DENDEZEIROS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS PARA ESTOFADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DENDEZEIROS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS PARA ESTOFADOS"

Transcrição

1 DENDEZEIROS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS PARA ESTOFADOS

2 DENDEZEIROS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS PARA ESTOFADOS Salvador 2004

3 Copyright 2004 por SENAI DR BA. Todos os direitos reservados Área Tecnológica: Mobiliário Elaboração: Osvino Alves de Sousa Revisão Técnica: Luciane Bahia Revisão Pedagógica: Glaydes Mara Merlos Penna Normalização: Núcleo de Informação Tecnológica NIT Catalogação na fonte (NIT- Núcleo de Informação Tecnológica) SENAI-DR BA. Tecnologia dos Materiais para Estofados. Salvador, f. (Rev.01). 1. Madeira 2. Estofados-Materiais I. Título CDD 749 SENAI DENDEZEIROS Av. Dendezeiros do Bonfim, 99 - Bonfim CEP: Tel.: (0xx71) Fax.: (0xx71) senaidendezeiros.org.br

4 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO CARPINTARIA 5 ESPUMA 15 NÁTEX/ACRILON 17 CORTE DO COURO 19 COSTURA 21 ESTOFARIA 24 EMBALAGEM 25 REFERÊNCIAS 27

5 APRESENTAÇÃO Com o objetivo de apoiar e proporcionar a melhoria contínua do padrão de qualidade e produtividade da indústria, o SENAI BA desenvolve programas de educação profissional e superior, além de prestar serviços técnico e tecnológicos. Essas atividades, com conteúdos tecnológicos são direcionadas para indústrias nos diversos segmentos, através de programas de educação profissional, consultorias e informação tecnológica, para profissionais da área industrial ou para pessoas que desejam profissionalizar-se visando inserir-se no mercado de trabalho. Este material didático foi preparado para funcionar como instrumento de consulta. Possui informações que são aplicáveis de forma prática no dia-a-dia do profissional, e apresenta uma linguagem simples e de fácil assimilação. É um meio que possibilita, de forma eficiente, o aperfeiçoamento do aluno através do estudo do conteúdo apresentado no módulo.

6 CARPINTARIA Definição - É a arte de trabalhar e transformar a madeira e seus derivados em peças, móveis, estruturas ou objetos, com o objetivo de decorar, proporcionar conforto (movelaria e objetos), assim também como função estrutural (parte interna de móveis, coberturas, escadas, etc). O setor da carpintaria está dividido em duas áreas: Área do corte: Destinada a usinagem da madeira e chapas derivadas da madeira, local onde a madeira e as chapas são trabalhadas ou processadas para serem encaminhadas às áreas de montagem. Área da Montagem: Destinada à montagem, operação de reunir as peças prédefinidas acompanhando geralmente um esquema de montagem da estrutura, do móvel ou peça. A área do corte e da montagem devem estar bem situadas e organizadas, dentro de uma lógica para circulação do material, das peças pré-cortadas, cortadas, furadas, e local adequado para separação, armazenamento e identificação das peças. É necessário haver um local de fácil acesso e organizado para separação e arrumação das peças, desta forma a montagem de um determinado estofado ou parte de um estofado, como braços, assentos e costas, poderá atingir a produção, podendo haver ainda a necessidade da pré-montagem ou preparação de algumas peças fora da montagem propriamente dita, ou seja, aplicação de alguma peça sobre outra para reforço, engrossamento, colocação de porcas com garra etc. Todos os setores de produção de uma fábrica de estofados são importantes, mas o setor da carpintaria é o único que produz o acúmulo de materiais. Há a necessidade da utilização de vários tipos de máquinas manuais e industriais. Na indústria de estofados as madeiras mais utilizadas são Pinho do Paraná e o Eucalipto. CIRCULAÇÃO E PROCESSAMENTO DA MADEIRA Com a chegada da madeira na área do corte existem várias operações para serem feitas: 1. Armazenamento da madeira com dimensões pré-estabelecidas. As madeiras saem da madeireira e chegam ainda à fábrica com defeitos e com algum teor de umidade, havendo a necessidade do tratamento destas madeiras. 5

7 2. Aparelhamento, bitolando a máquina para dimensões desejadas. 3. Corte das peças no sentido transversal com comprimento desejado. 4. Separação das peças em boas condições, que não comprometam a estrutura, exemplo: nós, empenos, rachaduras etc. 5. Separação das peças a serem furadas: Fazer desenho antes de ser cortada, fazer chanfros, etc. 6. Peças a serem recicladas. Exemplo: Fazer esquadros, corte de peças menores etc. Chegada das chapas derivadas da madeira na área do corte: As chapas são tecnologias de transformação da madeira alterando a estrutura fibrosa, obtendo os seguintes procedimentos: 1. Reaglomeração da madeira reduzida a fibras. 2. Madeira transformada aglomerada. 3. Madeira laminada compensada. 4. Aglomerado de fibras de média densidade. CIRCULAÇÃO E PROCESSAMENTO DAS CHAPAS DERIVADAS DA MADEIRA: 1. Corte de peças retangulares ou quadradas. 2. Desenho dos moldes nas peças retangulares ou quadradas. 3. Fixação de quatro peças ou mais sendo a primeira desenhada para corte em serra fita e ou furação. 4. Corte das peças em serra fita. 5. Separação e arrumação de peças para furação e ou chanframento. CARACTERÍSTICAS DA MADEIRA MACIÇA UTILIZADA PARA FABRICAÇÃO DO ESTOFADO Usinagem da Madeira Propriedade física e mecânica da madeira maciça: Existem madeiras duras e macias, as duras são mais usadas para execução de estruturas pesadas, como escadas e coberturas. A madeira macia é mais usada para fabricação de peças mais leves, como objetos de decoração na movelaria e algumas estruturas. Na confecção de estrutura de estofado, usamos madeira macia, uma delas é o Pinho do Paraná, ou simplesmente pinho, que é uma árvore em forma de cone, 6

8 sendo fácil o seu reflorestamento, sua grande vantagem é que elas podem ser serradas, aparelhadas e trabalhadas com facilidade, pois são bastante leves, facilitando também a aplicação de grampos, pregos, parafusos e outros materiais. O pinho pode ser encontrado totalmente brancos ou com alguns veios, geralmente amarelados, indicando que esta madeira pode ou não haver fissura após seu uso, Os nós que aparecem em quase toda parte da madeira, devem ser identificados antes do seu uso. Os nós podem ser caracterizados como nó de bordo, nó de aresta e nó de face, podendo ser um nó aderente, semi-aderente ou um nó morto, estes nós podem comprometer a estrutura do estofado, causando grandes problemas. Exemplos de madeiras usadas na estrutura do estofado: 1. Pinho do Paraná Seu nome botânico é Araucária Angustifólia, tem procedência do Paraná, seu maior produtor, possui peso específico igual a 540 kgf/m³ (a 15% de umidade), madeira leve e macia, possibilitando melhor trabalho, processamento e manuseio com as peças, tendo boa aceitação na aplicação de pregos ou grampos, sua desvantagem, são os nós existentes nas madeiras, sendo necessário uma seleção ou testes com algumas peças para que não comprometa uma estrutura ou o móvel. 2. Eucalipto Seu nome botânico é Eucalyptus Citriodora, tem procedência de São Paulo, seu maior produtor, possui peso específico igual a 1000 kgf/m³ (a 15% de umidade), madeira não muito leve e de densidade média, exigindo mais esforço para seu trabalho e processamento, sua vantagem acorre devido a não existência de nós, aumentado a resistência da estrutura ou do móvel. CLASSIFICAÇÃO DOS DEFEITOS DO PINHO: 1. Os nós - O nó é uma porção de ramo encaixado na madeira. Classifica-se com base em: Posição, Forma e Aderência. Quanto à posição - podem ser nó de face, nó de bordo ou nó de aresta. Quantos à forma - podem ser redondos, oval ou um nó comprimido. Quanto à aderência podem ser aderentes, parcialmente aderente ou um nó morto. As FISSURAÇÕES 1. A fissuração é uma separação das fibras da madeira na mesma direção das fibras. Classifica-se em função de: profundidade e comprimento. 2. As fissurações não são aceitas numa estrutura. CRITÉRIO DE ACEITAÇÃO PARA BOA QUALIDADE DA MADEIRA (PINHO): 7

9 1. A madeira que se encontram com algum nó morto não é admitida, ou apresentando fissuras, não são utilizadas. 2. Só é admitido apenas um único nó por metro linear, podendo ser aderente ou parcialmente aderente e sua dimensão seja no máximo 30% da superfície da madeira. CARACTERÍSTICAS DAS CHAPAS DERIVADAS DA MADEIRA. As chapas derivadas da madeira são materiais industrializados em madeireiras e outras em indústrias especializadas, algumas são fabricadas com a reciclagem da própria madeira. As chapas mais usadas na indústria de móveis são: 1. O Aglomerado Material de pouca utilidade na marcenaria, muito utilizado na produção de móveis em série, geralmente móvel popular e de baixo custo, tem pouca resistência à umidade e pouca durabilidade, é resistente ao empeno e a expansão. O aglomerado é produzido com a aplicação de pressão e calor sobre partículas de madeira (cavaco) previamente coberta com adesivo e resina sintética (uréia quente), esta mistura aumenta também sua resistência ao inseto (cupim) devido à mistura de produtos químicos que matam os insetos e outros fungos. Pode ser encontrado em vários tamanhos, 2200mm a 2750mm de comprimento por 1830mm de largura e sua espessura varia de 4mm a 30mm. 2. Compensado É uma composição de várias folhas (faqueadas ou serradas) de madeira coladas com resina de uréia, sendo o número de folhas uma sobre a outra e sempre em número ímpar para que as duas folhas extremas tenham sempre o veio na mesma direção e as internas fiquem sempre cruzadas, aumentando assim a sua resistência. Geralmente as chapas de compensado medem: 2200 mm x 1600 mm, e sua espessura variam de quatro mm a 25 mm. Existem vários tipos de compensado e com funções diferentes: O compensado naval é mais utilizado na construção civil, pois apresenta maior resistência quanto á durabilidade e umidade. O compensado copaíba possibilita melhor acabamento e tem boa resistência contra insetos e a umidade, quase todas as chapas já são fabricadas com o uso de inseticida misturada à cola, mais mesmo assim ainda encontramos chapas que aparecem buracos depois de algum tempo, sinal de ataque de insetos, exemplo: cupim e brocas. O compensado de segunda, não oferece nenhuma confiança, pois os insetos destroem o compensado em pouco tempo. O compensado fantasia, é aquele que apresenta pelo menos uma face em madeira nobre ou pronta para acabamento, exemplo: Mogno, Louro Feijó, Pau Marfim, Imbuia e etc. 3. MDF Chapa confeccionada da fibra da madeira, tem média densidade, aproxima-se da madeira maciça, devido a sua consistência e sua aparência. O MDF é um material moderno, pois sua fabricação é feita através do reflorestamento, podendo tomar conta do mercado, hoje está sendo muito utilizada 8

10 na fabricação de móveis, porque possui boas qualidades em função do acabamento, não empena e possibilita uma boa aparência, é resistente a umidade e não possibilita o ataque de insetos e fungos. Produzido através das fibras de madeira secas aglutinadas por resina de uréia e prensadas. Seu uso é limitado na fabricação do estofado devido ao seu custo alto. Possuem dimensões com 2750 mm x 1830 mm e espessuras variadas de seis mm a 30 mm. 4. OSB É uma composição de painéis de tiras de madeira, orientadas com propriedades físicas e mecânicas similares ao compensado, para adquirir resistência e durabilidade, esta chapa é utilizada na produção de móveis na construção civil e atualmente o OSB está sendo bastante empregado na confecção da estrutura do estofado tomando conta do aglomerado, possui largura de 1220mm x 2440mm e sua espessura varia de 6mm a 25mm. 5. Duratree Lisa ou (Duratex) São chapas industrializadas da fibra da madeira, são encontradas com espessuras de 3mm a 2mm, tornando-se mais flexível, são usados para forrar a estrutura (esqueleto) do estofado, industrialização similar ao MDF. 6. Papelão nº 40 Ou simplesmente papelão, são usados também para forrar as partes curvas e bastante acentuadas do estofado, principalmente no braço do estofado. Sua desvantagem é que não possui muita resistência. Com dimensões: 1000 mm de largura e 800 mm de comprimento e espessura igual a dois mm. CARACTERÍSTICAS DOS MATERIAIS, FERRAMENTAS E MÁQUINAS MANUAIS UTILIZADOS NA CARPINTARIA OU MARCENARIA. 1. Martelo - Ferramenta muita usada na carpintaria e marcenaria, usado para pregar, isto é, introduzir o prego na madeira, o martelo pode ter a função também de retirar pregos da madeira. São usados dois tipos de martelo em marcenaria e carpintaria: o de pena e o de unha. 2. Torquês Usadas para retirar e cortar pregos, usadas também para retirar grampos. 3. Extrator para pregos Esta ferramenta também é usada para retirar pregos que estejam bem encravados na madeira. 4. Extrator para grampos Ferramenta similar ao extrator de prego, sua função é retirar grampos. Seu formato faz com que se encaixe entre a madeira e o grampo, possibilitando a remoção do grampo sem dificuldade e sem danificar a peça de madeira que está sendo usada. 9

11 5. Pincel usado para aplicação de cola nas peças a serem pregadas ou grampeadas. 6. Vasilhame para cola branca devendo estar sempre acima da bancada de montagem ou preparação e em local próximo para não esquecer de sua aplicação. 7. Trena ou Metro É usado para fazer medições e conferir medidas, são pouco usados, pois existem as bitolas que auxiliam na execução dos serviços, limitando o uso deste instrumento. 8. Bitola Geralmente confeccionado em madeira, é usada para posicionar uma peça que vai ser fixada em uma outra, evitando assim o uso constante de um equipamento de medição. As bitolas são empregadas em máquinas proporcionando assim condições de cortar ou aparelhar madeiras ou chapas em grande quantidade. As bitolas devem ser marcadas e numeradas ou codificadas para não serem trocadas no momento da preparação e ou montagem. 9. Molde Geralmente confeccionado em duratree (Duratex). São bastante usados em quase todos os setores de produção. Os moldes são desenhos recortados conforme matriz, que servem para fazer outras repetições em várias peças para serem posteriormente cortadas, usando os moldes com precisão, os cortes sairão todos perfeitos. Deve-se se preocupar com o desgaste do mesmo, podendo haver redução com o uso constante e algumas quedas. 10. Grampos, Pregos e Parafusos São materiais muito utilizados no setor de carpintaria e marcenaria, São usados dois tipos de pregos na montagem e preparação, que medem 35mm ou (2.03 x 35) e 50mm ou (2.03 x 50) com cabeça, e na área do corte são usados pregos de 62mm ou (2.03 x 62) com cabeça. Os grampos são usados para fixar ou juntar duas peças, os mais usados são 8/10 e 3/8, sempre com a mesma espessura. São usados também para fazer forração do esqueleto ou estrutura do estofado, geralmente usam-se chapas com espessura de 2mm a 3mm. Ao usar pregos na preparação ou montagem, ter o cuidado de não esquecer de colocar a cola branca, pois só o prego não é o suficiente para fixar duas ou mais peças. 11. Cola de polivinila Conhecida também como cola branca, devido a sua cor, proporciona uma excelente aderência quando totalmente seca. Produzido do acetato de polivinila. O adesivo de PVA é o material de aderência mais utilizado para unir peças de madeira ou chapas derivadas da madeira e complementada com a presença de grampos e ou pregos. Em temperatura ambiente, a cola branca leva de 30 minutos a 3 horas para endurecer. 12. Bancada de Trabalho É um móvel em aço e madeira ou totalmente em madeira que mede 3000mm de largura, 1000mm de profundidade e 900mm de altura, dividida e planejada para realizar tarefas de preparação e montagem. Nesta bancada devem ser organizados todos materiais, equipamentos, ferramentas e máquinas, para obter condições de realizar tarefas rápidas e com qualidade. As 10

12 bancadas geralmente estão compostas de instalação de ar comprimido ou energia elétrica que abastecem as máquinas como grampeador, lixadeira e pinador, etc. As prateleiras servem para distribuir as peças a serem montadas ou preparadas. 13. Paletes As peças cortadas são colocadas sobre paletes, para facilitar a sua organização e o seu transporte. Máquinas manuais São máquinas usadas sobre a bancada, funcionam geralmente à base de ar comprimido, são conhecidas como máquinas pneumáticas, podem ser também utilizadas máquinas elétricas. Exemplos: 1. Pinador Conhecida também como pistola de prego, esta máquina substitui o martelo para pregar, seu manuseio é fácil podendo pregar vários pregos em pouco tempo, facilitando e acelerando o processo produtivo. Como qualquer outra máquina é necessário ter muito cuidado, são usados pregos comuns em pentes ou perfilados. 2. Grampeador Funciona também a base de ar comprimido, usada para grampear placas de duratex ou papelão, fazer junções entre duas peças, usada também na colocação de percintas e na estofaria. 3. Lixadeira É usada para dar acabamento nas peças já montadas, tirando o excesso do duratex, papelão e eliminar também os pregos sobressalentes e quebrar os cantos onde comprometa a segurança e a possibilidade de danificar outro material. 4. Parafusadeira É usada para aplicação de porcas e parafusos, troca-se o bico para executar o trabalho, apropriada para apertar e também folgar parafusos. 5. Bico de ar É usado para fazer limpeza da bancada, manutenção de máquinas e outras peças, eliminando o acúmulo de pó e sujeira nos cantos e dentro dos compartimentos. 6. Furadeira manual Pouco usada, pois as peças chegam a bancadas já furadas e preparadas, caso aconteça de esquecer da furação e a estrutura já esteja montada,então usa-se a máquina de furar manual. 7. Ferragem e Acessórios Nas poltronas reclináveis é usado um mecanismo, que chamamos de aranha negra, que proporciona o movimento de reclinação e giro da poltrona. Outro acessório é uma estrutura metálica dobrável que transforma-se em sofá em cama, esta estrutura, será encaixada no estofado transformando-se em cama casal. 11

13 CORTE E PROCESSAMENTO DA MADEIRA E DAS CHAPAS DERIVADAS DA MADEIRA Máquinas industriais: A madeira maciça e as chapas derivadas da madeira ao chegar na fábrica passam por vários processos para atingir a forma e condições para montagem, e para isso é necessário à utilização de várias máquinas industriais de grande e médio porte com finalidades e funções específicas como: cortar, furar, chanfrar, fazer curvas, etc. Podem funcionar a base de ar comprimido ou a energia elétrica. Tipos de Máquinas: 1. Multi-desengrosso ou plaina Sua função básica é tirar os empenos, defeitos e imperfeições da madeira, transformando numa peça bitolada, deixando todas as peças com a mesma espessura e pronta para ser utilizada, depois de cortada no seu comprimento desejado, em uma nova peça para montagem. Este desengrosso pode aparelhar os quatro lados da madeira, e possui serras acopladas para divisão das peças quando necessário. 2. Destopadeira Geralmente usada para corte da madeira no sentido longitudinal ou corte no comprimento da peça, podendo cortar em série, Nesta máquina utilizase disco de serra com ataque negativo e com limitador de corte. 3. Serra Circular Usada para cortar madeiras e as chapas derivadas da madeira, cortes em ângulos, sendo possível cortar em série, processo similar a destopadeira. 4. Máquina Para Corte de Esquadros O esquadro é uma peça muito utilizada e importante na estrutura do estofado, feito com a madeira reciclada. Permite manter a estrutura exatamente com 90 e aumenta a resistência da estrutura, por isso existe uma máquina apropriada para sua execução. Esta máquina possui duas serras posicionadas a 45 cada uma para um lado, tornando os esquadros íntegros. 5. Furadores Os furadores também são programados para trabalhos em série, bastando apenas, regular e bitolar a máquina com as medidas desejadas, os furadores funcionam automaticamente, bastando apenas virar o lado da peça se for dois furos é necessário que o operador encontre o tempo da máquina para seguir a seqüência. 6. Furador a Laser, Furador com Corrente e Furador de coluna São furadores que são necessários apenas bitolar a máquina conforme o modelo para começar a furação em série. 7. Respigadeira Máquina utilizada para fazer rebaixes e espigas na madeira. 12

14 8. Tupia Também usada na marcenaria e na execução de peças para estrutura do estofado. Sua função é fazer chanfros ou curvas em topos de chapas e ou madeira, usando frezas ou simplesmente ferros (pouco utilizado), seu funcionamento é rotativo e com alta velocidade, a lâmina de corte fica exposta causando perigo de acidente, por isso é considerada a máquina mais perigosa do setor de carpintaria. 9. Serra Fita Usada principalmente para fazer cortes em linhas irregulares, retas ou em curvas. Chama-se serra fita porque sua serra tem forma de fita e é dentada. Seu movimento giratório facilita o corte, bastando apenas o operador movimentar a peça a ser cortada seguindo a linha do desenho marcado através do molde, sendo percorrido em movimento suave, é necessário ter bastante cuidado, pois às vezes a mão do operador se aproxima muito da serra. 10. Seccionadora Máquina para corte das chapas, possui um computador acoplado aos comandos, podendo cortar qualquer chapa derivada da madeira, estes cortes podem ser em série, antes dos cortes as pilhas das chapas a serem cortadas podem ser programadas, e os cortes são feitos em pouco tempo, os cortes das peças são geralmente retangulares e quadradas. As peças após os cortes são separadas e empilhadas em paletes para serem desenhados os moldes, conforme modelo e versão. 11. Serra de Esquadrias Sua função principal é cortar peças em ângulos ou cortar peças com comprimentos pequenos. 12. Máquina para soldar, Máquina para amolar e máquina para travamento da serra fita Estas são máquinas para manutenção da serra fita, pois devido seu uso constante é necessário fazer reparos. MONTAGEM A montagem numa estofaria, refere-se á confecção dos braços direito ou esquerdo, assento, costa, pouf, etc. Cada montador confeccionará uma parte da estrutura ou esqueleto e a montagem também de algumas peças da estrutura do estofado. Forração É a última fase do trabalho da carpintaria, onde são colocados como revestimento da estrutura o duratex e ou papelão. O acabamento é feito, lixando os excessos da forração, algumas quinas e pregos que ficaram sobressalentes, este processo vai evitar acidentes e que rasguem o tecido ou o couro. As peças ao saírem da área do corte para montagem devem ser separadas e contadas conforme a quantidade de peças á serem montadas. Fixação dos pregos O prego ainda é o produto mais utilizado para a fixação de madeiras, dentro e fora de uma indústria. Existem vários tipos de pregos e com o uso da cola, vai possibilitar o aumento da qualidade na fixação, como é o caso dos pregos anelados e resinados, existem também pregos em pentes ou perfilados 13

15 muito utilizados nas indústrias de grande porte, são usadas também para fixação dos pregos máquinas manuais, a qual aceleram a produção. Os pregos com cabeça são utilizados para trabalhos pesados. A cabeça larga assegura um aperto firme, mas o prego pode lascar a madeira. Como aplicar - É praticamente impossível encontrar quem nunca aplicou ou viu aplicar um prego. A versão convencional do produto é aplicada à batida ou martelada, nome que provém da ferramenta utilizada para este fim; o tão famoso martelo, instrumento dos mais primitivos, mas que, na medida do possível, também apresenta variações e evoluções. A versão do martelo pneumático é a mais aceita pelas linhas de produção atualmente. Pelo fácil manuseio e alta velocidade, permite trabalhos contínuos aumentando o rendimento. Geralmente na montagem são usados pregos com cabeça medindo 35mm e 50mm. Preparos das peças Existem peças que deve ser preparado antecipadamente para depois serem passadas para a montagem, facilitando o trabalho do montador, porque às vezes são peças pequenas que são fixadas em outras maiores, considera-se preparação a composição ou união de duas ou mais peças, com o objetivo de chegar nas mãos do montador em condições de aplicar no contexto da montagem, e colocação também de algumas ferragens como porca com garra, parafusos com roscas para colocação dos pés, etc. Avaliação quanto à fixação: 1. Os pregos de interligação não devem vazar, neste caso devem ser rebatidos ou amassados. 2. Se os pregos de interligação quebrarem o painel em OSB, a estrutura não está conforme mas sim comprometida. 3. Devem conter no mínimo: dois esquadros por assento na parte posterior, os esquadros devem estar perfeitamente íntegros, sem fissuras, pregados e colados. 4. Utilize pregos três vezes mais compridos do que a espessura do objeto que estiver pregando. Pregue sempre a mais fina na mais grossa. A melhor maneira de fixar uma junção é cruzar dois pregos. Pregar mais de um prego no mesmo veio pode rachar a madeira. Processo para controle de qualidade: Na chegada da estrutura montada, em outra área ou setor, durante a fase de descarga, deve haver um controle, sobre 100% das peças, verificando os seguintes parâmetros: identificação e integridade. 1. Identificação Anotação do modelo, versão e identificação do fornecedor ou montador, caso aconteça algum problema será fácil resolver. 14

16 2. Integridade Verificar as condições da madeira e chapas derivadas da madeira, quanto ao seu estado de conservação, ausência de partes quebradas e ou elementos estragados. Itens que são verificados durante o controle de qualidade: Cola 1. É de fundamental importância na estrutura do estofado, caso aconteça uma montagem sem cola esta montagem será descartada. 2. Presença de cola nas áreas de junção. 3. Ausência de cola fresca (não suja as mãos), presença de uma camada incolor, quando seca, justifica a presença de cola. Encaixes ou junções A junção em uma estrutura de estofado é feita em forma de T utilizando a ripa e um encaixe, neste tipo de junção à borda de uma ripa é encaixada em uma outra parte da estrutura, deve-se usar no mínimo dois pregos, evitar que a ripa não sofra fissura e colocar bastante cola. Devemos verificar: 1. Correta realização dos encaixes, sem folgas, ausência de luz entre os encaixes (fendas muito abertas), sem fissuras e a presença de cola entre elas. 2. Correto uso, localização dos esquadros e presença dos mesmos nos cantos que formam 90 (servem para manter a estrutura sempre com 90 e para dar mais resistência à estrutura), presença de cola e prego nos esquadros. 3. Pregos curvados e sobressalentes, devem ser retirados e substituídos quando necessário, se sobressalentes devem ser amassados, retirados ou lixados. 4. Presença de porcas com roscas externas ou com garras, previstas no esquema de montagem. 5. Uso e locação corretas das ripas de reforço e presença das mesmas nos lugares previstos. 6. Presença dos furos de encaixes para a próxima etapa da montagem. 7. Ausência de partes da madeira molhadas ou com muita umidade. 8. Ausência de nós que comprometam a estrutura. 15

17 ESPUMA O setor de espuma está dividido em duas partes sendo uma para corte do bloco de espuma e outra para colagem. As espumas se diferenciam conforme a sua densidade a qual vai definir a sua utilização, quanto ao modelo do estofado, as espumas geralmente são empregadas nos assentos do estofados, servem também para revestir as partes externas da estrutura que vai ter contato com o couro ou tecido, sendo utilizado também outros materiais como acrilon com capa, acrilon resinado, etc. As espumas são transportadas em grandes blocos, pesando em média 130 kg, que são cortados em blocos menores com utilização de máquinas especiais para corte de espumas, as sobras dos blocos são coladas e cortadas posteriormente para estofamento dos poufs, e outros cortes, as sobras e pedaços com defeitos são prensados para serem reciclados. São usadas também máquinas computadorizadas que programadas fazem cortes em série, tornando estes cortes perfeitamente iguais e íntegros, podendo fazer curvas e pequenos detalhes na espuma que, se fosse feito manualmente levariam mais tempo e não atingiria a mesma qualidade, as máquinas computadorizadas fazem também cortes da espuma com espessura de 10 mm, para revestimento da estrutura. As espumas podem ser, ortopédica, semi-ortopédica, tem como referência suas cores e densidades. Materiais utilizados no setor de espuma Cola de Contato para espuma ou adesivo R342-O-T:usada para colagem das espumas e também do acrilon com capa, aplicada com o uso de uma pistola com caneca. Talco Usado para deslizamento da espuma sobre bancada da máquina de corte. Moldes Geralmente confeccionados em duratex são bastante usados em quase todas as seções. Os moldes são desenhos recortados de uma matriz, que servem para fazer outras repetições em outras peças para serem posteriormente cortadas, usando os moldes com precisão, os cortes sairão todos perfeitos e íntegros... Acrilon com capa - Usa-se também no setor da espuma o acrilon com capa, que são cortadas em máquinas especiais e depois são coladas nas espuma já cortadas, sua principal função é dar mais conforto ao estofado e dar a formação de linhas curvas mais arrojadas, protegendo também a espuma, são utilizados também gabaritos e moldes conforme o seu modelo. Acrilon resinado Pouco utilizado tem mais freqüência na frente dos braços. Pistola com caneca Utilizada para aplicação de cola para espuma. 16

18 REFERÊNCIA DAS ESPUMAS E SUA APLICAÇÃO D 30 (EXS) Cor ZINZA Aplicação Parte superior do assento Espessuras Variam conforme o modelo estofado de seis cm a sete cm. D21 (P) Cor BEGE Aplicação Costa e Braço (Revestimento da estrutura do estofado) Espessura 1 cm. D23 (S) Cor ROSA Aplicação Parte da frente do braço do estofado Espessura 2 cm. D30 (S) Cor Amarela claro Aplicação Estofamento do Puffe Espessura Conforme o modelo do puffe. D 35 (S) Cor Amarelo Aplicação Sofá / Cama e alguns modelos de puffe (Assento) Espessuras Variam conforme o modelo do estofado. D 45 (S) Cor Verde Aplicação Poltrona reclinável na (tabuleta) local onde descansa os pés. Espessura Conforme o modelo do estofado MÁQUINAS E FERRAMENTAS 1. Máquina para corte de bloco de espuma 2. Máquina computadorizada para corte de assentos, costas e pequenos detalhes em espuma. 3. Máquina para corte de espuma (pequeno porte) 4. Máquina computadorizada para corte do bloco da espuma com espessura de 10 mm. 5. Pistola com caneca para aplicação de cola 6. Bancadas para trabalho de colagem. 7. Carrinhos tipo gaiolos para armazenamento de peças prontas. 8. Máquina para prensar da sobra da espuma (a reciclar). 9. Balança para pesagem da sobra da espuma (a reciclar). NÁTEX / ACRILON 17

19 Setor Nátex Neste setor é produzido almofadas com enchimento de acrilon, geralmente empregadas nos encostos e braços dos estofados. Está divida em área de corte, costura e enchimento. Materiais utilizados no nátex e acrilon: 1. Nátex ( TNT - Tecido Não Tecido ) Tecido utilizado para fazer almofadas sacos com câmaras internas para enchimento com acrilon, este tecido possui gramatura igual a 40/0,90 para facilitar a passagem de ar, 100 % polipropileno, cor branco. 2. Linha - para costura, 100% poliéster, cor branca. 3. Acrilon - Fibra Sintética, utilizada para enchimento da almofada, geralmente utilizada no encosto e braço, é resistente a deformação e não deixa que a umidade acumule, proporciona melhor conforto. 1. Moldes Geralmente confeccionados em duratex são bastante usados em quase todas as seções. Os moldes são desenhos recortados que servem para fazer outras repetições em outras peças para serem posteriormente cortadas, usando os moldes com precisão os cortes sairão todos perfeitos. MÁQUINAS E FERRAMENTAS 1. Máquina de corte (Lâmina de disco)- Utilizada para cortar o TNT no comprimento desejado. 2. Tesoura industrial de cortar tecido - Utilizado para cortar o TNT, seguindo os desenhos feitos através do molde. 3. Tesouras Utilizadas para fazer pequenos cortes e acabamentos. 4. Máquina de furar sem impacto Para as costureiras seguirem um alinhamento, os furos serve com orientação ou guia. 5. Máquina de costura reta com bancada Utilizada para fazer a união das peças através da costura e após o enchimento e pesagem fazer o fechamento. 6. Máquina de desfilamento com canhão Tem a função de desfiar o acrilon dando condição de dar aparência de algodão ou lã. 7. Balança de precisão Para padronização das almofadas é necessário que as mesmas sejam pesadas de forma adequada e conforme o modelo e versão. 8. Suporte desenrolador serve de suporte para os rolos de tecido. 9. Cadeira giratória para costura - Altura regulável, assento e encosto em estofados em espuma e napa, armação tubular, pintura martelado sintético. Processo produtivo do nátex Arrumação das peças de nátex ou TNT, uma sobre a outra formando um tapete, desenha-se na primeira peça todos os moldes, conforme o modelo e versão do estofado; Estes moldes são distribuídos ou arrumados conforme um esquema, para que o aproveitamento das peças de nátex sejam o máximo possível, após as 18

20 peças serem cortadas usando uma tesoura industrial, podem ser cortadas várias peças ao mesmo tempo, as peças são entregue as costureiras que vão unir todas as peças cortadas conforme um manual, a qual já vem preparada para costura com marcação através de furos e pequenos cortes, após a costura das laterais e câmaras internas, são deixadas aberturas nas almofadas para o enchimento com acrilon, as costureiras armazenam as almofadas, repassando todo o material pronto para o enchimento com o acrilon, O acrilon é uma fibra sintética. Este material é importado da Corea, vindo em fardos de 250 kg, são desembalados e colocados em máquinas de desfiamento para torná-los igual ao algodão ou lã, as máquinas provém de canhão e balanças de precisão, através deste processo à própria máquina faz o enchimento das câmaras e a pesagem de cada espaço preenchido, ao final do processo todas as almofadas terão o mesmo peso específico, os pesos de cada câmara depende do modelo do estofado, após o enchimento e a pesagem as almofadas são totalmente fechadas, separadas e arrumadas. Etapas de produção do nátex: 1. Arrumação do tapete ou empilhamento das peças do nátex. 2. Desenho do molde no TNT (nátex) conforme modelo, preocupando-se com o aproveitamento total das peças. 3. Corte do nátex conforme desenho, utilizando tesoura industrial. 4. Marcação com furos para servir como guia ou orientação para costura das câmaras das almofadas e pequenos cortes. 5. Costura das almofadas com um lado aberto para enchimento com acrilon. 6. Enchimento das almofadas com acrilon e pesagem das almofadas para padronização. 7. Fechamento da almofada e separação das peças. CORTE DO COURO Principal material empregado: Couro bovino acabado, raspa bovina acabada e tecido impregnado para revestimento de estofados. O couro utilizado na fabricação de estofados é o couro bovino que, depois de retirado do animal segue para o curtume e passa pelo processo de curtimento que define os tipos de couro e sua tonalidade. Setor destinado ao manuseio e processamento do couro, procurando detectar todos os defeitos existentes e tentar fazer cortes dos moldes que são distribuídos na manta do couro com aproveitamento de quase toda a sua extensão, preocupando-se com a qualidade e o consumo. Observação e marcação dos defeitos do couro conforme sua característica e qualidade. O couro é divido em duas partes uma é chamada de pele ou flor, é a mais valorizada, é um couro fino e macio, usado nos assentos, costas, braços e na parte frontal do estofado. É a parte que fica exposta ao meio ambiente, sujeito a 19

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CARLOS BARBOSA SECRETARIA MUNICIPAL DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS MEMORIAL DESCRITIVO MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: MÓVEIS PARA SECRETARIA DE PROJETOS E OBRAS PÚBLICAS RUA ASSIS BRASIL, 11, CENTRO CARLOS BARBOSA GENERALIDADES O presente documento tem por objetivo: Instruir as condições que

Leia mais

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação

KIT Porta IPUMIRIM. Manual técnico e instruções de instalação Manual técnico e instruções de instalação KIT Porta IPUMIRIM Este manual de instalação do Kit Faqueadas Ipumirim vai auxiliar e orientar construtores e consumidores com as informações necessárias com relação

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR

MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR MANUAL DE INSTALAÇÃO DOS PISOS VINÍLICOS EM MANTAS FORTHFLEX, FORTHPISO, FORTHVINYL, CARAVAN E PASTILLE FLOOR ANTES DA INSTALAÇÃO: Para podermos ter uma excelente apresentação da instalação não dependemos

Leia mais

Linha Primeira Infância

Linha Primeira Infância Fichas Técnicas de Produto Pufe Infantil Folha Descritivo Técnico Completo Pufe Infantil Folha. Estofado infantil sem encosto (pufe) com face superior (assento) em formato losangular. Estruturado em madeira

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO

PV-2200 MANUAL DE INSTRUÇÃO Pág.:1 MÁQUINA: MODELO: NÚMERO DE SÉRIE: ANO DE FABRICAÇÃO: O presente manual contém instruções para instalação e operação. Todas as instruções nele contidas devem ser rigorosamente seguidas do que dependem

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO

Matérias Primas e Processos para Marcenaria INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A cada dia surgem no mercado novos materiais com o objetivo de tornar a produção mais competitiva, reduzindo as etapas de produção, o tempos de fabricação e os custos. Madeira maciça A madeira

Leia mais

DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET

DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET DICAS E ORIENTAÇÕES PARA REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET ORGANIZAÇÃO: Antes de começar a trabalhar é necessário um mínimo de organização. Pode-se nomear uma comissão para coordenar os trabalhos, distribuir

Leia mais

Yep. Nicho para Fogão 80/90-57cm. Partes do Produto. Componentes

Yep. Nicho para Fogão 80/90-57cm. Partes do Produto. Componentes Yep Partes do Produto Nicho para Fogão 80/90-57cm Tampo Vendido Separadamente - Lateral Direita/ Esquerda (x) - Fechamento Frontal (x) - Travessa Inferior (x) - Travessa Traseira (x) 5- Fechamento Lateral

Leia mais

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33

FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 2 1 100 1 132 1 000 FIXANDO AS CAVERNAS NO PICADEIRO 33 1. Coloque a caverna do meio sobre o picadeiro a frente da traverssa. Para o barco de 5,2 m a caverna 2, para os barcos maiores a caverna 3. 2. Alinhe

Leia mais

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções:

ESQUADREJADORA. Princípios principais de utilização e precauções: ESQUADREJADORA A esquadrejadora é uma máquina de serra circular que permite realizar cortes rectos de precisão, vazados ou interrompidos, de peças de grande dimensão. É constituída por um corpo com mesa

Leia mais

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES.

CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA. São planos horizontais que suportam cargas. VARIÁVEIS e PERMANENTES. CONSTRUÇÕES II MADEIRA PISOS DE MADEIRA PISOS DE MADEIRA São planos horizontais que suportam cargas VARIÁVEIS e PERMANENTES. 1 CARGAS NBR 6120 PERMANENTES (g) Peso próprio da estrutura Peso dos elementos

Leia mais

Nosso negócio é criar soluções para ambientes

Nosso negócio é criar soluções para ambientes COMPONENTES Nosso negócio é criar soluções para ambientes Há 14 anos atuando no mercado, a Base home solutions é uma das principais empresas especializadas em criar, desenvolver e fabricar componentes

Leia mais

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik

Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik Elementos Táteis de Alerta Linha Dome - Mozaik APRESENTAÇÃO Os elementos táteis Mozaik foram projetados para a sinalização tátil de pisos executados em praticamente quaisquer tipos de materiais de revestimento,

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO OPERACIONAL ITOPR 007- REV 01 Título: EMENDAS EM CORREIAS TRANSPORTADORAS CABO DE AÇO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO OPERACIONAL ITOPR 007- REV 01 Título: EMENDAS EM CORREIAS TRANSPORTADORAS CABO DE AÇO 1- DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA: Catálogos Goodyear, Mercúrio, Contitech 2- MATERIAIS E FERRAMENTAS: 2.1) Materiais: IT Descrição 01 Borracha de ligação, cabos/cobertura 02 Borracha de cobertura inferior e

Leia mais

1. Identificação do Produto e da Empresa

1. Identificação do Produto e da Empresa 1. Identificação do Produto e da Empresa Produto: Perfis de Poliestireno Tipo de produto: 96 % de Poliestireno Reciclado e 4 % de Poliestireno Virgem Empresa: Indústria e Comércio de Molduras Santa Luzia

Leia mais

RELAÇÃO DOS ANEXO ITENS IDA LICITAÇÃO

RELAÇÃO DOS ANEXO ITENS IDA LICITAÇÃO RUA C.E.P.:78.511.052/0001-10 JOÃO 89636-000-Abdon SANTIN, 30 Batista DE ABDON - Telefone: SCBATISTA 4935451177 Adm.: - Processo Data do Processo: de Licitação: Folha: 12/01/2015 1/6 RELAÇÃO DOS ANEXO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02. Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02. Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial INSTRUÇÃO NORMATIVA N 21, DE 19 DE MARÇO DE 2009. ANEXO 02 Padrões de desempenho e de acabamento de elementos de ocupação predial 1. ARMÁRIO ALTO Armário com duas portas, revestido com laminado melamínico

Leia mais

Mesa de centro com tabuleiro integrado

Mesa de centro com tabuleiro integrado Mesa de centro com tabuleiro integrado Vamos para a mesa Mesa de centro com tabuleiro integrado Esta mesa de centro é genial: ela dispõe de um tabuleiro para que possa mimar as suas vistas com todo o tipo

Leia mais

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014

PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014 PREGÃO ELETRÔNICO Nº 56/2012 PROCESSO: 23066.040825/12-97 UASG: 153038 Vigência: 17/04/2013 até 17/04/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA DIVISÃO DE MATERIAL DIM Maria Edite Jesus Brandão DIVISÃO DE MATERIAL

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO

MANUAL DE INSTALAÇÃO DE BATENTES E PORTAS CORTA-FOGO INSTALAÇÃO DOS BATENTES A instalação dos batentes é simples porém, são necessários alguns cuidados básicos para obter uma porta em perfeitas condições: Para a fixação do batente, levantam-se as grapas

Leia mais

Manual do Proprietário

Manual do Proprietário Manual do Proprietário Produtos A Salapronta possui uma rigorosa seleção de seus móveis, começando pela qualidade de madeiras maciças, placas de madeira, laminados e outros acessórios. Escolhendo sempre

Leia mais

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905

KIT Nº 14 KIT Nº 2 0.905 KIT Nº 1 KIT Nº 2 01 Bandeja Grande Ref.0.2823 01 Rolo de Espuma Pop 23 cm Ref.0.13 com cabo Ref. 0.2072 01 Rolo de Espuma Pop 09 cm com cabo Ref. 0.1109. 01 Rolo de Espuma Pop 05 cm c/ cabo Ref. 0.1105

Leia mais

informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges

informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges informativo técnico Coleção Move De Emerson Borges informativo técnico Coleção Move... Alternando entre o clássico e o moderno o Sofá Move se coloca como uma alternativa sóbria e elegante para a decoração

Leia mais

Mais que nunca é preciso cortar

Mais que nunca é preciso cortar Mais que nunca é preciso cortar Quando suas unhas estão compridas e é necessário apará-las, qual o modo mais rápido de fazê-lo? Lixando ou cortando? Naturalmente, se você lixar, o acabamento será melhor.

Leia mais

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução

Outros materiais que merecem atenção do marceneiro. Introdução Introdução Existem diversos materiais utilizados pela marcenaria na composição do móvel ou ambiente. Por exemplo os vidros, chapas metálicas, tecidos e etc. O mercado fornecedor da cadeia moveleira lança

Leia mais

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança KNAUF SAFEBOARD HOMOLOGADO IRD-CNEN Nº 140312 Knauf Folheto Técnico 08 / 2014 Knauf Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança Estabilidade e blindagem de ambientes submetidos à radiação

Leia mais

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar.

Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. Catálogo Técnico Vigas rígidas e resistentes, mais leves e fáceis de instalar. m a t e r i a i s p a r a c o n s t r u i r m e l h o r. Vigas leves de alta resistência A LP Viga I é fabricada pela LP Building

Leia mais

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.

ETERMAX. www.eternit.com.br. Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel. ETERMAX www.eternit.com.br Eternit S.A. - R. Dr. Fernandes Coelho, 85-8º and. - São Paulo - SP - CEP 05423-040 - Tel.: (11) 3038-3838 Qualidade aliada à versatilidade Atende às mais variadas soluções arquitetônicas,

Leia mais

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS IFSC- JOINVILLE SANTA CATARINA DISCIPLINA DESENHO TÉCNICO CURSO ELETRO-ELETRÔNICA MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS 2011.2 Prof. Roberto Sales. MATERIAIS BÁSICOS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS A

Leia mais

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DO MOBILIÁRIO PARA INSPETORIA REGIONAL DE MOSSORÓ

PLANILHA DE FORMAÇÃO DE PREÇOS DO MOBILIÁRIO PARA INSPETORIA REGIONAL DE MOSSORÓ ANEXO VII Item Descrição Pedido mínimo por fornecimento 01 Tampo em formatos retangular, medindo 90 x 60 cm, em chapa de madeira aglomerada de alta densidade revestida em ambas as faces em laminado plástico

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para eventual fornecimento, montagem e instalação de mobiliário, para a Procuradoria Regional do Trabalho da 2a Região

Leia mais

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II

ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II E ESQUADRIAS MÉTODO EXECUTIVO Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II MÉTODO EXECUTIVO Cuidados no Recebimento Formas de Instalação

Leia mais

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim

Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Casa para pássaros para a varanda ou para o jardim Expedição ao mundo animal. Casa para pássaros Pequenos e grandes zoólogos podem em breve observar e descobrir o mundo a partir da própria porta da varanda.

Leia mais

ANEXO VII GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO

ANEXO VII GERÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO ANEXO VII EMPRESA 01 EMPRESA 02 EMPRESA 03 Tampoemformatosretangular,medindo90x60cm,emchapademadeiraaglomeradadealtadensidaderevestidaemambasasfacesemlaminadoplásticode baixa pressão nas cor castanho com

Leia mais

A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013

A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013 A INSTITUTO FEDERAL DE MINAS GERAIS COMISSÃO PERMANENTE DE LICITAÇÕES Fone:(31)2513-5198 Fax: (31) 2513-5203 PREGÃO ELETRÔNICO 175/2013 1 1. DADOS DO FORNECEDOR 1.1 Dados Cadastrais da Empresa Razão Social:

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Portaria 029/2015 EMENTA: Normatiza a padronização do mobiliário existente do CRF-ES e dá outras providências. O Presidente do CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO - CRF/ES, no uso

Leia mais

MANUAL DE MONTAGEM E INSTRUÇÕES DE USO BERÇO SONHO ENCANTADO / PREMIUM

MANUAL DE MONTAGEM E INSTRUÇÕES DE USO BERÇO SONHO ENCANTADO / PREMIUM WWW.FIORELLO.COM.BR SAC@FIORELLO.COM.BR ENTRADA PRINCIPAL S/N - DISTRITO IND. II - BAIRRO CARAMURU TEL: (46) 3547-3547 CEP: 85880-000 - ITAIPULÂNDIA - PR MANUAL DE MONTAGEM E INSTRUÇÕES DE USO BERÇO SONHO

Leia mais

Sistema de Forros Trevo Drywall

Sistema de Forros Trevo Drywall Nome da Empresa Endereço Tel/Fax (88) 3571-6019 Site E-mail DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte

Leia mais

20 172,00 Und 161,0000. 21 170,00 Und 120,0000. 22 230,00 Und 240,0000 74,0900. 23 520,00 Und. 24 136,00 Und 680,0000. 25 100,00 Und 1.

20 172,00 Und 161,0000. 21 170,00 Und 120,0000. 22 230,00 Und 240,0000 74,0900. 23 520,00 Und. 24 136,00 Und 680,0000. 25 100,00 Und 1. Ata: 316 11484 C.K.YOKOTA MÓVEIS (42) 36245754 Armário de escritório multiuso nas medidas aproximadas 2,39m x 0,80m x 0,55m composto por 10 prateleiras e coluna central. Tampo 2 215,00 Und confeccionado

Leia mais

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson

Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de Arco de Pua Verrumas para Arco de Pua. Verrumas Manuais. Ferros de Pua Mathieson Brocas para Madeira Brocas de 3 Pontas Brocas de 3 Pontas para Mourão Brocas para Fibrocimento e Mourão Brocas em Aço Cromo 46 47 48 48 Brocas Escalonadas para Telhas Arcos de Pua Garra para Mandril de

Leia mais

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras.

PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009. 2.2.1. Painéis da caixa, inclusive o vertical interno, portas e prateleiras. 1 CÓDIGO SUPRI: 71.654.002.001.0029-1 PRODUTO: ARMÁRIO DE MADEIRA Portaria nº 69/SMG-G/2009 de 03/07/2009 1. DESTINAÇÃO Para guarda de materiais de escritório em geral. 2. REQUISITOS GERAIS (VER DESENHOS

Leia mais

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança.

Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança. Knauf Safeboard Sistemas de proteção radiológica 0% chumbo. 100% segurança. Estabilidade, resistência a Raio X, facilidade de controle e manutenção, peso reduzido e características inovadoras. Descrição

Leia mais

Curso Avançado de Vendas

Curso Avançado de Vendas Curso Avançado de Vendas Módulo 3. 2014 Av. Saburo Akamine, 1.555 Rio Claro SP 13504-505 A maior fábrica de estofados do Brasil Garantia Luizzi A garantia do estofado depende da sua correta utilização.

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO INSTALAÇÃO PERMANENTE

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO INSTALAÇÃO PERMANENTE ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 11 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO Laboratório de Árvores, Madeiras e Móveis / Centro

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC Utilização 3 em 1 (sistema travel system) bebê conforto adaptável ao carrinho Altura regulável das alças para empurrar o carrinho 3 posições de regulagem de

Leia mais

Gesso Acartonado CONCEITO

Gesso Acartonado CONCEITO CONCEITO As paredes de gesso acartonado ou Drywall, são destinados a dividir espaços internos de uma mesma unidade. O painel é composto por um miolo de gesso revestido por um cartão especial, usado na

Leia mais

Álbum Sanfonado. Técnica utilizada: cartonagem com utilização de papel reciclado com sisal

Álbum Sanfonado. Técnica utilizada: cartonagem com utilização de papel reciclado com sisal Álbum Sanfonado 1 Técnica utilizada: cartonagem com utilização de papel reciclado com sisal Materiais 2 Papel reciclado com sisal. Papelão Paraná. Papel color plus gramatura 180 g/m² ou cartolina. Lápis

Leia mais

Ferramentas Leitz Brasil

Ferramentas Leitz Brasil Ferramentas Leitz Brasil Leitz Association Representada em mais de 100 paises São 25 Fabricas espalhadas pelo mundo e mais de 300 postos de Serviço. Em torno de 7000 funcionários Vendas anuais em cerca

Leia mais

LINHA AYTY. Roque Frizzo

LINHA AYTY. Roque Frizzo LINHA AYTY Roque Frizzo LINHA AYTY Roque Frizzo CONCEITO Espírito Coleção de móveis para jardim em madeira de eucalipto reflorestada certificada. É aqui que você vai descansar a mente e o espírito... Rústico

Leia mais

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un

UASG. folhas. 300 un 200 un 500 un 2.000 un 300 un 150 un 150 un 200 un UASG UASG UASG 440001 UASG UASG UASG 130126 UASG Participante 170116 170386 183038 Participante 254420 443020 Ministério Participante Participante Participante Lavoura Participante itens material reciclado

Leia mais

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips ALINHA MENTO DO FEIXE LASER. Este tutorial é para ajudar a pessoa de manutenção da máquina laser no alinhamento do feixe laser que é a coisa mais importante para obter um correto funcionamento de sua máquina

Leia mais

ANEXO V MÓDULOS AUDITÓRIO. 1600,00 mm. 400,00 mm. 725,00 mm VISTA FRONTAL VISTA LATERAL. 700,00 mm VISTA SUPERIOR

ANEXO V MÓDULOS AUDITÓRIO. 1600,00 mm. 400,00 mm. 725,00 mm VISTA FRONTAL VISTA LATERAL. 700,00 mm VISTA SUPERIOR ANEXO V 1600,00 mm 200,00 mm 490,00 mm 400,00 mm 725,00 mm VISTA FRONTAL 580,00 mm VISTA LATERAL MÓDULOS AUDITÓRIO 700,00 mm 03 - Mesas em MDF texturizado estrutura em MDF Cinza Cristal 2 faces de 15mm

Leia mais

1. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTES AOS ITENS 1 A

1. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTES AOS ITENS 1 A ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE MOBILIÁRIO PARA SALAS DE AULA E DE ATIVIDADES, SALAS DE USO MÚLTIPLO E DE INFORMÁTICA, ÁREAS DE ALIMENTAÇÃO E DE REPOUSO, DESTINADAS À EDUCAÇÃO INFANTIL, ENSINO FUNDAMENTAL E

Leia mais

Cavaletes de madeira de boa qualidade ou metal, medindo aproximadamente 85 cm de altura x 70 cm de base

Cavaletes de madeira de boa qualidade ou metal, medindo aproximadamente 85 cm de altura x 70 cm de base MATERIAIS NECESSÁRIOS PARA O TREINAMENTO DE PROCESSAMENTO DO CORIAN *Espaço mínimo de 30 m 2, com boa iluminação e ventilação IMAGEM QTD RECOMEND. CÓDIGO DESCRIÇÃO FORNECEDOR 4 Cavaletes de madeira de

Leia mais

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras

ANEXO A.1 Especificações dos Bens de Mobiliário. Lote 1 - Mobiliário de Escritório. # Artigo Características do Artigo Cadeiras # Artigo Características do Artigo Cadeiras 1.1 Cadeira giratória sem braços 1.2 Cadeira giratória com braços - Cadeira giratória sem braços. - Mecanismo com estrutura e componentes em aço e de contacto

Leia mais

Sistema de Paredes Trevo Drywall

Sistema de Paredes Trevo Drywall Nome da Empresa DADOS DO FABRICANTE Trevo Industrial de Acartonados S/A. Endereço Av.Josias Inojosa de Oliveira 5000 - Distrito Industrial do Cariri Juazeiro do Norte - CE - CEP 63045-010 Tel/Fax (88)

Leia mais

ANEXO IA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL N.º 010/2015

ANEXO IA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL N.º 010/2015 ANEXO IA ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL N.º 010/2015 1. REQUISITOS GERAIS DO MOBILIÁRIO A SEREM APRESENTADOS JUNTO COM A PROPOSTA COMERCIAL: 1.1. As especificações técnicas

Leia mais

USOS INDUSTRIAIS. O painel OSB é versátil, resistente e apresenta uma variedade de espessuras que permite diversos usos.

USOS INDUSTRIAIS. O painel OSB é versátil, resistente e apresenta uma variedade de espessuras que permite diversos usos. CATÁLOGO TÉCNICO USOS INDUSTRIAIS O painel OSB é versátil, resistente e apresenta uma variedade de espessuras que permite diversos usos. M A T E R I A I S P A R A C O N S T R U I R M E L H O R. Quem somos

Leia mais

CJP-01 (modelo FDE/ FNDE) Conjunto para professor

CJP-01 (modelo FDE/ FNDE) Conjunto para professor CJP-01 (modelo FDE/ FNDE) Conjunto para professor DESCRIÇÃO Conjunto do professor composto de 1 (uma) mesa e 1 (uma) cadeira. Mesa individual com tampo em MDP ou MDF, revestido na face superior em laminado

Leia mais

ATA DE REGISTRO DE PREÇO

ATA DE REGISTRO DE PREÇO ATA DE REGISTRO DE PREÇO DADOS DO PREGÃO NÚMERO DO PREGÃO: 20/2014 NÚMERO DA ATA DE REGISTRO DE PREÇOS: 20/2014 ÓRGÃO GESTOR: HOSPITAL GERAL DO RIO DE JANEIRO UASG: 160323 CONTATO NO ÓRGÃO PARA ADESÃO:

Leia mais

SUGESTÕES PARA INSTALAÇÃO DO ECOBLOCK

SUGESTÕES PARA INSTALAÇÃO DO ECOBLOCK SUGESTÕES PARA INSTALAÇÃO DO ECOBLOCK GUIA DO INSTALADOR MADEIRA FEITA PARA DURAR ÍNDICE FICHA TÉCNICA... 3 PERFIS E PLACAS DISPONÍVEIS...... 3 1. INFORMAÇÕES BÁSICAS... 4 1.1 CONTRAÇÃO E DILATAÇÃO...

Leia mais

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO -

Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Manual Técnico - OHRA E GAV. PLANO - Material elaborado pelo departamento técnico da OfficeBrasil Desenvolvimento de Projetos e Produtos Última atualização: Março de 2013 Belo Horizonte, MG Linha Ohra

Leia mais

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS

MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS MANUAL DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E CONSERVAÇÃO LINHA TÉCNICA COLEÇÃO MARUBO MADEPLAST PERGOLADOS 1. Coleção Marubo... 02 2. Considerações antes de iniciar.... 06 3. Peças e Ferramentas... 07 4. Especificações

Leia mais

Soluções Inteligentes para o dia a dia

Soluções Inteligentes para o dia a dia Soluções Inteligentes para o dia a dia TELHAS TRANSLÚCIDAS 70 % transmissão de luz =$ Alta durabilidade; Não solta fibras; Melhor custo/benefício; Leveza e flexibilidade; Proteção contra raios UV (economia

Leia mais

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Valor unitário. Valor total. Item Descrição Qtde. 1 Móvel com Gavetas 12,00m². 2 Móvel com Portas de Abrir 70,00m²

FORMULÁRIO-PROPOSTA. Valor unitário. Valor total. Item Descrição Qtde. 1 Móvel com Gavetas 12,00m². 2 Móvel com Portas de Abrir 70,00m² FORMULÁRIO-PROPOSTA Nome da empresa (razão social):... Endereço:... Cidade:... UF:... CEP:... CNPJ/MF n.:... Telefone/fax:... Responsável pela assinatura do contrato: Nome:... Cargo/função:...Telefone/fax:...

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE

CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE CENTRO UNIVERSITARIO DE BELO HORIZONTE Estúdio de Arquitetura: Sustentabilidade Steel Framing Aluna: Gabriela Carvalho Ávila Maio de 2014 ÍNDICE 1 Introdução... 4 2 Sistema Ligth Steel Framing... 5 2.1

Leia mais

Tipos de madeiras, cuidados e usos!

Tipos de madeiras, cuidados e usos! Tipos de madeiras, cuidados e usos! O trabalho em madeira esta ao alcance de todos, material excelente, explorado pelo homem á milhares de anos. Porém sua resistência e durabilidade são afetadas de diversas

Leia mais

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

FORMAS E ARMADURAS. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FORMAS E ARMADURAS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I CUSTO DA ESTRUTURA (SABBATINI, et. Al, 2007) CUSTO DOS ELEMENTOS DA ESTRUTURA

Leia mais

Robert Bosch GmbH. Luminária lounge

Robert Bosch GmbH. Luminária lounge Luminária lounge Muito relaxante Luminária lounge A luz é importante para a ambiente. Esta caixa elegante é a luminária ideal para ambientes lounge confortáveis. 1 Introdução Esta caixa elegante é a luminária

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1. ESTRUTURA E BLINDAGEM DOS MODULOS 1.1 - Estruturas Laterais Externas Deverão ser confeccionadas em chapa de aço SAE1010 #18, com varias dobras formando colunas, sem quinas ou

Leia mais

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I

REVESTIMENTO DEFACHADA. Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I REVESTIMENTO DEFACHADA Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 7º Período Turma A01 Disc. Construção Civil I FUNÇÕES DO REVESTIMENTO DE FACHADA Estanqueida de Estética CONDIÇÕES DE INÍCIO

Leia mais

ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769)

ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769) 1 ESTUFAS DE BAIXO CUSTO MODELO PESAGRO-RIO (Informe Técnico 29, ISSN 0101-3769) Marco Antonio de Almeida Leal Luiz Carlos Santos Caetano José Márcio Ferreira INTRODUÇÃO Atualmente existem várias atividades

Leia mais

Laboratório de Controle de

Laboratório de Controle de Laboratório de Controle de Qualidade - LCQ SENAI/CETEMO Eng. Maria Ballestrin Bertarello NBR 15860/2010 Está dividida em duas partes Parte 1 Requisitos de segurança Parte 2 Métodos de ensaios Escopo berços

Leia mais

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação

Metro-light. toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Metro-light toldos de fachada manual de instalação Instruções gerais e de segurança Leia as instruções de montagem Apesar dos produtos Stobag serem de

Leia mais

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar:

COMO INSTALAR : MATERIAIS: IMPORTANTE. O contra piso deve estar: COMO INSTALAR : Importante para uma perfeita instalação, obter o resultado especificado pela Revitech Pisos e esperado pelo cliente, a utilização das ferramentas corretas. Ferramentas como a desempenadeira,

Leia mais

Como fazer o seu próprio escudo medieval

Como fazer o seu próprio escudo medieval Dark Ages - idade média www.sec11.cjb.net goshinryukempo@hotmail.com Idade média Como fazer o seu próprio escudo medieval Existem dois métodos, um simples e o outro bem mais elaboro. 1. O método simples:

Leia mais

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas

Crescendo com Você. Montagem de Sistemas Crescendo com Você Montagem de Sistemas Estocagem Armazene as chapas em local seco e abrigado. Transporte as chapas de duas em duas. Transporte as chapas na posição vertical. Os calços devem ter 5 cm de

Leia mais

2 - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação

2 - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação - Instalação dos Módulos e Rede de Irrigação APRESENTAÇÃO DO PRODUTO O WallGreen consiste em um sistema desenvolvido para a instalação de Jardins Verticais. O sistema é m o n t a d o f o r m a n d o n

Leia mais

JULHO 2012. www.tectubo.com.br

JULHO 2012. www.tectubo.com.br JULHO 2012 www.tectubo.com.br Coberturas que respeitam você e o meio ambiente. Telhas de PVC Coberturas com durabilidade, segurança e beleza. Dê mais modernidade a sua casa com o mais novo sistema de coberturas

Leia mais

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort

MANUAL TÉCNICO Amanco Ramalfort Amanco Ramalfort Desenho e Dimensões Os tubos Amanco Ramalfort foram desenvolvidos para condução de água no trecho compreendido entre o ponto de derivação da rede de distribuição de água e o kit cavalete

Leia mais

GUIA TÉCNICO DE MONTAGEM

GUIA TÉCNICO DE MONTAGEM TELHAS DE FIBROCIMENTO FIBROTEX - ONDINA - ONDINA PLUS - ONDULADA - COLONIAL ONDA 50 - MAXIPLAC - KALHETA - KALHETA 49 - KALHETÃO 90 GUIA TÉCNICO DE MONTAGEM Indispensável para a montagem correta do telhado.

Leia mais

MONTAGEM DE KITS. Caros modelistas!

MONTAGEM DE KITS. Caros modelistas! MONTAGEM DE KITS Caros modelistas! Nossos kits são projetados em ambiente CAD (desenho assistido por computador), depois são montados digitalmente em 3D e finalmente protótipos são cortados a laser para

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Refª 2201.03.15010. Banco corrido, assento contraplacado e régua de cabides coloridos Ligue Grátis 210 461 786

Refª 2201.03.15010. Banco corrido, assento contraplacado e régua de cabides coloridos Ligue Grátis 210 461 786 Assentos em Sociedade de Equipamentos Escolares, Lda. geral Refª 2201.03.1668SB Refª 2201.03.1633 Refª 2201.03.15010 Cadeira 1ª série, contraplacado Refª 2201.03.1667PDC Cadeira Faia s/braços existe com

Leia mais

Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares

Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares Catálogo Argos Prudentina Móveis Hospitalares Há mais de 40 anos no mercado a Auto Capas produz Prudentina capotas Ltda., marítimas e atualmente em parceria com a Argos passou a produzir móveis hospitalares.

Leia mais

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado.

Serras circulares. A forma dos dentes, bem como os ângulos de corte, variam com o tipo de operação e com a natureza do material que vai ser serrado. Serras circulares Serras circulares são discos dentados que trabalham em máquinas muito solicitadas em marcenarias, carpintarias e serrarias. Estas serras efetuam cortes longitudinais, paralelos, transversais

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos Gesso Convenciona O gesso é um material versátil: ele auxilia nas tarefas de embutir a iluminação, esconder ferragens e disfarçar vigas, além de criar efeitos fantásticos, especialmente

Leia mais

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO

Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO Referência na fabricação de lençóis de borracha com altíssima resistência ao desgaste CATÁLOGO A Pang do Brasil é uma empresa com 36 anos de experiência na fabricação de peças para revestimento em borracha.

Leia mais

Caixa de Inspeção e Interligação

Caixa de Inspeção e Interligação Caixa de Inspeção e Interligação Localização no website Tigre: Obra predial Esgoto CAIXA DE INSPEÇÃO e/ou Obra predial Águas Pluviais CAIXA DE INTERLIGAÇÃO Função/Aplicação: Caixa de Inspeção: destinada

Leia mais

Corte lateral para fios e arames. Código A134006 A134008. 6-160mm. 8-200mm

Corte lateral para fios e arames. Código A134006 A134008. 6-160mm. 8-200mm Alicates isolados Isolação 1000V Alicate universal Corte lateral para fios e arames A134006 A134008 6-160mm 8-200mm 6/72 6/48 Função: Prender, Puxar e Cortar com mandíbula dentada. Cortador lateral de

Leia mais

O que é o Durafloor? 1 Durafloor Home, Durafloor Pro, Durafloor Premium 1 Serviços 2. Instalar é simples 3 Preparando a instalação 3

O que é o Durafloor? 1 Durafloor Home, Durafloor Pro, Durafloor Premium 1 Serviços 2. Instalar é simples 3 Preparando a instalação 3 Durafloor O que é o Durafloor? 1 Durafloor Home, Durafloor Pro, Durafloor Premium 1 Serviços 2 Índice Análise do ambiente Instalar é simples 3 Preparando a instalação 3 Instalação Ferramentas e Materiais

Leia mais

Especialista em Soluções

Especialista em Soluções Fita Adesiva de Polipropileno (Empacotamento) Fita adesiva de filme de polipropileno biorientado transparente com adesivo acrílico. Indicada para: - Trabalhos escolares; - Reforço de embalagens; - Fechamento

Leia mais

Capa TN. com Índice. Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente

Capa TN. com Índice. Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente Conheça os produtos TN Faça uma escolha inteligente Corrediça Oculta TN Slowmotion Corrediça Telescópica TN H45 Corrediça Telescópica TN H45 Slowmotion Corrediça Telescópica TN MINI H35 Capa TN Corrediça

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns!

PRESENTE NOS EDIFÍCIOS. Parabéns! ANOS PRESENTE NOS EDIFÍCIOS + INTELIGENTES E MODERNOS Parabéns! Você acaba de adquirir um produto de alto padrão, elaborado com matéria-prima de excelente qualidade, tecnologia avançada e design exclusivo.

Leia mais