O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre o artigo de Freud, Além

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre o artigo de Freud, Além"

Transcrição

1 Princípio do prazer: reflexões teóricas e clínicas Princípio do prazer: reflexões teóricas e clínicas* Pulsional Revista de Psicanálise, ano XIII, n o 132,45-51 Lídia Queiroz Silva Magnino O objetivo deste trabalho é fazer uma reflexão sobre o artigo de Freud, Além do princípio do prazer, ampliar a compreensão de sua dominância, de seus dois pólos (desprazer-prazer), de sua relação com a compulsão à repetição. A compulsão à repetição é uma atividade de ligação básica e fundamental do psiquismo, que constitui o terreno do próprio e cria condição para o princípio do prazer. Quando há um excesso de energia livre invadindo o psiquismo, a atividade de ligação e a conversão da energia livre em energia tônica predominam, levando o indivíduo a um nível de funcionamento que está aquém-além do princípio do prazer. O tema é problematizado por meio de material clínico, e uma articulação da teoria e da clínica é apresentada. Palavras-chave: Psiquismo, Freud, compulsão à repetição, Além do princípio do prazer The main purpose of this study is to reflect on Freud s article, Beyond the pleasure principle. The aim is to amplify the comprehension of the dominance of its two poles (non pleasure-pleasure), and of its relation with compulsion to repetition. The compulsion to repetition is an activity of basic and fundamental connection of psychism that constitutes its very realm and creates condition for the pleasure principle. When there s an excess of free energy invading the psychism, the connective activity and the conversion of the free energy in tonic predominates, leading the individual toward a functioning level that is far beyond the principle of pleasure. The theme is treated by the means of clinical material, and an articulation of the theory and of the clinic is presented. Key words: Psychism, Freud, compulsion to repeat, Beyond the pleasure principle * Trabalho de conclusão da disciplina Constituição da subjetividade e psicoterapia II, ministrada pelo Professor Doutor Luís Claudio Figueiredo, no 1 o semestre de 1999, no Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP.

2 46 Pulsional Revista de Psicanálise Diante das inúmeras possibilidades de iniciar a construção deste trabalho, lembrei-me de que o que um bom leitor deveria fazer é trazer o texto para o campo, para o contexto de suas próprias reflexões e deixar-se tocar pelas questões que o texto lhe faz e pelas respostas que lhe solicita (Figueiredo, 1998). Assim me transporto para a clínica, para meu campo de trabalho, evocando, recortando um tema em que procuro estabelecer um diálogo entre um corpo de questões e questionamentos clínicos, e um corpo de pressupostos, teorias. Contudo, diante da tensão criada pela própria necessidade de contextualizar, descontextualizar, recontextualizar, organizar a escrita vou, na medida do possível, permitindo perturbar-me com esta nova experiência, procurando articular a teoria com a clínica, articular o antigo vivido no novo, o conhecido no estranho. AMPLIANDO A COMPREENSÃO DA DOMINÂNCIA DO PRINCÍPIO DO PRAZER Além do princípio do prazer é um artigo elaborado por Freud entre , em que traz o tema do dualismo pulsional. Seu conteúdo tem a ver com o movimento do retorno ao estado anterior, a restauração de um estado de coisas, o mais pulsional das pulsões, a presença do princípio da constância (Nirvana). É um artigo metapsicológico que tece considerações sobre o amor, o ódio, o sadismo, o masoquismo. Sobre como a pulsão de morte assume a fisionomia do ódio, da agressividade e como ela opera silenciosamente. Aborda a universalidade do caráter restaurador e regressivo das pulsões, sua índole ativa, agressiva, lutadora, combativa. De um lado o princípio do prazer, de outro um mais além. Freud levanta a hipótese de que a compulsão a repetir indica que parece que há algo de mais primitivo, mais elementar, mais pulsional, em cada ser, que o princípio do prazer. Vida e morte lado a lado, em uma relação complexa e não simplesmente uma mera oposição. Utiliza-se da metáfora da vesícula de substância viva e das relações da cápsula que a envolve com o seu exterior e interior. A vesícula defende-se produzindo uma crosta. Quando há uma ruptura dessa crosta, há uma inundação, faz-se necessário ter uma espécie de reserva energética amortecida. Essa reserva morta é essencial para a defesa da vida. A finalidade de toda a vida é a morte. (Freud, 1920) A mesma obra de ligação necessária para constituir a dominância do princípio do prazer e sua modificação em princípio de realidade, ao retirar a energia livre, reduz as possibilidades de prazer-desprazer. Freud aproxima o modo de funcionamento do sistema PCS-CS da noção de cápsula de proteção. Há uma cápsula de proteção, com uma membrana externa, criada por si mesma, até certo ponto inorgânica, resistente aos estímulos. Uma crosta que a protege do que vem de fora, que recebe e amorte-

3 Princípio do prazer: reflexões teóricas e clínicas 47 ce o impacto das estimulações externas. O pequeno fragmento de substância viva está suspenso no meio de um mundo externo carregado das mais poderosas energias; e ela poderia ser morta pela estimulação que emana destas energias se não fosse provida de uma cápsula de proteção contra os estímulos. Adquire esta cápsula desta maneira: sua superfície mais externa deixa de ter a estrutura própria da matéria viva, torna-se até certo ponto inorgânica e desde então funciona como um envelope especial ou membrana resistente aos estímulos. (Freud, 1920) Uma espécie de morte que protege a vida. (Figueiredo, 1998) A recepção dos estímulos externos é intermitente para impedir uma exposição excessiva do psiquismo às altas intensidades energéticas vindas do mundo externo. A temporalização da experiência consciente é uma decorrência da intermitência que protege interrompendo ritmicamente a recepção, dando tempo ao organismo para se recompor do impacto. A intermitência amortece a estimulação externa. Em relação à estimulação interna, a vesícula não tem a mesma proteção. Como não há uma barreira que proteja a cápsula das estimulações internas, estas, quando excessivas, podem ocasionar perturbações. Quando há uma estimulação intensa proveniente de dentro, deve haver uma estrutura interna que permite os acúmulos e descargas de energia livre; deve existir uma certa proporcionalidade entre as energias liberadas e as forças de resistência e absorção dessas energias. Há algum tipo de contenção. O processo primário pressupõe uma estrutura de contenção formada por energia quiescente. Assim, a dor física resultaria da quebra da proteção em uma área da barreira que será fonte de energia livre desprazerosa, e toda energia existente precisa se mobilizar para conter essa hemorragia. Tal mobilização tem a função de ligar. O superavit de energia que entra precisa ser convertido em reserva. Quanto mais reserva de energia, maior capacidade de ligação. Essa obra de ligação permite a energia livre circular, acumular, escoar, descarregar. As ligações se fazem através da energia livre, quando há risco numa certa parte do sistema. É necessário que a obra de ligação esteja sempre em curso. Em alguns momentos ela é desafiada e pode ser destruída pelas energias livres. Portanto, quando há uma invasão de altas intensidades energéticas, rompe-se a proteção psíquica, libera-se muita energia livre dentro do sistema, com um pouco de reserva de energia quiescente, silenciosa. Essa energia quiescente parece ter elementos da energia livre, constituindo o idêntico prazerdesprazer. O trauma advém não do rompimento, mas da liberação de energia. Observa-se que a tolerância à repetição do desagradável sustenta-se na esperança de uma redução progressiva do desprazeroso. O sonho é um protetor do sono. (Freud, 1915) Freud se refere a um antes e um após as ligações, um aquém e um além do

4 48 Pulsional Revista de Psicanálise princípio do prazer. Quando ocorre o excesso de energia livre (vai além) da capacidade estruturante da energia quiescente, a tarefa de ligação é fundamental e a compulsão à repetição aparece nitidamente. As repetições revelam que há experiências infantis não ligadas, que excedem e solicitam ligação. A morte como um horizonte da vida e a vida como adiamento da chegada desse momento. Uma das funções do aparelho mental é ligar as pulsões sexuais que incidem nele, substituir o processo primário pelo secundário, converter a energia livre em energia domesticada. É preciso tolerar o desprazer para que as ligações possam ser feitas. As ligações reduzem a intensidade do prazer e desprazer. Se a repetição constitui uma compulsão ou um prazer, se ela se situa aquém ou além do princípio do prazer, essas duas perspectivas não se excluem. As ligações são em si fontes de prazer, e a vigência do prazer, a morte. Repetição e prazer estão estreitamente entrelaçados como um jogo. REFLEXÕES SOBRE A CLÍNICA Uma mulher aos quarenta anos procura-me para fazer análise queixando-se de um grande sofrimento por ter se apaixonado por um homem, um colega de trabalho que não lhe corresponde. Considera-se velha, feia, quer ser outra pessoa. No decorrer das sessões percebia que ela se havia ligado eroticamente a ele, criando psiquicamente um casal imaginário, quase perfeito. Relacionava com ele com a expectativa que lhe atendesse em seus anseios, em suas necessidades. Ficava muito deprimida quando a realidade mostrava o contrário do que desejava. Se ele ia ao clube e não a convidava, se dava atenção especial a outras colegas. Estava atenta a cada movimento seu no trabalho, nos passeios. Todo o convite que recebia dele, estava pronta para atendê-lo. Lamentava quando não saíam juntos, principalmente se ele ia sem lhe contar. Entretanto, guardava para si todos esses sentimentos. Não tinha coragem de lhe falar tudo o que sentia. Justificava para os outros que sua proximidade se devia a uma grande amizade. Ele, por outro lado, alimentava essa relação parasítica. Parece-me que um era hospedeiro do outro. Ela até supunha que alguns amigos sabiam, pois já tinha ouvido deles conselhos para partir para outra escolha. Mas nada disso era suficiente para afastar-se dele. Algo de mais forte a impedia. Não percebia que havia criado um quadro delirante e que se nutria dele. Esse excesso libidinoso, e ao mesmo tempo destrutivo, colocava-a permanentemente em cheque com a sua liberdade e felicidade. Sentia-se presa e achava que a solução era mudar-se de cidade. Fico a me indagar: o que de seu identificou com esse homem? Por que se identifica com um parceiro sexual que apaga os limites e as diferenças entre os dois? Como rastear o parasita que hospeda em seu psiquismo? Freud já destacou que em Eros pode haver dois movimentos simultâneos, o de

5 Princípio do prazer: reflexões teóricas e clínicas 49 buscar ligações e ao mesmo tempo produzir desligamentos. Da mesma forma em Tanatos há dimensões e formas de uso de forças de destruição que auxiliam na tarefa de manter ligações e coesões. Essa paciente dizia que procurava a análise para buscar outras formas de relação, reduzir aquela excessiva erotização. Não agüentava mais sofrer. Sabemos que o esforço analítico visa capacitar o paciente a tolerar uma certa cota de desprazer. Em sua análise se evidenciavam os conflitos e alianças entre Eros e Tanatos. Já tinha feito uma primeira tentativa de psicoterapia com uma colega, que durou poucos meses. Em cada sessão comigo chegava desanimada, dizendo que se obrigava a ir, que não estava ali por prazer, como às vezes ouvia colegas dizerem com alegria e entusiasmo que iam para análise. Eu sentia na transferência tensão, angústia, aniquilamento, desvalorização de qualquer insight e interpretação que eu formulava. No entanto, a função analítica de tolerar a experiência e investigar a tendência dessa paciente de buscar o retorno ao paraíso e ao mesmo tempo a estadia no inferno da angústia, me evocavam muita paciência e muita cautela em não saturar minha mente com nenhuma expectativa e desejo de cura. Deixava-me conduzir pelo próprio material que ela trazia, com sua capacidade de apelo e ressonância daquilo que continha. Procurava as possíveis ligações. Perguntava-lhe se acreditava mesmo em tudo aquilo que falava. Confrontava o que me dizia com o que fazia. Achava importante contrapor seu relato sem cor, sem vitalidade, carregado de negatividade, com sua vida. O seu jeito colorido de vestir, sua atitude acolhedora para com a família, amigos, o cuidado com seu carro, apartamento. Falávamos das coisas que fazia, mas que não sabia. De sua alta sensibilidade, de tudo que lhe doía, ardia como se tivesse uma pele de bebê, mas que ao mesmo tempo mostrava e se apresentava no dia a dia para si mesma e para os outros, como se fosse dura e enrijecida. Dois movimentos sempre estavam e ainda estão presentes nas sessões: delicadeza-firmeza e passividade-agilidade. Era comum ouvir dela que queria dormir e não acordar mais, que não achava graça em viver, que não via sentido em pessoas comemorarem datas festivas como: aniversários, Natal. Ficava cada vez mais nítido que a sua busca do idêntico a si mesma, do igual, do estável, indicava a presença do princípio do prazer. Provavelmente na sua mente havia uma forte tendência operando aquém (forças produzindo desprazer) e além do princípio do prazer. Sabemos que o desenvolvimento de uma pessoa não se sustenta quando partes dela e de sua história continuam comprometidas com uma tendência regressiva. Quando fala sobre seus pais traz muita mágoa. Queixa-se de experiências dolorosas, de ausências vividas, sentidas. Não se lembra de receber carinho, de ter colo. Era só cobrança, brigas. Diz que seu pai não lhe dava sossego com tanta implicância. Nunca estava satisfeito com o que ela fazia apesar de ter consciência de seu

6 50 Pulsional Revista de Psicanálise capricho e dedicação. Achava e ainda acha sua mãe muito passiva e cordata com tudo, o que a irrita até hoje. Como seus pais eram muito pobres começou a trabalhar cedo. Estudava e trabalhava. Assim que pôde, prestou concurso em uma instituição, passou e logo saiu de casa. Comprou um imóvel, foi morar sozinha. Fez três cursos superiores, mas nunca os assumiu profissionalmente. Dos irmãos é a que tem melhor condição financeira. Ela é que ajuda a todos, mãe, irmãos, sobrinhos. É interessante pensar o movimento dessa paciente de lançar-se adiante e para fora e ao mesmo tempo de reter e conter. Quando se queixa das mudanças e riscos que seu atual emprego lhe apresenta, conversamos sobre a possibilidade de pensar em aproveitar seus conhecimentos e habilidades, todo esse potencial que lhe serviu para ascender a uma certa independência e buscar outras opções profissionais. Ela, porém, acha absurdo e impossível. Sente-se velha, impotente, incapaz: Já passei da época. É bom lembrar que ela tem apenas quarenta anos, mas psiquicamente... É importante perguntar: o que acontece em seu mundo mental? Por que se arrisca tanto não respondendo aos seus anseios sexuais e à sua própria vida? Em termos narcisistas e de modo alucinatório, é possível que a construção dessa paixão por aquele rapaz possa ser uma tentativa de reencontrar seu ninho. Tudo vale a pena se o ego conseguir regressar ao corpo materno (Figueiredo, 1998). Regressa a uma relação de onde saiu um dia, busca retornar a um estado de que desfrutou em um momento precoce de sua vida. Confirma uma tendência à regressão. Por trás dessa relação heterossexual tão desejada é possível a presença de necessidades bem anteriores, primitivas. Só adquirimos o sentido de realidade quando podemos renunciar a essa regressão, através de uma parte de nossa personalidade. Nossas fantasias, sonhos, permanecem ligados à tendência para realizar esse desejo primitivo. Freud nos diz que os conteúdos reprimidos, infantis, lutam bravamente pela satisfação completa, pela repetição de uma primeira experiência de satisfação em que a estabilidade foi recuperada. No entanto, nessa tentativa de retorno, há resistências que mantêm a repressão, que constrangem a circulação e escoamento de energia livre, que impedem que a descarga direta da vitalidade ponha riscos ao aparelho psíquico. Mas a pulsão não desiste. Busca alternativas para atingir sua meta, pelo menos em parte. Procura, através de um longo desvio, um caminho de retorno a esse estado de perfeição e completude. Fico a refletir até que ponto essa paciente não precisou sobreviver psiquicamente criando este personagem para amar e ser amada, habitar esse hospedeiro aparentemente masculino, mas essencialmente feminino. Um amor objetal passivo, uma ilusão da permanência no aconchego de uma existência precoce. A questão narcísica da constituição e do retorno ao próprio. Tendência regressiva ao estado de paz e absoluta

7 Princípio do prazer: reflexões teóricas e clínicas 51 constância. Semelhante a fantasia de uma criança estar dentro da mãe e ficar numa passividade absoluta. Recuperar o perdido. Uma tentativa que exige desvios longos, adiamentos, de busca de satisfações nunca perfeitas e definitivas. Cada sessão, cada experiência de retorno recompõe, resgata trechos de uma história que ao mesmo tempo traz momentos de ameaças e angústias, mas também de felicidade. Este ano a paciente conseguiu, pela primeira vez, planejar e comemorar seu aniversário, dando-se de presente uma festa onde pôde reunir seus amigos e sua família. BIBLIOGRAFIA FERENCZI, Sándor. Thalassa Ensaio sobre a teoria da genitalidade. São Paulo: Martins Fontes, FIGUEIREDO, Luís Claudio. Palavras cruzadas entre Freud e Ferenczi. São Paulo: Escuta, FREUD, Sigmund. Além do princípio do prazer. ESB., vol. XVIII. Rio de Janeiro: Imago, O mal-estar na civilização. ESB., vol. XXI. Op. cit. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. ESB., vol. VII. Op. cit. O inconsciente. ESB., vol. XIV. Op. cit. O problema econômico do masoquismo. ESB., vol. XIX. Op.cit. Formulações sobre os dois princípios do funcionamento mental. ESB., vol. XII. Op.cit. A interpretação dos sonhos. ESB., vol. V. Op. cit. Inibições, sintomas e angústias. ESB., vol. XX. Op.cit. Sobre o narcisismo: uma introdução. ESB., vol. XIV. Op. cit. MONZANI, Luiz Roberto. O movimento de um pensamento. Campinas, Editora da UNICAMP. 13 anos não é brincadeira!! Não é por acaso que a Pulsional Revista de Psicanálise é publicada há 13 anos, sem interrupção. Confira. Faça agora sua assinatura. O número de maio da Pulsional Revista de Psicanálise terá como tema Clínica do Social

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski

DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski DO DESENVOLVIMENTO DA TEORIA PULSIONAL FREUDIANA PARA UMA REFLEXÃO SOBRE A RELAÇÃO ENTRE AMOR E ÓDIO. Ligia Maria Durski Iniciemos este texto fazendo uma breve retomada de alguns momentos importantes da

Leia mais

Feminilidade e Violência

Feminilidade e Violência Feminilidade e Violência Emilse Terezinha Naves O tema sobre a violência e a feminilidade apresenta-se, nas mais diversas áreas do conhecimento, como um tema de grande interesse, quando encontramos uma

Leia mais

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL

PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 1 RELATÓRIO FINAL PARA CERTIFICAÇÃO INTERNACIONAL PANORAMA SOCIAL Viviani Bovo Campinas - Brasil Panorama Social Viviani Bovo - Brasil 2 Relatório para Certificação

Leia mais

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1

A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 A sua revista eletrônica CONTEMPORANEIDADE E PSICANÁLISE 1 Patrícia Guedes 2 Comemorar 150 anos de Freud nos remete ao exercício de revisão da nossa prática clínica. O legado deixado por ele norteia a

Leia mais

REICH E A ECONOMIA SEXUAL

REICH E A ECONOMIA SEXUAL 1 REICH E A ECONOMIA SEXUAL José Henrique Volpi Freud havia postulado que o sintoma neurótico é resultado da repressão de um trauma sexual ocorrido na infância. Mas não conseguia explicar o porque tal

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

As vicissitudes da repetição

As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição As vicissitudes da repetição Breno Ferreira Pena Resumo O objetivo deste trabalho é explorar o conceito de repetição em psicanálise. Para tanto, o autor faz uma investigação

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com

Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de Ciências e Tecnologia- UNESP. E-mail: rafaela_reginato@hotmail.com 803 AS CONTRIBUIÇÕES DO LÚDICO PARA O DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL INFANTIL NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia Cristiane Silva Wiezzel Pedagogia, Departamento de Educação, Faculdade de

Leia mais

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES

O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES O SUPEREU NA DEMANDA DE AMOR INSACIÁVEL DAS MULHERES Daniela de Oliveira Martins Mendes Daibert Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Psicanálise da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ);

Leia mais

MECANISMOS DE DEFESA

MECANISMOS DE DEFESA 1 MECANISMOS DE DEFESA José Henrique Volpi O Ego protege a personalidade contra a ameaça ruim. Para isso, utilizase dos chamados mecanismos de defesa. Todos estes mecanismos podem ser encontrados em indivíduos

Leia mais

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO

UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO UMA CRIANÇA E EX-PANCADA: RELAÇÃO DO MASOQUISMO INFANTIL AO SADISMO ADULTO 2015 Marcell Felipe Alves dos Santos Psicólogo Clínico - Graduado pela Centro Universitário Newton Paiva (MG). Pós-graduando em

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

Lição 5. Instrução Programada

Lição 5. Instrução Programada Instrução Programada Lição 5 Na lição anterior, estudamos a medida da intensidade de urna corrente e verificamos que existem materiais que se comportam de modo diferente em relação à eletricidade: os condutores

Leia mais

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna

Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Violência Simbólica: possíveis lugares subjetivos para uma criança diante da escolha materna Henrique Figueiredo Carneiro Liliany Loureiro Pontes INTRODUÇÃO Esse trabalho apresenta algumas considerações,

Leia mais

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito

Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito UM TÊNUE LIMIAR... 1 Graciella Leus Tomé Lembro de uma cena em especial, no Hospital Psiquiátrico Cyro Martins, que muito me chocou. Foi a internação de uma jovem senhora, mãe, casada, profissão estável,

Leia mais

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS

HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS HISTÓRIA E PERSPECTIVAS DE VIDA DE ALCOOLISTAS Jéssica Molina Quessada * Mariana Caroline Brancalhão Guerra* Renata Caroline Barros Garcia* Simone Taís Andrade Guizelini* Prof. Dr. João Juliani ** RESUMO:

Leia mais

As fontes da nossa auto-imagem

As fontes da nossa auto-imagem AUTO IMAGEM O QUE EU ACHO DE MIM MESMO QUEM SOU EU E QUAL E O MEU VALOR? NARCISISMO (deus da mitologia grega que se apaixonou por si mesmo ao ver sua imagem refletida na água) AS FONTES DA NOSSA AUTO -

Leia mais

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO

AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO AMOR, TRANSFERÊNCIA E DESEJO Lucia Serrano Pereira 1 Afirmo em nada mais ser entendido, senão nas questões do amor. Isso é o que está dito por Sócrates na obra de Platão O Banquete. O Banquete nos é indicado

Leia mais

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL

TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL TRAÇOS CARACTEROLÓGICOS: MARCAS E REGISTROS DAS ETAPAS DE DESENVOLVIMENTO EMOCIONAL Christiano de Oliveira Pereira 1 RESUMO O caráter específico de cada indivíduo é resultante de todas as experiências

Leia mais

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO

A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO A FUNÇÃO DO PAGAMENTO EM ANÁLISE: LIMITES E POSSIBILIDADES NA INSTITUIÇÃO Fernanda de Souza Borges feborges.psi@gmail.com Prof. Ms. Clovis Eduardo Zanetti Na praça Clóvis Minha carteira foi batida, Tinha

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1

A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 A PSICANÁLISE E OS MODERNOS MOVIMENTOS DE AFIRMAÇÃO HOMOSSEXUAL 1 Este artigo trata da difícil relação entre a teoria psicanalítica, que tradicionalmente considerava os comportamentos eróticos entre pessoas

Leia mais

A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA

A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA 1 A ENERGIA DO BRINCAR: UMA ABORDAGEM BIOENERGÉTICA Dayane Pricila Rausisse Ruon Sandra Mara Volpi* RESUMO O brincar é um tema bastante discutido e de muita importância no desenvolvimento infantil. Esse

Leia mais

Situação Financeira Saúde Física

Situação Financeira Saúde Física Um dia um amigo me fez uma séria de perguntas, que me fez refletir muito, e a partir daquele dia minha vida vem melhorando a cada dia, mês e ano. Acreditando que todos temos um poder interno de vitória,

Leia mais

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1

Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 1 Estados Gerais da Psicanálise: Segundo Encontro Mundial, Rio de Janeiro 2003 Resistência e dominação na relação psicanalítica 1 Maria Izabel Oliveira Szpacenkopf izaszpa@uol.com.br Psicanalista, Membro

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1

A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 A PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA: SERÁ QUE EU CONSIGO? UM ENFOQUE PSICOLÓGICO 1 Márcia Pilla do Valle 2 Todos sabemos que a prática de uma atividade física é fundamental para a saúde do indivíduo. Cada vez

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio

A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO. pela Psicanálise. No trabalho com pessoas que têm dificuldade na integração de amoródio A POSSIBILIDADE DE TRANSFORMAÇÃO EM ANÁLISE RESUMO Sandra C. Tschirner 1 Winnicott compreende que as técnicas psicanalíticas clássicas atenderiam a um grupo específico de pacientes, aos neuróticos, que

Leia mais

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica.

O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. O papel do corpo na contemporaneidade, as novas patologias e a escuta analítica. Silvana Maria de Barros Santos Entre o século XVI a XIX, as transformações políticas, sociais, culturais e o advento da

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

"Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1

Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica. 1 V Congresso de Psicopatologia Fundamental "Crise ou tentativa de cura? - desafios para uma clínica do sujeito numa enfermaria psiquiátrica". 1 Autora: Lorenna Figueiredo de Souza. Resumo: O trabalho apresenta

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar.

Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Lc 18.1-8 Jesus contou aos seus discípulos esta parábola, para mostrar-lhes que eles deviam orar sempre e nunca desanimar. Ele disse: "Em certa cidade havia um juiz que não temia a Deus nem se importava

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE.

A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. A BOCA CALA, O CORPO FALA: VIOLÊNCIA SEXUAL, SEGREDO E PSICANÁLISE. Desde os primeiros passos de Freud em suas investigações sobre o obscuro a respeito do funcionamento da mente humana, a palavra era considerada

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE.

A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. A CONSTRUÇÃO DO AMOR MATERNO NA RELAÇÃO MÃE-BEBÊ: REFLEXÕES A PARTIR DA PSICANÁLISE. Cléa Maria Ballão Lopes 1 Nos últimos tempos venho trabalhando com gestantes e puérperas, diretamente via atendimento

Leia mais

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA

DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA DOENÇA RENAL CRÔNICA E SUBJETIVIDADE: IMPLICAÇÕES CLÍNICAS DA DIFERENÇA ENTRE SER E TER UMA DOENÇA Priscila Rodrigues da Silva * Prof. Ms. Clovis E. Zanetti ** RESUMO: A doença renal crônica é considerada

Leia mais

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7

Sumário. Introdução - O novo hábito... 1. Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3. Sobre o vocabulário... 4. Benefícios... 7 Sumário Introdução - O novo hábito... 1 Capítulo 1 - Pra que serve tudo isso?... 3 Sobre o vocabulário... 4 Benefícios... 7 Perguntas Frequentes sobre o Orçamento Doméstico... 10 Capítulo 2 - Partindo

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no

P Como foi essa experiência com o barco da Justiça no VISITA AO AMAPÁ FÁTIMA NANCY ANDRIGHI Ministra do Superior Tribunal de Justiça A Justiça brasileira deve se humanizar. A afirmação foi feita pela ministra Nancy Andrighi, do Superior Tribunal de Justiça,

Leia mais

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO

TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO TOCAR E VER: O CORPO TORNANDO-SE SUJEITO Iraquitan de Oliveira Caminha 1 O objetivo desse estudo é analisar a experiência de tocar e de ver, considerando a pulsão de domínio, concebida por Freud, e a motricidade

Leia mais

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade.

BIOGRAFIA HUMANA. Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência. Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade. BIOGRAFIA HUMANA Terceiro espelho: A Infância e fase da Autoconsciência Alma da Consciência: 0-7 Infância / 35-42 Maturidade Edna Andrade Nascemos totalmente desamparados, totalmente dependentes e indefesos.

Leia mais

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms.

Psicanálise. Boa Tarde! Psicanálise 26/09/2015. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Boa Tarde! 1 Psicanálise Pontifícia Universidade Católica de Goiás Psicologia Jurídica Prof.ª Ms. Otília Loth Psicanálise Fundada por Sigmund Freud, é uma teoria que estabelece uma complexa estrutura mental

Leia mais

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC

Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC O Pai em Freud 1997 O Pai em Freud Márcio Peter de Souza Leite 4 de abril de 1997 PUC Conteudo: Pais freudianos... 3 O pai de Dora... 3 O pai de Schreber.... 4 O pai castrador, que é o terceiro em Freud,

Leia mais

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos

Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos Estimulando expectativas de futuro em adolescentes através de jogos dramáticos CHARLIZE NAIANA GRIEBLER EVANDIR BUENO BARASUOL Sociedade Educacional Três de Maio Três de Maio, Rio Grande do Sul, Brasil

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010.

IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. IV Congresso Internacional de Psicopatologia Fundamental X Congresso Brasileiro de Psicopatologia Fundamental. Curitiba, de 04 a 07 de Julho de 2010. Os nomes dos modos de sofrimentos atuais, ou, Transtornos

Leia mais

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR

BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 713 BRINQUEDOTECA ESCOLAR: AMENIZANDO CONDUTAS AGRESSIVAS POR INTERMÉDIO DO BRINCAR Rafaela Reginato Hosokawa, Andréia

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Lúcia Peranzoni 1 Fabiana Lacerda da Silva 2 Resumo: O presente trabalho foi desenvolvido na disciplina Estágio Básico II no segundo semestre de 2011, tendo

Leia mais

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL

Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL Comunicação JOGOS TEATRAIS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES DO MATERNAL E EDUCAÇÃO INFANTIL ROSA, Maria Célia Fernandes 1 Palavras-chave: Conscientização-Sensibilização-Transferência RESUMO A psicóloga Vanda

Leia mais

PROJETO ESCOLA PARA PAIS

PROJETO ESCOLA PARA PAIS PROJETO ESCOLA PARA PAIS Escola Estadual Professor Bento da Silva Cesar São Carlos São Paulo Telma Pileggi Vinha Maria Suzana De Stefano Menin coordenadora da pesquisa Relator da escola: Elizabeth Silva

Leia mais

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m

CASO CLINICO. Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m CASO CLINICO Cliente : A. G - 21 anos - Empresa familiar - Sexo: Masculino - Peso : 90 KIlos Altura: 1,90m Motivo da avaliação: Baixa auto estima, dificuldade em dormir, acorda várias vezes a noite. Relatou

Leia mais

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR?

POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? POR QUE SONHAR SE NÃO PARA REALIZAR? Como Encontrar a Verdadeira Felicidade Rosanne Martins Introdução Este livro foi escrito com o intuito de inspirar o leitor a seguir o sonho que traz em seu coração.

Leia mais

III CONGRESSO INTERNACIONAL DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL IX CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL

III CONGRESSO INTERNACIONAL DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL IX CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL III CONGRESSO INTERNACIONAL DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL IX CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOPATOLOGIA FUNDAMENTAL Proposta de trabalho para TEMA LIVRE Resumo: Título: A psicanálise diante dos impasses e

Leia mais

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar

O Cuidado como uma forma de ser e de se relacionar O Paradigma Holístico O holismo ( de holos = todo) abrangendo a ideia de conjuntos, ou de todos e de totalidade, não engloba apenas a esfera física, mas se estende também às mais altas manifestações do

Leia mais

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três

ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO. Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três ANTÔNIO E SEUS AMORES: UM CASO CLÍNICO Sandra Chiabi Antônio é um jovem de 21 anos que veio à análise a pedido de uma das três namoradas. Contou que estava envolvido com as três, e uma delas pedira que

Leia mais

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema

Educação familiar e escolar para o terceiro milênio. nosso tema Prefácio As pessoas já têm mil noções feitas bem antigas! com relação à palavra educação. Os pais e a escola têm de ensinar para as crianças, em palavras e só com palavras, quase tudo sobre os conhecimentos

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 03 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Renata Trovarelli Entrevistadora: Cintia C. B. M. da Rocha TEMA: RELACIOMENTO AMOROSO Psicóloga Comportamental, atualmente

Leia mais

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da

FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM. A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da FANTASIAS SEXUAIS INFANTIS, AS CRIANÇAS FALAM Maria Elisa França Rocha A intenção deste trabalho foi escutar crianças pequenas a respeito da sexualidade, bem como conhecer suas fantasias e as teorias que

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

Violência e Sustentabilidade *

Violência e Sustentabilidade * 1 Violência e Sustentabilidade * Uma menina reclamou sentida e veementemente com a avó quando a viu arrancando uma planta. Ela lhe disse que ela não podia fazer isso, porque estaria matando a natureza.

Leia mais

pensamentos para o seu dia a dia

pensamentos para o seu dia a dia pensamentos para o seu dia a dia Israel Belo de Azevedo 1Vida e espiritualidade 1 Adrenalina no tédio O interesse por filmes sobre o fim do mundo pode ser uma forma de dar conteúdo ao tédio. Se a vida

Leia mais

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA

ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA 1 ESPIRITUALIDADE E SAÚDE: UMA PERSPECTIVA BIOENERGÉTICA Périsson Dantas do Nascimento RESUMO O trabalho tem como objetivo principal elaborar um diálogo entre a Psicossomática e a Análise Bioenergética,

Leia mais

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA

A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA A TRANSFERÊNCIA NA SALA DE AULA BUCK, Marina Bertone Discente do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU/ACEG GARÇA/SP BRASIL e-mail: marina.bertone@hotmail.com SANTOS, José Wellington

Leia mais

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com

O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às. A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com O Analista só na dupla analítica: da (contra)-trans-ferência às transformações. Eixo temático 3 A psicanálise é um processo em que a relação analista/analisando é vivida com intensidade pela dupla, seja

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP)

Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP) Jornada Comemorativa dos 45 anos da Associação Brasileira de Medicina Psicossomática (ABMP) São Paulo, abril/2010 Centro de Medicina Psicossomática e Psicologia Médica Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo

Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação na Clínica Extensa Leila Souza Alves de Araújo Entrelaçamentos entre Arte e Interpretação é o que se busca promover a partir da realização do Projeto Transformador:

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS

UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 UM OLHAR PSICANALÍTICO SOBRE AS NOVAS BIOTECNOLOGIAS Lorena Munhoz da Costa 1, Gilcinéia Rose da Silva Santos 2 RESUMO: Este trabalho buscou analisar,

Leia mais

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ

PROGRAMA JOVEM APRENDIZ JOVEM APRENDIZ Eu não conhecia nada dessa parte administrativa de uma empresa. Descobri que é isso que eu quero fazer da minha vida! Douglas da Silva Serra, 19 anos - aprendiz Empresa: Sinal Quando Douglas

Leia mais

Motivações para a mulher HIV positivo gestar

Motivações para a mulher HIV positivo gestar Motivações para a mulher HIV positivo gestar Maria Regina Limeira Ortiz* Tania Mara Andreoli Gomes** Resumo Trabalhar com mulheres portadoras do vírus da Imuno Deficiência adquirida(hiv) é algo extremamente

Leia mais

E, algumas vezes, a pessoa que mais precisa do seu perdão é você mesmo. Devemos nos lembrar que, ao dormirmos, o corpo astral sai do corpo físico.

E, algumas vezes, a pessoa que mais precisa do seu perdão é você mesmo. Devemos nos lembrar que, ao dormirmos, o corpo astral sai do corpo físico. MEDITAÇÃO DO PERDÃO Jesus ensinou que devemos perdoar a alma de todas as pessoas, pedindo ao Criador que detenha o lado negativo dela. Não importa o grau de negatividade de alguém, precisamos sempre perdoar,

Leia mais

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS

Palestra tudo O QUE VOCE. precisa entender. Abundância & Poder Pessoal. sobre EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Palestra tudo O QUE VOCE sobre precisa entender Abundância & Poder Pessoal EXERCICIOS: DESCUBRA SEUS BLOQUEIOS Como aprendemos hoje na palestra: a Lei da Atração, na verdade é a Lei da Vibracao. A frequência

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO

FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO FALANDO DE CORAÇÃO PARA CORAÇÃO A criança portadora de doença cardíaca congênita e o adoecer as emoções e dos sentimentos de sua família. Edna G. Levy O coração está associado à vida e à morte. É o primeiro

Leia mais

Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19

Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19 Sumário Introdução, 11 Encontrando uma tábua de salvação, 13 O exercício do luto, 17 A folha de bordo cor de prata: uma pequena história, 19 Vencendo os obstáculos, 27 Pau e pedra, 31 Fortalecendo os laços,

Leia mais

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado

Introdução. Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado Introdução Caminante, no hay camino, Se hace el camino al andar Antonio Machado O presente trabalho tem como objetivo a discussão em torno da conceituação do afeto em psicanálise, através do diálogo entre

Leia mais

ulher não fala muito Mulher pensa alto

ulher não fala muito Mulher pensa alto ulher não fala muito Mulher pensa alto bla bla PROF. GRETZ Mulher não fala muito. Mulher pensa alto. Reflexões bem humoradas para uma ótima vida a dois Florianópolis 2014 1. Silêncio 7 2. Percepção 13

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL E PROFISSIONAL Autor: Adalberto de Carvalho Júnior CPFL Paulista, uma empresa do Grupo CPFL Energia RESUMO A promoção do entendimento do indivíduo com relação a sua

Leia mais

Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade

Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade Gregor Samsa e a Patologia da Normalidade Edvanio da Silva PINHEIRO 1 PUCPR Vem por aqui dizem-me alguns com olhos doces Estendendo-me os braços e seguros De que seria bom que eu os ouvisse Quando me dizem:

Leia mais

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a

moralista para com os idosos. Não é muito fácil assumir o ódio contra a natureza do humano quando ele se refere à velhice. Existe uma tendência a José Carlos Zeppellini Junior: Especialista em Psicopatologia pelo NAIPPE/USP, Mestrado em Psicologia Clínica realizado no Laboratório de Psicopatologia Fundamental da PUCSP e Segundo Secretário da Associação

Leia mais

PANORAMA SOCIAL. Relatório Final para Certificação Internacional. Rosana Soares Aranega Nigriello. Brasil

PANORAMA SOCIAL. Relatório Final para Certificação Internacional. Rosana Soares Aranega Nigriello. Brasil PANORAMA SOCIAL Relatório Final para Certificação Internacional Rosana Soares Aranega Nigriello Brasil 2009 Relatório Final Panorama Familiar 2 Coach: Rosana Soares Aranega Nigriello Cliente: JC; 45 anos;

Leia mais

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE

AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE AULA CRIATIVA DE HISTÓRIA - FOLCLORE Mesmo não acreditando na Educação Criativa, o professor pode fazer uma experiência para ver o resultado. É o caso da professora deste relato. Glorinha Aguiar glorinhaaguiar@uol.com.br

Leia mais

Tiago Tamborini Ejaculação precoce: uma questão de vínculo

Tiago Tamborini Ejaculação precoce: uma questão de vínculo Tiago Tamborini Ejaculação precoce: uma questão de vínculo O presente artigo tem como proposta, estudar a dificuldade do estabelecimento de vínculo em pacientes com Ejaculação Precoce. O tema surgiu a

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO

O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO O USO DA LITERATURA NO PROCESSO DE LETRAMENTO NAS ESCOLAS DO CAMPO INTRODUÇÃO Francisca das Virgens Fonseca (UEFS) franciscafonseca@hotmail.com Nelmira Santos Moreira (orientador-uefs) Sabe-se que o uso

Leia mais

PRIMEIRA LINGUAGEM DE AMOR: PALAVRAS DE ENCORAJAMENTO

PRIMEIRA LINGUAGEM DE AMOR: PALAVRAS DE ENCORAJAMENTO 50 Nona Lição AS CINCO LINGUAGENS DE AMOR Alguma coisa em nossa natureza clama por sermos amados. No âmago da nossa existência há o íntimo desejo se sermos amados. O casamento foi idealizado para suprir

Leia mais

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem

Dra. Nadia A. Bossa. O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem O Olhar Psicopedagógico nas Dificuldades de Aprendizagem Aprendizagem humana Ao nascer, o bebê humano é recebido num mundo de cultura e linguagem que o antecede e ao qual necessita ter acesso. Porém falta

Leia mais

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976)

CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR. Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) CUIDADO COM O CUIDADO: O CASO DA FILA DO TOQUE E A IMPLICAÇÃO DO ATO DE CUIDAR Emerson Elias Merhy médico sanitarista (formado em 1976) Lá pelos anos 1971, vivi uma experiência que sempre me incomodou.

Leia mais

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação.

Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer. A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Como saber que meu filho é dependente químico e o que fazer A importância de todos os familiares no processo de recuperação. Introdução Criar um filho é uma tarefa extremamente complexa. Além de amor,

Leia mais

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1

Direitos reservados Domingos Sávio Rodrigues Alves Uso gratuito, permitido sob a licença Creative Commons 1 1 O caminho da harmonia. Colossenses 3 e 4 Col 3:1-3 Introdução: Portanto, já que vocês ressuscitaram com Cristo, procurem as coisas que são do alto, onde Cristo está assentado à direita de Deus. Mantenham

Leia mais