INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA NA QUALIDADE DA VIDA DE DEFICIENTES FÍSICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA NA QUALIDADE DA VIDA DE DEFICIENTES FÍSICOS"

Transcrição

1 INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA ADAPTADA NA QUALIDADE DA VIDA DE DEFICIENTES FÍSICOS Débora Lourdes Martins Graduada em Educação Física pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais Unileste-MG Ricardo José Rabelo Mestre em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília. Docente do Curso de Educação Física do Unileste-MG RESUMO O objetivo da pesquisa foi investigar se a atividade física é uma estratégia eficaz para promover a manutenção e ou melhora na qualidade de vida de portadores de deficiência física. Foi utilizada para determinar o nível da qualidade de vida a Versão Brasileira do questionário de Qualidade de Vida SF 36 no pré e pós-teste. A amostra foi composta de 20 voluntários, divididos em dois grupos, (GE) composto por 14 voluntários com idade de 26 a 60 anos e (GC) composto por 6 voluntários com idade de 25 a 37 anos, todos portadores de deficiência física, sedentários, que não fazem acompanhamento fisioterápico, membros da Associação de Cooperação e Integração dos Portadores de Deficiência Física (ACINPODE) da cidade de João Monlevade-MG. Os voluntários participaram de um programa de natação com duração de 24 semanas, duas vezes por semana, 50min cada aula,numa piscina aquecida e coberta. Pode-se conclui que o programa de natação adaptada, realizado nesta pesquisa colaborou para a melhoria da qualidade de vida dos deficientes físicos participantes do (GE). Palavras Chaves: Qualidade de vida. Deficiente físico. Natação adaptada. The objective of the research went investigate to physical activity it is an effective strategy to promote the maintenance and or to improve in the quality of life of carriers of physical deficiency. It was used to determine the level of the life quality the Brazilian Version of the questionnaire of Quality of Life - SF 36 in the initial and final tests. The sample was composed of 20 volunteers, divided in two groups, (GE) composed by 14 volunteers with age of 26 to 60 years and (GC) composed by 6 volunteers with age of 25 to 37 years, everybody physical, sedentary deficiency carriers, that don't make phisioterapic accompaniment, members of the Association of Cooperation and Integration of the Carriers of Physical Deficiency (ACINPODE) of João Monlevade s city MG state. The volunteers participated of a swimming program with 24 weeks duration, twice a week, 50 minutes each class, inside a warm and covered pool. It was concluded that the adapted swimming program accomplished in this research collaborated for the improvement of the quality of life of the volunteers analysed (GE). Key words: Life quality. Faulty physical. Adapted Swimming. 1

2 INTRODUÇÃO Com a era da informatização, cada vez menos a população utiliza esforços físicos para realização de suas tarefas profissionais e diárias. Com isso a população tem se tornado mais sedentária. O século XX I aponta a importância da construção da qualidade de vida, valorização da vida ativa, priorizando o combate ao sedentarismo. O sedentarismo é condição indesejável e representa risco a saúde (ZUCHETO e CASTRO 2002). Para Guidi e Moreira (1996), a qualidade de vida está identificada no grau de autonomia com que o mesmo desempenha as funções do dia a dia, que o fazem independente dentro do contexto sócio econômico e cultural. Para Zucheto e Castro (2002), a qualidade de vida está associada ao estado de saúde, longevidade, satisfação no trabalho, relação familiar e disposição para a vida, entre outros. Estudos recentes têm dado importância significativa à prática regular de atividade física como melhoria do bem estar do indivíduo e prevenção contra doenças. Para Guiselim (1996), ao participar de um programa cuja meta é melhorar a sua qualidade de vida, verifica-se que o exercício ajuda a controlar o estresse e reduz a tendência a depressão, permite sensação de mais energia auxilia na realização das atividades diárias, ajuda a dormir melhor e contribui na estrurturação da auto-imagem. A atividade física pode proporcionar para os deficientes físicos saúde, longevidade, autonomia entre outros, já que para Matsudo e Matsudo (2000 ) apud Assumpção (2002), os principais benefícios a saúde adivindo da prática de atividade física referem-se aos aspectos antropométricos, neuromusculares, metabólicos e psicológicos. Os efeitos metabólicos apontados pelos autores são o aumento do volume sistólico, da potência aeróbica, da ventilação pulmonar, a melhora do perfil lípidico, a diminuição da pressão arterial, melhora da sensibilidade à insulina e a diminuição da freqüência cardíaca em repouso e no trabalho submáximo. Com relação aos efeitos antropométricos e neuromusculares ocorre, segundo os autores, a diminuição da gordura corporal, o incremento da força e da massa muscular, da densidade óssea e da flexibilidade. Na dimensão psicológica, afirmam que a atividade física atua na melhoria da auto-estima, do auto-conceito, da imagem corporal, das funções cognitivas, da socialização, na diminuição do estresse, da ansiedade e do consumo de medicamentos. Para Chatard (1992) apud Tsutsumi (2004), a natação é um dos esportes mais apropriado para o individuo com algum tipo de deficiência, devido aos benefícios e as facilidades proporcionadas pela execução de movimentos com o corpo imerso na água. A natação desenvolve coordenação, condicionamento aeróbico, reduz a espasticidade, e resulta em menos fadiga que outras atividades. Para a Association of Swimming Therapy (1986), o milagre da água é tornar a separação ou distinção menos nítida, frequentemente impercebíveis, pois nós todos somos mais iguais na água; as muletas e as cadeiras são deixadas de lado e flutuamos, grosseiramente, no mesmo nível e deste modo, desfrutamos de igualdade de nível e de mesmo nível de fala. Segundo o autor, a água fornece muito apoio e, quando usada corretamente, pode estimular ou relaxar o nadador deficiente, proporcionando ao mesmo autonomia. 2

3 Qualidade de vida A Organização Mundial de Saúde (1999) apud Assunção (2002), definiu qualidade de vida como a vida cultural do indivíduo e os valores nos quais eles vivem, considerando objetivos, expectativa, padrões e preocupações da vida. Segundo Py e Jaques (1999), qualidade de vida na realidade é o fator que afeta ou modifica nosso bem-estar vivencial relacionado com o nível de felicidade. Para o autor, O lazer tem fundamental importância na qualidade de vida. Para Samulski e Lustosa (1996), a expressão qualidade de vida na sua abrangência aplica-se ao indivíduo saudável e se relaciona com o seu grau de satisfação com a vida nos seus vários aspectos que a integram: moradia, transporte, alimentação, lazer, satisfação/ realização profissional, vida sexual e amorosa, relacionamento com outras pessoas, liberdade, autonomia e segurança financeira. Para Zuchetto e Castro (2002), a qualidade de vida está relacionada à saúde emocional, à auto- estima, à melhor imagem corporal e um estilo de vida mais ativo, com maior mobilidade física e maior autonomia, refletindo nas realizações de tarefas diárias e resoluções de problemas pessoais do dia a dia. Para Barros apud Zuchetto e Castro (2002), a atividade física pode afetar a qualidade de vida das pessoas, promovendo importantes adaptações fisiológicas, agudas ou crônicas. Por outro lado a falta de atividade física pode causar redução à mobilidade, aumento do peso corporal e diminuição a disposições para as tarefas diárias. A prática da atividade física adaptada A busca de um bem estar físico e psicológico, visando uma melhor qualidade de vida, levou os portadores de deficiência a procurar a prática de diversas atividades físicas. (BARROS, 2000). Para Py e Jacques (1999), a atividade física melhora as condições totais do organismo. Força, agilidade, coordenação motora, flexibilidade, postura e resistência física adquiridas com a prática de exercícios são fatores importantes para o desempenho produtivo do ser humano e que o capacitam a realizar eficientemente as tarefas impostas pela vida. Para se promover vida sadia e prevenção a doenças é importante a conscientização em relação a atividade física.segundo os autores, há uma íntima relação entre doença e estilo de vida, onde a atividade física constitui fator fundamental. Segundo Tsutsumi (2004), a atividade física adaptada contínua estimula a qualidade de vida, a integração social, prevenindo complicações futuras. A atividade física regular para Shephvid (1991) apud Tsutsumi (2004), pode trazer novas perspectivas para o indivíduo com incapacidade física, incluindo novas amizades e até oportunidade de emprego, devido ao aumento da produtividade. A prática de atividades motoras permite ao portador de deficiência física testar suas potencialidades, ampliar suas respostas motrizes, prevenir deficiências secundárias, manter e melhorar as condições fisiológicas e, consequentemente, a auto-estima, auto-imagem e a integração total do individuo. 3

4 Natação Adaptada Segundo a CPB (Comitê Paraolímpico Brasileiro) Apud Tsutsumi (2004), a natação é uma das modalidades que participa dos jogos Paraolímpicos e o Brasil possui representantes desta modalidade. Desde a primeira Paraolimpíada, em Roma, 1960, a natação está presente no programa oficial de competições. Na história paraolímpica, homens e mulheres sempre estiveram nas piscinas na luta pelos melhores tempos. A modalidade atrai grandes públicos e um expressivo número de atletas. Entre as 106 medalhas do Brasil nos Jogos, nada menos que 39 (36%) vieram das conquistas da natação. Este histórico vitorioso foi iniciado em Stoke Mandeville-84, com um ouro, cinco pratas e um bronze. Nos Jogos Paraolímpicos de Seul-88, as piscinas renderam ao País um ouro, uma prata e sete bronzes. Na Paraolimpíada de Barcelona, o esporte obteve três bronzes. Em Atlanta-96, a performance foi exatamente igual à de Seul. Sydney marcou o melhor desempenho da natação, que trouxe um ouro, seis pratas e quatro bronzes para o Brasil. As regras são as mesmas da natação convencional com alterações apenas na largada, virada e chegada. As provas são variadas e obedecem aos estilos oficiais, os atletas são separados de acordo com suas classes, podendo participar da modalidade esportiva portadores de qualquer deficiência, sendo física, mental, visual ou auditiva (MELO; LOPES,2002). Segundo a Association of Swimming Therapy (1986), a iniciação da natação para pessoas com deficiência física normalmente se dá através do Método Halliwick, que ensina desde o controle respiratório ate os movimentos básicos de um nado. A partir daí, são utilizadas técnicas de aprendizagem dos nados como na natação normal, claro que respeitando a individualidade e a capacidade de cada pessoa. O método Halliwick foi criado por James McMillan em 1949, na Halliwick School, em Londres. Esse método baseia-se nos princípios científicos da hidrostática, da hidrodinâmica e da mecânica dos corpos e seu o objetivo é de promover todos os aspectos da natação para pessoas com deficiência. As atividades ensinadas pelo método englobam muitas habilidades, como por exemplo, o aprendizado de como o empuxo e a turbulência afetam o corpo (e como responder a isso), o aprendizado do equilíbrio, as remadas e o desenvolvimento dos movimentos da natação básicos. A água apresenta propriedades que facilitam para o indivíduo sua locomoção sem grande esforço, pois sua propriedade de sustentação (empuxo) e eliminação quase total da força da gravidade pode, segundo Campion (2002), aliviar o estresse sobre as articulações que sustentam o peso do corpo, auxiliando no equilíbrio estático e dinâmico, propiciando dessa forma maior facilidade de execução de movimentos que, em terra seriam muito difícil ou impossível de serem executados. A natação desenvolve no deficiente físico capacidades para dominar o elemento água, fazendo com que se torne independente e seguro dentre suas limitações (GRASSELI; PAULA, 2002). O objetivo dessa pesquisa foi investigar se a atividade física é uma estratégia eficaz para promover a manutenção e ou melhora na qualidade de vida de portadores de deficiência física. 4

5 METODOLOGIA O presente estudo é composto por 20 voluntários divididos em 2 grupos. O primeiro, denominado grupo experimental (GE) composto por 14 indivíduos sendo 10 do sexo masculino e 4 do sexo feminino com idade entre 26 a 60 anos e o segundo, denominado grupo controle (GC), composto por 6 indivíduos, 4 do sexo masculino e 2 do sexo feminino com idade entre 25 a 37 anos, todos portadores de deficiência física, sedentários, que não fazem acompanhamento fisioterápico, membros da Associação de Cooperação e Integração dos Portadores de Deficiência Física (ACINPODE), da cidade de João Monlevade-MG. Para determinarmos o nível de Qualidade de Vida dos voluntários foi aplicado a Versão Brasileira do questionário de Qualidade de Vida SF- 36, onde os resultados foram transformados em notas de 8 domínios (Capacidade funcional, limitação, dor, estado geral de saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais,saúde mental). Após o consentimento do presidente da ACINPODE e de posse do termo de participação assinados pelos voluntários foi aplicado a versão Brasileira do questionário de qualidade de vida SF-36 uma semana antes do início das aulas. O programa de natação foi ministrado pela própria pesquisadora em uma escola de natação com piscina coberta e aquecida, na cidade de João Monlevade-MG. Teve a duração de 24 semanas, com aulas duas vezes por semana (Terça e Quinta), no horário da manhã, e duração de 50 min cada aula. Os voluntários do (GE), não tinham vivência a pratica da atividade física em meio liquido, nas primeiras 4 semanas, foi trabalhado adaptação ao meio liquido, priorizado a flutuação de costas, a partir da 5º semana foi iniciado a aprendizagem do nado crawl, numa aula bem descontraída, com aquecimento, técnicas do nado crawl, brincadeiras e relaxamento. Após as 24 semanas foi aplicado no pós-teste a versão brasileira do questionário de qualidade de vida SF-36. Os dados foram analisados através da estatística descritiva, média, desvio padrão, porcentagem, teste t de Student e apresentação por meio de tabela e gráficos para melhor compreensão. Foi solicitada uma autorização ao presidente da ACINPODE, através de um termo de consentimento da ação envolvida na pesquisa, assim com todos os voluntários. Todos os objetivos e procedimentos da aula de natação foram explicados para todos os portadores de deficiência física que participaram de forma anônima e voluntária da pesquisa. RESULTADOS E DISCUSÃO Os resultados foram baseados na comparação dos dados obtidos no pré-teste e pós-teste de um programa de natação. Considerando o perfil da amostra, a análise do questionário mostrou que o (GE) é predominante adulto, com média de idade de 39,6 ±13,8 anos, o (GC) é predominante jovem com média de idade de 27,8 ± 4,6. O gráfico abaixo apresenta aos resultados relacionados ao período na qual os entrevistados adquiriram a deficiência. 5

6 Figura 01- Distribuição do Grupo Experimental quanto ao período no qual adquiriu a deficiência. Grupo Experimental 43% 43% Infância Adolescência Idade Adulta 14% Observando o gráfico verifica-se que 43% da amostra adquiriram a deficiência na idade adulta por fatores relacionados a acidente no trabalho, acidente automobilístico e violência urbana, 43% da amostra adquiriu a deficiência na infância por motivos de paralisia infantil e 14% da amostra adquiriram a deficiência na adolescência também por motivo de acidente automobilístico. Figura 02 Distribuição do Grupo Controle quanto ao período no qual adquiriu a deficiência. Grupo Controle 0% 0% 100% Infância Adolecência Idade Adulta Observando o gráfico podemos perceber que todos os participantes do grupo controle adquiriram a deficiência na fase adulta, por motivo de acidente no trabalho e acidente automobilístico. 6

7 Figura 03 - Distribuição dos indivíduos segundo o tipo de deficiência física do Grupo Experimental. Grupo Experimental Amputado 29% 14% 14% AVC Poliomielite 43% Traumatismoraquio medular Observando o gráfico de distribuição dos indivíduos segundo o tipo de deficiência física do grupo experimental podemos perceber que a poliomielite foi à causa da deficiência de 43% dos entrevistados. Antigamente essa doença infecciosa que atinge células motoras não atingindo a sensibilidade era muito temida devido o fato de que quase sempre trazia seqüelas irreversíveis às crianças (BRUKHARDT,1985). Hoje essa doença já é controlada no Brasil e no mundo devido às campanhas de vacinação. O traumatismo raquiomedular foi à causa de 29% da deficiência dos entrevistados. Palmer e Tons (1988) apud Almeida e Tonello (2007), relatam que o trauma é uma das causas mais comuns de lesão medula espinhal, se originando de ferimentos penetrantes por faca ou bala, fraturas com deslocamento resultando numa transecção de medula, compressão por tumor, osteofito, aracnoidite, abcesso extradural, hérnia de disco ou um desabamento vertebral. No Brasil, há mil portadores de lesão medular, e cada ano essa incidência vem aumentando, devido a acidentes automobilísticos e principalmente a violência. A amputação é a causa de 14% da deficiência dos entrevistados. Segundo Carvalho (2003), definiu-se como a retirada, geralmente cirúrgica, total ou parcial de um membro. No caso dos entrevistados a deficiência foi causada por acidente automobilístico, mais pode ocorrer a amputação por doenças como o câncer, o diabetes e a trombose. Segundo Camargo e Gonzalez (1996), O AVC acidente vascular cerebral, conhecido também como derrame faz com que o individuo perca a sensibilidade em um lado do corpo, sendo possível sua recuperação total ou parcial através de reabilitação,sendo à causa da deficiência de 14% dos entrevistados.existem diversos fatores considerados de risco para a chance de ter um AVC, sendo o principal a hipertensão arterial sistêmica não controlada e, além dela, também aumentam a possibilidade o diabetes mellitus, doenças reumáticas, trombose, uma arritmia cárdia chamada fibrilação atrial, estenose de valva mitral entre outra. 7

8 Figura 04 Distribuição dos indivíduos segundo o tipo de deficiência física do Grupo Controle. Grupo Controle Amputado 33% 34% AVC (Derrame) 0% 33% Polimielite Traumatismo Raquiomedular Observando o gráfico de distribuição dos indivíduos segundo o tipo de deficiência física do grupo controle podemos perceber que a Amputação foi à causa da deficiência de 34% da amostra, o AVC foi à causa de 33% igualando ao Traumatismo Raquiomedular. No grupo Controle não houve indivíduos com Poliomielite. Tabela 01- Comparação do Grupo de Controle e Grupo Experimental no Pré- Teste Domínio Grupo Experimental Grupo Controle Média Desvio Padrão Média Desvio Padrão Valor de p Capacidade Funcional 26,0 12,4 29,1 3,7 0,5624 Limitação 39,2 33,5 54,1 18,8 0,3259 Dor 52,7 25,3 59,6 27,0 0,5879 Saúde 58,3 19,6 60,7 27,3 0,8564 Vitalidade 66,4 15,3 60,0 15,4 0,4036 Aspectos Sociais 58,9 26,5 66,6 10,2 0,5035 Aspectos Emocionais 38,0 36,6 61,0 13,5 0,1577 Saúde Mental 68,5 17,1 69,3 13,7 0,9245 Observa-se pelo valor (p 0,05) que o grupo experimental e controle não tiveram diferença no Pré-teste, isto é, partiu na mesma condição inicial. Tabela 02 Comparação entre o Pré-Teste e Pós-Teste no Grupo Controle Domínio Pré-Teste Pós-Teste Média Desvio Padrão Média Desvio Padrão Valor de p Capacidade Funcional 29,1 3,7 32,5 5,2 0, Limitação 54,1 18,8 54,1 18,8 0, Dor 59,6 27,0 65,8 21,2 0, Saúde 60,7 27,3 67,0 21,6 0, Vitalidade 60,0 15,4 63,3 10,8 0, Aspectos Sociais 66,6 10,2 70,8 10,2 0, Aspectos Emocionais 61,0 13,5 66,6 1,56 0, Saúde Mental 69,3 13,7 70,0 14,0 0, Observa-se pelo valor (p 0,05) que o grupo controle não teve diferença no Pré- teste e Pós-teste, o que já era esperado pois esse grupo não participou de nenhum programa durante as 24 semanas. 8

9 Tabela 03- Comparação entre o Pré-Teste e Pós-Teste no Grupo Experimental Domínio Pré-Teste Pós-Teste Média Desvio Padrão Média Desvio Padrão Valor de p Capacidade Funcional 26,0 12,4 32,5 15,0 0, * Limitação 39,2 33,5 60,7 30,5 0, * Dor 52,7 25,3 66,4 27,0 1, Saúde 58,3 19,6 64,7 18,3 0, * Vitalidade 66,4 15,3 74,2 11,7 0, * Aspectos Sociais 58,9 26,5 75,8 19,2 0, * Aspectos Emocionais 38,0 36,6 73,7 32,5 0, * Saúde Mental 68,5 17,1 76,6 7,3 0, Através dos valores (p 0,05), pode-se verificar que hove uma melhora entre o pré-teste e o pós-teste nos domínios: capacidade funcional, limitação, saúde, vitalidade, aspectos sociais, aspectos emocionais. Não havendo melhora nos domínios: dor e saúde mental. Almeida e Tonello (2007), ao estudar um grupo de 10 alunos com lesão medular, com idades de 13 a 46 anos, que praticam natação (iniciantes, aperfeiçoamento e treinamento), observaram que em relação à qualidade de vida concordaram com as afirmativas a respeito dos benefícios físicos, atingindo 92,50% do total das respostas e a respeito dos benefícios sociais atingiram 82,73% do total das respostas. Estudos como o de Sampaio (2001) apud Franco (2005), demonstram uma melhora na funcionalidade de pacientes que sofreram traumatismo raquiomedular, o que proporciona diretamente melhoria na qualidade de vida, estando relacionada com independência nas AVDs, melhora da auto- estima, melhora da auto-imagem e da auto-confiança. Franco (2005), ao estudar dois voluntários paraplégicos, vitima de acidente automobilístico, um do sexo masculino com 26 anos e um do sexo feminino com 23 anos, durante 6 semanas, 3 vezes por semana, 45 mim cada aula, submetidos a um programa de atividades física moderada, observou através da escala de Nonthing, em que a qualidade de vida foi avaliada, o numero de respostas não, que é vista como bom critério evidenciou n=52 antes e n= 67 depois do programa de atividade física. Este resultado vem ao encontro dos resultados obtidos neste estudo, que também obteve resultados na qualidade de vida dos portadores de deficiência física no pós-teste do grupo experimental. Para Grasseli e Paula (2002), a atividade aquática satisfaz as necessidades do deficiente físico, especialmente a necessidades de ação, por isso ela deve ser vista como fator de desenvolvimento tanto fisiológico, psicológico e cognitivo. CONCLUSÃO E RECOMENDAÇÃO Pode-se concluir que o programa de natação adaptada realizado nesta pesquisa, colaborou para a melhoria da qualidade de vida dos deficientes físicos participantes do (GE). A prática regular de natação adaptada por deficientes físicos pode influência em suas vidas de forma positiva, contribuindo para uma maior autonomia e independência se tornando pessoas mais capazes e mais felizes. 9

10 Entretanto, há necessidade de um número maior de estudos, com um número maior de amostra, que avalie a influência da natação na qualidade de vida de deficientes físicos aqui abordados. REFERÊNCIAS ALMEIDA, Patricia Alves de e TONELLO, Maria Georgina Marques. Benefícios da Natação para alunos com Lesão Medular. Revista Digital E.F.Desportos. Buenos Aires, ano 11, nº 106, mar /2007.Disponível em: Acesso em: 14 mai ASSUMPÇÃO, Luiz Otávio Teles, MORAIS, Pedro Paulo e FONTURA, Humberto. Relação entre Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida. Revista Digital E.F.Desportos. Buenos Aires, ano 8, nº 52, set/ Disponível em: Acesso em: 14 mai ASSOCIATION OF SWENMING THERAPY. Natação para Deficientes. São Paulo: Manole,1986.p. 04. BARROS, Jônatas de França. Estudo Comparativo das variáveis neuro-motoras em portadores de deficiência mental. Revista Brás.Ciên e Mov. Brasília, v 8, n 1.p , mai Disponivel em: BoJ:www.ucb.br/mestradoef/RBCM/8/8%2520- %25201/completo/c_8_1_6.pdf+Estudo+Comparativo+das+vari%C3%A1veis+neuro- motoras+em+portadores+de+defici%c3%aancia+mental.&cd=1&hl=pt- BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 14 mai BURKHARDT, Roberto e ESCOBAR, Micheli Ortega. Natação para Portadores de Deficiência. Rio de Janeiro: A Livro Técnico, p. CAMPION, Margaret Reid. Hidroterapia Princípios e Prática. São Paulo: Manole, 2002 p CAMARGO NETTO, Francisco e GONZALEZ, Jane da Silva. Desporto Adaptado para Portadores de Deficiência: Natação. Porto Alegre:UFGS/INDESP, p. CARVALHO, Jose Andrade. Amputações de Membros Inferiores em Busca da Plena Reabilitação. 2º Edição. São Paulo: Manole, p. CEVIDOSO, Versão Brasileira Questionário de Qualidade de vida SF-36. Disponível em: sileiradoquestionariodequalidadedevida.doc. Acesso em 28 mai FRANCO, Elizabeth. Analise do efeito Funcional e Cardiovascular Após um Programa de Atividade Física em Paraplégicos. Revista Min. Educ. Fis. Viçosa. Edição Especial nº 2 p , FREITAS,Patrícia Silvestre de e CIADADE, Ruth Eugênia Amarante. Noções sobre Educação Física e Esporte para Pessoas Portadoras de Deficiência: Uma 10

11 Abordagem para Professores de 1º e 2º grau. Uberlândia: Gráfica Brenda, 1997.p GRASSELLI, Samira Miranda e PAULA, Alexandre Henriques de. Aspectos da atividade aquática para deficientes. Revista Digital E.F Deportes: Buenos Aires, Ano 8, n. 53, outubro de Disponível em: Acesso em: 18 mai GUISELINI, Mauro. Qualidade de vida: Um Programa Prático para um corpo saudável. 2 ed. São Paulo: Gente, 1996.p GUIDI, Maria Laís Mousinho e MORERIRA, Maria Regina de Lemos. Rejuvenescer a Velhice: Novas Dimensões da vida. 2 ed. Brasília: UnB, 1996.P.250. MELO, Ana Cláudia Raposo e LOPEZ, Ramón. F. Alonso. c. Revista Digital E.F. Deportes. Buenos Aires, Ano 8, nº 51, ago Disponível em: Acesso em: 18 mai PY, Luiz Alberto e JACQUES, Haroldo. A linguagem da Saúde. 3 ed. Rio de Janeiro: Campus, p SAMULSKI, D. e LUSTOSA, L. A Importância da Atividade Física para a Saúde e a qualidade de vida. Revista Athus de Educação Física e Desporto. Vol. 17 p.60-70,1996. TSUTSUMI, Olívia. Os Benefícios da Natação Adaptada em Indivíduos com Lesão Neurológica.Revista Neurociências. Vol.12 nº 2, Disponivel em: 0RN%2012% pdf Acesso em: 18 mai ZUCHETO, Ângela Teresinha e Castro, Rosângela Laura Ventura Gomes de. As Contribuições das Atividades Físicas para a Qualidade de Vida dos Deficientes Físicos. Revista Kinesis. Santa Maria, n 26, p , mai,

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar

Treinamento Personalizado para Idosos. Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Treinamento Personalizado para Idosos Discentes: Dulcineia Cardoso Laís Aguiar Idosos Indivíduos com idade superior a 60anos Segundo o estatuto do idoso -é assegurando o direito à vida, à saúde, à alimentação,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA

ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA ATIVIDADE FÍSICA, APTIDÃO FÍSICA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA Revolução industrial Antes da revolução industrial as pessoas eram mais ativas porque viviam constantemente se movimentando no trabalho na escola,

Leia mais

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO 1 ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. Lincoln dos Santos Andrade 1 Lucas Camilo Richter Barbosa da Silva 1 Gisele Cristina Galli 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah Achour

Leia mais

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR Hugo Rodrigo Menha 1 Rosangela Marques Busto 2 Universidade Estadual de Londrina 3 Resumo: Este

Leia mais

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física

Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física 10 Promoção da Saúde na Escola Através das Aulas de Educação Física Juliana Marin Orfei Especialista em Atividade Física: Treinamento Esportivo UNICASTELO Viviane Portela Tavares Especialista em Atividade

Leia mais

As Atividades físicas suas definições e benefícios.

As Atividades físicas suas definições e benefícios. As Atividades físicas suas definições e benefícios. MUSCULAÇÃO A musculação, também conhecida como Treinamento com Pesos, ou Treinamento com Carga, tornou-se uma das formas mais conhecidas de exercício,

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica

A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica A percepção da melhora da capacidade funcional em indivíduos da Terceira Idade praticantes de hidroginástica Lillian Garcez Santos 1 Marcus Vinícius Patente Alves 2 RESUMO O número de pessoas acima de

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade

Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade Documento Técnico A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade DIVISÃO DESPORTO - CME A Actividade Física e a Promoção da Saúde na 3ª Idade 1.1. Conceito de Saúde Segundo a Organização Mundial

Leia mais

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003

REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 REVISTA DA UFG - Tema MELHOR IDADE Órgão de divulgação da Universidade Federal de Goiás - Ano V, No. 2, dezembro de 2003 GOYAZ, M. - Vida ativa na melhor idade. Revista da UFG, Vol. 5, No. 2, dez 2003

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias

Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias 1 / 3 Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Relação entre atividade física, saúde e qualidade de vida. Notas Introdutórias Luís Otávio Teles

Leia mais

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente

RESOLUÇÃO. Bragança Paulista, 30 de maio de 2005. Prof. Milton Mayer Presidente RESOLUÇÃO CONSEAcc-BP 9/2005 ALTERA AS EMENTAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA, DA UNIVERSIDADE SÃO FRANCISCO, DO CÂMPUS DE BRAGANÇA PAULISTA. O Presidente do Conselho Acadêmico por Câmpus, do câmpus de Bragança

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

VI Seminário de Educação Inclusiva Direito à Diversidade ESPORTE ADAPTADO Ana Leonídia Soares Prof. Educação Física analeonsoares@bol.com.

VI Seminário de Educação Inclusiva Direito à Diversidade ESPORTE ADAPTADO Ana Leonídia Soares Prof. Educação Física analeonsoares@bol.com. VI Seminário de Educação Inclusiva Direito à Diversidade ESPORTE ADAPTADO Ana Leonídia Soares Prof. Educação Física analeonsoares@bol.com.br Quem somos? Onde estamos? Pessoa com deficiência; quase ¼ da

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PREFEITURA MUNICIPAL DE CHOPINZINHO PR SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GESTÃO 2012-2015 PROJETO TERCEIRA IDADE ATIVA EDUCADORAS FÍSICAS: LÍDIA POSSO SIMIONATO (responsável) ALANA M. C. KNAKIEWICZ (estagiária)

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Mais saúde, menos stress

Mais saúde, menos stress iate especial Mais saúde, menos stress conheça Os BenefÍcIOs DA prática esportiva e AprOveIte para escolher A MODALIDADe IDeAL por JOãO rodrigues Um dos maiores diferenciais da Academia do Iate Clube de

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

A importância da Atividade Física

A importância da Atividade Física A importância da Atividade Física Introdução Mas o que é atividade física? De acordo com Marcello Montti, atividade física é definida como um conjunto de ações que um indivíduo ou grupo de pessoas pratica

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1. ª SÉRIE CÓDIGO DISCIPLINAS TEOR PRAT CHA PRÉ-REQUISITO 99-7233-02 MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA SERIADO ANUAL - MATUTINO/NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS ATIVIDADE FÍSICA ESPORTES PESSOAS COM DEFICIÊNCIA LIMITAÇÃO POTENCIALIDADE

PRÁTICAS CORPORAIS ATIVIDADE FÍSICA ESPORTES PESSOAS COM DEFICIÊNCIA LIMITAÇÃO POTENCIALIDADE PRÁTICAS CORPORAIS ATIVIDADE FÍSICA ESPORTES PESSOAS COM DEFICIÊNCIA LIMITAÇÃO POTENCIALIDADE SAÚDE QUALIDADE DE VIDA O TEMA DO SÉCULO Discussão acadêmica, científica, política e social na busca da qualidade

Leia mais

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação

Fundação Cardeal Cerejeira. Acção de Formação Fundação Cardeal Cerejeira Acção de Formação Formadoras: Fisioterapeuta Andreia Longo, Fisioterapeuta Sara Jara e Fisioterapeuta Tina Narciso 4º Ano de Fisioterapia da ESSCVP Introdução Afirma-se que a

Leia mais

ESPORTES ADAPTADOS: PROPORCIONANDO DIFERENTES MODALIDADES PARA DEFICIENTES FÍSICOS

ESPORTES ADAPTADOS: PROPORCIONANDO DIFERENTES MODALIDADES PARA DEFICIENTES FÍSICOS ESPORTES ADAPTADOS: PROPORCIONANDO DIFERENTES MODALIDADES PARA DEFICIENTES FÍSICOS Patric Paludett FLORES Acadêmico da Pós-Graduação - UFSM/RS Brasil (patricflores_12@hotmail.com) Aline Rosso LEHNHARD

Leia mais

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO

BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO BENEFÍCIOS DO MÉTODO PILATES NA REABILITAÇÃO O método pilates é um trabalho que se baseia em exercícios de força e mobilidade utilizando para tal técnicas e exercícios específicos. Este método permite

Leia mais

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador

A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador 23 A Atividade Física como Proposta de Prevenção de Doenças no Trabalhador Maria Lúcia Cimadon Silvestre Graduada em Psicologia na Universidade São Francisco Especialista em Gestão da Qualidade de Vida

Leia mais

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde

Saúde e Desporto. Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra. Relação do Desporto com a Saúde Saúde e Desporto Manuel Teixeira Veríssimo Hospitais da Universidade de Coimbra Relação do Desporto com a Saúde Dum modo geral aceita-se que o desporto dá saúde Contudo, o desporto também comporta malefícios

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI

ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI ATUAÇÃO DA HIDROTERAPIA EM PATOLOGIAS TRATADAS NA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA DA FACULDADE NOVAFAPI INTRODUÇÃO Luana Gabrielle de França Ferreira NOVAFAPI Luciana Gomes Cariri NOVAFAPI Maria José Magalhães

Leia mais

ATIVIDADE ALÉM DOS LIMITES: AVALIAÇÃO FUNCIONAL EM PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS DO CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO PÚBLICA (CIEP)

ATIVIDADE ALÉM DOS LIMITES: AVALIAÇÃO FUNCIONAL EM PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS DO CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO PÚBLICA (CIEP) ATIVIDADE ALÉM DOS LIMITES: AVALIAÇÃO FUNCIONAL EM PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS DO CENTRO INTEGRADO DE EDUCAÇÃO PÚBLICA (CIEP) CARAFFA, Aline Miranda 1 ; SILVEIRA, Juliana Nascimento 1 ; ALMEIDA,

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN

Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Universidade Federal do Vale do São Francisco UNIVASF Pró-Reitoria de Integração aos Setores Comunitários e Produtivos - PROIN Programa Institucional de Bolsas de Integração PIBIN 2012/2013 ANEXO II Modelo

Leia mais

NATAÇÃO X AUTISMO: BENEFICIOS DA NATAÇÃO PARA O AUTISMO.

NATAÇÃO X AUTISMO: BENEFICIOS DA NATAÇÃO PARA O AUTISMO. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA NATAÇÃO X AUTISMO: BENEFICIOS DA NATAÇÃO PARA O AUTISMO.

Leia mais

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA

POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA POR QUE SER ATIVO ALBERTO OGATA O nosso corpo é uma máquina fantástica, que não foi feita para ficar parada. Se você estiver realmente decidido a ter uma atitude positiva em relação a sua saúde e ao seu

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

ESPORTE ADAPTADO: CONCEITO HISTÓRICO E EVOLUÇÃO NA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE

ESPORTE ADAPTADO: CONCEITO HISTÓRICO E EVOLUÇÃO NA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE ESPORTE ADAPTADO: CONCEITO HISTÓRICO E EVOLUÇÃO NA CIDADE DE PRESIDENTE PRUDENTE 1. A HISTORIA DO ESPORTE ADAPTADO ISAQUE AUGUSTO PAULO ROBERTO BRANCATTI Universidade Estadual Paulista Campus Presidente

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS FÍSICAS PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE ATIVIDADES DE LAZER

PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS FÍSICAS PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE ATIVIDADES DE LAZER PERCEPÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA POR PESSOAS COM DEFICIÊNCIAS FÍSICAS PRATICANTES E NÃO PRATICANTES DE ATIVIDADES DE LAZER Recebido em: 15/04/2012 Aceito em: 21/11/2012 Rejane Martins Canedo Lima Universidade

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero

Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas. Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Dr. Marco Cantero Como estimular suas equipes a serem saudáveis, felizes e produtivas Como estimular suas equipes a serem saudáveis,

Leia mais

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Atividade Física e Esporte Adaptado Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Introdução No mundo: 610 milhões de pessoas deficientes No Brasil: 14,5% algum tipo de deficiência (WHO, 2003) 27% física/motora

Leia mais

Programa de Atividade Física

Programa de Atividade Física Programa de Atividade Física ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE NA TERCEIRA IDADE OBJETIVOS: Analisar: Mudanças que ocorrem como o envelhecimento; Os desafios sócio-econômico e individual do envelhecimento em relação

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde.

AT I. ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. AT I ACADEMIA DA TERCEIRA IDADE Melhor, só se inventarem o elixir da juventude. Uma revolução no conceito de promoção da saúde. Maringá é integrante da Rede de Municípios Potencialmente Saudáveis e não

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS

QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 QUALIDADE DE VIDA ENTRE IDOSOS SEDENTÁRIOS CORALISTAS E NÃO CORALISTAS Raphaella Ortega Leite 1, Eveline Campaneruti Esteves¹; Siméia Gaspar Palácio 2

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC

FACULDADE DE MEDICINA DO ABC MANTIDA PELA FUNDAÇÃO DO ABC EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA DO ABC FMABC RELATÓRIO DOS EXAMES REALIZADOS NOS ÁRBITROS DA FEDERAÇÃO PAULISTA DE FUTEBOL PELA FACULDADE DE MEDICINA DO ABC FMABC O Núcleo de Saúde no Esporte da Faculdade de Medicina do ABC FMABC, utilizando as suas

Leia mais

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia

Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Gestão do Paciente com Deficiência Uma visão Prática da Terapia Ocupacional e da Fisioterapia Percentual de pessoas com deficiência no Brasil..segundo Censo 2000: 14,5% Deficientes 85,5% Não Deficientes

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece?

Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Necessidades e Restrições do Idoso Como o corpo envelhece? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Não está exatamente claro como nosso corpo

Leia mais

A Dança na Terceira Idade

A Dança na Terceira Idade A Dança na Terceira Idade Bárbara Costa Carolina Miguel Leonardo Delarete Pimenta Na terceira idade, geralmente, o ser humano sofre algumas alterações de um declínio geral no aspecto biopsicossocial. Como

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA - Bacharelado (Currículo iniciado 2012) ANÁLISE BIOMECÂNICA DO MOVIMENTO (1504) C/H 68 Análise anátomo-funcional do movimento humano com ênfase no

Leia mais

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória...

Saúde: Possivelmente, se perguntarmos a todos os nossos amigos e familiares quais são seus desejos para uma vida satisfatória... Atualmente, verificamos em programas de TV, nas revistas e jornais e em sites diversos na internet, uma grande quantidade de informações para que as pessoas cuidem da sua saúde. Uma das recomendações mais

Leia mais

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade?

A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? A Educação Física como meio de inclusão social: mito ou verdade? Discente em formação do curso de Licenciatura Plena em Educação Física, da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, Campus Jequié.

Leia mais

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se!

saúde Sedentarismo Os riscos do Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 4 - Dezembro 2014 Os riscos do Sedentarismo Saiba as causas e consequências de ficar parado e mexa-se! O sedentarismo é resultado

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO

Leia mais

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010

Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando. 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 Envelhecimento com qualidade: Como as operadoras de planos de saúde estão se organizando 10ª Jornada PRONEP Rio de Janeiro, setembro 2010 CONTEXTUALIZANDO: A variação de despesas nos últimos 8 anos superou

Leia mais

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon

HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT HISTÓRICO O MÉTODO THERASUIT PRINCIPAIS OBJETIVOS. Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon HISTÓRICO MÉTODO THERASUIT Profa. Ms. Daniela Vincci Lopes Ruzzon Veste criada em Michigan/USA, por pesquisadores russos. Função: contrapor os efeitos negativos vividos pelos astronautas (atrofia muscular,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA PARA OS ALUNOS DO PRÉ VESTIBULAR: A VISÃO DE PROFESSORES DO TERCEIRO ANO DO ENSINO MÉDIO DE ESCOLAS DE FORTALEZA 1 Renata Pereira Moreira 2 Heraldo Simões Ferreira 3

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

7º Simpósio de Ensino de Graduação INCLUSÃO: O ALUNO DEFICIENTE FÍSICO NA AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO REGULAR

7º Simpósio de Ensino de Graduação INCLUSÃO: O ALUNO DEFICIENTE FÍSICO NA AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO REGULAR 7º Simpósio de Ensino de Graduação INCLUSÃO: O ALUNO DEFICIENTE FÍSICO NA AULA DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO ENSINO REGULAR Autor(es) TALITA ROCHA Co-Autor(es) MARIA ELISÂNGELA FIDÊNCIO Orientador(es) ELINE TEREZA

Leia mais

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento

Introdução: a homeostase orgânica pode ser alterada pelo exercício físico, através do incremento TCC em Re vista 2009 85 PRADO, Fernanda Peres 13. Análise do estresse oxidativo no plasma sanguíneo através da microscopia óptica em indivíduos submetidos à crioimersão corporal imediata ao esforço físico

Leia mais

INICIAÇÃO A NATAÇÃO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA

INICIAÇÃO A NATAÇÃO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA INICIAÇÃO A NATAÇÃO PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA FÍSICA Allan de Oliveira Lopes* Giovanni Eschenazi Nicolas Villas-Bôas* Jullyana Corrêa de Alencar** Rafael da Silva de Oliveira*** rafaelsilva.oliveira@yahoo.com.br

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT

ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT ATIVIDADE FÍSICA: UM ESTUDO SOBRE A REALIZAÇÃO DESTA PRÁTICA NA CIDADE DE CÁCERES-MT Giovanna Larissi S. Ribeiro João Batista Franco Borges giolsr@brturbo.com.br RESUMO Este texto trata a respeito da prática

Leia mais

PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA, PARADIGMA DA FUNCIONALIDADE E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO NO CURSO DE FISIOTERAPIA

PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA, PARADIGMA DA FUNCIONALIDADE E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO NO CURSO DE FISIOTERAPIA PRÁTICA PEDAGÓGICA INOVADORA, PARADIGMA DA FUNCIONALIDADE E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO NO CURSO DE FISIOTERAPIA Eliani de Souza Arruda PUCPR. Paulo R. Alcântara - PUCPR. Vera Lúcia Israel - PUCPR. Resumo

Leia mais

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE

ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ALONGAMENTO: INVESTIGAÇÃO ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA REGIÃO DE CAMPINAS Marcy Garcia Ramos 1 João Gomes Tojal 2 1 Universidade Estadual de Campinas Departamento de Ciências do Esporte,

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária

Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária Projeto Construindo um Futuro Saudável através da prática da atividade física diária Project Building a Healthy Future Through the Daily Practice of Physical Activity Regina Pozena Fisioterapeuta da Secretária

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

T.C.A. Trabalho Colaborativo de Autoria

T.C.A. Trabalho Colaborativo de Autoria T.C.A Trabalho Colaborativo de Autoria Jogos Paraolímpicos Logo do Comitê Paraolímpico Internacional Integrantes : Guilherme Souza Dantas Nº08 Gustavo Haruki Nº09 Marcelo Henrique Cordeiro Moraes Nº14

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ANÁLISE DO RISCO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA EM GRUPO DE TERCEIRA IDADE DUTRA, Janaína Ultado 1 ; SILVA, Luana Aparecida Alves da 2 ; EBERHARDT, Thaís Dresch 3 ; CAVALHEIRI, Jolana Cristina 3 ; SOUZA,

Leia mais

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA

PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA PROGRAMA DE ENSINO NA HIDROTERAPIA PARA LESADOS MEDULARES PARAPLEGIA Vera Lúcia Israel (PUCPR/Fisioterapia, UFSCar/PPG-EES/SP) *Maria Benedita Lima Pardo (UFSCar/SP) RESUMO O objetivo desta pesquisa foi

Leia mais

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal

Centro de Ciências Departamento de Biologia Disciplina de Fisiologia Animal Projeto de ensino aplicado à Fisiologia Anima, da disciplina Instrumentalização V: Exercício físico regular e a promoção da saúde Suyane Emanuelle Santos de Carvalho Orientadora: Profa. Dra. Ana Fontenele

Leia mais

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva.

FORTALECENDO SABERES EDUCAÇÃO FÍSICA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES DESAFIO DO DIA. Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Aula 3.1 Conteúdo: Atividade física preventiva. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: Entender os benefícios

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DE UMA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NA PROFISSÃO BOMBEIRO MILITAR Jacques Douglas ROMÃO 1 RESUMO Na profissão Bombeiro Militar, muitas das atividades profissionais realizadas no dia

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG

MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 MODIFICAÇÕES NA FLEXIBILIDADE E NA FORÇA MUSCULAR EM PACIENTES COM DOR LOMBAR TRATADOS COM ISOSTRETCHING E RPG Fábio Alexandre Moreschi Guastala 1, Mayara

Leia mais

CONTANDO SAÚDE. Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul

CONTANDO SAÚDE. Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul CONTANDO SAÚDE Contadoria do Foro Central de Porto Alegre Responsáveis Técnicos: Magdala de Leon Distribuidora e

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS

AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS AVALIAÇÃO DAS PRESSÕES RESPIRATÓRIAS MÁXIMAS EM CADEIRANTES PRÉ E PÓS BASQUETE ADAPTADO EM CADEIRA DE RODAS MICHELLI, KÁTIA.¹ TAGLIETTI, MARCELO ² ROMERO, CRISTINA.³ Faculdade Assis Gurgacz-FAG, Cascavel-PR,

Leia mais

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ

E BEM-ESTAR TAMBÉM. exercícios para fazer com SEM ESTRESSE MELHOR IDADE DE VERDADE GESTANTE FELIZ O GRANDE guia de PILATES E BEM-ESTAR 40 exercícios para fazer com bola, no solo e nos aparelhos MELHOR IDADE DE VERDADE Conheça o segredo para ganhar mais vitalidade e ainda evitar quedas GESTANTE FELIZ

Leia mais

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT

CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT CARACTERIZAÇAO DE UM PROGRAMA DE GINÁSTICA LABORAL COMO PREVENÇÃO E REDUÇÃO DA LER/DORT PINHEIRO, L. C.; DUTRA, J.; BRASILINO, F.F; MORALES, P. J. C.; HUCH, T.P. Universidade da Região de Joinville Depto.

Leia mais

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS

Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS Tricoscopia do couro cabeludo 10 DICAS para sair do sedentarismo e INTRODUÇÃO De acordo com dados apurados em 2013 pelo Ministério da Saúde, 64% da população brasileira está com excesso de peso devido

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS

A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS A PERCEPÇÃO DOS IDOSOS SOBRE OS BENEFÍCIOS QUE A ATIVIDADE FÍSICA (HIDROGINÁSTICA) TRAZ PARA SUAS VIDAS FABIANA ALVES DE LUCENA (Especialista em Fisiologia do Exercício e Grupos Especiais, Faculdade Leão

Leia mais

DEFICIÊNCIA FÍSICA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA FÍSICA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA FÍSICA Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC Comprometimento do aparelho locomotor que compreende o sistema osteoarticular, o sistema muscular e o sistema nervoso. As doenças

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais IV Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Propostas e ações inclusivas: impasses e avanços Belo Horizonte 17 a 20 de outubro de 2006 Sessões

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS

MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS MELHOR IDADE EM MOVIMENTO: IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA PREVENTIVA NA FLEXIBILIDADE DE IDOSAS Área Temática: Saúde Helenara Salvati Bertolossi Moreira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Helenara Salvati

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso O BENEFICIO DO ESPORTE NA VIDA DAS CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso O BENEFICIO DO ESPORTE NA VIDA DAS CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso O BENEFICIO DO ESPORTE NA VIDA DAS CRIANÇAS NA IDADE ESCOLAR Autor: Guilherme Bonfim Pessoa Costa Orientador: José Luiz

Leia mais