LDO E SUA FÍSICA PRIVADO. Prof. Doutor

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LDO E SUA FÍSICA PRIVADO. Prof. Doutor"

Transcrição

1 MONIQUE PRIORI MERCAL LDO PERFIL LIPÍDICO E SUA ASSOCIAÇÃO COMM O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES DO ENSINO PRIVADO DE PETRÓPOLIS, RIO DE JANEIRO, BRASIL DISSERTAÇÃO DE MESTRADO EM CIÊNCIAS DO D DESPORTO COM ESPECIALIZAÇÃO EM AVALIAÇÃO E PRESCRIÇÃOO DE ATIVIDADE FÍSICA Orientadores: Prof. Doutor Prof. Doutor Cândido Simões Pires Neto Nuno Garrido VILAA REAL, 2012

2 MONIQUE PRIORI MERCALDO PERFIL LIPÍDICO E SUA ASSOCIAÇÃO COM O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES DO ENSINO PRIVADO DE PETRÓPOLIS, RIO DE JANEIRO, BRASIL Orientadores: Prof. Doutor Cândido Simões Pires Neto Prof. Doutor Nuno Garrido UTAD Vila Real 2012 II

3 FICHA CATALOGRÁFICA Mercaldo, Monique Priori. Perfil lipídico e sua associação com o nível de atividade física em escolares do ensino privado de Petrópolis, RJ, Brasil. Vila real: [s.n], Orientadores: Professor Doutor Cândido Simões Pires Neto Professor Doutor Nuno Garrido Dissertação (Mestrado) Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro. PALAVRAS-CHAVE: Obesidade, Atividade física, Colestrol, Triglicerídeos, Glicose. III

4 Este trabalho foi expressamente elaborado com vista à obtenção do grau de mestre em Ciências do Desporto Especialização em Avaliação e Prescrição em Atividade Física, nos termos do decreto-lei nº 107/2008, de 25 de Junho. IV

5 AGRADECIMENTOS Embora opcional, esta é uma das páginas mais importante deste trabalho. Tenho muito a agradecer a todos aqueles que, direta ou indiretamente, contribuíram para a concretização de mais um sonho na minha vida, ser Mestre. Agradeço primeiramente a Deus, por estar sempre me proporcionando as melhores oportunidades que eu poderia ter na vida. Aos meus pais, pelo amor incondicional que me concederam, pela educação que me proporcionaram, pelos valores que me ensinaram, pelo orgulho que sentem de mim, pela torcida em todos os momentos da minha vida. Amo vocês! Ao meu Orientador, Professor Cândido Simões, pela paciência e dedicação, por não ter desistido de me ajudar, mesmo quando nem eu acreditava mais. Ao meu Co-Orientador, Professor Nuno Garrido, que de maneira única me recebeu muito bem, dando toda a assistência necessária para que eu pudesse concluir esta etapa. Aos meus professores, da Tia Gisele minha primeira professora aos pós-doutores do Mestrado. Vocês foram essenciais, me ensinaram a grande diferença entre ser professor e ser educador. Em especial, à Professora Rachel Mesquita, responsável pela minha dedicação e comprometimento com o meu trabalho e ao Professor Murilo Guerra, que me mostrou, na prática, como é bom amar o que se faz. À minha diretora, Professora Sirlene Marques Pereira, pela correção ortográfica desta dissertação, pelas oportunidades, pelos ensinamentos, pelos incentivos, pela disponibilidade e por acreditar no meu trabalho, sem dúvida, esse é um dos fatores que me motivam a aprender mais a cada dia. V

6 À amiga-irmã, Andréa Catarino, pelas inúmeras traduções, ajudas, conversas e apoio ao longo desses anos e, sobretudo, por ter me ensinado o verdadeiro sentido da palavra amizade. Aos amigos de Mestrado, que certamente, tornaram os momentos em Portugal mais felizes e fáceis de serem vividos, que deixaram de ser colegas de turma e tornaram-se meus amigos para a vida. Em especial ao amigo Diogo Pantaleão, pessoa fundamental na concretização deste trabalho. A todos os meus amigos, fontes inesgotáveis de motivação, de estímulos, de incentivo. Devo muito das minhas conquistas a vocês. Aos meus colegas de trabalho, certamente os meus dias não seriam tão felizes sem vocês. Aos meus alunos. Vocês são minha fonte de inspiração. É por vocês que a cada dia tenho mais vontade de trabalhar e estudar. VI

7 ÍNDICE GERAL AGRADECIMENTOS... V ÍNDICE GERAL... VII ÍNDICE DE TABELAS... IX LISTA DE ABREVIATURAS... X RESUMO... XI ABSTRACT... XII 1.INTRODUÇÃO JUSTIFICATIVA OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS HIPÓTESES REVISÃO DA LITERATURA OBESIDADE INFANTIL ATIVIDADE FÍSICA NA ADOLESCÊNCIA DISLIPIDEMIA METODOLOGIA POPULAÇÃO AMOSTRA COLETA DE DADOS PROCEDIMENTOS PRÉ-TESTE PROCEDIMENTO PARA A COLETA SANGUÍNEA LIMITAÇÕES DO ESTUDO TRATAMENTO ESTATÍSTICO VII

8 4.RESULTADOS DISCUSSÃO DOS RESULTADOS SOBREPESO E OBESIDADE PERFIL LIPÍDICO PERSPECTIVAS DE AVALIAÇÃO FUTURA ANEXO 1 TERMO DE CONSENTIMENTO TESTE DE GLICOSE, TRIGLICERÍDEOS E COLESTROL ANEXO II DECLARAÇÃO DE HELSINKI VIII

9 ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1: Classificação proposta por Lohman (1987) para interpretação do %G Quadro 2: Classificação proposta pela III Diretrizes Brasileiras sobre Dislipidemias (2001) Quadro 3: Características Antropométricas dos praticantes apenas da Educação Física Escolar e dos Praticantes de Educação Física Escolar e Atividade Física Extracurricular Quadro 4: Características Lipídicas, média ± DP, dos escolares praticantes apenas da Educação Física Escolar e dos praticantes de Educação Física Escolar e Atividade FísicaExtracurricular Quadro 5: Correlação entre o nível de atividade física e o perfil lipídico dos praticantes e não praticantes de atividades física extra curricular IX

10 LISTA DE ABREVIATURAS DAC Doença Arterial Coronariana OMS Organização Mundial de Saúde IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IQ Índice de Quetelet IMC Índice de Massa Corporal WHO World Health Organization OPAS Organização Pan-Americana de Saúde CT Colesterol Total TG Triglicerídeos LDL Lipoproteína de Baixa Densidade HDL Lipoproteína de Alta Densidade MC Massa Corporal EST Estatura DBSD Diretrizes Brasileiras sobre Dislipidemias X

11 RESUMO Introdução: A obesidade infantil é uma enfermidade de ordem pública, que vem aumentando consideravelmente, nos países desenvolvidos e nos em desenvolvimento, o que se deve, sobretudo, às mudanças no estilo de vida decorrentes do mundo industrializado. Dentro dessa perspectiva, o aumento de gordura corporal na infância, deve ser entendido como um fenômeno que implicaria em danos consideráveis ao organismo e, algumas vezes irreversíveis. Através da identificação do nível de atividade física dos adolescentes, assim como do perfil lipídico, programas de atividade física podem ser implementados com o objetivo de prevenir doenças e complicações relacionadas ao sedentarismo e às dislipidemias. Objetivo: O objetivo deste estudo foi Analisar as concentrações de lipoproteínas em escolares, de ambos os sexos, entre 15 e 18 anos, praticantes apenas da Educação Física Escolar e praticantes de atividades físicas extracurriculares. Metodologia: A amostra foi constituída por 112 escolares com idade entre entre 15 e 18 anos de idade, divididos em dois grupos, um de praticantes de Educação Física Escolar e de outras atividades físicas extracurriculares, sendo 33 escolares do sexo feminino e 27 do sexo masculino e outro grupo constituído por escolares praticantes apenas da Educação Física Escolar, sendo 27 do sexo feminino e 28 do sexo masculino. Foi utilizado o teste Kolmogorov-Smirnov para detecção da normalidade dos dados, o teste t student para comparação das variáveis antropométricas e bioquímicas. Para a análise dos dados foi utilizado o pacote estatístico SPSS versão Resultados: Não houve diferença significativa em relação às avaliações antropométricas para ambos os sexos. Houve diferença significativa em todas as frações do perfil lipídico. Nas frações de LDL, Colesterol Total e Triglicerídeos, é possível perceber níveis mais elevados para os não praticantes. As frações de HDL se apresentam mais elevadas para os escolares praticantes de atividade física. Não foram observadas diferenças significativas nos níveis de glicose. Conclusão: Nas avaliações antropométricas, não foram encontradas diferenças significativas entre os praticantes e não praticantes de atividade física. Já no perfil lipídico, foram observadas frações de HDL maiores no grupo dos praticantes, para ambos os sexos. Nas frações de Colesterol Total e Triglicerídeos, os valores encontrados foram maiores para os não praticantes. Nas frações de LDL, foram observadas diferenças significativas apenas entre os escolares do sexo masculino. Palavras-chave: obesidade, atividade física, colesterol, triglicerídeos, glicose. XI

12 ABSTRACT Introduction: Childhood obesity is a disesase of public policy, which has increased considerably in developed countries and developing ones. This is mainly due to changes in lifestyle resulting from the industrialized world. According to this perspective, the increase of body fat in infancy should be understood as a phenomenon that would involve considerable and sometimes irreversible damage to the body. By identifying the level of physical activity among adolescents, as well as lipid profile, physical activity programs can be implemented in order to prevent diseases and complications related to sedentary lifestyle and dyslipidemia. Objective: The objective of this study was to analyze the concentrations of lipoproteins and glucose levels in schoolchildren of both sexes, between 15 and 18 years old, only practitioners of Physical Education and extracurricular physical activities practitioners. Methodology: The sample consisted of 112 students aged between 15 and 18 years old, separated in two groups: in one of them, there were practitioners of Physical Education and extracurricular physical activities (33 female scholars and 27 male scholars); in the other group, there were only practitioners of Physical Education (28 male scholars and 27 female scholars). It was used the Kolmogorov-Smirnov test for detection of data normality, the Student t test for comparison of anthropometric and biochemical variables. For data analysis it was used SPSS version Results: There was no significant difference in relation to anthropometric assessments for both sexes. There were significant differences in all lipid fractions. In the fractions of LDL, Total Cholesterol and Triglycerides, it is possible to realize higher levels for non-practitioners. The fractions of HDL were present for the higher school physical activity practitioners. There were no significant differences in glucose levels. Conclusion: In anthropometric assessments, there were no significant differences between practitioners and non-practitioners of physical activity. In the lipid profile, higher HDL fractions were observed in the group of practitioners, for both sexes. In the fractions of total cholesterol and triglycerides, the values were higher for non-practicing. In the fractions of LDL, significant differences were observed only among male students. Keywords: obesity, physical activity, cholesterol, triglycerides. XII

13 1.INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO PERFIL LIPÍDICO E SUA ASSOCIAÇÃO COM O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES DO ENSINO PRIVADO DE PETRÓPOLIS, RIO DE JANEIRO, BRASIL 1

14 1.INTRODUÇÃO 1.INTRODUÇÃO Nos últimos 20 anos o excesso de peso no público infantil tem aumentado exponencialmente tanto em países desenvolvidos como naqueles em desenvolvimento tornando-se um problema de saúde pública mundial. Em crianças americanas a prevalência triplicou desde a década de 80 até 2010, atingindo cêrca de 34% desta população (Onis, 2010). Dentro dessa perspectiva o aumento de gordura corporal na infância, deve ser entendida como um fenômeno que implicaria em danos consideráveis ao organismo e, algumas vezes irreversíveis (OMS, 1997). O consequente aumento no número de células adiposas está diretamente relacionado com o tipo de alimentação e com o estilo de vida, assim como aspectos culturais (Silva, Costa, & Ribeiro, 2009). Segundo Epstein et al. (1995), existe uma influência direta do baixo nível de atividade física sobre o desenvolvimento da obesidade na infância e adolescência. O que passa a ser importante fomentar o nível de atividade física dentro de uma estratégia de intervenção primária e secundária da obesidade. Alguns estudos realizados na Austrália (Brown, Lewis, Murtagh, & Thorpe, 1999), EUA (Heath, Pratt, Warren, & Kann, 1994) e Inglaterra (Harris, 1994) afirmam que desde o final dos anos 60 e início dos anos 70, houve uma diminuição considerável do número de jovens que participam das aulas de Educação Física Escolar, o que para Dollman, Norton, e Norton (2005), contribui bastante para o desencadeamento da obesidade infantil. No entanto, Pontes e Sousa (2009), sugere que é cada vez maior o número de adolescentes que procuram se exercitar nos momentos de lazer, sobretudo, praticando esportes com caráter recreativo e sem fins competitivos. Pinto e Lima (2001), cita que a infância é o período mais adequado para o incentivo da prática de atividade física, uma vez que nessa fase a criança está aberta a novos aprendizados e a possibilidade dessa prática se tornar um hábito de vida se perpetuando na adolescência e na idade adulta é grande. Um estudo transversal mostra que adolescentes menos ativos fisicamente apresentam maior predisposição a se tornarem adultos sedentários (Guedes, Guedes, Barbosa, & Oliveira, 2001) 2

15 1.INTRODUÇÃO A combinação da obesidade com o sedentarismo é fator desencadeador para o aumento dos níveis séricos de lipoproteínas no sangue, caracterizando uma dislipidemia, que consiste no distúrbio de metabolismo lipídico, com repercussões sobre os níveis de lipoproteínas na circulação no sangue, bem como sobre as concentrações das suas diferentes frações (Giannini, 1998). A obesidade está altamente correlacionada com uma série de desordens, incluindo a dislipidemia, resistência à insulina e hipertensão, características da síndrome metabólica e fatores de risco para doenças cardiovasculares (Araújo, Yamada, Araújo, Latorre, & Mansur, 2005; Grillo et al., 2005; Martins et al., 1996; Silva et al., 2009). A síndrome metabólica representa uma condição clínico-epistemológica bastante estudada nos últimos anos. Caracteriza-se pela associação, em um mesmo indivíduo, de diabetes melitus tipo 2 ou intolerância à glicose, hipertensão arterial, dislipidemia e obesidade abdominal (Wilson, D Agostino, Parise, Sullivan, & Meigs, 2005; Zimmet, Boyko, Collier, & Courten, 1999). Para Ciolac e Guimarães (2004), como os portadores da síndrome metabólica apresentam um conjunto de fatores de risco para doenças cardiovasculares e resistência insulínica, eles obterão maiores benefícios através da prática regular de atividade física, sobretudo se esta for planejada focalizando a redução destes componentes. O crescente aumento da prevalência de obesidade infantil e sua importância enquanto fator de risco para dislipidemias consiste em um sério agravante para as doenças cardiovasculares (Ramos et. al. 2011). A aterosclerose e a doença arterial coronariana (DAC) são as principais implicações patológicas das dislipidemias, constituindo, atualmente, uma das principais causas de morte nos países desenvolvidos (Levi, Lucchini, Negri, & La Vecchia, 2002). Evidências indicam que o processo de formação da placa aterosclerótica tem início na infância e progride lentamente até a vida adulta, quando ocorrerão as manifestações clínicas da doença, verificando-se um longo período assintomático (Berenson et al., 1998; Françoso & Coates, 2002; McGill et al., 2000). 3

16 1.INTRODUÇÃO Para Franca e Alves (2006) uma das formas de prevenir uma das enfermidades do sistema circulatório, as coronariopatias, é detectar as alterações nos níveis séricos elevados de colesterol em pessoas assintomáticas de forma precoce, o que permite a identificação de um importante fator de risco para as doenças coronarianas. A prevenção e/ou tratamento das alterações dislipidêmicas pela combinação de terapêuticas aliadas à prática de exercícios físicos tem sido alvo de inúmeras pesquisas e debates científicos em todo o mundo e, atualmente vem sendo recomendado como parte integrante no tratamento (ACSM, 2000). 1.1.JUSTIFICATIVA As mudanças no estilo de vida decorrentes do mundo industrializado vêm fazendo com que cada vez mais crianças e adolescentes se transformem em sedentários, o que passa a ser um comportamento também adotado na idade adulta. Através da identificação do nível de atividade física dos adolescentes, assim como do perfil lipídico, programas de atividade física podem ser implementados com o objetivo de prevenir doenças e complicações relacionadas ao sedentarismo e às dislipidemias (Silva et al., 2009). Considerando que a obesidade infantil e, sobretudo, a juvenil vêm se tornando um fenômeno alarmante e de ordem mundial (OMS, 2005), aumentando desta forma o risco do surgimento de uma série de doenças, como as coronarianas, hipertensão, diabetes mellitus, entre outras (Faigenbaum, 1998), é que se justifica a realização deste estudo para identificar as concentrações séricas de lipoproteínas em escolares praticantes e não-praticantes das aulas de Educação Física o que possibilitará, no futuro, orientar o estabelecimento de programas de intervenção e ao mesmo tempo proporcionar a aderência a uma vida saudável. 4

17 1.INTRODUÇÃO 1.2.OBJETIVO GERAL Analisar as concentrações de lipoproteínas em escolares, de ambos os sexos, entre 15 e 18 anos, praticantes apenas da Educação Física Escolar e praticantes de atividades físicas extracurriculares. 1.3.OBJETIVOS ESPECÍFICOS Determinar os níveis de colesterol total e suas frações entre escolares que praticam apenas Educação Física Escolar e entre escolares que praticam a Educação Física Escolar e outras atividades físicas extracurriculares. Determinar os níveis de triglicerídeos entre escolares que praticam apenas Educação Física Escolar e entre escolares que praticam a Educação Física Escolar e outras atividades físicas extracurriculares. Determinar os níveis de atividade física praticadas por adolescentes do ensino médio; Comparar os níveis de triglicerídeos em adolescentes do ensino médio entre praticantes apenas Educação Física Escolar e entre escolares que praticam a Educação Física Escolar e outras atividades físicas extracurriculares. Correlacionar os níveis de colesterol total e suas frações com a prática de atividades físicas em adolescentes do ensino médio; Correlacionar os níveis de triglicerídeos com a prática de atividades físicas em adolescentes do ensino médio; 1.4.HIPÓTESES Ho1 - Não há diferença estatística significativa, p > 0,05, nos níveis de colesterol total e suas frações entre escolares que praticam apenas Educação Física Escolar e entre escolares que praticam a Educação Física Escolar e outras atividades físicas extracurriculares. 5

18 1.INTRODUÇÃO H1 - Há diferença estatística significativa, p < 0,05, nos níveis de colesterol total e suas frações entre escolares que praticam apenas Educação Física Escolar e entre escolares que praticam a Educação Física Escolar e outras atividades físicas extracurriculares. Ho2 - Não há diferença estatística significativa, p > 0,05, nos níveis de triglicerídeos entre escolares que praticam apenas Educação Física Escolar e entre escolares que praticam a Educação Física Escolar e outras atividades físicas extracurriculares. H2 - Há diferença estatística significativa, p < 0,05, nos níveis de triglicerídeos entre escolares que praticam apenas Educação Física Escolar e entre escolares que praticam a Educação Física Escolar e outras atividades físicas extracurriculares. 6

19 2.REVISÃO DA LITERATURA REVISÃO DA LITERATURA PERFIL LIPÍDICO E SUA ASSOCIAÇÃO COM O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES DO ENSINO PRIVADO DE PETRÓPOLIS, RIO DE JANEIRO, BRASIL 7

20 2.REVISÃO DA LITERATURA 2.REVISÃO DA LITERATURA 2.1.OBESIDADE INFANTIL A obesidade infantil é uma preocupação de ordem pública, que vem aumentando consideravelmente, tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS, 2005) o número de obesos entre 1995 e 2000 aumentou de 200 para 300 milhões, o que corresponde a aproximadamente 5% da população mundial. No Brasil, de acordo com levantamentos realizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2004), o quadro de desnutrição em adultos, crianças e adolescentes teve um declínio nas últimas décadas, enquanto que os casos de sobrepeso e obesidade apresentaram aumentos, sobretudo nos adultos (Wanderley & Ferreira, 2010). Um indivíduo é considerado obeso quando a quantidade de gordura corporal é igual ou superior a 30% nas mulheres e 25% nos homens, quando esses valores excedem 40% para as mulheres e 35% para os homens, trata-se da obesidade mórbida ( Lohman, 1987, Sabia, Santos, & Ribeiro, 2004). Outra maneira de se determinar a obesidade é o Índice de Quetelet (IQ), também conhecido como Índice de Massa Corporal IMC. O IMC vem sendo utilizado frequentemente em pesquisas epidemiológicas pela facilidade de aplicação do método. Entre diversas variáveis antropométricas, sobretudo da massa e estatura corporal, o IMC tem sido a forma mais utilizada e aceita para avaliação do estado nutricional de crianças e jovens (OMS, 1998), além de ser um bom índice de avaliação da adiposidade corporal e um indicador de doenças cardiovasculares (Turconi et al., 2006). Em adultos, a classificação segundo a OMS (2005) seria: obeso com o IMC 30 kg/m 2, enquanto que obesidade grau I o IMC entre 30 e 34,9 kg/m 2 e grau II com 35 e 39,9 kg/m 2 e grau III superior a 40 kg/m 2. Já quando se trata de crianças e adolescentes, a OMS (2005) adota como pontos de corte do percentil 5, 85 e 95 para baixo peso, sobrepeso e obesidade, respectivamente. O que não se pode esquecer é que a obesidade é 8

21 2.REVISÃO DA LITERATURA uma enfermidade consorciada há distintos fatores. De acordo com Villares (1998), a obesidade é considerada uma enfermidade multicasual, tendo como influência uma combinação de fatores: genéticos, ambientais, culturais e psicossociais. Há fortes evidências de que fatores genéticos podem modular as respostas do organismo às variações dos estímulos do ambiente, tais como dieta e atividade física, pode desencadear ou não o acometimento da enfermidade (Silva & Malina, 2003). 2.2.ATIVIDADE FÍSICA NA ADOLESCÊNCIA Para a Organização Pan-americana de Saúde OPAS (2003), a confirmação do desequilíbrio alimentar produzido pelas dietas hipercalóricas, além do sedentarismo ou o nível de atividade física reduzida são fatores que podem levar ao excesso de peso. O que é corroborado por (Camargo et al., 2008), ao afirmar que o aumento crescente da obesidade infantil está diretamente associado aos avanços tecnológicos, uma vez que a modernidade interfere nos hábitos de vida, sobretudo das crianças. É comum que crianças e adolescentes gastem aproximadamente 2 horas diárias assistindo TV, o que acarreta um baixo gasto energético, podendo resultar no sedentarismo ainda na infância (Pimenta & Palma, 2008). Sallis, Prochaska e Taylor (2000) afirmam que um importante fator influenciador do nível de atividade física entre as crianças e adolescentes, é o comportamento familiar em relação à mesma. Uma vez que parentes, pais e amigos que tenham um hábito de vida saudável, é muito provável que a criança siga esse exemplo. O aumento da atividade física é um componente muito importante no combate à obesidade infantil e quando se realiza um programa nesse sentido, o gasto energético deve ser significativo. No entanto, é necessário saber que as crianças não fazem atividade física por elas trazerem benefícios para a saúde, elas precisam de uma motivação e, isso pode ser alcançado através de atividades lúdicas que, acima de tudo quebrem a rotina das atividades cotidianas (Bar-Or et al., 1998). 9

22 2.REVISÃO DA LITERATURA A prática de atividade física diminui o risco de aterosclerose e suas consequências, como angina, infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral, ajuda no controle de obesidade, hipertensão arterial, diabetes, osteoporose e dislipidemias e diminui o risco de afecções osteomusculares e de alguns tipos de cânceres (Honorato, 2010). De acordo com Pinto e Lima (2001), a infância é o período mais adequado para o incentivo da prática de atividade física, uma vez que nessa fase a criança está aberta a novos aprendizados. Importantes estudos (Barnekow-Bergkvist, Hedberg, Janlert, & Jansson, 1996; Telama, Yang, Laakso, & Viikari, 1997) já destacavam que hábitos de prática da atividade física, incorporados na infância e na adolescência, possivelmente possam transferir-se para idades adultas. Uma pesquisa longitudinal mostra que adolescentes menos ativos fisicamente apresentam maior predisposição a se tornarem adultos obesos (Guedes et al., 2001). Embora se saiba da importância do combate ao sedentarismo e grandes esforços sejam demandados nesse sentido, os programas de promoção de atividade física tem se mostrado pouco eficazes, sobretudo entre os adolescentes (Pate et al., 1995). Conforme Faigenbaum (1998), um estilo de vida sedentário aumenta o risco do surgimento de uma série de doenças coronarianas, hipertensão, diabets mellitus, obesidade, entre outras enfermidades crônicas. A prática de exercícios físicos regulares reduz significativamente o risco de tais doenças e, isso se deve a vários motivos. Entre eles estão o aumento do metabolismo da glicose, controle ponderal, e a manutenção da pressão (OMS, 2002). Gustafson e Rhodes (2006), Oehlschlaeger, Pinheiro, Horta, Gelatti e San Tana (2004) Torre et al. (2006) e Trost, Pate, Ward, Saunders e Riner (1999), descrevem que o nível de atividade física entre os jovens está diretamente relacionado com o nível socioeconômico dos mesmos; quanto mais alta a classe social, menor o nível de inatividade física. No entanto, alguns estudos afirmam não haver nenhuma correlação entre o nível socioeconômico e atividade física (Hallal, Victora, Azevedo, & Wells, 2006; OMS, 2002; Shi, Lien, Kumar, & Holmboe-Ottesen, 2006). 10

23 2.REVISÃO DA LITERATURA 2.3.DISLIPIDEMIA Somado à obesidade e ao sedentarismo está ainda o aumento dos níveis séricos de lipoproteínas no sangue, caracterizando uma dislipidemia, que consiste no distúrbio de metabolismo lipídico, com repercussões sobre os níveis de lipoproteínas na circulação no sangue, bem como sobre as concentrações das suas diferentes frações (Giannini, 1998). O aumento do sobrepeso em crianças e adolescentes, em níveis epidêmicos, parece ser responsável por mudanças negativas no perfil lipídico, indicando uma elevação precoce nos níveis de colesterol total (CT), triglicerídeos (TG), colesterol de baixa densidade (LDL) e colesterol de alta densidade (HDL) (Weiss et al., 2004). Evidências epidemiológicas e metabólicas demonstraram que níveis elevados de colesterol total, lipoproteína de baixa densidade (LDL) e triglicerídeos estão correlacionados com maior incidência de hiperlipidemia, hipertensão e doença aterosclerótica (Roemmich, 2011; França, 2006). Estudos realizados em todo o mundo têm demonstrado que níveis elevados de colesterol em crianças e adescentes está diretamente associado à prevalência de doenças coronarianas na fase adulta, o que reforça a importância de reduzir os níveis médios de colesterol da população desde a infância, a fim de diminuir a ocorrência de complicações da aterosclerose (Bridger, 2009; Rabelo, 2001; Fernandes, 2011). Segundo McArdle, Katch e Katch (1998), elevadas concentrações das frações de LDL (lipoproteína de baixa densidade), assim como reduzidas concentrações das frações de HDL (lipoproteína de alta densidade), são considerados fatores de risco independente para o desenvolvimento da aterosclerose doença inflamatória crônica na qual ocorre a formação de ateromas (placas formadas por gordura e tecido fibroso) na luz dos vasos sanguíneos. O início da aterosclerose já na infância, pelo aumento do colesterol plasmático, seria potencializado no decorrer da vida pela obesidade e por uma série de outros fatores, tais como histórico familiar, inatividade física e hipertensão arterial (Pellanda et al., 2002), o que se infere à necessidade de 11

24 2.REVISÃO DA LITERATURA ampla prevenção dos fatores de risco, ainda na idade infanto-juvenil (McGill et al., 2000). Como afirma Franca e Alves (2006), a detecção precoce dos níveis séricos elevados de colesterol em pessoas assintomáticas, permite a identificação de um importante fator de risco modificável para as doenças coronarianas, o que pode ser confirmado pelos dados apresentados por Brotons et al. (1998), que em revisão de estudos epidemiológicos do perfil lipídico de crianças e adolescentes, afirmam que o nível de colesterol na infância é um fator preditivo do nível de colesterol na vida adulta. Segundo Silva (2011), a prática de atividade física orientada é um importante fator no controle e combate à obesidade infantil e, secundariamente, no controle da dislipidemia. Estudos populacionais apontam o sedentarismo infanto-juvenil como a causa mais importante da epidemia mundial de obesidade, nessa faixa etária, que determina o aumento da prevalência da dislipidemia em todo o mundo. A prevenção e/ou tratamento das alterações dislipidêmicas pela combinação de medidas terapêuticas aliadas à prática de exercícios físicos tem sido alvo de inúmeras pesquisas e debates científicos em todo o mundo e, atualmente vem sendo recomendado como parte integrante no tratamento (ACSM, 2000). Com base nessas observações, é que têm-se como objeto deste estudo investigar as possíveis alterações nos valores séricos de lipoproteínas e suas frações, assim como os níveis glicêmicos em adolescentes. 12

25 3.METODOLOGIA METODOLOGIA PERFIL LIPÍDICO E SUA ASSOCIAÇÃO COM O NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM ESCOLARES DO ENSINO PRIVADO DE PETRÓPOLIS, RIO DE JANEIRO, BRASIL 13

26 3.METODOLOGIA 3.METODOLOGIA A presente investigação configura-se como um estudo de corte transversal do tipo causal-comparativo ou ex post facto, onde se busca investigar um fenômeno que já ocorreu e que descrimine dois ou mais grupos em que se possa analisar e estabelecer uma relação de causa-efeito entre as variáveis de estudo, apenas analisando o status quo das mesmas (Pereira, 1995). O estudo transversal caracteriza-se pela determinação da prevalência de um evento. As observações e mensurações das variáveis de interesse são feitas simultaneamente, constituindo um aspecto estático do que ocorre em um dado momento, sendo este momento, definido pelo investigador. Os estudos transversais têm a vantagem de serem rápidos e de baixo custo. Este tipo de investigação representa a forma mais simples de pesquisa populacional (Pereira, 1995). A aplicação do método visa identificar e analisar duas ou mais variáveis; o que significa que as variáveis estabelecem um status entre si mais sem que seja possível determinar a causa e o efeito entre elas (Moreira & Caleffe, 2006; Thomas, Nelson, & Silverman, 2007). 3.1.POPULAÇÃO A população do estudo constituiu-se de escolares nas idades de 15 a 18 anos, de ambos os sexos, regularmente matriculados em duas escolas particulares no município de Petrópolis, RJ, Brasil. 3.2.AMOSTRA O estudo teve uma amostra do tipo aleatória constituída de 112 escolares de ambos os sexos, com idades entre 15 e 18 anos e matriculados em duas escolas particulares no município de Petrópolis, Rio de Janeiro, RJ (Brasil). A amostra foi dividida em 57 adolescentes praticantes de atividades físicas extracurriculares e Educação Física Escolar, sendo 33 do sexo masculino, com média de idade de 16,30 ± 1,04 e IMC 23,59 ± 2,69 e 22 do sexo feminino com média de idade de 16,27 ± 0,82 e IMC 23,29 ± 2,36 e 55 praticantes apenas da Educação Física Escolar, sendo 22 do sexo masculino 14

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada.

Introdução. Palavras-chave: Composição corporal. Antropometria. Escola pública. Escola privada. I Comparação de Composição Corporal Entre Alunos de Escolas Públicas e Privadas Por: André Shigueo F. Vieira Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Resumo: O objetivo do presente estudo foi analisar

Leia mais

Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças

Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças Sobrepeso, obesidade e importância da prática de atividade física em um grupo de crianças Overweight, obesity and the importance of physical activity in a group of children Soraia Dias Alves Aluna do curso

Leia mais

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS

MATERIAL E MÉTODOS RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 20 a 24 de outubro de 2008 ANÁLISE DOS FATORES DE RISCO E GASTO ENERGÉTICO EM ADOLESCENTES OBESOS E ESTILO DE VIDA DOS PAIS Juliana Ewelin dos Santos 1 ; Rafaela Pilegi Dada 1 ; Sérgio Roberto Adriano

Leia mais

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino

1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino 1 1. Tabela de peso e estatura (percentil 50) utilizando como referencial o NCHS 77/8 - gênero masculino Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso Anos Mês Estatura Peso 0,0

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN Érica Caroline de Santis* Lara Ribeiro Sisti** Luisa Philippsen*** Lucievelyn Marrone**** Rosália Hernandes Fernandes Vivan*****

Leia mais

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002

ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 ARTIGO APRESENTADO NO 17 O CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA FIEP/2002-01-29 REALIZADO EM FOZ DO IGUAÇU DE 12 A 16 DE JANEIRO DE 2002 TÍTULO: NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E BARREIRAS PARA A ATIVIDADE

Leia mais

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO

PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO PERFIL ALIMENTAR DE MENINAS DE UMA ESCOLA ESTADUAL DO INTERIOR DE SÃO PAULO Mari Uyeda Beatriz Conti RESUMO Muito tem se falado sobre a importância da educação nutricional em instituições de ensino para

Leia mais

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( )

Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) Área: CV ( ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO DOS INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21

AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO DOS INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos.

Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. TÍTULO DA PRÁTICA: Floripa Saudável 2040: Impacto do monitoramento e da educação em saúde nos indicadores nutricionais de crianças de 2 a 6 anos. CÓDIGO DA PRÁTICA: T80 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

Avaliação do Índice de Massa Corporal de escolares de 7 a 10 anos da Rede Municipal de Ensino de Lagoa Formosa, MG

Avaliação do Índice de Massa Corporal de escolares de 7 a 10 anos da Rede Municipal de Ensino de Lagoa Formosa, MG Revista Mineira de Ciências da Saúde Patos de Minas: UNIPAM, (1): 81-91, ano 1, n. 1, 2009 Avaliação do Índice de Massa Corporal de escolares de 7 a 10 anos da Rede Municipal de Ensino de Lagoa Formosa,

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de (Educação Física) Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de (Educação Física) Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de (Educação Física) Trabalho de Conclusão de Curso Prevalência do Índice de Massa Corporal em escolares do Recanto das Emas Distrito Federal Autor: Danilo Freitas Moreira

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE

fios e oportunida ATAS DO IX SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO FÍSICA, LAZER E SAÚDE OBESIDADE NO 1º CICLO DESENHO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE INTERVENÇÃO NUM ESTUDO TRANSVERSAL Joana Magalhães, Luís Cardoso, Luís Ferreira, Rui Silva, Beatriz Pereira e Graça Carvalho CIEC, Instituto

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT²

ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ESTUDO LONGITUDINAL SOBRE O ESTILO DE VIDA DE JOVENS DE PELOTAS/RS. NATAN FETER ¹; THAIS BURLANI NEVES²; FELIPE FOSSATI REICHERT² ¹ GRADUAÇÃO EM LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA/UFPEL nfeter.esef@ufpel.edu.br

Leia mais

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil.

Palavras-chave: Aptidão Física. Saúde. Projeto Esporte Brasil. APTIDÃO FÍSICA RELACIONADA Á SAÚDE DE CRIANÇAS E JOVENS DO PROGRAMA DE ERRADICAÇÃO DO TRABALHO INFANTIL EM APODI/RN Jorge Alexandre Maia de Oliveira Maria Lúcia Lira de Andrade Maikon Moisés de Oliveira

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO.

CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. MATEUS RIBEIRO SANTANELLI RENAN JÚLIO SILVA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DA APTIDÃO FÍSICA DOS ALUNOS PARTICIPANTES DO PROGRAMA SEGUNDO TEMPO DO NÚCLEO IFSULDEMINAS CÂMPUS MUZAMBINHO. Trabalho de Conclusão de

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

RESUMO EDUARDO TRZUSKOVSKI DE VARGAS 1 ROSILENE MORAES DIEHL 2 ADROALDO CÉZAR ARAÚJO GAYA 3 DANIEL C. GARLIPP 4 ALEXANDRE C.

RESUMO EDUARDO TRZUSKOVSKI DE VARGAS 1 ROSILENE MORAES DIEHL 2 ADROALDO CÉZAR ARAÚJO GAYA 3 DANIEL C. GARLIPP 4 ALEXANDRE C. Estudo do crescimento somático e da aptidão física relacionados à saúde em estudantes surdos das escolas especiais da região metropolitana de Porto Alegre EDUARDO TRZUSKOVSKI DE VARGAS 1 ROSILENE MORAES

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ

PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 PREVALÊNCIA DE OBESIDADE INFANTIL NOS CENTROS MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO INFANTIL (CMEI) DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ-PARANÁ Vanusa Pereira da Silva 1, Robsmeire

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL

DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL DIAGNÓSTICO DA OBESIDADE INFANTIL Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica - ABESO Dra. Maria Edna de Melo CREMESP 106.455 Responsável Científica pelo site da ABESO A Pesquisa

Leia mais

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA,

que a perda de gordura corporal, nos indivíduos obesos, eleva o colesterol HDL, tipo associado com a prevenção de doença cardiovascular (TORTORA, TEMA: A IMPLANTAÇÃO DO PNAE E A FORMAÇÃO DE NOVOS HÁBITOS ALIMENTARES EM CRIANÇAS DO ENSINO FUNDAMENTAL DO CENTRO DE ATENÇÃO INTEGRAL À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE (CAIC) NO MUNICÍPIO DE MOGI GUAÇU INTRODUÇÃO

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE IDOSOS ATENDIDOS EM HOSPITAL PÚBLICO DA CIDADE DE MARINGÁ Rita de Cássia Felix

Leia mais

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR

ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 ESTADO NUTRICIONAL DE CRIANÇAS MATRICULADAS EM DUAS ESCOLAS MUNICIPAIS DA CIDADE DE MARIALVA PR Sabrina Dalmazo Vieira 1 ; Rose Mari Bennemann 2 RESUMO:

Leia mais

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA

AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE CRIANÇAS DO ENSINO PRÉ-ESCOLAR DA REDE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DA AZAMBUJA Clara Monteiro 1, Filipa Franco 2, Ana Santos 2, Sara Neves 2 & Ana Neves 1 1 Departamento de Tecnologia

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL

A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL A IMPORTÂNCIA DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA COMO MEDIDA DE PROMOÇÃO DA SAÚDE E CONTROLE DA OBESIDADE INFANTOJUVENIL Autor: SARANÁDIA CAEIRA SERAFIM Orientador: RACHEL DE SÁ BARRETO LUNA CALLOU CRUZ Coautor(es):

Leia mais

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade

Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade Vargas, Liziane da Silva de; Benetti, Chane Basso; Santos, Daniela Lopes dos Avaliaç o antropométrica de idosas participantes de grupos de atividades físicas para a terceira idade 10mo Congreso Argentino

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PERFIL NUTRICIONAL DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES PARTICIPANTES DO PROJETO GURI DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP Rafael Ribeiro Beatriz Vital Aline Souza Perla Silva Vitor Carloti Lucas Moreno Frantisek Oplustil

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

DISLIPIDEMIA, PERFIL NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM PRATICANTES DE FUTEBOL RECREATIVO

DISLIPIDEMIA, PERFIL NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM PRATICANTES DE FUTEBOL RECREATIVO Recebido em: 15/3/2010 Emitido parece em: 22/3/2010 Artigo original DISLIPIDEMIA, PERFIL NUTRICIONAL E NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA EM PRATICANTES DE FUTEBOL RECREATIVO Gabriel Fellipe de Barros, Marcos Henrique

Leia mais

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP.

RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. RELAÇÃO CINTURA-ESTATURA DE UNIVERSITÁRIOS DE UMA FACULDADE PARTICULAR DO MUNICÍPIO DE PRAIA GRANDE, SP. Alessandra Santana Valadares Cleverson Alves dos Santos Cristiano Rovella Alecsandro Rosa da Silva

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) Tema 4: Segurança Alimentar e Nutricional

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E EDUCAÇÃO FÍSICA: APROXIMAÇÕES A PARTIR DO GRUPO DE EPIDEMIOLOGIA DA ATIVIDADE FÍSICA - ATENÇÃO BÁSICA Área Temática: Saúde Fabricio Boscolo Del Vecchio (Coordenador da Ação de

Leia mais

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL?

A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? ISBN 78-8-6101-0-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 7 a 30 de outubro de 00 A AMAMENTAÇÃO PODE PREVENIR A OBESIDADE INFANTIL? Crislayne Teodoro Vasques 1 ; Rita de Cassia Felix

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS Juliane Mara Sabatini 1 ; Rafael Cardia Sardim Barros

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Resumo 12 Arquivos 0004-2773/09/38 Catarinenses de Medicina - 03/12 Vol. 38, n o. 3, de 2009 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Estado nutricional e prevalência de dislipidemias em idosos Tathiely

Leia mais

Mariana Sandoval Lourenço Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida mariana.sl@puccampinas.edu.br

Mariana Sandoval Lourenço Faculdade de Medicina Centro de Ciências da Vida mariana.sl@puccampinas.edu.br APLICAÇÃO DE QUESTIONÁRIOS COM VARIÁVEIS BIOLÓGICAS, SOCIOECONÔMICAS E DEMOGRÁFICAS PLANO DE TRABALHO PARA INICIAÇÃO CIENTÍFICA NUM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO INFANTO-JUVENIL Mariana Sandoval Lourenço Faculdade

Leia mais

ATIVIDADE FISÍCA E CRESCIMENTO FÍSICO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PHYSICAL ACTIVITY AND PHYSICAL GROWTH IN CHILDHOOD AND ADOLESCENCE

ATIVIDADE FISÍCA E CRESCIMENTO FÍSICO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PHYSICAL ACTIVITY AND PHYSICAL GROWTH IN CHILDHOOD AND ADOLESCENCE ATIVIDADE FISÍCA E CRESCIMENTO FÍSICO NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PHYSICAL ACTIVITY AND PHYSICAL GROWTH IN CHILDHOOD AND ADOLESCENCE Marco Cossio-Bolaños Miguel de Arruda Faculdade de Educação Física UNICAMP

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E QUALIDADE DE VIDA Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Atividade Física x Exercício Físico Atividade Física: é qualquer movimento corporal com gasto energético acima do nível de

Leia mais

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015

Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht. SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 Autores: Cristina Somariva Leandro Jacson Schacht SESI Serviço Social da Indústria Cidade: Concórdia Estado: Santa Catarina 27/10/2015 REDUÇÃO DE PESO E CIRCUNFERÊNCIA ABDOMINAL EM TRABALHADORES DA INDÚSTRIA

Leia mais

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA

DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL EM SANGUE CAPILAR E ORIENTAÇÃO SOBRE HIPERCOLESTEROLEMIA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DETERMINAÇÃO DO COLESTEROL TOTAL

Leia mais

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR ISBN 978-85-61091-05-7 VI EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PROMOÇÃO DE HÁBITOS ALIMENTARES SAUDÁVEIS EM UM NÚCLEO INTEGRADO DE SAÚDE DA CIDADE DE MARINGÁ-PR

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD

Coração saudável. Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Coração saudável Dr. Carlos Manoel de Castro Monteiro MD,PhD Qual a importância da doença cardiovascular? Milhões de Mortes* Mortalidade por doenças cardiovasculares em 1990 e 2020 Países desenvolvidos

Leia mais

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo

Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Atividade Física e Qualidade de Vida Prof. Nivaldo Higajo Pesquisador em ciências do Esporte Celafiscs - 1991 Prof. Esp. Reabilitação Cardiovascular UniFMU - 2001 Prof. Esp. Fisiologia do Exercício UniFMU

Leia mais

O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ADOLESCENTES DE AMBOS OS SEXOS

O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ADOLESCENTES DE AMBOS OS SEXOS O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DE ADOLESCENTES DE AMBOS OS SEXOS The body mass index (BMI) of boys and girls Leonardo Antônio dos Santos Galdino 1 RESUMO Com base no índice de massa corporal (IMC) de crianças

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde

Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde 15 Atividade Física e Alimentação Adequada para a Promoção da Saúde Erika da Silva Maciel Licenciatura em Educação Física - Unimep Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida - Unicamp Mestre

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA.

EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. 1 EXERCÍCIO FÍSICO: ESTRATÉGIA PRIORITÁRIA NA PROMOÇÃO DA SAÚDE E DA QUALIDADE DE VIDA. Tales de Carvalho, MD, PhD. tales@cardiol.br Médico Especialista em Cardiologia e Medicina do Esporte; Doutor em

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study

Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Arterial Structure and Function after Recovery from the Metabolic Syndrome The Cardiovascular Risk in Young Finns Study Koskinen J, Magnussen CG, Taittonen L, Räsänen L, Mikkilä V, Laitinen T, Rönnemaa

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA

PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 PERFIL DEMOGRÁFICO E ANTROPOMÉTRICO DOS PACIENTES SUBMETIDOS À ANGIOPLASTIA CORONARIANA Gisele Escudeiro 1 ; Willian Augusto de Melo 2 RESUMO: A angioplastia

Leia mais

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA

ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA ATENDIMENTO NUTRICIONAL, PREVALÊNCIA DE FATORES DE RISCO PARA DOENÇA CARDIOVASCULAR E INATIVIDADE FÍSICA EM MULHERES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA Área Temática: Saúde ¹Jussara Gazzola (Coordenador da Ação

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS NO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA - PR

PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS NO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA - PR PERFIL NUTRICIONAL DE MULHERES COM CÂNCER DE MAMA ATENDIDAS NO HOSPITAL DA PROVIDÊNCIA DE APUCARANA - PR BOLONEZI, K.C. Resumo: O câncer de mama continua sendo um problema de saúde publica a nível mundial,

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Palavras-chave Colesterol, LDL, LDL direto, LDL indireto, fórmula de Friedewald

Palavras-chave Colesterol, LDL, LDL direto, LDL indireto, fórmula de Friedewald UMA COMPARAÇÃO ANALITICA ENTRE DOIS MÉTODOS UTILIZADOS PARA DETERMINAÇÃO DO LDL COLESTEROL Marcos da Costa Vieira RESUMO O presente trabalho tem como tema uma comparação analítica entre dois métodos utilizados

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL

MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL MONITORAMENTO DO ESTADO NUTRICIONAL DE PRÉ-ESCOLARES DE UM CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL Carla Cristina de MORAI 1 ; Danielly Souza PIRES¹; Raquel Machado SCHINCAGLIA¹; Maria Irene de Castro BARBOSA¹; Polianna

Leia mais

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível

Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nutrição e Doenças Crônicas Não Transmissível Nut. Sandra Mari Barbiero barbierosandra@yahoo.com.br Doenças e Agravos Não Transmissíveis (DANTs) São doenças multifatoriais a) Fatores de Risco Não modificáveis:

Leia mais

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas

A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira A criança, o adolescente e a prática de atividades físicas A juventude americana não participa de

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES

HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 HÁBITOS ALIMENTARES E ESTADO NUTRICIONAL DE ADOLESCENTES Larissa Paula da Silva de Souza 1, Sara Leal de Lima 2, Angela Andréia França Gravena 3 RESUMO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLESTEROLEMIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM LABORATÓRIO NO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ-MA

AVALIAÇÃO DA COLESTEROLEMIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM LABORATÓRIO NO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ-MA 41 AVALIAÇÃO DA COLESTEROLEMIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM LABORATÓRIO NO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ-MA EVALUATION OF CHOLESTEROL IN CHILDREN ATTENDING A LABORATORY IN THE CITY OF IMPERATRIZ-MA FIRMO, Wellyson

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MESTRADO EM NUTRIÇÃO GORDURA DIETÉTICA E LIPIDÍOS SÉRICOS ALYNE CRISTINE SOUZA DA SILVA Dissertação apresentada ao colegiado do Programa de

Leia mais

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM IDOSOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL/PR

PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM IDOSOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL/PR 1 PREVALÊNCIA DE EXCESSO DE PESO EM IDOSOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA NO MUNICÍPIO DE CASCAVEL/PR VOLKMANN, Valdineis P. 1 RUIZ, Fabiana S. 2 RESUMO O excesso de peso é considerado

Leia mais

6. Sobrepeso e obesidade Introdução

6. Sobrepeso e obesidade Introdução 6. Sobrepeso e obesidade Introdução A prevalência de sobrepeso e obesidade vem aumentando rapidamente no mundo, sendo considerada um importante problema de saúde pública tanto para países desenvolvidos

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

ANÁLISE DOS RISCOS CORONARIANOS ATRAVÉS DO RCQ EM POLICIAIS MILITARES DA CIDADE DE MATIPÓ-MG

ANÁLISE DOS RISCOS CORONARIANOS ATRAVÉS DO RCQ EM POLICIAIS MILITARES DA CIDADE DE MATIPÓ-MG Centro Universitário de Caratinga UNEC Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Extensão Curso de Pós-Graduação em Atividades Motoras para a Promoção da Saúde e Qualidade de Vida HEIDY FRUTUOSO ANÁLISE

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais