Universidade do Vale do Paraíba Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Programa de Pós-graduação em Ciências Biológicas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade do Vale do Paraíba Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Programa de Pós-graduação em Ciências Biológicas"

Transcrição

1 Universidade do Vale do Paraíba Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento Programa de Pós-graduação em Ciências Biológicas Regiane Daniele Silva e Carvalho Obtenção de DNA genômico de Girardia tigrina e estabelecimento de progênie para extração de RNA total a partir de blastemas regenerantes submetidos à hipergravidade. São José dos Campos-SP 2014

2 Regiane Daniele Silva e Carvalho Obtenção de DNA genômico de Girardia tigrina e estabelecimento de progênie para extração de RNA total a partir de blastemas regenerantes submetidos à hipergravidade. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, como complementação dos créditos necessários para obtenção do título de Mestre em Ciências Biológicas. Orientadora: Profª Dra. Nádia M.R. Campos Velho. Profª Dra. Flávia Villaça Morais. São José dos Campos-SP 2014

3

4 Regiane Daniele Silva e Carvalho Obtenção de DNA genômico de Girardia tigrina e estabelecimento de progênie para extração de RNA total a partir de blastemas regenerantes submetidos à hipergravidade. Dissertação de Mestrado aprovada como requisito parcial à obtenção do grau de Mestre em Ciências Biológicas, do Instituto de Pesquisa e Desenvolvimento da Universidade do Vale do Paraíba, São José dos Campos, pela seguinte banca examinadora: Presidente: Profª Dra. Cristina Pacheco Soares (UNIVAP) Orientador( a) : Profª Dra Nádia MR de Campos Velho (UNIVAP) Profª Dra. Flavia Villaça Morais (UNIVAP) Membro externo: Profª Dra Cláudia Campos (UNIFESP). São José dos Campos-SP 27 de fevereiro de 2014.

5 Dedicatória Primeiramente dedico meu trabalho aos meus pais, Janir Pereira da Silva e Maria Zilda Faria e Silva, que sempre acreditaram em mim, e que foram os primeiros incentivadores em tudo na minha vida. Aos meus irmãos, Rinaldo, Renata e Rosana que mesmo não estando juntos todos os dias, sempre se preocuparam e me incentivaram à prosseguir. Ao meu querido esposo, Thiago Barbosa Carvalho, que nunca impediu de forma alguma que eu me dedicasse integralmente a este trabalho, sempre esteve ao meu lado me impulsionando e acreditando na minha vitória. Dedico este trabalho aos integrantes do Laboratório de Planárias da Universidade do Vale do Paraíba, Professora Doutora Nádia Maria Rodrigues de Campos Velho, Professora Mestre Karla Andressa Ruiz Lopes, as colegas e amigas Bárbara Rosa Penha, Mônica Christine, Roberta Caricatto, Tabatha Benitz que me ajudaram em todos os momentos. À amiga Lívia Reis, por compartilhar dos meus sonhos e realizações, pelos sorrisos e lágrimas que vivenciamos juntas. À todos os professores que de alguma forma colaboraram para minha formação e aprendizado dentro desta Universidade. E dedico em especial a minha filha que presenciou de dentro de meu ventre minhas ansiedades, minhas tristezas e acima de tudo minhas alegrias.

6 Agradecimentos Aos colegas Bárbara, Lucas, Giselle, Rayssa, Rogério, Carolina, Suelen que me ajudaram no Laboratório de Biologia Celular e Molecular de Fungos, em meus experimentos. Às professoras Doutora Nádia Maria Rodrigues de Campos Velho, Doutora Flávia Villaça Morais, Me Karla Andressa Ruiz Lopes por me orientarem. Aos professores Doutor Newton Soares e Doutora Cristina Pacheco Soares, que foram os primeiros a abrirem as portas da UNIVAP para mim, e ainda por permitirem o uso de seus laboratórios. À Doutoranda Glória Gallo da UNIFESP, por me auxiliar na realização de parte de meus experimentos no Laboratório de Biologia Molecular e Celular de Fungos, no Departamento de Ciência e Tecnologia, da UNIFESP. Campus São José dos Campos. SP. À Professora Doutora Cláudia Campos por aceitar o convite para fazer parte desta banca. Enfim a todos que de alguma forma me ajudaram nesta etapa tão importante em minha vida acadêmica. Meus sinceros agradecimentos.

7 Obtenção de DNA genômico de Girardia tigrina e estabelecimento de progênie para extração de RNA total a partir de blastemas regenerantes submetidos à hipergravidade. Resumo As planárias há mais de cem anos são utilizadas em estudos para compreender o processo regenerativo dos metazoários. São tricladidos, se alimentam de pequenos invertebrados, larvas de insetos e compõem a cadeia alimentar em vários níveis. São monóicos podendo realizar reprodução sexuada e assexuada. Este trabalho visou a obtenção DNA genômico de Girardia tigrina e o estabelecimento de progênie para extração de RNA total a partir de blastemas regenerantes na presença de hipergravidade. A gravidade é um fator ao qual estamos submetidos constantemente. Entender as influências gravitacionais sobre nossas funções vitais confirma a importância deste estudo. Os espécimes de Girardia tigrina foram coletados no Rio Paraíba do Sul, município de Jacareí-SP. Encontravam - se aderidas nas raízes de Pistia stratiotes. Foram transferidas para recipientes onde permaneceram em ambiente climatizado com temperatura de 20ºC ±1º. Foram separados aleatoriamente 24 indivíduos adultos, estes com morfologia e funcionalidade perfeitas. Permaneceram aos pares em recipientes plásticos onde eram observados e contabilizados durante seis meses. Realizou-se extração de DNA genômico a partir de um espécime de G. tigrina e a integridade foi confirmada por eletroforese e espectrofotometria. 112 indivíduos tiveram a alimentação suprimida por duas semanas antes dos experimentos. Separados em dois grupos e após serem seccionados transversalmente na região pós- auricular, foram submetidos a hipergravidade ( 3.3 x G, 550 rpm) e o grupo controle (1G). O fragmento do blastema posterior de cada indivíduo foi removido, em zero, seis, 12 e 36 horas após o corte. Foram acondicionados oito blastemas em cada tubo de microcentrífuga. Os cones de regeneração foram submetidos a duas lavagens com PBS (Tampão fosfato-salino), e o material foi acondicionado a -80ºC. Para a extração de RNA dos blastemas, foi utilizado o método TRIzol. Realizou-se também amplificação por PCR, utilizando o gene PIWI baseado em banco de dados National Center for Biotechnology Information, e alinhamento. Com este trabalho obteve-se dados suficientes para concluir que a espécie Girardia tigrina apresenta bom comportamento reprodutivo em laboratório, e consegue desenvolver seu blastema em ambiente de hipergravidade. E ainda a partir de oito blastemas obtevese quantidade de RNA suficiente para realização de técnicas moleculares através do método TRIzol. Palavras-chave: Girardia tigrina, extração de RNA, PCR.

8 Obtaining genomic DNA Girardia tigrina and establishment of progeny for total RNA extraction of this species from regenerating blastema submitted to hypergravity. Abstract Planarians for over a hundred years are used in studies to understand the regenerative process of metazoans. Are triclads, feed on small invertebrates, insect larvae, and make up the food chain at various levels. Are monoiceous may make sexual and asexual reproduction. This work aimed to obtain genomic DNA Girardia tigrina and establish off spring for total RNA extraction of this species from regenerating blastema in the presence of hypergravity. Gravity is a factor which we are constantly being submitted. Understand the gravitational influences on our vital functions, confirms the importance of this study. The specimens were collected in Girardia tigrina, Paraiba do Sul River, the city of Jacarei - SP. Found if adhered roots Pistia stratiotes. Were transferred to containers where they remained in airconditioned room with a temperature of 20 º C ± 1 º. Randomized 24 adults with these perfect functionality and were separated. Remained in pairs in plastic containers which were observed and recorded for six months. We performed genomic DNA extraction from a specimen of G. trigrina and confirmed via 0.8% agarose gel integrity, and by spectrophotometric analysis confirmed these data. 112 individuals had suppressed feeding for two weeks before experiments. Separated into two groups, and after being sectioned in the post auricular region were subjected to hypergravity ( 3.3 x g, 550 rpm ) and the control group ( 1G ). The fragment of the posterior blastema of each individual was removed at zero, six, 12 and 36 hours after cutting. Eight blastemas were placed in each microcentrifuge tube. The cones regeneration were subjected to two washings with PBS ( phosphate buffered saline), which was removed to the packaging material -80 For RNA extraction blastema, TRIzol method was used. We also performed PCR amplification using the PIWI based on NCBI database gene and alignment. With this work we obtained sufficient data to conclude that Girardia tigrina species has a reproductive behavior in the laboratory, and can develop their blastema in hypergravity environment. And from eight blastemas obtained sufficient amount of RNA for performing molecular techniques through the Trizol method. Keywords : Girardia tigrina, extraction of RNA, PCR.

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Representantes do reino animal com capacidade regenerativa Figura 2. Regeneração em planárias Figura 3. Capacidade regenerativa em planárias Figura 4. Reprodução assexuada Figura 5. Representação do Sistema Reprodutor Figura 6. Representação do Sistema Nervoso Figura 7. Representação das estruturas fotorreceptoras e quimiorreceptoras Figura 8. Girardia tigrina (Girard 1850) Figura 9. Local de coleta. Rio Paraíba do Sul, Município de Jacareí- SP Figura 10. Macrófitas da espécie Pistia stratiotes Figura 11. Visualização do processo de alimentação Figura 12. Limpeza dos espécimes após retirada do alimento Figura 13. Planárias G.tigrina da progênie em período reprodutivo. Presença de cápsulas Figura 14. Centrífuga utilizada para simulação de hipergravidade Figura 15. Corte do Blastema Figura 16. Planária G.tigrina, após corte transversal Figura 17. Esquema do processo de extração de RNA Figura 18. Termociclador THERMO utilizado nas amplificações Figura 19. Espécimes de G.tigrina separadas em duplas Figura 20. Média entre as duplas quanto ao número de indivíduos e de cápsulas no período de seis meses Figura 21. Média de indivíduos e cápsulas por mês observado Figura 22. DNA genômico de Girardia tigrina. Gel de agarose 0,8% impregnado com brometo de etídeo, contendo em A1 e A2 = 1 µg de DNA genômico de G. tigrina (A1 e A2, são duplicatas, seta branca). Em M, marcador de peso molecular (seta preta, fragmento de DNA). De acordo com a eletroforese realizada podemos afirmar que o DNA obtido em nossa extração está integro Figura 23. Períodos de extração do blastema no processo regenerativo Figura 24. Sequências de nucleotídeos para os genes ACTIN e PIWI disponíveis no banco de dados do NCBI Figura 25. Alinhamento realizado através de ferramenta online de bioinformática, Multalign Figura 26. Gel de agarose 1,0 % impregnado com brometo de etídeo, contendo resultado de PCR variação 1, utilizando oligonucleotídeos dos genes PIWI ( setas 1 e 2) e ACTIN (seta 3). Padrão Peso Molecular está representado pela seta 4. Presença de duas bandas em PIWI, e apenas uma em ACTIN

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Representação dos principais genes envolvidos na regeneração de planárias Tabela 2. Componentes utilizados na amplificação por PCR Tabela 3. Resultados de estudos com espécies de planárias em laboratório Tabela 4. Amostras (A1, A2) em duplicata submetidas a extração de DNA Tabela 5. Extração realizada pelo método Trizol com números diferentes de blastemas Tabela 6. Métodos utilizados para extração de RNA com dois blastemas Tabela 7. Amostras submetidas a extração de RNA Tabela 8. Oligonucleotídeos Sense e Anti-sense utilizados nas reações de PCR Tabela 9. Condições das reações de amplificação para os dois genes

11 Lista de abreviaturas e Siglas A- amostra Ago- agosto ANOVA- Análise de variância Caps- cápsulas cdna- desoxirribonucleotídeo complementar D- dupla G- gravidade G.tigrina- espécie de planária Girardia tigrina h- hora Indv- indivíduo Jan- janeiro LAPLA- Laboratório de Planárias M marcador de peso molecular med- média µg- microgramas min- minuto mm- mili molar N- número NCBI- National Center for Biotechnology information ŋg- nanograma Nm- nanômetro PBS- Tampão fosfato salino PCR- Polymerase chain reaction, reação em cadeia de polimerase RNAi- ribonucleotídeo de interferência RNP- ribonucleoproteína SP- São Paulo UNIFESP- Universidade Federal de São Paulo

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Regeneração Planárias como modelo experimental Girardia tigrina Hipergravidade Estudos Moleculares OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos MATERIAIS E MÉTODOS Modelo experimental Manutenção em laboratório Estabelecimento da progênie Estabelecimento do método para extração de DNA genômico Exposição à hipergravidade Extração do blastema Estabelecimento da metodologia de extração de RNA Análise das sequências de genes em banco de dados NCBI Amplificação por PCR ( polymerase chain reaction ) RESULTADOS E DISCUSSÕES Estabelecimento da Progênie Extração de DNA genômico Exposição à hipergravidade Definição do número de blastemas para extração de RNA total Definição do método para extração de RNA total Análise das sequências de genes em banco de dados NCBI Amplificação por PCR ( polymerase chain reaction ) CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 56

13 13 1 INTRODUÇÃO As planárias são cada vez mais utilizadas como modelo de estudos devido sua grande capacidade regenerativa. Apresentam células-tronco totipotentes (neoblastos), ao longo de toda a sua vida, o que preserva esta sua característica regenerativa. As planárias são metazoários, bilaterais simétricos, pertencentes ao filo dos platyhelmintes. Seu corpo é recoberto por uma epiderme ciliada. Apresenta compartimento tecidual conjuntivo, seu parênquima constitui-se de células mesenquimais (DURÁN, 2012). As planárias constituem um modelo surpreendente, pois regenera seu Sistema Nervoso Central em poucos dias (GENTILE, 2011). A organização dos neurônios em cordões longitudinais e a concentração dos receptores e dos sistemas integrantes na extremidade anterior do corpo estão correlacionadas com a evolução da bilateralidade entre os platelmintos. Órgãos sensoriais, denominados estatocistos são bastante evidentes. Cada estatocisto consiste de uma cápsula que envolve uma cavidade preenchida por fluido e uma concreção central chamada estatólito (FRAGUAS, 2012). A espécie estudada, Girardia tigrina, pertence à classe Turbellaria, cujo grupo compreende em sua maioria invertebrados de vida livre. Podem ser encontrados entre rochas e vegetações nos ambientes aquáticos, e escondidas no solo nos ambientes terrestres (MUNHÕZ, 2007). Alimentam-se de animais mortos que chegam ao substrato ou de insetos, larvas de insetos e outros invertebrados, nesta situação nadam diretamente até a presa, liberando um muco para imobilizá-la e ingerí-la (MEXER; LEARNED, 1981). Apresentam várias estratégias reprodutivas, como reprodução sexuada, em espécimes diplóides, sexuada ou assexuada, em espécimes mixoplóides, e assexuada em espécimes poliplóides. Seu manejo é facilmente realizado em laboratório, com baixo custo de manutenção (GUECHEVA; HENRIQUES; ERDTMANN, 2001). A gravidade é um fator, no qual estamos sendo submetidos constantemente. Após as primeiras viagens ao espaço, estudos com alteração gravitacional foram realizados, a fim de entendermos quais são as influências da gravidade em nossa evolução. A partir das viagens ao espaço, este assunto passou a chamar atenção de

14 14 diversos pesquisadores. Estudos com animais modelos diversos, como as planárias, são realizados em ambientes de microgravidade e hipergravidade o que ajudará a desvendar os mistérios da gravidade. Estudos da medicina regenerativa, engenharia tecidual, biotecnologia e regulação celular podem informar como ocorre esse processo natural entre os metazoários, principalmente em alguns invertebrados. Assim estudos realizados com esses animais modelos podem ajudar a criar novas tecnologias e alternativas para tratamentos no mais amplo universo da medicina. Após sofrer fissão, as planárias já iniciam imediatamente o processo de formação de um blastema, tecido despigmentado, formado na superfície do corte, cujas células não são especializadas (AGATA, 2007). A partir do blastema é que se terá o início da formação de uma cabeça ou uma cauda. Conhecer em nível molecular como isso ocorre é necessário, para realização desses estudos, por isso a importância da padronização de métodos para obtenção de RNA e DNA desse animal modelo. O processo de extração de RNA é essencial para execução de diversas análises da expressão gênica, tais como o Real Time PCR, microarrays, construção de bibliotecas de cdna. Para a obtenção de resultados confiáveis, é fundamental que se trabalhe com progênie. Uma das maiores preocupações na extração de RNA é a sua degradação por ação de ribonucleases (RNAses) que são enzimas extremamente resistentes a diversos tratamentos. As técnicas de extração compreendem a utilização de agentes desnaturantes fortes, tais como os fenóis e sais de guanidina que efetuam a lise celular e inativação das RNAses. Além disso, a utilização de água DEPC (dietilpirocarbonato inibidor de RNAase) e materiais autoclavados, visam diminuir a contaminação por RNAses. Um dos produtos comerciais mais usados é o Trizol, que consiste em uma solução monofásica de fenol e isotiocianato de guanidina. Genes envolvidos no processo regenerativo já são descritos em diversos estudos. O gene DJPUM de acordo com Rossi (2006); e Salvetti (2005), participa da manutenção de neoblastos. O gene PIWI foi descrito por Reddien et al. (2005) como gene expresso em células-tronco adultas. Petersen, et al. (2009), estudou o gene WNT como sendo mediador da proliferação celular, fato importante no processo regenerativo. Sabe-se atualmente que a genética é uma das fronteiras para a ciência moderna, podendo oferecer uma compreensão em todos os setores, pois os

15 15 organismos possuem um sistema genético, que por exemplo, nos ajuda a compreender a evolução e seu desenvolvimento de forma mais completa (PIERCE, 2011). A facilidade de obtermos lotes com espécimes estáveis geneticamente, nos permite utilizarmos as planárias em diversos estudos, como modelos para testes ecotoxicológicos e moleculares (ZAGATO; BERTOLETTI, 2006).

16 16 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 2.1 Regeneração Entre os metazoários podemos reconhecer a presença da capacidade regenerativa. Uma lesão natural ou provocada, pode ocasionar a perda de partes constituintes do corpo, e mecanismos ainda desconhecidos, oferecem a capacidade de reconstituição da parte perdida. Entre os invertebrados nota-se a presença da regeneração na reprodução assexuada, fenômeno importante para sua evolução. Nos vertebrados, os urodelos são os principais representantes com capacidade regenerativa, podendo reconstituir completamente olhos, tecidos cardíacos e membros. O mecanismo de regeneração natural de urodelos não promove apenas a diferenciação para células originais dos tecidos perdidos, mas também garante a restauração de relações fundamentais para a preservação funcional (SANTOS, 2006). Porém estes organismos vertebrados requerem mais de um mês para concluir sua regeneração, pois apresentam ciclos de vida longos, o que impossibilita a análise genômica, além de possuírem genoma grande, dificultando os estudos moleculares (NEWMARK; ALVARADO, 2002). Muitos avanços são realizados no estudo de regeneração em diferentes grupos animais (Figura 1) (ALVARADO, 2012).

17 17 Figura 1. Representantes do reino animal com capacidade regenerativa. Fonte: Galliot e Ghila, (2010). Os seres vivos que possuem estas habilidades conseguem regenerar um membro ou parte destes quando perdidos, já entre as planárias a habilidade regenerativa compreende a restauração do animal por completo a partir de pequenos fragmentos em poucos dias (Figura 2). Figura 2. Regeneração em planárias. Fonte: Newmark e Alvarado, 2002.

18 18 A regeneração é a capacidade de um organismo substituir fragmentos perdidos ou se desenvolver totalmente, seja através do crescimento de um blastema ou da remodelação de tecidos. Segundo Durán (2009) o blastema é definido como uma massa indiferenciada de células proliferativas que darão origem a todos os tecidos regenerantes. Apresenta-se como tecido não pigmentado, formado sob o epitélio que recobre a ferida. Duas estratégias foram identificadas na formação do blastema, primeiro seria o recrutamento de células-tronco, e a outra a desdiferenciação de células adultas localizadas próximo da ferida (GALLIOT; GHILA, 2010). A regeneração foi classificada em dois mecanismos: epimorfosis e morfalaxia (SALÓ, 2006). Epimorfosis é a restauração de uma estrutura perdida morfológica, anatômica e funcionalmente, através da formação de um blastema. Já morfalaxia implica na remodelação de tecidos existentes que darão origem a novos tecidos (DURÁN, 2009). Estudos são feitos para compreender como a regeneração acontece em alguns animais. Biólogos evolucionistas ainda discutem como espécies estreitamente relacionadas, podem não compartilhar essa capacidade regenerativa (ALVARADO, 2012). Embora o resultado da regeneração apresente semelhança entre espécies, os mecanismos utilizados para a realização podem ser bastante diferentes entre elas e até agora não foi delineado uma visão unificadora do processo celular e molecular da regeneração (GALLIOT, 2010). Wenemoser e Reddien (2010) afirmam que conhecer como ocorre a sinalização entre o local da lesão e os neoblastos é importante para melhor compreensão dos estudos de células-tronco e o seu papel na regeneração e homeostase do tecido, não só em planárias, como em outros metazoários. Os neoblastos são verdadeiras células-tronco totipotentes, como células embrionárias em vertebrados. Elas podem estar envolvidas na diferenciação de todos os tecidos das planárias (MORACZEWSKI, 2008). Os neoblastos encontram-se distribuídos de forma abundante em todo parênquima (WOODRUFF; BURNETT, 1965). As planárias apresentam uma população de células estaminais adultas, neoblastos, que participam da proliferação, crescimento, regeneração e homeostase do tecido. Uma característica dos neoblastos é a presença de corpos cromatóides, grande ribonucleoproteínas (RNP) e grânulos citoplasmáticos morfologicamente semelhantes a estruturas presentes na linha germinativa de muitos organismos

19 19 (ROUHANA, 2012). Neoblastos são mantidos no parênquima em números adequados, onde eles respondem às feridas por proliferação e migram para dar origem ao blastema. As células do cone de regeneração começam e se organizar para produzir as devidas mudanças padronizando a partir de um tecido preexistente do animal amputado, novas estruturas ou um novo animal, com as devidas proporções, morfalaxia (REDDIEN et al. 2005). Estudos moleculares sobre a regeneração vem sendo realizados a fim de mapear este fenômeno de maneira mais detalhada. Alguns genes são apontados como fundamentais neste processo. Salvetti (2000) identificou que o gene DjMCM² se expressa em células proliferativas. Alterações espaciais e temporais na expressão deste gene foram observadas durante a regeneração da espécie Dugesia japonica. Este fenômeno não foi detectado dentro da região do blastema, nem em regiões anteriores aos ocelos. Este gene está presente em neoblastos, mas não em todas as células, o que afirma a composição heterogênea deste grupo celular. Nos estudos de Rossi, (2006) e Salvetti, (2005), eles descrevem que o gene DjPUM apresenta papel importante na manutenção de neoblastos em Dugesia japonica. Durante a regeneração, neoblastos proliferam e acumulam sob o epitélio da ferida realizando a formação do cone regenerante. Com o uso de RNAi, uma redução no número de neoblastos impediu a formação do blastema que interrompeu o processo regenerativo. Tasaki et al. (2011) comenta que o gene DJMKPA está presente no processo regenerativo após um dia da amputação, tanto em fragmentos da cabeça como da cauda de D. japonica. A expressão diminui à medida que a regeneração se completa, por volta do sétimo dia após a amputação. A expressão de DJMKPA ocorre em resposta ao ferimento. Este pode ser considerado um bom gene para acompanhar o processo de formação do blastema durante a regeneração. DJMKPA se expressa em células do blastema em resposta ao aumento de atividade extracelular. Sua expressão se faz necessária para as células saírem do estado proliferativo e sofrerem diferenciação. Durante o processo regenerativo a expressão dos genes ocorre de forma diferenciada. Os genes HOMEOBOX DTH-1 e 2, se expressam de forma mais elevada na região dorsal das planárias, e são considerados genes tardios, que ajudam na determinação celular e diferenciação.

20 20 Não estão presentes no blastema e sim em áreas já diferenciadas, e que o gene HOMEOBOX se expressa no quinto dia da regeneração em G. tigrina (GARCIA- FERNANDÉZ, 1991, 1993). O gene HOX desempenha papel fundamental em ambos os processos de reconstituição dos fragmentos tanto anterior quanto posterior (SALÓ, 2001). Na região do blastema ele atua como instrumento que transforma o cone de regeneração em elementos perdidos. Em Girardia tigrina, Saló (2001) afirmou que sete genes HOX foram identificados sendo DTHOX-A a DTHOX-G. Durante a regeneração do fragmento da cauda, que irá formar a cabeça, ocorre baixa expressão do DTHOX-C e D. Já no fragmento que irá formar a cauda o gene DTHOX-D se expressa mais cedo que o DTHOX-C. Um dia após sofrer a fissão, a expressão do gene HOX é pouco notada. A partir do segundo dia, a expressão ocorre dentro do blastema que formará a cauda. Alguns testes com irradiação detectaram que ao se eliminar os neoblastos, não há sinais de expressão do gene HOX, o que sugere que este grupo celular seja a principal fonte deste gene. O autor ainda afirma que estes genes são ativados e inibidos em estágios iniciais de regeneração. Tanto vertebrados como invertebrados, apresentam a necessidade da expressão do gene PAX-6 como responsável pela morfogênese do olho e desenvolvimento do sistema nervoso central. Em G. tigrina este gene se expressa nos fotorreceptores. Em estágios iniciais de regeneração da cabeça foi confirmada a expressão do gene DTPAX-6, em um grupo de células pigmentadas perto da região epidérmica dorsal, o que constitui o primeiro sinal visível da regeneração dos fotorreceptores (CALLAERTS et al. 1999). Genes do dominío POU estão relacionados com a regeneração do sistema nervoso central. Orii, Agata e Watanabe (1993) relata que este gene desempenha papel fundamental na diferenciação celular durante este processo. A família do gene WNT compreende os altamente conservados, que participam como mediadores das vias de sinalização relacionadas à expressão de genes que atuam na proliferação celular e no desenvolvimento durante o processo regenerativo (PETERSEN et al. 2009). Reddien et al. (2005) identificaram dois genes SMEDWI 1 e 2 que estão expressos em células-tronco adultas participando ativamente do processo regenerativo.

21 21 A família do gene PIWI auxilia na geração de células que promovem a regeneração. Alguns genes dessa família, segundo Reddien, (2005), implicam na regulação de células germinativas. A manutenção de células-tronco pluripotentes, que apresentam capacidade de regenerarem tecidos perdidos ou envelhecidos, ocorre devido ao papel fundamental do gene PIWI 2 (PALAKADETI et al. 2008). Estudos realizados por Palakadeti et al. (2008), com RNAi, demonstrou que planárias submetidas a esta interferência apresentaram má formações, não obtiveram o crescimento do blastema e incapacidade regenerativa foi detectada, o que confirma a importância da expressão deste gene no processo regenerativo. Este gene apresenta em alguns organismos como: PIWI-related protein (Tetrahymena thermophila), CNIWI (Podocoryne carnea), SEAWI (Strongylocentrotus purpuratus) Cniwi (Podocoryne carnea) PIWI-LIKE 2 (Canis familiaris) PIWI-LIKE 1 (Danio rerio( ROSSI, 2006). Apesar de nossos ancestrais serem bastante distantes, os seres humanos, em suas células-tronco compartilham o gene HIWI que em planárias é chamado de PIWI. Este gene está presente em células responsáveis pela regeneração, já em humanos ele expressa em espermatozóides e óvulos, bem como em algumas células que geram novas células sanguíneas. Este fato reforça ainda mais a ideia de usarmos as planárias para entendermos melhor os mecanismos revelados em células-tronco.

22 22 Tabela 1. Representação dos principais genes envolvidos na regeneração de planárias. Para o conhecimento dos mecanismos celulares e moleculares do processo regenerativo em tecidos humanos se utilizam estudos a partir de modelos animais, como, por exemplo, as planárias (ALVARADO, 2012). 2.2 Planárias como modelo experimental As planárias pertencem ao quarto maior filo que inclui mais de espécies. São triploblásticos, o que inclui os animais que possuem a terceira camada de desenvolvimento (mesoderme), são acelomados, nota-se ausência de ânus, de sistema circulatório e respiratório (RIUTORT, 2012). São animais de vida livre e podem ser encontrados em rios, mares, cavernas e ambientes terrestres. Pertence à classe Turbellaria, sendo considerados macroturbelários da ordem Tricladida, além disso compõem a fauna mundialmente menos estudada. Para que haja um trabalho de conservação desta biodiversidade, é necessário antes conhecêla, porém ainda não existe estimativa sobre a riqueza de macroturbelários no

23 23 território brasileiro (CARBAYO, 2008). Os Tricladidos são caracterizados por apresentar cavidade digestória bem definida, constituída por um único tubo anterior, que se divide produzindo dois ramos posteriores, o que caracteriza o nome do grupo (CARBAYO, 2008; RIUTORT, 2012). Alimentam-se predominantemente de insetos, larvas de insetos e outros invertebrados (REDDIEN; ALVARADO, 2004). A necessidade de se desvendar lacunas deixadas por sistemas modelos genéticos tradicionais, tornam as planárias um bom representante para estudos experimentais, pois ultrapassam as limitações de propriedades regenerativas de tecidos somáticos encontrados em Drosophila e Nematódeos, e ainda supera as dificuldades de estudar células- tronco em vertebrados adultos e in vivo, pois possuem todos os tecidos com capacidade regenerativa (Figura 3) (ALVARADO, 2012). Figura 3. Capacidade regenerativa em planárias. Fonte: Reddien e Alvarado (2004).

Extração de DNA e Amplificação por PCR

Extração de DNA e Amplificação por PCR Universidade Federal de São Carlos Departamento de Genética e Evolução Disciplina Práticas de Genética Extração de DNA e Amplificação por PCR Érique de Castro 405523, Victor Martyn 405612, Wilson Lau Júnior

Leia mais

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR)

Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) 1 Universidade Federal Fluminense Instituto Biomédico Departamento de Microbiologia e Parasitologia Disciplina: Virologia Apostila de aula prática REAÇÃO EM CADEIA PELA POLIMERASE (PCR) A técnica de reação

Leia mais

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA

PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA PLANO DE MINICURSO TÍTULO DO MINICURSO: 60 ANOS DO DNA E OS AVANÇOS DA PRODUÇÃO AGROPECUÁRIA OBJETIVO: Proporcionar aos participantes uma maior compreensão dos avanços que a descoberta da estrutura da

Leia mais

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri

Extração de DNA. Prof. Silmar Primieri Extração de DNA Prof. Silmar Primieri Conceitos Prévios O que é DNA? Onde se localiza o DNA na célula? Do que são formadas as membranas celulares? Qual a estrutura do DNA? O que é DNA? Unidade básica informacional

Leia mais

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA

RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA RELATÓRIO DE AULA PRÁTICA Universidade Federal de Minas Gerais Instituto de Ciências Biológicas Departamento de Bioquímica e Imunologia Professor: Miguel Alunos: Gustavo Bastos, Hugo Rezende, Monica Maertens,

Leia mais

Reagentes para Biologia Molecular

Reagentes para Biologia Molecular Reagentes para Biologia Molecular Para obtenção de resultados confiáveis, atividades realizadas na área da Biologia Molecular requerem reagentes de qualidade e pureza elevada. Ideais para diversas rotinas

Leia mais

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra

Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Departamento de Zoologia da Universidade de Coimbra Ana Luísa Carvalho Amplificação de um fragmento de DNA por PCR Numa reacção em cadeia catalizada pela DNA polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR),

Leia mais

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio.

Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influência da UHE Santo Antônio. PROJETO: Análise Genética das Populações de Myrciaria dubia (camu-camu) e Ceiba pentandra (samaúma) ocorrentes na área de Influencia da UHE Santo Antônio. Análise Genética de Ceiba pentandra (samaúma)

Leia mais

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia.

N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. N1001 ATENÇÃO, ALUNO! Agora, você vai responder a questões de Biologia. Questão 01 B100010RJ Observe o esquema abaixo. 46 23 46 23 46 23 23 Disponível em: . Acesso

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Mestrado em Genética Molecular

Mestrado em Genética Molecular Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2000/2001, edição 2000-2002 Biologia Molecular Expressão génica (RT-PCR) Protocolo das sessões práticas Braga, 2000 Rui Pedro Soares de Oliveira Mestrado em

Leia mais

DNA barcoding é um método que utiliza um trecho do DNA de cerca de 650 nucleotídeos como marcador para caracterizar espécies. Trata-se de uma sequência extremamente curta em relação à totalidade do genoma,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA INSTITUTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA INSTITUTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA INSTITUTO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS ROBERTA CARICATTO BERNARDO PINTO Avaliação da capacidade regenerativa de fragmentos

Leia mais

Reação em Cadeia Da Polimerase

Reação em Cadeia Da Polimerase Reação em Cadeia Da Polimerase X Jornada Farmacêutica IV Amostra 2010 Sueli Massumi Nakatani LACEN-PR Um Pouco de História... Um Pouco de História... 1983 Kary Mullis for his invention of the polymerase

Leia mais

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos

LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA. Métodos rápidos de tipagem de microrganismos LABORATÓRIO DE BIOENGENHARIA Métodos rápidos de tipagem de microrganismos Tradicionalmente, o estudo de microrganismos, a nível genético, bioquímico/fisiológico ou apenas a nível de identificação, requer

Leia mais

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III

WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III WHO GLOBAL SALM-SURV NÍVEL III CAMPYLOBACTER spp. Multiplex PCR para detecção de C. jejuni e C. coli Grace Theophilo LRNCEB IOC/FIOCRUZ gtheo@ioc.fiocruz.br Diagnóstico molecular para Campylobacter spp.

Leia mais

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS PROCESSO SELETIVO BIOLOGIA ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Perceber e utilizar os códigos intrínsecos da Biologia. Relacionar o conhecimento das diversas disciplinas para o entendimento

Leia mais

PCR in situ PCR Hotstart

PCR in situ PCR Hotstart Bruno Matos e Júlia Cougo PCR in situ PCR Hotstart Disciplina de Biologia Molecular Profª. Fabiana Seixas Graduação em Biotecnologia - UFPel PCR in situ - É a técnica de PCR usada diretamente numa lâmina

Leia mais

Painéis Do Organismo ao Genoma

Painéis Do Organismo ao Genoma Painéis Do Organismo ao Genoma A série de 5 painéis do organismo ao genoma tem por objetivo mostrar que os organismos vivos são formados por células que funcionam de acordo com instruções contidas no DNA,

Leia mais

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente

CÉLULA - TRONCO. São células com capacidade de autorenovação,eficiente CÉLULA - TRONCO São células com capacidade de autorenovação,eficiente proliferação, gerando células-filhas com as mesmas características fenotípicas da célula precursora e, ainda, com habilidade de gerar

Leia mais

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja

O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja O papel das nodulinas na fixação biológica do nitrogênio na cultura de soja SOUZA, R.C. 1 ; SANTOS, M.A. 2 ; HUNGRIA, M. 3 1 Centro Universitário Filadélfia - Unifil, renata@ cnpso.embrapa.br; 2 Escola

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI.

EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. EXTRAÇÃO DE DNA EM GENÓTIPOS DE ACEROLA NO DISTRITO DE IRRIGAÇÃO DO PIAUÍ-DITALPI. Antonia Cardoso Almeida ( ICV/ UFPI); Francilene Leonel Campos(orientadora, Curso de Licenciatura em Ciências Biológicas/

Leia mais

Epigenética e Memória Celular

Epigenética e Memória Celular Epigenética e Memória Celular Por Marcelo Fantappié Fonte www.revistacarbono.com A epigenética é definida como modificações do genoma que são herdadas pelas próximas gerações, mas que não alteram a sequência

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme)

CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DA DREPANOCITOSE (Anemia Falciforme) Genética Humana, LCS 3º Ano,1º Semestre, 2012-2013 2ª Aula Sumário Quantificação de DNA cromossomal e avaliação do grau de pureza por espectrofotometria

Leia mais

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR

Manual Técnico. quantificação de DNA humano em análises forenses. Para WWW.GENOMIC.COM.BR Kit Genomic de Quantificação de DNA Manual Técnico Para quantificação de DNA humano em análises forenses WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução Na maioria dos casos forenses, as amostras recebidas apresentam-se

Leia mais

Mutação e Engenharia Genética

Mutação e Engenharia Genética Mutação e Engenharia Genética Aula Genética - 3º. Ano Ensino Médio - Biologia Prof a. Juliana Fabris Lima Garcia Mutações erros não programados que ocorrem durante o processo de autoduplicação do DNA e

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Genética e Melhoramento de Plantas

Genética e Melhoramento de Plantas Genética e Melhoramento de Plantas Marcadores moleculares e sua utilização no melhoramento Por: Augusto Peixe Introdução ao uso de Marcadores moleculares Definição Marcador molecular é todo e qualquer

Leia mais

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA...

A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA... Atividade extra Fascículo 4 Biologia Unidade 9 Questão 1 A função básica do ciclo celular das células somáticas é duplicar todo o conteúdo de DNA. O processo de divisão celular é composto por cinco etapas:

Leia mais

Estudantes do Programa de Pós Graduação em Zootecnia da Universidade Estadual de Maringá.

Estudantes do Programa de Pós Graduação em Zootecnia da Universidade Estadual de Maringá. Extração de DNA e RNA de fígado e músculo em tilápia do Nilo Extraction of DNA and RNA from liver and muscle in Nile tilapia Extracción de ADN y ARN de hígado y músculo en tilapia del Nilo Eliane Gasparino

Leia mais

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes)

CYCLER CHECK. Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores. pronto a usar, pré-aliquotado. REF 71044 (4 testes) PT Instruções de utilização CYCLER CHECK Kit de teste para a validação da uniformidade da temperatura em termocicladores pronto a usar, pré-aliquotado REF 7104 (10 testes) REF 71044 (4 testes) Índice 1.

Leia mais

Técnicas de manipulação cromossomica

Técnicas de manipulação cromossomica Técnicas de manipulação cromossomica Introdução Genética Contribuição Aquacultura Moderna Utilização de técnicas usadas em biotecnologia e engenharia genética Facilmente aplicadas nos peixes: Geralmente,

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN

SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN SEQUÊNCIA DIDÁTICA PODCAST ÁREA CIÊNCIAS CN Título do Podcast Área Segmento Duração Como os animais se reproduzem? Ciências Ciências da Natureza Ensino Fundamental 5 min 25 seg Habilidades: H20 - Reconhecer

Leia mais

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR

LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR LINHA DE REAGENTES PARA BIOLOGIA MOLECULAR Linha de reagentes fabricados dentro de restritos controles de qualidade. Testados para assegurar os melhores resultados nas técnicas de pesquisa em Biologia

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS ANIMAIS. Reino Animalia

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS ANIMAIS. Reino Animalia CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS ANIMAIS Reino Animalia Organização do corpo e principais filos São pluricelulares, eucariontes e heterótrofos Apresentam grande diversidade (1 milhão de espécies distribuídas

Leia mais

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular.

Módulo Núcleo. 2) O esquema a seguir apresenta um experimento realizado com uma alga unicelular. Módulo Núcleo Exercícios de Aula 1) O envelope nuclear encerra o DNA e define o compartimento nuclear. Assinale a afirmativa INCORRETA sobre o envelope nuclear. a) É formado por duas membranas concêntricas

Leia mais

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho

Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho Jornal Eletrônico da Embrapa Milho e Sorgo (Sete Lagoas-MG) Ano 04 - Edição 26 - Agosto / Setembro de 2010 Artigo Avaliação molecular da macho-esterilidade citoplasmática em milho por Sílvia Neto Jardim

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Módulo Intérfase. Tarefa de Fixação 1) Analise o esquema a seguir e depois RESPONDA as questões propostas.

Módulo Intérfase. Tarefa de Fixação 1) Analise o esquema a seguir e depois RESPONDA as questões propostas. Módulo Intérfase Exercícios de Aula 1) A interfase é a fase em que ocorre o repouso celular. A afirmativa está: a) correta, porque praticamente não há atividade metabólica celular. b) correta, pois ocorrem

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

Kit para calibração de PCR pht

Kit para calibração de PCR pht Kit para calibração de PCR pht Itens fornecidos: Tampões ( concentrado) Composição ( concentrado) I0 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton X-100 IB 500 mm KCl; 100 mm Tris-HCl ph 8,4; 1% Triton

Leia mais

Polymerase Chain Reaction

Polymerase Chain Reaction Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciências Básicas da Saúde Laboratório de Virologia Polymerase Chain Reaction Equipe de Virologia UFRGS & IPVDF www.ufrgs.br/labvir PCR Desenvolvida

Leia mais

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos.

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos. KIT DE EXTRAÇÃO MINI VAC AUTOMAÇÃO DE 96 AMOSTRAS Instruções de Uso 1. USO PRETENDIDO O BIOPUR Kit de Extração Mini VAC Automação 96 Amostras é a ferramenta ideal para extração automática rápida e confiável

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia - Embriologia

Exercícios de Aprofundamento Biologia - Embriologia 1. (Fgv 2015) A figura ilustra os vasos sanguíneos maternos e fetais na região da placenta, responsável pela troca dos gases respiratórios oxigênio e dióxido de carbono. Como a circulação e a ventilação

Leia mais

Filo Platyhelminthes. Planos de Simetria

Filo Platyhelminthes. Planos de Simetria Filo Platyhelminthes Características: Do grego, platy = plano + helmins = verme Animais de corpo alongado e achatado dorsoventralmente; Maioria aquática (marinhos e dulcícolas). Os terrestres vivem em

Leia mais

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos

objetivos Complexidade dos genomas II AULA Pré-requisitos Complexidade dos genomas II AULA 31 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Explicar os fatores envolvidos com a complexidade dos genomas de eucariotos. Descrever as principais características

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10

Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10 Disciplina de BIOQUÍMICA do Curso de MEDICINA da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra 1º Ano 2007/2008 SEMINÁRIOS ORIENTADOS APOIO SO10 VÍDEO I Estrutura da célula e isolamento dos organelos

Leia mais

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia

9/30/2014. Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução. Fisiologia. Anatomia Por que engenheiros biomédicos precisam estudar anatomia e fisiologia? Introdução à Anatomia e Fisiologia EN2319-Bases Biológicas para Engenharia I Reginaldo K Fukuchi Universidade Federal do ABC Por que

Leia mais

REVISÃO PROTOZOÁRIOS, FUNGOS, PORÍFEROS E PLATELMINTOS

REVISÃO PROTOZOÁRIOS, FUNGOS, PORÍFEROS E PLATELMINTOS REVISÃO PROTOZOÁRIOS, FUNGOS, PORÍFEROS E PLATELMINTOS REINO PROTOCTISTA Reino Protoctista - Protozoários Eucariontes, unicelulares (alguns coloniais) Vida livre e parasitária Relações Ecológicas: mutualismo

Leia mais

Animais Bilaterais Aula Teórica 07. Animais Bilaterais o que muda com a bilateralidade * Simetrial radial Simetria bilateral

Animais Bilaterais Aula Teórica 07. Animais Bilaterais o que muda com a bilateralidade * Simetrial radial Simetria bilateral Animais Bilaterais Aula Teórica 07 Animais Bilaterais o que muda com a bilateralidade * Simetrial radial Simetria bilateral Bilateral: lados direito e esquerdo são imagem especular um do outro Bilateral:

Leia mais

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias

Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Patologia x Genética Técnicas Moleculares Aplicadas ao Estudo de Patologias Lucas Brandão Patologia Clínica Definição: Fornece informações ao médico, de modo a proporcionar-lhe os meios necessários para

Leia mais

BA B.. 0 6 0 6 Inv n e v rt r e t bra r dos o s m ais s si s m i ple l s s ( p ( la l t a e t lm l in i t n o t s o ) s Apostila 1 Pág.

BA B.. 0 6 0 6 Inv n e v rt r e t bra r dos o s m ais s si s m i ple l s s ( p ( la l t a e t lm l in i t n o t s o ) s Apostila 1 Pág. BA. 06 Invertebrados mais simples (platelmintos) Apostila 1 Pág. 34 REINO ANIMAL OU METAZOA -Pluricelular Eucarionte Heterótrofo - sem parede celular - PORÍFEROS Esponjas - CNIDÁRIOS Águas vivas, corais,

Leia mais

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase

Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase Exercício 3 PCR Reação em Cadeia da Polimerase (Polymerase Chain Reaction - PCR) Uma das dificuldades dos pesquisadores frente à análise baseada no DNA é a escassez deste. Na medicina forense pode-se ter

Leia mais

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR

Engenharia Molecular. Kit Autossômico GEM. EM-22plex sem extração. Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR Engenharia Molecular Kit Autossômico GEM EM-22plex sem extração Manual Técnico WWW.GENOMIC.COM.BR 1. Introdução STRs (short tandem repeats) são sequências repetitivas de 3 a 7 pares de bases encontradas

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº

3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº . 3º trimestre- LISTA DE EXERCICIOS - Biologia - CESINHA Ensino Médio 1º ano classe: Prof. Cesinha Nome: nº Valor: 10 Nota:. 1. (Uel 2015) Leia o texto a seguir. Quando se fala em divisão celular, não

Leia mais

DETECÇÃO DE Cryptosporidium spp. AO LONGO DA BACIA DE MANANCIAL DO RIBEIRÃO CAFEZAL, LONDRINA/PR.

DETECÇÃO DE Cryptosporidium spp. AO LONGO DA BACIA DE MANANCIAL DO RIBEIRÃO CAFEZAL, LONDRINA/PR. DETECÇÃO DE Cryptosporidium spp. AO LONGO DA BACIA DE MANANCIAL DO RIBEIRÃO CAFEZAL, LONDRINA/PR. R. M. Kawata*, L. F. Maia** e K. V. M. C. Prates*** *Graduanda em Engenharia Ambiental / UTFPR, Londrina/PR,

Leia mais

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu

PCR tempo real. PCR quantitativo. 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu PCR tempo real PCR quantitativo 52º Congresso Nacional de Genética Foz do Iguaçu Aspectos Básicos um dos métodos atuais de aferir o nível de expressão de genes mas não é o único: Northern blotting (quantificação

Leia mais

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br

Rachel Siqueira de Queiroz Simões, Ph.D rachelsqsimoes@gmail.com rachel.simoes@ioc.fiocruz.br Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Casa da Medicina Unidade Gávea Coordenação Central de Extensão EPIDEMIOLOGIA MOLECULAR Rachel Siqueira de Queiroz

Leia mais

Tecidos Nervoso e Muscular

Tecidos Nervoso e Muscular Material de apoio para Monitoria Questão 1 (Feio-Lemos, 2014) No esquema abaixo está representada a anatomia geral de um neurônio. Acerca da mesma, responda o que se pede. a b c d e f Meio intracelular

Leia mais

Análise de expressão gênica

Análise de expressão gênica Universidade Federal do Espírito Santo Laboratório de Biotecnologia Aplicado ao Agronegócio Análise de expressão gênica Fernanda Bravim EXPRESSÃO GÊNICA Processo pelo qual a informação contida em um gene

Leia mais

Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral

Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral Protocolo laboratorial para purificação manual de DNA de amostra integral Para a purificação de DNA genômico nos kits de coleta das famílias Oragene e ORAcollect Visite nosso site www.dnagenotek.com para

Leia mais

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida.

Esse raciocínio é correto e não serve apenas para a espécie humana. Todas as espécies de seres vivos realizam a reprodução para a continuação da vida. Você sabe qual é a importância da reprodução humana? Se alguém lhe perguntasse isso você responderia rapidamente: Para a manutenção ou perpetuação da espécie. Esse raciocínio é correto e não serve apenas

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL

VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL VERIFICAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO MÉTODO DE EXTRAÇÃO DE DNA DO FUNGO MYCOSPHAERELLA FIJIENSIS PARA DETECÇÃO ATRAVÉS DE PCR EM TEMPO REAL Luciana Oliveira Barateli; Regina Melo Sartori Coelho; Abmael Monteiro

Leia mais

Exercícios para Prova 1 de Biologia 1 Trimestre

Exercícios para Prova 1 de Biologia 1 Trimestre Exercícios para Prova 1 de Biologia 1 Trimestre Pessoal a matéria da prova de Biologia é dos Módulos 1 a 5 (Edgard) e Módulo 1 (Ricardo). Parte I O Gabarito está na última folha. 1. Ordene as categorias

Leia mais

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 3 Ano Disciplina: Biologia 1) (UFMG) Estes animais costumam estar presentes no dia-a-dia dos seres humanos:

Leia mais

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica

Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Virologia em Laboratório Fase Pré- Analítica Leonor Rebelo Lab Virologia i do IPOFGL EPE Novembro 2012 1º Curso de Virologia Molecular em Oncologia 1 ,, TÑÜxÇwxÜ t ØÇ vt vé át wx Öâx t ÅxÇàx ÇâÇvt áx vtçát?

Leia mais

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são

O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são Atividade extra Fascículo 2 Biologia Unidade 4 Questão 1 O DNA é formado por pedaços capazes de serem convertidos em algumas características. Esses pedaços são chamados de genes. Assinale abaixo quais

Leia mais

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE

ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE ISOLAMENTO E MANIPULAÇÃO DE UM GENE Importância da Engenharia Genética Diversidade biológica X Diversidade gênica Etapas básicas da Clonagem Escolha e amplificação do

Leia mais

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR

Procedimentos Técnicos NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Versão: 1 Pg: 1/6 NOME FUNÇÃO ASSINATURA DATA ELABORADO POR Ivo Fernandes Sobreiro Gerente da Qualidade 01/09/2009 DE ACORDO Renato de Lacerda Diretor Técnico 05/09/2009 APROVADO POR Jose Carlos Santos

Leia mais

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO FECUNDAÇÃO Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta feminino (ovócito) para formar

Leia mais

Protocolos LabDros. Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. Meio de Cultura Estoque para Drosophila. Meio de Drosophila Especial

Protocolos LabDros. Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. Meio de Cultura Estoque para Drosophila. Meio de Drosophila Especial Protocolos LabDros Organizado por: Gabriel da Luz Wallau, 2010. - 1 kg de Farinha de milho grossa; - 200g de germe de trigo; - 1 xícara de açúcar; - 2 colheres de leite em pó; - 1 colher de sal; - 800g

Leia mais

TESTES DE EXTRAÇÃO DE DNA DE Anticarsia gemmatalis e Spodoptera frugiperda USANDO O PROTOCOLO MINIPREP (MODIFICADO DE RAEDER; BRODA, 1985)

TESTES DE EXTRAÇÃO DE DNA DE Anticarsia gemmatalis e Spodoptera frugiperda USANDO O PROTOCOLO MINIPREP (MODIFICADO DE RAEDER; BRODA, 1985) TESTES DE EXTRAÇÃO DE DNA DE Anticarsia gemmatalis e Spodoptera frugiperda USANDO O PROTOCOLO MINIPREP (MODIFICADO DE RAEDER; BRODA, 1985) Francielle Fiorentin, Alice Jacobus de Moraes, Viviane M. Celant,

Leia mais

Filo Porífera. Esponjas

Filo Porífera. Esponjas Filo Porífera Esponjas Filo Porifera Osculo Átrio Pinacócitos Amebócito poros Porocito Espícula Flagelo Esponja Mesogléia Coanócito Gonócito Pinacócito Espícula Átrio Póro Porócito Arqueócito Meio Externo

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani

PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PADRONIZAÇÃO DE PROTOCOLOS DE EXTRAÇÃO DE DNA DAS ESPÉCIES DE AVES Oryzoborus angolensis e Oryzoborus maximiliani Paulo Henrique Godoy Teles 1 ; Adriana

Leia mais

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês)

Guia do Professor. (Documento baseado no guião original em inglês) Guia do Professor (Documento baseado no guião original em inglês) Nota: Este documento é apenas um resumo do conteúdo do guia do professor. Alguns itens de grande importância não estão aqui referidos,

Leia mais

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados

Melhorar A Eclodibilidade De Ovos Armazenados Melhorar A Eclodibilidade MELHORAR A ECLODIBILIDADE USANDO PERÍODOS DE INCUBAÇÃO CURTOS DURANTE A ARMAZENAGEM DE OVOS (SPIDES) 09 Ovos armazenados por longos períodos não eclodem tão bem quanto os ovos

Leia mais

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091.

Wipe Test. Controlo de contaminação. Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091. PT Instruções de utilização Wipe Test Controlo de contaminação Kit de teste para a deteção de contaminação numa base genética molecular REF 7091 40 reacções 1. Descrição do produto O uso da Polymerase

Leia mais

EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA

EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA A PRÁTICA NO LABORATÓRIO DE ENSINO BIBLIOGRAFIA EXTRAÇÃO DE DNA (2) A EXTRAÇÃO DE DNA Muitas pesquisas de Biologia Molecular começam com a extração de ácidos nucleicos. A lise celular libera as moléculas em uma fase aquosa que é separada dos restos

Leia mais

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos

Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos Aula 11 Etapa complementar para o diagnóstico da infecção pelo HIV princípios metodológicos As amostras com resultados reagentes, na etapa de triagem, devem ser submetidas à etapa complementar. Nessa etapa,

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações

Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações Técnicas de PCR: Aplicações e Padronização de Reações BSc. Daniel Perez Vieira (Protozoologia-IMTSP/ Laboratório de Biologia Molecular-IPEN) Aula 4 - Recursos Computacionais: Programas e Sites Relacionados

Leia mais

7.012 Conjunto de Problemas 5

7.012 Conjunto de Problemas 5 Nome Seção 7.012 Conjunto de Problemas 5 Pergunta 1 Enquanto estudava um problema de infertilidade, você tentou isolar um gene hipotético de coelho que seria responsável pela prolífica reprodução desses

Leia mais

Escola Secundária de Camões

Escola Secundária de Camões Escola Secundária de Camões INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA BIOLOGIA Código 302 Curso Científico-Humanístico de Ciências e Tecnologias- 12ºano Duração da prova escrita: 90 min Duração da

Leia mais

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS

Leia mais

Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia da polimerase

Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia da polimerase Fundamentos teórico-práticos e protocolos de extração e de amplificação de dna por meio da técnica de reação em cadeia Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Pecuária Sudeste Ministério da

Leia mais

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar

A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar 7. ELETROFORESE DE ÁCIDOS NUCLÉICOS João José de Simoni Gouveia Luciana Correia de Almeida Regitano A eletroforese é uma técnica utilizada para separar, identificar e purificar moléculas carregadas (como

Leia mais

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea

ENVIO DE AMOSTRAS. Envio de amostras de sangue e medula óssea ENVIO DE AMOSTRAS Os requerimentos específicos para cada exame são fornecidos na lista alfabética da Tabela de Diretório de Exames Online. Para cada exame, são descritos o tipo de amostra, volumes mínimos,

Leia mais

Departamento de Biologia da Universidade do Minho

Departamento de Biologia da Universidade do Minho Departamento de Biologia da Universidade do Minho Mestrado em Genética Molecular Ano lectivo de 2004/2005, edição de 2004-2006 Estudo da regulação do gene STL1 codificando o sistema de simporte H + /glicerol

Leia mais

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala

Técnicas de biologia molecular. da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala Técnicas de biologia molecular da análise de genes e produtos gênicos únicos a abordagens em larga escala os mesmos genes, qual a diferença? Dogma central Localizando alvos Técnicas iniciais para evidenciar

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Amazônia Oriental Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Embrapa Amazônia Oriental Belém, PA 2015 DIVERGÊNCIA GENÉTICA ENTRE MATRIZES DE

Leia mais

Platelmintos e Nematelmintos

Platelmintos e Nematelmintos Platelmintos e Nematelmintos Verminoses Características PLATELMINTOS:VERMES ACHATADOS Platelmintos: PLATELMINTOS:ESQUISTOSSOMOSE LARVA CERCÁRIA CARAMUJO Biomphalaria FEZES COM OVOS LARVA MIRACÍDIO PLATELMINTOS:ESQUISTOSSOMOSE

Leia mais

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹

Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Transformação genética de milho com construções gênicas contendo o gene AtDREB2A visando tolerância à seca¹ Vanessa Diniz Barcelos Vasconcelos 2, Newton Portilho Carneiro 3 1 Trabalho financiado pelo CNPq/Fapemig

Leia mais

Características vantajosas que tornam o C. elegans um modelo biológica ideal. Curto ciclo de vida (aproximadamente 3.

Características vantajosas que tornam o C. elegans um modelo biológica ideal. Curto ciclo de vida (aproximadamente 3. Os nemátodes são organismos pertencentes ao filo Nemata (=Nematoda), e constituem o mais numeroso grupo de metazoários existente no solo. Para além deste habitat, também se encontram em elevado número

Leia mais

PCR. Transiluminador * Características

PCR. Transiluminador * Características PCR PCR A PCR - reação em cadeia da polimerase - é uma técnica de biologia molecular que permite a replicação in vitro do DNA de maneira eficiente, utilizando amostras que podem ser amplificadas milhões

Leia mais

Biologia Celular e Molecular

Biologia Celular e Molecular DEPARTAMENTO DE ZOOLOGIA FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DE COIMBRA Biologia Celular e Molecular Detecção de proteínas por western-blotting 2007-2008 Na electroforese em gel de poliacrilamida

Leia mais

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa

Sistema reprodutivo Alexandre P. Rosa Fisiologia das aves Sistema reprodutivo Aparelho Reprodutor da Fêmea Espécie Gallus gallus domesticus Até o sétimo dia do desenvolvimento embrionário não existe uma diferenciação entre macho e fêmea. As

Leia mais