E PLACENTÁRIO PARA TRANSPLANTE DE CÉLULAS TRONCO FRITZ, E. R.¹; GARCIA, M. C. ² ; FILIPINI, S. M. 3 1,2,3, Universidade do Vale do

Leia mais

Sistema circulatório

Sistema circulatório Sistema circulatório O que é: também conhecido como sistema cardiovascular é formado pelo coração e vasos sanguíneos. Tal sistema é responsável pelo transporte de nutrientes, gases, hormônios, excreções

Leia mais

Curso Básico de Hematologia para Iniciantes.

Curso Básico de Hematologia para Iniciantes. Curso Básico de Hematologia para Iniciantes. Por Esp. Joice Raposo Ferreira. Curso gratuito para interessados no assunto. Aqui serão abordados tópicos gerais, com o objetivo de iniciar o estudante na hematologia,

Leia mais

Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000

Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000 Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E

SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E SISTEMA CIRCULATÓRIO P R O F E S S O R A N A I A N E Sistema circulatório O coração e os vasos sanguíneos e o sangue formam o sistema cardiovascular ou circulatório. A circulação do sangue permite o transporte

Leia mais

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano

Sistema Circulatório. Sistema Circulatório. Ciências Naturais 9º ano Sistema Circulatório Índice Sangue Coração Ciclo cardíaco Vasos sanguíneos Pequena e grande circulação Sistema linfático Sangue Promove a reparação de tecidos lesionados. Colabora na resposta imunológica

Leia mais

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES

COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES COMISSÃO INTRAHOSPITALAR DE DOAÇÃO DE ÓRGÃOS E TECIDOS PARA TRANSPLANTES A Comissão Intra Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes-CIHDOTT tem por objetivo a organizar todo o processo

Leia mais

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes

HEMOTERAPIA. Segurança do Sangue. Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Segurança do Sangue Escolha da população de doadores Triagem clínica Triagem sorológica Uso adequado dos componentes Escolha dos Doadores Voluntários Baixa prevalência de doenças Doadores de repetição

Leia mais

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade

COLÉGIO JARDINS. Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade COLÉGIO JARDINS Aluno: Data: / / SÉRIE: 1º A( ) B( ) Profº Marcos Andrade TECIDO CONJUNTIVO I São aqueles que atuam nas funções de preenchimento de espaços entre órgãos, sustentação, defesa e nutrição.

Leia mais

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR:

FISIOLOGIA DO SANGUE HEMATÓCRITO 08/10/2008 ERITRÓCITOS OU HEMÁCIAS HEMATÓCRITO PLASMA: CELULAR: FISIOLOGIA DO SANGUE Sistema Circulatório PLASMA: semelhante ao líquido intersticial PROTEÍNAS PLASMÁTICAS Albumina pressão coloidosmótica Globulinas transporte e substrato imunidade, anticorpos Fibrinogênio

Leia mais

III. 2 - Tecido Conjuntivo de Propriedades Especiais:

III. 2 - Tecido Conjuntivo de Propriedades Especiais: Capítulo 2: Parte 2 1 1 - Tecido hematopoético: III. 2 - Tecido Conjuntivo de Propriedades Especiais: O tecido formador do sangue aparece durante a 3 a semana de desenvolvimento embrionário no espancnopleura

Leia mais

Hemoam - Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas Eu Decidi Ser Um Herói 1. Andrey Felipe Souza, MATOS 2

Hemoam - Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas Eu Decidi Ser Um Herói 1. Andrey Felipe Souza, MATOS 2 Hemoam - Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas Eu Decidi Ser Um Herói 1 RESUMO Andrey Felipe Souza, MATOS 2 Daniel Lacerda, SOARES 3 Gibson Yuri de, OLIVEIRA 4 Hilton dos Santos Gonçalves,

Leia mais

Leucemias. Claudia witzel

Leucemias. Claudia witzel Leucemias Claudia witzel Introduçao MEDULA ÓSSEA fabrica CÉLULAS (células mães imaturas). célula sanguínea pode tornar-se uma célula mielóide ou uma célula linfóide. que se desenvolvem em células sanguíneas

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

PERFIL DOS ACADÊMICOS DOADORES E ÃO DOADORES DO CURSO DE CIÊ CIAS BIOLÓGICAS U EMAT CAMPUS U IVERSITÁRIO DE TA GARÁ DA SERRA MATO GROSSO.

PERFIL DOS ACADÊMICOS DOADORES E ÃO DOADORES DO CURSO DE CIÊ CIAS BIOLÓGICAS U EMAT CAMPUS U IVERSITÁRIO DE TA GARÁ DA SERRA MATO GROSSO. PERFIL DOS ACADÊMICOS DOADORES E ÃO DOADORES DO CURSO DE CIÊ CIAS BIOLÓGICAS U EMAT CAMPUS U IVERSITÁRIO DE TA GARÁ DA SERRA MATO GROSSO. NASCIMENTO, Cristiano Neves do 1 NASCIMENTO, Franciele do SILVA,

Leia mais

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto

04/06/2015. Imunologia dos Transplantes. Bases imunológicas da rejeição do enxerto Imunologia dos Transplantes Dayse Locateli Transplante: ato de transferir células, tecidos ou órgãos de um lugar para outro. Indivíduo doador Receptor Dificuldades: Técnicas Cirúrgicas Quantidade de doadores

Leia mais

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto

Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia. Leucograma. Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Departamento de Anatomia Patológica e Medicina Legal Disciplina : Imunologia Leucograma Prof.Dr. Manoel Barral-Netto Os Neutrófilos são os granulócitos mais comuns no sangue. (55-70% de todos os Leucócitos

Leia mais

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes

Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Rejeição de Transplantes Doenças Auto-Imunes Mecanismos da rejeição de transplantes Envolve várias reações de hipersensibilidade, tanto humoral quanto celular Habilidade cirúrgica dominada para vários

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO FINAL DO ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES Elisandro Luis Lima Saldanha Orientadora: Profª Themis Dovera Porto Alegre

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Histologia e Genética

Histologia e Genética Histologia e Genética Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo Sistema ABO Sistema RH Sistema MN Sangue Tecido Conjuntivo Sanguíneo O sangue é o sistema de transporte interno de todos os vertebrados e de vários

Leia mais

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea

VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea VIII Simposio Hemominas de Transfusão Sanguinea Transfusão de Hemocomponentes Especiais Belo Horizonte Abril 2015 Ricardo Olivo Hemocentro Regional de Uberaba Hemocomponentes Especiais São hemocomponentes

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. Nelson Bornier) Dispõe sobre doação de sangue e células do corpo humano vivo para fins de transplante de medula óssea e de outros precursores hematopoéticos, e estabelece

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

BRIEFING BAHIA RECALL REVELAÇÃO. Apoio Social: HEMOBA - Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia

BRIEFING BAHIA RECALL REVELAÇÃO. Apoio Social: HEMOBA - Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia BRIEFING BAHIA RECALL REVELAÇÃO Clientes: Rede Bahia e Instituto ACM Apoio Social: HEMOBA - Fundação de Hematologia e Hemoterapia da Bahia Tema: Doação de Sangue Objetivo de Comunicação: Estimular a doação

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997

LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 LEI Nº 9.434, DE 04 DE FEVEREIRO DE 1997 Dispõe sobre a remoção de órgãos, tecidos e partes do corpo humano para fins de transplante e tratamento e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS

Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS 23 Leucemias e Linfomas LEUCEMIAS A leucemia representa um grupo de neoplasias malignas derivadas das células hematopoiéticas. Esta doença inicia sempre na medula-óssea, local onde as células sangüíneas

Leia mais

3 TERAPIA CELULAR: SONHOS E REALIDADE

3 TERAPIA CELULAR: SONHOS E REALIDADE 38 3 TERAPIA CELULAR: SONHOS E REALIDADE A utilização terapêutica de células-tronco é uma das formas mais promissoras de tratamento de muitas doenças. No entanto, valer-se de tais procedimentos ainda desperta

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação Aula 5.2 Conteúdo: Sangue

Unidade I Energia: Conservação e transformação Aula 5.2 Conteúdo: Sangue A A Unidade I Energia: Conservação e transformação Aula 5.2 Conteúdo: Sangue 2 A A Habilidade: Identificar os componentes do sangue e a função de cada um deles; Conhecer os sistemas ABO e RH. 3 A A O sangue

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. JM

Sistema Circulatório. Prof. JM Sistema Circulatório Prof. JM Sistema Circulatório Integrar os sistemas. Transportar nutrientes, gases, excretas, hormônios, calor e anticorpos pelo corpo. Coagulação Sangue (tecido) Uma pessoa de cerca

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br

Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br Rua Sérgio Tomás, 608 Bom Retiro - São Paulo - SP CEP: 01131-010 Tel.: (11) 3361-9900 abrale@abrale.org.br www.abrale.org.br 2 Leucemia de Células Pilosas (Tricoleucemia) 3 Introdução Este manual fornece

Leia mais

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo

Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta Neutrófilos Linfócitos Monócitos Eosinófilos Basófilos Achados de esfregaço sanguíneo Contagem total de leucócitos Contagem diferencial e absoluta

Leia mais

TECIDO CONJUNTIVO 28/07/2015. Origem mesodérmica; Grande quantidade de substância intercelular: Profº Fernando Teixeira @biovestiba. Vascularizado.

TECIDO CONJUNTIVO 28/07/2015. Origem mesodérmica; Grande quantidade de substância intercelular: Profº Fernando Teixeira @biovestiba. Vascularizado. TECIDO CONJUNTIVO Origem mesodérmica; Profº Fernando Teixeira @biovestiba Grande quantidade de substância intercelular: o Substância fundamental; o Proteínas colágenas ou elásticas; Vascularizado. Preenchimento;

Leia mais

REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS

REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS REELABORAÇÃO DA AVALIAÇÃO BIMESTRAL DE CIÊNCIAS 2 O BIMESTRE O bocejo geralmente ocorre quando estamos respirando suavemente, sob a ação de poucos estímulos. É o que ocorre quando estamos nos preparando

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1)

Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1) Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1) Investigadores portugueses e americanos, no âmbito do programa MIT-Portugal, estão usar clinicamente células estaminais para neutralizar

Leia mais

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais.

Histologia Animal. - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. Histologia Animal - Estuda a classificação, estrutura, distribuição e função dos tecidos animais. - Tecidos: Grupamento de células harmonizadas e diferenciadas que realizam uma determinada função. - Principais

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

Assistência. Assistência no INCA

Assistência. Assistência no INCA Assistência A qualidade do tratamento oferecido aos pacientes pelo Sistema Único de Saúde é de alta prioridade entre as ações desenvolvidas para o controle do câncer no Brasil. Por tratar-se de uma doença

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal

DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal aminidicionário DO PACIENTE RENAL Terapia de substituição renal Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...

ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo... 2 O Estado de S.Paulo... 2 Vida&...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia... ÍNDICE - 12/06/2005 O Estado de S.Paulo...2 O Estado de S.Paulo...2 Vida&...2 Rede de bancos poderá facilitar transplantes...2 Revista IstoÉ...4 MEDICINA & BEM-ESTAR/Epidemia...4 Nem tão exemplar...4 O

Leia mais

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com

LEUCEMIAS. Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com LEUCEMIAS Profª Ms. Priscila Ferreira Silva prifs@hotmail.com HEMATOPOESE LEUCEMIAS Alteração genética monoclonal Classificadas em: Agudas Crônicas Mielóides Linfóides LEUCEMIAS Leucemias agudas: Leucemia

Leia mais

Campanha Solidária. Letícia com Vida

Campanha Solidária. Letícia com Vida Campanha Solidária Letícia com Vida Meu nome é Raimundo Cleudecí de Paula Chaves, tenho 33 anos. Minha esposa é Samara Chaves Lima, de 34 anos. Somos cearenses, nascidos em São João do Jaguaribe, interior

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

Leucemia Mielóide Crônica

Leucemia Mielóide Crônica O que você deve saber sobre Leucemia ABRALE. 100% de esforço, onde houver 1% de chance. Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico

Leia mais

RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO

RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO RESUMO TECIDOS ÓSSEO, HEMATOPOÉTICO E SANGUÍNEO, SANGUÍNEO E IMUNIDADE, MUSCULAR E NERVOSO TECIDO ÓSSEO - Características: apresenta matriz calcificada e atua como o principal depósito de cálcio e fósforo

Leia mais

Tecido conjuntivo 1º ano Pró Madá Componentes da matriz extracelular A matriz é uma massa amorfa, de aspecto gelatinoso e transparente. É constituída principalmente por água e glicoproteínas e uma parte

Leia mais