1. (PT) - Público, 20/02/2014, Ministro quer que tempos de espera para exames passem a ser controlados como nas cirurgias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. (PT) - Público, 20/02/2014, Ministro quer que tempos de espera para exames passem a ser controlados como nas cirurgias"

Transcrição

1

2 Revista de Imprensa (PT) - Público, 20/02/2014, Ministro quer que tempos de espera para exames passem a ser controlados como nas cirurgias 1 2. (PT) - Diário de Notícias, 20/02/2014, Efeito dos remédios para o cancro avaliado por registo oncológico 2 3. (PT) - Público, 20/02/2014, Doentes esperam quatro meses por uma consulta 3 4. (PT) - Destak, 20/02/2014, Contratação de 200 médicos 4 5. (PT) - Página 1, 19/02/2014, "Os médicos não têm de entrar todos no SNS" 5 6. (PT) - Diário de Notícias, 20/02/2014, Médicos que chumbem podem voltar a exame no ano seguinte 8 7. (PT) - Jornal de Notícias, 20/02/2014, Médicos contra comércio ilegal na profissão 9 8. (PT) - Diário de Notícias, 20/02/2014, Cerca de 40 médicos arriscam expulsão da Ordem por fraudes (PT) - Diário de Notícias, 20/02/2014, Vacinados 1,5 milhões com mais de 60 anos (PT) - Diário de Aveiro, 19/02/2014, ARS Norte promete unidade de saúde familiar para Sardoura (PT) - Correio do Minho, 19/02/2014, Centro Clínico Académico prevê ensaios com doentes saudáveis (PT) - Correio da Manhã, 20/02/2014, População contra linha de alta tensão (PT) - Diário do Minho, 19/02/2014, Concurso premiou melhores slogans sobre tabagismo (PT) - Visão, 20/02/2014, Cancros da mama e do pulmão a aumentar (PT) - Correio da Manhã, 20/02/2014, Mamografias podem diminuir (PT) - Visão, 20/02/2014, Fazer ou não fazer, eis a questão (PT) - Correio da Manhã, 20/02/2014, Cegueira ninisterial (PT) - Visão, 20/02/2014, Correio - Check up ao SNS (PT) - Sábado, 20/02/2014, Estar sentado pode matá-lo (PT) - Comunicações, 01/02/2014, "Saúde: Um setor convergente" (PT) - OJE, 20/02/2014, Células estaminais e cardiologia: onde estamos e para onde vamos? (PT) - i, 20/02/2014, "A eutanásia resulta muitas vezes de inseguranças dos médicos" - Entrevista a José Luís Pereira (PT) - Público, 20/02/2014, Quase 57% dos africanos vivem em regiões onde é fácil contrair malária (PT) - Jornal de Notícias, 20/02/2014, Governo faz nova purga de funcionários públicos com menos qualificações 34

3 A1 ID: Tiragem: DANIEL ROCHA Pág: 21 Área: 10,46 x 30,09 cm² Corte: 1 de 1 Paulo Macedo diz que listas de espera para exames, sempre houve Ministro quer que tempos de espera para exames passem a ser controlados como nas cirurgias Saúde Catarina Gomes Doentes poderão ser encaminhados para privados, caso exames não sejam realizados dentro do tempo pré-estabelecido O ministro da Saúde admite criar um sistema de controlo da listas de espera para exames médicos idêntico ao que já existe para as cirurgias, em que os doentes podem ser encaminhados para um privado quando as operações não possam ser feitas num hospital público dentro de um prazo clinicamente aceitável. Em entrevista ao Jornal de Negócios, o ministro Paulo Macedo reconheceu que é necessário melhorar o controlo das esperas dos utentes por meios complementares de diagnóstico (que incluem desde análises a exames como TAC, raios X, entre outros). O Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem um controlo sobre os tempos de espera em que é emitido um cheque, um vale, ao fim de x tempo, para poder ser feita essa cirurgia na área privada ou no sector social. Essa parte também é preciso que seja feita para os meios complementares de diagnóstico, disse o responsável pela pasta da Saúde. No mês passado foi conhecido o caso de uma doente que, entre a análise que detectou sangue nas fezes e a realização de uma colonoscopia que confirmou que padecia de cancro colo-rectal, esperou dois anos, altura em que o tumor se tor- nou inoperável, noticiou o Diário de Notícias. O coordenador nacional do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas, Nuno Miranda, disse na altura que, entre uma análise positiva e uma colonoscopia, dois meses de espera é razoável. Questionado pelo PÚBLICO, o presidente da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), Luís Cunha Ribeiro, admitia a hipótese de criar um programa especial de incentivos para fazer diminuir as suas listas de espera, à semelhança do que existe para algumas cirurgias. O Sistema Integrado de Gestão de Inscritos para Cirurgia (SIGIC) foi criado em 2004 como medida de combate às listas de espera. Este sistema prevê que, caso um hospital público não possa garantir a realização da cirurgia dentro do tempo clinicamente aceitável, o utente seja encaminhado para outra unidade pública ou que seja emitido um vale-cirurgia para poder recorrer a um dos hospitais privados ou sociais convencionados com o Ministério da Saúde. Por exemplo, na área do cancro, está fixado que os tempos clinicamente aceitáveis para uma cirurgia variam entre três dias, para situações muito urgentes, 15 dias o período mais frequente, até um máximo de um mês. Paulo Macedo diz que listas de espera para exames, sempre houve e continuará a haver, sublinhando que o que é desejável é que estejam dentro de períodos perfeitamente aceitáveis e diferindo de doenças graves e não-graves. E isso tem que ser controlado. Página 1

4 A2 ID: Tiragem: Pág: 12 Área: 26,34 x 12,93 cm² Corte: 1 de 1 Página 2

5 A3 ID: Tiragem: PAULO PIMENTA Pág: 17 Área: 10,53 x 30,48 cm² Corte: 1 de 1 Tempos de espera nas consultas hospitalares ainda preocupam Doentes esperam quatro meses por uma consulta Saúde Alexandra Campos Em 2013, hospitais fizeram mais cirurgias e urgências, mas diminuíram as consultas nos centros de saúde Os hospitais públicos estão a fazer mais consultas a pedido dos médicos de família, mas os doentes ainda têm de esperar cerca de quatro meses, em média, para serem atendidos por um especialista hospitalar. O tempo médio de resposta a um pedido de consulta enviado de um centro de saúde para um hospital diminuiu 2,4 dias entre 2012 e 2013, mas era ainda superior a 120 dias no final do ano passado, adianta a Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS) no último relatório da actividade assistencial, ontem divulgado. Apesar da melhoria observada [na resposta aos pedidos de consulta referenciados pelos médicos de família para os hospitais], os tempos de espera continuam longe do desejável, admite a ACSS no resumo da monitorização de Dezembro de Criado em 2008, o sistema Consulta a tempo e horas estabeleceu prazos máximos para atendimento dos doentes no Serviço Nacional de Saúde (30 dias para consultas consideradas muito prioritárias, 60 dias para as prioritárias e 150 dias para as não prioritárias). Em 2013, após uma monitorização a este sistema, a Entidade Reguladora da Saúde (ERS) concluiu que continuava a funcionar com muitos problemas e deficiências: 60% dos hospitais que responderam ao inquérito da ERS alegaram ter fal- ta de recursos humanos, sobretudo de médicos, para fazer face à procura. Ainda assim, no último balanço sobre esta matéria (relativo a 2012), o Ministério da Saúde garantiu que cerca de 70% das consultas se realizaram dentro dos tempos máximos de resposta garantida. Do ponto de vista da actividade assistencial, os números agora divulgados pela ACSS apontam para um aumento de produtividade em quase todas as áreas face a 2012: aumentaram as consultas realizadas nos hospitais a pedido dos médicos de família (11,8%), cresceram as primeiras consultas e as consultas subsequentes nos hospitais, e foram realizadas mais cirurgias (2,8%). Mais de metade (55,7%) destas cirurgias foram feitas sem necessidade de internamento hospitalar (em ambulatório), destaca a ACSS. Em sentido contrário, em 2013 verificou-se uma ligeira redução das consultas nos centros de saúde (-0,1%). Diminuíram tanto as consultas presenciais como as não presenciais, tendo aumentado neste período apenas as consultas domiciliárias. Relativamente às urgências, em 2013 voltaram a ultrapassar a fasquia dos seis milhões (mais 2,2% do que em 2012). A evolução da actividade de urgência hospitalar está muito dependente da sazonalidade dos surtos de doenças respiratórias infecciosas e ondas de calor, justifica a ACSS. Em 2012, a procura das urgências diminuíra substancialmente (passou de mais de 6,4 milhões de atendimentos em 2011 para 5,9 milhões), um indicador considerado positivo. Já nas urgências dos centros de saúde prosseguiu o movimento descendente menos 312 mil do que no ano anterior. Página 3

6 A4 ID: CONCURSO EXTRA Contratação de 200 médicos Tiragem: Pág: 5 Área: 4,66 x 4,08 cm² Corte: 1 de 1 A Ordem dos Médicos concorda com o concurso que irá contratar 200 médicos de clínica geral, mas diz que este não irá resolver a falta de profissionais. Página 4

7 A5 ID: Três anos de troika: e agora? Tiragem: 0 Pág: 2 Área: 16,43 x 25,90 cm² Corte: 1 de 3 Os médicos não têm de entrar todos no SNS Nem todos os médicos podem aceder ao Serviço Nacional de Saúde. Apesar de defender esta ideia, o ministra da Saúde revela, na entrevista à Renascença e Jornal de Negócios, que vai abrir concurso para que haja mais clínicos em medicina geral e familar. Paulo Macedo defende mais mobilidade nas especialidades, a aplicação à área dos meios de diagnóstico das regras que funcionam na das cirurgias e anuncia que vão surgir novas poupanças por força de negociações em curso com as farmacêuticas. Na entrevista, o ministro da Saúde confessa ainda um pecado : deveria ter-se esforçado mais na obtenção de acordo com o PS. A entrevista insere-se no ciclo Três anos de troika: e agora?. O próximo ministro convidado é o da Educação, hoje, na Edição da Noite, a partir das 23h00.» Anabela Góis e Marlene Carriço [Jornal de Negócios] O ministro da Saúde defende que é preciso aplicar aos meios complementares de diagnóstico o que já é feito com as listas de espera para cirurgia: depois de um determinado tempo de espera, o doente recebe um vale para que a operação possa ser feita noutro hospital público, no sector privado ou no sector social. É deste modo que Paulo Macedo reage à sucessão de denúncias de casos graves de atraso na realização de exames de diagnóstico no Serviço Nacional de Saúde. (SNS). Precisamos de um melhor sistema de controlo para as esperas dos meios complementares de diagnóstico, justifica. Para o ministro, esta é uma forma de tornar mais equitativo o acesso aos cuidados de saúde, área que não vê como tendo sido prejudicada pelos cortes que têm sido feitos no sector. O ministro diz ainda que está preocupado com a transposição da directiva europeia sobre cuidados de saúde transfronteiriços, norma que permitirá aos cidadãos europeus escolherem o país em que são tratados, se o seu próprio país não der resposta em tempo útil. A directiva tem aspectos positivos, tem aspectos negativos e tem aspectos que nos preocupam, designadamente, em termos de equidade, ou seja, se, de facto, quem vai aceder à directiva são apenas as pessoas de maiores recursos, afirma Macedo, manifestando também preocupação com a possibilidade de fraude que esta directiva abre. É preciso o país ter cuidado com a facturação falsa, avisa Macedo, pois os cuidados prestados noutro país serão cobrados ao país de origem. Quanto à entrada em vigor da directiva, o ministro lembra que é questão dependente do Parlamento, para onde já foi enviada. Estamos a trabalhar para que seja este ano, adianta. SNS não é para todos os médicos Noutro momento da entrevista, Paulo Macedo afirmou que os médicos não têm todos de entrar no Serviço Nacional de Saúde. O ministro lembrou que uma das propostas do grupo de trabalho para a revisão do regime de internato médico passava pela eliminação dos internos que tivessem abaixo de uma determinada percentagem. Por exemplo, hoje em dia, quem tem zero ou cinco por cento é sempre colocado. Haveria a intenção de, abaixo de uma determinada percentagem, não ser colocado, recordou. Repetindo que é isto que está em cima da mesa, Paulo Macedo não faz uma opção clara por esta proposta saída do grupo de trabalho. Aliás, a opção do Ministério no projecto de decreto-lei que está em fase de negociação com os médicos não vai inteiramente nesse sentido, prevendo que os internos que tenham menos de 50% de respostas certas no exame RR Mais cortes em negociação O ministro da Saúde confirma que já foram cortados mais de mil milhões de euros no sector e avança que mais será cortado, uma vez que continuam a decorrer negociações com a indústria farmacêutica. Temos definido no memorando inicial um corte de 1% do PIB. O que temos de ver com a indústria é como podemos cumprir esta obrigação que temos com a troika e com o que está orçamentado, explica Paulo Macedo, recusando avançar com um número específico. O valor vai depender da previsão do que vamos gastar em 2014, argumenta o ministro, recordando que o que, nos últimos anos, tem acontecido receber notas de crédito por parte da indústria farmacêutica. Paulo Macedo considera que o sector da saúde está agora mais equitativo, porque se cortou nos preços praticados pela indústria farmacêutica e foi possível aumentar o número dos beneficiários isentos. O ministro assegura também que os cortes têm sido feitos, sobretudo, no plano dos grandes actores e não no dos utentes ou dos serviços. Paulo Macedo faz notar que, embora a população portuguesa tenha diminuído, o número de cirurgias, consultas e atendimentos nas urgências não diminuiu. Página 5

8 Tiragem: 0 Pág: 3 ID: de internato não possam escolher especialidade. No actual sistema, os internos escolhem a especialidade em função da nota no exame, sendo os que têm nota mais alta os primeiros a escolher. Embora o ministro diga que nem todos os médicos têm de entrar no SNS, reconhece, por outro lado, que não será fácil resolver o problema da falta de médicos de medicina geral e familiar, mesmo quando o concurso já anunciado até pretende captar médicos que nunca estiveram no SNS. Vamos lançar um concurso para 200 médicos em medicina geral e familiar, tentando abranger aqueles que estão fora do Serviço Nacional de Saúde, ou seja, um concurso para pessoas que tenham tirado o seu curso fora e nunca tenham entrado no SNS, ou que estejam no privado e queiram vir para o sector público, reforça o ministro. Um dos objectivos do Governo é proporcionar um médico de família a todos os portugueses. Nesse sentido, foram alargadas as listas de doentes por médico, uma medida que, aliada a outras, permitiu que 500 mil portugueses ganhassem um médico. A zona onde é mais notória a falta de médicos de família é Lisboa e Vale do Tejo. Mais mobilidade nas especialidades Outro objectivo assumido por Paulo Macedo é acelerar a mobilidade nas especialidades. O ministro sublinha que a lei existe, sendo necessário aplicá-la, para atacar o problema da má distribuição de especialistas. O que precisamos é de pôr em prática o que está feito: poder haver mobilidade num raio de 60 quilómetros. Neste momento, não precisamos de mais legislação, afirma o ministro da Saúde. As unidades de saúde estão a fazê-lo, estão a fazêlo num ritmo lento, mas temos de ter mais mobilidade, porque temos já excesso de alguns especialistas Área: 16,79 x 23,16 cm² Corte: 2 de 3 hospitalares nalguns hospitais e faltam noutros, acrescenta Macedo, admitindo que também não tem resultado a tentativa de promover o regresso ao serviço de médicos já reformados. Desde 2011, regressaram menos de uma centena. Na entrevista à Renascença e ao Jornal de Negócios, Paulo Macedo também lembrou que, este ano, entra em vigor o sistema de avaliação dos médicos, que vai avaliar a produtividade e actividade assistencial. Partos de Badajoz devem passar para Portalegre Noutro momento da entrevista, o ministro da Saúde defendeu que não faz sentido manter o acordo para que os bebés portugueses nasçam em Badajoz, maniefstando preferência pela realização desses partos em Portalegre: Há maternidades que têm de ser mantidas, no sentido de vermos se a região não fica totalmente isolada. Não nos parece que faça grande sentido manter os partos em Badajoz e que não possam ser feitos em Portalegre. Paulo Macedo deixou claro que algumas maternidades vão ter de se fundir, como vai acontecer em Coimbra, porque há menos nascimentos, mas há outras que não podem fechar, mesmo que tenham menos de mil partos por ano, de modo a não deixar as populações isoladas. O caso de Portalegre enquadra-se nesta lógica Quanto ao novo hospital de Lisboa - o Hospital de Todos os Santos -, Paulo Macedo diz que ainda não está definido o modelo de financiamento, admitindo que está a ponderar outras possibilidades, como, por exemplo, o recurso a fundos da União Europeia, em vez das tradicionais parcerias público-privadas. Já quanto à abertura, o ministro não se compromete com datas, mas refere que é quase impossível a obra estar concluída em Ministro da Saúde considera que se devia ter esforçado mais para chegar a entendimentos com o PS O ministro da Saúde espera ainda conseguir consensos com o PS para algumas reformas na área da saúde, nomeadamente, no que diz respeito ao futuro da ADSE. Na entrevista à Renascença e Jornal de Negócios, Paulo Macedo lamenta não ter iniciado algumas reformas mais cedo, mas, sobretudo, arrepende-se de não ter alcançado um acordo com o PS. Acho que me devia ter esforçado mais - mas ainda estou a fazer esse esforço - para chegar a um acordo com o PS na área da saúde. Há vários aspectos em que convergimos, como é o caso da necessidade de ainda fazer alguma reforma do Estado em termos centrais, designadamente, entre a administração central do sistema de saúde e as administrações regionais de saúde. Também a questão de manter a capacidade pública é uma área de consenso, assim como a questão de haver uma maior separação entre o público e o privado e também na questão da própria ADSE, relata Paulo Macedo. Em relação à ADSE, o ministro salienta que o PS já aceitou que este sistema deve ser mantido e acredita que há uma possibilidade de consenso que devia servir de exemplo a outras áreas. O fim da ADSE como a conhecemos está marcado para o fim deste ano, ou início do próximo, altura em que passa da tutela do Ministério das Finanças para a do Ministério da Saúde. O ministro não confirma, no entanto, se os funcionários públicos tratados no privado só vão ter acesso aos medicamentos que seriam dispensados no Serviço Nacional de Saúde. Macedo diz que ainda é muito cedo para falar em coberturas, sublinhando que, antes de tudo, é preciso avaliar se a ADSE é auto-sustentável. Página 6

9 ID: Paulo Macedo Tiragem: 0 Novo concurso para 200 médicos em medicina geral e familiar» Págs.2 e 3 Pág: 1 Área: 5,09 x 4,00 cm² Corte: 3 de 3 Página 7

10 A8 ID: Tiragem: Pág: 14 Área: 10,29 x 7,89 cm² Corte: 1 de 1 Página 8

11 A9 ID: Tiragem: Pág: 8 Área: 4,27 x 6,60 cm² Corte: 1 de 1 Página 9

12 A10 ID: Tiragem: Pág: 12 Área: 25,99 x 18,91 cm² Corte: 1 de 2 Página 10

13 ID: Tiragem: Pág: 1 Área: 5,27 x 3,45 cm² Corte: 2 de 2 Página 11

14 A12 ID: Tiragem: Pág: 14 Área: 11,17 x 23,86 cm² Corte: 1 de 1 Página 12

15 A13 ID: ARS Norte promete unidade de saúde familiar para Sardoura Tiragem: 5550 Âmbito: Regional Pág: 16 Área: 25,32 x 30,19 cm² Corte: 1 de 1 D.R. Pedido Castelo de Paiva foi ao Porto manifestar-se contra o encerramento do posto de saúde. A tutela garantiu, ainda, a colocação de mais dois médicos Paivenses exigiram garantia de que vão ter cuidados médicos Alberto Oliveira e Silva A ARS (Administração Regional de Saúde) do Norte prometeu ao município de Castelo de Paiva que, em Março, colocará, no concelho, dois médicos, que contribuirão para a criação de uma unidade de saúde familiar (USF), que servirá as populações de Sardoura e de Oliveira do Arda. Ver para crer!. No balanço da manif realizada, na manhã da passada quarta-feira, no Porto, junto às instalações da ARS, Gonçalo Rocha manifestou-se céptico quanto a uma solução a curto-prazo que reponha os cuidados médicos primários àquelas populações. O presidente da Câmara Municipal de Castelo de Paiva disse-se adepto do modelo- USF, mas voltou a mostrar-se desagrado com as práticas do organismo tutelar da saúde na região. Recorde-se que, recentemente, as instalações do antigo posto de saúde da vila de Sardoura foi esvaziado de mobiliário, com a operação a ser efectuada sob protecção de um efectivo da GNR, o que indignou os autarcas paivenses e a população. Dos Paços do Concelho seguiu, então, para o Porto um pe dido de demissão de Sandra Rita, a directora do Agrupamento de Centros de Saúde do Tâmega e Sousa, e o aviso de que a ARS receberia uma visita das populações visadas e dos seus autarcas. Ainda antes da manifestação, a entidade emitiu um comunicado em que, nomeadamente, vincava que a USF garantirá aos utentes uma maior acessibilidade aos cuidados médicos e ganhos em saúde. Mas Gonçalo Rocha mantém a indignação pelo comportamento da Administração Regional de Saúde do Norte esticaram a corda -, verberando não só a afronta da ope ração militarizada como o que considera ser a falta de disponibilidade para o diálogo que, vincou, tinha sido prometido dos responsáveis da ARS do Norte. Refira-se que, na manif, não foi o presidente da Câmara a entrar nas instalações do organismo, para uma conversa com os seus responsáveis. A tarefa ficou a cargo de Gou veia Coelho, o presidente da Assembleia Municipal, e dos presidentes de Junta de Sardoura e de S. Martinho, Joselina Fernandes e Afonso Mendes, respectivamente. Continuam a piorar a vida das populações, disse o chefe do executivo paivense ao Diário de Aveiro, referindo-se a um processo que sente como crescente de retirada de serviços públicos do concelho. D.R. Autarcas lideraram os manifestantes Página 13

16 Tiragem: 8000 Pág: 4 A14 ID: Âmbito: Regional Centro Clínico Académico prevê ensaios com doentes saudáveis HOSPITAL DE BRAGA E UNIVERSIDADE DO MINHO assinaram ontem dois protocolos de cooperação na área da formação. Em breve, o Centro Clínico Académico será reforçado com um novo parceiro. Cores: Preto e Branco Área: 27,47 x 22,31 cm² Corte: 1 de 1 projectos de investigação, ensaios clínicos com medicamentos e investigação com dispositivos médicos. Fundado em 2012, o CCA acolheu no primeiro ano seis projectos de pesquisa clínica, 15 ensaios clínicos e um projecto de validação clínica O administrador executivo do Hospital e o reitor da Universidade do Minho fizeram um balanço muito positivo da actividade desenvolvida no CCA, escusando-se a revelar, para já, o nome do novo parceiro. Os dois protocolos celebrados ontem entre e Hospital de Braga e a Universidade do Minho alargam a cooperação actualmente existente ao nível da formação pré e pós graduada. A enfermagem é uma das áreas em que as duas instituições estreitam as ligações, passando a estar enquadrada a cooperação ao nível das pós-graduações e da investigação. Segundo o administrador João Ferreira, não há praticamente nenhuma área de conhecimento em que não haja interesse do Hospital beneficiar desta proximidade com a Universidade do Minho. O Centro Clínico Académico é um dos óptimos exemplos da colaboração entre a Universidade do Minho e o Hospital de Braga - João Ferreira. Administração do Hospital de Braga e reitoria da Universidade do Minho anunciaram ontem alargamento da cooperação SAÚDE José Paulo Silva Dois anos após a sua criação pela Universidade do Minho e Hospital de Braga, o Centro Clínico Académico (CCA) será reforçado em breve com um novo parceiro, decisão que permitirá a esta estrutura de investigação avançar para a realização de ensaios clínicos de fase 1, ou seja, em indivíduos voluntários saudáveis. O anúncio foi feito ontem pelo administrador executivo do Hospital de Braga, João Ferreira, na cerimónia de assinatura de dois protocolos com a Universidade do Minho na área da formação. Aquele responsável adiantou que no CCA realizam-se já muitos ensaios, mas a entrada do novo parceiro da área dos ensaios clínicos tornará possível a realização dos ensaios clínicos de fase 1 e todo o tipo de investigação desta dimensão. Os ensaios clínicos de fase 1 destinam-se a fazer uma avaliação inicial da segurança e tolerabilidade de novos medicamentos, sendo normalmente efectuados num número reduzido de voluntários saudáveis. Podem, no entanto, ser conduzidos em doentes com patologias graves como doença oncológica ou SIDA. Parceria sem fins lucrativos, entre a Universidade do Minho e o Hospital de Braga, através da Escola de Ciências da Saúde e do Instituto de Ciências da Vida e da Saúde, o CCA desenvolve DR Na opinião do reitor António Cunha, os protocolos dão enquadramento mais adequado aos desafios do momento, nomeadamente da investigação, sendo que o Hospital é um complexo onde praticamente todos os licenciados da Universidade do Minho podem ter lugar, não apenas os licenciados em Medicina e Enfermagem. Durante o ano de 2013, 250 alunos de diversas áreas de formação, com preponderância de cursos da Universidade do Minho, passaram pelo Hospital de Braga. Em 2014, deverão ser 400, os estudantes do ensino superior a realizar formação nesta unidade de saúde. Página 14

17 A15 ID: Tiragem: Pág: 19 Área: 5,70 x 19,97 cm² Corte: 1 de 1 Página 15

18 A16 ID: Terras de Bouro Concurso premiou melhores slogans sobre tabagismo Tiragem: 8500 Âmbito: Regional DR Pág: 9 Cores: Preto e Branco Área: 7,98 x 12,02 cm² Corte: 1 de 1 A Câmara de Terras de Bouro, o Agrupamento de Escolas e a Unidade de Saúde Pública Gerês/Cabreira entregaram os prémios do concurso de slogans e mensagens alusivas à prevenção do tabagismo. O concurso teve grande adesão dos alunos do 8.º ano da Escola Padre Martins Capela. As atividades contaram com a presença da vereadora Liliana Machado, que atribuiu o prémio ao primeiro classificado: um convite que permite usufruir de um conjunto de Turismo na Natureza, destinado ao aluno e sua família. O segundo e terceiro classificados receberam um telemóvel e uma máquina fotográfica, respetivamente. Página 16

19 A17 ID: Tiragem: Period.: Semanal Âmbito: Interesse Geral Pág: 13 Área: 20,03 x 12,53 cm² Corte: 1 de 1 Página 17

20 A18 ID: Tiragem: Pág: 19 Cores: Preto e Branco Área: 16,24 x 24,52 cm² Corte: 1 de 1 Página 18

21 A19 ID: Tiragem: Period.: Semanal Âmbito: Interesse Geral Pág: 64 Área: 20,41 x 26,67 cm² Corte: 1 de 1 Página 19

22 A20 ID: Tiragem: Pág: 18 Cores: Preto e Branco Área: 5,34 x 30,58 cm² Corte: 1 de 1 Página 20

23 A21 ID: Tiragem: Period.: Semanal Âmbito: Interesse Geral Pág: 8 Cores: Preto e Branco Área: 19,01 x 9,47 cm² Corte: 1 de 1 Página 21

24 A22 ID: Tiragem: Period.: Semanal Âmbito: Interesse Geral Pág: 21 Área: 9,06 x 23,59 cm² Corte: 1 de 1 Página 22

25 A23 Comunicações ID: Tiragem: 2500 Period.: Trimestral Âmbito: Tecnologias de Infor. Pág: 18 Área: 26,58 x 36,12 cm² Corte: 1 de 6 Página 23

26 Comunicações ID: Tiragem: 2500 Period.: Trimestral Âmbito: Tecnologias de Infor. Pág: 19 Área: 26,58 x 36,05 cm² Corte: 2 de 6 Página 24

27 Comunicações ID: Tiragem: 2500 Period.: Trimestral Âmbito: Tecnologias de Infor. Pág: 20 Área: 26,58 x 35,89 cm² Corte: 3 de 6 Página 25

28 Comunicações ID: Tiragem: 2500 Period.: Trimestral Âmbito: Tecnologias de Infor. Pág: 22 Área: 26,58 x 37,81 cm² Corte: 4 de 6 Página 26

29 Comunicações ID: Tiragem: 2500 Period.: Trimestral Âmbito: Tecnologias de Infor. Pág: 4 Área: 6,26 x 7,33 cm² Corte: 5 de 6 Página 27

30 Comunicações ID: Tiragem: 2500 Period.: Trimestral Âmbito: Tecnologias de Infor. Pág: 5 Área: 4,96 x 7,41 cm² Corte: 6 de 6 Página 28

31 A29 ID: Tiragem: Âmbito: Economia, Negócios e. Pág: 5 Área: 15,88 x 15,99 cm² Corte: 1 de 1 OPINIÃO Hélder Cruz Células estaminais e cardiologia: onde estamos e para onde vamos? O recurso às células estaminais criopreservadas já é considerado, embora ainda experimentalmente, no tratamento de mais de 80 patologias diferentes. O potencial único destas células traduz-se na regeneração de tecidos danificados e respetivos órgãos, bem como na diminuição da rejeição de transplantes e em doenças auto-imunes. Recentemente, graças ao empenho e esforço de um conjunto de investigadores portugueses, mais um marco foi conseguido. A ECBIO - empresa dedicada à investigação e desenvolvimento em biotecnologia, publicou na revista científica internacional Stem Cell Research and Therapy um artigo em que se demonstra o potencial terapêutico das células mesenquimais do tecido do cordão umbilical (UCX) no tratamento do enfarte agudo do miocárdio (ataque cardíaco). O artigo descreve os resultados em animais, realizados em colaboração com o INEB-Instituto Nacional de Engenharia Biomédica, que demonstram como a terapia com estas células estaminais pode melhorar a função cardíaca e reduzir o tamanho do enfarte. Além de diminuirem a morte celular, aumentam a densidade dos vasos e recrutam células progenitoras cardíacas, acelerando o processo de regeneração e aumentando as hipóteses de recuperação. Esta capacidade de agir através de múltiplos modos de ação é o que distingue a terapia celular dos medicamentos tradicionais e representa um avanço importante. Trata-se de uma descoberta que abre novas potencialidades para o tratamento de uma situação de saúde responsável pela morte de 1300 portugueses todos os anos. Para ser possível obter e criopreservar estas células estaminais mesenquimais, desenvolvemos na ECBIO uma metodologia que consiste no isolamento destas células a partir do tecido do cordão umbilical. O objetivo principal é a separação das células mesenquimais das outras células O potencial único destas células (estaminais) traduz-se na regeneração de tecidos danificados e respetivos órgãos, bem como na diminuição da rejeição de transplantes Investigador em Biotecnologia do ECBIO presentes no tecido como, por exemplo, as células epiteliais e endoteliais. Numa primeira fase, as células estaminais separadas encontram-se em minoria e numa quantidade muito reduzida, tendo que ser purificadas e multiplicadas. No final do processo, são criopreservadas células estaminais mesenquimais com elevado grau de pureza e numa quantidade muito superior à existente inicialmente. Em Portugal, nem todas as empresas fazem o isolamento das células estaminais do tecido, nem asseguram elevada quantidade das mesmas, o que pode levar a que, caso seja necessário utilizá-las no futuro, as células não desempenhem a ação terapêutica desejada. A Cytothera, que tem como parceiro na área da investigação a ECBIO, foi a primeira empresa em Portugal a garantir o isolamento de células estaminais mesenquimais do tecido do cordão umbilical, usando o método desenvolvido pela ECBio, garantindo assim que os seus clientes possam ter acesso a qualquer futura terapia resultante desta investigação. Acredita-se que, no futuro, a aplicação de células estaminais venha ainda revolucionar a terapêutica de várias outras patologias, para as quais ainda não há resposta médica e científica adequada. Página 29

32 A30 ID: Tiragem: Pág: 24 Área: 24,27 x 32,69 cm² Corte: 1 de 3 Página 30

33 ID: Tiragem: Pág: 25 Área: 24,74 x 33,15 cm² Corte: 2 de 3 Página 31

34 ID: Tiragem: Pág: 1 Cores: Preto e Branco Área: 21,87 x 2,60 cm² Corte: 3 de 3 Página 32

35 Tiragem: Pág: 27 A33 ID: Área: 27,28 x 30,61 cm² Corte: 1 de 1 Quase 57% dos africanos vivem em regiões onde é fácil contrair malária Entre 2000 e 2010 só 3,7% dos africanos deixaram de viver em zonas com média ou alta probabilidade de ter malária. Apesar de se ter investido nove vezes mais no controlo da doença, a evolução é modesta Saúde Nicolau Ferreira Guiné, Togo, Mali, Moçambique, Burkina Faso, Gana, Costa do Marfim, Uganda, Nigéria e República Democrata do Congo são os dez países africanos que albergam 87,1% da população (159,9 em 183,5 de milhões de pessoas) que vive em regiões com uma probabilidade alta ou muito alta de contraírem o parasita mais mortal da malária. Os dados são de 2010, e mostram que a evolução do controlo da malária na primeira década do século XXI é modesta, apesar do financiamento para o seu combate ter aumentado nove vezes. Assim, naquele ano, 56,8% dos 815,7 milhões de pessoas daquele continente viviam em regiões com média ou alta probabilidade de apanhar esta doença. Em 2000, 60,5% da população estava nas mesmas condições. Ou seja, nos dez anos seguintes, apenas 3,7% da população passou a viver em regiões com risco baixo, mínimo ou nulo de contrair a doença, segundo um trabalho publicado hoje na revista The Lancet. Liderado por Abdisalan Noor e Robert Snow, dois investigadores do KEMRI-Wellcome Trust uma parceria entre o Instituto de Investigação Médico do Quénia, a Universidade de Oxford e o Wellcome Trust (organização privada britânica que financia investigação médica), o estudo retrata, pela primeira vez, a evolução da doença após a criação da iniciativa Roll Back Malaria. Esta parceria iniciada em 1998 para coordenar uma resposta global contra a malária reúne mais de 500 parceiros países onde há malária, empresas, fundações, institutos de investigação, grandes organizações como a Organização Mundial de Saúde (OMS), o Banco Mundial ou a Unicef. Para a maioria dos países de África com malária endémica, o fardo da doença associado ao Plasmodium falciparum, e como esse fardo mudou ao longo da década de , continua a estar mal definido, lê-se no artigo. O Plasmodium falciparum é a espécie mais letal que causa a malária nas pessoas. Transmitido pelo insecto anófeles, o parasita entra na circulação humana depois de se ser picado por um mosquito infectado, e segue em direcção ao fígado, onde ADRIANE OHANESIAN/REUTERS Há 183,5 milhões de pessoas a viver em regiões onde o Plasmodium falciparum existe abundantemente Malária endémica em África Regiões livres de malária Transmissão instável População entre os dois e os dez anos infectada, em 2010 <1% 1 - < % Fonte: Dr Abdisalan Mohamed Noor / The Lancet PÚBLICO infecta uma célula. Aqui, o parasita multiplica-se milhares de vezes e sai para o sangue. No sangue passa a infectar os glóbulos vermelhos, onde se multiplica novamente. Quando os glóbulos vermelhos rebentam, os sintomas da doença aparecem: febres altas, dores no corpo, dor de cabeça. Por vezes, as pessoas morrem. Resultados ambivalentes O problema é que a contabilização do número de mortes por malária tem uma enorme variação. Estudos diferentes defendem que em 2010 a malária matou entre e 1,23 milhões de pessoas. Abdisalan Noor e Robert Snow optaram por analisar a malária nos vivos. Reuniram informação de estudos feitos em 49 países africanos, desde Estes trabalhos contaram o número de crianças entre os dois e os dez anos com Plasmodium falciparum no sangue, abarcando 3,5 milhões de pessoas. Com estes números, e aplicando um modelo, a equipa conseguiu mostrar a prevalência da malária, neste grupo etário, em 2000 e em 2010, revelando assim a evolução da malária em África. Os resultados apresentados são encorajadores e preocupantes ao mesmo tempo, escrevem Brian Greenwood, da School of London de Higiene e Medicina Tropical, e Kwadwo Koram, do Instituto Memorial Noguchi de Investigação Médica, em Acra, no Gana, num comentário do The Lancet sobre o artigo, onde elogiam este método de amostragem, que dá uma forma válida de avaliar as mudanças na incidência da malária ao longo do tempo. A malária é endémica em toda a África subsariana, menos no Sul. Entre 2000 e 2010, o número de pessoas que viviam em lugares com mais de 50% de crianças infectadas com o Plasmodium falciparum desceu de 218,6 (34,4% da população africana que em 2000 era de 635,7 milhões) para 183,5 milhões de pessoas (22,5% da população, que em 2010 era de 815,7 milhões). No entanto, a população a viver em regiões com prevalência média deste parasita subiu de 178,6 milhões (28,1% da população) para 280,1 milhões (34,3%). Os autores do estudo notam que em 2010, 217,6 milhões de pessoas viviam em regiões que dez anos antes estavam num nível mais grave de endemismo de malária. Mas o aumento populacional de 200 milhões de pessoas a viver em regiões onde há malária diminuiu parte do ganho proporcional na redução da transmissão, lê-se no artigo. Entre 2000 e 2010, o financiamento dado para controlar a malária subiu de 145,1 milhões para 1308 milhões de euros, segundo o relatório de 2010 da OMS sobre a malária. No entanto, este montante ainda é baixo para os recursos necessários para controlar a malária, estimados em mais de 4362,37 milhões de euros para 2010, lê-se no relatório. Para Brian Greenwood e Kwadwo Koram, o estudo mostra que os resultados da luta contra a malária são modestos. Os especialistas alertam para as ameaças como as resistências emergentes do mosquito a insecticidas e do parasita aos antibióticos. Para Robert Snow, estes resultados são um sinal claro para não se abandonar a luta contra esta doença: Se o investimento na [luta contra a] malária não for mantido, centenas de milhões de africanos correm o risco de a infecção recuperar, com consequências catastróficas. Página 33

36 A34 ID: Tiragem: Pág: 2 Área: 26,94 x 32,55 cm² Corte: 1 de 3 Página 34

37 ID: Tiragem: Pág: 3 Área: 27,81 x 32,93 cm² Corte: 2 de 3 Página 35

38 ID: Tiragem: Pág: 1 Área: 20,58 x 7,23 cm² Corte: 3 de 3 Página 36

1. (PT) - Jornal de Notícias, 27/09/2012, Linha Saúde 24 passa para a PT mas mantém funcionários 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 27/09/2012, Linha Saúde 24 passa para a PT mas mantém funcionários 1 27-09-2012 Revista de Imprensa 27-09-2012 1. (PT) - Jornal de Notícias, 27/09/2012, Linha Saúde 24 passa para a PT mas mantém funcionários 1 2. (PT) - Primeiro de Janeiro, 27/09/2012, Seminário de dispositivos

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS

PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS PROJECTO DE LEI N.º 86/X/1 CONSAGRA A INTEGRAÇÃO DA MEDICINA DENTÁRIA NO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE E A CARREIRA DOS MÉDICOS DENTISTAS Exposição de motivos O presente projecto de lei consagra a integração

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1 22-05-2014 Revista de Imprensa 22-05-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 22/05/2014, Portugal eleito para comité efetivo da OMS 1 2. (PT) - i, 22/05/2014, Portugal desafia OMS a regular melhor inovação

Leia mais

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015. www.acss.min-saude.pt

Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015. www.acss.min-saude.pt Resumo da monitorização mensal da atividade assistencial no SNS abril 2015 www.acss.min-saude.pt Monitorização do Serviço Nacional de Saúde http://benchmarking.acss.min-saude.pt/benchmarking.aspx 2 Monitorização

Leia mais

Identificação da Empresa. Missão. Visão

Identificação da Empresa. Missão. Visão Identificação da Empresa Designação social: Centro Hospitalar de Lisboa Central, EPE Sede: Rua José António Serrano, 1150-199 - Lisboa Natureza jurídica: Entidade Pública Empresarial Início de actividade:

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 30/09/2014, Doentes sem acesso a tempos de espera para cirurgia 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 30/09/2014, Doentes sem acesso a tempos de espera para cirurgia 1 30-09-2014 Revista de Imprensa 30-09-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 30/09/2014, Doentes sem acesso a tempos de espera para cirurgia 1 2. (PT) - i, 30/09/2014, Regulador. Doentes têm informação pouco

Leia mais

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º./XII/2.ª

PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º./XII/2.ª Grupo Parlamentar PROJETO DE RESOLUÇÃO N.º./XII/2.ª RECOMENDA AO GOVERNO A REALIZAÇÃO DE UMA AUDITORIA URGENTE, PELO TRIBUNAL DE CONTAS, AO ACORDO DE COOPERAÇÃO CELEBRADO ENTRE A ADMINISTRAÇÃO REGIONAL

Leia mais

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE

DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Ficha Informativa 2 Fevereiro 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc DIREITOS DOS UTENTES DOS SERVIÇOS DE SAÚDE Direito

Leia mais

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre os Ministérios das Finanças e da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, e da Saúde, representado pelo Ministro da

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do "heli" 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do heli 1 28-06-2012 Revista de Imprensa 28-06-2012 1. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Autarca exorta câmaras a contestarem saída do "heli" 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 28/06/2012, Enfermeiros contra fim

Leia mais

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009

Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conclusões da Conferência Anual do INFARMED, I.P. 2009 Conferência de abertura Medicina Genómica: Impacto na Eficácia e Segurança dos Medicamentos O cada vez mais reduzido número de novos medicamentos

Leia mais

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde

Programa do X Governo Regional. Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Programa do X Governo dos Açores - Área da Saúde Ponta Delgada, 26 de Novembro de 2008 6 Saúde A saúde é um factor essencial no desenvolvimento do bem-estar da população, e a qualidade neste sector aparece

Leia mais

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1

Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 Sistemas de gestão em confronto no SNS Pág. 1 OS QUATRO SISTEMAS DE GESTÃO ACTUALMENTE EM CONFRONTO NO ÂMBITO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE (SNS) E O PROGRAMA DO PS PARA A SAÚDE RESUMO DESTE ESTUDO Neste momento

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1 01-08-2014 Revista de Imprensa 01-08-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 01/08/2014, Viaturas médicas mais disponíveis para acidentes 1 2. (PT) - Diário de Notícias, 01/08/2014, 1,3 milhões de utentes sem

Leia mais

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP

Nota introdutória. PME em Números 1 IAPMEI ICEP PME em Números PME em Números 1 Nota introdutória De acordo com o disposto na definição europeia 1, são classificadas como PME as empresas com menos de 250 trabalhadores cujo volume de negócios anual não

Leia mais

1. (PT) - i, 02/10/2012, Construção civil. Empresas "fogem" para o estrangeiro 1

1. (PT) - i, 02/10/2012, Construção civil. Empresas fogem para o estrangeiro 1 Tema de Pesquisa: Construção 02 de Outubro de 2012 Revista de Imprensa 02-10-2012 1. (PT) - i, 02/10/2012, Construção civil. Empresas "fogem" para o estrangeiro 1 2. (PT) - i, 02/10/2012, Precários lançam

Leia mais

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto

Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Exposição A Evolução da Alfabetização na Área Metropolitana do Porto Evolução da Alfabetização em PORTUGAL Portugal tem 650 mil analfabetos 9% não sabe ler Estima se que existam em Portugal cerca 658 mil

Leia mais

MALO CLINIC abre clínica em Aveiro

MALO CLINIC abre clínica em Aveiro Tiragem: 11000 Period.: Semanal ID: 61314863 08-10-2015 GRUPO ESTÁ EM 46 CIDADES, 16 PAÍSES E 5 CONTINENTES MALO CLINIC abre clínica em Aveiro Âmbito: Economia, Negócios e. No ano em que comemora 20 anos,

Leia mais

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos

Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª. Exposição de Motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE RESOLUÇÃO Nº 28/XI/1ª Recomenda ao Governo que adopte medidas urgentes que diminuam os tempos de espera para consulta e cirurgia oncológica e que melhorem a qualidade e o

Leia mais

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5

1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1. 3. (PT) - Diário Económico, 25/09/2012, Unicer antecipa crescimento de 15% das vendas em Angola 5 Tema de pesquisa: Internacional 25 de Setembro de 2012 Revista de Imprensa 25-09-2012 1. (PT) - Turisver, 20/09/2012, Pedro Duarte 1 2. (PT) - Jornal de Negócios - Negócios Mais, 25/09/2012, Bluepharma

Leia mais

CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES. O sucesso. dos métodos. não invasivos. de detecção. do cancro

CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES. O sucesso. dos métodos. não invasivos. de detecção. do cancro CASOS DE SUCESSO DO CONCURSO NACIONAL DE INOVAÇÃO BES O sucesso dos métodos não invasivos de detecção do cancro Foi distinguida no Concurso Nacional de Inovação BES em 2007 e desde então já lançou no mercado

Leia mais

1. (PT) - Diário de Notícias, 14/08/2013, Células estaminais travam doença 1

1. (PT) - Diário de Notícias, 14/08/2013, Células estaminais travam doença 1 14-08-2013 Revista de Imprensa 14-08-2013 1. (PT) - Diário de Notícias, 14/08/2013, Células estaminais travam doença 1 2. (PT) - Diário de Notícias, 14/08/2013, Identificar Alzheimer antes dos sintomas

Leia mais

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L ICA

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L ICA X REQUERIMENTO Número / XI ( 1ª) PERGUNTA Número / XI ( 1ª) Expeça-se Publique-se / /20 Assunto: A situação no Hospital de S. Marcos, sob gestão do Grupo Mello (IV) O Secretário da Mesa Destinatário: Ministra

Leia mais

COLINA DE SANTANA. Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente

COLINA DE SANTANA. Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente Hospitais Civis de Lisboa Acesso da população ao SNS Assembleia Municipal de Lisboa Janeiro 2014 Pilar Vicente População de Lisboa e Acesso ao S.N.S: Nº de utentes Caracterização da População Necessidades

Leia mais

1. Emprego criado entre Outubro de 2013 e junho deste ano é precário, diz CGTP, TSF - Notícias, 02-09- 2015

1. Emprego criado entre Outubro de 2013 e junho deste ano é precário, diz CGTP, TSF - Notícias, 02-09- 2015 Radios_2_Setembro_2015 Revista de Imprensa 1. Emprego criado entre Outubro de 2013 e junho deste ano é precário, diz CGTP, TSF - Notícias, 02-09- 2015 1 2. António Costa acusa o Governo de não ter sabido

Leia mais

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas

Programa Nacional para as Doenças Oncológicas. Orientações Programáticas Programa Nacional para as Doenças Oncológicas Orientações Programáticas 1 - Enquadramento O Programa Nacional para as Doenças Oncológicas é considerado prioritário e, à semelhança de outros sete programas,

Leia mais

Inovação pode poupar. dinneiro

Inovação pode poupar. dinneiro Textos ANA SOFIA SANTOS Fotos PAULO VAZ HENRIQUES novação disruptiva é "aquela que permite tornar bens e serviços complexos e caros em bens e serviços simples e baratos". Marta Temido, presidente da presidente

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 1º TRIMESTRE DE 2015 Introdução A África alcançou um ponto de viragem crítico na sua luta contra a malária este ano à medida que objectivos, estratégias e planos globais e regionais

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1 07-05-2014 Revista de Imprensa 07-05-2014 1. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Passos dá CMIN como exemplo de sucesso 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 07/05/2014, Hospital de Viana não vai perder valências

Leia mais

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos

Grupo Parlamentar SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE. Exposição de motivos Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI Nº./ X CARTA DOS DIREITOS DE ACESSO AOS CUIDADOS DE SAÚDE PELOS UTENTES DO SERVIÇO NACIONAL DE SAÚDE Exposição de motivos A espera por cuidados de saúde é um fenómeno

Leia mais

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014

RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 Introdução RELATÓRIO DO RESUMO DA ALMA 4º TRIMESTRE DE 2014 O continente africano tem travado uma longa e árdua guerra contra a malária, em cada pessoa, cada aldeia, cada cidade e cada país. Neste milénio,

Leia mais

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica

Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Acordo entre o Ministério das Finanças, o Ministério da Saúde e a Indústria Farmacêutica Os Ministérios das Finanças, representado pela Ministra de Estado e das Finanças, da Saúde, representado pelo Ministro

Leia mais

Projeto de Resolução n.º 1103/XII/3ª

Projeto de Resolução n.º 1103/XII/3ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 1103/XII/3ª Recomenda ao Governo a adoção de medidas de informação e esclarecimento da população em geral quanto ao surto de doença

Leia mais

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público

COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público COLÓQUIO MOBILIDADE DE DOENTES ALTERNATIVA OU INEVITÁVEL? Acesso aos cuidados de saúde transfronteiriços na perspetiva do setor público Cláudio Correia Divisão da Mobilidade de Doentes MOBILIDADE DE DOENTES:

Leia mais

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses

O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses Federação Nacional dos Professores www.fenprof.pt O pacote de austeridade que Paulo Portas e Maria Luísa Albuquerque esconderam aos portugueses A conferência de imprensa realizada por Paulo Portas e pela

Leia mais

I - Exposição de motivos

I - Exposição de motivos Projeto de Resolução n.º 14/XIII/1ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de desenvolvimento social I - Exposição de motivos «Nos últimos quatro anos, Portugal viveu uma situação excecional e venceu-a;

Leia mais

2. (PT) - Expresso - Economia, 03/08/2013, A importância de Paulo na saúde 2

2. (PT) - Expresso - Economia, 03/08/2013, A importância de Paulo na saúde 2 05-08-2013 Revista de Imprensa 05-08-2013 1. (PT) - Diário Económico, 05/08/2013, Ministério da Saúde responde ao Tribunal de Contas e realça melhorias no SNS 1 2. (PT) - Expresso - Economia, 03/08/2013,

Leia mais

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO?

PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? PARA ONDE VAI O SEU DINHEIRO? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão contribuinte entenda? Os Medicamentos e o Orçamento José A. Aranda da Silva Auditório da Faculdade de Direito da Universidade

Leia mais

Projectos de Diplomas Ponto da Situação?

Projectos de Diplomas Ponto da Situação? Projectos de Diplomas Ponto da Situação? Lisboa 15 de Maio de 2006 João Rodrigues Missão para os Cuidados de Saúde Primários À MCSP foi entregue o mandato de: coordenar e apoiar tecnicamente o processo

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes. Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico

FAQ Perguntas Frequentes. Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico Versão Data 1.0 2013-04-19 FAQ Perguntas Frequentes Novo Quadro Legal da Carreira Médica e Organização do Tempo de Trabalho Médico Apoiadas nos seguintes instrumentos jurídicos, administrativos e convencionais:

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

Na reforma do financiamento da Saúde, o trabalho de Paulo Macedo foi zero

Na reforma do financiamento da Saúde, o trabalho de Paulo Macedo foi zero GRANDE ENTREVISTA ISABEL VAZ Na reforma do financiamento da Saúde, o trabalho de Paulo Macedo foi zero A presidente da comissão executiva da Espírito Santo Saúde está a preparar a entrada em bolsa. Isabel

Leia mais

Modelos de Gestão Hospitalar da administração direta dos hospitais públicos (SPA) aos SA, EPE e PPP. Artur Vaz

Modelos de Gestão Hospitalar da administração direta dos hospitais públicos (SPA) aos SA, EPE e PPP. Artur Vaz Modelos de Gestão Hospitalar da administração direta dos hospitais públicos (SPA) aos SA, EPE e PPP Artur Vaz Lisboa, 20 a 22 de Novembro de 2014 Sumário Principais reformas e estratégias do SNS nos últimos

Leia mais

COMISSÃO DE SAÚDE ACTA NÚMERO 119/XII/ 3.ª SL

COMISSÃO DE SAÚDE ACTA NÚMERO 119/XII/ 3.ª SL Aos 22 dias do mês de janeiro de 2014, pelas 10:00 horas, reuniu a Comissão de Saúde, na sala 1 do Palácio de S. Bento, na presença dos Senhores Deputados constantes da folha de presenças que faz parte

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 008 de 25/01/01 Vamos passar ao ponto nº 4 da nossa ordem do dia, ou seja, à Proposta de Resolução Medidas de Combate à Leptospirose. Tem a palavra o Sr. Deputado Bento Barcelos. Deputado

Leia mais

Folha Informativa nº 121

Folha Informativa nº 121 Folha Informativa nº 121 VISITA À FUNDAÇÃO CHAMPALIMAUD A AACDN organizou, no passado dia 14 de Junho, mais uma visita Cultural à Fundação Champalimaud. Chegámos à hora marcada: 15H00. Fomos recebidos

Leia mais

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1

As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 As dividas das empresa à Segurança Social disparam com o governo de Sócrates Pág. 1 AS DIVIDAS DAS EMPRESAS À SEGURANÇA SOCIAL DISPARAM COM O GOVERNO DE SÓCRATES: - só em 2006 a Segurança Social perdeu

Leia mais

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005

Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005. Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Plano a Médio Prazo e Orçamento 2005 Intervenção no Plenário Assembleia Legislativa da R.A.A. 5 a 8 de Abril de 2005 Senhor Presidente da ALRAA Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo

Leia mais

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses

Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Cancro: Uma Prioridade para os Portugueses Managing Director _ Executive Researcher_ António Gomes [antonio.gomes@gfk.com] João Costa [joao.costa@gfk.com] Contexto O estudo foi desenvolvido no âmbito do

Leia mais

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIOS DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL E DA EDUCAÇÃO 2898 Diário da República, 1.ª série N.º 98 21 de Maio de 2008 22 de Abril de 2003. A convenção inicial e as alterações foram oportunamente objecto de extensão. Entretanto, a mesma associação de empregadores

Leia mais

Projecto de Lei n.º 408/ X

Projecto de Lei n.º 408/ X Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 408/ X Consagra o processo eleitoral como regra para a nomeação do director-clínico e enfermeiro-director dos Hospitais do Sector Público Administrativo e dos Hospitais,

Leia mais

Carta de Princípios de Coimbra

Carta de Princípios de Coimbra Carta de Princípios de Coimbra Ficou concluído em Novembro de 2008, durante o Congresso Nacional de Oncologia, um processo que se iniciou em Abril de 2006, numa reunião promovida em Coimbra sob o impulso

Leia mais

ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho

ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho ARIEM testa eficácia do 112 Simulacro de naufrágio no rio Minho Revista de Imprensa 15-05-2014 1. (PT) - Diário do Minho, 15052014, Projeto de 112 transfronteiriço NorteGaliza a funcionar em pleno em junho

Leia mais

TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE

TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE TRANSPORTE INTER-HOSPITALAR PEDIÁTRICO DA REGIÃO NORTE NORMAS DE ACTIVAÇÃO E CRITÉRIOS DE TRANSPORTE O sistema de Transporte Inter-hospitalar Pediátrico (TIP) foi formalmente criado por protocolo entre

Leia mais

Resultados Mediáticos

Resultados Mediáticos Mediáticos 2014 > Globais Mais de 90 minutos de presença em Televisão Mais de 28 minutos de presença em Rádio Chamadas de capa em 9 jornais Audiência total superior a 20 milhões Globais 135 Total de notícias

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6

ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil... 2 Brasília...2 Folha de S.Paulo... 4 Ciência/ MEDICINA...4 Zero Hora (RS)... 6 Coluna...6 ÍNDICE - 15/06/2005 Jornal do Brasil...2 Brasília...2 Campanha tenta evitar surto de hantavirose...2 Folha de S.Paulo...4 Ciência/ MEDICINA...4 Pesquisadora dá uma palestra hoje em Salvador...4 Zero Hora

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1

Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 Semelhanças entre os Hospitais SA e os Hospitais EPE Pág. 1 A TRANSFORMAÇÃO DOS HOSPITAIS SA EM HOSPITAIS EPE, A PRIVATIZAÇÃO DA SAÚDE EM PORTUGAL E O PROGRAMA DO GOVERNO PS PARA A ÁREA DA SAÚDE RESUMO

Leia mais

Conversas de Fim de Tarde

Conversas de Fim de Tarde Conversas de Fim de Tarde Promoção da Cultura de Segurança do Doente na Prestação dos Cuidados de Saúde Segurança, Qualidade e Sustentabilidade 10 maio 2013 Texto: Carlos Gamito carlos.gamito@iol.pt Fotografia:

Leia mais

1. (PT) - Jornal de Notícias, 08/11/2013, Acidentes de trabalho mortais caem 19% 1

1. (PT) - Jornal de Notícias, 08/11/2013, Acidentes de trabalho mortais caem 19% 1 Tema de Pesquisa: Construção 08 de Novembro de 2013 Revista de Imprensa 08-11-2013 1. (PT) - Jornal de Notícias, 08/11/2013, Acidentes de trabalho mortais caem 19% 1 2. (PT) - Público, 08/11/2013, Centro

Leia mais

1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1

1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1 Radios_8_Abril_2015 Revista de Imprensa 1. António Costa promete mudança política, Antena 1 - Notícias, 07-04-2015 1 2. Sindicatos da PSP enviam proposta conjunta ao ministério, TSF - Notícias, 07-04-2015

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010

VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010 VICE-PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL, S.R. DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE SOCIAL, S.R. DA SAÚDE Portaria n.º 66/2010 de 30 de Junho de 2010 Pela Portaria n.º16/2007 de 29 de Março, foi aprovado o regulamento

Leia mais

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª

Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º /XI/2ª Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º /XI/2ª Altera o regime legal da prescrição de medicamentos, no sentido de generalizar a prescrição por Denominação Comum Internacional (DCI), nos termos do artigo

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos

PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL. Exposição de motivos PROJECTO DE LEI N.º 393/VIII ESTABELECE O ESTATUTO LEGAL DO MEDIADOR SÓCIO-CULTURAL Exposição de motivos A necessidade de função de mediação sócio-cultural surgiu da vontade de melhorar a relação entre

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012)

Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012) Roteiro da Intervenção de João Bau (BE) na Sessão da Assembleia Municipal de Lisboa de 13 de Dezembro de 2011 (reunião de 10 de Janeiro de 2012) Período da Ordem de Trabalhos destinado à Apreciação da

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO

CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA PROJECTO DE REGULAMENTO CENTRO HOSPITALAR DA COVA DA BEIRA SERVIÇO DE MEDICINA PALIATIVA (HOSPITAL DO FUNDÃO) DE REGULAMENTO 1. DEFINIÇÃO O (SMP) do Centro Hospitalar da Cova da Beira SA, sediado no Hospital do Fundão, desenvolve

Leia mais

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013

A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE. Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 A ASSISTÊNCIA SANITÁRIA NO TURISMO EM CABO VERDE Cidade da Praia, 24 de Janeiro de 2013 Formação APRESENTAÇÃO Graduada em Planeamento e Desenvolvimento do Turismo ULHT Lisboa Portugal Pós-graduada e especialista

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL)

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRETIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE (VERSÃO NÃO CONFIDENCIAL) Considerando as atribuições da Entidade Reguladora da Saúde conferidas pelo artigo 3.º do Decreto-Lei n.º 127/2009,

Leia mais

1. (PT) - i, 08/07/2015, Zoom // Um check-up à saúde dos portugueses 1

1. (PT) - i, 08/07/2015, Zoom // Um check-up à saúde dos portugueses 1 08-07-2015 Revista de Imprensa 08-07-2015 1. (PT) - i, 08/07/2015, Zoom // Um check-up à saúde dos portugueses 1 2. (PT) - Jornal de Notícias, 08/07/2015, Pagamentos do bolso um terço da nossa saúde 6

Leia mais

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva Excelentíssimo Senhor Presidente da República Portuguesa Doutor Aníbal Cavaco Silva Assunto: carta aberta sobre riscos e oportunidades do novo pacote de Reabilitação Urbana. Pedido de ponderação do exercício

Leia mais

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Prova Escrita de Economia A VERSÃO 1. 10.º e 11.º Anos de Escolaridade. Prova 712/1.ª Fase. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/1.ª Fase 12 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008

Resumo de Imprensa. Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008 Resumo de Imprensa Quarta-feira, dia 30 de Janeiro de 2008 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Exportações para Angola atingem valores recorde (págs.1, 12 e 13) As empresas portuguesas já vendem quase tanto para aquele

Leia mais

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto

Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP. 17 de Fevereiro 15H30. SANA Lisboa Hotel. Comunicado conjunto Conferência de Imprensa OE - SE - SIPE - SERAM - SEP 17 de Fevereiro 15H30 SANA Lisboa Hotel Comunicado conjunto Senhores jornalistas, Em primeiro lugar queremos agradecer a vossa presença. Ao convocar

Leia mais

OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014

OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014 1 OMS: Primeiro relatório da situação sobre o roteiro de resposta ao Ébola 29 de Agosto de 2014 Esta é a primeira de uma série de actualizações regulares do Roteiro de Resposta ao Ébola. A presente actualização

Leia mais

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ

SINDICATO DOS ENFERMEIROS PORTUGUESES. Direcção Regional de Faro ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ ESTADO DA SAÚDE PÚBLICA NO CONCELHO DE LOULÉ Este documento retrata o estado dos serviços públicos de saúde, sobretudo no que concerne aos cuidados de enfermagem e pretende descrever as dificuldades com

Leia mais

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro

Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro RESULTADOS DA CONSULTA PÚBLICA N.º 11/2007 Projecto de Norma Regulamentar Mediação de Seguros Alteração à Norma Regulamentar n.º 17/2006-R, de 29 de Dezembro I Enquadramento O Instituto de Seguros de Portugal

Leia mais

Evolução do Serviço. Adriana Marques

Evolução do Serviço. Adriana Marques Evolução do Serviço Nacional de Saúde (SNS) Adriana Marques Joana Nunes Maio 2008 Evolução do Serviço Nacional de Saúde Objectivos: Rever estudos chave relacionados com a evolução do Serviço Nacional de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1)

Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1) Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1) Investigadores portugueses e americanos, no âmbito do programa MIT-Portugal, estão usar clinicamente células estaminais para neutralizar

Leia mais

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé.

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé. A Cytothera pertence ao grupo farmacêutico MEDINFAR e dedica a sua actividade à investigação e criopreservação de células estaminais. O método pioneiro de isolamento e criopreservação de células estaminais

Leia mais

ECONOMIA. Esquema financeiro provoca buraco de 3 mil milhões em empresas públicas. Gostava muito que as gentes não se resignassem

ECONOMIA. Esquema financeiro provoca buraco de 3 mil milhões em empresas públicas. Gostava muito que as gentes não se resignassem JOÃO DUQUE Fundos de arrendamento podem ajudar as famílias E14 LUÍS MARQUES Estamos a caminho de um caos, de um caos político E12 JOÃO VIEIRA PEREIRA Constituição: mais que mudar é preciso incluir limites

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. Utilize apenas caneta ou esferográfica de tinta indelével, azul ou preta. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 14 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

RESUMO DE IMPRENSA. Terça-feira, 17 de Junho de 2008

RESUMO DE IMPRENSA. Terça-feira, 17 de Junho de 2008 RESUMO DE IMPRENSA Terça-feira, 17 de Junho de 2008 JORNAL DE NEGÓCIOS 1. Portugueses poupam no preço para manterem nível de consumo. Como os consumidores estão a lidar com a crise. Para evitar cortar

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 1264/XII/4.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 1264/XII/4.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projeto de Resolução n.º 1264/XII/4.ª Recomenda ao Governo a criação de um programa de prevenção e diagnóstico da Hepatite C e adoção de medidas que garantam

Leia mais

RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE

RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DA ENTIDADE REGULADORA DA SAÚDE Visto o estudo Avaliação do Modelos de Celebração de Convenções pelo SNS da ERS, pelo qual se concluiu que o actual modelo de celebração

Leia mais

Orçamento de Estado 2015

Orçamento de Estado 2015 Orçamento de Estado 2015 Programa Orçamental da Saúde 03 de novembro de 2014 Orçamento da saúde Evolução do Orçamento do SNS Evolução do Orçamento do SNS Indicador OE 2014 OE 2015 Variação em pp. Despesa

Leia mais

JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009. SEÇÃO: BRASIL ASSUNTO: SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos

JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009. SEÇÃO: BRASIL ASSUNTO: SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos JORNAL A TARDE ONLINE DATA: 24/09/2009 SAÚDE Obesidade na infância pode adiantar doença em 20 anos Agência Estado A obesidade na infância e na adolescência pode adiantar em até 20 anos os problemas cardiovasculares,

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43

22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 22.1.2010 Jornal Oficial da União Europeia L 17/43 IV (Actos adoptados, antes de 1 de Dezembro de 2009, em aplicação do Tratado CE, do Tratado da UE e do Tratado Euratom) DECISÃO DO CONSELHO de 27 de Novembro

Leia mais

Neurociências. ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA

Neurociências. ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA Tiragem: 33183 País: Portugal Period.: Diária Âmbito: Informação Geral Pág: 31 Cores: Cor Área: 5,66 x 30,41 cm² Corte: 1 de 1 Neurociências

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING

PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING PREFEITURA DO RECIFE SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE CLIPPING Recife 04/08/2014 1 Nos últimos anos, com a integração dos países devido à globalização, houve um aumento da

Leia mais