20 - Introdução. 9. Medicina Regenerativa; 10.Clonagem terapêutica; 11.Criopreservação.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "20 - Introdução. 9. Medicina Regenerativa; 10.Clonagem terapêutica; 11.Criopreservação."

Transcrição

1 20 - Intrduçã Este trabalh, de revisã bibligráfica, trata d tema Células Estaminais d Sangue d Crdã Umbilical, na tentativa de elucidaçã d que sã e, qual a sua imprtância a nível da investigaçã n futur da medicina. Em primeir, pretende-se cnhecer s benefícis destas células, que pssibilitu a pesquisa sbre este tema e aprfundament da parte teórica, seguind a rdem; 1. O que sã? 2. Que tip de células estamianais existem? 3. Que prpriedades as fazem únicas? 4. Que ptencialidades terapêuticas existem na sua aplicaçã médica? 5. Que prcesss sã usads para as extrair? 6. Que denças se pdem tratar cm us de células estamianais? 7. Que futurs terá a medicina cm s avançs na área das células estamianais? 8. Que denças se pderã tratar futuramente e prquê? Psterirmente, estudu-se as abrdagens que existem sbre a investigaçã de células estaminais, u seja, pnt de vista em relaçã as diverss camps de aplicaçã nmeadamente; 9. Medicina Regenerativa; 10.Clnagem terapêutica; 11.Cripreservaçã. Em cnclusã, tentará este trabalh, rever a mais recente investigaçã nesta área científica de franca ascensã, n que cncerne às patlgias que até hje sã recnhecidamente de mau prgnóstic e até mesm incuráveis. 102

2 21 - Métds O presente trabalh, realizad n âmbit d Mestrad em Análises Clínicas, da Faculdade de Farmácia de Lisba, cuj tema é Células Estaminais d Sangue d Crdã Umbilical, teve cm bjectiv principal a realizaçã de uma revisã bibligráfica ds cnheciments científics mais recentes nesta área. Durante prcess de pesquisa e selecçã da infrmaçã, fram seleccinads e analisads múltipls artigs publicads em distintas revistas da área, em cmpêndis científics, valrizand-se as publicações mais recentes, bem cm a filtragem de infrmaçã dispnibilizada pr sítis da internet, tant em labratóris de investigaçã internacinais de Hematlgia, cm em empresas especializadas na área da cripreservaçã das células estaminais. Recrreu-se, cncmitantemente, a diferentes bases de dads, dispníveis em biblitecas e na própria internet, nmeadamente: Pubmed e Medline. Alguns artigs, fram analisads pela sua actualidade e, pr eles própris serem artigs de revisã citads. N desenvlviment deste trabalh, recurs as meis infrmátics, balizaram-se palavras-chave, nmeadamente: umbilical crd bld, stem cell, bne marrw, crypreservatin, transplant, regenerative medicine, bem cm a cnjugaçã destas. Da análise e selecçã de artigs valrizu-se s publicads em revistas e jrnais cnceituads cm Bld, Bne Marrw Transplantatin, Bilgy f Bld and Marrw Transplantatin e New England Jurnal f Medicine. Prcuru-se seleccinar infrmaçã fidedigna, científica e actualizada de frma a realizar um trabalh credível. 103

3 22 - Células Estaminais Células estaminais (CE) sã, pr definiçã, células cm capacidade de aut-renvaçã e prliferaçã, tend a capacidade de se diferenciarem indefinidamente em múltiplas e diversas linhagens celulares (figura 18). Desta frma, seu grande ptencial está na rigem, pr prcesss de divisã simétrica, de ppulações celulares idênticas, cntud, sb determinadas cndições, a sua diferenciaçã pssibilita apareciment de diferentes tips de células (pr divisã assimétrica), as quais adquirem prpriedades (expressã génica e fentípica) e características d tecid a que dã rigem, sfrend uma reduçã da sua capacidade de prliferaçã [1]. Figura 18 Prpriedades das Células Estaminais. De acrd cm a sua rigem, as CE dividem-se em dis grups principais: células estaminais embrinárias e células estaminais adultas [2]. As CE embrinárias pluriptentes prvêm da massa celular interna (MCI) d blastcist pdend dar rigem a qualquer tip de célula humana, cm excepçã ds tecids extra-embrináris (figura 19) [3]. Apesar d seu elevad ptencial, existem bstáculs de natureza técnica e questões éticas e mrais que limitam a utilizaçã clínica das CE embrinárias [1]. 104

4 Blastcist Células Massa Celular Interna Células Estaminais Pluriptentes Medula Óssea Células Pancreáticas Células Neurnais Sangue Múscul Cardiac Figura 19 - Células estaminais pluriptentes, isladas da MCI d blastcist As CE nã embrinárias u CE adultas, encntram-se em muits tecids d rganism adult send, regra geral, multiptentes [4]. Estas células têm sid isladas ds mais diverss tecids, cm é cas da medula óssea (MO), (figura 20) d sangue periféric, da pele, d epitéli intestinal, d fígad, d cérebr, ds músculs, d tecid adips, d blb dentári e d pâncreas [5]. Sã células imaturas que, para além de cntribuírem para a hmestase tecidular, também prmvem a regeneraçã e a recuperaçã em situações de stresse u trauma [6]. Figad Cérebr Celulas Estaminais d SNC Medula Óssea Muscul Esqueletic Oss Célula Adipsa Vass sanguines Celula Mesenquimal Célula Epitelial Múscul Cardiac Neurónis Figura 20 - Células estaminais adultas isladas da medula óssea. 105

5 Existem CE u células trnc em tecids ne-natais, tais cm sangue d crdã umbilical (SCU), a matriz d mesm u a placenta. Estas incluem-se n grup das CE adultas, uma vez que pdem ser btidas após nasciment d indivídu. N entant, alguns autres defendem que devia ser atribuíd um grup própri para este tip de células, já que reúnem características intermédias, que nã permitem classificá-las inequivcamente, nem cm adultas, nem cm embrinárias devid a seu elevad ptencial prliferativ e características pluriptentes. De entre as fntes ne-natais, a melhr caracterizada é SCU, a partir d qual é pssível islar várias ppulações de CE [6]. Designam-se pr células estaminais embrinárias ttiptentes as células resultantes das primeiras divisões celulares (figura 21). Após a frmaçã d zigt estas células sã capazes de se diferenciar em qualquer tecid d rganism human pssuind um grande pder de multiplicaçã e especializaçã pdend frmar tds s tecids incluind a placenta e s anexs embrináris [7] [8]. Estas cnstituem primeir grup até às células, e sã frmadas aprximadamente nas primeiras 72 hras após a fecundaçã d óvul, nã send pssível identificar neste grup de células qualquer diferenciaçã de tecid específic [9]. A frmaçã da placenta e ds anexs embrináris crre smente quand as células ttiptentes sã implantadas n úter [10]. Figura 21 Células estaminais embrinárias ttiptentes resultantes das primeiras divisões celulares. 106

6 Aprximadamente quatr dias após a fertilizaçã as células ttiptentes cmeçam a especializar-se se e frmam blastcist, a atingir este estadi duas ppulações celulares pdem ser distinguidas; A massa celular externa (MCE) e a massa celular interna (MCI) [9]. A MCE, também cnhecida cm trfblast, dá rigem à placenta e as anexs embrináris cm a blsa amniótica e, córin entre utrs cmpnentes da placenta, necessáris para desenvlviment envlviment d fet n úter [7]. Na MCI também designada pr embriblast encntram-se as células estaminais embrinárias pluriptentes pis retêm a capacidade de riginar células capazes de se diferenciar nas diferentes linhagens germinativas; endderme (que rigina tract gastrintestinal e, s pulmões, entre utrs), mesderme (que rigina s músculs, sss e, sangue, entre utrs) e ectderme (que rigina s tecids da epiderme e sistema nervs) (figura 22). A MCI d blastcist cnstituída pr aprximadamente 32 a 64 células é a respnsável pela frmaçã d embriã prpriamente dit, u seja, de tds s tecids e órgãs humans [7]. Embra as células presentes na MCI d blastcist pssuam a capacidade de frmar tds s tips de células encntradas n crp human, szinhas nã pdem frmar um rganism, pis sã incapazes de riginar a placenta e s anexs embrináris. Pel fact de seu ptencial nã ser ttal, tais células nã sã ttiptentes, de fact, se implantarms apenas as células da MCI n úter, estas nã sã capazes de desenvlver um nv embriã [7] [10]. Figura 22 - Células estaminais pluriptentes cm capacidade de se diferenciarem na mairia ds tecids. 107

7 Em fases subsequentes d embriã, algumas células passam a estar cmprmetidas cm uma determinada linhagem celular pertencente a um ds três flhets embrináris [7]. Estas células smáticas encntradas ns tecids adults, passam a ser recnhecidas cm células estaminais multiptentes, pis pdem riginar qualquer tip celular restrit a flhet embrinári a qual está cmprmetid mas num númer limitad (figura 23) [1]. Um exempl de CE multiptente é a célula estaminal hematpiética - que se pde diferenciar em diverss tips de células d sangue, mas nã se pde diferenciar em células neurnais u utrs tips de células [8]. Figura 23 - Células estaminais multiptentes que dã rigem a um tip celular restrit. Pr fim, as células uniptentes, pssuem a capacidade de se diferenciarem apenas num únic tecid, u seja, tecid a que pertencem. As células mais cmuns deste tip sã as células da pele [11]. Em linhas gerais, pdems dizer que, quant mais primitiva é a linha de desenvlviment embrinári, mair é ptencial de diferenciaçã de uma célula estaminal (figura 24) [2] [4]. 108

8 Figura 24 - Ordem decrescente de ptencialidade - células estaminais ttiptentes, pluriptentes e multiptentes. Devid a seu grau de desenvlviment e maturaçã as CE d SCU estã mais próximas das CE embrinárias/fetais, d que a mairia das CE adultas, pel que seu ptencial de diferenciaçã e prliferaçã é superir [12] [13]. Actualmente, SCU é cnsiderad uma fnte prmissra de CE na área da medicina regenerativa, tend actualmente uma imprtância clínica recnhecida ns transplantes hematpiétics, para tratament de diversas denças hematlógicas benignas e malignas [14] [15]. 109

9 A capacidade de diferenciaçã das CE em váris tips de células, pdend substituir células lesadas u destruídas e regenerar tecids danificads, explica grande interesse na utilizaçã destas células n cntext da terapia celular [16]. As HSCs (células estaminais hematpiéticas) sã aquelas que têm tid mair relevância na prática clínica, particularmente em denças nas quais é necessári regenerar sistema sanguíne e imunlógic d dente [17]. N indivídu adult as HSCs estã mairitariamente lcalizadas na medula óssea (MO), (figura 25) e riginam tdas as células que cnstituem sangue e sistema imunitári, pdend diferenciar-se em linfócits (B e T), eritrócits, plaquetas, neutrófils, mnócits, esinófils, basófils e macrófags. O SCU é também uma imprtante fnte destas células, razã pela qual se trnu, ns últims ans, numa alternativa à MO ns transplantes de células HSCs [14]. Figura 25 Células resultantes da diferenciaçã da célula estaminal multiptente hematpiética. As CE pssuem 2 prpriedades que as distinguem das utras células; sã células nã especializadas, que se renvam através de divisã celular pr lngs períds e, sb determinadas cndições fisilógicas, pdem ser induzidas a transfrmar-se em células cm funções específicas, cm pr exempl células prdutras de insulina d pâncreas [7]. 110

10 O fact de as CE d SCU se pderem diferenciar e cnstituir diferentes tecids d rganism, bem cm a sua capacidade de aut-replicaçã, u seja gerar cópias idênticas delas mesmas, pssibilitu a investigaçã para a terapia de muitas denças, através da substituiçã ds tecids lesinads pr estas mesmas células [7]. Em suma, uma célula estaminal é um tip especial de célula que tem a capacidade singular de gerar utra célula estaminal u gerar um tip de célula especializada [8]. A pssibilidade de terapia em patlgias diversas de difícil resluçã na prática clínica, cm: diabetes mellitus, esclerse múltipla, dença de Parkinsn, cardimipatias, patlgias hepáticas e distrfias musculares, assim cm, numa série de lesões agudas entre as quais queimaduras, lesões na medula espinhal, acidentes vasculares cerebrais e enfart d micárdi, utilizand uma única fnte de células, era uma realidade impssível de ser efectuada n passad. N entant, publicações recentes acerca da btençã de CE d SCU e a sua psterir derivaçã em diferentes tecids pssibilitam uma nva realidade [18]. Embra na actualidade, a utilizaçã clínica d SCU se restrinja fundamentalmente a denças d fr hematlógic, as CE isladas desta fnte representam uma fnte prmissra para tratament de várias utras patlgias. [19] Diante d expst, referid trabalh tem cm principal bjectiv explanar a imprtância das CE d SCU, as suas funções e implicações nas pesquisas científicas de frma a recuperar tecids danificads pr várias denças Células estaminais d sangue d crdã umbilical Até há cerca de três décadas, crdã umbilical era cnsiderad cm apenas mais um excedente d part, n entant, Knudtzn (1974) descreveu pela primeira vez a existência de HSCs n SCU [20]. A pssibilidade de utilizar CE d SCU ns transplantes hematpiétics, em alternativa à MO, cntribuiu para estud científic d SCU cm fnte de CE, tend actualmente uma imprtância recnhecida [14]. 111

11 Estuds publicads ns últims ans demnstram que, para além de HSCs, SCU cntém também uma ppulaçã de diferentes tips de células estaminais que vã desde células mais primitivas cm características semelhantes às CE embrinárias a células mais diferenciadas, tais cm CE mesenquimais e células prgenitras endteliais [5] [21]. Em cnsequência desta diversidade, é pssível, a partir de uma amstra de SCU, diferenciar váris tips de células, tais cm; Células Estaminais Hematpiéticas, caracterizadas pel marcadr CD34+, que dã rigem a tds s tips de células da linhagem sanguínea, send as que se encntram em mair quantidade e pssuem, na actualidade, uma imprtância clínica recnhecida (figura 26) [5] [21]; Figura 26 Origem de tds s tips de células da linhagem sanguínea através da HSC. Células Estaminais Endteliais, as quais se diferenciam em células endteliais, cnstituintes ds vass sanguínes [5] [21]; Células Estaminais Mesenquimais, cm capacidade de diferenciaçã em diversas linhagens celulares, tais cm células ósseas, cartilagem, células musculares e células d tecid adips; alguns trabalhs sugerem a 112

12 pssibilidade de diferenciar células neurais a partir de células estaminais mesenquimais (figura 27) [5] [21]; Figura 27 Células estaminais mesenquimais Células USSC (d inglês unrestricted smatic stem cells), também designadas cm células estaminais smáticas nã-restritas, alguns autres cnsideram estas células pluriptentes cm uma ppulaçã de células estaminais mesenquimais mais primitiva, uma vez que também se pdem diferenciar, em células d tecid adips, células neurais, células ósseas, cartilagem e, ainda, em células sanguíneas e d múscul cardíac [5] [21]; Células estaminais embrynic-like, capazes de dar rigem a células características das três linhas germinativas (ectderme, mesderme e endderme), pdend-se destacar, respectivamente, as células neurais, sanguíneas e hepáticas [5] [21]. 113

13 Características bilógicas das células d sangue d crdã umbilical Há mais de 10 ans fram descrits s diferentes cmpartiments hematpiétics d SCU human, bservand-se que a cncentraçã de CE n SCU, calculada pel númer de clónias frmadas, é mair que a encntrada na MO. A frequência de CE n SCU (1 a 5 para células mnnucleares) é também mair que n sangue periféric (SP) de um indivídu adult (1 a 5 em ) [24]. A bservaçã d númer de unidades frmadras de clónias (CFU), btidas a partir de cultura in vitr cm células de SCU, em mei semi-sólid, sugeriu a pssibilidade d SCU ser uma fnte de células hematpiéticas usadas para transplante [24]. O númer médi de clónias CFU-GM encntradas nas unidades de SCU é de 3,31 ± 0,60 x10 5 [28] e percentual de células CD34 +, calculad pr citmetria de flux, é menr n SCU que na MO, 0,92 ± 0,28 versus 1-3% [22]. N entant, percentual de células mais primitivas CD34 + /CD38 - é mair n SCU, cerca de 16% ± 8,8% d ttal de células CD34 +, cmparand a percentual encntrad na MO: 4,7%± 3,0% resultand em númers ttais cmparáveis de células CD34 + /CD38 - em ambas as fntes de células [22]. Ha & al. (1995), descreveram características funcinais diferentes entre as células CD34 + /CD38 - d SCU e da MO; as células riginadas d SCU apresentam mair respsta prliferativa a citcinas e geram cerca de sete vezes mais prgenitres hematpiétics em cultura, d que as células CD34 + /CD38 - da MO [23]. Embra nã haja evidência da existência de células primitivas exclusivas n SCU, que nã sã encntradas na medula óssea, alguns estuds evidenciaram características que sugerem uma mair imaturidade das células prgenitras d SCU, cm a presença de telómers mais lngs e númer e tamanh das clónias hematpiéticas [24]. Uma investigaçã efectuada em murganhs cm SCID (imundeficiência cmbinada severa), ns quais se injectaram simultaneamente, células CD34 + prvenientes da medula óssea e de SCU, permitiu bservar que númer de células CD34 + de SCU era marcadamente superir a de células CD34 + da medula óssea; 100% ds sss injectads apresentavam células de SCU e, em apenas 50% ds sss injectads se encntravam células de MO [24]. 114

14 A analisar a expressã de antigénis de maturaçã e diferenciaçã nas células CD34 + d SCU bservu-se que a mairia, cerca de 62 a 73%, expressam s marcadres mielóides, CD13 + e CD33 +, enquant que apenas 10% expressam antigéni linfóide B (CD19 + ) [23]. As análises das subppulações de linfócits T presentes n SCU sã bject de estud frequente, desde iníci d us terapêutic deste material bilógic. As células d SCU apresentam prpriedades imunlógicas diferentes daquelas encntradas nutras fntes de CE. Tant s linfócits T, cm as células Natural-Killer, isladas de SCU, apresentam uma funçã reduzida quand cmparada cm a das células d indivídu adult, u seja, a sua actividade cittóxica é menr. Este fact pde estar relacinad cm a menr prevalência de GVHD (dença d enxert cntra hspedeir) ns transplantes que utilizam SCU [25]. A mairia ds linfócits T d SCU é CD45RA, enquant que a mairia ds linfócits adults é CD45RO. Esta diferença de fenótip das células imaturas d SCU resulta na nã prduçã de interleucina-2 (IL-2) quand estimulada. As células T d SCU têm menr capacidade de prduzir TNF-α (factr de necrse tumral α), interleucina 4(IL-4) e interleucina 10 (IL-10). De uma maneira geral, as células d SCU têm menr capacidade de prduzir citcinas que as células adultas, pdend ser reflex da sua imunidade imunlógica. Além dist, s linfócits T d SCU apresentam menr capacidade de apresentaçã de antigénis [25]. A actividade lítica das células NK (Natural Killer) d SCU é reduzida, pdend estar relacinada cm a baixa percentagem de linfócits CD56 + nas unidades de SCU. A alta prprçã de células CD16 + /CD56 - é um dad que reafirma a imaturidade das células NK d SCU. Estas apresentam prduçã diminuída de interferã-y e, prtant, menr txicidade. O nível de actividade NK das células d SCU é cerca de 4,6% enquant que n sangue d indivídu adult é de cerca de 41,7% [26]. A actividade lítica induzida pr citcinas (linfkine actived Killer LAK) é semelhante entre as células mnnucleares de SP e de crdã umbilical. Ensais utilizand células LAK btidas de SCU após estimulaçã cm IL-2 e IL-12, demnstram que estas células têm capacidade de destruir células malignas de pacientes cm leucemia mielóide aguda, cm acntece cm as células LAK da MO e d SP estimulad [27]. A prprçã de células T supressras CD8+/CD28 - está aumentada n SCU, n entant, a cittxicidade dependente de anticrp (ADCC) é satisfatória e semelhante aquela bservada em células sanguíneas adultas. [35]. 115

15 23 - Cripreservaçã das células estaminais d sangue d crdã umbilical A clheita d SCU é um prcediment simples, ttalmente indlr e nã apresenta qualquer risc, nem para a mãe nem para bebé. O sangue deve ser reclhid n ambiente estéril da sala de part, imediatamente após nasciment (natural u cesariana) e antes da expulsã da placenta (sem alteraçã ds prcediments nrmais d part) [28]. Imediatamente após nasciment, na última fase d part, crdã umbilical é limitad cm duas pinças cirúrgicas mais pert pssível d abdómen d recémnascid, uma vez que as CE migram rapidamente nessa direcçã (Figura 28). Figura 28 Crdã Umbilical Limitad pr Pinça Cirúrgica. O sangue é aspirad pr punçã na veia umbilical e é armazenad num sac estéril cm anticagulante CPD - citrat, fsfat e dextrse. Pderá ser necessári picar a veia em mais d que uma zna de frma a bter mair vlume de sangue pssível, em cas de gémes prcediment deverá ser repetid para cada bebé [29]. N fim da reclha, sac da amstra é devidamente selad e acndicinad de frma a nã sfrer variações de temperatura, as células devem ser mantidas à temperatura ambiente até serem prcessadas e recmenda-se que prcessament seja feit entre as 24H e 48H após a clheita (figura 29) [30]. 116

16 Figura 29 Sac estéril cm glóbuls vermelhs, leucócits, plaquetas e células estaminais resultantes da clheita d SCU. A chegar a labratóri a amstra é registada e é, entã, dad iníci a prcess de islament e cripreservaçã das CE, prcessament da amstra reduz vlume de sangue, btend-se fracções de plasma, glóbuls vermelhs e buffy-cat (a parte rica em células estaminais). Inicialmente é realizad um rigrs cntrl de qualidade, seguidamente é determinad vlume de sangue clhid, é calculad númer de células mnnucleadas e estaminais hematpiéticas (CD34 + ) e é testada a viabilidade celular. Após prcessament d sangue e islament das células mnnucleadas estas sã nvamente cntadas, tal cm as células CD34 + [29]. De seguida, sã feits testes para verificar se a amstra sfreu algum tip de cntaminaçã bacterilógica, durante e após a reclha. Sã realizadas análises, assegurand, em definitiv, a qualidade d sangue n que diz respeit a eventuais cntaminações pr CMV, Sífilis, Hepatite B, Hepatite C e HIV I/II. Estas determinações analíticas, além de esclarecerem a segurança da amstra, evitam que a mãe necessite de efectuar nvas análises após part [31] [32]. As CE ficam armazenadas num sac de 25 ml cm dis cmpartiments distints (figura 30), permitind que, em cas de necessidade de realizaçã de nvs testes, a unidade nã necessite de ser descngelada na sua ttalidade. O prcess de cngelaçã é efectuad através de um decréscim de temperatura cntrlad, utilizand agente de 117

17 cripreservaçã - dimetilsulfóxid (DMSO) que evita a frmaçã ds cristais de gel (que pderiam destruir as estruturas intracelulares de md irreversível) impedind, assim, a destruiçã das células a temperaturas baixas. [33]. Figura 30 Sac de armazenament de células estaminais dividid em 2 cmpartiments distints. A cripreservaçã das CE d SCU é realizada em azt líquid, a uma temperatura de 196ºC negativs, (figura 31) para que tda a actividade bilógica das células cesse, mantend-as num estad latente e permitind armazenament pr um lng períd de temp [31]. Figura 31 Cripreservaçã de células estaminais em azt líquid. 118

18 23.1 Bancs de sangue d crdã umbilical - Privads versus Públics Desde a realizaçã d primeir transplante cm SCU, em 1988, [34] seguid da sua ampla utilizaçã em trataments de denças hematlógicas benignas e malignas cm resultads satisfatóris, algumas instituições públicas e privadas tmaram a iniciativa de criar bancs para armazenament e cripreservaçã de amstras de SCU para us futur em transplantes algénics (send dadr uma utra pessa que nã paciente) u autólgs (em que paciente utiliza as sua próprias células anterirmente cripreservadas) [35]. Desta frma, SCU estabeleceu-se cm uma excelente fnte de HSCs, send uma pçã às células prvenientes da MO, e prprcinand interesse pela cripreservaçã das células nele cntidas. [36] Existem dis mdels principais de bancs de SCU: s bancs públics e s bancs familiares u privads [37]. Os bancs de SCU públics armazenam unidades de SCU dadas pels pais estas unidades passam a estar dispníveis para us algénic, pr qualquer pessa que necessite de um transplante [38] [39] [40]. Os bancs privads armazenam unidades de SCU para us autólg u algénic n cntext familiar. As amstras armazenadas sã prpriedade d dadr, nã estand dispníveis para us geral na cmunidade [31]. O primeir Banc de Sangue de Crdã Umbilical de carácter públic fi fundad pel Dutr Pabl Rubinstein em Nva Yrk, em 1992, permitind desenvlviment de utrs bancs públics em td mund, cm pr exempl em Barcelna e Dusseldrf. Em 2010, cm aprximadamente unidades de SCU armazenadas em bancs públics mundiais, é quase sempre pssível encntrar para a mairia ds dentes, um dadr cmpatível. [41] Em Prtugal, fi inaugurad primeir banc públic de CE d crdã umbilical, LusCrd, - situad nas instalações d Centr de Histcmpatibilidade d Nrte [55], após Despach publicad em Diári da República n.º 14879/2009 de 2 de Julh de 2009 A existência de um banc públic de células d crdã umbilical permite clcar à dispsiçã de tds s cidadãs células prgenitras hematpiéticas necessárias para a terapêutica de transplantaçã em determinadas denças hematlógicas, imunlógicas u 119

19 utras. O banc públic aceitará apenas dádivas altruístas, que serã clcadas à dispsiçã de tds s ptenciais receptres ( ) Os bancs de natureza privada de SCU, cmummente assciads a centrs de bitecnlgia, também fram cnstituíds cm bjectiv de clher e cripreservar células d crdã umbilical, mas smente para a utilizaçã exclusiva da própria criança, bem cm para us familiar [43]. Em 2003, fi criad primeir labratóri privad de SCU n nss País, a Criestaminal (figura 32) cnstituíd pr um cnjunt de prfissinais e empresas da área da saúde, send actualmente líder n islament e cripreservaçã de CE d SCU, cm mais de unidades cripreservadas [44]. Actualmente, encntram-se implementads, a nível nacinal, cerca de seis labratóris privads de cripreservaçã das CE d SCU. Figura 32 Criestaminal - Primeir labratóri privad de SCU n nss País. A presente lei estabelece regime jurídic da qualidade e segurança relativa à dádiva, clheita ( ) preservaçã, armazenament ( ) e aplicaçã de tecids e células de rigem humana ( ) O dispst na presente lei é aplicável ( ) tecids e células de rigem humana destinads à utilizaçã em seres humans, incluind células estaminais hematpiéticas ( ) d sangue d crdã umbilical ( ) In Diári da República - Lei n.º 12/2009 de 26 de Març de

20 23.2 Cmparaçã entre bancs públics e privads d SCU Em Març de 2008, publicu-se um estud pr Nietfeld n Jrnal Bilgy f Bld and Marrw Transplantatin, n qual se calculava a prbabilidade vitalícia (até à idade de 70 ans) de um indivídu ns Estads Unids se submeter a um transplante de CE. A prbabilidade de um transplante autólg usand as suas próprias CE é de 1 em 435, enquant a prbabilidade de um transplante algénic de um dadr cmpatível (cm pr exempl um irmã) é de 1 em 400 e a prbabilidade exacta de qualquer tip de transplante cm CE é de 1 em 217 [45]. O Natinal Marrw Dnr Prgram prevê que, pr vlta de 2015, crra, a nível mundial, transplantes de SCU pr an, resultantes de SCU armazenad em bancs públics. É pis, de imprtância vital, aumentar as dádivas de SCU em td mund [46]. Em Mai de 2006, A Wrld Marrw Dnr Assciatin (WMDA) (Assciaçã Mundial de Dadres de Medula) através da sua Plicy Statement fr the Utility f Autlgus r Family Crd Bld Unit Strage (Declaraçã de Princípis para a Utilidade da Armazenagem de Unidades de Sangue d Crdã, Autólg u de Familiares), estipulava que, us de células autólgas de SCU para tratament da leucemia infantil é cntra-indicad uma vez que as células pré-leucémicas estã presentes na altura d nasciment. Assim send, as células autólgas d SCU sã prtadras das mesmas anmalias genéticas d dadr e nã devem ser usadas n tratament de denças genéticas [47]. O factr limitante para us de células d SCU cm fnte de células prgenitras hematpiéticas é númer reduzid de células cntidas em cada unidade clhida fazend cm que s bancs d SCU atendam preferencialmente crianças u dentes cm baix pes crpral [48]. Pr utr lad, a limitaçã ds bancs privads u familiares para transplante autólg de SCU, relacina-se cm quantidade de células btidas num únic crdã que pderá servir para tratament de dentes que nã excedam 50 quils [49]. Os bancs públics, a cntrári ds bancs privads, têm a pssibilidade de utilizar mais d que uma unidade de SCU cmpatível, devid a elevad númer dispnível de amstras, sem incnveniente de s mesms errs 121

21 cngénits serem nvamente transfundids a dente. Pr utr lad, transplante algénic substitui as células anómalas da MO, permitind uma nva hematpiese e um nv sistema imunitári que resulta na erradicaçã de células sbreviventes a tratament antes da transfusã, n cas de denças malignas [50]. N futur, a cripreservaçã d células d SCU n mund terá tendência para ser efectuada em bancs públics, esta evluçã já se cmeça a verificar ns Estads Unids, nde se cncentra mair númer de unidades em bancs privads [51]. Entendiment similar é enfatizad pela Organizaçã Mundial da Saúde e pel Cnselh da Eurpa a apntarem que us d SCU, num cntext autólg, nã é geralmente recmendad [52] [53]. A imprtância da cripreservaçã das CE d SCU é um dad inquestinável, send refrçad pel própri Estad Prtuguês, a criar primeir Banc Públic n nss país. N entant, existem diferenças a salientar entre bancs públics e privads, entre as quais [54]; O direit sbre as CE - ns bancs públics dadr renúncia as direits de psse das CE, enquant que ns bancs privads cliente é prprietári das CE e tds s direits sbre as mesmas sã exclusivs; A nível financeir - n banc públic serviç é gratuit, dad estarms perante uma daçã, enquant que n banc privad cliente paga serviç a labratóri de cripreservaçã; O acess às células - n banc públic ficam a dispr da cmunidade, nã ficand reservadas para us exclusiv d dadr, n banc privad s pais têm a garantia que a amstra está a seu dispr e só pderá ser utilizada mediante a autrizaçã destes u d bebé, quand este atingir a mairidade. Ns cass de medicina regenerativa é muit vantajs que s própris tenham acess às suas células; O acess à infrmaçã - n banc públic, está a dispr ds bancs internacinais, n banc privad tda a infrmaçã é cnfidencial; 122

22 As prtunidades terapêuticas futuras - n banc públic as células pderã nã estar dispníveis, num banc privad as células estarã dispníveis para própri para qualquer terapia; Dispnibilidade da amstra - a lcalizaçã de um dadr cmpatível pde demrar semanas u meses n cas de bancs públics, muitas vezes, pderá nã se cnseguir lcalizar uma amstra cmpatível, n banc privad a amstra é dispnibilizada imediatamente, A incidência de GVHD - Num banc públic é mair a incidência de GVHD a cntrári d que crre num banc privad, em que transplante é efectuad num cntext autólg, u seja dadr e receptr sã, em geral, aparentads; A Cmpatibilidade - n banc públic a cmpatibilidade varia, pdend ser difícil bter células cmpatíveis, especialmente, para as minrias étnicas e casais cm identidade mista. N banc privad transplante Autólg é 100% cmpatível e, entre irmãs, apresenta 25% de prbabilidade de cmpatibilidade. 24 Transplante de células estaminais d sangue crdã umbilical A btençã de dadres de HSCs é um desafi glbal. Mesm n mund cidental, em que existem mais de nve milhões de dadres registads, cerca de 50% ds dentes que necessitam de dadres HLA (Human Leukcyte Antigen) cmpatíveis sã incapazes de cnseguir. Além dist, temp entre encntrar um dadr cmpatível e transplante prpriamente dit pde levar 6 meses u mais. O transplante de CE d SCU tem aumentad a dispnibilidade de células algénicas para transplantes em dentes ns quais a prcura de dadres adults fi negativa u demrada [57]. Na última década, váris estuds demnstraram ptencial da utilizaçã d SCU cm fnte de HSCs, pdend ser utilizad na recnstituiçã da hematpiese, em dentes, após tratament cm altas dses de raditerapia e quimiterapia. Actualmente, SCU é 123

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade)

Legenda da Mensagem de Resposta à Verificação de Elegibilidade (respostaelegibilidade) Legenda da Mensagem de Respsta à Verificaçã de Elegibilidade (respstaelegibilidade) Mensagem : Respta à verificaçã de elegibilidade (respstaelegibilidade) - Flux : Operadra para Prestadr Códig da mensagem

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos:

Objeto de Avaliação Caraterísticas e Estrutura Critérios Gerais de Classificação. Tipologia / nº itens. A prova está organizada em cinco grupos: ESCOLA SECUNDÁRIA PADRE BENJAMIM SALGADO An Letiv 2011/2012 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina: Bilgia - Códig 302 Nível de Ensin: Secundári Frmaçã: Específica Mdalidade: Prva Escrita

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma?

Glaucoma. O que é glaucoma? Glaucma O que é glaucma? Glaucma é a designaçã genérica de um grup de denças que atingem nerv óptic (ver figura 1) e envlvem a perda de células ganglinares da retina num padrã característic de neurpatia

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Estratégias de Conservação da Biodiversidade

Estratégias de Conservação da Biodiversidade Estratégias de Cnservaçã da Bidiversidade Estratégia Glbal De entre tds esses prcesss internacinais desenvlvids será de destacar decrrid após a Cnferência de Estclm, de 1972, que daria lugar à criaçã d

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra...

ÍNDICE. 1. Introdução... 3. 2. Objectivos... 3. 3. Metodologia... 4. 3.1 Estudo de Painel... 4. 3.2. Definição e selecção da amostra... BARÓMETRO * * * * Observatóri de Luta Cntra a Pbreza na Cidade de Lisba REAPN Rede Eurpeia Anti-Pbreza / Prtugal Núcle Distrital de Lisba Rua Seir Pereira Gmes, n.º 7 Apartament 311 1600-196 Lisba Tel:

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada

QUEDAS EM CRIANÇAS E JOVENS: UM ESTUDO RETROSPETIVO (2000-2013) Reedição, revista e adaptada Reediçã, revista e adaptada RELATÓRIO FINAL Nvembr de 04 I Enquadrament e bjetivs Na Eurpa tds s ans mrrem 500 crianças e jvens entre s 0 e s 9 ans na sequência de uma queda. Apesar de nã ser a mair causa

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB. 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB. 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatóri 1a) Diabetes Mellitus Tip 1, Tip 2, Gestacinal (DMG) Outrs tips específics de diabetes,

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito

Aplicações Clinicas. Patologia Clínica. Luís Lito 0 Aplicações Clinicas Patlgia Clínica Luís Lit 1 Evluçã 1. 1993 - Infrmatizaçã parcial d Lab. de Química Clinica 2. 1996 - Inici da infrmatizaçã d Serviç de Patlgia Clínica Clinidata (sistema UNIX/COBOL

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

Cintilografia Óssea. Tecnologia em Medicina Nuclear Prof. Leonardo

Cintilografia Óssea. Tecnologia em Medicina Nuclear Prof. Leonardo Cintilgrafia Óssea Tecnlgia em Medicina Nuclear Prf. Lenard VANTAGENS DA CINTILOGRAFIA ÓSSEA Avaliaçã rápida de td esquelet em um únic exame, pssibilitand detectar e avaliar uma série de lesões esqueléticas

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander

Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander Intervenções Psicfarmaclógicas para Cmprtaments Repetitivs ns Transtrns d Espectr Autista Psychfarmaclgic Interventins fr Repetitive Behavirs in Autism Spectrum Disrders Child and Adlescent Psychiatric

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ)

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 NAS USINAS HIDRELÉTRICAS ILHA SOLTEIRA E ENGENHEIRO SOUZA DIAS (JUPIÁ) Este case apresenta a aplicaçã da sluçã Elipse E3 para aprimrar mnitrament da temperatura encntrada

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas

Gestão ambiental de zonas de amortecimento de unidades de conservação em áreas urbanas Gestã ambiental de znas de amrteciment de unidades de cnservaçã em áreas urbanas Marta Feppel Ribeir Instituiçã: Universidade d Estad d Ri de Janeir IVIG/COPPE/Universidade Federal d Ri de Janeir Email:

Leia mais

Módulo I (Introdutório 32 horas)

Módulo I (Introdutório 32 horas) Módul I (Intrdutóri 32 hras) Data: 31/Outubr - 3/Nvembr/2013 Prgrama: Fundaments de Química, Biquímica, Bilgia Celular e Mlecular Biquímica da Nutriçã e Regulaçã Endócrina d Metablism: Fundaments de Endcrinlgia

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

Directivas Antecipadas de Vontade. Ana Duarte, Andreia Leite, João Lopes e Ricardo Macau

Directivas Antecipadas de Vontade. Ana Duarte, Andreia Leite, João Lopes e Ricardo Macau Directivas Antecipadas de Vntade Ana Duarte, Andreia Leite, Jã Lpes e Ricard Macau 27 de Mai de 2010 Intrduçã Histórica 1969: Luis Kutner Living wills 1990: Aprvaçã d Patient Self-Determinatin Act pel

Leia mais

Introdução: marco normativo internacional e nacional

Introdução: marco normativo internacional e nacional Cidade d Panamá, 21 de abril de 2014 A Assciaçã para a Prevençã da Trtura vem pr mei desta, em respsta a fíci n. 122/2014/CAO-DH enviad pel Centr de Api Operacinal das Prmtrias de Justiça de Defesa ds

Leia mais

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade

Aula prática 6 Modelos Conceptuais e cenários de actividade Aula prática 6 Mdels Cnceptuais e cenáris de actividade 1. Objetiv 1. Pretende-se que s aluns prduzam mdel cnceptual d prject e desenhem cenáris de actividade cm base nesse mdel. 2. Pretende-se ainda que

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação

Pesquisa Oficial de Demanda Imobiliária SINDUSCON Grande Florianópolis. NÃO ASSOCIADOS Apresentação Pesquisa Oficial de Demanda Imbiliária SINDUSCON Grande Flrianóplis. NÃO ASSOCIADOS Apresentaçã O presente trabalh tem cm principais bjetivs identificar perfil d frequentadr d Salã d Imóvel, suas demandas

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS

MANUAL DO USUÁRIO ANTECEDENTES CRIMINAIS SISTEMA DE INFORMAÇÃO E GESTÃO INTEGRADA POLICIAL Elabrad: Equipe SAG Revisad: Aprvad: Data: 11/09/2008 Data: 10/10/2008 Data: A autenticaçã d dcument cnsta n arquiv primári da Qualidade Referencia: Help_Online_Antecedentes_Criminais.dc

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2013

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2013 Alterações na aplicaçã d Critéri Brasil, válidas a partir de 01/01/2013 A dinâmica da ecnmia brasileira, cm variações imprtantes ns níveis de renda e na psse de bens ns dmicílis, representa um desafi imprtante

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT

PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT PROCESSO DE ATENDIMENTO AO CLIENTE DO GRUPO HISPASAT GRUPO HISPASAT Mai de 2014 PRIVADO PRIVADO E CONFIDENCIAL E Dcument Dcument prpriedade prpriedade HISPASAT,S.A. da 1 Prcess de atendiment a cliente

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Palestrante: Mauríci Laur de Oliveira Junir PRESCRIÇÃO E OS EVENTOS ADIVERSOS A ANVISA define err de medicaçã cm qualquer event

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA TERAPIA MANUAL DESPORTIVA 14, 15 e 16 de Nvembr de 2014 - LISBOA Resum A Terapia Manual é indiscutivelmente uma área incntrnável na intervençã d fisiterapeuta. N entant, este é um cnceit lat, cm diversas

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duração 62:34

Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duração 62:34 The Glbal Leadership Summit Ntas d Facilitadr Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duraçã 62:34 Resum da Sessã Lições de liderança e estratégias que geram resultads tangíveis em nssas

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Segmentação de Imagem

Segmentação de Imagem em pr bjectiv dividir a imagem em regiões u bjects segund um critéri Frequentemente resultad nã é uma imagem mas um cnjunt de regiões/bjects A precisã da fase de segmentaçã determina sucess u falha ds

Leia mais

Operação Metalose orientações básicas à população

Operação Metalose orientações básicas à população Operaçã Metalse rientações básicas à ppulaçã 1. Quem é respnsável pel reclhiment de prduts adulterads? As empresas fabricantes e distribuidras. O Sistema Nacinal de Vigilância Sanitária (Anvisa e Vigilâncias

Leia mais

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega.

Uma leitura sobre a propriedade do conhecimento no software livre e copyleft a partir de conceitos da filosofia grega. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Uma leitura sbre a prpriedade d

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

O projeto Key for Schools PORTUGAL

O projeto Key for Schools PORTUGAL O prjet Key fr Schls PORTUGAL O teste Key fr Schls O teste Key fr Schls é cncebid para aplicaçã em cntext esclar e está de acrd cm Quadr Eurpeu Cmum de Referência para as Línguas O teste Key fr Schls permite

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves

Supply Chain Game. EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autor: Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves Supply Chain Game EXERCÍCIOS PRÁTICOS DE LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS Autr: Prf. Dr. Daniel Bertli Gnçalves Exercíci Prátic Simuland Cadeias de Supriments v2.0 Lcal: em sala de aula Material Necessári:

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág.

CURSO DE ENFERMAGEM Autorizado pela Portaria no 135, de 29/01/09, publicada no DOU no 21, de 30/01/09, seção 1, pág. Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Autrizad pela Prtaria n 135, de 29/01/09, publicada n DOU n 21, de 30/01/09, seçã 1, pág. Cmpnente

Leia mais

Guia de Bem-Estar Gestão do peso

Guia de Bem-Estar Gestão do peso Guia de Bem-Estar Gestã d pes Cm este guia pde beneficiar a sua vida Benefícis psitivs: Melhr saúde geral Mais energia Melhria da imagem crpral e da aut-estima Melhria da dispsiçã Melhria d rendiment físic

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105)

Projecto de Dinamização dos Sistemas de Produção Pecuários nos Sectores de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (contrato DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Prject de Dinamizaçã ds Sistemas de Prduçã Pecuáris ns Sectres de Pitche e Gabu BALAL GAINAKO (cntrat DCI-NSAPVD 2010 / 257 105) Terms de referência para a selecçã de um Perit para a realizaçã d Estud:

Leia mais

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social;

H. Problemas/outras situações na ligação com a Segurança Social; Mdel de Cmunicaçã Certificads de Incapacidade Temprária Âmbit d Dcument O presente dcument traduz mdel de cmunicaçã entre Centr de Suprte da SPMS e clientes n âmbit ds CIT Certificads de Incapacidade Temprária.

Leia mais

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo

Prospeto Informativo Montepio Consumer Brands - Maio 2015 Produto Financeiro Complexo Prspet Infrmativ Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Prdut Financeir Cmplex Designaçã Mntepi Cnsumer Brands - Mai 2015 Classificaçã Prdut Financeir Cmplex Depósit Indexad O depósit Mntepi Cnsumer Brands -

Leia mais

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças)

PLD (Preço de Liquidação das Diferenças) 20 05 3 PLD (Preç de Liquidaçã das Diferenças) PLD - 4ª Semana de Mai de 203 (8.05.203 a 24.05.203) PLD médi PLD médi 2 R$/MWh Sudeste Sul Nrdeste Nrte Sudeste 34,58 344,32 Pesada 360,7 360,7 360,7 360,7

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

- Diretor do Programa Internacional de Ortodontia da New York University. - Autor do primeiro livro sobre o tema: Biomecânica Interativa Autoligante

- Diretor do Programa Internacional de Ortodontia da New York University. - Autor do primeiro livro sobre o tema: Biomecânica Interativa Autoligante CURSO INTENSIVO DE CAPACITAÇÃO BIOMECÂNICA INTERATIVA AUTOLIGANTE MINISTRADORES: Prf. Celestin Nóbrega - Diretr d Prgrama Internacinal de Ortdntia da New Yrk University - Autr d primeir livr sbre tema:

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

Terremotos e Ressonância

Terremotos e Ressonância Ntas d Prfessr Terremts e Ressnância Pergunta em fc Cm mviment d sl causad pr um terremt afeta a estabilidade de edifícis de diferentes alturas? Ferramentas e materiais Dis pedaçs quadrads de madeira,

Leia mais