ANÁLISE DO CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO DOTADAS DE SERVIÇOS WEB

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO DOTADAS DE SERVIÇOS WEB"

Transcrição

1 Felipe Azevedo Sant Anna ANÁLISE DO CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO DOTADAS DE SERVIÇOS WEB Dissertação apresentada ao Centro de Matemática, Computação e Cognição da Universidade Federal do ABC para obtenção do Título de Mestre em Engenharia da Informação. SANTO ANDRÉ 2010

2 Felipe Azevedo Sant Anna ANÁLISE DO CONSUMO DE ENERGIA EM REDES DE SENSORES SEM FIO DOTADAS DE SERVIÇOS WEB Dissertação apresentada ao Centro de Matemática, Computação e Cognição da Universidade Federal do ABC para obtenção do Título de Mestre em Engenharia da Informação. Orientador: Prof. Dr. Guiou Kobayashi SANTO ANDRÉ 2010

3 Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca da Universidade Federal do ABC SANT'ANNA, Felipe Azevedo Análise do consumo de energia em redes de sensores sem fio dotados de serviços Web / Felipe Azevedo Sant'Anna Santo André : Universidade Federal do ABC, fls. il. 29 cm Orientador: Guiou Kobayashi Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do ABC, Programa de Pós-graduação em Engenharia da Informação, Transferência de estado representacional 2. Protocolo simples de acesso a objetos 3. Redes de sensores sem fio I. KOBAYASHI, Guiou. II. Programa de Pós-graduação em Engenharia da Informação, 2010, III. Título. CDD

4 Para Ana e meus irmãos Douglas e Cássio.

5 Agradecimentos A Deus, por ter me sustentado ao longo desta caminhada. A minha querida Ana e meus irmãos Douglas e Cássio e minha mãe, que sempre me apoiaram incondicionalmente em todos os meus projetos profissionais e acadêmicos. Ao Paulo Arantes de Azambuja, chefe e amigo, que sem sua consideração, eu teria não chegado a este momento e minha vida e carreira. Ao meu orientador Prof. Dr. Guiou Kobayashi pela orientação, apoio e conversas que me impulsionaram ao longo do desenvolvimento deste trabalho. Ao Swedish Institute of Computer Science, pela ajuda e respostas imediatas aos meus s durante o período de configuração do simulador. A todos os amigos que me apoiaram e ajudaram na realização deste trabalho.

6 Resumo Este trabalho avaliou a implementação de duas abordagens de serviços Web - Transferência de Estado Representacional e Protocolo Simples de Acesso a Objetos - com a finalidade de mensurar o consumo de energia em redes de sensores sem fio dotadas de protocolos de Internet, acessadas por aplicações Web consumidoras de serviços, no qual cada nó sensor da rede está capacitado a transmitir e receber informações por meio de serviços Web, permitindo comunicação direta com sistemas executados na Internet. Os resultados obtidos por meio de simulações, utilizando a ferramenta de simulação Cooja em conjunto com o Contiki - sistema operacional para dispositivos de baixa capacidade computacional - mostraram significativa economia no consumo de energia em nós sensores ao utilizarem serviços Web baseados no paradigma Transferência de Estado Representacional, quando comparados à execução de serviços Web que utilizam o Protocolo Simples de Acesso a Objetos. Palavras-chave: Transferência de Estado Representacional, Protocolo Simples de Acesso a Objetos, Redes de Sensores Sem Fio, Serviços Web.

7 Abstract This work evaluated the implementation of two Web services approaches - Representational State Transfer and Simple Object Access Protocol - aiming energy consumption measurement between Internet protocol based wireless sensor networks and consumer services Web applications, which each node in the network is able to transmit and receive information through Web services, enabling direct communication between wireless sensor networks and the Internet. The results obtained from simulations using Cooja simulation tool and Contiki - limited computational resources operating system - showed significant savings in sensor nodes energy consumption when used Representational State Transfer based Web services rather than executing Simple Object Access Protocol based Web services. Keywords: Representational State Transfer, Simple Object Access Protocol, Wireless Sensor Network, Web Services.

8 Sumário Lista de Figuras Lista de Tabelas 1 Introdução Visão Geral Motivação Objetivos Organização Redes de Sensores Sem Fio Fundamentos Arquitetura Comunicação Comunicação entre Redes de Sensores Sem Fio e Internet Uso de Gateways Uso de protocolos de Internet em Nós Sensores Otimizações em Protocolos de Internet Para Nós Sensores Protocolo de Controle de Transmissão IEEE Resumo do capítulo Computação Distribuída Arquitetura da Web Identificador Uniforme de Recursos

9 3.1.2 Protocolo de Transferência de Hipertexto Chamada de Procedimento Remoto Linguagem de Marcação Extensível Protocolo Simples de Acesso a Objetos JavaScript Object Notation Arquiteturas de Software Arquitetura Orientada a Serviços Arquitetura Orientada a Recursos Serviços Web Serviços Web - SOA Serviços Web - ROA Resumo do capítulo Ambiente de simulação Equipamentos Utilizados Softwares Utilizados Plataforma de Simulação Contiki Servidor HTTP IPv X-MAC Resumo do capítulo Testes Realizados por Simulação Cenários Tempo de execução Cenário A Cenário B Cenário C

10 5.2.4 Cenário D Cenário E Consumo de Energia Cenário A Cenário B Cenário C Cenário D Cenário E Resumo do capítulo Discussão dos resultados Serviços Web: REST e SOAP Análise de Serviços Web em RSSF Resumo do capítulo Conclusões e Trabalhos Futuros Sumário Trabalhos Futuros Referências 75 Apêndice A -- Arquivo de configuração do simulador Cooja 81 Apêndice B -- Tabelas com valores extraídos das simulações 85

11 Lista de Figuras 2.1 Redes MANET (Fonte: [Ruiz 2003]) Ilustração da organização RSSFs (Fonte: [Loureiro et al. 2003]) Arquitetura básica de um nó sensor (Fonte: [Delicato et al. 2005]) Sensores conectados à Internet por meio de gateway (adaptado de [Neves 2010]) Sensores com IP acessados por uma aplicação cliente na Internet Requisição com codificação delta Sensor executa a requisição com um cabeçalho ETag Cabeçalho ETag recebido em um If-None-Match Informação não modificada no servidor Captura dos primeiros 45 bytes Requisição HTTP enviada ao servidor Resposta do servidor à requisição do cliente Exemplo de requisição SOAP Exemplo de resposta SOAP Exemplo do formato JSON Estrutura do padrão JSON (Fonte: [JSON 2006]) Níveis de descrição de um sistema (Fonte: [Mendes 2008]) Esquema básico de um serviço Web utilizando arquitetura SOA (adaptado de [Erl 2004]) Esquema básico de um serviço Web utilizando arquitetura ROA (adaptado de [Wright 2006]) Esquematização das tecnologias utilizadas na simulação Simulador Cooja

12 4.3 Informações do sensor Tmote Sky no simulador Cooja Cenário da simulação Acesso ao nó sensor 1, que executa função de roteador de pacotes na rede Esquematização do cenário A Esquematização do cenário B Esquematização do cenário C Esquematização do cenário D Esquematização do cenário E Acesso aos registros de temperatura capturados pelo nó sensor 5 por meio de um navegador Web Acesso aos registros de intensidade de luz capturados pelo nó sensor 4 por meio de um navegador Web Retorno do nó sensor 3, utilizando serviço Web SOAP Tempo de execução dos serviços Web no cenário A Tempo de execução dos serviços Web no cenário B Tempo de execução dos serviços Web no cenário C Tempo de execução dos serviços Web no cenário D Tempo de execução dos serviços Web no cenário E Análise do consumo de energia no cenário A Análise do consumo de energia no cenário B Análise do consumo de energia no cenário C Análise do consumo de energia no cenário D Análise do consumo de energia no cenário E Análise do consumo de energia com base nos protocolos de MAC Principais componentes consumidores de energia em um nó sensor. 71

13 Lista de Tabelas 2.1 Configurações de RSSFs [Ruiz 2003] Meios de sensoriamento em uma RSSF [Loureiro et al. 2002] Principais elementos de um envelope SOAP Tecnologias comuns em serviços Web Comparação entre tecnologias que implementam SOA (extraído de: [Newcomer e Lomow 2004]) Informações sobre o tamanho da requisição/retorno do serviço Web para captura de sensoriamento de temperatura Informações sobre o tamanho da requisição/retorno do serviço Web para captura de sensoriamento de luz Informações sobre o tamanho da requisição/retorno do serviço Web para captura de informações dos sensores B.1 Tempo de execução no cenário A (segundos) B.2 Energia consumida no cenário A (mw) B.3 Tempo de execução no cenário B (segundos) B.4 Energia consumida no cenário B (mw) B.5 Tempo de execução no cenário C (segundos) B.6 Energia consumida no cenário C (mw) B.7 Tempo de execução no cenário D (segundos) B.8 Energia consumida no cenário D (mw) B.9 Tempo de execução no cenário E (segundos) B.10 Energia consumida no cenário E (mw)

14 LISTA DE ABREVIATURAS 6LoWPAN IPv6 over Low power Wireless Personal Area Networks ALG Application Layer Gateway AP Access Point API Application Programming Interface CORBA Common Object Request Broker Architecture CPU Central Process Unit DSSS direct sequence spread spectrum DTD Document Type Definition ESB Enterprise Service Bus HTML HyperText Markup Language HTTP Hypertext Transfer Protocol IRC Internet Relay Chat IEEE Institute of Electrical and Electronics Engineers IETF Internet Engineering Task Force IP Internet Protocol IPv4 Internet Protocol version 4 IPv6 Internet Protocol version 6 JSON JavaScript Object Notation LPP Lower Power Probing MAC Media Access Control MANET Mobile Ad Hoc Network MIME Multipurpose Internet Mail Extension OASIS Organization for the Advancement of Structured Information Standards

15 OOA Object-Oriented Architeture P2P Peer to Peer PDA Personal Digital Assistant PC Personal Computer QoS Quality of Service REST Representational State Transfer RFC Request For Comments RJE Remote Job Entry RMI Remote Method Invocation ROA Resource-Oriented Architeture RPC Remote Procedure Call RSSF Wireless Sensor Network SGML Standard Generalized Markup Language SOA Service-Oriented Architecture SOAP Simple Object Access Protocol TCP Transmission Control Protocol UDDI Universal Distribution, Discovery and Interoperabilty W3C World Wide Web Consortium XHTML extensible Hypertext Markup Language XSLT extensible Stylesheet Language for Transformation XML Extensible Markup Language YAML YAML Ain t Markup Language WADL Web Application Description Language WiFi Wireless Fidelity WiMax Worldwide Interoperability for Microwave Access

16 WLAN Wireless Local Area Network WSDL Web Services Description Language WSN Wireless Sensor Network

17 1 1 Introdução Desde as primeiras idéias introduzidas por Mark Weiser em seu famoso artigo The Computer for the 21st Century [Weiser 1991], onde foram propostos conceitos iniciais sobre dispositivos computacionais sem fios conectados à Internet, isto é, uma rede onipresente de computadores, muitas transformações ocorreram no campo da computação ubíqua, computação paralela, entre outros campos. O termo Computação Ubíqua refere-se a ambientes saturados de dispositivos computacionais e redes de comunicação sem fio, que se integram naturalmente à atividade humana. Segundo [Weiser 1991], as mais profundas tecnologias são as que se tornam invisíveis no ambiente em que se encontram. Neste sentido a computação ubíqua pode ser considerada o oposto da realidade virtual. Enquanto na segunda o usuário penetra no mundo virtual criado pelos computadores, na primeira é a computação que penetra no mundo físico do usuário, construindo a ponte que liga esses dois mundos. Neste capítulo será apresentada uma visão geral sobre a área de Redes de Sensores Sem Fio (RSSF), levantando a problemática que se refere à economia de recursos computacionais em dispositivos móveis para sensoriamento, abordando a utilização de serviços Web para fins de comunicação entre nós sensores e a Internet, de forma econômica e eficiente. 1.1 Visão Geral A expansão da área de sistemas ubíquos têm abrangido cada vez mais setores de diversas áreas de pesquisa, indústria, medicina, entre outros, principalmente com o crescente número de tecnologias e protocolos que possuem características adequadas para dispositivos móveis, com severas restrições de energia, memória e processamento intrínsecas em suas arquiteturas. Tais tecnologias têm sido desenvolvidas para aumentar o desempenho e o campo de aplicação desses dispositivos. Uma RSSF é composta por dezenas a milhares de dispositivos de baixo custo

18 1.1 Visão Geral 2 e tamanho reduzido capazes de realizar sensoriamento, processamento e transmissão de informação por meio de enlaces sem fio. Sensores são alimentados por baterias e devem operar sem assistência humana por longos períodos de tempo [Delicato et al. 2005]. Como a maior fonte de consumo de energia nos sensores é dada pela transmissão de informações [Ruiz 2003, Loureiro et al. 2003], os protocolos de comunicação para RSSFs visam propor soluções para minimizar a quantidade e o alcance das transmissões a fim de estender o tempo de vida global da rede. Com mínimos recursos computacionais disponíveis para cada nó sensor, muitos desafios são encontrados e muitos cuidados específicos devem ser tomados para fazer uso eficiente dos mínimos recursos disponíveis, de forma a contornar as adversidades impostas a estes dispositivos, sendo estes parte integrante de várias áreas de pesquisa, como automação industrial [Singhvi et al. 2005], tratamentos médicos [Welsh et al. 2003], monitoramento ambiental e de habitats [Juang et al. 2002, Mainwaring et al. 2002, Laffea et al. 2006], entre outras, sendo apontadas como uma das principais tecnologias do século XXI [Gross 1999, Neves 2010]. Dentro de uma RSSF, a maioria dos protocolos para troca de informações entre sensores baseia-se na comunicação de curto alcance em múltiplos saltos (multihop) e adota algum mecanismo de agregação a fim de reduzir a quantidade de dados a ser transmitida. Além de possuir recursos escassos, tanto computacionais quanto de energia, outra característica das RSSFs é sua estrutura organizacional e topológica altamente dinâmica [Loureiro et al. 2002]. Portanto, RSSFs devem possuir algum grau de auto-organização e adaptação. O principal objetivo das RSSF é prover serviços de sensoriamento para usuários, sendo estes humanos ou outros sistemas. A Internet atualmente possui em torno de 1 bilhão de usuários no mundo inteiro, o que faz sentido disponibilizar serviços RSSF para esta comunidade em constante crescimento [Kim et al. 2007]. Internet dos computadores está se tornando a Internet da máquinas ou a tangível Internet, uma rede global que conecta não apenas computadores, mas todos os tipos de máquinas, como aparelhos domésticos, telefones celulares, e adequandose cada vez mais a inserção de RSSF nesse meio [Neves 2010]. µip [Dunkels 2010] alterou a percepção de que o protocolo de Internet (Internet Protocol (IP)) possuía características incompatíveis para pequenos dispositivos móveis, demonstrando a sua viabilidade em microcontroladores 8-bits [Dunkels 2003]. µip evoluiu para fazer a inclusão do padrão IEEE , mostrando a viabilidade do uso de protocolo de Internet em RSSF. Desta forma, verificando a possibilidade de implementação de IP em pequenos dispositivos, a

19 1.1 Visão Geral 3 IETF (Internet Engineering Task Force) formou o grupo de trabalho 6LoWPAN (IPv6 over Low power Wireless Personal Area Networks) [Nanostack 2010], com a finalidade de mapear IPv6 e protocolos de suporte para nós sensores sem fio com capacidade de energia baixa utilizando uma interface IEEE O grupo produziu a RFC 4944 que especifica como datagramas IPv6 são carregados em frames , suportando fragmentação e compressão de cabeçalho [Hui e Culler 2008, Montenegro et al. 2007], concretizando a denominada Internet das Coisas (Internet of Things) [MIT 2010], termo criado no laboratório do MIT para desenvolvimento de tecnologias como RSSFs conectados à Internet. Estes sensores possuem as características de sensoriamento aliadas a ferramentas e protocolos que os permitem disponibilizar os dados monitorados diretamente para aplicações clientes na Internet. Para RSSF dotadas de protocolos de Internet, as funcionalidades da rede podem ser disponibilizadas como serviços Web, possibilitando acessos dos dados monitorados pelos sensores por qualquer aplicação usuária com acesso a Internet, de modo independente de linguagem e plataforma. Do ponto de vista da rede, o sistema permite obter a melhor combinação entre protocolos de comunicação e requisitos da aplicação, a fim de atingir uma maior eficiência da rede em termos de consumo de energia [Delicato 2005]. A rede de sensores passa a funcionar como um mecanismo genérico e configurável de extração de dados ambientais, podendo adaptar-se a diferentes missões. A utilização de serviços Web que fazem uso do Protocolo Simples de Acesso a Objetos (Simple Object Access Protocol (SOAP)) é atualmente a abordagem mais tradicional na execução de serviços Web, onde é requerida a transferência de informações de grande quantidade e complexidade entre sistemas. A robustez do protocolo SOAP, aliada a crescente pilha WS*-, além grande quantidade de ferramentas criadas para bem uso deste paradigma fazem a mesma ter uma grande aceitação no mercado. Porém, esta abordagem traz consigo relevantes pontos a serem discutidos quando tenta-se fazer uso desse conjunto de tecnologias em aplicações com variadas limitações e restrições computacionais e físicas. Em primeiro lugar, verifica-se o fato da utilização dos protocolos adicionais, além dos protocolos padrões disponíveis na Internet, como o Protocolo de Transferência de Hipertexto (Hypertext Transfer Protocol (HTTP)), o Protocolo de Controle de Transmissão (Transmission Control Protocol (TCP)) e IP e que já possuem versões adaptadas para dispositivos como sensores sem fio. Esses protocolos, como o Protocolo Simples de Acesso a Objetos (Simple Object Access Protocol (SOAP)), encarecem em termos de recursos utilizados, o processo de

20 1.2 Motivação 4 troca de informações pela Internet. Em segundo lugar, verifica-se o significativo custo adicional (overhead) gerado pela tradicional sintaxe SOAP-XML, que para um dispositivo dotado de severas restrições de memória, bateria e processamento, necessitando de um parser específico para processamento das informações recebidas e também para transmitir informações nesse padrão, que como já citado anteriormente, está entre as maiores formas de consumo de energia nesse tipo de dispositivo. No ano 2000, Roy Fielding defendeu sua tese de doutorado, tendo como tema central a utilização de um conjunto de princípios e regras para efetuar acessos e operações em documentos de hipermídia [Fielding 2000]. A partir deste conjunto de regras, surgiu o estilo arquitetural de software denominado Transferência de Estado Representacional (Representational State Transfer (REST)). O estilo arquitetural de software REST conglomera as regras baseadas nos métodos definidos pelo protocolo HTTP. Dentre esses métodos, são os principais: GET, POST, PUT, DELETE. Assim, seguindo os princípios REST, utiliza-se apenas os métodos definidos pelo protocolo HTTP, para execução de ações em documentos na Internet [Sandoval 2009]. Desta forma, aliando a eficiência e a baixa curva de aprendizado dos princípios arquiteturais REST com a proposta da Internet of Things [MIT 2010], este trabalho avaliou, a partir de análises comparativas dadas por meio de simulações, a utilização da duas abordagens distintas de serviços Web para fins de integração e trocas de informações entre redes de sensores sem fio e aplicações na Internet. 1.2 Motivação Há uma ampla gama de aplicações para RSSFs, com diferentes requisitos. Vários trabalhos destacam a importância da participação da aplicação no processo de comunicação em RSSFs [Tilak, Abu-ghazaleh e Heinzelman 2002] e [Heideman, Silva e Estrin 2003]. Otimizações específicas da aplicação podem reduzir o número de transmissões e, por conseguinte, o consumo total de energia na rede. Os autores em [Tilak, Abu-ghazaleh e Heinzelman 2002] classificam as RSSFs quanto ao modo de entrega de dados da aplicação em contínuas, dirigidas a eventos, iniciadas pelo observador e híbridas. Cada classe tem suas necessidades específicas e é melhor atendida por um tipo de protocolo de comunicação. Uma questão importante, então, passa a ser a seleção do protocolo mais adequado

21 1.2 Motivação 5 a cada classe de aplicação. Em [Heideman, Silva e Estrin 2003] observou-se que uma cuidadosa escolha do protocolo pode diminuir a quantidade global de tráfego na rede em até 50%, aumentando a eficiência da rede em termos de consumo de energia. Entretanto, em geral é uma tarefa complexa para os desenvolvedores de aplicações escolherem o protocolo de rede que melhor se adapte as suas necessidades. Apesar das vantagens comprovadas das tecnologias tradicionais de middleware, poucos trabalhos em RSSFs têm considerado essas tecnologias no projeto das redes. RSSFs têm sido construídas com um alto grau de dependência entre as aplicações e os protocolos de comunicação. A justificativa para essa dependência é a necessidade de eficiência em termos de energia. Os trabalhos atuais assumem que deve haver um forte acoplamento entre as camadas da pilha de protocolos a fim de prover tal eficiência [Delicato et al. 2005]. Entretanto, isso gera a construção de sistemas rígidos, com redes de sensores projetadas exclusivamente para aplicações específicas. RSSFs do futuro deverão atender diferentes usuários, com necessidades dinâmicas, sendo necessário um maior grau de flexibilidade no projeto das redes. A integração entre RSSF e a World Wide Web, deve ser estabelecida por um meio onde a troca de informações seja simples eficiente e vise economia dos recursos dos nós sensores. A utilização de serviços Web tem sido uma abordagem que cada vez mais alcança estes requisitos mencionados. As abordagens mais comuns remetentes a serviços Web são baseadas na troca de informações por meio de mensagens SOAP. Porém existem alguns fatores que fazem este tipo de troca de informação ser desvantajoso: em primeiro lugar, mensagens SOAP utilizam a Web como um meio de transporte e não um componente de integração. Em segundo lugar, este tipo de comunicação consome mais energia e é mais complexa que abordagem RESTful em termos de memória, largura de banda e requisitos computacionais, especialmente pelo fato da camada SOAP e a crescente pilha dos protocolos de comunicação dos padrões de serviços Web (WS-*). Ainda relacionado a este fato, é possível discutir sobre tradicionais fornecedores de middlewares, como Common Object Request Broker Architecture(CORBA) e Distributed Component Object Model (DCOM) [Yazar e Dunkels 2009], que, neste contexto, acabam fornecendo as mesmas desvantagens que serviços Web baseados em SOAP, além da desvantagem adicional de não funcionarem através de firewall ou servidores proxy, já que o protocolo HTTP não é empregado nos mesmos.

22 1.3 Objetivos Objetivos Com base nas necessidades específicas de economia de recursos computacionais em redes de sensores sem fio, este trabalho tem como objetivo e contribuição, analisar por meio de testes e simulações, o uso de um eficiente e econômico paradigma de troca de informações entre RSSF e aplicações clientes por meio da Internet utilizando serviços Web. A partir do tema proposto, este trabalho avalia a economia de recursos computacionais em redes de sensores sem fio do ponto de vista da utilização de serviços Web nas abordagens SOAP e REST, efetuando trocas de informações entre redes de sensores sem fio e aplicações Web por meio da Internet, objetivando-se, desta forma: Analisar uma forma alternativa de integração entre redes de sensores sem fio e a Web que proporcione baixa complexidade na utilização por parte de usuários (máquinas ou humanos) e facilidade de manutenção para desenvolvedores, isto é, utilizar a abordagem REST para comunicação entre aplicações clientes e nós sensores por meio da Internet; Verificar por meio de análises e simulações comparativas o paradigma para execução de serviços Web que implique em um menor consumo de energia por parte dos dispositivos sensores. 1.4 Organização O trabalho que se segue está dividido nos seguintes capítulos: no capítulo 2 é feita uma revisão básica dos conceitos de redes de sensores em fio; no capítulo 3 é feita a revisão bibliográfica sobre temas relacionados à computação distribuída, como chamadas de procedimentos remotos, linguagens de intercâmbio de dados e arquiteturas de software, serviços Web, entre outros temas relevantes que proporcionam embasamento teórico a este trabalho. No capítulo 4 é descrita as ferramentas e softwares empregados para desenvolvimento deste trabalho; no capítulo 5 tem-se a transcrição das simulações realizadas, explicitando parâmetros utilizados para a realização dos testes, como tempo de execução e consumo de energia nos cenários definidos; no capítulo 6 é feita a discussão com base nas análises dos resultados obtidos por meio das simulações; finalmente no capítulo 7 é realizada a conclusão deste trabalho, descrevendo sumariamente os tópicos e apontando as

23 1.4 Organização 7 conclusões encontradas com o desenvolvimento do mesmo. Para o encerramento das conclusões, alguns temas relevantes para trabalhos futuros são apresentados.

24 8 2 Redes de Sensores Sem Fio 2.1 Fundamentos As RSSFs são descritas como uma subclasse das redes do tipo ad hoc [Corson, Macker e Cirincione 2002]. Estas são caracterizadas por efetuarem a descentralização de requisições e respostas entre os componentes atuantes na rede pela ausência de um ponto de coleta que centraliza os dados. Qualquer dispositivo pertencente a esta rede é capaz de efetuar roteamento de dados, trabalhando em colaboração com requisições e e recepções de dispositivos adjacentes. Outra subclasse das redes ad hoc são as redes ad hoc móveis, conhecidas como MANET (Mobile Ad hoc Network) [Corson e Macker 1999]. Nestas redes, os dispositivos participantes podem se movimentar e criar novas topologias de rede, independente de qualquer infraestrutura. Possuindo alcance pequeno de rádio, em caso dos dados solicitados estarem presentes em um dispositivo que não possui alcance direto ao solicitante, dispositivos que compõem as MANETs utilizam o recurso de tráfego dados por meio de múltiplos saltos (hops) fazendo com que a informação encontre o dispositivo que fez a solicitação. Por tal razão, as MANETs são também conhecidas como redes multi-hop. A Figura 2.1 apresenta um exemplo de MANET com dispositivos diversos do dia a dia que poderiam trocar informações entre si. RSSFs são geralmente formadas por grandes quantidades de dispositivos chamados nós sensores, os quais podem ser distribuídos em ambientes com diferentes características, incluindo áreas onde a presença humana para administração e manutenção seja difícil ou impossível, como em vulcões, matas fechadas ou até mesmo em um território hostil devido à ocorrência de uma guerra [Ruiz et al. 2004]. A característica fundamental de um projeto de RSSF é capturar dados em um ambiente, executar ou não algum processamento sobre eles dependendo da política implementada nessa rede, e encaminhá-los a um ponto de acesso com o objetivo de que um observador externo possa monitorar remotamente essa área de interesse.

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Trabalho de Sistemas Distribuídos

Trabalho de Sistemas Distribuídos Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Petrópolis 2015, v-1.0 Cássio de Olivera Ferraz Trabalho de Sistemas Distribuídos Trabalho sobre sistemas distribuídos e suas tecnologias. Universidade

Leia mais

Integração de redes de sensores sem fio com a Internet

Integração de redes de sensores sem fio com a Internet Integração de redes de sensores sem fio com a Internet 9th International Information and Telecommunication Technologies Symposium (I2TS 2010) 13 de dezembro 1 Visão geral de RSSFs Motivação para integrar

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Motivação Realidade Atual Ampla adoção das diversas tecnologias de redes de computadores Evolução das tecnologias de comunicação Redução dos

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

A Camada de Rede. A Camada de Rede

A Camada de Rede. A Camada de Rede Revisão Parte 5 2011 Modelo de Referência TCP/IP Camada de Aplicação Camada de Transporte Camada de Rede Camada de Enlace de Dados Camada de Física Funções Principais 1. Prestar serviços à Camada de Transporte.

Leia mais

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto

Introdução a computação móvel. Middlewares para Rede de Sensores sem Fio. Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Introdução a computação móvel Monografia: Middlewares para Rede de Sensores sem Fio Uma avaliação na ótica de Adaptação ao Contexto Adriano Branco Agenda Objetivo do trabalho O que é uma WSN Middlewares

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 1 Gustavo Reis gustavo.reis@ifsudestemg.edu.br - O que é a Internet? - Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais - Executando aplicações

Leia mais

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos

REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos REST Um Estilo de Arquitetura de Sistemas Distribuídos Márcio Alves de Araújo¹, Mauro Antônio Correia Júnior¹ 1 Faculdade de Computação Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Monte Carmelo MG Brasil

Leia mais

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural

Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP. Modelo Arquitetural Arquitetura e Protocolos de Rede TCP/IP Modelo Arquitetural Agenda Motivação Objetivos Histórico Família de protocolos TCP/IP Modelo de Interconexão Arquitetura em camadas Arquitetura TCP/IP Encapsulamento

Leia mais

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5

Projetos I Resumo de TCC. Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 Projetos I Resumo de TCC Luiz Rogério Batista De Pieri Mat: 0413829 5 MAD RSSF: Uma Infra estrutura de Monitoração Integrando Redes de Sensores Ad Hoc e uma Configuração de Cluster Computacional (Denise

Leia mais

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross

Redes. Pablo Rodriguez de Almeida Gross Redes Pablo Rodriguez de Almeida Gross Conceitos A seguir serão vistos conceitos básicos relacionados a redes de computadores. O que é uma rede? Uma rede é um conjunto de computadores interligados permitindo

Leia mais

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões

FACSENAC. Versão:1.5. Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes. Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0. Histórico de revisões FACSENAC ECOFROTA Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.5 Data: 21/11/2013 Identificador do documento: Projeto Lógico de Redes Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: FacSenac

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS

SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1 2 Caracterização de Sistemas Distribuídos: Os sistemas distribuídos estão em toda parte. A Internet permite que usuários de todo o mundo acessem seus serviços onde quer que possam estar. Cada organização

Leia mais

COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS

COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS COMPORTAMENTO DO ESCALONAMENTO DE REDES INFRAESTRUTURADA ATRAVÉS DE MÉTODOS COMPUTACIONAIS Ligia Rodrigues Prete 1, Ailton Akira Shinoda 2 1 Faculdade de Tecnologia de Jales, Centro Paula Souza, Jales,

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder. Escreva as suas respostas nesta folha de teste, marcando um círculo em volta da opção ou opções que considere

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M Tanenbaum Redes de Computadores Cap. 1 e 2 5ª. Edição Pearson Padronização de sistemas abertos à comunicação Modelo de Referência para Interconexão de Sistemas Abertos RM OSI Uma

Leia mais

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos

UNIVERSIDADE. Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Sistemas Distribuídos Ciência da Computação Prof. Jesus José de Oliveira Neto Web Services Web Services Existem diferentes tipos de comunicação em um sistema distribuído: Sockets Invocação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula Complementar - MODELO DE REFERÊNCIA OSI Este modelo se baseia em uma proposta desenvolvida pela ISO (International Standards Organization) como um primeiro passo em direção a padronização dos protocolos

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Sistemas Distribuídos Comunicação entre Processos em Sistemas Distribuídos: Middleware de comunicação Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Comunicação em sistemas distribuídos é um ponto fundamental

Leia mais

Redes de Sensores sem Fio: um levantamento *

Redes de Sensores sem Fio: um levantamento * Redes de Sensores sem Fio: um levantamento * Douglas Machado Monteiro 1, Francisco Tiago Avelar 1 1 Curso de Ciência da Computação Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) {avelar, douglas}@inf.ufsm.br

Leia mais

WWW - World Wide Web

WWW - World Wide Web WWW World Wide Web WWW Cap. 9.1 WWW - World Wide Web Idéia básica do WWW: Estratégia de acesso a uma teia (WEB) de documentos referenciados (linked) em computadores na Internet (ou Rede TCP/IP privada)

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio

O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio O Avanço da Tecnologia de Comunicação com o Uso de Simulador para a Modelagem em Redes Mistas Cabeadas e Sem Fio LÍGIA RODRIGUES PRETE Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza, Faculdade de

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 2 - MODELO DE REFERÊNCIA TCP (RM TCP) 1. INTRODUÇÃO O modelo de referência TCP, foi muito usado pela rede ARPANET, e atualmente usado pela sua sucessora, a Internet Mundial. A ARPANET é de grande

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso

Universidade Federal de Mato Grosso Universidade Federal de Mato Grosso Programação III Curso de Ciência da Computação Prof. Thiago P. da Silva thiagosilva@ufmt.br Material basedado em [Kurose&Ross 2009] e [Gonçalves, 2007] Agenda Internet

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

XHTML 1.0 DTDs e Validação

XHTML 1.0 DTDs e Validação XHTML 1.0 DTDs e Validação PRnet/2012 Ferramentas para Web Design 1 HTML 4.0 X XHTML 1.0 Quais são os três principais componentes ou instrumentos mais utilizados na internet? PRnet/2012 Ferramentas para

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS

ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS ANÁLISE DE REDES HIERÁRQUICAS PARA ATENDIMENTO DE LOCAIS REMOTOS Fabiana da Silva Podeleski Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC podeleski@yahoo.com.br Prof. Dr. Omar Carvalho Branquinho Grupo de Pesquisa

Leia mais

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4

Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Sistemas Distribuídos Capítulos 3 e 4 - Aula 4 Aula passada Threads Threads em SDs Processos Clientes Processos Servidores Aula de hoje Clusters de Servidores Migração de Código Comunicação (Cap. 4) Fundamentos

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Protocolos de gerenciamento

Protocolos de gerenciamento Protocolos de gerenciamento Os protocolos de gerenciamento têm a função de garantir a comunicação entre os recursos de redes homogêneas ou não. Com esse requisito satisfeito, operações de gerenciamento

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

Autores: Ruy de Oliveira Wendell Farias 2014 1

Autores: Ruy de Oliveira Wendell Farias 2014 1 Autores: Ruy de Oliveira Wendell Farias 2014 1 Tópicos Introdução às Redes de Sensores Sem Fio RSSF Modos de funcionamento Principais aplicações dessas redes Desafios Considerações Finais Demonstrações

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES

INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES Sistema de Informação e Tecnologia FEQ 0411 Prof Luciel Henrique de Oliveira luciel@uol.com.br Capítulo 5 INFRAESTRUTURA DE TI E TECNOLOGIAS EMERGENTES PRADO, Edmir P.V.; SOUZA, Cesar A. de. (org). Fundamentos

Leia mais

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP

TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP TCP/IP TCP UDP IP HTTP HTTPS FTP TFTP TELNET POP3 IMAP SMTP SNMP DHCP HTTP (Hypertext Transfer Protocol ) Protocolo usado na Internet para transferir as páginas da WWW (WEB). HTTPS (HyperText Transfer

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Introdução a Web Services

Introdução a Web Services Introdução a Web Services Mário Meireles Teixeira DEINF/UFMA O que é um Web Service? Web Service / Serviço Web É uma aplicação, identificada por um URI, cujas interfaces podem ser definidas, descritas

Leia mais

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web

Autoria Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação e Visão Geral sobre a Web Apresentação Thiago Miranda Email: mirandathiago@gmail.com Site: www.thiagomiranda.net Objetivos da Disciplina Conhecer os limites de atuação profissional em Web

Leia mais

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL

Sistemas Distribuídos na Web. Pedro Ferreira DI - FCUL Sistemas Distribuídos na Web Pedro Ferreira DI - FCUL Arquitetura da Web Criada por Tim Berners-Lee no CERN de Geneva Propósito: partilha de documentos Desde 1994 mantida pelo World Wide Web Consortium

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064

Sistemas Distribuídos. Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Professora: Ana Paula Couto DCC 064 Sistemas Distribuídos Basedos na Web Capítulo 12 Agenda Arquitetura Processos Comunicação Nomeação Sincronização Consistência e Replicação Introdução

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web

PRnet/2013. Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Linguagem de Programação Web Prnet/2013 Linguagem de Programação Web» Programas navegadores» Tipos de URL» Protocolos: HTTP, TCP/IP» Hipertextos (páginas WEB)» HTML, XHTML»

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012

Tecnologias da Internet (T) Avaliação de Frequência (v1) 60 minutos * 09.05.2012 1 Este é o seu teste de avaliação de frequência. Leia as perguntas com atenção antes de responder e tenha atenção que algumas perguntas podem ter alíneas de resposta em páginas diferentes. Escreva as suas

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP

ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP CURITIBA 2006 ALCY JOSÉ VIEIRA NETO ALEXANDRE SOHN CINTIA CAVICHIOLO PROTOCOLO HTTP Trabalho apresentado para a disciplina de REDES,

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto

UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO. Série Ponto UM NOVO CONCEITO EM AUTOMAÇÃO Série Ponto POR QUE NOVO CONCEITO? O que é um WEBPLC? Um CP na WEB Por que usar INTERNET? Controle do processo de qualquer lugar WEBGATE = conexão INTERNET/ALNETII WEBPLC

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 1- MODELO DE CAMADAS 1. INTRODUÇÃO A compreensão da arquitetura de redes de computadores envolve a compreensão do modelo de camadas. O desenvolvimento de uma arquitetura de redes é uma tarefa complexa,

Leia mais

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas

Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas Gerenciamento de Rede Baseado em Políticas (Policy-Based Networking) Ademir José de Carvalho Junior Recife, Fevereiro de 2007 Resumo: A complexidade das redes baseadas em IP atualmente segue crescendo

Leia mais

Tutorial sobre Redes de Sensores

Tutorial sobre Redes de Sensores Tutorial sobre Redes de Sensores Marluce R. Pereira e Cláudio L. de Amorim Programa de Engenharia de Sistemas e Computação COPPE/UFRJ, Brasil (marluce,amorim)@cos.ufrj.br Maria Clicia Stelling de Castro

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III

APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III APOSTILA DE REDES DE COMPUTADORES PARTE - III 1 REDE DE COMPUTADORES III 1. Introdução MODELO OSI ISO (International Organization for Standardization) foi uma das primeiras organizações a definir formalmente

Leia mais

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira

Wireshark. Captura de Protocolos da camada de aplicação. Maicon de Vargas Pereira Wireshark Captura de Protocolos da camada de aplicação Maicon de Vargas Pereira Camada de Aplicação Introdução HTTP (Hypertext Transfer Protocol) 2 Introdução Camada de Aplicação Suporta os protocolos

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira REDES DE COMPUTADORES Engenharia de Computação CONCEITO Dois ou mais computadores conectados entre si permitindo troca de informações, compartilhamento de

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

3 Ferramenta de Simulação

3 Ferramenta de Simulação 3 Ferramenta de Simulação Para definir a ferramenta de simulação a ser utilizada para implementação do protocolo HIP e para coleta dos resultados de simulação com uso desse protocolo, realizou-se um estudo

Leia mais

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB

REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI. Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB REDES AD-HOC MARCELO BORGES DE ANDRADE RODRIGO COLLI Departamento de Engenharia Instituto de Educação Superior de Brasília - IESB http://www.iesb.br e-mail: marcelo.andrade@ig.com.br rodrigo.colli@esporte.gov.br

Leia mais

Redes de Computadores LFG TI

Redes de Computadores LFG TI Redes de Computadores LFG TI Prof. Bruno Guilhen Camada de Aplicação Fundamentos Fundamentos Trata os detalhes específicos de cada tipo de aplicação. Mensagens trocadas por cada tipo de aplicação definem

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES 09/2013 Cap.3 Protocolo TCP e a Camada de Transporte 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura da bibliografia básica. Os professores

Leia mais

Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC

Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC Um Estudo sobre a Otimização do Protocolo de Roteamento para Redes de Sensores Sem Fio PROC Brito, C.G. 1, Medeiros J.W.¹, Lima, R. W.¹, Ribeiro Neto, P. F.², Santos, J.F.² 1 Laboratório de Redes e Sistemas

Leia mais

REST. Caio Nakashima caio.nakashima@mds.gov.br caionakashima@gmail.com

REST. Caio Nakashima caio.nakashima@mds.gov.br caionakashima@gmail.com REST Caio Nakashima caio.nakashima@mds.gov.br caionakashima@gmail.com 1 RESTful REpresentation State Transfer Estilo de arquitetura de software para sistemas distribuídos Termo proposto por Roy Fielding

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I Redes de Computadores I Introdução a Redes de Computadores Prof. Esbel Tomás Valero Orellana Usos de Redes de Computadores Uma rede de computadores consiste de 2 ou mais computadores e/ou dispositivos

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Introdução Redes

Leia mais

Proposição de Novos Serviços para o SEMSuS: Middleware para Redes de Sensores sem fio baseado em Serviços Semânticos

Proposição de Novos Serviços para o SEMSuS: Middleware para Redes de Sensores sem fio baseado em Serviços Semânticos Proposição de Novos Serviços para o SEMSuS: Middleware para Redes de Sensores sem fio baseado em Serviços Semânticos Marianna Angélica de Araújo 1, Francisco Cassimiro Neto 2, Cláudia Maria Fernandes Araújo

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Voz em ambiente Wireless

Voz em ambiente Wireless Voz em ambiente Wireless Mobilidade, acesso sem fio e convergência são temas do momento no atual mercado das redes de comunicação. É uma tendência irreversível, que vem se tornando realidade e incorporando-se

Leia mais

O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015

O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015 O Modelo OSI Open Systems Interconection Redes Industriais Semestre 02/2015 Engenharia de Controle e Automação Introdução Dentro de uma rede, a comunicação entre controladores e estações é possível pela

Leia mais

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software

Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Software Disciplina: Redes de Computadores 2. Arquiteturas de Redes: Modelo em camadas Prof. Ronaldo Introdução n Redes são

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta

Protocolo. O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Protocolo O que é um protocolo? Humano: que horas são? eu tenho uma pergunta Máquina: Definem os formatos, a ordem das mensagens enviadas e recebidas pelas entidades de rede e as ações a serem tomadas

Leia mais

O que são DNS, SMTP e SNM

O que são DNS, SMTP e SNM O que são DNS, SMTP e SNM O DNS (Domain Name System) e um esquema de gerenciamento de nomes, hierárquico e distribuído. O DNS define a sintaxe dos nomes usados na Internet, regras para delegação de autoridade

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Web Services. (Introdução)

Web Services. (Introdução) Web Services (Introdução) Agenda Introdução SOA (Service Oriented Architecture) Web Services Arquitetura XML SOAP WSDL UDDI Conclusão Introdução Comunicação distribuída Estratégias que permitem a comunicação

Leia mais

Extensões MIDP para Web Services

Extensões MIDP para Web Services Extensões MIDP para Web Services INF-655 Computação Móvel Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática MIDP Architecture MIDP = Mobile Information Device Profile Connection Framework HttpConnection

Leia mais