Material e Métodos. Schumacher e Hall linearizado Schumacher e Hallnão-linear

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Material e Métodos. Schumacher e Hall linearizado Schumacher e Hallnão-linear"

Transcrição

1 DIFERENTES MÉTODOS DE AJUSTE DO MODELO VOLUMÉTRICO DE SCHUMACHER E HALL SintiaValerio Kohler 1, Fabiane Aparecida de Souza Retslaff 2, Rômulo Môra 3, Afonso Figueiredo Filho 4, Neumar Irineu Wolff II 5 Resumo Foram avaliadas diferentes alternativas para estimação dos coeficientes do modelo de Schumacher e Hall na forma linear pelo método de mínimos quadrados ordinários e não linear, pelos algoritmos iterativos: Gauss- Newton, Levenberg-Marquardt, Steepest descent e pelo suplemento Solver do Excel. Os dados deste estudo foram oriundos de plantios de Pinus taeda da empresa Remasa Reflorestadora Ltda, localizada no Centro-Sul do estado do Paraná, com idades entre 6 e 18 anos. Os dados foram agrupados em três sítios, sendo realizado um ajuste para cada sítio. A escolha do melhor método de ajuste baseou-se no coeficiente de determinação, erro padrão de estimativa e análise de resíduos. O ajuste do modelo volumétrico de Schumacher e Hall por meio de regressão linear apresentou estatísticas menos precisas aos ajustes por regressão não-linear, mas não apresentou tendenciosidade nas estimativas. Já o ajuste pelo método Steepest descent e o pelo Solver resultaram estimativas com tendenciosidades nas menores classes de diâmetros para estimar os volumes nos sítios avaliados. O ajuste do modelo pelos métodos de Marquardt e Gauss-Newton convergiram para valores próximos dos coeficientes, resultando estimativas similares. Estes dois métodos apresentaram as melhores estatísticas de ajuste e precisão para estimar o volume de Pinus taeda nos três sítios. Palavras-chave: regressão, volume, Pinus taeda Abstract It was evaluated different alternatives to estimate the coefficients of Schumacher and Hall volume model in linear form by the ordinary least square method and nonlinear form, by the iterative algorithms: Gauss-Newton, Levenberg-Marquardt, steepest descent and the Excel Solver. Data of this study came from Pinus taeda belong to company Remasa Reforestation Ltda, located in central-southern state of Parana, with aged between 6 and 18 years old. The data were grouped into three sites, with an adjustment for each site. The best method of adjustment was based on the coefficient of determination, standard error of estimation and residual analysis. The fitting of the Schumacher and Hall volume model by linear regression showed statistics less accurate than those estimated by nonlinear regression, but showed no bias in the estimates. Moreover, the adjustment by steepest descent and the Solver methods resulted in bias estimates on the smallest diameter classes to estimate the volumes on the sites evaluated. The fit of the model by the Marquardt and Gauss-Newton methods converged to similar values of the coefficients, these two methods showed the best fitting and precision statistics to estimate the volume of Pinus taeda in the three sites. Keywords: linear e nonlinear regression, volume, Pinus taeda Introdução O Pinus taeda é uma espécie nativa dos Estados Unidos, sendo a mais plantada do gênero Pinus no Brasil (SHIMIZU, 25), abrangendo aproximadamente um milhão de hectares, no planalto da Região Sul, para a produção de celulose de fibra longa, papel, madeira serrada, chapas, laminados e compensados. Dentre as variáveis dendrométricas estudadas na floresta, tanto nativa quanto plantada, o volume se constitui em uma das informações de maior importância para o conhecimento do potencial florestal em uma região, sendo que o volume individual fornece um ponto de partida para avaliação do conteúdo lenhoso dos povoamentos florestais (MACHADO et al., 25). A medição de todas as árvores de uma floresta, com a finalidade de conhecer seu volume é, muitas vezes uma tarefa impraticável. Por isso, quase sempre ela é inventariada por amostragem (MACHADO & 1 Engenheira Florestal, Mestranda em Engenharia Florestal. Universidade Federal do Paraná UFPR, 2 Engenheira Florestal, Doutoranda em Engenharia Florestal. Universidade Federal do Paraná UFPR, 3 Engenheiro Florestal, MSc. Professor da Faculdade de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Mato Grosso - UFMT e Doutorando em Engenharia Florestal pela Universidade Federal do Paraná UFPR, 4 Engenheiro Florestal, Dr., Professor do Departamento de Engenharia Florestal do Curso de Engenharia Florestal da UNICENTRO e Professor Sênior do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Florestal da UFPR, 5 Engenheiro Florestal, Especialista em Geoprocessamento, Mestrando em Engenharia Florestal. Universidade Estadual do Centro Oeste Unicentro,

2 FIGUEIREDO FILHO, 26). Os diâmetros e as alturas de todas as árvores da amostra são medidos e a partir deles os volumes podem ser estimados por meio de equações de volume, fator de forma e funções de afilamento. Muitos modelos matemáticos foram criados e testados para o ajuste de equações de volume. Apesar de o uso ter consagrado alguns desses modelos, nenhum deles será sempre o de melhor desempenho para todas as espécies e condições. Por isto, é recomendável testar vários modelos e por meio de análises estatísticas, identificar o melhor para cada caso (MACHADO et al., 22). O volume de árvores tem sido estimado com certa facilidade e acuracidade, empregando-se equações de volume, ajustadas quase sempre a partir de medições do diâmetro à altura do peito e da altura total (FIGUEIREDO FILHO et al. 1993). Em geral, utilizam-se os modelos de simples e dupla entrada. As equações de simples entrada, em que o volume é função somente do diâmetro das árvores, são normalmente aplicadas quando a correlação entre o diâmetro e a altura é muito forte; as equações de dupla entrada, em que o volume é função do diâmetro e da altura, são aplicadas para povoamentos em que há maior heterogeneidade no desenvolvimento da altura das árvores com mesmo diâmetro (SCOLFORO, 1988). Entre os vários modelos existentes para expressar o volume de madeira em função do diâmetro e da altura, o modelo proposto por Schumacher e Hall (1933) é um dos mais difundidos na área florestal, devido às suas propriedades estatísticas, uma vez que resulta em estimativas quase sempre não tendenciosas (CAMPOS & LEITE, 26). Geralmente, esse modelo tem sido ajustado na forma aproximada (linearizado por transformação logarítmica) pelo Método dos Mínimos Quadrados Ordinários (MMQO). Quando o ajuste é feito por Método dos Mínimos Quadrados Não Lineares, os algoritmos Levenberg-Marquardt e Gauss-Newton tem sido os mais utilizados. O ajuste de modelos não lineares pode ser feito utilizando diferentes algoritmos ou métodos iterativos (SILVA et al., 29). Este trabalho teve como objetivo avaliar o ajuste do modelo volumétrico de Schumacher e Hall por diferentes alternativas, na sua forma linear, pelo método dos Mínimos Quadrados Ordinários e na forma nãolinear pelos métodos de Marquardt, Steepest descent, Gauss-Newton e pelo suplemento Solver do Excel, buscando definir qual método estima mais apropriadamente, os volumes de Pinus taeda na Região Centro-Sul do estado do Paraná. Material e Métodos Os dados para este estudo são oriundos de plantios de Pinus taeda da empresa Remasa Reflorestadora Ltda, localizada na região Centro-Sul do estado do Paraná, com idades variando entre 6 e 18 anos.os dados foram separados em três sítios (I, II, II), com o uso de curvas de sítio existentes para o local. Métodos de ajuste testado O modelo de Schumacher e Hall, linearizado pelo processo de transformação das variáveis (modelo logarítmico), foi ajustado por regressão linear pelo Método dos Mínimos Quadrados Ordinários. Este mesmo modelo em sua forma original foi ajustado por regressão não-linear por meio de quatro diferentes métodos: Marquardt, Steepest descent, Gauss-Newton e pelo Solver*, os três primeiros disponíveis no Statgraphics Centurione o último no suplemento solver no Microsoft Excel. O modelo de Schumacher e Hall em sua forma linearizada e não linear está apresentado a seguir: Schumacher e Hall linearizado Schumacher e Hallnão-linear em que: v = volume estimado (m³); ln = logaritmo neperiano; d = diâmetro a 1,3 m do solo (cm); h =altura total da árvore (m); b i = parâmetros dos modelos. Ajuste e seleção do melhor método O melhor método para o ajuste do modelo de Schumacher e Hall para estimar volume foi escolhido com base no coeficiente de determinação, erro padrão de estimativa e análise de resíduos. O modelo linearizado teve seu erro recalculado para ser comparado com o modelo não-linear. Visando ainda comparar as diferenças entre os métodos de ajuste do modelo de Schumacher e Hall, para os sítios I, II e III, na estimativa do volume total, foi utilizado o procedimento de análise de variância (ANOVA).

3 Resultados e discussão Os resultados para o ajuste do modelo de Schumacher por meio dos diferentes métodos para o sítio I são apresentados na Tabela 1. Observa-se que todas as formas de ajustes para o modelo apresentaram estatísticas similares, com R² altos e erros menores de 1%. Os métodos de Marquardt e Gauss-Newton convergiram para coeficientes com valores muito aproximados, obtendo-se estatísticas semelhantes. Isto também ocorreu para o ajuste nos sítios II e III (Tabelas 2 e 3, respectivamente). Tabela 1: Coeficientes e estatísticas do modelo para o sítio I Modelo/Método b b 1 b 2 R² S yx % Schumacher linearizado -1,6157 1, ,3256,9934 9,31 Schumacher não-linear (Marquardt) 2,589E-5 1,86 1,21319, ,99 Schumacher não-linear (Steepest descent) 1,8155E-5 1, ,26256, ,52 Schumacher não-linear (Gauss-Newton) 2,5811E-5 1,86 1,21315, ,99 Schumacher não linear (Solver*) 2,4498E-5 1,9527 1,17819, ,6 *suplemento solver do Microsoft Excel Por meio da análise gráfica dos resíduos (Figura 1), nota-se que o modelo de Schumacher ajustado pelo método de Steepest descent e pelo Solver, tem certa tendência em subestimar os volumes. Os métodos de Marquardt e Gauss-Newton, como convergiram para os mesmos coeficientes, os resíduos são, por consequência, similares. Já o ajuste linear do modelo de Schumacher apresentou uma leve superioridade na distribuição dos resíduos nas menores classes, sendo mais homogêneos que os obtidos pelos ajustes não-lineares. Schumacher Linearizado Schumacher não-linear - Marquardt Schumacher não-linear - Steepest descent Schumacher não-linear - Gauss-Newton

4 Schumacher não-linear - Solver* Figura 1: Gráficos de distribuição dos resíduos para o modelo de Schumacher ajustado pelos diferentes métodos para estimar o volume para o sítio I. As estatísticas para o ajuste do modelo de Schumacher para o sítio II foram inferiores às obtidas para os dados dos sítios I e III. O maior erro foi obtido no ajuste linear do modelo de Schumacher, seguido do ajuste pelo método Steepest descent e pelo Solver (todos acima de 14%) (Tabela 2). Tabela 2: Coeficientes e estatísticas do modelo para o sítio II Modelo/Método b b 1 b 2 R² S yx % Schumacher linearizado -1,4489 1,8518 1,18775, ,37 Schumacher não-linear (Marquardt) 1,7359E-5 1, ,49837, ,92 Schumacher não-linear (Steepest descent) 1,8288E-5 1, ,26533, ,22 Schumacher não-linear (Gauss-Newton) 1,7359E-5 1, ,49849, ,92 Schumacher não linear (Solver*) 1,759E-5 1, ,28576, ,1 *suplemento solver do Microsoft Excel Na análise gráfica dos resíduos apresentada na Figura 2, observa-se que o modelo de Schumacher ajustado pelo método Steepest descent e pelo Solver tem tendência em subestimar os volumes nas primeiras classes diamétricas. Esta tendência também é observada no ajuste pelos métodos de Marquardt e Gauss-Newton, no entanto é menor que nos outros dois citados anteriormente. Já, o ajuste linear apresenta uma distribuição de resíduos mais homogênea, principalmente nas menores classes onde o ajuste não-linear não estima bem os volumes. Esta característica pode ser interessante quando o objetivo é obter volumes para árvores nas menores classes diamétricas, oriundas de um desbaste, por exemplo Schumacher Linearizado Schumacher não-linear - Marquardt

5 Schumacher não-linear - Steepest descent Schumacher não-linear - Gauss-Newton Schumacher não-linear - Solver* Figura 2: Gráficos de distribuição dos resíduos para o modelo de Schumacher e Hall ajustado pelos diferentes métodos para estimar o volume para o sítio II. As estatísticas obtidas para o ajuste do modelo de Schumacher pelos diferentes métodos para estimar o volume para as árvores do sítio III foram intermediárias, entre as obtidas para o sítio I e II. Os métodos de Marquardt e Gauss-Newton novamente apresentaram as melhores estatísticas de ajuste e precisão. Tabela 3: Coeficientes e estatísticas do modelo para o sítio III. Modelo/Método b b 1 b 2 R² S yx % Schumacher linearizado -1,2157 1, ,25287, ,92 Schumacher não-linear (Marquardt) 5,2246E-5 1,8963,9239, ,29 Schumacher não-linear (Steepest descent) 1,838E-5 1,9157 1,26694, ,71 Schumacher não-linear (Gauss-Newton) 5,2241E-5 1,8969,9236, ,29 Schumacher não linear (Solver*) 1,728E-5 1,893 1,32372, ,78 *suplemento solver do Microsoft Excel Observa-se, nos gráficos de distribuição de resíduos (Figura 3),que o modelo de Schumacher ajustado pelo método Steepest descent e pelo Solver subestimam os volumes nas menores classes diamétricas, parecendo ser uma característica dos métodos e não problemas nos dados, uma vez que, isto aconteceu para o ajuste nos três sítios. O ajuste linear apresentou uma distribuição de resíduos similar aos obtidos pelos métodos de Marquardt e Gauss-Newton. Os três últimos apresentam certa tendência em superestimar os volumes entre as classes de 7,5 a 15, cm Schumacher Linearizado Schumacher não-linear - Marquardt

6 Schumacher não-linear - Steepest descent Schumacher não-linear - Gauss-Newton Schumacher não-linear - Solver* Figura 3: Gráficos de distribuição dos resíduos para o modelo de Schumacher e Hall ajustado pelos diferentes métodos para estimar o volume para o sítio III. Silva et al. (29) ajustaram o modelo volumétrico de Schumacher e Hall nas formas linear e não linear, com os seguintes algoritmos: Gauss-Newton, Quasi-Newton, Levenberg-Marquardt, Simplex, Hooke-Jeeves Pattern, Rosenbrock Pattern, entre outros. Os autores avaliaram as estimativas dos volumes por gráficos de volume estimado em função do volume observado e pelo teste estatístico L&O, concluindo que o ajuste do modelo de Schumacher e Hall pode ser usado na sua forma linear, com boa representatividade e sem apresentar tendenciosidade e que os algoritmos Gauss-Newton, Quasi-Newton e Levenberg-Marquardt mostraram-se eficientes para o ajuste do modelo volumétrico de Schumacher e Hall. Estes resultados obtidos por Silva et al. (29) para estimar o volume para clones de eucalipto foram similares aos obtidos neste trabalho. Batista et al. (24) ajustaram o modelo de Schumacher e Hall na sua forma não-linear, linearizado e na forma geral para estimar o volume de Tabebuia cassinoides no estado do Rio de Janeiro e concluíram que o método de ajuste pode ter forte efeito sobre o desempenho de certos modelos de equações de volume. O modelo de Schumacher e Hall ajustado por regressão linear pelos autores apresentou menor valor para o coeficiente de determinação e maior erro padrão (R² =, 9189 e S yx = 115,84 dm³), já o modelo de Schumacher e Hall, ajustado por meio de regressão não-linear, apesar do bom desempenho (R² =,9696 e S yx = 61,81dm³), apresentou tendências para o ajuste do volume comercial até 12 cm. Como os resultados obtidos nos diferentes métodos de ajustes foram semelhantes, realizou-se o procedimento de análise de variância para verificar se houve diferença estatística entre eles. O resultado da ANOVA foi não significativo ao nível de 5% de probabilidade para os três sítios analisados em relação à comparação entre os métodos de ajuste e entre estes e o volume obtido por Smalian. Desse modo não houve necessidade de realizar os demais testes e pelos resultados encontrados, pode-se concluir que não houve diferença estatística entre os métodos de ajuste para o volume total e entre estes e o volume cubado. Conclusões As estatísticas para o ajuste do modelo de Schumacher para o sítio I foram superiores às obtidas para os dados dos sítios II e III. Isto pode estar relacionado à maior homogeneidade dos dados do sítio melhor. O ajuste do modelo volumétrico de Schumacher e Hall por meio de regressão linear apresentou estatísticas um pouco inferiores aos ajustes por regressão não-linear, mas não apresentou tendenciosidade nas estimativas. Fator muito importante quando se avalia a qualidade do ajuste de um modelo. O ajuste pelo método Steepest descent e o pelo Solver resultaram em estimativas com tendenciosidades nas menores classes de diâmetros para estimar os volumes nos três sítios avaliados.

7 Os métodos de ajuste não-linear de Marquardt e Gauss-Newton convergiram para valores próximos dos coeficientes, obtendo estimativas similares. Estes dois métodos apresentaram as melhores estatísticas de ajuste e precisão para estimar o volume de Pinus taeda nos três sítios avaliados. Pelos resultados da ANOVA, em média o volume estimado pelos diferentes métodos de ajuste nos sítios I, II e III são estatisticamente iguais à média do volume real. Referências BATISTA, J. L. F.; MARQUESINI, M.; VIANA, V. M. Equações de volume para árvores de caxeta (Tabebuia cassinoides) no Estado de São Paulo e sul do Estado do Rio de Janeiro. Scientia Forestalis, n. 65, p , jun. 24. CAMPOS, J. C. C.; LEITE, H. G. Mensuração florestal: perguntas e respostas. 2.ed. Viçosa,MG: Universidade Federal de Viçosa, p. FIGUEIREDO FILHO, A.; OLIVEIRA, C. G.; MOURA, J. B.; CUNHA, U. S. Conversão de equações de volume em equações de forma compatíveis para Pinus elliottii. In: CONGRESSO FLORESTAL PANAMERICANO (1.: 1993: Curitiba) E CONGRESSO FLORESTAL BRASILEIRO (7.: 1993: Curitiba). Anais Curitiba: SBS/SBEF, v.2, p HUSCH, B.; MILLER, C. I.; BEERS, T. E. Forest mensuration. 2 ed. New York: Ronald Press, p. MACHADO, S. A.; CONCEIÇÃO, M. B. da; FIGUEIREDO, D. J. Modelagem do volume individual para diferentes idades e regimes de desbaste em plantações de Pinus oocarpa. Revista Ciências Exatas e Naturais, Vol. 4, n o. 2, Jul/Dez 22. MACHADO, S. A.; URBANO, E.; CONCEIÇÃO, M. B. da. Comparação de métodos de estimativa para Pinus oocarpa em diferentes idades e diferentes regimes de desbastes. Boletim de pesquisa florestal - Unidade Regional de Pesquisa Florestal, Colombo - PR, v. 5-nº1, n. 1, p , 25. MACHADO, S. A.; FIGUEIREDO FILHO, A. Dendrometria. 2. ed. Guarapuava: Editora Unicentro, 26. v. 1-2ed. 316 p. SCOLFORO, J. R. S.; MACHADO, S.A. Curvas de índice de sítio, para plantações de Pinus elliottii nos Estados do Paraná e Santa Catarina. Revista Floresta, Curitiba, v. 18, n o. 112, p , jun./dez SILVA, M. L. M. DA; BINOTI, D. H. B.; GLERIANI, J. M.; LEITE, H. G. Ajuste do modelo de Schumacher e Hall e aplicação de redes neurais artificiais para estimar volume de árvores de Eucalipto. Árvore, Viçosa-MG, v.33, n o.6, p , 29. SHIMIZU, J. Y. Cultivo do Pinus. Embrapa Florestas. Versão eletrônica, 25. Disponível em: Acesso em 26/6/212.

Modelos Hipsométricos Para Genipa americana L. Em Plantio Homogêneo No Estado Da Bahia

Modelos Hipsométricos Para Genipa americana L. Em Plantio Homogêneo No Estado Da Bahia Modelos Hipsométricos Para Genipa americana L. Em Plantio Homogêneo No Estado Da Bahia Celsiane Manfredi (1) ; Thaiana Ferreira Alves (2) ; Patrícia Anjos Bittencourt Barreto (3) (1) Engenheira Florestal,

Leia mais

III SEMINÁRIO DE BIODIVERSIDADE E AGROECOSSISTEMAS AMAZÔNICOS. 13 a 16 de outubro de 2015 Alta Floresta-MT Universidade do Estado de Mato Grosso

III SEMINÁRIO DE BIODIVERSIDADE E AGROECOSSISTEMAS AMAZÔNICOS. 13 a 16 de outubro de 2015 Alta Floresta-MT Universidade do Estado de Mato Grosso AVALIAÇÃO DE CRESCIMENTO DIÂMETRICO DE UM POVOAMENTO CLONAL DE Tectona grandis EM SISTEMA SILVIPASTORIL NO MUNICÍPIO DE ALTA FLORESTA- MT MARIA 1, Luciano de Souza; SILVA 1, Marcia Soares da; GARCIA 2,

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 Jéssica Smaniotto 2, Osorio Antônio Lucchese 3, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi 4, Rafael Pettenon

Leia mais

Cyro José Matavelli 1. Rua Jerônimo Coelho, 185, Sala 901, Centro - 88010-030 - Florianópolis - SC, Brasil cyro.matavelli@fns.incra.gov.

Cyro José Matavelli 1. Rua Jerônimo Coelho, 185, Sala 901, Centro - 88010-030 - Florianópolis - SC, Brasil cyro.matavelli@fns.incra.gov. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.1660 Planejamento e execução do inventário florestal em reflorestamentos homogêneos

Leia mais

ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832

ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832 831 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 832 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS) 832 ESPÉCIES FLORESTAIS UTILIZADAS EM UM REFLORESTAMENTO PARA COMPOSIÇÃO DE RESERVA LEGAL PARA MANEJO SUSTENTADO. PRESIDENTE PRUDENTE

Leia mais

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009

XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 XV COBREAP - CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS - IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA NA AVALIAÇÃO DE FLORESTA PLANTADA DE PINUS PELO MÉTODO DO VALOR ECONÔMICO, UTILIZANDO COMO PARÂMETROS

Leia mais

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO

EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO EVAPORAÇÃO EM TANQUE DE CIMENTO AMIANTO GERTRUDES MACARIO DE OLIVEIRA 1, MÁRIO DE MIRANDA VILAS BOAS RAMOS LEITÃO, ANDREIA CERQUEIRA DE ALMEIDA 3, REGIANE DE CARVALHO BISPO 1 Doutora em Recursos Naturais,

Leia mais

RENDIMENTO EM MADEIRA SERRADA DE Pinus taeda PARA DUAS METODOLOGIAS DE DESDOBRO

RENDIMENTO EM MADEIRA SERRADA DE Pinus taeda PARA DUAS METODOLOGIAS DE DESDOBRO RENDIMENTO EM MADEIRA SERRADA DE Pinus taeda PARA DUAS METODOLOGIAS DE DESDOBRO Mauro Itamar Murara Junior*, Márcio Pereira da Rocha**, Romano Timofeiczyk Junior*** *Eng. Florestal, M.Sc., Escola Técnica

Leia mais

MODELAGEM HIPSOMÉTRICA EM POVOAMENTO CLONAL DE Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis NO DISTRITO FEDERAL

MODELAGEM HIPSOMÉTRICA EM POVOAMENTO CLONAL DE Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis NO DISTRITO FEDERAL MODELAGEM HIPSOMÉTRICA EM POVOAMENTO CLONAL DE Eucalyptus urophylla x Eucalyptus grandis NO DISTRITO FEDERAL Caroline Maiara de Jesus¹; Eder Pereira Miguel²; Gileno Brito de Azevedo³; Glauce Taís de Oliveira

Leia mais

LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO

LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO LEVANTAMENTO DA QUANTIDADE DE RESÍDUOS DA INDÚSTRIA MADEREIRA NO MUNICÍPIO DE GURUPI-TO Adriana Cavalcante Conceição 1 ; Renato da Silva Vieira 2 ; Edy Eime Pereira Baraúna 3 ; Cândida Pereira da Silva

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CLINÔMETRO DIGITAL PARA MEDIÇÃO DA ALTURA DE ÁRVORES EM UMA FLORESTA NATIVA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

AVALIAÇÃO DO CLINÔMETRO DIGITAL PARA MEDIÇÃO DA ALTURA DE ÁRVORES EM UMA FLORESTA NATIVA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO AVALIAÇÃO DO CLINÔMETRO DIGITAL PARA MEDIÇÃO DA ALTURA DE ÁRVORES EM UMA FLORESTA NATIVA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Hassan Camil David 1, Emanuel José Gomes de Araújo 2, Allan Libanio Pelissari 2, Rodrigo

Leia mais

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO

RESUMO SUMMARY 1. INTRODUÇÃO COMPARAÇÃO DA PRECISÃO DE MODELOS HIPSOMÉTRICOS AJUSTADOS COM DADOS OBTIDOS POR MEIO DO USO DE PRANCHETA DENDROMÉTRICA E FITA MÉTRICA EM POVOAMENTOS FLORESTAIS DO GÊNERO EUCALYPTUS NA REGIÃO DO OESTE DO

Leia mais

MODELAGEM DA BIOMASSA AÉREA EM BRACATINGAIS NATIVOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

MODELAGEM DA BIOMASSA AÉREA EM BRACATINGAIS NATIVOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA MODELAGEM DA BIOMASSA AÉREA EM BRACATINGAIS NATIVOS DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA Edilson Urbano*, Sebastião do Amaral Machado**, Afonso Figueiredo Filho***, Henrique Soares Koehler**** *Eng. Florestal,

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

Sci. For., Piracicaba, v. 43, n. 105, p. 83-90, mar. 2015 MATERIAL E MÉTODOS

Sci. For., Piracicaba, v. 43, n. 105, p. 83-90, mar. 2015 MATERIAL E MÉTODOS Scientia Forestalis Modelagem do crescimento e produção para um povoamento de Eucalyptus utilizando dois métodos para quantificação do índice de local Growth and production modeling for a Eucalyptus population

Leia mais

AT073 INTRODUÇÃO EIM

AT073 INTRODUÇÃO EIM Engenharia Industrial Madeireira AT073 INTRODUÇÃO EIM MEDIÇÃO DA MADEIRA Prof. Dr. Umberto Klock Objetivo: Os acadêmicos de EIM devem estar aptos a determinar o volume de troncos, pilhas de lenha, de árvores

Leia mais

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC

ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC ANÁLISE DA DISTRIBUIÇÃO DA FREQUÊNCIA DE PRECIPITAÇÃO EM DIFERENTES INTERVALOS DE CLASSES PARA RIO DO SUL/SC Katiani Eli 1, Joabe Weber Pitz 1, Leonardo de Oliveira Neves 2, Roberto Haveroth 3,Evandro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SINTIA VALERIO KOHLER

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SINTIA VALERIO KOHLER UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SINTIA VALERIO KOHLER EVOLUÇÃO DO AFILAMENTO DO TRONCO E DO SORTIMENTO EM PLANTIOS DE Pinus taeda NOS ESTADOS DO PARANÁ E SANTA CATARINA CURITIBA 2013 SINTIA VALERIO KOHLER

Leia mais

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO

VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO VANTAGENS ECOLÓGICAS E ECONÔMICAS DE REFLORESTAMENTOS EM PROPRIEDADES RURAIS NO SUL DO BRASIL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este estudo tem o objetivo de comparar os indicadores ecológicos (uso de

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIASFLORESTAIS VIII SIMPÓSIO DE TÉCNICAS DE PLANTIO E MANEJO DE EUCALIPTO PARA USOS MÚLTIPLOS INVENTÁRIO FLORESTAL

Leia mais

AJUSTE DE FUNÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA PARA UM POVOAMENTO DE Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze ANTES E APÓS DESBASTE

AJUSTE DE FUNÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA PARA UM POVOAMENTO DE Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze ANTES E APÓS DESBASTE AJUSTE DE FUNÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO DIAMÉTRICA PARA UM POVOAMENTO DE Araucaria angustifolia (Bert.) O. Ktze ANTES E APÓS DESBASTE Gabrielle Hambrecht Loureiro 1 Rafaella De Angeli Curto² Sylvio Péllico Netto³

Leia mais

Seleção de dados para modelagem do crescimento e produção de teca, utilizando algoritmos genéticos.

Seleção de dados para modelagem do crescimento e produção de teca, utilizando algoritmos genéticos. Renan Rosselli da Costa Seleção de dados para modelagem do crescimento e produção de teca, utilizando algoritmos genéticos. Monografia apresentada ao Departamento de Engenharia Florestal da Universidade

Leia mais

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO

PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO PLANTIOS FLORESTAIS E SISTEMAS AGROFLORESTAIS: ALTERNATIVAS PARA O AUMENTO O DE EMPREGO E RENDA NA PROPRIEDADE RURAL RESUMO Honorino Roque Rodigheri * Este trabalho tem por objetivo apresentar indicadores

Leia mais

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS

INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS INVENTÁRIO DE RESÍDUOS FLORESTAIS Hilton Thadeu Z. do Couto * José Otávio Brito * 1. INTRODUÇÃO Os altos preços e a instabilidade de fornecimento de energia proveniente de fontes tradicionais aumentaram

Leia mais

Aplicação de algoritmos genéticos para ajuste de modelos regressores não lineares com grande número de parâmetros 1. Introdução

Aplicação de algoritmos genéticos para ajuste de modelos regressores não lineares com grande número de parâmetros 1. Introdução 15 Aplicação de algoritmos genéticos para ajuste de modelos regressores não lineares com grande número de parâmetros 1 Kamila Lacerda de Almeida 2, Mariana Tito Teixeira 3, Roney Alves da Rocha 4 Resumo:

Leia mais

RENDIMENTO NA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA DE IPÊ (Handroanthus sp)

RENDIMENTO NA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA DE IPÊ (Handroanthus sp) RENDIMENTO NA PRODUÇÃO DE MADEIRA SERRADA DE IPÊ (Handroanthus sp) Paulo Ricardo Rodrigues Piovesan¹, Alisson Rodrigo Souza Reis², Deivison Venicio Souza³ 1. Graduando em Engenharia Florestal na Universidade

Leia mais

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE

USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE USO DO SOFTWARE WINDOGRAPHER PARA ESTIMATIVAS DA VELOCIDADE DO VENTO EM ALTITUDE NUMA REGIÃO DO LITORAL CEARENSE Emerson Mariano da Silva 1 ; Flavio José Alexandre Linard 2 1 Universidade Estadual do Ceará

Leia mais

Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas

Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Consumo Aparente, Cotação e Valor da Produção de Madeira de Florestas Plantadas no Estado de São Paulo: uma visão das últimas décadas Uma das características

Leia mais

Thiago Rezende Pinto. Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

Thiago Rezende Pinto. Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Thiago Rezende Pinto Aplicação de Modelos Não Lineares em Negociação Automática no Mercado Acionário Brasileiro DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA Programa de Pósgraduação em Engenharia

Leia mais

ESTUDO DO TAMANHO E DA FORMA DE UNIDADES DE AMOSTRA, UTILIZANDO A AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES PARA INVENTARIAR A ARBORIZAÇÃO URBANA VIÁRIA 1

ESTUDO DO TAMANHO E DA FORMA DE UNIDADES DE AMOSTRA, UTILIZANDO A AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES PARA INVENTARIAR A ARBORIZAÇÃO URBANA VIÁRIA 1 Estudo do tamanho e da forma de unidades de amostra... 59 ESTUDO DO TAMANHO E DA FORMA DE UNIDADES DE AMOSTRA, UTILIZANDO A AMOSTRAGEM CASUAL SIMPLES PARA INVENTARIAR A ARBORIZAÇÃO URBANA VIÁRIA 1 Study

Leia mais

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC

EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC EQUAÇÃO DE CHUVAS INTENSAS PARA O MUNICÍPIO DE JOAÇABA/SC Daiani Rosa 1 ; Elfride Anrain Lindner 2 ; Angelo Mendes Massignam 3 RESUMO As relações entre a intensidade, duração e freqüência de chuvas podem

Leia mais

ASPECTOS ECONÔMICOS DO REFLORESTAMENTO DE PINUS NA PEQUENA PROPRIEDADE RURAL: UM ESTUDO DE CASO

ASPECTOS ECONÔMICOS DO REFLORESTAMENTO DE PINUS NA PEQUENA PROPRIEDADE RURAL: UM ESTUDO DE CASO ASPECTOS ECONÔMICOS DO REFLORESTAMENTO DE PINUS NA PEQUENA PROPRIEDADE RURAL: UM ESTUDO DE CASO Prof. Dr. Marcio Henrique Coelho (UEPG) E-mail: marhenco@ig.com.br Cristian Marcelo Kwasniews (Economista)

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

EQUAÇÕES HIPSOMÉTRICAS PARA PLANTIOS MISTOS DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NA MATA ATLÂNTICA EM SEROPÉDICA-RJ

EQUAÇÕES HIPSOMÉTRICAS PARA PLANTIOS MISTOS DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NA MATA ATLÂNTICA EM SEROPÉDICA-RJ EQUAÇÕES HIPSOMÉTRICAS PARA PLANTIOS MISTOS DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NA MATA ATLÂNTICA EM SEROPÉDICA-RJ Camila Mayer Massaroth Staub¹, Carlos Roberto Sanquetta 2, Ana Paula Dalla Corte 2, Mateus Niroh

Leia mais

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela

Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil. Samir Lotfi Silvia Pela Utilização da Técnica de Análise de Tendências Impactadas para Projeção do Cultivo de Eucalipto no Brasil Samir Lotfi Silvia Pela Objetivos Como eventos presentes e/ou futuros irão influenciar a taxa de

Leia mais

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC

IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC IV-066 - SISTEMATIZAÇÃO DE DADOS PLUVIOMÉTRICOS PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE JOINVILLE/SC Willians Cesar Benetti (1) Acadêmico do Curso de Engenharia Civil, Bolsista PROBIC/UDESC. Centro de Ciências Tecnológicas

Leia mais

UnB, Brasília/DF Brasil. fabricioassisleal@yahoo.com.br

UnB, Brasília/DF Brasil. fabricioassisleal@yahoo.com.br MAPEAMENTO DE UNIDADES PRODUTIVAS UTILIZANDO A INTERPOLAÇÃO GEOESPACIAL KRIGAGEM A PARTIR DO INVENTÁRIO FLORESTAL EM UM POVOAMENTO DE Eucalyptus urophylla S. T. Blake Fabrício Assis Leal 1, Eder Pereira

Leia mais

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL

6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL 6 OS DETERMINANTES DO INVESTIMENTO NO BRASIL Este capítulo procurará explicar os movimentos do investimento, tanto das contas nacionais quanto das empresas abertas com ações negociadas em bolsa através

Leia mais

Preço Madeira de Pinus Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (4 Tri/2013)

Preço Madeira de Pinus Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (4 Tri/2013) Preço Madeira de Pinus Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul (4 Tri/13) Curitiba Janeiro, 14 CONTEÚDO 1. Introdução 3 2. Metodologia 4 3. Base Amostral 5 4. Estado do Paraná 6 4.1. Pólo de Telêmaco

Leia mais

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL

OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL APRESENTAÇÃO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE ENERGIA NO BRASIL AGROICONE JULHO 2015 TEMA CÓDIGO FLORESTAL PROJETO OPORTUNIDADES PARA FLORESTAS ENERGÉTICAS NA GERAÇÃO DE BIOENERGIA

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS.

CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. CARACTERIZAÇÃO DE FRAGMENTOS FLORESTAIS EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NA REGIÃO CENTRO-SUL DO PARANÁ RESULTADOS PARCIAIS. Regiane Aparecida Ferreira (USF-UNICENTRO), Lúcio de Paula Amaral (Fundação Araucária/Mestrado

Leia mais

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel

Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel Silvicultura & Meio Ambiente Celso Foelkel www.celso-foelkel.com.br www.eucalyptus.com.br Porquê precisamos plantar florestas? O ser humano sempre amou as coisas de madeira e as florestas Afinal, a floresta

Leia mais

MÉTODO MONTE CARLO APLICADO EM FLORESTAS ENERGÉTICAS

MÉTODO MONTE CARLO APLICADO EM FLORESTAS ENERGÉTICAS MÉTODO MONTE CARLO APLICADO EM FLORESTAS ENERGÉTICAS Laíssa de Araújo Viana¹, Maísa Santos Joaquim², Álvaro Nogueira de Souza³, Keila Lima Sanches 4, Ana Paula Silva Camelo 5 1.Engenheira Florestal laissav@gmail.com

Leia mais

MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA

MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE UTILIZAÇÃO DA MADEIRA DE EUCALIPTO PARA SERRARIA MANEJO DE FLORESTAS PARA SERRARIA NAS EMPRESAS NACIONAIS: ALGUMAS EXPERIÊNCIAS DE MANEJO DE EUCALIPTO PARA SERRARIA Cláudio Renck

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA BIOMASSA EM PLANTIOS DE Pinus elliottii Engelm. em CLEVELÂNDIA PR 1. MEASUREMENT OF BIOMASS IN PLANTATIONS OF Pinus elliottii Engelm.

QUANTIFICAÇÃO DA BIOMASSA EM PLANTIOS DE Pinus elliottii Engelm. em CLEVELÂNDIA PR 1. MEASUREMENT OF BIOMASS IN PLANTATIONS OF Pinus elliottii Engelm. http://dx.doi.org/10.4322/rif.2015.008 ISSN impresso 0103-2674/on-line 2178-5031 QUANTIFICAÇÃO DA BIOMASSA EM PLANTIOS DE Pinus elliottii Engelm. em CLEVELÂNDIA PR 1 MEASUREMENT OF BIOMASS IN PLANTATIONS

Leia mais

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS

MODELAGEM DO CUSTO MARGINAL DA ENERGIA ELÉTRICA EM FUNÇÃO DO NÍVEL DE ARMAZENAMENTO NOS RESERVATÓRIOS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GOP - 17 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO IX GRUPO DE ESTUDO DE OPERAÇÃO DE SISTEMAS ELÉTRICOS - GOP MODELAGEM DO

Leia mais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais

Anais do II Seminário de Atualização Florestal e XI Semana de Estudos Florestais AJUSTE DE EQUAÇÕES DE VOLUME PARA PLANTIO DE Pinus taeda EM CASCAVEL, ESTADO DO PARANÁ. Mailson Roik*, Prof. Dr. Afonso Figueiredo Filho, Gerson dos Santos Lisboa. *Mestrando em Ciências Florestais Universidade

Leia mais

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL

COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL COEFICIENTES PARA ESTIMATIVAS DE PRECIPITAÇÃO COM DURAÇÃO DE 24 HORAS A 5 MINUTOS PARA JABOTICABAL Paulo Nobukuni 1 Vicente de Paula Pereira 2 Romísio Geraldo Bouhid André 2 RESUMO ABSTRACT Dados de pluviosidade,

Leia mais

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO

VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO VARIAÇÃO DA VIABILIDADE ECONOMICA FLORESTAL CONFORME O CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO William Tomaz Folmann¹, Maria Laura Quevedo Fernandez² e Gabriel de Magalhães Miranda³. ¹ Doutorando em Economia e Política

Leia mais

MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL

MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL MODELAGEM NO ENSINO DE MATEMÁTICA: UM ESTUDO SOBRE O PLANTIO DE EUCALIPTOS NO BRASIL Kátia Luciane Souza da Rocha UNIFRA 1 Eleni Bisognin - UNIFRA 2 Resumo: Neste trabalho é relatado o resultado de uma

Leia mais

APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS

APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS APLICATIVO PARA CÁLCULOS DE INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO COM BASE NAS EQUAÇÕES DE KOSTIAKOV E KOSTIAKOV-LEWIS J. V. José 1 ; E. Saretta 2 ; A. P. Camargo 2 ; A. P. A. B. Damasceno 2 ; P. A. A. Marques 3

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS MÉTODOS GRG2 (SOLVER DO EXCEL) E DOWNHILL SIMPLEX PARA A PARAMETRIZAÇÃO DA FUNÇÃO BETA.

COMPARAÇÃO DOS MÉTODOS GRG2 (SOLVER DO EXCEL) E DOWNHILL SIMPLEX PARA A PARAMETRIZAÇÃO DA FUNÇÃO BETA. COMPARAÇÃO DOS MÉTODOS GRG2 (SOLVER DO EXCEL) E DOWNHILL SIMPLEX PARA A PARAMETRIZAÇÃO DA FUNÇÃO BETA. Ozanival Dario Dantas Embrapa Cerrados BR 020 Km 18. Caixa Postal: 08223. CEP: 73310-970. Planaltina,

Leia mais

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011

Artigo publicado. na edição 18. www.revistamundologistica.com.br. Assine a revista através do nosso site. setembro e outobro de 2011 Artigo publicado na edição 18 Assine a revista através do nosso site setembro e outobro de 2011 www.revistamundologistica.com.br :: artigo Cálculo do estoque de segurança as suas diferentes abordagens

Leia mais

SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br

SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br SCIENTIA PLENA VOL. 8, NUM. 4 2012 www.scientiaplena.org.br Análise da estrutura vegetacional em uma área de transição Cerrado-Caatinga no município de Bom Jesus-PI T. M.Oliveira 1 ; A. R. Alves 2 ; G.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DO Eucalyptus benthamii Maiden et Cambage

CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DO Eucalyptus benthamii Maiden et Cambage CARACTERIZAÇÃO ENERGÉTICA DO Eucalyptus benthamii Maiden et Cambage RESUMO Dimas Agostinho da Silva 1 Bruna Verediana Müller 2 Elaine Cristine Kuiaski 3 Alexsandro Bayestorff da Cunha 4 O presente estudo

Leia mais

CLUSTERING SEARCH COM PATH RELINKING PARA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PLANEJAMENTO FLORESTAL

CLUSTERING SEARCH COM PATH RELINKING PARA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PLANEJAMENTO FLORESTAL CLUSTERING SEARCH COM PATH RELINKING PARA RESOLUÇÃO DE UM PROBLEMA DE PLANEJAMENTO FLORESTAL Robson de Souza Melo Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Alto Universitário, s/nº - Cx Postal 16,

Leia mais

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014

ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 2014 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 2014 ANUÁRIO ESTATÍSTICO DE BASE FLORESTAL PARA O ESTADO DE SANTA CATARINA 214 LAGES/SC 27 DE FEVEREIRO DE 214 CONTEÚDO 1. APRESENTAÇÃO INSTITUCIONAL ACR 2. BASE FLORESTAL PLANTADA 3. MERCADO DE PRODUTOS FLORESTAIS

Leia mais

Wilson Lins Morgado. Método de classificação de risco aplicado ao mercado de seguros de automóveis. Dissertação de Mestrado

Wilson Lins Morgado. Método de classificação de risco aplicado ao mercado de seguros de automóveis. Dissertação de Mestrado Wilson Lins Morgado Método de classificação de risco aplicado ao mercado de seguros de automóveis Dissertação de Mestrado Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica

Leia mais

EQUAÇÕES HIPSOMÉTRICAS PARA OBTENÇÃO DE COMPRIMENTO DE COLMO PARA Phyllostachys aurea Carr. ex A.& C. Rivi're

EQUAÇÕES HIPSOMÉTRICAS PARA OBTENÇÃO DE COMPRIMENTO DE COLMO PARA Phyllostachys aurea Carr. ex A.& C. Rivi're EQUAÇÕES HIPSOMÉTRICAS PARA OBTENÇÃO DE COMPRIMENTO DE COLMO PARA Phyllostachys aurea Carr. ex A.& C. Rivi're Mateus Niroh Inoue Sanquetta 1 ; Carlos Roberto Sanquetta 2 ; Francelo Mognon 3 ; Ana Paula

Leia mais

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL

ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL ENVELHECIMENTO POPULACIONAL BRASILEIRO: O DESAFIO DA CAPACIDADE FUNCIONAL Jorcely Victório Franco 1 José Rodrigo de Moraes 2 Palavras-chave: Envelhecimento; Funcionalidade; Modelo RESUMO O envelhecimento

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ANÁLISE DO ORÇAMENTO DE UM SISTEMA AGROFLORESTAL EM SITUAÇÃO DE RISCO RESUMO CAROLINA SOUZA JAROCHINSKI 1 ; ANTONIO DONIZETTE DE OLIVEIRA 2. Objetivou-se neste trabalho analisar o risco de um sistema agroflorestal

Leia mais

Equações volumétricas para espécies comerciais madeireiras do sul do estado de Roraima

Equações volumétricas para espécies comerciais madeireiras do sul do estado de Roraima Scientia Forestalis Equações volumétricas para espécies comerciais madeireiras do sul do estado de Roraima Volume equations for merchantable timber species of Southern Roraima state Bruno Oliva Gimenez

Leia mais

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO ZONEAMENTO AGROCLIMÁTICO PARA A ARAUCÁRIA (Araucaria angustifolia) NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Klippel, V.H., Toledo, J.V., Costa, J., Pimenta, L.R., Pezzopane, J.E.M. Universidade Federal do Espírito

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1.

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MANDIOCA MANSA COM AGRICULTORES FAMILIARES DE GUARATINGA, BA 1. Mauto de Souza DINIZ 2 ; Arlene Maria Gomes OLIVEIRA 2 ; Nelson Luz PEREIRA 3 ; Jackson Lopes de OLIVEIRA 4 RESUMO:

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. *

CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * CIRCULAR TÉCNICA N o 13 PBP/2.A3 (Arquivar nesta pasta) PROGRAMA DE MELHORAMENTO FLORESTAL DA C.A.F.M.A. * 1 INTRODUÇÃO Iniciando os seus plantios em 1958, na região de Agudos (SP), a Companhia Agro Florestal

Leia mais

Estimativa da geração de resíduos florestais no Brasil

Estimativa da geração de resíduos florestais no Brasil Estimativa da geração de resíduos florestais no Brasil Taison Anderson Bortolin 1, Andreia Cristina Trentin 2, Denise Peresin 3, Vania Elisabete Schneider 4 1 Instituto de Saneamento Ambiental/ Universidade

Leia mais

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem.

Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Evapotranspiração e coeficiente de cultivo da pimenteira em lisímetro de drenagem. Sérgio Weine Paulino Chaves 1 ; Benito Moreira de Azevedo 1 ; Francisco Marcus Lima Bezerra 1 ; Neuzo Batista de Morais

Leia mais

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013

Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 Visão Geral do Potencial do Mercado Florestal para a Região do MATOPIBA Tocantins Florestal Nov/2013 www.consufor.com A EMPRESA A Consufor é uma empresa de consultoria em NEGÓCIOS e ESTRATÉGIAS, especializada

Leia mais

Ciência Florestal, Santa Maria, v.8, n.1, p. 77-92 77 ISSN 0103-9954

Ciência Florestal, Santa Maria, v.8, n.1, p. 77-92 77 ISSN 0103-9954 Ciência Florestal, Santa Maria, v.8, n.1, p. 77-9 77 ISSN 0103-9954 EFICIÊNCIA NA ESTIMATIVA DO PESO SECO PARA ÁRVORES INDIVIDUAIS E DEFINIÇÃO DO PONTO ÓTIMO DE AMOSTRAGEM PARA DETERMINAÇÃO DA DENSIDADE

Leia mais

MAE0325 - Séries Temporais

MAE0325 - Séries Temporais MAE0325 - Séries Temporais Fernando Henrique Ferraz Pereira da Rosa Vagner Aparecido Pedro Junior 26 de setembro de 2004 E7p80. Considere a série A (M-ICV): Lista 1 1 (a) teste a existência de tendência,

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL E RECOMENDAÇÕES DE MANEJO PARA A FLORESTA ESTADUAL DE ASSIS INSTITUTO FLORESTAL, SP. GAROSI, Vagner Aparecido

INVENTÁRIO FLORESTAL E RECOMENDAÇÕES DE MANEJO PARA A FLORESTA ESTADUAL DE ASSIS INSTITUTO FLORESTAL, SP. GAROSI, Vagner Aparecido INVENTÁRIO FLORESTAL E RECOMENDAÇÕES DE MANEJO PARA A FLORESTA ESTADUAL DE ASSIS INSTITUTO FLORESTAL, SP GAROSI, Vagner Aparecido Engenheiro Florestal- FAEF Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal

Leia mais

ESCOLHA DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE ÍNDICE DE SÍTIO PARA FLORESTAS IMPLANTADAS DE Eucalyptus SP NO ESTADO DE SÃO PAULO (*)

ESCOLHA DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE ÍNDICE DE SÍTIO PARA FLORESTAS IMPLANTADAS DE Eucalyptus SP NO ESTADO DE SÃO PAULO (*) IPEF, n.32, p.33-42, abr.1986 ESCOLHA DE MODELOS MATEMÁTICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE CURVAS DE ÍNDICE DE SÍTIO PARA FLORESTAS IMPLANTADAS DE Eucalyptus SP NO ESTADO DE SÃO PAULO (*) J. L. F. BATISTA H. T.

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS SIMPLES E TRABALHOS COMPLETOS PARA O XI CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS SIMPLES E TRABALHOS COMPLETOS PARA O XI CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RESUMOS SIMPLES E TRABALHOS COMPLETOS PARA O XI CONGRESSO FLORESTAL ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL O 11º Congresso Florestal Estadual do Rio Grande do Sul e 2º Seminário Mercosul

Leia mais

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE

ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE ESTIMATIVA DA EVAPOTRANSPIRAÇÃO POTENCIAL ATRAVÉS DOS MÉTODOS DE THORNTHWAITE, PENMAN MODIFICADO E TANQUE CLASSE A NO MEIO-OESTE CATARINENSE Elfride Anrain Lindner 1 ; Angelo Mendes Massignam 2 ; Daniela

Leia mais

MÉTODO AUTOMÁTICO DE MEDIÇÃO DE DIÂMETROS DA BASE DE EUCALIPTOS:

MÉTODO AUTOMÁTICO DE MEDIÇÃO DE DIÂMETROS DA BASE DE EUCALIPTOS: UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS INSTITUTO DE INFORMÁTICA RAFAEL TOMAZ PARREIRA MÉTODO AUTOMÁTICO DE MEDIÇÃO DE DIÂMETROS DA BASE DE EUCALIPTOS: UMA ABORDAGEM COM CÂMERAS DE PROFUNDIDADE Goiânia 2015 TERMO

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO

INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO INFLUÊNCIA DO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA E DOSES DE FÓSFORO NA ÁREA FOLIAR DO PINHÃO MANSO Marcio Melquiades Silva dos Anjos (1); Anderson Santos da Silva (1); Patrício Gomes Leite (2); Ronaldo do Nascimento

Leia mais

MODELOS HIPSOMÉTRICOS PARA Genipa americana L. EM PLANTIO HOMOGÊNEO NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA

MODELOS HIPSOMÉTRICOS PARA Genipa americana L. EM PLANTIO HOMOGÊNEO NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA MODELOS HIPSOMÉTRICOS PARA Genipa americana L. EM PLANTIO HOMOGÊNEO NO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DA CONQUISTA, BAHIA Celsiane Manfredi¹, Thaiana Ferreira Alves¹, Patrícia Anjos Bittencourt Barreto² ¹Engenheira

Leia mais

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas

Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas IV Semana de Engenharia Florestal e I Mostra de Pós-Graduação em Ciências Florestas plantadas como mecanismo de proteção das florestas nativas Wellington Blunck Rezende 03.03.2016 Graduação em Ciências

Leia mais

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito

4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4 Aplicação: Modelo LOGIT para Avaliar o Risco de Crédito 4.1 Preparação de Dados Foi utilizada uma base de dados de 156 clientes que tiveram o vencimento de seus títulos compreendidos no período de abril

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Relação hipsométrica e crescimento de Tectona grandis L.f. no município de Monte Dourado, Pará

Relação hipsométrica e crescimento de Tectona grandis L.f. no município de Monte Dourado, Pará Sci e n t i a For e s ta l i s Relação hipsométrica e crescimento de Tectona grandis L.f. no município de Monte Dourado, Pará Hypsometric relation and growth of Tectona grandis L.f. in the municipality

Leia mais

UM MODELO DE AVALIAÇÃO PARA DISCIPLINAS QUE ADOTAM TRABALHOS EM GRUPOS

UM MODELO DE AVALIAÇÃO PARA DISCIPLINAS QUE ADOTAM TRABALHOS EM GRUPOS UM MODELO DE AVALIAÇÃO PARA DISCIPLINAS QUE ADOTAM TRABALHOS EM GRUPOS Valério A. P. Salomon salomon@feg.unesp.br Universidade Estadual Paulista, Departamento de Produção Av. Ariberto Pereira da Cunha,

Leia mais

ANÁLISE MULTIVARIADA: IMPORTÂNCIA DA TÉCNICA DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA

ANÁLISE MULTIVARIADA: IMPORTÂNCIA DA TÉCNICA DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA ANÁLISE MULTIVARIADA: IMPORTÂNCIA DA TÉCNICA DE COMPONENTES PRINCIPAIS NA ANÁLISE FITOSSOCIOLÓGICA Vitor Hugo Zanette 1, Sonia Maria Kurchaidt 2, João Vitor Zanette 3, Henrique Soares Koehler 4. 1. Doutorando

Leia mais

4 Análise dos Resultados

4 Análise dos Resultados 4 Análise dos Resultados 4.1 Construção do o de Regressão Logística No SPSS 13.0, foi aplicado o modelo de regressão logística binário, método stepwise foward, para definir o modelo final que minimiza

Leia mais

cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa.

cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGROSSILVIPASTORIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa. Benefícios sócios cio-econômicos e ambientais dos SISTEMAS AGRSSILVIPASTRIS: Helton Damin da Silva Chefe Geral da Embrapa Florestas Chgeral@cnpf.embrapa.br PREMISSAS DE MANEJ DE FLRESTAS, APPS E RL Reflorestamentos

Leia mais

ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP

ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP ANÁLISE DE DIFERENTES MODELOS DE ATRIBUIÇÃO DE NOTAS DA AVALIAÇÃO INTEGRADORA (AVIN) DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DO UNICENP Flavia Viviani Tormena ftormena@unicenp.edu.br Júlio Gomes jgomes@unicenp.edu.br

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA TOTAL E CARBONO ORGÂNICO EM POVOAMENTOS DE Araucaria angustifolia (BERT.) O. KUNTZE NO SUL DO ESTADO DO PARANÁ, BRASIL

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA TOTAL E CARBONO ORGÂNICO EM POVOAMENTOS DE Araucaria angustifolia (BERT.) O. KUNTZE NO SUL DO ESTADO DO PARANÁ, BRASIL Quantificação de biomassa total e carbono orgânico em povoamentos de Araucaria angustifolia (Bert.) O. Kuntze no... QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA TOTAL E CARBONO ORGÂNICO EM POVOAMENTOS DE Araucaria angustifolia

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO PROCESSO DE CORTE FLORESTAL RELACIONADOS AOS MEIOS FÍSICO E BIÓTICO

IMPACTOS AMBIENTAIS DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO PROCESSO DE CORTE FLORESTAL RELACIONADOS AOS MEIOS FÍSICO E BIÓTICO IMPACTOS AMBIENTAIS DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA NO PROCESSO DE CORTE FLORESTAL RELACIONADOS AOS MEIOS FÍSICO E BIÓTICO Luís Carlos de Freitas 1 ; Sérgio Luís Martins dos Santos 2 1. Professor Adjunto da Universidade

Leia mais

ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE

ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE ESTABILIDADE DE AGREGADOS DO SOLO SOB DIFERENTES CULTIVOS E SISTEMAS DE MANEJO EM LATOSSOLO AMARELO NO CERRADO PIAUIENSE Mírya Grazielle Torres Portela (Bolsista CNPq); Laércio Moura dos Santos Soares

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE

Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Foz do Iguaçu, PR, Brasil, 13 a 18 de abril de 2013, INPE Comparação da precisão de procedimentos de estratificação em inventário florestal em fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Amanda Candida Ribeiro Nunes¹ Rossi Allan Silva¹ Sérgio Teixeira da Silva¹

Leia mais

VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA TEMPERATURA MÉDIA DO AR NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE/BRASIL

VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA TEMPERATURA MÉDIA DO AR NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE/BRASIL VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DA TEMPERATURA MÉDIA DO AR NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE/BRASIL Bruno Claytton Oliveira da Silva¹. Fernando Moreira da Silva². Pedro Vieira de Azevedo³ ¹UnP GPEG/UFRN Brasil

Leia mais

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA

INDÚSTRIA DE MADEIRA QUE SE ABASTEÇA DE FLORESTA PLANTADA Perguntas e Respostas 1 - O que é a Reposição Florestal? A Reposição Florestal caracteriza-se pelo plantio obrigatório de árvores de espécies adequadas ou compatíveis, exigido de pessoas físicas ou jurídicas

Leia mais

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho.

Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. Eficiência dos Dessecantes Paraquat e Diquat na Antecipação da Colheita do Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Magalhães, P. C.1, Durães,

Leia mais

OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO

OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO OPORTUNIDADES DO SETOR FLORESTAL BRASILEIRO Eny Duboc Embrapa Cerrados, BR 020, Km 18, Caixa Postal 08223, 73010-970 Planaltina, DF. E-mail: enyduboc@cpac.embrapa.br RESUMO Com 477 milhões de hectares,

Leia mais

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES FLORESTAIS NO ESTADO DE RORAIMA. Silvicultural Evaluation of forest species in the Roraima state

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES FLORESTAIS NO ESTADO DE RORAIMA. Silvicultural Evaluation of forest species in the Roraima state AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES FLORESTAIS NO ESTADO DE RORAIMA Silvicultural Evaluation of forest species in the Roraima state Marcelo Francia Arco-Verde * Dalton Roberto Schwengber ** Resumo O aumento

Leia mais

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3 Estudo da Secagem de Vagens de Amendoim - Runner IAC 886, em Monocamada. 71 Teresa Cristina Castilho Gorayeb 1 ; Juliana Arakaki Takemoto 2 ; Yara Paula de Oliveira Nishiyama 2 ; João Cláudio Thoméo 3

Leia mais