REGER - UMA METODOLOGIA PARA EVOLUÇÃO DOS SSC DOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGER - UMA METODOLOGIA PARA EVOLUÇÃO DOS SSC DOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS"

Transcrição

1

2 AUTORES EMPRESAS Juvenor Pereira da Silva Júnior Jamil de Almeida Silva Hiram Toledo dos Santos Rui Mano ONS ONS ONS KEMA 2

3 Objetivo do trabalho 1. Apresentar o percurso seguido pelo ONS na consecução do projeto de atualização de seus sistemas SCADA/EMS: levantamento das necessidades; aprovação do projeto; elaboração do plano diretor para evolução dos Sistemas de Supervisão e Controle (SSC); requisição de informações junto aos potenciais fornecedores; elaboração da especificação e critérios de seleção. 2. Apresentar os requisitos técnicos que devem ser contratados com os novos SSC: 3 Homogeneização tecnológica; Base de Dados centralizada; Evergreen; Segurança cibernética; Compatibilidade com tecnologias SOA e CIM; Aspectos de continuidade de negócios; Rede de comunicação; Observabilidade e integração com Sistema de Medição Fasorial Sincronizada (SMSF)

4 Objetivo do trabalho 1. Apresentar o percurso seguido pelo ONS na consecução do projeto de atualização de seus sistemas SCADA/EMS: levantamento das necessidades; aprovação do projeto; elaboração do plano diretor para evolução dos Sistemas de Supervisão e Controle (SSC); requisição de informações junto aos potenciais fornecedores; elaboração da especificação e critérios de seleção. 2. Apresentar os requisitos técnicos que devem ser contratados com os novos SSC: 4 Homogeneização tecnológica; Base de Dados centralizada; Evergreen; Segurança cibernética; Compatibilidade com tecnologias SOA e CIM; Aspectos de continuidade de negócios; Rede de comunicação; Observabilidade e integração com Sistema de Medição Fasorial Sincronizada (SMSF)

5 5 Sistemas, divididos em 3 plataformas de SW/HW diferentes COSR-NE Recife CNOS Sistema SAGE (CEPE) Brasília COSR-NCO CNOS COSR-NE COSR-NCO COSR-S Sistema EMP (AREVA) COSR-SE Rio de Janeiro COSR-S Florianópolis COSR-SE Sistema SO (FURNAS) 5

6 CAMESA (Argentina) CNOS ONS Nível Nacional COSR-S COSR-SE COSR-N COSR-NE Regionais AGENTES COT/G/D COT/G COT/G/D COT/G/D Centros dos Agentes G T D G T D G T D G T D G T D G T D G T D G T D ( UTR) 6

7 Dificuldades atuais dos SSC s do ONS: Heterogeneidade das plataformas; Falta de padronização da interface do usuário; Dificuldade de integração com o ambiente corporativo; imitações para contingenciamento de Centros, unicidade de informações e segurança de TI; Multiplicação de cadastramento dos dados fonte; Diversidade e fragilidade dos sistemas de históricos; 7 Envelhecimento e esgotamento do hardware em utilização.

8 Motivações para evolução dos SSCs Os Sistemas devem ser renovados considerando: Evolução contínua do SIN; Aprimoramento nos métodos e processos operativos; Atualização da tecnologia de TI; Novos requisitos técnicos tais como a segurança da informação e planos de continuidade de negócio; Evolução tecnológica dos sistemas elétricos e dos sistemas de controle e automação, tais como o uso de PMU s, e de ferramentas avançadas de análise de redes. Processo de renovação de SSCs demoram em média 5 anos, desde a identificação da necessidade até a implementação do novo sistema. 8

9 Tendo em vista as motivações e dificuldades apresentadas, o ONS iniciou em 2007 a elaboração de um plano de evolução para seus sistemas de supervisão e controle com um horizonte de 10 anos, visando melhorar sua confiabilidade, disponibilidade, segurança e desempenho, além de otimizar os custos de operação, suporte, capacitação, manutenção e expansão. 9

10 Premissas adotadas REGER - UMA METODOOGIA PARA EVOUÇÃO DOS SSC DOS Manutenção dos atuais Centros de Operação, com sua distribuição geográfica e hierarquia de operação (distribuição de responsabilidades entre os centros); O SSC do ONS deve ser concebido e implantado como um único sistema homogêneo e distribuído geograficamente, consistindo em fornecedor e tecnologia únicos; Interface de usuário padronizada e única para os centros; Base de Dados única - unicidade dos dados fonte, tempo-real e históricos. Utilização de um sistema aberto, aderente aos padrões da indústria, possibilitando a manutenção e atualizações contínuas (Evergreen) e viabilizando a implantação de novas tecnologias e funcionalidades. Ampliar as garantias de continuidade e confiabilidade das funções da operação, atendendo às necessidades de contingência dos Centros de Operação do ONS; 10

11 O Processo de evolução/inovação A evolução/inovação tem como foco três aspectos específicos: Tecnologia Processos Recursos Humanos Forte envolvimento dos profissionais do ONS no processo decisório. O envolvimento no processo decisório vai além da simples comunicação. Envolver significa consultar as pessoas, individualmente ou em grupo, sobre a solução de problemas, no nível do local de trabalho. As pessoas passam a auxiliar os gerentes a tomar decisões. (MAXIMIANO, 2000, p. 468). Desenvolvimento do trabalho em etapas, com consultoria da KEMA e contato com os principais fornecedores mundiais: ABB AREVA CEPE CDI EIOP GE INVENSYS OSI (Open Systems International) OSIsoft SIEMENS SNS-AVAIN TEVENT 11

12 Principais etapas: 12 Elaboração de um Plano Diretor de Evolução dos Sistemas de Supervisão e Controle do ONS; Elaboração da Especificação Técnica e Edital; Consulta pública junto aos Fabricantes; Conclusão da Especificação Técnica; ançamento do Edital; Análise das propostas; Work Statement; Contratação; Desenvolvimento, Testes, Implantação e Manutenção.

13 Objetivo do trabalho 1. Apresentar o percurso seguido pelo ONS na consecução do projeto de atualização de seus sistemas SCADA/EMS: levantamento das necessidades; aprovação do projeto; elaboração do plano diretor para evolução dos Sistemas de Supervisão e Controle (SSC); requisição de informações junto aos potenciais fornecedores; elaboração da especificação e critérios de seleção. 2. Apresentar os requisitos técnicos que devem ser contratados com os novos SSC: 13 Homogeneização tecnológica; Base de Dados centralizada; Evergreen; Segurança cibernética; Compatibilidade com tecnologias SOA e CIM; Aspectos de continuidade de negócios; Rede de comunicação; Observabilidade e integração com Sistema de Medição Fasorial Sincronizada (SMSF)

14 North/Central-West Region Electric System CNOS COSR-NCO North/Central- West Agents SSCs and RTUs Externals Users and Systems Objetivos do REGER: SSC-BSB COSR-NE SSC-REC SSC-FN COSR-S SSC-RIO Noth East Region Agents SSCs and RTUs REGER South Region Agents SSCs and RTUs Noth East Region Electric System COSR-SE South East Region Agents SSCs and RTUs South Region Electric System South East Region Electric System Prover um sistema SCADA/EMS integrado e no estado-da-arte Oferecer ferramentas para permitir uma recuperação do sistema elétrico mais rápida e organizada Prover recursos e interfaces para que o sistema Corporativo e os sistemas externos tenham acesso às informações de tempo real e históricas Prover máxima capacidade para upgrades e expansão Prover um sistema de aquisição de dados moderno e distribuído 14

15 Objetivos da Arquitetura Prover métodos padronizados para a integração de aplicações - desenvolvimento de uma Service Oriented Architecture (SOA) integrada, conectando o REGER ao ambiente corporativo do ONS Integração com a base de dados técnica existente do ONS (BDT) - todos os aplicativos terão dados consistentes, derivados de uma fonte de dados única Implementar um ambiente de computação de alta disponibilidade e seguro, em atendimento às melhores práticas de segurança cibernética. 15

16 S Y N C H ig h S p e e d B U S S C A D A A G C N A IS & R H IS O N S - S H O N S - S T F E S B R E G E R S O A F W A IP S R E G E R S O A E S B D M Z F W A S O A IP S C O R P O R A T E S O A S S C -B S B In te rfa c e O N S - O R G Q A D S O T S O N S P M U O N S D Q D M INTERCENTER FUNCTIONS S Y N C E S B S Y N C E S B S Y N C S S C - R IO S S C - R E C H ig h S p e e d B U S S C A D A A G C N A IS & R R E G E R S O A H ig h S p e e d B U S In te rfa c e O N S O R G S C A D A A G C N A IS & R R E G E R S O A In te r fa c e O N S O R G H ig h S p e e d B U S S C A D A A G C N A IS & R F W A IP S F W A IP S H IS R E G E R S O A E S B D M Z Q A D S O T S E S B R E G E R S O A Q A D S O T S D M Z F W A S O A IP S F W A S O A IP S O N S - S H O N S P M U O N S - S H O N S - S H O N S - S T F C O R P O R A T E S O A O N S - S T F C O R P O R A T E S O A O N S - S T F ESB CORPORATE ESB CORPORATE SOA O N S P D P O N S S G I O N S S G D O N S P P E O N S B D T E S B R E G E R S O A F W A IP S R E G E R S O A E S B D M Z F W A S O A IP S C O R P O R A T E S O A S S C -F N In te r fa c e O N S O R G Q A D S O T S 16 R E G E R S Y S T E M N E T W O R K

17 Comunicação e Sincronismo entre Centros Os centros de controle do REGER funcionarão de forma integrada e sincronizada O SSC do CNOS (e seu backup) operarão com a base de dados completa (rede nacional) do sistema Cada SSC regional terá sua base de dados regional, a qual será uma parte da base de dados completa do REGER Os SSCs se comunicarão e operarão de forma coordenada, de forma que a aquisição de dados será feita regionalmente porém as bases de dados serão sincronizadas As atualizações de bases serão feitas regionalmente porém serão replicadas nacionalmente será uma única base nacional com cópias (completas ou parciais) nos demais centros 17

18 Contingenciamento de Centros Cada SSC tem o principal papel de suportar seu centro de controle local. Cada SSC poderá funcionar como backup de outro. O SSC-BSB e o SSC-RIO terão o papel adicional de backup de um ou mais centros de controle em caso de falha temporária ou permanente de um SSC. Em caso de falha que isole um SSC do REGER, esse SSC poderá operar isolado, mantendo as funcionalidades de um sistema de controle. 18

19 N o rh t E a s t N E N o rth C e n tra l-w e s t N C O N a tio n a l C N O S S o u th E a s t S E S o u th S E V E S O N S U s e rs S S C -R E C R e c ife S S C - B S B B ra s ília S S C -R IO R io d e J a n e iro S S C -F N F lo ria n o p o lis O N S P ro c e s s in g O N S O P E R A T IO N C O M M U N IC A T IO N N E T W O R K (W A N ) O N S C o m m u n ic a tio n s N A D N A D N A D N A D 1...n 1...n 1...n 1...n 1...n 1...n 1...n 1...n N A D N A D N A D N A D A G E N T S W A N A G E N T S W A N A G E N T S W A N A G E N T S W A N A g e n ts C o m m u n ic a tio n s A g e n ts E E C T R IC P O W E R S Y S T E M C O N V E N T IO N S S S C A S S C B M u tu a l S u p p o rt S S C : S u p e rv is io n a n d C o n tro l S y s te m D A N : D is trib u te d D a ta A c q u is itio n N o d e S S C A S S C B O n e -w a y S u p p o rt 19

20 Requisitos Funcionais do REGER Manutenção consistente da base de dados do REGER: base de dados fonte centralizada e função de sincronização de todos os SSCs a partir da fonte Dados de tempo real consistentes (dados do SCADA, da aplicação de análise de rede, programação da operação, etc. em geral todos os dados modelados como parte da base de dados on-line) Dados históricos consistentes: dados serão replicados em dois repositórios centrais de dados históricos, localizados em SSC-BSB e SSC-RIO respectivamente Suporte de acesso remoto aos Usuários de um SSC a outro Operação sob emergências usando o SSC backup designado: transferência de responsabilidades 20

21 MODEO DE MANUTENÇÃO E GESTÃO DOS DADOS FONTES DO REGER Supply imit OTHER USERs ONS Technical DB (BDT) CIM / XM Standard Total & Incremental Synchronization SOURCE MASTER DB 4 SSC- BSB On-line DB SSC- RIO On-line DB SSC- REC On-line DB SSC-CNOS/NCO SSC-NE SSC-CNOS/NCO SSC-NE SSC-S SSC-SE SSC-S SSC-SE SSC- FA On-line DB NAD NAD 21 Power System Model Other SSC Data Model

22 Manutenção do Modelo de Dados Dados Fonte comuns deverão ter o mesmo: Identificação dos pontos de dados do SCADA que são definidos como parte do SSC Modelo completo da rede elétrica ou um subset do modelo completo Identificação das telas Outras convenções de nomes e endereçamentos requeridos Requisitos: Validação e verificação de consistência de dados antes da importação para a BD fonte mestra Registro (ogging) de todas as alterações de dados, com possibilidade de auditoria Interface para visualizar os dados-fonte e os data logs Função Undo. 22

23 Funções de Sistema do REGER Funções SCADA Programação e Controle da Geração Simulador de Treinamento de Operadores (DTS) Funções EMS incluindo: Modelo de Análise de Rede e Conversão de Base de Dados Manutenção do Modelo do Sistema Elétrico usando ferramentas CIM Programação de Saída de Equipamentos (EOS) Análise de Rede em Tempo Real Análise de Rede em modo Estudo Adaptação de Parâmetros Estimador de Estado 23 Fluxo de Potência Estudos Comparativos Análise de Contingências Fluxo de Potência Ótimo Ações de Remediação Controle Automático de Tensão Despacho com Restrições Validador de Programação Aplicações de Medição Fasorial: Monitoração do Stress do Sistema Fechamento de conexão entre 2 ilhas elétricas (SynchAssist) Fechamento de disjuntor em um loop na rede de transmissão (oopassist)

24 Conclusões Os Centros de Controle do ONS realizam um papel importante na gestão do sistema elétrico de potência no Brasil Os novos conceitos introduzidos no REGER melhor suportarão os centros de controle do ONS em seu papel na operação do sistema elétrico nacional A arquitetura especificada aperfeiçoará, entre outros aspectos, a confiabilidade em comparação com os sistemas isolados de hoje. Os recursos de manutenção central da base de dados proverão ao ONS os meios para consolidar um sistema de centros de controle com dados mais consistentes, tanto para a operação de tempo real quanto para a as demais operações corporativas e de dados históricos. 24

25 Fim Obrigado por sua atenção. 25 Juvenor P. Silva Júnior (ONS) Rui Mano (KEMA)

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil José Monteiro Lysandro Junior Light Serviços de Eletricidade S/A jose.monteiro@light.com.br

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC RESUMO A cisão da ELETROSUL em duas empresas, uma exclusivamente de transmissão e outra de geração, e também a criação do ONS, e cessão do seu SSC à este ONS, obrigou a ELETROSUL a adquirir um novo sistema

Leia mais

Relatórios de Geração e Distribuição de Energia Elétrica no Brasil. Sergio Sancovschi (Chemtech)

Relatórios de Geração e Distribuição de Energia Elétrica no Brasil. Sergio Sancovschi (Chemtech) Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. 1 Relatórios de Geração e Distribuição de Energia Elétrica no Brasil Presented by Romeu Bastos (ONS) Sergio Sancovschi (Chemtech) Copyright 2014-15 OSIsoft, LLC. Sistemas

Leia mais

esip- Sistema Integrado de Processo

esip- Sistema Integrado de Processo esip- Sistema Integrado de Processo Geração Distribuição Transmissão www.ecilenergia.com.br Integração dos dispositivos da SE na rede do esip Criação de uma Base de Dados Unificada Otimização no Deslocamento

Leia mais

Título do trabalho. Geração Distribuída e Smart Grids. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL

Título do trabalho. Geração Distribuída e Smart Grids. Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL Centro de Pesquisas de Energia Elétrica - CEPEL CEPEL Encontro Ibero-americano sobre Desenvolvimento Sustentável Título do trabalho Geração Distribuída e Smart Grids Autor/apresentador Raul B Sollero Área

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

A informação como insumo para a Operação do Sistema Interligado Nacional

A informação como insumo para a Operação do Sistema Interligado Nacional A informação como insumo para a Operação do Sistema Interligado Nacional Presented by Juvenor Pereira da Silva Jr O Operador Nacional do Sistema Elétrico - ONS Pessoa jurídica de direito privado, sob a

Leia mais

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE

Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Experiência: Gerenciamento da Rede de Supervisão da Eletronorte GerenteSAGE Centrais Elétricas do Norte do Brasil S.A. - Eletronorte Responsável: Uriel de Almeida Papa Equipe: Sérgio de Souza Cruz, Willams

Leia mais

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como:

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: X SIMPASE Temário TEMA 1 Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: - Implantação, operação e manutenção de sistemas de automação

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Estrutura e Função dos Centros de Controle do ONS. ABINEE TEC 2007 São Paulo Abril de 2007

Estrutura e Função dos Centros de Controle do ONS. ABINEE TEC 2007 São Paulo Abril de 2007 Estrutura e Função dos Centros de Controle do ONS ABINEE TEC 2007 São Paulo Abril de 2007 1 Características do Setor Elétrico e do Sistema Interligado Nacional (SIN) 2 Estrutura do Setor Elétrico Brasileiro

Leia mais

soluções sustentáveis soluções sustentáveis

soluções sustentáveis soluções sustentáveis soluções sustentáveis 1 1 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 2 2 1 2 3 KEYAS S OCIADOS UNIDADES DE NEGÓCIO ALGUNS CLIENTES 3 3 APRES ENTAÇÃO A KEYAS S OCIADOS a tu a d e s d e 1

Leia mais

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação

Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Rompendo os Limites dos Sistemas Tradicionais Aplicação de SOA no Ambiente da Automação Carlos E. G. Paiola Engenheiro de Controle e Automação, M.Sc. Gerente Comercial - Aquarius Software Ricardo Caruso

Leia mais

A visão inteligente em eficiência energética. Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW

A visão inteligente em eficiência energética. Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW A visão inteligente em eficiência energética Micrologic E Unidade de controle para disjuntores Compact NS630b até NS3200 e Masterpact NT/NW Os edifícios podem obter economias de energia de até 30% com

Leia mais

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis

Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Centro de Operação Integrado da Queiroz Galvão Energias Renováveis Resumo A Spin Engenharia participou da implantação do Centro de Operações Integrado (COI) da Queiroz Galvão Energias Renováveis (QGER).

Leia mais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais

AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL. Sistema Integrado de Teste em Umbilicais BI AUTOMAÇÃO E INSTRUMENTAÇÃO VIRTUAL Sistema Integrado de Teste em Umbilicais Objetivos da Apresentação Demonstrar a Arquitetura de hardware e software da National Instruments utilizada na solução; Discutir

Leia mais

Sandra Sayonara B. Silva * CHESF

Sandra Sayonara B. Silva * CHESF GPC/017 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil G R U P O V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA SUBSTITUIÇÃO DE OSCILÓGRAFOS CONVENCIONAIS POR REGISTRADORES

Leia mais

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO APLICAÇÕES DE PMU E SEU IMPACTO NA OPERAÇÃO DO SIN

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO APLICAÇÕES DE PMU E SEU IMPACTO NA OPERAÇÃO DO SIN X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO APLICAÇÕES DE PMU E SEU IMPACTO NA OPERAÇÃO DO SIN Hector Volskis Rui Mano Raul Sollero ONS KEMA Brasil CEPEL Rio de janeiro RJ Rio de janeiro RJ Rio

Leia mais

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES

PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES PRINCIPAIS CONSTATAÇÕES GRUPO DE ESTUDOS DE GERAÇÃO HIDRÁULICA GGH É necessário o aprofundamento dos estudos para o uso de unidades geradoras hidráulicas que permitam a otimização do uso da água Geradores

Leia mais

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data

Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Projeto de Monitoração e Melhoria Contínua com Six-Sigma, IoT e Big Data Contexto As pressões do mercado por excelência em qualidade e baixo custo obrigam as empresas a adotarem sistemas de produção automatizados

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

Adicionando valor na produção

Adicionando valor na produção Adicionando valor na produção Em um mercado global altamente competitivo e em constantes transformações, a otimização do resultado dos processos de produção é fundamental. Pressões ambientais e de custo,

Leia mais

VISÃO GERAL. Sistemas SCADA/EMS SAGE. Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia

VISÃO GERAL. Sistemas SCADA/EMS SAGE. Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia Sistema Aberto de Gerenciamento de Energia Sistemas SCADA/EMS VISÃO GERAL Av. Hum s/n.º - Cidade Universitária Ilha do Fundão CEP 21941-590 Rio de Janeiro RJ CONCEPÇÃO DO O, Sistema Aberto de Gerenciamento

Leia mais

Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA

Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA Manual de Transferências de Arquivos Para o DDA - Março, 2009 - - 2 - DDA - Manual de transferência de arquivos CÂMARA INTERBANCÁRIA DE PAGAMENTOS - CIP Manual de Transferências de arquivos para o DDA

Leia mais

ANEXO II - Especificações Técnicas

ANEXO II - Especificações Técnicas ANEXO II - Especificações Técnicas Índice 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DO ESCOPO... 24 1.1 OBJETIVO DESTE DOCUMENTO... 24 1.2 CARACTERÍSTICAS DAS SOLUÇÕES SAGER E SAAT... 24 1.3 COMPONENTES DO PROJETO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Veritas Storage Foundation da Symantec

Veritas Storage Foundation da Symantec Veritas Storage Foundation da Symantec Gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line O Veritas Storage Foundation oferece uma solução completa para o gerenciamento de armazenamento heterogêneo on-line.

Leia mais

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA

INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA INFRAESTRUTURA PARA INOVAÇÃO BPM e SOA Palestrante: Eduardo José Ribeiro de Castro, MSc. eduardo@quaddract.com.br 25/08/2009 1 Objetivo Geral APL Brasília Capital Digital Desenvolver entre as empresas

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015

Projeto SAAT/SAGER. Reunião com os Proponentes 18/03/2015 Projeto SAAT/SAGER Reunião com os Proponentes 1 18/03/2015 Agenda Visão Geral dos Sistemas SAGER SAAT Requisitos Contexto Plataforma Tecnológica Plano do Projeto Estrutura de Gestão Atividades de apoio

Leia mais

DOS SANTOS FRANCO /FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SANTANA

DOS SANTOS FRANCO /FRANCISCO JOSÉ ROCHA DE SANTANA COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-13 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Metas de um Sistema Distribuído

Metas de um Sistema Distribuído Metas de um Sistema Distribuído Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

Práticas de Home Office na Ticket Brasil. Arnaldo Moral Gerente de RH

Práticas de Home Office na Ticket Brasil. Arnaldo Moral Gerente de RH Práticas de Home Office na Ticket Brasil Arnaldo Moral Gerente de RH Perfil Edenred Market Share Líder nos principais segmentos de atuação 41 países Sendo 59% de volume em países emergentes + 6.000 Colaboradores

Leia mais

Proficy nos Terminais e Dutos operados pela Transpetro. Palestrante: Jediael Pinto Jr.

Proficy nos Terminais e Dutos operados pela Transpetro. Palestrante: Jediael Pinto Jr. Aplicação da solução Proficy nos Terminais e Dutos operados pela Transpetro Palestrante: Jediael Pinto Jr. TRANSPETRO VISÃO GERAL Petrobras Transporte S.A. - TRANSPETRO Presente em quase todos os estados

Leia mais

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info

Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com. http://www.tiagodemelo.info Bancos de dados distribuídos Prof. Tiago Eugenio de Melo tiagodemelo@gmail.com Última atualização: 20.03.2013 Conceitos Banco de dados distribuídos pode ser entendido como uma coleção de múltiplos bds

Leia mais

Controle Automático de Geração (Regulação Secundária)

Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) Controle Automático de Geração (Regulação Secundária) - I Unidade de Geração Centro de Operação do Sistema Controle Terciário de Tensão ~ água ou vapor

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE AQUISIÇÕES BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO REPRESENTAÇÃO NO BRASIL SOLICITAÇÃO

Leia mais

Consumerização de TI. Paula Nobre. Presented by. Copyright 2011 OSIsoft, LLC

Consumerização de TI. Paula Nobre. Presented by. Copyright 2011 OSIsoft, LLC Consumerização de TI Presented by Paula Nobre Copyright 2011 OSIsoft, LLC ANTES AGORA NO ESCRITÓRIO EM QUALQUER LUGAR DURANTE AS HORAS DE TRABALHO A QUALQUER HORA COMPUTADOR ATRIBUÍDO DISPOSITIVOS E MEU

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP

Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP ERP Tecnologia da Informação. Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com

Sistema Integrado de Gestão ERP. Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Sistema Integrado de Gestão ERP Prof: Edson Thizon ethizon@gmail.com Tecnologia da Informação. O que é TI? TI no mundo dos negócios Sistemas de Informações Gerenciais Informações Operacionais Informações

Leia mais

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Premissas básicas de projetos Foram desenhados

Leia mais

O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid. Brasil & Austrália

O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid. Brasil & Austrália O Papel dos Sistemas Integrados de Gerenciamento de Distribuição nas Implementações do Smart Grid HERING, Ricardo (1), BOARDMAN, Eathan (2) AREVA T&D de Energia Ltda. ULPH, Ian IRU Consulting Pty. Ltd.

Leia mais

SICAR. Sistema de Integração de Coleta Automática dos Registros dos Dispositivos de Proteções e Registradores Digitais de Perturbação Projeto CTEEP

SICAR. Sistema de Integração de Coleta Automática dos Registros dos Dispositivos de Proteções e Registradores Digitais de Perturbação Projeto CTEEP SICAR Sistema de Integração de Coleta Automática dos Registros dos Dispositivos de Proteções e Registradores Digitais de Perturbação Projeto CTEEP OBJETIVO: Desenvolver um sistema que integre todos os

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

Informação integrada versus aumento de eficiência

Informação integrada versus aumento de eficiência 30 Capítulo IX Informação integrada versus aumento de eficiência Por Sérgio Yoshio Fujii* Este trabalho tem como objetivo a descrição de formas de integração de todos os dados operacionais e corporativos,

Leia mais

>Proteção de Energia Trifásica

>Proteção de Energia Trifásica Symmetra PX Proteção de Energia Modular, Escalável e de Alta Eficiência para Data Centers Symmetra PX 100kW Escalável de 10kW até 100kW >Proteção de Energia Trifásica Modular de Alta Performance com Tamanho

Leia mais

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING

BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING BANCO DE DADOS DISTRIBUÍDOS e DATAWAREHOUSING http://www.uniriotec.br/~tanaka/tin0036 tanaka@uniriotec.br Bancos de Dados Distribuídos Conceitos e Arquitetura Vantagens das Arquiteturas C/S (em relação

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

As Perguntas Por que gerenc iar energi?

As Perguntas Por que gerenc iar energi? FEGOM Automação Franquia Autorizada 1 As Perguntas Por que gerenciar energia? Por P que conosco? Qual l é a nossa solução? 2 Por que gerenciar energia elétrica? Use o máximo da sua energia 3 Preservação

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços

Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Alinhando a infra-estrutura de aplicações com os negócios através de Application Delivery orientado a serviços Visão Geral Desafio Solução Uma implementação SOA (Service Oriented Architecture) bem-sucedida

Leia mais

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1

Copyright 2011 OSIsoft, LLC 1 1 PI System na CEMIG Presented by André Cavallari Wantuil D. Teixeira Agenda Institucional; Implantação do PI System na CEMIG; Hidrologia e Planejamento Energético; CMDR - Centro de Monitoramento e Diagnóstico

Leia mais

Banco de Dados Distribuídos

Banco de Dados Distribuídos A imagem não pode ser exibida. Talvez o computador não tenha memória suficiente para abrir a imagem ou talvez ela esteja corrompida. Reinicie o computador e abra o arquivo novamente. Se ainda assim aparecer

Leia mais

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução

METODOLOGIA DE IMPLANTAÇÃO INFOECIA. Introdução Introdução O objetivo deste documento é descrever de uma forma simplificada, o processo implantação de sistemas corporativos da Infoecia. Neste documento é apresentado o ciclo de vida padrão dos projetos

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços

Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Estruturação da Arquitetura Estadual de Sistemas de Informação por Meio da Orientação a Serviços Relato de Experiência da ATI-PE WCGE 2010 20/07/2010 1 Introdução 2 Sobre a ATI Agência Estadual de Tecnologia

Leia mais

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A

TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIA-BRASIL S.A TRANSPORTADORA BRASILEIRA GASODUTO BOLÍVIABRASIL S.A. TBG PROCESSO SELETIVO PÚBLICO PARA FORMAÇÃO DE CADASTRO DE RESERVA EM CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR E NÍVEL MÉDIO Edital PSPGEPE01/2007 De 16/10/2007 A

Leia mais

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2)

Introdução. Definição de um Sistema Distribuído (1) Definição de um Sistema Distribuído(2) Metas de Sistemas Distribuídos (2) Definição de um Sistema Distribuído (1) Introdução Um sistema distribuído é: Uma coleção de computadores independentes que aparecem para o usuário como um único sistema coerente. Definição de um Sistema

Leia mais

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd.

Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. XXI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2014-08 a 13 de novembro Santos - SP - Brasil CLOVIS SIMOES Thomas Mach Spin Engenharia de Automação Ltda Energy Computer System Ltd. simoes@spinengenharia.com.br

Leia mais

EXIN Cloud Computing Fundamentos

EXIN Cloud Computing Fundamentos Exame Simulado EXIN Cloud Computing Fundamentos Edição Maio 2013 Copyright 2013 EXIN Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser publicado, reproduzido, copiado ou armazenada

Leia mais

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30

Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 Soluções para controle industrial Sistema avançado de controle de traço térmico NGC-30 SOLUÇÕES PARA GERENCIAMENTO TÉRMICO WWW.THERMAL.PENTAIR.COM digitrace ngc-30 O DigiTrace NGC-30 é um avançado sistema

Leia mais

Desenvolvimento de Soluções de e-business. Objetivos do Capítulo

Desenvolvimento de Soluções de e-business. Objetivos do Capítulo Objetivos do Capítulo Utilizar o processo de desenvolvimento de sistemas delineado neste capítulo e o modelo de componentes de SI, do Capítulo 1, como estrutura de solução de problemas de sistemas de informação.

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO VISUAL EM TEMPO REAL PARA OPERAÇÃO REMOTA DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA DA CTEEP

SISTEMA DE MONITORAMENTO VISUAL EM TEMPO REAL PARA OPERAÇÃO REMOTA DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA DA CTEEP SISTEMA DE MONITORAMENTO VISUAL EM TEMPO REAL PARA OPERAÇÃO REMOTA DE SUBESTAÇÕES DE ENERGIA DA CTEEP Autor: Mário Roberto Bastos Cargo: Engenheiro Sênior de Supervisão e Controle Empresa: CTEEP Companhia

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA ONS JUL2014/JUN2015 PLANO DE AÇÃO DO ONS JUL2014/JUN2017 VOLUME II

PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA ONS JUL2014/JUN2015 PLANO DE AÇÃO DO ONS JUL2014/JUN2017 VOLUME II PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA ONS JUL2014/JUN2015 PLANO DE AÇÃO DO ONS JUL2014/JUN2017 VOLUME II Operador Nacional do Sistema Elétrico Rua Júlio do Carmo, 251 Cidade Nova 20211-160 Rio de Janeiro RJ Tel (+21)

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT

IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT IDC TECHNOLOGY SPOTLIGHT A importância da inovação em fornecedores de sistemas, serviços e soluções para criar ofertas holísticas Julho de 2014 Adaptado de Suporte a ambientes de datacenter: aplicando

Leia mais

Documento de Visão do Projeto

Documento de Visão do Projeto Documento de Visão do Projeto 1. Objetivo O propósito deste documento é coletar, analisar e definir as necessidades de alto-nível e características do projeto de software do Módulo Editor de Estruturas

Leia mais

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá

DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP. Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá DEZ RAZÕES PARA MUDAR PARA SISTEMA DE VÍDEO BASEADO EM IP Ou o que seu vendedor de câmeras analógicas não lhe dirá 1. ALTA RESOLUÇÃO Câmeras baseadas em IP não estão restritas à baixa resolução das câmeras

Leia mais

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte

Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte IBM Global Technology Services Manutenção e suporte técnico Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável de Suporte Uma abordagem inovadora em suporte técnico 2 Crescendo e Inovando com um Parceiro Confiável

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

CA Protection Suites Proteção Total de Dados

CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA Protection Suites Proteção Total de Dados CA. Líder mundial em software para Gestão Integrada de TI. CA Protection Suites Antivírus Anti-spyware Backup Migração de dados Os CA Protection Suites oferecem

Leia mais

Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada. Florianópolis, 27-28/01/2010. openpdc. Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC

Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada. Florianópolis, 27-28/01/2010. openpdc. Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC Workshop sobre Soluções de Medição Fasorial Sincronizada Florianópolis, 27-28/01/2010 openpdc Marcelo N. Agostini LabPlan UFSC Tópicos Principais openpdc Descrição Características Principais Documentação

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

Rodrigo B. Souza*, Adelardo A. D. Medeiros*

Rodrigo B. Souza*, Adelardo A. D. Medeiros* Rodrigo B. Souza*, Adelardo A. D. Medeiros* *Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia de Computação e Automação Campus Universitário, 59072-970 Natal,

Leia mais

MBA EM ARQUITETURA E GESTÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI

MBA EM ARQUITETURA E GESTÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI MBA EM ARQUITETURA E GESTÃO DE INFRAESTRUTURA DE TI Novas tecnologias e tendências surgem a cada dia, como Big Data, Cloud Computing, Internet of Things, entre outras. A curva de adoção dessas tecnologias

Leia mais

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado

GE Intelligent Platforms. Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado GE Intelligent Platforms Automação em alta performance Soluções para um mundo conectado Na vanguarda da evolução da automação industrial. Acreditamos que o futuro da automação industrial seguirá o mesmo

Leia mais

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS

SOLUÇÕES INDUSTRIAIS Soluções em Tecnologia de Automação e Informação SOLUÇÕES INDUSTRIAIS LOGANN Soluções Especiais ESPECIALIDADES AUTOMAÇÃO E CONTROLE INDUSTRIAL Atuação em sistemas de controle, aquisição de dados e supervisão

Leia mais

Utilização da Planilha de Análise de Decisão

Utilização da Planilha de Análise de Decisão Utilização da Planilha de Análise de Decisão METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO - VERSÃO 1. A planilha apresentada está pronta e formatada para ser utilizada no processo de Análise de Decisão envolvendo

Leia mais

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy

Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Integração de Sistemas Industriais com a Suíte GE Proficy Ricardo Caruso Vieira Aquarius Software Revista Cadware Ed.22 versão online 1. Introdução Há mais de duas décadas, a indústria investe intensamente

Leia mais

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008

Cigré/Brasil. CE B5 Proteção e Automação. Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008 Cigré/Brasil CE B5 Proteção e Automação Seminário Interno de Preparação para a Bienal de 2008 Rio de Janeiro, 26-27 de junho de 2008 Dados do Artigo Número B5-106 Título Autoria Processo de comunicação

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC/024 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA O SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA COSERN EXPERIÊNCIA COM UTR S E

Leia mais

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ

GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E QUALIDADE DE ENERGIA GCQ SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO XIII INTERFERÊNCIAS, COMPATIBILIDADE ELETROMAGNÉTICA E

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Business Intelligence

Business Intelligence 1/ 24 Business Intelligence Felipe Ferreira 1 Nossa empresa Jornal O Globo Jornais Populares Parcerias Grupo Folha Grupo Estado 2 1 Fundada em 1925 3100 funcionários 2 Parques Gráficos e SP Globo: 220

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

Manual técnico, versão V3

Manual técnico, versão V3 cccccccccccc Manual técnico, versão V3 Daxis Sistemas Inteligentes Todos os direitos reservados Índice Overview: visão geral do processo de implantação... 3 Atenção... 3 Principais tarefas... 3 Planejamento...

Leia mais

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia

Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia P ORTFÓ FÓLIO Apresentação do Portfólio da ITWV Soluções Inteligentes em Tecnologia versão 1.1 ÍNDICE 1. A EMPRESA... 3 2. BI (BUSINESS INTELLIGENCE)... 5 3. DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS... 6 3.1. PRODUTOS

Leia mais

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas.

ERP é um sistema de gestão empresarial que gerencia as informações relativas aos processos operacionais, administrativos e gerenciais das empresas. Introdução Sistemas de Informação é a expressão utilizada para descrever um Sistema seja ele automatizado (que pode ser denominado como Sistema Informacional Computadorizado), ou seja manual, que abrange

Leia mais

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library

Ciência da Computação. Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Ciência da Computação Gestão da Tecnologia da Informação ITIL Information Technology Infrastructure Library Agenda Histórico Conceitos básicos Objetivos Visão Geral do Modelo Publicações: Estratégia de

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional Apresentação Institucional Visão Geral A Logica Adviser SAP A Logica Adviser SAP é formada por profissionais com ampla experiência no mercado SAP. Sua essência está baseada nos princípios da: Qualidade

Leia mais