UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE"

Transcrição

1 1 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A IMPORTÂNCIA DOS EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO PARA A LOGÍSTICA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA Por: Maria Goreti Silva Rodrigues Orientador Prof. Jorge Tadeu Rio de Janeiro 2010

2 UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE 2 A IMPORTÂ CIA DOS EQUIPAME TOS DE MOVIME TAÇÃO PARA A LOGÍSTICA DA I DÚSTRIA BRASILEIRA Monografia apresentada ao Universidade Candido Mendes, como requisito parcial para obtenção do grau de especialista em Logística Empresarial. Por. Maria Goreti Silva Rodrigues Rio de Janeiro 2010

3 AGRADECIME TOS 3 Aos meus professores da graduação; Aos meus colegas de classe e amigos; E em especial aos meus familiares que muito me ajudaram. Agradeço a Deus por ter formado esta palavra: Ideais.

4 DEDICATÓRIA 4 Dedico este trabalho a minha família pelo apoio e amor; E a todos que de uma maneira ou de outra contribuíram para a realização deste trabalho.

5 RESUMO 5 Movimentação de materiais: é a arte e a ciência do fluxo de materiais, envolvendo a embalagem, movimentação e estocagem. O manuseio ou a movimentação interna de produtos e materiais significa transportar pequenas quantidades de bens por distâncias relativamente pequenas, quando comparadas com as distâncias na movimentação de longo curso executadas pelas companhias transportadoras. É atividade executada em depósitos, fábricas, e lojas, assim como no transbordo entre tipos de transporte. Seu interesse concentra-se na movimentação rápida e de baixo custo das mercadorias (o transporte não agrega valor e é um item importante na redução de custos). Métodos e equipamentos de movimentação interna ineficientes podem acarretar altos custos para a empresa devido ao fato de que a atividade de manuseio deve ser repetida muitas vezes e envolve a segurança e integridade dos produtos. Além disso, a utilização adequada dos recursos contribui para o aumento da capacidade produtiva e oferece melhores condições de trabalho para os empregados da empresa.

6 METODOLOGIA 6 A metodologia adotada para o desenvolvimento do trabalho monográfico será baseada em pesquisa bibliográfica e em sites da Internet específicos sobre o assunto, onde serão estabelecidas bases conceituais para fundamentar a hipótese a ser testada.

7 SUMÁRIO 7 RESUMO INTRODUÇÃO CAPITULO 1: ARMAZENAGEM Vantagens Economicas da Armazenagem Consolidação de Carga Break Buck e Cross-Dock Processamento / Adiantamento Formação de Estoque Principios Operacionais da Armazenagem Critérios de Projeto Tecnologia de Manuseio Plano de Estocagem Paletização Sistema Porta Paletes Sistema Drive-In e Drive-Thru CAPÍTULO 2: AS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Recuros de Estocagem Recebimento Manuseio Interno Expedição Estocagem Estocagem Planejada Estocagem Estendida... 21

8 8 CAPITULO 3: EQUIPAMENTO DE MOVIMENTAÇÃO Sistema de Trasnportadores Contínuos Esteiras Transportadores Transportadores de Rosca Transportadores Magnéticos Transportadores de Roletes Livres Transportadores de Correntes Sistema de Manuseio para Aérea Resritas Pontes Rolantes Stacker Crane Pórticos Sistema de Manuseio Entre Pontos sem Limites Fixos Carrinhos Plaleteiras Elétricas Empilhadeiras Equipamentos para Cargas de Grande Porte Guindastes Rebocadores Plataformas Hidráulicas AGV (Automated Guided Vehicle) CONCLUÇÃO REFERENCIA BIBLIOGRAFICA ÍNDICE... 41

9 INTRODUÇÃO 9 Movimentar materiais é uma tarefa que demanda grande esforço. A utilização de equipamentos adequados para cada tipo de material a ser transportado pode contribuir para uma melhor execução desta tarefa. Cada vez mais, novos equipamentos, mais modernos e sofisticados, são introduzidos no mercado, e a escolha do melhor equipamento depende de muitas variáveis, como o custo, o produto a ser manuseado, a necessidade ou não de mão de obra especializada, espaço disponível, entre outros. O processo de armazenagem deve seguir algumas normas referentes ao Layout, padronização, sistema de informação, giro de estoque e fluxo de movimentação das mercadorias dentro do armazém. Os locais de armazenagens devem ser mantidos limpos e periodicamente higienizador, livres de todos os tipos de resíduos que possam atrair a presença de insetos que possam causar algum tipo de prejuízo. As boas práticas de armazenagens têm por objetivo garantir a integridade e a qualidade dos produtos armazenados de forma a impedir a perda do valor e deterioração, a temperatura de armazenamento deve ser compatível com a recomendação do fabricante. Os produtos destinados à devolução devem ser colocados em locais apropriados, separados da área de armazenamento, identificados e agrupados por fabricante. Neste trabalho, falaremos um pouco sobre os principais equipamentos utilizados na movimentação de materiais dentro de um armazém, explicando a utilização de cada um, procurando destacar suas vantagens e desvantagens.

10 CAPITULO ARMAZENAGEM O objetivo a armazenagem é demonstrar que existem vários todos de armazenagem para os diversos produtos existentes em uma empresa, independente de tamanho, forma ou especificações técnicas, que possa contribuir para uma melhoria da eficiência das organizações. O deposito é considerado, geralmente, um lugar onde são guardados estoques de materiais e de produtos, é uma função que consiste, no sentido mais amplo da palavra, em uma atividade grandiosa e complexa, do ponto de vista operacional, a serviço do processo produtivo e da organização distributiva. Por envolver muitos componentes logísticos, a armazenagem não se enquadra em esquemas de classificação específicos, como no caso de processamento de pedidos, estoque ou transporte. (Bowersox e Closs, 2009, pág. 324). A armazenagem agora envolve atividades de terminar de montar, embalar e movimentar produtos. Isto é chamado de postponement, ou adiamento da finalização do produto com customização. Os armazéns atuais não estocam simplesmente produtos: ele desmonta, remanufatura, reformula, coloca etiquetas, rótulos, marcamos produtos, etc. Muitas empresas estocam seus produtos semi-acabados e executam configurações após a solicitação de pedido de seus clientes. Um importante desafio para este tipo de armazenagem é a necessidade de atrair e reter uma força de trabalho altamente qualificada.

11 1.1 Vantagens Econômicas da Armazenagem 11 As vantagens econômicas advêm da redução direta de custos logísticos, em relação à quantidade de instalações. Este retorno é visto do ponto de vista econômico por meio de análise de trade-off. O exemplo disso é quando a adição e um depósito reduz o custo de transporte num valor maior que os custos fixos e variáveis, isso significa que haverá uma redução no custo total. Sempre que isso acontecer, o depósito justifica-se economicamente. As quatro vantagens econômicas básicas advêm de: consolidação de cargas, break bulk e cross-dock, processamento/postergação e formação de estoque. 1.2 Consolidação de Carga É uma vantagem econômica intrínseca da armazenagem. O depósito pode receber produtos de diversas fábricas e consolida-los, para envio a um cliente ó específico, numa só entrega. A vantagem nesse caso se justifica em menores fretes e na eliminação de congestionamento em áreas de recebimento em instalações de clientes. O depósito permite que a movimentação de materiais e de produtos, possa ser consolidada em embarques maiores. A primeira vantagem de consolidação é a combinação do fluxo logístico de várias cargas menores para um lugar específico. Com este tipo de arranjo, cada fabricante pode obter custos totais de distribuição menores do que em entregas individuais diretas.

12 12 Figura 1: Vantagem de armazenagem Fonte: Bowerson e Closs, p.327, Breck Buck e Cross-Dock São similares às operações consolidadas, exceto pelo fato de não existir estoque de produtos. Numa operação breck buck, um fabricante envia quantidade para atender a diversos clientes, essas quantidade são separadas e enviadas a clientes individuais. O cross-dock é similar, exceto pelo fato de enviar mais de um fabricante. À medida que os produtos são recebidos, são separados por cliente, se já etiquetados, ou destinados aos clientes, caso não estejam etiquetados. Depois disso os produtos são movimentados para caminhões. Os veículos são liberados à medida que são carregados com o sortimento de produtos de outros fabricantes. As vantagens economias decorrem do transporte de cargas completas, dos fabricantes para o depósito e do depósito para os varejistas; da redução de manuseio; e do uso mais eficiente da área de carregamento. Figura 2: Vantagem de armazenagem Fonte: Bowerson e Closs, p.327, 2009

13 1.4 Processamento / Adiantamento 13 Nesse caso o depósito é utilizado para postergar ou adir a produção. Um depósito com capacidade para embalar e etiquetar produtos permite a postergação do acabamento final de um produto até que seu destino seja conhecido. Este processo proporciona duas vantagens. Minimizam-se riscos, pois o empacotamento final é efetuado até ser recebido para um cliente e uma embalagem específica. Em segundo lugar, o total do estoque pode ser reduzido, pois o estocam-se apenas produtos básicos e grandes variedades de etiquetas e embalagens, deixando para o último momento a etiquetagem e empacotamento em condições conhecidas. 1.5 Formação de Estoque Com a vantagem da possibilidade de formação de estoque sazonal, essencial a certos tipos de negócios, alguns produtos são produzidos durante todo o ano e comercializados durante um curto período. Outros, como no caso dos produtos agrícola são colhidos em épocas específicas, e consumidos durante o ano inteiro. Ambas as situações requer uma formação de estoque para dar apoio aos esforços de comercialização. Isso proporciona regulação de fluxo, permitindo eficiência na produção dentro das restrições impostas por condições de suprimentos e clientes. 1.6 Princípios Operacionais da Armazenagem Seja o depósito uma pequena instalação operada manualmente, ou uma grande instalação automatizada, os três princípios apresentados a seguir são de grande relevância:

14 1.7 Critérios de Projeto 14 Para elaboração de um projeto de depósito vai depender das instalações físicas e da movimentação dos produtos. Neste caso consideramos os seguintes fatores: o número de andares, a altura útil e o fluxo de produtos. O projeto ideal de depósito é de um só nível, isso evita a movimentação na vertical dos produtos. Os elevadores que transportam material entre um piso e outro consome tempo e energia. Também constitui em gargalo do fluxo dos produtos. Sabemos que nem sempre isso será possível, mas os depósitos devem ter apenas um piso. Qualquer que seja o tamanho do depósito, deve-se enfatiza o uso do espaço cúbico disponível, utilizando no máximo a sua altura. Com o uso de estantes e outros dispositivos, é possível armazenar produtos até o teto. O projeto deve permiti que a movimentação de produto seja feita em linha reta. Isso significa que os produtos devem ser recebidos em uma ponta do depósito, armazenado no meio e despachado pelo outro lado, isso evita o congestionamento e a confusão. 1.8 Tecnologia de Manuseio Tem como componente principal a continuação de movimentação e economia de escala na movimentação usando à eficácia e a eficiência da tecnologia. Essa continuidade é obtida por movimento mais longo, o qual é mais vantajoso. Quando o manuseio de um produto é feito por vários equipamentos ou pessoas, pode implicar em perda de tempo e aumento de risco de danos aos produtos. As movimentações devem ser as mais longas e menos freqüentes possíveis.

15 15 Na economia de escala na movimentação é obtida quando se consegue executar a movimentação com maior quantidade possível de produtos. As atividades de armazenagem devem ser programadas para movimentar um maior grupo de caixas, em paletes ou em contêineres. Isso exige que grandes quantidades de produtos ou pedidos sejam movimentados ou separados ao mesmo tempo. Essa operação aumenta a complexidade operacional, por envolver vários produtos ou pedidos, mas reduz a quantidade total de atividade e respectivo custo. 1.9 Plano de Estocagem O projeto deve considerar as características do produto, principalmente, relativas a volume, peso e acondicionamento na estocagem. O volume é o principal fator que deve ser levado em conta no plano de armazenamento. Produtos de alta estação devem ser armazenados em locais onde a distância percorrida seja menor, como perto de saídas. Produtos de baixa rotação podem ser colocados em lugares distantes da saída. Itens relativamente pesados devem ser colocados em locais baixos, diminuindo o esforço e o risco de elevar grandes pesos. Produtos volumosos ou de baixa densidade podem ser colocados em espaços livres no solo, estantes ou porta-paletes altos. Os produtos menores podem ser agrupados em estantes ou gavetas. A armazenagem deve moldar-se as características específicas de cada produto Paletização Hoje em dia cada vez mais utilizamos a paletização de materiais, este processo pode agiliza o manuseio de grandes quantidades de cargas. O uso de empilhadeira e palete representam uma redução no custo capital investido no processo logístico de transporte interno. Um sistema de paletização bem organizado permite a formação de pilhas altas e segura, oferece melhor proteção às embalagens, que são manipuladas em conjunto, além de economizar tempo nas operações de carga e descarga.

16 1.11 Sistemas Porta-Pallets 16 É ideal para atender à armazenagem seletiva de produtos que possuam grande quantidade de itens, possibilitando o acesso direto a cada item desejado para que resulte em uma boa armazenagem, diminui avarias, facilidade de identificação dos produtos e controles de datas e vencimentos (facilidade) de cumprimento do FIFO. Não oferece perigo de umidades, devido à distância entre os paletes facilita o acesso das empilhadeiras a todos os produtos armazenados Sistemas Drive-In E Drive-Thru Ocorre quando o aproveitamento do espaço é mais importante que a agilidade no processo de armazenagem. Nesse sistema são usados portapalete quando o material ou produto pode ser armazenado em paletes, também devemos levar em conta que esses materiais não têm a necessidade de alta seletividade ou velocidade. Este sistema de armazenagem de paletes as empilhadeiras movimentam-se dentro da própria estrutura, ao longo de ruas, diminuindo desta maneira o número de corredores centrais entre estruturas. Os paletes são suportados por guias, apoiados sobre braços em balanço, fixados nos pórticos, este tipo de estrutura é geralmente utilizado para material de pouca variedade e de alto giro de estoque. Este sistema, Drive-in é recomendado para grandes quantidades e pequenas variedades de materiais. Este sistema Drive-in o último palete que entra é primeiro que sai (sistema LIFO Last-In / First-Out), já no sistema Drive-thur, primeiro que entra pode ser o primeiro que sai (sistema FIFO First-In / First-out). Na estrutura do sistema Driv-In as suas extremidades são fechadas, permitindo acesso por apenas um lado. Na estrutura do sistema Drive-thru as suas extremidades são abertas em ambos os lados, permitindo que as mercadorias entrem por um lado e saiam pelo outro, ou seja, o primeiro que entrar é o primeiro a sair.

17 17 Figura 3: Sistema Drive-In e Drive-thru Fonte: - Acessado em 02/03/10 Figura 4: Sistema Drive-In e Drive-thru Fonte: - Acessado em 02/03/10 Este sistema proporciona alta capacidade de armazenamento eliminando corredores, ao mesmo tempo em que pode armazenar o mesmo número de palete que um porta-paletes convencional, na metade da área. Como não existe superposição direta de cargas, isso evita o esmagamento acidental dos materiais e o risco de queda de empilhamento. O custo de investimento é relativamente baixo quando comparado com qualquer outro sistema de alta capacidade. O sistema pode utilizar empilhadeiras comuns, com pequenas modificações na estrutura de proteção ao operador.

18 CAPÍTULO MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL A movimentação de material tem como objetivo repor matéria-prima na linha de produção de uma fábrica, bem como transportar material, quando este processamento implicar a realização de operação que são desempenhadas em postos de trabalho diferentes. A movimentação de material não se limita apenas a movimentar, encaixotar, armazenar produtos, também executa funções tendo em contato o tempo e espaço disponível. As atividades de apoio à produção e outras atividades não devem ser vistas como um processo isolado e independente. Este processo deve ser interligado num sistema ligado de modo a maximizar a produtividade total de uma instalação. Além da movimentação de material em conta o tempo, e a abordagem e sistemas, deve-se também, levar em conta o fator ser humano. Quer seja uma operação simples que envolva a movimentação de poucos materiais, quer seja uma operação complexa que envolva um sistema automatizado, as pessoas fazem sempre parte da movimentação de materiais. Para em fabricante, a operação logística pode consistir em milhares de movimentação de materiais, as quais terminam com a entrega dos produtos a seus consumidores finais. O manuseio de produtos é a chave da produtividade dos depósitos por várias razões importantes. (Bowersox e Closs, 2009, pág. 348). Devido a grande quantidade de mão-de-obra, necessária ao manuseio de materiais, faz com que a produtividade do depósito seja vulnerável a qualquer queda no desempenho dessa mão-de-obra. Essas atividades são geralmente mais sensíveis à produtividade da mão-de-obra do que as

19 19 atividades de produção, em razão do manuseio de materiais exigirem mão-deobra intensamente. A natureza das atividades do manuseio de materiais apresenta limitações ao uso avançado de tecnologia de informação, o manuseio de materiais ainda é uma atividade manual. Até recentemente, o manuseio de materiais nunca foi administrado de maneira integrada a outras atividades logísticas. Costuma não receber atenção suficiente da alta administração da empresa. Somente recentemente, a tecnologia da automação, vem com potencial para reduzir a mão-de-obra, está começando atingir seu apogeu. O manuseio de materiais é a operação que mais consome mão-de-obra, necessária na separação e no manuseio de produtos, um dos componentes de custo de pessoal mais alto numa operação logística. Para reduzir essa mão-deobra e aumentar sua produtividade, novas tecnologias de manuseio vêm surgindo atualmente. A principal preocupação numa operação de logística reside nos fluxos de entrada e de saída de materiais e produtos, e não na armazenagem propriamente dita. O projeto adequado desse depósito é importante para determinar da eficiência do manuseio de materiais, fator vital para conseguir aumento na produtividade de mão-de-obra. 2.1 Recursos de Estocagem São operações que consistem no fracionamento e reagrupamento de mercadorias de acordo com a necessidade do cliente. O objetivo e movimentar com eficiência grande quantidade de mercadorias para dentro do depósito além de expedir outros produtos. Isso descreve os requisitos básicos de manuseio e estocagem. Podemos classificá-las operações de movimentação e armazenagem. Nessas duas classificações, a movimentação divide-se em três atividades, e a armazenagem em duas.

20 2.1.1 Recebimento 20 Os materiais e produtos chegam normalmente ao depósito em quantidade superior a quem é expedida. A primeira atividade é a descarga do veículo, e em muitas das vezes essa descarga é manual. Entretanto, vêm sendo desenvolvidos, métodos mecanizados e parcialmente automatizado, que são capazes de adaptar-se às diferenças dos produtos. Os produtos são empilhados em paletes manualmente para serem movimentados dentro do depósito. Em outros casos, esteiras transportadoras são usadas para descarregar os veículos mais rapidamente Manuseio Interno Inclui toda e qualquer movimentação de produtos dentro do depósito. Após o recebimento, é necessária a transferência para locais adequados a sua armazenagem ou separação de pedidos. Existem dois tipos de manuseio dentro do depósito: transferência e separação. A primeira movimentação é levar as mercadorias para locais estipulados. Nesse caso o transporte é feito por empilhadeiras, quando usado paletes. A segunda movimentação pode ser necessária dependendo dos procedimentos operacionais de cada depósito. O processo de separação agrupa materiais e produtos em função dos pedidos dos clientes. Este processo é geralmente coordenado por sistemas de controle informatizado e tem sido o principal foco das atenções do ponto de vista da automatização de depósito Expedição Consiste na verificação e no carregamento das mercadorias nos veículos. A expedição é feita na maioria das vezes manualmente. A expedição de cargas unitilizadas vem se tornando cada dia mais comum, dessa forma, o

21 21 tempo de carregamento pode ser reduzido consideravelmente. A conferencia consiste nas contagens de caixas, mas, também são necessários contagens e peças e verificação das marcas, tamanhos, etc. 2.2 Estocagem Um depósito excuta dois tipos de estocagem: planejado e estendido Estocagem Planejada É usada na estocagem periódica dos estoques rotativos, sujeitos a reposição. Sua permanência irá depender dos diferentes sistemas logísticos. A estocagem planejada deve proporcionar estoque suficiente para suprir este sistema Estocagem Estendida Significa estocagem de volume que excederam estoque planejado, alguns produtos, como os produtos sazonais, exigem a estocagem antecipada à demanda para manter a oferta constante. Nos casos de armazenagem estendia isso se faz necessário para equilibrar oferta e demanda. Outros casos são os produtos com demanda esporádica, maturação de produto, formação de estoque especulativo e descontos de fornecedores.

22 Capitulo EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO Existem grandes variedades de equipamentos mecânicos e hidráulicos para o manuseio de mercadorias e produtos de tamanhos e variedades. Esses equipamentos são usados para diversos tipos de operações logísticas na armazenagem desses produtos e materiais, otimizado os processos, alem de reduzir os custos de mão-de-obra, também minimiza o tempo de descarregamento e carregamento proporcionando maior ganho em toda a cadeia logística. Os equipamentos de movimentação são utilizados de acordo com as necessidades de cada depósito ou centro de distribuição. O problema de movimentação de materiais deve ser analisado junto ao layout do depósito, visto que são vários os fatores a ser analisados, como, a dimensão, características mecânicas e quantidade a ser transportada de produtos e materiais, bem como o espaço entre colunas, resistência do piso, dimensões de passagens, corredores e portas. Outro ponto a ser analisado é o método (seqüência das operações, método de armazenagem, equipamento de movimentação, etc.) e o custo de movimentação, como, a área necessária para o funcionamento do equipamento, direção do movimentado e operador. O grau de supervisão influi na seleção; os transportadores, por exemplo, uma vez instalados, não exigem muitos cuidados, o mesmo não se dando com os tratores, empilhadeiras e outros veículos que, além de operador, exigem mais manutenção. (pág. 205)

23 3.1 Sistema de transportadores contínuos 23 É o sistema de transporte que liga dois pontos pré-determinados, necessário na execução de uma movimentação constante. Os transportadores contínuos podem ser utilizados em mineração, industriais, terminais de carga e descarga e na recepção e expedição de materiais e produtos de um depósito. Na indústria, sua maior utilização é na linha de montagem de produção em série. Esse vem sendo sofisticado a cada dia com os sistemas integrados à programação controlada por memória, com paradas em pontos determinados. Exemplos de sistemas de transportes contínuos: Esteiras Transportadoras São equipamentos de ampla aplicação em todas as indústrias que precisem transportar material a granel e grandes volumes, de forma uniforme e contínua. São valiosos auxiliares no processo de produção. Podem ser de correia, fita ou de tela metálica utilizadas geralmente para grandes quantidades de material. Figura 5: Esteira Transportadora - Acessado em 03/03/10

24 24 Figura 6 Esteira Transportadora - Acessado 03/03/ Transportadores de Roscas São indicados para a movimentação de materiais pulverizados não corrosivos ou abrasivos. Utilizados em silos, moinhos, indústria farmacêutica, etc. O transporte é feito através da rotação do eixo longitudinal do equipamento. O transporte pode ser feito na horizontal, inclinado ou na vertical. O espaço utilizado para este tipo de equipamento é pequeno e pode ficar sob o nível do solo, sendo facilmente vedado à poeira. Figura 7 Transportado de Rosca - Acessado em 03/03/10

25 3.1.3 Transportadores Magnéticos 25 Utilizado para a movimentação de peças e recipientes de ferro e aço. Consiste em duas faixas de ferro magnetizadas por ímãs permanentes colocados na parte posterior de um transportador de fita, com um pólo em cada faixa, assim, o material ferroso é conduzido e atraído simultaneamente, podendo seguir em trajetórias verticais e horizontais, ser virado, frendo, etc. Vantagens: é silencioso, requer pouco espaço e manutenção, trabalha até embaixo D água. Desvantagens: só transporta materiais ferrosos. Figura 8 Transportador Magnético - Acessado 03/03/ Transportadores de Roletes Livres É um sistema econômico, pois não há mecanismo de acionamento somente a força da gravidade ou manual. Não há manutenção, permite o transporte de todos os materiais não a granel. A superfície de fundo do material deve ser dura e plana e no mínimo três roletes devem estar agindo simultaneamente sobre a carga.

26 26 Figura 9 Transportador de Roletes Livre - Acessado em 03/03/ Transportadores de Correntes Evita problemas de contaminação, permite o aproveitamento do espaço aéreo, gasto inicial e baixa manutenção. Este tipo de equipamento opera em três dimensões e movimenta materiais de vários tamanhos, peso e formato. Também podem transportar pode transporta produtos com altas temperaturas. Para aumentar a capacidade de transporte aéreo, o tamanho das correntes vem sendo multiplicado e o número de estações também. Isso representa um maior investimento na estrutura de sustentação e na unidade motora. Figura 10 Transportador de Correntes - Acessado em 03/03/10

27 3.2 Sistemas de Manuseio para Áreas Restritas 27 São feitos para locais onde a área é elemento crítico, por isso são bastante utilizados em almoxarifado. A ponte rolante é o equipamento mais utilizado entre todos Pontes rolantes: São vigas suspensa sobre um vão livre, que rodam sobre dois trilhos. Este tipo de equipamento é utilizado em fábricas e depósitos que permitem o aproveitamento total da área útil armazenamento, como por exemplo, ferro para construção, chapa de aço e bobinas, recepção de carga de grandes proporções e peso. Sua vantagem esta na elevada durabilidade, movimentação de cargas muito pesada, carregam e descarregam em qualquer ponto, posicionamento aéreo. Suas desvantagem esta em exigem estruturas, investimento elevado, área de movimentação definida. Figura 11 Pontes Rolantes - Acessado em 03/03/10

28 28 Figura 11 Pontes Rolantes - Acessado em 03/03/ Stacker Crane Consiste numa torre apoiada sobre um trilho inferior e guiada por um trilho superior. Pode ser instalada em corredores com menos de 1 metro de largura e algumas torres atingem até 30m de altura. Exige alto investimento, mas ocasiona uma grande economia de espaço.

29 29 Figura 12 Stacker Crane - Acessado em 03/03/ Pórticos São vigas elevadas e auto-sustentáveis sobre trilhos. Possuem sistema de elevação semelhante ao das pontes rolantes. Os pórticos são utilizados no armazenamento em locais descobertos. Sua vantagem esta na maior capacidade de carga que as pontes rolantes, não requerem estrutura. Sua desvantagem esta no menos seguro interfere com o tráfego no piso, e é um equipamento com custo mais elevado.

30 30 Figura 13 - Pórticos - Acessado em 03/03/ Sistemas de Manuseio entre Pontos sem Limites Fixos É o mais versátil dos sistemas Carrinhos Hidráulicos São os equipamentos mais simples que permite o deslocamento de produtos e materiais entre dois pontos em curta distancia. Consistem em plataformas com rodas e um timão direcional. Tem a facilidade de entrar em caminhões para carregar e descarregar materiais paletizados que não possibilitem o uso de empilhadeiras. Possuem vantagens como, baixo custo, alta versatilidade, manutenção quase inexistente. Por outro lado sua capacidade de carga limitada, baixa velocidade e produção, exigem mão-deobra.

31 31 Figura 14 Carrinho Hidráulico Acessado em 03/03/ Paleteiras Elétricas Têm praticamente as mesmas funções de uma paleteiras, porém possuem um sistema elétrico que permite elevar o palete a cerca de 20 centímetros do solo, sem necessidade de acionamento manual. Este equipamento pode ser operado com um homem embarcado. É utilizado na separação de mercadorias que estão em nível do solo, proporcionando mais a agilidade no processo e deixando livre a empilhadeira para outras atividades no armazém.

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS

SISTEMAS DE TRANSPORTADORES CONTINUOS Consiste na movimentação constante entre dois pontos pré-determinados. d São utilizados em mineração, indústrias, terminais de carga e descarga, terminais de recepção e expedição ou em armazéns. Esteiras

Leia mais

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS 1 - MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Introdução Para que a matéria prima possa transformar-se ou ser beneficiada, pelo menos um dos três elementos básicos de produção, homem, máquina ou material, deve movimentar-se;

Leia mais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais

Contextualização 01/03/2013. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais. Movimentação de Materiais Contextualização A transformação da matéria-prima em produto acabado requer que pelo menos um dos três elementos básicos de produção (trabalhador, máquina e material) seja movimentado. Para a maioria dos

Leia mais

GESTÃO DE OPERAÇÕES E LOGÍSTICA I AULA 05: LOGÍSTICA INTEGRADA E OUTRAS QUESTÕES TÓPICO 05: MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAS O manuseio de materiais representa atividade de maior custo logístico, além de consumir

Leia mais

Verticalização dos Estoques

Verticalização dos Estoques Verticalização dos Estoques Considerações Iniciais A principal prioridade dos operadores é reduzir o tempo de ciclo dos pedidos e não economizar espaço. As soluções que permitem economizar espaço não permitem

Leia mais

LOGÍSTICA EMPRESARIAL

LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA EMPRESARIAL FORNECEDORES Erros de compras são dispendiosos Canais de distribuição * Compra direta - Vendedores em tempo integral - Representantes dos fabricantes Compras em distribuidores Localização

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem

NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem NOÇÕES BÁSICAS DE ALMOXARIFADO Armazenagem Tecnologia em Gestão Pública Administração de Recursos Materiais e Patrimoniais Aula 9 Prof. Rafael Roesler Sumário Introdução Objetivo da armazenagem Arranjo

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS Ricardo A. Cassel A movimentação de materiais é uma atividade importante a ser ponderada quando se deseja iniciar o projeto de novas instalações. Existe uma forte relação entre

Leia mais

Sistemas de Armazenagem de Materiais

Sistemas de Armazenagem de Materiais Sistemas de Armazenagem de Materiais Características e conceitos para utilização de Sistemas de armazenagem de materiais Objetivos Destacar a importância dos equipamentos de armazenagem de materiais na

Leia mais

Armazenagem. Por que armazenar?

Armazenagem. Por que armazenar? Armazenagem Introdução Funções da armazenagem Atividades na armazenagem Objetivos do planejamento de operações de armazenagem Políticas da armazenagem Pilares da atividade de armazenamento Armazenagem

Leia mais

Aula Nº13 - Armazenagem

Aula Nº13 - Armazenagem Aula Nº13 - Armazenagem Objetivos da aula: Você já conhece os diversos tipos de sistemas de manuseio: mecanizados, semi-automáticos e automáticos. Agora, é necessário estudarmos a armazenagem propriamente

Leia mais

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM

DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM DESIGN INTELIGENTE PARA ARMAZENAGEM A EMPRESA NOSSAS SOLUÇÕES PARA ARMAZENAGEM 25 DE AGOSTO DE 1969 Dar continuidade ao legado do pai, exímio ferreiro e artesão. Esse foi o sonho que impulsionou os irmãos

Leia mais

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 06 FILIPE S. MARTINS

AUTOMAÇÃO LOGÍSTICA AULA 06 FILIPE S. MARTINS AULA 06 FILIPE S. MARTINS ROTEIRO EQUIPAMENTOS DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS PALETEIRA EMPILHADEIRA ESTEIRA TRANSPORTADORA TRANSPORTADOR DE ROLETES MONOVIA / TALHA ELÉTRICA TRANSELEVADORES

Leia mais

Armazenagem e Movimentação de Materiais II

Armazenagem e Movimentação de Materiais II Tendências da armazenagem de materiais Embalagem: classificação, arranjos de embalagens em paletes, formação de carga paletizada, contêineres Controle e operação do armazém Equipamentos de movimentação

Leia mais

Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem

Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem Tire suas dúvidas sobre Sistemas de Armazenagem Os chamados Sistemas de Armazenagem fazem parte de um grupo de acessórios e equipamentos bastante utilizados na indústria como uma maneira mais simplificada

Leia mais

Sistemas de Armazenagem e Movimentação

Sistemas de Armazenagem e Movimentação Sistemas de Armazenagem e Movimentação O que é a armazenagem? Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocando à disposição para guarda de mercadorias que serão movimentadas

Leia mais

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada

Automatizando a armazenagem. Armazenagem automatizada Automatizando a armazenagem Armazenagem automatizada Com a verticalização da armazenagem a automatização tornou-se necessária também, pois os armazéns passaram a utilizar os espaços do piso ao teto. E

Leia mais

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM

Prof. Jean Cavaleiro. Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Unidade II MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Introdução Vamos abordar aqui meios de armazenagem para melhor aproveitar o Pé direito, equipamentos que facilite movimentação em armazenagem

Leia mais

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO

PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO PROPOSTAS PARA MELHORIAS NOS PROCESSOS LOGÍSTICOS DE UMA EMPRESA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS: UM ESTUDO DE CASO FABIANA SOUZA COSTA CUNHA (UFG ) fabisoucos@yahoo.com.br Marco Paulo Guimaraes (UFG ) mp-gui@uol.com.br

Leia mais

05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc.

05/09/2015. Módulo V Gerenciamento de Depósito. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características. Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. Módulo V Gerenciamento de Depósito Danillo Tourinho S. da Silva, M.Sc. GERENCIAMENTO DE DEPÓSITO Funcionalidades e Características A função logística da armazenagem A armazenagem está relacionada diretamente

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Um pouco da história

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Um pouco da história SISTEMAS DE ARMAZENAGEM MANUAL PRÁTICO DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Um pouco da história Podemos ficar surpresos ao saber que os primeiros armazéns foram construídos por volta de 1800 a.c., com José ao interpretar

Leia mais

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot

Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM. Uma abordagem multidisciplinar. Prof. Fernando Dal Zot Aula 7 Sistemas de Armazenagem e Movimentação de Carga ARMAZENAGEM Uma abordagem multidisciplinar Prof. Fernando Dal Zot 1 Visão geral das atividades do Almoxarifado / Depósito / Armazém Início RECEBER

Leia mais

Aula 8. Manuseio e Movimentação de Materiais

Aula 8. Manuseio e Movimentação de Materiais Aula 8 Manuseio e Movimentação de Materiais Prof. José Fernando Pereira Jr. Manuseio de Materiais e Equipamentos Fora de Estrada 2º Semestre - 2011 Sumário 4.6 Manuseio e Movimentação dos materiais 4.6.1

Leia mais

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM

SISTEMAS DE ARMAZENAGEM SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Engº. Cláudio Sei Guerra OUTUBRO - 2006 Revisado ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 06 4. Porta-Pallets

Leia mais

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO

Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Unidade III PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Planejamento e operação por categoria de produto Nesta unidade veremos o Planejamento e Operação por Categoria de Produto

Leia mais

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte

Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte Movimentação Paletização Armazenamento e Transporte 0 1 INTRODUÇÃO A primeira embalagem de papelão ondulado surgiu há mais de 100 anos e percorreu um longo caminho até os dias de hoje, evoluindo gradativamente

Leia mais

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO

3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO 3 CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO O capítulo 3 apresenta o conceito de distribuição física, com enfoque nos centros de distribuição. São incluídos os processos de distribuição Cross docking, Merge in Transit e

Leia mais

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE

ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE ANÁLISE DOS SISTEMAS LOGÍSTICO E DE TRANSPORTE DO CORREDOR CENTRO-OESTE Aluno: Stephan Beyruth Schwartz Orientador: Nélio Domingues Pizzolato 1. INTRODUÇÃO A estabilização da economia e a eliminação do

Leia mais

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993

Logistica e Distribuição. Manuseio de Materiais. Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Mas quais são as atividades da Logística? Ballou, 1993 Logística e Distribuição Manuseio de Materiais / Gestão de Informações Primárias Apoio 1 2 Manuseio de Materiais Refere-se aos deslocamentos de materiais

Leia mais

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS 98 MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS Roberta Ferreira dos Santos Graduando em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, RJ, Brasil roberta.santos94@yahoo.com.br Leandro

Leia mais

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br

LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS. rfsouza@fatecinternacional.com.br LOGÍSTICA E CADEIA DE SUPRIMENTOS PROF. RODRIGO FREITAS DE SOUZA REVISÃO rfsouza@fatecinternacional.com.br Objetivo da Logística Fazer chegar a quantidade certa das mercadorias certas ao local certo, no

Leia mais

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013

Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 SISTEMA LOGÍSTICO EMPRESARIAL Revista Perspectiva em Educação, Gestão & Tecnologia, v.1, n.3, janeiro-junho/2013 Creonice Silva de Moura Shirley Aparecida Fida Prof. Engº. Helder Boccaletti Fatec Tatuí

Leia mais

3 Centro de Distribuição

3 Centro de Distribuição 3 Centro de Distribuição Uma questão básica do gerenciamento logístico é como estruturar sistemas de distribuição capazes de atender de forma econômica os mercados geograficamente distantes das fontes

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E DEFINIÇÃO DE Gerenciar eficazmente o espaço tridimensional de um local adequado e seguro, colocado à disposição para a guarda de mercadorias que serão movimentadas rápida e facilmente, com

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar 50 anos a oferecer soluções de armazenagem 3 Presença em mais de 70 países 3 11 centros de produção 3 4 centros

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Os consumidores quando vão às prateleiras das lojas esperam encontrar os produtos que necessitam, não importando se os produtores estão a 10 ou 2.500 Km de distância. Este é o trabalho da logística: prover

Leia mais

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho

Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Prof.: Anastácio Pinto Gonçalves Filho Movimentação de Materiais 1.0 Movimentação de Materiais É a operação de deslocamento físico de materiais de um local para outro, dentro da instalação de armazenamento.

Leia mais

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade III

PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO. Unidade III Unidade III 3 LAYOUT NO ARMAZÉM 3.1 Considerações sobre o layout do armazém A realização de uma operação eficiente e efetiva de armazenagem depende muito da existência de um bom layout do armazém, que

Leia mais

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu;

Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Estamos presentes no mercado de prestação de serviços logísticos há 11 anos; Temos Know-how europeu; Fazemos uma parceria total com o cliente, combinando redução de custos fixos e otimização de recursos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS Unidades 07 Tipos de estocagem Sistema de estocagem Principais técnicas Equipamentos de estocagem 1 ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS MATERIAIS E PATRIMONIAIS

Leia mais

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte.

Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. GERENCIAMENTO DO TRANSPORTE Focaliza o aspecto econômico e de formação de preços dos serviços de transporte. Trade-off CUSTO x NÍVEL DE SERVIÇO FORMAÇÃO DO PREÇO FINAL Para elaboração de uma estratégia

Leia mais

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA

22/02/2009 LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO POR QUE A LOGÍSTICA ESTÁ EM MODA POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO A melhor formação cientifica, prática e metodológica. 1 POSIÇÃO DE MERCADO DA LOGÍSTICA Marketing Vendas Logística ANTES: foco no produto - quantidade de produtos sem qualidade

Leia mais

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO

EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO EMPILHADEIRAS A COMBUSTÃO Uma empilhadeira é uma máquina industrial utilizada para levantar e carregar materiais, normalmente através de garfos de metal que são inseridos por debaixo da carga. Geralmente,

Leia mais

ARMAZENAGEM VERTICAL

ARMAZENAGEM VERTICAL ARMAZENAGEM VERTICAL Valmir Mafra RESUMO A Logística pode ser definida por quatro atividades básicas: a da aquisição e produto, movimentação, armazenagem e entrega dos produtos. Para implantar melhoramentos

Leia mais

Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível.

Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível. Push-back Push-back é um sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidade, por cada nível. Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

Estantes para paletização dinâmica por força da gravidade

Estantes para paletização dinâmica por força da gravidade Estantes para paletização dinâmica por força da gravidade Ótima rotação dos produtos graças à movimentação da carga Características do sistema de paletização dinâmica As estantes dinâmicas para a armazenagem

Leia mais

OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA

OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA SEGeT Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia OTIMIZAÇÃO DA ARMAZENAGEM DE CONGELADOS EM UMA AGROINDÚSTRIA Ricardo Bergonsi (FABE) rbg27@bol.com.br Karine Marosin Lótici (FABE) karine@fabemarau.edu.br

Leia mais

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA

ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA ARMAZÉM E SUA REPRESENTAÇÃO EM UMA OPERAÇÃO LOGÍSTICA Mauro Carlo Santana da Silva Aluno do Curso de Graduação em Logística do Centro Universitário Augusto Motta (UNISUAM), Rio de Janeiro, Brasil mcses@bol.com.br

Leia mais

Centros de Distribuição: armazenagem estratégica

Centros de Distribuição: armazenagem estratégica Centros de Distribuição: armazenagem estratégica Gisela Gonzaga Rodrigues (PUC-Rio) giselagonzaga@yahoo.com.br Nélio Domingues Pizzolato (PUC-Rio) ndp@ind.puc-rio.br Resumo Este trabalho pretende abordar

Leia mais

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem

Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Logística: o endereçamento como ferramenta fundamental na armazenagem e estocagem Juliano Jacinto Luciano Heil Márcio Fernandes de Souza Sidnei Rodrigues RESUMO Este artigo apresenta a importância da logística

Leia mais

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa Entendendo suas opções de separação Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa automação 1 Entendendo que traz suas resultados opções de separação Entendendo

Leia mais

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS

CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS LOGÍSTICA CONCEITOS E PRINCÍPIOS DO SISTEMA DE MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAIS A MOVIMENTAÇÃO DE MATERIAL É O PROCESSO DO QUAL APRESENTA A MUDANÇA LOCAL DE UM DETERMINADO ITEM, DENTRO DE UMA DETERMINADA CIRCUNSTÂNCIA.

Leia mais

Dimensionamento de espaço

Dimensionamento de espaço Dimensionamento de espaço Definindo os volumes de produtos e os tipos de produtos que serão tratados no projeto, teremos condições, a partir de agora, de dimensionar o tamanho do armazém, suas características

Leia mais

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Sistemas de esteiras transportadoras de paletes Intelligrated A Intelligrated oferece uma linha completa de sistemas de esteiras transportadoras de paletes

Leia mais

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade III MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade III MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Introdução Conhecer as necessidades de gestão de armazém é fundamental; Aqui vamos conhecer os tipos de armazenagem; Tipos de armazenagens São

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PROJETO A VEZ DO MESTRE A EFICÁCIA DO LAYOUT PARA ARMAZENAGEM Por: Vanessa da Silva Floriano Orientador Prof. Ana Cláuida Morrissy Rio de Janeiro, Fevereiro

Leia mais

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins

Armazenagem & Automação de Instalações. Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins Armazenagem & Automação de Instalações Prof. Fernando Augusto Silva Marins fmarins@feg.unesp.br www.feg.unesp.br/~fmarins 1 Sumário - Armazenagem Estratégica - Automação na Armazenagem 2 Armazenagem -

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE MANUAL DE RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DE REVESTIMENTOS CERÂMICOS Rev 02 1/5 1. Objetivo Este manual tem por objetivo orientar os usuários / clientes quanto aos itens a serem

Leia mais

Soluções de armazenagem

Soluções de armazenagem Soluções de armazenagem Seja qual for seu produto, conhecemos a melhor solução para armazená-lo A Mecalux oferece soluções de armazenagem Experiência de mais de 50 anos Presença em mais de 70 países 11

Leia mais

Transferência e distribuição

Transferência e distribuição Transferência e Distribuição Transferência e distribuição O sistema logístico inclui, na maioria dos casos, dois tipos de transporte de produtos: A transferência: envolve deslocamento maciços entre dois

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA

O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA O FOMENTO COMERCIAL E INDUSTRIAL DE CRICIÚMA PELA LOGÍSTICA Como obter mais resultados com menos despesas Thomas Burger - Arquiteto Burger Arquitetos Arquitetura e Gerenciamento de Projetos Porto Alegre

Leia mais

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM

LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM LOGÍSTICA DE ARMAZENAGEM Logística e Cadeia de Suprimentos UNISO Prof. Dr. Daniel Bertoli Gonçalves É a atividade que compreende o planejamento, coordenação, controle e desenvolvimento das operações destinadas

Leia mais

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31

Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Apostila Técnica de Porta Paletes 01 de 31 Tópicos Abordados: 1. Porta Paletes Seletivo (convencional): 2. Drive-in / Drive-thru Objetivo: Esta apostila tem como principal objetivo ampliar o conhecimento

Leia mais

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift

Empilhadoras Elétricas IXION SPE125/SPE160. Controle Sensi-lift Empilhadoras Elétricas Os empilhadores com braços de suporte oferecem uma solução efetiva e econômica para todos os tipos de armazém grandes ou pequenos. A BT oferece o grupo mais completo de empilhadores

Leia mais

Distribution Solutions, Inc.

Distribution Solutions, Inc. Distribution Solutions, Inc. DSI cria Centro de distribuição organizado para líder de cadeia de lojas de departamentos automação que traz resultados DSI cria Centro de distribuição organizado para líder

Leia mais

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal

Estantes para Push-back. Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada canal Características gerais do sistema Push-back As estantes Push-back

Leia mais

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE

GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE GUIA ATS INFORMÁTICA: GESTÃO DE ESTOQUE SUMÁRIO O que é gestão de estoque...3 Primeiros passos para uma gestão de estoque eficiente...7 Como montar um estoque...12 Otimize a gestão do seu estoque...16

Leia mais

ESTUDO DE CASO. adidas Group. A equipe certa com a experiência certa ganha mais. www.intelligrated.com. automação que traz resultados

ESTUDO DE CASO. adidas Group. A equipe certa com a experiência certa ganha mais. www.intelligrated.com. automação que traz resultados adidas Group A equipe certa com a experiência certa ganha mais automação que traz resultados A equipe certa com a experiência certa ganha mais Centros de distribuição do grupo adidas - Spartanburg, Carolina

Leia mais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais

APSP. Análise do Projeto do Sistema Produtivo. Movimentação e Armazenagem de Materiais. Administração de Fluxos de Materiais Movimentação e Armazenagem de Materiais APSP Análise do Projeto do Sistema Produtivo Aula 8 Por: Lucia Balsemão Furtado 1 Administração de Fluxos de Materiais Organização Modal A organização modal é um

Leia mais

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 1. Contextualização. Importância da Área de Materiais. Estoque. Objetivos da Armazenagem

Armazenagem, Controle e Distribuição. Aula 1. Contextualização. Importância da Área de Materiais. Estoque. Objetivos da Armazenagem Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 1 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Entrada Estoque Nível de estoque Importância da Área de Materiais Comércio: 70 a 85% do orçamento Saída Indústria:

Leia mais

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS

Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Considerações para o sucesso de um investimento em sistemas AS/RS Escolha o melhor fornecedor de sistemas e tecnologia e ganhe flexibilidade, rendimento e eficiência operacional automação que traz resultados

Leia mais

Aula II Armazenagem; Inventário. Professor Argélio Lima Paniago

Aula II Armazenagem; Inventário. Professor Argélio Lima Paniago Aula II Armazenagem; Inventário Professor Argélio Lima Paniago Armazenagem Armazenagem de matérias merece um planejamento especifico, Condições impróprias de materiais geram desperdícios, Não acrescenta

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM

DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM DISTRIBUIÇÃO E ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM A GESTÃO DA ARMAZENAGEM INSTALAÇÕES DE ARMAZENAGEM Complexo de espaços de diferentes naturezas e finalidades, situados em áreas cobertas e descobertas,

Leia mais

Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada nível

Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada nível Estantes para Push-back Sistema de armazenagem por acumulação que permite armazenar até quatro paletes em profundidades por cada nível Características gerais do sistema Push-back Sistema de armazenagem

Leia mais

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro

Unidade I MOVIMENTAÇÃO E. Prof. Jean Cavaleiro Unidade I MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM Prof. Jean Cavaleiro Armazenagem e a logística Qual é o papel da armazenagem na logística? Armazenagem e a logística Auxilia no atendimento à Missao da Logística. Qual

Leia mais

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização

Armazenagem, Controle. Aula 2. Contextualização. Equipamentos de Armazenagem. Principais Atribuições. Embalagens. Instrumentalização Armazenagem, Controle e Distribuição Aula 2 Contextualização Prof. Walmar Rodrigues da Silva Equipamentos de Armazenagem Simplicidade Barato Flexível Relação custo e benefício Principais Atribuições Peculiaridade

Leia mais

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio

Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Diretivas de transporte, embalagem e manuseio Esta diretiva compreende orientações gerais relativas ao transporte, embalagem e manuseio de máquinas e fornecimentos da empresa KraussMaffei Technologies

Leia mais

Sistemas de separação

Sistemas de separação Intelligrated Com mais de 100 anos de experiência em separação e milhares de instalações, a Intelligrated oferece sistemas de separação para operações de distribuição e abastecimento automatizados eficientes,

Leia mais

Paletizadoras e despaletizadoras

Paletizadoras e despaletizadoras Paletizadoras e despaletizadoras Paletizadoras e despaletizadoras Intelligrated Com sua marca de equipamentos Alvey, a Intelligrated tem mais de 60 anos de experiência em soluções essenciais de paletização

Leia mais

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns

Projeto de Armazéns. Ricardo A. Cassel. Projeto de Armazéns Ricardo A. Cassel FRANCIS, R.; McGINNIS, L.; WHITE, J. Facility Layout and Location: an analytical approach. New Jersey: Prentice Hall, 2ed., 1992. BANZATTO, E.; FONSECA, L.R.P.. São Paulo: IMAN, 2008

Leia mais

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem

Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Embalagens logísticas: proteção do produto na movimentação e armazenagem Washington Spejorim As embalagens podem ser definidas de diferentes formas, variando de acordo com o profissional que fizer essa

Leia mais

Este artigo tem o objetivo de

Este artigo tem o objetivo de ARTIGO Muito além do roteirizador: distribuição de produtos de baixa densidade Divulgação Danilo Campos O roteamento de veículos tradicional contempla somente uma dimensão de capacidade, normalmente peso

Leia mais

Soluções de armazenagem. Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar

Soluções de armazenagem. Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar Soluções de armazenagem Seja qual for o seu produto, temos a solução ideal para o armazenar Software gestão armazéns Durante mais de 50 anos o Grupo Mecalux tem vindo a oferecer ao mercado soluções de

Leia mais

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007.

Operações Terminais Armazéns. PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Operações Terminais Armazéns AULA 6 PLT RODRIGUES, Paulo R.A. Gestão Estratégica da Armazenagem. 2ª ed. São Paulo: Aduaneiras, 2007. Cargas, embalagens e unitização Modulação, Unitização, Acondicionamento

Leia mais

Operações de Almoxarifado

Operações de Almoxarifado Administração de Recursos Materiais Operações de Almoxarifado Prof.: Celso A Araujo Operações de Almoxarifado O almoxarifado (ou armazém, ou depósito) executa a movimentação e o transporte interno de cargas

Leia mais

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1

Peculiaridades da Logística. Em Saúde. Paulo Gadas JUNHO-14 1 Peculiaridades da Logística Em Saúde Paulo Gadas JUNHO-14 1 Farmácias Satélites Vantagens e Desvantagens Paulo Gadas JUNHO-14 2 Paulo Gadas JUNHO-14 3 SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO UNITÁRIO MEDICAMENTOS SÃO

Leia mais

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra

MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM. Eng.º. Cláudio Sei Guerra MANUAL DE SISTEMAS DE ARMAZENAGEM Eng.º. Cláudio Sei Guerra FEVEREIRO - 2014 ÍNDICE 1. Prefácio... 03 2. Sistemas de Armazenagem de Materiais... 04 3. Estruturas de Armazenagem Porta-Pallets... 07 4. Porta-Pallets

Leia mais

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999)

CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSTICO (fevereiro de 1999) INDICE 1. INTRODUÇÃO 2. SERVIÇOS LOGÍSITICOS 3. O CONCEITO DO OPERADOR LOGÍSITICO 3.1 DEFINIÇÃO 3.2 CARACTERIZAÇÃO DE OPERADOR LOGÍSTICO 4. DEFINIÇÕES

Leia mais

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis

CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS. Movimentação de Granéis CATÁLOGO GERAL DE PRODUTOS Movimentação de Granéis Há mais de 88 anos garantindo os melhores resultados para nossos clientes. 03 A Companhia Experiência aliada à inovação. É isso que faz a Kepler Weber

Leia mais

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES

SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES SISTEMAS E TÉCNICAS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE MATERIAIS: UM ENFOQUE NO ARRANJO DE LAYOUT DE ESTOQUE APLICADO A UMA MONTADORA DE COMPUTADORES Cristina Pereira Medeiros (UESC) cris_eps@hotmail.com

Leia mais

Equipamentos para Estamparia

Equipamentos para Estamparia Equipamentos para Estamparia CLIENTES EQUIPAMENTOS PARA LINHA DE PRENSAS Mesa destaque de platinas; METALURGIA Braço com imã para destaque; Mesa transferência platina; Sistema de centralização platina;

Leia mais

OPERAÇÕES DE ALMOXARIFADO

OPERAÇÕES DE ALMOXARIFADO O almoxarifado (ou armazém, ou depósito) executa a movimentação e o transporte interno de cargas AULA 04 Armazenagem de Materiais - Almoxarifado Os sistemas para armazenagem responsáveis pelas operações

Leia mais

Proposta Empresarial

Proposta Empresarial Proposta Empresarial NR 12 - SEGURANÇA NO TRABALHO EM MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS ANEXO V MÁQUINAS PARA PANIFICAÇÃO E CONFEITARIA 1. Este Anexo estabelece requisitos específicos de segurança para máquinas

Leia mais

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação Apresentação A amostragem de grãos constitui se, em nível de armazenagem, na primeira preocupação a ser considerada por estar relacionada à identificação ou diagnóstico dos eventuais serviços necessários

Leia mais

Christopher & Banks. Remodelagem do Centro de distribuição satisfaz às necessidades de crescimento de cadeia de fornecimento flexível da

Christopher & Banks. Remodelagem do Centro de distribuição satisfaz às necessidades de crescimento de cadeia de fornecimento flexível da Christopher & Banks Remodelagem do Centro de distribuição satisfaz às necessidades de crescimento de cadeia de fornecimento flexível da Christopher & Banks automação que traz resultados Remodelagem do

Leia mais

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber:

Distribuição Física. A distribuição física de produtos é realizada com a participação de alguns componentes, físicos ou informacionais, a saber: Distribuição Física Objetivo da aula: Apresentar e discutir o conceito e os componentes do sistema de distribuição física, dentro do processo logístico. O objetivo geral da distribuição física, como meta

Leia mais

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL

2. LOGÍSTICA EMPRESARIAL 4 1. INTRODUÇÃO A logística empresarial é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos.

Leia mais

2. A logística e a gestão de armazenagem

2. A logística e a gestão de armazenagem 2. A logística e a gestão de armazenagem Segundo Pozo (2004), a abordagem logística tem como função examinar de que modo a administração de uma organização pode otimizar seus recursos de suprimento, estoques

Leia mais

Distribuição e transporte

Distribuição e transporte Distribuição e transporte Gestão da distribuição Prof. Marco Arbex Introdução Toda produção visa a um ponto final, que é entregar os seus produtos ao consumidor; Se o produto não está disponível na prateleira,

Leia mais